I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados"

Transcrição

1 índice Geral índice de Tabelas 12 índice de Figuras 18 Agradecimentos 23 Introdução 27 I PARTE A ligação entre eleitores e eleitos e o papel dos deputados CAPÍTULO l Declínio, transformação e confiança nos parlamentos: uma perspectiva longitudinal e comparada 55 Conceição Pequito Teixeira e André Freire 1. Introdução Triunfo do regime democrático e erosão do apoio público às instituições políticas Entre a centralidade institucional e o declínio funcional Da confiança nas instituições democráticas à confiança nos parlamentos Confiança institucional e cultura política Confiança institucional e capital social Confiança institucional e apoio específico Variável dependente: confiança nos parlamentos nacionais Variáveis independentes, hipóteses e interpretações Correlatos atitudinais da confiança no Parlamento português Notas finais 84 Referências bibliográficas 86 CAPÍTULO 2 Os novos media, os cidadãos e o Parlamento em Portugal: a continuidade do fosso digital da democracia electrónica e as lições a retirar da experiência de Obama 91 Carlos Cunha e Filipa Seiceira

2 1. Introdução Os deputados portugueses e a utilização dos novos media: meios de acesso e transmissão de informação Tendências futuras? Notas finais 113 Referências bibliográficas 115 CAPÍTULO 3 Envolvimento dos cidadãos e dos parlamentares nas associações 119 José Manuel Leite Viegas e Susana Santos 1. O associativismo: teia de ligações para uma sociedade civil mais forte Objectivos, hipóteses e metodologia Os cidadãos e as associações voluntárias: análise comparativa e evolutiva Os cidadãos e os parlamentares: análise comparativa A educação e a participação associativa A identidade ideológica esquerda-direita e a participação associativa Identificação partidária e participação associativa Conclusões 140 Referências bibliográficas 142 CAPÍTULO 4 Os deputados franceses e os «papéis representativos» 145 Oliver Costa e Eric Kerrouche 1. Introdução Importância dos recursos locais Processo de profissionalização ligado aos mandatos locais Meios e recursos locais dos deputados Opiniões dos deputados sobre a fraqueza política da Assembleia Nacional Quais são os papéis parlamentares dos deputados franceses? Papéis parlamentares - abordagens Uma tipologia dual dos papéis parlamentares 167

3 4. Conclusão 175 Referências bibliográficas 176 II PARTE Ideologia e representação política CAPÍTULO 5 Congruência ideológica e instituições eleitorais: conceptualização e medida 181 Matt Golder e Jacek Stramski 1. Introdução Conceptualização da congruência Relações um-para-um Relações vários-para-um Relações vários-para-vários A medição da congruência Medidas (vários-para-um) Medida (vários-para-vários) Dados Teorizando a congruência Regras eleitorais proporcionais Regras eleitorais maioritárias Avaliando a congruência Congruência vários-para-um Congruência vários-para-vários Conclusão 217 Referências bibliográficas 220 CAPÍTULO 6 Representação ideológica em Portugal: congruência entre deputados e eleitores em termos de posicionamento esquerda-direita e dos respectivos significados 225 André Freire eana Belchior 1. Introdução Dados e método Congruência entre deputados e eleitores no autoposicionamento esquerda-direita 229

4 4. Congruência deputados-eleitores em termos de preferências políticas 231 '^ 5- A estrutura de determinação do autoposicionamento esquerda-direita de deputados e eleitores O significado de esquerda e direita para deputados e para eleitores Conclusões 247 Apêndice 250 Referências bibliográficas 252 CAPÍTULO 7 Representação política em Portugal. Congruência entre deputados e eleitores em termos de preferências políticas 255 Ana Belchior e André Freire 1. Introdução Representação política: discussão da literatura Objectivos e hipóteses da pesquisa Metodologia: análise e dados A estrutura de preferências políticas de deputados e eleitores Níveis de congruência política entre deputados e eleitores Correlatos das preferências políticas Conclusões 279 Apêndice 282 Referências bibliográficas 284 III PARTE Integração europeia e representação política CAPÍTULO 8 O posicionamento dos deputados e dos eleitores face à Europa: o caso de Portugal 289 Catherine Moury e Luís de Sousa 1. Introdução Hipóteses 291

