ESTUDO PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS CONSIDERADOS IRREGULARES POR PROBLEMAS NA DOCUMENTAÇÃO DE DOMÍNIO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS CONSIDERADOS IRREGULARES POR PROBLEMAS NA DOCUMENTAÇÃO DE DOMÍNIO."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LINO TADEU SARTORI ESTUDO PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS CONSIDERADOS IRREGULARES POR PROBLEMAS NA DOCUMENTAÇÃO DE DOMÍNIO. SÃO PAULO 2006

2 2 LINO TADEU SARTORI ESTUDO PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS CONSIDERADOS IRREGULARES POR PROBLEMAS NA DOCUMENTAÇÃO DE SUA OCUPAÇÃO. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia civil com ênfase Ambiental da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Professor Eng. Dr CELIO DARONCHO SÃO PAULO 2006

3 3 LINO TADEU SARTORI ESTUDO PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS CONSIDERADOS IRREGULARES POR PROBLEMAS NA DOCUMENTAÇÃO DE SUA OCUPAÇÃO. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia civil com ênfase Ambiental da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho em: de de CELIO DARONCHO Nome do professor da banca Comentários:

4 4 AGRADECIMENTO A Deus pela vida Aos meus pais pela formação de minha pessoa Aos colegas do curso pela força e companheirismo Aos meus filhos Ricardo e Fernando, pela ajuda e compreensão de minha ausência. Aos professores pela convivência e compreensão À minha esposa Angela, um obrigado de coração, por ter enfrentado junto, mais esta jornada da minha vida.

5 5 DEDICATÓRIA Este trabalho é dedicado aos muitos velhinhos e famílias, que por diversos anos ficaram a espreita de poder exercer seus direitos reais de titulares absolutos sobre a propriedade, daquilo que passaram boa parte de suas vidas aguardando, realização do sonho de ser detentor de seu imóvel, sua residência.

6 6 RESUMO A presente monografia tem a finalidade de proporcionar ao leitor a possibilidade de regularização de propriedades ocupadas, principalmente aquelas existentes desde o Século XIX nas proximidades de Ferrovias, devido à não obrigatoriedade do registro de propriedade da época e, pelo fato de que os documentos de aquisição dessas transmissões de propriedade correspondiam a Leis Provinciais, propõe-se a regularização, explicitando que o lançamento de tributos municipais e a aprovação do sistema viário sobre glebas caracterizaram as irregularidades, e, juntamente à documentação probatória, possibilitaram a abertura das matrículas e o conseqüente registro das unidades em nome de seu adquirente. Palavras-chave: Propriedades Ocupadas. Ferrovias. Registro de Propriedade.

7 7 ABSTRACT The present monograph has as its finality to offer to his reader the possibility of regularization of occupied properties, mainly those that exist since the XIX Century, close to the railroads, due to no obligatoriness of the property register in that epoch and, because of the fact that the documents of the acquirement of those property transmissions were according to Provincial Laws. We suggest the regularization, explaining that the tax charge in town and the approbation of the transport system on soils characterized what was irregular, and, with the probationary documents, allowed the enrollment opening and the register of the unities in their acquirer name, as consequence. Key Words: Occupied Properties. Railroads, Property Register.

8 8 LISTA DE FIGURAS Figura 5.1: Foto do pátio de manobras da ferrovia Figura 6.1: Foto de uma das unidades residenciais Figura 6.2: Foto com indicação das características do sistema viário Figura 6.3: Foto ilustrativa da rede de esgoto do município Figura 6.4: Foto ilustrativa do sistema de capitação de águas pluviais Figura 8.1: Foto indicativa do local em estudo... 38

9 9 LISTA DE TABELAS Tabela 5.1: Denominação de ferrovias e data de Inauguração...21 Tabela 5.2: Extensão das maiores ferrovias...22

10 10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CRI CM EFA EFS EFSPM FEPASA Cartório de Registro de Imóveis Companhia Mogiana de Estrada de Ferro Estrada de Ferro Araraquarense Estrada de Ferro Sorocabana Estrada de Ferro São Paulo Minas Ferrovia Paulista S/A GROPROHAB Grupo de Analise e Aprovação de Projetos Habitacionais IPTU RFFSA Imposto Predial Territorial Urbano Rede Ferroviária Federal S/A

11 11 LISTA DE SÍMBOLOS m 2 Metros Quadrados nº Número

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo específico Objetivo geral MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA FORMAÇÃO DAS FERROVIAS Histórico das ferrovias Histórico das propriedades das ferrovias REGULARIZAÇÃO DE PARCELAM. E OUCPAÇÃO DE IMÓVEL URBANO Descrição primitiva dos imóveis Lei Provincial nº Escritura de compra e venda ( ) Escritura de compra e venda ( ) Situação nos cartórios de registros Descrição atualizada dos imóveis Justificativas judiciais Justificativa da situação física e técnica EMPREENDIMENTOS REGULARIZADOS Regularização do parcelamento ilegal Retificação, fusão e regularização... 36

13 13 8.ESTUDO DE CASO Vila Ferroviária Jundiaí Localização Proprietária Retificação das Matrículas Matrícula nº Matrícula nº Matrícula nº Registro da Regularização Descrição de cada parcela a ser regularizada Descrição de perimétrica dos lotes ANÁLISE FINAL CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BBIBLIOGRÁFICAS ANEXO 1 Lei Provincial nº ANEXO 2 Escritura de Compra e Venda 7( ) ANEXO 3 - Escritura de Compra e Venda 7( ) ANEXO 4 - Certidão da Transcrição nº ANEXO 5 - Certidão da Transcrição nº ANEXO 6 - Certidão da Transcrição nº ANEXO 7 Certidão da Matrícula nº ANEXO 8 - Certidão da Matrícula nº ANEXO 9 - Certidão da Matrícula nº ANEXO 10 Planta de situação, gleba desmembrada e foto aérea do imóvel. 73

14 14 1 INTRODUÇÃO Os imóveis que formam o patrimônio imobiliário de propriedade da RFFSA - Rede Ferroviária Federal S.A, possuem suas origens em aquisições do século XIX, cujo teor dos documentos, caracterizam a legislação daquela época, os quais necessitam de regularização, para atualizar em função das adaptações das leis, que exigem a transformação dos elementos técnicos, para resguardar e garantir o direito da propriedade Os estudos voltados a regularização dos imóveis de propriedade da RFFSA, cuja regularização dominial, foram e ainda estão sendo executados de forma técnica com composições jurídicas, onde as questões abordadas estão caracterizadas em cada uma das fases, ou etapas de execução. As etapas iniciais consistem em embasamentos extremamente técnicos, fundamentados na legislação vigente, Brasil Federal - Lei 6.667/79 e 6.015/73 e das normas da Corregedoria Pública do Estado de São Paulo, compostos por levantamentos de dados, como os contratos de venda e compra ou outro documento de aquisição, cadastros municipais, situação em que o imóvel está caracterizado junto aos demais órgãos públicos, Cartório de Registro de Imóveis e Prefeituras. Em uma segunda etapa, são definidos os dados de campo através de levantamento topográfico e cadastral, identificação de limites de divisa e ainda dos confrontantes do imóvel como um todo, são considerados os elementos de início dos trabalhos de Regularização de uma propriedade, cuja ocupação se deu através de loteamentos implantados sem a devida aprovação dos órgãos públicos e GRAPHOAB Grupo de Analise e Aprovação de Projetos Habitacionais, e ainda de outros cuja ocupação se da por invasão propriamente dita. Posteriormente são definidas as ações judiciais envolvidas no processo da administração do patrimônio público de um modo geral são relacionadas com as do direito da propriedade, e suas divisas de domínio e posse, fazem parte dos

