Boletim do Escritório Pellon & Associados Julho 2012 Edição 25. RESSEGURO Online. As Coberturas de Resseguro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim do Escritório Pellon & Associados Julho 2012 Edição 25. RESSEGURO Online. As Coberturas de Resseguro"

Transcrição

1 Rio de Janeiro São Paulo Vitória Recife Brasília Düsseldorf Boletim do Escritório Pellon & Associados Julho 2012 Edição 25 RESSEGURO Online No Brasil e no Mundo As Coberturas de Resseguro Entenda como funciona o Contrato de Resseguro Por: Sergio Barroso de Mello* A obrigação do ressegurador de acompanhar e de seguir a sorte Na literatura moderna de resseguro, acompanhar a sorte e seguir as ações se apresentam como dois conceitos jurídicos totalmente distintos. Acompanhar a sorte significa que dentro dos termos e condições expressas no contrato de resseguro o ressegurador assume o risco original da mesma forma que o segurador. Basicamente, dito risco original consta do risco técnico composto pelo risco moral, dentro do controle do segurado e do risco físico, por exemplo, do risco de eventos que ocorrem além do controle do segurado e do segurador. O risco original também compreende o assim chamado risco de contrato, o qual significa que ao segurador podem ser exigidos os pagamentos de sinistros em relação com uma apólice, ainda que este não esteja obrigado a fazê-lo em termos objetivos (por exemplo, em caso de atos fraudulentos pelo segurado que não podem ser provados). Esse risco original assumido pelo segurador é trasladado ao ressegurador dentro dos termos e condições estabelecidas no contrato de resseguro. Por isso o termo acompanhar a sorte, linguisticamente pouco preciso e engano- so, se deriva da submissão dos seguradores a circunstâncias fora de seu controle. A este respeito se evitariam equívocos seguindo as palavras de E. R. Prölss sobre o princípio do risco original. 1 Em contraposição a isso, seguir as ações se refere aos deveres do ressegurador para seguir as decisões da gerência e as medidas tomadas pelo segurador. O termo deci- N E S T A E D I Ç Ã O 1 Contrato de Resseguro 7 SWISS RE - Resseguro e Infraestrutura Crítica - Serge Tröber, Diretor de Subscrição da Swiss Re Corporate Solutions 12 Planos de Saúde e Mudanças de Hábitos- Rating de Seguros 13 Clipping Luís Felipe Pellon Fundador e Presidente do Conselho Sergio Barroso de Mello Fundador e Membro do Conselho Tel

2 sões de gerência se refere a todas as circunstâncias dentro do controle do segurador, em particular o fato de aceitar riscos, estipulando os termos e as condi- O risco original em relação ao alcance da cobertura Algumas vezes surgem dificuldades práticas estejam expressamente excluídas do alcance da cobertura, em um contrato de resseguros de responsabilidade civil, não se pode esperar que o ressegurador assuma 2 ções segundo os quais se concede a decorrentes do fato, geralmente aceito, de dita responsabilidade, simplesmente sobre cobertura de seguro, determinando os que o princípio de acompanhar a sorte a base do princípio de acompanhar a sorte, prêmios e liquidando os sinistros. possui uma validade geral, mesmo não pelo simples fato do segurador emitir a O ressegurador está, por conseguinte, tendo sido expressamente firmado. apólice de seguro. 3 limitado a todas as decisões tomadas pelo Mas não é bem assim. Lembra Farny que os Igualmente, um ressegurador, cuja responsegurador, posto que se referem aos riscos seguradores podem negar-se a limitar a sabilidade máxima segundo o contrato é de que figuram em seu contrato de ressegu- responsabilidade do ressegurador, como a R$ , não aceitará uma responsabiros e posto que os princípios de adminis- proporcionada pelas cláusulas de estabilida- lidade total em um risco original aceito pelo tração diligentes não tenham sido violados de, nas coberturas de excesso de dano de segurador que exceda a retenção convenciointencionalmente ou em forma de responsabilidade civil em face de terceiros, nada para as partes, por exemplo, de R$ descuidos graves. ou a chamada cláusula de avaliação Logo, a cobertura do risco incorreta da perda máxima provável, em original aceita pelo segurador pode ser De outro lado, dentro do contexto da contratos de excedentes de incêndios, limitada, tanto em qualidade como em cláusula acompanhar a sorte, perguntas sustentando que tais cláusulas inseridas nos quantidade, pelo contrato de resseguros. tais como se o segurador pode ser culpado contratos de seguro violam o princípio de Somente dentro da estrutura de dita ou não por certas ocorrências ou se a ação acompanhar a sorte. responsabilidade limitada o princípio de que ele tenha tomado em um caso acompanhar a sorte começa e estabelece específico está de acordo com a prática Essa premissa valoriza o fato de que o um dever não apenas por parte do segurageral são totalmente inoportunas, já que o princípio de acompanhar a sorte não dor, mas também de parte do ressegurador. risco original somente pode realizar-se à prejudica a formação de contratos novos, causa dos atos efetuados pelo segurado, e nem as condições específicas que podem ser O risco original em relação ao não pelo segurador. estipuladas, somente serve para interpretar risco comercial os contratos existentes. Na presença da Em vista das diferenças entre as noções de liberdade geral para realizar contratos Como já indicamos, o princípio de acompa- risco original/acompanhar a sorte, de (autonomia da vontade) como o julguem nhar a sorte se refere ao risco original, que um lado, e a direção de negóci- apropriado, as partes estão livres para nesse aspecto compreende somente o risco 4 os/acompanhar as ações, de outro lado, negociar as quantias da responsabilidade técnico. A causa dessa restrição é que o pareceria conveniente tratar esses temas que deve aceitar o ressegurador, o alcance risco comercial não figura sob o princípio separadamente e também as condições material da cobertura e o preço que deve de acompanhar a sorte. Apesar desse das cláusulas apropriadas usadas no pagar ao segurador pela cobertura que convênio básico, os seguradores nem assunto. Por conta disso, em continuação, recebe. Por essa razão, o propósito do sempre estão de acordo sobre o que apresentaremos alguns exemplos para princípio de acompanhar a sorte não é constituem os riscos comerciais e os riscos assinalar o limite de separação entre expressar que o risco de um contrato de técnicos. acompanhar a sorte e seguir as ações. O princípio de acompanhar a resseguros é cobrir, mas indicar em que grau o ressegurador é responsável pelos sinistros relacionados com os riscos claramente Uma razão para essa falta de clareza está nas diversas definições utilizadas sobre esse sorte em relação ao risco cobertos no contrato. tema. Se a ideia de um risco está apropriadamente original definida como o risco de usar os Por conseguinte, o ressegurador somente parâmetros do cálculo para determinar o Examinar o princípio de acompanhar a segue a sorte do segurador no risco original prêmio [...] resulta incorreto, ou como o sorte em reação ao risco original passa, até o limite convencionado no contrato de risco de um sinistro, ou, se outras várias necessariamente, pelo estudo pormenori- resseguros. Supondo, por exemplo, que as perdas e benefícios potenciais estão zado deste em relação ao alcance da apólices de responsabilidade civil ante incorporados na definição, não é surpreenprópria cobertura. terceiros para a indústria farmacêutica dente que as diferenças consideráveis 2 RESSEGURO Online

3 acumuladas durante muitos anos entre os resultados dos negócios retidos e os alterações que afetam o conresultados dos negócios ressegurados provocarão discussões e queixas com relação à possível falta da aplicação prática do princípio de acompanhar a sorte. Enquanto com boa experiência dos negócios retidos tais queixas virão dos ressegurado- res, os seguradores serão a parte prejudica- da nos anos de bom resseguro, mas com resultados menos favoráveis na retenção. O risco original em relação às trato de seguros Como as subscrições e a sorte contratual do segurador para ser acompanhada pelo ressegurador estão limitadas pelos aconteci- mentos fora do controle do segurador, todas as alterações nos contratos de seguros efetuadas pelo próprio segurador devem considerar-se sob a perspectiva do princípio de acompanhar as ações e não sob o Para impedir desequilíbrios oriundos de situações claras de intervenção legislativa ou estatal, capazes de estabelecer obrigações ao segurador distintas daquele objeto do contrato de resseguro original derivado do conceito de acompanhar a sorte, seja em substância ou em volume, estabelece-se uma cláusula conhecida como fatos vigentes ou alterações das normas, estipuladas algumas vezes nos contratos não- proporcionais. 5 Qualquer diferença duradoura nos resulta- princípio de acompanhar a sorte. Tais cláusulas preveem que sempre que dos dos negócios ressegurados e os 7 existam contratos de seguro sujeitos a negócios retidos por própria conta exigem De outro lado, algumas alterações que intervenções legais, as partes, em um uma modificação dos acordos vigentes e afetam os contratos de seguros podem ser contrato de resseguro, se dispõem a iniciar não têm relação com o conceito de acompa- feitas sem a aprovação ou contra o desejo negociações sobre possíveis ajustes nas nhar a sorte: em termos legais, um contrato do segurador, exigindo assim do ressegura- 8 condições de resseguro. de resseguro constitui um acordo indepen- dor, segundo as condições do contrato dente, os direitos e obrigações das partes realizado, seguir a sorte do segurador. Se fracassarem na tentativa de chegar a um estão sujeitos a livres negociações, dentro acordo, o contrato de resseguro permanecedo princípio constitucional da autonomia da Podemos citar, como exemplo, aquela rá aplicando-se como se não houvesse vontade. Algumas vezes, os benefícios e as operada pela transferência do bem e do ocorrido a alteração da lei ou dos fatos em perdas são afetados, por isso, cada contrato consequente seguro sobre ele celebrado, à relação ao risco original. de resseguros tem sua própria sorte ou 6 luz do artigo 785 do Código Civil, no qual a destino e não acompanha o contrato de alteração das condições do risco, mesmo O direito do segurador de seguros. com a ressalva de sua não-aceitação, não dirigir os negócios e a obrigasão de conhecimento do ressegurador. ção do ressegurador de seguir Dentro do significado da cláusula acompa- as ações nhar a sorte qualquer benefício ou perda Outro claro exemplo de alteração do risco feito por uma das partes do contrato original, por motivos estranhos ao ressegu- Como já se mencionou, existe uma diferença constitui o aspecto comercial e não sua sorte rador, é o aumento dos valores devidos por fundamental entre as ideias de risco técnica. sinistros em razão da variação na taxa de original/acompanhar a sorte e direção dos Igualmente, as perdas causadas pelos câmbio das divisas do país, porquanto determinadas coberturas subscritas com negócios/seguir as ações. delitos criminais dos dirigentes do segurador taxas de câmbios inferiores àquelas Acompanhar a sorte se refere aos eventos figuram claramente na categoria de sua utilizadas para pagamento das indenizações fora do controle do segurador ou que sorte comercial e não de sua sorte afetarão fortemente os desembolsos do ocorrem sem a intervenção do segurador, técnica: se um segurador sofre perdas por ressegurador. Diga-se de passagem, enquanto seguir as ações pertence às causa de seus empregados ou agentes (é contudo, que é importante fazer-se algumas medidas (ou omissões) tomadas pelo dizer, indivíduos dentro de seu controle) distinções em tais casos. Enquanto que o próprio segurador. fraudando sinistros ou enviando o paga- ressegurador basicamente segue a sorte do mento dos sinistros por sua própria conta, segurador, nestas circunstâncias, já que os Esses dois conceitos nem sempre se em lugar da conta dos segurados (como eventos descritos estão fora de controle mantêm separados com a devida clareza. resultado do qual o segurador tem que deste último, o princípio de acompanhar a Uma característica comum a esses dois pagar duas vezes), dita perda não figurará sorte somente se aplica em relação às princípios é que se referem a riscos ou sob o princípio de acompanhar a sorte e não condições estipuladas no contrato de sinistros definidamente cobertos pelo afeta ao ressegurador. resseguros. contrato de resseguros. RESSEGURO Online 3

