3 - Cablagem estruturada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 - Cablagem estruturada"

Transcrição

1 Capítulo Cablagem estruturada 1 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização da cablagem A identificação de um cabo é imediata (basta pôr-lhe a etiqueta correcta!!!!) 2 1

2 Cablagem Suporte físico das infra-estruturas de comunicações de um edifício ou conjunto de edifícios (campus) Conjunto dos equipamentos passivos: cabos, conectores, tomadas, armários de distribuição e interligação, etc. Permitem a interligação dos equipamentos activos: hubs, routers, bridges, switches, etc. Numa rede informática: componente de maior vida útil (mínimo de 10 anos, tipicamente 15 anos) corresponde a menos de 20% do investimento total pode ser responsável por 80% do tempo de inoperacionalidade As cablagens devem: ser incluídas nos edifícios e no campus, na fase de construção ou remodelação, a par das redes eléctricas, de gás, de água, etc. ser genéricas, suportando várias tecnologias e aplicações ser flexíveis de modo a poderem resistir a alterações na utilização dos espaços e à evolução das tecnologias de comunicação obedecer a normas - soluções abertas (independência relativamente a fabricantes) Permite a certificação após a instalação 3 Normas Principais especificações das normas Meios de transmissão a utilizar Comprimento máximo dos cabos Topologia Elementos de interligação (fichas, conectores, etc.) Norma ANSI TIA/EIA-T568B de origem americana, mas usada em muitos outros países Norma ISO/IEC de âmbito internacional Norma EN com influência a nível europeu 4 2

3 Norma ANSI TIA/EIA ANSI TIA/EIA-T568B: subsistemas 6 3

4 Norma ISO/IEC Estrutura de cablagem Elementos funcionais Distribuidor de campus (CD) Cablagem de backbone de campus Distribuidor de edifício (BD) Cablagem de backbone de edifício Distribuidor de piso (FD) Cablagem de piso (ou cablagem horizontal) Tomada de telecomunicações (TO) Cablagem de área de trabalho 7 Norma ISO/IEC Estrutura de cablagem (2) 8 4

5 Norma ISO/IEC Subsistemas de cablagem Subsistema de backbone de campus Interliga os edifícios dentro do campus Inclui o distribuidor de campus (CD), os cabos de backbone de campus e as terminações destes Pode também incluir cablagem entre distribuidores de edifícios Subsistema de backbone de edifício Interliga o distribuidor de edifício (BD) e os distribuidores de piso (FD) Inclui o distribuidor de edifício (BD), os cabos de backbone do edifício e as terminações destes Pode também incluir cablagens entre distribuidores de piso Subsistema de piso (ou cablagem horizontal) Interliga os distribuidores de piso (FD) e as tomadas de telecomunicações (TO) Inclui os distribuidores de piso, a cablagem horizontal e as tomadas de telecomunicações (TO) Subsistema da área de trabalho (zona) Agrega os elementos para interligar as TOs aos postos de trabalho (chicotes de interligação, adaptadores, etc.) Possibilidade de ligações horizontais entre FDs ou BDs, para permitir redundância 9 Norma ISO/IEC Subsistemas de cablagem (2) 10 5

6 Arquitectura óptica centralizada Só cablagem óptica Um único distribuidor em cada edifício Eliminação do subsistema de backbone de piso Vantagens: maior capacidade facilidade de operação e manutenção melhor economicamente em edifícios de grandes dimensões com pontos de acesso muito dispersos 11 Cabos recomendados 12 6

7 Comprimentos máximos 13 Cablagem horizontal 14 7

8 Backbone de edifício 15 Backbone de campus 16 8

9 Distribuidor Características principais: de montagem rack de 19 de largura altura em função das necessidades com painéis passivos com tomadas RJ45 (ISO 8877) destinadas à ligação dos cabos de cobre com painéis passivos para fichas ST ou SC destinadas à ligação dos cabos de fibra óptica com guias de patching para a arrumação dos chicotes entre os equipamentos activos e os painéis passivos 17 Painéis de interligação (patch-panels) onde são implementadas as interfaces com a rede pública e com o equipamento activo de telecomunicações onde é feita a terminação dos cabos dos vários subsistemas de cablagem a ligação ao equipamento activo é feita através de chicotes de interligação (patchcords) instalados nos distribuidores 18 9