15 15 procedimentos para a Regularização do imóvel como propriedade, em função da legislação vigente, regulamentados pela Lei de Registros Públicos nº 6.015/73, com suas alterações pelo Brasil Federal -Decreto Lei nº de 22 de agosto de e de parcelamento do solo Lei nº 6.766/79. As ações são caracterizadas em função da situação irregular de cada propriedade, dos limites de domínio e de divisas reais, e podem ser definidas como sendo retificatórias de registro e área, usucapiendas e demarcatórias. Os procedimentos retificatórios, anteriores a publicação do Decreto Lei nº , com relação ao artigo 213 da lei 6.015/73, somente eram possíveis através do judiciário, porém com a nova redação os procedimentos passaram ao âmbito administrativo, cuja responsabilidade é do Engenheiro responsável pela obra e do proprietário. Contudo, os trabalhos desenvolvidos pela RFFSA para a regularização dessas propriedades, baseiam em fatos históricos, uma vez que as ocupações que tratam este trabalho, caracterizam situações de ocupação longeva, cuja ocupação se deu anteriores a própria legislação, tendo em vista, que as aquisições de imóveis pelas ex-ferrovias, são em sua maioria do século passado.

16 16 2 OBJETIVOS Regularizar através de procedimentos técnicos e jurídicos, os imóveis adquiridos e ocupados por terceiros, e que se encontram em propriedade (domínio) da RFFSA Rede Ferroviária Federal S/A, considerando seus aspectos gerais, e adequando em função da legislação e de resoluções os procedimentos para a regularização da propriedade. 2.1 Objetivo Específico Demonstrar que os imóveis considerados clandestinos, definidos como imóveis de ocupação irregular, são passíveis de serem regularizados, através de sua adequação à legislação e procedimentos administrativos junto aos CRI - Cartórios de Registro de Imóveis, e com isso receber os mesmos benefícios que aqueles devidamente reconhecidos e regulamentados pela Brasil Federal Lei 6766/ Objetivo Geral No âmbito das Leis 6.766/79 e 6.015/73, ou no arrepio destas, atribuir aos imóveis ocupados de forma irregular e clandestina, um registro individual, para que com isso o ocupante clandestino, possa obter o registro de sua propriedade, através da Regularização do Empreendimento, junto a Prefeitura Municipal e Cartório de Registro de Imóveis. Direcionar os órgãos públicos para que reconheçam a propriedade como imóvel aprovado, como também fazer das áreas ocupadas com o sistema viário de domínio público.

17 17 3 MÉTODO DE TRABALHO O presente trabalho será definido a partir de pesquisas em documentos referentes as propriedades junto ao CRI Cartório de Registro de Imóveis da circunscrição imobiliária da Comarca ao qual pertence; correspondente a matrículas e ou transcrição¹ de propriedade, e de documentos existentes referente à negociação da parcela ou do lote de terreno adquirido e ocupado irregular, em leis e normas da Corregedoria do Estado de São Paulo, na lei de registro público, com suas alterações, e nas de parcelamento e uso do solo, em livros e obras literárias com fundamentos na legalização de propriedade, em normas técnicas da ABNT, em arquivos de títulos e documentos da RFFSA - Rede Ferroviária Federal S/A, em relatórios e sentenças judiciais dos autos da ação de regularização de imóveis nº nº 11/01 da 1ª Vara Cível da Comarca de Jundiaí, nº 038/04 da 1ª Vara Cível da Comarca de Araraquara e nº 20/98 da 1ª Vara Cível da Comarca de São Roque. 1 Matrícula/Transcrição Número dado ao registro de imóvel, junto ao cartório de Registro de Imóveis, sendo a matrícula implantada a partir da Lei 6015/73.

18 18 4 JUSTIFICATIVA Sabendo-se que há muitos imóveis ocupados irregularmente e que são considerados inexistentes para os órgãos públicos, embora possuam muitas características e elementos daqueles devidamente reconhecidos e registrados, sua regularização é de fundamental importância, pois a eles será dada uma denominação, cuja identificação se dá pelo numero da quadra, numero do lote e setor, situação em relação ao logradouro público e uma matrícula junto ao CRI., de sua circunscrição imobiliária. Adequando assim o referido imóvel ao sistema registral brasileiro, e tornando proprietário o individuo que o mesmo ocupava de forma clandestina e sofridamente, sem que possa usufruir dos benefícios do domínio que a ele são garantidos por lei. Portanto, este trabalho demonstra a situação de propriedades irregulares, cuja alienação constitui tão somente da transmissão da posse real daquilo que se adquiriu de forma contratual e sem a devida transferência de seu domínio, a regularização se faz necessária para a transferência deste domínio dos imóveis, e tem como fundamento a obtenção de seu registro individualizado junto aos CRI e Prefeitura Municipal, como também para a transmissão do imóvel pelos seus adquirentes a terceiros. A regularização da propriedade é feita para fornecer ao adquirente os requisitos legais para o registro de sua propriedade, isto é possível aplicando-se os fundamentos do artigo 213 da lei 6.015/73, artigo 59 da lei /04, a lei 6.766/79 e provimentos da Corregedoria do Estado.

19 19 5 FORMAÇÃO DAS FERROVIAS Fonte: DNIT( 2006 ) As ferrovias no Brasil, foram de fundamental importância para o desenvolvimento do país, pois onde passavam formavam núcleos e vilarejos, onde hoje estão localizadas as grandes cidades. As ferrovias foram surgindo em função das concessões dos governos provinciais, que autorizavam a construção de trechos, com extensão variável, de 100 até 300 quilômetros. Entre 1905 e 1930 o governo do estado de São Paulo, adquiriu as companhias com origem em capital estrangeiro, como a Brasilian São Paulo Company Limited, a Southern São Paulo Railway Company Limited, a Companhia União Sorocabana Ytyana, a Sorocabana Railway Company Limited, e transferindo essas companhias para a administração e operação da então Estrada de Ferro Sorocabana, que era uma autarquia do governo estadual. Por sua vez a Companhia Mogiana de Estrada de Ferro também adquiriu outras pequenas estrada de ferro, e a Companhia Paulista de Estrada de Ferro passou a incorporar outros ferrovias localizadas no oeste do estado de São Paulo. Em 1970 foi criada a FEPASA Ferrovia Paulista S/A, que incorporou todas as ferrovias que operavam no estado de São Paulo, e um pequeno trecho no território do estado de Minas Gerais, sendo que a Estrada de Ferro Sorocabana a EFA Estrada de Ferro Araraquerense S/A e Estrada de Ferro São Paulo Minas, estas de propriedade do Governo Estadual, em conjunto com a Companhia Mogiana de Estrada de Ferro e Companhia Paulista de Estrada de Ferro, constituíram a nova empresa de transporte de carga e passageiro no estado. 5.1 Histórico das Ferrovias As primeiras iniciativas nacionais, relativas à construção de ferrovias remontam ao ano de 1828, quando o Governo Imperial autorizou por Carta de Lei a construção e