4 Mesmo que o ressegurador não necessite dois aspectos: i) porque são novos e ainda que uma declaração subjetiva e unilateral acompanhar a sorte de seu segurador, em não foram segurados em nenhum mercado feita pelo ressegurador de que risco é um contrato com responsabilidade limitada de seguros (por exemplo: riscos ambientais; extraordinário não é suficiente. em qualquer apólice, se o segurador está centrais nucleares); ii) porque são extraorobrigado por norma legal a garantir dinários em um determinado mercado, Parecido com o princípio de acompanhar a determinada cobertura, além dos limites enquanto são bastante ordinários em sorte, o princípio de seguir as ações se refere originalmente contratados, tampouco outros (por exemplo: plataformas petrolífe- unicamente aos riscos que estão claramente necessita, sob dito contrato limitado, seguir ras, que eram consideradas como riscos cobertos pelo contrato de resseguro as ações do segurador, se este decide por ordinários, apesar de perigosos, pelos respectivo. Ao se considerar que um risco é razões comerciais liquidar um sinistro em seguradores marítimos britânicos por extraordinário, deve-se interpretar cuidadouma soma superior à responsabilidade muitos anos, enquanto foram rechaçadas samente o alcance material e geográfico da máxima convencionada no contrato de totalmente da cobertura pela maioria dos cobertura convencionada no contrato e nas resseguros. demais resseguradores estrangeiros) Enquanto o princípio de acompanhar a sorte Duas perguntas surgem sobre esse ponto. se refere a eventos fora do controle do A primeira, se há riscos não cobertos segurador, seguir as ações pertence aos automaticamente no contrato obrigatório atos, às medidas ou decisões tomadas pelo de resseguros, mesmo que não estejam próprio segurador. Em consequência, se faz excluídos expressamente, mas são inco- necessário neste tema considerar se a ação muns, ou extraordinários. tomada é negligente, normal ou aceitável. Segundo, como se deveriam definir os termos incomuns ou extraordinário. cláusulas apropriadas. Mesmo quando o alcance material e geográfico da cobertura esteja descrito em detalhe e não em termos gerais, podem surgir casos de dúvidas nos negócios do tipo todo risco ou multirriscos, nos quais o objeto da cobertura se define somente com referência aos termos e condições gerais do seguro e das tarifas fundamentais das apólices de seguros (e não por uma lista Neste ponto, as partes podem ter obvia- Objetivamente falando, é possível respon- completa dos riscos cobertos). Em tais mente opiniões divergentes. Por isso, der afirmativamente à primeira pergunta, casos, o contrato de resseguros também compreensivelmente, às discussões sobre o ou seja, em verdade, há riscos incomuns cobrirá os riscos segurados sobre a base das alcance do princípio de seguir as ações tem ou extraordinários que não estão tarifas ou das condições gerais, complemensido dada mais importância literária do que expressamente dentro das exclusões: ainda tadas ou emendadas principalmente após ao princípio de acompanhar a sorte, quando as partes em um contrato de o início do contrato, desde que o resseguraparticularmente em razão de que muitas resseguro tenham convencionado com dor tenha sido informado sem demora declarações a respeito de acompanhar a detalhes sobre o alcance geográfico da dessas alterações. sorte incluem realmente seguir as ações. cobertura, os riscos ou coberturas (inco- Como os limites ao princípio de seguir a muns) podem surgir, o que não foi previsto A cobertura de resseguro obrigatório não se sorte já foram descritos, tentaremos adiante por nenhuma das partes durante a formae exclui por um só desvio das condições gerais descrever o conceito de seguir as ações por ção do contrato, mas que o ressegurador das tarifas aplicáveis no momento de meio de casos práticos. Os riscos extraordinários e a possivelmente não havia incluído, ao menos às condições comuns de seu contrato obrigatório. começar os contratos. Ainda falta aclarar em que grau a cobertura obrigação do ressegurador de de resseguros garante: a) os riscos segurados, seguir as ações Logo, se convenciona que certos riscos, segundo convênios especiais, usados em ainda que não estejam completamente casos específicos e não em base de condi- 10 Segundo leciona Garrigues, os segurado- excluídos, não necessariamente entram na ções gerais, e a tarifas usuais (isso se aplica res, com frequência, julgam como riscos cobertura de um contrato obrigatório, por para muitos riscos industriais, particularmen- ressegurados, sob um contrato obrigatório, conta de sua natureza extraordinária. te em responsabilidade civil geral e em os que seus resseguradores consideram Obviamente que o termo extraordinário seguro marítimo); e b) riscos não-segurados, como extraordinários e não cobertos pelo se deve definir cuidadosamente. É muito geralmente nas classes de negócios que contrato. importante ter um critério objetivo para pareceriam mais apropriadas. Para definir a distinguir os conceitos de incomum e obrigação do ressegurador de seguir as ações Os riscos podem ser extraordinários em comum ou ordinário e extraordinário, já de uma forma aceitável para as duas partes 4 RESSEGURO Online

5 deve-se analisar os seguintes princípios: Como já se mencionou, certos riscos Não obstante, o problema ainda permanepodem ser excluídos expressamente da ce, já que devido à ausência de fatores I O negócio do ressegurador é cobertura devido à deterioração dos claramente mensuráveis não se pode subscrever seguros, vale dizer, critérios de cálculo que causariam. Essa declarar, desde o começo, que risco assumir riscos. A incerteza é consideração também seria aplicada ao deveria ser aceito no contrato e que risco assim um elemento dos negócios decidir o alcance material da cobertura e deveria ser rechaçado, e a ideia de ter um que administra. O fato de certos ao estabelecer se certos riscos não especialista para esse fim, como declara 14 materiais ainda não terem sido excluídos expressamente estão proibidos, Pflüger, tampouco é de nenhuma ajuda. experimentados p o r s u as não obstante o resseguro obrigatório 15 propriedades técnicas não normal, devido à sua natureza especial. De sua parte, Kothris afirma, com justifica que por isso o ressegura- bastante acerto, que está longe da dor recuse a cobertura obrigató- Dado que a cobertura outorgada pelo realidade o fato de que a seleção de um ria. Igualmente, a má experiência contrato de resseguros e pelo preço a pagar perito e a imparcialidade de seu juízo adquirida em certo grupo de são independentes dos termos e condições podem causar complicações, ainda que tal riscos não autoriza o ressegura- acordados na apólice de seguros funda- perito somente seja capaz de julgar se um dor a refutar a obrigação de mental, o critério de cálculo aplicável ao determinado risco está coberto no âmbito seguir as ações; contrato de resseguro, e não aquele do contrato, examinando a experiência II O ressegurador é livre para aplicável à apólice de seguros, deve ser usado para julgar qualquer caso de passada. excluir riscos a partir do âmbito prejuízo. Na grande maioria dos casos, o resseguramaterial da cobertura de seu dor não descobrirá um risco incomum, contrato, sempre que as circuns- Assim, não se pode declarar em geral se o que em sua opinião não figuraria no tâncias permitam dita decisão, ao critério para calcular o preço do ressegu- contrato de resseguros, até que tenha mesmo tempo em que também ro está deteriorado, mas é conveniente ocorrido um sinistro, e então haveria duas pode limitar sua aceitação nos julgar cada caso individualmente, de possibilidades: o perito, um juiz ou, ainda, casos do resseguro facultativo acordo com sua natureza particular. Por uma terceira parte estabelece que o risco onde exerce certa influência isso um risco pode prejudicar o critério de interessado prejudica realmente o cálculo sobre os prêmios e as condições. cálculo de um contrato de resseguros do contrato e, por isso, não figuraria na Essa opção possuída pelo enquanto não afeta aquele do contrato B. cobertura obrigatória, em cujo caso o ressegurador limita a necessida- segurador deve proporcionar a indenizade, mas também a possibilidade, O critério usado para calcular um contrato ção pelo sinistro inteiro, ou se está de construir o modelo de de resseguros deve ser considerado como acordado que o risco não prejudica o cobertura de acordo com cada desvirtuado se o risco causa um incremen- critério de cálculo, o que significa que o 12 caso específico ; e to excessivo no prêmio que o ressegurador ressegurador é responsável. havia cobrado, se no momento da execu- III Como contraposição ao ção do contrato tivesse conhecimento de Em todo caso, qualquer incerteza relativa resseguro facultativo, a vantagem que esse risco (ou riscos) agravado tinha ao alcance da cobertura em um contrato de um contrato obrigatório de (ou tinham) que se incluir na cobertura. obrigatório de resseguros é prejudicial e resseguros para o segurador e o intolerável para o ressegurador, tanto que ressegurador é que eles podem A vantagem do segurador de aplicar o há formas e meios de ao menos vencer as contar com uma cobertura critério de cálculo desvirtuado (de um consequências de dita incerteza. automática e com gastos de contrato de resseguro específico), como administração relativamente uma norma para excluir certos riscos do Frente a essa situação, pareceria sensato baixos. Qualquer limitação do resseguro obrigatório, é que desta forma o encontrar outros métodos para cobrir os âmbito da cobertura causará número de riscos excluídos se mantém ao riscos que prejudicam os critérios de incerteza quanto ao que está ou o mínimo: muitos fatores que se afastam do cálculo sustentando um contrato de que não está coberto e necessita- que é comum não prejudicam necessari- resseguros. rá de análises, eliminando assim amente o critério aplicado para calcular de uma administração simples. 13 um contrato de resseguros. RESSEGURO Online 5

