Prevalência e caracterização da Hipercolesterolemia em Portugal.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prevalência e caracterização da Hipercolesterolemia em Portugal."

Transcrição

1 Prevalência e caracterização da Hipercolesterolemia em Portugal. Estudo HIPÓCRATES Carlos Perdigão*, João Sequeira Duarte** e Ana Santos*** * Faculdade de Medicina de Lisboa; ** Hospital Egas Moniz; *** Key Point. Nota: O Estudo HIPOCRATES teve o apoio logístico da Key Point e um apoio não restritivo da Danone. Endereço para contactos: Carlos Perdigão Palavras chave: hipercolesterolemia, dislipidemia, estudos epidemiológicos, Portugal Continental. Resumo Objectivos: Determinar a prevalência de hipercolesterolemia e caracterizar o perfil lipídico da população portuguesa. Metodologia: Considerando uma prevalência de hipercolesterolemia de 68,5%, estimou-se uma amostra de indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos e inferior a 75 anos e a sua subdivisão por sexo, grupo etário e Região. Assumiu-se um nível de significância de 0,05. A recolha de dados foi realizada, tendo como unidade base o concelho. Através da aplicação de um questionário estruturado foi recolhida informação sobre dados sócio-demográficos e clínicos. Foi efectuada o doseamento capilar de colesterol total, HDL e triglicéridos. Resultados: Foram incluídos 1585 indivíduos, 48% do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 18 e os 75 anos (média ± dp = 43,9+14,9). O nível médio do colesterol total foi de 191±38mg/dl, sendo este valor superior a 190mg/dl em 56% da população estudada. O valor médio dos triglicéridos foi de 169±93mg/dl, sendo este valor superior a 150mg/dl em 53% dos casos. A prevalência da hipercolesterolemia foi semelhante nos dois sexos, mas a hipertrigliceridemia foi mais prevalente no sexo masculino, enquanto os valores baixos de colesterol-hdl foi mais prevalente no sexo feminino. Conclusões: Verificou-se que a prevalência de hipercolesterolemia foi um pouco inferior ao encontrado numa população portuguesa estudada em 1996, sem grandes diferenças entre géneros ou por Região. O valor dos triglicéridos poderá conter viés uma vez que este valor não foi obtido em jejum. A prevalência de hipercolesterolemia aumenta com a idade e, surge associada com indicadores da síndrome metabólica como o índice de massa corporal e a hipertensão arterial, bem como aos antecedentes familiares de hipertensão arterial e colesterol elevado. 12 Recebido para publicação: Janeiro de 2010 Aceite para publicação: Janeiro de 2010

2 Revista Factores de Risco, Nº17 ABR-JUN 2010 Pág Introdução As doenças cardiovasculares são a principal causa de mortalidade e morbilidade no mundo industrializado, prevendo a Organização Mundial de Saúde que esta situação se agrave nos próximos anos (1). Na Europa, as doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em homens com mais de 45 anos e em mulheres com mais de 65 anos (2). Em Portugal, em 2000, a mortalidade por doenças cardiovasculares foi de 308 por habitantes (3). A prevenção dos factores de risco de doença aterosclerótica tem sido uma das preocupações das sociedades científicas e das autoridades de saúde, bem expressa na Carta Europeia para a Saúde do Coração (4), que a Sociedade Europeia de Cardiologia e a Rede Europeia do Coração recentemente apresentaram no Parlamento Europeu, já consubstanciada nas Recomendações para Prevenção das Doenças Cardiovasculares, publicadas em 2007 (5). De entre os factores de risco modificáveis, a dislipidemia em geral e a hipercolesterolemia em particular têm uma relação com a doença aterosclerótica bem demonstrada em numerosos estudos e, o seu controle, uma correspondente redução das doenças cardiovasculares (6). Uma alimentação saudável, a prática de exercício físico e o controle com terapêutica farmacológica são intervenções que as recomendações preconizam com este objectivo (5). Uma das dificuldades sentidas na prática clínica é o desconhecimento da população sobre a importância do colesterol elevado e do seu rastreio e controle. Um melhor conhecimento da realidade em cada País poderá permitir aos agentes de saúde canalizar recursos e definir estratégias de prevenção. O objectivo deste estudo foi determinar a prevalência e caracterização clínica da hipercolesterolemia e de outras das alterações do perfil lipídico na população Portuguesa. Metodologia Tipo de estudo Foi desenhado um estudo epidemiológico transversal de uma amostra representativa da população portuguesa. Selecção da amostra/ População Considerando uma prevalência de hipercolesterolemia de 68,5% (7), estimou-se uma amostra de indivíduos considerando, de acordo com o Censos 2001, um universo global de indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos e inferior a 75 anos e, a sua subdivisão por sexo, grupo etário e Região. Assume-se um nível de significância de 0,05 e um erro amostral de ±2,36%. A recolha de dados foi realizada tendo como unidade base amostral, o concelho. Estes foram seleccionados por região Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo e Algarve de acordo com as suas características demográficas e sócio-económicas. A amostra foi estratificada por sexo, idade e escolaridade, de modo a garantir a sua representatividade face à população. Recolha de dados Em cada concelho foram contactadas de forma aleatória, pela lista telefónica, entidades locais, profissionais, de lazer ou de carácter social, tais como bombeiros, câmaras municipais e escolas. O mapa apresentado na Figura 1 indica, a azul, os concelhos onde foi realizado o estudo. A recolha de dados decorreu durante o mês de Março de Figura 1 O mapa indica, a azul, os concelhos onde foi realizado o estudo. Questionário e Medições Os dados foram recolhidos por uma equipa composta por técnicos especializados em análises clínicas e técnicas de inquirição, com formação específica no estudo. Através da aplicação de um questionário estruturado foi recolhida informação por auto-reporte sobre dados sócio-demográficos e clínicos, nomeadamente presença de diabetes e hipertensão arterial. Para cálculo do índice de massa corporal foi recolhida a altura de acordo com o bilhete de identidade e o peso através de balança electrónica calibrada. Foi efectuada a medição capilar de colesterol total, colesterol-hdl e triglicéridos (sangue capilar, método Reflotron Plus) (Figura 2). 13