10 Equipamentos de interligação Dispositivo (ou conjunto de dispositivos) destinados à interligação de cabos: tomadas, patch pannels, blocos de patching automático, etc. O equipamento de interligação deve ser instalado nos seguintes locais: No distribuidor de campus (CD) permitindo ligações à cablagem de backbone de campus, à cablagem de backbone de edifício e ao equipamento activo No distribuidor de edifício (BD) permitindo ligações à cablagem de backbone de edifício e ao equipamento activo No distribuidor de piso (FD) permitindo ligações à cablagem horizontal e ao equipamento activo Nas tomadas de telecomunicações (TO) 19 Equipamentos de interligação (2) O equipamento de interligação deve: Possibilitar a interligação de cabos através de jumpers, chicotes (patching cords), etc. Possibilitar a identificação das cablagens para efeitos de instalação e administração Permitir a gestão ordenada dos cabos Permitir a monitorização e teste do equipamento activo Garantir protecção contra danos físicos que afectem a continuidade Possibilitar uma instalação compacta das terminações dos cabos Possibilitar acomodação das blindagens, sempre que estas estejam presentes nos cabos 20 10

11 Equipamentos de interligação para fibra óptica 21 Equipamentos de interligação para cabos de cobre 22 11

12 Localização dos distribuidores Os distribuidores (bastidores) devem ser colocados em: salas de equipamento (ER - equipment rooms) Deve existir uma por edifício Zona central do edifício m 2 para edifício de m 2 Destinada à instalação de: CD e BD Central telefónica equipamento central de telecomunicações, sinalização, monitorização e vigilância ou em compartimentos de telecomunicações (TC - telecommunication closets) Deve existir uma ou mais por piso (uma por cada 1000 m 2 ) Mínimo de 5 m 2 próximo do centro geográfico do piso (para minimizar cabos) Destinada à instalação de: FD Equipamentos de controlo de piso 23 Especificações das zonas técnicas Alimentação eléctrica alimentação eléctrica estabilizada; protegida com circuito de terra e contra sobretensão; Ligada à rede de emergência do edifício (caso exista) Iluminação adequada (mínimo 500 lux); altura >= 2,6m; evitar lâmpadas de descarga (néon, fluorescente) Controlo ambiental evitar exposição directa aos raios solares; com ventilação natural ou controlo ambiental Temperatura: 18 a 26ºC (óptima) / 5 a 30ºC (limite) Humidade relativa: 30 a 55% (óptima) / 10 a 80% (limite) Controlo de acesso porta de acesso de largura superior a 90cm, a abrir para o lado de fora; com fechadura de segurança Não deve ter canos de água ou gás a passar sobre a sala Excepto protecção contra incêndios Materiais de construção De preferência com chão falso; Chão que minimize a poeira e a electricidade estática (ex.: ladrilhos); Materiais não combustíveis 24 12

13 Dimensionamento Tomadas de telecomunicações (TO) Localizadas na parede ou no chão, nas proximidades de cada posto de trabalho Devem existir no mínimo duas tomadas por cada 10 m 2 de área de trabalho (uma para voz e outra para dados) Cada compartimento deve ter pelo menos uma tomada Devem ser etiquetadas de forma visível e indelével Distribuidores de piso (FD) Deve existir pelo menos um FD por cada 1000 m 2 Deve existir pelo menos um FD por cada piso (excepto pisos de dimensões reduzidas) Quando um piso é pouco povoado de tomadas pode ser servido a partir de um dos pisos adjacentes Tentar minimizar o número de FDs 25 Teste e certificação Todos os componentes da cablagem devem ser testados de forma a ser verificada a sua compatibilidade com as normas subjacentes Na certificação das cablagens de cobre (UTP, STP ou S/UTP) são usados Cable scanners Na certificação das cablagens de fibra óptica são usados equipamentos de OTDR (reflectrometria óptica) A certificação automática deve ser complementada com inspecção visual dos componentes instalados 26 13

14 Como identificar falhas 27 Time Domain Reflectometry 28 14

15 Administração de cablagem Identificadores Todos os elementos de uma cablagem devem ser identificados de forma única e indelével Um único identificador deve ser atribuído a uma tomada, extremos do cabo e posição do painel distribuidor correspondente Nomeação alfabética sequencial Distribuidor de edifício A Distribuidores de piso B, C, D, etc. (por ordem de proximidade ao BD) Registos Devem ser mantidos registos relativos à cablagem Os registos devem indicar as tomadas activas e identificar os equipamentos a elas ligados Também devem ser mantidos registos de todos os testes e certificações efectuados 29 a evitar! 30 15

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

Guia de estudos 01. Aluno: Data: Curso: Engenharia Elétrica

Guia de estudos 01. Aluno: Data: Curso: Engenharia Elétrica Guia de estudos 01 Aluno: Data: Curso: Engenharia Elétrica Periodo: Introdução à Redes Objetivo: Visão geral de uma rede Ethernet 1. Do que constitui Enlace permanente e Canal? Enlace Permanente O enlace