6 Uma solução possível surge da ideia de exposição crescente, baseada no conceito de estabilização do risco. É dizer, ele sustenta as obrigações e direitos do segurador e ressegurador, como se estipulou na formação do contrato. Uma alteração na exposição do segurador (risco) justifica a resolução do contrato ou uma alteração no prêmio. Isso tem como fundamento a base das normas inseridas 16 no artigo 769 do Código Civil. Como resultado, qualquer alteração na exposição, induzida ou efetuada pelo segurado durante a vigência de seu contrato, com independência de se é responsável de tais alterações ou não, será considerada como uma justificação para os ajustes do prêmio. Este conceito de cobrar juros ao prêmio por uma agravação nas condições do risco, após o início do contrato, também pode se aplicar no caso do segurador aceitar riscos que, mesmo não estando excluídos expressamente, aumentam a exposição do contrato até tal grau que os critérios usados para o cálculo do preço de resseguros sejam desvirtuados. Em tais casos ainda falta verificar se um risco ou alguns poucos riscos realmente podem desvirtuar o cálculo do preço do resseguro. Nesse ponto, existe uma diferença importante para o segurador: o problema já não é se os riscos implicados estão cobertos ou não, mas até que grau os prêmios de resseguro podem ser aumentados. REFERÊNCIAS Próxima Edição: 1 Ob. cit., pág. 156 O direito do segurador de liquidar os sinistros e o 2 Vide VILLABELLA, Jorge Sá nchez, ob. cit., p. 97 dever do ressegurador de seguir as ações 3 FARNY, ob. cit., p. 73 a 75 4 Cfr. GARRIGUES.Contrato de seguro ter restre. Madri, 1983, p Consulte-se, a esse respeito, BROSETA PONT, ob. cit., p. 6, nota 5 e Méndez Jiménez. Nuevas alternativas a la transferencia de riesgos, ICEZ, Trabajos de Investigación, Madri, 2000, p Art Salvo disposição em contrário, admite-se a transferência do contrato a terceiro com a alienação ou cessão do interesse segurado. 7 Esse fenômeno é realçado por Dieter Farny, ob. cit., p Joaquín Garrigues apresenta uma discussão importante sobre o tema das limitações oriundas da autonomia da vontade contratual. Vide ob. cit., p. 192 a Destaca Jorge Sá nchez Villabella, neste ponto, o direito de gestão do segurador com a seguinte ponderação: En nuestra opinión, la gestión o bien el derecho de gestión del asegurador no admite ninguna duda. Simplemente se corresponde juridicamente com el deber de seguir del reasegurador. El reaseguro no justifica su existência sino mediante el seguro principal como presupuesto jurídico, esto es, a un derecho se contrapone un deber o obligación. Tanto es así que el seguro puede, en contados casos, existir sin la necesidad de contar con un reaseguro y, de ahí, que su gestión, por parte del asegurador, sea incuestionable. Ello quiere decir que la suscripción de riesgos y la liquidación de siniestros le incumbe a éste exclusivamente, a pesar de algunas salvedades, como a cualquier comerciante le corresponde la gestión de su proprio negocio. Ob. cit., p Ob. cit., p Vide O Neill and Woloniecki. The law of A obrigação do ressegurador de seguir as ações em caso de pagamentos «ex-gratia» A obrigação do ressegurador de seguir as ações quando o segurador informa os sinistros com um atraso excessivo Edição 24 -A obrigação do ressegurador de acompanhar e de seguir a sorte -O princípio de acompanhar a sorte em relação ao risco original -O risco original em relação ao alcance da cobertura -O risco original em relação ao risco comercial -O risco original em relação às alterações que afetam o contrato de seguros -O direito do segurador de dirigir os negócios e a obrigação do ressegurador de seguir as ações -Os riscos extraordinários e a obrigação do ressegurador de seguir as ações * Mello, Sergio Ruy Barroso. Contrato de resseguro. 484p. Rio de Janeiro: Funenseg, RESSEGURO Online reinsurance, Londres, 1998, p Vide CARTER, ob. cit., p Cfr. GARRIGUES, ob. cit., p Citado por GERATHEWHOL, ob. cit., vol. 1, p Ob. cit., p Art O segurado é obrigado a comunicar ao segurador, logo que o saiba, todo incidente suscetível de a gravar consideravelmente o risco coberto, sob pena de perder o direito à garantia, se provar que silenciou de má-fé. Para receber edições anteriores sobre contrato de resseguro e seus diversos aspectos, basta enviar

7 Swiss Re publications Resseguro e Infraestrutura Crítica até o processamento e a distribuição, no caso dos alimentos. Esses riscos podem envolver danos às instalações de produção devido a causas humanos ou naturais, falhas mecânicas ou tecnológicas ou res- ponsabilidades em potencial envolvendo os funcionários, consumidores ou o meio ambiente. Serge Tröber, Diretor de Subscrição da Swiss Re Corporate Solutions, foi indicado para a Diretoria de Gerenciamento do Grupo a partir de 1 de novembro de Serge Tröber nasceu em 1968 e é cidadão suíço. Possui Mestrado em Ciências Ambientais e Naturais pelo Swiss Federal Institute of Technology em Zurique....com o seguro sendo um dos principais modos de gerenciar os riscos. É vital para o funcionamento da economia e para a sociedade como um todo que a nossa infraestrutura crítica não entre em colapso ou interrupções prolongadas. Diversas medidas para melhorar a resiliên- cia foram descritas nesta publicação. Ao compartilhar os riscos e fornecer compen- sação financeira sob condições específicas, o seguro/resseguro é outro meio importan- te de melhorar a confiança e a resiliência das infraestruturas críticas. RISCOS À INFRAESTRUTURA Uma infraestrutura em bom funcionamen- to é um prerequisitro para a vida social e econômica. Ela influencia a velocidade, os custos e as oportunidades para a troca de mercadorias, conhecimento e serviços entre os cidadãos dentro de uma comunidade local e globalmente. A Tabela 1 for- nece uma visão geral selecionada das instalações de infraestrutura que dizem respei- to a cada um dos aspectos da nossa vida diária. RESSEGURO E INFRAESTRUTURA CRITICA O Seguro é vital para a infraestrutura critica. O compartilhamento privado dos riscos oferecido pelas seguradoras dá suporte à atividade empresarial e aos investimentos econômicos. As apólices de seguro estão em vigor ao longo de toda a cadeia de suprimentos e as diferentes fases da vida útil das infraestruturas críticas. Além disso, o seguro cria um incentivo econômico para as seguradoras e as partes seguradas para evitar incidentes que podem resultar em perdas. Como resultado, as seguradoras trabalham de perto com seus clientes para reduzir o nível de eventos adversos e melhorar a resiliência das infraestruturas críticas. INTRODUÇÃO INFRAESTRUTURA CRÍTICA: DESEMPENHO EM RISCO A infraestrutura crítica enfrenta riscos ao longo do ciclo de investimentos.... Conforme o autor desta publicação torna claro, enfrentamos riscos em nossas infraestruturas críticas ao longo de todo o ciclo de vida útil do investimento, desde a construção até a operação e, finalmente, a fase de descomissionamento ou da produção Serge Tröber Informações adicionais sobre o conteúdo da Swiss Re podem ser adquiridas através do seguinte endereço: Marisa Silva Swiss Re - Communications RESSEGURO Online 7

8 Tabela 1: Exemplos de infraestrutura PAPEL DO RESSEGURO / SEGURO O seguro cobre especificamente os riscos mencionados... Energia e serviços públicos Transporte Tecnologias da informação e de comunicação (TIC) Segurança alimentar Social, cuidados de saúde O impacto financeiro de tais riscos pode ser parcialmente mitigado pelo seguro. Ao solicitar um prêmio, a seguradora promete Produção de energia (petróleo, gás, energia Estradas, pontes, túneis Redes de cabos Torres de Agronegócio, pecuária Escolas, universidades, compartilhar as consequências financeiras com o segurado quando os riscos cobertos Exploração, refinarias, armazenamento, distribuição, geração de eletricidade, transmissão Abastecimento de água, tratamento de esgoto Aeroportos, sistemas ferroviários, portos, marinha mercante Cargas, centros de logística Trânsito urbano Satélite, sistemas de rádio Processamento. e outros sistemas embalagem, distribuição, armazenamento Arenas esportivas e instalações, centros de convenção Moradia pública, instalações comunitárias pelo contrato se materializam. Os produtos de seguro à propriedade e de casualidade cobrem as perdas financeiras devido a danos à propriedade ou reclamações de responsabilidade. A infraestrutura crítica tem um ciclo de vida de investimentos natural. Há riscos para a infraestrutura crítica para os investidores, produtores e consumidores ao longo da cadeia de valores. Por conveniência, nós distinguimos entre as fases de planejamento e desenvolvimento, construção, operações e desconstrução. As principais atividades durante a fase de desenvolvimento do projeto de infraestrutura incluem a avaliação do local, negociação dos acordos contratuais (por exemplo, concessão, engenharia, procurement, contratos de aquisição de energia). A fase de construção termina quando a instalação é entregue ao operador. Durante a fase operacional, ocorre a produção de bens e serviços, bem como a manutenção da operação necessária. Finalmente, a infraestrutura terá servido ao seu propósito natural e será descomissionada ou substituída. Tabela 2: Riscos de infraestrutura, exemplos (não exaustivo, ilustrativo) Fases Desenvolvimento e construção Riscos exemplificados Problemas de planejamento público aprovações atrasadas ou não disponíveis...e ajuda a suavizar os ciclos de ganhos. Os riscos podem ter impacto sobre os serviços de infraestrutura específicos, bem como o fluxo de caixa de uma empresa ou de um provedor de infraestrutura. As empresas ou operações experimentarão dificuldades se o fluxo de caixa real se desviar negativamente 1 do fluxo de caixa esperado por muito tempo. Mesmo se a inadimplência induzida pela liquidez for evitada, a volatilidade dos ganhos se provarão impopular junto aos investidores. Isso pode ser especialmente o caso para as empresas como, por exemplo, os provedores de infraestruturas críticas, com investimentos de longo prazo altamente fixos. Produção e serviços Descomissionamento Danos à propriedade devido a riscos de catástrofes naturais etc. Risco de construção (explosões, atraso na construção) Custos superiores aos previstos Incapacidade de produzir devido à interrupção do negócio Dano ambiental durante a produção Falta de demanda do produto ou falta de suprimentos; volatilidade de preços (entrada de produtos, saída). falta de desempenho (por exemplo, vento insuficiente para a geração de eletricidade aeólica, falta de sol para as células solares.) Destruição da plantação devido a clima adverso Distribuição de energia interrompida (por exemplo, tempestades de gelo danificando as linhas de transmissão; tempestades solares) Riscos de insolvência Mudança nas políticas / subsídios Danos ambientais restantes das operações Aumentos nos custos de descarte (por exemplo, nova legislação ambiental) Esses são frequentemente financiados por um enorme componente de débito e exigem um fluxo de receita estável e previsível para atender aos pagamentos de juros e amortização. O seguro fornece os recursos financeiros... O principal objetivo do seguro é fornecer recursos financeiros para o segurado a fim de ajudar a absorver as consequências financeiras de um incidente e ter acesso mais fácil aos meios financeiros para reestabelecer o fornecimento do serviço. 8 RESSEGURO Online