3 Prevalência e caracterização da Hipercolesterolemia em Portugal. Estudo HIPÓCRATES O colesterol-ldl foi calculado directamente no Reflotron Plus, segundo a fórmula de Friedwald: Colesterol LDL = Colesterol Total (Colesterol HDL + Triglicéridos / 5), se Triglicéridos <400mg /dl. As medições não foram efectuadas em jejum. O cálculo de prevalência de hipercolesterolemia foi efectuado considerando a população de inquiridos com valores de colesterol total >190 mg/dl e/ou de indivíduos que referiam tomar medicação para hipercolesterolemia. Foram também calculadas as seguintes prevalências: LDL >115 mg/dl, HDL <40 mg/dl nos homens e <45 mg/dl nas mulheres e Triglicéridos >150 mg/dl. Figura 2 Validação dos resultados obtidos com o ReflotronPlus Quadro I Distribuição dos componentes do perfil lipídico Análise Estatística Foi efectuada a análise descritiva de todas as variáveis incluídas no questionário, apresentando-se o valor médio e o desvio padrão (DP) para as variáveis numéricas e, as frequências absolutas e relativas para as variáveis categóricas. Foi calculado o valor pontual de prevalência de hipercolesterolemia, LDL-C, HDL e hipertrigliceridemia, bem como determinado o respectivo IC a 95%. Para a comparação de proporções foi usado o Teste do Qui-quadrado e o Teste de Média DP Mín-Máx Colesterol total 190,6 37, LDL-C 109,5 34, HDL(homens) 46,1 15, HDL (mulheres) 53,3 15, Triglicéridos 169,4 93, Figura 3 Percentagem de indivíduos por classes de valores de colesterol total 14

4 Revista Factores de Risco, Nº17 ABR-JUN 2010 Pág Fisher; para a comparação de médias foi utilizado o Teste T para amostras independentes, na comparação de 2 grupos e, o One-Way ANOVA na comparação de 3 grupos. Para todas as análises foi assumido o nível de significância de 5%. O software estatístico utilizado foi o SPSS, versão Resultados Características da população Foram incluídos 1585 indivíduos, 763 (48%) do sexo masculino e 822 (52%) do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 18 e os 75 anos (média ±dp = 43,9+14,9). Cerca de 20% apresentavam 4 anos ou menos de escolaridade, 36% tinham frequentado o 1º e/ou 2º ciclos, 27% o secundário e 16% o ensino superior. Verificou-se um índice de massa corporal médio de 25,6 ± 4,1 Kg/m 2. Metade dos inquiridos apresentavam peso normal ou baixo peso (44% e 6%, respectivamente), 37% excesso de peso e 14% algum grau de obesidade. Mais de 50% nunca tinham fumado, 26% eram fumadores e 20% ex-fumadores. A prática de exercício físico foi referida por 38% dos inquiridos. Perfil lipídico da população No Quadro 1 apresenta-se o perfil lipídico da população incluída neste estudo. Na Figura 3 apresenta-se a percentagem de indivíduos por classe de valores de colesterol. Cinquenta e seis por cento da população avaliada tinha Colesterol total >190 mg/dl e/ ou medicação hipolipemiante. Cerca de 40% apresentavam um valor de ColesteroL- LDL superior a 115 mg/dl e 56% valores de Colesterol-HDL abaixo do recomendado (<40 mg/dl nos homens ou <45 mg/dl nas mulheres). Os Triglicéridos eram superiores a 150 mg/dl em 53% dos casos. Quadro 2 Prevalência dos componentes da dislipidemia Estimativa Pontual (IC 95%) Colesterol total >190 mg/dl ou medicação 56% 53% - 59% LDL-C >115 mg/dl 41% 38% - 44% HDL < 40 mg/dl (H) ou HDL < 45 mg/dl (M) 56% 53% - 59% Triglicéridos >150 mg/dl 53% 50% - 56% Não se verificaram diferenças entre sexos na prevalência de hipercolesterolemia - 54% no sexo masculino e 58% no sexo feminino (p=0,5) e Colesterol- LDL >115 mg/dl - 40% nos homens e de 42% nas mulheres (p=0,4). A prevalênciade valores de Colesterol- HDL abaixo do recomendado foi estatisticamente superior nas mulheres - 73% versus. 38% nos homens (p<0,001) e a de hipertrigliceridemia no sexo masculino - 60% versus 45% no sexo feminino (p<0,001). De um modo geral, a percentagem de valores fora do recomendado aumenta à medida que se avança nas faixas etárias, verificando-se uma prevalências mais elevada a partir dos 50 anos (Quadro 3). Quadro 3 Prevalência dos componentes da dislipidémia por classe etária Idade (anos) Colesterol Total (>190mg/dl) Colesterol LDL (>115mg/dl) Colesterol HDL (40mg/dl nos H, 45 mg/dl nas M) Triglicéridos (>150mg/dl) <40 47% 35% 59% 47% % 46% 60% 53% % 48% 48% 59% % 42% 53% 59% p <0,001 <0,001 0,002 <0,001 15