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo I - Introdução Conceito de infraestrutura para telecomunicações 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489 paulo.morais@psmgestec.com.br O

Leia mais

Redes. Cabeamento Estruturado

Redes. Cabeamento Estruturado Redes Cabeamento Estruturado Redes de Computadores Uso Doméstico Comércio Eletrônico Entretenimento Comunicação entre pessoas (bate-papo, comunicação instântanea, etc) Acesso a informações remotas Redes

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Padrões ANSI/TIA/EIA-568 - Cabeamento Estruturado (CE) ANSI/TIA/EIA-569 - Caminhos e espaços para CE ANSI/TIA/EIA-606 - Administração de CE ANSI/TIA/EIA-607 - Aterramento de CE ISO/IEC

Leia mais

Simbologia de Projetos de redes. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Simbologia de Projetos de redes. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Simbologia de Projetos de redes Prof. Marciano dos Santos Dionizio Redes de Computadores Uso Doméstico Comércio Eletrônico Entretenimento Comunicação entre pessoas (bate-papo, comunicação instântanea,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução ao Cabeamento Estruturado Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 20 Redes não Estruturadas Estatisticamente, cerca de 70%

Leia mais

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo:

Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Subsistemas e recomendações de projeto segundo NBR 14565 Segundo a ABNT os subsistemas do cabeamento, se subdividem conforme o desenho abaixo: Projeto de rede secundária O desenvolvimento do projeto consiste

Leia mais

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO. Topologias Lógicas x Topologias Físicas 01/09/2016

Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO. Topologias Lógicas x Topologias Físicas 01/09/2016 Sistemas de Cabeamento SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO Uma rede de computadores é um conjunto de recursos inter-relacionados e interligados com o objetivo de formar um sistema em comum. PROF. FABRICIO

Leia mais

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral PROJETO DE INFRAESTRUTURA DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES IRT11104 Curso Técnico em Telecomunicações 4ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Visão geral do cabeamento estruturado Distribuidor de campus

Leia mais

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem

Redes de Computadores. Sistemas de cablagem Redes de Computadores Sistemas de cablagem Sumário! Sistemas de cablagem: Normalização Estrutura Tipos de cablagem e comprimentos Dimensionamento Componentes 2 Sistemas de cablagem! Devem ser instalados

Leia mais

Normas para cabeamento estruturado

Normas para cabeamento estruturado Normas para cabeamento estruturado Recomendações normativas para cabeamento estruturado em edifícios comerciais e em data centers. Frequentemente observamos projetos de cabeamento estruturado sendo feitos

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 8 Projeto em cabeamento Projetos de cabeamento O serviço de execução do cabeamento em uma rede não consiste apenas no lançamento dos cabos. Quando um cliente solicita uma

Leia mais

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h)

Curso de Formação de. Curso de Formação de. Actualização de Instalador ITED 2 (75h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico instalador

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Tecnologias de Rede Cabeamento Estruturado Professor Airton Ribeiro www.lanwan.com.br Conceito É um sistema de cabos, conexões, terminações e normas de instalação e administração que têm como finalidade

Leia mais

Visão geral do cabeamento estruturado. Professor: Cleber Jorge Amaral

Visão geral do cabeamento estruturado. Professor: Cleber Jorge Amaral Visão geral do cabeamento estruturado Professor: Cleber Jorge Amaral Agenda Nomenclaturas Visão geral do cabeamento diagrama unifilar Distribuidores Subsistemas de cabeamento Tipos de conexões Cabeamento

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão da aula anterior... Atenuação Maior em maiores frequências e maior comprimento

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo IV TIA 568.C - Parâmetros para projeto Conceitos de projeto para sistemas de cabeamento estruturado 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489

Leia mais

Legrand Cabling Systems

Legrand Cabling Systems Legrand Cabling Systems Módulo VII Outras normas Visão geral sobre outras normas ANSI/EIA/TIA que possuem relação com a ANSI/TIA 568.C 03/2016 CENTRO DE SUPORTE TÉCNICO / FORMAÇÃO Paulo Morais (31) 9 9922-4489

Leia mais

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos

Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos Título 1 Especificidades da Segurança Contra Incêndio em Edifícios Hospitalares e Lares de Idosos 2 Em Locais de Risco Centrais (desinfecção e esterilização) utilizando oxido de acetileno. Centrais e depósitos

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI

INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI INSTRUÇÕES GERAIS ATI_RACK+CATI MANUAL ITED 2ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 1 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado A prioridade desta norma é prover as especificações do projeto e direção para todas as instalações do prédio relacionadas