9 ... juntamente com os incentivos financei- resseguradoras geralmente atuam global- anos ou até mesmo décadas) coincidem com ros para mitigar o risco... mente em muitas linhas de negócio com bom os ativos de longo prazo, que incluem investi- Os subscritores de seguro são apoiados pelos acesso aos mercados de capitais e balanços mentos em infraestrutura. O investimento engenheiros de riscos que avaliam os riscos. sólidos. A diversificação é de vital importância em infraestrutura ocorre diretamente através Através dos seus serviços (avaliação de risco e para as resseguradoras. Terremotos provavel- dos investimentos em projetos ou indiretaaconselhamento durante o processo de mente não ocorrerão simultaneamente na mente através de equities ou investimento aquisição de uma apólice), que são frequen- Turquia, na Califórnia e em Taiwan. As resse- em crédito nas respectivas empresas, índices temente realizados em cooperação com as guradoras podem buscar equilibrar essas três ou fundos. Nos mercados desenvolvidos, partes envolvidas, eles facilitam as discussões exposições ao mesmo tempo (e muitas uma infraestrutura envelhecida marcada por do gerenciamento dos riscos. A indústria de outras exposições). décadas de falta de investimentos e novas seguros fornece incentivos para a mitigação regulamentações cria a necessidade de um dos riscos e a redução dos riscos por meio da Da mesma forma, para encorajar ainda mais a aporte significativo de capital. Nos mercados adaptação ao oferecer um desconto do prê- diversificação, as grandes ameaças são mais desenvolvidos, a urbanização, o crescimento mio correspondente ou ao reestruturar a frequentemente firmadas com diversas da população e a industrialização resultam cobertura. As empresas frequentemente contrapartidas de resseguro - termos e condi- em necessidades enormes de investimento 4 usam a análise custo / benefício para decidir ções sendo primeiro acordados com uma em todos os setores da infraestrutura. sobre a mistura adequada de seguro e medi- resseguradora líder. As resseguradoras ainda das de mitigação / adaptação. podem buscar ressegurar algumas linhas de FORNECIMENTO DE COBERTURA DE As resseguradoras podem ainda buscar diver-... bem como o potencial de parcerias público - privadas. Mesmo para as infraestruturas financiadas com recursos públicos, sem a ameaça de falência iminente em potencial, as soluções de seguro podem ajudar a oferece resiliência à infraestrutura crítica. Um número crescente de parcerias público-privadas permite uma liberação rápida dos fundos após um evento em particular. o portfólio em geral da transferência tradicio- As seguradoras permitem a diversificação do compartilhamento dos riscos... Um dos mecanismos básicos que fazem com que o seguro seja economicamente viável é o compartilhamento. Através do compartilha- mento, diversos objetos ou valores são cobertos, os quais são todos independentemente ameaçados por diferentes riscos. De modo ideal, esses riscos são independentes A indústria de seguros tem critérios de seguuns dos outros e nem todas as catástrofes ocorrem simultaneamente. Assim, o capital exigido pela seguradora para pagar pelas perdas em algum momento será menor do que o provisionamento para cada objeto ou valor de modo independente....com as seguradoras dividindo os diversos riscos globalmente.. O resseguro pode ser amplamente entendido como sendo o seguro das seguradoras. As 2 negócio junto aos seus pares.... e transferindo alguns riscos aos mercados As seguradoras avaliam a natureza, adede capitais. sificação ao transferir o risco aos mercados de capitais pelo uso da securitização do risco. A securitização tendo sido vista até agora prin- cipalmente (embora não exclusivamente) como títulos de catástrofe as catástrofes usadas para determinar os termos e as condinaturais podem ser atribuídas facilmente para medir os parâmetros físicos que dão origem às indenizações. Em comparação com gerenciam suas exposições ao limitar a cobernal dos riscos, a securitização dos riscos per- tura por meio da exclusão de riscos específimanece relativamente pequena, mas tem 3 potencial para crescer. Seguro como um investidor em infraestrutura relacionada às empresas ou projetos (direta ou indiretamente) As seguradoras são investidores importan- tes em uma economia mais ampla. Os prêmio de seguro precisam ser investidos repentina, definitiva, quantificável; de tamaaté um ponto em que os pagamentos das reclamações sejam devidos. As seguradoras buscam coincidir seus ativos (prêmios investi- essenciais e as infraestruturas críticas discutidos) com suas responsabilidades (apólices de das nesta publicação, a tabela a seguir forneseguro). As responsabilidades de longo prazo (apólices que são pagas ao longo de muitos SEGUROS E DESAFIOS RELACIONADOS quação e preço do risco... As seguradoras usam a identificação do risco, análise e a avaliação na forma de um modelo de risco, análise do cenário e triagem para( as novas fontes de) riscos para avaliar os custos em potencial dos danos. As informações são ções do prêmio e seu preço. Entretanto, alguns riscos não são totalmente entendidos e outros não são seguráveis. As seguradoras cos e ao limitar a quantidade da cobertura fornecida....com os riscos cobertos sendo claramente especificados. rabilidade amplamente definidos. Por exem- plo, os riscos que não à vida cobertos devem ser acidentais (isto é, as perdas não devem ser intencionais no que se refere ao seguro); nho limitado e até certo ponto independente de outros riscos.com uma visão dos bens ce exemplos dos riscos cobertos através das ofertas de seguro. RESSEGURO Online 9

10 Tabela 3: Seguro de bens essenciais e infraestruturas críticas Agricultura Produção de energia Transporte Telecomunicação/ Internet ICT Tratamento de saúde de longo prazo, rendimentos por deficiência, morte, Nem todos os riscos podem ser facilmente seguros. Entretanto, há alguns elementos das infraestruturas críticas que não atendem aos critérios de segurabilidade. Pode ser difícil decidir sobre a segurabilidade para diversas razões: Exemplos de cobertura / oferta de risco Queda na colheita devido a clima adverso (frio, seca, inundação, granizo); soluções de seguro existem para as perdas nos lucros e para a volatilidade no preço das comodities Doenças dos animais criados em fazendas e nas fazendas de criação de peixes Riscos da construção de usinas de energia: atraso na inicialização, responsabilidade de terceiros; plantas de empreiteiros e equipamentos Danos físicos à usina de energia (por exemplo, incêndio) ou geração de energia (por exemplo, quebra de maquinário) incluindo interrupção do negócio Cobertura para as linhas de transmissão e distribuição Perda financeira nas fazendas de vento devido a falta de vento inesperada ou outros riscos do clima adverso tendo impacto no preço e na demanda de eletricidade Cobertura de carga marítima para o transporte de bens de porta a porta por aviões, navios, ferrovias e caminhões Cobertura para aviação para linhas aéreas comerciais, fabricantes de aviões e aeroportos. Danos físicos ao casco da aeronave e aos passageiros /cobertura de responsabilidade de terceiros, responsabilidade do fabricante da aeronave, responsabilidade do aeroporto e do operador do aeroporto Cobertura de construção de engenharia para estradas, pontes, túneis etc. Lançamento e operação dos satélites de comunicação Responsabilidade relativa à privacidade do seguro (proteção de dados) e segurança de rede Riscos de cuidados com a saúde para hospitais de cuidados intensivos (por exemplo, responsabilidade de profissionais de hospital) para as instalações de cuidados de longo prazo Riscos de longevidade das responsabilidades do pensionista (necessariamente junto com as contrapartes do setor público) Apólices de seguro de vida de estocagem de matéria-prima. A ameaça à produção just-in-time foi destacada pelo terremoto no Japão de Ninguém avaliou suficientemente o efeito que a erupção vulcânica na Islândia em 2010 teria nas viagens aéreas transatlânticas. A integração dos sistemas de TI globais podem ter muitos benefícios; isso também os expõe aos riscos comuns como, por exemplo, novos vírus. Globalização significa que doenças altamente infecciosas, de animais, plantas ou pessoas podem se espalhar muito mais rapidamente ao redor do mundo. O caráter sempre mutante dos riscos: as mudanças nas principais características do risco como, por exemplo, intensidade, frequência, mecanismo de transmissão bem como seu impacto exigem uma reavaliação regular dos objetos (segurados). Isso ajuda a explicar o interesse da indústria de seguros nas mudanças climáticas e em climas extremos. Da produção agrícola até os padrões de tempestades, da inundação à geração de energia, das mudanças climáticas até os climas extremos, todos têm potencial para alterar substancialmente os riscos impostos à infraestrutura crítica. Limites dos riscos assumidos pelas seguradoras privadas: Riscos de grandes catástrofes são riscos que excedem a capacidade de lidar com o risco das seguradoras privadas. O furacão Katrina em 2005 causou perdas aos segurados de cerca de US$ 64,9 bilhões em uma perda 5 econômica estimada em US$ 140 bilhões (e a maioria dos países não é tão bem segurada como os EUA). Uma opção para ajudar a estreitar essa lacuna no relacionamento público-privado (PPP) entre as autoridades nacionais e a indústria de seguros. Os esquemas de PPPs bemsucedidos incluem as soluções de risco para cobrir danos comerciais e à infraestrutura causados, por exemplo, por terrorismo (com programas em vigor na Grã-Bretanha, França, Alemanha, Austrália e EUA), tempestades (incluindo os recentes programas inovadores com o Banco Mundial para os países mais pobres) e agricultura (onde as seguradoras aderem a diversos programas apoiados pelas autoridades nacionais). Uma característica-chave de todos esses exemplos é a Histórico dos dados e séries de tempo: benefícios do gerenciamento colaboração das partes interessadas envolvidas para criar e aplicar de risco adequado para os dados das séries de longo prazo. Isso nem essas inovações, que resultam em ampliar as fronteiras do seguro e sempre está disponível. Por exemplo, locais mais remotos podem ter ligar com os riscos enfrentados pelas sociedades. 6 dados de clima insuficientes para fornecer avaliações de risco adequadas para os produtores que dependem do clima, por exemplo, agricul- Em última instância há uma troca entre a compra de seguro e a mititura ou fazendas de vento. Além disso, novas tecnologias como, por exemplo, a introdução de smart grids ou o lançamento de infraestrutu- ra de energia renovável podem carecer de registros de rastreamento (especialmente em termos de compatibilidde com a infraestrutura existente) para se fazer uma avaliação de risco precisa. Limites do sistema: No mundo interconectado de hoje o risco fre- quentemente não está inserido/ um evento pode ter implicações na infraestrutura não previstos em outro lugar. Os métodos de produção just-in-time ao longo de diferentes geografias dependem de infraestruturas eficientes ao longo da cadeia de suprimento para evitar os custos gação do risco. Construir uma resiliência maior em um sistema nem sempre é de graça. Conforme os autores desta publicação explicam, há uma oportu- nidade de criar capacidade extra nas redes de transporte e de geração de energia. Medidas para proteger a infraestrutura de riscos naturais ou humanos exigem investimentos. O equilíbrio que deve ser encon- trado pela seguradora e pela parte segurada é qual o nível de troca deve existir entre a mitigação de risco e a compra do seguro. 10 RESSEGURO Online