20 20 exploração de estradas em geral. O propósito era a interligação das diversas regiões do País. No que se refere especificamente à construção de ferrovias no Brasil, o Governo Imperial consubstanciou na Lei n.º 101, de 31 de outubro de 1835, a concessão, com privilégio pelo prazo de 40 anos, às empresas que se propusessem a construir estradas de ferro, interligando o Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia. O incentivo não despertou o interesse desejado pois as perspectivas de lucro não foram consideradas suficientes para atrair investimentos. É importante destacar que, até a chegada das ferrovias no Brasil, o transporte terrestre de mercadorias se processava no lombo dos burros em estradas carroçáveis. Naquela época, os portos fluminenses de Parati e Angra dos Reis exportavam cerca de 100 mil sacas de café, provenientes do Vale do Paraíba. Em São Paulo, anualmente, chegavam ao porto de Santos cerca de 200 mil bestas carregadas com café e outros produtos agrícolas. Em 26 de julho de 1852, o Governo promulgou a Lei n.º 641, na qual vantagens do tipo isenções e garantia de juros sobre o capital investido, foram prometidas às empresas nacionais ou estrangeiras que se interessassem em construir e explorar estradas de ferro em qualquer parte do País. O grande empreendedor brasileiro, Irineu Evangelista de Souza, ( ), mais tarde Barão de Mauá, recebeu em 1852, a concessão do Governo Imperial para a construção e exploração de uma linha férrea, no Rio de Janeiro, entre o Porto de Estrela, situado ao fundo da Baía da Guanabara e a localidade de Raiz da Serra, em direção à cidade de Petrópolis. Entusiasta dos meios de transporte, especialmente das ferrovias, a ele se devem os primeiros trilhos lançados em terra brasileira e a primeira locomotiva denominada Baroneza. A primeira seção, de 14,5 km e bitola de 1,68m, foi inaugurada por D. Pedro II, no dia 30 de abril de Após a inauguração da Estrada de Ferro Mauá, sucederam-se as outras ferrovias, todas em bitola de 1,60m, conforme pode ser visto na tabela 5.1.

21 21 Tabela 5.1 Primeiras ferrovias Ferrovia Data de Inauguração Recife ao São Francisco 08/02/1858 D. Pedro II 29/03/1858 Bahia ao São Francisco 28/06/1860 Santos a Jundiaí 16/02/1867 Companhia Paulista 11/08/1872 Fonte: DNIT( 2006 ) O Governo Vargas, no final da década de 1930, iniciou processo de saneamento e reorganização das estradas de ferro e promoção de investimentos, pela encampação de empresas estrangeiras e nacionais, inclusive estaduais, que se encontravam em má situação financeira. Assim, foram incorporadas ao patrimônio da União várias estradas de ferro, cuja administração ficou a cargo da Inspetoria Federal de Estradas IFE, órgão do Ministério da Viação e Obras Públicas, encarregado de gerir as ferrovias. Em 16 de março de 1957 foi criada pela Lei n.º a sociedade anônima Rede Ferroviária Federal S.A. - RFFSA, com a finalidade de administrar, explorar, conservar, reequipar, ampliar e melhorar o tráfego das estradas de ferro da União a ela incorporadas, cujos trilhos atravessavam o País, servindo as regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul. A RFFSA era responsável também pelos transportes. Em novembro de 1971, pela Lei n.º /SP, o Governo do Estado de São Paulo, decidiu unificar em uma só empresa, as cinco estradas de ferro de sua propriedade (tabela 5.2). Naquela época, pertenciam ao Estado a Companhia Paulista de Estradas de Ferro, Estrada de Ferro Sorocabana, Estradas de Ferro Araraquara, Companhia Mogiana de Estrada de Ferro e Estrada de Ferro São Paulo-Minas. Assim, em decorrência dessa junção, foi criada a FEPASA Ferrovia Paulista S.A., para gerir, aproximadamente, km de vias férreas.

22 22 Tabela 5.2: Extensão das maiores ferrovias Ferrovia Estrada de Ferro Sorocabana Companhia Mogiana de Estradas de Ferro Estrada de Ferro São Paulo Minas Companhia Paulista de Estradas de Ferro Estrada de Ferro Araraquara Extensão km km 254km km 379 km Fonte: DNIT( 2006 ) Foi editada a Lei n.º 8.031/90 e suas alterações posteriores, que instituíram o Programa Nacional de Desestatização PND, sendo a RFFSA incluída no referido Programa, em 10/03/92, por meio do Decreto n.º 473. Em 7 de dezembro de 1999, o Governo Federal, com base na Resolução n.º 12, de 11 de novembro de 1999 do Conselho Nacional de Desestatização e por intermédio do Decreto n , dissolve, liquida e extingue a Rede Ferroviária Federal S.A. - RFFSA. Com as informações apresentadas de forma abreviada, relataram-se os fatos mais importantes da história ferroviária brasileira, desde as primeiras iniciativas do Governo Imperial, no século XIX, até os dias atuais. 5.2 Histórico das propriedades das ferrovias As propriedades da ferrovia foram adquiridas na época de sua construção, e os procedimentos adotados foram aqueles exigidos pela legislação daquele período, onde consideravam não os elementos técnicos como limites descritivos das divisas das propriedades, mas sim os confrontantes dos imóveis. Com isso a descrição da propriedade de um modo geral, não possuía características técnicas de suas divisas, sendo assim, não existia distância entre um ponto e outro, como também entre uma

23 23 deflexão e outra não existiam rumos ou azimutes, para a definição da direção de suas linhas de divisa, conforme figura 5.1. Os documentos de aquisição permanecem até os dias presentes, com as mesmas características descritivas, com exceção daqueles já retificados judicialmente, ou daqueles correspondentes a aquisição no âmbito da nova legislação, cujo desmembramento não se caracteriza uma vez que a propriedade não possui forma, limites e alinhamentos de divisas que possam possibilitar seu parcelamento de forma a conservar sua continuidade e individualidade registral. Nos arquivos técnicos da RFFSA, encontramos vasta documentação de todo o acervo do patrimônio imobiliário, onde estão arquivados os títulos de aquisição desde o período Imperial, envolvendo as leis imperiais, escrituras de aquisição por compra e venda e doação, desapropriações amigáveis e judiciais, por adjudicação e cartas de sentenças, referenciados e compatibilizados com os arquivos técnicos das plantas todos devidamente catalogados e classificados por tipo de imóvel, trechos, ramais, ferrovias de origem e municípios. Figura 5.1 Foto do pátio de manobras da ferrovia sem divisa de propriedade.