5 Prevalência e caracterização da Hipercolesterolemia em Portugal. Estudo HIPÓCRATES Correlação com outros factores de risco As prevalências de hipercolesterolemia e de hipertrigliceridemia aumentam progressivamente com o aumento das classes de Índice de Massa Corporal (IMC) (Quadro 4; p<0,001). Verificou-se uma maior proporção de indivíduos com hipertensão no grupo com hipercolesterolemia, quando comparado com os indivíduos sem hipercolesterolemia (24,3% versus 19,4%; p=0,019). Contudo, não se verificaram diferenças entre os dois grupos relativamente à presença de diabetes (p=0,9) e à prática de exercício físico (p=0,06) respectivamente 5,6% e 36% no grupo com hipercolesterolemia e 5,5% e 40,6% nos indivíduos com colesterol normal. Em relação ao consumo de tabaco, verificou-se que nos indivíduos com hipercolesterolemia, 27,5% eram consumidores, 20,6% eram ex-consumidores e 51,9% não consumiam; nos indivíduos com colesterol normal, estes valores eram de respectivamente 23,2%, 19,3% e 57,4%, não se verificando diferenças estatisticamente significativas entre os dois grupos (p=0,07) Quadro 4 Prevalência da hipercolesterolemia e da hipertrigliceridemia por IMC IMC Hipercolesterolemia Hipertrigliceridemia <20 kg/m2 51% 26% 20 24,9 kg/m2 52% 44% 25 29,9 kg/m2 61% 61% 30 kg/m2 63% 66% p <0,001 p<0,001 Prevalência da hipercolesterolemia por regiões No Quadro 5 apresenta-se a prevalência da hipercolesterolemia por regiões. Uma vez que o número de indivíduos do Alentejo e Algarve é pequeno, o que se repercute nos intervalos de confiança, pode considerar-se: Alentejo + Algarve 52,6%, IC 95% entre 45,6 e 59,6% LVT + Alentejo + Algarve 54,2%, IC 95% entre 50,2 e 58,2%. Não se observam diferenças estatisticamente significativas na prevalência de hipercolesterolemia entre as Regiões (p=0,3). Quadro 5 Prevalência da Hipercolesterolemia por Regiões N Prevalência IC95% Norte ,7 54,7-62,7 Centro ,5 50,5-60,5 Lisboa e Vale do Tejo ,8 49,8-59,8 Alentejo 71 55,9 46,9-63,9 Algarve 29 46,0 34,0-58,0 Total ,2 53,2-59,2 Hipercolesterolemia e Hábitos Alimentares No Quadro 6 apresenta-se a resposta dos inquiridos relativamente aos seus hábitos alimentares, nos subgrupos com () e sem hipercolesterolemia (S). Verifica-se um menor consumo de ovos, manteiga e bolos com creme, bem como um maior consumo de vegetais no grupo com hipercolesterolemia. 16

6 Revista Factores de Risco, Nº17 ABR-JUN 2010 Pág Quadro 6 Prevalência da Hipercolesterolemia por Regiões Ovos Carne Vermelha Marisco Queijo Manteiga Enchidos Biscoitos Bolos com creme Vegetais Fruta S S S S S S S S S S 4-7x sem 2,4 3,0 27,4 28,0 0,2 0,1 28,2 27,5 51,4 53,0 4,8 3,9 29,3 34,7 9,8 11,0 82,8 72,6 83,8 81,0 1-3x sem 62,6 68,7 63,4 64,1 10,6 8,8 32,8 34,0 21,0 24,6 32,5 36,3 35,9 34,3 25,8 33,6 15,3 24,4 12,6 15,4 2x sem 31,6 25,8 7,0 5,8 82,1 81,2 27,2 25,4 19,1 14,4 55,7 52,6 29,0 26,2 50,4 45,3 1,5 2,7 3,5 3,2 Nunca 3,5 2,4 2,2 2,2 7,1 9,8 11,8 13,1 8,4 7,9 7,1 7,2 5,9 4,8 14,1 10,1 0,4 0,3 0,1 0,4 P 0,03 0,8 0,2 0,7 0,05 0,4 0,1 0,01 <0,001 0,2 Figura 4 Relação entre Hipercolesterolemia e Hipertensão Arterial e Antecedentes Familiares Hipercolesterolemia e Antecedentes Familiares Verifica-se que no grupo com hipercolesterolemia prevalecem os antecedentes familiares de hipercolesterolemia e hipertensão arterial (Figura 4). Discussão A prevalência de hipercolesterolemia encontrada (56%) é um pouco inferior à verificada num estudo nacional realizado em 1996, que encontrou 64% de indivíduos com um valor de colesterol total superior a 190mg/dl (8). Também num estudo epidemiológico apresentado em 2000 se verificava uma prevalência de 69% de hipercolesterolemia, com um valor médio de 210,7 mg/dl e uma maior prevalência nas mulheres de idade igual ou superior a 55 anos (7). No nosso estudo também a prevalência de hipercolesterolemia foi maior nas classes etárias acima dos 50 anos, mas uma aparente maior prevalência no sexo feminino não teve significado estatístico. Esta redução da prevalência de valores elevados de colesterol total que se verificou no espaço de uma década poderá traduzir uma alteração dos hábitos de vida, com uma maior sensibilização da população para uma mudança de hábitos de alimentação saudável e uma maior prática de exercício físico. Em relação ao perfil lipídico, o colesterol total e o colesterol LDL foi semelhante nos dois sexos, enquanto que a hipertrigliceridemia foi prevalente nos homens e os valores baixos de colesterol- 17