11 CONCLUSÃO Em um nível, o seguro é ex-post e puramente financeiro. Em sua própria concepção, seguro não é nada além de uma promessa de pagar uma compensação após um evento especificamente definido ou incidente em troca de um prêmio. Ele é ex-post e inteiramente financeiro. Visto puramente pelo valor de face, o seguro pareceria contribuir relativamente pouco com a resiliência da infraestrutura crítica. Em outro nível, ele produz confiança e encoraja a atividade empresarial... Entretanto, o seguro não é apenas seu valor de face. O seguro produz confiança. Essa confiança opera em dois níveis. O primeiro é que, através do compartilhamento privado do risco, é oferecida uma proteção financeira aos investimentos. Os investidores, seja dentro de muitas facetas da infraestrutura crítica ou em outra área, assumem mais riscos se eles, por outro modo, se sentirem confortáveis. Sem o compartilhamento do risco fornecido pelas seguradoras, a atividade empresarial e o investimento em infraestrutura crítica seriam significativamente reduzidos.... com o seguro sendo um sinalizador e incentivo poderoso para as ações de mitigação de risco. O segundo nível da criação de confiança é o fato de que as próprias seguradoras são entidades comerciais. A seguradora deve ter crença suficiente de que durante um período de tempo, os riscos assumidos em um compartilhamento de risco serão cumulativamente lucrativos. Se uma seguradora não cobrir um risco em particular, isso envia um sinal poderoso ao mercado da adequação /segurança do bem ou serviço. Uma apólice de seguro é um pré-requisito para muitos processos em um projeto de infraestrutura crítico. Poucas pessoas estariam preparadas para voar em uma aeronave não segurada. As seguradoras não operam a distância. Elas têm o incentivo econômico para ver o risco de seus portfólios reduzido. As partes igualmente asseguradas têm o incentivo de reduzir seus pagamentos de prêmio. As seguradoras estão constantemente envolvidas com seus clientes em subscrever os riscos de infraestruturas críticas. Os subscritores e avaliadores de risco das seguradoras estão em contínuo diálogo com suas contrapartes de gerenciamento de risco dentro das indústrias críticas, discutindo dados de perdas ou realizando suas próprias inspe- ções de manutenção e de segurança. Juntamente com os departamento como, por exemplo, os avaliadores de saúde e segurança e os inspetores oficiais são uma parte vital que apóia a resiliência dentro da infraestrutura crítica. REFERÊNCIAS: 1 O fluxo de caixa poderia ser interrompido ou retardado por diversas razões mostradas na tabela acima. Os danos relativamente pequenos podem ter consequências graves no fluxo de caixa. Se uma peça crucial quebra em um poço de perfuração off-shore, por exemplo, o mau tempo somente poderia atrasar os reparos necessários por diversas semanas. 2 Swiss Re: O guia essencial para o resseguro, Swiss Re: Os fundamentos dos títulos vinculados ao seguro, Parceiros da Swiss Re Private: Uma introdução ao investimento em infraestrutura, Setembro Base de dados das catástrofes Swiss Re sigma. 6 Swiss Re sigma no 3/2011, Envolvimento do estado nos mercados de seguro; Swiss Re: Eliminando as falhas financeiras Novas parcerias entre os setores público e privado para financiar os riscos de desastre, Uma apólice de seguro é um prérequisito para muitos processos em um projeto de infraestrutura crítico. Poucas pessoas estariam preparadas para voar em uma aeronave não segurada. RESSEGURO Online 11

12 Rating de Seguros Em junho último, a Aon Hewitt divulgou o detalhado estudo Health Care Survey. Better Health, Better Results Contribuição: Rating de Seguros CONSULTORIA Ver... Francisco Galiza O trabalho é resultado de uma pesquisa com quase 2 mil empresas americanas usuárias de planos de saúde (15 milhões de empregados), tentando captar as estratégias e as expectativas desses agentes. Planos de Saúde e Mudança de Hábitos As preocupações são muitas. Primeiro, os custos crescentes, em uma média de 8 a 9% ao ano. Segundo, a influência governamental nesses mercados. Terceiro, a saúde da população usuária dos planos tem piorado, com o incremento de doenças crônicas. O trabalho questiona sobre o que fazer. Permanecer no plano e assumir o risco crescente, pagar uma penalidade e sair, ou tentar mudar as condições comerciais e de serviços. Abaixo, gráfico com os principais desafios enfrentados, segundo essas organizações. Em primeiro lugar, com larga vantagem, a promoção de uma mudança de hábitos dos seus próprios funcionários, acima de outros fatores, como regras governamentais ou lidar com o envelhecimento da população. São conclusões interessantes, também para o mercado brasileiro. Top Challenges Motivating participants to promote behavior change Government compliance and regulations Managing the health of an aging workforce Cultural shift and relutance to change Understanding employee attitudes toward health and wellness 0% 20% 40% 60% 80% 100% 12 RESSEGURO Online

13 Clipping Riscos declináveis podem ter Swett & Crawford traz produaumentado gastos excedentes a certo limite definido de 30% a 50% tos pioneiros para o Brasil com despesas médico-hospitalares. É uma proteção extra para a empresa que O problema dos riscos declináveis ainda A Swett & Crawford Consultoria em contrata plano de saúde ou mesmo para a não foi superado, apesar dos esforços da Seguros e Resseguros, empresa do Grupo Operadora de Saúde. Não é para o usuário cadeia produtiva do setor. O cenário no Cooper Gay Swett & Crawford (CGSC), está diretamente. Na verdade, o funcionário Seguro Saúde, por exemplo, pode ter trazendo para o Brasil produtos inéditos ou usuário do plano nem sabe se a sua contribuído para um aumento em torno para o segmento de pessoas e linhas empresa contratou esse seguro, pois para de 30% no volume de propostas recusa- financeiras, que atenderão a um mercado ele nada muda, acrescenta Kudler. das, como informa o corretor autônomo em franca expansão. A empresa oferece, Luciano Brandão, de Cuiabá/MT. por exemplo, o seguro de excedentes de O executivo assinala ainda que já houve, despesas com atendimento médico no mercado brasileiro, um produto Motivos antes banais vem sendo hospitalar, também conhecido como semelhante, porém sem essa sofisticação utilizados com muita frequência neste Stop Loss Saúde, que foi desenhado pela que temos hoje graças aos recursos com a sentido. Chamo essa precaução de sem empresa com o apoio técnico de ressegu- abertura do mercado de resseguros. Daí o sentido, pois a forma de se analisar riscos radoras internacionais.o principal pioneirismo da Swett & Crawford, na minha opinião deve ser muito bem diferencial desse produto é proteger a viabilizando uma solução inovadora. pensada. Já vi muita empresa ser recusada cobertura financeira dos planos de saúde em uma companhia e aceito em outra, decorrente de eventual excesso de gastos Temos melhores opções para tratar o como já vi empresas corretas e com risco não previstos e acima de sua retenção, risco com modelagem e gestão específica, baixo serem aceitas e causarem grande que pode ser por pessoa/ano ou por um além de contar com suporte técnico de prejuízo para as seguradoras, reforça. montante total. resseguradoras internacionais no Brasil, como também seguradoras parceiras Já o gerente Comercial na Valle Corretora Esse seguro foi desenvolvido através de locais que entenderam nossa visão e as de Seguros (Rio de Janeiro/RJ), Luiz uma modelo de cálculo específico, onde boas oportunidades do mercado, Claudio Rocha Valle, aponta que 30% só cada grupo de usuários deve ser estudado acentua Paulo Kudler. no ramo Saúde. Segundo sua avaliação, de acordo com seu histórico de sinistros e desde a abertura do resseguro, 50% dos tipos de planos de cada empresa cliente. Kudler trouxe para a Swett & Crawford um riscos são considerados declináveis e há Fizemos um road show, apresentando o largo conhecimento e vivência de seguros carteiras de seguro que nenhuma produto à seguradoras, grandes emprega- Massificados e Affinity, expertise que seguradora quer aceitar. Fonte:CQCS dores e corretores de seguros e tivemos também a empresa vem desenvolvendo boa receptividade, tanto é que já temos os para canais de distribuição de wholesale primeiros negócios em conversas bem com produtos de baixo ticket.surge a avançadas, afirma o executivo Paulo primeira microsseguradora. Fonte:CQCS Kudler, responsável pela área na Swett & Crawford. Ele explica que essa apólice é suplementar aos planos de saúde contratados por empresas de diferentes segmentos. Na prática, é um seguro financeiro, que cobre RESSEGURO Online 13