24 24 6 REGULARIZAÇÃO DE PARCELAMENTO E OCUPAÇÃO DE IMÓVEL URBANO O parcelamento da situação irregular da propriedade, não caracteriza seu registro a partir da aprovação junto a Prefeitura Municipal, e sua tributação demonstra o interesse fiscal como parte do histórico do empreendimento. Segundo Decreto Lei nº 58 do Governo Federal de 10 de dezembro de 1937, para a aprovação de um loteamento era necessário a elaboração de plantas e memórias descritivos, reservas de áreas livres e verdes e de arruamentos, e somente a aprovação da Prefeitura Municipal, e ao CRI somente caberia sua inscrição e registro do loteamento. Segundo DNIT (2006), as ferrovias foram implantadas entre o ano de 1840 a 1910, e as aquisições dos terreno necessários a sua implantação eram oriundos de leis provinciais e de aquisições de terceiros, por onde estivesse passando o traçado e tais aquisições obedeciam ao sistema legal daquela época. Vale esclarecer que desde então, o objetivo da construção de estradas de ferro eram o transporte de mercadorias e não existia nenhuma preocupação quanto ao direito da propriedade e a sua individualização. As ferrovias de uma maneira geral tiveram sua construção entre a 1.910, posteriormente somente houve remodelação de traçados. Em 1918, foi regulamentada a obrigatoriedade do registro imobiliário no território nacional, em 1970 foi criada a FEPASA, a lei nº 6015 de 31 de dezembro de 1973 dispõe sobre registro publico no território nacional, a lei de 19 de dezembro de 1979 dispõe sobre o parcelamento do solo urbano e da outros providências, o decreto lei nº de 02 de agosto de No entanto, os imóveis que constituem o patrimônio imobiliário das estradas de ferro, continuavam com mesmo regimento original de suas aquisições, sem nenhuma atualização ou adequação aos novos procedimentos registrais, em virtude das alterações e nova legislação, ficando os referidos imóveis em situação irregular.

25 Descrição primitiva dos imóveis Para demonstrar a situação das descrições primitivas dos imóveis, terá como base, o processo da Lei Provincial 35 do trechos da ferrovia Jundiaí Itu; o processo nº 7( ) do município de Cordeirópolis e o processo nº 7( ) do município de Jundiaí, todos do arquivo de titulação da RFFSA. Neste arquivo encontra-se dentre outras, as pastas referentes aos títulos de aquisição da propriedade, do período de 1860 a 1920, período em que foram construídas boa parte das estradas ferro no Brasil, em especial as do estado de São Paulo, ferrovias estas que foram construídas após a autorização de exploração pelo Governo Provincial. Além de considerar o atrativo dos investimentos para a construção, os interessados não tinham despesas com indenizações, uma vez que boa parte das terras eram de propriedade das províncias. A partir desta concessão, as Leis Provinciais e as aquisições de particulares por escrituras de compra e venda, eram caracterizados os títulos de domínio das propriedades, de todos os imóveis que fossem necessários à construção da estrada de ferro e também àquelas que constituíam os pátios e as vilas ferroviárias, as quais permanecem com suas características, tanto as de construção como também as de domínio, conforme pode ser vista na figura 6.1. Figura 6.1 Foto de uma das unidades residenciais

26 26 Dessas vilas ferroviárias, com o decorrer do tempo, foram formados os distritos, posteriormente os municípios e as comarcas, e a forma da aquisição daqueles imóveis como origem de aquisição, continuaram de forma rudimentar e totalmente alheios à legislação atual. A formação do acervo patrimonial da estrada de ferro, inclusive as vilas ferroviárias, dentre elas as de itu, Jundiaí e Cordeirópolis, as quais estão retratadas pela Lei Provincial 35, escritura de compra e venda de 1988 e transcrição nº do CRI de Jundiaí, respectivamente Lei Provincial 35 A necessidade para a edição de uma lei provinciana, surgiu da falta de recursos que o governador geral da província dispunha, para a construção da estrada de ferro, daí então eram decretadas as leis. As a leis provinciais tinham como objetivo, autorizar os interessados e a eles dar privilégios para construção e implantação de estradas de ferro, bem como definir o traçado, ou seja, um percurso provável de seu caminhamento, como por exemplo a Lei Provincial nº 35 de 10 de Abril de 1876, com as seguintes características:...art. 1º - Fica o Governo da Província autorisado à mandar construir por Administração ou por empreza, e pelo systhema que melhores vantagens offereça, uma estrada que, començando na estação terminal na estrada de ferro em Jundiahy, e passando pelo Salto vá ter à Cidade de Ytú, e desta a de Sorocaba, pela direcção que se julgar a mais curta e conveniente, em vista das explorações à que se proceder. Art. 2º - Fica igualmente autorisado o Governo à dispender a quantia que fôr necessaria com a construção da referida estrada, e de pontes que nella se fizerem. Observa-se que além da autorização para a construção da estrada de ferro, também o governo poderia dispor de valores para a construção de pontes e outras obras de arte....art. 3º - Para ocorrer às despezas com a estrada de que trata o art. 1º e sua conservação creará o Governo, desde já, e nos logares que mais adquados forem à melhor fiscalisação uma barreira e agencias precisas nas estradas que de Sorocaba, Ytú e povoações visinhas se dirigem à Jundiay e à Capital...

27 27 Era função do governo fiscalizar o andamento das obras e para isso, foram definidos lugares de barreiras e agências, para liberação e fiscalização da implantação, no percurso de Sorocaba - Ytu em povoações que existissem e que se dirigissem à Jundiaí e à Capital. Assim pode-se demonstrar as características das aquisições feitas na época (1876) da publicação da lei Provincial nº 35, onde não havia sequer a descrição do imóvel, ou dos imóveis que compunham o complexo ferroviário, porém deve-se destacar que obedeciam as leis vigentes Escritura de Compra e Venda 7( ) As aquisições feitas por escritura de compra e venda, também no período da formação das estradas de ferro, tinham seus fundamentos nos limites de confrontação, isto é, na descrição do imóvel adquirido. As principais características que, obrigatoriamente, deveriam constar nas descrições das escrituras, eram os confrontantes, independentemente das medidas e da área do imóvel. Isto se dava pelo fato de que a legislação não levava em consideração as medidas perimétricas e área das propriedades, levando em conta tão somente a identificação de seus vizinhos, como constatado na escritura de venda e compra de 23 de novembro de 1888, da aquisição feita pela Companhia Paulista de Vias Férreas e Fluviais, que diz:... pelos vendedores foi dito que, sendo elles outorgantes senhores e possuidores de uma area de terrenos na Estação de Cordeiros da estrada de ferro da Companhia Paulista, na Comarca de Rio Claro, nesta Provincia de São Paulo, havia, parte, por compra feita a Francisco de Olassis Negueiros e sua mulher em data de vinte e dois de Novembro de mil oitocentos e oitenta e dois, nas Notas do Tableião Ernesto Belinacio Tito de Toledo, da cidade de São João do Rio Claro, e parte por virtude de arrematação feita em praça do espolio dos finados Barão e Baroneza de Porto Feliz, como consta da respectiva carta de arrematação estraida pelo escrivao José de Barros Leite, da mesma cidade de São Joãp do Rio Claro em data de dezoito de Outubro do corrente anno; que dessa area de terreno elles vendedores destacam uma parte contendo vinte e nove mil setecentos e nove (29.709) metros quadrados, que ora vendem, como defacto vendido tem, de hoje para sempre, a compradora Companhia Paulista de vias Ferreas e Fluviais,...