5 3. Contextualização política: o sistema partidário português Quão discrepantes são as opiniões dos eleitores e dos seus deputados acerca da Europa? Dados Comparando elite política e cidadãos Comparando os deputados e os seus eleitores por partido Explicação da discrepância entre as atitudes dos eleitos - e dos seus eleitores, Conclusão 310 Apêndice 311 Referências bibliográficas 313 CAPÍTULO 9 Representação política na União Europeia 317 Hermann Schmitt 1. Introdução Investigação anterior Questões e hipóteses de investigação Hipótese específica do partido: dimensão e estatuto no governo Hipótese específica da eleição: diferencial pré/pós Hipótese específica do sistema: conflitualidade em torno dos temas, formato da competição partidária e duração da adesão Metodologia e dados Resultados Conclusões e perspectivas 333 Referências bibliográficas 335 IV PARTE Reforma institucional e democracia deliberativa CAPÍTULO 10 Reformas institucionais em Portugal: a perspectiva dos deputados e dos eleitores 341 André Freire e Manuel Meirinho

6 1. Introdução Reformas eleitorais: entre a complexidade e as dificuldades de mudança Propostas de reforma do sistema eleitoral: uma síntese Síntese das críticas ao funcionamento do sistema eleitoral português Atitudes dos cidadãos em relação ao sistema político: o caso português em perspectiva comparada Reformas institucionais e descontentamento dos cidadãos com o sistema político Perspectiva dos deputados e dos eleitores sobre os princípios das regras eleitorais Perspectiva dos eleitos em relação às soluções desejáveis para a reforma do sistema eleitoral Notas conclusivas 368 Referências bibliográficas 371 CAPÍTULO 11 As causas para a adopção da lei da paridade em Portugal 375 MichaelBaum eana Espírito-Santo 1. Introdução Dados e metodologia Modelos de adopção da paridade Contextualizando a lei portuguesa Análise dos papéis dos agentes Agentes da sociedade civil Agentes do Estado Agentes internacionais e transnacionais Contexto político em Portugal Papel do sistema eleitoral Conclusões 406 Apêndice 409 Referências bibliográficas

7 CAPÍTULO 12 Deliberação democrática: as atitudes dos deputados e dos cidadãos 415 José Manuel Leite Viegas e Sandra Carvalho 1. Introdução Objectivos e metodologia Atitudes de deputados e cidadãos face à deliberação democrática Respeito e consideração pelas posições defendidas pelos outros Defesa do bem comum Tentativa de incorporação das posições dos outros Abertura à participação Conclusões 443 Referências bibliográficas 447 Autores 451

Portugal: do autoritarismo à democracia

Portugal: do autoritarismo à democracia Portugal: do autoritarismo à democracia Philippe C. Schmitter IMPRENSA DE CIÊNCIAS SOCIAIS ÍNDICE INTRODUÇÃO 11 CAPÍTULO I O REGIME DE EXCEPÇÃO QUE SE TORNOU A NORMA: 48 ANOS DE DOMÍNIO AUTORITÁRIO EM

Leia mais

8.1 Dimensões de um sistema eleitoral. eleitoral

8.1 Dimensões de um sistema eleitoral. eleitoral (ula 6) Métodos de votação e sistemas eleitorais. s dimensões de um sistema eleitoral (introd.). Os tipos de sistema eleitoral.. Sistemas maioritários.. Sistemas proporcionais.. Sistemas mistos.. Uma análise

Leia mais

^PERFIL DOS ESTUDANTES " DO ENSINO SUPERIOR DESIGUALDADES E DIFERENCIAÇÃO

^PERFIL DOS ESTUDANTES  DO ENSINO SUPERIOR DESIGUALDADES E DIFERENCIAÇÃO Casimira Balsa José Alberto Simões Pedro Nunes Renato do Carmo Ricardo Campos A 356638 ^PERFIL DOS ESTUDANTES " DO ENSINO SUPERIOR DESIGUALDADES E DIFERENCIAÇÃO Edições Colibri CEOS - Investigações Sociológicas,

Leia mais

Programa Nacional de Juventude

Programa Nacional de Juventude Programa Nacional de Juventude O Programa Nacional de Juventude, que hoje se apresenta, tem o seu enquadramento no Programa do XVII Governo Constitucional e nas Grandes Opções do Plano, e acolhe as prioridades

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência Informação Prova de equivalência à frequência 3.º Ciclo do Ensino Básico 1ª e 2ª fases Ano Letivo 2013/2014 Disciplina: História Duração: 90 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1.INTRODUÇÃO

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO

ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ACORDO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA JUVENTUDE E DO DESPORTO ----- ENTRE ----- A REPÚBLICA DE ANGOLA, A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, A REPÚBLICA DE CABO VERDE, A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU, A REPÚBLICA