Leia mais

ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO

ANEXO 8 ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO ANEXO ESQUEMAS: DDC, TC, ATI, RG-PC+, RG-FO MANUAL ITED ª edição - Dezembro 00 - ANEXO ESQUEMA DE UM DDC Apresentam-se de seguida os esquemas de constituição de um possível DDC, integrado num ATI. Na figura

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Redes de Computadores. Topologias

Redes de Computadores. Topologias Redes de Computadores Topologias Sumário! Topologia Tipo de topologias 2 Topologia Configuração dos cabos, computadores e outros equipamentos 3 Topologia de cablagem! Topologia física Localização real

Leia mais

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED 2 CARACTERIZACÃO DAS ITED As infra-estruturas de telecomunicações de edifício (ITED) compõem-se de espaços, redes de tubagens, redes de cablagens e restante equipamento e material tais como conectores,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOCUMENTAÇÃO LEGAL, REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL Manual ITED (1ª, 2ª e 3ª Edição) Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios. DL 123/2009, de 21 Maio,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS

MEMORIAL DESCRITIVO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS Projeto de Telefonia e Lógica por Cabeamento estruturado MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES DE TELEFONIA E LÓGICA POR CABEAMENTO ESTRUTURADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - CAMPUS DE OEIRAS FAZENDA TALHADA,

Leia mais

Planificação Anual da disciplina de Comunicação de dados 12º 1PE

Planificação Anual da disciplina de Comunicação de dados 12º 1PE Conteúdos 1.Conceitos básicos 1.1. Rede de Comunicação 1.2. Redes de dados 1.3. Transmissão de Dados 1.4. A Informação 2.Redes de dados 2.1. Importância 2.2. Áreas de Aplicação 2.2.1.Perspectiva de evolução

Leia mais

Assegura a manutenção e assistência técnica de mais de equipamentos por si instalados; 12/15/08 3

Assegura a manutenção e assistência técnica de mais de equipamentos por si instalados; 12/15/08 3 12/15/08 1 12/15/08 2 Desde 1986 no mercado da Energia, gestão corporativa transparente, parcerias de excelência, uma administração financeira sólida e um leque de negócios diversificado, adquiriu uma

Leia mais

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED

2 CARACTERIZACÃO DAS ITED 2 CARACTERIZACÃO DAS ITED As infra-estruturas de telecomunicações em edifícios (ITED) compõem-se de espaços, redes de tubagens, redes de cablagens e restante equipamento e material tais como conectores,

Leia mais

Cabeamento Estruturado Resumo ABNT 14565:2013. Prof. Dr. Eng. Fred Sauer

Cabeamento Estruturado Resumo ABNT 14565:2013. Prof. Dr. Eng. Fred Sauer Cabeamento Estruturado Resumo ABNT 14565:2013 Prof. Dr. Eng. Fred Sauer Norma ABNT 14565:2013 Se aplica a projetos de LAN e CAN, especificando requisitos tanto para cabeamento balanceado como fibras óocas

Leia mais

Prof. Filipe Ornelas

Prof. Filipe Ornelas Prof. Filipe Ornelas ICCRLRI Hardware de Redes 0 Aparelhos e instrumentos utilizados nas instalações. 0 Bastidores; 0 Racks; 0 Patch Panel; 0 UPS / Non Breack; 3 0 Bastidores. 0 Os distribuidores são,

Leia mais

Workshop de Domótica e Telecomunicação. Fibras Ópticas. Patrício Moreira

Workshop de Domótica e Telecomunicação. Fibras Ópticas. Patrício Moreira Workshop de Domótica e Telecomunicação Fibras Ópticas Patrício Moreira Objectivos: Transmissão de uma mensagem (informação) Conceitos associados à transmissão de luz e às Fibras Ópticas Tipos de Fibras

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Um pouco de história Nos anos 80, empresas como AT&T e IBM tinham seus próprios

Leia mais

BLOCOS DE TOMADAS.

BLOCOS DE TOMADAS. BLOCOS DE TOMADAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Invólucros de chão para instalações salientes

Leia mais

Experiência 01: CONECTORIZAÇÃO DO CABEAMENTO METÁLICO

Experiência 01: CONECTORIZAÇÃO DO CABEAMENTO METÁLICO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - ANO LECTIVO 2013/2014 MÓDULO 2 REDE DE COMPUTADORES - FICHA DE TRABALHO Nº 1

REDES DE COMPUTADORES - ANO LECTIVO 2013/2014 MÓDULO 2 REDE DE COMPUTADORES - FICHA DE TRABALHO Nº 1 MÓDULO 2 REDE DE COMPUTADORES - FICHA DE TRABALHO Nº 1 1) Em que consiste uma rede de computadores? 2) Refira as principais vantagens e desvantagens associadas à implementação de uma rede de computadores.