28 28 Observa-se que escritura de Compra e Venda não foi levada a registro, por ser do ano de 1888, antes da instituição da obrigatoriedade do registro público no território nacional, Escritura de Compra e Venda ( ) Também na escritura de permuta realizada entre a Câmara Municipal de Jundiaí e a Companhia Paulista de Estradas de Ferro², no ano de 1919, aos vinte dias do mês de maio, já ocorrência da obrigatoriedade de Registros Públicos no território brasileiro, ainda prevalecia a descrição dos confrontantes do imóvel e não suas características físicas reais, como as medidas perimétricas, rumos, azimutes, ângulos de deflexão, coordenadas geodésicas, e respectiva área, com sua identificação através da indicação de um logradouro publico, nº de lote, nº do prédio e afastamento da via mais próxima. Assim a escritura de permuta descreve os imóveis da seguinte forma:... pela primeira outorgante permutante, me foi dito que sendo senhora a lepitura possuidora, livre de onus, de um terreno com frente para a rua Rangel Pestana, com fundos até a rua Capitão Damasio, onde o terreno mede noventa e dois metros, dividindo por um lado com Clemente Gonçalves Dias e para centro lado com Gustavo Rodrigues da Silva, terreno esse que, ella, primeira outogante, houve por desapropriação amigável..., e..., no sentido de como uma permutar esse terreno, acima descripto e confrontado com as benfeitorias existentes, por tres terrenos situações nas proximidades do Cemitério Municipal, com uma area total de doze mil e treze metros quadrados, sendo o primeiro medindo cento e onze metros de frente para o Cemitério Municipal, no prolongamento da rua Rangel Pestana e cento e um metros e setenta centímetros de fundo, com a area de onze mil duzentos e oitenta e oito metros quadrados, dividindo-se por um lado com a primeira travessa paralella á rua Major Floriano, por outro lado com ruas projectadas e pelos fundos com a rua que vem da Viela Torres Neves; o segundo terreno medindo oitenta e quatro metros e setenta centímetros de frente para a primeria Travessa paralella á rua Major Floriano, tem a area de quinhentos metros quadrados e confronta-se pela frente com a Travessa paralella a rua Major Floriano, pelos lados com o prolongamento da rua Rangel Pestana e com uma rua projectada, nos fundos com terrenos da Companhia Paulista, e o terceiro terreno com frente para a mesma primeira travessa paralella a rua Major Floriano, mede quarenta e trez metros e oitenta centimetros de frente tendo a area de duzentos e quinze metros quadrados e confronta-se pelos lados com o prolongamento da Rua Rangel Pestana e com a rua que passa pela frente das casas da Viela Neves Torres e pelos fundos com terrenos que continuam a pertencer a Companhia Paulista, Companhia Paulista de Estradas de Ferro (anterior Companhia Paulista de Vias Ferréas e Fluvias)

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais

Edição nº 51/2015 Brasília - DF, quinta-feira, 19 de março de 2015. Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015. Seção I Disposições Gerais Corregedoria PROVIMENTO Nº 44, DE 18 DE MARÇO DE 2015 Estabelece normas gerais para o registro da regularização fundiária urbana. Seção I Disposições Gerais Art. 1º. O processo e os atos de registro da

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

Lei Municipal N.º 1413

Lei Municipal N.º 1413 1 EMENTA: -- Disciplina o parcelamento da terra no Município de Volta Redonda, Estado do Rio de Janeiro. A Câmara Municipal Aprova e Eu Sanciono a Seguinte Lei: -- CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007

Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Resolução SMU nº 728 de 10 de julho de 2007 Altera a Resolução SMU n.º 703 de 29/12/2006 que consolida, organiza e atualiza as normas, os procedimentos e a padronização para a elaboração e aprovação dos

Leia mais

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/forpgs/showinglaw.pl

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/forpgs/showinglaw.pl Página 1 de 7 LEI Nº 9430, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010. DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO MUNICÍPIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Projeto de Lei nº 481/2010 - autoria do EXECUTIVO. A Câmara

Leia mais

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60

TABELA A ATOS DOS TABELIÃES. 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 TABELA A ATOS DOS TABELIÃES 01 ABERTURA DE FIRMA (ficha de autógrafos)... R$ 4,60 02 ATAS NOTARIAIS (pela lavratura e registro, conforme a complexidade do fato observado a ser transformado em ato jurídico

Leia mais

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença.

NORTE: Com o Loteamento Veneza (Antiga Chácara 55) LESTE: Com a quadra 148 (Aeroporto); SUL: Com a Chácara 53; OESTE: Com a Rua Renascença. DECRETO N o 1487/2006 DATA: 27 de janeiro de 2006. SÚMULA: Aprova, com ressalvas, o Loteamento denominado LOTEAMENTO ALPHAVILLE. MARINO JOSE FRANZ, Prefeito Municipal de Lucas do Rio Verde, Estado de Mato

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO

MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO 1 MEMORIAL DE INCORPORAÇÃO Objetiva a incorporadora a efetivação da construção, sob o regime de incorporação, de um condomínio residencial de 17 (dezessete) casas, com a denominação CONDOMÍNIO RESERVA

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

SERVIÇOS REGISTRAIS IMOBILIÁRIOS

SERVIÇOS REGISTRAIS IMOBILIÁRIOS SERVIÇOS REGISTRAIS IMOBILIÁRIOS No ramo do Direito Notarial e Registral, especificamente, nos Serviços Registrais Imobiliários, inúmeras são as funções exercidas pelo Oficial Registrador. Somente será

Leia mais

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA

ESCRITURA DE COMPRA E VENDA RGI N: ESCRITURA DE COMPRA E VENDA VENDEDOR: COMPRADORA: IMÓVEL: VALOR DA VENDA E COMPRA: R$ VALOR VENAL DE REFERÊNCIA: R$ INSCRIÇÃO CADASTRAL: S A I B A M quantos esta pública escritura virem aos ----

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html Page 1 of 5 LEI Nº 3.115, DE 05 DE DEZEMBRO DE 1997. Alterada pelas Leis nº 3.279, de 17/03/1999 e nº 3.611, de 26/12/2001 (Observar a Lei nº 3.502, de 26/12/2000 - Conversão dos valores expressos em unidades

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 Altera o Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981, e o Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, para isentar da cobrança de laudêmio, foro e taxa de

Leia mais

PROVIMENTO CG N.º 02/2005

PROVIMENTO CG N.º 02/2005 PROVIMENTO CG N.º 02/2005 Altera a redação do item 48.3 da Seção II do Capítulo XX, e dos itens 123 e 124 da Subseção IV da Seção II do Capítulo XX das Normas de Serviço da Corregedoria Geral da Justiça.