7 Prevalência e caracterização da Hipercolesterolemia em Portugal. Estudo HIPÓCRATES HDL prevaleceram nas mulheres. No entanto, chama-se a atenção para o facto de, não sendo as colheitas de sangue feitas em jejum, o valor dos triglicéridos terem pouca fiabilidade quer individualmente quer na comparação entre grupos. A prevalência da dislipidemia em estudos internacionais é variável e muito condicionada pelas características da população estudada. No estudo MESA (Multi-Ethnic Study of Aterosclerosis), que envolveu indivíduos com idades entre os 45 e os 84 anos, sem manifestações clínicas de doença cardiovascular, a prevalência de dislipidemia foi de 29,3% (9). Num trabalho recentemente apresentado, que teve por base os registos efectuados por médicos de família de adultos de New England, a prevalência das alterações lipídicas era de 52,3%, sendo mais elevada no sexo masculino (62,8% versus 45,3%; p<0,001) (10). No nosso estudo, na correlação com outros factores de risco, verificou-se que a prevalência de hipercolesterolemia aumenta com o IMC, sendo nesse grupo maior a incidência de hipertensão arterial, mas não de diabetes nem de consumo de tabaco. Esta tríade de obesidade, dislipidemia e hipertensão arterial configura o padrão de alterações presente na síndrome metabólica. A prevalência da hipercolesterolemia foi semelhante nas diversas regiões de Portugal Continental, o que aponta para alguma homogeneidade de padrões genéticos e /ou alimentares. No que respeita aos hábitos alimentares verifica-se um padrão de consumo semelhante entre os grupos, com e sem hipercolesterolemia, para a maior parte dos tipos de alimentos considerados, com excepção do menor consumo de ovos, manteiga e bolos com cremes e o maior consumo de vegetais que se verificou nos indivíduos com hipercolesterolemia. Isto poderá traduzir uma mudança no padrão alimentar deste grupo em resposta ao conhecimento do facto de terem o colesterol elevado. Nos antecedentes familiares dos indivíduos com hipercolesterolemia é maior a incidência de hipertensão arterial e colesterol elevado, o que poderá traduzir o carácter genético destas situações. O indivíduo com hipercolesterolemia, apresenta um perfil mais velho, com elevado IMC, presença de HTA, e antecedentes familiares de hipercolesterolemia e hipertensão arterial. Ajustados os valores do colesterol para a idade e o IMC, não se alteraram as diferenças encontradas em relação à distribuição da hipercolesterolemia pelas várias regiões consideradas, pelos subgrupos dos hábitos alimentares ou da história familiar. No estudo AMALIA, um estudo efectuado em 2006/2007 em Portugal Continental e Regiões Autónomas, através de um questionário aplicado na comunidade numa abordagem domiciliária pelo método de random route, 19,7% dos inquiridos afirmaram ter hipercolesterolemia (11). Corrigido este valor para o cenário de hipercolesterolemia do estudo piloto (12) (colesterol capilar igual ou superior a 190 mg/dl ou qualquer indivíduo medicado para a hipercolesterolemia), a prevalência foi de 40,7%. Este valor é inferior ao reportado neste nosso estudo. Também no estudo AMALIA, a hipercolesterolemia percepcionada foi ligeiramente superior no sexo feminino, mais elevada no grupo etário com mais de 60 anos, inversamente proporcional ao nível de escolaridade, mais elevada nos indivíduos obesos, nos que não praticavam exercício físico, nos que tinham antecedentes familiares de doença cardiovascular e nos que tinham tido enfarte do miocárdio ou acidente vascular cerebral. Estes resultados coincidem com os do estudo que agora apresentamos no que diz respeito à diferente prevalência por classe etária, sexo e índice de massa corporal. Conclusões Neste estudo epidemiológico transversal efectuado numa amostra representativa da população portuguesa de ambos os sexos e com idade igual ou superior a 18 anos e inferior a 75 anos, verificou-se que o nível médio do colesterol total foi de 191±38mg/dl, com uma prevalência de hipercolesterolemia (colesterol total >190mg/dl) de 56%. O valor médio dos triglicéridos foi de mg/dl, sendo este valor superior a 150mg/dl em 53% dos casos. A prevalência da hipercolesterolemia (colesterol total e colesterol-ldl) foi semelhante nos dois sexos, contudo, a hipertrigliceridemia foi prevalente no sexo masculino e a prevalência de valores abaixo do recomendado de colesterol-hdl foi superior no sexo feminino. Verificou-se uma maior prevalência de dislipidemia com o aumento da idade e do índice de massa corporal, surgindo com frequência associada à hipertensão arterial bem como aos antecedentes familiares de hipertensão arterial e colesterol elevado. Carlos Perdigão João Sequeira Duarte Ana Santos 18

8 Revista Factores de Risco, Nº17 ABR-JUN 2010 Pág Referências 1 - The World Health Report Reducing risk and promoting healthy life. World Health Organization. 2 - Prevention of Coronary heart disease in clinical practice. European Heart Journal : Carta Europeia para a Saúde do Coração. Revista Factores de Risco 2009; nº13 (Abril-Junho): Graham I, Atar D, Borch-Johnsen K, Boysen G, Burell G, et al. European guidelines on cardiovascular disease prevention in clinical practice: executive summary. Fourth Joint Task Force of the European Society of Cardiology and other societies on cardiovascular disease prevention in clinical practice (constituted by representatives of nine societies and by invited experts). Eur J Cardiovasc Prev Rehabil Sep;14 Suppl 2:E Fonseca F. Estratificação de risco e metas lipídicas para a prevenção e tratamento da aterosclerose. Parte I. Revista Factores de Risco 2009; nº12 (Jan-Março): Instituto de Alimentação BECEL. Estudo Epidemiológico de Caracterização do Perfil Lipídico da População Portuguesa Costa J, Borges M, Oliveira E; Gouveia M, Carneiro AV. Incidence and prevalence of hypercholesterolemia in Portugal: a systematic review. Revista Portuguesa de Cardiologia (4): Goff DCJr., Bertoni AG, Kramer H, et al. Dyslipidemia prevalence, treatement, and control in the Multi-Ethnicity Study of Atherosclerosis (MESA): gender, ethnicity, and coronary artery calcium. Circulation 2006; 113: Tabenkin H, Eaton CB, Roberts MB, et al. Differences in cardiovascular disease risk factor management in primary care by sex of physician and patients. Annals of Family Medicine 2010; 8: Perdigão C, Rocha E, Duarte JS, Santos A, Macedo A. Prevalência, caracterização e distribuição dos principais factores de risco cardiovascular em Portugal. Uma análise do Estudo AMALIA. (em publicação) 12 Macedo A, Santos A, Rocha E, Perdigão C. AMALIA Estudo Piloto. Revista Factores de Risco 2008; nº8 (Jan-Mar):

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL

IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA IMPLICAÇÕES DA CLASSE DE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E OBESIDADE ABDOMINAL NO RISCO E GRAVIDADE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PORTUGAL Susana Martins, Nuno Cortez-Dias, Adriana

Leia mais

Introdução. Objectivos. Metodologia

Introdução. Objectivos. Metodologia A diabesidade em Portugal Uma análise do Estudo AMALIA João Sequeira Duarte Endocrinologista do Hospital Egas Moniz. Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. Evangelista

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

Avaliação do Risco Cardiovascular

Avaliação do Risco Cardiovascular NUNO CORTEZ-DIAS, SUSANA MARTINS, ADRIANA BELO, MANUELA FIUZA 20 Abril 2009 Objectivos Avaliação do Risco Cardiovascular Padrões de Tratamento Impacto Clínico Síndrome Metabólica HTA Diabetes Mellitus

Leia mais

Introdução. Metodologia

Introdução. Metodologia Prevalência e caracterização da Hipertensão Arterial em Portugal. Implicações numa estratégia de Prevenção. Uma análise do Estudo AMALIA Carlos Perdigão Professor de Cardiologia da Faculdade de Medicina

Leia mais

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma I Inquérito Nacional sobre Asma INASma Sumário do Inquérito Nacional de Controlo da Asma Direcção Geral de Saúde Dezembro 2010 I Inquérito Nacional sobre Asma Direcção geral de saúde / Comissão de Acompanhamento

Leia mais

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO

HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO HAVERÁ DIFERENÇAS NO TIPO DE ALIMENTOS RICOS EM SÓDIO E NO NÍVEL DE SÓDIO CONSUMIDO POR HIPERTENSOS MEDICADOS IMIGRANTES E NÃO IMIGRANTES, SEGUIDOS NOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA REGIÃO DE LISBOA?

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF)

Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Primeiro Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico (INSEF) Sumário e Considerações Finais 27 de maio de 2016 Instituto Ricardo Jorge (INSA, IP), 27 de maio de 2016 1 Sumário Enquadramento: A importância

Leia mais

Prevalência da Asma em Portugal:

Prevalência da Asma em Portugal: Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Prevalência da Asma em Portugal: Análise nacional, regional e comparação internacional

Leia mais

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente

Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente RESUMO Portugal é caracterizado por uma alta prevalência de excesso de peso e obesidade nas mulheres, sendo que o aumento de peso acontece mais abruptamente no início da vida adulta. Comportamentos e características

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

8. DETERMINANTES DA SAÚDE

8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8. DETERMINANTES DA SAÚDE 8.1. Introdução Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) as doenças crónicas não transmissíveis constituem hoje a principal causa de morbilidade e mortalidade calculando-se,

Leia mais

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal

Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Unidade de Epidemiologia Instituto de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Impacto do Grau de Controlo da Asma na Utilização de Cuidados de Saúde em Portugal Violeta Alarcão,

Leia mais

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES ONOCOP Hotel Tivoli Marina Vilamoura 19 Novembro 2009 Joana Sousa Dietista Trabalho a ser desenvolvido no âmbito do Doutoramento em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova

Leia mais

da pressão arterial Estratificação do risco e controlo

da pressão arterial Estratificação do risco e controlo Estratificação do risco e controlo da pressão arterial Carlos Perdigão Professor Agregado de Cardiologia da Faculdade de Medicina de Lisboa. Fellow da Sociedade Europeia de Cardiologia. Membro de diversas

Leia mais

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico?

Adesão a um Programa de Reabilitação Cardíaca: quais os benefícios e impacto no prognóstico? REUNIÃO CONJUNTA DOS GRUPOS DE ESTUDO DE CUIDADOS INTENSIVOS CARDÍACOS E DE FISIOPATOLOGIA DO ESFORÇO E REABILITAÇÃO CARDÍACA Compliance to a Cardiac Rehabilitation Program: what are the benefits and impact

Leia mais

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha

Verónica Gómez, Milene Fernandes, Violeta Alarcão, Cristiana Areias, Diana Souto, Elisa Lopes, Paulo Nicola, Evangelista Rocha Controlo e Adesão à Terapêutica Anti-hipertensora em Hipertensos Adultos e Idosos nos Cuidados de Saúde Primários da Região de Lisboa resultados preliminares do estudo DIMATCH-HTA Verónica Gómez, Milene

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo

Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Anexo III Resumo das características do medicamento, rotulagem e folheto informativo Nota: Estas alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo são válidas no momento

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica

Registro Brasileiros Cardiovasculares. REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Registro Brasileiros Cardiovasculares REgistro do pacientes de Alto risco Cardiovascular na prática clínica Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Julho de 2011 Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Agosto

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO CARDIOVASCULAR Março de 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DADOS EPIDEMIOLÓGICOS... 3 3. ESTRATIFICAÇÃO INDIVIDUAL DE RISCO CARDIOVASCULAR... 4 4. CALCULE O SEU RISCO E DE SEUS

Leia mais

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia

Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho Falcão. Departamento de Epidemiologia Distribuição da Mortalidade e dos Internamentos Hospitalares por Doenças do Aparelho Circulatório em Portugal Continental: Agregação Geográfica e Determinantes Rita Nicolau Ausenda Machado José Marinho

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2013 DATA: 19/03/2013

EM DISCUSSÃO PÚBLICA ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 005/2013 DATA: 19/03/2013 EM DISCUSSÃO PÚBLICA NÚMERO: 005/2013 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: DATA: 19/03/2013 Avaliação do Risco Cardiovascular SCORE (Systematic Coronary Risk Evaluation) Risco Cardiovascular Médicos

Leia mais

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017

Diagnóstico de Saúde Lourinhã. Lourinhã 15 de Maio de 2017 Diagnóstico de Saúde Lourinhã Lourinhã 15 de Maio de 2017 A população do Concelho Homens Mulheres 2 Pirâmide etária da população residente em Lourinhã Fonte: INE, Últimos dados de 2013 A população do Concelho

Leia mais

Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA

Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA Questionário GERAÇÃO SAUDÁVEL: ANÁLISE ESTATÍSTICA ANÁLISE DE DADOS Os dados foram analisados na versão R 2.13.1. Foi realizada uma análise descritiva exaustiva de todas as variáveis em estudo, usando

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO)

PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO DESTINADO À ELABORAÇÃO DE UMA DISSERTAÇÃO ORIGINAL NO ÂMBITO DO CURSO DE MESTRADO EM EPIDEMIOLOGIA (1ª EDIÇÃO) Prevalência e Factores de Sucesso do Aleitamento Materno no Hospital

Leia mais

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde. 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2,

Leia mais

Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra

Pressão Arterial e Factores de Risco Cardiovascular: Estudo de uma amostra do concelho de Coimbra QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE 06 Como se Nasce, Vive e Morre 090 06. Como se Nasce, Vive e Morre? Atlas do Plano Nacional de Saúde Como se Nasce, Vive e Morre? Considerações Gerais A Esperança de Vida

Leia mais

Determinantes de saúde

Determinantes de saúde 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Determinantes de saúde Eugénio Cordeiro 1 J Santos 2, L Antunes 2,S Namorado 2, AJ Santos 2, I Kislaya

Leia mais

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç

XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril ú ç XXXV Congresso Português de Cardiologia Abril 2014 é í é A Diabetes em Portugal Prevalência elevada - 39,2% (20-79 anos) Diabetes ou Pré-Diabetes Aumento de 80% na incidência na última década Uma das principais

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

RELATÓRIO 2: COMPORTAMENTOS

RELATÓRIO 2: COMPORTAMENTOS EDIÇÃO 2015 RELATÓRIO 2: COMPORTAMENTOS Dezembro 2016 Gabinete de Estudos Sociais e Mutualistas Índice Introdução 3 Sumário executivo 4 Caracterização da amostra e procedimentos 6 Auto-reporte 8 Perfil

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

A PRESCRIÇÃO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS FOI ADEQUADA?

A PRESCRIÇÃO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS FOI ADEQUADA? A PRESCRIÇÃO DE ANTICONCEPCIONAIS ORAIS FOI ADEQUADA? Ana Cristina Varandas 1 Hugo Cadavez 2 1 Licenciada em Medicina pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar 2 Licenciado em Medicina pela Faculdade

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final ANO LETIVO 2013/2014 ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final Índice O que é o IMC? Objetivo do Estudo Procedimentos do Estudo Amostra Utilizada Apresentação dos Resultados Principais Conclusões

Leia mais

Referências e apresentações

Referências e apresentações Referências e apresentações Aparelho Accutrend Plus Valores em mg/dl 05050472223 Embalagens de tiras de teste Accutrend Glucose 50 testes 11443054187 Accutrend Colesterol Accutrend Colesterol Accutrend

Leia mais

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014

_Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Instituto Nacional de Saúde, IP _ Determinantes de Saúde _Influência dos fatores socioeconómicos no excesso de peso e obesidade na população portuguesa em 2014 Influence of socioeconomic factors in overweight

Leia mais

[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes]

[José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes] [José Manuel Boavida Director do Programa Nacional para a Diabetes] Desafio do Dr. José António Freire Soares Contributo e informação recolhida a partir da base de dados de GDH s / ACSS na elaboração dos

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê?

Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê? Mais Complicações no Enfarte com Supradesnivelamento de ST na População Diabética: Porquê? Maria João Correia, Margarida Resende, Maria Judite Oliveira, Luís Mourão em nome dos Investigadores do Registo

Leia mais

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Síndrome de insulino-resistência, síndrome metabólica: definições 15 SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Sandra Paiva Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital

Leia mais

Serviço de Cardiologia, Hospital do Espírito Santo de Évora. Serviço de Cardiologia, Hospital Distrital de Santarém

Serviço de Cardiologia, Hospital do Espírito Santo de Évora. Serviço de Cardiologia, Hospital Distrital de Santarém PREDITORES DE DOENÇA ARTERIAL CORONÁRIA SIGNIFICATIVA DO TRONCO COMUM E/OU DE 3 VASOS EM DOENTES COM ENFARTE AGUDO DO MIOCÁRDIO SEM ELEVAÇÃO DO SEGMENTO ST E SCORE GRACEDE BAIXO RISCO João Filipe Carvalho

Leia mais

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados

Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados VI Encontro Nacional das Ciências e Tecnologias da Saúde Comparação da Velocidade da Onda de Pulso em Indivíduos Normotensos vs Hipertensos Controlados Filipe Fernandes Escola Superior de Tecnologia da

Leia mais

SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM APS

SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM APS SEMINÁRIO BRASILEIRO DE PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM APS DISLIPIDEMIA E PREVENÇÃO QUATERNÁRIA João Carlos Schneider, MFC Unidade de Saúde Estrela SMS Curitiba jschneider@gmail.com V DIRETRIZ DE DISLIPIDEMIA

Leia mais

METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM

METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM 1. População Alvo: A população alvo para este estudo é constituída por indivíduos residentes em Portugal com idades iguais ou superiores a 18 anos, não institucionalizadas. Excluem-se

Leia mais

EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 31 DE MAIO DE 2012

EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 31 DE MAIO DE 2012 EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 31 DE MAIO DE 2012 NÚMERO: 066/2011 DATA: 30/12/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Prescrição de Exames Laboratoriais para Avaliação de Dislipidemias

Leia mais

Avaliação do risco cardiovascular numa população da zona Norte do País. Maria Manuela Amorim de Silva e Sousa

Avaliação do risco cardiovascular numa população da zona Norte do País. Maria Manuela Amorim de Silva e Sousa Avaliação do risco cardiovascular numa população da zona Norte do País Maria Manuela Amorim de Silva e Sousa Vila Nova de Gaia, 2012 ÍNDICE Siglas e Abreviaturas... iii Índice de Figuras, Gráficos e Tabelas...iv

Leia mais

Malnutrição Conceitos gerais

Malnutrição Conceitos gerais Malnutrição Conceitos gerais Desnutrição proteico-calórica (primária) taxas de mortalidade elevadas entre 1 e 4 anos. Kwashiorkor ocorre na 1ª infância durante e/ou após o desmame. Marasmo situação de

Leia mais

Os resultados desanimadores do EUROASPIRE III - o que estamos a fazer mal na prevenção cardiovascular?

Os resultados desanimadores do EUROASPIRE III - o que estamos a fazer mal na prevenção cardiovascular? Os resultados desanimadores do EUROASPIRE III - o que estamos a fazer mal na prevenção cardiovascular? Evangelista Rocha Professor convidado da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regente de Epidemiologia/Epidemiologia

Leia mais

doenças coronárias Factores de Risco

doenças coronárias Factores de Risco doenças coronárias Factores de Risco Com vista a maximizar o diagnóstico clínico-laboratorial, o Centro de Medicina Laboratorial Dr. Germano de Sousa, coloca à disposição um painel de parâmetros bioquímicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciências da Saúde Unidade Ponte de Lima Aluna de Enfermagem : Ana Isabel Sequeiros de Matos Lima. Nº7709 Orientadora Científica: Professora Doutora Manuela Pontes

Leia mais

Estudo AFRODITE Caracterização da Infertilidade em Portugal I Estudo na Comunidade

Estudo AFRODITE Caracterização da Infertilidade em Portugal I Estudo na Comunidade Apoio Institucional e Consultoria Científica: Apoio Financeiro: Objectivos Objectivo Principal Caracterização dos conhecimentos, conceitos, atitudes, comportamentos e práticas relativos à fertilidade/

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA

EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA Estatísticas Migratórias - Emigração 2003 11 de Junho de 2004 EMIGRAÇÃO EM PORTUGAL (2003): MAIORITARIAMENTE TEMPORÁRIA Não tendo as características e o volume de outros tempos, a emigração portuguesa

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

Faculdade Ciências da Saúde (FCS) Laboratório de Reabilitação Cardiovascular

Faculdade Ciências da Saúde (FCS) Laboratório de Reabilitação Cardiovascular ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO DE DOENÇA CARDIOVASCULAR PELO ESCORE DE FRAMINGHAM Passos, R. C.K.A. 1,2 ;Silva,F.A.R; Ribeiro W, Lazo-Osório, R. A. L. 1,2 Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP 1 Faculdade

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

ÍNDICE Pág. 1 INTRODUÇÃO PARTICIPANTES INSTRUMENTOS PROCEDIMENTOS ANÁLISE DESCRITIVA ANÁLISE INFERENCIAL 60

ÍNDICE Pág. 1 INTRODUÇÃO PARTICIPANTES INSTRUMENTOS PROCEDIMENTOS ANÁLISE DESCRITIVA ANÁLISE INFERENCIAL 60 ÍNDICE Pág. 1 INTRODUÇÃO. 15 2 MATERIAIS E MÉTODOS 33 2.1 PARTICIPANTES 35 2.2 INSTRUMENTOS 36 2.3 PROCEDIMENTOS 41 3 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 45 3.1 - ANÁLISE DESCRITIVA 45 3.1.1. Caracterização sócio-demográfica

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001 Informação à Comunicação Social 15 de Março de 22 UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 21 No terceiro trimestre de 21, cerca de um quarto das famílias portuguesas - 24%

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher

Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher Branco MJ, Paixão E, Vicente LF. Uma observação sobre a utilização de cuidados preventivos pela mulher. Lisboa: Instituto Nacional

Leia mais

DOCT/1518/CSE/PCD. Estudo técnico de análise das possibilidades. de compatibilização dos processos de. inquirição junto dos indivíduos e das famílias

DOCT/1518/CSE/PCD. Estudo técnico de análise das possibilidades. de compatibilização dos processos de. inquirição junto dos indivíduos e das famílias Estudo técnico de análise das possibilidades de compatibilização dos processos de inquirição junto dos Junho 2004 Índice Executive Summary 1. Introdução 2. Metodologia 3. Inquéritos 3.1. População alvo

Leia mais

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Alarcão V, Ferreira I, Simões R, Fernandes M, Nicola P 17 de Outubro de 2012 Projeto

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-TOTAL E PCR-AS COMO FATOR DE RISCO CARDIVASCULAR EM TRABALHADORES DE EMPRESA PRIVADA

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-TOTAL E PCR-AS COMO FATOR DE RISCO CARDIVASCULAR EM TRABALHADORES DE EMPRESA PRIVADA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE COLESTEROL-TOTAL E PCR-AS COMO FATOR DE RISCO CARDIVASCULAR EM TRABALHADORES DE EMPRESA PRIVADA Leandro Alexandre Krauss

Leia mais

MEIOS DE ACESSO AO SINAL DE TV

MEIOS DE ACESSO AO SINAL DE TV MEIOS DE ACESSO AO SINAL DE TV População residencial (Trabalho de campo em junho de 2017) Agosto de 2017 ANACOM 1. Introdução Apresenta-se de seguida uma síntese dos resultados do Barómetro de Telecomunicações

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

ROAMING INTERNACIONAL INFORMAÇÃO GERAL E DADOS ESPECÍFICOS SOBRE AS COMUNICAÇÕES REGULAMENTADAS PELA COMISSÃO EUROPEIA ABRIL 2007 DEZEMBRO 2009

ROAMING INTERNACIONAL INFORMAÇÃO GERAL E DADOS ESPECÍFICOS SOBRE AS COMUNICAÇÕES REGULAMENTADAS PELA COMISSÃO EUROPEIA ABRIL 2007 DEZEMBRO 2009 ROAMING INTERNACIONAL INFORMAÇÃO GERAL E DADOS ESPECÍFICOS SOBRE AS COMUNICAÇÕES REGULAMENTADAS PELA COMISSÃO EUROPEIA ABRIL 2007 DEZEMBRO 2009 Índice 1. O serviço de roaming internacional e a intervenção

Leia mais

Hipertensão Diabetes Dislipidemias

Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão A pressão alta atinge 24,3% da população adulta brasileira e é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como

Leia mais

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética

NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 008/2011 DATA: 31/01/2011 Diagnóstico Sistemático da Nefropatia Diabética Nefropatia; Diabetes Conselhos Directivos das Administrações Regionais de Saúde,

Leia mais

Hipoalbuminemia mais um marcador de mau prognóstico nas Síndromes Coronárias Agudas?

Hipoalbuminemia mais um marcador de mau prognóstico nas Síndromes Coronárias Agudas? Hipoalbuminemia mais um marcador de mau prognóstico nas Síndromes Coronárias Agudas? Carina Arantes, Juliana Martins, Carlos Galvão Braga, Vítor Ramos, Catarina Vieira, Sílvia Ribeiro, António Gaspar,

Leia mais

Coração Outono/Inverno

Coração Outono/Inverno Coração Outono/Inverno O que posso fazer pelo doente idoso com: Risco Cardiovascular Elevado Maria João Vieira Interna de Formação Específica em Cardiologia 1ª Ano Hospital Distrital de Santarém Cátia

Leia mais

densidade óptica está ilustrada na Figura 1. O grupo anti-lpl positivo (anti- LPL+) foi detectado em 25 dos sessenta e seis pacientes com LES (37,8 %)

densidade óptica está ilustrada na Figura 1. O grupo anti-lpl positivo (anti- LPL+) foi detectado em 25 dos sessenta e seis pacientes com LES (37,8 %) A distribuição dos anticorpos anti-ll do subtipo IgG de acordo com a densidade óptica está ilustrada na Figura 1. O grupo anti-ll positivo (anti- LL+) foi detectado em 25 dos sessenta e seis pacientes

Leia mais

METODOLOGIA 1 ÂMBITO DO INQUÉRITO

METODOLOGIA 1 ÂMBITO DO INQUÉRITO METODOLOGIA 1 ÂMBITO DO INQUÉRITO O Inquérito à Ocupação do Tempo (IOT) abrange o território do Continente e das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, tendo-se estabelecido que os resultados deveriam

Leia mais

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem

A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem A Doença Cardiovascular e a Evidência da Consulta de Enfermagem XXXII Congresso Português de Cardiologia Enf.ª Patrícia Alves UCIC CHVNGaia/Espinho,Epe Abril 2011 PATOLOGIA CARDIOVASCULAR Principal causa

Leia mais

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE

ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ATLAS DO PLANO NACIONAL DE SAÚDE ALTO COMISSARIADO DA SAÚDE 05 Determinantes e Estilos de Vida 076 05. Determinantes e Estilos de Vida Atlas do Plano Nacional de Saúde Determinantes e Estilos de Vida Considerações

Leia mais

Tema: Saúde Individual e Comunitária

Tema: Saúde Individual e Comunitária Ficha de Trabalho de Ciências Naturais 9º Ano Tema: Saúde Individual e Comunitária 1- Observa a imagem seguinte: 1.1- Indica porque está a saúde representada por um triângulo? 1.2- Dá 2 exemplos da vida

Leia mais

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM.

OBJETIVO: Avaliar qual dos parâmetros: cintura, quadril e RCQ tem maior relação com os fatores utilizados no diagnóstico para SM. PT.03.02 (RS35150B) SÍNDROME METABÓLICA E FATORES ASSOCIADOS Inácio LB 1 ; Fagundes ALR 1 ; Menezes E 1 ; Magnino FS 1 ; Mendonça ALS 1 ; Redondo LS 1 ; Ribeiro NC 1 ; Dias CR 1 ; Carvalho NV 2 ; Lopes

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Prevalência de factores de risco cardiovascular numa população rural com idade entre os 25 e os 44 anos

Prevalência de factores de risco cardiovascular numa população rural com idade entre os 25 e os 44 anos Prevalência de factores de risco cardiovascular numa população rural com idade entre os 25 e os 44 anos Autores José Augusto Simões (1), Manuel Enéscio Gama (2), Cristina Baeta Contente (3) (1) Assistente

Leia mais

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008

IV Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica do Cesumar 20 a 24 de outubro de 2008 20 a 24 de outubro de 2008 PREVALÊNCIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E SUA RELAÇÃO COM FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES EM CUIDADORES DE PACIENTES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ Juliana Barbosa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA.

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA. CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CORONARIANA DOS SERVIDORES DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Natália Ribeiro (PIBIC/CNPq/FA-UEM), Ana Paula Vilcinski

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

Tratar o doente e não os factores de risco. Abordagem em diversos subgrupos

Tratar o doente e não os factores de risco. Abordagem em diversos subgrupos Tratar o doente e não os factores de risco. Abordagem em diversos subgrupos Introdução Evangelista Rocha Professor convidado da Faculdade de Medicina de Lisboa. Regente de Epidemiologia/Epidemiologia Clínica

Leia mais

Avaliação do risco cardiovascular global numa população da zona Norte do País

Avaliação do risco cardiovascular global numa população da zona Norte do País Avaliação do risco cardiovascular global numa população da zona Norte do País M Sousa 1, A Moreira 2, S Mota 3, F Neves 4, M Duarte 5 & J Condeço 6 1,2,3,4,5,6 Área Científica de Análises Clínicas e Saúde

Leia mais

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009

Estatísticas do Emprego 4º trimestre de A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% 17 de Fevereiro de 2009 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2008 17 de Fevereiro de 2009 A taxa de desemprego do 4º trimestre de 2008 foi de 7,8% A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2008 foi de 7,8%. Este

Leia mais

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPITULO IV APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Ao longo deste capítulo, serão apresentados os resultados obtidos bem como a sua discussão, após o tratamento estatístico das variáveis envolvidas no

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina.

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. Saúde do Homem Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. saúde do Homem O Ministério da Saúde assinala que muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem, com regularidade,

Leia mais

Doenças do sistema Cardiorrespiratório

Doenças do sistema Cardiorrespiratório Doenças do sistema Cardiorrespiratório Trabalho realizado por: Catarina Freitas nº6 9ºB 1 Índice 1.Introdução... 3 2. Definição de Sistema Cardiorrespiratório... 4 2.1. Doenças do Sistema Circulatório...

Leia mais

A.M. Medeiros 1,2, A.C. Alves 1,2, M. Bourbon 1,2

A.M. Medeiros 1,2, A.C. Alves 1,2, M. Bourbon 1,2 A.M. Medeiros 1,2, A.C. Alves 1,2, M. Bourbon 1,2 em nome dos investigadores do Estudo Português de Hipercolesterolemia Familiar 1- Unidade de I&D, Grupo de Investigação Cardiovascular, Departamento de

Leia mais