Leia mais

Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de Página

Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de Página Capítulo 7 - Tecnologias Ethernet 1 Tipos de Ethernet Quatro características comuns em todos os tipos de Ethernet: parâmetros de temporização, o formato de quadros, o processo de transmissão e as regras

Leia mais

FICHA DE REGISTO E DE VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE ITED

FICHA DE REGISTO E DE VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE ITED FICHA DE REGISTO E DE VERIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE ITED DO INSTALADOR BI CONTRIBUINTE N.º (ANACOM, OE, OET) DO EDIFÍCIO COORDENADAS (GPS) CARACTERIZAÇÃO DO EDIFÍCIO N.º FOGOS N.º PISOS INSERIDO EM ITUR

Leia mais

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas

A Norma EIA/TIA 569A. Silvio Lucas Enquanto a norma 568B divide os subsistemas de cabeamento estruturado em 7 subsistemas, a norma 569A trata dos detalhes dos caminhos e espaços bem como a infra-estrutura de dutos para as seguintes áreas:

Leia mais

Cabos de fibra ótica devem ser utilizados no backbone e risers (conexões verticais) em todos os projetos de cabeamento. Cabos de Categoria 6 UTP

Cabos de fibra ótica devem ser utilizados no backbone e risers (conexões verticais) em todos os projetos de cabeamento. Cabos de Categoria 6 UTP Projeto de camada 1 Um dos componentes mais importantes a considerar no projeto de uma rede é o cabeamento. Hoje, a maior parte do cabeamento das redes locais é baseada na tecnologia Fast Ethernet. Fast

Leia mais

Condições de montagem

Condições de montagem Condições de montagem para o SUNNY CENTRAL 350 Conteúdo Este documento descreve as dimensões e as distâncias mínimas a respeitar, os volumes de entrada e de evacuação de ar necessários para um funcionamento

Leia mais

Cablagem de rede estruturada

Cablagem de rede estruturada Paulo Álvaro De: Saved by Microsoft Internet Explorer 5 Enviado: quarta-feira, 21 de Abril de 2010 11:06 Assunto: Cablagem de rede estruturada Cablagem de rede estruturada André Moreira (andre@dei.isep.ipp.pt)

Leia mais

Redes de Computadores Cabeamento Estruturado

Redes de Computadores Cabeamento Estruturado Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Campus Presidente Epitácio Redes de Computadores Cabeamento Estruturado Aluna: Pamela Nascimento da Silva Professor: Alexandre Curso: ADS - 2º Semestre

Leia mais

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42

Escrito por LdeR Domingo, 28 Março :49 - Actualizado em Segunda, 24 Outubro :42 O objectivo deste artigo é efectuar um resumo das principais alterações ao Manual ITED (Prescrições e Especificações Técnicas das Infra-estruturas de Telecomunicações em Edifícios). Manual ITED - 2ª Edição

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V3.2. EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO MANUAL ITED

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V3.2. EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO MANUAL ITED MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V3.2 EQUIPADO COM RC-PC, RC-CC e RC-FO MANUAL ITED Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 6 Pag 1/12 Mod.100/2 ÍNDICE 1. LISTA

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V2.4. EQUIPADO COM RC-PC e RC-CC (NÃO INCLUI FIBRA ÓPTICA - RC-FO) MANUAL ITED

MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V2.4. EQUIPADO COM RC-PC e RC-CC (NÃO INCLUI FIBRA ÓPTICA - RC-FO) MANUAL ITED MANUAL DE INSTALAÇÃO / UTILIZADOR ARMÁRIO ATI V2.4 EQUIPADO COM RC-PC e RC-CC (NÃO INCLUI FIBRA ÓPTICA - RC-FO) MANUAL ITED Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 14 Pag

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS ELÉTRICOS

SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS ELÉTRICOS SOLUÇÕES ELÉTRICAS 6/2015 QUADROS 2 quadros elétricos de embeber Pág. semimontados Quadros DE entrada para DCP 4 Quadros de distribuição 7 Quadros de Telecomunicações - ATI 11 - CATI 13 completos Quadros

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão: Lista de exercícios 1 Explique o que é banda passante? Que unidades

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

Utilizar-se-ão, regra geral, fitas métricas e paquímetros, que não estão sujeitos a calibração.