Leia mais

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA Roteiro da aula 1. Por que planejar a pesquisa? 2. Principais tipos de desenhos de pesquisa - Quantitativos ou qualitativos - Transversais ou longitudinais - Exploratórios,

Leia mais

Diminuir o número de círculos de 22 para 2. Diminuir o número de deputados de 230 para 181. Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral

Diminuir o número de círculos de 22 para 2. Diminuir o número de deputados de 230 para 181. Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral RESUMO DA PROPOSTA Diminuir o número de círculos de 22 para 2 Diminuir o número de deputados de 230 para 181 Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral DOIS PROBLEMAS DA LEI ACTUAL Desrespeito pelo

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO VIVA. cidadania e direitos humanos. Livraria do Advogado Editora. Porto Alegre, 2007

A CONSTITUIÇÃO VIVA. cidadania e direitos humanos. Livraria do Advogado Editora. Porto Alegre, 2007 PAULO FERREIRA DA CUNHA Professor Catedrático e Diretor do Instituto Jurídico Interdisciplinar da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, Portugal. Doutor em Direito das Universidades de Coimbra

Leia mais

A relação entre ciência e política em Portugal

A relação entre ciência e política em Portugal A relação entre ciência e política em Portugal Conferência Ciência e Decisão Política Associação Viver a Ciência Instituto de Medicina Molecular Lisboa, 22 de Novembro de 2005 Tiago Santos Pereira (CES/UC)

Leia mais

BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA 6. BIBLIOGRAFIA Bento, J. (1991). Desporto, Saúde; Vida. Em Defesa do Desporto. Cultura Física. Livros Horizonte, Lisboa.. Branco, P. (1994). O Município e o Desporto: Contributo para a Definição de um

Leia mais

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4-

PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- PESQUISA CIENTÍFICA -Aula 4- Prof. Alexandre Paiva da Silva Pombal PB SUMÁRIO Pesquisa Conceitos Características Objetivos Finalidades Requisitos Qualidades do pesquisador Tipos de pesquisa científica

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2015, DE Dá nova redação aos arts. 45 e 46 da Constituição Federal para reduzir o número de membros da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. As Mesas da Câmara

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Novembro de 2016 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

II ENCONTRO EM ENSINO E DIVULGAÇÃO DAS CIÊNCIAS RESUMOS DIGITAIS DAS COMUNICAÇÕES DO

II ENCONTRO EM ENSINO E DIVULGAÇÃO DAS CIÊNCIAS RESUMOS DIGITAIS DAS COMUNICAÇÕES DO RESUMOS DIGITAIS DAS COMUNICAÇÕES DO II ENCONTRO EM ENSINO E DIVULGAÇÃO DAS CIÊNCIAS Organizadores Carla Morais (UP) Clara Vasconcelos (UP) João Paiva (UP) Maria Gabriela Chaves (UP) Paulo Simeão Carvalho

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 1/VIII AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL Portugal continua a ser o País da União Europeia com mais baixos salários, onde se têm acentuado as desigualdades salariais e sociais e onde

Leia mais

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO

CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO CURRICULUM VITAE RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Março 2011 I - IDENTIFICAÇÃO Nome - RAUL CARLOS VASQUES ARAÚJO Estado civil - Casado Naturalidade - Luanda Nacionalidade - Angolana Data de nascimento - 21 de

Leia mais

Descrição do Curso de Verão

Descrição do Curso de Verão Descrição do Curso de Verão Portugal - 1 de 7 - Introdução O BEST Board of European Students of Technology é uma associação sem fins lucrativos, políticos ou religiosos que reúne estudantes de Engenharia,

Leia mais

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Plano de Aula 1. Plano de aulas 2. Sobre o curso 3. Estudo de teorias e modelos: definições e problemas

Leia mais

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S ÍNDICE Tabelas de Preferência Transitividade e Eliminação de Candidatos Movimentação das preferências individuais Transitividade Eliminação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Auditorias ambientais Aula 2 Prof. Luiz Antonio Forte Critérios para qualificação de auditores Estudo de caso Auditoria Ambiental Contextualização

Leia mais

Cidadania Europeia. Direção-Geral da Educação Av. 24 de Julho, n.º Lisboa Tel

Cidadania Europeia. Direção-Geral da Educação Av. 24 de Julho, n.º Lisboa Tel Este documento foi elaborado pela Direção-Geral da Educação em parceria com a Pro Dignitate - Fundação de Direitos Humanos, por ocasião do Seminário conjunto realizado no âmbito do Ano Europeu dos Cidadãos

Leia mais

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução;