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

Ofício GP nº 362/2015 Brotas, 03 de março de 2015.

Ofício GP nº 362/2015 Brotas, 03 de março de 2015. Ofício GP nº 362/2015 Brotas, 03 de março de 2015. Assunto: Doação de imóvel ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo CREA/SP Senhor Presidente: Temos a honra de trazer, por

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.449, DE 30 DE OUTUBRO DE 2002. Texto compilado Regulamenta a Lei n o 10.267, de 28 de agosto de 2001, que altera dispositivos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL

SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL SUPERINTENDENCIA ADMINISTRATIVA DE CONTROLE, FISCALIZAÇÃO E OBRAS SACFO. Município de Sumaré MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROFISSIONAL 1 APROVAÇÃO DE PROJETOS TRANSCRIÇÃO DE TRECHOS LEGISLAÇÃO PERTINENTE CÓDIGO

Leia mais

Regularização imobiliária nacional e a participação do Notário no procedimento de dúvida

Regularização imobiliária nacional e a participação do Notário no procedimento de dúvida XVI ENCONTRO DA ANOREG-MT E ENCONTRO REGIONAL DA ANOREG-BR 25 e 26 DE abril de 2014 Cuiabá Mato Grosso João Pedro Lamana Paiva Registrador de Imóveis da 1ª Zona de Porto Alegre www.lamanapaiva.com.br Regularização

Leia mais

Passo Fundo, 07 de junho de 2013. MENSAGEM Nº 29/2013

Passo Fundo, 07 de junho de 2013. MENSAGEM Nº 29/2013 Senhor Presidente, Passo Fundo, 07 de junho de 2013. MENSAGEM Nº 29/2013 Para os efeitos legais estou submetendo a deliberação dessa Câmara Municipal a seguinte matéria: PROJETO DE LEI EMENTA: AUTORIZA

Leia mais

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney

PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney PROJETO LEI Nº Autoria do Projeto: Senador José Sarney Dispõe sobre loteamento fechado de áreas consolidadas regularizadas ou em fase de regularização, altera em parte as Leis n 6.766/79 e n 6.015/73 e

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008

LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 LEI COMPLEMENTAR Nº126, DE 18 DE ABRIL DE 2008 Acrescenta dispositivos à Lei nº 1041, 11 de julho de 1979, que regula o loteamento de terrenos urbanos no Município de Dourados, e dá outras providências

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS

TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS A ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES IMOBILIÁRIOS DE SÃO PAULO ARISP, CNPJ/MF nº 69.287.639/0001-04, entidade civil sem fins lucrativos, com sede na

Leia mais

Tabela de Custas TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARI. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2015.

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II Incorporação de Redes Particulares de Distribuição de Energia Elétrica Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Planejar o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.001

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO - SEMURH Documentos pessoais do requerente; Certidão Negativa do IPTU; Documento de responsabilidade técnica emitido pelo CREA ou CAU; Declaração do engenheiro ou arquiteto responsável pela obra; Aprovação do projeto

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA

MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA LOTEAMENTO FECHADO BOSQUES DE ATLÂNTIDA 1. GENERALIDADES A gleba destinada ao condomínio horizontal de lotes possui superfície de 446.750,54 m², em Atlântida município de Xangrilá-RS, conforme plantas

Leia mais

LEI Nº 16.025, DE 14 DE JULHO DE 2014

LEI Nº 16.025, DE 14 DE JULHO DE 2014 Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo LEI Nº 16.025, DE 14 DE JULHO DE 2014 (Projeto de Lei nº 476/12, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Dispõe

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO. Importante: Os horários previstos neste Edital tomam por base o horário oficial de Brasília/DF

EDITAL DE LEILÃO. Importante: Os horários previstos neste Edital tomam por base o horário oficial de Brasília/DF fls. 155 EDITAL DE LEILÃO Importante: Os horários previstos neste Edital tomam por base o horário oficial de Brasília/DF 2ª Vara Cível da Comarca de Cassilândia MS EDITAL de 1ª e 2ª PRAÇA de BEM IMÓVEL

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA.

FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. FECHAMENTO DE RUAS AO TRÁFEGO DE VEÍCULOS ESTRANHO AOS MORADORES DE VILAS, RUAS SEM SAÍDA E RUAS E TRAVESSAS COM CARACTERÍSITCAS DE RUAS SEM SAÍDA. LEI Nº 15.002, DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 (Projeto de Lei

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Profa. Maria Coeli Franco, 13 Centro, São Gotardo, MG. CNPJ: 18.602.037/0001-55 Tel: (34) 3671-7103.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO Rua Profa. Maria Coeli Franco, 13 Centro, São Gotardo, MG. CNPJ: 18.602.037/0001-55 Tel: (34) 3671-7103. LEI COMPLEMENTAR Nº138, DE 21 DE JULHO DE 2015 Institui o Programa Municipal de Regularização Fundiária Sustentável de São Gotardo (MG), para a documentação dos imóveis urbanos. O povo do município de

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Paraguaçu Paulista Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Paraguaçu Paulista Estado de São Paulo Prefeitura Municipal da Estância Turística de Paraguaçu Paulista Estado de São Paulo CÓDIGO DE PARCELAMENTO DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE PARAGUAÇU PAULISTA LEI COMPLEMENTAR Nº. 12, DE 08 DE DEZEMBRO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO .?va y PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 193 ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA ~.-,~~ REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO i iiiiii IIIII iiiii IIIII mil um uni mu mi

Leia mais

PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009

PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009 Diretrizes para a criação, instituição e atualização do Cadastro Territorial Multifinalitário (CTM) nos municípios brasileiros. O MINISTRO DE

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROJETOS E OBRAS PARTICULARES JUNDIAÍ cartilha_obras_pmj.indd 1 09/10/09 20:03 cartilha_obras_pmj.indd 2 09/10/09 20:03 ÍNDICE APRESENTAÇÃO [pag. 1] SERVIÇOS PRESTADOS PELA DIRETORIA

Leia mais

CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA

CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA CONTRATO DE COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA Pelo presente instrumento de Promessa de Compra e Venda, de um lado, como PROMITENTE VENDEDORA, VILLAS DO ARRAIAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA., pessoa jurídica

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007

DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 2009 DECRETO ESTADUAL nº 52.052, de 13 de agosto de 2007 Institui, no âmbito da Secretaria de Estado da Habitação Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais Cidade Legal Comitê de Regularização

Leia mais

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL

PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL PARCELAMENTO DO SOLO URBANO E RURAL Divisão de Áreas Introdução Para a realização de um loteamento, o primeiro passo é o levantamento topográfico do terreno. Depois, a elaboração do projeto arquitetônico,

Leia mais

DOCUMENTOS APROVADOS NA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 01 DE OUTUBRO DE 2012.