Utilizar-se-ão, regra geral, fitas métricas e paquímetros, que não estão sujeitos a calibração. 6 ENSAIOS 6.1 GENERALIDADES O presente capítulo caracteriza um conjunto de ensaios, cuja finalidade é verificar as características da instalação, nomeadamente no respeitante às redes de cabos e aos sistemas

Leia mais

ITED exemplo genérico. CIE (BT) - 5º Ano Energia

ITED exemplo genérico. CIE (BT) - 5º Ano Energia ITED exemplo genérico Infra-estrutura Telefónica - Rede de Distribuição Pública (RD) - Rede Intermédia (RInt) - Instalação da Rede de Cliente (IRC) Rede de Distribuição Pública (RD) DEFINIÇÃO: Conjunto

Leia mais

ANEXO V REQUISITOS TÉCNICOS E FUNCIONAIS DE BASE DO EQUIPAMENTO DO LOTE 2

ANEXO V REQUISITOS TÉCNICOS E FUNCIONAIS DE BASE DO EQUIPAMENTO DO LOTE 2 ANEXO V REQUISITOS TÉCNICOS E FUNCIONAIS DE BASE DO EQUIPAMENTO DO LOTE 2 Introdução O mobiliário urbano está geralmente sujeito a pressões e desgaste de nível elevado, devido quer ao envolvimento ambiental,

Leia mais

Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança

Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança 2 Sistema de chamadas e de alarme por voz Plena O caminho mais rápido para a segurança A gama de sistemas de chamadas

Leia mais

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução

Ascensores PEQ 61. Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. Critérios de Execução Procedimento Específico de Qualidade Página: 1/5 1. OBJECTIVO E ÂMBITO Este procedimento tem como objectivo estabelecer regras para a montagem de ascensores. 1.1. Abreviaturas e definições Não aplicável

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA

CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA CONSIDERAÇÕES SOBRE INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA. - 1 Todo o aterramento/conexão à terra e vinculação de terras (bonding) deverá atender aos códigos e regulamentos aplicáveis. Proteção de Circuito - 2

Leia mais

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS 1.1 CONTEXTO NORMATIVO Na elaboração do presente Manual ITED foram consideradas as Normas Europeias aplicáveis, nomeadamente: EN 50083 - Sistemas

Leia mais

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia

Concepção de Instalações Eléctricas E D. José Rui Ferreira. Setembro CIE (BT) - 5º Ano Energia Concepção de Instalações Eléctricas E D José Rui Ferreira Setembro 2002 ITED Infra-estruturas de Telecomunicações em EDifícios Índice -Introdução - Legislação - Inscrição de Empresas / Técnicos -Projecto

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Tecnologias de electrificação Regras de execução Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Caixas de encastrar

Caixas de encastrar Caixas de pavimento caixas de pavimento, caixas de encastrar, calhas de pavimento e acessórios Caixas de pavimento Caixas de encastrar metálicas plásticas cessórios de fixação Calhas metálicas Calhas em

Leia mais

O CONCEITO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO

O CONCEITO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO O CONCEITO DE CABEAMENTO ESTRUTURADO A rede estruturada e a que se baseia num sistema de produtos (cabos, adaptadores, conectores, paineis) padronizados, necessarios aor formaçae uo de uma rede que possa

Leia mais

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio

Método de Gretener. Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio Método de Gretener Método de Cálculo Simplificado de Avaliação do Risco de Incêndio INTRODUÇÃO Um método com estas características, ágil, de fácil aplicação e rápida utilização, tem que aglutinar muita

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015

Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015 Notas explicativas: Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas de iluminação LED Versão 09/2015 Índice Capítulo 1 Proteção contra descargas atmosféricas e sobretensões para sistemas

Leia mais

Acessórios para Sunny Central COMMUNICATION CABINET (COM-C)

Acessórios para Sunny Central COMMUNICATION CABINET (COM-C) Acessórios para Sunny Central COMMUNICATION CABINET (COM-C) Descrição técnica COM-C-TPT084210 98-4012710 Versão 1.0 PT SMA Solar Technology AG Índice Índice 1 Detalhes do produto..............................

Leia mais

Faz passar sempre todas as mensagens.

Faz passar sempre todas as mensagens. Faz passar sempre todas as mensagens. PRAESIDEO - Sistema digital de chamadas e de alarme por voz boschsecurity.com PRAESIDEO - Sistema digital de chamadas e de alarme por voz 3 Manter o público informado

Leia mais

Redes de Computadores. Cablagem

Redes de Computadores. Cablagem Redes de Computadores Cablagem Meios físicos de transmissão guiados! Cabos coaxiais! Cabos de pares entrançados! Cabos de fibra óptica 2 Cabo coaxial Malha de cobre Condutor de cobre Revestimento externo

Leia mais

Conversores de frequência componentes ABB ACS50, 0,18 a 2,2 kw

Conversores de frequência componentes ABB ACS50, 0,18 a 2,2 kw Conversores de frequência componentes ABB ACS50, 0,18 a 2,2 kw Catálogo técnico PERFIL INDÚSTRIAS PRODUTOS APLICAÇÕES EXPERIÊNCIA PARCEIROS SERVIÇOS Conversores de frequência componentes ABB O que é um

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REDE CABEADA UTP FAST

MANUAL DE INSTRUÇÕES REDE CABEADA UTP FAST MANUAL DE INSTRUÇÕES REDE CABEADA UTP FAST DESCRIÇÃO Desenvolvido com o propósito de inovar o sistema de rede cabeada UTP tradicional, que trabalha com tensão em toda a extensão do Backbone, para uma solução

Leia mais

Armários de Rede Estruturada Rack 19

Armários de Rede Estruturada Rack 19 Armários de Rede Estruturada Rack 19 Componentes: Montados Desmontados Flat Pack Armários Parede Armários Pavimento Rack aberta Ventilação Prateleiras Réguas energia Acessórios www.teleflex.pt Página 83

Leia mais

VICRODEL Sistemas Electrónicos, Lda.

VICRODEL Sistemas Electrónicos, Lda. Apresentação Soluções 2016 desde 1997 SADIR - V.1.0. Jan. 2016 Portefólio de produtos A Vicrodel Sistemas Electrónicos, oferece uma grande diversidade de produtos e soluções provenientes de grandes fabricantes

Leia mais

PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL 1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS FASE II ,62. 8 cj 7.711, ,32. 8 cj 1.871, ,00

PREÇO (R$) UNITÁRIO TOTAL 1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS FASE II ,62. 8 cj 7.711, ,32. 8 cj 1.871, ,00 1 SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE DADOS FASE II 4.139.231,62 1.1 FORNECIMENTO DE EQUIPAMENTOS 1.974.167,44 1.1.1 Servidor padrão rack 19'' 8 un 56.128,56 449.028,48 1.1.2 Switches de distribuição 256 MB de SDRAM,

Leia mais

Introdução a Redes de Computadores. Elementos de Interconexão

Introdução a Redes de Computadores. Elementos de Interconexão Introdução a Redes de Computadores Elementos de Interconexão Objetivo! Conhecer os diferentes equipamentos de rede existentes.! Entender quais camadas do modelo de referência na qual cada um destes equipamentos

Leia mais

DBS720, FDS221-R, FDS221-W Sirenes e Bases com Sirene

DBS720, FDS221-R, FDS221-W Sirenes e Bases com Sirene DBS720, FDS221-R, FDS221-W Sirenes e Bases com Sirene Para linhas de detecção com tecnologia C-NET Cerberus PRO Base sonora DBS720 11 tonalidades seleccionáveis, 2 níveis de activação programáveis Intensidade

Leia mais

III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR

III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR III ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EM VIGOR Listagem das Especificações Técnicas em Vigor RITA Especificação Caixas de Rede Colectiva de Tubagens 25.03.40.001 (Ed.2); RITA - Especificação Cabo Tipo V 25.03.40.002

Leia mais

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Colunas ALU. matéria-prima cor. Cinzento Cinzento

Sistema de alimentação de postos de trabalho com. Colunas ALU. matéria-prima cor. Cinzento Cinzento Sistema de alimentação de postos de trabalho com 50 matéria-prima cor ALU 50 ALU Para a alimentação de postos de trabalho a partir do teto, em salas amplas Estruturas estilizadas com o diâmetro necessário

Leia mais

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação

Distribuidores e painéis de interligação Equipamento activo e chicotes de interligação Redes Estruturadas O projecto e a instalação de redes de dados em edifícios são actividades reguladas por um conjunto de normas dispersas em diversos documentos, publicados por organismos internacionais.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAFETYMAX

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAFETYMAX DOCUMENTAÇÃO (LEGAL) REGULAMENTAR E NORMATIVA APLICÁVEL REGRAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE BAIXA TENSÃO - Portaria 949-A/2006 de 11 de Setembro. DIRECTIVA DE BAIXA TENSÃO 2006/95/CE - Decreto

Leia mais

Sistema de Telecomunicações. Especificação Técnica para Distribuidor Geral de Telemática

Sistema de Telecomunicações. Especificação Técnica para Distribuidor Geral de Telemática TOTAL DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS Sistema de Telecomunicações Especificação Técnica para Distribuidor Geral de Telemática DIST. QTDE/TIP ÓRGÃO d c b a GEDOC Rev. Data Feito Visto Aprov Data Descrição