14 Consultoria registra 56 fusões e aquisições em seguros no mundo em maio regulamentação inadequada e os efeitos da atual crise econômica, de acordo com o boletim think tank divulgado pela Geneva Association, que reúne os principais CEOs O número de fusões e aquisições em das empresas que atuam na indústria seguros em junho totalizou 56 negócios, mundial de seguros. avaliados em US$ 1,57 bilhão, de acordo com estudo da Dealogic divulgado recente- A pesquisa ouviu mais de 40 CEOs ligados a mente. O maior negócio anunciado foi da associação sobre as perspectivas de Ontário Teachers Pension Plan, que desempenho e áreas de crescimento deve aumentar durante o próximo ano.a comprou 9,9% da Kyobo Life Insurance, por prováveis para o setor de seguros nos maior parte dos CEOs aposta na queda dos US$ 406 milhões. O segundo maior ficou próximos 12 meses, bem como os desafios mercados acionários, na manutenção do por conta da Brit Holding, que vendeu sua que eles enfrentam na implementação de mercado de renda fixa e num ambiente subsidiária Brit Insurance Limited para a suas estratégias. De acordo com a pesquisa, propício ao aumento da inflação. Nikolaus canadense FairFax, por US$ 300 milhões. o foco das seguradoras nos mercados von Bomhard, presidente da Associação e Fonte: Fenaseg emergentes foi evidenciado por cerca de presidente do Conselho de Administração 70% dos CEOs. A Ásia e a América Latina são da Munich Re acredita que a indústria de Seguridade responde por 31% as preferidas, regiões consideradas por 46% seguros tem um papel vital para estabilizar a do lucro do Bradesco deles como muito importante para o sociedade e as economias do mundo, tanto crescimento do grupo nos próximos como um participante significativo nos A participação das operações de seguridade meses. mercados financeiros como um amorteceno lucro líquido do banco Bradesco continua dor de choque para indivíduos e empresas alta. Segundo balanço divulgado nesta No entanto, os principais temas que que sofrem uma perda segurada. Os segunda-feira, o lucro líquido do conglome- emergiram da pesquisa foram preocupa- resultados desta pesquisa revelam que os rado atingiu R$ 2,8 bilhões no segundo ções sobre o ambiente macro-econômico e líderes de algumas das maiores seguradoras trimestre, com alta de 1,7% em relação ao as próximas decisões sobre a regulamenta- do mundo estão preocupados que a mesmo período de Na comparação ção de seguros. Quando questionados regulação inadequada de um risco sistêmico com o primeiro trimestre, a expansão foi de sobre os desafios de implementar a afetar a capacidade da indústria de seguros 1,4%. O aumento dos ganhos, segundo o estratégia, 75 dos CEOs citaram a crise da de desempenhar esse papel, afirmou em banco, ocorreu por conta do crescimento zona do euro como uma questão prioritária. comunicado. das vendas de seguros, melhora das Cerca de 73% citaram o excesso de operações de crédito e expansão das regulamentação e regulação inadequada O secretário-geral John H. Fitzpatrick receitas com tarifas e serviços bancários. A como uma das principais preocupações destacou que a indústria de seguros apoia participação das operações de seguros, para a sua estratégias. Embora os CEOs não as iniciativas regulamentares em curso previdência e capitalização respondeu por expresse muito otimismo em relação a realizadas pelo G-20. Acreditamos que o 31% do lucro. Os prêmios retidos, as vendas melhora do quadro da crise, eles estão desenvolvimento e promoção de políticas de planos de previdência e títulos de otimistas quanto as suas próprias perspecti- eficazes de supervisão e de regulamentação capitalização cresceram 20% e somaram R$ vas futuras. Cerca de 59% indicaram que para reduzir o risco sistêmico, bem como 11,6 bilhões no segundo trimestre. Fonte: esperam melhora na rentabilidade ao longo lacunas de informação, são discussões que Sonho Seguro / Por Denise Bueno dos próximos 12 meses, enquanto mais da trarão benefício de todos. No entanto, ele metade acredita que o dividendo esperado também salientou que o sistema bancário e Crise e regulação preocupam pelo acionista deve permanecer estável. O o de seguros têm modelos de negócio CEOs mundiais, que apostam relatório descreveu os entrevistados como muito diferentes e atuam também de forma nos emergentes para manter cautelosamente otimista sobre as perspecti- diferente na sociedade e na economia resultados vas para o setor de seguros com 56% à mundial. Diante disso, devem ser regulados espera de um endurecimento das taxas de de forma diferente. Fonte: Cnseg Os líderes da indústria de seguros tem seguro e 92% apostam que a capacidade de preocupações sérias sobre os efeitos da oferta de seguros permanecerá estável ou 14 RESSEGURO Online

15 ESPECIAL SEGUROS ACE INICIA OPERAÇÃO NO SEGMENTO AUTO A ACE Seguradora está ingressando no setor de auto. Para iniciar os negócios nesta área, a empresa contratou uma equipe de profissionais com mais de 20 anos de experiência no segmento. Eles estão trabalhando sob a liderança do presidente da ACE no Brasil, Farid Eid Filho. Para iniciar a carteira a partir do zero, a ACE está primeiramente concentrando as suas ações nos nichos de Auto Frota e Alta Renda. Na área de Auto Frota a ACE está complementando o seu leque de produtos para clientes corporativos. Este público já contrata da empresa soluções inovadoras e sob medida em setores como riscos patrimoniais, riscos de engenharia, vida e outros, afirma Adalber Alencar, diretor de personal business insurance da ACE. Já com relação ao nicho de Alta Renda, a ACE passa a oferecer no Brasil o seguro de auto por meio de uma grife que a companhia consolidou nos Estados Unidos ao longo dos últimos 15 anos. Trata-se da marca ACE Private Risks Services, que está introduzindo no Brasil um novo modo de comercializar seguros, com base em um sistema com plataforma web, complementa Alencar. Fonte: Revista Apólice FUNENSEG LANÇA CURSO PARA CAIXA LANÇA NOVOS SEGUROS FORMAÇÃO DE CORRETORES DE VIDA DE MICROSSEGUROS A Escola Nacional de Seguros está lançando o Curso para Habilitação de Corretores de A CAIXA acaba de lançar, em todo o País, Microsseguros, no Rio de Janeiro. As seguros de vida com um conceito inovador. inscrições poderão ser feitas até 19 de Em vez de focar apenas nos benefícios agosto e as aulas terão início no dia 20. tradicionais dos seguros de vida (morte e invalidez permanente), a empresa quer As disciplinas abordarão os conceitos e as mostrar aos brasileiros que eles podem e operações de seguro e previdência privada devem desfrutar em vida dos serviços e complementar aberta; legislação básica; benefícios oferecidos por suas apólices. direitos do consumidor; conceito, papel e Nosso negócio é cuidar do cliente, importância do microsseguro; estratégias de deixando-o sempre tranquilo e protegido. comercialização; ética; entre outros Não queremos estar ao lado dele apenas assuntos. A duração máxima do curso será nos momentos difíceis; queremos ajudar a de três semanas, com carga horária de 30 melhorar sua qualidade de vida, explica a horas, e as aulas acontecerão de segunda a diretora de vida da CAIXA SEGUROS, Rosana sexta, à noite. Nossa proposta é oferecer Techima. conhecimento e conscientização sobre o papel econômico e social dessa nova A executiva destaca que o aumento da modalidade de seguro e promovê-la como expectativa de vida da população, que já importante instrumento para a educação ultrapassa os 70 anos, abriu um novo financeira no Brasil, explica a diretora de cenário para as empresas do mercado Ensino Técnico da Escola, Maria Helena segurador. Nosso principal objetivo, agora, Monteiro. é oferecer produtos completos, a preços acessíveis, com o máximo de benefícios A aprovação no curso é condição obrigatória agregados. Em suma, queremos deixar para que o profissional obtenha o registro nosso cliente mais tranquilo, amparado e junto à Superintendência de Seguros feliz. Os seguros para aproveitar a vida da Privados (Susep) e possa atuar nesse nicho CAIXA, por exemplo, já oferecem a assistênde mercado. O investimento é de R$ 250,00 cia Check-up Lar, que garante ao cliente e, para participar, o aluno deve ter concluído serviços de limpeza de caixa d água, revisão o ensino fundamental. Mais informações no de instalação elétrica, verificação de Escola planeja vazamentos e até mesmo o aluguel de formar uma turma em São Paulo, ainda em caçamba para retirada de entulho. Esse setembro, e nas demais Unidades Regionais tipo de locação, em Brasília, é inclusive mais atenderá a demandas específicas. Inicia- caro que alguns dos nossos produtos, mos no Rio de Janeiro, onde fica a matriz da compara Rosana. O Fácil Acidentes Escola, pelo fato de estarmos mais próximos Pessoais, por exemplo, custa a partir de R$ e podermos fazer ajustes rapidamente, caso 60 por ano. Já o aluguel de uma semana de sejam necessários, afirma Angela Lauand, caçamba custa, em média, R$ 80. E tem gerente de Conteúdo e Planejamento da mais novidade. Os novos produtos da instituição. Fonte: Funenseg empresa oferecem, todos os meses, sorteios de até R$ 200 mil em prêmios. Fonte: Viver Seguro RESSEGURO Online 15