DOCUMENTOS APROVADOS NA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 01 DE OUTUBRO DE 2012. DOCUMENTOS APROVADOS NA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 01 DE OUTUBRO DE 2012. Projeto de Lei nº 059/2012 Do Executivo - Dispõe sobre doação de área de propriedade do Município a HARALD INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE

Leia mais

3ª Vara Cível da Comarca de Bauru SP

3ª Vara Cível da Comarca de Bauru SP 3ª Vara Cível da Comarca de Bauru SP EDITAL DE LEILÃO e de Intimação dos executados ANTONIO MONDELLI E OUTROS O MM. Juiz de Direito da 3ª Vara Cível da Comarca de Bauru - SP, na forma da lei, FAZ SABER,

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - - ASPÉCTOS TÉCNICOS Luciano Saldanha Varela Engenheiro Civil ETAPAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA 1) TOPOGRAFIA PARA AUTO DE DEMARCAÇÃO URBANÍSTICA E PARA INSTITUIÇÃO DE ZEIS (PERÍMETRO

Leia mais

MODELO DE CONTRATO SALARIO MINIMO

MODELO DE CONTRATO SALARIO MINIMO MODELO DE CONTRATO SALARIO MINIMO IMOBILIÁRIA : EMPRETUR EMPREEND. TURIST.E IMOB.LTDA. EMPREENDIMENTO : QUINTA DOS AÇORIANOS(Residencial Lagoa do Encanto) PROPRIETÁRIO : EMPRETUR EMPREEND. TURIST.E IMOB.LTDA.

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Proposta de Projeto de Lei

Proposta de Projeto de Lei Proposta de Projeto de Lei Dispõe sobre o fechamento de via e o controle de acesso de pessoas e veículos estranhos aos moradores de vilas, ruas sem saída e ruas e travessas com características de ruas

Leia mais

LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001. Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre e dá outras providências. GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001. Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre e dá outras providências. GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.382, DE 5 DE MARÇO DE 2001 D.O.E. N. 7.985, de 12.3.2001 EMENTA: "Dispõe sobre as terras públicas do Estado do Acre, e dá outras providências." ORIGEM: Projeto de Lei n. 1/2001 AUTORIA: PODER

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

Autor : Chefe do Executivo.

Autor : Chefe do Executivo. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 1551/2002 + Lei Complementar nº 1.602/2002 + Lei Complementar N 1.797/2006. Dispõe sobre incentivos para o desenvolvimento das atividades econômicas no Município de Louveira e dá

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PARTICULAR DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA : EMPRETUR EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. EMPREENDIMENTO : QUINTA DOS ACORIANOS/ LAGOA DO ENCANTO PROPRIETÁRIO : EMPRETUR EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. CONTRATO No. : 13010360485/01

Leia mais

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro

ANEXO II - Códigos dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ANEXO II - s dos atos praticados pelos serviços notariais e de registro ATOS DO TABELIÃO DE NOTAS TABELA 1 (R$) Valor Final ao Usuário 1 Aprovação de testamento cerrado 139,36 43,83 183,19 1101-5 2 Ata

Leia mais

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006.

LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. LEI DE LOTEAMENTO LEI DE Nº 2.078, DE 22 DE DEZEMBRO DE 1992 REVOGADA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 131/2006. Autoriza o Poder Executivo a proceder o parcelamento do solo urbano e dá outras providências. A

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 20 de julho de 2015. MENSAGEM Nº 022/2015 DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG EXMO. SR. FRANCISCO RICARDO GATTINI Senhor Presidente, Com meus cordiais e respeitosos cumprimentos,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014

LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 LEI Nº 4.486 DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 DISPÕE sobre a aprovação de projetos de condomínios residenciais, horizontal e vertical, no perímetro urbano do Município de Não-Me-Toque... TEODORA BERTA SOUILLJEE

Leia mais

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015

TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 1 TERMO DE DOAÇÃO Nº 0003/2015 CONCORRÊNCIA Nº 0001/2015 Termo Doacao 0003 IDM Pelo presente termo de doação de imóvel com encargos, de um lado o Município de Xanxerê, com sede na cidade de Xanxerê, Estado

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria do Patrimônio da União Gerência Regional de Patrimônio da União no Rio Grande do Sul

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria do Patrimônio da União Gerência Regional de Patrimônio da União no Rio Grande do Sul MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria do Patrimônio da União Gerência Regional de Patrimônio da União no Rio Grande do Sul RELATÓRIO DE GESTÃO DA UNIDADE JURISDICIONADA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

LEILÃO DO(S) BEM(NS) PENHORADOS DE MECANO FABRIL LTDA NOS AUTOS DE EXECUÇÃO FISCAL Nº 0024212-11.1998.8.26. CDA

LEILÃO DO(S) BEM(NS) PENHORADOS DE MECANO FABRIL LTDA NOS AUTOS DE EXECUÇÃO FISCAL Nº 0024212-11.1998.8.26. CDA LEILÃO DO(S) BEM(NS) PENHORADOS DE MECANO FABRIL LTDA NOS AUTOS DE EXECUÇÃO FISCAL Nº 0024212-11.1998.8.26.0405 (Ordem: 6753/1998) QUE LHE MOVE A FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO. CDA nº 740201314 dele conhecimento

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel;

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel; PROJETO DE LEI Altera o Decreto-Lei n o 3.365, de 21 de junho de 1941, que dispõe sobre desapropriações por utilidade pública. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 15, 26 e 32 do Decreto-Lei

Leia mais

PARECER PARA A CRIAÇÃO DA MATRÍCULA MÃE DE ÁREA PÚBLICA NO JARDIM MARCELO

PARECER PARA A CRIAÇÃO DA MATRÍCULA MÃE DE ÁREA PÚBLICA NO JARDIM MARCELO PARECER PARA A CRIAÇÃO DA MATRÍCULA MÃE DE ÁREA PÚBLICA NO JARDIM MARCELO Ellade Imparato A Lei Municipal nº 13.514/03 desafetou o espaço livre, localizado à Rua Lerici, na zona sul, conhecido como Jardim

Leia mais

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO 302 4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Regulamento o exercício do direito de preempção pelo Poder Público Municipal de acordo com a Lei de Revisão do Plano Diretor, e dá outras providências. A

Leia mais

DECRETO Nº 51.627, DE 13 DE JULHO DE 2010

DECRETO Nº 51.627, DE 13 DE JULHO DE 2010 DECRETO Nº 51.627, DE 13 DE JULHO DE 2010 Aprova o Regulamento do Imposto sobre Transmissão Inter Vivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física, e de direitos

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE Cidade Monumento da História Pátria Cellula Mater da Nacionalidade Institui o imposto sobre transmissão intervivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis, por natureza ou acessão física e de direitos reais sobre imóveis, exceto os de garantia, bem como cessão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA DE PORTO ALEGRE - SMF ASSESSORIA DE AQUISIÇÕES ESPECIAIS DE IMÓVEIS AEI

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA DE PORTO ALEGRE - SMF ASSESSORIA DE AQUISIÇÕES ESPECIAIS DE IMÓVEIS AEI PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - PMPA SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA DE PORTO ALEGRE - SMF ASSESSORIA DE AQUISIÇÕES ESPECIAIS DE IMÓVEIS AEI EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02/2010 AEI/SMF O Município

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 777, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015.

LEI COMPLEMENTAR Nº 777, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015. LEI COMPLEMENTAR Nº 777, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015. Dispõe sobre a regularização de obras civis e construções do Conjunto Habitacional Heróphilo Azambuja (IPE II), localizado entre as Avenidas Protásio

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes GESTÃO DE RISCOS O mercado de empreendimentos imobiliários é onde as empresas operam com maior nível de riscos devido às particularidades

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA

LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA 0 Helcio Kronberg Avaliador e Leiloeiro Público Oficial R. Emiliano Perneta, 736 Centro - Curitiba/PR Fone/Fax 41 3233-1077 LAUDE DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL URBANO PARA VENDA EM HASTA PÚBLICA Processo 0033193-67.2011.8.16.0179-1ª

Leia mais

Manual para preenchimento da Guia de ITBI Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1.989 e alterações, Decreto 069 de 03 de março de 1989

Manual para preenchimento da Guia de ITBI Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1.989 e alterações, Decreto 069 de 03 de março de 1989 Manual para preenchimento da Guia de ITBI Lei Municipal 3.398, de 22 de fevereiro de 1.989 e alterações, Decreto 069 de 03 de março de 1989 C:\SiteMogi_2009\Manual para preenchimento da Guia2.doc 1 Instruções

Leia mais

LEI N.º 1.849/2014 DATA: 08/05/2014

LEI N.º 1.849/2014 DATA: 08/05/2014 LEI N.º 1.849/2014 DATA: 08/05/2014 SÚMULA: Disciplina os procedimentos para regularização fundiária de assentamentos urbanos de interesse social ou específico e dá outras providências. A Câmara Municipal

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 DR. ANTONIO FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, Prefeito Municipal de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, usando das atribuições que me são conferidas por lei. FAÇO SABER

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO DO SOLO Competência de Análise, Legislação Vigente e Principais Fluxos de Aprovação. SECOVI SP 12 de Novembro de 2010

DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO DO SOLO Competência de Análise, Legislação Vigente e Principais Fluxos de Aprovação. SECOVI SP 12 de Novembro de 2010 DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO DO SOLO Competência de Análise, Legislação Vigente e Principais Fluxos de Aprovação SECOVI SP 12 de Novembro de 2010 SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DEPARTAMENTO DE PARCELAMENTO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural denominado Barra do Rio dos Lobos localizado no Distrito de Lagoinha Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário Rua Tangará, 70 Vila Mariana

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO EXTRAJUDICIAL E INTIMAÇÃO ALEXANDRO DA SILVA LACERDA - LEILOEIRO PÚBLICO

EDITAL DE LEILÃO EXTRAJUDICIAL E INTIMAÇÃO ALEXANDRO DA SILVA LACERDA - LEILOEIRO PÚBLICO EDITAL DE LEILÃO EXTRAJUDICIAL E INTIMAÇÃO ALEXANDRO DA SILVA LACERDA - LEILOEIRO PÚBLICO EDITAL DE LEILÃO EXTRAJUDICIAL E INTIMAÇÃO Alexandro da Silva Lacerda, CPF. 042.440.677-28 Leiloeiro Público, com

Leia mais

ORDEM DO DIA FLS.394 , ESTADO DE SÃO PAULO. OFíCIO GP. N. 196/2012 Proc. n", 3194/96. Senhor Presidente,

ORDEM DO DIA FLS.394 , ESTADO DE SÃO PAULO. OFíCIO GP. N. 196/2012 Proc. n, 3194/96. Senhor Presidente, ORDEM DO DIA FLS.394 "R" U~,.-:.-L.C. _~"'''' "'-'~ (".':N,~ -..,.~:..:-.;::..-

Leia mais

1. Registro com valor declarado DISCRIMINAÇÃO (R$) OFICIAL ESTADO CARTEIRA REG CIVIL T JUSTIÇA TOTAL

1. Registro com valor declarado DISCRIMINAÇÃO (R$) OFICIAL ESTADO CARTEIRA REG CIVIL T JUSTIÇA TOTAL 1. Registro com valor declarado a De até 986,00 66,70 18,96 14,04 3,51 3,51 106,72 b 986,01 até 2.462,00 107,03 30,43 22,53 5,63 5,63 171,25 c 2.462,01 até 4.104,00 192,01 54,57 40,42 10,11 10,11 307,22

Leia mais

COM AS ALTERAÇÕES PROCEDIDAS PELOS DECS.: 16.833 DE 29/11/1994 16.873 DE 31/12/1994

COM AS ALTERAÇÕES PROCEDIDAS PELOS DECS.: 16.833 DE 29/11/1994 16.873 DE 31/12/1994 DECRETO DE Nº 15.756/92 19 DE FEVEREIRO DE 1992 (Publicado no DOM de 20/02/92) COM AS ALTERAÇÕES PROCEDIDAS PELOS DECS.: 16.833 DE 29/11/1994 16.873 DE 31/12/1994 EMENTA: Regulamenta o Livro Quarto, Título

Leia mais

INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO "INTERVIVOS" E DIREITOS A ELES RELATIVOS.

INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO INTERVIVOS E DIREITOS A ELES RELATIVOS. LEI Nº 1449/88 INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO "INTERVIVOS" E DIREITOS A ELES RELATIVOS. Eu, Paulo Alberto Duarte, Prefeito do Município de Lages, comunico a todos os habitantes deste Município, que

Leia mais

ANÚNCIO INSOLVÊNCIA DE ALCINO MANUEL POLÓNIA SOARES VENDA DE BENS

ANÚNCIO INSOLVÊNCIA DE ALCINO MANUEL POLÓNIA SOARES VENDA DE BENS ANÚNCIO INSOLVÊNCIA DE ALCINO MANUEL POLÓNIA SOARES VENDA DE BENS FAZ-SE SABER que, pela Administradora da Insolvência, ouvida a Comissão de Credores e o insolvente, nos autos de Liquidação do Activo por

Leia mais

MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO

MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO MODELOS REFERIDOS NO ROTEIRO 1 MODELO 01 (matrícula imprópria para o registro de loteamento por ferir o princípio da especialidade subjetiva e objetiva) Obs. Deverá o imóvel estar perfeitamente descrito

Leia mais

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA

Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Resoluções Edição Número 158 de 17/08/2004 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO Nº 349, DE 16 DE AGOSTO DE 2004 Dispõe sobre o licenciamento ambiental de empreendimentos

Leia mais

GEO-REFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS

GEO-REFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS GEO-REFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS CARLOS ANTÔNIO DE ARAÚJO SUMÁRIO: 1. As alterações introduzidas pela Lei 10.267/01-2. O que é geo-referenciamento? - 3. Finalidade do geo-referenciamento - 4. Quando

Leia mais