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO LEGRAND

CABEAMENTO ESTRUTURADO LEGRAND CABEAMENTO ESTRUTURADO LEGRAND PERFORMANCE PARA TODOS OS AMBIENTES ESPECIALISTA MUNDIAL EM SISTEMAS ELÉTRICOS E DIGITAIS PARA INFRAESTRUTURAS PREDIAIS LCS² A solução completa para o seu projeto Sistema

Leia mais

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VII Registro de Preços Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Setembro / Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis

GUIA DE APLICAÇÃO AMBIENTES CRÍTICOS INDUSTRIAIS Setembro / Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais. Ambientes Aplicáveis Cabeamento Estruturado para Ambientes Industriais Terminais portuários A Solução Ethernet para uso Industrial está relacionada a produtos de cabeamento estruturado que podem ser utilizados em qualquer

Leia mais

AS ÃO ANTIQUED TEÇ PRO

AS ÃO ANTIQUED TEÇ PRO PROTEÇÃO ANTIQUEDAS INFORMAÇÃO TÉCNICA NORMA DESCRIÇÃO ANTIQUEDAS MÓVEIS SOBRE SUPORTE DE SEGURANÇA RÍGIDO: EN 353-1 Sistema composto de um antiqueda móvel com bloqueio automático solidário do suporte

Leia mais

Planificação da disciplina

Planificação da disciplina Planificação da disciplina Comunicação de Dados Duração dos Módulos: 108 horas/130 tempos Disciplina: Comunicação de Dados Professor: Lurdes Cristóvão Página 1 D e s i g n a ç ã o A C T I V I D A D E S

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com Meios de comunicação Protocolos de rede AULA 03 Meios de comunicação COMUTAÇÃO CIRCUITOS Necessário

Leia mais

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400 ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE Manual do usuário Adaptador RJ-45 para Borne MAN-PT-DE-AA400 Rev.: 1.00-11 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível

Leia mais

uma Solução com identidade v0 03/06/2016

uma Solução com identidade v0 03/06/2016 idpt Sistemas A idpt Sistemas foi fundada em 2009, e conta com a experiência de 10 anos em Domótica/Automação adquirida pelos seus sócios fundadores, e pretende dar resposta às necessidades Tecnológicas

Leia mais

A monitorização no parque solar espanhol Zuera II garante rendimentos a longo prazo

A monitorização no parque solar espanhol Zuera II garante rendimentos a longo prazo A monitorização no parque solar espanhol Zuera II garante rendimentos a longo prazo Phoenix Contact S.A. Sintra Business Park, Edifício n 1 Zona Industrial da Abrunheira 2710-089 SINTRA Horário: 9h -13h

Leia mais

COLUNAS. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

COLUNAS.  Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões COLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Colunas para instalações elétricas onde a cablagem se

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DA-C13-523/N EV 2007 INSTALAÇÕES AT E T. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de reagrupamento de cabos Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão:

Leia mais

KIT EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA 12 FIBRAS COLORIDO

KIT EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA 12 FIBRAS COLORIDO KIT EXTENSÃO ÓPTICA CONECTORIZADA 12 FIBRAS COLORIDO Tipo do Produto Extensão Óptica Família do Produto Descrição TeraLan A Extensão Óptica Conectorizada 12 Fibras Colorido é composta por dois itens principais

Leia mais

humidade e com elevadas concentrações de poeiras K2 é uma luminária estanque a poeiras e água (IP65) que pode receber uma cobertura (IK10).

humidade e com elevadas concentrações de poeiras K2 é uma luminária estanque a poeiras e água (IP65) que pode receber uma cobertura (IK10). K2 1 2 Segura em espaços públicos Segura para ambientes com altos níveis de humidade e com elevadas concentrações de poeiras Segura para aplicações exteriores 3 Robusta e estanque K2 é uma luminária estanque

Leia mais

Aspetos a destacar na formação

Aspetos a destacar na formação Aspetos a destacar na formação Paulo Mourato Mendes Direção de Fiscalização Fevereiro de 2015 Sumário Adequação de materiais Soluções ITED Considerações sobre projeto Considerações sobre instalação Considerações

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABEAMENTO ESTRUTURADO Objetivos Tratar os conceitos relacionados à instalação de cabeamento estruturado e assuntos correlatos, abrangendo as principais normas que contemplam este assunto, entre as quais:

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

PARTE L - CONTRATOS PÚBLICOS

PARTE L - CONTRATOS PÚBLICOS Terça-Feira, 20 de Março de 2012 Número 57 PARTE L - CONTRATOS PÚBLICOS SECRETARIA-GERAL DO MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE E DA SEGURANÇA SOCIAL Anúncio de concurso urgente n.º 50/2012 Hora de disponibilização:

Leia mais