16 Publicação mensal do Escritório Pellon & Associados Advocacia Luís Felipe Pellon Sergio Barroso de Mello Esta publicação destina-se exclusivamente para fins de informação geral e não deve servir de base nem ser usada para qualquer propósito específico. O Escritório Pellon & Associados não será responsável pela confiança depositada nas informações contidas ou citadas e isenta-se especificamente de qualquer responsabilidade a elas relacionadas ou decorrente desse uso. As informações contidas ou citadas nesta publicação não constituem nem substituem o aconselhamento jurídico, contábil ou profissional e não devem ser encaradas como tal. O serviço de Clipping (elaborado originalmente por outros veículos) e inseridos nesta publicação são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Escritório Pellon & Associados. A reprodução de qualquer matéria depende de prévia autorização. Projeto gráfico: Mônica Grynberg Cerginer Assessoria de Comunicação de Pellon & Associados Advocacia Imagens retiradas da internet de domínio público. RESSEGURO ONLINE Uma publicação Atendimento ao leitor: Rio de Janeiro Rua Desembargador Viriato, 16 Centro - CEP: Telefone: (21) Rio de Janeiro Edifício ALTAVISTA, Rua Desembargador Viriato, nº 16 - Centro CEP Telefone: (21) Fax: (21) São Paulo Edifício Olivetti, Av. Paulista, 453, 8º e 9º andares, Centro CEP: Telefone: (11) Fax: (11) Brasília Edifício Business Point, SAS, Quadra 3, Lote 2, Bloco C, Salas 1.106/08, 1213 e 1214 CEP: Telefone: (61) Fax: (61) Vitória Edifício Palácio do Café, Av. Nossa Senhora dos Navegantes, 675, Enseada do Suá, Salas 1.110/17-11º andar CEP: Telefone: (27) Fax: (27) Recife Edifício Empresarial Boa Vista Center, Av. Lins Petit, 320, Salas 401/402 CEP: Telefone: (81) Fax: (81) Düsseldorf Pellon & Associados Europe LLP Kaiserswerther Str Deutschland (Alemanha) Tel: (0049) Fax: (0049) Pellon & Associados Advocacia Todos os direitos reservados

Estruturação do Contrato Automático de Resseguro

Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Estruturação do Contrato Automático de Resseguro Seminário A Arte de Elaborar o Contrato Marcus Clementino 13 de agosto de 2013 Estruturação do Contrato Automático Princípios básicos; Interesses e necessidades

Leia mais

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro

Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Riscos relacionados ao Santander Brasil e ao setor de Serviços Financeiros Brasileiro Estamos expostos aos efeitos das perturbações e volatilidade nos mercados financeiros globais e nas economias nos países

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

EMPRESARIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA

EMPRESARIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA Prezado Segurado, Obrigado por contratar o seguro Empresarial. Ficamos honrados pela sua escolha. Nossa principal motivação é garantir a segurança e tranquilidade aos seus negócios, por isso disponibilizamos

Leia mais

* Quase todos os países são membros MIGA. A lista dos países membros da MIGA pode ser consultada no website www.miga.org.

* Quase todos os países são membros MIGA. A lista dos países membros da MIGA pode ser consultada no website www.miga.org. MIGA: A Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) é um membro do Grupo do Banco Mundial. Seu propósito é promover o investimento estrangeiro direto (IED) nos países em desenvolvimento, proporcionando

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

Infraestrutura no Brasil

Infraestrutura no Brasil www.pwc.com.br Infraestrutura no Brasil Como agregar valor e gerenciar a complexidade de ativos de capital, programas ou portfólios de médio a grande porte (greenfield ou brownfield). O contexto de infraestrutura

Leia mais

Nota à imprensa. Página 1/5. Contatos: Relações com a mídia, Zurique Telefone + 41 43 285 7171. Lucia Bevere, Zurique Telefone + 41 43 285 9279

Nota à imprensa. Página 1/5. Contatos: Relações com a mídia, Zurique Telefone + 41 43 285 7171. Lucia Bevere, Zurique Telefone + 41 43 285 9279 Nota à imprensa a O estudo sigma da Swiss Re sobre catástrofes naturais e desastres causados pelo homem em 2012 registra US$ 77 bilhões em perdas seguradas e prejuízos econômicos na ordem de US$ 186 bilhões

Leia mais

2 Conceitos de Capital

2 Conceitos de Capital Capítulo 2 Conceitos de Capital 2 Conceitos de Capital Este capítulo tem como objetivo definir o capital na visão da instituição, interligando-o aos riscos existentes nas operações das mesmas. Além disso,

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Q4: Como podem ser concebidos e financiados os programas de (res)seguros públicos ou obrigatórios para se evitar o problema do risco moral?

Q4: Como podem ser concebidos e financiados os programas de (res)seguros públicos ou obrigatórios para se evitar o problema do risco moral? Q1: Qual é a sua opinião sobre a taxa de penetração dos seguros contra catástrofes na União Europeia? Queira apresentar as informações pormenorizadas e dados que justificam a sua opinião. É necessária

Leia mais

RESIDENCIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

RESIDENCIAL MANUAL DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Prezado Segurado, Obrigado por contratar o seguro Residencial. Ficamos honrados pela sua escolha. Como você é nossa principal motivação e a sua segurança e tranquilidade é o nosso maior objetivo, disponibilizamos

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria

Análise CADERNOS DE SEGURO. Seguro e doença preexistente. Lauro Vieira de Faria 16 Seguro e doença preexistente Lauro Vieira de Faria Um dos temas mais polêmicos no mercado de seguros são as limitações e até recusas de cobertura decorrentes das chamadas doenças preexistentes. Em diversos

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

Conheça a AIG Multinational

Conheça a AIG Multinational Conheça a AIG Multinational AIG Multinational Em qualquer lugar do mundo, a AIG oferece proteção e garante os serviços necessários para a realização dos seus negócios com segurança. Através dos recursos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR Seja bem-vindo à Blue Service Assistance, a opção mais vantajosa em assistência e clube de vantagens. É uma enorme satisfação ter você como nosso associado. A Blue Service Assistance está cada vez mais

Leia mais

Entenda o seguro de responsabilidade civil

Entenda o seguro de responsabilidade civil HOME PERGUNTAS FREQUENTES MAPA DO SITE Segunda, 7 de Maio de 2012 HOME INDIVÍDUO EMPRESA MERCADO GLOSSÁRIO FALE CONOSCO RC EMPRESARIAL O que é? Tipos de coberturas Comprando uma apólice e poupando dinheiro

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

Mercado brasileiro conta com coberturas novas e ampliadas skweb - SP - NOTÍCIAS - 28/11/2011 REVISTA COBERTURA

Mercado brasileiro conta com coberturas novas e ampliadas skweb - SP - NOTÍCIAS - 28/11/2011 REVISTA COBERTURA Mercado brasileiro conta com coberturas novas e ampliadas skweb - SP - NOTÍCIAS - 28/11/2011 REVISTA COBERTURA Conectado com o que há de mais sofisticado em soluções ao redor do globo, País tem novas opções

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR Dispõe sobre o aperfeiçoamento dos instrumentos de seguro rural

Leia mais

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO

3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO 3 CONTRATOS A TERMO E CONTRATOS DE OPÇÃO Este capítulo discute a importância dos contratos de energia como mecanismos que asseguram a estabilidade do fluxo de caixa

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Programa de Pequenos Investimentos

Programa de Pequenos Investimentos Programa de Pequenos Investimentos MIGA: Levando aos clientes uma solidez singular A missão da Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA) é promover o investimento estrangeiro direto nos

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45. Divulgação de Participações em Outras Entidades COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 45 Divulgação de Participações em Outras Entidades Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 12 (IASB - BV 2012) Índice Item

Leia mais

Deliberação CVM nº 563 (DOU de 31/12/08)

Deliberação CVM nº 563 (DOU de 31/12/08) Deliberação CVM nº 563 (DOU de 31/12/08) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 11 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata de Contratos de Seguro. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS COMPREENSIVOS Nilso Gonçalves Membro Comissão Ramos Diversos PDES Seguros Compreensivos

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. O futuro dos resseguradores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. O futuro dos resseguradores 24 O futuro dos resseguradores ROBERTO CASTRO Um dos efeitos trazidos pelo ressurgimento do liberalismo três décadas atrás, no bojo do processo de aprofundamento da integração econômica, política, cultural

Leia mais

JLT Specialty Limited faz parte do grupo de empresas da Jardine Lloyd Thompson Group plc, que é um grupo internacinal de Especialistas de Risco e

JLT Specialty Limited faz parte do grupo de empresas da Jardine Lloyd Thompson Group plc, que é um grupo internacinal de Especialistas de Risco e JLT Specialty Limited faz parte do grupo de empresas da Jardine Lloyd Thompson Group plc, que é um grupo internacinal de Especialistas de Risco e Consultores de Benefícios do Empregado.. Cotada no Índice

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO

CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO SEGURO DE EQUIPAMENTOS ELETRONICOS PORTÁTEIS SEGURO DE GARANTIA ESTENDIDA ORIGINAL Cláusula 1 DEFINIÇÕES AVARIA OU DEFEITOS PREEXISTENTES Danos existentes antes da contratação

Leia mais

Gestão de Risco Tiago Mora Herco

Gestão de Risco Tiago Mora Herco Gestão de Risco Tiago Mora Herco O Risco INCERTEZA RISCO OPORTUNIDADE A Gestão de Riscos INCERTEZA OPORTUNIDADE A Gestão de Riscos vai possibilitar o tratamento destas incertezas (Riscos) sem criar um

Leia mais

QUEM SOMOS. 1948 Interamericana Seguros chega ao Brasil. 1996 Assume o nome de AIG Brasil. 1997 Joint Venture com Unibanco Seguros criando

QUEM SOMOS. 1948 Interamericana Seguros chega ao Brasil. 1996 Assume o nome de AIG Brasil. 1997 Joint Venture com Unibanco Seguros criando AIG Seguros Brasil QUEM SOMOS 1948 Interamericana Seguros chega ao Brasil. 1996 Assume o nome de AIG Brasil. 1997 Joint Venture com Unibanco Seguros criando 2008 Após 10 anos de Joint Venture, Unibanco

Leia mais

COBERTURAS ADICIONAIS AO PROCESSO SUSEP Nº 15414.004288/2007-81 SEGURO ZURICH RISCOS NOMEADOS

COBERTURAS ADICIONAIS AO PROCESSO SUSEP Nº 15414.004288/2007-81 SEGURO ZURICH RISCOS NOMEADOS LUCROS CESSANTES CONSEQÜENTES DE DANOS MATERIAIS CLÁUSULA 1ª - OBJETO DO SEGURO 1.1. O objeto deste seguro é garantir, de conformidade com o que estiver estipulado nas demais condições desta apólice, uma

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Seguro Seguro Seguro: latim securus - tranqüilo, sem receio, isento de cuidados, fora de perigo. Gramaticalmente exprime o sentido de livre e isento de perigos e cuidados, posto a salvo, garantido.