Considerando o interesse de medir com regularidade os conteúdos da Web em português de forma a ter uma informação precisa sobre a sua evolução; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL em matéria de reforço

Leia mais

O PROCESSO ELETRÔNICO NO DISTRIBUIDOR DO TRT 1ª REGIÃO. por. Ricardo José Muniz da Cunha

O PROCESSO ELETRÔNICO NO DISTRIBUIDOR DO TRT 1ª REGIÃO. por. Ricardo José Muniz da Cunha O PROCESSO ELETRÔNICO NO DISTRIBUIDOR DO TRT 1ª REGIÃO por Ricardo José Muniz da Cunha Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Pós-Graduação em Administração Judiciária Pós-Graduação lato

Leia mais

O VOTO PROPORCIONAL E A REFORMA POLITICA NO BRASIL

O VOTO PROPORCIONAL E A REFORMA POLITICA NO BRASIL O VOTO PROPORCIONAL E A REFORMA POLITICA NO BRASIL Robison Luiz Marciniaki Karas Co- autor: Bruno Gasparini gasparini_bruno@hotmail.com Palavras-chave: Ciência política -Democracia Sistema- Eleitoral brasileiro.

Leia mais

Durval Tiago Moreira Fonseca e Castro Ferreira. Av. 25 de Abril, n.º 50, 2.º andar esquerdo; Vila Nova de Famalicão

Durval Tiago Moreira Fonseca e Castro Ferreira. Av. 25 de Abril, n.º 50, 2.º andar esquerdo; Vila Nova de Famalicão Curriculum Vitae Informação pessoal Nome Cartão de Cidadão Durval Tiago Moreira Fonseca e Castro Ferreira 9946875 Morada profissional Av. 25 de Abril, n.º 50, 2.º andar esquerdo; 4760-101 Vila Nova de

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIO PARA O ESTABELECIMENTO DE COLIGAÇÕES ELEITORAIS AUTÁRQUICAS NO DISTRITO DO PORTO

ACORDO DE PRINCÍPIO PARA O ESTABELECIMENTO DE COLIGAÇÕES ELEITORAIS AUTÁRQUICAS NO DISTRITO DO PORTO ACORDO DE PRINCÍPIO PARA O ESTABELECIMENTO DE COLIGAÇÕES ELEITORAIS AUTÁRQUICAS NO DISTRITO DO PORTO Entre as Comissões Políticas Distritais do Porto: PPD/PSD CDS/PP Portugal assiste hoje a um dos maiores

Leia mais

Aula de hoje: Introdução aos sistemas eleitorais (conceitos básicos)

Aula de hoje: Introdução aos sistemas eleitorais (conceitos básicos) Aula de hoje: Introdução aos sistemas eleitorais (conceitos básicos) Referências: Nicolau, J. M. Sistemas eleitorais; uma introdução. Rio de Janeiro: FGV. Lijphart, A. (2003). Modelos de democracia. Rio

Leia mais

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA

MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE RELATO DE EXPERIÊNCIA Gisele Cristina Tertuliano RESUMO Este artigo é um relato de experiência sobre o processo de aprendizagem de aprendizagem para

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 280/XII/2.ª DESIGNAÇÃO E DESTITUIÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP PELA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Exposição de motivos O Bloco de Esquerda tem desde sempre alertado

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA NACIONAL DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTRODUÇÃO O Ministério de Educação, nos últimos três anos, vem construindo uma concepção educacional tendo em vista a articulação dos níveis e modalidades de ensino,

Leia mais

DA EDUCAÇÃO À ESCOLA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO TAYLORIZAÇÃO DA ESCOLA = TECNICISMO

DA EDUCAÇÃO À ESCOLA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO URBANIZAÇÃO E INDUSTRIALIZAÇÃO TAYLORIZAÇÃO DA ESCOLA = TECNICISMO ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO HISTORICIZANDO... DA EDUCAÇÃO À ESCOLA EDUCAÇÃO: PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO = PROCESSO DE PRODUÇÃO DA EXISTÊNCIA DIFERENCIAÇÃO SOCIAL= ESCOLA COMO ESPAÇO DA ELITE = ÓCIO

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE HISTÓRIA 2016 9º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º 139 / 2012, DE 5 DE JULHO)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma

8.º Ano Expansão e mudança nos séculos XV e XVI O expansionismo europeu Renascimento, Reforma e Contrarreforma Escola Secundária Dr. José Afonso Informação-Prova de Equivalência à Frequência História Prova 19 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

NORMAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

NORMAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES NORMAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES SÃO JOSÉ DOS QUATRO MARCOS, 2013. NORMAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Este Manual objetiva padronizar a elaboração dos trabalhos escolares

Leia mais

Visão Geral do Processo. Giuseppe Dutra Janino Secretário de Tecnologia da Informação/TSE

Visão Geral do Processo. Giuseppe Dutra Janino Secretário de Tecnologia da Informação/TSE Visão Geral do Processo Giuseppe Dutra Janino Secretário de Tecnologia da Informação/TSE Agenda Institucional A Urna Eletrônica Visão geral do processo Evolução Fraude Meios de fiscalização Institucional

Leia mais

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação

Escola Nacional de Administração Pública Diretoria de Formação Profissional Coordenação-Geral de Formação Curso de Formação Inicial para a Carreira de EPPGG 2011 EIXO 1 ESTADO, SOCIEDADE E DEMOCRACIA Disciplina: D 1.2 Democracia e Cidadania no Brasil. Professor titular: Roberto Rocha Coelho Pires Período:

Leia mais

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO?

QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? QUE FUTURO PARA A EDUCAÇÃO? Nos dias 30 e 31 de Maio de 2011, realizou-se em Lisboa, no Palácio de São Bento, a Sessão Nacional do Parlamento dos Jovens 2011 do Ensino Secundário. O Parlamento dos Jovens

Leia mais

É escolher um tema, clarificá-lo nos seus diversos aspectos, e tomar uma posição sobre o assunto. Não é necessariamente inventar algo.

É escolher um tema, clarificá-lo nos seus diversos aspectos, e tomar uma posição sobre o assunto. Não é necessariamente inventar algo. Elaborar um trabalho de pesquisa 1 É escolher um tema, clarificá-lo nos seus diversos aspectos, e tomar uma posição sobre o assunto. Não é necessariamente inventar algo. 2 1º - ESCOLHER o tema 2º - PROCURAR

Leia mais

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS

PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROGRAMA PARLAMENTO DOS JOVENS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES, A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA, O

Leia mais

FAM - FACULDADE METROLITANA DE PETROLINA MATRIZ CURRICULAR DE SERVIÇO SOCIAL /

FAM - FACULDADE METROLITANA DE PETROLINA MATRIZ CURRICULAR DE SERVIÇO SOCIAL / FAM - FACULDADE METROLITANA DE PETROLINA MATRIZ CURRICULAR DE SERVIÇO SOCIAL / 2016.2 COMPONENTE CURRICULAR TEÓRICA PRÁTICA CRÉDITOS Ciência Política 30 0 2 Leitura e Produção de textos 60 0 4 Metodologia

Leia mais

Exames da Universidade Aberta - Julho 2010

Exames da Universidade Aberta - Julho 2010 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Data 02-Jul 06-Jul 07-Jul Horário Exames da Universidade Aberta - Julho 2010 Disciplinas Cód. Descrição 11009 Conhecimento do Mundo Social

Leia mais

Democracia, descontentamento e desafeição política em Portugal. Pedro Magalhães (ICS-UL)

Democracia, descontentamento e desafeição política em Portugal. Pedro Magalhães (ICS-UL) Encontro Ciência em Portugal Ciência 2007 Democracia, descontentamento e desafeição política em Portugal Pedro Magalhães (ICS-UL) Estudo integrado no programa de investigação Comportamento Eleitoral dos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA UNIFOR CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ Curso de Direito

FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA UNIFOR CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ Curso de Direito FUNDAÇÃO EDSON QUEIROZ UNIVERSIDADE DE FORTALEZA UNIFOR CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS CCJ Curso de Direito INFIDELIDADE PARTIDÁRIA: UM RETROCESSO NA DEMOCRACIA BRASILEIRA Thiago da Costa Cartaxo Melo Matr.

Leia mais

Sumário. Apresentação Supremo Tribunal Federal: Entre A Soberania Popular e o Contramajoritarianismo? André Fellet CONSTITUIÇÃO E POLÍTICA

Sumário. Apresentação Supremo Tribunal Federal: Entre A Soberania Popular e o Contramajoritarianismo? André Fellet CONSTITUIÇÃO E POLÍTICA Sumário Apresentação Supremo Tribunal Federal: Entre A Soberania Popular e o Contramajoritarianismo?... 15 André Fellet CONSTITUIÇÃO E POLÍTICA 1. Direitos Fundamentais, Democracia e Claúsulas Pétreas

Leia mais

Definição como se transformam votos em poder

Definição como se transformam votos em poder Definição. Sistema eleitoral é o conjunto de regras que define como, em uma determinada eleição, o eleitor pode fazer suas escolhas e como os votos são contabilizados para serem transformados em mandatos.

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA.

SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA. SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIREÇÃO REGIONAL DA EDUCAÇÃO INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE HISTÓRIA Código 19 3.º Ciclo do Ensino Básico Ano Letivo 2015 / 2016 O presente documento

Leia mais

Congruência Ideológica e Política em Angola: Análise comparativa dos Deputados eleitos para Assembleia Nacional e respectivos Eleitores

Congruência Ideológica e Política em Angola: Análise comparativa dos Deputados eleitos para Assembleia Nacional e respectivos Eleitores Departamento de Ciência Política e Políticas Públicas Congruência Ideológica e Política em Angola: Análise comparativa dos Deputados eleitos para Assembleia Nacional e respectivos Eleitores Gildo Matias

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IDEIAS POLÍTICAS NO MUNDO OCIDENTAL Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular IDEIAS POLÍTICAS NO MUNDO OCIDENTAL Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular IDEIAS POLÍTICAS NO MUNDO OCIDENTAL Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO: POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR PROJETO DE PESQUISA

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO: POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR PROJETO DE PESQUISA CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO: POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR PROJETO DE PESQUISA ALUNO: Idelfonso V. Salmito Professor: Antônio T. Barros Brasília,

Leia mais

Escola Secundária D. João II. Ano Letivo 2014/2015

Escola Secundária D. João II. Ano Letivo 2014/2015 Escola Secundária D. João II Ano Letivo 2014/2015 Ponte de Lima, 1 de Julho de 2015 Neste trabalho teve-se em consideração duas linhas de investigação interrelacionadas: 1ª - Características específicas

Leia mais

Legislação brasileira anti-preconceito anti-racismo: contextualização histórica Ementa: Objetivo:

Legislação brasileira anti-preconceito anti-racismo: contextualização histórica Ementa: Objetivo: DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUACÃO EM RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS DISCIPLINA: Legislação brasileira anti-preconceito e anti-racismo: contextualização histórica PROFESSOR(ES): Alvaro

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR PPGPS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS CR M D

ESTRUTURA CURRICULAR PPGPS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS CR M D ESTRUTURA CURRICULAR PPGPS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS CR M D Nome: Metodologia da Pesquisa Social Professor (a): Vini Rabassa da Silva Ementa: Perspectivas teórico-metodológicas: o método em Marx, Durkheim,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /XI ADOPTA O SISTEMA PLURIANUAL DE FINANCIAMENTO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

PROJECTO DE LEI N.º /XI ADOPTA O SISTEMA PLURIANUAL DE FINANCIAMENTO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /XI ADOPTA O SISTEMA PLURIANUAL DE FINANCIAMENTO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Exposição de motivos A crescente desresponsabilização financeira do Estado, a

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia do Trabalho e das

Leia mais

PODER LOCAL E PARTICIPAÇÃO. Aline Vons Miranda (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Osmir Dombrowski (Orientador),

PODER LOCAL E PARTICIPAÇÃO. Aline Vons Miranda (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Osmir Dombrowski (Orientador), PODER LOCAL E PARTICIPAÇÃO Aline Vons Miranda (PIBIC/Fundação Araucária-UNIOESTE), Osmir Dombrowski (Orientador), e-mail: osmirdom@yahoo.br Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Centro de Ciências Humanas

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PARA A INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES DE CASCAIS Plenário CLAS

PLANO MUNICIPAL PARA A INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES DE CASCAIS Plenário CLAS PLANO MUNICIPAL PARA A INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES DE CASCAIS Plenário CLAS 25.03.2015 Titulo da apresentação 00 mês 2014 Equipa de construção do Plano 1º Módulo Cascais e a Imigração: retrato da realidade

Leia mais

PROGRAMA ABREVIADO PARTE I DOGMÁTICA GERAL

PROGRAMA ABREVIADO PARTE I DOGMÁTICA GERAL Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2016/2017 DIREITO DO TRABALHO I 4º ANO Turma da Noite Coordenação e regência: Profª Doutora Maria do Rosário Palma Ramalho Colaboradores: Prof. Doutor Pedro

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA ARTE E EXPRESSIVIDADE Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CEDUC CURSO DE PEDAGOGIA DISCIPLINA: TIC S PROFESSORA: TERESA KÁTIA ALBUQUERQUE TV ESCOLA UM SALTO PARA O FUTURO BOA VISTA RR 2010 1 CONCEIÇÃO SOUSA EDGARD GARCIA JOSILÉIA

Leia mais

^Portugal a Votos As Eleições Legislativas de 2002

^Portugal a Votos As Eleições Legislativas de 2002 A 383158 ^Portugal a Votos As Eleições Legislativas de 2002 Organização: André Freire Marina Costa Lobo Pedro Magalhães Imprensa de Ciências Sociais índice Agradecimentos 23 Introdução 25 Capítulo 1 As

Leia mais

Sónia Cristina Hipólito Codinha. Vendas / Secretariado / Serviço administrativo

Sónia Cristina Hipólito Codinha. Vendas / Secretariado / Serviço administrativo Curriculum vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Sónia Cristina Hipólito Codinha Rua Central Elétrica, Bloco E, 3º frente Esq., 2520-311 Peniche 917399564 soniahipolito3@hotmail.com Sexo Feminino Data de nascimento

Leia mais

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos

Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Sugestões pedagógicas para orientar a leitura dos livros da Biblioteca Digital Livro Os Ciganos: História e Cultura - crianças e jovens - 12/15 anos Atividades para trabalhar os temas: Tolerância intercultural

Leia mais

TABELA ELEMENTOS PARA ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO

TABELA ELEMENTOS PARA ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO TABELA ELEMENTOS PARA ESTRUTURA DO TRABALHO CIENTÍFICO TIPO DE ELEMENTO ELEMENTOS DESCRIÇÃO Elementos externos Capa Nome da Instituição, Nome do autor, título e subtítulo, local (cidade), Ano. Elementos

Leia mais

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS. 10 de Dezembro 2013 REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA CARTA DE PRINCÍPIOS 10 de Dezembro 2013 I Denominação Fundada no Brasil em 16 de março de 2007, denomina-se REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA o conjunto de organizações da

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL

Leia mais

Catalogação na Publicação (CIP)

Catalogação na Publicação (CIP) GUIA AOS ELEITORES Catalogação na Publicação (CIP) P221 Pará. Ministério Público. Guia aos eleitores: Perguntas e respostas sobre as eleições municipais de 2016 / Elaboração e Organização de José Edvaldo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES DE PAÍSES, TERRITÓRIOS E REGIÕES ADMINISTRATIVAS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA OU COM ACORDOS ESPECIAIS NO DOMÍNIO DA PRESERVAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Leia mais

FIDELIDADE PARTIDÁRIA NA JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

FIDELIDADE PARTIDÁRIA NA JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL FIDELIDADE PARTIDÁRIA NA JURISPRUDÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Gilmar Ferreira Mendes 1 No último dia 4 de outubro, o Supremo Tribunal Federal foi palco de um julgamento histórico. Após um longo e

Leia mais

ALIANÇA PORTUGAL. Acordo de coligação para as eleições para o. Parlamento Europeu de 2014

ALIANÇA PORTUGAL. Acordo de coligação para as eleições para o. Parlamento Europeu de 2014 ALIANÇA PORTUGAL Acordo de coligação para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 As eleições para o Parlamento Europeu, que têm lugar no próximo dia 25 de Maio, realizam-se num momento especialmente

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

DECLARAÇÃO DE EUSKADI

DECLARAÇÃO DE EUSKADI DECLARAÇÃO DE EUSKADI As Presidentas e os Presidentes que participam na XII Conferência das Assembleias Legislativas Regionais Europeias, celebrada em Euskadi no dias 3 e 4 de Novembro. (Lista dos assinantes

Leia mais

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL

LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2015 O ASSOCIATIVISMO E O SEU QUADRO LEGAL A VIDA ASSOCIATIVA É UM INSTRUMENTO DE EXERCÍCIO DA SOCIABILIDADE. POR MEIO DELA CONQUISTA SE NOVOS AMIGOS, EXPANDE SE CONHECIMENTOS,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, de 2006.

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, de 2006. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, de 2006. Altera os artigos 46, 56 e 79 da Constituição Federal. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do art. 60 da Constituição Federal,

Leia mais

Manual para elaboração de artigos

Manual para elaboração de artigos 1 Manual para elaboração de artigos ESTRELA 2016 2 APRESENTAÇÃO Este documento visa auxiliar os estudantes da Faculdade La Salle Estrela na elaboração de artigos, apresentando as regras dispostas nas normas

Leia mais

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base.

Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Esquema Textual Para Rauen ( 2002) esquema é um tipo de produção textual que explicita a linha diretriz do autor de um documento de base. Assim esquema é a apresentação do texto, colocando em destaque

Leia mais

Reflexões sobre Reforma Política

Reflexões sobre Reforma Política Reflexões sobre Reforma Política Texto Faculdade Assis Gurgacz Cascavel Paraná 27.Set.2013 Roteiro da Apresentação 1a. Parte: Circunstâncias Históricas 2a. Parte: Identificado os caminhos (doutrina de

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL COMPETITIVIDADE TERRITORIAL E COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL RELATÓRIO FINAL VOLUME 1 AS GRANDES QUESTÕES CONCEPTUAIS E METODOLÓGICAS JULHO DE 2005 Estudos de Organização do Território, Lda. 2 GEOIDEIA FICHA

Leia mais

Depois da guerra total, a humanidade via-se confrontada com o horror total dos campos de concentração.

Depois da guerra total, a humanidade via-se confrontada com o horror total dos campos de concentração. Senhor Provedor de Justiça, Senhora Secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhores Vice-Presidentes da Assembleia da República, Senhores Presidentes dos Grupos Parlamentares e

Leia mais

Orçamento Participativo, Uma Nova Gestão. Carolina P. Quiquinato Caroline Rizzi Felipe Biasoli Guilherme G. Capovilla

Orçamento Participativo, Uma Nova Gestão. Carolina P. Quiquinato Caroline Rizzi Felipe Biasoli Guilherme G. Capovilla Orçamento Participativo, Uma Nova Gestão Carolina P. Quiquinato Caroline Rizzi Felipe Biasoli Guilherme G. Capovilla Orçamento Participativo Século XX democracia assume papel central no campo político

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular CONSULTA PSICOLÓGICA E EXAME PSICOLÓGICO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Psicologia Clínica 3. Ciclo

Leia mais

CURSO DE... Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito. NOME DO AUTOR Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito

CURSO DE... Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito. NOME DO AUTOR Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito CURSO DE... NOME DO AUTOR TÍTULO: SUBTÍTULO MARINGÁ ANO NOME DO AUTOR TÍTULO: SUBTÍTULO Recuo de 7 cm, fonte 12, espaço simples Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Metropolitana de Maringá

Leia mais

Declaração Final. Florença, 17 e 18 de Maio de As Presidentes e os Presidentes das Assembleias Legislativas Regionais da Europa.

Declaração Final. Florença, 17 e 18 de Maio de As Presidentes e os Presidentes das Assembleias Legislativas Regionais da Europa. Declaração Final Florença, 17 e 18 de Maio de 1999 As Presidentes e os Presidentes das Assembleias Legislativas Regionais da Europa. Opinam que depois da unidade económica e monetária tenha chegado a hora

Leia mais

CTeSP Curso Técnico Superior Profissional Informática de Gestão Unidade Curricular Cálculo Financeiro

CTeSP Curso Técnico Superior Profissional Informática de Gestão Unidade Curricular Cálculo Financeiro CTeSP Curso Técnico Superior Profissional Informática de Gestão Unidade Curricular Cálculo Financeiro Objetivos - Fornecer ao futuro utilizador os instrumentos necessários (conceitos, processos e metodologias

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

Para dar seu voto consciente, o eleitor deverá:

Para dar seu voto consciente, o eleitor deverá: Neste ano teremos eleições gerais, para elegermos nossos representantes nas três esferas de Governo: municipal, estadual e federal. Numa democracia representativa, a escolha de prefeitos, governadores,

Leia mais

POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA DESPORTIVO A EXPERIÊNCIA DE ALMADA

POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA DESPORTIVO A EXPERIÊNCIA DE ALMADA POLÍTICAS DE FINANCIAMENTO DO SISTEMA DESPORTIVO A EXPERIÊNCIA DE ALMADA Congresso do Desporto Setúbal 28 e 29 de Janeiro INTERVENÇÃO NO DESPORTO: DAS RAZÕES ÀS ACÇÕES POLÍTICA GLOBAL DE QUALIFICAÇÃO DAS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATO DE EXPERIÊNCIA OU ESTUDO DE CASO

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATO DE EXPERIÊNCIA OU ESTUDO DE CASO Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Desenvolvimento Pessoal Gerência de Desenvolvimento Técnico

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 OBJETO DE AVALIAÇÃO O Exame de Equivalência à Frequência de História tem por referência o Programa de História em

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PADRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO ESCOLA JOSEFA DE ÓBIDOS ANO LETIVO 2015/2016 INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO DISCILINA DE HISTÓRIA 1. OBJETO

Leia mais