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Art.1º Dispor sobre as regras e os critérios para operação do seguro Viagem. MINUTA DE RESOLUÇÃO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso XI, do Decreto nº 60.459, de 13 de março de l967, e considerando o inteiro teor

Leia mais

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos Novembro de 2013 Índice Seguro de Créditos à Exportação de Médio e Longo Prazo com a Garantia do Estado 03 Seguro de Créditos Financeiros

Leia mais

CONSULTORES RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA

CONSULTORES RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA RISCOS DE RESPONSABILIDADE CIVIL PARA CONSULTORES Uma pesquisa interna recente demonstra que 70% das PME de consultoria não têm uma proteção de seguros eficaz contra reclamações de responsabilidade civil.

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços - Loja Virtual

Contrato de Prestação de Serviços - Loja Virtual Por este instrumento de Contrato de Prestação de Serviços, que celebram entre si, de um lado CLIENTE CADASTRADO na Loja Virtual Credito&Veiculo (www.creditoeveiculo.com.br), doravante denominado CONTRATANTE,

Leia mais

Bases Técnicas das Empresas Securitárias

Bases Técnicas das Empresas Securitárias Bases Técnicas das Empresas Securitárias Francisco de Assis Braga Risco e Seguro - Definições Básicas - Probabilidade de dano - é a freqüência relativa de perdas no longo prazo. - Risco - é a incerteza

Leia mais

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009

Aon Corporation. Países em que atua 120 Escritórios no Mundo 500 Funcionários 40.000. Matriz da Aon Chicago EUA. Dados: Dezembro/2009 Aon Corporation Líder Mundial em Consultoria de Riscos, Benefícios, Seguros e Resseguros; Detentora do maior volume de prêmios emitidos do mercado mundial; 8ª empresa na categoria Diversidade Financeira

Leia mais

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos Condição Especial Responsabilidade Civil Profissional Farmacêuticos 1. Objectivo Esta Condição Especial destina-se a acompanhar e a clarificar as coberturas e funcionamento dos Certificados de Seguro emitidos

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi Seguros Empresariais Alexandre Vilardi Segmentação das Empresas no Brasil Introdução O mercado brasileiro é composto por mais de 5 milhões de empresas classificadas em Grandes, Médias, Pequenas e Micros,

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A CULPA É DO TEMPO? Porque o clima já não é o que era e os desastres naturais se sucedem com maior frequência e severidade, muitos deles agravados pela mão humana, a indústria de seguros e resseguros debate-se

Leia mais

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA

SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA SEGURO PLANO DE PROTECÇÃO FINANCEIRA O seguro que paga a conta do seu cartão emitido pela Unicre nos momentos em que mais precisa, com todo o conforto e segurança. Quando se pergunta porquê ter um plano

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014

Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Resolução CNSP Nº 315 DE 26/09/2014 Publicado no DO em 29 set 2014 Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro viagem. A Superintendência de Seguros Privados - SUSEP, no uso da atribuição

Leia mais

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares

Seguro Moto. Condições Gerais, Especiais e Particulares Seguro Moto Condições Gerais, Especiais e Particulares ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS PARTE I TUDO SOBRE A COBERTURA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OBRIGATÓRIA E, NOS CASOS EXPRESSAMENTE ASSINALADOS, ALGO SOBRE AS

Leia mais

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace

Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Enfrentar a crise climática vai ajudar a resolver a crise financeira a perspectiva do Greenpeace Manaus Av. Joaquim Nabuco, 2367, Centro CEP: 69020-031 Tel.: +55 92 4009-8000 Fax: +55 92 4009-8004 São

Leia mais

Sistema de Saúde Suplementar

Sistema de Saúde Suplementar 300 Sistema de Saúde Suplementar Marcia Cunha S. A. de Carvalho 1 INTRODUÇÃO Desde as últimas décadas do século XX, assistimos à demissão do Estado de seu dever de prestar assistência à saúde da população,

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO IMPORTANTE Este Manual tem função meramente informativa, não substituindo, em hipótese alguma, as condições gerais e especiais da apólice. Da mesma

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital

Nota à imprensa. Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Nota à imprensa ab Novo estudo sigma da Swiss Re, O seguro no mundo em 2010 revela aumento do volume global de prêmios e do capital Contatos: Daniel Staib, Zurique Telefone +41 43 285 8136 Thomas Holzheu,

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

Como funciona o seguro

Como funciona o seguro Como funciona o seguro Sobre a Insurance Europe A Insurance Europe é a federação de seguradoras e resseguradoras da Europa. Por meio dos seus 34 órgãos membros as associações nacionais de seguradoras a

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013

Interdependência da Produção Globalizada. Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Interdependência da Produção Globalizada Aon Global Risk Consulting - AGRC Alexandre Botelho Outubro 2013 Cenário atual Mundo globalizado Altíssima velocidade de difusão da informação Grande integração

Leia mais

REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS

REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS REGRAS PADRÃO DA FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE TRANSITÁRIOS (FIATA) PARA SERVIÇOS DE AGENTE TRANSITÁRIO PARTE I -DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Aplicabilidade 1.1. As regras presentes entram em vigor quando incorporadas

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop

Leia mais

Política de Privacidade de Site

Política de Privacidade de Site Política de Privacidade de Site Esta Política de Privacidade de Site irá informá-lo sobre como usar e divulgar informações que nós e nossos prestadores de serviços recolhemos a partir de suas visitas a

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.150/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.16 para NBC TG 11 e de outras normas citadas: de NBC T 11 para NBC TG 23; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Fusões e aquisições que geram valor

Fusões e aquisições que geram valor Fusões e aquisições que geram valor HSM Management/ Ano 5 /Número 27/ julho - agosto 2001 No momento de avaliar a viabilidade de uma fusão ou aquisição ou o modo de efetuá-la, talvez seja útil ter uma

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS No Banco De Lage Landen SA (DLL) a Gestão de Riscos é responsabilidade da Diretoria de Risco que se reporta diretamente à Presidência. 1 - Risco Operacional (RO) A

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC

PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC PRINCÍPIOS COMERCIAIS DE HSEC CONDUZINDO E EXPANDINDO NOSSOS NEGÓCIOSDE UMA MANEIRA RESPONSÁVEL E SUSTENTÁVEL HSEC APPROACH INTRODUCAO SOBRE NÓS A Trafigura é líder no mercado global de commodities. Suprimos,

Leia mais

Orientações sobre a aplicação de mecanismos de resseguro cedido para o submódulo de risco específico de seguros não vida

Orientações sobre a aplicação de mecanismos de resseguro cedido para o submódulo de risco específico de seguros não vida EIOPA-BoS-14/173 PT Orientações sobre a aplicação de mecanismos de resseguro cedido para o submódulo de risco específico de seguros não vida EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany

Leia mais

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS Colóquio - Debate Pedro Ribeiro 1 ENQUADRAMENTO Importância crescente da gestão de risco, no âmbito da atividade agrícola, face ao contexto de

Leia mais

Boletim Aon. Muitos falam que não há desafio que não traga consigo alguma oportunidade. Nesta edição. Marcelo Borges

Boletim Aon. Muitos falam que não há desafio que não traga consigo alguma oportunidade. Nesta edição. Marcelo Borges Aon Hewitt Boletim Aon Ano 2 nº 3 Outubro 2015 Nesta edição 01 02 Stop Loss e o Gerenciamento do Custo de Planos de Saúde O Rei e a Educação Previdenciária Muitos falam que não há desafio que não traga

Leia mais

Categoria: Case: PAMTAX

Categoria: Case: PAMTAX PRÊMIO ANSP 2005 Categoria: Empresas de Prestação de Serviços Case: PAMTAX 2 Í N D I C E SINOPSE Pág. 4 PROBLEMA Pág. 5 A situação das seguradoras Pág. 6 A situação das transportadoras Pág. 8 SOLUÇÃO Pág.

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTEÇÃO DA ATIVIDADE SEGURO OBRIGATÓRIO CONDIÇÕES GERAIS - 168 DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL DOS PERITOS AVALIADORES DE IMÓVEIS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO 808 29 39 49 fidelidade.pt

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, STREAMING COMPARTILHADA PRESTADORA DNSLINK SOLUÇÕES PARA INTERNET LTDA., inscrita no CNPJ sob o nº. 11.170.163/0001-39, com sede na Av. Jequitibá 685, sala 328, Águas

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

Security Officer Foundation

Security Officer Foundation Security Officer Foundation As comunicações e os meios de armazenamento das informações evoluíram mais nestes últimos anos do que em outro tempo na história conhecida. A internet comercial foi consolidada

Leia mais

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO

ENVIAR APÓLICE POR E-MAIL CORREIO INFORMAÇÕES DE PAGAMENTO PROPOSTA DE SEGURO EMPRESARIAL ORIGEM: 39 Nº PROPOSTA: RAZÃO SOCIAL ESTIPULANTE: CNPJ: ¹Pessoa Politicamente Exposta: Sim Não Relacionamento Próximo Nacionalidade: Reside no Brasil: Sim Não ¹Pessoa Politicamente

Leia mais

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL

GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Ano XVI Nº 157 2015 R$ 20,00 GRUPO CGSC INVESTE FORTE NO BRASIL Fábio Basilone Presidente da CGSC para o Brasil Especial: saiba tudo sobre o 4º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro reuniu mais de 500

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL

SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL SISTEMA DE CONTROLE DE RISCO DO BANCO CENTRAL DO BRASIL Autor: Luciano Duarte Peres, sócio diretor de Peres Advogados Associados, atuante na área de direito financeiro e mercado de capitais. Obrigatoriedade

Leia mais

Seguro de Responsabilidade Civil D&O (Directors and Officers)

Seguro de Responsabilidade Civil D&O (Directors and Officers) Seguro de Responsabilidade Civil D&O (Directors and Officers) O ônus de liderar.... Construí um patrimônio sólido depois de muitos anos de trabalho. Infelizmente não posso usufruir de nada com tranquilidade...

Leia mais

Apoio CONSEQUÊNCIAS DOS EFEITOS CLIMÁTICOS NAS OPERAÇÕES DE SEGUROS E RESSEGUROS

Apoio CONSEQUÊNCIAS DOS EFEITOS CLIMÁTICOS NAS OPERAÇÕES DE SEGUROS E RESSEGUROS CONSEQUÊNCIAS DOS EFEITOS CLIMÁTICOS NAS OPERAÇÕES DE SEGUROS E RESSEGUROS 1 O quê vamos ver? 2 PRIMEIRA PARTE ALGUNS DADOS SOBRE O MERCADO DE SEGUROS NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE SEGUROS MUNDIAL 2008-2009

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais