Aluga-se para. temporada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aluga-se para. temporada"

Transcrição

1 1

2 2 Aluga-se para temporada

3 Dedicado com amor para Molly Hogan Abel, que tem o brilho das estrelas. 3

4 4 Não foi um começo de férias muito promissor, muito menos para uma vida nova. A chuva a perseguiu por todo o caminho até a costa leste, atacando o para-brisa, sacudindo seu carro por todos os ângulos possíveis. Entre a água jogada pela fila contínua de caminhões voando a centro e trinta quilômetros por hora a seu lado (em contraste com os seus lentos oitenta por hora) e as violentas rajadas de vento da tempestade, ela fazia o possível para manter se na estrada. Ellis concluiu que a culpa era toda sua. Ela devia ter mantido o plano original. Devia ter acordado em uma hora razoável, ou pelo menos esperado o dia clarear para começar a dirigir da Filadélfia até a Carolina do Norte. Em vez disso, em um impulso insano, simplesmente trancou sua casa e saiu com o carro logo depois da meia-noite. Fora uma decisão que nada tinha a ver com ela. Mas, enfim, sua antiga vida, lá na velha Filadélfia, havia ficado para trás. E em algum momento da longa viagem rumo ao sul, ela tinha decidido, em seu subconsciente, que o início de uma nova vida a esperava. Na praia... Em agosto. Ellis respirou fundo e girou os ombros, primeiro para frente, e depois para trás, tentando relaxar a tensão de seis horas na direção. Ela pegou a caneca térmica de café do porta-copos de seu carro e deu um golão, na esperança de que ele espantaria o cansaço. Uma hora depois, viu a placa: Nags Head, duzentos e doze quilômetros. Sorriu. A chuva tinha melhorado para uma leve garoa. Ela chegaria a casa, chamada Ebbtide, por volta das sete.

5 5 Seu sorriso sumiu. O que ela estava pensando? De acordo com o contrato de aluguel que ela assinara, o check-in era às duas da tarde. Redigiu um mental para ela mesma: Para: De: Assunto: Falha de planejamento = fracasso. Mas o teria que esperar. A rodovia se elevou e ela se encontrou em uma longa, suavemente arqueada, ponte. Outra maldita ponte. Tinha que ser a última. A Ponte de Chesapeake Bay já tinha quase a nocauteado. Ela sentiu a tensão na mandíbula. Seus dedos grudaram na direção, seu coração acelerou. Uma gota de suor escorreu em suas costas. Nags Head fica no Outer Banks da Carolina do Norte. Ela estudara os guias, os mapas e as dicas de viagem por semanas. Conhecia a geografia da ilha, até sua topologia, intimamente. Mas ela se negou a pensar na questão das pontes. Porque o fato é que, como as meninas bem sabem, pontes mesmo pontinhas mixurucas como a Sam Varnedoe que separa as ilhas de Whitemarsh e Wilmington perto de casa, em Savannah assustavam Ellis Sullivan pra caramba. Ela manteve os olhos fixados à frente, não arriscando olhar, à esquerda e à direita, a água fluindo abaixo da ponte. Quando finalmente a cruzou, suas mãos estavam úmidas; sua camiseta, ensopada. Agora chegava propriamente em Outer Banks. Placas para as cidadezinhas próximas surgiam: Corolla, Duck, Southern Shores, Kitty Hawk, Avalon Beach. O sol nasceu, e ela ficou chocada como a região beira-mar lá era densamente povoada. Esperava ver capim crescendo na areia, em contraste com o mar azul brilhante; barcos ancorados lá e cá; grandes casas de telhado cinza de frente para o mar; um farol. A realidade era que, até o momento, o que ela estava vendo na lendária Outer Banks poderia muito bem estar na praia de Jersey, em Myrtle, no Fort Lauderdale, ou em qualquer resort turístico da costa leste ou seja, quilômetros e quilômetros de hotéis, pousadas, restaurantes e shoppings centers emoldurando os dois lados da estrada, e uma costa

6 6 recheada de condomínios e casas de praia gigantes, pintadas em tons pastéis, coladas umas as outras. Ela seguiu a Rota 12 para o sul e, quando a voz robótica do GPS ordenou uma guinada à esquerda e depois à direita, sabia que estava se aproximando. A rua chamava-se Virginia Dare Trail. Ali, pelo menos, havia uma zona de conforto entre as casas. Vez ou outra até viu um pedacinho das dunas ao longe. Finalmente, a voz modulada da mulher computadorizada anunciou alegre: Chegada ao destino, à esquerda. Ellis diminuiu a marcha e olhou atentamente. Uma longa entrada de conchas conduzia por um caminho de grama e areia. Havia uma caixa de correio na curva, com uma placa de madeira em forma de baleia, já desbotada pelo sol. Pintada na placa, em letras brancas quase apagadas, a palavra EBBTIDE. A entrada terminava no que parecia ser uma garagem com mezanino. A estrutura de madeira era uma coisa cinza amarronzada já com sinais do tempo. Através das portas de madeira da garagem, que estavam abertas, viu uma caminhonete velha, com uma prancha vermelha amarrada ao teto. Ao lado da garagem, uma casa de madeira desengonçada e de três andares surgia entre escadas também de madeira. Ao longo da frente da casa, uma enorme varanda aberta com uma fileira de cadeiras de balanço e uma toalha de praia listrada e cafona dobrada de qualquer jeito sobre o parapeito. Do arenoso jardim, um deque de madeira levava até uma enorme duna. Em um impulso, ela parou o carro na entrada ao lado. Lá, não havia casa alguma, apenas os destroços chamuscados de uma fundação de concreto, juntamente com uns restos de madeira queimada. Uma placa preta e laranja de NÃO ENTRE estava colada em uma parede improvisada. Ellis estacionou o carro e desceu. Suas pernas e costas sofriam com câimbras. O ar já estava quente e úmido. Flexionou as pernas procurando algum sinal de vida no quintal ao lado. Será que os antigos veranistas ainda estavam lá? Ou a caminhonete na garagem pertencia a alguém que ainda estava aproveitando as últimas horinhas na praia antes de ter que ir embora?

7 7 Ela caminhou até a caixa de correio e olhou para a casa. A casa delas, ao menos durante o mês de agosto. Ellis pretendia fazer valer cada hora daquele mês. Bem, talvez a Willa. Ela só era um ano e meio mais velha, mas, poxa, sabia ser insistente e mandona. Seria a cara de a Willa acusar Ellis de ter se apropriado do melhor quarto. O que não era sua intenção. Ela só não queria um quarto virado para a rua, com muito barulho. Seu sono era leve e ela tinha muito no que pensar. E, de qualquer modo, como a única solteira do grupo, ela estava acostumada a ter seu próprio canto. Acostumada demais, pensou, amargurada. Estava doida para ver Ebbtide de perto. Olhou a rua de cima a baixo. Não havia sinal de tráfego. Apenas outra manhã sonolenta na praia. Não custava nada ir até a entrada da casa queimada dar uma olhada. Tecnicamente, ela sabia, era invasão domiciliar. Mas ela não iria saquear nada. O que havia para saquear, afinal? Rapidamente, antes que perdesse a coragem, Ellis correu sobre o caminho de conchas esmigalhadas. Uma passarela de tábuas e escadas levando ao topo de uma duna, como em Ebbtide, pareciam ter sobrevivido ao fogo que destruíra a casa. Pulou os degraus com rapidez, para não ser vista da rua. No topo das dunas, havia um deque coberto. Em outros tempos, devia ter sido um lugar incrível para sentar, tomar um drinque e aproveitar a brisa do mar. Mas não mais. Parte do deque tinha apodrecido, e a cerca perdera várias ripas. Duas cadeiras de plástico quebradas estavam jogadas de lado, mas foi à vista que prendeu a atenção de Ellis. De lá, se conseguia ver a Nags Head que imaginara. As dunas, cobertas de arbustos, pequenas árvores e outras plantas cujos nomes não sabia, desciam até encontrar a extensa e branca areia da praia. A maré estava baixa, e o Atlântico brilhava num cinzaazulado. Aqui e ali, pessoas caminhavam ao longo da costa, colhendo conchas. Perfeito! exclamou. Nesse instante, ouviu a batida de uma porta de tela. Ao se virar, viu a movimentação no andar sobre a garagem de Ebbtide. O apartamento ali, em forma de mezanino, tinha

8 8 um pequeno deque de madeira à sua volta. Enquanto observava, viu um homem aparecer lá. Ela enxergava-o com clareza Meu Deus, e ele estava de cueca. Um homem descalço e extremamente bronzeado, com cabelo castanho malcuidado e desbotado pelo sol. A cueca boxer branca, meio larga, estava caída em seus quadris magros. Ele se virou, olhando para a água, bocejou e espreguiçou-se. E, então, enquanto Ellis observava, de boca aberta, entre surpresa e enojada, ele casualmente urinou para fora do deque. E o cara aproveitou bem o momento. Ellis estava paralisada, roxa de vergonha. Quando o homem finalmente terminou, alongou-se e virou-se. E foi quando a viu, uma figura solitária, de calça capri pink e camiseta branca, o longo cabelo escuro esvoaçando na brisa vinda da praia. O homem sorriu-lhe despretensioso. Seus dentes eram brancos e alinhados, e de onde ela estava, podia ver sua barba dourada por fazer. Ele acenou casualmente. E aí? gritou. Beleza? Ellis apenas emitiu um oi sufocado. E depois voou escada abaixo, o mais rápido que seu chinelo de dedo permitiu.

9 9 Ellis pulou dentro do carro e deu a ré para a rua tão rápido que quase atropelou a caixa de correio de Ebbtide. Isso é que dá invadir uma propriedade, pensou. A visão panorâmica de um tarado. Olhou para trás, para a garagem, tentando ver se o homem reapareceria para conferir onde ela teria ido parar. Mas não havia mais sinal dele. Espero, pensou, que ele seja o dono daquele carro na garagem. Espero que ele saia de Ebbtide loguinho, e já esteja bem longe quando eu fizer o check-in. Espero. Mas o que ela faria até lá? Havia um outlet na rodovia, mas só devia abrir às dez. E ela precisava ir ao mercado, mas não queria que os produtos refrigerados ficassem no carro quente até a hora do checkin. Dirigiu sem rumo até dar de cara com um restaurante cujo slogan prometia CAFÉ DA MANHÃ O DIA TODO TODOS OS DIAS. O estacionamento estava lotado. Ela viu até uns caminhões: sinal, como seu pai a ensinara anos atrás, de que o lugar devia ser minimamente bom. A garçonete a levou até uma mesa perto da janela, e Ellis pediu ovos mexidos, salsicha de peru e um pãozinho. Sem manteiga. Sem café. Ela já estava completamente desperta. Em vez disso, pediu água gelada e suco de toranja.

10 10 Quando a refeição foi servida, comeu devagar para que o tempo passasse depressa. O restaurante estava barulhento com crianças rindo e correndo entre as mesas, e o falatório animado de famílias e amigos de férias. Quando terminou, Ellis pegou o novo celular para checar os s. O telefone era novidade. Todos esses anos em que trabalhou no banco, o modelo antigo, seguramente clipado ao lado de fora da sua pasta, tinha sido seu salva-vidas no mundo do trabalho. Era a primeira coisa que tocava pela manhã, inclusive no fim de semana mesmo antes de escovar os dentes e tomar banho e era a última coisa que checava à noite, logo antes de ceder ao sono. Mas duas semanas antes, um naquele velho aparelho a convocara para uma reunião com Phyllis K. Stone do RH. Na empresa, dizia-se que a Sra. Stone era a Dona Morte ou Stonehenge. Mas ela sempre tinha sido muito amável com Ellis nas poucas ocasiões em que tiveram questões juntas. Naquele dia em particular, Ellis pensara que receberia os documentos do novo plano de saúde. Mas os documentos que a Sra. Stone empurrou sobre a mesa não tinham nada ver com descontos ou dependentes. Banc Atlantic, a empresa onde trabalhava havia onze anos, tinha sido, a Sra. Stone dissera em um tom monótono, comprada não, a palavra exata seria adquirida pela CityGroup, Inc. Obviamente, a CityGroup tem seu próprio departamento de marketing continuara a Sra. Stone. E como a preocupação deles é poupar gastos e ter eficiência máxima, bem como estabilidade financeira para os acionistas, o comitê executivo decidiu que o grupo de marketing da BancAtlantic era irrelevante. Ellis não estava certa de que tinha entendido as palavras da Sra. Stone. Irrelevante? Quer dizer que eu vou ser transferida para o pessoal da CityGroup? A Sra. Stone empurrou a pasta mais um milímetro na direção de Ellis. Temo que não.

11 11 Ellis sentiu sua boca secar e as palmas da mão umedecerem. Ela gostava do emprego, gostava dos colegas, amava o estilo de vida que lhe proporcionava: casa grande em bairro bom, viagens a negócios com um crédito exorbitante, um carro novo a cada três anos. Então ela perguntara, a voz levemente trêmula, eu vou mudar de posição? Digo, minha especialidade nem é marketing. Tenho diploma de Administração e antes de eu vir para a BancAtlantic... Os lábios da Sra. Stone crisparam-se de leve. Seu batom fúcsia preenchia as rugas profundas sobre seu lábio. Ela tinha um bigode também. Ellis imaginava por que ela não se depilava, ou, pelo menos, clareava, os pelos. A Sra. Stone batia com o dedo na pasta novamente. Nela, uma foto brilhante da sede de mármore e metal da BancAtlantic com as palavras MUDANÇAS PARA O AMANHÃ sobrepostas. Um barulho entrou pela janela do escritório da Sra. Stone, localizado no sétimo andar. Ellis olhou e viu um andaime de lavar vidros deslizando devagar. Mas os homens pendurados não eram lavadores. Usavam macacões escuros e lutavam com um cromado logo gigante: um CG, com dois metros e meio de altura, em tipografia suave. Ocorreu a Ellis que os novos donos do banco não estavam esperando o amanhã para as mudanças. Estes são seus documentos de desligamento dissera a Sra. Stone calmamente. Vai ver que são bem generosos. Terá uma indenização, claro. A compra de suas ações vai te oferecer duas semanas de salário para cada ano de serviço na instituição. Instituição? dissera Ellis, desanimada. BancAtlantic a Sra. Stone a lembrara. Apesar de que continuou, olhando para o relógio em seu pulso bizarramente fino, há três minutos, a BancAtlantic tenha deixado de existir. Somos CityGroup agora. Tempos excitantes, não?

12 12 Bem, pensara Ellis, acho que eu não escolheria excitante como o adjetivo para descrever o momento. Ela finalmente pegou a pasta que a Sra. Stone empurrava milimetricamente em sua direção. Folheou o conteúdo. Eram formulários legais e memorandos, e só de olhar a letrinha impressa, uma veia em sua testa começara a pulsar. Teria que voltar para sua sala, ler os documentos e tentar processar tudo. Levantou-se. Quanto tempo eu tenho? perguntou. Estou trabalhando num projeto enorme, e o relatório deve ficar pronto semana que vem. A Sra. Stone piscou. Ellis podia jurar que nunca tinha visto aquela mulher piscar. Nunca. Ah disse a Sra. Stone. Achei que tinha entendido. Sua demissão é imediata. Tipo, agora? Temo que sim respondera a Sra. Stone, levantando a mão, com a palma para cima, na expectativa. Ellis Sullivan não era uma mulher sarcástica. Mas aquela ocasião clamava por... alguma coisa do tipo. Quê? dissera Ellis, esquentada. Não é o suficiente ter me demitido? Ter me tirado o emprego, a carreira, onze anos da minha vida? E por isso eu ganho... O quê? Vinte e duas semanas de pagamento? Você tá me sacaneando? O que você quer agora? Um rim? O baço talvez? O buço bigodudo da Sra. Stone ficou ainda mais enrugado. Isso é desnecessário ela disse, com a voz tensa. Essa é apenas uma decisão estritamente profissional tomada pelo comitê executivo. Por favor, não leve para o lado pessoal. Não é pessoal? gritara Ellis, lutando contra as lágrimas.

13 13 Nem um pouco respondeu a Sra. Stone. Ela levantou-se. Era uns bons quinze centímetros mais baixa do que Ellis. Estava com a palma da mão aberta. Peço que me entregue seu crachá. Ellis arrancou o crachá laminado da cordinha de seda decorada que ficava pendurada em seu pescoço e o jogou na cara da Sra. Stone. A mulher piscou de novo e desviou, mas o crachá a atingiu no queixo antes de cair em cima do computador. A cordinha é minha dissera Ellis. Não é propriedade da companhia. Tudo bem concordara a Sra. Stone. Combinado. E agora preciso do seu celular. Quer dizer, do celular da companhia. Ellis recuou. Não está comigo confessou. Está no meu escritório. Deixo-o aqui depois que pegar meus pertences. A Sra. Stone deu um sorriso torto. Sua mesa já foi liberada. Andou até a porta e abriu. Um segurança vestido em um uniforme cinza diferente do habitual estava parado no corredor, segurando uma grande caixa de papelão. Saindo da caixa um abobalhado ursinho de pelúcia vermelha usando uma camiseta com o logo da BancAtlantic bordado em letras verdes. Ellis tinha ganhado aquele urso dois anos antes, na festa de Natal do departamento. Sua pasta Louis Vuitton, uma loucura cometida depois da última promoção, estava debaixo do braço do segurança. A Sra. Stone apontou com a cabeça para a pasta. Ellis pegou-a do guarda e retirou o celular. A mulher desviou, mas a vontade de brigar de Ellis já tinha desaparecido. Colocou o telefone na beirada da mesa, virou-se e seguiu o guarda pelo corredor até o elevador. Lá, abriu os braços para pegar a caixa. Pode deixar comigo. Não se preocupe. Não vou voltar correndo com uma Uzi ou qualquer coisa do tipo.

14 14 O guarda deu de ombros. Desculpe. Preciso acompanhá-la até lá fora. É a norma da empresa. Ela apertou o botão S no painel, e desceram de elevador até o estacionamento localizado no subsolo. O guarda a acompanhou até o carro. Ela abriu o porta-malas e ele guardou a caixa, entregando-a um papel que até então estava sobre o conteúdo da caixa. É um inventário das coisas do seu escritório ele dissera, apologético. Pode rubricar? Ela rabiscou suas iniciais no pé da página, sem nem olhar para a lista, e devolveu o papel para o segurança. Ele balançou a cabeça. Isso é um saco, cara. Odeio. Não é sua primeira demissão do dia? Você é a décima primeira ele respondeu, desanimado. Depois do almoço, vai ser o departamento comercial. A droga do departamento inteiro. Ellis assentiu. Não ficava feliz por saber que todo o resto da empresa estava sendo desmontado e descartado, departamento por departamento. Até logo disse ela, sabendo que mentia. Não soube o que fazer nos primeiros dois dias depois daquele que nomeou como Dia D, de Demissão. Na primeira manhã, acordou as seis, como sempre, e tateou no escuro à procura do celular. Depois de um breve momento de pânico, lembrou-se de que o banco o tinha reempossado, bem como fizera com sua antiga identidade. Depois, gemendo, voltou para a cama, percebendo que não tinha motivo para levantar. O que seguiu foi uma semana de luto. Ficou dois dias sem tomar banho, vestindo calças largas de ioga e blusas de moletom. Sobrevivia apenas com uma dieta consistente de cereal com leite gelado e televisão diurna, pois não tinha coragem de sair de casa. Afinal, aonde

15 15 iria? Depois de sete dias de terapia, cortesia dos programas de TV matinais, ela se obrigou a sair e comprar um novo celular. Até trouxe uma capinha rosa choque para a coisa. Como não tinha outro endereço de a não ser o do banco, criou uma conta no Hotmail e enviou mensagens para todos que lembrou, contando que tinha um novo contato. Houve a inevitável enxurrada de respostas dos amigos que queriam saber o que estava acontecendo. Não suportava a ideia de ser digna de pena, especialmente por já estar rolando auto piedade o suficiente, então bolou uma resposta animada: Reajuste profissional da meia-idade! Tempo de parar para aproveitar a vida! Detalhes em breve. Mas não havia detalhes. Ainda não. A viagem com as meninas, que ela estava planejando desde abril, quando elas se reuniram em Savannah para o funeral da mãe da Julia, era a única coisa que a animava depois que perdera o emprego. Uma vozinha insistente repetia em sua mente que ela deveria cancelar a viagem, poupar dinheiro, procurar um novo emprego. E ela respondia para a vozinha insistente: Cale. A. Boca. Caramba. Era quase agosto. Não cancelaria essa viagem para a praia de jeito nenhum. Então, ali estava ela, sentada em um restaurante de Nags Head, Carolina do Norte. O valor de duas semanas do seu acerto já havia sido devorado. Ela não estava nem aí. Nos últimos cinco anos, tirou exatamente um período de férias por ano: o Natal com sua mãe e com a tia Claudia num apartamento lá em Sarasota, ouvindo as picuinhas das duas. Em abril, Ellis tinha sentado ao lado de Julia na primeira fileira da Igreja do Sagrado Sacramento em Savannah. Dorie sentou-se do outro lado de Julia, e Willa ao lado de Dorie. Booker, o namorado de longa data de Julia, não pudera vir de Londres. As quatro garotas seguraram as mãos uma das outras enquanto um jovem padre

16 16 desconhecido, padre Tranh, rezou a missa para Catherine Donohue Capelli. Mais tarde, na casa dos Capelli, depois que toda a galera do funeral finalmente fora embora, elas tiraram seus vestidos de funeral, se enfiaram em pijamas e se jogaram na cama de viúva do antigo quarto da Julia, como sempre faziam todas aquelas noites de sexta dos velhos tempos. Mas agora, em vez de bebericar cerveja roubada do refrigerador da garagem do Sr. Capelli, elas tinham enchido a cara com uma jarra de cosmopolitan. E foi então que bolaram o plano. Chega de se encontrar apenas em funerais. O pai da Ellis morrera há dois anos, e o Sr. Capelli falecera há quanto? Seis anos? Chega disso Julia declarou, sacudindo a jarra vazia no ar. Vamos viajar juntas ela anunciou. Para a praia. Todas. Olhou para Dorie, a recém-casada do grupo, e acrescentou, intencionalmente: Só nós, as garotas. A turma elegeu Ellis, a planejadora, a organizadora, a impiedosamente eficiente Ellis, para montar a viagem. E foi o que ela fez. E agora lá estava ela, desempregada, mas com o mês de agosto inteiro para passar em uma casa de praia com suas melhores amigas. Mais a Willa, irmã da Dorie, que se convidara. Sentiu-se empolgada com o folheto. Os verões cor de âmbar de sua juventude tinham sido os melhores de sua vida. Dorie, Julia e ela eram inseparáveis, passando semanas e semanas na casa da avó de Julia, na Ilha Tybee, relaxando na praia durante o dia e se arrumando por horas para sair à noite. Dorie atraía uma matilha de pretendentes, então elas sempre andavam em grupo, dirigindo o Cadillac da mãe de Julia pela avenida beira-mar. O carro era branco, teto solar e o quinto pneu aparente no porta-malas: um carro descolado. Elas achavam o máximo que a beata mãe da Julia dirigisse uma caranga daquelas. Elas amavam o carro, pois nele cabiam seis ou sete pessoas em seu enorme banco inteiriço

17 17 de couro. Elas abaixavam as janelas e colocavam sua música preferida no volume máximo, gritando repetidamente o refrão grudento Uh!! Tererê!! e o Cadilac balançava com a vibração do baixo. Elas iam dançar em uma boate cujo nome há muito Ellis já esquecera, mas ela ainda se lembrava do garoto que conheceu e com quem havia dançado a noite toda no último fim de semana de verão antes de ir para a faculdade. Ele chamava-se Nick e estudava na Faculdade de Boston, e ela deixou que ele a agarrasse enquanto deslizavam ao som de I Swear. Ellis permitiu-se fantasiar que era Nick quem jurava como na letra da música pela lua e pelas estrelas no céu, que a amaria para sempre. Depois que as aulas começaram, ele a enviou alguns s e, mais nada. Ellis olhou para o celular. Abriu o e digitou um endereço: Sr. Caro Sr. Culpepper, Estou ciente de que o check-in para o meu grupo na Ebbtide é, tecnicamente, às duas da tarde hoje, mas cheguei à região mais cedo do que o planejado e gostaria de saber se posso ter acesso a casa antes. Digamos, por volta do meio-dia? Ficaria imensamente agradecida. Atenciosamente, Ellis Sullivan. Apertou o botão de envio e em seguida ouviu o som de algo voando, indicativo de que a mensagem tinha sido enviada. Não pela primeira vez, imaginava o Sr. Culpepper como um enrugado, porém bonzinho, velhinho abobalhado. Imaginava-o em uma camisa havaiana desbotada, mas engomada, com joelhos tremendo feito geleia logo abaixo da bermuda xadrez, e também com meias pretas compridas e sandálias desgastadas. Seu rosto teria muitas rugas, sua cabeça quase careca. Ele tomaria um tempo para conhecer ela e as garotas, chamando-as de docinho e querida. Ela mal podia esperar para conhecer o Sr. Culpepper ao vivo.

18 18 Maryn dirigiu em direção ao sul, intercalando rodovias e estradas vicinais, sem destino. Apenas longe. Era o único lugar aonde queria chegar. Longe de casa, da pequena família que deixara. Longe de Biggie essa doeu. Mas ela não podia fazer nada a respeito. Ela conseguia ver em sua mente o olhar pidão de Biggie enquanto a observava correr pela casa, jogando suas coisas numa mochila. Ele a seguiu de cômodo em cômodo e, então, quando ela estava prestes a sair, a encontrou na porta dos fundos, com a coleira vermelha na boca, certo de que iriam passear no parque. Ficou com o coração partido por deixar o cachorro para trás. Ela se convenceu de que o velho Golden Retriever ficaria bem. Ele nunca faria mal ao Biggie, nem para se vingar dela. Ele adorava o cão, o criou desde filhotinho. Biggie já estava antes dela, e ficaria lá depois. Não? De qualquer modo, o negócio é que ela tinha que fugir. Dele. E isso significava deixar Biggie para trás. Pensando nele, girou o anel com um diamante solitário em seu anular. Tantas vezes ela quis jogar aquela coisa no cara, dizer que sim, ele a tinha comprado com aquilo, fechara o negócio de sua vida. Quase o deixara para trás, juntamente com seus outros pertences. Mas, no último segundo, decidiu continuar a usá-lo, uma lembrança como se precisasse de uma de como vendeu a alma ao diabo de maneira tão fácil e por tão pouco.

19 19 Maryn olhou para seu braço. A manga a escondia, mas ainda conseguia sentir a volta de manchas roxas horríveis que ele deixara em seu antebraço. Outra lembrança do verdadeiro Don Shackleford. Os hematomas sumiriam, isso ela sabia, mas duvidava de que se esqueceria da fúria gelada dele, a maneira como agarrou seu braço tão facilmente apertando até que ela gritasse em agonia, sua expressão imóvel enquanto ele contava exatamente o que faria com ela se a pegasse fuçando em suas coisas pessoais novamente. Vou te enterrar ele dissera, uma estranha luz surgindo em seus olhos azuis desbotados. Em um lugar aonde nunca vão te encontrar. Ninguém nem vai perceber seu sumiço até ser tarde demais. Nem o Adam, nem sua mãe, ninguém nunca vai saber o que aconteceu, pra onde Maryn foi ele sorriu ao pensar nisso. Um instante depois soltou seu braço, mas não sem antes abaixar até o antebraço e beijar delicadamente os vergões que deixara lá. Quando ela ouviu o carro dele saindo da garagem, já tinha começado a planejar sua fuga. Ela trancou a porta da frente e correu para o quarto. Quando retirou o dinheiro das botas de inverno no fundo do closet, ficou chocada ao descobrir que tinha juntado quase seis mil dólares. O dinheiro inicial fora os dois mil e setecentos dólares que ganhara na viagem de abril para Atlantic City, jogando vinte-e-um. Contara a Don que gastara tudo em roupas e sapatos. Era fácil mentir para ele, e não dava a sensação de ser algo errado. O resto do dinheiro foi adicionado aos poucos: uma nota de vinte retirada do maço que Don jogava na penteadeira à noite, uma de cem poupada do dinheiro que ela dissera que precisava para uma jaqueta nova, quinhentos dólares que sobraram de quando ela trocara o ridiculamente caro (e feio) relógio, com o qual ele a presenteara no aniversário, por um modelo mais apropriado. Maryn não sabia explicar por que juntava aquelas notas. Era mesmo para a bolsa Hermès Kelly que estava namorando? Ou era por causa da vaga memória do conselho cínico que sua mãe proferia com um cigarro pendurado nos lábios desbotados: Uma mulher sempre precisa ter seu dinheiro próprio. Sempre. Dinheiro para escapar.

20 20 Graças a Deus sua mãe lhe dera esse bom conselho. Não demorou em fazer a mala. Uns vinte minutos? Mudou de blusa, colocando uma de seda com mangas longas para esconder as manchas no braço. Então lá estava ela, de volta à estrada. Novamente. Por quanto tempo dirigia? Seus olhos queimavam de exaustão, seus braços e ombros doíam. Ela devia parar logo. Parar para dormir. Para comer. Apesar de seu estômago revirar só de pensar em comida. Cruzou a fronteira da Virgínia, viu que estava na Carolina do Norte agora. O sol nascia. Colocou os óculos Dior e apertou os olhos para ver um outdoor anunciando um local chamado O Bucaneiro, uma pousada em Nags Head. Nags Head. Seus pais a levaram para Nags Head no verão seguinte à transferência de seu pai para Fort Bragg, em Fayetteville, Carolina do Norte. Ela tinha quantos anos? Doze? Ficaram em uma pousada minúscula, de frente para a praia, e seu pai a levara para pescar no píer, só os dois. A pousada tinha piscina e um pequeno restaurante, onde comiam todas as noites, uma festa. Certa noite jogaram minigolfe; em outro dia, andaram no bate-bate do parque de diversões. Esse fora o último verão feliz? O divórcio veio um ano depois. Bem quando estava se acostumando à nova escola. Não que tivesse feito algum amigo. Era uma criança pateta, desajeitada, com cabelo cor de burro quando foge e uma cabeça muito grande para o corpo. Maryn ficou chocada quando se tornou a primeira menina da sexta série a precisar de sutiã. Sua mãe, claro, celebrou o fato comprando o modelo mais apertado que encontrou. Tudo que é bonito é pra se mostrar dissera a mãe. Para evitar brigas, Maryn usou o sutiã, mas, no minuto em que colocava os pés para fora de casa, vestia por cima uma camiseta extralarga. Naquele Maio, estava começando a desvendar o código social da nova escola quando a mãe a enfiou no luxuoso carro azul-claro e anunciou que iriam visitar a tia Patsy em Nova Jersey.

21 21 Se você acha que eu vou ficar nessa merreca de cidade onde Judas perdeu as botas enquanto seu pai desfila por aí com aquela biscate, você vai ver só dissera a mãe, colocando a marcha à ré e trombando com a caixa de correio na saída. Ela nem parou para olhar seu para-choque amassado. Visitar? Que tal se mudar para a casa da irmã mais velha de sua mãe, tia Patsy, cabeleireira de meio período e alcoólatra durante todo o expediente? No outono, Maryn saiu da puberdade, cinco centímetros mais velha, sutiã quarenta e dois, jeans justos desbotados e penteado loiro glamoroso, cortesia da tia. Além disso, também no outono, a mãe de Maryn tinha se juntado à tia Patsy no salão e na loja de bebidas. As primeiras semanas de sétima série foram triunfantes. Uma menininha morena chamada Brooke sentou-se na frente dela e teve pena da garota nova, convidando-a para se juntar à mesa da turminha legal durante o recreio. Ela era convidada para dormir na casa delas e andar de patins e passava horas no telefone com Brooke todas as noites, discutindo o quem-gosta-de-quem. Sua mãe e a tia se deleitavam com a nova popularidade de Maryn. Em outubro, foi convidada para a primeira festa mista, de Halloween. O convite provocou em sua mãe e sua tia um frenesi de compras e costuras. Na noite marcada, Maryn desceu até o porão da Heather Palumbo fantasiada com uma peruca preta gigante e um vestido preto fluido, de mangas longas e decote profundo. Seu rosto estava branco de pancake, os olhos com lápis preto e rímel, lábios vermelho-sangue combinando com suas longas unhas postiças. Após todos esses anos, Maryn ainda se lembrava do impacto que sua entrada causou na festa. Brooke, Heather e Colleen, vestidas de anos cinquenta, com saias rodadas, meias brancas, suéteres bordados com letras, formaram um círculo ao redor dela, encarando-a como se tivesse descido de uma espaçonave. Você tá vestida do quê? inquirira Colleen, com as mãos na cintura. Ué respondera Maryn, surpresa. De Elvira. A Rainha das Trevas. Aquela da TV.

22 22 Você tá parecendo dissera Heather, com desdém uma prostituta. As bochechas de Maryn queimaram de vergonha. Subiu correndo para tentar ligar para sua mãe e pedir que ela a buscasse mais cedo, mas a mãe e Patsy tinham a deixado lá e ido direto para o Harlow s, o bar preferido das duas. Quando Maryn voltou ao porão, ela percebeu que as meninas tinham se virado contra ela. Os meninos, no entanto, eram outra história. Juntaram-se a sua volta, rindo e falando alto, oferecendo Coca-Cola e convidando-a para dançar. No que pareceu um piscar de olhos, ela tinha se transformado tanto na bela do baile quanto na piranha da escola de acordo com o ponto de vista de gênero. Se Brooke e Colleen pararam de telefonar, Alex, Nathan e Jordan (da oitava série) tomaram seus lugares. No começo, Maryn ficou arrasada com a perda da amizade de Brooke. Mas sua mãe e a tia se deliciaram com seu novo status de femme fatale. Você não precisa daquelas biscatinhas tontas dissera tia Patsy. Todas estão com ciúme porque você é mais bonita e os meninos gostam mais de você. Conforme semanas e meses passavam, e ficava claro que ela tinha um surpreendente poder sobre o sexo oposto, Maryn decidira que gostava dos meninos. Não que ela não sentisse falta de uma melhor amiga. Quando a tia perdeu o emprego no salão, no começo do colegial de Maryn, obrigando-as a mudar para uma casa de aluguel menor, em outro distrito escolar, Maryn tomou uma decisão consciente de se reinventar. Antes de a escola começar, Maryn passeava no shopping, estudando o que as outras meninas usavam. Comprou Levi s de botão e camisetas da Gap em tons pastéis. Parou de oxigenar o cabelo e diminuiu a maquiagem. E para quê? Apesar de seus melhores esforços, Maryn ficou de fora de todos os círculos sociais na nova escola. Então, quando Wesley Bates, o bonito, mas burro, atleta, sua dupla na aula de laboratório de química, a convidou pelo terceiro sábado seguido para sair, Maryn

23 23 finalmente aceitou, apesar de ter ouvido uma fofoca de que Wesley teoricamente namorava uma menina chamada Janelle Rivenbark. Um encontro. Ela tinha saído com Wes por apenas um encontro, mas, para Janelle Rivenbark e seu covil, aquilo era mais do que o suficiente para selar sua sorte. Na segunda-feira, ela encontrou bilhetes ameaçadores em seu escaninho. Todas as noites, trotes no telefone. Sacos com cocô de cachorro em chamas eram deixados na sua porta, o carro de sua mãe levava ovadas, o jardim de sua tia era semanalmente enfeitado de papel higiênico. Danem-se dizia sua mãe. Finalmente, Maryn chegou à mesma conclusão. Daquele dia em diante, faria suas próprias regras. Nunca ficou sem ao menos um namorado e não tinha vergonha de roubar o das outras meninas, especialmente se a namorada era amiga de Janelle Rivenbark. E durante todo esse tempo, a mãe e tia Patsy a incentivavam, vivendo indiretamente suas conquistas românticas. Não importava quão tarde ela chegasse à sexta ou no sábado, sua mãe estava acordada, ansiosa para ouvir sobre os acontecimentos da noite. Agora, pensar sobre sua mãe fazia Maryn se encolher. Quando foi a última vez que conversaram três, quatro meses atrás? As pálpebras de Maryn penderam, depois piscaram rapidamente. Ela tinha que sair da estrada. Apertou o botão para abrir a janela, deixar o ar fresco entrar. Nags Head, decidiu. Pararia em Nags Head. Era longe o suficiente de Nova Jersey. Longe o suficiente dele.

24 24 Ty Bazemore foi para os fundos da casa e forçou a maçaneta. Ótimo. Fechada. Vai saber, não havia nada de realmente valioso na casa, mas era bom se certificar dessas coisas. Abriu a fechadura e entrou na cozinha. Jesus! murmurou, olhando em volta. O lugar estava um desastre. Panelas e potes sujos jogados na pia cheia de água cinza viscosa. Todas as louças da casa pareciam estar empilhadas na bancada. A lata de lixo transbordando de latinhas e garrafas de vinho vazias. E havia um cheiro inconfundível de peixe. Ele deu uma olhada numa cumbuca deixada no fogão. Pois é. Estava cheia de cascas de camarão, que deviam estar lá há um ou dois dias. Pegou o pote para jogar seu conteúdo fora e só então percebeu o barulho grudento que seus chinelos faziam contra o chão de linóleo. Olhou para baixo e levantou um pouco o calcanhar direito. O chinelo permaneceu grudado no chão. Universitários filhos da puta disse em voz alta. Ele devia ter sido mais esperto. O endereço de para reserva tinha sido Os anúncios nas listas deixavam claro que o aluguel era restrito a adultos. Mas Cooter e companhia pagaram adiantado por uma semana, e o cartão de crédito passou

25 25 tranquilamente. Teve um mau pressentimento desde o começo, mas, veja bem, três mil e quatrocentos dólares não é algo de se ignorar hoje em dia. Então, quando a caravana de carros parou em frente a casa primeiro um jipe detonado, depois duas picapes e por último um Fusca verde-limão trazendo quatro garotas semi bêbadas, ele decidiu ignorá-los. Porém, observou, com o coração na mão, os dezesseis universitários se enfiarem na casa. E isso foi só a primeira noite. O anúncio dizia, especificamente, que na casa poderiam dormir no máximo dez pessoas o que nem era totalmente verdade, já que duas dessas teriam que se contentar com o sofá com marcas de bunda da sala, móvel que ele achou na rua, em março. Suspirando, Ty foi para os fundos e arrastou a enorme lixeira com rodinhas. Pegou seu balde e esfregão de faxineiro e o carrinho de supermercado estragado, que outros universitários babacas tinham deixado na porta dos fundos no começo do verão, e agora continha produtos de limpeza. Não foi a primeira vez que Ty parou para pensar na ironia da sua situação. Talvez seu velho estivesse certo. Talvez, se tivesse permanecido na faculdade de Direito, estaria todo bonitão num escritório de advogados metidos de Manhattan. Talvez ainda estivesse com a Kendra também. Sei lá, provavelmente não. Mas talvez ele tivesse um fundo de poupança gordo, talvez dirigisse um Jaguar, curtindo as férias em Cabo, ou pelo menos em Key West. Talvez ele não devesse ter enterrado cada centavo e se endividado tentando salvar Ebbtide. Te falei pra não comprar aquele barraco. Talvez, se tivesse ouvido seu velho, ele não estaria vivendo nesse quartinho de garagem, encarando a tela de computador a noite inteira até ficar com os olhos vidrados e com morte cerebral. Talvez não lavasse privadas no expediente diurno e se preocupasse que o próximo telefonema ou significaria o fim de tudo.

26 26 O relógio não parava. Ele tinha menos de seis semanas para salvar Ebbtide. Ou então, em quinze de setembro, a casa seria leiloada nas escadarias da corte do Condado de Dare. Ficaria sem nada, desempregado, sem-teto. E seu velho estaria lá, balançando a cabeça. Kendra, sua ex, e Ryan, o novo marido dela, também conhecido como Cara de Cu, estariam ao lado do seu velho, exalando falsa simpatia. Eles poderiam não dizer, mas todos estariam pensando: Te avisei. Ty olhou através da janela da cozinha. Se colocasse o corpo para fora, conseguiria ver as ondas rolando na praia. Estavam grandonas aquela manhã. Seu estômago roncou alto. Se conseguisse limpar aquele chiqueiro em, digamos, três horas, teria tempo para ir ao Abigail s antes que o especial de almoço de sábado tacos de peixe acabasse. Ele puxou o carrinho de supermercado para a sala de estar/jantar na frente da casa, e seus olhos se arregalaram ao ver o grau de destruição que os inquilinos provocaram. Poltronas, mesas e abajures de ponta-cabeça. O desgastado chão de madeira estava coberto por um grosso carpete de areia da praia, e as almofadas do sofá estavam alinhadas em frente à lareira, onde um trio de cabides de ferro desentortados sugeria um churrasco improvisado. Sem problemas, exceto pelo fato de que o abafador da lareira não tinha sido aberto. Marcas de fuligem feitas por dedos engordurados manchavam a moldura branca da lareira, repintada por Ty em junho. O enorme mapa náutico emoldurado da Angra de Currituck, de seu avô, que ficava pendurado sobre a tal moldura, estava torto e com o vidro quebrado. Tufos de enchimento vazavam de uma das almofadas, que tinha um buraco queimado do tamanho de uma bola de beisebol. O cheiro inconfundível de cerveja rançosa e maconha barata continuava no ar. Jesus ele repetiu. Arrancou o celular do bolso de sua bermuda de surfe e rolou até o último do amigão Cooter. Ele digitou rapidamente, as pontas do dedo voando sobre o minúsculo teclado.

27 27 E aí, Cooter?, ele escreveu. Pode esquecer seu caução de quinhentos dólares. Babaca. Sinceramente, Sr. Culpepper, administrador, Ebbtide.com. Quando recebeu o aviso de que a mensagem fora enviada, olhou para a caixa de entrada e suspirou. Outro de outro Pé No Saco. Os PNS eram a razão pela qual ele sempre se comunicava com os inquilinos por e nunca divulgava seu número de telefone. Até onde eles sabiam, o Sr. Culpepper era um maldito velho malhumorado que residia em algum lugar da internet. Eles não precisavam saber que o dono da casa era o mesmo cara que vivia sobre a garagem, a uma batida na porta de distância caso a privada não funcionasse ou você não entendesse o funcionamento do controle remoto. Esse PNS em particular era Ellis Sullivan. Ele estava há semanas enchendo a paciência de Ty com perguntas sobre mínimos detalhes. Pelo teor das perguntas se deveria levar roupa de cama, se havia cadeiras de praia, bicicleta, um grill, Ty teve certeza de que Ellis era gay. Héteros, como o velho Cooter, só queriam saber onde ficava a loja de bebidas mais próxima. Ellis Sullivan e seus amigos iriam chegar mais tarde. Para Ty, quanto mais tarde melhor. Só Deus sabe quanto demoraria em limpar a cozinha e a sala. Seus ombros caíram quando lembrou que ainda não tinha olhado o andar de cima. Dirigiu-se para a escada quando ouviu um leve gorgolejar. Vinha do banheiro embaixo da escada. Engraçado, a porta estava fechada e emperrada. Posicionou uma perna contra o caixilho e forçou. A porta abriu com tudo, e uma torrente de água fedida escoou para o corredor. Merda disse Ty. Literalmente. Ellis demorou-se no café da manhã. Checou seu seguidamente, mas não recebeu nada a não ser ofertas de lojas e mais

28 28 mensagens dos antigos colegas de banco, os quais também tiveram desagradáveis sessões de desligamento com a Stonehenge. Nos dias seguintes ao seu corte (como ela passou a nomear o assunto), Ellis ficou obcecada com a injustiça de sua situação. Ela passou horas, dias, na verdade, comiserando com os ex-colegas. Ela entrou no grupo do Facebook Chutada pelo BancAtlantic e até compareceu a um encontro em um bar no subúrbio, onde todo mundo encheu a cara e choramingou a calamidade. Chega disso, Ellis decidira. Ela foi uma poupadora toda a vida. Seu pai a deixara uma pequena herança, então sua casa estava paga. Seu carro também, e, sabiamente, anos antes, havia decidido não investir seus fundos de pensão nas ações do próprio banco. Não chegava nem perto de ser rica, mas tinha um pé de meia e se recusaria a entrar em pânico. Ou pelo menos era o que dizia para si mesma. Então, rolou a lista de mensagens na caixa de entrada, esperando em vão pela resposta do Sr. Culpepper. Ao não encontrar nada, pegou o folheto do anúncio de Ebbtide. Estranhamente, a única informação que faltava era um número de contato. Franziu as sobrancelhas e digitou outro , lembrando ao Sr. Culpepper do seu pedido para chegar antes, e sugerindo que ele ligasse no número de celular que informava, para avisar quando a casa estaria pronta. Enfim, não havia mais nada que fazer a não ser matar o tempo no outlet. Mas, primeiro, daria uma volta em frente a casa, para ver se os inquilinos anteriores já tinham saído. Ela dirigiu pela Virginia Dare Trail, reduzindo ao passar pela casa, mas havia carros na sua traseira, então ela parou em frente à entrada da Ebbtide. Droga! A caminhonete não saíra da garagem. Mas o isopor quebrado e as garrafas de cerveja tinham sido recolhidos, e agora uma lixeira gigante transbordando entulho estava estacionada sobre a grama ao lado da caixa de correio. Ela esticou o pescoço para tentar ver alguma movimentação na casa. Olhou a caixa de entrada mais uma vez. Nada. Relutantemente, decidiu seguir para o outlet.

29 29 A uma, Ty encheu a secadora com a última remessa de toalhas encharcadas. Ao se levantar, olhou pela janela da lavanderia, no térreo, bem no instante em que o mesmo carro prata vagarosamente passava em frente. Era a terceira vez na última hora. O que estava acontecendo? Não podia ser um dos babacas do banco, certo? Era sábado, pelo amor de Deus. Não que ele tivesse tempo para se preocupar. Por mais horrível que o térreo estivesse, o andar de cima estava pior. Bem pior. Estava era um show de horrores, isso sim. No banheiro, pilhas de toalhas molhadas e mofadas, e alguém tinha vomitado no box. Ele encontrou o que parecia ser cocô de cachorro no armário de um dos quartos da frente. Como conseguiram esconder um cachorro dele? E pelo jeito, devia ser um dogue alemão. Os dois colchões da cama dupla tinham sido arrastados para a sacada embutida e empilhados no chão, onde a chuva da noite anterior providenciou uma boa ensopada. Havia lixo jogado por toda parte, e as persianas de madeira de dois dos quartos pareciam ter sido atacadas com um taco de beisebol. Ty nunca tinha trabalhado tanto, que nem um louco. Teve que substituir os colchões destruídos pela cama de viúva que desencavou do sótão. As persianas deram perda total, então improvisou com cortinas de florzinha desbotadas que encontrou numa prateleira atrás do armário que mantinha trancado no térreo. Ele cavou e esfregou e raspou e arrastou até suas costas e pernas doerem, e suas mãos ficarem em carne viva por causa de toda aquela água sanitária e do desinfetante. Faltavam minutos para o horário do check-in. Ele sabia sem nem olhar o relógio, pois já tinha recebido mais três s do maldito Ellis Sullivan querendo saber por que ele não tinha acesso a casa, tipo, agora. Nem se deu ao trabalho de responder. Estava muito ocupado controlando o desastre.

30 E agora ouvia o toque de uma buzina de carro na entrada. Não bem uma buzinada, na verdade, só um toquinho. Ele correu até a janela e olhou. Jesus! O carro prateado estava parado na garagem, bloqueando sua saída. E alguém estava andando em direção à porta. Não. Não era possível. Mas era. Ah, sim. Definitivamente era a garota de cabelo castanho que pegou ele mijando para fora do deque naquela manhã. Ty Bazemore estava tendo um dia cheio, pode crer. 30

31 31 Na sua terceira passagem em frente à Ebbtide, Ellis decidiu que era hora de partir para a ação. Já tinha perdido metade de um dia. Além do mais, já tinham passado cinco minutos das duas, então aquele pessoal estava, oficialmente, invadindo seu horário. Parou na garagem e fuzilou a caminhonete com o olhar, pois ela ainda estava parada lá. Deu dois toques educados na buzina. Mas eles não fizeram que ninguém saísse correndo da Ebbtide. Checou novamente seu celular, mas não havia resposta do Sr. Culpepper. Ela desligou o carro e andou rapidamente em direção a casa e subiu a escada da frente. Hesitou um momento antes de pisar na varanda sua mãe não a educara para ser o tipo de pessoa que vai entrando na casa de alguém sem ser convidada. Nem quinze anos morando no norte mudariam isso. Olá? chamou suavemente. Silêncio. Deu uma boa olhada em volta. A varanda era larga, e apesar de a ripa ser um marrom acinzentado sem pintura, o remate era pintado de branco. A cerca tinha bancos embutidos, que pendiam para fora, e um varal com prendedores de madeira descorada estava enlaçado entre os postes, logo abaixo das vigas. Havia quatro cadeiras de balanço viradas, duas de cada lado da porta da frente. Um balde de lata galvanizada meio cheio de água postava-se bem ao lado dos degraus. PROPRIEDADE DE EBBTIDE era o que fora pintado nele em letras azul brilhante. Ela

32 32 pisou nas tábuas cinza desgastadas da varanda com força, por querer uma espécie de aviso prévio de que ela chegara. As dobradiças da enferrujada porta de tela gemeram alto quando ela puxou para abrir. Não havia campainha, então ela bateu de leve na porta cor de lavanda. E depois com força, e esmurrou, e bateu um pouco mais. Andou até a janela e, juntando as mãos ao redor dos olhos, espiou dentro da sala escura. O lugar parecia arrumado o suficiente, mas não havia sinal de vida. Nesse instante, seu celular tocou baixo, indicando que ela recebera um . Pegou-o do bolso da calça capri e entrou na caixa de mensagens. Para: De: Assunto: Check-in Desculpe, é nossa regra não permitir check-in adiantado. Depois das catorze horas, encontrará a chave da porta da frente em um envelope embaixo do tapete da entrada. Saiba que há uma taxa de vinte e cinco dólares em caso de perda dessa. Aproveite a estadia. Idiota murmurou Ellis. Encontrou a chave, abriu a porta e entrou. Levou um momento para que seus olhos se ajustassem à escuridão da sala. Encontrou um interruptor perto da porta e o apertou. Um ventilador de teto entrou em movimento. Humm disse, olhando em volta. Nada mal. Estava em uma área grande, sala de estar e jantar. As paredes eram de pinheiro envernizado, escurecido pelo tempo. O chão de madeira ainda estava úmido de uma limpeza recente, e o familiar cheiro de cera líquida pairava no ar. Ellis sorriu. A avó de Ellis sempre passava pano em seu chão de madeira com esse produto. Achou que era um bom sinal.

33 33 O lugar não era chique, mas, enfim, ela já tinha visto as fotos do site. Havia um tapete oval de retalhos desbotados no chão da sala, um sofá grande encaroçado, e duas poltronas dos anos oitenta de frente a uma lareira preta de fuligem. As paredes estavam pontilhadas por arte considerada apropriada para a praia: gravuras de faróis, barcos de pescas, peixes tropicais e palmeiras ao vento. Um mapa náutico em uma bela moldura pendurado sobre a lareira, mas seu vidro tinha uma rachadura enorme. Ellis inclinou-se e examinou-o com interesse. Ela adorou o nome dos rios e das angras. Pasquotank, Croatan, Ocracoke, Currituck, e o favorito: Mattamuskeet. Afinal, ela amava qualquer coisa com nomes e número e lugares: mapas, gráficos, tabelas. Quando criança, trocou uma cara boneca vestida de Princesa Diana, enviada por sua madrinha de Atlanta pelo globo-abajur de seu irmão mais velho, Baylor. Ele, por sua vez, deu a boneca para sua namoradinha da quarta série. Relutantemente, Ellis deu as costas para o mapa. Ela tinha um carro para descarregar e uma casa para montar. Na sala de jantar, havia uma comprida mesa de pinho lustrada, rodeada por oito diferentes cadeiras de madeira pintadas de branco. Centralizado sobre uma toalhinha plástica de bandeja no meio da mesa, um arranjo horripilante de flores artificiais dentro de um vaso de cerâmica com formato de peixe. Parecia que a vovó de alguém tinha acabado de se levantar para ir buscar outra xícara de chá. Uma cozinha minúscula se abria a partir da sala de jantar. Estava limpa, sim, mas com certeza já tinha visto dias melhores. Ali, as tábuas da parede tinham sido cobertas por verniz branco. Os armários pintados de tinta branca, com puxadores verdes transparentes, e os balcões de linóleo amarelo e remate de alumínio. Em vez de armários, no alto, havia prateleiras com remate de concha, pregadas na parede dos dois lados da janela, pela qual se avistavam as dunas. Uma pequena pilha de pratos lascados, duas vasilhas e alguns copos de plástico para viagem da loja de conveniência estavam alinhados nas prateleiras. No meio do cômodo, uma grande mesa de madeira esmaltada de azul, descascando. O chão de azulejos de linóleo xadrez, amarelo e preto, rachados e desbotados. Havia um fogão

34 34 elétrico de quatro bocas, com curiosos botões de apertar e uma geladeira branca começando a enferrujar nos cantos das portas. Ellis abriu a geladeira vazia, exceto por uma caixa de fermento em pó e depois olhou o freezer, que continha duas miseráveis bandejas de alumínio de gelo, mas nada de maquininha automática. Deu-se parabéns por ter comprado um saco de gelo de dois quilos para manter suas compras frescas até a hora do check-in. Ela percebeu, para sua tristeza, que não havia máquina de lavar louças. Como ela tinha deixado isso passar durante todas as horas em que ficou analisando as fotos e a descrição da casa? Deixa pra lá, disse para si mesma. Era apenas um mês, e, afinal, quatro mulheres sem contar o marido de Dorie, Stephen dividindo a casa. Todo mundo faria sua parte para tudo dar certo. Será o acampamento das escoteiras, Ellis disse a si mesma. Mas com arcondicionado e encanamento. Finalmente, agosto tinha chegado. O mês para o qual todas estavam se planejando tinha se tornado realidade. Ellis mal podia esperar para que a diversão começasse. Ao deixar a cozinha, deu um pulinho de alegria. Ty envergou a garrafa de cerveja nos lábios e bebeu até o último gole da gelada. Foi até o canto da varanda para checar a andança do novo inquilino. Opa! O carro prateado estacionado bem em frente, e enquanto ele observava, uma mulher de calça rosa e camiseta branca justa correu em direção a casa, com os braços cheios de sacolas de supermercado. Seu cabelo escuro balançava com a brisa atrás dela. Não. Não era possível. Ou era? Ellis, cara ele sussurrou. Você não é gay. Você é uma garota.

35 35 Na verdade, ela era a garota. A daquela manhã. Ele só a tinha visto de relance, mas agora, enquanto se inclinava ao lado do seu apartamento, observando-a carregar infinitas malas, caixas e sacolas para dentro da casa, suas sandálias batendo enlouquecidas, ele gostou do que viu. Sua silhueta era do tipo que a mãe dele teria chamado de robusta, com um bumbum redondo e empinado, que provavelmente não era considerado elegante, mas o qual Ty achava fascinante. O cabelo estava preso com um tipo de elástico, e seu rosto oval estava rosa do sol escaldante da tarde. Intrigante. Mas não, disse a si mesmo com força. Essa tal de Ellis pode ter um bumbum bonitinho, mas já tinha se mostrado uma chata de galocha, uma distração que decididamente não precisava no momento. Seu celular soou. Alerta vermelho. Hodarthe, uma empresa farmacêutica de Topeka, anunciava que o Ministério da Saúde tinha aprovado um promissor novo remédio destruidor de colesterol. Talvez fosse o momento de se livrar de algumas de suas ações da Pfizer. Ou talvez fosse tarde demais. Precisava fazer uma pesquisa rápida. Ellis Sullivan estava abaixada dentro do porta-malas do carro, sua cabeça fora de vista. Ele se permitiu uma última, longa, olhada e voltou-se para o trabalho. Ellis acabara de esvaziar a primeira sacola de compras quando calhou de olhar para o balcão onde tinha depositado os rolos de papel toalha, de papel higiênico e o café. Formigas! Um pequeno exército, daquelas pequenas que sua avó chamava de formiga de açúcar, formava uma fina linha preta ligando o peitoril da janela à parte de trás da pia. Credo! Ela pegou um guardanapo de papel, molhou-o e começou a limpar o balcão freneticamente. Abriu com tudo a porta do armário embaixo da pia, procurando por um inseticida, mas achou

36 36 apenas uma esponja úmida e uma garrafa de plástico de desentupidor de pia. Ellis correu até a lavanderia, e depois ao armário de roupas de cama, abrindo e fechando portas, mas sem sinal de spray. Arrepiou-se. Odiara insetos toda a vida, e apesar de amar Savannah e o sul, desde que se mudara para a Filadélfia, nem uma vez sentira falta dos insetos. Ela lutou contra o impulso de correr para o carro e dirigir para a primeira loja onde pudesse comprar um arsenal de inseticida ou o que fosse. São apenas inofensivas formigas de açúcar, afirmou a si mesma. Mas se fossem baratas, ela com certeza já teria dado o fora. Forçou-se a voltar para a cozinha. Embebeu um guardanapo com desentupidor de pia e espalhou-o no peitoril da janela. Isso deve causar um prejuízo nas filhinhas da mãe, pensou, maldosa. Pelo menos até conseguir um spray de verdade. Guardou o resto das compras, alinhando as latinhas de Coca Zero, o vinho branco, leite desnatado, semidesnatado e garrafas de água na geladeira. Achou um armário vazio e decidiu que seria o bar. Vodca, gim, rum, uísque escocês, e, ah, claro, uísque americano para Julia, que virou uma fã ferrenha de Jack Daniel s na tenra idade de catorze anos, quando começou a roubar do armário de bebidas de seu pai, preenchendo a garrafa com água. Ellis comprara outros ingredientes também: água tônica, soda, suco de toranja e suco de cranberry, para Dorie, que gostava de misturar com vodca. Engraçado, não se lembrava do que Willa, a irmã de Dorie, gostava de beber. Willa era um ano e meio mais velha do que elas, então tinha sido a fonte de bebidas quando eram adolescentes, já que seu namorado, Ricky, já podia comprar. Claro, Willa sempre cobrava cinco pratas extras, o que Ellis achava bem irritante da parte dela. Enfim, assim era a Willa. Mesmo naquele tempo, ela sempre já tinha um interesse ou um plano e assim era Willa, o tempo todo. Finalmente, Ellis conseguiu deixar a cozinha do jeito que queria. Tinha uma paisagem marítima medonha pendurada na parede atrás do forno. Ela a retirou e colocou em cima da geladeira, trocando-a pela lousa branca que comprara na papelaria. Ela passou felizes quarenta e cinco minutos montando a divisão de tarefas, os dias da semana e os

37 37 nomes de todo mundo com códigos de cores. Era verdadeiramente uma obra de arte. Deu um passo para trás e admirou seu esforço. Agora, pensou, é hora de subir e organizar os quartos. O quarto era pintado de branco, com tábuas cinza-chumbo no chão. Era largo e quadrado, e duas grandes janelas mostravam a gloriosa vista de um céu de verão incrivelmente azul. Mas estava quase vazio. Uma pequena e solitária cama de viúva enfiada num canto, coberta com um cobertor molenga, nas cores rosa e azul desbotada, com estampa floral acolchoada. Um par de travesseiros finíssimos dispostos na cabeceira da cama, e um cobertor verde-oliva vagabundo dobrado nos pés. Não havia criado-mudo, abajures ou espelho, nem cadeiras ou mesmo um armário para as malas. Uma capenga cômoda de pinho com três gavetas ficava encostada contra a parede oposta à cama. Havia um minúsculo guarda-roupa sem cabides, nem mesmo aqueles de ferro. Uma pequena janela ao lado da cômoda segurava um ar-condicionado enferrujado. Ar-condicionado de janela! gritou Ellis. O cômodo estava quente e abafado. Ela foi até o corredor e abriu as portas dos outros quartos. Estavam tão miseravelmente mobiliados quanto, e, sim, cada um tinha um insignificante ar-condicionadozinho enfiado numa janela. Ela ligou o ar-condicionado de cada cômodo. Faziam barulho e chacoalhavam as janelas, mas, dentro de alguns minutos, ela sentiu a temperatura cair, e sua própria pressão sanguínea fervente se resfriar. Espere só ela se encontrar com o Sr. Culpepper! Nada no andar de cima estava como descrito no site da Ebbtide. Seu quarto devia ter uma cama tamanho queen não aquela porcaria de caminha de viúva. O quarto da Julia, pintado de azul-bebê, devia ter uma cama de viúva, mas lá havia apenas uma bi cama estreita. E o quarto da Willa, de um amarelo vivo, tinha ainda outra cama de viúva. Ellis estremeceu, antecipando a reação de Willa àquilo. Willa relutantemente concordou em pagar duzentas pilas a mais se as meninas a deixassem ficar com o quarto que tinha a cama king-size, já que ela e o marido estavam acostumados a dormir em uma dessas em

38 38 casa. Arthur não viria, claro, mas Willa insistiu que ela não era capaz de dormir em nada menor que uma king. Depois de ter ligado todos os ares-condicionados, Ellis arrastouse pela estreita escada para o segundo andar. Os degraus eram íngremes, e as paredes, tão próximas que ela não entendia como alguém poderia subir com uma mala grande. Ela descobriu que lá em cima era ainda mais quente. Ela foi parar em um pequeno patamar. Diferentemente do primeiro andar, as paredes ali tinham tábuas sem pintura. Cheiravam vagamente a pinho. Havia três portas. Ela abriu a primeira e encontrou o minúsculo banheiro, com banheira à moda antiga e um vaso sanitário engraçado com o encosto alto. Dorie não era do tipo reclamão (essa era a especialidade de sua irmã Willa), mas nem mesmo a doce Dorie ficaria contente sem um chuveiro. Ellis deu um puxão na porta de frente à parede. A porta estava inchada do calor e da umidade, mas Ellis deu um jeito de fazer uma força e abrir, apenas para encontrar um sótão sem revestimento. O cômodo de teto alto estava sufocante e cheio de caixas de papelão empoeiradas, baús e pedaços de móveis cobertos de poeira. Talvez, Ellis pensou vagamente, ela pudesse achar mesas de canto ou cadeiras sobrando e transformar os quartos em lugares mais habitáveis. Depois. Ela abriu a terceira porta e encontrou o quarto. Enfiado sob os beirais da casa, tinha um teto baixo e inclinado, mas também uma janela na água-furtada do comprimento do cômodo, oposta à cama. Ellis pôde ver a vista incrível do oceano abaixo. Ondas rolavam, e crianças pulavam para dentro e para fora da água. Ela empurrou a janela e a brisa entrou, trazendo o cheiro de água salgada com ela. Havia outra janela, bem no alto da parede acima da cama, e se Ellis ficasse na ponta dos dedos, conseguia enxergar a rua. O quarto estava esparsamente mobiliado como os outros, a cama era de viúva, com um pobre e fino colchão. Não havia ventilador de teto como nos outros, mas tinha um par de criados-mudos, ambos com um minúsculo abajur de vidro leitoso. Em vez de um armário embutido,

39 39 um armarinho avulso. E o ar-condicionado estava enfiado em um buraco aberto na parede ao lado da cama, o que significava que quem dormisse naquele lado o ouviria em funcionamento a noite toda. O triste era: aquele deveria ser o melhor quarto da casa. Ellis estava feliz por Dorie e Stephen ficarem com ele. Não especialmente feliz pelo Stephen. Afinal, elas tinham combinado, lá em abril, no funeral da mãe de Julia, que esta seria uma viagem estritamente feminina. Mas Dorie e Stephen estavam casados há apenas um ano. Como ambos eram professores, agosto era o último mês que eles tinham para as férias. Ninguém, nem mesmo a Julia, tinha coragem de dizer não à Dorie. Enfim, Stephen era bem legal. Gostava de cozinhar, era quieto, e, Dorie prometera, ele provavelmente passaria a maior parte do tempo na praia lendo. Então, elas cederam e concordaram, só dessa vez, que Stephen poderia se juntar às garotas. Pelo menos, pensou Ellis, Stephen não ficará cafungando em nossos pescoços lá embaixo. Não precisariam se preocupar em esbarrar com ele sem roupa, ou ter que ficar abaixando o assento do banheiro no primeiro andar. Mas ela ainda, definitivamente, iria encher a paciência do Sr. Culpeper! Era muito tarde para desistir da casa, ele já tinha metade do aluguel, mas ela já calculava o quanto de desconto pediria, considerando as porcarias de camas, os condicionadores de ar de janela e ah, sim, as formigas. Lá estava novamente, a perturbadora, insistente preocupação que não a deixava em paz. Dinheiro. Ela teria o suficiente? O que aconteceria no fim do mês? E quanto tempo demoraria a seu dinheiro acabar de vez?

40 40 Ellis ouviu o barulho dos cascalhos lá fora. Depois uma série de curtas e altas buzinadas. Ela ficou na ponta dos pés e olhou para fora pela janela acima da cama. Uma minivan vinho estacionara na entrada, e uma loira conhecida se inclinava para fora da janela do passageiro, gritando a plenos pulmões. Iuuuuhuuuu! Chegamos! Ellis desceu os dois lances de escadas, passou pela porta da frente e foi até a varanda voando, se jogando na direção da van. Meu Deus! gritou Ellis, caindo nos braços abertos de Julia. Vocês chegaram. Agosto chegou. Mal posso acreditar que estamos todas aqui. Ela se inclinou um pouco para trás e olhou Julia criticamente. E você está tão mais loira. Amei, mas quando decidiu virar platinada? Antes que Julia pudesse responder, Dorie saiu da minivan, e as três se abraçaram e gritaram e balbuciaram e pularam para cima e para baixo com tanto ímpeto que parecia a época de faculdade. Com licença disse Dorie, enfim. Mal posso esperar para ver a casa e colocar o papo em dia. Mas vocês têm que me dar licença. Tomei um chá gelado há uma hora e não estou conseguindo segurar!

41 41 Vai lá disse Ellis, rindo. Você sempre teve a bexiga solta. Julia e eu vamos começar a tirar as malas. Ela voltou para a minivan e procurou a maçaneta do porta-malas. Cadê as outras? perguntou à Julia. A Willa e o Stephen vão vir no carro deles? Dorie não comentou nada quando eu falei com ela anteontem. Julia levantou sua sobrancelha elegante. Tem muita coisa que Dorie não comentou. Para nenhuma de nós. Eles não vêm, querida. Como assim? perguntou Ellis, perplexa. O que aconteceu? A vagabunda deu o cano! Dorie disse que a Willa simplesmente ligou ontem à noite, pouco antes do horário marcado para buscá-la, e anunciou que não poderia ir. Desse jeito? Julia deu de ombros, e a alça da camiseta laranja escorregou de seu ombro bronzeado. Willa disse à Dorie que tinha acontecido alguma coisa com as crianças. Não é a cara dela? Se intromete na nossa viagem, e porque não queremos magoar a Dorie, aceitamos, planejamos para agradá-la, arcamos com os custos de uma casa maior com um quarto extra, e aí ela vai lá e cancela tudo. Quer saber o que eu acho? O quê? Acho que ela nunca teve a intenção de vir disse Julia. Ela só estava jogando seus velhos joguinhos de novo, provocando a Dorie, testando pra ver se a Dorie ia ceder e convidá-la. Willa nunca teve amigos de verdade. E como teria? A mulher é uma piranha desvairada. Mas e o Stephen? pressionou Ellis. Ele vem depois? Eu sei que a Dorie disse que ele tem trabalhado duro o verão todo, tentando acabar a dissertação de mestrado antes do fim das férias.

42 42 Julia pegou uma mala de couro surrada da parte de trás da van e colocou-a no chão. Stephen é outra incógnita. Quando ela me buscou no aeroporto de manhã, tudo que me disse foi algo do tipo: Stephen tá trabalhando duro no mestrado, tem que se reunir com o orientador, precisa de sossego absoluto, está desconsolado que não pode vir. Bláblá-blá. Você não acredita nela? Por que ela inventaria algo assim? A Dorie não mente. Não pra gente. Ouviram a porta de tela bater e Julia olhou para a casa. Psiu. Ela vem vindo. Não digo que ela está mentindo. Mas não tá contando tudo. Essa não é a nossa Dorie. Não é mesmo. A Julia contou a má notícia? perguntou Dorie, aproximando-se da van. Sei que vocês devem estar me odiando. O Stephen tá se sentindo péssimo por não vir. Ele estava tão ansioso para a praia. Mas ele tá louco de preocupação com a dissertação. E a Willa... a voz dela falhou. Annabeth, a filha mais nova dela, devia estar velejando com as amigas essa semana. Mas ela está com umas enxaquecas terríveis. E ela só tem seis anos. Eles arrumaram uns óculos pra ela, mas... A Willa é a Willa disse Julia, seca. Não precisa se desculpar por ela, Dorie. Ela sempre foi assim, a vida toda. As bochechas de Dorie enrubesceram. Sei que ela é um porre às vezes, gente. Ellis a abraçou. Todos temos momentos assim. A gente entende. Enfim, estou chateada por você ter que passar o mês todo sem o Stephen. Ele vai fazer falta. Julia, em pé atrás de Dorie, virou os olhos e sorriu com desdém. A última frase fora uma mentira descarada, e ambas sabiam. Tinham

43 43 trocado s nada simpáticos quando Dorie comentou sobre a possibilidade de Stephen ir com elas. Nada disso! escrevera Julia. É o nosso momento juntas. Lembra? Nada de moleques idiotas. De qualquer modo, se o Booker descobrir, ele logo vai querer vir. Aí vão ser casais. E esse mês não é para casais. Booker e Julia viviam juntos há anos, primeiro em Nova York, depois, nos últimos seis anos, em Londres. Booker era fotógrafo, e Julia, modelo. Ellis não entendia direito o relacionamento do casal. Às vezes, pelo jeito que Julia falava de Booker, era de se imaginar o que os mantinha juntos por todo esse tempo. Todos temos momentos assim. A gente entende. Enfim, estou chateada por você ter que passar o mês todo sem o Stephen. Ele vai fazer falta. Uma vez, quando era caloura na Universidade da Geórgia, começou a sair com um médico. Juro por Deus, um médico. Um ginecologista. Dá pra acreditar? Howard estava apaixonado por Dorie. Presenteara-lhe com brincos de diamante de dois quilates os quais ela não teve coragem de mostrar para a mãe, levara-lhe em uma viagem para Vegas, deixava que ela dirigisse seu carro até Savannah e de volta só para ela curtir o Dia de São Patrício com as amigas. O lance tinha durado quase um ano. E então Dorie, que, afinal, tinha apenas vinte e dois, ficou cansada de brincar de médico com um cara de trinta anos que queria que ela largasse as amigas e no tempo livre de fins de semana fosse com ele ao clube de campo. Só depois de anos ela teve coragem de admitir onde ela tinha realmente conhecido o Howard. Todo mundo tinha voltado para a casa dos Dunaway depois da despedida de solteira de Willa; tinham virado shots de tequila no Spanky s, lá na rua River. Faziam uma versão própria de verdade ou consequência. Claro, ninguém tinha uma história tão legal quanto a de Dorie.

44 44 Eu tinha ido até a clínica universitária, sabe, para começar a tomar pílula, já que a coisa entre Bo e eu estava ficando séria, e eu pensava que só as piranhas usavam camisinha, mas morria de medo de ficar grávida contou Dorie, rindo de nervoso. E, enfim, quem vocês acham que fez meu primeiro exame preventivo? Howard! E ele foi tão bonzinho, tão gentil, sabe? Depois, ele me chamou até sua sala, e conversou super sério sobre os perigos das DSTs e tudo mais. Quase morri de tanta vergonha! Depois ele me entregou a receita e um pacote com anticoncepcional, tipo, pra uns seis meses. E ele tinha anotado o número da casa dele na parte de trás da receita. Howard tinha sido um dos caras mais legais na mutante constelação de namorados de Dorie. Vários foram uns canalhas. Então, quando ela começou a falar do cara novo da escola ou seja, da Nossa Senhora dos Anjos, escola católica para meninas, na qual todas estudaram, e onde Dorie lecionava Inglês ninguém deu bola. Stephen era o técnico do time de futebol e lecionava História. Ele não era de Savannah, tinha crescido em Omaha. E era católico, então a mãe de Dorie aprovara. Ele e Dorie namoraram dois anos antes de ele finalmente convencê-la a se casar. A Dra. Dunaway mãe da Dorie (doutorada em Língua Inglesa e que insistia para que todo mundo a chamasse de Doutora em vez de Senhora ) ficou tão aliviada por Dorie finalmente estar sossegando o facho que até a ajudou a pagar a festa de casamento. Não consigo acreditar na pão-durice dessa mulher reclamou Julia na festa, em que a bebida alcoólica consistia em vinho servido na jarra e um barril de cerveja barata. Lembra como ela obrigava a Dorie e a Willa a usar a mesada pra comprar xampu e absorvente? Então Stephen era bacana, mas era um cara, e esta era para ser uma viagem das garotas. Ellis ficou feliz que ele desistira no último minuto. E sentiu culpa por ter ficado feliz. Vamos lá, meninas exclamou Ellis, recusando-se a olhar Julia nos olhos por medo de rir. Tá quente como o inferno aqui. Vamos levar as coisas pra dentro. Quero mostrar a casa pra vocês.

45 45 Dane-se a casa disse Julia, dramática, jogando uma sacola sobre o ombro. Não sei quanto a vocês, mas eu vim pela praia. Tivemos um inverno tenebroso na Inglaterra, e nem sinal de primavera. Só chuva e mais chuva. Então, sem querer ofender, Ellis, mas agora a única coisa que quero que mostre é o gelo, a bebida e a praia. Nessa mesma ordem. Pode deixar disse Ellis, pegando uma sacola. E não se preocupe, Dorie. Eu comprei uma garrafa de tequila só pra você. E trouxe meu liquidificador de casa, só pra garantir, mas foi uma boa, porque não tem um aqui. Dorie franziu o nariz. Quer saber? Agora eu quero mesmo é outro bom e velho chá gelado gigante. Julia parou de supetão. Sério? Chá gelado? Eudora Dunaway recusando margarita? Parem as máquinas! Dorie deu chutinho na perna de Julia. Ei! Assim eu fico parecendo uma bêbada trôpega. Acontece que eu tive o maior porre de tequila numa festa mexicana na casa de um amigo e desde então não posso nem olhar pra essa coisa. Claaaaaaaro disse Julia. A Dorie tá de mal com o José Cuervo. Ouviu essa, Ellis? Ellis ouvira e vira a suspeita mal disfarçada nos olhos de Julia, e pensou que talvez Julia estivesse certa. Algo na Dorie estava... estranho.

46 46 Para: De: Assunto: Que porra é essa? Pulgas! Sr. Culpepper, você precisa enviar uma empresa de dedetização aqui IMEDIATAMENTE. Este lugar está infestado de pulgas. E também formigas e mofo. E a torneira da cozinha pinga. Sem parar. E os colchões são uma bosta. Seu site dizia especificamente que a casa possuiria uma cozinha totalmente equipada. Na minha opinião, uma cozinha totalmente equipada inclui itens tais como um fogão com mais de uma boca funcionando e coisas básicas tipo vasilhas, faqueiro e louça. Eu não considero cinco pratos desconjuntados, lascados e trincados e uma coleção de copos de brinde uma louça suficiente para oito. Como este é meu terceiro nos últimos dois dias, eu gostaria que você cuidasse dessas questões IMEDIATAMENTE. Ellis apertou o botão enviar e coçou o joelho, distraída. Ambos os calcanhares, as canelas e parte de trás dos joelhos estavam pontilhados por picadas irritadas e vermelhas de pulgas. Ela tinha picadas de pulga embaixo dos seios e picadas de pulga atrás do pescoço.

47 47 Julia tinha apenas umas duas picadas, nos calcanhares, e Dorie não tinha nenhuma. Mas as pulgas devem ter feito do quarto de Ellis o seu escritório, porque, naquela primeira manhã na Ebbtide, ela acordou se coçando como uma doida. Ela encarou o lençol branco de sua cama e ficou horrorizada ao ver um inseto quase microscópico pulando. Pulgas! ela gritou. Arrancou toda a roupa de cama, pegou até as peças de roupa de suas malas e também o tapete do chão, e os lavou e desinfetou até o último fio. Mas as pulgas nem ligaram. Quando desceu as escadas naquela primeira manhã, Julia e Dorie já estavam sentadas na mesa da cozinha, bebericando café. Ellis disse Julia, apontando para a lousa na parede da cozinha. Você não tá levando isso a sério, né? Ellis serviu-se de um copo de suco de laranja e sentou-se à mesa. Bem, agora que Stephen e Willa não vêm, acho que terei que refazer, mas não acho que vai dar muito trabalho, se todo mundo fizer sua parte. Julia levantou-se e apontou com a sua torrada comida pela metade para a primeira linha da tabela. Ela leu em voz alta, com uma voz aguda professoral: Segunda: Julia faz o café. Dorie lava a louça. Willa varre a areia do chão. Stephen tira o lixo. Ellis lava a roupa. Dorie apertou o guardanapo contra a boca para conter a risada, mas, depois que Ellis a fuzilou com o olhar, ela ficou inocentemente olhando para sua tigela de cereal. Ellis, querida disse Julia, mordiscando a torrada, desculpe. É cômico. É, sim. Essa coisa de tabela como é mesmo que chamavam no grupo de escoteiras? Tabela Kaper respondeu Ellis, calmamente. Isso, Kaper concordou Julia. Excelente para crianças de oito anos que precisam ser lembradas de escovar o dente e juntar lenha para a fogueira. Mas pelo amor de Deus! Somos adultas. Eu

48 48 tenho trinta e cinco anos. Não preciso de uma tabela pra me lembrar de pendurar a toalha. O rosto de Ellis ficou rosa. Eu só pensei... bem, pensei que poderia ajudar o mês a ficar menos atribulado se as coisas ficassem organizadas. Diferentemente de vocês, estou acostumada a morar sozinha e fazer tudo por minha conta. Pensei que a tabela fosse divertida, mas tá na cara que pensei errado ela tirou a lousa da parede e saiu rapidamente da cozinha, com as costas tensas. Pouco depois, retornou, mas apenas para pegar seu copo vazio, lavá-lo e colocá-lo no escorredor. Depois fugiu do cômodo. Dorie e Julia ouviram a porta de tela abrir e depois bater. Merda Julia jogou a borda da torrada no prato. Esqueci o pavio curta da nossa menina. Mas, sério, Dorie, alguém tinha que falar. Dorie recolheu os dois pratos e as xícaras de café e colocou-os dentro da cuba da pia, cheia de água espumosa. Alguém tinha que falar com mais delicadeza. Ellis não é como você, Julia. Ela não cresceu brigando e esperneando com um monte de irmãos. Você realmente a magoou. E depois de todo o trabalho que ela teve pela gente, não custava entrar na dela. Pelo menos na primeira semana. Julia suspirou. Agora você vai me obrigar a ser boazinha, né? Dorie sorriu sarcástica. Ou isso, ou você pode recolher seus brinquedos e ir pra casa. Dorie foi em direção à varanda, com Julia a seguindo hesitante. Pararam na porta e espiaram lá fora. Uma ponta da lousa estava aparecendo para fora da lata de lixo na entrada da casa, e sua criadora, Ellis, estava sentada em uma das cadeiras, balançando rapidamente para frente e para trás, olhando para o nada. Era uma linda manhã de verão, ensolarada, mas não muito úmida, com fileiras de nuvens brancas e macias bem no alto acima de suas cabeças.

49 49 Era o segundo dia de agosto, e elas já tinham começado a se estranhar. Qual é, Ellis apaziguou Dorie. Não fica brava. A Julia não teve a intenção ela virou e cravou os olhos em Julia. Não é, Julia? A Julia é uma vaca cochichou Julia em voz alta, colocando a cabeça para fora da porta. Ela foi na ponta dos pés até a varanda e ficou atrás da cadeira de Ellis. E por isso, a Julia vai ter que limpar as latrinas por um mês inteiro, certo, Dorie? Dorie sentou na cadeira de balanço ao lado da de Ellis. Com certeza. E ela não vai ganhar mais nenhum marshmallow. Nenhum. Julia ajoelhou no chão do outro lado de Ellis. Ela envolveu a cintura da amiga com os braços e deitou a cabeça em seu colo. A Julia sente muito disse, em uma voz fraquinha. Ela ama a Ellinha e nunca mais quer magoar a amiga. Ellis segurou um sorriso. Acariciou a cabeça de Julia e depois deu um empurrão seco. Levanta, sua louca. E não pense que vai se livrar de cozinhar meu jantar essa noite também. Julia gemeu. Graças a Deus. Meus joelhos estão me matando ela se jogou na outra cadeira de balanço. Então, o que devemos fazer hoje? Nosso primeiro dia inteiro na praia? Andar de bicicleta? Compras? Pular de paraquedas? Eu vi o panfleto de uma escola de paraquedismo maravilhosa! Lembram aquela vez que fomos pular de bungee em Myrtle? Você e a Dorie pularam corrigiu Ellis. Eu nem olhei. Fiquei paralisada de medo de vocês morrerem, e de eu ter que contar pra mãe de vocês o que aconteceu. Até parece! Você só estava com medo porque se a gente morresse você teria que voltar pra casa sozinha e dirigir sobre a ponte de Talmadge provocou Julia.

50 50 Verdade admitiu Ellis. Por que a gente não fica aqui na praia? perguntou Dorie. As outras voltaram-se, surpresas. Dorie nunca foi de recusar uma aventura. O quê? ela perguntou, inocentemente, captando o que elas pensavam. Por que a gente tem que fazer alguma coisa? Eu estou gostando daqui, passar um tempo com vocês. Enfim, pular de paraquedas é muito caro. Vocês esquecem, eu vivo de salário de professor. Até nas escolas privadas pagam uma miséria Ellis deu um pulo. A Dorie tem razão disse. Está um clima perfeito para a praia. Vou me vestir. No mínimo, a água salgada vai sarar minhas picadas de pulga. Julia olhou para as pernas esticadas de Ellis. Credo! Nojento! Você tentou falar com o dono da casa? O Sr. Culpepper? Inúmeras vezes disse Ellis. Mandei outro pra ele logo antes de descer do quarto. Se ele não retornar até a hora do almoço, vou achar um dedetizador na lista telefônica e falar para o Culpepper que vou descontar do resto do aluguel. E eu contei como estamos insatisfeitas com o mofo e as formigas. E com as porcarias de colchão também, espero adicionou Julia. Eu não dormi numa cama tão encaroçada desde que fiquei naquele hostel na Bélgica depois do colegial. Estamos pagando aluguel o suficiente nesse barraco para, no mínimo, exigir uma cama decente. Sobre o aluguel disse Dorie, hesitante. Eu realmente acho que a Willa deveria se oferecer para pagar a parte dela, apesar de ter cancelado. Ela se ofereceu para nos reembolsar? perguntou Julia. Ainda não admitiu Dorie. Bem, melhor esperar sentada disse Julia. Apesar do bom e velho Arthur estar nadando na grana. Pode não ocorrer para a

51 51 querida Willa que o resto de nós pode estar de bolso vazio por causa dela. Eu posso perguntar pra ela ofereceu Dorie, mas vocês conhecem a Willa. Conhecemos disse Ellis bruscamente. Então não vamos contar com a contribuição dela. Se ela ajudar, será ótimo; se não, sem problemas. Como eu disse, estou pensando seriamente em renegociar o aluguel. Esse lugar não tem nada a ver com o que ele anunciou. Achei a casa meio fofa disse Dorie. Sabiam que, na luz do dia, dá pra olhar pelas rachaduras do chão no banheiro embaixo da escada e ver caranguejos se arrastando na areia embaixo da casa? Jesus amado! exclamou Julia. Nunca mais vou usar esse banheiro de novo. Ah, Julia, larga a mão de ser tão britânica disse Dorie, maliciosa. Você cresceu em Savannah, na Geórgia, igual à gente. Não é como se nunca tivesse visto um caranguejo antes. Ou uma barata, ou uma formiga. Julia mostrou a língua para Dorie. Vai se danar. Eu posso ter crescido perto de insetos repugnantes, mas isso não significa que eu preciso viver com eles depois de adulta. Ty observava as ondas desde o nascer do sol. Não estavam muito grandes, mas era sua folga ficara sentado em frente ao computador durante as últimas vinte e quatro horas, pesquisando sobre controladores de colesterol e estatina em todos os jornais médicos que pôde achar. Não era cientista caramba, tinha passado raspando em

52 52 Química no colegial, mas esse novo remédio Hodarthe parecia ser certeiro. Ele se deu bem no dia anterior com uma empresa nova na Califórnia que estava fazendo umas coisas interessantes, usando vidro reciclado em aplicações comerciais de concreto, então estava com fundos, e inclinado a tomar uma posição sobre a Hodarthe. Mas, porra, não é que ele tinha acabado de receber outro da Ellis Sullivan? Ele riu sozinho conforme relia a última missiva. Que porra é essa? Pulgas! A velha Ellis estava se revelando uma verdadeira estraga-prazeres. Enquanto lia, pegou-se coçando uma picada de pulga fantasma. No entanto, ela tinha razão. Ele tinha que fazer algo a respeito. Se a coisa se descontrolasse, ele nunca conseguiria se livrar delas, e elas poderiam afugentar Ellis e as amigas. E ele não poderia se dar ao luxo de perder um mês de aluguel. Por mais que odiasse aquilo, pegou o telefone e ligou para um velho amigo do colegial, Frank, que tomava conta da empresa de pesticida do pai, lá em Elizabeth City. Depois de uma conversa inócua sobre os prospectos do futebol americano da Carolina (péssimos) e da economia (ainda pior), Frank prometeu ir até a Ebbtide fazer uma sessãozinha de bombardeamento de insetos aquela tarde. Até resolveram a permuta: Frank providenciaria esses serviços por três meses em troca de uma semana de férias em Ebbtide. Ty não precisava falar para o Frank que a grana estava curta; Frank sabia do rolo em que ele tinha se metido. Porra, todo mundo de Outer Banks sabia que Ty Bazemore estava na rua da amargura. A primeira notificação de execução de Ebbtide tinha sido publicada no jornal em julho, e desde então, toda semana, o aviso rodava na seção de anúncios legais do jornal, cutucando a ferida em seu ego. Seis semanas. Era o tempo que tinha para fazer um milagre. Até lá, tinha que manter seus locatários felizes e, de algum modo, arranjar grana suficiente para cobrir seis meses de pagamento e impostos atrasados. Mas não deixaria Ellis Sullivan o dominar. Então mandou por sua vez uma mensagem:

53 53 Para: De: Assunto: Supostas pulgas Sra. Sullivan, se a casa tem pulgas, a senhora deve tê-las trazido consigo. Idem as formigas. Nunca tive reclamações anteriormente, seja sobre insetos ou colchões. Mas o Frank, da empresa de dedetização Sai Fora, a visitará hoje, depois das duas da tarde. Você precisa desocupar as dependências por no mínimo duas horas, a não ser que goste de fumaça tóxica. Se não gosta da minha louça, há um supermercado nas redondezas. Mandarei alguém para verificar a torneira. Satisfeita? Pela porta aberta, ele ouvia as ondas rolando na praia. Não aguentava mais. Levantou-se e caminhou até a sua varanda. As mulheres da Ebbtide tinham montado acampamento na faixa de areia logo abaixo. Tinham um guarda-sol colorido, listrado de rosa e amarelo, três espreguiçadeiras e um isopor grande. A morena, Ellis, e a loira alta e elegante estavam jogando frescobol, batendo a bola sem jeito, pulando de um lado para o outro na praia, rindo histericamente. A loira era um arraso, com pernas longas e bronzeadas e um biquíni laranja vibrante que deixava pouco trabalho para a imaginação. A terceira mulher era uma ruiva mignon. Estava esticada na cadeira, óculos escuros pousados sobre seu pequeno nariz arrogante, lendo uma revista. Nem mesmo a blusa larga e sem manga que usava sobre o maiô disfarçava um corpo saboroso e esse adjetivo Ty não gastava à toa. Sua pele clara e sardenta já estava ficando rosa, e ainda não era meio-dia. Mas era a Ellis, a pé no saco da Ellis, quem ele não conseguia parar de olhar. Ela tinha prendido o cabelo em um rabo de cavalo patético no alto da cabeça, enfatizando a graciosa curva do seu longo pescoço. Seu recatado maiô preto teoricamente não era sedutor, mas de algum modo era bem cavado, exibia sua bela bunda, o decote

54 54 revelava o espaço entre os seios. E quando ela corria, como fazia naquele momento, completamente desengonçada, o maiô subia atrás e descia na frente, oferecendo-lhe uma visão satisfatória. Ellis Sullivan não era, de jeito nenhum, a coisinha mais gostosa que ele já tinha visto naquela faixa de areia. A honra, ele pensou, ironicamente, era da Kendra. Ele a vira pela primeira vez no verão em que tinham quinze anos, quando ela caminhava devagar e provocante em sua frente, enquanto ele pintava as cadeiras de madeira de sua avó naquele mesmo deque. Ele fez uma careta ao se pegar lembrando-se daquele dia. Dorie prometera a si mesma que iria nadar exatamente às onze. Ela correu e mergulhou nas ondas, deixando-se levar para cima e para baixo, de novo e de novo. A água estava maravilhosa. Flutuou de costas e olhou para as nuvens, forçando-se a esvaziar sua mente abarrotada e pensar em... absolutamente nada. Mas as preocupações a envolveram como as ondas mornas. Maldita Willa por ter dado para trás! Dorie tinha feito um orçamento para essa viagem até o último centavo, contando com a divisão de gastos em quatro. E agora? A droga do orçamento explodira. Ela mal tinha dinheiro suficiente para pagar sua parte no aluguel, quanto mais a sua cota nas compras do dia a dia. E havia o Stephen. Era tudo muito triste, muito horrível. Ele teria amado aquele lugar. O pensamento veio sem aviso, como a onda inesperada que lavou sua cara. Ela ficou de pé, cuspindo e engasgando, a água salgada queimando seus olhos e sua garganta. Ela corria de volta para a sua cadeira quando o viu um homem, de pé no deque do primeiro andar da garagem bem ao lado da casa.

55 55 As outras abriam cervejas quando ela voltou. Ela preferiu uma garrafa de água gelada e, enquanto se enxugava, olhou para cima e viu o homem de novo. Ele não se movera. Ei ela disse, escovando o cabelo embaraçado, quem é aquele cara? Que cara? perguntou Julia, sem se preocupar em olhar para os lados. Ela girou a tampa da sua garrafa e tomou um longo gole. Provavelmente um dos seus ex. Errado disse Dorie. Nunca namorei ninguém da Carolina do Norte. Eu tive um namorado que fez faculdade na Wake Forest, mas não conta, porque ele era de Charleston. Onde tá esse cara? perguntou Ellis, levantando. Bem ali Dorie apontou na direção do apartamento da garagem. Ele tá encarando a gente faz uns bons dez minutos. Ellis pôs os óculos de sol e olhou. É ele! ela exclamou. Então Julia olhou também. Ele quem? É o cara exclamou Ellis. Lembra? Eu falei pra vocês, ele estava de pé bem ali, fazendo xixi para fora do deque, ontem de manhã, quando cheguei. Nojento disse Dorie. Ele não me parece nojento comentou Julia. Ele me parece, bem, gostoso. Todo bronzeado e musculoso. Meu Deus, olha o peitoral! Julia! Ellis e Dorie gritaram em uníssono. Licença retrucou Julia, mas eu tenho culpa se já tive minha cota de ingleses branquelos e molengas nos últimos anos? Vocês duas já viram europeus na praia? Todos usam umas sungas asquerosas com suas bengas balançando.

56 56 Tanguinhas disse Dorie, rindo. Nojento. O Booker não usa uma, usa? O Booker? disse Julia com uma risada jocosa. Rá! O Booker odeia a praia. Ele diz que, se quiser ter uma insolação ou desenvolver câncer de pele, vai fazer isso em um lugar com arcondicionado e TV a cabo. O Stephen ama a praia disse Dorie, saudosa. Ele vai até Tybee no meio do inverno, só para andar descalço na areia. Que pena que ele não pôde vir no fim das contas disse Julia, solidária. Você falou com ele desde que chegamos? Os olhos de Dorie encheram-se de lágrimas. Não... Ellis fulminou Julia com um olhar repreensivo. Julia deu de ombros. Ah, olha disse Julia, virando-se para as dunas, o cara! Ele viu a gente olhando pra ele ela deu um aceno charmoso. E ele nem liga. Ó, meu Deus! Ele está acenando de volta? Quem é ele, caramba? É isso que eu vou descobrir avisou Ellis.

57 57 Ellis marchou até a escada sobre a duna, parando apenas para calçar os chinelos que tinha deixado no primeiro degrau. Ei chamou, parando no deque coberto no topo das dunas, com a mão na cintura. Ei, você! Quem, eu? respondeu Ty, inclinando-se sobre o parapeito do deque. Daquela posição, ele conseguia ver um pedacinho do mamilo dela. Sim, você retrucou Ellis. Que porra você pensa que tá fazendo? Apenas aproveitando a paisagem disse Ty, inocentemente. E você? Minhas amigas e eu estávamos relaxando na praia explicou Ellis. Até perceber que um tarado nos espionava. Por que você acha que eu sou um tarado? Ontem eu te flagrei mijando pra fora do deque. Hoje você está aí em cima nos encarando. Como você se chama, hein? Ele foi pego no susto pela pergunta e, sem perceber, acabou dizendo seu verdadeiro nome. Meu nome é Ty Bazemore. Por que quer saber?

58 58 Ela assentiu, parecendo memorizá-lo. Ty Bazemore. É isso? Não é Tyson, nem Tyler? Apenas Ty ele disse. E o seu nome? Não é da sua conta ela retrucou. O que você tá fazendo aí em cima? Por acaso eu vivo aqui ele respondeu, indignado. O Sr. Culpepper sabe que você tá ficando aí em cima? Ele se esforçou para segurar o sorriso. Culpepper tá por dentro de tudo. Você não tem coisa melhor pra fazer? ela perguntou. Pensando bem ele disse, olhando para o relógio. Tenho voltou-se para dentro, mas antes pensou em algo. Ela já estava metade das escadas abaixo. Ei ele chamou, por que você quis saber meu nome? Pra te procurar no Google ela gritou, sem se preocupar em virar. E pretendo fazer uma busca da placa do seu carro também, Ty Bazemore. O nome do tarado é Ty reportou Ellis quando voltou para as meninas. Ele diz que aluga o apartamento da garagem do Sr. Culpepper. Por que você acha que ele é um tarado? perguntou Julia, folheando uma Vogue. Ele fez xixi pra fora do deque! disse Ellis. Bem na frente de Deus e o mundo. Ele não é um tarado só por isso disse Julia, dobrando a orelha de uma das páginas. Ele é só um cara. Meus irmãos costumavam mijar da varanda de casa na Ilha da Esperança quando eram crianças. Era tipo uma competição. Mijo a distância.

59 59 Meu irmão fazia o mesmo tipo de coisa. E, às vezes, quando o Stephen está no quintal dos fundos, aparando a grama, ele faz xixi atrás da garagem disse Dorie, por sua vez. Ele acha que eu não sei. É meio engraçado. Seu irmão não fazia nada do tipo? O Baylor não tinha coragem. Minha mãe teria um ataque histérico disse Ellis. Não me importo com o que vocês dizem, vou ficar de olho nesse Ty Bazemore. Hummmmm ronronou Julia, sugestivamente. Eu te ajudo. Eu também disse Dorie. Ele é fofo. Seria o romance de férias perfeito pra você, Ellis. Até parece disse Ellis. Na hora do almoço, as meninas marcharam de volta das dunas para a casa. Estou morrendo de fome anunciou Julia. Ela folheava um pequeno guia divulgando os restaurantes e lojas locais. Onde vamos almoçar? Frutos do mar, certo? O peixe em Londres é uma porcaria. É uma coisa que realmente sinto falta de Savannah. Vocês se lembram do sanduíche de peixe frito da minha mãe? Eu me lembro da sopa de caranguejo dela disse Ellis. Diferentemente de sua mãe, cozinheira do tipo carne, batata, ervilha em conserva e gelatina de cereja, Catherine Capelli fora uma cozinheira fabulosa. Eu daria tudo por um prato de espaguete com linguiça italiana que ela fazia no inverno. E aqueles pães de minuto que ela fazia, pingando manteiga de alho adicionou Dorie. E todos aqueles tipos de biscoitos

60 60 diferentes que ela assava todos os anos no Natal. Ela montava um prato enorme para cada uma de nós levar para nossas famílias. É um milagre a gente não ter virado umas porquinhas gordas depois de todos aqueles anos comendo a comida da sua mãe, Julia. Ela sabia cozinhar, não nego disse Julia, leve. Mas vocês ainda não me falaram onde nós vamos almoçar ela folheou as páginas da revista. Mario Malvado? Paulo Pé na Areia? Sérgio Sujão? Ellis pegou o envelope pardo que deixara em cima do microondas. Vamos ver. Tenho cupons para o Toninho Tubarão e Louco Luiz. Compre uma entrada e ganhe outra. Vão vocês disse Dorie. Acho que vou preparar um lanche de pasta de amendoim e geleia. Pasta de amendoim e geleia? Na praia? Tá louca? disse Julia. Prefiro dizer que estou sendo frugal replicou Dorie. Quer dizer, qual é, Ellis, você não tá nem um pouco preocupada com a sua situação? Eu sei que você vai arranjar outro emprego ótimo, mas eu acho que estaria doida de preocupação em seu lugar. Tenho algumas coisas em vista respondeu Ellis, despreocupada. Mas vou ficar bem. Desde que eu gaste com sensatez, coisa que geralmente já faço ela abriu a porta do refrigerador, secretamente aliviada pela nota de vinte que economizaria por almoçar em casa. Olha, eu parei na peixaria quando cheguei ontem e peguei uns camarões. Eles disseram que vieram direto do barco. E trouxe uma lata de molho de peixe. Podemos comer camarão na cerveja. O que mais você tem aí? perguntou Dorie, inclinando para olhar. Ela pegou um maço de alfaces-romana, um pepino e um tomate. Ótimo. Vou fazer uma saladinha enquanto o camarão cozinha.

61 61 Ah, beleza cedeu Julia. Vamos comer aqui. Mas, à noite, vamos sair e jantar pra que eu possa ter minha dose de peixe frito. E eu pago, então nem tentem discutir. Elas tomaram banho em turnos e, quando o almoço estava pronto, sentaram aconchegantemente em volta da mesa esmaltada da cozinha. Planejaram à tarde enquanto Ellis checava o . Ei ela anunciou. O velho Culpepper finalmente respondeu meu . Um dedetizador vai vir passar veneno na casa às duas. Mas ele diz que temos que ficar fora de casa por algumas horas. Por mim, tudo bem disse Julia. Tenho um livro novo, e a praia está me chamando de volta. Acho que eu já tomei sol o suficiente por um dia disse Dorie, mostrando seu braço queimado. Eu também concordou Ellis. Eu vi um cinema nessa rua. Por que a gente não vai ver uma matinê? Um filme de mulherzinha! os olhos verdes de Dorie se acenderam. Vou levar minha mochila grande e a gente leva Coca Zero, igual no ginásio. E a gente pode parar e comprar um pacote gigante de bala no um e noventa e nove. Bem... disse Ellis. Você sabe que eles sempre têm aquelas placonas dizendo Proibido comida e bebida de fora... Julia colocou sua garrafa de cerveja no balcão. E daí? Eles só colocam essas placas pra te obrigar a comprar Coca por cinco dólares e pipoca por sete. Ninguém liga pra essas placas. Eu ligo retrucou Ellis, teimosa. E se a gente for pega? Imagina que vergonha! Quem vai te pegar? Julia quis saber. Eles nem têm lanterninhas mais. E mesmo se tivessem, o que você acha que vai acontecer se te pegarem levando sua própria comida? Hein? Você acha

62 62 que eles vão reter sua carteira de motorista? Apreender suas jujubas como contrabando? Não liga pra ela, Ellis disse Dorie. Eu levo as Cocas e os chocolates na minha bolsa ela parou, lembrando-se de que seu novo orçamento não tinha espaço para filmes, muito menos para pipoca de sete dólares. Ellis percebeu o repentino olhar preocupado de Dorie. Ela abriu o envelope novamente. Eu fui na internet e baixei uns cupons dos Amantes do Cinema. Se chegarmos lá antes da uma e meia, nossos ingressos custarão apenas duas pilas. E tem um para cada uma. Julia virou os olhos. Qual é a dos cupons e das promoções? Estamos de férias. Todas trabalhamos duro e merecemos nos tratar bem. Se vocês estão duras, é só falar e pegou sua bolsa. Ellis viu Dorie morder o lábio e virar o rosto. Obrigada. Vamos pagar do nosso modo disse, com a voz propositalmente calma. E se você não quiser ser vista com duas colecionadoras de cupons, entendemos. Ah. Desculpa. Eu não quis... bem, você sabe Julia virou o pescoço rapidamente para olhar pela janela da cozinha. Está ficando meio nublado lá fora. Se você tiver outro cupom, acho que eu vou. De qualquer modo, eu já peguei um bronze hoje cedo. Você é descendente de italiano lembrou Dorie, já nasceu com um bronze. Diferentemente de mim, com esse maldito cabelo ruivo e essas sardas. Juro, eu me queimo com a luz do abajur.

63 63 Ty viu as mulheres encherem a van e seguirem rua abaixo. Era pouco depois da uma. Ele esperou cinco minutos, e depois mais cinco, para ter certeza de que elas não dariam meia-volta. Depois pegou sua caixa de ferramentas e seu chaveiro e, assobiando, seguiu para Ebbtide. Ele parou na varanda, hesitante. Toalhas de praia estavam dobradas sobre as cadeiras de balanço, e três roupas de banho o biquíni laranja, um maiô floral verde-limão e o maiô preto, penduradas no varal. Ele colocou a chave no cadeado, mas ainda assim não a virou. De algum modo, não parecia certo. Mas era a casa dele, caramba. Ele era o dono. Ellis Sullivan estava enchendo a paciência por causa de uma torneira vazando e pulgas e formigas. Então ele tinha uma razão legítima para entrar na casa. Então por que ele se sentia tão babaca? Pelo fato de uma garota neurótica o ter acusado de espionar ela e as amigas? Desde quando é crime ficar no próprio deque e admirar a vista de uma bela mulher? Era uma praia pública, não era? Ele não tinha pegado um binóculo e espionado o quarto de uma mulher inocente. Ele endireitou os ombros, abriu a porta e marchou para dentro. Foi diretamente para a cozinha. Do corredor, ouviu o gotejo. A cozinha estava bem melhor desde a última vez em que estivera lá. O chão fora varrido, as bancadas e o fogão brilhavam, e pratos e copos úmidos estavam arrumados bonitinhos no escorredor, com um pano de prato limpo dobrado sobre eles. Ele sentia o cheiro do molho que elas tinham usado para cozinhar o camarão e, por baixo dele, o toque suave de perfume floral e bronzeador de coco. Ty colocou a caixa de ferramentas sobre o balcão. Abriu o armário embaixo da pia e desligou a água. Depois desencavou dois alicates da caixa e foi ao trabalho. Uma borrachinha. Só precisava de uma borrachinha. Ele começou a guardar as ferramentas quando notou as louças empilhadas nas prateleiras. Ou o que restou delas. Ele podia jurar que havia oito pratos quando ele arrumou a casa antes da Páscoa. Agora, só havia, como Ellis Sullivan dissera, cinco. Cinco

64 64 pratos lascados e trincados. Três tigelas, nenhuma combinando. O que aconteceu com toda a louça com que ele abastecera a casa na primavera? Ele abriu uma das duas gavetas. Os talheres estavam bem reduzidos também. Não havia nem facas. No armário, achou algumas caçarolas pequenas, nenhuma com tampa, e a menor frigideira de ferro do mundo. E o fogão elétrico? Ele ligou todas as bocas no alto e colocou a mão sobre elas. Apenas a menor, na parte de trás, funcionava. Seus ombros caíram. Seu velho o ensinara o básico de encanamento e consertos elétricos rudimentares, mas ele não tinha a mínima ideia de como consertar um fogão. Aquele existia desde que sua avó morara lá, pelo menos desde a década de setenta. Seria improvável achar alguém que soubesse consertá-lo, já que possivelmente nem daria para comprar peças avulsas daquela coisa. Ele ainda estava lá parado, olhando para o fogão semi quebrado, quando a campainha tocou. Ty Bazemore! Ele não teria reconhecido Frank Patterson se este não estivesse usando uma camisa do uniforme da SAI FORA DEDETIZADORA, com o nome FRANK bordado em letras cursivas sobre o peito esquerdo. Eles fizeram o colegial juntos, quando Patterson fora capitão do time de futebol americano, e Ty jogara como atacante. Cara! disse Ty, socando a mão do antigo colega de time. Como você tá, porra? Eles ficaram de pé na sala, conversando desajeitados. Você tá bem, Frank disse Ty. Detonar insetos te cai bem. É um ganha-pão disse Frank. E você? Aquelas pranchas que vi na garagem são suas? É disse Ty. Ainda surfo. Quando tenho tempo, que não tem sido muito ultimamente. Finalmente, foram ao que interessava.

65 65 Pulgas, é? disse Frank, dando uma conferida na sala. O rosto de Ty escureceu. Malditos universitários trouxeram um cachorro escondido aqui, semana passada. Você não mora aqui? Ty riu. Não, cara, eu não tenho dinheiro pra isso. Eu moro em cima da garagem, o antigo quarto de empregada. Eu alugo a casa. Bem louco esse lugar disse Frank, passando a mão na madeira da parede. É original, né? Ty deu de ombros. É uma das treze originais, as que eles chamam de aristocracia sem pintura. Minha avó comprou na década de vinte. Ainda temos o documento de venda original. Ela pagou oito mil dólares na época. Meu pai tinha um contrato de dedetização com a casa do lado disse Frank. Os Lunsford. Gente boa. Clark e Margaret? Talvez você conheça. Depois da força do último furacão, venderam para um pessoal da Virginia. Não conheci os novos donos disse Ty. Mas a Sra. Lunsford, a dona Margaret, como a gente chama, foi colega de corrida da minha avó. Elas foram colegas de classe no Santa Maria, nos velhos tempos. Qual era o sobrenome da sua avó? perguntou Frank. Não era Bazemore, né? Não respondeu Ty. A casa pertencia à família da minha mãe. Ela era Culpepper. Edwina e Garrett Culpepper. Meu avô morreu faz uns dez anos. E depois a vovó, morreu há dois anos. Todo mundo a chamava de Winnie. Ouvi dizer que sua mãe faleceu há alguns anos, né?

66 66 É verdade disse Ty. Ela morreu um ano depois do vovô. Difícil acreditar que faz tanto tempo. Frank balançou a cabeça em concordância silenciosa. Ele pegou seu galão de produto químico e, apontando um sifão comprido, começou a andar o perímetro da sala, acionando o spray conforme falava. Sua avó te deixou a casa, é? Isso é muito louco. Uma casa assim, bem na frente do mar. Quer dizer, não é da minha conta, mas vale um pouco, né? Valeria se estivesse arrumada concordou Ty. Enfim, a vovó deixou a casa para o único irmão da minha mãe, meu tio, que vive na Dakota do Sul. A mulher dele odeia a praia, e eles não tiveram filhos. Ele ia vender, então eu tive a bela ideia de comprar deles. Sabe, o lugar era uma mina de ouro, pelo menos foi o que eu pensei. Legal. O lugar é um lixo disse Ty, triste. O maior desperdício de dinheiro. Essa é a verdadeira razão para o meu tio querer se livrar daqui. Minha avó nunca quis modernizar nada. Sempre quis deixar as coisas como eram quando ela era criança e eles vinham de Charlotte até aqui passar o verão todo. Não tem aquecimento, nem arcondicionado central. Meu avô, lá nos anos oitenta, finalmente colocou ares-condicionados de janela. Sem isolamento, claro. Em alguns lugares, a luz do sol entra pelas tábuas do chão. Eu quase congelei minha bunda morando aqui no inverno passado. Na época da vovó, eles fechavam a casa em outubro e só abriam na Sexta-Feira Santa. O encanamento é péssimo também. Só dois banheiros completos para essa casona toda e só um chuveiro dentro de casa. E os impostos? O condado acha que esse lixão vale dois milhões de dólares! Não vou nem entrar no assunto. Que doidera concordou Frank, indo para a sala de jantar e depois para a cozinha. Ei, olha isso ele riu, olhando para baixo. Isso aqui é das antigas.

67 67 Não no bom sentido disse Ty, inclinando no batente da porta. Esse fogão morreu. Acabo de receber novos locatários para o mês inteiro. Três mulheres! Estão aqui faz um dia e já estão reclamando do lugar. Você precisa de um fogão novo? perguntou Frank, casualmente. Preciso respondeu Ty, abaixando para coçar o calcanhar. Preciso de um monte de coisa nova para a casa. Mas não tenho dinheiro pra porra nenhuma. Tô perguntando disse Frank porque acabamos de trocar todos os eletrodomésticos lá em casa. Colocamos a geladeira na garagem, sabe? Para cerveja e tal. Mas o fogão tá lá parado na varanda, juntando poeira. Minha mulher curte cozinhar. Não meu deixou em paz até a gente arranjar geladeira, fogão e lava-louça de aço cromado. O fogão velho tá bom, ela só estava decidida a ter o aço cromado. Sabe como elas são. Sei disse Ty, acho. Você ainda tá com a Kendra? perguntou Frank, olhando-o com curiosidade antes de abaixar e direcionar o pesticida para o batente embaixo dos armários. Frank conhecia a Kendra do tempo de colegial, claro. Todo mundo em Outer Banks conhecia a família Wilcox. O pai de Kendra, Boomer, fora presidente da Comissão do Condado de Dare, e o avô dela, juiz da Corte Superior. Kendra era a quarta de geração de advogados Wilcox. Não disse Ty. Terminamos faz um tempo. Foi mal, cara disse Frank, abrindo a porta da cozinha. Quer que eu ataque a varanda? Tudo disse Ty, seguindo-o para fora. O lugar tá infestado de pulgas. Tudo no intervalo de, tipo, uma semana. É disse Frank, andando para cima e para baixo na varanda, as malditas ficam descontroladas nessa época do ano. Não pode deixar tomarem à dianteira. Não tô querendo te vender nada, mas,

68 68 sério, você devia pensar em fazer um contrato. Em longo prazo, você vai economizar. Vou pensar a respeito falou Ty, mas sua voz dizia que não. Frank parou e olhou o oceano. Uma brisa suave remexia as plantas, e o céu cor de ameixa prometia chuva. Bem atrás da quebra das ondas, ele viu um golfinho. Eu entendo por que quer manter a casa disse Frank, encostando-se ao parapeito. Minha mulher e meus filhos vão ficar loucos nesse lugar. Que tal no outono? Estou super livre em outubro disse Ty. A não ser que o banco a tome antes disso. É só dizer em qual fim de semana. A pescaria deve ficar boa lá pelo meio do mês disse Frank. Sabe minha filha mais nova? Aquela menininha adora pescar. Ela é a queridinha do papai. Meu vô me ensinou a colocar a isca no anzol bem ali disse Ty, apontando para o oceano. Eu devia ter uns cinco anos. Ele pescava montes de robalo no inverno. Outubro repetiu Frank. Olhou para Ty, que ainda encarava o local onde pescara seu primeiro peixe. Gotas de chuva, bem gordas, começaram a cair sobre o caminho de madeira gasta pelo sol sobre as dunas. As pessoas na praia começaram a recolher cadeiras e toalhas. Ouça, Ty disse Frank, de supetão, se decidir que quer o fogão, pode passar em casa e colocar ele na sua caçamba. Pode até aproveitar pra levar o velho e jogar no lixão. Ty esticou a mão, e os homens se cumprimentaram. Fechado.

69 69 Para: De: Assunto: Obrigada! Caro Sr. Culpepper. Retiro as coisas maldosas que disse sobre você. As pulgas e formigas desapareceram. O novo fogão é muito melhor, e tenho certeza de que notará uma economia na sua conta de água agora que o vazamento na torneira foi consertado. Outra coisa, as novas (velhas) louças são fofas. Minhas amigas e eu amamos porcelana com flores rosa. Dorie, uma das garotas do grupo, disse que acha que a avó dela tinha um conjunto com a mesma estampa. Então, novamente, obrigada! Ellis P.S.: O que você pode nos dizer sobre o cara que vive na edícula da garagem? Ele tem uns horários estranhos já notamos que ele deixa a luz acesa a noite toda. Ele não é um assassino em série, né? (Tô brincando. Um pouco.) Assunto: Cara da garagem

70 70 Querida Ellis, Ty Bazemore é inofensivo. Ele me disse que seu ganha-pão é investir na Bolsa, mas talvez seja apenas uma história de fachada para tráfico de mulheres brancas. (Tô brincando. Um pouco.) Ei, vocês disse Ellis, recolocando o celular em sua capinha protetora de plástico e depois na sacola de praia. O Sr. Culpepper disse que o cara da garagem é investidor. Por isso, fica aceso a noite toda. Interessante disse Julia. Será que ele fica literalmente aceso a noite toda? Julia! exclamou Ellis, não muito chocada. Hummm disse Dorie, sonolenta. Ela estava esticada de barriga para baixo na espreguiçadeira forrada de lona. Seus dedos deslizavam na areia, e seu corpo estava escorregadio de bronzeador e suor. Que horas são? Acho que só aguento mais cinco minutos de barriga pra baixo. São três horas respondeu Julia, apoiando-se no cotovelo para verificar o progresso do bronzeado da amiga. Você está assim faz só quinze minutos e já parece uma lagosta fervida. Juro, Dorie, você é a pessoa mais branca que eu conheço. Humm disse Dorie. Momentos depois, ressonava suavemente. Quanta animação disse Julia. Vamos, Ellis. Estou entediada. Vamos andar na praia comigo, ok? Ellis olhou para amiga que dormia. Vamos deixar ela assim? Ela tá ficando bem queimada. Julia pegou uma toalha de praia da bolsa e delicadamente dobrou-a sobre o corpo inerte de Dorie. Ela vai ficar bem assegurou Julia, pendurando a bolsa no ombro. Vamos andar até aquela sorveteria perto do píer. Tô morta de fome.

71 71 Ellis colocou sua saída de praia sobre o maiô, enfiou um pouco de dinheiro no bolso, e, pensando bem, juntou o celular. Julia, que nunca perdia nada, virou os olhos. Outra coisa de que não sinto falta dos Estados Unidos! Vocês e sua mania de celular. Vocês vão pra algum lugar sem essa coisa? Não dá pra relaxar? Pelo menos enquanto estamos juntas? Quatro dias vivendo nos arredores de Julia ensinaram Ellis a ignorar os comentários ácidos da amiga. E você? retrucou. As supermodelos não precisam manter contato com as agências pra saber sobre os bookings ou seja lá como chamam isso? Eu não sou supermodelo nenhuma respondeu Julia. Enfim, eu disse para a agência que tiraria o mês de folga ela apressou o passo, e suas longas e esbeltas pernas logo deixaram Ellis alguns metros para trás. Espera aí gritou Ellis, quase correndo para alcançar à amiga. Eu achava que essa era sua época mais cheia de trabalho. As coisas mudam disse Julia. E eu tô de férias. Ellis seguiu Julia até a ponte de madeira, andando o mais rápido que podia, mas, apesar de estar de chinelos, a areia fina queimava seus pés. Eu achei que estava conseguindo relaxar. E quanto a me preocupar... bem, não consigo evitar. Estou com trinta e quatro anos. Trabalho desde os catorze. Estou num banco desde que meu pai me arranjou meu primeiro emprego de verdade no Banco de Savannah, quando eu tinha dezessete. Agora, bem, simplesmente não sei o que vai acontecer. Ninguém nunca sabe o que vai acontecer disse Julia, gesticulando selvagemente. Esse é meu ponto, Ellis. Você não tem controle sobre nada, então por que não relaxa e aceita a vida como ela é?

72 72 Agora foi a vez de Ellis virar os olhos. Isso é fácil pra você falar. Quer dizer, sei que não é uma herdeira nem nada do tipo, mas pelo menos você tem uma pequena herança pra se manter. E um trabalho que pode fazer a qualquer hora, em qualquer lugar. Você já andou pelo mundo todo. E vamos ser sinceras: você tem o Booker. E eu? Morei em três lugares na minha vida: Savannah, Charlotte e Filadélfia. E eu só tenho a mim. E a mamãe. Meu pai só deixou o suficiente pra ela sobreviver, isso se for bem sensata. E ela não é. Uma hora ou outra eu vou ter que cuidar dela, não meu irmão. Então, sim, eu me preocupo. Acho que, se eu tivesse sua vida, eu não precisaria me preocupar. Mas eu não tenho. Então me preocupo muito. Mas estou tentando não deixar isso arruinar nossas férias. Julia continuou a andar, três ou quatro passos à frente de Ellis, que não conseguia alcançar a marcha da amiga pernuda, não importava o quanto tentasse. Ellis já estava se arrependendo da explosão. Era de mau gosto falar do dinheiro da Julia daquela maneira. Não era como se Julia ficasse exibindo por aí o fato de ser semi rica ou o fato de Ellis e Dorie serem semi pobres. Quando chegaram à calçada, Ellis correu até ficar bem ao lado de Julia. Você não está brava comigo, está? Não respondeu Julia. Não vou ficar brava com você por dizer o que pensa. Pelo menos, espero que não. É que você não tem a mínima ideia de como minha vida é. Não? Não mesmo disse Julia. Chegaram à sorveteria ao ar livre. Era uma lojinha de alvenaria, pintada com vermelho tipo de circo e listras amarelas. Uma dúzia de pessoas formava a fila em frente, esperando para pedir, e as mesas de piquenique, localizadas na sombra do beiral da loja, estavam cheias.

73 73 Ellis e Julia se juntaram, procurando refúgio dos escaldantes quarenta graus. A música que tocava era Dancing in the Dark, do Bruce Springsteen. Sem perceber, começaram a balançar o corpo ao ritmo do som. Essa música te lembra o quê? perguntou Julia, lendo o cardápio na lousa. Eu? por baixo do bronzeado de dois dias, Ellis enrubesceu. Eu sabia! cacarejou Julia. Ellis e Mikey Cavanaugh se pegando na minha festa de quinze anos. Quer calar essa boca? disse Ellis. As pessoas estão te ouvindo. E daí? Julia rodopiou, mexendo para lá e para cá, cantarolando a música que foi o hino do fim do ginásio. Ah, você era tão a fim do Mikey Cavanaugh naquela época. Minha mãe viu você ficando com ele atrás da garagem, sabia? Ela ia ligar pra sua mãe e contar, mas meu pai disse pra ela ficar na dela. Aaaaah, Ellis, você era uma menininha má naqueles tempos. Fica quieta mandou Ellis, ficando vermelha com a deliciosa lembrança de beijar o menino mais bonito da festa. O que vão querer? a garota atrás do balcão era de origem hispânica, com uma expressão de desconforto e um boné de papel ridículo que deveria representar uma casquinha de sorvete. Senhora? chamou alto, para a distraída Julia. Ellis empurrou o braço de Julia. Vai lá. É sua vez. Ah. Sim. Deixa-me ver. Beleza. Você tem um gelato? Julia! Aqui é Nags Head, não Roma disse Ellis. É sorvete, beleza? apoiou-se no balcão. Ela vai querer uma bola de flocos no

74 74 potinho de plástico, e eu, uma de chocolate com café na casquinha açucarada. E dois copos grandes de água gelada, por favor. Antes que Julia pudesse impedir, Ellis entregou uma nota de cinco e depositou o troco na lata de gorjeta ostensivamente exposta no balcão. Por mútuo acordo, elas empoleiraram-se no fim de uma das mesas de piquenique onde uma jovem mãe enfiava ativamente uma colher de sorvete na boca chorosa de seu filho pequeno cheio de areia. Não acredito que você se lembrou do flocos, no copinho, e não na casquinha, depois de todos esses anos disse Julia, enfiando a minúscula colher de plástico no sorvete. E eu não consigo acreditar que você não vai me deixar esquecer o Mikey Cavanaugh, vinte anos depois disse Ellis. Sua mãe viu mesmo a gente, ou tá falando isso só pra me torturar? Ela viu! Julia balançou a cabeça vigorosamente. Sabe, até o dia de sua morte ela achou que você era uma má influência pra mim. Eu? gargalhou Ellis. Eu era a voz da razão. A sensata. Se não fosse por mim, você teria ido pra cadeia ou pro inferno, há muito tempo. Eu sei disse Julia. Ellis Sullivan, a motorista da vez para o resto da vida. Mamãe sempre achou que eu era o anjo e você, o demônio, e quem era eu pra discordar? E sabe, quando você terminou a faculdade e ficou noiva, mamãe disse que estava contente, porque finalmente ia se acalmar com um bom menino. Ela nem ligava que ele era judeu e torcia para os Yankees. Ellis suspirou. Pobrezinha, sua mãe era sem noção. Você tem notícias dele? perguntou Julia, virando a cabeça. As três, Julia, Dorie e Ellis, todas juraram, há muito tempo, nunca mais falar o nome do ex-marido de Ellis. Ele está morto para nós, proclamara Dorie ao fim do casamento de três meses.

75 75 E o nome dele, que era Ben Greene, e a festa e o casamento, até onde suas amigas sabiam, pareciam ter miraculosamente desaparecido da memória de Ellis. Fora uma coisa tão não Ellis que ela quase podia se convencer de que não tinha acontecido. Quase. Faz anos que não ouço falar dele disse Ellis, o que era tecnicamente verdade. Pelo que ouvi, ele tinha se casado novamente. Acho que tiveram um bebê. Com a mágica do Google, ela descobriu o verborrágico blog Família Greene, da segunda esposa dele. Ellis sabia exatamente onde Ben vivia (Winnetka, Illinois), o que fazia (tomava conta do negócio de importação de móveis da família) e o nome da atual esposa (Sherry). Ela sabia que tinham dois cachorros (Lulu e Lucky) e um filho de dois anos chamado Sam (batizado com o nome do tio favorito de Ben). E ela morreria se qualquer pessoa, especialmente Ben, soubesse quantas vezes ela acessava o blog. Bom, agradeça os pequenos favores de Deus afirmou Julia, veemente. Ele é o problema de outra agora, não seu. Jesus amado! Imagina ter um bebê com as orelhas dele? O carrinho de bebê teria que ter espaço extra para acomodar. Pelo contrário. Ellis olhara fotos do pequeno Sam e pensara que era o bebê mais lindo que ela já vira. Tinha olhos azuis enormes e pensativos, uma grossa franja de cabelo claro, e uma boca em formato de coração perfeita, a qual devia ter puxado da mãe, pois todo mundo na família do Ben quase não tinha lábios superiores. Ellis? Julia a observava com estranheza. As orelhas dele não eram tão grandes disse Ellis. Você que não gostou dele de cara. E eu estava errada? Você não teve que assinar o divórcio antes mesmo de terminar os cartões de agradecimento pelos presentes? Você tem razão disse Ellis, amassando o guardanapo e o enfiando no resto da bola de sorvete. Jogou tudo fora, dissimulada, na

76 76 lixeira de metal, e deu um longo gole da água gelada. Eu te odiei na época, mas você estava mais do que certa. Todo mundo, menos Ellis, tinha percebido quão errado Ben era para ela. E no dia em que Ben percebeu também, apenas três meses depois de se casarem, ele, calma e friamente, avisou, durante o jantar, dois dias antes do aniversário dela, que o negócio todo tinha sido um erro lastimável. Essa foi à palavra exata que ele usara. Lastimável. Não houve briga, nem cena, apenas Ben, em sua camisa de golfe amareloclara, se afastando da mesa, colocando o garfo na beira do prato, dizendo, com olhos sérios, porém secos: Desculpe, Ellis, ambos sabemos que não vai dar certo. Pressionado pela chorosa bem, na verdade, histérica esposa, Ben finalmente pronunciara as palavras que interromperam as lágrimas e quebraram de vez o coração de Ellis: Eu simplesmente não te amo. Achei que amava, queria amar, mas não amo. Antes do anoitecer, Ben tinha feito suas malas, empacotado livros e CDs e saído do apartamento. E antes que Ellis pudesse realmente compreender o que estava acontecendo, o divórcio estava concluído e o casamento, quase, porém não totalmente, esquecido. Ninguém, exceto Ellis, sabia que ela ainda sofria pelo que perdera. O casamento tinha sido a primeira coisa em que realmente falhara. Depois, ela guardou toda a porcelana, a prataria e os cristais, os quais não conseguia nem mais olhar, e simplesmente jogou toda a sua energia e seu talento no trabalho, sendo promovida, recebendo avaliações entusiasmadas e ganhando aumentos. Mas a solidão nunca diminuía. Ela sentia falta de morar com um homem, ter alguém com quem jantar e para quem comprar camisas. Sentia falta de ter alguém a esperando na esteira de bagagens do aeroporto quando voltava para casa após uma viagem a negócios, e ela sentia falta de fazer amor devagar, deliciosamente, no sábado de manhã. Ai, Deus, fazia mesmo dez anos que ela não fazia sexo? Mais. Onze anos e meio, se não contasse a vez em que se atracou com um cara no ano seguinte ao divórcio, quando estava querendo desesperadamente provar a si mesma o quanto Ben já era.

77 77 Julia levantou-se abruptamente. Vamos, temos que voltar pra Dorie. Não quero ficar esfregando hidratante nela igual aquele verão em Myrtle. Ellis sorriu. O que passava nas nossas cabeças, nos besuntando com aquela mistureba de óleo de bebê e iodo? É um milagre não termos câncer de pele. Não passava nada. A gente estava bêbada Julia a lembrou. Elas caminharam de volta para a rua e sobre a duna, praia abaixo. Escuta disse Julia, de repente, o que você acha que está mesmo acontecendo com a Dorie? Com a Dorie? Nada. Por quê? O que você acha? Você não se tocou que nós estamos aqui há mais de três dias e ela não ligou para o Stephen uma só vez? Nããããoo respondeu Ellis. Acho que não ligou mesmo. Mas talvez ela esteja querendo deixar ele em paz para se concentrar na dissertação. Nãozinho retrucou Julia. Ele não ligou também. Eu sei por que o quarto dela é vizinho ao meu. Talvez eles brigaram. Talvez ela esteja brava por ele ter decidido não vir. Eu não sei, Julia. Mas não acho que é da nossa conta, seja lá o que for. A Dorie não é assim continuou Julia, teimosa. Algo realmente ruim aconteceu. Escuta. No filme, outro dia? Ela chorou o tempo todo. Ellis franziu a sobrancelha. Era uma comédia! Ninguém chora em um filme do Ben Stiller.

78 78 Ela foi duas vezes ao banheiro disse Julia. Não queria que a gente a visse com o rosto inchado. Alguma coisa está acontecendo com eles. Posso sentir. Então me faça um favor, Julia Ellis virou-se e agarrou o braço da amiga, incisiva. Deixe ela em paz. Tô falando sério. Se quiser nos contar, contará. Se ela e Stephen estão com problemas, o melhor que podemos fazer é estar com ela. Tá me ouvindo? Claro disse Julia. Você acha que eu faço bullying ou algo do tipo? Conheço a Dorie há tanto tempo quanto você. Eu a amo tanto quanto você. Quero que ela seja feliz, só isso. Estavam quase de volta à praia. Algo incomodava Ellis. Escute, Julia disse, diminuindo o passo para que a amiga também fosse devagar, já que estamos no assunto felicidade... O que está havendo entre você e o Booker? Julia parou e fez um gesto elaborado para ajustar o lenço de seda que ela amarrara casualmente na cintura. Nada respondeu. O mesmo de sempre. Você não sabe mentir rebateu Ellis. Agora, vai, desembucha. Vocês não estão terminando, né? Não exatamente respondeu Julia. É complicado. E você sabe como eu odeio complicações. Sério, eu não sei por que ele quer mexer em time que está ganhando. Mas assim é o Booker. Ele nunca soube deixar nada quieto. O que ele fez agora? perguntou Ellis. Nossa Senhora respondeu Julia. O que ele não fez? Bom, pra começar, ele foi e arrumou um emprego de verdade. Na Inglaterra? Não, esse é o problema disse Julia, franzindo a testa. Ele é o chefe do departamento fotográfico em uma editora de revistas de que você nunca ouviu falar em Washington. Quer dizer, dá pra

79 79 imaginar? O Booker de terno e gravata? Batendo ponto? Não dá pra entender. Na capital? exclamou Ellis, sua voz apenas uma oitava abaixo de um grito. Mas, Julia, isso é incrível. É um pulo da Filadélfia! Quer dizer, se eu conseguir um novo emprego lá. Mas danese, né? Afinal, você vai voltar pros EUA, é só o que nos importa. Não saia comprando sua passagem de trem disse Julia. Ela andava, não, ela quase corria agora. Quê? Ellis estava sem fôlego tentando alcançá-la. Ei, vai devagar. Julia! Quem disse que eu quero voltar para os EUA? Julia virou-se e vociferou Quem disse que eu quero largar minha carreira pelo Booker? Quem disse que eu quero me casar e parir um bebê por ano como a coitada da minha mãe? Ela praticamente viveu naquelas roupas horríveis de maternidade por sete anos, tudo antes dos vinte e cinco, e eu não me lembro de uma vez que ela tenha feito algo pra ela mesma em toda sua vida. Eu tenho só trinta e cinco, pelo amor de Deus! Eu gosto da minha vida do jeito que está! Beleza? Ellis piscou. O que tinha de errado em ter uma vida daquelas, como a da mãe de Julia com bebês e um marido amoroso, e também, babas e cuspes e até estrias? Julia disse que não conseguia se lembrar da mãe tendo um tempo para si Ellis praticamente morara na casa dos Capelli durante seus anos de adolescência e nem se lembrava de ver Catherine Capelli quando esta não estava cantando ou rindo ou contando uma piada, rodeada por sua família barulhenta e carinhosa. Ninguém tá falando que você precisa fazer essas coisas disse Ellis baixinho. É o que você pensa disse Julia, os ombros caídos. Olha, estamos na praia. Podemos não falar disso agora? Eu vou nadar. Ellis ficou na beira, no lugar onde a areia quente encontra a areia molhada que estava salpicada de conchas quebradas e algas secas.

80 80 Tirou os chinelos e enfiou os dedos na areia fria. Sua mão envolveu o celular no bolso da sua saída de praia. Ela enviara currículos para alguns lugares. Um antigo colega mandara uma dica promissora sobre uma vaga numa companhia de serviços financeiros recém-aberta em Pittsburgh. Pittsburgh. Ela não conhecia uma alma viva em Pittsburgh. Recomeçar em uma cidade nova? Em uma nova empresa, em um novo emprego? Espontaneamente, imaginou-se só, em um apartamento novo, estudando uma pilha de cardápios de delivery, com uma noite vazia, um fim de semana vazio se aproximando, em uma apavorante, lastimável, solidão. Preocupação, pensou Ellis, claro que sim, caramba. Preocupação não era o suficiente para descrever o que sentia no momento.

81 81 Foi só quando seu estômago resmungou que Maryn percebeu quão esfomeada estava. Parou o carro no primeiro shopping que apareceu. O lugar chamava-se Pelicano Exigente. Nome idiota para um restaurante. Mas ela estava com muita, muita fome. E desesperada para falar com Adam. Seu único amigo. Engraçado, se parar para pensar. Adam Kuykendall, o candidato menos provável para melhor amigo que Maryn podia imaginar: atarracado, com cabelo loiro fino, óculos de nerd e um tufo de barba desalinhado no queixo. Adam e Maryn tinham se dado bem assim que ele começara a trabalhar na Prescott e Associados, uma familiar empresa seguradora de médio porte em Cherry Hill. As outras mulheres do escritório não queriam saber de Maryn, olhando-a com o rabo dos olhos de forma crítica, obviamente excluindo-a das turmas de almoço e happy hour. A maioria era mais velha, casada, com filhos, até netos. Adam era o único que não era corretor em todo o escritório. Então, eram ambos excluídos. De cara, Maryn assumiu que ele fosse gay. Mas ele era surpreendentemente uma ótima companhia, e a conquistou após a primeira semana de trabalho com seus comentários maldosamente ácidos sobre as chatas colegas de trabalho. Depois de uma semana, estabeleceram seus rituais: almoço no italiano da esquina, happy hour sexta à noite, matinês aos domingos filmes de mulherzinha para ela, violentos para ele.

82 82 E então Don surgiu em sua vida um ano e meio atrás. E tudo mudou. Ela tinha que falar com Adam imediatamente, avisá-lo. Don sabe. Eu fugi. Estou com medo. Medo de que ele venha atrás de mim. Medo de que ele venha atrás de você. Tenha cuidado. Eu fui embora. No entanto, Adam teria que esperar. Ela bocejou, saiu do carro, o trancou, olhou para os lados, automaticamente ficou tensa ao ver uma caminhonete preta e, rapidamente, se recompôs. O modelo era diferente da dele. Don Shackleford não sabia onde ela estava. Ainda. No restaurante, todas as mesas estavam cheias. Havia um lugar vazio, no balcão, entre um cara que parecia um pedreiro e uma mulher jovem, da sua idade, com o nariz queimado e cara de quem tinha acabado de sair da praia. O restaurante cheirava a hambúrguer e batata frita. O estômago de Maryn roncou de novo. Ela precisava de comida, cama, um novo nome, nova identidade, nova vida. Mas, por enquanto, um lugar no Pelicano Exigente era o que devia bastar.

83 83 Dorie sentou-se sozinha no balcão da lanchonete. Apesar de ser quase duas da tarde, o lugar estava repleto do pessoal que almoça tarde. Aí está disse a garçonete, enquanto despejava cuidadosamente o milk-shake de chocolate da jarra de metal para o copo alto e gelado, o qual depois colocou sobre a toalha de papel branca. Espere continuou a garçonete. Ela virou-se para os fundos e voltou com uma lata de chantilly em uma mão e outra de cerejas marasquino na outra. Pronto disse, posicionando a cereja no alto do morro de chantilly. Muito obrigada agradeceu Dorie, sorrindo para a garçonete. Está o máximo. Mergulhou o canudo no shake e deu um longo gole. A sensação do chocolate gelado arrepiou suas costas queimadas, mas isso não a desacelerou. Quando acordou na praia, Ellis e Julia não estavam lá, e ela estava morrendo de fome. De novo. Tirou a areia na ducha, vestiu sua saída de praia e foi atrás de algo para comer. A pequena lanchonete chamava-se Pelicano Exigente. Ficava no meio de um shopping a apenas algumas quadras da Ebbtide, e a lembrou do Clary s, em sua cidade. Então ela achou um lugar no balcão, mas quando a garçonete lhe trouxe o cardápio, nada a realmente apeteceu. Exceto o milk-shake de chocolate.

84 84 Dorie tentou aproveitar sua bebida devagar. Ela se sentia um pouco culpada por sair sem avisar as meninas aonde ia, mas, por outro lado, elas também não tinham saído enquanto ela dormia na espreguiçadeira? Tirou uma revista da sua sacola de praia e folheou preguiçosamente as páginas. Ah-ham uma mulher com óculos de sol de marca, com jeito de caros, pigarreou. Dorie levantou os olhos da revista: Oi. Você se importa de eu me sentar aqui? a mulher apontou o banco vazio ao lado de Dorie. Era o único lugar vago no balcão. De jeito nenhum disse Dorie. Obrigada a mulher sentou-se e pegou o cardápio em silêncio. Era bonita, talvez um pouco mais jovem do que Dorie. Com suas calças de alfaiataria, sandálias pretas de salto agulha e blusa justa com estampa de leopardo, estava obviamente deslocada em meio às camisetas e aos shorts da galera da praia. Dorie voltou-se para sua revista, forçando-se a dar goles pequenos do milk-shake. O que ela queria mesmo era outro. Mas este custava quase quatro pilas, e ela teria que deixar um dólar de gorjeta, e isso tudo dá cinco pilas não inclusas em seu orçamento. Cinco pilas que ela realmente não devia gastar. Ela olhou para o celular e, pela décima vez no dia, tentou se obrigar a ligar para a irmã. Willa era cheia da grana. Arthur era rico, e Willa não trabalhou um dia desde que se casara. Era nojento da parte dela cancelar de última hora, e ainda pior não oferecer para pagar sua parte mesmo assim. Quando ela se convidara para ir junto, até deu a entender que gostaria de pagar a parte de Dorie também. Claro, nunca mencionou a oferta novamente.

85 85 Eu não devia ter vindo, pensou Dorie, tristonha. Quando Willa cancelou, deveria ter ficado em casa também. Ela não tinha condições de pagar essa quantia por um mês na praia. Principalmente agora. A garçonete veio, e a mulher ao lado pediu um combinado de sanduíche e um chá gelado. O estômago de Dorie roncou. De repente, sentiu como se pudesse matar por um sanduíche daqueles apesar de ter comido um queijo quente de almoço em casa, sem contar as batatinhas fritas. Dorie voltou-se para a revista e tentou se concentrar num artigo oferecendo Dez dicas para economizar agora. Era uma piada: advertia os leitores para que economizassem moedinhas parando de tomar café na rua e fazendo as unhas em casa. Dorie não saía pra tomar café. E não ia à manicure há anos. Pouco depois, a garçonete voltou com o lanche da mulher. Mais alguma coisa? ouviu a garçonete dizer. Hum, bem disse a loira, com voz baixa, estou procurando um hotel por aqui. Nada chique. Não precisa ser na praia nem nada. Só algo limpo e barato, talvez uma quitinete. Você tem alguma sugestão? Barato? a garçonete riu. Querida, é a alta temporada em Nags Head. Acho que depende do que você considera barato. Minha prima e seus filhos ficaram num lugarzinho na enseada. A espelunca não tinha nem piscina. E eles tiveram que deixar quase duzentos dólares por noite. Ah a voz da loira soou cansada, derrotada até. Talvez você queira pegar a estrada, checar um lugar chamado Elizabeth City. Acho que eles têm um albergue lá. Obrigada agradeceu à loira. A garçonete saiu de cena. Com licença. Dorie desgrudou os olhos da revista.

86 86 Pode passar a pimenta, por favor? Maryn apontou o pimenteiro bem na frente de Dorie. Claro disse Dorie, empurrando o pimenteiro. Maryn desconstruiu seu sanduíche, removendo cuidadosamente cada fatia de pão e, com uma faca, raspou o excesso de maionese antes de salpicar as finas fatias do tomate vermelho com uma avalanche de pimenta. Ela flagrou Dorie a observando com interesse. Eu gostaria que, pelo menos uma vez, eles perguntassem antes de lambuzar maionese em tudo ela explicou. Eu sei concordou Dorie. É a mesma coisa com mostarda. Só um pouquinho já resolve, na minha opinião. Mas esse tomate tá bem bonito. Um-hum disse a loira, remontando o sanduíche. Na minha cidade, não temos tomates bonitos assim tão cedo. Mas não há nada igual a um tomate de Jersey. Dorie riu. Você não experimentou um do jardim do meu pai. Ele cultiva uns gigantes. Poderia comer aquilo até passar mal. Você é daqui? perguntou à loira. Não respondeu Dorie. Sou de Savannah, na Geórgia. E você? Jersey disse Maryn, propositalmente vaga. Deu uma mordida delicada no sanduíche e limpou um pouco de maionese dos lábios com o guardanapo. Minhas amigas e eu vamos ficar aqui o mês todo adiantou Dorie. É? a loira largou o sanduíche. Num hotel? Não fica muito caro?

87 87 Numa casa respondeu Dorie, orgulhosa. Bem na praia. Somos três, dividimos os gastos, então fica bem mais barato que um hotel. Claro acrescentou, pesarosamente, ficou mais caro que o esperado, pois minha irmã cancelou de última hora. A casa disse Maryn, pensativa. Como vocês acharam? Dorie riu. Ellis, uma das minhas amigas? Ela é louca por planejamento. Ela que arrumou tudo. Acho que encontrou na internet. Em algum desses sites de imóveis. Sites de imóveis? É um tipo de site internacional de aluguel de casas no mundo inteiro. Nunca ouvi falar admitiu Maryn. Talvez eu devesse checar. Estou procurando um lugar para ficar umas semanas. Boa sorte. Acho que as coisas são reservadas aqui com bastante antecedência. A Ellis reservou a casa meses atrás. Mas, claro, isso quando a gente estava planejando uma casa para cinco, não para três. Eu meio que decidi de última hora disse Maryn, dando de ombros. Acho que vou ter que procurar um lugar em Elizabeth City. Apesar de que a ideia de um albergue é meio sinistra. Queria achar algo na praia. Maryn voltou sua atenção para o sanduíche. E Dorie teve uma ideia. Seu quarto original aquele que Stephen e ela dividiriam no último andar era independente. Ela se sentia isolada com Ellis e Julia no primeiro andar, então ela se mudara para o quarto reservado para Willa. Ela observou a loira com cuidado. Ela vestia roupas caras, toda produzida. Era loucura essa ideia surgindo? Ela estivera obcecada com preocupações financeiras desde que chegara a Nags Head. Talvez, quem sabe, essa ideia não fosse tão louca.

88 88 Dorie tossiu. Hum, não me leve a mal, ok? A loira virou-se e levantou os óculos. Seus olhos eram azuis e brilhantes. Sim? Olha disse Dorie, enrubescendo um pouco. Tenho uma ideia. Você está procurando um lugar para ficar na praia, e, por acaso, temos um quarto e um banheiro extras. Ah, disse a loira, bem, não sei... É bem privado continuou Dorie. Você teria o último andar da casa. Meu marido e eu ficaríamos lá, mas ele não pôde vir de última hora, e depois minha irmã cancelou também. Então estamos com todo esse espaço a mais. A loira a encarou, como se estivesse inspecionando um pé de alface no supermercado. Dorie sentiu que ficava vermelha novamente. O que ela estava fazendo? Convidando uma completa estranha para ficar com elas. As meninas achariam que ela endoideceu. Eu poderia usar a cozinha? perguntou à loira. Ah, sim. Digo, claro gaguejou Dorie. Pode ter acesso à casa inteira. Somos bem tranquilas e somos só nós três. Eu sou professora, e minha amiga Julia é modelo. A Ellis trabalha num banco. Quer dizer, trabalhava num banco. Quanto? perguntou Maryn. Agora era a vez de Dorie a encarar. As roupas da loira pareciam caras. E suas joias, mais ainda. Tinha um diamante gigante no dedo anular direito e uma pulseira de diamantes no pulso esquerdo. A bolsa que equilibrava no colo era branca, de pele de avestruz, do tamanho de um cachorrinho. O zíper estava incrustado com o logotipo da Prada. E as letras douradas no aro dos óculos de sol de tartaruga soletravam DIOR. Dorie não era especialista, mas a bolsa e os óculos não pareciam falsificados.

89 89 Ela fez as contas na cabeça, acrescentando uma margem de quinhentos dólares, e deu o preço. Hum disse a loira, não queria gastar nem perto disso. É o melhor quarto da casa ressaltou Dorie. Com acesso à praia. E lugar para estacionar. Uma garagem? perguntou Maryn, interessada. Siiim respondeu Dorie, apesar de não ter ideia se o cara da garagem estaria disposto a deixar outra pessoa estacionar. Talvez, se elas oferecessem um pouco do dinheiro da mulher, ele topasse. Tem entrada particular? Dorie mordeu o lábio. Havia uma escada em espiral que levava ao segundo andar, mas era estreita e assustadora, e ninguém tinha nem pensado em subir por lá. No entanto, era, tecnicamente, uma entrada particular. E essa mulher estava ansiosa por um quarto com garagem e entrada particular. E ela obviamente tinha dinheiro para pagar pelos dois. Tem uma entrada particular disse Dorie, assentindo com a cabeça para dar ênfase. Mas se você quiser estacionar na garagem, tem que pagar mais cem por semana. A loira deu um gole de seu chá gelado. Colocou o copo no balcão e girou seu diamante por um instante. Dorie segurou a respiração. Ok ela disse, finalmente. Aceito. Dorie sorriu. Maravilha. Mas queremos o aluguel em dinheiro. Adiantado. Maryn negou com a cabeça. Prefiro pagar metade agora e o resto no fim. Caso haja mudança de planos. Fechado concordou Dorie, estendendo a mão. Aliás, meu nome é Dorie Dunaway.

90 90 A loira hesitou, depois apertou a mão de Dorie. Eu me chamo Madison. Madison Venable. Quando posso ir pra lá? Dorie olhou para o relógio. Que tal às quatro? Quero avisar minhas amigas que você vem e ajeitar a vaga na garagem. Pode ser disse Madison. Eu tenho que ir atrás de umas coisas hoje à tarde, depois vou até lá. A casa se chama Ebbtide disse Dorie, deixando dinheiro no balcão, ao lado do copo vazio. A três quarteirões ao norte daqui, na rua da praia, que chama se Virginia Dare. Tem uma placa na entrada. Você vai ver minha van vermelha.

91 91 Julia e Ellis estavam sentadas na varanda em frente a casa, pintando as unhas dos pés uma da outra em um tom verde-limão ridículo. Olha quem chegou! gritou Ellis, enquanto a Dorie se jogava na cadeira de balanço ao lado. Onde você foi parar? Eu acordei e vocês tinham sumido disse Dorie, em tom acusatório. Fomos tomar sorvete explicou Julia. Achamos que você não fosse ligar. Dorie riu. Foi o que eu fiz também, só que fui tomar milk-shake. Ela lambeu os lábios. Gostoso. Não me lembro de quando foi à última vez que tomei um milk-shake de verdade, com calda de chocolate de verdade e sorvete e tudo o mais. Sem contar o chantilly e a cereja. Parece divino comentou Julia. Ela segurou o vidro de esmalte no ar. Chama Limão Luxo. Quer ser a próxima? Não, obrigada disse Dorie. Fiz as unhas logo antes de vir. A gente estava conversando sobre o que fazer de jantar disse Ellis. É o seu turno. Tem alguma ideia?

92 92 Ainda não respondeu Dorie, sentando na ponta da cadeira de balanço, de forma que esta se aproximava das outras garotas. Ouça, gente, eu fiz uma loucurinha. O quê? Pediu um cara junto com o milk-shake? Julia riu. Essa é a velha Dorie que conhecemos. Deus, não! exclamou Dorie. Olha só. Eu meio que aluguei o último andar da casa para uma mulher que acabei de conhecer. Até parece disse Ellis, preguiçosamente, flexionando os dedos e admirando o novo look ousado. Pode acreditar confirmou Dorie, endireitando as costas. Fiz mesmo. O nome dela é Madison, ela se veste como uma madame e eu a ouvi perguntando pra garçonete onde ela poderia alugar uma quitinete. Ela estava sentada ao meu lado no restaurante, e começamos a conversar. Então ofereci o quarto que seria meu e do Stephen. E ela aceitou. Ela vai nos pagar seiscentos dólares a mais do que a Willa. Então, o que acham? Julia colocou o vidro de esmalte no chão. Eu acho começou, devagar que você perdeu o juízo. Você não pode estar falando sério, Dorie. Você tá me dizendo que convidou uma completa estranha pra morar com a gente por um mês? Você não acha que deveria ter nos consultado antes? Dorie mordeu o lábio. É, acho que sim. Mas o dinheiro vai compensar o que a Willa nos deve. E eu só pensei, bem, é tipo minha culpa a mancada da Willa. Ela é minha irmã, e fui eu quem convenceu vocês a deixar vir. Eu deveria saber que ela ia aprontar uma dessas. Eu só achei que era minha responsabilidade consertar as coisas. Então, consertei. Ellis pegou a mão de Dorie. Eu sei que você está realmente preocupada com a questão da grana. Mas, querida, você não é responsável pelo que a Willa fez. E a Julia e eu não estamos bravas por isso. É coisa da Willa.

93 93 Estou preocupada com a grana gritou Dorie. Poxa, Ellis, você tá sem emprego, a Julia não está trabalhando tanto quanto antes, então acho que o dinheiro tá apertado pra todas nós... Quem disse que eu não estou trabalhando? disse Julia, encrespando. Que porcaria você quer dizer com isso? Nada respondeu Dorie, se afastando. Julia disse Ellis, incisiva. Corta essa. Você acabou de me falar que não tá trabalhando tanto. E, de qualquer jeito, Dorie não quis insinuar nada. A verdade é que a grana tá meio apertada pra todas nós. Mas, Dorie, você realmente devia ter conversado com a gente antes de alugar seu quarto. Eu sei disse Dorie, fungando. Caramba, eu só faço cagada. Mas foi tudo tão rápido. E parecia uma boa ideia na hora. O que você sabe sobre essa garota? perguntou Julia. Dorie hesitou. Ela é de Nova Jersey, está de férias, deu à louca e ela veio pra praia... e, ah, sim, ela odeia quando colocam muita maionese no sanduíche. Ah, ela é contra maionese, é? Não precisa dizer mais nada! Tô dentro! Julia revirou os olhos. Dorie mordeu o lábio. Bom, acho que posso avisar a Madison que nós mudamos de ideia... sua voz falhou. Ela vem às quatro. Eu aviso quando ela chegar. Bem... Ellis pigarreou. É uma quantia razoável. E o quarto tá lá, vazio Dorie as lembrou. Não é como se ela fosse dividir o quarto com a gente. Nem é o mesmo andar. Mas ela é uma desconhecida, Dorie disse Julia. E você não sabe nada sobre ela. Talvez ela seja uma mentirosa patológica. Talvez ela seja mesmo é do Arkansas. E talvez ela ame maionese e não

94 94 aguente ketchup. Quem sabe? Ela pode descer as escadas uma noite e nos matar quando a gente estiver dormindo. Mas por que ela faria algo do tipo? perguntou Dorie, teimando. O controle de Julia estava começando a tirá-la do sério. Quanto mais Julia protestava contra a vinda de Madison, mais Dorie achava que era uma boa ideia. Enfim, se está tão preocupada com ela, a gente manda colocar cadeado nas portas dos quartos. Claro que isso não é necessário disse Ellis, sua voz amansando. Dorie estudou Ellis, sabendo que ela era o voto de Minerva na questão Madison. Pelo menos conheçam ela, por favor? pediu Dorie, mantendo os olhos em Ellis. Vocês vão ver, ela é legal. E o arranjo é perfeito. Ela pode entrar e sair por aquela escada de fora, nos fundos. É o que ela quer: entrada separada. E também quer usar a cozinha, eu disse que tudo bem, claro. Meninas, ela parece confiável. Aceitou pagar em grana; metade agora e metade no fim do mês. Eu a vi pegando o carro. Ela tem um carro bacana. E tem uns diamantes classe A. E, bem, usava óculos Dior e bolsa Prada. Acho que eram verdadeiros, eu não entendo bem do assunto... Eu entendo atalhou Julia. Eu percebo uma Prada pirata de longe. Ok, quando ela vier, você pode checar tudo isso disse Dorie. O que acham? Não vejo problema em conhecê-la disse Ellis. Né, Julia? Que seja disse Julia, exibindo um olhar sério. Mas quando essa maníaca homicida cortar você em pedacinhos com uma peixeira, não diga que eu não avisei. Combinado concordou Dorie, alegremente. A não ser que vocês sintam uma vibração muito esquisita, Madison tá dentro. Agora vou correr lá em cima e deixar umas toalhas limpas no banheiro. É o mínimo que posso fazer, já que ela está assumindo o preju da Willa. Eu te dou uma mão Ellis voluntariou-se.

95 95 Só mais uma coisa acrescentou Dorie. A Madison quer estacionar o carro na garagem. Eu disse que haveria um acréscimo de cem reais por semana e ela nem piscou. Não temos acesso à garagem disse Ellis. O menino da garagem deixa a caminhonete dele lá. Tem espaço pra dois carros contrapôs Dorie. Talvez o Ty Bazemore não se importe. Talvez você possa pedir permissão ao Sr. Culpepper. Talvez disse Ellis, não querendo se comprometer. Vou dar uma assuntada.

96 96 Maryn observou Dorie tirar sua van vermelha da vaga. Será que ela tinha feito uma loucura? Ela acabara de concordar em alugar um quarto numa casa cheia de mulheres completamente desconhecidas sem nem verificar nada antes. Por quê? Algo naquela moça a fazia se sentir segura. Dorie parecia alguém confiável. E Maryn não conseguia se lembrar da última vez em que confiara numa mulher que não fosse sua parente. Ela disse a si mesma que o novo plano era totalmente sensato. Desse modo, seu nome não aparecia no registro de nenhum hotel ou pousada. Não precisaria usar cartão de crédito. Ficaria escondida numa casa particular, um lugar no qual ele nunca a procuraria, com o carro estacionado na garagem, escondido de olhos intrometidos. Maryn tirou o celular da bolsa e checou as mensagens. Quatro chamadas perdidas de Don. Deletou-as com um toque do dedo, desejando que a tarefa fosse tão fácil no mundo real quanto no digital. Ela considerou por um momento se deveria ligar para Adam, dizer-lhe quão certo ele estivera sobre Don. Gostaria de poder contar-lhe, gostaria de poder conversar. Adam era o único em quem poderia confiar. Mas não era seguro. Nem para ele, nem para ela. Maryn mordiscou nervosamente a cutícula. O que ela deveria fazer? Chamar a polícia? Chamar o velho R.G. Prescott em pessoa? E dizer o quê? Eu trabalhava pra você, e meu marido, Don Shackleford,

97 97 é seu contador, e acontece que ele arrancou de você por volta de dois milhões de dólares. Tenha um bom dia? Não. Ela não tinha prova concreta. Ela não trabalhava na seguradora há meses. Logo depois do casamento, Don insistiu para que ela se demitisse ele tinha dinheiro o suficiente, eles não precisavam daquele salário mísero, e, de qualquer modo, ela tinha mais o que fazer em casa, na casa de duzentos e oitenta metros quadrados que estavam alugando enquanto construíam a nova. Ela mantivera a amizade com Adam depois de sair da empresa, mas tomava cuidado para não mencionar o amigo para Don, que o considerava um perdedor e, enfim, ela não poderia fazer amizade com as esposas de seus colegas do golfe? Adam ligara para seu celular na sexta anterior e obviamente havia algo errado. Precisamos conversar, ele dissera com a voz baixa, insistindo para que se encontrassem num café a quilômetros de distância de Cherry Hill. Ela riu quando ele chegou quinze minutos atrasado, usando óculos enormes e um boné enfiado na cabeça. Que foi? Tá disfarçado? Isso é sério, Maryn disse Adam. Escute. Tivemos auditores de fora lá no escritório hoje. Não contaram pra ninguém o que foram procurar, mas eu tenho certeza de que tem alguma coisa estranha com pelo menos seis das nossas contas. Ela deu de ombros. E eu com isso? Faz meses que não trabalho lá. E, de qualquer modo, eu só cuidava do processamento de requerimentos. Não tem a ver com você explicou Adam. Tem a ver com seu marido. Don? ela continuava sem entender. Adam sorriu ironicamente. Como você acha que ele ficou tão rico? Quantos outros contadores vivem como ele? As casas, carros novos, viagens para

98 98 Vegas, Palm Beach, Bermudas? Quanto que você acha que custa ser sócio de um clube de campo igual ao de vocês? ele apontou para a aliança de Maryn. Robby Prescott é velho rico, terceira geração, e a mulher dele não tem um anel desses. Isso é maluquice disse Maryn, nervosa. Ela levantou-se para ir embora. O Don não precisa roubar. Ele investe em propriedades, num edifício de escritórios na zona sul, numas empresas de depósitos particulares. Só porque você não gosta dele, não significa que ele seja um ladrão. Adam puxou-a pela manga, o café dela espirrou sobre a mesa, manchando sua saia Armani favorita. Me escuta ele insistiu. O cara é sujo. Tem dinheiro faltando, ou pelo menos não contabilizado. Tipo, uns dois milhões. Você está falando sobre o meu marido disse Maryn, sua voz estava gélida. Agora me deixa. E nunca mais me ligue. Nunca mais. Sua raiva durou um dia. E então ela começou a pensar. De onde, mesmo, vinha todo o dinheiro do Don? Por que ele mantinha segredo dos seus negócios? Ele era generoso com ela, mas ela não tinha conta pessoal, nem mesmo um cartão de débito, somente cartões de crédito, e nunca vira uma conta ou extrato. Tudo era mandado diretamente para o escritório dele. Se precisasse de dinheiro, pedia, e Don dava. Sou seu caixa eletrônico pessoal, ele dissera mais de uma vez, mostrando, graficamente, o que esperava receber por sua generosidade. E exatamente vinte e quatro horas após seu encontro com Adam, Maryn começou a procurar por respostas. E o que ela achou foi muito, muito mais do que esperava. A verdade não a tinha libertado, pensava agora. Forçou-a correr atrás da própria vida. Ela guardou o telefone e expulsou qualquer pensamento de pedir ajuda a alguém. Quem acreditaria nela? Por enquanto, ela tinha questões mais urgentes para tratar. Suas roupas de marca extremamente urbanas faziam-na parecer um peixe fora d água

99 99 naquela praia. E as poucas peças que trouxera consigo não eram apropriadas para sua situação atual. Havia um outlet bem no começo da estrada. Ela escolheria um novo guarda-roupa para a nova pessoa que inventara há poucos minutos. Madison precisaria de shorts, camisetas, um par de jeans e alguns chinelos. E suas próprias roupas as roupas da Maryn, aquelas com as etiquetas de estilistas caros, que um dia tanto cobiçara? Havia uma caixa de papelão da Cruz Vermelha no estacionamento do shopping. Esse seria o fim de Maryn. E o começo de Madison. Lá vem ela disse Dorie, quando o carro subiu pela entrada da casa. Que carrão comentou Julia, observando-o. Onde será que ela roubou? Comporte-se avisou Dorie, pulando da cadeira de balanço em que estivera empoleirada. Esperou até Maryn estacionar e depois andou vagarosamente até encontrá-la. Oi, Madison cumprimentou Dorie, sorrindo. Que bom que você veio. Foi difícil achar a gente? Nem um pouco respondeu Madison, tirando sua mala e seu laptop do bagageiro. Deixa comigo ofereceu-se Dorie, segurando a alça da sacola. Deixa eu te ajudar a levar suas coisas para dentro.

100 100 Não! Madison puxou a mala com força. Bem, não, obrigada. Eu me viro. Tudo bem concordou Dorie. Venha até a varanda. Estamos tomando chá gelado. As meninas estão doidas pra te conhecer. Se você não se importa disse Madison, meu dia foi longo. Quero ir logo para o meu quarto e me acomodar. Pode deixar as instruções pra depois? Dorie ficou rosa choque. Na verdade, fui um pouco apressada na hora de te oferecer um quarto para alugar sem te apresentar pro pessoal antes. Madison deu um sorriso amarelo. né? Elas querem dar uma checada, ver se eu não sou uma bizarra, Mil desculpas. É que eu fiz tudo isso por conta própria, sem consultar ninguém disse Dorie, se desculpando. Geralmente não sou tão impulsiva. Mas tenho certeza de que vai dar tudo certo, elas só precisam te conhecer. Madison suspirou. Vamos logo acabar com isso, então. Meninas disse Dorie, essa é a Madison. Ellis levantou e estendeu a mão. Madison, oi. Sou a Ellis Sullivan.

101 101 Julia permaneceu sentada na sua cadeira de balanço. Encarou Madison de cima a baixo e depois pousou seu copo de chá gelado no chão. Olá disse, sou a Julia. Oi respondeu Madison, desconfiada. Agarrou-se à sua bolsa e olhou ao redor da varanda. Parece muito legal. Obrigada por me deixarem invadir seu cafofo. Ficamos contentes em recebê-la disse Ellis. Ela apontou para a cadeira que acabara de vagar. Sente-se conosco. Acabei de fazer uma jarra de chá gelado. Obrigada agradeceu Madison. Colocou sua mala e o laptop no chão, ao lado da cadeira de balanço, e pegou o copo que Ellis serviu. Um silêncio constrangedor invadiu a varanda, pontuado somente pelo rítmico barulho da cadeira de Julia, balançando para frente e para trás no chão de madeira desgastado. Suponho que Dorie contou tudo sobre a gente disse Ellis, ansiosa para quebrar o gelo. Na verdade, não respondeu Madison. Só falou que vocês são velhas amigas. De Savannah? Na verdade, só eu ainda moro em Savannah disse Dorie, se intrometendo. Leciono Língua Inglesa num colégio católico para garotas. Ellis vive na Filadélfia, trabalha num banco. Trabalhava num banco corrigiu Ellis. Acabei de ser cortada. E a Julia mora em Londres. Quando não está fora. Ela é modelo. Já deve ter visto ela em revistas. Sabe o xampu Sumptuesse? Era a Julia disse Dorie. Ela era o rosto da marca. Mas não atualmente disse Julia, amarga. E você, Madison? O que te traz a Nags Head?

102 102 Madison já estava esperando, pronta para responder com boa parte da verdade. Estou fugindo de casa disse, sem inibição, jogando a cabeça para trás. Problemas com homem. Sinto muito disse Dorie, estendendo a mão e desajeitadamente acariciando a mão de Madison. Vou superar respondeu Madison com um sorriso tenso. Onde é sua casa? continuou Julia, pressionando. Boa pergunta respondeu Madison, suave. Já fui parar em muitos lugares. Jersey é o mais recente. Mas isso vai mudar. Estou examinando minhas opções. Sei como é disse Ellis, balançando a cabeça em concordância. Hora de se reinventar, certo? Eu nem sei se vou voltar pra área bancária. Quê? disse Dorie, parecendo confusa. Você nunca nos disse nada sobre mudança de carreira. O que você está pensando? Ellis deu de ombros. Quem sabe? Talvez virar paraquedista. Ou fugir com o circo. Sei disse Julia. E eu vou virar neurocirurgiã. Ellis tem medo de altura explicou Dorie ao ver o olhar interrogativo de Madison. E a Julia não aguenta ver sangue. Ela foi reprovada em Biologia no colegial, pois se recusou a dissecar um feto de porco. Madison bocejou e colocou o copo de chá no chão. Desculpem disse. Espero não estar sendo grossa, mas estou muito cansada de dirigir o dia todo ela virou-se para Dorie. Se estiver tudo ok... Claro! exclamou Dorie, olhando para as duas outras mulheres. Certo?

103 103 Julia deu de ombros. Ellis levantou-se novamente. Bem-vinda à Ebbtide disse, acolhedora. Vem, Madison disse Dorie. Vou te mostrar seu quarto. Ou quer ver o resto da casa antes? Faço o tour mais tarde, se não se importa pediu Madison. Tudo bem concordou Dorie, tentando não demonstrar surpresa. Claro. Bem, sua entrada é nos fundos. Vou te mostrar. Obrigada disse Madison. Dorie subiu cuidadosamente os três lances de escada, segurando firmemente no corrimão de metal. A pintura estava enferrujada e descascando, grudando na palma úmida de sua mão. Madison estava a apenas uns passos atrás, e enquanto Dorie já se sentia sem fôlego no primeiro lance, o passo da outra mulher era leve, sua respiração, indiferente. Ellis e Dorie tinham feito uma pequena arrumação no quarto para a hóspede. O cômodo, que ficara vazio, estava sufocante, então elas ligaram o ar e tentaram esfriá-lo. Enquanto Ellis arrumou a cama com lençóis limpos, Dorie arrastou uma pequena penteadeira de pinho, um criado-mudo e uma velha lâmpada de mesa verde do sótão. Passaram um pano no chão e espanaram as teias de aranha dos beirais da janela. As duas precisaram empurrar a porta empenada que abria para fora. Obviamente não era usada há um tempinho. Dorie abriu a porta e deu um passo ao lado para deixar Madison entrar primeiro, cruzando os dedos para que ela aprovasse o quarto. Madison levou apenas um momento para olhar em volta. Colocou sua sacola na cama e depositou o laptop na penteadeira. Andou até a janela da frente e olhou lá fora. Dali, tinha uma visão aberta da rua. Outra janela, uma dupla, dava de frente para o oceano. Tá bom disse, rapidamente.

104 104 Ótimo falou Dorie. Apontou pela porta do quarto para o patamar da escada. Seu banheiro é logo ali. Tem um conjunto de toalhas limpas. Tem uma lavanderia ao lado da cozinha. E a chave? perguntou Madison. A chave? Da porta explicou Madison, sem paciência. Das portas, quer dizer. Ah. Dorie olhou para a porta de fora, pela qual vieram. Tinha uma fechadura antiga. A de dentro tinha um ferrolho e nada mais. Não temos chave da porta externa admitiu Dorie. Posso pedir para o Sr. Culpepper. Sim disse Madison. Preciso da chave. Acho que não tem fechadura para a porta do seu quarto disse Dorie, apontando-a. Mas não precisa se preocupar com isso. Você tem o andar todo pra você, ninguém vai subir. Eu me sentiria melhor com uma fechadura disse Madison. Sério? Tipo, a gente tem fechadura nas portas da entrada disse Dorie e vou mandar fazer uma cópia das chaves. Mas na maior parte do tempo a gente nem se lembra de trancar. É a praia, acho que não tem com que se preocupar. Eu me preocupo retrucou Madison com firmeza, segurando a porta da entrada interna. Estou acostumada a viver na cidade. Não vou conseguir dormir sem fechadura e chave para as duas portas. Eu pago o chaveiro. Os olhos dela se dirigiram para o corredor, um sinal claro de que Dorie estava dispensada. Tudo bem disse Dorie, enfim entendendo a dica. Vou deixar você descansar. Pedirei para Ellis ver com o Sr. Culpepper sobre as fechaduras.

105 105 Obrigada agradeceu Madison, sorrindo com tensão. Fico agradecida pegou sua bolsa Prada, retirou um envelope branco e grosso e o entregou à Dorie. Meu aluguel explicou. Supus que suas amigas não aceitariam cheque. A face de Dorie ficou vermelha. Ah, bem, ainda não tínhamos conversado sobre... Madison começou a fechar a porta. Ah disse Dorie, enfiando a cabeça para dentro. Já ia esquecendo. A gente se reveza na cozinha, hoje é a minha noite. Nada elaborado, só frango assado com salada caesar. Mas adoraríamos se você viesse. Geralmente jantamos entre sete e oito. É muito gentil, mas disse Madison provavelmente vou deixar para a próxima. Aquele sanduíche de hoje à tarde vai durar até de manhã. Bem... se mudar de ideia, ou se quiser se juntar a nós para uma taça de vinho ou algo do tipo disse Dorie, indo em direção às escadas. É só descer. Combinado. Madison fechou a porta, Dorie ouviu o ferrolho girar. Julia e Ellis estavam sentadas no sofá da sala quando Dorie desceu. E aí? perguntou Ellis, ansiosa. Ela gostou do quarto? Mais importante: pagou o aluguel? perguntou Julia.

106 106 Dorie sentou-se em uma poltrona de chita desbotada, próxima à lareira. Ela gostou do quarto, pelo que pude perceber. A Madison é, bem... reservada, eu diria levantou o envelope com o dinheiro. E, sim, ela me deu o dinheiro do aluguel. Em espécie encarou Julia, acusadora. Ela tinha certeza de que vocês não aceitariam cheque. Espécie é o que há disse Julia, levemente. Ela vai descer para jantar? Julia virou o pescoço em direção à escada, como se Madison pudesse aparecer a qualquer momento. Agora não contou Julia. Ela disse que está bem cansada. Tenho a impressão de que veio dirigindo direto. A placa do carro é de Nova Jersey reportou Julia. E acho que você tem razão sobre ela ter grana, Dorie. O carro não é barato. Esse modelo está por volta de cinquenta mil dólares, e isso só o modelo básico. O dela é completo, com sistema de navegação acoplado e tudo o mais. Como de repente você entende tudo de carro? perguntou Ellis. Faz anos que você não tem um, não é? Ah, o Booker virou um doido por carros disse Julia, distraída. Esse é o modelo que ele vem cobiçando há meses. Dorie abrira o envelope e estava silenciosamente contando o dinheiro. Gente disse, olhando de Julia para Ellis, aqui tem três mil dólares. Tudo em nota de cinquenta. Ellis olhou para o dinheiro sobre o ombro de Dorie. Você não tinha dito que ela queria pagar metade adiantada e a outra metade no fim do mês? Me deixa ver disse Julia, estendendo a mão para o dinheiro. Ela abriu as notas sobre suas pernas bronzeadas. Mãe de Deus disse Julia, a Dorie tá certa. E são todas notas novinhas. O que vocês acham disso?

107 107 Será que ela assaltou um banco no caminho? perguntou Ellis, rindo desconfortável da própria piada. Ela perguntou se poderíamos colocar uma fechadura na porta do quarto. E pegar a chave da porta externa disse Dorie relutantemente. E quer uma chave pra porta da frente da casa. Ela disse que paga o chaveiro. Talvez por isso tenha dado a grana extra. Que porra é essa? perguntou Julia, irritada. Ela acha que somos um monte de ladras ou algo assim? Ela disse que está acostumada com a vida na cidade e não vai conseguir dormir até se sentir segura explicou Dorie. Olhou para Ellis: Talvez você possa perguntar ao Sr. Culpepper se tudo bem mandarmos colocar a fechadura. Avisar que iremos pagar. Posso fazer isso concordou Ellis. Mas não quero que ele saiba que estamos sublocando o último andar. Ele já está cobrando cinquenta paus a mais por semana por causa da garagem. Se ele perceber o que a gente tá fazendo, vai cobrar ainda mais. Você tem razão concordou Julia. Nem menciona a Madison. Coloca a culpa em uma de nós. Diga que somos paranoicas ou algo do tipo. O que não chega a ser mentira disse Ellis. Não sou medrosinha, mas, se o chaveiro vier, podemos pedir pra ele colocar fechaduras nas nossas portas também. Pra quê? perguntou Dorie. Tomou as notas de Julia e as enfiou de volta no envelope. Porque disse Julia, lentamente acabamos de convidar uma estranha para ficar entre nós e não sabemos virtualmente nada sobre ela. Vocês perceberam como ela foi evasiva quando fiz perguntas? Se ela está tão interessada em nos trancar para fora, devemos começar a pensar em fazer o mesmo. Ah, Julia disse Dorie, ficando vermelha. Não é justo! Bom, eu sei que você tá puta que eu aluguei o quarto, mas, fala sério, acho que conheço um pouco as pessoas. A Madison parece gente boa.

108 108 Totalmente normal. Ela só é um pouco tímida. E quer privacidade. O que tem de assustador nisso? Nada assustador para mim disse Julia. Mas se ela pode dirigir um carro de cinquenta mil dólares e carregar uma bolsa de dois mil, que, por sinal, é verdadeira, não parece meio estranho ela querer alugar um quarto de merda numa casa caindo aos pedaços? E que ela esteja disposta a pagar toda essa grana por isso sem nem conhecer o lugar antes? Desculpa, mas eu tenho que concordar com a Julia. Realmente parece estranho disse Ellis. Eu vou manter olhos e ouvidos bem abertos perto dessa mulher acrescentou Julia. Quero saber muito mais sobre essa Madison. Eu não quero saber por que ela quer ficar aqui disse Dorie. Só me importo que agora não precisarei ligar pra minha irmã e me rastejar e implorar para que ela pague sua cota da casa. Então vocês podem ir em frente e se trancarem e brincarem de detetive à vontade. Só não a expulsem. Ok?

109 109 A TV a cabo estava fora do ar. Quando ligaram o aparelho depois do jantar, a tela ficou cinza e encrespada como um suéter velho. Ellis pegou o celular. Vou mandar um pro Sr. Culpepper. Sério, conserta uma coisa, quebra outra. Por que você não liga pra ele? perguntou Dorie. Eu não tenho o número respondeu Ellis, digitando. E ele é bem reservado quanto ao seu endereço, senão, acredite, eu acamparia na porta dele até ele arrumar tudinho. Julia serviu-se de mais uma taça de vinho e recostou-se na cadeira. Não precisa perder as estribeiras por minha causa. Eu não tô nem aí pra ver TV. Ainda mais no verão. Ellis empilhou os pratos e talheres e os depositou na pia que enchera de água com sabão antes de se sentar no chão. Essa questão do verão, percebeu, feliz, estava caminhando conforme planejado, ainda mais com a Madison, e seu dinheiro, contribuindo para o bemestar financeiro delas. Madison já estava lá há três dias e recusado

110 110 todos os convites para jantar, explicando que ela não trabalha o jantar. Ela era, como Dorie dissera, tímida perto delas, passava a maior parte do tempo no quarto, saindo ocasionalmente para andar na praia. No dia seguinte ao que se mudara, trouxe uma bicicleta e, agora, sempre que saía de casa, era pedalando. Apesar das previsões sinistras da Julia, nada fora do comum acontecera desde a chegada de Madison. Ela era esquisita, solitária, evasiva se questionada sobre informações pessoais. Ellis sugeriu que Madison estava de coração partido, e Dorie era solidária à emoção. Aquele anel dela comentou Julia ajudaria bastante a me recuperar. Vem, Ellis gritou Dorie da sala de jantar. Deixa a louça pra depois. Tô feliz que a TV pifou. Vamos fazer algo juntas. Tem umas palavras cruzadas aqui. Vamos fazer. Por mim, pode ser disse Ellis. Credo, palavra cruzada reclamou Julia, fazendo careta. Por que a gente não aproveita e coloca nossas meias de compressão e come ameixa seca? Qual é, galera, temos que pensar em algo mais animado do que isso. Não estamos mortas ainda, né? Eu trouxe uns DVDs começou Ellis. Ou podemos jogar um jogo de tabuleiro. O que tem aí, Dorie? Hum, vamos ver. Uno, Banco Imobiliário, Trívia. Ah, já sei, cartas. Vamos jogar buraco, igual na praia lá de casa. Isso concordou Ellis, levantando-se da mesa. Buraco. Embaralhe as cartas, Julia. Vou fazer pipoca. Aproveita e abre outra garrafa de vinho ordenou Julia. E nada daquela porcaria barata, hein? Eu coloquei uma bela garrafa de pinot gris na geladeira antes do jantar.

111 111 Ty leu o último de Ellis Sullivan e riu até não poder mais. Talvez ela não fosse tão chata quanto ele pensava. Para: De: Assunto: Cabo fora do ar Caro Sr. Culpepper, desculpe incomodar, mas o cabo da TV está fora do ar. Claro que o cabo está fora do ar. O dele também estava. Havia uma pilha de cobranças na escrivaninha, e o aviso de corte do serviço no topo dela. Ele pensou em fazer um gato. Um amigo ensinara-lhe o truque nos tempos de faculdade. Mas, com sua sorte, seria pego e jogado na cadeia. Para: De: Assunto: Cabo Querida Ellis, por favor, não tenha chilique. Liguei no SAC e a linha deles estava ocupada. Satisfeito com sua pequena obra, apertou o botão Enviar. E depois encaminhou a última cartinha para o arquivo em que estava guardando os outros s dela. Era uma bela coleção.

112 112 Sem televisão e o jogo dos Nationals ao qual pretendia assistir, a noite alongava-se a sua frente tão vazia e deprimente quanto a tela silenciosa da TV sobre o caixote de plástico no canto da sala. Foi até a geladeira, pegou uma cerveja e caminhou para o deque. Jogou-se numa cadeira e olhou para o mar. Deve ter sido um belo pôr do sol, pensou ao ver o céu rajado de laranja e roxo. Ele o perdera, claro, pois estava on line, pesquisando uma solução para o seu apuro. Era assim que passava a maior parte do seu tempo hoje em dia, procurando uma saída para o buraco que cavara para si. Grande novidade. Ele arriscara tudo ao comprar esse lugar, no desespero de morar perto do mar novamente. Agora ele conseguiu Ebbtide, empoleirada sobre Outer Banks e poderia estar muito bem vivendo numa caverna, no fim das contas. Há semanas, ele não surfava, não dava um mergulho matutino, nem ao menos pegava um pôr do sol decente. Tinha que haver um jeito. Mas qual? Deu uma grande gole na garrafa de cerveja. Ouviu risada e música vindas da Ebbtide. Posicionou-se na ponta do deque e pôde ver a sala de jantar, banhada pela luz dourada do candelabro. As três mulheres sentavam-se em volta da mesa, jogando cartas. Havia uma garrafa de vinho sobre a mesa e copos pela metade. A alta, Julia, estava falando desembestadamente, com as mãos balançando para ênfase. A ruivinha ria de modo incontido, passando as mãos pelo cabelo. Ellis, ele notou, parecia estar marcando os pontos. Discutia, sorrindo, e escrevia algo num bloco de anotação. De repente, ela olhou. Ty abaixou-se instintivamente. Tinha sido flagrado observando-a? Não. Uma das mulheres disse algo, e Ellis atirou-lhe uma pipoca, e agora estavam fazendo uma guerra aberta. Suas gargalhadas agudas flutuavam sobre as dunas, até o mar. O baralho, a luz dourada e o som prateado das risadas lembraram-lhe de verões passados. A família toda em Ebbtide. Sua mãe e sua avó fizeram uma reunião que apelidaram de Irmãs Encharcadas. Ele tinha quanto anos? Seis? Seu pai explicou que aquelas senhoras não eram exatamente irmãs de sua mãe, mas apenas

113 113 velhas amigas, que a mãe conhecia desde a infância, quando era quase da sua idade. A avó passara o dia do encontro das irmãs encharcadas assando febrilmente pequenos biscoitos e fazendo salada de ovo, queijo temperado e sanduíche de frango cortados em pequeninos triângulos sem pele. A mãe afofou, limpou, varreu e esfregou o velho chão de pinho até chegar num chique e fosco brilho. Uma toalha florida foi posta sobre a velha mesa de jantar e do grande armário de cedro, que ficava sobre o hall embaixo das escadas, saiu um conjunto de pratos pintado com rosas e delicadas taças de vinho cor-de-rosa que ele nunca havia visto. Às seis da tarde, sua avó o expulsou. Proibido meninos, dissera, rindo ao empurrá-lo para fora. Então ele e o pai andaram até a pizzaria, onde comeram vagarosamente uma pizza grande e assistiram ao jogo do Braves na televisão acoplada na parede sobre o bar. Seu pai tomou cerveja, e dera um gole para Ty, com o sobreaviso de não contar à mulherada. Quando caminharam de volta para casa, a entrada arenosa ainda estava cheia de carros, então, pararam na porta da cozinha, e seu pai entrou na ponta dos pés dentro da casa, emergindo pouco depois com um guardanapo repleto de biscoitos e bolos e uma lata de refrigerante para Ty. Contrabando seu pai falou em um sussurro conspiratório. Pegaram suas guloseimas roubadas e foram para o apartamento sobre a garagem. Naquela época, ainda chamavam o apartamento de casa da Tillie, pois era onde a empregada de sua avó, Tillie, e seus três filhos moravam todos os verões, quando vinham da enorme casa em Edenton de sua avó. Ty tinha apenas uma memória vaga de Tillie uma senhora pequena, de ombros curvados, que pintava o cabelo de vermelho vivo, mascava chiclete sem parar e vestia algo que parecia um uniforme branco de enfermeira. Ele lembrava-se bem de como Tillie, pela manhã, colocava gelo no café dela e da maneira como gostava de mandar na mãe dele. Mas Tillie deixara de ir à praia nos anos oitenta,

114 114 porque, de acordo com seu pai, ela queria um aumento e sua avó, pobrezinha, está dura. Então a casa da Tillie virou um local para guardar móveis velhos e as hordas de visitantes. Na noite das Irmãs Encharcadas, seu pai arrastara duas cadeiras bambas para o deque, e eles sentaram-se lá e devoraram as sobremesas. Eles podiam ver sua avó, sua mãe e uma penca de mulheres, arranjadas em volta da mesa enfeitada. Tocava música, e algumas das senhoras jogavam baralho, e todas riam e estavam realmente se divertindo. Ty ficara fascinado em ver a mãe e a digna avó agindo como colegiais. Do que elas estão conversando? ele perguntou ao pai, que estava encostado no parapeito. Qual é a graça? Quem? Elas? o pai de Ty olhou na direção da casa e deu de ombros. Filho, não dá pra saber o que passa na cabeça de uma mulher. Você junta um monte de garotas assim e todas as apostas são canceladas. Elas podem estar falando de sapatos ou roupas. Ou podem estar falando sobre quem não está lá. Provavelmente estão falando mal do marido de alguém. Não importa. Porque mesmo se você e eu estivéssemos lá dentro com elas, a gente não ia entender a graça. Nem em um milhão de anos. Bati! gritou Ellis, exultante, baixando as cartas na mesa. Ah não, de novo, não disse Dorie. Ela mostrou as cartas para as outras. Você me pegou com uma mão cheia de reis e ases. De novo ela bateu os dedos sobre as cartas. Com isso, eu fico com, tipo, menos sessenta. Estou com quarenta reportou Julia, abaixando as cartas. Como estamos, Ellis?

115 115 Hum. Eu estou com quatrocentos e oitenta e cinco. Julia, você está com quatrocentos e dez. E Dorie, querida, você está com duzentos e vinte. Caso liquidado disse Dorie, bocejando. E eu também. Que horas são? Quase meia-noite. Vou deitar. Ainda não protestou Ellis. Ainda é cedo. E você pode ter uma revanche. Vem, Dorie, não vai pra cama ainda. Estamos nos divertindo tanto. Ei, que tal sorvete? Tem picolés de chocolate no freezer. De chocolate? Dorie levantou a sobrancelha. Bem, por que você não avisou antes? Eu posso ser ruim no baralho, mas sou óóóótima no chocolate. Antes você não era ruim de baralho observou Julia. Você costumava nos detonar. Eu nunca vi ninguém memorizar cartas como você, Dorie. Dorie tirou o cabelo do rosto. Não estou concentrada disse, com leveza. Estou meio loira. Loira-ruiva. O que tá te preocupando? perguntou Julia. Ellis olhou-a com cautela, mas Julia não tirou os olhos de Dorie. Ah, você sabe respondeu Dorie. Dinheiro. Trabalho. O de sempre. Não se preocupem. Vou ficar melhor quando a Ellis trouxer os picolés do suborno. Dorie? Julia arrastou a cadeira para o lado de Dorie. Qual é, amiga? A gente sabe que tem algo te incomodando. Julia! exclamou Ellis. Você prometeu. Julia deu de ombros. Eu menti. Agora, vai, Dorie. Desembucha. Dorie ficou branca. Juntou todas as cartas da mesa em um monte e se ocupou em arrumar o deque.

116 116 Eu sou tão transparente? perguntou, olhando de Julia para Ellis. Não sabe fazer cara de pôquer disse Ellis, sentando-se do outro lado de Dorie. Mas você não precisa falar se não quiser. É o Stephen, não é? Julia entrou chutando, ignorando a encarada de Ellis. Ai, meu Deus sussurrou Dorie. Sim. Stephen... uma única lágrima deslizou sobre sua face. Ela mordeu o lábio. O Stephen e eu... Meu Deus. Não acredito no que está acontecendo. Não consigo nem falar. Julia encheu uma taça com o resto no pinot gris e a empurrou na frente de Dorie. Aqui, Beba. Não. Dorie afastou a taça gentilmente. Eu consigo fazer isso. Consigo. Tenho que fazer. A começar por hoje respirou profundamente, e de repente as palavras jorraram. Eu menti pra vocês. Menti. Me desculpem. A verdade é que Stephen já terminou a dissertação há semanas. Ele não veio pra praia comigo por que vamos nos divorciar. E ele se mudou de casa há duas semanas. E agora eu tenho que vender a casa. Eu não podia contar pra vocês. Eu não contei pra ninguém. Muito menos pra Willa. Ai, meu Deus, o que ela vai falar? E a minha mãe? Ela vai morrer, com certeza. Como eu vou contar pra ela? E na escola? Sei que um de nós dois vai ter que pedir demissão. Não dá para os dois trabalharem lá. Não agora. Mas não sei o que fazer. Não consigo nem pensar. Nem mesmo nas coisas mais simples. Não sei mais nem decidir o que comer no café da manhã ou o que vestir. É como se meu cérebro estivesse congelado. Eu não devia ter vindo pra praia. Devia ter ficado em casa e resolvido tudo, mas eu queria vir. Queria pegar meu carro e fugir. Simplesmente sair dirigindo. E tudo que eu podia pensar era: Vou pra praia. E não vou enfrentar isso. Quando eu estiver na praia, nada disso vai importar. Então, eu vim.

117 117 A torrente de palavras estacou tão subitamente quanto começou. Os ombros de Dorie curvaram-se. Ela secou, eficientemente, as lágrimas que agora corriam sobre suas bochechas. Ai, Deus. Que confusão. Ai, Dorie disse Ellis, abraçando a amiga. Sinto muito ela chorava também. Ah, querida, não sei o que falar ela se sentia completamente impotente diante da dor de Dorie. Eu sei disse Dorie, com a voz trêmula. O Sr. e a Sra. Perfeitos vão se divorciar. Que desastre. Julia deu um longo gole da taça intocada de Dorie. Eu sabia. Assim que te vi no aeroporto, sabia que tinha uma coisa do tipo. Eu torci para que não fosse, sabe, isso. Mas eu sabia no fundo do coração que era. Você é uma bruxa disse Dorie, secando os olhos com um guardanapo de papel. Sempre foi. Na verdade, não disse Julia. Você que é muito fácil de decifrar. Você não telefonou pra ele e vice-versa. Vive choramingando e reclamando. E não consegue nem jogar a porra de um baralho. Desculpe disse Dorie, fungando. Odeio ser a estragaprazer. Você quer conversar sobre isso? perguntou Ellis. Não. Quer dizer, sim, posso conversar. Se vocês não se importarem de a pipoca ficar encharcada. Nem sei por onde começar. Me deixa adivinhar disse Julia. Eu aposto que o Sr. Perfeito tinha uma amante. Estou certa? Julia avisou Ellis, entre os dentes, até o fim da noite eu vou te estrangular. Juro. A risada de Dorie foi vacilante.

118 118 Deixa ela, Ellis. Talvez ela não seja tão sensível quanto eu pensei. Você tá meio certa, Julia. Stephen tem mesmo outra pessoa. Mas não é uma garota. É um cara. Quê? gritou Ellis. Mentira! exclamou Julia. Você tá querendo dizer que o Stephen é gay? Dorie chorava novamente, e as palavras saíam tão rápidas quanto às lágrimas: Eu sou uma idiota. Como eu não percebi? Quer dizer, eu percebi que algo estava errado, mas nunca sonhei que fosse isso. Na Páscoa, a gente ia pra Destin com outro casal da escola, e um dia antes, Stephen avisou que não iria. Ele não se importava se eu fosse, na verdade, queria que eu fosse, mas disse que tivera um semestre difícil e queria apenas ir caminhar, sozinho, nas montanhas. Eu achei que fosse porque ele não gostava do marido da minha amiga, o Brad. Ele é meio difícil às vezes. É maratonista e não para de falar de corrida, dos seus tempos e tal. Então eu deixei o Stephen ir fazer sua caminhada. E quando ele voltou, achei que estaria com o humor melhor. Mas não estava. Estava mais mal-humorado. E o Stephen não é assim. Normalmente, pelo menos. Normalmente, ele é super alegre. Um dos motivos pelos quais me apaixonei. E a gente estava brigando. Não muito, nada sério, mas, sabe, nos dois anos em que namoramos, nós nunca, nunca brigamos. Julia gargalhou. Bem, isso era seu sinal de alerta. Booker e eu brigamos todos os dias de nossas vidas. Mas a gente não disse Dorie. Minha mãe e meu pai, sabe, antes de se divorciarem, brigavam como cão e gato. Willa, Nash e eu ficamos tão contentes quando eles se separaram. Você nunca vê crianças felizes com divórcio. E eu prometi a mim mesma que quando casasse nunca brigaria como eles. Pois se duas pessoas são feitas uma para a outra, e se amam, eles não precisam brigar, sabe?

119 119 Meus pais brigavam vez ou outra disse Julia, pensativa. Não como o Booker e eu, mas, sim, eles se atracavam às vezes. Mas aí o papai comprava flores e uma joia para mamãe, ou ela preparava o cannoli preferido dele, e eles fingiam que nada tinha acontecido. E eles foram casados por, tipo, quarenta anos. Ellis pensou sobre seus próprios pais. Lawrence Sullivan fora um homem paciente e quieto, que idolatrava a mãe de Ellis. Ela não se lembrava de uma vez em que ele discordara dela, pelo menos não na frente de Ellis e do irmão. Brigar nunca foi seu estilo. Seu pai e sua mãe eram bem especiais Ellis disse a Julia. Como o Ward e a June Cleaver. Ou a Doris Day e o Rock Hudson disse Dorie tristemente. Só que o Rock Hudson era gay. Igual ao Stephen. Dorie viu Julia a observando. Ela suspirou. Agora você vai me perguntar como era o sexo, né? Julia sorriu. Eu estava bolando um jeito de me livrar da Ellis, porque eu sabia que ela nunca ia me deixar perguntar. Quem disse? replicou Ellis. Eu não sou tão puritana. Sou? Tipo, eu sei que não é da nossa conta, mas mesmo assim. Somos suas melhores amigas... Vai, por favor? implorou Julia. Você não precisa dar os detalhes picantes. Só um resumão, sabe? Dorie virou os olhos. O sexo era bom respondeu, frustrada. Nunca foi um problema. Eu me casei com trinta e três anos, pelo amor de Deus! Apesar de uma dama não gostar de ter uma reputação, eu acho que vocês sabem que eu não era exatamente celibata quando conheci o Stephen. Vocês acham que eu teria casado com ele se a gente não se desse bem na cama?

120 120 Julia considerou a informação. Então... não faziam nada de pervertido? Não! Dorie surtou. E eu não flagrei ele vestindo minhas calcinhas, ou passeando pelo vestiário masculino do clube, ou dando um rolé pelo centro de Savannah depois da meia-noite. Tô falando, e vocês acreditem se quiserem, mas até dois meses atrás, eu achava que meu casamento era firme como uma rocha. Ela piscava furiosamente sobre as lágrimas que enchiam seus olhos. Eu amava o Stephen. E achava que ele me amava. E agora, foi tudo à merda. Não chora mais implorou Julia. Desculpa ter tocado no assunto. É culpa da Ellis que deixou. Vamos ficar putas com a Ellis. E com o Stephen também. Que ele apodreça no inferno.

121 121 Ellis foi até a cozinha e pegou os picolés e um rolo de papel toalha, e os entregou solenemente a Dorie e Julia. Dorie lambeu o picolé em silêncio, enquanto Julia atacou o dela, mordendo o topo e o demolindo em segundos. De modo frenético, Ellis lambeu e mordeu e limpou o sorvete derretendo em suas mãos. Tá melhor? perguntou a Dorie. Um pouco respondeu Dorie, fungando. Não há chocolate que baste para consertar esse tipo de coisa acrescentou Julia. Dorie, a Ellis vai me matar pela pergunta, mas não consigo evitar. Como... bem... como você descobriu? Jesus, Julia! exclamou Ellis. Quer deixar ela em paz? Tudo bem, Ellis disse Dorie. É tipo um acidente de carro. Você sabe que é horrível, mas não consegue não olhar, certo? Eu não flagrei ele com outro homem, se é o que vocês estão pensando. Foi um monte de coisinhas. Achei que ele estivesse estressado por causa do mestrado, então não dei muita bola. E então, ele largou o time de futebol. Vocês conheceram o Stephen, né? Ele era capaz de matar e morrer por futebol, não só pelo time das meninas da escola, como também quando jogava. Mas ele simplesmente largou o time. E o negócio é: ele não me contou que largou. Ele saía de casa e eu assumia que ia para o treino, mas não era bem assim.

122 122 Ele ia encontrar o namorado? perguntou Julia. Não respondeu Dorie. Ele jura que não. Ele diz agora que saía dirigindo. Que ia ao shopping e ficava no estacionamento, ou dirigia até Tybee e voltava. Por que ele largou o futebol? perguntou Ellis gentilmente. Dorie ficou vermelha. O cara... ele chama Matt. Ele está no time também. Sempre foi assumido. Mas não de um jeito ostensivo, descarado. O Stephen disse ela engoliu em seco e ficou encarando as próprias mãos. Ela tinha torcido a embalagem do sorvete e agora a rasgava. Ele disse que percebeu há uns meses que se sentia, bem, atraído pelo Matt. E isso o assustou. E dava nojo. Ai, coitada da Dorie disse Ellis com um suspiro. O Stephen jura que nunca teve a intenção continuou Dorie. Por isso ele largou o time. Ele pensou que se não visse Matt, não falasse com ele, ficaria tudo bem. Mas não deu certo, né? Assim que as aulas acabaram, em maio, o Stephen voou para Omaha, para ficar com o pai. O Henry teve um derrame quando Stephen estava lá. Ele tá vivo, mas respirando por aparelhos, e agora disseram pra família que é só questão de tempo. Meu Deus. Ainda mais essa murmurou Julia. E aí, o que aconteceu? Quando ele voltou pra casa, não quis falar sobre o pai disse Dorie. Ele começou a beber, sabe, não muito, mas mais do que o normal. Até uísque. Ele nunca bebia coisas fortes antes. Nem ele, nem eu. E então, uma noite, pouco antes do feriado da Independência, ele simplesmente... ele simplesmente... ela titubeou e voltou a chorar. Dessa vez, Julia rasgou um pedaço do papel toalha e entregou a Dorie. Assoa ordenou. Dorie assentiu e fez o que lhe foi mandado. Ellis pegou um pedaço do papel e enxugou os próprios olhos.

123 123 Preciso me lembrar de adicionar lencinho na lista de supermercado da semana disse, distraída. Dorie respirou fundo e voltou à história. Ele simplesmente saiu para dirigir e não voltou. Não naquela noite. Eu fiquei louca! Ele não atendia o telefone, e eu liguei pra todo mundo perguntando sobre ele. Até liguei nos hospitais para ver se não tinha sofrido um acidente. Você deve ter ficado apavorada disse Ellis. Eu não sei o que teria feito no seu lugar. Eu teria ficado possessa disse Julia. Eu fiquei apavorada, e então quando ele voltou pra casa, e estava tudo bem, aí fiquei possessa. Tivemos nossa maior briga. Eu, de pé na cozinha, de pijama, e, gente, eu gritava. Gritava mesmo com ele. E o Stephen simplesmente desatou a chorar. Foi quando ele me disse. Que foi a um bar, e Matt estava lá, e eles beberam, e... e ele simplesmente... foi pra casa com o Matt. E não me ligou, pois não queria mentir pra mim. Dorie respirou fundo novamente. Seus olhos estavam vermelhos do choro, seu nariz escorria. Ellis e Julia choravam também. Então é isso? perguntou Ellis. Ele é gay, e vocês vão se divorciar? Fim? Fim concordou Dorie. Fim do Sr. e da Sra. Perfeitos. Fim da porcaria toda. É isso que você quer? Já pensou em fazer terapia de casais? perguntou Ellis. Terapia zombou Julia. Ela acabou de falar que o homem é gay. De que adianta fazer aconselhamento matrimonial num caso desses? Sei lá disse Ellis, impotente. Talvez, talvez Stephen não seja totalmente gay. Só foi uma vez, né? Talvez isso seja... tipo uma fase. Dorie disse que ele tá estressado, com o mestrado, e o pai está

124 124 tão doente. Talvez se fizessem aconselhamento, possam desabafar com a terapeuta... Só acho que deve haver outro jeito. Bom, isso é idiotice disse Julia, balançando a cabeça. O quê? Você acha que é tipo aquelas colunas de revista feminina: É possível salvar seu casamento? Odeio dizer isso, mas a Julia tem razão disse Dorie. Você não entende? Eu tô ferrada. O Stephen diz que me ama, e eu acredito nele, de verdade. Mas ele não está apaixonado por mim. Há outra pessoa. E como eu posso competir com aquilo? Se fosse uma mulher, daria pra eu fazer algo. Cortar o cabelo, pintar, emagrecer, botar silicone... Silicone? exclamou Julia, batendo na mesa para ênfase. Você usa quarenta e seis, Dorie. Usa quarenta e seis desde, tipo, o jardim de infância era bem pouco exagero. Você é tão magra no resto que, se ficar mais peituda, não vai nem ficar em pé. Pois é intrometeu-se Ellis. Lembra, Dorie? Na sétima série, quando a gente estava começando a usar sutiã sem fecho, você já usava o de ferrinho. Dorie Peituda gritou Julia. Nem, o único jeito de você competir com esse tal de Matt, na minha opinião, é se dar um jeito de arranjar um pênis. Dorie começou a rir. Ellis também. Pouco depois, as três gargalhavam tanto que lágrimas começaram a escorrer pelo rosto. Riram até chorar, depois riram novamente. Meninas, quietas disse Dorie, balançando as mãos e apontando para o teto. Vão acordar a Madison. O que ela vai fazer? Julia quis saber. Chamar a polícia? Desculpa, Dorie disse Ellis, apertando a mão contra o peito. Não tem graça, não mesmo. É uma maldita tragédia concordou Julia, com pinot gris saindo pelo nariz.

125 125 Isso fez todas rirem novamente tiveram um ataque de riso. Até os olhos verdes de Dorie se arregalarem. Ah, não ela disse, tomando fôlego entre as gargalhas. O quê? inquiriu Julia. Eu acho explicou Dorie, hesitante, eu acho que fiz xixi nas calças. O que detonou outro ataque de risada feliz em Ellis. Meninas, vocês se lembram da Patti Shaffhausen na segunda série? Na aula da Srta. Raterman? Ela sempre molhava as calças, tipo, todo dia. E como eu sentava atrás dela, a Srta. Raterman me obrigava a ir no banheiro com ela ajudar a se limpar. Lembra? A gente apelidou a menina de Patti Pipi. Ai, meu Deus disse Dorie. Patti Pipi Shaffhausen! Você não vai acreditar nisso, mas a Patti é minha dentista. Ela e o marido moram na mesma rua que a Willa. Ele é urologista. Para! implorou Julia. Foi a sua vez de se agarrar ao próprio peito. Para, senão eu vou mijar nas calças. Gente disse Dorie. Não é só por causa da risada. Eu faço xixi nas calças, um pouquinho, tipo, todo dia. Eu tô gravida, meninas.

126 126 Isso não tem graça, Dorie disse Julia. Mas é verdade. Ambas, Ellis e Julia, escolheram aquele momento para dar grandes goles no vinho. Isso é o que se chama de pausa grávida? disse Dorie, com um sorriso torto. Quando? perguntou Ellis, ao recuperar o fôlego. Digo, quando vai nascer? Estou com três meses. É pra fevereiro. Espero que no Valentine s Day Dorie virou-se para Julia, seus olhos verdes faiscavam. E antes que pergunte: sim, pretendo ficar com o bebê. Não tenho ideia do que vai acontecer na minha vida, mas a única coisa que sei é que vou ter esse bebê. Julia eriçou-se: Eu não ia sugerir... Ótimo atalhou Dorie, sua voz estranhamente firme. Eu sei que você não vai mais na igreja, Julia, mas eu vou. Eu não sou uma daquelas terroristas pró-vida, mas não acredito no aborto. Acabou o assunto!

127 127 Eu não acredito que você ainda acredita nesse vudu católico murmurou Julia. Acredito disse Dorie. Bom, em parte. Mas acho que vou ter que me virar na questão do divórcio, então. Ellis enlaçou Dorie com os braços. Ai, meu Deus! Um bebê. Isso é incrível! Não posso acreditar. Vamos ter um bebê, galera ela olhou sobre a cabeça de Dorie para Julia, que estava sentada na cadeira, com os braços cruzados. Ela tá grávida! Aposto que essa você não previu, Bruxa Julia. essa. Não concordou Julia. Eu realmente não esperava por Eu não acredito que você não adivinhou, Julia disse Dorie. Eu vou no banheiro a cada cinco minutos, ou pelo menos tenho a sensação que vou, e tô enchendo a pança o dia inteiro. Eu quase não consigo ficar acordada, com sono o tempo todo. Mas você tomou vinho com a gente acusou Julia. Ah riu Dorie. Vocês estavam tão distraídas colocando vinho e margaritas goela abaixo que nem perceberam eu jogando meu copo na pia. Eu não tomei um drinque desde que aquele palitinho deu azul em junho. O que o Stephen acha disso tudo? perguntou Julia. Dorie olhou para a barriga. Sua voz, quando respondeu, estava bem fraca. Ele não sabe ainda. Vocês são as primeiras a saber. Não entendo disse Ellis, enfim. Você descobriu que estava grávida em junho. Bem antes de vocês terminarem. Por que não falou pra ele quando soube? Eu simplesmente... não falei explicou Dorie. A gente não estava tentando. Nem um pouco. Foi tudo culpa minha. Uma mancada. A gente conversava sobre isso, e ele dizia que queria filhos,

128 128 um dia. Mas, de algum modo, quando descobri sobre o bebê, logo depois do derrame do pai dele, parecia um momento horrível para anunciar que eu estava grávida. Eu sabia que ele se preocuparia com dinheiro, e eu não queria acrescentar mais nada a sua lista de responsabilidades. Pelo amor de Deus, Dorie disse Julia. Isso é a sua cara. Como pode ser sua culpa? A não ser que você tenha engravidado de uma caneta sem o Stephen ver. Você é quem vai carregar esse bebê por nove meses e tudo mais e você tá preocupada se o pobre do Stephen tem muitas responsabilidades. Ele não te merece, Dorie. Nunca mereceu. Dorie pressionou os dedos contra as pálpebras. Um mês atrás, eu teria dito que estava enganada sobre ele. Agora? Nem sei o que pensar. Num minuto odeio ele. Quero gritar e brigar e estourar e chutar as bolas dele e pegar ele pelo braço e chacoalhar e perguntar por que raios ele se casou comigo se haveria a remota chance de ser gay. Poxa, como ele pode? Como ele se atreveu? E então, começo a pensar quão doloroso deve estar sendo pra ele. Voto pela reação chute no saco disse Julia secamente. Droga disse Dorie, levantando-se abruptamente. Preciso fazer xixi de novo. Estão vendo como estou? É um caos. Acho que vou aproveitar e ir lá em cima trocar de shorts. Não quero que me chamem de Dorie Pipi. Quando Dorie se distanciou, Julia serviu-se de outra taça e, após um instante de hesitação, completou a de Ellis também. Ellis deu um gole. Sentiu lágrimas inexplicáveis brotando. Eram devido à situação que sua melhor amiga enfrentava, ou eram, egoisticamente, para si mesma: solteira e sem filhos aos trinta e cinco, situação que nunca imaginara? Seu irmão Baylor era cinco anos mais velho, e, quando criança, Ellis desejava uma irmãzinha para brincar mesmo depois de sua mãe ter pacientemente explicado que Ellis era a raspa do tacho,

129 129 como dizia. Tinha sido uma menina diferente, do tipo que ainda brincava de bonecas depois de suas amigas já terem parado. Na adolescência, foi babá, e ainda o era, ocasionalmente, para os amigos lá na Filadélfia. Todas as crianças a chamavam de Tia Ellie. Era só isso que seria: Tia Ellie? Uau cochichou Ellis, torcendo para que Julia achasse que as lágrimas eram para Dorie e não para ela. Não acredito nisso. Um bebê. Nem eu disse Julia. O que vamos fazer? Vamos fazer um chá de bebê maravilhoso anunciou Ellis. Você não consegue ficar feliz por ela? Você ouviu. Ela quer o bebê. Ela vai ser uma mãe incrível. Uma mãe solteira acrescentou Julia, desanimada. Não acredito que algum dia ela imaginou fazer tudo sozinha. E falando sobre mães, eu que não quero estar perto quando ela soltar essa pequena bomba sobre a mãe dela. Ellis encolheu-se. Oh. É. Tenho certeza de que a velha Phyllis vai ter bastante coisa pra falar sobre o assunto. Ela vai dar um jeito de culpar a Dorie previu Julia. Espere pra ver. Vai culpar Dorie por transformar Stephen em boiola. Julia! Ellis riu tristemente. Mas não podia discordar da amiga, pois era a verdade. Phyllis Dunaway tinha talento para encontrar defeitos na filha mais nova. Ela podia ter sido a bambambã na universidade, mas como esposa e mãe a Dra. Dunaway era, na opinião de Ellis, um grande fracasso. Por anos, ela perturbou o pai da Dorie, o Gabe, um professor da faculdade doce e meio bobão, cuja especialidade era Beowulf. Tinha sido ideia de Phyllis batizar as três crianças Dunaway com nomes de escritores americanos: Willa, de Willa Cather; Nash de Ogden Nash; Dorie, a caçula, que foi castigada com o esquisito e improvável nome Eudora, de Eudora Welty.

130 130 E o Gabe? perguntou Julia. A Dorie ainda se encontra com o pai dela hoje em dia? Dorie e as meninas tinham acabado de começar a sétima série quando os Dunaway anunciaram a separação. Pouco depois, Gabe Dunaway se mudara para Statesboro, uma hora de distância, para trabalhar como professor numa faculdade de lá. Ellis deu de ombros. Acho que ele manda cartões de aniversário e presentes de Natal. Mas ele se casou de novo há alguns anos, e você sabe como a mãe dela é. Dorie não ousa mencionar o nome do pai, mesmo depois de todos esses anos. Ela nem pode convidá-lo para o casamento, já que a Phyllis pagou pela festa. Que mulher ruim disse Julia. É um assombro como a Dorie tenha ficado tão centrada após todos esses anos de maus-tratos verbais por parte da Phyllis. Nossa, a minha mãe odiava ela. Lembra aquela vez quando a gente estava no segundo colegial e a Phyllis expulsou a Dorie de casa quando descobriu que ela estava namorando escondido o cara que foi expulso da escola por vender maconha? Minha mãe tentou convencer meu pai a perguntar para a Phyllis se a Dorie poderia morar com a gente. Não! exclamou Ellis. Que engraçado. Nessa época, eu implorei pra minha mãe adotar a Dorie. Eu era tão sem noção que achava que se podia adotar alguém com pais vivos. Coitada da minha mãe, ela teve coragem de ligar pra Phyllis e dizer que a Dorie não era exatamente a biscate da cidade. A Phyllis nunca mais falou com ela. Mamãe e eu tivemos nossos momentos, só Deus sabe, mas eu nunca vou me esquecer de como fiquei orgulhosa dela por defender a Dorie aquela vez. Se a Phyllis fosse minha mãe, acho que eu já teria atacado ela com um machado anos atrás disse Julia. Como se fosse culpa da Dorie ser tão bonita. Acho que a Phyllis odiava que a Dorie tinha puxado a família do pai. Lembra como ela chamava a Dorie de minha linda tontinha?

131 131 E a Dorie não era burra concordou Ellis. Não tirava as notas de Willa, mas sempre ia bem. Não importava continuou Julia. Willa sempre foi à esperta, a bem-sucedida, de acordo com Phyllis. A Willa fez Direito e virou sócia de um escritório aos trinta anos? Grande bosta. E agora ela nem trabalha mais. E o bom e velho Nash, o único homem, o menino de ouro que nunca estava errado? O que ele está fazendo hoje em dia? Tenho até medo de perguntar pra Dorie. Nash disse Ellis, sucinta ainda é o Nash. Continua escrevendo poesia, embora, até onde eu saiba, nunca teve uma palavra publicada. A última que ouvi é que ele ainda morava de favor na velha casa da avó da Dorie. E você vai amar essa: dirige um carro funerário dos anos setenta e oferece passeios fantasmagóricos nas casas malassombradas do centro da cidade. Você tá brincando disse Julia. Sério? Ellis colocou a mão sobre o peito. Juro por Deus. A última vez que fui pra lá, eu o vi entregando panfletos na rua. Você tinha que ter visto contou Ellis, rindo. Ele estava vestido com um macacão de zíper e uma máscara de gás do exército, e ele tinha algo que parecia um sugador de aspirador de pó velho amarrado nas costas. Ele me deu seu cartão. De primeira, achei que estava dando em cima de mim, depois percebi que ele só queria os oitenta e cinco dólares da porcaria do passeio. Dá pra acreditar? Julia, ele tem até um site. Aspiradordefantasma.com disse Dorie, chegando descalça na sala de jantar. Ela tinha vestido um pijama de algodão com calça de amarrar e um top da Hello Kitty, seu cabelo puxado num rabo de cavalo no topo da cabeça. Parecia ter treze anos. Se mata, né? Todos aqueles estudos metidos a besta, e ele tá acampado na casa da vovó, arrebanhando turistas com essas histórias ridículas de tumbas do Cemitério Colonial e duelos trágicos na praça Monterrey. Ellis enrubesceu, culpada.

132 132 Mas parece um bom negócio. É, talvez, se ele se esforçasse, seria, mas vocês conhecem o Nash. Trabalho não é a dele. Ei, alguém mais tá com fome? Estou pensando em fazer um queijo quente pra mim. A gente jantou faz umas quatro horas lembrou Julia. Sem contar a pipoca e o sorvete. Estou comendo por dois agora explicou Dorie. Pelo menos agora que vocês sabem, posso parar de me esconder e me empanturrar de cereal e ovos mexidos quando não estão por perto. Se eu comesse assim, ia ficar que nem um balão disse Ellis. Não dá pra acreditar que você está de três meses e ainda esse palito. Dorie levantou o top e estufou a barriga. Um palito? Olha essa pança! Tem um bebê aqui, pra valer ela virou-se e balançou o bumbum para as amigas. E olha essa bunda. Tá tipo, tanajura, como diria meu pai. Julia bateu de levinho no bumbum de Dorie. Quem você tá querendo enganar? Você tem o menor bumbunzinho do mundo, Dorie. Por enquanto, pelo menos. Vem. Vou te fazer o seu queijo quente, mamãe. As três marcharam para a cozinha. Dorie e Ellis empoleiraram-se na mesa, enquanto Julia derretia manteiga na frigideira e montava o lanche de Dorie. Quando o pão estava dourado, com cheddar derretido vazando pelos lados, Julia virou-o num prato e o colocou na frente de Dorie com um copo de leite. Ah, delícia elogiou Dorie, mordendo e virando os olhos. O Stephen sempre dizia que o melhor lanche do mundo é aquele que alguém faz pra você. Sobre o Stephen disse Ellis devagar. Dorie, você tem que falar pra ele sobre o bebê. Vocês se falaram alguma vez desde que ele

133 133 se mudou? Dorie mastigava devagar. Deu outra mordida em seu queijo quente e depois mais uma. Quando ele estava pela metade, ela empurrou o prato. Não consigo disse. Não consigo falar com ele. Não consigo ouvir sua voz. Não consigo vê-lo. Ainda não. Ele liga, mas eu não atendo. Sei que ele passa de carro em frente de casa. Já vi o carro dele uma meia dúzia de vezes. Ele não tem coragem de parar e tocar a campainha. Mas tudo bem, porque se ele tocasse não sei se eu teria coragem de atender. Você pelo menos sabe onde ele tá morando? perguntou Julia. No Matt, suponho disse Dorie. Ele tem uma casona antiga, vitoriana. Fomos a uma festa lá no outono passado. Você vai ter que falar com o Stephen, Dorie, quanto antes melhor. Você sabe como Savannah é pequena disse Julia. Cedo ou tarde sua barriga vai começar a aparecer. E você sabe como o pessoal comenta. Você precisa decidir o que fazer. Não consigo gemeu Dorie chorosa. Não sei o que falar pra ele. Enfim, não sei o que fazer. Nem sei como é que faz para pedir divórcio. Eu sei disse Ellis com leveza. Não é tão difícil, sério. Olha pra mim, eu me divorciei aos vinte e três. Se é isso mesmo que quer, Dorie, vou te passar o nome do meu advogado. Ele era amigo do Baylor. Ele ainda mora em Savannah. Eu sei por que ele me manda cartão de Natal todos os anos. Ele deve pensar que, agora que cheguei aos trinta, vou dar bastante caso de divórcio pra ele trabalhar. Dorie arrancou um pedaço do queijo quente e começou a mordiscá-lo. Eu nunca, jamais pensei que algum dia eu estaria pensando em divórcio. Depois que meus pais se separaram, eu jurei que, quando eu me apaixonasse, seria para sempre. Vocês sabem com quantos caras eu saí. Eu nunca nem considerei casar com nenhum deles. Não

134 134 antes de conhecer o Stephen. Por isso eu demorei tanto para dizer sim. Eu queria ter certeza ela colocou os pés sobre a mesa. Agora, a única coisa de que tenho certeza é que nada é certo. E olha pra mim: descalça e grávida na cozinha. E, claro, o pai do meu filho tem um namorado ela fungou algo. Como você poderia imaginar? perguntou Ellis, solidária. Poxa, vocês viveram juntos por um ano. Todo mundo achou que era pra valer. É, ele até me enganou concordou Julia. E você sabe que eu nunca gostei de nenhum dos seus namorados. Meu gaydar normalmente é bem certeiro ela olhou para Dorie. Sinto muito, querida. Quer falar de outra coisa? Tá tudo bem disse Dorie, tentando sorrir através das lágrimas. Não se preocupem comigo. São os hormônios. Eu choro a toda hora. Hoje de manhã chorei porque o cereal acabou. Vou comprar outra caixa apaziguou Julia. Prometo. Tem certeza de que ainda quer conversar? perguntou Ellis. Já é tarde, e sei que você está emocionalmente exausta. Não, estou bem disse Dorie, espanando migalhas do top. É bom finalmente conversar com alguém sobre isso. Eu tinha todos esses segredos guardados. Parecia que eu ia explodir se não contasse sobre o bebê para alguém. Você não quis contar pra Willa? perguntou Ellis Ela é sua única irmã. Dorie balançou a cabeça. Willa! Eu a amo, mas, coitada, vocês sabem como ela é. É mandona. Ela me diria que escolhi o obstetra errado, o hospital errado. E com certeza o homem errado. Ela me levaria para palestras sobre amamentação e sei lá mais o quê. E ela com certeza me deduraria para mamãe. E eu não dou conta disso tudo agora. Preciso de tempo para processar, resolver tudo ela fungou. Preciso desse tempo na praia

135 135 com vocês, meninas, preciso muito. Preciso de agosto mais do que tudo. Pode deixar disse Julia. Estamos aqui pra o que der e vier. Ellis foi para a pia e começou a enxaguar as taças. Escuta, Dorie ela começou, quando as aulas voltam? Dorie fez uma careta. Nem me lembra. Uma semana depois do Dia do Trabalho. Os professores voltam na quinta anterior, para planejamento. É pouco mais de três semanas apontou Julia. Tem certeza de que vai voltar pra lá? Com o Stephen trabalhando lá também? Eu tenho disse Dorie sombriamente. Assinei o contrato. De qualquer maneira, preciso do dinheiro, e precisarei do plano de saúde, pelo menos até o bebê chegar. O Stephen não tem o mesmo plano? perguntou Ellis. Você não vai ter a cobertura dele, caso não volte a trabalhar? Não sei admitiu Dorie. Mas não importa. Não vou largar meu emprego. Eu amo ensinar as meninas, de verdade. A grana não é uma maravilha, mas isso não importa. Se você vai ser uma mãe solteira, vai importar opinou Julia. Não se esqueça de que vai ter que pagar creche e uma centena de outras coisas. E onde vai morar? O que vai fazer com a sua casa? Acha que o Stephen vai deixar você ficar lá? Dorie colocou a mão sobre os ouvidos. Ela balançava para frente e para trás na cadeira. Não sei, não sei, não sei cantarolou. Tô ficando louca, não sei. Só sei que odeio o Stephen. Odeio. Odeio. Odeio. Odeio ele também disse Ellis, bocejando. Eu odeio mais do que vocês duas declarou Julia. Eu sei, vamos montar na van, ir até a casa dele e arranhar o carro dele.

136 136 Não sugeriu Ellis, aceitando o desafio, vamos jogar ovos na casa e depois encher de papel higiênico. Ou arranhar o carro, jogar ovos e encher de papel higiênico a casa e o carro contrapôs Dorie, entrando no espírito. Lembra quando fizemos isso pra Amber Peek, no terceiro colegial, quando ela começou a espalhar a fofoca de que a Julia estava grávida, bem antes do Natal? Só me lembro de que meu pai me obrigou a pagar a pintura daquela lata-velha dela quando fomos pegas disse Ellis. Mas valeu a pena argumentou Dorie. Amber Peek. Puta mentirosa. Ambas olhavam Julia, esperando sua contribuição no ataque contra a inimiga mortal: Amber Peek. A boa e velha Amber disse Julia. Ela era uma biscate, e uma cobra, e eu fiquei contente que vocês acabaram com o carro dela. Mas ela não estava mentindo. Não daquela vez. Eu estava grávida mesmo, sabe?

137 137 Ellis e Dorie recostaram-se nas cadeiras, muito chocadas até para falar. Não me olhem assim disse Julia, trêmula. Eu queria ter contado pra vocês. Mas minha mãe ficou tão abalada... tão envergonhada. Me fez jurar que guardaria segredo. Quase contei pra vocês, na noite do funeral, na casa dela, mas não consegui. Não lá. Não depois da promessa. Enfim, Ellis pegou o baralho abandonado. Começou a jogar paciência. Por que contou agora? perguntou. Eu precisava explicou Julia. Eu precisava contar pra vocês há muito tempo. Mas fiquei com medo do que pensariam de mim. Ah, Julia disse Dorie suavemente, Julia. Ellis franziu a sobrancelha. Mas... você não tinha namorado no terceiro colegial. Julia sorriu o velho sorriso de Julia. Não que vocês soubessem. Vocês não teriam aprovado. Ele era do Exército, e fazia parte da base aérea de Hunter. Nos conhecemos num churrasco. Ele chamou pra sair, eu fui. Ele era fofo, mesmo com

138 138 aquele corte de cabelo horrível que eles obrigam os caras a fazer, e eu percebi que estava completamente enfeitiçado. Ele tinha nome? perguntou Ellis, incomodada por todos os anos que Julia conseguiu manter um segredo tão grande. Jack respondeu Julia. O nome dele era Jack, ele tinha vinte anos, e do que eu mais gostava nele é que era bem mais alto do que eu, o que foi decisivo. Poxa, eu tenho um e oitenta e dois, então não tem muitos caras mais altos por aí. Saímos juntos exatamente quatro vezes antes de transar. Ele te obrigou! gritou Dorie. Te estuprou? Nada respondeu Julia. Ele era bonzinho. Tarado, mas bonzinho. Eu quis. Eu tinha dezoito anos e decidi que não queria mais ser virgem. Afinal ela continuou, apontando com a cabeça para Dorie, você já tinha ido pros finalmentes no verão anterior. E até onde eu sabia, era capaz que a Ellis nunca faria. Então, decidi ir até o fim. E? disse Ellis, indecisa sobre como se sentia por ser considerada uma freira em potencial. Ele foi legal disse Julia, seu rosto suavizando-se com a memória. Embora eu não acredite que ele fosse muito mais experiente do que eu. Não rolou fogos de artifício, mas, por outro lado, não foi um pesadelo. De qualquer modo, sabe esse papo que ouvimos de que não dá pra ficar grávida na primeira? Na verdade, é só papo furado mesmo. Você fez sexo sem camisinha com um soldado? perguntou Dorie, seus olhos arregalaram-se. Você podia ter pegado aids. Ou sífilis. Não foi totalmente desprotegido. Ele tinha uma camisinha, mas, pelo que parece, era uma camisinha muito velha. Eu não peguei nenhuma doença. Só fiquei grávida.

139 139 Ai. Meu. Deus. Ellis juntou as cartas numa pilha. Julia, como você conseguiu manter segredo? A gente não tinha ideia. Nenhuma. Nem quando a Amber Peek começou a espalhar fofoca. E o bebê? perguntou Dorie. No Natal, quando tirou o apêndice? Na verdade, era isso? Não foi o que você tá pensando explicou Julia. Quando a menstruação não veio, nem liguei. Vocês se lembram, eu nunca tive menstruação regular. Mas quando a segunda não veio, eu soube na hora. Eu não tive coragem de contar para os meus pais. Eles teriam morrido. No fim das contas, não precisei contar. No último dia antes das férias de Natal, logo depois da última prova de Química, eu fui ao banheiro. Meu estômago estava me matando. Eu era tão burra que achei que era normal na gravidez. Eu não contei pra vocês, eu não contei pra ninguém. Aí comecei a sangrar. Tanto sangue, fiquei apavorada. Eu lembro que comprei um absorvente na maquininha do banheiro e fui pra casa. Você estava tendo uma hemorragia? indagou Ellis. O sangramento diminuiu aos poucos, mas eu sentia umas cólicas horríveis respondeu Julia. Eu abracei meus joelhos deitada na cama, e a mamãe passou em frente ao meu quarto. Ela ouviu meus gemidos e choro, entrou, e eu sentia tanta dor que nem conseguia falar. Eu estava com febre, tipo, uns quarenta graus, e quando ela viu o sangue nos lençóis, entrou em pânico. Me enfiou no carro e me levou direto para o pronto-socorro, aonde uma médica, que por acaso ia ao bingo com a mamãe, teve que contar a notícia que a filha dela, ainda com o uniforme do colégio católico, não teve um caso de apendicite, como mamãe insistia, mas, na verdade, teve uma gravidez tubária. Você podia ter morrido afirmou Dorie. Naquela hora, eu queria morrer confessou Julia. Se tivesse visto a expressão no rosto de minha mãe quando eu admiti que sim, estava grávida. Parecia que ela tinha levado um soco no estômago.

140 140 O que... o que eles fizeram? perguntou Dorie. Desculpa, sei que é medonho perguntar, mas eu preciso. Tudo bem respondeu Julia, dando de ombros. Afinal, eu te obriguei a contar tudo, né? Enfim, eles fizeram uma laparoscopia. Pouco antes de me mandarem pra casa, a médica, amiga da minha mãe, veio me ver. Ela me disse que o embrião grudara na parede da trompa de Falópio, o que tinha provocado uma ruptura nela, e que a gravidez não seria viável. Ainda me entregou receita para anticoncepcional, coitada. E seus pais? questionou Ellis. Como eles ficaram? Para o meu pai, eu realmente tirei o apêndice respondeu Julia. No carro, de volta pra casa, mamãe falou o quanto estava decepcionada comigo. Jesus! Decepcionada! Que bela chantagem. Foi dez vezes pior do que ouvir gritaria e ficar de castigo. Doris encolheu-se. Nem quero imaginar como Phyllis teria reagido a isso se eu tivesse dezoito anos. Nem quero pensar em como ela vai reagir a minha gravidez agora, com trinta e cinco anos e vivendo fora de casa há quinze. Minha mãe falou que foi a Nossa Senhora dos Anjos que me protegeu e me salvou. Eu realmente podia ter sangrado até morrer se ela não tivesse entrado no meu quarto. A mamãe ressaltou que nem era pra ela estar em casa naquela tarde, ela devia ter ido fazer as compras de Natal, mas algo a fez desistir e ficar em casa. Todo ano depois daquilo, até ficar muito doente para sair de casa, ela ia à missa no colégio, no dia 12 de dezembro, aniversário do dia em que fui para o hospital, e deixa um buquê de flores na estátua da Nossa Senhora. Sua mãe era uma santa disse Dorie, balançando a cabeça. Espero que saiba disso. Eu sei afirmou Julia, seu lábio tremia. Vocês não sabem como sinto falta dela. Ellis levantou a taça em um brinde.

141 141 Para Catherine Capelli. Deus a abençoe. E que Amber Peek vá pro inferno. Julia levantou sua taça, e Dorie, sem uma, levantou o picolé. Mais tarde, depois de empurrarem a sonolenta Dorie para a cama, Julia e Ellis voltaram à cozinha para limpar tudo. Por acordo não verbal, Julia guardou a louça e Ellis varreu o chão. Vou encerrar o dia declarou Julia, enfim pendurando o pano de prato na porta da cozinha. Toda essa comoção me detona. Você aguenta mais uma pergunta? Juro, depois dessa, nunca mais falo no assunto disse Ellis. Acho que sei o que vai perguntar. E o Jack, certo? Bem, é disse Ellis. Você contou pra ele? Ou melhor, você chegou a vê-lo depois? Não e não. Ele foi enviado para a escola de paramédicos oficiais no fim de outubro, lá pela época em que minha primeira menstruação não veio. Ele me escreveu algumas vezes, e eu respondi uma vez, mas éramos duas crianças. Ele queria que eu fosse visitá-lo, mas tinha a escola, e, de qualquer modo, no meu caso, a saudade não aumentava o amor. E quanto a falar pra ele sobre a gravidez: não, nunca falei. Nem conseguia admitir pra mim mesma, quanto mais pra ele. Era uma negação completa. Ellis tocou o ombro de Julia suavemente. Isso é um baita de um segredo para guardar todos esses anos. O Booker sabe? Não atalhou Julia. Eu te disse, exceto minha mãe e, a biscate da Amber Peek, que só ficou sabendo por que a prima por acaso estava no pronto-socorro com o pulso quebrado naquela noite, e ninguém mais sabe. Vai contar pra ele agora? Já que nos contou. Julia suspirou.

142 142 Provavelmente. Ele não daria bola pra história de gravidez, o Booker é rodado. O negócio é: ele quer filhos. E eu não sei se posso ter um bebê. Ah, é disse Ellis. Seus olhos arregalaram-se. O que o seu ginecologista fala? Nunca perguntei admitiu Julia. Na época, eles me falaram que várias mulheres ficam grávidas e têm bebês depois de uma gravidez tubária, mesmo com só uma trompa boa, como eu. Todos esses anos, nunca foi uma questão pra mim. Eu tinha uma ótima carreira, tinha visto minha mãe se afogando em bebês e fraldas, e me dizia que isso nunca aconteceria comigo. E agora? Quem sabe? disse Julia, com leveza. Enfim, preciso mesmo ir pra cama agora. Boa-noite, Ellinha. Quando Julia se foi, Ellis vagou sem rumo pela casa. Guardou o baralho na caixa, empurrou as cadeiras para a mesa, ajeitou as almofadas do sofá. Até tentou a TV novamente, mas continuava fora do ar. Pegou seu telefone pela primeira vez em horas e checou se tinha e- mails ou chamadas perdidas. Nada. Ela meio que torcia por um do Sr. Culpepper. Ela sorriu ao lembrar-se do último, pensando em quão velho poderia ser o Sr. Culpepper. Não que isso importasse. Era tarde, passava da meia-noite, mas ela estava estranhamente inquieta. As prateleiras da lareira estavam repletas de livros. Ela passou o dedo pelas lombadas a maior parte romances, livros de mistério e policiais. Escolheu um da Kathleen Woodiwiss, bem maltratado, chamado A chama e a flor, sorrindo ao se lembrar de quando ela e Julia roubaram o exemplar de sua mãe. Elas tinham quanto? Treze anos? Pegaram o livro do galpão de barcos dos Capelli e leram sob uma lanterna, rindo nas partes obscenas. Ellis subiu e vestiu o pijama. O ar do quarto estava quente e parado. Ligou o ventilador de teto e diminuiu a temperatura do ar-

143 143 condicionado. Deitou na cama e ligou o abajur de vidro branco antiquado sobre o criado-mudo. Era amarelado e estava coberto por pó, e a lâmpada emanava uma luz alaranjada fraca e cansada. Não que isso importasse. Ela estava muito agitada para se acalmar com um livro. Desligou a luz e se concentrou em dormir. Por fim, fechou os olhos e começou a sonhar. Estava em um berçário de hospital, repleto de dúzias e dúzias de lindos, corados e gorduchos bebês. No sonho, ela inclinava-se sobre um berço rosa e via uma criança com cabelo arruivado, as sardas e os olhos verdes de Dorie. No berço ao lado, um bebê comprido e magro, com as bochechas perfeitas e os olhos negros e amendoados de Julia. No seguinte, havia outro bebê com conhecidos olhos azuis de mármore, orelhas grandes e lábios finos de Greene. O pequeno abriu a boca e gritou bem, uivou quando ela se aproximou para olhar. A Ellis do sonho fugiu e, no berço ao lado, viu o mais lindo bebê de todos: um garotinho com um grosso cacho de cabelo escuro, como o da mãe dela, e olhar calmo e firme do pai. O bebê sugava o dedão, e quando ele viu a Ellis do sonho, olhou-a e piscou. A piscada fez Ellis acordar. Ela sentou-se e, por um instante, imaginou se o sonho significava algo. Enfim decidiu que apenas significava que ela tinha bebido muito vinho tarde da noite. Bocejou e desejou voltar a dormir, mas o barulho alto do ar-condicionado e a resposta do vidro da janela vibrando deixaram-na plenamente desperta. E esfomeada. Ela desceu até a cozinha, abriu o armário e a geladeira, tentando decidir do que sentia fome, e se contentou com um pedação de queijo cheddar. Comeu metade, depois jogo o resto no lixo. Sem fome, sem sono. Que situação. Desligou a luz da cozinha, com a intenção de voltar à cama, quando olhou pela janela, viu a lua cheia e reconsiderou. Ela estava na praia, não estava? Então, devia aproveitar. Ainda estava calor, mas uma brisa balançava o capim nas dunas, e ela sentiu um cheiro de alecrim misturado à maresia. As tábuas gastas do deque estavam frias sob seus pés descalços. Quando chegou ao patamar no topo, ficou assombrada. Havia alguém sentado em uma

144 144 das cadeiras da praia. De repente, se lembrou de como estava vestida e começou a recuar, mas era tarde demais. O cara da garagem virou a cadeira, um charuto enfiado entre seus lábios. A ponta acesa brilhava no roxo profundo da escuridão. Ele encarou-a de cima a baixo, depois virou-se de volta para o oceano. Ser dispensada dessa maneira enfureceu Ellis. Ele achou que ela enfiaria o rabo no meio das pernas e fugiria, como da última vez? Ela tinha tanto direito de estar lá quanto ele. De pijamas ou não. Ei ela cumprimentou, desafiadoramente se jogando na cadeira ao lado da dele. Ele grunhiu à guisa de cumprimento e continuou encarando as duas luas: uma pendurada no céu de verão, a outra refletida no oceano. Ellis se acomodou na cadeira. Desejou ter vestido um robe ou algo do tipo sobre o fino top de algodão e os shorts curtos e rosa estampado com cupcakes voadores. Ela cruzou os braços sobre o peito, desejando que Ty Bazemore não notasse a falta de sutiã. Ou os cupcakes. A praia abaixo estava totalmente deserta. Era maré cheia, e as ondas rolavam preguiçosamente sobre o lugar onde as três mulheres tinham, há pouco, espalhado o guarda-sol e as cadeiras. Ellis olhou as estrelas e tentou relaxar. Era agosto, caramba. O mês pelo qual planejara e antecipara desde o funeral da mãe da Julia. Ela merecia essas férias. Mas havia muito no que pensar. Dorie e Stephen. Stephen e o bebê. O grande segredo de Julia. E sobre sua vida? Ela se sentia culpada por se preocupar consigo mesma quando a vida da sua melhor amiga estava uma tormenta, mas a verdade era inegável. Ela se sentia emperrada. Uma vida inteira de planejamento e regras tinha lhe dado uma poupança, carro e casa próprios a rede de segurança que seu pai sempre enfatizara e uma vida completamente seca e sem vida como a areia entre seus dedos do pé. Ela estava sendo estrangulada pela maldita rede de segurança. Ela conseguiria outro emprego, talvez

145 145 mudasse de cidade, se preciso, mas será que sua vida seria diferente? Ela falou toda desinibida sobre reinvenção com Madison, a nova estranha colega de casa delas, mas tinha sido só da boca para fora, não? Ela olhou para Ty Bazemore. Os olhos dele encontraram os dela. Tudo bem? ele perguntou. Não muito ela soltou, instantaneamente se arrependendo da própria sinceridade. Ele levantou a sobrancelha. Não consigo dormir ela explicou, vagamente. O arcondicionado faz um barulhão. E ela continuou, rápida eu perdi meu emprego. E não sei o que quero fazer agora. Não sei se devo ficar na Filadélfia, ou reduzir meu prejuízo e me mudar. Mas não sei se conseguiria vender minha casa nesse mercado. E, de qualquer maneira, pra onde eu iria? De volta pra Savannah? Eu amo minha mãe, mas ela me deixa louca às vezes. Ellis fechou a boca com as duas mãos. Ela tinha mesmo desabafado sobre tudo com um estranho, o cara que morava na garagem e mijava pra fora do deque? Desculpa ela disse, sentindo seu rosto enrubescer. Excesso de informação. Como assim? Você sabe. Falei demais. Não liga pra mim. Acho que tô meio estranha esta noite. O que você faz? perguntou Ty. Como assim? Lá na Filadélfia explicou Ty. Você disse que foi despedida. Não fui despedida corrigiu Ellis. Fui cortada. Meu banco foi comprado por outro ainda maior. Mas você não trabalha mais lá.

146 146 Isso. E não saiu por vontade própria. Não. Eu amava meu emprego. Ou pelo menos achava que amava. Achava? Ellis deu de ombros. É uma longa história. Mas a moral é: parece que marketing de bancos não é um conto de fadas. Ele riu. Então você foi despedida. Ellis franziu a testa. Quem esse babaca achava que era? Foi um corte ela repetiu. Meu departamento se tornou redundante. Na verdade, foi um acordo muito bom. Enfim, e você, trabalha no quê? Ty pensou antes de responder. Ela já sabia a resposta, pois o Sr. Culpepper tinha falado. Mas ele não devia saber sobre isso, certo? Eu invisto um pouco na bolsa ele respondeu. E como tá esse negócio? Tem altos e baixos, como o mercado. Eu me dou bem. Ele era mesmo irritantemente metido. Tem alguma dica boa pra mim? ela perguntou. Compre na baixa. Venda na alta. Nossa, brigadão disse Ellis sarcasticamente. Me deixa anotar essa. Desculpa. Eu que tô meio estranho hoje. Essa foi desnecessária. Não, não tenho dicas. Não ia querer uma dica minha mesmo ele bateu a cinza do charuto na areia e decidiu mudar de assunto.

147 147 É sua primeira vez em Outer Banks? É ela respondeu. Eu cresci em Savannah. Que é tipo uma praia. Mas é totalmente diferente daqui. Com as dunas e tal. Aqui é lindo, meio selvagem. Você devia ter visto quando eu era criança disse Ty. A maioria das casas não tinha sido construída. Era praticamente dunas e praia. Sabe, ainda tem pôneis selvagens na praia em Corolla. Foi um lugar incrível para crescer. Nunca calcei sapatos nas férias. Você cresceu aqui? Ele falara demais. Na região respondeu Ty vagamente. Fiz o colegial em Manteo. Praticamente vivia na praia. Ganhei minha primeira prancha de surfe quando tinha dez anos. Então disse Ellis, com um sorriso vencedor, então, qual é a sua? Escondendo mulher e filhos naquela garagem? Não mesmo respondeu Ty. Sem filhos, solteiro. Atualmente. Ellis guardou a palavra atualmente para posterior reflexão. E você sempre trabalhou com ações? Não, isso é uma coisa recente respondeu. Eu entrei na faculdade de direito, mas larguei. Sempre me interessei por imóveis e investimentos, então tentei arriscar. Claro, eu escolhi a pior época desde a Depressão para apostar no mercado de ações. Nem me fale concordou Ellis. A área bancária não tá bombando agora também. Mas você deve conseguir uma grana boa, né? Ele mexeu no isqueiro e encarou a água. Já escolhi umas boas, mas recentemente tenho só escolhido abacaxis. Pra falar a verdade, pra pagar a conta tenho feito uns bicos de bartender no Cadillac Jack, em Kitty Hawk. Já ouviu falar?

148 148 Não ela disse. Não temos saído muito à noite. Vocês deviam ir e dar uma conferida. A propósito, vou trabalhar lá amanhã à noite. Podemos ir disse Ellis, soando incerta. Já foi até o Jockey s Ridge? indagou Ty. Ainda não admitiu Ellis. Somos umas preguiçosas, só ficamos na praia. Mas temos o mês inteiro, certo? Que sorte Ty olhou-a intrigado. Então, parece que vocês são amigas há um tempo, não é? Ela sorriu. Só a vida inteira. A gente se conheceu no primário, em Savannah. Eu era a aluna nova, pois estudei em escola pública até a terceira série. A Dorie e a Julia são amigas desde o maternal. E nós permanecemos unidas, mesmo depois de todos esses anos. Claro, a gente não se vê tanto. A Dorie ainda mora em Savannah, mas a Julia mora em Londres. Ela é modelo. E eu, claro, moro na Filadélfia. Ou morava ela franziu a testa. A irmã mais velha da Dorie, a Willa, era pra vir com a gente, mas deu o cano no último minuto. A Willa é um pé no saco, então nem nos importamos. E a garota nova? questionou Ty. Ele a vira andando de bicicleta, para cima e para baixo na rua beira-mar, mas nunca com as outras meninas. Ah. A Madison? ela olhou Ty furtivamente. Por favor, ok? Não mencione para o Sr. Culpepper. A gente não quer que ele aumente o aluguel ainda mais. Minha boca é um túmulo prometeu Ty, pinçando os lábios com bom humor. Então, ela não é do grupo original? Nem um pouco disse Ellis. A Dorie a conheceu num restaurante, e elas conversaram, então Madison mencionou que procurava uma pousada. A Dorie anda muito preocupada com grana, e

149 149 uma coisa levou à outra, e acabou oferecendo um quarto para alugar em Ebbtide. Assim, do nada? Ty levantou uma sobrancelha. Parece meio arriscado convidar uma estranha pra vir morar com vocês. O que sabem sobre ela? Ela morava em Nova Jersey, mas acabou de terminar com o namorado. Quer dizer, essa é a nossa hipótese. A Madison diz que está em transição. Ela é meio esquisita. Ela é super-reservada, nem come com a gente. Mas paga sua parte com dinheiro vivo, então acho que tá dando certo. É disse Ty, cauteloso. Deve ser bem caro pegar essa casa o mês todo. Quanto o velho Culpepper pede pelo lugar? Demais respondeu Ellis. O lugar podia ser ajeitado, sabe? É uma linda casa antiga, mas os móveis são bem esfarrapados, e a casa em si precisa de muita manutenção. É complicado ficar indo atrás do Sr. Culpepper para consertar coisas tipo fogão e pia vazando. E nem vou falar das pulgas ela arrepiou-se e mostrou o calcanhar. Olha, parece sarampo. Ty analisou o calcanhar. Era um calcanhar bonito. Ellis tinha calcanhares bonitos, e belas pernas, e a roupa que estava usando um top justo e umas cuequinhas de menina com estampa de cupcakes ridículas era um visual excelente para ela. Não era nada mal estar sem sutiã, algo para o qual Ty era extremamente favorável. Ela o flagrou olhando mais do que os calcanhares e rapidamente enfiou pudicamente os pés embaixo da cadeira, ao mesmo tempo em que ficava furiosamente vermelha. Posso perguntar uma coisa? disse Ty rapidamente, esperando que ela perdoasse sua checada. Depende. Qual é a das mulheres? Digo, vocês três estavam espalhadas por aí, mas mesmo assim se deram o trabalho de alugar uma casa e passar o mês juntas. Qual é? Poxa, eu tenho camaradas, velhos

150 150 amigos, mas mal posso imaginar a gente passando um fim de semana fora juntos, quanto mais um mês. Ellis deu de ombros. Por que a gente não ia querer passar um tempo juntas? Elas são minhas melhores amigas no mundo todo. A gente passou por poucas e boas juntas. Sabe, todo o drama da adolescência, e depois faculdade, e coisas de família. Os pais da Dorie tiveram um divórcio feio quando a gente estava no ginásio, e depois eu perdi meu pai, anos atrás, e os pais de Julia já morreram também. E nem vou falar dos problemas com homem. Ela hesitou, depois mergulhou de cabeça: Eu não sei se teria sobrevivido ao meu divórcio se não fosse pela Dorie e pela Julia. Foi uma época horrível, mas elas estavam lá pra mim. A Julia pegou o trem de Nova York, onde estava fazendo as fotos pra uma revista, e veio morar comigo por duas semanas. Eu estava em um caos patético. Eu tinha tirado folga do trabalho, mas a Julia se recusou a me deixar ficar chafurdando na tristeza. Me obrigou a comer, cortar e pintar o cabelo, e voltar ao trabalho. E a Dorie, ela é professora, não pode largar tudo, me ligou todas as noites e todas as manhãs, por meses, só pra checar como eu estava. Ty levantou uma sobrancelha. Você é divorciada? Ela enrubesceu de novo. Ela era boa nisso. Foi há muito tempo. Eu casei logo depois da faculdade. Era jovem e boba. Durou três meses. Uma loucura, hein? O que aconteceu? Ellis pensou a respeito. A gente trabalhava no mesmo banco. Ele era diferente dos caras que tinha namorado na minha cidade. Tinha a mesma idade que eu, mas parecia mais velho, sabe, muito seguro de si, e eu fiquei muito animada com isso. Eu não conhecia ele direito. Ele não me conhecia

151 151 direito. Acho que me apaixonei pela ideia de estar apaixonada por ele. E então, depois da festona, quando fomos morar juntos de fato, longe das famílias e dos amigos e de tudo mais, percebi que ele não era um cara tão legal. Na verdade, ele se revelou um grande merda. Ty franziu a testa. Como? Ele te batia ou algo do tipo? Nada tão dramático explicou Ellis. Uma noite, no jantar, ele simplesmente anunciou que essa história de casamento não estava funcionando e que ele tinha descoberto que não me amava. Que droga. Ela virou-se e o encarou. Por que estou te contando tudo isso? Eu nunca, nunca falei sobre meu divórcio, só com as meninas. E aqui estou, contando tudo para você. E você nem me conhece direito acrescentou Ty, prestativo. Eu não tive uma boa primeira impressão ela o lembrou. Ei! ele protestou. Eu não sabia que estava me espionando. Você podia ter me falado que estava ali e tal, sabe? Você sempre desfila por aí de cueca e faz xixi em público? questionou Ellis. E se outra pessoa tivesse te visto? Você podia ser preso por atentado ao pudor. Era cedo. Ninguém vem pra esse lado da praia naquela hora do dia. E, de qualquer maneira, pra alguém me ver da praia tem que se dar ao trabalho, com as dunas e o capim alto e tudo mais. Nós vemos você da praia ela argumentou. Nesses dias eu quase não tenho andado de cueca no deque justificou-se Ty. Enfim, o que eu posso fazer se você e suas amigas maravilhosas escolheram correr por aí com biquínis mínimos bem na frente do meu deque? Poxa, não seria muito americano da minha parte se eu não apreciasse a beleza natural da praia.

152 152 Afff ela bufou. Mas os cantos dos seus lábios viraram-se de leve. Ela concluiu que, assim, de perto, Ty Bazemore não era tão repulsivo. Na verdade, ele era perigosamente atraente, com seu cabelo bagunçado e a covinha no queixo. Ela sempre babou por uma covinha. Aposto que você gosta de olhar para a Dorie e a Julia ela disse, levemente. Bem, a Julia é modelo, e quanto à Dorie, bom, não importa o que ela faça para disfarçar, sempre teve o visual que deixa os homens a seus pés. Ele levantou a sobrancelha. É, elas dão pro gasto. Especialmente a ruivinha cheia de curvas. Mas, na verdade, já que mencionou o assunto, você fica bem matadora de biquíni, dona Ellis Sullivan. Principalmente naquele seu maiô preto. Ela ficou boquiaberta, completamente vermelha. Ele sorriu inocentemente. Ei, não me olha assim. É uma simples constatação. Um elogio. Não precisa chamar a polícia dos bons costumes. A conversa estava ficando muito pessoal. Ela lutou contra a vontade de sair correndo. Ty Bazemore tinha acabado de falar que gostava do seu maiô preto. Ela devia ficar e flertar. Ela lembrava-se de como flertar, né? No meio tempo, ele ainda a olhava, preguiçosamente aproveitando aqueles shorts de cupcakes e o insignificante top. Pânico novamente. Ela bocejou escancaradamente e levantou-se para sair. Hora de dormir avisou. Bem, boa-noite. Tão cedo? ele disse, levantando-se com preguiça. Qual é a pressa? Não é pressa ela replicou levemente, andando sobre as tábuas em direção à casa. Foi um dia longo, estou cansada, só isso. Te assustei com o elogio, não foi? ele gritou. Engraçado, não achei que você fosse medrosinha.

153 153 Isso a fez estacar. Medrosinha? Quem ele estava chamando de medrosinha? Ela marchou de volta ao deque, parando a poucos centímetros dele. Retire o que disse avisou, com os punhos fechados. Eu matei uma cascavel com uma enxada no meu quintal quando eu tinha dez anos. Meu pai estava lá, mas morria de medo de cobras. Ele vomitou quando viu o que fiz. Eu era a única menina que pulava de costas do trampolim alto na piscina do bairro. Eu era a quarterback no time de futebol americano da faculdade, e quando quebrei o nariz joguei no dia seguinte mesmo assim. Eu não sou medrosa. Era tudo verdade exceto a parte do trampolim alto. Mas ele não precisava saber. Mas você tem medo de mim afirmou Ty, olhando-a bem nos olhos. Não tenho. Prove. Franziu os olhos. Como? Assim ele disse, puxando-a contra ele e deslizando os braços para sua cintura. A boca dele estava quase encostada na dela, os olhos semicerrados. Você tem medo de me beijar ele a provocou, os lábios quase roçando nos dela. Não tenho ela reafirmou, perdendo o fôlego ao falar. Prove. Ela suspirou, impaciente, abraçou o pescoço dele, inclinou o rosto para o lado e beijou-o suavemente. Os lábios dela estavam tentadores, grossos e quentes. Gentilmente, ele a puxou para mais perto, pegando o tecido macio dos shorts com as mãos. Com a língua, ele abriu os lábios dela. Ela derreteu em seu peito. Por um momento. Depois, num rompante, se livrou daqueles braços.

154 Te falei que não era medrosinha ela disse, e, então, Ellis Sullivan, com cupcakes voadores e tudo, estava saltitando sobre as tábuas sob a luz brilhante da lua. Ele a seguiu devagar, parando para uma última olhada para a água, e quando chegou ao deque da garagem, olhou para Ebbtide, bem a tempo de ver a última luz da casa se apagar. 154

155 155 Julia quase dormia quando ouviu seu celular vibrar sobre o puído criado-mudo de madeira. Ela tateou no escuro e suspirou quando olhou para a tela. Ei disse, sentando-se na cama. Ei, querida disse Booker suavemente. Tá com saudade? Siiiiiiimm respondeu devagar, sorrindo ao imaginá-lo. Ele estaria sentado lá, com seus shorts cinza preferidos do colegial e uma camiseta desbotada. Seu cabelo grisalho estaria de pé, pois teria passado as mãos nele quando estava entediado, e os óculos de aro de chifre teriam escorregado pelo nariz. Provavelmente estaria bebendo seu drinque noturno predileto: um singelo refrigerante. Pensando bem, estou. Julia Capello desistiu da faculdade aos dezenove anos, vagabundeou pela Europa por um ano, pegando bicos de modelo sempre que conseguia, quando conheceu Booker Calloway em um pub nojento de Brighton. Ele era um fotógrafo de moda, e ela tinha sido contratada para um catálogo de baixo orçamento para adolescentes. Ela estava bebendo com as outras meninas, e ele parou na mesa delas para pagar drinques e paquerar Geenie, a ruiva peituda da turma. Ele já tinha trinta na época, sexy pra caramba com seu cabelo castanho comprido, olhos castanho-claros com reflexos dourados e a sempre presente

156 156 câmera pendurada no pescoço. Ele era um expatriado que crescera na Califórnia e tinha jurado nunca mais voltar. Booker ignorou Julia completamente aquela noite, mas no dia seguinte, depois das fotos, ele a chamou de lado para dar uns conselhos vai fazer bronzeamento artificial, pelo amor de Deus e oferecer fotos melhores para o book dela. Eles fizeram mais algumas sessões de fotos juntos, e depois disso Booker começou a atuar como seu agente, e, um dia, ela percebeu que eles estavam trabalhando e morando juntos, em tempo integral. Pareceu à Julia que a amizade deles evoluiu de forma gradual. E por que não? Ele era inteligente, bem-sucedido, um amante gentil e atencioso, e uma mente sensata no mundo louco em que ambos viviam. Todos amavam Booker, até a mãe dela, que estava totalmente preparada para odiar o homem mais velho que persuadira a filha a ficar na Inglaterra em vez de voltar para os Estados Unidos, para casa, para a faculdade, para a família, para a vida normal. Depois de cinco minutos, Catherine Capelli foi totalmente conquistada. A única coisa de que a mãe não gostava em Booker é que a teimosa de sua filha recusava-se firmemente a se casar com ele. Booker nunca a deixava esquecer que uma das últimas coisas que a mãe falou antes de morrer foi case com aquele homem bacana querida, antes que ele escape. Eu poderia ir aí no sábado de manhã ele disse. Minhas reuniões na capital vão terminar sexta à noite. Não é longe. Eu poderia voltar na segunda de manhã, o que acha? Ela suspirou novamente. Book, já conversamos sobre isso. É uma viagem de garotas. Meninos são proibidos. Enfim, não faz nem uma semana. Preciso de um tempo para pensar. Temos um acordo, lembra? Você tem um acordo ele murmurou. Eu não tive muita escolha na questão, tive? Ela riu, safada.

157 157 Não muito. Agora, vamos falar de outra coisa? Como estão as coisas aí? Tá gostando do pessoal do trabalho? Eles são gente boa, um grupo bem fechado. Tinha esquecido como uma revista pode ser burocrática. Eles têm políticas e procedimentos pra tudo. E vai levar um tempo pra aprender a mexer com os softwares deles. Você consegue ela o assegurou. E, de qualquer modo, eles estão fazendo valer a pena, lembra? Pode crer que estão. Ei, adivinha? Acho que encontrei uma casa pra gente hoje. Ela largou o corpo na cama. Ah, Book, não sei. Eu te falei... Julia, só me escuta ele atalhou, implorando. Você vai amar. É na Alexandria. Do lado do metrô. Foi construída em mil novecentos e dezoito. Qual é aquele estilo de casa que você sempre comenta? Aquelas que têm cristaleira embutida e prateleiras e tal. Craftsman? É, isso aí. O corretor disse que é o melhor exemplo dessa arquitetura que eles têm no bairro. Tem uma varanda grande, larga, na frente, e essas janelas enormes que oferecem uma luz incrível. E chão de madeira. Três lareiras. Sala, escritório e quarto principal. Quatro quatros. São só dois banheiros, mas tem uma despensa gozada bem ao lado do quarto principal que daria uma ótima suíte. A cozinha precisa de reforma completa, mas o corretor acha que conseguiremos um desconto do preço pedido, pois o dono já arranjou um emprego em Los Angeles e tá desesperado pra se livrar do imóvel. Ei, tirei umas fotos com o celular. Vou enviar agora. Espera só pra ver esse lugar, Julia. Ela fechou os olhos. Ele parecia descrever uma bicicleta nova a um garoto. E ele não ouviu porcaria nenhuma do que ela vinha dizendo-lhe nas últimas seis semanas.

158 158 Ah, Book ela disse, enfim. Parece maravilhosa. Sério. Mas eu não preciso de uma casa. Não preciso morar na capital. Não preciso me casar. Eu te amo. Amo. Mas não posso fazer isso. Silêncio. Eu só... Bem, eu acho que não entendo. Você diz que me ama. Eu sei que eu te amo. Eu achei que o emprego novo e voltar para os EUA seria uma coisa boa. Eu teria segurança de verdade pela primeira vez. Chega de freelances doidos, correr o mundo, correr atrás de trabalhos. Podemos ter nossa própria casa. Um lar de verdade. Chega de flats de merda em Londres. Eu amo aquela merda de flat observou Julia, imaginando-o: a cadeira-ovo Arne Jacobsen que achara numa venda de garagem no subúrbio de Londres, o sofá Conran de couro branco que ela comprara com o primeiro pagamento de um trabalho para uma revista, as quinquilharias de prata e porcelana que garimpara no mercado Bermondsey, todos arrumados contra as paredes que ela pintara e decorara com desenhos e fotografias que descobrira em sebos e antiquários em todas as cidades que já visitara. Frente à possibilidade de largar seu lar dos últimos dez anos, fez com que percebesse que ela estivera se aninhando sem perceber. Ok, bem, talvez a gente mantenha o flat para quando você estiver trabalhando por lá. Ela arrepiou-se com a menção a sua carreira. Booker, não adianta se fingir de cego. Eu não consigo mais trabalhos como modelo. Não do mesmo tipo que antes. Eu tenho trinta e cinco. Não sou mais a garota da capa, exceto, talvez, da Maturidade Moderna. Mês passado eu fiz um catálogo pra uma marca de jovens senhoras, pelo amor de Deus. Quando menos esperar, serei o novo rosto das fraldas geriátricas. Do que você tá falando? ele inquiriu. Julia, isso é doidera. Você esquece há quanto tempo eu tô no negócio. Você tem mais trabalho do que dá conta. É, eu sei que não pra Elle ou pra Vogue,

159 159 mas você ainda não está aposentada. Você ainda é sensacional e pode ter uma carreira como modelo por quanto tempo quiser. Talvez eu não queira mais ser modelo desabafou Julia. Beleza disse Booker, cansado. Faça outra coisa. Ninguém disse que precisa ser modelo. Eu só achei que você estava tão chateada ultimamente por causa das ofertas que vem recebendo. Esse é o problema continuou Julia. Eu não sei fazer outra coisa. Eu larguei a faculdade no primeiro semestre, lembra? E agora é sua chance de voltar a estudar, se for o que quer atalhou Booker. Ou não, não me importo. Só quero você comigo. Quero casar, ter um filho, se eu ainda tiver uns nadadores, e envelhecer juntos. Isso é tão horrível assim? Não disse Julia. Não é horrível. Fofo. Você é fofo, e eu sou uma biscate confusa. Agora, ela pensou. Agora é a hora de contar a verdade. Talvez ela nem pudesse ter filhos. Contar para as meninas foi um alívio tão grande. Como ela suportou um segredo desses por tantos anos? Do que ela tinha medo? Ela andou até a janela do quarto e olhou desinteressadamente para a praia. Era lua cheia, e ela viu um casal no fim da passarela, no pequeno deque ali. Um homem e uma mulher, juntos, abraçados. A menina se grudou ao peito do homem, e o momento era tão sensual que Julia quase se virou. Quase. Um segundo depois, a menina se soltou e começou a correr em direção à casa. Santo Deus ela expirou. Ellis! O quê? perguntou Booker. O que aconteceu? Nada riu Julia. Acabei de ver a nossa Ellis, lá fora, à luz do luar, ficando com um desconhecido. Achei que fosse uma reunião de garotas. Sem caras. É. Sem caras ela concordou.

160 160 Julia a voz de Booker estava chateada. Você ouviu uma única palavra de tudo o que eu disse? Ela encarava Ellis, que andava para a casa em um compasso rápido. Estava de pijamas, pelo amor de Deus. E mesmo de longe, e com a lua deixando tudo absurdamente claro, ela pôde ver o sorriso contente no rosto de Ellis. Bom para a Ellis. Mas quem raios era o homem? Ele ficou um bom tempo no deque, olhando a casa. Julia não tinha ligado a luz do quarto, então tinha certeza de que ele não podia vê-la, mas, só para garantir, se afastou alguns passos da janela. Eu ouvi, Booker ela disse, suavemente. Mas eu não consigo mais conversar sobre isso. Te amo. Boa-noite. Ele ainda estava balbuciando algo quando ela desligou. Julia ouvia a porta de tela da frente abrir e fechar, depois o som da porta de madeira se fechando. Os pés descalços da Ellis subiam as escadas delicadamente. Julia ficou na janela, espiando lá fora. Por fim, o homem andou lentamente pela passarela em direção à casa. Julia prendeu a respiração. Que delícia! Ele ia seguir Ellis em casa, entrar escondido em seu quarto para um encontro secreto? Espera. Ele seguiu para a garagem. O quê? Quando ele ficou sob a luz da garagem, viu seu rosto claramente. Era o cara da garagem: Ty Bazemore. Ellis e Ty! Que surpresa mais agradável e inesperada, pensou Julia. Maryn acordou com um sobressalto e se sentou na cama. Por um instante, esforçou-se para se lembrar de onde estava. O ar do quarto estava quente e estagnado. Sua camisola molhada de suor grudara em seu corpo. Depois ouviu o barulho de pneus esmagando as conchas da entrada e, com um choque, se lembrou de onde estava.

161 161 Ela olhou para o rádio relógio barato no criado-mudo. Eram duas da manhã. Um carro estava andando devagar na entrada. A bile subiu por sua garganta e, por um instante, ficou paralisada. Então se levantou, se abaixou, se agarrando ao fino colchão, até seus dedos dobrarem-se sobre a pistola escondida. Foi até a janela oposta à sua e espiou entre as cortinas de algodão desbotado. Ela expirou devagar. Era a caminhonete vermelha, dirigida pelo homem que alugava a edícula da garagem. Maryn observou-o entrar na garagem. Pouco depois, ele saiu de lá, iluminado pelo sensor de presença na beira da varanda. Ele vestia um jeans desbotado, camiseta branca e um boné verde virado para trás. Seu nome era Ty, Dorie dissera, e era um investidor. Ele parecia cansado quando vagarosamente subiu a escada de madeira do lado de fora da garagem. Ela ficou na janela, observando, até ver as luzes do apartamento acenderem. Ela podia vê-lo, pelas janelas sem cortinas, andando pela casa. Ele foi até uma mesa perto da janela e olhou para fora. Ela afastou-se de sua janela, não querendo ser vista. Olhou para a.32 que ainda segurava na mão direita. Era a pistola de Don. Ele tinha lhe dado pouco depois de começarem a namorar quando ela morava naquele pardieiro em Pinelawn. O carro dela tinha sido arrombado e seu celular, roubado, e ele foi insistente em dizer que o bairro não era seguro. E não era. Na noite seguinte, quando ele veio, trouxera um pacote de papel pardo que cuidadosamente depositara sobre a mesa da cozinha. Ela engasgou quando ele tirou a arma da sacola. Ela nunca tinha ficado perto de uma. Seu pai nunca tivera uma. Não tenha medo, querida dissera Don gentilmente. Ele a ensinou como carregar e descarregar. Depois foram para a área rural. Ele ajeitou uma fileira de latinhas sobre um toco de árvore e mostrou como mirar e atirar. Eu não preciso de permissão pra isso? ela perguntara, depois que ele ficou satisfeito com o aprendizado.

162 162 Não ele dissera. Eu tenho permissão e, de qualquer modo, se algum dia você tiver que usar essa porcaria, atire primeiro e pergunte depois. Ela pensou que era fofo, ele queria protegê-la. Quando ele insistiu para que ela saísse do bairro e fosse para o apartamento em um prédio de que ele era dono, era para ela viver em um lugar melhor. O aluguel era o dobro do que ela podia pagar com o salário da seguradora, mas já que Don era o dono, e não tinha a intenção de cobrar aluguel, então isso não era problema. Ele vinha quase todas as noites, trazendo comida chinesa ou um bife para grelhar na varanda da sala. Eles haviam se conhecido no escritório. Don tinha crescido com os Prescott, e era agora o contador da firma. Ela nunca o teria encontrado, mas, um dia, dois anos antes, Marie, a assistente administrativa de Robby Prescott precisou comparecer ao tribunal, e Maryn foi realocada para atender ao telefone do chefe. Por acaso, foi o dia em que Don Shackleford apareceu para levar Robby Prescott para almoçar. Era uma manhã fria de outono, e ele usava um sobretudo de caxemira com jeito de caro sobre o terno. Ela estava ao telefone quando ele entrou no escritório e ficou de pé perto de sua mesa, batendo impacientemente os dedos sobre os papéis e olhando o relógio, o que a incomodou. Ele batia para mostrar-lhe como ele era um homem importante? Importante demais para ficar esperando? Então ela o deixou esperar, fingindo estar numa ligação que há muito tinha terminado, só para que ele soubesse o quanto ela era ocupada também. Sim? ela perguntara, fria, olhando-o como se só o estivesse vendo naquele momento. Quero falar com Robby respondeu, impaciente. Onde está a outra garota? Marie? Convocada para júri.

163 163 E você trabalha aqui também? Qual o seu nome? Maryn ela respondeu. Trabalho com processamento de requerimentos ela falava com um leve esgar de sorriso vou avisar o Sr. Prescott que está aqui levantou-se, colocou a cabeça para dentro da sala do chefe, e calmamente avisou que havia visita. Prescott estava ao telefone, mas ele gesticulou que sairia quando terminasse. Quando voltou para sua mesa, Don havia se sentado na cadeira de couro em frente. Ele está ao telefone, mas virá assim que possível ela avisara o visitante. Voltou ao computador, para o arquivo em que estava trabalhando, mas sentia os olhos dele sobre ela. Estava conferindo-a, o que não tinha problema, pois ela o conferia também. E gostou do que viu. Don Shackleford estava no começo dos quarenta, com cabelo loiro e cheio, bronzeado, olhos azuis gelados sobre ossos proeminentes e uma boca larga com dentes perfeitos. Não era alto, talvez um e setenta e cinco, com um pescoço grosso e porte atlético. Ela notou de cara que ele não usava aliança. Maryn não se surpreendeu quando Don voltou na semana seguinte. Dessa vez, ele a caçou em sua mesa, sob um pretexto que ambos sabiam ser absurdo. Ele a convidou para almoçar, ela recusou, dizendo ter planos. Que tal semana que vem? ele persistiu. Semana que vem quando? perguntara Maryn, desinteressada. Qualquer dia semana que vem ele dissera. Ou na outra semana. Vamos. Você sabe que vai almoçar comigo. Por que não adiantar em vez de atrasar? Sexta que vem Maryn decidira. Mas só tenho uma hora. Venha me buscar à uma. Na sexta seguinte, ela usou sua melhor roupa, um terninho Marc Jacobs que comprara ainda estava com etiqueta num brechó

164 164 chique da Filadélfia. O paletó vermelho servia como uma luva, e calçou botas pretas de salto que a deixavam apenas um pouco mais baixa do que ele. Está bonita elogiara Don, segurando a porta do seu carrão prateado. Eles foram ao clube de campo para almoçar, na churrascaria, onde todos os homens em roupas de golfe o cumprimentavam como se o conhecessem há anos. Ele viu os olhares questionadores para Maryn, mas não se deu o trabalho de apresentála. Velhos tarados dissera, rindo. Ele a levou para almoçar novamente na sexta seguinte, mas na sexta depois dessa, ele a levou direto para o apartamento, sem explicação. Quem mora aqui? perguntara, quando já estavam dentro, e ele abria o zíper de sua saia. Meu ele respondera com a boca na dela. Não houve mais perguntas. Ele sabia que ela só tinha uma hora de almoço. Maryn não se surpreendeu. Ela ficou surpresa por ele ter esperado tanto. Don Shackleford era um homem acostumado a ter o que queria, e ela percebeu, quando o conheceu, que ele a queria. Se ela fosse franca consigo, Maryn teria admitido a si mesma que estava atraída por Don pela sua obstinação em conquistá-la. Era absurdamente elogioso ser tão desejada, tão adorada. Nunca ninguém quisera cuidar dela como Don. Só lhe ocorreu meses depois que ele não queria apenas cuidar dela. Ele queria possuí-la. Dois meses depois do primeiro encontro, ela já morava no apartamento. Adam, nada surpreendentemente, deixou claro que não aprovava Don. Ele tá te usando dizia Adam quando ela voltava do almoço, o cabelo ainda molhado do banho rápido. Como você sabe que eu também não estou usando ele? Maryn perguntara. Ela não se importava que soubessem que ela

165 165 dormia com o Don. Ela estava fazendo seu trabalho, não estava? Então não era da conta de ninguém. Adam tinha a mesma idade que Maryn. Ele fora trabalhar na Seguradora R.G. Prescott dois anos antes, logo depois de sair da faculdade medíocre que cursara. Havia outras cinco mulheres no escritório, mas, com exceção da vagabunda da Tara Powers, todas eram mais velhas, casadas e, obviamente, nenhuma delas, especialmente Tara, gostava ou aprovava Maryn ou mesmo Adam. Então Adam e Maryn saiam como amigos, apesar de Adam obviamente querer mais. Ela sempre insistia em pagar sua parte quando saía com ele. Ela saía com muitos caras, mas não havia ninguém especial. Até surgir Don. Ele é muito velho pra você dizia Adam. Poxa, qual é, Maryn, ele tem, tipo, quarenta? Ele tem quarenta e dois respondera Maryn. Enfim, minha mãe sempre dizia que minha alma é antiga. Eu sempre namorei caras mais velhos. Você está com ciúme do Don, só isso. Você só tá dormindo com ele porque ele é rico acusava Adam. E ele é ótimo de cama retrucara Maryn, provocando. Quando o rosto de Adam ficou vermelho, ela se arrependeu do que dissera, pois sabia que o tinha magoado. Eu não gosto dele dissera Adam, por fim. E o Don não gostava do Adam também. Ele deixara bem claro quando Maryn sugeriu uma ou duas vezes chamar Adam para tomar drinques com eles depois do trabalho. Aquele perdedor? ele tirou sarro. Por fim, ela parou de perguntar. Ela sentiu um nó no estômago ao pensar em Adam. Ela precisava muito falar com ele.

166 166 Gotas de chuva tamborilavam sobre o teto de alumínio da velha casa, e as cortinas de algodão fino flutuavam para dentro do quarto de Ellis. Ela espreguiçou-se e bocejou e se jogou gostosamente de volta nos travesseiros. Ela não se lembrava da última vez que tinha dormido tão bem. Efeito narcótico da brisa e da chuva, decidiu. Mas depois pensou novamente sobre a noite anterior. O beijo. Seus lábios curvaram-se sonhadores ao se lembrar dele. Quando fora a última vez que tinha sido beijada daquela maneira? Espera. Algum dia ela tinha sido beijada como Ty Bazemore a beijara na praia, na noite anterior? Com certeza, não. Ela imaginou o que aquilo poderia significar. Ty a escolhera. Do seu ponto de observação no deque, ele notara a vasta oferta de mulheres lindas tomando sol na praia abaixo. E ele tinha o visual de alguém que podia fazer até uma mulher sã uivar para a lua. Julia e Dorie com certeza tinham-no elegido a paixonite instantânea de verão. Ele provavelmente conseguia ter a mulher que quisesse. Mas ele a queria. Ele mesmo o dissera, na última noite. E daí?, provocou a Ellis prática. Ela estava lá, sob a luz do luar, seminua com aquele pijama sumário. Presa fácil. E não tinha significado nada. Não para ele, pelo menos.

167 167 Ela sentou-se e jogou as pernas para fora da cama. A chuva lavava as janelas e formava uma poça no velho chão de madeira. Ela foi até a janela e olhou para o céu. Pesadas nuvens cinza cobriam o horizonte. Hoje não vai dar praia. E zero chance de encontrar Ty Bazemore também. Relutantemente, fechou a janela e se encaminhou para o banheiro. Maryn dormiu mal. Incapaz de se livrar da sensação ruim que tomou conta de sua mente, ela virou-se e revirou-se pelo resto da noite, e nem mesmo a suave garoa batendo contra o telhado acima de sua cabeça conseguiu embalá-la de volta ao sono. Finalmente, às seis da manhã, ela levantou e pegou o romance que havia comprado em um dos passeios de bicicleta pela ilha. Mas a trama um nonsense frívolo e tonto sobre amor verdadeiro e devoção imortal quase a matou de tédio. Seus pensamentos continuavam voltando-se para aquela cena assustadora em casa, do Don, branco de fúria, agarrando o braço dela, seus dedos furando a carne, seus olhos queimando os dela. Depois do encontro com o Adam, Maryn precisava saber a verdade. Estava casada com um ladrão? De onde vinha toda a fortuna de Don? Ela esperara até o fim da semana, uma manhã em que sabia que ele ficaria fora até tarde, jogando golfe com um cliente. Pegou as cópias das chaves do escritório em uma bandeja que ele guardava em sua cômoda e foi até o escritório em um centro comercial sem graça. Levou quase o dia todo, fuçando nos arquivos do computador, até que encontrou um com colunas e colunas de números condenatórios. Ela não era contadora, mas frequentara cursos o suficiente para entender o que significavam. Conforme lia, ficava nauseada.

168 168 Tudo que Adam tinha dito era verdade. Don se apropriara indevidamente de, pelo que podia perceber, pelo menos dois milhões de dólares, desviando cheques, de cinco contas da Prescott controladas por ele, para companhias fantasmas. Enjoada pelo medo, trancou o escritório e foi embora, tão nervosa que nem percebera o carro de Don seguindo-a até em casa. Ele invadiu a casa instantes depois. O que você aprontou? ele questionara, pegando-a pelos ombros e empurrando-a contra a parede. Vi você saindo do estacionamento do meu escritório. Na-nada ela gaguejara. Fui fazer compras e dei uma passada pra ver se você tinha voltado do golfe. Vi você saindo do escritório ele dissera baixo. Vi você trancar e sair. O que você estava fazendo no meu escritório, Maryn? Ela nunca o tinha visto tão nervoso antes. Ela deveria dizer o que sabia? Confrontá-lo com a verdade? Fala ele exigira, segurando-a pelo antebraço, apertando tão forte que ela achou que seus ossos estavam sendo esmigalhados até virar pó. Don, pelo amor de Deus, para. Você tá me machucando por um instante, ela nem sabia se ele tinha consciência do que estava fazendo. Mas ele sabia. Sempre soube exatamente o que fazia. Fiz uma pergunta, Maryn ele apertou com mais força, e ela achou que desmaiaria de dor. Eu sei ela respondera, quase gritando. Eu sei que você rouba da Prescott. O Adam também sabe. Ele me falou. Don soltou o braço dela, e ela se largou no chão, chorando baixinho. O que o Adam sabe? ele inquirira, olhando para ela. Cutucou-a com a ponta do sapato de golfe. Te fiz uma pergunta, Maryn.

169 169 Ele sabe que tem algo estranho com o modo como você lida com as contas da Prescott. A companhia contratou auditores externos. Sabem que você está roubando eles. O Adam não sabe de porra nenhuma afirmara Don, calmo. Os auditores não sabem de porra nenhuma ele a levantou pelo braço. E você também não. Tá me ouvindo? Don dissera Maryn, seus olhos fixos no dele. Talvez houvesse um erro. Talvez ela tivesse entendido errado. Eu vi os arquivos no seu escritório. Não parecem corretos. Cala a boca disse Don. E ouça com atenção. Você não viu nada nos meus arquivos. Não sabe de nada. Tudo bem ela murmurara. Olha bem, Maryn continuara Don. Uma luz estranha surgira em seus olhos azul-claros. Se disser algo para alguém, eu vou te enterrar. Em um lugar que nunca vão te encontrar. Nem vão perceber que você sumiu até ser tarde demais. Nem Adam, nem sua mãe, ninguém vai saber o que aconteceu, onde a Maryn foi parar ele sorrira ao pensar nisso. Em seguida, ele soltou-a, mas não sem antes inclinar a cabeça em direção ao seu antebraço e delicadamente beijar o local onde deixara as marcas avermelhados. Ele olhou para o relógio. Vou encontrar o Robby e outros caras no clube para tomar uns drinques, já estou atrasado. As esposas vão se encontrar conosco para jantar, e Robby deixou claro que quer sua presença. Maryn encarava-o muda. Cinco minutos antes, ele ameaçara matá-la. Agora casualmente convidava-a para jantar com seu cliente, que também era o antigo patrão dela na Seguradora R.G. Prescott, Robby Prescott, de quem, ela tinha certeza, Don roubara alguns milhões de dólares. Vou... vou tentar ela gaguejara. Minha mãe ligou e ficou implorando para eu ir visitar...

170 170 Não disse Don, balançando a cabeça secamente. Diga que tem compromisso. Se o Robby quer jantar com a gente, é isso que ele vai ter. E você vai estar tranquila e charmosa como sempre. Entendeu? Bem... começara Maryn, com a boca seca. Então te vejo às seis dissera Don, indo para a porta, satisfeito por ter passado as instruções do dia. Seus sapatos de golfe bateram contra o mármore do vestíbulo. E pelo amor de Deus ele adicionara, analisando o cabelo despenteado e a face marcada por lágrimas de Maryn, dá um jeito nessa cara antes de aparecer no clube hoje ele colocou a mão no bolso, pegou um maço de dinheiro e jogou um bolo de notas de cinquenta para ela. Depois que Don saiu, Biggie estava na porta do quarto, seus olhos castanhos aguados perplexos. Ele sabia que a mala significava viagem, e, vez ou outra, eles iam para a praia, ou passavam o fim de semana fora, levando Biggie junto. Maryn ajoelhou ao lado dele e segurou seu focinho. Não dessa vez, amigão ela dissera, alisando o pelo macio. Não havia mais tempo. Ela estava vestida para ir ao shopping, sua história caso Don chegasse em casa mais cedo: uma blusa de seda creme sem mangas, calças pretas e o par favorito de saltos pretos de couro. Mudou para uma blusa que ocultasse os vergões no braço e jogou outras roupas na sacola que encontrou no closet, sem tempo para arrastar sua mala grande do armário do quarto de visitas. Pegou uns artigos de banho, sua nécessaire de maquiagem, um amontoado de sapatos, incerta sobre o que precisaria ou queria, já que não tinha nenhum destino em mente. Apenas ir embora. Para longe. Pegou o dinheiro escondido em suas botas, o relógio caro e tacou-os na sua bolsa Prada creme. No último minuto, lembrou-se do laptop. Jogou a alça da bolsa de couro do laptop no ombro e correu para a porta. E lá estava Biggie, sentado na porta, orelhas de pé, com a coleira de couro vermelha na boca. Ah, Big ela dissera, já sentindo falta do cão. Saiu e fechou a porta com rapidez, mas pode ouvi-lo raspando-a com a pata.

171 171 Maryn correu para o carro e jogou a sacola e o estojo do laptop no banco de passageiro. Dirigiu sem destino, querendo apenas colocar quilômetros entre ela e o estranho com quem se casara. Uma semana já havia se passado. Aquela casa estava quieta. Quieta demais. Ela tinha que saber o que estava acontecendo na sua casa. Os auditores tinham descoberto a extensão da fraude de Don? E ele? Estava deixando mensagens no celular dela. Ela estava tão apavorada de ouvi-las que as deletava assim que chegavam. Ela precisava saber alguma coisa. Pegou o celular, com a intenção de ligar para Adam, ou pelo menos ver se tinha alguma ligação perdida. Droga. O telefone estava sem bateria. Na pressa de fugir de casa, deixara o carregador para trás e estava usando o do carro. Que, claro, estava no carro. Na garagem. Mas ela ainda tinha o laptop. Nem se preocupara em ligá-lo desde que chegara em Ebbtide, nem sabia se a casa tinha wi-fi ou não. Só um jeito de descobrir. Pegou o estojo de couro preto e o levou até a cama. Pela primeira vez se deu conta de como estava pesado. Don era apaixonado por novidades eletrônicas e tinha lhe presenteado com o mais leve deles. Ela só usava para jogar on-line ou fazer compras. Estranhando, abriu o zíper e pegou o computador. Em vez dele, sua mão agarrou um pacote de papel grosso, amarrado com um elástico de borracha. Mas não era apenas papel. Dinheiro. Ela segurava um maço de mais de dez centímetros de notas. Com as mãos tremendo, folheou o maço. Ela jogou o estojo na cama. O computador escorregou para fora, bem como nove outros maços idênticos. Maryn olhou para o dinheiro e o computador. O dela era rosa choque. Aquele era branco. No frenesi, pegara a pasta de Don. E seu computador. E seu dinheiro. Tanto dinheiro. Milhares. Centenas de milhares, provavelmente. Suas mãos tremiam quando pegou um dos maços. De onde viera tanto dinheiro? Demais para ter sido em Vegas. O que Don ia fazer com tudo isso? E o que ele faria quando descobrisse que o dinheiro e Maryn

172 172 haviam desaparecido? De repente, um leve toque na porta do quarto. Maryn sentiu como se seu coração fosse sair pela boca. Madison? era Dorie, a ruiva com quem fizera amizade na lanchonete. Sim? ela deu um jeito de balbuciar. Desculpa incomodar, mas como é domingo, e está chovendo a cântaros, a gente decidiu fazer um belo brunch. A Julia está fazendo waffles e bacon, eu fiz salada de frutas, e estamos tomando mimosas. Por que não vem, Madison? A gente quase não se viu desde que se mudou. O cheiro de bacon e café subiu até o último andar. Seu estômago roncou. Não tinha comido nada desde o almoço no dia anterior. Maryn olhou para a pilha de dinheiro na cama e depois para a porta. A semana toda ela dera um jeito de evitar aquelas mulheres, exceto por alguns encontros fortuitos quando entrava e saía da casa de bicicleta. Chovia, então ela não podia sair. Seu estômago roncou novamente. Já tinha ficado reclusa por tempo suficiente. Talvez uma refeição não fosse fazer mal. Rapidamente, ela recolheu o dinheiro de volta para a pasta. Pensaria sobre isso depois. Brunch é uma boa ela gritou, por fim. Só vou dar uma arrumada na cara e já desço. Ela tá descendo avisou Dorie para as outras. Viu, falei que a gente devia convidar. Ah, que maravilha disse Julia sarcasticamente, fazendo reverência e balançando exageradamente a espátula como um cetro.

173 173 Finalmente teremos uma audiência com a rainha ela fez uma pequena reverência. Olá, Vossa Majestade. Shiu, ela vai te ouvir falou Dorie. Você vai ver. Ela não é metida. Ela só é... introvertida, eu acho. Julia bateu os dedos no tampo de madeira. Não caio nessa de que ela tá em transição depois de terminar com um cara. O que ela tá mesmo fazendo aqui? Dinheiro não é problema, óbvio, então por que ficar numa cidade de praia insignificante como essa? Por que não foi pra um lugar glamouroso? Por que ela não tem amigos, nem família? Por que ela deixa o quarto trancado direto, mesmo quando não está? Eu sei por que fui conferir. E ela não tirou o carro da garagem desde que estacionou lá. Tô falando, ela tá se escondendo de algo ou de alguém, e eu vou descobrir. Ela é um mistério mesmo concordou Ellis. Abriu a garrafa de champanhe e começou a encher as taças de plástico que comprara no um e noventa e nove. Dorie colocou a mão sobre a sua. Nada de champanhe pra mim, lembra? Verdade disse Ellis. O suco de laranja é bom pra você. Mas café não, né? Neca concordou Dorie, balançando a cabeça. A cafeína não faz bem para o bebê, infelizmente. Sinto bem mais falta do que de álcool. E já estou enjoando de beber tanto leite. Julia olhou sobre o ombro para a Dorie. Você engordou alguma coisa? Na verdade, perdi três quilos reportou Dorie. Mas isso só porque eu tive um enjoo horrível nos dois primeiros meses. A enfermeira do consultório da obstetra disse que estou bem. Ela explicou que algumas mulheres só começam a ganhar peso no meio do segundo trimestre. Julia balançou a cabeça.

174 174 Só você, Dorie Dunaway, pra ficar grávida e perder peso. Quem tá grávida? Madison parou na porta, elegante mesmo de capri branca e blusa larga de listras rosa e brancas. Seu cabelo loiro estava preso num rabo de cavalo, e calçava sofisticadas sapatilhas rosa. Dorie enrubesceu e Julia parecia desapontada. Bom começou Ellis. Eu respondeu Dorie, sorrindo expansiva. Sentou-se na cadeira da mesa e levantou uma das taças. Senta aqui e escuta meu triste caso. Madison bebericou devagar enquanto Dorie calmamente repetia a história que contara às amigas na noite anterior. Uau exclamou Madison quando Dorie terminou. Então seu marido não sabe ainda? Não respondeu Dorie, mordiscando um pedaço de bacon que tascara do prato no meio da mesa. Sou tão covarde que não tive nem coragem de conversar com ele frente a frente, quanto mais falar do bebê. Bom disse Madison, eu admiro sua coragem. Eu não sei o que acharia de ser mãe solteira. Meus pais se separaram quando eu tinha treze anos. Foi difícil. Poxa, criar um bebê sozinha é complicado. Julia colocou um waffle no prato de Madison. Então se intrometeu, tentando soar casual. E você, Madison? Filhos? Marido? Nenhum dos dois respondeu seu olhar para cima. Acho que fiquei muito concentrada no trabalho para pensar em constituir família. Os olhos de Julia cravejaram no anular de Maryn o dedo com o solitário de Don. Ah, isso? disse Maryn, mexendo o dedo. É de família. E que família retrucou Julia.

175 175 Julia e eu já nos candidatamos a madrinhas do bebê da Dorie disse Ellis. Fadas madrinhas continuou Julia. E claro que ela vai ser a bebê mais linda do mundo. Com o cabelo e os olhos da Dorie. Madison olhou para Dorie. Ah, você já sabe que é menina? Não respondeu Dorie. Não quero saber o sexo antes da hora. A Julia se acha bruxa explicou Ellis. Ela acha que pode levar a Dorie a ter uma menina pra gente mimar até. Claro concordou Julia. Uma menininha angelical. Com cachos acobreados e olhos verdes. A tia Julia vai ensinar ela a se vestir e combinar acessórios: habilidade que a mamãe dela, infelizmente, nunca aprendeu. Ei! reclamou Dorie, em tom de brincadeira, alisando os vincos da camiseta desbotada do campeonato de futebol do colégio. Fiquei ofendida. A titia Ellis vai ensinar matemática, a nadar e, claro, vamos ler muitos livros juntas. Vou levar ela ao zoológico, à praia... Nós vamos fazer compras juntas em Nova York acrescentou Julia. E se for menino? perguntou Dorie, abrindo a mão sobre a barriga. Vamos colocá-lo numa balsa e gentilmente jogá-lo no mar declarou Julia. Julia! exclamaram Dorie e Ellis. Tô brincando assegurou. Um pouco.

176 176 Eram quase três da tarde quando Maryn deu um jeito de se livrar das garotas. O brunch tinha sido divertido, e, na verdade, ela se surpreendera com o quanto aproveitou a companhia delas. Não a deixaram nem um pouco de fora. Foi bom rir, relaxar, abaixar a guarda. E com mulheres da sua idade. Isso foi uma grande surpresa. Mas ela só se permitira relaxar um pouco. Ellis e Dorie pareceram genuinamente receptivas e amigáveis. Mas com a Julia a história era outra. Julia ouviu com atenção cada retalho de informação que Maryn relutantemente foi obrigada a revelar. Mentir sobre seu estado civil tinha sido um erro. Quando me tornei uma mentirosa tão compulsiva?, pensou Maryn. Ela devia ter dito que tinha largado o marido. Elas teriam sido solidárias. Em vez disso, deixou Julia ainda mais reticente. Ela não era abertamente hostil, mas Maryn percebia, pois tinha muita prática nisso, quando uma mulher a julgava. Assim como Maryn estava acostumada a julgar todas as mulheres que conhecia, de cara. Enfim, tudo bem. Julia a observava. E ela observava Julia. Maryn ajoelhou ao lado da cama e alcançou a pasta. Ela esparramou as notas na cama e contou o dinheiro, seu coração disparava conforme a quantia crescia. Dez mil dólares em cada maço, cem mil dólares no total. As notas estavam amarradas com elásticos verdes, não eram aqueles elásticos amarelos de banco. E as notas não eram novas; os números não eram sequenciais.

177 177 Sua boca secou. O que Don estava fazendo com tanto dinheiro? Olhou cautelosa para o laptop. As respostas estariam escondidas em algum lugar dentro do computador? Ela pegou o cabo e o ligou. Funcionou automaticamente, mas ela não tinha a senha. Por vinte minutos, tentou diferentes combinações de letras, palavras e números. O aniversário dele, o dela. O de casamento. Que piada! Ela tinha se enganado tão convincentemente quanto Don a enganara, desde o começo do relacionamento. Na verdade, ele já tinha uma família. Claro que ela não soube da mulher e dos filhos adolescentes até os dois estarem praticamente morando junto por três meses. Adam lhe dera a notícia. Relutantemente, de acordo com ele. Foi um golpe baixo para Maryn. Ela nunca foi santa tinha dormido com sua cota de homens, destruído sua cota de corações, mas tinha uma regra: nunca homens casados. Nunca. Ela jamais faria com outra mulher o que outra mulher fizera com sua mãe. Ela era muitas coisas, mas não uma destruidora de lares. Ou pelo menos era o que achava. Outra mentira. Foram tantas que ele já esquecera o que era verdade e o que não era. Ela confrontou Don sobre suas mentiras, e ele riu: Vivemos separados há anos ele explicara. A Abby não liga para o que eu faço ou com quem eu durmo contanto que o dinheiro continue chegando. Ela acha que eu sou o caixa eletrônico particular dela. Então, por que você se importa? E os seus filhos? ela questionara. Você não liga pra eles? Eu vejo eles respondera, despreocupado. Eles não são mais crianças. A Ashley tem uns catorze anos. O Cash, dezesseis. Eles têm suas próprias vidas, seus próprios interesses. Eles não querem ir para a Disney com o papai, Maryn. Ele deixara uma cópia dos papéis de divórcio na cômoda, onde ela encontraria. Três meses depois, numa sexta, no começo de setembro,

178 178 ele a pediu em casamento. Se Maryn fosse brutalmente honesta consigo mesma, admitiria que o diamante, brilhando na caixinha acolchoada com cetim branco, a cegou... Completamente. Ela queria um casamento de verdade, com pelo menos sua mãe e sua tia Patsy e Adam presentes, mas Don recusara secamente. No fim, se casaram na frente de um juiz de paz conhecido de Don e voaram para Aruba para uma lua de mel de cinco dias. Foram os cinco dias mais felizes de sua vida. Don estava relaxado, carinhoso, atencioso tudo que ela sempre sonhara em um marido. Ele falara sobre o futuro juntos. Já tinha comprado o terreno onde construiriam a casa de seus sonhos: novecentos e trinta metros quadrados, cinco quartos, cinco banheiros, garagem com três vagas. Ficava num lago. Maryn teria um banheiro com lareira e banheira de hidromassagem, tudo de mármore. E uma cozinha que competiria com a dos melhores restaurantes na cidade. E filhos acrescentara Maryn, sonhadora. Eu sei que você já passou por isso, mas quero ter nossos filhos, Don. Já tenho trinta e dois anos. O relógio biológico está batendo. Pode ser ele dissera, deixando de lado qualquer detalhe. Ela digitava, tentando diferentes senhas. O nome da empresa, dos filhos Ash e Cash, como ele os chamava, o apelido que os amigos do golfe lhe deram: Shack. Nada dava certo. Madison buscou sua sacola no armário. Ela guardou o dinheiro no fundo dela e colocou uma camiseta suja por cima antes de enfiar a sacola embaixo da cama. Seus pensamentos voltaram-se para Adam. Ela precisava falar com ele, avisar onde estava. A chuva despencava quando desceu pela escada espiralada de metal enferrujado. Trancou a porta atrás de si e, segurando o corrimão com as duas mãos, desceu cautelosamente os degraus, sentindo a escada bambear a cada passo. Quando chegou ao fim, correu para a garagem e destrancou o carro. Virou a chave na ignição, conectou o telefone e ficou esperando sentada a bateria carregar.

179 179 Quando o visor acendeu, ela viu que tinha onze ligações perdidas. Todas de Don. Ele deixara mensagens de voz também. Dessa vez, se forçou a escutar. A voz de Don estava grave: Maryn. Onde você tá, porra? A gente precisa conversar. Olha, eu sei que perdi a noção. Mas eu não queria te machucar. Eu te amo, querida. Me liga, ok? Me fala se tá tudo bem. Estou começando a ficar preocupado. Ela riu com desdém. Ah, claro, ele estava muitíssimo preocupado. Com ela, talvez um pouco. O que ela vira, para quem ela poderia contar. Mas se preocupava principalmente, com certeza, com a pasta cheia de dinheiro. E com seu laptop e os segredos que continha. Ela selecionou cada uma das mensagens dele e deletou-as sem ouvir. Estava por aqui de ouvir Don Shackleford. Ligou para o celular de Adam, caiu no correio de voz. Adam, sou eu disse, sem ar. Eu... eu larguei o Don. Estou no sul. Olha, muita coisa aconteceu. Você tinha razão. Sobre tudo. Eu preciso muito falar com você, ok? Me liga assim que ouvir isso, qualquer horário. Maryn pensou em ligar para a mãe, mas rejeitou a ideia imediatamente. Elas não se falavam há meses, por que ligar agora? Ela não achava que Don entraria em contato com sua mãe. Não estava nem aí para sua família e muito provavelmente nem tinha o número de telefone dela. Sem pensar, fuçou no telefone. Uma foto de fundo de tela surgiu, uma que tirara logo depois de voltar de Aruba. Don, sentado na varanda da casa, relaxado, sorrindo, abraçado com seu único verdadeiro amigo: Biggie. Biggie! Por que ela não pensara nisso antes? Maryn pulou para fora do carro e correu, atravessando a chuva, na direção da casa. E na direção do laptop de Don.

180 180 Ellis sentiu-se capturada pela janela do quarto. Disse a si mesma que era por causa da paisagem, as ondas de um verde-azulado escuro quebrando na areia, a chuva e o vento soprando e vergando a vegetação que margeava as dunas. Puxou uma cadeira de madeira para perto da janela e encostou a testa contra o vidro gotejado. Ao se inclinar do jeito certo, podia ver as tábuas da garagem, estragadas pelo tempo, e o apartamento acima com o brilho fraco de uma única lâmpada acesa. Ele estava em casa. Ela conseguia ver a caminhonete estacionada. O que ele fazia em uma tarde chuvosa de domingo? Provavelmente trabalhava, planejando sua próxima negociação. Ela tinha certeza de que ele definitivamente não fazia o mesmo que ela. De jeito nenhum ele estava relembrando o episódio da praia da noite anterior. De jeito nenhum ele analisava aquele beijo, aquele incrível, demorado beijo, ou a sensação de calor inebriante quando se abraçaram. De jeito nenhum Ty Bazemore estava dizendo a si mesmo para se esquecer. Isso era Ellis quem fazia. Ela tentou ler. Trouxera um monte de livros do clube do livro, aqueles que não teve tempo de ler no ano anterior, quando ela ainda tinha uma carreira. Eram livros altamente recomendados, obrasprimas da literatura, alimento para a mente. Empilhados sobre o criado-mudo, eles gentilmente a reprovavam. Mas naquele momento o que ela queria era uma boba e deliciosa história de amor, nada

181 181 original, cuja heroína seria alguém como ela, com um herói de cabelos desbotados, que só poderia ser Ty Bazemore. Às cinco, ela observou Ty enfrentar a chuva ao descer as escadas de madeira do seu apartamento. Ele vestia shorts cargo cáqui, mocassins e uma camiseta preta estampada nas costas com letras rosa choque que diziam CADILLAC JACK S. Ele pulou na caminhonete e seguiu pela rua. Ellis ficou olhando-o ir, e um plano começava a nascer. Às sete, Ellis foi até a cozinha, onde achou Julia, vestida em shorts jeans rasgados e uma blusinha preta desbotada, e Dorie, ainda de calça de pijama e camiseta larga do Braves. Estudavam um punhado de cardápios de delivery. Pizza ou chinês? perguntou Julia, tirando os olhos de um cardápio. Nenhum dos dois respondeu Ellis. A gente tá presa aqui dentro o dia todo e eu estou começando a pirar. Vamos nos vestir, sair e tomar essa cidade. Vamos fazer a noite das garotas, como nos velhos tempos. Que cidade? indagou Julia. Você tá querendo dizer que tem lugar pra sair em Nags Head? Não muitos respondeu Ellis, hesitante. Mas eu ouvi falar de um lugar, o Cadillac Jack s. Parece que eles têm um menu decente e, um bar e música. As noites de domingo são para ver e ser visto. Julia levantou uma sobrancelha. Por quem? Vão sem mim disse Dorie, bocejando. Já que eu não posso beber, vou ficar em casa e comer os restos. De qualquer modo, vou dormir cedo hoje. Então é só a gente Ellis disse a Julia. A não ser que você queira chamar a Madison.

182 182 Dorie virou-se da geladeira com uma vasilha de sobras de salpicão de frango na mão. Ela não tá. Saiu com o carro faz uns trinta minutos. Sério? Julia apertou os olhos. Pra onde será que ela foi? Quem se importa? exclamou Ellis impacientemente. E aí, você topa? Por que não? Julia seguiu para o corredor. Só me dá quinze minutos pra se trocar. Pra eu me trocar corrigiu Dorie, bocejando novamente. Vinte minutos depois, Julia já estava na sala, folheando uma revista. Vestia capri de jeans lavado e uma camiseta preta justa, que mal cobria sua barriga bronzeada. Calçava sandálias gladiadoras de couro e tinha feito uma trança soltinha, que caía sobre um dos ombros. Argolas grandes douradas brilhavam em suas orelhas. Ellis! ela gritou, olhando para o teto. Se apressa e vem logo antes que eu mude de ideia e decida ficar em casa com a Dorie. Não se afobe apaziguou Ellis, cuidadosamente descendo um degrau de cada vez. Julia virou-se para ver a amiga. Ei! disse, suspeitando de algo. Você não avisou que o lugar era chique. Não tô chique retrucou Ellis ao entrar na sala. Você tá de vestido apontou Julia, declarando o óbvio. Era, de fato, um vestido novo em folha um vestido de marca, curto, de algodão, estampado com margaridas estilizadas em rosa e amarelo. As tiras no ombro eram de um verde-limão contrastante, e o corpete ajustado deixava entrever um bom pedaço do decote sardento de Ellis. Calçava sapatilhas verde-limão, e um par de brincos compridos de pérola rosa quase roçava seus ombros. Ellis tinha arrumado o cabelo em um coque banana com franjas esvoaçantes.

183 183 Não é justo reclamou Julia, examinando a amiga de perto. Você parece a rainha do festival de verão da escola! E você parece uma top-model que por acaso está passando uma temporada em Nags Head retrucou Ellis. Eu tenho que me armar pra sair com você. Julia estudou a amiga com cuidado. Você até passou maquiagem. A primeira vez desde que chegamos concordou Ellis. Você vai ficar aí me examinando ou podemos ir? Tô só te esperando disse Julia. O Cadillac Jack s ficava, na verdade, em Kitty Hawk, doze quilômetros pela estrada, num prédio onde havia funcionado um supermercado. A velha placa de néon da rede continuava na frente, mas a construção de estuque dos anos quarenta tinha sido pintada de cinza-escuro e as grandes janelas de vidro, cobertas por toldos de lona listrados de preto e rosa. Ellis juntou-se à fila de carros para estacionar, onde um guarda fortinho de jeans e camiseta escrito SEGURANÇA nas costas a chamou para estacionar numa das últimas vagas, no fundo. Essa lugar tá lotado disse Julia enquanto andavam na direção da entrada. Quem te falou daqui? Acho que li numa revista respondeu Ellis vagamente. É bacaninha disse Julia quando seus olhos se ajustaram à semiescuridão. As paredes ainda eram decoradas com pôsteres antigos de anúncios de mingau, couve e presunto, e preços dos tempos do Eisenhower. Cadeiras de couro preto amontoavam-se em uma parede da sala cavernosa e havia mesas redondas ao redor. Havia uma minipista de dança, levemente elevada, de madeira. A pancada da música saía dos alto-falantes montados em volta do teto. Ellis reconheceu o último sucesso da Lady Gaga, mas ninguém dançava. O público era composto por um mix eclético, com grupos de casais e de solteiros da idade da Ellis, mas também muitos garotos da faculdade

184 184 as meninas vestidas com tops colantes e minissaias, e os caras de camiseta polo. Um bar tomava conta da parede dos fundos, ainda com a placa retro de néon do antigo açougue piscando. A luz refletia sobre as fileiras de garrafas e copos atrás do balcão. Somos as mais velhas aqui? perguntou Ellis, ansiosa, olhando para as meninas balançando a cabeça, que pareciam uma geração mais novas do que ela. De repente, sentiu-se terrivelmente, horrivelmente desajustada em sua roupa rosa e verde infantilizada. Foda-se replicou Julia, batendo na mão de Ellis. Vem, vamos pegar um drinque e uma mesa. Espera disse Ellis autoritária. Tá tão cheio. Não achei que estaria assim. Talvez a gente devesse ir para uma restaurante tranquilo... Tarde demais declarou Julia, se jogando na multidão e puxando Ellis pela mão até chegar ao fundo da casa, no bar. As pessoas lotavam o balcão, mas Julia conseguiu habilmente se enfiar num cantinho, entre dois homens de meia-idade com cerveja na mão, analisando a galera. O que deseja, querida? O mais alto dos dois usava óculos de chifre e um boné azul-claro com a sigla da Universidade do Colorado bordada na viseira. Ele sorriu para Julia, e até incluiu Ellis sob seu olhar admirador. Nada, obrigada disse Julia, sorrindo-lhe de uma forma que recusou, mas não o afastou. Era uma habilidade única de Julia, a qual Ellis sempre cobiçara. Julia inclinou-se sobre o balcão, seu braço longo e bronzeado abanava no ar. Licença gritou. O bartender, que estivera de costas para ela, virou-se e, ao ver quem chamava, colocou de lado o copo que limpava.

185 185 E aí? cumprimentou Ty Bazemore andando na direção delas. Ellis. Julia. Que bela surpresa seu sorriso simpático atingiu as duas mulheres, mas, pensou Ellis, talvez o carinho fosse direcionado para ela. Uau, é disse Julia, meio que se virando e empurrando Ellis para frente. É uma surpresa mesmo. Não sabia que você trabalhava aqui. Você sabia, Ellis? Ellis sentiu sua face ficar rosa como o vestido. Ah, bom, sim, acho que sabia sim. Hum disse Julia, divertindo-se com o desconforto da amiga. Vocês desejam alguma coisa? perguntou Ty. O que você tem? perguntou Julia. Bom, nos próximos dez minutos você toma um drinque e ganha outro explicou Ty. Mas vocês não vão querer tomar essas porcarias. Tenho um pinot e um cabernet decentes, ou posso preparar outra coisa... Gim com tônica para mim pediu Julia, decidida. É, bom... Ellis atrapalhou-se. Faz um cosmo pra ela atalhou Julia. Você tem comida aí? A gente não jantou. Ele fez uma careta. A cozinha fecha cedo de domingo, mas vou ver o que posso fazer ele virou-se, preparou os drinques e voltou um minuto depois. Espero que gostem de quesadillas. Vão lá pegar uma mesa que arranjo alguém para levar a comida. Brigada agradeceu Julia, empurrando uma nota de vinte sobre o balcão. Você salvou nossas vidas. Bom começou Julia, quando elas já estavam instaladas na mesa do outro lado do bar com um par de drinques para cada uma,

186 186 avançando sobre uma bandeja de quesadillas de frango. Que coincidência, hein? Encontrar o menino da garagem bem no Cadillac Jack s. Um-hum disse Ellis, bebericando seu drinque. Ele é um gato comentou Julia, olhando sobre Ellis para Ty andando para lá e para cá no bar, arremessando garrafas e batendo papo com desembaraço. Você não acha? Ellis deu de ombros, indiferente. Depois que se acostuma. Foi legal da parte dele nos arranjar uma comida depois que a cozinha já tinha fechado. Acho que ele gosta de você mencionou Julia, em um tom levemente provocativo. Eu olhei no relógio. A happy hour acabou faz uma hora, e mesmo assim ele nos ofereceu a promoção. Ah, não disse Ellis, ocupada em encher a quesadilla de sour cream. Ele só estava sendo educado. Mas por que você acha isso? Sou uma bruxa, lembra? perguntou Julia, resistindo ao impulso de admitir que tinha visto Ellis e Ty se pegando sob o luar. Posso ver o futuro. E eu com certeza vejo um homem em seu futuro, Srta. Ellis Sullivan. Espero que sim disse Ellis animada. Desde quando você tá procurando um homem? desafiou Julia. Você acha que eu não gosto de homem? Julia deu de ombros. Gosta? Bom... por que não? Olha, eu sei que prometemos que essa viagem seria só de meninas. Mas, pra falar a verdade, faz um tempo que eu não namoro. Quanto tempo?

187 187 Ellis sabia exatamente quanto tempo. Cinco anos e um ou dois meses. Ela tentara a chance, por pouco tempo e desastrosamente, na internet. Nove encontros com quatro caras diferentes. Ela se sentia mal só de pensar. Ela brincou com uma folha de alface no prato. Por favor, não me obrigue a falar disso respondeu baixinho. É tão ruim assim? continuou Julia. Terrível respondeu Ellis, dando um grande gole de seu cosmo. Devastador. É exatamente por isso que você deveria falar a respeito persuadiu Julia. Dorie e eu somos suas melhores e mais antigas amigas. Nada que você disser vai me chocar. Ainda mais eu, pelo amor de Deus. Era verdade. Se fosse o jogo da verdade, a confissão de Julia teria aumentado o nível da jogada. Se eu te contar, jura que não conta pra ninguém? Julia esticou-se até que sua testa quase tocava até Ellis. Claro. Mas nem pra Dorie? Não. A Dorie não vai entender. Ela é tão maravilhosa, nunca teve problema em conhecer homens. Não que você já tenha tido esse problema também. Julia virou a cabeça. Ei, você não se lembra de como eu era no ginásio? O permanente que minha mãe fez em mim, o aparelho, o peito reto? E, Jesus, as espinhas! Eu era a verdadeira cara de pizza. Sem contar que eu pesava, tipo, quarenta quilos e parecia uma droga de cegonha. Ellis suspirou.

188 188 Sim, mas quando a gente tinha dezessete você tirou o aparelho, as espinhas sumiram e os peitos cresceram. Foi tipo a vingança do patinho feio. No fim, minha mãe tinha razão concordou Julia. Eu era realmente atrasada. Não tanto quanto eu continuou Ellis baixo. Eu tenho trinta e quatro, Julia. E não fico com um cara desde... ela pausou, e depois se obrigou a dizer: Desde Ben. Os olhos de Julia arregalaram-se. Sério? Ellis tomou outro gole e forçou um sorriso. É. Bizarro, né? Onze anos sem sexo. Quase a virgem de quarenta anos. Não é bizarro, Ellis Sullivan! disse Julia, feroz. Ela apontou para os casais na pista de dança, em particular para uma mulher da idade delas que se esfregava no parceiro, braços em volta do seu pescoço, olhos fechados, boca aberta. Bizarras são essas minas que rebolam em cima dos caras ou chupam um idiota que acabaram de conhecer num bar nas férias. Você tá falando da boca pra fora disse Ellis. Mas valeu pela intenção. Ok, beleza disse Julia. Não vou te forçar a me contar. Ela levantou uma sobrancelha, como se desafiasse Ellis. Ellis virou o último gole do cosmo e mordeu a isca. Ah, bom. Acho que não é tão ruim assim. Digo, um monte de gente faz... Eu sabia disse Julia, triunfante. Você procurou namorado na internet, né? Vai. Desembucha. eharmony ou Par Perfeito? Ellis enterrou o rosto nas mãos.

189 189 Par Perfeito. Foi quando fiz trinta. Fiz uma resolução idiota de fim de ano de que iria, sabe, pro mercado. Nunca mais. Prefiro morrer sozinha, a velha doida vivendo num trailer na margem do rio, com quarenta e sete gatos e uma casa estufada de latinhas e papel higiênico, do que fazer aquilo de novo. Julia esfregou as mãos em deleite. Conta tudo. Não deixa nenhum detalhe grotesco de lado. Só foi por três meses disse Ellis. Duas mulheres do trabalho tinham conhecido o marido desse jeito, e eles eram totalmente normais, legais, comuns. Mas acho que aquelas mulheres conseguiram os dois últimos caras normais do planeta. Ou isso, ou eu só atraio traste. Detalhes interrompeu Julia. Fala. Jesuuuuuus gemeu Ellis. Passei anos tentando esquecer tudo isso. E agora você quer que desenterre a sujeira de novo. Não é suficiente eu admitir que cometi um erro fatal? Não disse Julia. Para de me enrolar. Ok concordou Ellis, arrepiando-se com a memória. O primeiro cara, chamado Guy, parecia legal, à primeira vista. Trocamos s por algumas semanas, e eu tinha certeza de que ele não era o maníaco do parque. Nos encontramos num café, sábado de manhã. Usava jeans, camisa polo, barbeado, nada de assustador nele. Até ele pedir. O quê? O que ele pediu? Não foi o que ele pediu, foi como. Tipo, ele fez a garçonete repetir duas vezes o pedido, e depois quando ela trouxe o café e o pão doce dele, ele fez a maior cena sobre como ela tinha errado, e insistiu que tinha pedido descafeinado. Eu tinha ouvido. Ele não tinha pedido descafeinado! E disse que o pão estava passado, mas estava bom. Ele perturbou a coitada da menina por cinco minutos, até ela começar a chorar, e quando a gente acabou, deixou uma moeda de gorjeta.

190 190 Julia virou os olhos. Não suporto quem maltrata garçonete. Ou quem é muquirana. Suponho que nunca mais viu o Guy. Nunca concordou Ellis. Mas o próximo cara foi pior. Ela tremeu. Até apaguei o nome dele da mente. Mentira. Ok. Era Bento. Ou Bento Nojento, como eu guardei. Qual era o problema do Bento? Acho que ele foi o cara mais bonito com quem eu já saí. Nossa, maravilhoso. Bronzeado, musculoso, elegante. Me levou para jantar num restaurante italiano bem bacana. E, claro, ele fez o pedido em italiano, o que foi meio chato. Tipo, quem faz o pedido todo em italiano? Você não pode odiar o cara só porque ele fala italiano. Ele meio que me lembrava o Kevin Kline no Um peixe chamado Wanda, mas o problema não foi o italiano. Foi o fato de ele ter me levado pra sair... sem cueca! Julia gargalhou. Sério? Como você sabe? Talvez ele estivesse com, tipo, aquelas de cintura baixa. Ellis ficou extremamente vermelha e riu. Eu sei, tá? Ele foi sem cueca. Não acredito disse Julia, dando um longo gole. Não, Julia insistiu Ellis, indo para frente. O corte das calças, meio largo, sabe, dava pra ver, você sabe... ela cochichou as coisas balançando. Era assim que o Baylor falava. Mas o Baylor só ia desse jeito na praia, quando era adolescente. Não num primeiro encontro num restaurante italiano bacana.

191 191 O rosto de Julia se contorceu, e ela colocou um guardanapo na frente. Sacanagem! Você fez sair gim do meu nariz. E o que você fez quando percebeu que ele estava sem cueca? O que eu podia fazer? questionou Ellis. Só percebi quando ele levantou para ir ao banheiro. Quando ele voltou de frente, deu pra ver, você sabe, as coisas balançando. Ai, não! Julia riu. Credo. Coitada da Ellis. Não foi tão engraçado na hora disse Ellis rindo. Eu precisava ir embora, mas já tinha feito o pedido. Então, eu engoli a entrada, depois fingi dor de cabeça. Disse que estava tão enjoada que precisava ir embora imediatamente. Saí correndo do restaurante, literalmente, chamei um táxi e vazei pra casa. E assim eu encerrei o namoro on-line. Ai, meu Deus. Julia riu. Estou com o Booker faz tanto tempo que nem tenho ideia de como as coisas estão ruins no mundo do namoro. Você não sabe nem da metade acrescentou Ellis. Então o que te fez mudar de ideia agora? perguntou Julia. Nada respondeu Ellis. E tudo. Perder o emprego. Sei que é brega, mas acho que é hora de fazer um balanço. E decidi que é agora ou nunca. Se eu conhecer um cara legal, quem sabe? Enfim, o Ty não é bartender, ele é investidor. Ele pegou esse bico porque o mercado tá uma merda agora. Eu não sou esnobe disse Julia. Eu não ligaria se ele fosse só bartender. Ele parece um cara legal. Acho que você devia investir, Ellis. Qual é, um casinho de verão faria um bem danado pra você. Ellis brincou com o drinque por um segundo. Você acha? A garçonete voltou com outra rodada, e dessa vez, não estava muito contente.

192 192 O Ty me pediu pra avisar vocês que ele sai daqui trinta minutos disse. Ele quer saber se vão ficar por aqui. Ah disse Ellis. Bom, claro. Bom, tudo bem pra você, Julia? Julia terminou a bebida. Você fica, Ellis disse casualmente. Se não se importa, vou pegar o carro e ir pra casa. Tô com dor de cabeça. Talvez o Ty possa te dar uma carona. Não! exclamou Ellis, levemente em pânico. Você não pode ir agora, Julia. Você pode ficar disse Julia, dando um tapinha na mão da amiga. Você já é grandinha. Dá conta de fazer isso. A garçonete pigarreou para mostrar que estava esperando. Ellis engoliu em seco. Seu coração estava acelerado. Olhou para a garçonete. Avisa que eu vou ficar. Julia levantou-se e deixou uma nota de vinte na mesa. A gorjeta disse, apontando para o dinheiro. Beijou a cabeça de Ellis. Divirta-se cochichou. E não se preocupe. Eu fiquei observando a noite toda. Ele agacha e se estica bastante pra pegar cerveja na geladeira dos fundos. Tenho cem por cento de certeza de que tá usando cueca.

193 193 A Moranguinho vai ficar, mas a amiga vazou a garçonete avisou Ty. Nella! reprovou Ty. Não seja malvada. Não faz seu estilo. Não dá pra evitar disse Nella Maxwell, jogando sua bandeja cheia de copos sujos na pia do bar. É o meu jeitinho. Quem é ela, hein? Ela se chama Ellis disse Ty, enchendo uma coqueteleira com gelo e vodca. Uma amiga. Não parece uma de suas amigas observou Nella. A gostosa que foi embora é mais seu tipo. A Julia? Ty fez uma careta. Nem. Enfim, eu gosto da Ellis. Ela é... diferente ele olhou para Ellis, sentada sozinha mesa, segurando o queixo com os punhos, observando o redemoinho de pessoas a sua volta. Usava um vestido de menininha rosa e verde e, sem os cabelos no pescoço, dava para ver um salpicado de sardas nos seus ombros e seios queimados, e um decote surpreendente, especialmente para uma mulher cujo maiô parecia algo que se usaria para uma competição de natação. Nella está certa em um ponto, pensou Ty. Ellis parece mesmo a Moranguinho. Totalmente deslocada num lugar como Cadillac Jack s, com sua massa fervente de universitários e hipsters de preto. Queria carregá-la para fora de lá,

194 194 talvez para a praia, algum lugar calmo, algum lugar sem a música alta e a estridência das vozes. Ele tinha ficado imensamente feliz por olhar e ver, uma hora atrás, Julia rebocando Ellis em direção ao bar. Ele não esperava que Ellis aceitasse o convite para aparecer lá. Não parecia baladeira, mas talvez tivesse sido ideia da Julia. Não importava. Ele ficara feliz por Ellis ter vindo e ainda mais feliz por Julia ter vazado. Ty olhou para o relógio e fez uma careta. Já passou das nove, deu minha hora. A Angie me falou que a Patrícia viria pegar o resto do turno. Você a viu? Não respondeu Nella. Mas preciso já de duas frozen margaritas e uma cerveja pra uma das minhas mesas. E eu preciso que a Patrícia apareça já reclamou Ty, bravo, jogando gelo e mix de margarita no liquidificador. Tô cansado de cobrir as faltas dela. Você tem o celular dela? Da Patrícia? zoou Nella. Fala sério. Mesmo se eu tivesse, ela não atenderia. Ela e o Jason brigaram ontem à noite, e ele expulsou ela do apê. E você sabe que aquela porcaria do carro dela quebrou semana passada, então, sem o Jason, ela tem que vir de bicicleta ou de carona pra cá. Maravilha murmurou Ty, observando o entorno. Era um típico domingo de verão no Cadillac Jack s. O lugar já estava lotado e ainda tinha gente chegando. Patrícia Altizer: uma menina boazinha, com vinte e poucos anos, mas com gosto terrível para homens, e mais azar ainda com a própria vida. Quando ela chegava a tempo no seu turno, trabalhava duro, mas Ty já tinha coberto seus dois últimos turnos, e ele tinha a triste sensação de que naquela noite faria a mesma coisa. Certeiramente, às nove e meia, Angie, a dona do bar, chegou pelos fundos, com a expressão desapontada. A Patrícia não vem, como você deve ter percebido começou. Ty, querido, odeio ter que pedir, mas você pode ficar até fechar?

195 195 Não tem outra pessoa? ele perguntou. Eu tenho compromisso. E você prometeu que não me pediria mais pra fechar. Angie virou e olhou na direção da mesa que vira Ty observar quando se aproximava. Ellis tinha terminado a bebida e estava fuçando no celular. Ty estivera tão ocupado que nem tivera tempo de mandar outro drinque ou desculpas pelo atraso. É, a Nella me contou que você tem uma nova amiga disse Angie em tom de sarcasmo. A Nella precisa cuidar da vida dela reclamou Ty. Olha, Ty continuou Angie. Eu tô desesperada, beleza? A Patrícia não vem mesmo, e eu liguei pra todo mundo, tentando arranjar alguém, mas a bola tá com você. Se você ficar, vou ficar te devendo. É só falar. Só não sai daqui e me deixa sem bartender. Ty pensou sobre o assunto. A Angie estava mesmo numa enrascada. Se fosse embora, deixando só a Nella e a outra menina cuidando das mesas, ia ter um tumulto. De qualquer modo, ele estava na sua própria enrascada, não? Agosto já na metade, e setembro chegando. Ele precisava de dinheiro, e rápido. Olhou para Ellis, que devolveu o olhar. Ela sorriu, levantou as sobrancelhas e abanou a mão suavemente. Ele suspirou. Você vai ter que me cobrir por meia hora. Depois eu volto e fico até o fechamento. Mas é a última vez. E não vai sair barato. Qualquer coisa disse, veementemente. O que você quiser. Vai me pagar vinte pilas por hora hoje começou Ty. Mais a gorjeta. Sem mixaria. Nella e eu vamos falar quanto foi de gorjeta hoje, e se você tentar diminuir, vai ser a última vez que piso aqui. Entendeu? Isso é extorsão. É concordou Ty. Você pode recusar, e eu vazo. Ei disse Ty, sentando em frente à Ellis.

196 196 Ei, você cumprimentou Ellis. Noite cheia, hein? É, e tenho más notícias continuou Ty. A mina que deveria chegar às nove não vem mais. Então eu preciso ficar e fechar. Vou sair daqui no mínimo a uma. Ah disse Ellis, tentando esconder sua decepção, que chato. É, um saco disse Ty. Mas não conseguiram arranjar ninguém, então ficou tudo por minha conta. Olha, eu tenho, tipo, uns quinze minutos de folga. Te levo pra casa, e, se você topar, a gente pode sair outro dia. Claro disse Ellis, tentando soar casual. Mas não se preocupe comigo. Eu pego um táxi ou algo do tipo... De jeito nenhum ele estendeu a mão. Vem. Quanto mais rápido a gente sair, mais tempo ficamos juntos. Quinze minutos completos brincou Ellis. Dez minutos mais tarde, eles entravam na Ebbtide. A luz da varanda estava acesa, e o quarto de Madison no último andar, iluminado, mas o resto da casa estava escuro. Ty deixou o motor do carro ligado. Que saco reclamou furioso. Tudo bem apaziguou Ellis. A gente não tinha encontro marcado nem nada. A gente não tinha nada marcado, mas é um saco mesmo assim comentou Ty. Que tal outra noite essa semana? A maioria dos bons restaurantes fecha de segunda. Talvez terça à noite? Ãhn respondeu Ellis. Seu cérebro congelara. Ele a convidava para sair. Um encontro de verdade. De repente, tinha quinze anos novamente, o gato tinha comido sua língua, paralisada pela timidez. Quarta à noite então? insistiu Ty.

197 197 Não, digo, sim, terça à noite tá bom conseguiu responder. Maravilha disse Ty, aliviado. Feliz pelo fim do momento constrangedor, Ellis apalpou em sua volta, procurando a maçaneta. Antes que a achasse, Ty pulou para fora do carro, deu a volta e abriu para ela. Pegou sua mão e ajudou-a a sair, puxando-a contra ele em um movimento fluido, tão naturalmente como se tivesse feito o mesmo em outras milhares de noites de verão estrelada. E para o assombro de Ellis, os braços dela enroscaram em seu pescoço, como se estivesse acostumada a fazer isso também. Ele pegou uma mecha de cabelo castanho que roçava em seu ombro e escondeu atrás de sua orelha. Por fim, a boca dele encontrou a dela. Abriu os lábios de Ellis com a língua. Depois, o bolso frontal do seu jeans começou a vibrar e tocar. Droga disse, relutantemente soltando-a. É a Angie gritando que preciso voltar. E preciso mesmo. Certo concordou Ellis. Com certeza. Ela fez um esforço ensaiado para marchar rapidamente sobre as escadas da Ebbtide, virando-se na porta para olhar o carro de Ty dar marcha a ré. Ela cantarolou suavemente enquanto passeava pelo térreo da casa, checando a fechadura, fechando uma garrafa de vinho que alguém deixara no balcão, apagando as luzes. Ellis estava na metade das escadas quando reconheceu a música que cantarolava. Dancing in the Dark. No quarto, pendurou o vestido rosa, vestiu o pijama de cupcakes e entrou debaixo do cobertor. Espreguiçou-se e bocejou satisfeita, e apagou a luz do abajur ao lado da cama. Um casinho de verão! Ellis Sullivan estava tendo um caso de verão. Como Julia dissera: Já passou da hora.

198 198 Terça de manhã, Dorie abaixou o elástico da cintura do pijama quase deixando os pelos pubianos à mostra. Deitada de costas sobre a colcha velha de chenile, levantou o queixo e olhou para a sua barriga macia, branca e redonda. Em algum momento dos últimos dez dias, quando esteve tão preocupada com o futuro, o presente a alcançou. Ela fechou os olhos e pousou suavemente as mãos sobre a barriga. Sua barriga. Seu bebê. Era de verdade. Ela tinha lido e relido o exemplar de segunda mão do O que esperar quando se está esperando. E na décima quarta semana ela e o bebê estavam nos trilhos. Seus seios tinham crescido no mínimo um número, saindo para fora de todos seus sutiãs e do último biquíni que ainda servia. A náusea passara, ela começava a recuperar energia, e, na última noite, teve certeza absoluta, na verdade de que a palpitação que sentira era o bebê se mexendo. Agora, se apenas o resto da sua vida também entrasse nos eixos. Eram dez da manhã. Ela estava observando o relógio desde que acordara logo depois das sete. A cada hora, pensava no Stephen. Ele sempre acordava cedo. Deveria ligar para ele ao nascer do dia? Dorie não era capaz de imaginar seu marido acordando na cama do Matt. Ou ele estaria sozinho? Às oito, obrigou-se a ensaiar o que diria quando, de fato, telefonasse. Stephen? Preciso te contar uma coisa. Desculpa ser pelo telefone, mas eu não conseguia te ver antes. E eu não sabia como falar. Mas agora eu sei. O negócio é que... estou grávida.

199 199 Imaginara dúzias de reações diferentes. Choque. Incredulidade. Raiva. Confusão. Alegria? Seria possível que ele recebesse bem essa notícia? Seria possível que ele sentisse o que ela sentia: alegria profunda e pura? A alegria foi outra coisa que a pegara de surpresa. Não que ela ainda não se preocupasse com o futuro se preocupava! Mas pensar sobre o bebê lhe dava uma sensação de paz, de tamanha completude, tamanha certeza... Ela quase tinha medo de se permitir colocar só a pontinha do pé nessa fonte da felicidade. Os livros sobre bebês diziam que era hormonal, mas ela nem ligava. Não importava o que acontecesse, nada podia alterar a existência do bebê. Às nove, Dorie disse a si mesma que deveria esperar. Só mais um pouquinho. Deixar Stephen começar o dia. Ele estaria na escola agora, fazendo planos para o ano vindouro. Ou talvez ele estivesse em reunião com os outros treinadores, planejando o próximo campeonato do time de futebol. Pensar na escola, nos colegas de trabalho, deixou Dorie inquieta, e não pela primeira vez. O Colégio da Nossa Senhora dos Anjos era uma pequena comunidade. Seiscentas meninas, trinta professores. Era uma escola católica com valores conservadores, chefiada pela Irmã Mary Thomasine, de sessenta e seis anos, que cuidava do colégio com determinação de ferro e voz de veludo desde antes de Dorie estudar lá. O que a Irmã Thomasine diria da situação de Dorie e Stephen Stephen trocando a esposa por um homem? E o que ela teria a dizer de Dorie e sua gravidez? Stephen era tão introvertido; ele tinha amigos no colégio, mas Dorie não conseguia pensar em ninguém a quem ele pudesse ter confessado o fracasso do casamento. Às dez, não aguentou mais. Clicou no número de Stephen, segurando o fôlego, com medo de que ele atendesse, com medo de que ele não atendesse. No terceiro toque, ele atendeu. Dorie? ele estava sem fôlego. Oi, Stephen ela disse, suave.

200 200 Oi ele respondeu. Respirou fundo. Ela fez o mesmo. Que bom ouvir sua voz. A sua também ela disse, franzindo a testa. Ele podia ter ligado. Ele nem tentara. Então ele disse, enfim. Você tá em Nags Head? Com as meninas? Sim respondeu. Pergunta idiota. Ele sabia perfeitamente onde ela estava. Como é que tá aí? ele perguntou. Tá tão quente quanto aqui? Talvez um pouco mais fresco ela respondeu. Teve uma chuvona no domingo, e deu uma refrescada. E como estão as coisas aí? Que ridículo, pensou Dorie. Se ela quisesse a previsão do tempo, era só olhar na internet. Tinha que parar de enrolar. Você sabe respondeu Stephen, cansado. Savannah em agosto. Quente. Úmido. Cheio de insetos. Praticamente insuportável. E o seu pai? perguntou Dorie. Melhorou? Ah ele perdeu a voz. Ai, meu Deus, Dorie. Eu... você não sabe? Sabe o quê? Dorie, eu te deixei uma mensagem. No telefone de casa. Eu achei que soubesse. O papai Ah, Jesus. Dorie, ele se foi. Faz uma semana? Pensei que soubesse. Quê? ela gritou. Como eu ia saber? Eu nunca checo as mensagens de casa, Stephen, você sabe disso. Por que não me ligou no celular? Foi tudo tão rápido explicou-se Stephen, na defensiva. Colocaram ele em cuidados domiciliares na quinta, e a mãe pensou, bem, que a gente o teria por mais tempo. E, na manhã seguinte, assim

201 201 que ela entrou no quarto, ele simplesmente... Seu coração simplesmente parou. Stephen! ela chorava. Sinto tanto, tanto. Sentia pelo doce homem que Harry fora. Pela mãe de Stephen, uma mulher quieta e reservada, com quem Dorie nunca ficou confortável o suficiente para chamar de mãe. E, sim, chorava pelo Stephen, e por ela, e pelo bebê que carregava, que nunca conheceria o avô Henry. Sua mãe está bem? Você sabe ele respondeu. Ela tá triste, sente falta dele, mas minha mãe não é do tipo que fala muito sobre isso. Estoica: acho que essa é a palavra pra ela. O funeral já foi? perguntou, sentando-se, secando o cantos dos olhos com a ponta do lençol. Bom, já respondeu Stephen. Foi semana passada. E você nem tentou me ligar? Para ter certeza de que soubesse a face de Dorie esquentava conforme ela aumentava a voz. Como pode? Eu só... não sei ele disse, com a voz falhando. Desculpa, Dorie. Depois do que aconteceu com a gente, não achei que você fosse, sabe, se importar. Então é isso? ela gritou. Você dorme com outra pessoa, sai de casa, e acha que é só isso, se manda e pronto? Toda a nossa história, o que nos tínhamos juntos, tudo acabado, pois decidiu que não me ama mais? Dorie! a voz de Stephen trincou. Para. Você sabe que não é assim. Não, Stephen ela disse. Eu não sei que não é assim. Como eu posso saber? A gente não conversou o verão todo. Tentei te ligar. Passei em casa. Você me viu. Sei que me viu. Desculpa não ter te falado do pai. De verdade. Ele te amava, Dorie.

202 202 E eu amava ele falou Dorie. Por isso que dói você não ter me contado. Ela estava sendo inacreditavelmente má, sem sentimentos, cruel até. Ela soava exatamente como a mãe, gritando com o pai, nos velhos tempos. E não conseguia parar. Deixa eu te perguntar uma coisa, Stephen. O quê? Você contou ao Matt sobre a morte do seu pai? Para com isso, Dorie ele disse. Me fala. Contou? Claro. Ele estava ao me lado quando me ligaram. E o Matt foi ao funeral do seu pai? Deus. Não. Para com isso, Dorie. Quero dizer: qual o objetivo de tudo isso? Ele foi com você pra Omaha? Foi? Não vou discutir isso com você. Ele foi, não foi? Corta essa. Não. Não vou cortar essa. Eu acho que tenho o direito de conhecer quem está tomando meu lugar. Então, já sabemos que Matt foi para Omaha. Como você o apresentou a sua mãe? Ei, mãe, a Dorie caiu fora, conheça o novo cônjuge. Então, a nova pergunta é: vocês dois dormiram no seu antigo quarto? Aquele com a colcha do Star Wars e todos os seus troféus de futebol? Na mesma cama que a gente dormia? Vai se foder, Dorie ele disse. Vou desligar. Ela nunca tinha o ouvido usar aquele linguajar antes. Mas, por outro lado, ela nunca tinha falado com ele daquele jeito também.

203 203 Não se atreva desligar ela avisou, trêmula. Espera só um minuto. Tenho um motivo pra ter te ligado. E fiquei feliz por ter ligado, já que a gente tá trocando confidências. O quê? Preciso desligar, Dorie. Não tenho tempo para as suas baboseiras. Ela hesitou, sentindo a bile subir por sua garganta. Não era assim que ela queria contar as novidades. Não daquele jeito. Não queria contar a notícia do bebê no meio dessa lamentável torrente de raiva. Mas a pasta de dente tinha saído do tubo, como diria sua avó. Não havia volta. Parabéns, Stephen disse, enfim. Você vai ser pai. Estou grávida. O quê? O que você falou? A súbita surdez não era a reação que esperava. Dorie respirou fundo, pronunciando cada sílaba com cuidado. Não queria repetir. Eu disse que... estou grávida. Houve um longo silêncio. Ela podia ouvir sua respiração, rápida e cansada. Talvez ele tivesse acabado de correr. Ou talvez a notícia tinha lhe provocado um ataque cardíaco. Stephen? Estou aqui respondeu. Ah, Jesus, Dorie. Um bebê? Pra quando? Fevereiro. Estou com quase quatro meses. Uau. Só... não sei o que falar, Dorie. Poxa, você me liga e grita comigo porque eu não te contei do meu pai e agora, casualmente, solta essa notícia sobre esse bebê? Dorie tentou rir, mas não era engraçado.

204 204 Não tão casual assim. Faz semanas que tento decidir como te contar. Até ensaiei o que diria. Mas não saiu como planejado. Desculpe ter gritado. E realmente sinto muito sobre o Henry. O mais doce, querido homem Queria que ele soubesse do bebê. Um bebê repetiu Stephen. E você já tá de quatro meses? Não podia ter me contado antes? Não respondeu simplesmente. Descobri na mesma época que soubemos do câncer do seu pai. Me senti culpada por te dar outra coisa com que se preocupar. Então fiquei esperando pelo momento certo, quando não estivesse tão chateado por causa do seu pai. Então você começou a ficar tão estranho e retraído, e então, bom, veio o feriado da Independência. Entendo. As palmas dela suavam. Pegou o telefone com a mão direita, que tremia. Então, o que acha? Sobre o bebê? Não sei. Ainda não caiu a ficha. O que você acha? Bom, não é algo que a gente já tenha conversado. E agora... Estou feliz disse Dorie, simplesmente. Apesar de tudo que aconteceu, estou muito feliz e ansiosa pelo bebê. Tenho muito no que pensar, mas, por enquanto, vou me concentrar nessa criança que estou carregando. E vou ser uma boa mãe. Eu juro, não serei como a Phyllis. Você não tem nada a ver com a sua mãe. Mas eu vou ter participação nisso? perguntou Stephen. Se você quiser ela respondeu, cautelosa. Mas acho que ambos sabemos que nosso casamento acabou. Acabou? Ela balançou a cabeça. Ele era mesmo tão idiota?

205 205 Sim. Acabou mesmo ela disse. Pode desligar a TV. Nosso programa já acabou. Ele respirou devagar, e agora ela imaginava se ele estava tendo um derrame em vez de um ataque cardíaco. Eu ainda te amo, sabia. Ela pousou a mão direita sobre a barriga e imaginou se o bebê podia ouvir o que ele acabara de dizer. Ama mesmo? Amo ele confirmou, triste. Que droga, hein? E o Matt? Ele suspirou. O que eu posso te falar? Quer que eu minta e diga que não existe nada? Que foi tudo um grande erro? Eu não posso te falar isso, Dorie. Chega de mentir. Quando meu pai ficou doente, eu fui para vêlo uma última vez, eu sabia que não o veria de novo. E percebi que era a hora. A hora de parar de mentir pra mim mesmo sobre quem eu era e o que queria. Teria sido bom se você tivesse me falado quem você era e o que queria ela disse, baixo. Eu não sabia como continuou Stephen. Eu estava assustado. E envergonhado. Só Deus sabe. Ah, Stephen disse Dorie, pegando o lençol para enxugar os olhos novamente. Quando terminassem de conversar, ela teria que trocar a roupa de cama. O que nós vamos fazer agora? A gente tem que começar a pensar a respeito ele respondeu. E a escola? Você contou para a Irmã? Sobre nós? Sobre o bebê? Não ela respondeu. Não contei pra mais ninguém além de você e as meninas. Mas eu tenho um contrato, e pretendo trabalhar lá enquanto puder. E você? Contou pra alguém... que nós terminamos? Não respondeu Stephen. Achei que a gente devia conversar antes. Decidir o próximo passo.

206 206 Ela virou os olhos. Então era assim. Stephen nunca seria a pessoa a dar o primeiro passo. Evitaria a realidade por quanto tempo fosse possível. O Baylor, irmão da Ellis, tem um amigo que é advogado de família mencionou Dorie, bruscamente. Vou conversar com ele, arrumar a papelada o mais rápido possível. Vamos ter que vender a casa, eu acho. Por quê? perguntou Stephen. Você ama aquela casa. Mas eu não dou conta de morar lá só com o meu salário. E nem você ela fez questão de não perguntar onde ele pretendia morar. O pai me deixou um pouco de dinheiro ele começou. O suficiente pra pagar a hipoteca? Não, nada do tipo apressou-se em dizer. Caso encerrado disse Dorie. Olha, vou falar com o amigo do Baylor. Acho que você deveria arranjar um advogado também. E um corretor imobiliário, pra agenciar a casa. Te ligo quando descobrir como a gente faz pra dar entrada nos papéis e tudo o mais. Não quero advogado ele disse sombriamente. Você pode ficar com tudo, Dorie. Quero que nosso bebê tenha uma casa. E isso foi tudo minha culpa. Eu fiz isso com você. Odeio brigar com você. E odeio a ideia de um divórcio. Eu odeio também. Mas você não quer mais ficar casado comigo. Parece que você quer ficar com o Matt ela lembrou-lhe. E você não pode ter as duas coisas, Stephen. Não quero brigar também, e não tenho a intenção de te arrancar as calças. Só quero metade da renda da casa. E precisarei de pensão alimentícia também, claro. Dorie? Stephen soou afobado. Sobre o bebê. Quando acha que aconteceu? Achei que a gente estava tomando cuidado. Maio ela respondeu, tentando bloquear a lembrança daquela noite. A noite antes da formatura. A festa de fim de ano dos

207 207 funcionários na casa da Kristin e do Bruce. A gente bebeu bastante, lembra? Então, em vez de dirigir pra casa, ficamos no quarto de visitas deles. E... você andava tão distante, mas, naquela noite, estava tão fofo e pateta. Parecia no começo. Então acabamos fazendo um bebê. É ele concordou, suave. Acho que sim. E... eu acho que, apesar do momento ruim, fiquei feliz também. Você tá se sentindo bem? Cuidando da sua saúde? Foi meio complicado no começo, mas a náusea deu uma trégua e estou me sentindo fantástica agora disse Dorie, sorrindo pela primeira vez na conversa. E as meninas estão me mimando pra caramba. Que bom disse Stephen. Olha, preciso ir agora. Você me liga assim que voltar. Preciso muito te ver. Ligo prometeu. Mas já vou te avisar, eu vou estar uma bola. Até mais.

208 208 Foi o primeiro dia quente e ensolarado em uma semana. Logo depois do café, Julia montou o acampamento a canga, as cadeiras, o isopor na faixa de areia preferida das meninas. Depois foi correr. Julia odiava correr, mas com toda aquela comilança e bebedeira que tinha se permitido desde que chegara a Nags Head, sua disciplinadora interna finalmente ressurgira. Apesar do que Booker dissera, em breve, quando o mês acabasse, ela teria que arranjar trabalho de novo. E ela nunca seria contratada para trabalhos como modelo se voltasse parecendo o boneco da Michelin. Ela até voltara à antiga dieta: café preto e ovo cozido sem a gema de café da manhã. E agora corria pela rua da praia quando viu uma figura familiar numa bicicleta prateada, pedalando à sua frente. Julia acelerou até chegar ao lado da ciclista. Madison, oi gritou. Madison olhou, assustada. A bicicleta deu uma guinada brusca para fora da calçada e sobre o meio-fio, e a loira caiu de cabeça sobre o guidão. Ai! ela estava esparramada de costas sobre uma fileira de cactos na areia. Ai, meu Deus gritou Julia. Correu e agachou-se ao lado da mulher caída. Você tá bem?

209 209 Areia grudara nos braços e nas pernas de Madison e também do lado direito do seu rosto. Sangue jorrava do seu cotovelo machucado. Tô respondeu, encarando Julia. Você me assustou. Desculpa disse Julia, oferecendo a mão e desviando o olhar do sangue; só a visão dele já estava fazendo com que ficasse zonza. Relutantemente, Madison segurou a mão e se levantou. Olhou para a bicicleta, que tinha caído com força no chão. A roda da frente estava torta. Droga murmurou. Levantou a bicicleta e pegou o aro, fazendo uma careta ao tentar, sem resultado, desentortá-lo. Depois deixou a bicicleta reta e tentou pedalar, mas esta balançou loucamente. Bom, ferrou tudo disse Madison, jogando a bicicleta de volta ao asfalto. Sinto muito mesmo reforçou Julia, surpresa pela explosão de raiva de Madison. Olha, vou pegar a van da Dorie. A gente leva a bicicleta na oficina. Tem uma aqui na rua, reparei durante a corrida. Que seja disse Madison, com expressão de estátua. Julia tocou o cotovelo da mulher delicadamente e desviou o olhar. Você tá sangrando. Vem, estamos a um quarteirão de casa. A Ellis tem um kit de primeiros socorros. Vamos limpar isso e depois buscamos a bicicleta. Ninguém vai roubar desse jeito. Madison olhou de volta para a bicicleta e suspirou. Beleza. Julia estava ensopada de suor, os shorts laranja de náilon e a blusa branca grudaram em seu corpo, e o cabelo estava puxado para trás com uma viseira branca. Olhou para Madison, vestida com uma capri preta barata, camiseta azul-claro e tênis sem marca, mancando ao seu lado.

210 210 Aconteceu alguma coisa com o tornozelo? perguntou, simpática. Acho que torci Madison fez uma careta. Mil desculpas repetia Julia. Vou pagar o conserto da bicicleta. Não se preocupe ladrou Madison. É um lixo. Não tem nada de mais apesar do tornozelo machucado, acelerou o passo. Julia acelerou também, até ficar ao lado da outra mulher novamente. Eu fiz algo que te ofendeu? perguntou. Ou alguma de nós, a Dorie e a Ellis, fez algo que te irritou? Não respondeu Madison. Por que você acha isso? Julia deu de ombros. Toda a vez que te vemos, toda a vez que te chamamos pra descer e comer, ou ir pra praia com a gente, você age como se a gente fosse te envenenar ou algo do tipo. A Dorie diz que você é tímida, mas acho que tem algo mais. Talvez você simplesmente não goste da gente. Madison continuou andando. Não tenho nada contra vocês. Vocês todas parecem legais. É só que... não sou uma de vocês. Ok? E tudo bem. Não quero entrar na irmandade ou ser melhores amigas para sempre. Só quero pagar meu quarto, comer minhas refeições e andar na minha bicicleta em paz. Tá booooom disse Julia, ofendida pela explosão. Justo. Vou contar para as outras. Vamos manter distância, se é o que quer. Andaram em silêncio. Quando chegaram à Ebbtide, Ellis estava na varanda, varrendo o acúmulo de areia da noite. O que aconteceu? perguntou quando viu Madison mancando e sangrando. Caí explicou Madison. Entra, vou pegar o kit de primeiros socorros avisou Ellis.

211 211 Dorie estava sentada na mesa, terminando o café, quando as duas mulheres entraram. Senhor! exclamou. Caí da bicicleta repetiu Madison. Não foi nada. Ellis ajudou Madison a sentar-se na mesa e depois limpou gentilmente o cotovelo, aplicou pomada antisséptica sobre a ferida e colocou um curativo. E o seu tornozelo? perguntou, delicadamente tocando-o, já estava inchado e sem cor. Você acha que luxou? Madison recuou. Só torceu disse, determinada a evitar um prolongamento do assunto. Vou ficar bem. Dorie levantou-se num pulo, foi até o freezer e pegou um punhado de gelo. Vou colocar num saquinho e montar uma compressa gelada para aliviar o inchaço olhou para Ellis. Tem aspirina ou iboprufeno nesse kit? Ellis tirou uns comprimidos de um recipiente e entregou-os a Madison, que virou os olhos, mas engoliu-os sem água. Então, Julia entrou na cozinha. Vou pegar a van, pegar a bicicleta e levar na oficina anunciou, ignorando os protestos de Madison. Você não deve andar com esse tornozelo. Não pode andar concordou Ellis. Eu estou bem repetia Madison. Vou para o meu quarto lavar toda essa areia. Você não devia subir as escadas com esse tornozelo disse Ellis, mas Madison pegou a compressa, fingiu não ouvir e continuou andando para fora do cômodo, na direção das escadas. Caramba disse Ellis, observando. Que raios você fez com ela, Julia?

212 212 Nada! Eu estava correndo de volta pra casa, e ela estava na minha frente, de bicicleta, eu corri para alcançá-la e disse: Oi!. Ela simplesmente alucinou e caiu insistiu Julia. Pedi desculpas, me ofereci pagar pela bicicleta implorei perdão, mas ela age como se eu tivesse feito de propósito. Ela é tão arredia comentou Ellis, balançando a cabeça. Não entendo. Até perguntei se a gente fez algo que a ofendeu. E o que ela disse? perguntou Dorie. Basicamente me falou que não quer brincar no nosso cercadinho disse Julia, rindo desconcertada. Tô falando, Ellis, tem algo de errado com essa mulher. E eu pretendo descobrir o que é. Julia disse Ellis num tom de precaução, deixa ela em paz. Você não é a Nancy Drew. Isso é o que você pensa retrucou Julia. Dorie, vou pegar a van pra buscar a preciosa bicicleta dela e levar para o conserto. Volto já. Julia estacionou a van na guia, bem ao lado da bicicleta contorcida de Madison. Era quase meio-dia, e o sol castigava sobre sua cabeça. Seus tênis de corrida afundaram na areia fofa quando levantou a bicicleta, e uma gota de suor escorregou sobre sua bochecha. Impacientemente, arrancou o top e o jogou dentro do carro. Vestida com seus shorts de corrida laranja brilhante e sutiã de esporte rosa choque, ela abaixou-se e agarrou o guidão com uma mão e a roda traseira com a outra. Enquanto colocava a bicicleta no carro, ouviu o

213 213 barulho de algo batendo no chão. Um celular caíra de um porta-copos preto e roxo fixado ao guidão. Soube de cara de quem era. As poucas vezes que se juntara a elas, Madison trouxera o celular agarrado à mão, e Julia nunca a vira sem ele. Recolheu-o, e, no mesmo instante, uma buzina de carro soou com um coro de assovios agudos. Um jipe detonado, cheio de universitários bronzeados sem camisa, estacionou ao lado dela. Ei, gata chamou o motorista. Precisa de ajuda? Ela sorriu o que Booker apelidara de sorriso da grana, que ela tinha desenvolvido nos primeiros dias de modelo, depois de estudar o icônico pôster de Farrah Fawcett de maiô vermelho. Julia levantou o queixo, deixou a cabeça cair para o lado e balançou seu longo cabelo sobre os ombros. Vai se foder disse, doce. Enfiou o telefone no bolso dos shorts, bateu a porta da van e sentou no banco do motorista. O motorista do jipe ofereceu outra buzinada, depois vazou, deixando para trás uma trilha de fumaça preta. Babacas murmurou Julia. Mas ela estava secretamente feliz por ainda aos trinta e cinco ter o visual, e o poder, de parar um carro cheio de universitários despudorados e deixá-los um pouco doidos. Bicicletas na Praia ocupava a última loja de um pequeno centro comercial na estrada. Todas as vagas do estacionamento estavam ocupadas, então ela parou em fila dupla e correu para a oficina. Uma mulher de meia-idade com um cabelo pintado de preto que ia até a cintura estava sentada numa banqueta perto do balcão, folheando um catálogo de peças de bicicleta. Posso ajudar? perguntou, olhando-a. Trouxe uma bicicleta com a roda torta disse Julia. Tem jeito de consertar?

214 214 Mas é claro disse a mulher. Ela desceu da banqueta e seguiu Julia até o carro. A mulher levantou a bicicleta com facilidade. Na loja, entregou à Julia um papel para preencher com nome, endereço e celular. Meu marido faz o orçamento e os consertos, e ele acabou de sair para entregar umas cadeiras de praia. Mando te ligar assim que possível disse a mulher. Quanto tempo demora? perguntou Julia ao se lembrar da irritação de Madison frente a possibilidade de ficar sem a bicicleta. A mulher balançou os ombros. Se tivermos uma roda substituta, pode ser feito numa tarde. Mas se tiver que ligar para o fornecedor, pode demorar uns dias. Ótimo disse Julia. Temos várias pra alugar mencionou a mulher, apontando para a parte da frente da loja, onde umas dúzias de bicicletas de todos os tipos estavam estacionadas. Vou avisar a dona disse Julia. Voltava para a van quando ouviu um barulho estranho. Parecia um cachorro latindo exasperadamente mas vinha do quadril de Julia. Ela colocou a mão no bolso e retirou o celular. O celular da Madison. O display estava aceso: NÚMERO DESCONHECIDO. Julia hesitou, mas a curiosidade venceu. Alô disse. Telefone da Madison. Maryn? era uma voz de homem e ele não parecia feliz. Para com isso. Sei que é você. Julia franziu a testa. Quem tá falando? Quem tá falando, porra? interrogou o homem. É a Julia Capelli disparou Julia. Chama a Maryn. Rapidamente, Julia desligou.

215 215 Maryn? disse baixinho. Quem é Maryn, caramba? O telefone tocou de novo, quase imediatamente, e, de novo, o display mostrava: NÚMERO DESCONHECIDO. Dessa vez, Julia deixou tocar. Momentos depois, o celular vibrou, e ela viu que a pessoa tinha deixado mensagem de voz. Olhou em volta para ver se alguém observava. O centro comercial ficava a quase dois quilômetros da Ebbtide. Era impossível Madison ter andado até lá com seu tornozelo luxado, ainda mais nesse calor. Mas Julia achou melhor não arriscar. Ela levou a van para os fundos do shopping e parou atrás de uma lixeira. Tocou no ícone de mensagem de voz, e a tela mostrou oito mensagens. Quatro delas eram de um cara chamado Don. Ela tocou o ícone novamente e ouviu a que havia acabado de chegar. Maryn, caramba, me liga era o mesmo cara em quem ela tinha desligado na cara. Não faz isso comigo. Tô ficando louco aqui. Sei que tá brava com o que aconteceu, mas posso explicar. Me liga, ok? Me fala onde você está, se está bem. Desculpa. Não quis te machucar. Eu nunca ia ter machucar por querer. Estava mais de quarenta graus dentro da van, mas, apesar do calor, Julia se arrepiou. Ela clicou para ouvir a próxima, e a seguinte, todas de um cara chamado Don. Em todas, Don chamava a ouvinte de Maryn e, em todas, implorava para que ela ligasse, o desespero em sua voz crescendo a cada mensagem. Ficou claro para a Julia, da primeira vez que ouvira Don, que ele também era o número desconhecido. Quem é Maryn, caramba? Julia pensou em voz alta. Uma pessoa podia ter confundido o número sem querer. Mas esse cara, o tal de Don, tinha ligado seguidamente para alguém chamada Maryn. Com o indicador, Julia tocou o ícone para repetir a mensagem da secretária eletrônica. Aqui é a Maryn ouviu a voz familiar dizer alegremente. Deixe uma mensagem e retorno assim que eu quiser a voz era, indubitavelmente, da Madison.

216 216 Eu sabia disse Julia. Eu sabia que essa mina era uma farsante. Olhou para o telefone com interesse renovado. Em poucos instantes, ela podia checar o histórico de chamadas, podia checar o e- mail da Madison naquele telefone também. Estava prestes a começar, quando o telefone começou a latir novamente, dando-lhe tamanho susto que deixou o celular cair no chão do assoalho. Julia olhou cautelosamente para a tela. Para seu assombro, era Dorie. Alô? atendeu, hesitante. Julia, é você? a voz de Madison estava fraca de ansiedade. Então você achou meu telefone? Graças a Deus! Estava na minha bicicleta? Ãhn, é disse Julia, culpada. Caiu do porta-copos. Estava justamente te levando. Ótimo disse Madison. Até já! Julia levantou o telefone com a mão direita e considerou o que estivera prestes a fazer. Madison, ou Maryn, quem ela fosse, estava lá na Ebbtide e sabia que Julia estava com o celular. Julia não era alguém facilmente intimidável. Mas Madison, com seu olhar gelado e sua conduta distanciada, era uma pessoa potencialmente muito assustadora. Como também o era esse cara desconhecido, Don, quem quer que fosse, que a tinha machucado, e agora implorava para que ela voltasse. Cuidadosamente, Julia colocou o telefone sobre o assento do passageiro e deu partida. O ar-condicionado ligou-se automaticamente, com força total, e Julia tremeu novamente. Dessa vez, ela não sabia dizer se devido ao ar gelado ou à constatação de no que ela tinha se metido. Assim que estacionou na entrada da Ebbtide, Madison saiu pela porta, mancando em direção à van, com a mão esticada para o telefone. Aqui disse Julia, entregando-o. Ãhn, a mulher da oficina disse que vai me ligar avisando quando estiver pronta.

217 217 Obrigada agradeceu Madison. Olhou para o telefone, depois para Julia, que ficou roxa de vergonha. Você tinha umas ligações perdidas explicou Julia. Hum-hum disse Madison. Virou-se sem mais e voltou para a casa. Julia entrou também e seguiu o som das vozes vindo da cozinha, onde Ellis e Dorie estavam fazendo sanduíches de bacon, alface e tomate. Quer um? perguntou Dorie, apontando para o prato com bacon crocante e rodelas de tomate. Ok cedeu Julia. Bem, talvez só bacon, alface e tomate. Sem pão foi para o corredor e olhou para cima na escada, depois voltou à cozinha. Ela voltou para o quarto? perguntou Julia, baixo. Quem? A Madison? perguntou Dorie. Foi. Disse que não estava com fome. Sério, não sei por que ela é tão tímida. O nome dela não é Madison disse Julia, baixo. E ela não é só tímida. Ela é uma mentirosa. Quê? exclamou Dorie, abaixando a faca de manteiga com uma careta. Do que você tá falando? Por que estamos cochichando? perguntou Ellis. Não quero que ela me ouça explicou Julia, exasperada. Gente! O nome dela é, na verdade, Maryn. Ou algo do tipo. E como você descobriu isso? perguntou Dorie. Quando eu fui pegar a bicicleta na rua, o celular dela tocou, e eu atendi. Sabe, sem pensar. Nada disso falou Ellis. Você fez de propósito. Nem tente fingir. Você tá falando com a gente, Julia Capelli. Ok, beleza. Eu atendi por que quis saber quem estava ligando pra ela confessou Julia. Era um homem, e quando atendi, eu

218 218 disse algo tipo: Telefone da Madison, e o cara falou: Maryn, para de zoar. Então, ele percebeu que não era a Madison, ou seja lá como ela chama, e ele queria saber quem era. Então, sem pensar, falei meu nome. Aí fiquei com medo e desliguei. Você ficou com medo? exclamou Dorie, incrédula. Desde quando um homem assusta você? O cara estava muito puto explicou Julia. Então, comecei a fuçar no telefone e vi várias ligações perdidas, todas do mesmo cara. Don qualquer coisa. Em todas, chamava-a de Maryn. Ele implorava pra ela ligar, voltar pra casa, dizendo que não quis machucá-la de propósito. Gente, era bem sinistro. Talvez fosse engano sugeriu Ellis. Não discordou Julia. Pensei nisso também. Eu ouvi o recado na secretária eletrônica. Era a voz da Madison, mas ela se chama Maryn. Deve ser algum rolo disse Dorie, com a testa franzida. Ela disse mesmo que tinha terminado com o cara dela. Se ele a machucou fisicamente, e está procurando por ela, talvez seja por isso que está tão ansiosa. Ou talvez seja uma criminosa fugitiva sugeriu Julia. Ai, Julia disse Ellis. Tenho certeza de que tem uma explicação pra isso. Não seja tão dramática. Não estou dramatizando protestou Julia. E, então, teve uma ideia. Dorie disse, esticando a palma da mão. Me passa seu celular. O que você quer fazer com ele? perguntou Dorie, entregando-o. Julia abriu uma gaveta e pegou lápis e papel. Abriu o celular da Dorie e procurou no histórico de chamadas até encontrar o número que procurava. Que raios você tá fazendo? perguntou Ellis.

219 219 Estou detetivando disse Julia, arrogante, ao fechar o celular. Levantou o pedaço de papel. Esse é o número de celular da nossa amiga. E? perguntou Ellis. E agora que eu tenho, vou ver o que posso fazer para descobrir no nome de quem ele está registrado. Deus disse Dorie. Não tem coisa melhor pra fazer? Na verdade, não admitiu Julia, guardando o papel no bolso. Enfim, vamos à la playa enquanto o sol ainda está brilhando. Posso ir atrás disso depois.

220 220 Uma hora depois, Julia, Ellis e Dorie estavam esticadas na areia. Dorie chamou Ellis, cutucando o tornozelo da amiga. Vira. Suas costas já estão cheias de bolha. Eu sei afirmou Dorie, apoiando-se sobre o cotovelo. Acho que devem ser todos esses hormônios ela levantou-se e ajeitou-se embaixo do guarda-sol, inclinando-se para frente até a parte de cima de seu corpo ficar sob a sombra. Ela sentou-se novamente e arrumou o encosto da cadeira para que ficasse em um ângulo de quarenta e cinco graus. Por fim, lambuzou suas pernas com mais protetor e abriu uma garrafinha de água que retirou do isopor. Aí sim ela disse, depois de tomar meia garrafa em um só gole. Ela apoiou-se novamente no assento e retomou sua revista de onde tinha parado. Dorie? começou Ellis. Não quero ser intrometida, mas parece que ouvi você falando no telefone hoje de manhã. Isso aí concordou Dorie. Vocês vão ficar orgulhosas de mim. Liguei para o Stephen e contei sobre o bebê. Sério?! exclamou Ellis. Quê? perguntou Julia, retirando os fones do som do ouvido. O que ela falou?

221 221 Ela ligou para o Stephen e contou sobre o bebê! exclamou Ellis novamente. Verdade? perguntou Julia. Que bom. O que ele disse? Ele... levou um susto contou Dorie. E pra piorar eu contei que quero o divórcio. Ele ficou chocado com isso? perguntou Julia. Em que planeta ele vive? No planeta Negação respondeu Dorie. Ele diz que ainda me ama. Mas que não quer largar o Matt. Ele disse isso? perguntou Ellis. Deu a entender de várias maneiras respondeu Dorie. Meu Deus. Ele tá pirado, não sabe pra onde ir. Isso não é mais problema seu disse Julia. Você tem que pensar em você e no bebê. Ele vai ter que se virar e agir como adulto. Você não o conhece tão bem quanto eu disse Dorie. Eu sei que não devia, mas sinto pena dele. Gente, o pai dele morreu. Tipo, há uma semana! E ele nem me ligou. Eu gritei com ele. E ele simplesmente disse que achou que eu não me importaria. Dá pra acreditar? O Henry era meu sogro! Então, aí eu gritei mesmo, fiz com que admitisse que levou o Matt para Omaha, para o funeral. Eu fui uma verdadeira biscate! Ele me mandou se foder. Acho que nunca vi ele falando desse jeito. Meu Deus. Vocês deviam ter visto. Eu estava igualzinha à minha mãe. Foi deprimente. Foram os hormônios disse Julia, com lealdade. Enfim, não importa o que você disse, ele merecia. Você mesmo disse acrescentou Ellis : ele tá pirado. E agora? Bom, eu vou ter que botar a mão na massa na questão do divórcio respondeu Dorie. Ele não quer fazer nada. Diz que é tudo culpa dele, que eu posso ficar com tudo, até com a casa.

222 222 Então, fica aconselhou Julia. Ele que te traiu. Você merece. Não respondeu Dorie, balançando a cabeça. Compramos a casa juntos. Avisei que vamos vender a casa e dividir o valor. Nenhum de nós dá conta de manter a casa. Embora o Stephen nem saiba disso. Eu que sempre cuidei das finanças. Ele não tem a mínima noção dessas coisas. Se vender a casa, onde você vai morar? perguntou Ellis. Estou pensando respondeu Dorie, devagar. Acho que posso voltar a morar com a minha mãe. Com a Phyllis?! exclamou Julia. Você tá louca? Por que você se submeteria a esse tipo de tortura? Ela é a minha mãe respondeu Dorie. E a casa dela fica a cinco minutos da escola. Num bairro bem melhor do que eu conseguiria pagar. Tenho quase certeza de que ela me deixaria ficar na antiga edícula do Nash, já que ele tá praticamente morando na casa da vovó. É tipo um estúdio, com cozinha e banheiro. Nada de mais, mas assim a gente não precisaria ficar de fato sob o mesmo teto que a Phyllis. Ela se aposentou ano passado, então, talvez, pelo menos no começo, estaria disposta a ajudar com o bebê, pelo menos até eu arrumar uma solução. Ah, Dorie disse Ellis, solidária. É isso mesmo que você quer? Não admitiu Dorie. Mas acho que é o que eu preciso fazer. Pelo menos a curto prazo. Eu sei que a Phyllis pode ser bem difícil às vezes, e estou morrendo de medo de contar para ela sobre... tudo... mas ela realmente me ama. Nunca me viraria as costas. Muito menos para um neto. Ela é dedicada aos filhos da Willa. Tem que haver outra saída comentou Julia, jogando-se na cadeira. Estou aberta a sugestões disse Dorie. Mas é o que temos pra hoje.

223 223 Que saco disse Julia. Verdade concordou Ellis. Mas vamos pensar em algo. Enquanto isso, siga meu conselho e comece a comprar bilhetes de loteria. É o que venho fazendo desde que fui demitida. Ellis respirou fundo. Durante toda a manhã, ficou pensando em como contar a Dorie e Julia sobre o encontro com Ty, como se fosse algo sem importância. Embora fosse importante para ela. Muito importante. Gente começou devagar, sei que fizemos o pacto de só garotas quando viemos. Mas tenho uma confissão a fazer. Você? Uma confissão? perguntou Dorie, preguiçosa. O que você aprontou? Assaltou a despensa? Eu já sei. A Ellis tá namorando, a Ellis tá namorando cantarolou Julia. A face bronzeada de Ellis corou. Sério? Dorie levantou a viseira. Alguém que você conheceu aqui? Bem aqui respondeu Julia, cheia de si. Nesta praia. Você conheceu um cara na praia? Onde é que eu estava? indagou Dorie. Julia não aguentou o suspense. É o cara da garagem disse. O Ty Bazemore. Conta a verdade, Ellis, você tem um encontro com o Ty, né? Sééééério? suspirou Dorie, feliz. Que ótimo, Ellinha. Por favor, não me chame assim pediu Ellis. O Ty pode escutar. Não chamo mais assegurou Dorie. Mas não posso garantir a Julia.

224 224 Eu nunca faria nada pra acabar com um romance da Ellis afirmou Julia lealmente. Contanto que ela conte todos os detalhes sórdidos. Ellis revirou os olhos novamente. É só um jantar. Eu juro, a gente não está com planos de fugir juntos. Ele é... mais legal do que eu imaginava. Um cara fofo mesmo. Dorie levantou a mão e benzeu Dorie. Então, tem nossa permissão. Enfim, a regra de sem meninos não foi minha ideia. Foi da Julia. Retiro o que disse afirmou Julia prontamente. Agora vamos arrumar nossa menininha para a grande noite. Alguém trouxe camisinha? Dorie riu. Não olha pra mim. Obviamente eu não aprendi a lição. Nem eu disse Julia, virando os olhos.

225 225 Ellis tinha acabado de sair do chuveiro e olhava o minúsculo e embaçado espelho sobre sua penteadeira quando Julia invadiu o quarto. O que você vai usar na sua grande noite? perguntou Julia, se jogando na cama. Ellis apontou o vestido amarelo floral pendurado para fora do armário. Aquilo. Sério? Julia levantou-se e foi até o armário. Ela apalpou o tecido de algodão, esfregando-o entre os dedos. Olhou a etiqueta na parte interna do vestido. Blá. O que foi? perguntou Ellis ansiosamente. Muito decotado? Muito piriguete? Piriguete? perguntou Julia, zoando. Meu vestido de primeira comunhão era mais atrevido que esse pano de chão. Você não tem algo mais... provocante? A porta do quarto de Ellis abriu-se novamente e Dorie entrou, de pijamas e chupando um sorvete. O que a gente tá fazendo? perguntou, sentando-se na cama.

226 226 Tentando achar algo para a Ellis vestir no jantar com o Ty que não a deixe com cara de dona de casa disse Julia. Ela sacudiu o vestido amarelo. Isso é o que ela tinha em mente. Blá disse Dorie. E depois rapidamente acrescentou: Pensando bem, a Ellis fica meiga de amarelo. Meiga não é look para encontrar com alguém tipo o Ty Bazemore afirmou Julia. Bem, não concordou Dorie. Ellis virou os olhos. Se não meiga, como eu devo aparecer? Gostosa respondeu Julia, sem hesitar. Muito gostosa. Gostosa pra caramba. Não é, Eudora? Ah, é. Dorie assentiu vigorosamente. Isso aí. Desculpe a expressão: gostosa pra cacete. É fácil pra vocês falarem retrucou Ellis. Vocês acordam gostosas e só vão melhorando ao longo do dia. Eu acordo... assim. E o Ty vem me buscar em uma hora, e já que não temos tempo para uma plástica corporal total, aceito ficar meiga, se não se importam. Agora vão circulando e arrumem outra coisa pra fazer. Beleza disse Julia, dando um tapinha no vestido. Como queira. Tenha uma noite meiga hoje. Talvez as duas crianças dividam uma banana split depois de andar no bate-bate. Dorie levantou-se também. Divirta-se, querida desejou, enviando-lhe um beijo aéreo. As duas amigas já estavam na porta quando Ellis cedeu. Ok disse. Eu sei que vou me arrepender disso: o que vocês tinham em mente? Julia e Dorie cumprimentaram-se batendo as mãos. Julia abriu a porta de Dorie com uma mesura exagerada. Sigam-me ordenou.

227 227 Dorie abriu a tampinha de um pote de vidro fosco de hidratante e aplicou o creme no rosto de Ellis com toques leves e experientes. Hummm disse Ellis com os olhos fechados. O que é isso? Fluide D Agneau respondeu Julia, jogando um monte de roupas sobre a cama. É feito de líquido amniótico de cabras criadas por monges em um recanto escondido dos Alpes Suíços. Duzentos dólares cada trinta gramas. Dá pra acreditar? Os olhos de Ellis arregalaram-se. Meu Deus! Relaxa disse Julia. Ganhei essa amostra de uma editora de beleza da última campanha que fotografei pra uma revista. Ela segurou uma minissaia zebrada. Esta? Nada de estampa animal disse Ellis firmemente. Julia assentiu e jogou a saia de lado. Pegou um vestido justo, laranja e decotado que parecia uma fita adesiva. Muito curto? A Ellis é mais baixa que você apontou Dorie. O problema é ficar apertado. Esse vestido só vai funcionar se ela quiser que ele a ataque assim que entrar no carro. Julia rapidamente descartou meia dúzia de roupas. Por fim, levantou uma saia de chiffon preto florida. A barra era assimétrica. Muito menininha? perguntou. Ellis prendeu a respiração. Tinha gostado da saia. Muito. Mas sabia que, caso se empolgasse, Dorie e Julia automaticamente a rejeitariam.

228 228 Nada mal disse Dorie. Pegou a saia e a colocou na frente de Ellis. Fica num tamanho normal nela. Não me leve a mal, Julia, mas você deve ficar a maior piranha usando isso. Minhas pernas são meu melhor atributo explicou Julia. E o Booker me adora de saia curta. Hum disse Dorie, olhando a cintura. Sem etiqueta. É outra amostra ou algo do tipo? Não respondeu Julia. É minha. Você quer dizer que comprou com o seu dinheiro? perguntou Julia. Não, quero dizer que desenhei o modelo e costurei respondeu Julia. Não acredito! exclamou Dorie. Fala sério! Eu não tinha ideia que você sabia costurar. Eu brinco um pouco disso respondeu Julia, com leveza. Você não se lembra, na oitava série, quando vocês fizeram aula de Francês, e eu fiz aula de Economia Doméstica? A Irmã Marguerite me fez costurar um zíper, tipo, duzentas vezes, enquanto vocês conjugavam verbos. A gente fez francês, mas eu mal consigo pedir bouillabaisse no restaurante admitiu Ellis. E você, por sua vez, costura suas próprias roupas? Nem sempre disse Julia. Quando estou entediada, ou tenho alguma ideia, se estou com tempo, faço alguma coisa. Eu gosto mais da parte de desenhar o modelo do que costurar, porque posso fazer isso no avião ou no quarto de hotel. Incrível disse Ellis, virando-se para Dorie: Você sabia disso? Ela é boa em guardar segredos disse Dorie. Faz parte de ser bruxa. E com que tipo de blusa? perguntou, voltando-se para a saia.

229 229 Eu tenho uma blusa branca bonitinha começou Ellis, percebendo imediatamente seu erro. Dorie franziu o nariz. Branco, não. O que você usa com ela, Julia? Os olhos de Julia acenderam-se. Esperem. Ideia genial. Foi até o armário e tirou de lá algo que parecia uma tira de renda preta. Tá-dá! Ok disse Ellis, observando a renda com cautela. E o que eu uso sobre o sutiã? Não é um sutiã disse Julia. É um corpete. O look mais quente do verão. É imitação de Gaultier. Eu usei numa sessão de fotos nas Bahamas inverno passado. Ela colocou o top sobre a saia. Delícia! exclamou Dorie, entusiasmada. Nãããão discordou Ellis, cruzando desafiadoramente os braços sobre seus seios cobertos pelo roupão. Não vou em um primeiro encontro vestindo um sutiã como se fosse blusa. De jeito nenhum, de jeito maneira. Você não está me ouvindo, Ellis disse Julia, tentando ficar calma. Não é um sutiã. Ela voltou-se ao armário e de lá tirou um sutiã push-up de renda rosa. Este é o seu sutiã. Ela colocou o corpete sobre ele. Tá vendo? Duas alças. Muito excitante. Isso aí intrometeu-se Dorie. Lindo. Você tem que usar esse, Ellis. Sei não disse Ellis. Já estou super ansiosa. Vocês não entendem. Eu não namoro faz, hum, muito tempo. Preciso ficar na minha zona de conforto. Talvez se esse negócio com o Ty der certo, eu uso na próxima.

230 230 Nada disso disse Julia, teimando. A gente conhece sua zona de conforto: calcinha da vovó e camisola velha de algodão. Vai, Ellis, só experimenta, beleza? É, Ellis acrescentou Dorie. Se você odiar mesmo, mesmo, não precisa usar. Mas só experimenta. Por favorzinho?? Ai, tá bom concordou Ellis. Jogou seu robe na cama e pegou o sutiã. Ela olhou a etiqueta. Desde quando você usa esse tamanho de sutiã? Julia riu envergonhada. Segurou os seios. Desde ano passado respondeu. Implantes. As meninas estavam começando a ficar caidinhas, então dei uma levantada e uma aumentada. Sério? os olhos de Dorie estavam do tamanho de pires. Nem tinha percebido. Como é que foi? Nada de demais. Só não pude trabalhar por uns quinze dias, até o inchaço diminuir e retirar os drenos. Drenos? Ellis fez uma careta. Não parece divertido. Não é pra ser divertido retrucou Julia. É o mercado, só isso. Mas a plástica nos seios não foi tão ruim quanto a do nariz. Aquilo sim foi dor. Vocês deviam ter visto o machucado. Parecia que alguém tinha me espancado com um taco de beisebol. Julia! exclamou Ellis eu não sabia que você tinha feito o nariz. E eu te conheço desde sempre ela levantou-se e se aproximou de Julia, delicadamente tocando seu nariz. Não dá nem pra perceber. Porque eu fiz com o melhor cirurgião plástico disponível replicou Julia. Qual era o problema do seu nariz antigo? perguntou Dorie. Não é possível que fosse tão ruim. Você é o modelo desde os dezenove. Étnico demais disse Julia. Eu tinha a napa dos Capelli. E, vou te contar, quando meu pai me viu pela primeira vez, depois da

231 231 cirurgia, ele ficou desapontado. Realmente magoado. Mas eu expliquei que eram negócios. Quando a gente tá nesse mercado, seu corpo e sua cara são seu equipamento. Tem que cuidar deles. Dorie sentou-se na cama e reclinou-se sobre a pilha de travesseiros. Julia, você não para de falar sobre como esta velha demais e sua carreira acabou. Mas você não entende. Você está mais linda do que nunca. Sua pele é ótima, seu corpo é incrível. Quem não te contrataria? Julia sorriu, grata. Você é fofa, Eudora. Mas não entende meu mundo. Eu tenho trinta e cinco. A garota da capa da Elle desse mês tem dezessete. Ela usa trinta e quatro. No máximo. E não vem falar da Heidi Klum porque ela é exceção. Enfim, eu nunca fui a Heidi Klum. Eu era a Julia Capelli, que teve um pouco de sorte e conseguiu uns trampos na Europa, uns trabalhos editoriais e desfiles. E agora, bom, tudo isso tá acabando. Vocês me acham bonita porque me amam e não conhecem a concorrência. Mas tudo bem. Não se preocupem. Eu dou um jeito. Sempre dou, certo? Ellis estivera concentrada em amarrar as tiras de cetim que cruzavam seu corpete. Ela colocou a barriga pra dentro e amarrou o laço com um nó duplo. Você tem muito mais do que a aparência, Julia disse Ellis. Você é inteligente, de verdade. E não me venha com esse papo furado de faculdade. Não tô falando de diplomas. Você conhece as coisas reais. Viajou para tudo quanto é lado, entende de arte e livros e música. Conheceu pessoas! Olha pra mim: eu tenho diploma em Finanças, mas fiquei quase quinze anos presa em um cofre de banco, e aonde isso me levou? Quinze anos com burocratas e contadores chatos. E agora eu nem tenho emprego. E eu, então? intrometeu-se Dorie. Faltam dez créditos para eu ter um mestrado em Educação. Eu passo meus dias tentando enfiar estruturas gramaticais na cabeça de adolescentes que estão

232 232 pouco se lixando. Não me entendam mal, eu amo meu trabalho, e amo as meninas, mas um lixeiro da prefeitura de Savannah ganha mais do que eu. Mas vocês têm carreiras retrucou Julia. E têm um pedaço de papel que comprova que são inteligentes. E eu, não. E vou te contar: se não fosse pelo dinheiro, que é muito, muito bom, eu não ligaria de nunca mais trabalhar como modelo. Eu até falei isso para o Booker outra noite. Já cansei disso tudo. Mas eu só sei ser modelo. Nada disso disse Ellis. Você sabe um monte de outras coisas ela pegou a saia, vestiu e depois se virou para Julia fechar o zíper. E isso aqui? perguntou, virando e sacudindo os quadris de modo que o tecido balançou suavemente. Essa saia é incrível. Eu com certeza compraria algo assim. Você não, Dorie? Se fizessem uma versão pra gestantes brincou Dorie. E então, Julia, já pensou em criar roupas em vez de modelá-las? Julia deu de ombros e abanou a mão desdenhando. Isso é só uma brincadeira. Enfim, vocês não sabem como é essa indústria. Não dá pra comprar um monte de máquinas de costura e se chamar de estilista. Mas você sabe como ela funciona ressaltou Ellis. Você tá nessa indústria desde garota. Vai, Julia, fala a verdade: se você pudesse fazer qualquer coisa na vida, o que seria? Tipo, quando eu crescer? Julia fungou. É respondeu Dorie, calmamente. Semana que vem, ano que vem. O que seria? Espera um segundo disse Ellis, olhando no espelho do armário de Julia. Ela levantou os braços. Não posso usar isso, cara. Desculpa, me sinto pelada nessa coisa. Aqui disse Julia, dando-lhe uma jaqueta preta transparente. Veste isso. E chega de manha.

233 233 Ellis a vestiu. Era de um tecido delicado, sedoso, quase translúcido, com mangas justas que abriam levemente nos punhos. Pelo menos, cobria os ombros. Ela deu um giro. Será? Com certeza disse Dorie, aplaudindo. Perfeito. Está linda. Virou-se para Julia: Você, minha amiga, é um gênio. Então, como vai colocar esse talento a seu favor? Julia respirou fundo. Bem... na verdade, o trabalho que eu quero não é na frente das câmeras. É atrás. Você quer ser fotógrafa? perguntou Ellis. Nunca te vi com uma câmera. Fotógrafa não, stylist respondeu Julia. Sério? perguntou Dorie, começando a maquiar Ellis. E o que faz essa pessoa? O stylist é a pessoa responsável pelo look de uma foto explicou Julia. Compra todos os acessórios, ajeita tudo e deixa tudo bonito seja uma modelo, uma comida, um ambiente. Sempre curti esse tipo de coisa. Ellis levantou o rosto para que Dorie passasse rímel em seus cílios. Então vai fazer isso logo. Adoraria respondeu Julia. Mas é quase impossível entrar nesse nicho. É muito competitivo. E, infelizmente, com as revistas fechando a torto e a direito o mercado de trabalho está terrível. O Booker não pode te arrumar um serviço de stylist? perguntou Dorie. Ela estava delicadamente passando pó nas bochechas de Ellis. Provavelmente. Julia abaixou para supervisionar o trabalho manual da Dorie. Pegou dois tipos diferentes de pincel e entregou-os a ela.

234 234 Excelente. Agora passa um pouco desse blush nas bochechas e contorne ao longo do maxilar. Dorie assentiu e foi em frente. Você contou ao Booker que quer ser stylist? Nãããããoo negou Julia, pegando uma escova e começando a pentear o cabelo de Ellis. É só uma coisa que venho pensando a respeito. Eu provavelmente teria que ser assistente de stylist antes. E o que uma assistente faz? indagou Ellis. Trabalho braçal respondeu Julia. Vai comprar cappuccino, ajuda a embarcar e desembarcar os equipamentos, cataloga os acessórios, depois os devolve para as lojas onde comprou ou pegou emprestado. Nada glamouroso. E o salário é uma merda. E você me disse que o Booker quer voltar para os EUA e se casar com você completou Ellis. Então, me fala uma coisa, Julia Capelli. Qual é o seu problema? Não sei admitiu Julia. Bem que eu queria saber. Julia segurou o grosso cabelo liso de Ellis em uma mão e uma tesoura na outra. Santo Deus, Ellis reclamou. Você usa o mesmo penteado divido ao meio, na altura dos ombros desde, a sexta série. Isso é que é rotina. Ellis ficou alarmada. Você não vai me obrigar a mudar o cabelo. Não dá. Simplesmente não dá. Dorie e Julia trocaram olhares. Ellinha reclamou Dorie. Você não confia na gente? Não disse Ellis, firme, tirando a tesoura da mão de Julia. Uso esse negócio de corpete. Uso a saia. Uso até esse maldito sutiã que

235 235 me machuca as costelas. Mas não deixo vocês cortarem meu cabelo. Não. Vai. Acontecer. Beleza concordou Julia, mas sua expressão dizia claramente que não estava tudo beleza. Faço o que posso. Mas pelo menos me deixa tentar algo novo, ok? Sem cortar disse Ellis entre os dentes. Covarde murmurou Julia. Biscate rebateu Ellis, rindo. E enquanto Julia reunia o cabelo na base da nunca, torcia e colocava grampos com habilidade. Depois do cabelo e da maquiagem, ela ficou completamente diferente. Uma versão mais bonita de si mesma. Ouviram um leve toque na porta do quarto de Julia. As três viraram-se para ver Madison entrando no cômodo. Sua pele estava pálida sob o curativo em sua bochecha, e os machucados feios no cotovelo estavam piores ainda. Uau suspirou Madison. Ellis, você está linda. Tá vendo? gritaram Julia e Dorie em uníssono. Ei, Dorie cumprimentou Madison. Desculpa incomodar, mas queria saber se posso pegar mais do seu anti-inflamatório. Meu tornozelo tá começando a latejar. Coitada disse Dorie, levantando-se da cama. Tá no meu quarto. Vou pegar e já volto quando passou pela porta, abaixou-se para olhar o tornozelo de Madison. Ficou muito inchado disse. Tenho bandagem no kit de primeiros socorros. Vou pegar também ela apontou para a cama de Julia. Senta ali ordenou. Ah, não discordou Madison. Senta! repetiu Ellis. Madison estava obviamente desconfortável empoleirada na beira da cama. Olhou em volta, depois para Ellis. Ocasião especial? perguntou.

236 236 Ellis enrubesceu. Só um jantar. Mas a Julia e a Dorie acharam que eu precisava de uma recauchutagem. Madison assentiu para Julia, hesitante. Parabéns. Obrigada agradeceu Julia, relutante em aceitar o elogio. Ellis olhou para o relógio no criado-mudo de Julia. Ok, terminamos? Por que ele vem me buscar em dez minutos. E os sapatos? perguntou Julia. Tenho medo de pensar no que você planejava usar. Não trouxe muitos sapatos disse Ellis. A maioria é chinelo e tênis. A única coisa que combina é minha sapatilha preta. Por Deus, não proibiu Julia, de pronto. Ela abriu o armário novamente, mas parou e fez uma careta. Não adianta. Meus pés são umas lanchas. Eu uso quarenta, e você? Trinta e seis? boa. Trinta e seis, trinta e sete respondeu Julia. A sapatilha tá Sapatilhas? disse Dorie, chegando com os remédios e o kit. Não, não e não. Precisa de uma sandalinha de tiras e salto com essa saia. Eu tenho uma ideal. Você consegue se espremer num trinta e cinco? Não se eu quiser andar retrucou Ellis, seca. Gente, tá tudo bem. É só o sapato. Nunca é só o sapato. As três cabeças giraram na direção de Madison. Ela se levantou, recuando. Não se mexa. Já volto.

237 237 Aonde você vai? gritou Dorie. Você não devia andar até eu colocar a faixa... Mas Madison já mancava pelo corredor em direção à escada. Cinco minutos depois, voltou, segurando um par de sandálias fabuloso. Elas tinham fitas de gorgorão pretas, salto agulha de oito centímetros, e as solas eram de um vermelho audacioso. Perfeito! disse Dorie, segurando as mãos de alegria. Christian Louboutin? perguntou Julia, levantando uma sobrancelha. Você trouxe um Christian Louboutin para a praia? Madison entregou as sandálias para Ellis e sentou-se de volta na cama. E daí? Eu tenho uma coisa com sapatos. Enfim, comprei numa superpromoção ela apontou para Ellis. Uso trinta e sete, mas os Louboutins têm forma pequena. Vai. Experimenta. Ellis examinou os sapatos cuidadosamente. Mas eles estão novinhos disse, batendo nas solas vermelhas brilhantes intactas. Eu não posso usar seus sapatos novinhos. Claro que pode afirmou Madison, tranquila. Olha, na minha antiga vida, eu tinha vários pares desses. Mas, agora, tudo se foi. Nem sei por que trouxe esses. Por favor, Ellis, eu ficaria muito feliz se você os usasse hoje. Não sei disse Ellis, mas deslizou seus pés para dentro das sandálias e apertou as tiras. Levantou-se, desajeitada, e fez um giro devagar. Dorie e Ellis aplaudiram e assobiaram. Até Madison fez um aplauso mudo. Espera um minuto pediu Julia. Ela fuçou em uma caixa forrada de cetim antes de triunfantemente levantar um par de brincos pingentes com cristais e pedras. Ellis pendurou os brincos em seus lugares.

238 238 Pronto disse. Mandou beijos aéreos para as amigas e cambaleou em direção à porta. Preciso ir. Obrigada, meninas. De verdade. Vocês são o máximo. Vai lá disse Dorie. Divirta-se, ok? Você ainda se lembra de como fazer isso, né? E não faça nada que eu não faria aconselhou Julia. Eu não consigo pensar em nada que você não faria disse Ellis. Julia sacudiu a cabeça positivamente. É disso que eu tô falando.

239 239 A garota que abriu a porta da Ebbtide era levemente parecida com a Ellis Sullivan que Ty vira na praia e no domingo à noite no Cadillac Jack s. Ty não entende de moda, mas Ellis parecia transformada. Vestia um top preto, tipo lingerie, rendado e decotado por baixo de uma jaqueta transparente. A barra da saia mal chegava aos joelhos. Calçava saltos ridiculamente altos. O cabelo preso em um penteado sofisticado, e brincos que quase tocavam seus ombros praticamente nus. Ela abriu a porta de tela e saiu, sorrindo com timidez. Oi ela cumprimentou. Ele sabia que a encarava, mas não conseguia evitar. Você está linda ele soltou. Imaginou-se dando um safanão em sua própria cabeça. Claro que estava linda. Ellis Sullivan ficava linda com aqueles shorts abobalhados de cupcakes, com o cabelo preso em um rabo de cavalo torto... Mas naquela noite, estava diferente. Devia ter dito que ela estava espetacular, caso ele fosse o tipo de cara que usasse a palavra espetacular. Ellis ficou vermelha. A Julia e a Dorie se juntaram contra mim ela explicou. Estou me sentindo a Cinderela. Tudo isso é emprestado. A única coisa minha é a calcinha ela engasgou e ficou ainda mais vermelha.

240 240 Desculpa. Essa foi desnecessária, de novo. Você parece que provoca isso em mim. Seja o que for que esteja usando, deu certo disse Ty. Ele apontou para suas calças cáqui, que tinham dado tanto trabalho para passar, e para a camisa branca alvejada, que achou ainda no pacote da lavanderia no fundo do armário, junto com o blazer azul-marinho, que não usava desde que, em uma última tentativa desesperada de enturmá-lo em sua família, Kendra o arrastara para um coquetel no clube de campo do pai dela. Até tinha lustrado seus melhores mocassins para brilhar como no dia em que os comprou. Sem meias. Ele tinha um limite. Desculpa, mas tudo isso é meu ele brincou. Ainda bem que a Julia e a Dorie não estão me vendo. Ele pegou a mão dela e a levou dos degraus da varanda até a caminhonete que havia lavado e aspirado. Até jogara fora as garrafas de cerveja e embrulhos de comida. Ah, elas estão te vendo, sim disse Ellis, apontando com o queixo para o norte. Estão nos observando da janela do quarto da Julia. Ty olhou para cima, mas só viu a cortina se mexer levemente. Vamos dar algo digno de ser observado ele disse, pegando a mão de Ellis e beijando-a antes de abrir a porta do carro e ajudá-la a entrar. Depois, ele se virou e acenou, e a cortina se mexeu novamente. Quando saiu com o carro, reparou que Ellis olhava nervosamente pelo retrovisor. Ele escolhera um restaurante de frutos do mar em Duck, vinte minutos de Nags Head. Era um lugar minúsculo, no fim de uma estrada de cascalho, em uma marina com vista para a enseada. Tinha paredes com tábuas de cedro envelhecido, teto de alumínio enferrujado e uma placa de neon piscando COMIDA DE PEIXE. Não se assuste com a decoração avisou Ty ao estacionar. É a melhor comida de Outer Banks.

241 241 Parece legal disse Ellis, soando surpresa depois de serem levados até a mesa na janela com vista para a longa fileira de ancoradouros. Sabe, antes de a gente vir pra cá, eu requisitei informações da câmera do comércio, e até comprei um guia de viagem sobre Outer Banks, e em nenhum lugar esse restaurante foi mencionado. Você requisitou informações? Ty riu. Quem faz isso? Eu respondeu Ellis. Não gosto de surpresas. Enfim, eles também costumam ter bons cupons. Sabe, tipo, aperitivo ou sobremesa grátis. E eu achando que todas as mulheres gostavam de surpresas disse Ty. Enfim, você não vai encontrar o Comida de Peixe em guia de restaurante. E tenho quase certeza de que eles não dão cupons. É tipo uma coisa local. Eddie, o chef, era garçom no restaurante onde trabalhei no colegial. Ele tem um senso de humor meio duvidoso, mas sabe se virar numa cozinha. A garçonete veio anotar o pedido, e Ty perguntou a Ellis se aceitaria um drinque. Eu vou tomar um chope. E ela vai de... ele olhou para Ellis tentando lembrar o que ela tinha pedido no Cadillac Jack s.... cosmo, certo? Jogaram conversa fora até a garçonete voltar com as bebidas e o cardápio. O que tem de bom? perguntou Ellis, olhando para o papel xerocado e engordurado. Ela sentou-se bem reta e mexia com o laço que parecia segurar o top. Quando não estava tentando ajeitar o top para que seus seios não saíssem para fora, estava puxando a barra da saia, que já era uma causa perdida. Sentada, mal cobria suas coxas, levemente sardentas, bem como o nariz, ou o que podia ser visto dele por baixo da camada de pó brilhante. Os dedos de Ty coçavam para puxar a fita do laço e ver o que acontecia. Aquele sutiã era parte do top? Ele teria que estudar essa questão.

242 242 Ty? Meu Deus! É você mesmo? Ele olhou para cima. Kendra e Ryan, de pé, esperando para sentar na mesa ao lado. Ele ficou pálido. Kendra vinha em sua direção, com Ryan, aquele cuzão, seguindo-a. Alguém me mata, pensou Ty. Agora. É você mesmo confirmou Kendra. Todo elegante. Ty Bazemore fora bem-criado, graças a sua mãe e sua avó. Dois anos de aula de etiqueta sem piedade. Era preciso se referir aos mais velhos como senhor e senhora. Era preciso se levantar quando uma senhora entrava na sala, e para cumprimentar os senhores era preciso olhar nos olhos, sorrir e apertar a mão com firmeza. Relutantemente, Ty levantou-se. Oi, Kendra ele cumprimentou, sem expressão facial. Acenou na direção do Cara de Cu. Ryan não apertaria a mão de Ryan. Até sua mãe, se estivesse viva, o entenderia. Se sua avó estivesse viva, teria até aplaudido, ou talvez dado uma bofetada com seu matador de mosquito na cara de cu dele. E aí, cara? Ryan, sem noção, levantou a mão, mas quando Kendra fulminou-o com o olhar, abaixou-a para o lado. Tudo bem com você? Kendra abraçou-o, tendo que ficar na ponta dos pés, mesmo de salto, para alcançá-lo. Ele foi envelopado por uma nuvem tóxica do seu perfume marca registrada, que, para ele, cheirava a abacaxi passado. Tudo bem respondeu Ty, devolvendo apenas um semi abraço engessado. Quando ela finalmente o soltou, ele deu um passo para trás, para o caso de o Cara de Cu querer fazer algo. Ele jogaria fora o blazer e a camisa quando chegasse em casa. Se sobrevivesse àquilo. É? disse Kendra, franzindo o rosto. Tem certeza?! Tenho pensado muito em você ultimamente. Desde que nos mudamos de volta. Sabia? O papai finalmente me convenceu a me associar com ele.

243 243 Bom, acho que ele só fez isso porque sabia que o Ryan faria parte do pacote. Dois por um, ele diz. Ótimo disse Ty. Parabéns. Se havia um cara mais babaca e pomposo do que Boomer Wilcox em Outer Banks, Ty não o conhecia. Ryan e Boomer se mereciam. A gente ouviu dizer que você está investindo continuou Kendra, transbordando preocupação. Deve ser difícil com a economia assim, né? Tá tudo bem respondeu Ty, entre os dentes. Ganho umas, perco outras ele olhou desesperadamente pelo restaurante, esperando que algo, de algum jeito, pausasse esse show de horror. Um raio, talvez. Mas ele se contentaria com uma pequena labareda na grelha. E então viu Ellis, ainda sentada, olhando-o, sorrindo ansiosa. Em sua mente, pôde ver a avó surgindo por trás, com o matador de mosquito pronto para estapear seu pescoço, por ter esquecido a educação. Kendra, Ryan, esta é Ellis, minha, hum, amiga. Ah, oi cumprimentou Kendra em um decibel mais alto. Alice? Na verdade, é Ellis respondeu. Com E. E aí, Ellis? cumprimentou Ryan, automaticamente estendendo a mão. Ellis, que aparentemente também tinha passado por um treino rigoroso e que, afinal, não tinha ligação com Kendra nem com o Cara de Cu, levantou-se, sorriu radiante e apertou as mãos dos dois. Ellis é um nome tão diferente continuou Kendra. Acho que nunca conheci alguém com esse nome. Você é daqui? Não respondeu Ellis. Nasci em Savannah. Minhas amigas e eu estamos de férias aqui este mês.

244 244 Como foi que você escolheu Outer Banks pras férias? perguntou Kendra. Digo, claro, a gente ama este lugar, mas, enfim, eu cresci aqui. Foi uma espécie de acordo explicou Ellis. Maravilha! vibrou Kendra. Onde vocês estão ficando? Aqui em Duck? Estamos em Nags Head respondeu Ellis. Ty sentiu os cabelos da nunca arrepiarem diante da menção a Nags Head. Ele sentiu o mau agouro chegando. Ele sabia que viria e não tinha condições de evitá-lo. Ah! exclamou Kendra. Nags Head. Lá é minha área, sabe? A mamãe e o papai têm uma casa chamada Cedar Haven. Conhece? É uma casa enorme, mas uma verdadeira maloca, caindo aos pedaços, na rua da praia. Ryan abraçou a cintura de Kendra em um movimento de posse. Ela chama de maloca disse, rindo. O que ela não conta é que Cedar Haven é uma das casas originais de Nags Head. Só há uma dúzia delas. Eles chamam de aristocracia sem pintura. É uma atração turística. Duzentos e trinta metros quadrados, de frente ao oceano, terreno duplo. O avô dela construiu a primeira piscina de Nags Head lá. Acho que sei que casa é disse Ellis, animada. É quase uns dois quilômetros da casa onde a gente tá ficando. Na Virginia Dare, né? Não fala nada, implorou Ty em silêncio. Esquece o assunto. Onde vocês estão ficando? perguntou Kendra. A casa que alugamos é meio tosca confessou Ellis. Tipo, podia ser maravilhosa, mas está meio mal conservada.

245 245 Ty olhou em volta freneticamente. A garçonete se aproximava com uma cesta de pães e um vidro de azeite. Salvação. Queria dar um beijo na boca dela. Olha só ele começou. Nosso pão vem vindo. Não quero deixar esfriar. Eles têm um pão caseiro ótimo. O Eddie que faz ele puxou a cadeira de Ellis e quase a empurrou para baixo. Bom ver vocês ele disse, acenando com a cabeça para Kendra e Ryan. Kendra olhou-o desconfiada, mas se permitiu ser conduzida de volta à sua mesa. Eles parecem legais comentou Ellis, pegando um pãozinho. Se ela soubesse, pensou Ty. O jantar foi uma agonia. Ele fez o pedido para os dois e tentou agir normalmente. Mas, sempre que olhava para Ellis, via a mesa logo atrás. Kendra e o Cara de Cu rindo, conversando, encostando testa dourada com testa dourada. De vez em quando, Kendra o flagrava olhando, e se aproximava, com a mão sobre a boca, cochichando algo no ouvido do marido. Eles estavam falando dele, Ty sabia. Tirando sarro da sua camisa amarelada e do blazer esfiapado da formatura, com as mangas curtas demais. Seu estômago ardia. As entradas demoraram um século para chegar. Ele nem saberia dizer o que tinha pedido. Era quente, remotamente parecido com um fruto do mar. De algum modo, conseguiu enfiar goela abaixo. Ellis mordiscava seu peixe-espada grelhado, o brócolis no vapor e o cuscuz. A certa altura, a garçonete apareceu com uma garrafa gelada de vinho. Era Moët & Chandon Nectar Imperial Rose; Ty conhecia aquele rótulo muito bem. Sessenta pilas a garrafa, isso se comprasse no atacado. A gente não pediu isso avisou, empurrando o balde com gelo. A senhora e o senhor da mesa ao lado o enviaram. Por conta deles explicou a garçonete.

246 246 Ele olhou, Kendra acenou com os dedos. A Imperial Rose era sua favorita e detonou muitas brigas quando estavam quase falidos durante o primeiro ano de faculdade. Todos os amigos estavam na mesma, comendo macarrão e sopa instantâneos. Quando iam a festas, Ty ficava satisfeito em comprar qualquer bebida barata em promoção. Mas Kendra, que dizia que a vida era muito curta para se beber vinho ruim, aparecia com uma garrafa de Moët & Chandon, paga com o dinheiro que Boomer depositava todos os meses em sua poupança. Que legal murmurou Ellis. Ty não podia devolver a garrafa, não sem causar escândalo. Então, ele permitiu que a garçonete servisse uma taça para Ellis, mas de jeito nenhum tocaria naquela coisa. Em vez disso, pediu outro chope. Acabou com a caneca em duas longas goladas. Ellis bebericou de sua taça vagarosamente. Um silêncio constrangedor dominou a mesa. Ele achara que tinha evitado o desastre, mas claramente se enganara. A garçonete voltou à mesa. Era da cidade, com cabelo loiro com mechas roxas, lápis preto em excesso e uma tatuagem de polvo com tentáculos rodopiantes por todo seu peito que provavelmente custara mais do que o salário dela. Olhou para os restos nos pratos e deu de ombros, mas não se deu ao trabalho de recolher. Sobremesa? perguntou, colocando uma boleira preta sobre a mesa. Hoje tem torta de pêssego fresco com gelato caseiro de limão e manjericão, e cheesecake de pecã assada com cobertura caramelada... Ty olhou Ellis, indagativo. Não sei ela começou. A conta, por favor pediu Ty bruscamente. E, claro, ela demorou um século para trazer a conta. Ellis bebericou o espumante e Ty tamborilou na mesa, determinado a não olhar para a mesa de Kendra.

247 247 Por fim, a garçonete trouxe a conta. Ele estava enfiando o dinheiro na pastinha de couro, sua fuga era iminente, quando, pelo canto dos olhos, viu Ryan levantar-se e se aproximar. Ty tentou se acalmar. Até o Cara de Cu tinha direito de ir ao banheiro e, para isso, precisaria passar pela mesa de Ty e Ellis. Mas não, Ryan parou bem ao lado da mesa. Ty levantou-se e puxou Ellis da cadeira, de costas para Ryan, determinado a fazer uma fuga segura, mesmo que isso significasse ignorar o Cara de Cu. Ei, Ty, amigão chamou Ryan, colocando a mão na manga de Ty, inclinando-se, falando baixo, em confidência. Como se fossem velhos amigos. Olha, eu estava conversando com a Kendra. Vimos a Ebbtide nos anúncios legais. A Kendra me disse que a casa está na sua família há mais tempo do que a Cedar Haven na dela. Que mancada, perdê-la depois de tantos anos. O negócio é: estamos procurando um lugar pra gente. Então, talvez, uma mão lave a outra. Ty congelou. Isso estava realmente acontecendo? Ryan colocou a mão no bolso interno do seu paletó e de dentro tirou um porta-cartões prateado com seu monograma. Em algum lugar nas caixas ainda fechadas de quando se mudara para Ebbtide, Ty tinha um igual, obviamente com as próprias iniciais. Fora um presente de casamento da mãe de Kendra, cuja criatividade nunca fora digna de nota. Agora Ryan estendia um cartão, casualmente, entre o dedão e o indicador. Me liga, hein? Não tem por que deixar o banco ficar com a Ebbtide. Ty largou o cartão no prato de comida de Ellis. Pegou sua mão e a puxou, não muito gentilmente, para longe da mesa. Para longe do restaurante chamado Comida de Peixe. E de Kendra e do marido com cara de cu e sua garrafa de vinho rosa de sessenta dólares.

248 248 Ellis permitiu-se ser empurrada para fora do restaurante e praticamente enfiada dentro do carro. Conseguiu controlar sua raiva por, talvez, cinco minutos. Depois explodiu: Você é dono da Ebbtide? Ele recuou, depois assentiu. Sim. Por enquanto, pelo menos. E o Sr. Culpepper? Nosso ranzinza, porém bonzinho, proprietário? Ty suspirou. Está olhando para ele. Esse tempo todo? Eu mandei s pra você? Perguntando ao Sr. Culpepper sobre você? Reclamando de você? Temo que sim admitiu Ty. Que graça disse Ellis, cuspindo a palavra. Acho que você se acha uma graça mesmo, armando essa pra cima de mim. Aposto que riu pra caramba da minha cara, lá na sua garagem. Olha, o problema não é contigo disse Ty. Eu nunca falo para os inquilinos sobre o Sr. Culpepper. Se eles ficam sabendo que o dono vive na garagem, eu nunca teria paz. Eles bateriam na minha porta à meia-noite, reclamando do aquecedor de água, ou dos insetos, ou de qualquer outra porcaria. Ou perdem a chave. E eu tenho que

249 249 parar o que estiver fazendo pra cuidar de algo tão simples como uma chave? Você não tem ideia de como as pessoas enchem o saco. Desse jeito, sou só um cara vagabundo anônimo da porta ao lado. Se querem algo do Culpepper, têm que mandar . E ele dá um jeito. Cedo ou tarde. E eu sou a mais chata de todas, né? disse Ellis. Reclamando dia e noite. Bom, sim, no começo respondeu Ty honestamente. Poxa, eu achei que era chata no começo, mas depois, quando te conheci, bom, não era bem assim. Ei, eu te arrumei um fogão novo, não arrumei? E a louça com flor rosa? Era da minha avó, sabia? E eu queria te contar sobre o Sr. Culpepper, queria mesmo. Mas não contou retrucou Ellis, cruzando os braços. O ferrinho do sutiã de Julia furava suas costelas, e o corpete estava amarrado tão apertado que ela não conseguia respirar, mas não arriscava tocar nas fitas do laço, como medo de que explodisse para fora daquela coisa maldita. Por que raios tinha deixado as meninas a convencerem dessa roupa? O que estava fazendo com aquele perdedor mentiroso? Eu ia disse Ty. Tipo, essa noite. Eu ia te contar. Mas não tive chance. Inacreditável disse Ellis. Ela virou-se e olhou pela janela. Por fim, pararam na Ebbtide. Ele estacionou o carro ao lado da garagem. Antes que pudesse sair e abrir a porta para ela, Ellis o fez por conta própria e saiu do carro como uma flecha. Ellis ele começou. Obrigada pelo jantar Sr. Culpepper ela disse. Foi tudo o que pôde fazer para evitar disparar para a casa. De qualquer modo, ela não conseguia correr com aquela porcaria de salto que Madison emprestara.

250 250 Da cozinha, onde jogavam uma partida distraída de bridge, Dorie e Julia ouviram a porta de tela bater. Que porra é essa? exclamou Julia, olhando para o relógio da cozinha. Era pouco depois das nove. Ouviram o bater furioso do salto agulha na madeira do chão, depois, subindo as escadas, e uma segunda batida de porta, a do quarto. Oh-ou disse Dorie. Más notícias. Droga! Julia concordou. Eu tinha tantas esperanças levantou uma sobrancelha. Acha que devemos subir e conversar com ela? Imagina respondeu Dorie, bocejando. Se quisesse falar com a gente, teria nos procurado. Você conhece a Ellis. Conheço concordou Julia e suspirou alto. Eu pensei que esse cara ia ser o tal, sabe? Ele é super gostoso, e tá a fim dela, e achei que ela estivesse a fim dele. Você tá sabendo de algo que eu não sei? perguntou Dorie, desconfiada. Eu meio que vi os dois ficando na praia respondeu Julia, culpada. Quê? Dorie bateu as cartas na mesa. E não me contou? No meu estado? Foi totalmente sem querer disse Julia. Eu não estava espionando nem nada. Era tarde, o Booker tinha ligado, eu estava meio que andando de um lado para o outro conversando com ele. De repente, eu olhei pela janela e vi esse casal: simplesmente se abraçando sobre a passarela nas dunas. E foi tão fofo, sabe? Amor de verão e tal. E foi só quando eles se soltaram, relutantemente, preciso

251 251 dizer, e a garota voltava pra casa que vi que era a Ellinha. Com o cara da garagem. Eu nunca diria isso pra Ellis, mas o Ty não faz o tipo dela matutou Dorie. Tipo, não me leve a mal, eu acho ele um fofo, mas não tem nada a ver com os caras que a Ellis curte. Mas ela curtiu disse Julia. No domingo à noite, a gente foi ao Cadillac Jack s, né? E sabe todo aquele papo de não aguento mais ficar em casa, vamos fazer a noite das meninas? Tudo um plano. Ela sabia que ele ia trabalhar lá aquela noite. Só me arrastou junto pra não parecer stalker. Devia ter visto a cara do Ty quando a viu lá, Dorie. Um monte de piriguete e gostosonas em volta dele, torcendo por uma simples encarada, mas quando ele viu a Ellis, parecia uma criança com o maior pirulito da loja ela suspirou. Tão, tão fofo. E, claro, a Ellis estava super ansiosa e agitada. Dorie, você sabia que ela, tipo, não fica com ninguém desde aquele fulano? Não me surpreendo disse Dorie. Depois do fulano, acho que ela nunca se permitiu se apaixonar por outro cara. Ela tentou, pelo menos disse Julia. Ela procurou aqueles sites de namoro! Dá pra acreditar? Conheço várias que conheceram o marido na internet disse Dorie. Mas é meio surpreendente que Ellis tenha tido coragem. E tenha admitido pra você. Eu jurei não contar nada disse Julia. Mas ela sabia que eu te contaria. Dorie deu um tapinha na mão de Julia. Tudo bem. Você é ótima em guardar seus próprios segredos, mas os dos outros? Nem tanto bocejou novamente. Nossa, parece que eu tô sempre com sono. Vou pra cama. Talvez amanhã Ellis não ache as coisas tão ruins. Talvez tenha sido só desentendimento. Ou algo do tipo. Eu quero tanto que dê certo.

252 252 Julia inclinou a cabeça para o lado e estudou Dorie. O cabelo loiro-ruivo estava preso em vários rabinhos, e sua face, rosa do sol, além de um pouco mais cheinha que o habitual. Era difícil acreditar que a amiga, que mal parecia saída da adolescência, seria mãe em poucos meses. O que você quer que dê certo? perguntou Julia. Uma bela trepada? Só Deus sabe, ela merece. Faz uns doze anos. Vai saber, ela pode até ter esquecido como se faz. Dorie virou os olhos. Não, não só uma bela trepada. Para de ser cínica. A Ellis merece tudo: amor verdadeiro, filhos, o pacote completo. Não me importo com o que você diz, Julia Capelli, acho que isso é o que todas queremos. Você só é orgulhosa demais pra admitir. Eu? Com certeza. Você teve uma carreira ótima, eu sei que você fala que acabou, mas ainda é linda, na minha opinião. E você tem um cara fantástico, o Booker, que te ama, e quer casar com você e te dar tudo o que você quiser. E você é orgulhosa demais pra dizer sim. Julia empurrou sua cadeira para trás. Valeu pela análise promocional, Eudora. Agora, deixa eu te perguntar uma coisa. Você tá querendo dizer que depois de tudo pelo que passou com o Stephen, que basicamente te largou pra ficar com um homem, enquanto você carrega o filho dele na barriga, que você ainda acredita em final feliz de conto de fadas? Você consegue me dizer, na real, com o histórico todo da sua família disfuncional, que acredita nessa bobagem? Dorie inclinou-se para frente; seus olhos verdes brilhantes e intensos. Olha pra mim, Julia. Eu tô falando: sim. Sim, com toda sinceridade, apesar do Stephen, apesar do casamento de merda dos meus pais, apesar de tudo ir contra, sim, eu ainda acredito em toda essa bobagem. Eu tenho que acreditar que Stephen realmente me

253 253 amou, e que eu o amei, que amaremos esse bebê que eu tô carregando. Tô furiosa e triste pelo que aconteceu, mas isso não me impede de achar que o que tivemos foi real. E não me impede de acreditar que encontrarei outra coisa real de novo. Eu posso ter que encarar a vida de mãe solteira, ter que morar com a minha mãe de novo, ter que me matar de trabalhar na escola por uma miséria, mas eu tenho pena é de você, Julia. Porque você tem tudo, mas não acredita, e não dá valor. E isso é o mais triste de tudo. Ellis arrancou as sandálias de salto e se livrou das roupas de Julia. Enfiou-se nos pijamas de cupcakes e foi ao banheiro, onde escovou os dentes até sangrarem e lavou todos os traços do rosto que Dorie tinha tão cuidadosamente pintado sobre o dela apenas umas horas antes. Idiota xingou, rindo da imagem real de Ellis Sullivan no espelho. De volta ao quarto, pegou o celular e apagou todos os s enganadores e enganados que tinha recebido ou enviado ao Quando acabou, andou de um lado para o outro no quarto, parando apenas para encarar pela janela a edícula da garagem. As luzes estavam acesas, mas ela não via Ty. Espera. Enquanto espiava, ele desceu as escadas e foi até o carro. Um instante depois, os faróis piscaram, e ele dava ré pela garagem. Bem, era apenas nove e meia, afinal. Talvez ele tivesse outro encontro. Ou talvez fosse até o Cadillac Jack s arrumar um dos rabos de saia que o perseguiam por lá. Não tô nem aí, disse Ellis a si mesma. Ele que se dane.

254 254 Mas a real era que ela se importava, sim. Abaixara a guarda, acreditara que alguém como Ty Bazemore poderia gostar dela, deixouse levar pela ideia de que um dia poderia ficar com alguém como ele. Que piada, certo? E ela era a protagonista. Depois, ouviu pisadas na escada, leves, deviam ser de Dorie, descalça, indo dormir cedo. Meia hora depois, ouviu o bater de sandálias de couro: a Julia. Ouviu as portas de seus quartos se fecharem, feliz que nenhuma de suas melhores amigas viera perguntar sobre o grande encontro. Que comédia. Tentou ler seu livro, mas desistiu quando percebeu que lera o mesmo capítulo três vezes. Deitou-se sobre os travesseiros, olhando o ventilador de teto que girava. Estudou todas as rachaduras no gesso do teto, o mofo no papel de parede florido. O ar-condicionado enfiado na janela ao lado da cama zumbia e fazia tremelicar o vidro da janela em uma tentativa inútil de diminuir a temperatura, que devia estar nos quarenta graus. Esse lugar era um buraco mesmo. Ela ficara tão feliz de finalmente estar aqui com as amigas, tão ansiosa pelo mês, que relevara a verdadeira condição deplorável da Ebbtide. Tinha sido uma bela casa, algum dia, dava para perceber. Grande, aberta, pé-direito alto, janelas generosas com vistas incríveis para o oceano e as dunas. Ryan, o cara do restaurante, mencionara que a casa tinha pertencido à família de Ty. E estava prestes a ser tomada pelo banco. Benfeito, Ellis tentou pensar. Mas não colou. Ty tinha contado que era investidor, tentando se recuperar de algumas perdas. A verdade é que tentava desesperadamente impedir que a família perdesse seu lar. O que explicava por que ele alugava a casa e vivia na edícula. Mas isso ainda não explicava por que ele simplesmente não contara, depois daquele primeiro encontro na praia, que ele era o Sr. Culpepper. Não que isso importasse. Ele não devia nada a ela. Ellis era apenas mais uma inquilina pé no saco.

255 255 Com apenas mais duas semanas na praia. Dane-se, pensou Ellis. Pulou da cama e desceu, descalça, as escadas e atravessou a cozinha. Não se preocupou em encontrar Ty Bazemore, como da outra vez. Ele estava caçando por aí. Ellis viu o baralho das meninas abandonado na mesa da cozinha. Começou a jogar paciência, mas desistiu depois de quinze minutos. Não conseguia ganhar nem de si mesma nas cartas, pensou, largando o deque, desgostosa. Estava muito quente na cozinha também sufocante, na verdade. Molhou um guardanapo e passou-o na testa e nos pulsos para se refrescar. Um passeio na praia, decidiu, seria a única coisa que a acalmaria. Lá em cima, pegou uma bermuda e uma camiseta. Recolheu as sandálias que Madison emprestara algumas horas antes e subiu mais um andar na ponta dos pés. Parou na porta de Madison. A luz estava acesa, mas não ouviu um pio. Ela devia estar lendo. Ellis pensou em bater, pensou em contar tudo sobre a noite horrível para um par de ouvidos neutros, mas desistiu. Madison não era o tipo de garota interessada em ouvir dramas alheios. Em vez disso, Ellis colocou cuidadosamente os sapatos no chão e foi embora. Saiu pela porta da cozinha e acelerou pela passarela, descendo até a praia. Uma brisa suave movimentava os arbustos, mas, além disso, tudo estava quieto. Deixou os chinelos na areia fofa perto dos degraus e correu para a beira do mar, parando somente quando seus dedos do pé foram beijados pelas ondinhas frias. A lua ainda estava quase cheia, brilhando sobre a praia prateada reluzente. Bem melhor. Respirou fundo e começou a caminhar sobre a areia molhada. Foi seguindo pela praia, ao lado da maré, que a pegava com uma onda ocasional, molhando-a até a coxa. Continuou andando. Quando mais ao sul seguia, mais próximas as casas ficavam umas das outras. Em algumas delas, as luzes estavam acesas, e, às vezes, ela ouvia música e risadas ao longe, mas a praia, por sua vez, estava deserta.

256 256 De vez em quando, Ellis parava, abaixava e recolhia uma concha, mas largava as quebradas. Uma hora, encontrou uma bolacha-dapraia perfeita, branca, do tamanho de sua mão. Com a ponta do dedo, traçou as depressões da superfície rugosa da concha, tentando lembrar o que a Irmã Marguerite, sua professora de biologia do colégio, teria dito sobre o significado delas. Algo sobre a cruz e os julgamentos de Jesus. Cuidadosamente, colocou a bolacha no bolso da bermuda e seguiu em frente. Em certo momento, o vento ficou mais forte, as ondas começaram a bater com mais força na areia: a maré subia. Ellis parou, virou-se e encarou o amontoado de casas desconhecidas atrás das dunas. Arrepiou-se e cruzou os braços. Quão longe tinha ido? Hora de voltar. A maré próxima a empurrava para junto das dunas. Tentou andar mais rápido, lutando contra os pés que afundavam na areia fofa. Todas as vezes que via escadas nas dunas, olhava para cima, tentando descobrir se era a sua escada, a que levaria de volta à Ebbtide. Mas agora, no escuro, todas as dunas e escadas eram iguais. Sentiu o coração bater mais rápido, e falou a si mesma que era besteira. Não estava perdida. Não era possível. Depois de duas semanas, ela conhecia seu pedacinho da praia perfeitamente. Havia um catamarã desbotado, amarelo-claro, enfiado entre os arbustos abaixo da Ebbtide. E também um detonado latão vermelho de lixo, amarrado a um suporte perto da casa, pixado com: Os Tigers são foda e René ama Buster. Os sapatos! Os chinelos verde-limão. Deixou-os no fim da escada. Era só achá-los. Marchou em frente, procurando no escuro pelo catamarã e o latão de lixo. Depois de trinta minutos, com os músculos da canela queimando, ela estava quase sem fôlego. A maré chegava cada vez mais perto, até que começou a bater na base das dunas, e ela ainda não achara os detalhes familiares. Por fim, exausta, parou e sentou em um degrau de madeira. A água alcançava seus calcanhares, e ela se tocou que as ondas já deviam ter levado seus chinelos embora. O que fazer? Pisou na água,

257 257 esticou o pescoço e olhou para cima. Esses degraus levavam a uma passarela parecida com a da Ebbtide, mas a uma casa nada a ver com essa. Devia subir, cruzar a passarela e achar o caminho pela rua? E depois? Andar descalça no asfalto por sabe-se lá quanto tempo, com carros passando ao lado? E vai saber quem podia vê-la com sua bermuda molhada e o cabelo desgrenhado? Sem contar que estava sem sutiã. Não. Ficaria na praia. Levantou-se e foi em frente. Dez minutos depois, soltou um suspiro aliviado ao encontrar o catamarã amarelo. Graças a Deus! Ela quase ficou com vontade de beijar o latão de lixo. Quase. Em vez disso, pegou o corrimão da escada e se ergueu para o primeiro degrau. Só percebeu quando chegou no último degrau. O cheiro de charuto. Na escuridão, viu primeiro a ponta incandescente, e depois a silhueta de uma cadeira de praia. E Ty Bazemore, com uma cerveja na mão.

258 258 Há pelo menos uma hora, Ty estava sentado no deque, fumando um charuto e bebendo devagar uma cerveja. Depois do desastroso encontro abortado, ele foi até a garagem, arrancou o blazer e a calça e tentou esquecer o assunto e trabalhar. Ele lera sobre uma pequena empresa de agronegócios no Kentucky, que recentemente patenteara um novo tipo de semente de capim com promissoras qualidades de enfrentamento de seca. Mas já estava ficando vesgo de tanto ler relatórios técnicos, sem contar as declarações de lucro da empresa. Contudo, Ty não estava de corpo e alma no trabalho. Tentou afastar a depressão que o cobria como um cobertor grosso de lã, mas não teve sorte. E, de qualquer modo, estava morto de fome. Então, pulou no carro e foi ao drive-thru da birosca de hambúrguer da rua. Às vezes, um bom cheeseburguer gordurento e batatas fritas são o único antídoto contra a tristeza. Ele comeu o hambúrguer e metade das fritas, depois acendeu o último charuto do bom, mas não se sentia melhor a respeito da vida. Sentia mesmo era uma azia das bravas. O vento ficou mais forte, e as ondas avançavam na praia abaixo. E, subitamente, quando olhou, lá estava ela, subindo a escada. A Cinderela tinha ido embora, e, em seu lugar, a velha Ellis Sullivan foi trazida pelas águas. O cuidadoso penteado tinha ido para as cucuias. Estava descalça, com as bermudas largas ensopadas, e a

259 259 camiseta úmida grudada ao corpo. Era óbvio, mesmo de longe, no escuro, que ela estivera chorando. Ah ela disse quando o viu. É você. Eu moro aqui ele disse. Jogou a ponta do charuto dentro da caneca. Você tá bem? Ela olhou para suas pernas cheias de areia, limpou o nariz na manga da camiseta e assentiu. Acho que a maré levou meu sapato. Tirando isso, maravilha. Achei que você tivesse saído. Saí confirmou, apontando para o saco de papel com o resto do lanche. Fui buscar um lanchinho noturno. Mas já voltei. O que você estava fazendo aí embaixo? Um mergulho noturno? Não quero te assustar nem nada, mas tem tubarão aí. Fui caminhar ela explicou, encostando-se à balaustrada do deque. Que horas são? Ele consultou o relógio. Quase meia-noite. Deve ter sido uma baita caminhada. Faz mais de uma hora que estou aqui. Ela escorregou para o chão, as pernas subitamente moles de fadiga. Acho que me perdi. Jesus, devo ter andado quase três quilômetros pela praia. Aí a maré começou a subir, e eu meio que entrei em pânico. À noite, nesse escuro, todas as escadas são iguais. Vou te dar uma dica Ty falou arrastadamente. Amanhã, quando for pra praia, olha pra cima nas escadas. A maioria tem os números da casa em placas de metal. A nossa diz também EBBTIDE, mas tem que chegar bem perto pra enxergar. Ellis encostou a cabeça contra o corrimão e esticou as pernas nas tábuas, que ainda retinham um pouco de calor do sol. Ela queria sair

260 260 correndo, voltar para o quarto, longe de Ty Bazemore. Mas estava exausta. Física e mentalmente. Ty recostou-se e olhou-a ansioso. Esperando que ela o detonasse de novo. Talvez ela disse, depois de alguns minutos de silêncio constrangedor, talvez a gente possa fingir que esta noite nunca aconteceu. Você volta pra sua garagem e seu computador, e eu volto pra... sei lá. Ele levantou-se da cadeira e sentou-se ao lado dela, tão próximo que seus ombros se encontraram. Pra quê? ele perguntou. Poxa, você não gostou de nada? Sério? ela rebateu, balançando a cabeça sem acreditar. Você tá querendo dizer que se divertiu hoje? Você não? Eu perguntei primeiro ela retrucou. Mas eu paguei. Ok ela cedeu. Tem certeza de que quer levar sermão de novo? Por que não? Já estou acostumado. Na categoria primeiro encontro? ela foi em frente, limpando a areia da bermuda e das pernas. Foi ruim pra caramba. Catastrófico, alguns diriam. Ele inclinou a cabeça e a olhou. Se tivesse que detalhar, qual foi o momento que tudo começou a dar errado? O blazer? Encolheu um pouco nas mangas. O blazer estava bom disse Ellis. Exceto pela etiqueta da tinturaria ainda presa na manga direita. Você podia ter me avisado.

261 261 Você podia ter me avisado que era dono da Ebbtide retrucou Ellis. Então, estamos quites. Enfim, era um primeiro encontro. Não se avisa coisas do tipo num primeiro encontro. Ah. Ty repassou a noite em sua mente. Eu reparei que você não comeu muito. Então, não gostou do restaurante? Eu pensei numa churrascaria, ou um italiano, mas aí pensei, frutos do mar. Quem não gosta de frutos do mar na praia? Amei o restaurante ela hesitou. Mas? Ela enrugou o nariz. Peixe-espada. Eca. Odeio, odeio, odeio peixe-espada. De novo, podia ter me avisado. Eu estava tentando ser educada disse Ellis. Na próxima vez, me fala o que você quer comer disse Ty, frustrado. Na próxima vez, você pode me perguntar o que eu quero comer. Espera ela disse. Vai ter uma próxima vez? Eu só pedi o peixe-espada porque era a coisa mais cara do menu ele continuou. Eu estava tentando te impressionar, caso não tenha reparado. fofo. Sério? ela inclinou a cabeça para o lado e o analisou. Que Ok. Além do peixe-espada, da etiqueta e de descobrir sobre o Sr. Culpepper, o que mais foi ruim? perguntou Ty. Sabe, pra eu melhorar minha técnica. Ellis revirou os olhos.

262 262 Não foi sua culpa, suponho. Mas foi bem estranho encontrar sua ex-namorada com o marido. Ty pareceu engasgar. Não era uma ex-namorada. Não? Você poderia ter me enganado. Eu definitivamente percebi uma história ali. E também hostilidade. Hostilidade mal disfarçada, devo acrescentar. Ah, a Kendra e eu temos uma história, sim confessou Ty, arrependido. Se você considerar dois anos de casamento como história. Casamento? Você foi casado? Com ela? Por dois anos? Na época, pareceu mais demorado disse Ty. Uau. Puxa... uau disse Ellis. Faz quanto tempo que estão divorciados? Se não se importa de eu perguntar. Faz muito tempo. Ellis abraçou os joelhos para se esquentar. Ela é linda. Ela com certeza se acha linda concordou Ty. E acho que a maioria das pessoas concorda. Em algum momento, você a achou bonita disse Ellis. Você se casou com ela. Namoramos no colégio, casamos depois da faculdade contou Ty. Todo mundo sempre dizia que éramos perfeitos um para o outro. E aí? Kendra é o tipo de garota que sempre tem um plano explicou Ty. Acho que ela herdou isso do pai. O Boomer era político, no governo do estado, coisa do tipo. Agora ele está voltado para sua firma de advocacia. E a filha dele é sua vida. E a Kendra não tem nada contra isso, se encaixa nos planos dela.

263 263 Mas não nos seus? No começo, sim admitiu Ty. A faculdade de Direito parecia uma ideia ótima. Tinha notas boas no colegial. Saímos do colegial, trabalhamos algum tempo para juntar dinheiro pra faculdade, e Kendra teve a brilhante ideia de fazer faculdade comigo. E eu pensei: por que não? Nos inscrevemos para as mesmas escolas. A Kendra foi aceita em várias. Eu? Pensando retrospectivamente, acho que Boomer deve ter mexido uns pauzinhos para eu entrar na Universidade da Carolina. Ele fazia parte de um dos conselhos. E depois? Não se importa de falar? Faz parte da minha pré-história Ty deu de ombros. Simplesmente não me encaixei. Com a Kendra estava tudo bem. A gente morava em um apartamento vagabundo, éramos estudantes de Direito mortos de fome, como todos os nossos amigos. Ou pelo menos eu era. A Kendra tinha uma conta que o pai dele deixava sempre cheia. Então, a gente brigava por isso. E por outras coisas. E no meio do segundo ano, eu sabia, com toda certeza, que a faculdade de Direito não era pra mim. Mas fiquei lá, até o fim do ano. Depois, quando contei pra Kendra que ia desistir, ela disse que desistiria de nós. Au disse Ellis. Ryan? Prefiro o nome Cara de Cu disse Ty. Eles faziam uma matéria juntos. De acordo com a Kendra, simplesmente... aconteceu. Já ouvi essa antes disse Ellis, solidária. Ela jura que eram só amigos disse Ty. Claro que, quando ela mudou do nosso apê, ela foi morar com ele. Apenas coincidência, claro. De novo: au. E então, o que você fez? Arrumei emprego como office boy de luxo numa corretora de ações em Chapel Hill. Mantive olhos e ouvidos abertos, comecei a fazer uns investimentos, percebi que gostava daquilo. Eu sou meio que viciado em informação. O cara que trabalhava comigo me ensinou muito, e eu dei sorte algumas vezes. Fiquei na firma mais alguns anos,

264 264 depois mudei para Charlotte para trabalhar mais alguns anos. Mas sentia falta da praia. Vivia com pouco, economizando, e, no fim, voltei pra cá. Para Ebbtide disse Ellis. Não. Mudei com meu pai explicou Ty. Ebbtide pertencia à família da minha mãe. Quando minha avó morreu, ela deixou para o irmão da minha mãe, meu tio Ralph. Ele mora longe e não estava muito interessado pelo lugar. Ele ia vender ano passado. Naquela época, os preços de imóveis não estavam tão absurdos, e eu tinha poupado uma grana, então tive a brilhante ideia de comprar e manter na família. Eu acho isso legal disse Ellis. Sempre foi da sua família? Sempre respondeu Ty. E antes de eu comprar, quase nada tinha sido feito nela, todos esses anos. Na boa, o barraco é um comedor de dinheiro. Precisa de teto novo, encanamento novo, fiação nova. E você conhece o estado da cozinha e dos banheiros. Mudei logo depois de comprar e comecei a trabalhar nisso, mas o mercado de ações entrou em colapso, e eu fiquei sem dinheiro. A economia tá uma merda disse Ellis, solidária. Eu sei, foi o que aconteceu comigo no banco lá na Filadélfia. Fomos engolidos por outro banco, e todo mundo do meu departamento foi pra rua da amargura. Tem algo em vista? Ainda não admitiu Ellis. Mandei currículo pra alguns lugares, mas... É disse Ty, eu te entendo. Quando mudei pra cá, eu tentei arrumar um emprego, mas, vamos ser sinceros, Nags Head não é Charlotte. Aqui tudo gira em torno do turismo. Enfim, estou cansado de trabalhar para os outros. Prefiro resolver sozinho, nem que seja para viver com quase nada enquanto não dou um jeito. Por isso mudei para a edícula da garagem e comecei a alugar a casa. Mas era muito pouco e tarde demais.

265 265 Ellis arrepiou-se e abraçou os joelhos com mais força. Você tá com frio disse Ty. Ele abraçou-a e puxou-a para mais perto. A gente podia entrar sugeriu. Estou bem garantiu Ellis. Ela o olhou. O que o Ryan disse hoje, sobre Ebbtide? Está mesmo prestes a ser tomada pelo banco? Porra murmurou Ty. É, é verdade. Eu coloquei o carro na frente dos bois, foi isso. Não quero soar muito melodramático, mas se não der um jeito de arranjar uma grana, rápido, até quinze de setembro, vou perder Ebbtide. Por isso tenho trampado no Caddie s. Deve ser muito triste perder o lar da família disse Ellis. Não tem nada que possa fazer? Já falou com o banco? Poxa, eu nunca trabalhei com isso, mas me parece que a última coisa que um banco quer agora é lidar com outra propriedade executada. Talvez você consiga negociar algo com eles. Estou tentando disse Ty, mas eles não são daqui. O banco que hipotecou foi comprado por um da Virgínia. Eu ligo, mando cartas, mas nunca consigo falar com um ser humano. E, no meio tempo, os ponteiros estão girando. Os anúncios legais estão sendo publicados. E os abutres estão rondando. Tipo o Ryan e a Kendra concluiu Ellis. O semblante de Ty ficou sombrio. Eu boto fogo nela, mas não coloco minha casa na mão deles. Os olhos de Ellis arregalaram-se com a ferocidade daquela resposta. Não literalmente arrefeceu Ty. Vou pensar em algo. Bom, podemos mudar de assunto? O que você tem em mente? ela perguntou. Ty puxou Ellis para mais perto. Ele cheirou seu cabelo e seu pescoço.

266 266 Estava pensando sobre a possibilidade de você me dar mais uma chance. Ellis pegou a embalagem do lanche ao lado da cadeira dele. Só se você concordar em dividir o que tem nesse saco. Eu não jantei direito, lembra? Mais tarde disse Ty. Ele virou o rosto dela para o dele e encontrou seus lábios na escuridão.

267 267 Alguém bateu na porta do quarto de Julia. Quando abriu, Madison estava lá, segurando o celular. Precisamos conversar disse Madison, seus olhos, rodeados por olheiras, estavam imóveis e sérios. Seu cabelo sujo estava dividido de lado, e sua camiseta marrom estava amassada e encolhida pela lavagem. Ela mancou para dentro do quarto sem ser convidada e sentou-se na beira de uma cadeira bamba de madeira pintada de laranja. Julia tinha encontrado a cadeira numa loja de velharias no fim de semana, e, para espantar o tédio, pintara de uma cor chamada Valência. Ei ela começou, mas Madison ergueu a mão, a palma para fora, impedindo que Julia fingisse estar nervosa com a invasão. Julia sentou-se na cama, que tinha acabado de arrumar com a colcha baratinha de algodão, estampada com listras rosa, laranja e turquesa berrantes, comprada numa loja de departamento, na volta da loja de tinta. E aí, Madison? perguntou Julia, alisando um vinco invisível da colcha. O que você disse pra ele? perguntou Madison. Quem?

268 268 Ele! exclamou Madison, enfiando o telefone na cara da Julia. Olha, eu sei que você se acha a esperta, fuçando no meu telefone, checando minhas mensagens. Mas você não tem ideia de com quem tá mexendo. Então, para de fingir e me diz exatamente o que ele falou. E o que você falou pra ele ela cruzou as pernas e acrescentou: Por favor. Julia respirou fundo. Maryn é o seu nome verdadeiro? Não é da sua conta. Julia inclinou-se para frente. Ah, mas é da minha conta, sim. Você tá vivendo sob o mesmo teto que eu. Tenho direito de saber quem você é e o que está fazendo aqui. Ok, beleza. Você me pegou. Eu menti. Agora me conta o que você falou pra ele. Para o Don? Não disse nada. Quem é ele, afinal? O semblante de Madison estava rígido. Ele te contou o nome dele? Julia pensou a respeito. Não. Ele chamou pela Maryn, eu disse que você não estava lá. Ele perguntou quem eu era, depois desligou. Tem certeza de que só conversaram isso? Julia, isso é muito sério. O que você respondeu quando ele perguntou quem você era? Ela deu de ombros. Eu disse que era a Julia Capelli. Quem é você, caramba? Quando o telefone tocou, o identificador de chamadas disse número desconhecido. Depois que ele desligou, ouvi umas mensagens do tal de Don. Era a mesma voz.

269 269 Madison cruzou e descruzou as pernas. Ela comia a cutícula destruída. Julia percebeu que ela estava sem o enorme anel de noivado. Você falou seu nome pra ele? Por que não? perguntou Julia. Madison, por que você não me conta o que está acontecendo e para com o interrogatório? Quem é esse tal de Don? Por que você tá fugindo dele? O que aconteceu que te deixou com tanto medo? Madison balançou a cabeça violentamente. Você não entenderia. Enfim, não é problema seu. Como não, caramba? Eu falei meu nome pra ele! Madison olhou para o telefone. O nome dele é Don Shackleford. Ele é meu marido. Descobri que ele tá metido nuns rolos sérios. Então, saí de casa. Fim. Nada disso discordou Julia. Você não só saiu de casa. Você fugiu. E está viajando com um nome falso. Acho que você nos deve uma explicação. A única coisa que devo a vocês é o aluguel praquela porcaria de quarto disse Madison. E isso eu já paguei. E se você não fosse tão enxerida, fuçando no meu celular e se intrometendo na minha privacidade, nada disso seria um problema. Em que tipo de rolo ele tá metido? perguntou Julia, olhos brilhantes de excitação. Drogas? Armas? Você vê muita televisão zombou Madison. Nada tão emocionante. Ele é... desonesto, só isso. Eu devia saber. Eu sabia, na verdade levantou-se abruptamente. Olha, meu aluguel tá pago. Eu vou embora assim que decidir o que fazer. Provavelmente no fim de semana. Enquanto isso, pode guardar segredo? Quanto menos pessoas souberem meu nome real, melhor. O Don não tem motivo pra pensar que eu viria pra cá. Nem eu sabia que viria até ver a placa na rodovia.

270 270 Julia seguiu-a até a porta. Eu já contei para as meninas que seu nome não é Madison. Madison virou os olhos. Novidade. Você não precisa ir, sabia? disse Julia. Talvez a gente possa ajudar, sabe? Te ajudar a sair desse rolo em que você se meteu. Não! negou Madison rapidamente. Não quero ajuda nenhuma. Vou cair fora até o fim de semana. Só faça o que eu peço: não abra a boca e fique longe das minhas coisas. Saiu do quarto tão rápido quanto entrou, deixando Julia com mais perguntas do que respostas.

271 271 Maryn bateu a porta do quarto e a trancou. Não tinha como não fazer: precisava sair da Ebbtide e de Nags Head. E se a Julia estivesse mentindo sobre a conversa com Don? Só Deus sabe o que ela pode ter dito para ele. Sua boca secou só de pensar. Mas não, disse a si mesma. Julia pode ser um pouco enxerida, mas tem boas intenções. E, além disso, ela não tinha por que mentir ao ser confrontada. Não que isso importasse agora. Não importava quão inócuos os comentários de Julia para Don tinham sido, ela não podia correr o risco de ficar. Pegou sua mala de viagem debaixo da cama, equilibrou-a sobre a cadeira de madeira perto da porta e começou a arrumá-la. Ficou surpresa e irritada com quão triste ir embora de lá a deixava. Esta porcaria de quarto, nesta enorme casa velha caindo aos pedaços, tinha se tornado seu refúgio. Um lar, algo que a casa brega de novo-rico, onde Don a instalara, nunca seria. E essas mulheres Ellis, Dorie e até Julia não eram amigas, de verdade, mas eram decentes e generosas, que poderiam ter se tornado amigas, se ela tivesse abaixado a guarda. Mas não podia. E agora era tarde demais. Ela não tinha ideia para onde iria, mas iria. Talvez para o oeste? O México era um destino óbvio demais e, também, ela não falava uma palavra em espanhol. E todo aquele dinheiro? Os maços a assustavam. Ela não era nenhuma Pollyanna, mas tinha certeza de que Don não o ganhara legalmente. Até agora, exceto pelo aluguel, ela

272 272 tinha resistido a gastar. Ela precisaria de dinheiro para ir o mais longe possível. O anel. O anel de noivado. Ela desenterrou a caixa de veludo preta da gaveta da cômoda e abriu-a. O enorme diamante parecia piscar, malicioso. Don era uma fraude. O casamento era uma fraude. Ela esperava que ao menos o diamante fosse verdadeiro, porque ele seria seu tíquete de desembarque. Maryn escrevia uma lista mental de tudo de que precisaria antes de ir gasolina, um mapa decente, um joalheiro que comprasse o anel, ou pelo menos, o avaliasse quando percebeu que o celular, jogado na cama, vibrava. Por um instante, ficou paralisada. Mas então o pegou e viu o que a tela dizia poderia ter gritado de alívio. Adam! exclamou, engolindo as lágrimas. Onde você está? Você tá bem? Tô bem ele respondeu. Na Filadélfia. Onde é que você está, caramba? Tô doente de preocupação. O Don ele te machucou? Não. Por quê? Ele me flagrou saindo do escritório dele. Ai, Deus, você tinha razão. Eu peguei a chave dele e fui até lá, achei uns arquivos da Prescott. Ele está roubando adoidado as palavras saíam de Maryn como que puxadas por uma correnteza. O Don ficou enraivecido. Ele... me machucou. Não pude evitar, contei tudo o que você me contou, sobre os auditores e tudo mais. Claro, ele negou tudo. Até queria que eu fosse jantar com ele e o Robby Prescott na mesma noite. Como se nada tivesse acontecido. Mas ele me disse que, se eu não fizesse exatamente como ele mandasse, me mataria, e esconderia meu corpo onde ninguém pudesse encontrar. Então você fugiu? questionou Adam. Por que não me ligou?

273 273 Eu tentei te ligar disse Maryn, em tom de acusação. Deixei mensagens, não recebeu nenhuma? Estava histérica de preocupação, com medo de que ele tivesse ido atrás de você. Onde você estava? Ah, Maryn disse Adam. Desculpa. Eu estava de férias. Não se lembra? Eu disse que iria acampar com meu irmão e uns amigos. Acabei de chegar e vi todas as chamadas perdidas. Ela não se lembrava daquilo: o Adam, acampando? Mas não importava agora. Escuta ela disse, o Don ligou me procurando? Sim ele respondeu, a voz repleta de desgosto. Ele deve achar que eu tô te escondendo ou algo do tipo. Babaca. Ele é mais do que um babaca disse Maryn. Ele é lunático. Um lunático perigoso. E o pior: eu sou casada com ele. Então o que você vai fazer? perguntou Adam. Arranjar um advogado e se divorciar do panaca? Uma hora, sim respondeu Maryn. Mas, por enquanto, preciso me afastar dele o máximo possível. Você não está sendo dramática demais? indagou Adam? Você não viu como ele me olhava quando me ameaçou redarguiu Maryn. Eu vi. Ok atalhou Adam. Eu te entendo. O que posso fazer para ajudar? Enfim, pra onde você vai? Você não me contou. Maryn hesitou. Mas Adam era seu melhor amigo. Ele tinha tentado avisá-la sobre Don, mas ela fechou os ouvidos para ele. E olha só o que aconteceu. Estou em Outer Banks ela respondeu. Nags Head. Na Carolina do Norte? perguntou Adam. O que te levou para ai?

274 274 Nada específico ela respondeu. Depois que fugi, dirigi a noite toda e estava exausta, aí vi um outdoor, e segui em frente, parando aqui. Aqui onde? Adam queria saber. Tá num hotel ou algo do tipo? Olhou em volta do quarto, minúsculo e sem graça, e riu humildemente. Longe disso. Estou alugando um quarto numa casa antiga, de frente pra praia. Com outras três mulheres. É uma longa história. Não importa, já que vou sair assim que puder. Por quê? Não é seguro explicou Maryn. Uma das mulheres atendeu meu celular quando Don ligou. Ela jura que não disse nada, mas não posso arriscar. Por que ele te assusta tanto? perguntou Adam. Não digo que não deve ter medo, mas você está soando... tão... descontrolada. Por que você não volta, arranja um bom advogado e arranca até o último centavo dele? Você não entende respondeu Maryn, sua voz ficando aguda. O Don é um criminoso. E não, eu não estou exagerando. Adam, quando eu saí da casa, estava horrorizada. Joguei umas roupas na mala, o laptop e zarpei. Quando cheguei, fui usar meu computador e foi quando descobri: eu tinha pegado o do Don em vez do meu. Encontrou algum documento secreto, algo incriminador? perguntou Adam. Na verdade, não respondeu Maryn. O Don é muito astuto para isso. Não achei nada no computador, foi o que achei na pasta do computador que me assustou. Tipo o quê? Tipo cem mil dólares respondeu Maryn. Montinhos arrumadinhos de notas de cem. Puta merda Adam falou em voz baixa.

275 275 Agora você entende por que eu não posso voltar lá? perguntou Maryn. Esse dinheiro é sujo. Com certeza. E Don sabe que eu estou com ele. E com o computador. Então... devolve o dinheiro sugeriu Adam. Diga que não quer nem ele nem o dinheiro. Quando você fala parece tão fácil, tão racional disse Maryn. Mas o Don não é racional. E não acho que ele vai deixar barato. Não sei pra onde vou agora, mas sei que não vou voltar lá ou ir para qualquer lugar que o Don possa descobrir. Pra onde você vai? O que vai fazer? perguntou Adam. Não sei repetiu Maryn. Não pensei. Pra algum lugar. Arrumar um emprego. Me sustentar. Eu fazia isso antes de conhecer Don Shackleford, e vou fazer de novo. Adam riu. Você tá me falando que vai voltar a dirigir carro popular usado e comprar roupa na promoção da loja de departamento? Voltar a morar em uma quitinete vagabunda igual àquele barraco onde você morava? Tudo pra provar que você não precisa de um homem pra te sustentar? Os olhos de Maryn pousaram nas sandálias Louboutin, que encontrara ao lado da porta quando levantou no meio da noite para ir ao banheiro. Tinham custado oitocentos dólares, e ela comprara sem nem parar para pensar depois que Don lhe dera um cartão de crédito sem limite. Desejara ter deixado de presente para Ellis. E eu com certeza não preciso de alguém como o Don! gritou Maryn. Não entendo por que fala assim comigo, Adam. Você sempre me acusou de namorar Don por causa do dinheiro. Achei que fosse meu amigo. Eu sou seu amigo assegurou Adam. Mas só quero que pare pra pensar certinho antes de fazer algo drástico. Pra que passar o resto da vida fugindo se não precisa fazer isso?

276 276 Não vejo outra saída disse Maryn, esfregando os olhos. De repente, sentiu-se exausta, física e mentalmente. E agora, caramba, estava chorando. E ela nunca, jamais, fora uma chorona. Olha continuou Adam. Ainda tenho uns dias de férias. Só preciso voltar ao trabalho na segunda. Por que eu não vou aí? Tomamos uns drinques, caminhamos na praia e conversamos. A gente pode resolver juntos. Ok? O que acha? Eu não sei disse Maryn, sentindo sua decisão arrefecer. E se o Don percebe que eu tô aqui. Ele falou com a Julia. Ela jura que não disse nada, mas agora ela sabe meu nome real. Não me sinto mais segura. Você tá dando muita moral para o Don afirmou Adam. Ele não é tão esperto, Maryn. Você disse que não está em hotel, então não tem registro em lugar nenhum, certo? Como ele vai te achar? Ele é esperto, sim replicou Maryn. Você não o conhece como eu. Dane-se disse Adam. Você faz isso por mim? Aguenta um dia. Eu vou para ai amanhã. A gente fica junto, conversa. E se depois ainda achar que precisa partir, beleza. Eu te ajudo a decidir isso. Eu te conheço, Maryn. Você pinta essa imagem de durona, mas, em algum momento, tem que deixar de ser tão solitária. Tem que confiar em alguém. Certo? Acho que sim concordou Maryn, cedendo. Talvez Adam tivesse razão. Talvez fosse hora de se apoiar em alguém. Pelo menos por um tempo. Ok continuou, fungando. Vou te esperar aqui. Você vem amanhã? Logo cedo ele assegurou. Mas você tem que me passar o endereço. Sabe, eu nem sei o endereço disse Maryn. Só o nome da rua. South Virginia Dare. Ah, sim, e o nome da casa. Todas as casas de praia aqui têm nome. É Ebbtide.

277 277 Ebbtide repetiu Adam. Vou sair logo cedo e ligo do caminho, quando estiver perto. Descanse, ok? Vou tentar prometeu Maryn. Te vejo amanhã.

278 278 Quando voltou da corrida matinal, logo depois das nove, Julia entrou, sem fôlego e ensopada de suor, na cozinha, onde encontrou Ellis e Dorie prontas para a praia, enchendo o isopor de gelo e bebidas. Julia serviu-se de uma garrafa de água, bebendo tão rápido que molhou todo o seu top. Jogou-se na cadeira e rolou a garrafa pela testa e pelo pescoço. Maiô bonitinho disse, olhando para o biquíni coral de Ellis. É novo? Mais ou menos respondeu Ellis, enquanto espalhava protetor solar no peito e nos braços. Comprei no verão passado, mas nunca tinha usado, não sei se fica bom. Você quer dizer que tinha vergonha de usar em público disse Julia, na cara dura. Ellis, fica perfeito pra você. A parte de cima não é muito cavada, mas mostra sua barriguinha lisa e o bumbunzinho fofo. Agora, me promete que vai jogar fora aquele maiô preto. Poxa, minha nonna usava um igual. Não é um maiô de velha! protestou Ellis. É, Dorie? Dorie franziu o nariz e pegou o tubo de protetor solar, espalhando a loção para cima e para baixo nas pernas. Sério? Ellis suspirou. Dorie, achei que você estivesse do meu lado.

279 279 Não tô do lado de ninguém disse Dorie. Sou neutra. Tipo a Suíça. Vou dizer, porém, que prefiro bem mais esse maiô do que o outro. É concordou Julia. Aquele preto parece do concurso de Miss União Soviética de mil novecentos e sessenta e oito. Beleza disse Ellis, vestindo uma saída de praia sobre o biquíni rosado. Vai, se juntem contra mim. Sou grandinha, eu aguento. Ela pegou a toalha, a bolsa e o isopor e seguiu para a porta. Você vem pra praia com a gente, Julia? Depois de uma ducha disse Julia. Vocês viram a Madison hoje cedo? Não respondeu Dorie. Estou acordada desde as sete. Fui no mercado às oito, comprar cereal e suco, mas a bicicleta dela já não estava lá. O carro ainda tá na garagem disse Julia. Então, beleza ela foi até a frente da casa e espiou pela janela da sala, voltando rapidamente para a cozinha. Olha só ela disse, abaixando a voz. Vou no quarto da Madison dar uma checada. Uma de vocês tem que ficar na frente, de guarda. Quem a vir chegando me avisa, ok? Julia, não disse Dorie, firme. Você não tem o direito... A Madison admitiu ontem à noite pra mim que está mentindo pra gente disse Julia. O nome dela é Maryn. O cara que ligou no celular dela? O Don? Marido. Ela morre de medo dele, meninas. Ela me disse que descobriu algo ruim e fugiu. Foi assim que veio parar aqui. Quê? perguntou Ellis. Ela de repente se abriu e confessou? Quando aconteceu isso?

280 280 Ontem à noite, enquanto você estava aos amassos com o cara da garagem disse Julia, metida. E não pense que a gente não quer relatório completo de ontem à noite, Ellis Sullivan. Queremos saber por que voltou tão cedo. E por que saiu de novo e só voltou depois da meia-noite. Quem é você? Sherlock Holmes? reclamou Ellis, mesmo assim, enrubescendo. Foi um encontro, só isso. Nada pra contar. Hum disse Julia. A gente fala disso depois. Então, sim, Madison, ou melhor, Maryn, se abriu comigo. Veio no meu quarto logo depois que você saiu, pronta pra me aporrinhar, pois percebeu que eu tinha fuçado no celular dela. Ela tinha direito de ficar brava argumentou Dorie. Somos suas melhores amigas, então a gente espera um certo grau de curiosidade, mas é diferente pra ela. Ela estava brava admitiu Julia. Mas queria mesmo era saber o que eu tinha dito para o marido dela, o Don, quando ele ligou. Ela fez o maior interrogatório, então eu interroguei de volta, ou tentei. Ela não disse muita coisa. Então, agora, vou fazer justiça com as próprias mãos. Fiquem de olho na porta da frente, ok? Julia pegou o celular e colocou na cintura dos shorts. Se virem a Madison chegando, me liguem, ou tentem distraí-la enquanto eu saio de lá. De jeito nenhum disse Dorie. Você não pode ir fuçar nas coisas dela. Você não tem esse direito. Desencana, Dorie disse Ellis. A Julia não vai conseguir entrar mesmo. A Madison tranca a porta toda a vez que sai. Julia riu, conspiratória. Verdade. Mas eu não preciso da chave. A Madison dorme de janela aberta. Eu reparei quando estava na praia, outro dia. Tem uma porta de acesso pela plataforma do sótão. Eu vou pela porta, escalo a

281 281 plataforma e engatinho pela janela. É um quarto minúsculo, eu fuço em tudo em minutos. Dorie cruzou os braços. Eu não posso te impedir, mas não vou te ajudar, pode ter certeza. Se a Madison está com problemas, temos que ajudar e não se virar contra ela. Eu ofereci ajuda disse Julia. Ela disse pra eu tomar conta da minha vida. Disse que vai vazar no fim de semana, ou antes. Então é agora ou nunca. Julia virou-se para Ellis. E você? Tá dentro ou tá fora? Ellis suspirou. Que inferno. Eu não gosto da ideia, mas não gosto de ela ter mentido pra gente também. Como sabemos que ela não fugiu por ter feito algo ilegal? Exatamente disse Julia triunfantemente. Ok. Segura as pontas, Ellinha. Vou entrar. Dorie fungou. Vocês duas são loucas de pedra. E quando a Madison chegar, e se tocar que você mexeu nas coisas dela, não vou ajudar ninguém a se livrar dessa. Mas Julia não se deu ao trabalho de responder. Subiu os dois lances de escada correndo. Quando chegou ao segundo andar, girou a maçaneta do quarto só para ter certeza. Como Ellis previra: trancado. Julia foi até o fim do corredor e empurrou a porta do sótão. Mas o calor e a umidade tinham inchado a madeira. Fez mais força, depois encaixou a perna no beiral da porta e empurrou com toda sua força. A porta abriu com tudo, e Julia caiu de bunda no chão de madeira cheio de farpas.

282 282 Droga murmurou, levantando-se. Ela engasgou quando uma parede de calor a cobriu conforme entrava no sótão de teto baixo. Ela encostou a porta, mas não fechou, para garantir uma fuga rápida. Uma única janela no alto do teto iluminava o cômodo. Julia foi na ponta dos pés entre as pilhas de caixas de papelão e móveis cobertos de pó, espirrando, conforme se direcionava para a plataforma externa. Devia estar mais de quarenta graus lá dentro, ela pensou, e o suor escorria por seu rosto, suas costas e seus braços. A porta de acesso tinha uma tranca antiga e também um ferrolho. As mãos de Julia, molhadas de suor, não conseguiram destravar o mecanismo. Frustrada, arrancou a blusa e a usou como apoio. Deu uns passos para trás e chutou a porta com toda força. A madeira velha rachou e a porta abriu com tudo. Respirando fundo, Julia subiu na plataforma, apenas de shorts e sutiã, com a blusa pendurada na cintura. A temperatura lá fora era de trinta graus, mas muito refrescante em contraste ao forno do sótão. E a vista era espetacular. A praia estendia-se abaixo, e Julia acreditou enxergar até Currituck, ao sul, e Corolla, ao norte. Mas não havia tempo para turismo. Ela tinha uma missão a cumprir. A plataforma era mais estreita do que parecia, apenas pouco mais de um metro de largura, com um corrimão de madeira que não alcançava seus quadris. Estava podre em alguns pontos, assim como o chão. Ela olhou para baixo e engoliu em seco. Se caísse, seria uma queda de mais de cem metros. Mas ela não cairia. Foi beirando a plataforma até chegar à janela de Madison. Estava semiaberta. Julia agarrou o peitoril e o empurrou para cima. Emperrado. Ela cerrou os dentes e empurrou com mais força, e, devagar, a janela teimosa foi subindo. Quando tinha subido o suficiente, foi se enfiando no quarto, os pés primeiro. Aaaaaai ela gemeu ao cair no chão. Assombrou-se, de cara, com a limpeza metódica do quarto. Em contraste com o quarto de Julia, cama por fazer, revistas jogadas,

283 283 latinhas vazias e roupas para todo o lado, o quarto de Madison parecia a cela de uma freira. Ou um alojamento do exército. Os velhos lençóis de algodão estavam lisos sobre a estreita cama de ferro, os dois travesseiros, empilhados um sobre o outro, e a colcha de chinele, dobrada em um retângulo perfeito. O criado-mudo suportava um abajur e um romance com as folhas amassadas. A superfície da cômoda estava nua, exceto por um nécessaire preto. Mas uma cadeira de madeira segurava uma sacola, cheia de roupas cuidadosamente dobradas. Madison não mentira sobre isso. Ela realmente pretendia ir embora. E logo. Julia abriu o armário. Um par de vestidos baratos de algodão e algumas blusas ainda estavam pendurados. Alinhados no chão, um par de espadrilhas de lona preta, chinelos rosa e os Louboutin. Na prateleira, um estojo de couro preto. Julia pegou-o. Abriu o zíper da pasta e retirou o computador. Julia encarou o laptop. Nos filmes, a heroína sempre conseguia ligar o computador, descobrir a senha e instantaneamente achar as informações. Mas o conhecimento de Julia sobre computadores era praticamente limitado a ler s e jogar freecell quando estava entediada. Não tinha tempo nem expertise para desvendar os segredos de Madison. Relutantemente, guardou o computador de volta na pasta, e este de volta à prateleira. Ela tentou empurrar ao fundo, mas algo impedia. Ela pegou a cadeira de madeira e arrastou-a até o armário, subindo nela. Ela alcançou o que estava no fundo da prateleira. Seus dedos dobraram-se em volta de uma pilha de papel. Quando viu o que tinha agarrado, Julia quase caiu da cadeira. Era uma pilha de dinheiro. Notas de cem, amarradas por um elástico. Ela colocou o laptop no chão e, com as duas mãos, foi retirando punhados de montinhos semelhantes. Milhares de dólares. Uau soltou Julia. Caramba, em que você está metida, Madison? seus dedos coçaram para que levasse todo o dinheiro para

284 284 baixo, contasse e examinasse tudo, mas não tinha tempo para isso. Apressadamente, enfiou o dinheiro no fundo, e o laptop na frente. Fechou o armário e correu para a cômoda. As gavetas estavam quase vazias, as roupas cuidadosamente dobradas e empilhadas. Conforme Julia fuçava nas roupas, ela refletiu que, para uma pessoa com tanto dinheiro escondido no armário, as roupas da Madison eram incrivelmente baratas, a maioria parecia ter sido comprada em lojas de departamento ou brechós. Então como isso fazia sentido com a bolsa grifada, as sandálias Louboutin e o diamante gigante? Levemente desapontada pelo armário não conter mais dinheiro, Julia pesquisou a única gaveta do criado-mudo para mais pistas sobre o enigma Madison, mas tudo que achou foi uma embalagem de aspirina. Julia olhou em volta. Não havia mais o que procurar. Ela se deitou de bruços nos chão e olhou embaixo da cama, torcendo por mais uma mala cheia de dinheiro. Mas só achou uma única meia branca. Ficou de joelhos e, como última tentativa, fez o que sempre faziam nos filmes. Levantou o fino colchão e deslizou a mão pelo espaço entre o estrado e o colchão. Ela puxou o objeto e o encarou. Uma arma! Julia entendia um pouco de armas. O pai e o irmão eram caçadores, iam atrás de cervos nos bosques de pinho da Geórgia e de codornas na fazenda de um amigo na Carolina do Sul. Esta arma era um revólver, um Smith & Wesson. Suas mãos tremiam enquanto mexia no cano. Briiing! Briinng! Assustada, deixou o revólver cair na cama. O celular vibrava em sua cintura. Ela se atrapalhou na hora de tirá-lo da capa protetora. A tela dizia que era Ellis ligando. Julia abriu-o.

285 285 Ela tá chegando! cochichou Ellis. Acabou de descer da bicicleta. Fiz a Dorie ir lá enrolar, mas você sabe que a Madison não é muito tagarela. Sai daí agora, caramba! Merda! exclamou Julia. Faz alguma coisa. Qualquer coisa. Mantenha ela aí embaixo. Ellis, a Madison tem uma arma embaixo do colchão. E um carregamento de dinheiro no fundo do armário. Ai, meu Deus! Ellis falou baixo. Ai, que merda. Merda. Merda. Merda. Ela tá entrando na casa. Acho que vou ter um infarto. Ou molhar as calças. Não se atreva! Julia fechou o telefone. Foi guardar o revólver embaixo do colchão, mas depois, pensando bem, o enfiou na cintura dos shorts. Arrumou o lençol, depois atravessou o quarto, se ergueu para fora da janela e colocou o vidro da janela em sua posição original. Dessa vez, não se demorou olhando a vista ou pensando na possibilidade de queda para a morte. Enfiou-se pela porta do sótão, fechou-a e um instante depois descia as escadas, de dois em dois degraus, até seu quarto no primeiro andar.

286 286 Dorie fora a salvação do dia. Era uma quarta-feira, dia de levar o lixo para fora. Embora, teoricamente, tivessem descartado a lousa de Ellis, era a vez de Dorie. Estava arrastando a lixeira repleta na calçada, murmurando para si mesma que certas pessoas não se davam ao trabalho de separar os recicláveis, quando Madison chegou pedalando rua abaixo na direção da casa. E então, apesar de todos seus protestos contrários, ela começou a atuar como conspiradora não indiciada. Madison chamou Dorie, com a boca seca de medo. Ei! Acordou cedo hoje. Como foi o passeio de bicicleta? Madison direcionou para onde Dorie estava e freou. Foi bom disse rapidamente. Gosto de sair antes que os turistas acordem e comecem a encher as ruas. E o tornozelo? perguntou Dorie, olhando para a perna de Madison, cuidadosamente enfaixada. Tudo bem respondeu Madison, limpando uma gota de suor da sobrancelha. Graças a você, e seu gelo e seu anti-inflamatório. Ela direcionou a bicicleta para ir embora. Dorie engoliu em seco, tentando pensar em algo para falar, uma maneira de enrolar Madison e impedir que subisse até onde Julia estava, naquele momento, fuçando em seus pertences.

287 287 Você gosta dessa bicicleta? perguntou Dorie. Pergunta idiota. Pergunta realmente idiota, mas foi a única coisa que conseguiu bolar. Era culpa da gravidez? Será que o bebê crescendo lá dentro poderia mesmo estar sugando toda a sua inteligência? Ela lembrou-se das professoras na escola brincando sobre todas as coisas bobas que tinham feito durante a gravidez. Cabeça de mãe, elas diziam, e Dorie sempre achara que estavam exagerando, mas agora ela entendia. Estava burra, e grávida, e, sim, grávida de um marido gay, o que a tornava muito estúpida para a vida. A bicicleta é bacana respondeu Madison. É barata, mas anda muito bem. Tô pensando em comprar uma pra mim continuou Dorie com as bobagens. Dizem que é um bom exercício. Mas, meu Deus, acho que não ando de bicicleta desde a faculdade. Aposto que nem me lembro mais. Claro que lembra assegurou Madison. Por isso o velho ditado. Que velho ditado? perguntou Dorie. Ela estava sem munição, mesmo. Era melhor esse bebê se tornar a porcaria de um cientista da Nasa, disse a si mesma, porque já tinha sugado todas as suas células cerebrais. Madison estava inquieta. As pessoas dizem que é como andar de bicicleta quando nunca é possível se esquecer de como fazê-lo ela aproximou-se e olhou nos olhos de Dorie com certa preocupação. Dorie, tá tudo bem? Você parece meio, hum, avoada. As professoras da escola dizem que tem algo a ver com os altos níveis hormonais explicou Dorie. A Sharon, que ensina Língua Inglesa para o primeiro ano, ficou grávida faz pouco tempo, e não uma, nem duas, mas três vezes, ela me pediu carona pra casa, e depois se lembrou de que tinha vindo de carro. Eu tinha que dar meia-volta e ir pra escola pra ela pegar seu próprio carro. Nossa, que loucura comentou Madison. Bom, enfim, é um problema temporário, né?

288 288 Eu espero que sim disse Dorie com veemência. Madison começou a levar a bicicleta pela entrada de conchas. Dorie correu atrás. Então, a gente tá se arrumando pra ir até a praia. Dizem que hoje vai ser um dia lindo. Não muito úmido. Enfim, não tão úmido quanto em Savannah, que fica, tipo, cem por cento de umidade. Você podia vir com a gente. Talvez mais tarde disse Madison. Ela parou e virou-se para Dorie. Olha, eu sei que a Julia contou sobre mim. Desculpa ter mentido. Eu tenho meus motivos. Enfim, não que isso importe, pois vou embora amanhã, mas eu queria te dizer... bem... obrigada. Por me deixar ficar aqui. E tudo mais. Impulsivamente, Dorie abraçou Madison. Eu que agradeço disse Dorie. Naquela manhã, no restaurante, quando a gente se conheceu, eu estava muito desesperada. Minha irmã tinha desistido de vir, e eu estava tão deprimida e preocupada com dinheiro. Você deve ter pensado que eu era louca, uma desconhecida tentando te alugar um quarto. Você foi legal disse Madison, tímida. E tenho certeza de que a Ellis e a Julia, principalmente a Julia, te deram o maior sermão por alugar pra mim sem falar com elas antes. Depois do choque inicial, ficou tudo bem insistiu Dorie. Quem conhece bem sabe que elas não são de todo mal. Acho que elas gostariam de você tanto quanto eu, se você deixasse, Madison. Ou quer que eu te chame de Maryn? Tanto faz agora, mas eu acabei gostando de ser a Madison. Por que escolheu esse nome? perguntou Dorie, ainda tentando desesperadamente enrolar. Lembra aquele filme Splash? Que a Daryl Hannah faz a sereia que salva o Tom Hanks do afogamento e se apaixona por ele? E ela diz que se chama Madison, pois viu a placa da avenida Madison? Era meu filme favorito quando eu era criança explicou Maryn. Todas as minhas bonecas se chamavam Madison. Até minha gatinha se

289 289 chamava Madison ela sorriu amargamente. Acho que eu não era uma criança muito criativa. Eu dei o nome de Gatinha pra minha gatinha revelou Dorie. O que isso diz sobre mim? Espero que se saia melhor com o nenê brincou Maryn. Ambas riram. Mas agora Maryn voltava para a casa, rapidamente, e Julia ai, ai, ela esperava que Julia tivesse desistido. Difícil, conhecendo a Julia. Não queria que você fosse disse Dorie, com mais honestidade do que a outra podia imaginar. Queria que ficasse e deixasse a gente te ajudar com o seu problema. Não dá gritou Maryn sobre o ombro. Sai daí Julia, pensou Dorie. Sai daí, caramba! Agora! Ela virou-se e voltou para a calçada, pegou a lata de lixo rebelde, arrastando-a pelo caminho quando se tocou. Cabeça de mãe, o caramba gemeu, trotando com a lixeira ainda semicheia de volta para casa, pois precisava fazer xixi. De novo. Ellis fez um teatro elaborado na hora de se ajeitar na praia, arrumando a cadeira de um modo que, em sua opinião, mostraria seu melhor ângulo. Tirou a saída de praia translúcida e reclinou-se de frente para o mar. Não se permitiu olhar na direção da garagem. Seria muito óbvio. Em vez disso, se ocupou com o livro e o isopor. Dorie jogou-se na cadeira e aceitou a garrafa de água que Ellis oferecia. Tá tudo bem? perguntou. A Julia tá descendo? Num minuto disse Ellis. E quando ela voltar, vou dar um sermão sobre o direto à privacidade. Você tinha razão, Dorie. Ela não tinha direito de entrar no quarto da Madison. Eu juro por Deus, quando eu a vi chegando na bicicleta, eu quase tive um infarto do miocárdio. A última vez que passei tanto medo foi quando sua mãe

290 290 chegou mais cedo do trabalho e quase te pegou transando com Kevin Boylan na poltrona do seu pai. Dorie tomou um gole de água. Não era o Kevin Boylan. Era o Kieran, irmão mais velho dele. E a gente não estava tecnicamente transando. Só se agarrando, como diria o Kieran. É, bom, eu é que não ia explicar os procedimentos para a Phyllis disse Ellis. Já era ruim o bastante a gente ter matado aula, e eu ter tomado metade de uma garrafa de Jägermeister e vomitado no banco de trás do carro da Willa. E lá vinha a Phyllis, e eu tentando me fingir de sóbria e dizer que você estava com cólicas, então a Sra. Deal tinha dado permissão pra eu te trazer pra casa mais cedo. E enquanto isso rezando ao Menino Jesus para que o Kevin vestisse as calças e vazasse antes que Phyllis perguntasse onde você estava. Era o Kieran, não o Kevin, né? Ellis e Dorie olharam para cima conforme Julia desdobrava a canga e a esticava na areia ao lado delas. Acabei de explicar isso pra Ellis concordou Dorie. O Kevin Boylan tinha caspa crônica. Eu nunca deixaria o Kevin Boylan me agarrar. Eu tinha um certo limite, sabia? Ah, por favor zombou Julia, deitando-se na canga. Nem vem falar de limite. A gente estava lá, lembra? Você só deixou o Kieran te pegar porque ele tinha um carro bacana e você achou que ele ia convidar a gente pras festas da faculdade. E vocês toparam a festinha porque acharam que iam ficar com os amigos dele concluiu Dorie serenamente. E, se eu bem lembro, Julia Capelli, foi você quem roubou o Jägermeister da loja de bebida. O começo de uma vida de crimes comentou Ellis, sombria. Ela bateu em Julia com a toalha. E você, sua idiota, nunca mais apronte uma dessa. Nunca Ellis abanou-se. Meus nervos não aguentam.

291 291 Seus nervos zombou Julia. E os meus? Quando eu achei toda aquela grana escondida no armário da Madison? Sem contar a arma embaixo do colchão. Quê? Dorie sentou-se ereta em sua espreguiçadeira. Você tá mentindo ela virou-se para Ellis. A Phyllis tinha razão em uma coisa: a Julia Capelli era, e ainda é, uma má influência. Julia fez o sinal da cruz. Juro pela minha mãe mortinha. Estou falando a verdade. A Madison deve ter, sei lá, uns vinte mil dólares lá. Enfiado no fundo do armário. Mas isso não é o mais assustador ela mergulhou a mão na bolsa e retirou de lá uma arma preta horripilante. Isto disse, triunfante era o que ela guardava embaixo do colchão. Agora, conta aí sobre a sua pobre, azarada e inocente Madison Maryn. Ellis e Dorie observaram a arma com olhos arregalados, até Julia a colocar de volta na bolsa. É real? perguntou Dorie. Está carregada? questionou Ellis. Não mais respondeu Julia. Você roubou a arma dela? Dorie gemeu e balançou a cabeça. Foi por vocês, gente disse Julia. Vai saber o que ela tinha em mente ela levantou uma mão. Coca Zero, por favor. Toda essa investigação me deixou completamente desidratada. Ai, meu Deus disse Dorie, ainda olhando para a bolsa de Julia. A Madison deve estar numa tremenda enrascada. Meu, a gente precisa ajudar. Quando a Julia terminou a Coca, e depois que a fizeram recontar, não uma, mas duas vezes, a busca e apreensão dos conteúdos do quarto de Madison, as três mulheres concordaram que era hora de agir. Ela me disse hoje cedo que vai embora amanhã comentou Dorie. Então é perda de tempo expulsá-la. Enfim, eu também não quero fazer isso. Quero dar um jeito de ajudar.

292 292 Dorie disse Ellis, tentando soar mais calma do que se sentia, não se ajuda uma mulher com o armário cheio de dinheiro e uma arma carregada. Só se fica fora do caminho dela. Isso não vai rolar disse Julia, com voz baixa, enquanto apontava com o queixo na direção da escada das dunas. Madison, ou Maryn, vinha fumegando escada abaixo, com sangue nos olhos. Ela atirou os sapatos no pé da escada e seguiu em frente, até se aproximar do pequeno acampamento, segurando uma blusa molhada na mão direita. Oi, Madison tentou Dorie. Suas vacas! Madison cuspiu as palavras. Eu sabia que ficar nessa casa seria um erro. Sabia que nunca iam confiar em mim, e eu não podia confiar em nenhuma de vocês com as mãos no quadril, encarou Julia. Que cara de pau, invadir meu quarto ela disse. Você achou que eu não fosse perceber? A face de Julia empalideceu sob o bronzeado. Ela apoiou-se no cotovelo. Do que você tá falando? De mim? Por que eu iria no seu quarto? Eu não sei por que explodiu Madison. Talvez por você ser uma pessoa patética, sem vida própria, então precisava bisbilhotar a minha? Assim você me ofende disse Julia. Vai se foder! xingou Madison. Ela olhou para Dorie ainda mais sarcástica. E você. Com toda aquela bobagem falsa de compaixão, dizendo que queria que eu ficasse. Só pra me enrolar, pra eu não pegar aquela no ato. Não foi falsidade soltou Dorie. Sim, eu estava te enrolando, não queria que flagrasse a Julia. Mas eu falei a verdade. E continuo falando. A Julia nos contou sobre o dinheiro.

293 293 E daí? Vocês acham agora que eu roubei um banco? Que eu desfalquei alguém? Ou sou só uma acompanhante de luxo? Fico surpresa de não ter um carro de polícia na frente da casa. Vocês chamaram a polícia, não? É muito grana mesmo ressaltou Julia. Eu não tenho que me explicar pra vocês disse Madison, balançando a cabeça, descrente. Deixa eu te perguntar uma coisa Julia aumentou o tom. Como você descobriu que fui eu que entrei no seu quarto? Quero dizer, eu fui tão cuidadosa. Você montou algum tipo de armadilha, no caso de alguém ir bisbilhotar? Que bela espiã você zombou Madison. Ela levantou a roupa em sua mão, que se tratava de uma certa camiseta branca ainda molhada, e sacudiu na cara de Julia. Você esqueceu isso.

294 294 As três mulheres observaram enquanto Madison Maryn se esforçava em bater o pé na areia. Quando deixou a praia, as duas voltaram a atenção para Julia, que se deitara de volta na canga, as mãos sobre os olhos, bloqueando-os do sol e dos olhares inquisidores. Sua camiseta? perguntou Ellis, por fim, dando um peteleco na roupa suada. Sério, Julia? Você não percebeu que deixou sua blusa pra trás? Desculpa gritou Julia, a voz tão aguda que uma gaivota piou em resposta, e uma criança passando por perto saiu correndo, trombando com uma onda. Não me olhem assim! Jesus! Você viram como eu estava vestida. Tinha acabado de correr. E naquele sótão devia estar quase cinquenta graus. Eu não conseguia abrir a tranca, estava suando muito, e minhas mãos ficaram molhadas, então tirei o top. Pelo amor de Deus, eu estava de sutiã esportivo! Então usei a camiseta para abrir a tranca. Depois escalei a janela e fiquei fuçando nas coisas dela. Ela nem tem ar-condicionado lá. Por que eu estou dando satisfação? É ela que tem grana e arma escondidas. Essa ideia foi muito, muito ruim disse Ellis com a voz grave. Imperdoável. Eu não devia ter concordado. Eu sabia que era errado, mas ajudei mesmo assim. Me sinto péssima.

295 295 Eu também disse Dorie. E eu sou tão ruim quanto vocês. Eu podia ter impedido a Julia se tivesse tentado de verdade. Mas Julia não se mostrava tão arrependida. Ok. Talvez não tenha sido boa ideia invadir o quarto dela. Desculpa. Ok? Foi tudo ideia minha, vocês estão livres. Mas vamos voltar ao assunto que importa: o que fazer com a Madison, sua arma e sua pilha gigante de dinheiro? Dorie olhou desconfortável para Ellis. Acho que você devia conversar com ela. Eu? Ellis ficou indignada. Por que eu? Não fui eu quem a convidou pra morar aqui. E não sou eu que estou afugentando a menina porque fucei nas suas coisas pessoais. E quem então? perguntou Dorie. Ela odeia a Julia. E não confia mais em mim, isso tá claro. Você é a calma. A inteligente. Consegue conversar com ela. Com qualquer pessoa. Não foi você que persuadiu a Phyllis, anos trás, de que o gemido vindo do cafofo era eu com cólica e não o Kieran Boylan, chorando igual uma menininha porque tinha cortado o joelho ao pular pela janela? Só pergunta pra ela de onde veio o dinheiro sugeriu Julia. Mas não fala nada da arma, ok? Não quero deixá-la brava, caso ela tenha outra escondida no carro e tal. Não! exclamou Ellis, jogando a blusa suada em Julia. E ponto-final apesar dos protestos, Ellis sabia que não adiantaria argumentar ou enrolar. Apesar de todas já estarem na casa dos trinta, ela, Ellis Sullivan, seria quem resolveria as coisas para o resto da vida. Respirou fundo e bateu suavemente na porta de Madison.

296 296 Vai embora foi a resposta abafada. Madison chamou Ellis. Me deixa entrar. Quero conversar com você. Quero pedir desculpas... por todas. Beleza. Dane-se gritou Madison. Vou embora amanhã cedo, então esquece. Me deixa. Não posso disse Ellis, lamentando. Você conhece a Julia. Ela não vai nos deixar em paz até que eu fale com você. Cara a cara. A porta abriu-se abruptamente. Vai rápido mandou Madison, guiando-a para dentro. Mas isso é uma total perda de tempo. Ellis cruzou a soleira e olhou em volta do cômodo. As cortinas brancas de algodão fino mexiam-se apáticas ao sabor da brisa suave. Posso sentar? perguntou Ellis. A casa é sua disse Madison, amarga. Só estou de passagem. Sem direito algum. Sobre isso começou Ellis, tossindo e se empoleirando na beira da cama estreita, devemos desculpas. Todas nós. Exceto, talvez, a Dorie. Ela foi totalmente contra o que a Julia fez, mas a obrigamos a ficar de guarda, e, no fim, ela cedeu. Bom saber disse Madison. Ela esvaziava gavetas, dobrava as roupas e as guardava na mala. A gente realmente quer te ajudar disse Ellis. Se nos deixar. Madison rodopiou, olhos flamejantes. Por que eu deveria deixar qualquer uma de vocês aproximarem de mim? Por que eu deveria confiar em vocês? Não sei respondeu Ellis honestamente. Talvez deva confiar em nós porque confiamos em você. Alugamos um quarto pra você, baseadas apenas no que nos contou, e que, no final, era mentira. Sabemos que está metida em algo... complicado. E que está com medo do seu... ele é seu ex-marido?

297 297 Ainda não respondeu Madison, triste. O que ele fez? perguntou Ellis. Pra te fazer fugir desse jeito? Você não parece alguém que se assusta fácil. Se eu contar, me deixa em paz? indagou Madison. Não vão tentar se meter nos meus problemas? Eu vou tentar disse Ellis. Não posso falar pela Julia, ninguém pode. E ninguém consegue controlá-la. Meu marido... começou Madison. Ele é contador, lá em Jersey. Ele cuidava das contas de uma seguradora onde eu trabalhava. Foi lá que nos conhecemos. Ele me chamou pra almoçar, eu fui, e, logo, a gente foi morar junto. E? disse Ellis devagar. O Don era casado quando eu o conheci confessou Madison. Claro que eu não sabia, mas ele não se deu ao trabalho de contar que tinha esposa e dois adolescentes. Viviam separados, e depois ele se divorciou, mas estava casado quando começamos a namorar. Você teria namorado ele se soubesse disso? perguntou Ellis, com uma sobrancelha levantada. Claro que não! exclamou Madison. Mas eu devia ter percebido. Tem muita coisa sobre Don Shackleford que eu devia ter percebido antes de ir morar com ele. Você disse pra Julia que ele está envolvido em algo muito ruim instigou Ellis. O que você quis dizer com isso? Madison mordeu o lábio. Ele é ladrão e trapaceiro. Tem roubado dos seus clientes. Pelo menos dois milhões da seguradora, que eu saiba. Deve ter sido mais. Como você sabe? perguntou Ellis. Quero dizer, você não se envolveu com isso, né? Ah, por causa do dinheiro, certo? disse Madison, amarga. Chegou à conclusão de que sou uma ladra também?

298 298 Não sei o que pensar disse Ellis, nervosa. Você guarda segredo de tudo, caramba, o que eu devo pensar? Posso ser muitas coisas, mas não sou ladra retrucou Madison. Juro por Deus. O dinheiro é do Don. Ou de quem quer que seja de quem ele roubou. Então como sabe que seu marido está roubando? O Adam, um amigo do trabalho, me disse que uma equipe de auditores tinha ido ao escritório, verificar os arquivos. Estavam investigando o Don. Eu não quis acreditar nele. Ele sempre teve ciúmes do Don, tinha uma paixonite por mim. Então eu entrei escondida no escritório do Don e chequei, e o Adam tinha razão. Ele tem várias empresas fantasmas, pagas com as contas da seguradora. O que você fez? perguntou Ellis. Confrontou seu marido? Ele se deu ao trabalho de negar tudo? Madison riu sem alegria. Você não confronta Don Shackleford. É o contrário. Ele foi até o escritório e depois me seguiu de volta pra casa. Ele sabia que eu estava aprontando alguma coisa e... me obrigou a contar tudo que tinha descoberto. Ele te machucou? Sem deixar marcas. Ele me agarrou, me jogou contra a parede e calmamente me informou que, se eu contasse minhas suspeitas para alguém, ele me mataria e esconderia meu corpo em um lugar que ninguém pensaria em procurar. Ellis estudou o semblante de Madison. Você acha que ele é capaz de algo assim? Assassinato? Agora, sim respondeu Madison séria. Capaz disso e de coisa pior. Então, você fugiu?

299 299 Não sabia mais o que fazer explicou Madison. Fiquei aterrorizada. Eu já tinha começado a perceber umas coisas: sua frieza, sua desonestidade, mas eu realmente não tinha noção de que ele seria capaz de algo do tipo. Não até ver com meus próprios olhos. Assim que ele foi embora, eu sabia que precisava ir também. Você não podia ligar para alguém? Um parente? A voz de Maryn estava sem ânimo. Você não entende. Não tenho muitos familiares, só minha mãe e minha tia, mas não estamos muito próximas. Emocional e geograficamente falando. E uma amiga? Alguém do escritório? O Don me obrigou a pedir demissão assim que casamos. E, enfim, eu não era muito ligada às mulheres do escritório. O Adam era meu único amigo. Ele vem pra cá amanhã. Nele, posso confiar. Como confia em nós? Maryn deu de ombros. isso. Invadir meu quarto foi muita sacanagem. Amigas não fariam Você deixou bem claro que não precisava de amigas lembrou Ellis. Mas você tem razão, foi sacanagem mesmo. Quando a Julia parar pra pensar, vai concordar. Não importa mais disse Madison. Você ainda não me contou sobre o dinheiro lembrou Ellis. Você tem que admitir, é meio esquisito ter todo esse dinheiro escondido no armário. É uma longa história disse Madison. Pode ir, ok? Diga pras outras não se preocuparem comigo. Eu quero ouvir a história, se não se importa pediu Ellis.

300 300 Dane-se disse Madison. Ela parou de dobrar as roupas e encostou-se contra a parede oposta à cama onde Ellis estava sentada. Depois que ele me ameaçou, Don saiu começou Madison. Nunca que eu o desobedeceria. Ou iria embora. Mas assim que ele saiu, eu sabia que tinha que ir embora. Joguei umas roupas e coisas ali disse, apontando para a mala. Não tinha um plano. Quero dizer, eu tinha economizado um dinheiro ela riu de novo. Dinheiro para escapar dizia minha mãe, e como ela tinha razão. Era pouco mais de seis mil dólares. Peguei o dinheiro e, na saída, me lembrei do computador. O meu laptop. O Don tinha comprado computadores novos pra gente meses antes. Vieram com pastas idênticas. Então, peguei o meu e joguei no banco de trás do carro. E fui. E dirigiu até Nags Head concluiu Ellis. O que te trouxe aqui? O espectro de um sorriso passou pelos lábios de Madison. Eu quis me convencer de que era uma coincidência. Vim para o sul, vi um outdoor de Nags Head e segui nessa direção. Mas, em todos esses longos passeios de bicicleta que tenho feito, meditei bastante: Nags Head não foi acidente. Você já tinha vindo? Quando era criança, com meus pais. Foi a única viagem que fiz com eles. Ficamos numa pousadinha, nadamos na piscina, brincamos no bate-bate, tomamos sorvete: todas as coisas normais que famílias felizes fazem. Eu tinha guardado a mesada e com ela comprei uma caixinha de joias coberta por conchas com a inscrição NAGS HEAD na tampa; a primeira coisa que comprei com meu próprio dinheiro. Eu acho que tinha uma igual comentou Ellis. Exceto que na minha estava escrito ILHA TYBEE. Pensando bem, acho que ainda tenho. A minha já sumiu faz tempo disse Madison, inexpressiva. Meus pais se separaram quando eu tinha treze anos. A gente morava em Fayetteville, na Carolina do Norte. Assim que as aulas acabaram, minha mãe me enfiou no carro e nos mudamos para Nova Jersey, com

301 301 a minha tia Patsy. Simplesmente partimos, com nossas roupas em caixas de papelão da loja de bebidas. Deixamos todo o resto na casa. Oh, Senhor disse Ellis. E o seu pai? Casou de novo respondeu Madison. Com a melhor amiga da minha mãe. Ellis olhou para a mão direita, para a aliança de ouro coberta por minúsculos diamantes, presente do pai no aniversário dela de trinta anos. Era o último item da comprida lista de presentes que seu pai lhe dera ao longo dos anos. Você nunca mais o viu? Quem? Ah, meu pai? Poucas vezes. Eles se mudaram para Daytona. Sinto muito confortou Ellis. Assim é a vida disse Madison, com prática em não se importar. Ellis queria mudar de assunto. Seu anel. Você disse que era uma joia de família. Percebi que parou de usar. Meu anel de noivado. O Don comprou pra mim, pouco antes de a gente se casar. Acho que vou vender. Quer? Ellis observou as mãos, agora nuas, de Madison. Por que quer vender? Com todo esse dinheiro? Não vou ficar com esse dinheiro explicou Madison. Eu não sabia que ele existia até pegar o laptop e perceber que, sem querer, tinha trazido o do Don. E o dinheiro estava na pasta? Pode me falar quanto é? Madison deu de ombros. Quase cem mil dólares. Sério? os olhos de Ellis arregalaram-se.

302 302 Estou com o dinheiro do Don. E sei que ele já roubou outros milhões. Ele provavelmente acha que eu peguei por querer. Agora entende por que entrei em pânico quando descobri que a Julia tinha falado com ele? E se ele me encontra? Você acha que ele te machucaria? Pra recuperar o dinheiro? Meses atrás, teria dito que não. Agora, com certeza. Com o Don, não é questão de dinheiro. É controle. Propriedade. Ellis olhou para baixo, depois pela janela, pensando em seu próprio breve casamento, e seu término repentino e apático. Fora tão dolorido à época, mas, talvez, em comparação ao que Madison estava passando, os modos de Ben tinham sido melhores. Então... você e Don já estavam com problemas antes? perguntou Ellis. Sim respondeu Madison amargamente. Se por problemas você se referir a ele dormir com outra e eu ter me mudado para o quarto de hóspedes. Ah disse Ellis baixinho. Não sei por que fiquei tão surpresa comentou Madison, jogando a cabeça para o lado, como se não se importasse. Ele traiu a ex-mulher comigo, por que não me trairia com outra? Tem ideia de quem seja? Madison colocou a mão em uma gaveta aberta, retirou umas camisetas e as jogou na mala. Tenho uma boa ideia de quem é. Agora que começara a falar com Ellis, era com se houvesse aberto uma torneira e não fosse capaz de fechá-la. As palavras jorravam. Tara Powers! Trabalhamos juntas na seguradora. Não éramos amigas nem nada, mas ela sabia que Don era casado comigo. Ellis continuava pensando em todo aquele dinheiro.

303 303 Cem mil dólares. Você acha que era pra ele dar pra namorada? De jeito nenhum atalhou Madison. Não faz seu estilo. O Don mantém as mulheres na rédea curta. Então, o que ele ia fazer com toda essa grana? persistia Ellis. Não quero nem saber respondeu Madison. Depois de amanhã, fui. Só vou ficar pois o Adam implorou. Ele acha que pode me convencer do contrário. Adam? O amigo do trabalho? perguntou Ellis, ainda mais curiosa. Ele vem pra cá? Pra Nags Head? Ele já deve estar na metade do caminho disse Madison. Ele é meio nerd, mas é muito fofo. Vocês trabalharam juntos? Isso. Ele ainda tá lá. Tirou folga pra vir aqui. Você contou pra ele tudo o que aconteceu? perguntou Ellis, surpresa. Quase tudo respondeu Madison. Ele estava de férias quando eu fugi. Fiquei tentando mandar mensagem pra ele, mas ele só respondeu ontem à noite. Você não vai acreditar: ele acha que eu devo voltar pra Jersey e calmamente pedir o divórcio. Deixa eu te perguntar uma coisa pediu Ellis. Você diz que não vai voltar. E a seguradora, onde você trabalhava, que ele roubou? Você não se importa com eles? Me importo! exclamou Madison. Mas não tenho provas. Sabe os arquivos do escritório? Já sumiram, garanto. E o laptop dele? Tá com você, né? Talvez tenha arquivos incriminadores nele. Eu não tenho a senha.

304 304 E não está sabendo se os auditores descobriram algo sobre a fraude que a ligasse ao Don, ou se a companhia prestou queixa contra seu marido? Não respondeu Madison. Fui até a biblioteca de bicicleta, pensando que poderia acessar a internet lá, ver se saiu alguma notícia sobre isso admitiu Madison. Mas eles não deixam você usar os computadores se não tem um cartão da biblioteca. E eu que não ia pedir um e ter que dar informações pessoais. Hum disse Ellis, olhando pela janela. Ela conseguia ver a ponta do deque do apartamento de garagem de Ty. Ela podia acessar a internet pelo seu celular, mas ela tinha um motivo inconfesso: ver Ty. Eu sei de uma pessoa com internet disse Ellis. E acho que ele está disposto a deixar a gente usar o computador dele. Isso se você quiser nossa ajuda. Madison hesitou: Não, deixa pra lá. Você é quem sabe disse Ellis, balançando a cabeça. Tentei o possível, mas você não deixa ninguém se aproximar mesmo, hein? ela levantou-se da cama e foi para a porta. O que digo para as garotas? Que você vai embora amanhã, ou no dia seguinte, quando seu amigo chegar? A Dorie vai ficar triste. Ela realmente achou que podia te ajudar. Madison deixou-a chegar ao fim do corredor antes de chamá-la: Ellis? Ela virou-se e retornou, colocando a cabeça para dentro do quarto de Madison. Dane-se disse Madison. Eu tô curiosa mesmo pra conhecer a edícula da garagem. Eu também concordou Ellis.

305 305 Ellis voou escada abaixo, com Madison seguindo relutantemente atrás. Julia e Dorie sentavam-se à mesa na sala de jantar, fingindo jogar baralho. Vamos até o Ty, pesquisar umas coisas na internet começou Ellis. A gente sabe interrompeu Julia. Quê? perguntou Madison, paralisada, olhos estreitados. Você aproveitou pra grampear meu quarto enquanto o saqueava? Desculpa disse Dorie timidamente. A gente realmente não tinha intenção de ouvir. A gente estava no meu quarto, e acontece que o canal de ventilação do quarto da Madison passa bem por dentro do meu armário. Meio que ouvimos tudo o que vocês disseram. Ty atendeu a porta antes que pudessem bater. Com o cabelo ainda molhado do chuveiro, ele vestia bermudas cáqui tipo cargo e uma camiseta preta do Cadillac Jack s.

306 306 E aí? ele cumprimentou, sua face se acendendo ao ver Ellis. Ele inclinou-se e beijou-a suavemente na bochecha, como se fizesse isso desde sempre. Você é a Madison, certo? ele disse, estendendo a mão. A menina nova. Prazer. Igualmente ela respondeu, dura. Ainda envolvida pelo cheiro de xampu e sabonete de Ty, Ellis ficou vermelha e feliz. Tá de saída? É respondeu Ty. Estão precisando de gente de novo, e só Deus sabe como eu preciso da grana, então concordei em ir cobrir o turno do almoço e ficar até a hora de fechar. Ei, você e as meninas podiam passar lá mais tarde. Tem promoção especial de um drinque feito com uma vodca nova sabor limão. Deve ser nojenta, mas tá barato. Quem sabe respondeu Ellis. Mas a gente queria saber se podíamos usar seu computador. Para uma pesquisa. Claro concordou Ty, intrigado. Entrem. A edícula era ainda menor do que parecia de fora. As paredes eram de pinho nodoso, já com o verniz escurecido pelo tempo. O chão era de linóleo verde e branco. Era praticamente um loft: um cômodo que fazia às vezes de sala de estar, de jantar e cozinha. Esta consistia de um armário pequeno pintado de branco, repleto de pratos de plástico desparceirados; um fogão de duas bocas; e uma geladeira pequena, cheia de pontos de ferrugem. Bem-vindas ao meu escritório disse Ty, gesticulando para uma robusta mesa de cozinha de carvalho, que acomodava um computador. Uma cadeira de escritório, com rodinhas e estofado de courino rasgado, estava encostada na mesa improvisada. Uma prateleira azul e torta continha uma variedade de livros de negócios, revistas e uma pilha de pastas.

307 307 Ele inclinou-se, apertou o botão do monitor, e a tela acendeu. A impressora tá bem ali avisou, apontando para um pequeno móvel servindo ao mesmo tempo de mesa de canto e suporte para impressora, posicionada bem ao lado de uma namoradeira cheia de saliências. Fiquem à vontade. Obrigada agradeceu Madison, puxando a cadeira e se sentando. Ellis foi até o deque com Ty. Espera ele disse, voltando para dentro. Quando retornou, segurava uma chave. Feche quando sair ele pediu. E pode ficar com essa cópia, se quiser. Ellis ergueu uma sobrancelha. Eu já tenho a chave da sua casa ele disse, com o tal risinho cadenciado. Não que eu vá usar sem permissão ele olhou para dentro da edícula. O que tá rolando? Você não tinha dito que a Madison é bem na dela? Ela era explicou Ellis. Mas a Madison tá com um problema sério. O marido dela, lá em Jersey, é tipo um criminoso e... bom, é complicado demais pra contar agora. Mas ela tá tentando descobrir umas coisas, e eu queria ajudar. Legal da sua parte disse Ty, distraído. Então... escuta. Quando vou te ver de novo? Hoje à noite? Alguma chance de você me esperar sair do trabalho? Tem uma chance ela respondeu, suave. Me manda uma mensagem quando sair. Talvez eu passe no Caddie s, dependendo do que a gente resolver sobre a situação da Madison. Tá tudo bem com a gente, né? ele perguntou, pegando a mão dela. Muito bem ela respondeu. A gente se fala mais tarde.

308 308 Madison olhava intrigada para a tela do computador quando Ellis se juntou a ela. Descobri como abrir o navegador, mas e agora? ela perguntou. Percebeu a surpresa de Ellis. Não sou muito ligada em computadores. Tipo, eu usava um no trabalho, mas eles tinham tudo quanto é regra sobre o uso deles pra coisas pessoais. E em casa? Eu só usava para jogar black-jack. Ok, então vamos para o site de algum jornal sugeriu Ellis. Ela inclinou-se sobre o ombro de Madison e começou a digitar. Madison rapidamente levantou e entregou a cadeira para Ellis. Ela inclinou-se avidamente sobre o ombro de Ellis e observou enquanto ela navegava pelo site do jornal. Como soletra o sobrenome do seu marido? M-E-R-D-A brincou Madison, depois soletrou o nome correto. Ellis digitou o nome na barra de buscar do site e aguardou um instante. Aí está ela disse, batendo na tela com a unha. EMPRESÁRIO DE CHERRY HILL PROCURADO POR INQUÉRITO SOBRE ESQUEMA DE FRAUDE, dizia a manchete. Ai, meu Deus sussurrou Madison enquanto lia. A notícia tinha sido publicada havia uma semana. Fontes próximas a uma investigação feita pela polícia local revelaram que o proeminente gênio das finanças de Cherry Hill, Donald Shackleford, está envolvido em um esquema de fraude que pode ter escoado milhões de dólares de diversas companhias para as quais prestava serviços, incluindo a R.G. Prescott Seguradora, também de Cherry Hill. Então, você tinha razão. A seguradora não era o único cliente roubado concluiu Ellis.

309 309 Tentativas de contatar Schackleford para comentários não tiveram êxito, embora vizinhos da casa onde Shackleford morava com a segunda esposa, Maryn, em um condomínio de luxo, afirmem que ele e sua mulher não têm sido vistos nos últimos dias. De acordo com o site da empresa de Shackleford, D. Shackleford & Associados oferece serviços de contabilidade e investimento para uma série de empresas em todo o estado. Investigadores começaram a contatar outras companhias que foram clientes de Shackleford em uma tentativa de determinar quão extensa a suposta fraude pode ter sido. O resto da reportagem detalhava as ligações de Don Shackleford na comunidade e terminava com uma declaração do seu advogado dizendo estar confiante de que a investigação provaria que as queixas contra seu cliente eram infundadas e indignas de mais comentários. Madison passou a mão pelos cabelos e encarou a tela do computador. Você consegue ver se há notícias mais recentes? Ellis digitou novamente, e, pouco depois, links para duas reportagens apareceram. Ela clicou e começou a ler. Aqui tem uma publicada no último domingo ela disse. SUSPEITO DE FRAUDE TINHA LIGAÇÕES COM A SEGURADORA FRAUDADA, dizia a manchete. Enquanto contadores forenses tentam juntar as peças do que os investigadores locais caracterizam como um alarmante caso de fraude envolvendo o gênio das finanças de Cherry Hill, Donald Shackleford, começam a surgir suspeitas de que a esposa de Shackleford, Maryn Vance Shackleford, 32, e seu braço direito, Adam Kuykendall, 33, de Camden, também estejam envolvidos no alegado esquema de apropriação indevida de milhões de dólares da firma R.G. Prescott Seguros. Maryn Shackleford e Kuykendall possuíam cargos-chave na Prescott nos últimos dois anos, e a polícia acredita que eles possam ter ajudado as atividades criminais de Donald Shackleford.

310 310 Quê? gritou Madison. Eles acham que eu tô envolvida nessa merda? Cargo-chave? Eu processava requerimentos, pelo amor de Deus. O Adam trabalhava na contabilidade, mas de jeito nenhum está metido nessa bagunça. Braço direito? Esse pessoal tá louco? A gente não é o ladrão, o Don é. Fica calma disse Ellis, olhando para Madison. É só uma reportagem. Dá pra perceber que nenhuma informação tem fundamento. De acordo com que fontes? Aposto que esses jornalistas estão só jogando um verde. Olha isso gritou Madison, dando um piparote na tela. Dá pra acreditar? Uma funcionária da R.G. Prescott, Tara Powers, 28, executiva de contas na firma, caracterizou seus antigos colegas de trabalho Maryn Shackleford e Adam Kuykendall como tipo suspeitos, que raramente se relacionavam com os outros empregados da companhia. Powers indicou que Maryn Shackleford conheceu o futuro marido enquanto atuava como assistente pessoal do presidente da companhia, R.G. Robby Prescott III uma posição que lhe dava acesso ilimitado aos arquivos financeiros da empresa. Aquela vaca chiou Madison. Tipos suspeitos? Assistente pessoal? Eu substituí a secretária do Robby por um único dia! Só isso. Um único dia. Por acaso, foi o dia em que conheci o Don, mas o que isso tem a ver? Eu não tinha acesso a nada, exceto ao telefone e a um exemplar velho da People que a verdadeira assistente dele tinha deixado sobre a mesa. E a Tara: executiva de contas? Faça-me o favor. Ela é arquivista. Se eu colocar as mãos nessa vagabunda E isso aqui? perguntou Ellis, apontando para o parágrafo seguinte da reportagem. Fontes afirmam que Maryn Shackleford saiu da companhia há vários meses, e que Kuykendall pediu demissão abruptamente do seu cargo ontem. Investigadores interrogaram Kuykendall no mesmo dia, mas não tiveram sucesso em contatar Maryn Shackleford, que, segundo eles, desapareceu repentinamente da região há dez dias. A

311 311 seguradora está oferecendo dez mil dólares de recompensa para quem tiver informações sobre o paradeiro de Maryn Shackleford. Madison esmurrou o computador. Jesus! Colocaram os cães farejadores na minha cola. E recompensa de dez mil dólares. Pra quê? Eu não fiz nada. Não sei de nada. Mas esse Adam é o seu amigo, né? O que te deu o aviso de que os auditores estavam verificando os arquivos do Don? perguntou Ellis. Éééé ela respondeu, perplexa. Mas, quando a gente conversou ontem, ele não me disse que pediu demissão. Na verdade, me falou que estava de férias. Por que os policiais interrogariam o Adam sobre o esquema de fraude do Don? Talvez porque ele fosse da contabilidade disse Madison, ainda perplexa. Vou perguntar pra ele quando chegar. Ellis sentiu um nó no estômago. Madison, hum, você contou pra ele do dinheiro que achou na pasta do Don? Sim ela respondeu baixinho. Claro? Por que não? Você não acha que ele tem algo a ver com isso, acha? Não! ela exclamou. O Adam é, tipo, meu melhor amigo. Ele era meu único amigo no escritório. Todas aquelas vagabundas traidoras me tratavam como uma pária. Sabia que elas nem me chamaram pra almoçar quando eu pedi demissão? O Adam era diferente. Eu confiava nele. No meu último dia de trabalho, ele me chamou pra almoçar, a gente ficou bêbado com shots de tequila. Eu não voltei para o escritório depois. Poxa, pra quê? Você disse pra ele onde está?

312 312 Ele sabe que estou em Nags Head. Eu não dei o endereço exato porque, pra falar a verdade, eu não sei. Assim é melhor disse Ellis. Digo, não quero falar mal dele, mas, talvez, seja melhor ter cuidado... Digo, primeiro: tem uma recompensa de dez mil dólares. O Adam conhece a marca do seu carro? Claro respondeu Madison, perdendo a paciência. Na verdade, ele meio que sabe onde eu tô hospedada. Eu disse o nome da rua e o nome da casa. Mas eu te garanto: eu conheço o Adam, ele nunca faria mal para uma mosca. Ela levantou seu celular. Vou ligar pra ele agora, botar tudo a limpo. Madison procurou suas últimas ligações, apertou sobre um número e esperou. Adam? Sou eu. Olha, precisamos conversar. Me liga, ok? É sério. Ela fechou o telefone e olhou para Ellis. Eu conheço esse cara, beleza? Ele não é como o Don. Ele quer me ajudar. Ellis não se convenceu, mas não queria deixar Madison ainda mais ansiosa. Ok concordou. Vamos esperar e ver o que acontece, certo?

313 313 O que você descobriu? perguntou Julia assim que Ellis e Madison voltaram para Ebbtide. Tem mandado de busca pra Maryn? Madison Dorie corrigiu-a gentilmente. Lembra, ela prefere Madison. Dane-se disse Julia, batendo no tampo da mesa de jantar com a palma da mão. Vai. Desembucha. Ellis olhou para Madison, que assentiu. Bom... começou Ellis, temos um problema. Ela inteirou Dorie e Julia sobre o que descobriram nas reportagens de jornal. Estão oferecendo uma recompensa de dez mil dólares sobre mim! soltou Madison. Como se eu fosse a criminosa! Como se eu tivesse alguma coisa a ver com o roubo daquele dinheiro. Ellis respirou fundo. E tem um porém sobre o amigo dela, o Adam. Ele disse à Maryn que estava de férias, mas o jornal publicou que ele pediu demissão. Madison balançou a cabeça, fazendo uma careta.

314 314 O Adam não tem condição de ter pedido demissão. Ele acabou de comprar um carro novo. E sei, com certeza, que ele estourou os limites dos cartões. Sempre tinha cobrador atrás dele. Dorie ficou horrorizada. Você acha que ele pode te denunciar pela recompensa? Não! exclamou Madison. Ele é meu amigo, não faria isso comigo. Tem uma explicação pra tudo. Olha, provavelmente o jornal pegou uma informação errada. Uma mulher no escritório, a Tara, é quase certo que ela tá dormindo com o Don. Ela é quem está contando pro jornal todas essas mentiras sobre mim e o Adam. Dorie e Julia trocaram olhares. Eu acho disse Ellis, que devemos chamar a polícia. Só pra garantir. E falar o quê? perguntou Madison, nervosa. Aqui está a mulher que estão procurando em Jersey? A que pode ter ajudado o marido a roubar uns milhõezinhos de dólares? Se eu fosse policial, trancaria sua bunda na prisão no mesmo instante declarou Julia. E isso sem saber dos cem mil na prateleira do seu armário. Não precisamos chamar a polícia agora murmurou Dorie. Ok concordou Ellis. O que a gente faz pra manter a Madison segura até que ela possa ir pra casa e limpar seu nome? Olha disse Madison, soando mais corajosa do que aparentava, o Adam Kuykendall não é o Al Capone. Ele tem um e oitenta, pesa setenta quilos com roupa de inverno. Usa óculos de fundo de garrafa e repetiu de ano na pior faculdade do estado. Duas vezes. Ele não é tão assustador nem muito esperto. Mas, pelo que disse, ele tá afogado em dívidas, e está motivado lembrou Ellis. Acho que é uma combinação perigosa. E mais: ele sabe onde você está hospedada.

315 315 Eu posso ir embora retrucou Madison, esquentada. Eu vou embora. Assim que eu contar para o Adam o que está acontecendo, vou vazar daqui. Não precisa apaziguou Dorie. Se está dizendo que seu amigo é confiável, acreditamos. Queremos que você fique. Certo? ela disse, encarando primeiro Julia, depois Ellis. Certo balbuciou Ellis. Eu nunca disse pra ela ir embora murmurou Julia.

316 316 Hora do jantar. Julia espiou dentro da geladeira, estudando seu conteúdo com uma mistura de desprezo e absoluto desgosto. Sobras. Um vidro de molho marinara. Uma embalagem de coxa de frango. Já que não é meu dia de cozinhar, eu sugiro que a gente saia pra jantar. Eu pago. Todas a favor? A mão da Madison furou o ar. Dorie olhou pesarosa para Ellis e depois levantou a mão também. Ah, tudo bem resmungou Ellis. Já enjoei de frango também. O que você sugere? A gente tem algum cupom? Pizza! gritou Dorie. Tô com lombriga. Grossa, gordurenta, com quatro queijos. Pizza? Aqui? disse Madison. O que esse pessoal do sul entende de pizza? Vocês já comeram pizza de verdade? Tem um lugar lá na minha cidade, o Carmine s. O dono veio num barco direto da Itália. A massa é tão fina, parece papel. O queijo é parmesão fresco, ralado na hora, não aquela porcaria enlatada, e eles fazem molho de tomate caseiro, defumam o próprio pepperoni e assam a pizza em forno a lenha. Ave Maria gemeu Julia. Uma esnobe da pizza. Me poupe, por favor. Não me importo aonde a gente vá, só preciso sair de casa hoje à noite. Vou enlouquecer trancada aqui dentro. Eu te entendo disse Ellis, solidária. Foi um dia longo.

317 317 Enfim, eu tenho uma ideia melhor do que pizza anunciou Julia. E aquele lugar na rua, o Tortuga qualquer coisa? O cardápio está naquele caderno seu, Ellis, e parece bem bom. Mas vamos ao que interessa, sabiam que tem uma quadra de vôlei de praia nos fundos? Desde quando você joga vôlei de praia? perguntou Ellis. Eu não jogo, mas meninos jogam retrucou Julia, agitando as sobrancelhas para cima e para baixo. Gatos, suados, bronzeados, musculosos e fortes. E eu mencionei: sem camisa? Sim, sem camisa. Huuuummm. Que tal? Eu topo concordou Dorie ofegante. Dorie! exclamou Ellis. Quê? Olha, eu tô grávida, mas não tô morta. Essa história de viagem de meninas é legal, mas meus hormônios estão descontrolados. Só quero olhar. O que tem de errado? Eu não ligaria de ficar olhando umas gracinhas admitiu Madison. Me distrair das preocupações. Ellis folheava seu caderno. Achei ela gritou, triunfante. Tortuga Mentirosa! Bebidas promocionais em dia de semana. Mas temos que chegar lá antes das sete. Vinte pras sete anunciou Julia, levantando-se. Simbora! Pediram camarão e caranguejo no vapor, bolinho de marisco e tacos de peixe; comeram tudo direto das bandejas de papelão, sentadas nas arquibancadas de frente à quadra de vôlei de areia do

318 318 restaurante, onde dúzias de homens sem camisa, como prometido, pulavam e saltavam e mergulhavam e brincavam e gritavam. Ah disse Julia, apreciando o ambiente. O doce cheiro da testosterona ela deu um gole da sua cerveja com um gomo de limão e ajeitou a aba do chapéu de palha, estilo caubói, que tinha colocado antes de sair de casa. Galera, tenho uma confissão a fazer. Essa vai ser boa Ellis sussurrou para Madison. Eu cedi. Liguei para o Booker hoje cedo e o convidei para passar o fim de semana. Eba! Dorie bateu palmas. Quando ele chega? Ele vem amanhã, depois do trabalho. Espero que ninguém se importe. Eu não disse Ellis. Isso quer dizer que está considerando a oferta dele? Oferta? perguntou Madison. Faz um ano que o Booker vem implorando pra Julia casar com ele. Ele arranjou um emprego como diretor de arte de uma revista em Washington explicou Dorie. Ele quer comprar uma casa e casar. E me embuchar acrescentou Julia, seca. E não, isso não significa que vocês devem começar a procurar vestidos de madrinha. Só significa que faz um mês que a gente não se vê, e uma garota tem suas necessidades. A Julia vai colocar uma plaquinha de não perturbe no quarto Dorie fez a piada, feliz. Na verdade acrescentou Julia, acho que ele está tão interessado em ver a casa quanto em me ver. Que casa? perguntou Madison. A nossa casa. Em que a gente tá ficando. A Ebbtide. Eu passei fotos por , e, por algum motivo, ele ficou fascinado com o lugar. Eu sugeri que nós dois ficássemos num hotel no fim de semana, mas,

319 319 sabe, ele tá doido pra ver a casa. Espero que vocês não liguem de ele ficar conosco. Acho que todo mundo vai se sentir mais segura com um cara por perto disse Dorie. Madison balançou a cabeça concordando. É bom ele aproveitar a casa mesmo disse Ellis, triste. A Ebbtide está hipotecada. Se o Ty não conseguir arrumar os pagamentos até quinze de setembro, o banco vai leiloar a casa. O que o Ty tem a ver com a Ebbtide? perguntou Julia. Ellis sorriu, enigmática. Acontece que o Ty Bazemore é o Sr. Culpepper. Ele é o dono! A família de sua mãe construiu a casa na década de trinta, e Ty comprou do tio ano passado, o tio era o herdeiro. Ele mora na edícula da garagem e aluga a casa, pra tentar arranjar dinheiro pra reforma e as contas. Mas aí a economia foi pras cucuias, e, agora, se ele não bolar algo, vai perder a casa. O menino da garagem é o Sr. Culpepper? Dorie repetiu a informação. Por que ele não te falou isso desde o começo? Ellis deu de ombros. Ele disse que nunca avisa os inquilinos que mora lá, porque se não eles ficariam perturbando noite e dia. Ele aluga e se comunica só por , como fez comigo. Desse modo, consegue se concentrar na pesquisa de mercado da bolsa. Ei disse Julia, você nunca nos contou como foi o encontro. Vai, pode falar. E não se atreva a esconder as partes quentes. Por fim, o sol se pôs, e os jogadores de vôlei, suados e cobertos de areia, se recolheram para o bar, onde foram recebidos por hordas de namoradas e universitárias sedentas. Pra onde agora? perguntou Julia, gritando para ser ouvida sobre a balbúrdia.

320 320 Ellis hesitou. O Ty disse que hoje tem promoção de uma vodca sabor limão no bar. Bebida barata e karaokê. Se vocês quiserem... Karaokê? Hum... disse Julia que brega. Que divertido! discordou Dorie. Vai, gente, vamos. Finalmente eu estou com um pouco mais de energia. E eu adoro karaokê. Vocês podem se divertir sem se preocupar, eu dirijo. Vinte minutos depois, paravam no estacionamento do Caddie s. Um banner gigante rosa choque balançava ao vento e proclamava: NOITE DA VODCA. DRINQUES COM VODCA CITRUS A DOIS DÓLARES. Quero só ver qual é a da tal de vodca citrus disse Julia enquanto se acotovelavam na multidão. Olha o Ty ali disse Dorie, apontando para o bar. Vem, vamos pegar uma mesa ela empurrou Ellis delicadamente naquela direção. Avisa que você chegou e pede uns drinques, ok? Veja se ele pode fazer alguma coisa sem álcool pra mim, por favor? Ei, olá disse Ty, quando Ellis finalmente conseguiu se infiltrar pelas fileiras de mulheres encostadas no bar. Que tal um drinque? É horrível, se quer saber, mas essas mulheres estão tomando um atrás do outro. E era verdade, Ellis tinha a impressão de que todas as mulheres estavam segurando um copo de plástico redondo, verde, vagamente semelhante a um limão, com um canudo saindo pelo topo. Ok concordou. Três drinques e algo não alcoólico pra Dorie. Ty entregou-lhe um dos copos de limão, e Ellis, subitamente envergonhada, deu um longo gole. E depois outro. Não é tão ruim ela pronunciou. As outras vieram também? perguntou Ty, obviamente contente. Até a Madison?

321 321 Até a Madison assentiu Ellis. Ei, valeu por ter emprestado o computador. Parece que a Madison tá com mais problemas do que a gente pensava. De acordo com um jornal da Filadélfia, a polícia de Jersey quer falar com ela sobre o dinheiro que o marido desviou da seguradora onde ela trabalhou. Tem tipo uma recompensa por ela. Você acha que alguém pode vir atrás dela? É seguro? Não sei admitiu Ellis. Um amigo do trabalho da Madison, um cara chamado Adam, tá de alguma forma envolvido no rolo, e, teoricamente, ele vem vindo visitar. Estou meio preocupada, ele sabe que ela tá na Ebbtide. Não sabe o endereço exato, mas sabe o nome da rua e o da casa. Então, sim, não quero soar paranoica, mas tô meio preocupada. Ty franziu a testa. Tenho um amigo que trabalha na delegacia, um vice xerife, o Connor Terry. Na verdade, ele está trabalhando de segurança aqui hoje. Eu posso perguntar se ele pode passar de carro pela casa de vocês, ficar de olho. Você pode fazer isso? perguntou Ellis, agradecida. Eu me sentiria bem melhor. Claro, sem problema respondeu Ty. Onde vocês estão sentadas? Vou mandar a Nella com os drinques assim que ela voltar. Ellis pegou a bolsa para pagar, mas Ty negou com a cabeça. Por conta da casa. Julia tomou um gole com cautela.

322 322 Nada mal ela admitiu. Madison bebericou, fez uma careta e empurrou o copo suvenir para longe. Na minha opinião, tem gosto de desinfetante. Achei bom disse Ellis, mandando ver no seu segundo drinque da noite. Enfim, o preço é justo. Oh, bebidas grátis disse Julia com a fala arrastada. Que espertinha, transando com o bartender. Eu não estou... começou Ellis, mas depois dissolveu sua fala num acesso de riso patrocinado pela vodca. Ainda disse Dorie, esperançosa. Ainda repetiu Madison, de repente percebendo o quanto gostava da companhia daquelas mulheres, quanto era divertido tirar sarro da Ellis e, sim, provocar a Julia. Uma hora depois, a mesa estava cheia de copos de vodca. O karaokê começou, e três garotas queimadas de sol, com camisetas de faculdade, subiram no micro palco, abraçadas, balançando enquanto gritavam uma versão bêbada e desafinada de Lady Marmalade. Parece um gato sendo esfolado reclamou Madison. Voulez-vous calar a boca, porra? Acha que faz melhor? retrucou Julia. Nem pensar respondeu Madison. Sou procurada pela polícia, lembra? Ellis! gritou Dorie. Você tem que ir. Por favor? Quem? Eu? Ellis gargalhou. Você me conhece bem. Pra mim, karaokê é exclusivamente pra assistir. Não olha pra mim avisou Julia. Essa ideia foi sua, não minha.

323 323 Estraga-prazeres disse Dorie, fazendo bico. Vocês não são mais divertidas. Então ficaram e beberam e dançaram em grupo, convencendo até Madison a se juntar a elas no trenzinho, e Ty não parava de mandar drinques, e Ellis olhava pelo ombro para observá-lo em ação no bar. Ele é tão gato, ela pensou. Tão gato. E só meu. No fim, foi a bexiga da Dorie, não o cansaço, que acabou com a festa. Galera ela reclamou, pulando de um lado para o outro, a fila para o banheiro feminino tem umas vinte pessoas. Aaaah! Vai no banheiro de homem resmungou Julia. Quase não tem homem aqui hoje. Homens héteros, pelo menos. Tem o dobro de meninas na fila do masculino disse Dorie. Qual é, gente? Se eu não sair daqui agora, vou dar à luz. Podemos ir mesmo concordou Ellis, meio instável sobre seus pés. Eles fecham às duas. Vem, Julia, vamos levar a mamãezinha pra casa. Ela tentou cruzar seu olhar com o de Ty conforme saíam, mas ainda havia uma multidão perto do bar, e Dorie a cutucava, insistindo para ir mais rápido. Quando chegaram na Ebbtide, Dorie parou a van quase dentro da varanda e saiu correndo para a porta da frente, procurando a chave. Madison hesitou ao sair do banco de trás. Ela olhou para casa silenciosa, e a fraca luz amarela da varanda que tinham deixado acesa, e depois novamente para a entrada, banhada por um feixe de luz branca e pálida, vinda do poste de rua. Nenhum carro passava. Tudo estava assustadoramente quieto, exceto pelo zumbido das cigarras. Pela décima vez, pegou o celular da bolsa para checar chamadas perdidas. Nada. Franziu o rosto. Ellis desceu da van em tempo de ver Madison guardando o celular. Talvez o Adam tenha mudado de ideia disse.

324 324 Ele já devia ter chegado. Madison estava aflita. Tem algo errado. Eu sei. Não é seguro. Se o Don descobre que estou aqui Ele não vai descobrir assegurou Ellis. De qualquer modo, o Ty é amigo de um vice xerife. Ele estava trabalhando no Caddie s hoje. O Ty prometeu que faria o cara passar de carro por aqui hoje e amanhã. Sabe, só pra garantir. Um vice xerife? Madison deu de ombros. Acho que mal não vai fazer. Alguém tá com fome? perguntou Dorie, esperançosa, parada na porta da cozinha. Depois de tudo que a gente comeu hoje? Madison balançou a cabeça. Acho que você tá comendo por dois mesmo. Ela sempre foi assim explicou Julia. Desde criança. Come igual a uma leitoinha e não engorda um quilo. O que você tem em mente? perguntou Ellis. Tem sobremesa? Sorvete e bolo da padaria e uns morangos reportou Dorie. Ok, você me convenceu cedeu Julia. Depois de dançar tanto, devo ter queimado um monte de calorias. E amanhã queimo o resto na corrida. Tô dentro disse Ellis. Madison? Eu não recusou Madison. Vou dormir ela virou-se e seguiu para a escada, depois parou e voltou para a cozinha. Ei, madames chamou, envergonhada. Valeu. Eu me diverti muito hoje. Então obrigada... por tudo. De verdade. Caso eu me esqueça de dizer isso amanhã. Julia conseguiu dar um sorriso torto. E, Madison? Sinto muito mesmo pelo, você sabe, hum...

325 325 Arrombamento? Madison deu de ombros. Que arrombamento? Julia gemeu e afastou a vasilha com restos de morango e bolo. Nossa Senhora. Por que eu deixei vocês me convencerem a comer isso? Vou pra cama. O Booker vai chegar amanhã, e eu preciso do meu sono da beleza. Eu já vou também disse Dorie, empilhando as vasilhas na pilha. E você, Ellis? Vou logo respondeu casualmente. Acho que vou dar uma arrumadinha aqui passava das duas, e ela tinha prometido ao Ty que o esperaria acordada. Ela estava de olho no seu celular sobre o balcão, esperando a mensagem dele. Você não me engana, Ellis Sullivan disse Julia, bocejando outra vez. Você tá esperando a ligação do cara da garagem. Na verdade admitiu Ellis, ele disse que me mandaria uma mensagem quando saísse do bar. Julia deu uma piscadela elaborada para Dorie. Ela vai ter que pagar por todos aqueles drinques de graça de algum jeito. Você é tão romântica, Julia disse Dorie. Ela pegou a mão de Julia e puxou. Vem. Vamos apostar corrida para o banheiro.

326 326 Sozinha na cozinha, Ellis lavou, secou e guardou a louça. Ela sorria ao tracejar a pintura desbotada de folhas verdes e botões de rosa na delicada louça de borda dourada. Um gesto tão carinhoso da parte de Ty: entregar-lhes a louça de sua avó. Eram quase duas e meia. Para matar o tempo, limpou as superfícies da cozinha com desinfetante. Depois, varreu o chão e, por fim, levou a toalha úmida até a varanda dos fundos para secar no varal improvisado que as meninas tinham montado entre dois postes cinza e desgastados. Ainda estava inacreditavelmente quente e úmido lá fora. Ela olhou para o termômetro enferrujado grudado na parede ao lado da cozinha. Trinta graus! E ainda, pensou ao olhar para o céu profundo e aveludado, tantas estrelas e tão brilhantes a essa hora noite. Talvez fosse fazer uma caminhada na praia enquanto esperava pelo Ty. Ela lera numa revista um artigo sobre como o verão era a época em que as tartarugas marinhas moviam-se desajeitadamente para a terra seca, em toda a costa leste, para botar ovos. Até vira placas na praia avisando para que as pessoas não mexessem nos ninhos de tartarugas. Não seria incrível encontrar um ninho com ovos de tartaruga marinha? Ela voltou para dentro, pegou o celular e caminhou pela passagem sobre as dunas.

327 327 Largando seus sapatos no sopé da escada da praia, Ellis permitiu que seus pés afundassem na areia fria e úmida. Maré baixa. Foi até a beira do mar, deixando as ondas vindouras roçarem seus calcanhares. Inspirou profundamente, recebendo o aroma de sal e areia cozida pelo sol, e seguiu em direção ao norte, confiante de que não se perderia nem entraria em pânico dessa vez. Andou por quinze minutos, ziguezagueando entre a água e as dunas, até enxergar: duas linhas ondulosas na areia, que se cruzavam formando um X, levando até uma espécie de cratera na areia fofa do pé da duna. Ellis andou na ponta dos pés até a cratera. A areia ali obviamente tinha sido revolvida. Encontrou um ninho de tartaruga. Olhou de volta para o mar, pensando a respeito daquelas estranhas linhas em formato de X, até que lhe ocorreu que, se tivesse mesmo achado um ninho, uma das linhas poderia ser da tartaruga indo até a duna, e a outra, dela voltando para o oceano. Ajoelhou-se na areia fofa e observou a impressão sobre ela, segurando o fôlego, como se o menor dos barulhos pudesse perturbar o que estava embaixo. Caso fosse um ninho, deveria tocá-lo? E se tocasse, isso impediria a mãe tartaruga de voltar e cuidar dos ovos? Ela franziu a testa, queria saber mais sobre o assunto. Ela realmente desejava revolver a areia ao lado e ver se, por um milagre, haveria ovos lá. Ela ficou ereta, olhou em volta, mas a praia estava deserta. Quando retornou para baixo, sentiu uma gota de água cair em seu pescoço. Começava a chover. Relutantemente, levantou-se, tirando a areia dos joelhos. Olhou em volta para marcar o local do ninho, para que pudesse achá-lo pela manhã. Ao encontrar um pedaço de quebravento, conseguiu arrancar uma lasca da madeira velha e a enfiou na areia das proximidades. Ok, tartaruguinhas ela sussurrou. A chuva caía com mais força, voltarei para checar mais tarde, certo? Enquanto trotava de volta pela chuva, sentiu seu telefone mexer. Leu a mensagem: ESTOU AQUI E VC?

328 328 Ellis sorriu, guardou o telefone no bolso para mantê-lo seco e acelerou o passo. Ao pisar no último degrau para o deque da garagem, estava encharcada e sem fôlego. A luz interna, acesa. Ela bateu na porta. Ty abriu e riu quando a viu naquela situação miserável. Se perdeu de novo? ele perguntou, puxando-a para dentro, longe da chuva. Não ela respondeu, animada. Estava caminhando na praia e vi umas pegadas na areia. Ty, acho que eu encontrei um ninho de tartaruga marinha! Sério? Legal. É época mesmo. Tinha ovos dentro? ele desapareceu dentro de um cômodo e voltou com uma toalha seca. Valeu ela secou braços, pernas e cabelos. Eu fiquei com medo de mexer. Eu sei que elas estão em extinção, e não sabia se é contra a lei perturbar o ninho, então peguei um pedaço de madeira e marquei o local. Se for um ninho mesmo, posso ir lá amanhã e dar uma checada. Você fez a coisa certa disse Ty, demonstrando aprovação. Você reparou no marcador de quilômetros próximo ao ninho? Era vinte e sete ela respondeu, orgulhosa. Tenho certeza de que vai dar tudo certo assegurou Ty. Eu vou avisar a Patrulha da Tartaruga Marinha sobre o que você achou. Eles isolam e monitoram a área. Às vezes, se acham um ninho numa área muito movimentada, eles até o mudam de lugar, para que não mexam nele.

329 329 A face de Ellis brilhava de animação. A gente pode voltar lá agora, não? E mexer só um pouquinho na areia, pra ver se tem ovos. Ele gesticulou para o deque. Nessa chuva? Ah ela disse, soando desanimada, acho que não. Ela olhou para o chão, uma pequena poça de água da chuva se formava embaixo dos seus pés, e ela tremia. Você tá com frio ele disse, e foi ao outro cômodo. Quando voltou, segurava um desbotado robe azul-marinho de banho. Aqui disse, estendendo o robe para ela. Você tá ensopada. Tira essas roupas enquanto eu vou esquentar a chaleira. E acrescentou, sério não me olha assim. Não vou te atacar, pelo amor de Deus. Não sou esse tipo de cara. Ellis riu de si mesma. E como sabe que eu não sou esse tipo de garota? Tem coisa que a gente simplesmente sabe ele respondeu. Ela foi ao cômodo ao lado, o quarto dele, e fechou a porta. Olhou ao redor com interesse. As paredes eram do mesmo pinho desbotado do exterior. O chão de madeira pintado de cinza-chumbo fora coberto por um tapete de retalhos branco e vermelho. A cama de casal, apesar de pequena, com um colchão cheio de saliências, estava cuidadosamente feita com uma colcha de estrelas vermelhas e azuis bordadas. Um ventilador de chão ficava num canto e revolvia o ar inconstantemente. Ellis despiu-se de suas roupas molhadas. Foi ao banheiro anexo, pegou outra toalha e terminou de se secar antes de se embrulhar no robe enorme, aspirando o perfume do pós-barba dele. O banheiro era minúsculo, com chão de linóleo defeituoso, uma pequena pia sem armário e um vaso sanitário. Ela olhou-se no espelho embaçado e ajeitou o cabelo úmido com os dedos, tirando mechas da face. Colocou

330 330 um pouco de pasta no dedo indicador e limpou os dentes da melhor forma possível. Hoje, ela pensou, arrepiando-se de antecipação. Ela pendurou as roupas molhadas no toalheiro, apertou o robe com força e seguiu, de pés descalços, para a sala. Aqui disse Ty, entregando-lhe uma caneca pesada de porcelana. Não tenho leite, nem nada. Que tal um pouco de mel? Mel é uma boa concordou Ellis. Ela observou-o pegar uma embalagem em forma de urso da última prateleira do armário e derramar mel na caneca. E, antes que pudesse impedi-lo, ele adicionou uma boa dose do Jack Daniel s que estava sobre o balcão. Bebidinha quente ele disse, entregando a caneca novamente. Pegou uma caneca para ele e se direcionou para o sofá. Ela sentou-se e deu um gole do chá quente, aproveitando o doce ardor do uísque. Ty sentou-se ao seu lado. Ellis colocou os pés nus sobre a mesa de centro, feita de uma portinhola de navio, e ajeitou-se nos braços de Ty. A barra do robe abriu-se, mas ela decidiu não se importar. Hoje. Noite comprida disse Ty ao bocejar. Dia comprido. Todo o drama da Julia invadindo o quarto da Madison. Achei que ela iria fazer picadinho da Julia contou Ellis. Acho que agora está tudo bem. Que bom disse Ty, abrindo a boca de novo. Vi vocês dançando juntas. Pareciam se divertir fazendo trenzinho. Ellis enrubesceu. Foi culpa das bebidas que você ficou mandando. Queria apenas agradar às damas disse Ty, casualmente. Ela virou-se e o encarou. Agradou. Depois de um momento, ela continuou: Ty?

331 331 Hum? ele beijou a cabeça dela em uníssono com um bocejo. Isso é gostoso ela admitiu, depois de um silêncio longo e amigável. A mão dele encaminhou-se ao colarinho do robe, agradando seu pescoço nu. Ela fechou os olhos, saboreando o calor da pele dele contra a dela. Disso, era disso que sentia tanta falta todos esses anos. Ela sentia-se aconchegada, segura e... amada. Hm-hum disse Ty. Ellis? Hum-hum? Você acha que essa pode ser nossa segunda chance de primeiro encontro? Um encontro meio estranho, não acha? É, mas bem mais gostoso que o primeiro. Isso é verdade ela encostou a cabeça no ombro dele e bocejou sonolenta. Então, esse seria nosso, tipo, terceiro encontro, se contar nossa primeira segunda chance. Pode ser. Uma eternidade depois, ela se mexeu e virou a cabeça, pois o sol batia em seus olhos. Espreguiçou-se sensualmente, e, então, levantouse de repente. Estava deitada em um sofá, coberta por uma colcha de estrelas azuis e vermelhas; o sol entrava pelas persianas de madeira. Ela foi até o banheiro, lavou o rosto e escovou os dentes com o dedo novamente. As roupas das quais tinha se despido na noite anterior estavam apoiadas num banco de madeira ao pé da cama, ainda úmidas. Ela deu de ombros. Que belo plano ela tinha formulado ontem. Que fiasco. Apertando o cinto do robe, seguiu de volta para a sala. O computador, ligado, e uma pilha de papéis e livros ao lado. Ellis abriu a porta de tela do deque. Ty olhava para o oceano, de costas para ela. O vento balançava seu cabelo loiro com mechas de sol. Suas cuecas largas estavam caídas sobre seus quadris magros e

332 332 bronzeados; seus ombros nus brilhavam sob a luz do sol; os músculos saltados bem abaixo da pele enquanto ele preguiçosamente levantava os braços e se alongava. Meu Deus, ele é maravilhoso. Ela viu a silhueta do bumbum sob o algodão branco da cueca e ficou tão excitada, e tão surpresa com sua excitação, que até perdeu o fôlego. E então ele virou-se, flagrando-a em plena observação. Os lábios deles viraram-se naquele sorriso secreto. Só para ela. Sr. Culpepper? ela cumprimentou. Sou eu ele respondeu, abrindo os braços. O que posso fazer por você? Desculpe por ontem à noite ela disse, aconchegando-se ao peito dele. Por favor, não leve para o lado pessoal. Foi a bebida. Eu não acredito que desmaiei daquele jeito. Tudo minha culpa disse Ty. Mas acho que sei como você pode me recompensar. Ele pegou sua mão e a conduziu para o quarto. Preciso desse roupão de volta ele avisou, deitando-se na cama. Agora? Ele assentiu solenemente. Temo que sim. Seus dedos se embaralharam conforme ela tentava desfazer o nó. Droga! Ela era capaz de fazer isso. Estivera pronta para fazer na noite anterior. Por que estava tão nervosa agora, à luz do dia? Já tinha feito isso antes, não? Ty pegou o cinto e puxou-a para baixo, até que se sentasse ao seu lado. Permita-me ele disse. Tenho experiência com esse tipo de coisa. Aposto que sim. Ele teve a graciosidade de ficar vermelho.

333 333 Digo, é o meu roupão. Só isso. Foi presente de formatura do colegial. Da Kendra? ela arrependeu-se no segundo em que as palavras saíram de sua boca. Mas Ty pareceu inabalado. Não, da minha vovó, a Sra. Culpepper. Ah disse Ellis. Ty desfez o nó e tirou o roupão dos ombros dela, alisando-os, descendo para os quadris, puxando-a para perto. Segurou um dos seios em sua mão e abaixou a cabeça para beijá-lo. Ellis estremeceu. Ele pegou o outro e fez o mesmo. Isso, enfim, realmente estava acontecendo? Ele olhou para ela e sorriu. Você é linda, sabia, Ellis Sullivan? Ela estremeceu novamente, subitamente tímida. É da boca pra fora. Não ele negou com a cabeça, é o que penso desde que a vi aquela primeira vez, no dia em que chegou. Você é maravilhosa. Principalmente agora. Nua. Assim, você é uma deusa. Ela riu, e o rosto dele ficou sério. Puxou-a para ele, e seus lábios se encontraram. Então, a mão dele desceu mais, tocando-a entre as pernas com suavidade. Ela ficou zonza conforme seu corpo se lembrava daqueles prazeres há tanto esquecidos. Ele a tocava, e ela arqueava o corpo contra o dele. O corpo dela vibrava de uma forma inédita. Ty movia rapidamente sua língua sobre o mamilo dela, e ela se escutou arfando. Passou os dedos pelo peito dele, muito suavemente, até pararem logo abaixo do elástico da cueca. Sentiu-o estremecer. Colocou a mão sobre o quadril dele e, sem dificuldade, abaixou a cueca até os calcanhares. Ele chutou-as para fora, virou-se para o lado e

334 334 procurou algo no criado-mudo. Ele segurou a embalagem de forma que ela pudesse ver. Ellis Sullivan, você é o tipo de garota que faz isso no quarto encontro? ele perguntou, piscando os olhos azuis-acinzentados. Geralmente, não ela contou, honesta, pegando a camisinha da mão dele e abrindo a embalagem. Mas, no seu caso, estou disposta a abrir uma exceção.

335 335 Ellis ficou aliviada ao ver que a van vermelha não estava lá. Ela destrancou a porta da casa e entrou na ponta dos pés. Quase tinha conseguido entrar no seu quarto, quando a porta de Julia abriu e ela colocou a cabeça para fora. Julia analisou a aparência bagunçada de Ellis, o robe emprestado e suas roupas emboladas e úmidas debaixo dos braços. Então... Ela sorriu, contente. Finalmente: Ellis Sullivan voltando no dia seguinte. Queria que a Dorie estivesse aqui pra ver isso. Cala a boca disse Ellis, feliz. Cadê a Dorie? Você não vai acreditar começou Julia. Lembra o segurança no Caddie s ontem? O amigo do Ty? Connor? Ty falou dele, mas não fui apresentada respondeu Ellis. Não, mas aparentemente a Dorie foi e causou uma boa impressão continuou Julia. Ele deu uma passada agora pouco, teoricamente pra checar nossa segurança, mas era mesmo pra checar a Dorie. Você devia ver esse cara! Um metro e noventa, careca igual a uma bola de bilhar. Teoricamente? Julia apertou os lábios para segurar o riso.

336 336 Sei que você esteve, aham, ocupada hoje, mas, sim, se visse o jeito que ele olhou pra ela... Dava pra dizer que ele estava definitivamente interessado na Dorie. Ah, qual é, Julia disse Ellis, apoiada no batente da porta do banheiro. Tudo pra você tem a ver com homem. Pra mim?! exclamou Julia com uma gargalhada maldosa. Não fui eu quem fugiu de casa depois da meia-noite e voltou ao meiodia vestindo apenas um sorriso e o roupão do namorado. O Ty não é o meu... Ellis parou no meio da frase. Se Ty não era namorado dela, o que ele era? O que ela era, já que tinha passado a deliciosa manhã inteira na cama dele? Você ainda não me contou onde a Dorie está disse, mudando de assunto. Julia virou os olhos. Você não prestou atenção. Ela saiu com o Connor Terry. Ele estava com a viatura, e mesmo ele fora do horário de trabalho, tem uma regra que proíbe civis de andarem no carro do policial. A não ser que estejam presos. Então, ela foi seguindo na van. Bom, eles saíram faz três horas, então só Deus sabe onde estão agora. Ou o que estão aprontando acrescentou Julia, esperançosa. Você só pensa nisso, Julia Capelli disse Ellis, puritana. Sua mente suja. Eu, por minha vez, vou para o chuveiro. Ué? disse Julia, zombeteira. Você e o Ty não tomaram banho juntos? Ty, tinha, de fato, insistido muito para que tomassem banho juntos. Mas já que o chuveiro do apartamento consiste de um box de madeira minúsculo no deque, com vista para a praia, e com apenas uma porta de madeira ripada separando o banhista dos banhistas que apinhavam a praia atrás de sol, Ellis insistiu firmemente, por sua vez, que tomaria banho na Ebbtide, muito obrigada. Fica pra próxima concordou Ty, relutantemente, com a mão quase raspando os seios dela ao lhe entregar o robe. Tem água quente e tudo. Ellis estremeceu de desejo frente ao pensamento de

337 337 uma próxima vez. E mais outra. Como ela tinha ficado tanto tempo sem sexo? E como ela podia ter achado que o que fizera com Ben fora sexo? E quando ela faria sexo de verdade de novo? Ellis vestia uma camiseta limpa quando o celular tocou. E aí? ela cumprimentou, sentindo-se desconfortavelmente envergonhada. E aí? disse Ty. Olha, eu esqueci completamente de que a gente deveria ir checar seu ninho de tartaruga. Ai, Meu Deus, é verdade disse Ellis. Acho que, hum, com todo o resto... Olhando-se no espelho da penteadeira, viu que suas bochechas estavam em chamas. É, acho que nos distraímos Ty riu e agora, caramba, tenho que ir para o Caddie s. Não posso recusar o turno. Então, se eu te passar o número da Patrulha da Tartaruga, você pode ligar e contar onde achou? Com certeza afirmou Ellis, procurando por papel e caneta no criado-mudo. Ótimo disse Ty. Te ligo mais tarde, ok? Ok respondeu Ellis. Você vai fazer alguma coisa hoje à noite? ele perguntou. Só se você quiser respondeu Ellis. Eu quero.

338 338 Julia e Ellis estavam sentadas na varanda quando Madison desceu a rua pedalando. Vamos sair pra almoçar avisou Julia, casual. Quer vir? Não, obrigada respondeu Madison, como de costume. E em seguida: Ah, Lutz, quem tô querendo enganar? Estou morta de fome. Onde vocês estão pensando em ir? Vamos dar um rolé e ver se algo apetece sugeriu Ellis. Aquele disse Madison depois de terem dirigido alguns quilômetro. Ela apontava para um restaurante de beira de estrada. BOB S GRILL dizia a placa em letras grandes. E em letras maiores ainda: COMA E CAIA FORA. Eu passo na frente dessa birosca faz duas semanas, e morro de rir toda vez contou Madison. Café da manhã o dia todo. Vamos dar uma olhada. Elas pediram Coca Zero e examinaram o cardápio. Ellis quis um omelete com sour cream, vinagrete e bacon; Madison, um sanduíche club; Julia, a contragosto, pediu ovos mexidos, uma fatia de torrada de pão integral e uma porção de melão. Recebi um do meu agente: ele me arrumou um contrato de foto para a primeira semana de setembro explicou, triste. Catálogo de fim de ano e moda praia. Daqui duas semanas. Ellis sentiu uma pontada de pânico. Só mais uma semana de agosto. Só mais uma semana de Ebbtide. Só mais uma semana de Ty. Você não parece muito animada observou Madison. Julia deu de ombros e tomou um gole da Coca. É trabalho. Tenho que ter um ganha-pão. Simples assim.

339 339 Nem tanto disse Ellis. Você odeia ser modelo. Você mesma disse. O Booker quer casar com você. Ele tem um bom salário, ele te sustentaria, não importa sua decisão. Julia olhou para a Madison que se ocupava em rasgar o guardanapo de papel. Por favor, conta pra ela? Conta o que acontece quando você se casa só pra ter um telhado sobre a cabeça? O que acontece quando a gente se vende? Julia! exclamou Ellis agudamente, o semblante queimando de embaraço por Madison. Mas Madison não aparentava estar brava ou envergonhada. É isso que acha que eu fiz? perguntou, coçando os braços distraidamente. Não foi? Essa foi a impressão que passou quando falou sobre o Don Shackleford disse Julia. Meu erro não foi casar com o Don afirmou Madison : foi me apaixonar por ele. Meu erro foi mentir para mim mesma sobre quem ele era e, então, quando ficou dolorosamente claro quem ele era, falar para mim mesma que eu poderia mudá-lo. Meu timing foi péssimo ela disse, rindo pesarosamente. Eu não decidi ir embora até o minuto em que ele decidiu que não me deixaria ir. Julia recostou-se na cadeira e olhou sem expressão para a mulher à sua frente. A mulher que estava alugando o quarto do último andar há três semanas, um enigma personificado, de repente expondo sua alma, casualmente, enquanto pedia o almoço. No fundo, eu sabia quem o Don era continuou Madison. E se eu fosse brutalmente honesta comigo mesma, diria que provavelmente suspeitei que ele era casado quando nos conhecemos. Mesmo eu sempre tendo repetido a ladainha sobre não namorar homem casado. Os sinais estavam lá. Eu que decidi ignorar.

340 340 Isso não faz de você uma pessoa ruim disse Ellis, se sentindo repentinamente leal. Não, só incrivelmente estúpida concordou Madison. Acho que Amy Shackleford ficou extasiada quando eu tirei o Don das mãos dela. Ficaria com o dinheiro, sem precisar morar com ele. Garota esperta. Madison parou de mexer no guardanapo. Ela inclinou-se sobre a mesa e encarou Julia. Você é uma garota esperta também, Julia. Se ama esse cara, se quer ficar com ele, passar a vida com ele, faça isso. Pare de se preocupar com o casamento da sua mãe, ou o meu, ou o de qualquer pessoa. A vida é muito curta, caramba... Eu só tenho trinta e cinco protestou Julia. Tenho tempo de sobra. Madison arqueou uma sobrancelha. E quantos anos tem o Booker? A garçonete chegou com uma bandeja cheia de comida. Ela colocou as refeições sobre a mesa. Julia deu uma olhada nos ovos mexidos e a torrada pura e devolveu-os para a garçonete. Desculpa, mas eu mudei de ideia ela disse. Vou querer o burrito matutino com cream cheese e caranguejo, uma porção de linguiça... E uma broa. Uma boa e velha broa. Com manteiga e geleia. Ela olhou para Ellis e Madison. Decidi que vocês estão certas declarou. A vida é curta demais pra comer torrada pura. Quanto ao resto, ainda tenho que pensar. Ellis esperou o máximo que pôde, depois deu uma garfada no omelete. Desculpe disse, é terrível, tudo isso. Mas não consigo evitar. Vou desmaiar de fome.

341 341 Vai em frente disse Madison, acenando distraída. Eu também estou com fome. Ela levantou a fatia de pão e delicadamente passou sal no tomate vermelho intenso. Não tão esfomeada quanto a Ellis comentou Julia, maliciosa. Acho que ela deve ter pulado o café da manhã, não sei dizer, já que ela não veio pra casa ontem à noite. Madison mordeu um pedaço de bacon. Ora, ora, Ellis! disse. Meus parabéns.

342 342 Aaah, olá cumprimentou Ellis, se apoiando nos cotovelos e protegendo os olhos do sol. Onde você esteve o dia todo? Dorie deu um risinho enquanto esticava uma canga na areia ao lado da amiga. Eu estive... por aí tirou uma revista, protetor solar e uma garrafa d água da bolsa. Sozinha? Não respondeu Dorie. Com o Connor. O dia todo. Ellis abaixou os óculos e, sobre eles, olhou para Dorie. Seu cabelo estava bagunçado; seu nariz e suas bochechas, queimados de sol. Sobre o maiô, usava uma camiseta com o logo da delegacia local. Um boné do mesmo lugar enfiado em sua cabeça. É mesmo? É mesmo retrucou Dorie. Ela enrolou uma toalha, para fazer às vezes de travesseiro, abriu a revista e começou a cantarolar. É a... Ellis fez força para se lembrar da melodia. Não adianta disse Dorie, avoada. Garanto que não conhece.

343 343 Continua um pouco mais ordenou Dorie. Era uma velha brincadeira que ela e Baylor jogavam durante longas viagens de carro. A sua própria versão de Qual é a música?, embora fossem muito jovens para conhecer o programa original. Dorie cantarolou outra parte da melodia. Desiste? Ah, tá bom cedeu Ellis. Qual é a música? Crazy Ex- Girlfriend, da Miranda Lambert. Música country? zombou Ellis, horrorizada. Desde quando? Desde hoje respondeu Dorie. O Connor ama música country. A gente foi andar de barco depois do almoço, e a gente ouviu uma rádio country. Não daquela velharia tipo meu cachorro na porteira e minha amada no fogão... A gente ouviu Miranda Lambert e Lady Antebellum e Big&Rich... Hum disse Ellis. Dorie tirou os olhos da revista. O que você quer dizer com isso? Nada. Só... hum. Digo, você acabou de conhecer o cara que chegou chegando de viatura, passou o dia todo com ele e, de repente, é especialista em música country. O próximo passo é fazer a lista de casamento. Sem graça disse Dorie, folheando as páginas da revista com força. Ele é um cara legal, só isso. E para o seu governo, eu o conheci antes disso. Quanto antes? No bar respondeu Dorie, fungando. O Ty nos apresentou quando eu voltava da nona ou décima ida ao banheiro. Ele disse que

344 344 adorou me ver puxando o trenzinho e queria saber se podia me pagar um drinque. E você falou...? Eu disse: Oi, meu nome é Dorie. Não estou bebendo porque estou grávida de quatro meses, mas estou me divorciando. Seu signo é Virgem?. Hum. Brincadeira! exclamou Dorie. Não passei nem meu telefone. De qualquer maneira, foi você que pediu para o amigo policial/leão de chácara do Ty dar uma passada em casa, enfim, é tudo culpa sua. Não tenho nada a ver com isso retrucou Ellis. Olha começou Dorie, jogando a revista sobre a canga, eu não sou você nem a Julia. Ok? Eu gosto de caras. Sempre gostei. Gosto de conversar com eles, sair com eles. E gosto de sexo. Sempre gostei. Não sou uma biscate por causa disso, sabia? Eu sei concordou Ellis rapidamente. Eu não estou te julgando... É bom mesmo disse Dorie. O Connor é um cara decente. Ele é engraçado. Tão diferente do Stephen. Ele é... descomplicado. Ele fala o que pensa. Ele ama country e andar de barco. Tem uma moto também. Gosta do seu trabalho. Na verdade, ele ama o trabalho. Eu disse que ia morar sozinha, e ele se ofereceu a me ensinar como usar uma arma. E eu vou aprender, droga. Tem certeza de que isso não é saudade do Stephen? perguntou Ellis. Talvez, mas acho que não. Olha, parece arrogância, mas você me conhece da vida toda. Os caras dão em cima de mim. O tempo todo. Simplesmente. E você sabe que eu não faço nada pra encorajar. Desde que cheguei aqui, já fui paquerada pelo gerente de frutos do mar do supermercado, pelo cara espinhudo nojento da pizzaria e até pelo farmacêutico quando fui comprar vitamina pré-natal, pelo amor de Deus.

345 345 Ellis suspirou. De fato, você é um ímã de homem. E eu dei fora em todos esses caras disse Dorie. Não estava interessada. Até o Connor aparecer. Ele é bem diferente desses caras. Não tô falando que vou casar. Mas gostaria de passar um tempo com ele e ver o que rola. Você contou...? Sim respondeu Dorie, incomodada. Ela levantou a blusa e expandiu a barriga para fora. Não dá pra esconder. E nem quero. Fiz um resumão: estou grávida e vou me divorciar assim que voltar das férias. E como ele reagiu? Ele foi um fofo exclamou Dorie. Ele tem uma irmã que tá com o mesmo tempo de gravidez que eu. Ele não pareceu nem um pouco incomodado, Ellis. Ele é um pouco mais jovem do que a gente, mas eu juro que é muito mais maduro do que o Stephen jamais será. Então, é isso. Você vai ver ele de novo? Na verdade, vamos jantar hoje respondeu Dorie. Eu sei que parece estar indo rápido demais, mas só vamos ficar aqui mais uma semana. Quero ver no que vai dar. E ele também. E tem mais uma coisa. O quê? perguntou Ellis, cautelosa. Bem disse Dorie, dando uma piscadela exagerada, eu posso fazer tudo que eu quiser agora. Você sabe, romanticamente falando. Como assim? perguntou Ellis. Porque eu já tô prenha! Incorrigível Ellis gargalhou. Eudora, a incorrigível. Enfim, espero que esse lance dê certo.

346 346 Por quê? Dorie olhou-a duvidosa. Porque eu vou adorar ver a cara da Phyllis quando ela conhecer o seu namorado policial careca, armado, de moto e ouvindo country. Aposto que ela vai ter um ataque cardíaco e perder as estribeiras. Com certeza concordou Dorie. Ah, me esqueci de mencionar que ele só cursou dois anos da faculdade. E, saca só essa, ele é da igreja batista. dela. Ah, claro disse Ellis. Isso vai ser o último prego do caixão Em certo momento, Ellis cochilou. Quando acordou, eram quase seis, e Dorie também, aparentemente, tinha aproveitado para tirar um cochilo. A maré subia, e as ondas preguiçosas chegavam perigosamente perto do acampamento delas. Ellis levantou-se e recolheu suas coisas. Aonde você vai? perguntou Dorie. Subir respondeu Ellis. Já deu de praia por hoje. Dorie alcançou o celular e checou as horas. Dá uma meia hora aí. Por quê? perguntou Ellis, jogando o livro e a toalha na bolsa. Eu fui pra casa usar o pinico, por volta das quatro, e o Booker tinha acabado de chegar explicou Dorie. Acho que a Julia queria um tempo a sós. Saquei disse Ellis. Faz séculos que não vejo o Booker. Como ele tá?

347 347 Ele tá bem. Continua não sendo o que eu esperaria pra Julia. Mas tá bem. Quietão. Meio que esqueci que ele era mais velho. O cabelo tá totalmente grisalho, o que eu, pessoalmente, acho bem sexy. A Julia, apesar da sua atitude toda blasé, estava muito, muito animada que ele ia chegar. Depois que vocês voltaram do almoço, ela foi para um spa e fez as unhas e depilação cavada. Uau disse Ellis. Digo o mesmo concordou Dorie. Fico feliz por ser ruiva natural ela virou o rosto e analisou Ellis. Você já fez uma dessas? Sai fora respondeu, enfática. Não gosto nem de tirar a sobrancelha. Nem pensar que vou deixar alguém passar cera borbulhando na minha menina. Enfim, eu não precisei me preocupar com paisagismo nas partes baixas até recentemente, se é que você me entende. Dorie sorriu. Até muito recentemente, pelo que ouvi dizer. Sem comentários disse Ellis. Suponho que a Julia já fofocou tudo? Mas claro. O que você queria? Enfim, eu não julgo disse Dorie, pudica. Rá! Mas quando Ellis e Dorie vieram lentamente pelo caminho de tábuas em direção à casa, deram de cara com Booker, deitado de barriga no deque, com sua câmera profissional, tirando fotos da Ebbtide. Julia estava ao seu lado, com outra câmera na mão. E aí, Booker? cumprimentou Ellis.

348 348 E aí? replicou Booker, tirando os olhos da câmera e oferecendo um sorriso ligeiro antes de voltar para a máquina. Ele tá tentando uma foto da casa antes que fique sem luz explicou Julia. Ok disse Ellis. A gente vai pra casa, vamos atrapalhar? De jeito nenhum respondeu Booker. Na verdade, é bom que tenha gente em algumas das fotos. Quando chegarem na varanda, parem na balaustrada e olhem pra cá, se puderem, por favor. Mas não para mim, certo? Dorie e Ellis foram até a varanda e pararam lá desajeitadamente, olhando as dunas e o intenso crepúsculo. Uma leve brisa dobrava o capim; libélulas enormes surfavam as folhas ondulantes das palmeiras. Essa hora do dia é tão linda comentou Dorie, tirando uma mecha de cabelo do rosto. Eu vou sentir falta daqui. É, eu também concordou Ellis, sentindo a, agora familiar, pontada no peito. Quando chegar em casa, vou sentir falta mesmo é de vocês disse Dorie. Tinha me esquecido de quanto a gente sempre se diverte. Tenho amigos lá, mas é diferente com vocês. Idem concordou Ellis. Odeio ter que encarar o fim deste mês. Você podia voltar pra Savannah sugeriu Dorie impulsivamente. Tem um monte de banco lá. E o marido da Willa conhece a cidade toda. Ellis sorriu e olhou para o apartamento da garagem. O carro de Ty não estava lá, mas ele tinha lhe mandado uma mensagem avisando que trabalharia no Caddie s aquela noite de novo. Acho que não quero mais saber de banco, Dorie. Sério? Vai trabalhar no quê, então?

349 349 Não faço ideia respondeu Ellis. E, pela primeira vez em muito tempo, percebeu que fazia dias que não cerrava os dentes por medo do futuro. O cheiro de carvão vinha do fundo da casa. Ellis, com o cabelo ainda molhado do banho, encontrou Booker e Julia na cozinha. Julia descascava espigas de milho, e Booker tirava fotos de Julia em seu improvável papel de deusa doméstica. Ellis se serviu de uma fatia de tomate do prato ao lado do cotovelo de Julia. É algum tipo de documentário? Melhor ainda respondeu Julia, olhos brilhantes de excitação. O Booker, o brilhante, brilhante amor da minha vida, tem um brilhante, brilhante esquema. Booker deu uma risadinha. Você ouviu isso, né? Que eu sou o amor da vida dela? E sem mencionar que sou brilhante? Estou de prova disse Ellis, sentando-se na mesa da cozinha. Então, qual é o esquema? Que esquema? intrometeu-se Dorie, entrando na cozinha. Ela vestia uma blusa de alcinha cor de jade e calças largas combinando. No cabelo úmido, fez uma trança que caía pelas costas. Com os seios cheios de sardas do sol saindo pelo decote, ela parecia uma sereia moderna. Julia terminou o milho e limpou a mão num guardanapo de papel. Contra pra elas, Booker.

350 350 Não é tão brilhante assim disse modestamente. Sabe que a Julia vem tirando fotos de tudo, da casa, das três na praia, tudo que ela vê, praticamente, desde que chegou? E tem me mandado por e- mail, certo? Ceeeeerto disse Ellis. Ela é uma fotógrafa amadora bem talentosa elogiou Booker. O que faz sentido, claro, já que ela aprendeu com o mestre. Eu sempre soube que tinha um olho fabuloso, mas as fotos que me mandou estavam especialmente evocativas. E eu só estava tirando com o celular interpôs Julia. Sabe, brincando, pra mostrar ao Booker onde a gente estava morando. Enfim, eu mandei as fotos dela pra um amigo, que trabalha na Califórnia. Ele pesquisa locações para filmes! soltou Julia. E o Booker nunca me disse nada sobre ele. Fazia uns anos que eu não via o cara disse Booker, mais calmo. A gente trabalhou junto quando eu fazia fotos de moda. Enfim, ele ficou intrigado com as fotos da Julia. Principalmente as da Ebbtide atalhou Julia. Galera, ele acha que a casa seria perfeita pra um filme. Um filme de mulherzinha, e eu não tenho permissão pra dizer quem está no elenco, mas vou falar só umas coisas: Legalmente loira, Uma linda mulher e Miss Simpatia! Julia Booker abaixou a câmera e olhou-a com reprovação, elas ainda não assinaram contrato, lembre-se. Eu não mencionei nenhum nome argumentou Julia, arrependida. Enfim, o Simon, esse meu amigo, me contratou pra tirar umas fotos da casa, da praia, das casas e comércio da região, todas essas coisas disse Booker. Já mandei por as fotos de hoje à tarde, pois ele vai encontrar os produtores amanhã. O cronograma de produção tá bem apertado por causa dessas, ahn, atrizes sem nome, que têm janelas de

351 351 trabalho muito pequenas. Iam filmar numa casa de praia da costa oeste, mas o diretor de arte odiou todas que mostraram. Muito contemporâneas, muito extravagantes. Mas ele adorou o look caindo aos pedaços da Ebbtide interrompeu Julia. Óbvio que ele ainda não viu os banheiros. O filme ia ser gravado em Cape Cod, no verão explicou Booker. Mas todas as casas selecionadas eram elegantes demais, ricas demais. O que nos trouxe a Nags Head e Ebbtide. Se o produtor gostar do que vai ver, o Simon vai querer falar com seu amigo, Ellis, sobre a possibilidade de alugar a casa por três ou quatro meses. Sério? perguntou Ellis. Quando? Acho que imediatamente. A produção deve começar dia quinze de setembro. Querem esperar a temporada terminar pra que não tenham muito trabalho com a multidão. Não é incrível? perguntou Julia. O Ty não vai pirar? lá. Incrível repetiu Ellis. Se ele conseguir manter a casa até

352 352 A louça tinha sido retirada da mesa, o resto do vinho, tomado. Booker recebeu com graciosidade os elogios ao jantar que criara: atum grelhado, milho-verde assado com pimenta seca, e risoto de ervilhas com aspargo, chalota e manjericão. Dorie e Ellis espalharam um quebra-cabeça de quinhentas peças com a imagem de um farol sobre a mesa de jantar e declararam que o terminariam até meia-noite. Madison, que finalmente cedera aos pedidos, tinha se juntado ao jantar, mas se assumiu péssima em montar quebra-cabeça. Pela primeira vez desde que se mudaram para a casa, parecia à vontade no grupo. Vem, Book chamou Julia, batendo nele de leve com o guardanapo de pano. Não aguento tanta excitação. Vamos passear na praia. Ela guiou-o pela escada da duna abaixo, até a areia. Deixaram os sapatos na areia fofa da base dos degraus e andaram de mãos dadas pela beira da água. Pra que lado? perguntou Booker. Hum, para o norte, acho respondeu Julia. A Fileira dos Chalés é logo ali. O que é isso? É o que sobrou das casas construídas na virada do século em Nags Head explicou Julia. Originalmente, havia, tipo, uma dúzia.

353 353 Todas amadeiradas, como a Ebbtide. Eles as chamam de aristocracia sem pintura. A Ebbtide não faz parte. O Ty nos contou que sua família construiu a casa em mil novecentos e trinta. Andavam devagar, parando para observar as estrelas e o luar, olhando para a fileira de casas, iluminadas pelos ocupantes veranistas. Vozes e som de um rádio emanavam das casas atrás das dunas. Estas são as mais antigas disse Julia, depois de andarem um pouco mais. Naquele lugar, as casas eram mais distantes umas das outras, estruturas expandidas de madeira com varandas externas alongadas. As paredes de madeira brilhavam um marrom-prateado sob o luar. Nada extravagante disse Booker, aprovando. Nada concordou Julia. Pelo que o Ty diz, o pessoal das antigas considera falta de sofisticação exibir seu dinheiro com reformas ou acrescentando alas. Nada tinha sido feito na Ebbtide há décadas, até o Ty comprar do tio e começar a arrumar. Você gosta daqui disse Booker, surpreso. Tem um certo charme que vai te cativando admitiu Julia. De cara, fiquei com nojo do lugar. Não queria magoar a Ellis, que fez toda a pesquisa e teve o trabalho de arrumar a casa, reservar e tudo o mais, mas estava bem detonada quando chegamos. Não é bem o tipo de casa de praia que você costuma frequentar. Booker riu, cutucando-a de leve. O início não foi muito fácil disse Julia. A Ellis estava tão... mandona. Até montou uma lousa com as tarefas domésticas, dá pra acreditar? E todo mundo conhece o problema da Julia Capelli com autoridade, né não? brincou Booker. A gente se resolveu disse Julia. Minimamente. Tem sido um mês interessante, com certeza.

354 354 E com você? perguntou Booker. O que anda acontecendo? Exceto pelas fotos e alguns telefonemas, você esteve surpreendentemente quieta no último mês, Julia. Eu sei ela admitiu, apertando a mão dele. Você me deu muito no que pensar. Chegou a alguma conclusão? Algumas. Por exemplo? Julia tirou o longo cabelo da cara. Vou parar de modelar. Booker assentiu. Já contou pra agência? Ainda não. Eles arranjaram um contrato de catálogo pra quando eu sair daqui. Vou ter que ir em frente e fazer, não posso deixar a Jessica na mão. Mas é só mais esse. Chega. Parece sensato disse Booker. As meninas acham... ela começou. Não, eu acho que devia tentar styling. É a sua cara concordou Booker. Você já faz isso por conta há anos. Eu sempre disse que você tem o melhor olho do negócio, Julia. Preciso da sua ajuda disse Julia, olhando-o de soslaio. Você conhece todo mundo. O pessoal das revistas, os fotógrafos, os diretores de arte. Não todo mundo discordou Booker. Mas eu tenho minhas fontes. Eu sei que teria que começar como assistente continuou Julia. Fazer o trabalho braçal: catalogar os acessórios, buscar café, passar camiseta, fronha.

355 355 Não muito glamouroso disse Booker. Pensei em perguntar pra Annette Joseph se ela me aceita comentou Julia. Eu conheço? Conheci numa sessão de fotos em Miami, ano passado explicou Julia. Ela trabalha de Atlanta, mas faz vários trabalhos para revistas de decoração, então pega trabalhos em toda a costa leste. Atlanta repetiu Booker, impassível. Por causa do aeroporto explicou Julia. Washington tem dois aeroportos, sabia? Escuta ela disse, respirando fundo. A gente pode vender o flat de Londres. Booker parou de andar. Você pensou sobre isso? Julia engoliu em seco. Se eu não for trabalhar na Europa, não faz sentido manter uma casa lá. Sei que o mercado imobiliário tá uma droga, mas o bairro tá bombando, mesmo com o mercado em baixa, a gente pode ganhar uma grana preta vendendo. Ou alugando disse Booker. Caso você mude de ideia. Não vou prometeu Julia. Eu venho empurrando isso com a barriga há muito tempo, tentando evitar o inevitável. Londres era maravilhosa, meu trabalho era excitante, mas não é mais. Faz tempo que não é. Você tá aqui nos EUA. Quero ficar com você. Só isso. Eu senti sua falta, Booker. Sentiu? Ele abraçou-a pela cintura e trouxe-a para mais perto. Julia abraçou o pescoço dele e beijou Booker intensamente.

356 356 Eu te amo mesmo, sabia? ela disse, pousando a testa em seu peito. Este mês, na praia, com tudo que as meninas passaram, meio que me forçou a parar e fazer um balanço. A Dorie me deu o maior sermão outro dia. A Dorie? A pequena e doce Dorie? Ela não é tão doce assim disse Julia, sentida. E a Madison, que mal me conhece, disse algo no almoço hoje que abalou minhas estruturas. O quê? questionou Booker, esfregando a mão sobre a bata de algodão fino que Julia vestia, beijando-lhe o pescoço. Ela chamou minha atenção respondeu Julia. Disse que não posso ficar dando desculpas sobre casamento baseada nos erros dos outros. Garota esperta disse Booker, puxando-a mais para perto. Acho que... Julia parou e se soltou, mas Booker não tinha intenção de largá-la. Acha o quê? Ela virou-se de costas para ele. Acho que eu não te mereço. Alguém tão bom quanto você. Talvez seja por isso que fique te afastando. Quê? ele colocou a mão sobre os ombros dela e a fez girar. Que maluquice é essa? Julia deu de ombros e engoliu em seco. Respirou fundo e disse: Tem coisas sobre mim... coisas que você não sabe. Ele riu desdenhoso. A gente mora junto há quase dez anos. Me diga uma coisa sobre você que eu não saiba. Vai. Duvido. Ela mordeu o lábio.

357 357 O negócio é que... eu fiquei grávida aos dezoito. Foi uma gravidez tubária, Book. Eu só tenho uma trompa de Falópio boa. Não sei se posso ter filhos uma lágrima rolou sobre sua face. Desculpa. Eu devia ter te contado anos atrás. Ele seguiu a lágrima com o polegar. E você acha que eu vou te largar por causa disso? Julia, amor. É isso que te perturbou todos esses anos? Ela assentiu, triste. Lágrimas corriam sem cessar agora. As pessoas acham que eu sou uma coisa perfeita. Mas não sou! É tudo de plástico! Fiz o nariz, os peitos, e até onde eu saiba, sou também infértil. Para com isso! ordenou Booker, sério. E me escuta. A única pessoa que acha que você é de plástico é você mesma. Você é a mulher mais real, mais verdadeira que eu já conheci. Não tô nem aí para o seu nariz, ou sua trompa de Falópio, ou seus dedos do pé tortos ou o que seja. Eu me apaixonei por você, Julia Capelli. O pacote completo. E, na minha opinião, você é perfeita. Putz, olha pra mim. Quase cinquenta. Talvez eu seja infértil também. Sim, eu quero filhos. Mas só se você quiser. Então talvez a gente faça isso do jeito moderno: tubos de ensaio, placas de Petri, adoção... não tô nem aí. Entendeu? Julia fungou e assentiu devagar. Ela deitou a bochecha no ombro de Booker e disfarçadamente limpou o nariz escorrendo em sua camisa. Ele acariciou suas costas reconfortantemente. A Madison disse que eu devia parar de me preocupar com a vida dos outros e seguir em frente com a nossa. Acho que eu tô gostando dessa moça disse Booker, vagarosamente posicionando os dedos sob o sutiã de Julia. E ela me lembrou de que a vida é curta e que nada é garantido. Carpe diem, querido, sabe? Latim? disse Booker com um gemido exagerado. Você sabe como eu fico excitado quando você fala estrangeiro.

358 358 Seu bobo disse Julia. Mas ela tinha colocado as mãos sob a cintura dos shorts dele e percebeu o quanto ele tinha realmente se excitado. Eu acho ele começou, solene que a gente devia voltar pra Ebbtide e aproveitar a minha situação. Digo, como vamos saber se a gente pode fazer bebês se não tentar? Hum disse Julia você tem razão. A casa vai ser um lugar mais civilizado do que a praia. Não quero assustar as gaivotas. Voltaram para a escada de Ebbtide e sentaram-se no último degrau para tirar a areia dos pés. Odeio quebrar esse momento mágico disse Booker, mas não consigo parar de pensar como você vai ficar comigo em Washington e ao mesmo tempo trabalhar em Atlanta. Julia beijou-lhe o nariz. Com a grana que vamos ganhar vendendo o flat de Londres, eu posso alugar algo pequeno e prático em Atlanta. Um studio, que seja. Eu vou morar nessa casa maravilhosa que achou pra gente em Alexandria e viajar para as sessões de fotos quando necessário. Claro que isso depende de algumas coisas. A primeira: convencer a Annette a me ensinar as manhas do negócio. Isso não vai ser problema. Pela minha experiência, você é uma garota bastante persuasiva. E depois disse Julia, batendo a areia dos shorts e sentando no colo do Booker, vou ter que me virar pra planejar um casamento antes que a Dorie fique do tamanho de um elefante e a Ellis arrume um emprego sabe-se lá onde. E, por falar nisso, quando você vai conseguir tirar férias? Um casamento? Booker estranhou. Quem vai casar? Nós, se você me aceitar sussurrou Julia. É só falar quando.

359 Ah, eu te aceito disse Booker. Deixa só eu consultar meu calendário. Tá lá em cima. No seu quarto. 359

360 360 Sábado de manhã, Ellis correu para a edícula da garagem, ansiosa para contar a novidade de Simon, o amigo de Booker, produtor de locação. Mas a caminhonete já não estava mais lá. Ela pensou em ligar no celular dele, mas achou melhor não. Ele podia estar em qualquer lugar, e ela queria dar a notícia pessoalmente. Pescou a chave que Ty lhe dera do bolso e subiu as escadas. Ele tinha chegado tarde ontem. A embalagem de comida para viagem ainda sobre a mesa, junto a uma long neck e um jornal embaralhado. Uma tigela de cereal com restos de leite dentro da pia, além de uma colher e um copo sujo de suco. A bancada lotada pela caixa de cereal, a garrafa de suco e o pote de açúcar com uma colher dentro. Uma mosca voava preguiçosamente, batendo contra a tela da janela. Ellis foi até o quarto. Colcha e lençóis amassados ao pé da cama. A camiseta e os shorts de Ty jogados no chão, além de uma toalha úmida. Ela suspirou feliz e começou a arrumar o pequeno apartamento. Ela lavou, secou e guardou a louça; além de limpar a bancada grudenta. Abriu a porta para o deque e varreu o que pareceu um quilo de areia porta afora e pelas rachaduras das tábuas, como se lembrava de sua mãe fazendo quando alugavam a casa de praia em Tybee, nos verões de sua infância.

361 361 Ellis sorriu satisfeita ao tirar a roupa de cama e juntar tudo com as roupas sujas. Lavaria tudo na lavanderia de Ebbtide e surpreenderia Ty quando ele voltasse para casa. Quando saía do apartamento pelo deque, um carro chegou com tudo na entrada de Ebbtide. Um Mercedes conversível, cinza-escuro, elegante, dirigido por um homem acompanhado de uma mulher, com compridos cabelos loiros, ao lado. Os olhos dela estavam sombreados por uma viseira azul-claro. O motorista parou o carro na garagem, como se soubesse exatamente aonde ir. Serão os futuros locatários da Ebbtide?, pensou. O Ty não tinha dito nada sobre mostrar a casa enquanto elas ainda estivessem na residência, mas assumiu que ele quisesse alugá-la assim que elas saíssem no sábado seguinte. Sentiu uma facada no peito novamente. Sair. Faltava apenas uma semana para o sábado. A mulher desceu do conversível e olhou para Ellis com curiosidade. A loira era Kendra. A ex-mulher do Ty. E o motorista era Ryan, ou, como Ty se referia a ele, o Cara de Cu. Ei, olá chamou a loira, abanando a mão. O Ty está aí? Não respondeu Ellis. Não o vi hoje cedo ela virou-se para dentro da edícula. O que devia fazer? Ligar para o Ty? Antes que tivesse tempo de decidir, ouviu pisadas martelando a escada de madeira e um bater ligeiro na porta. Ela abriu, e Kendra deu um sorriso alegre. Ah! É você. Ela juntou as sobrancelhas, procurando o nome. Olá, Ellen, certo? É Ellis.

362 362 Ah, é mesmo. Bom, eu sou a Kendra. Acho que se lembra de que nos conhecemos no Comida de Peixe, outra noite. Meio estranho, né, encontrar com a ex daquele jeito? Ellis deu de ombros. O Ty não está ela repetiu. Não sei quando ele volta. Os lábios vermelhos de Kendra juntaram-se num beicinho. Eu liguei e liguei, deixei mensagens. Ele nunca liga de volta. Por isso resolvi vir hoje, para conversar com ele sobre Ebbtide. Sabe, antes do mês que vem. Não sei o que te falar disse Ellis. Ele tá sempre ocupado. Eu aviso que você passou ela pegou a trouxa de roupas sujas e saiu para o deque, trancando a porta atrás dela. Ela correu escada abaixo. Ryan tinha saído do Mercedes e andava em torno da garagem, cutucando as tábuas; entrava na garagem, encarando as antigas travas com um monte de porcaria pendurada nas vigas: cadeiras de jardim enferrujadas, corda apodrecida, algo que parecia ser uma antiga vela. Posso te ajudar? perguntou, brava. O Cara de Cu era um cara-de-pau andando pelo lugar como se já fosse o dono. Não respondeu Ryan, imune ao tom de voz dela. Fala aí, você tem ideia de quantos metros quadrados tem a edícula aí em cima? Não respondeu Ellis, seca. Mas tem cozinha, né? Tipo, uma quitinete? E banheiro? É completo ou só lavabo? A gente quer saber se a edícula poderia ser de aluguel. É um inferno conseguir aprovação para construir banheiros novos, por isso eu pergunto. Se ele já for completo, será o máximo. Querido, acho que me lembro de ter privada e pia, com o chuveiro aqui no deque gritou Kendra.

363 363 Ellis olhou para cima. Kendra não só continuava no deque como espiava pelo vidro da porta; as mãos em volta dos olhos para impedir a claridade. A cozinha é pequena, mas tem tudo. A gente precisa trocar os equipamentos, e o linóleo tem que vazar. Prateleiras e tampos novos também, claro. Vale a pena ir a uma loja comprar. Ei! gritou Ellis. Não acho que o Ty ia gostar de vocês dois fuçando na casa dele quando ele não está. Ok concordou Kendra. Ela veio pulando pelas escadas e se juntou ao marido, que tinha terminado de inspecionar a garagem. Ellis notou que a viseira de Kendra era do mesmo tom de azul de sua regata justa e da bermuda de corrida. E, claro, o azul dos tênis combinava com todo o resto, incluindo o frufru que segurava seu longo cabelo loiro em um rabo de cavalo. Diga, Alice... começou Kendra. É Ellis. E-L- L-I- S. Certo, desculpa. Escuta, você não sabe quem está alugando a Ebbtide, sabe? Não mentiu Ellis. Hum disse Kendra, virando-se para encarar a casa. Um trio de biquínis úmidos pendurados no varal entre os dois postes da varanda voavam ao sabor do vento. Enquanto observava, Booker emergiu da casa com uma câmera pendurada no pescoço. Eu preciso muito, muito dar uma olhada dentro da casa, bem disse Kendra para o marido. A vovó do Ty era um amor, mas não cuidava muito bem da casa, e Deus está de prova que o Ty nunca deu bola pra esse tipo de coisa. Contanto que os peixes fisgassem e a as ondas rolassem, a casa não importava. Ela apertou o lábio, ainda olhando para a casa, pensativa. Ar-condicionado de janela. E tenho certeza de que não tem isolamento, muito menos aquecedor. Não me surpreende. Acho que os

364 364 Culpepper nunca preparam a casa para o inverno ela deu a Ellis um sorriso triste. Os avós de Ty eram gente trabalhadora, honesta, mas nunca tiveram muito dinheiro. O telhado parece bem ruim também, docinho adicionou Ryan. A gente vai ter que demolir o lugar. O estômago de Ellis deu um nó ao ouvir a palavra demolir. Ela queria pegar a vassoura que deixara para trás e afugentar os dois oportunistas para longe da propriedade Ebbtide. Mesmo não sendo dona do lugar, ela tinha certeza de que Ty aprovaria tal tomada de atitude. Antes que pudesse sugerir que Kendra e o Cara de Cu desocupassem as dependências, ela foi salva pelo toque alegre do celular de Kendra. Oiê ela cumprimentou, seu semblante iluminando-se. Não, nem. Ele não tá aqui. A amiga dele disse que não sabe aonde ele foi, nem quando volta. Que novidade, não? Provavelmente surfando com aqueles amigos vagabundos dele. A pessoa que telefone falou por um tempo; Kendra ouviu com atenção, depois respondeu: Não, não vamos desistir. Vou deixar outra mensagem, e se não der certo passo aqui de novo. Te prometo, papai, quando a gente entregar o cheque, ele vai ficar feliz em aceitar e ir embora. Ok? Te vejo no almoço, então. Ela desligou e guardou o aparelho. Bem ela disse, alegre, você passa o recado para o Ty, então? Assim que eu o vir prometeu Ellis. Kendra virou-se para o marido. O papai quer que a gente almoce com ele no clube de campo. Temos umas horas pra matar. Podemos ir até Duck. A Bailey e o Ferris estão cobrando que a gente passe e veja a reforma, então aí temos uma desculpa pra ir embora.

365 365 Ryan assentiu entusiasmado, e, sem mais palavra para Ellis, pularam no Mercedes e foram embora em alta velocidade. Ellis observou-os, punhos cerrados de raiva. Marchou de volta à Ebbtide, jogou a roupa na máquina, girou o controle e esmurrou o botão de ligar. No fim da tarde, a casa estava sinistramente quieta. Booker insistira em pagar um almoço tardio no Beach Grill a todas, incluindo Madison, que tentara, sem sucesso, se livrar. Quando estavam sentados na mesa com vista para as dunas, Booker deu à Julia uma piscadela mal disfarçada. Ela retirou uma garrafa de champanhe de sua enorme bolsa de palha, e Booker levantou-se, batendo no copo de água com a colher. Os outros clientes do restaurante viraram-se, com um olhar de interesse morno, depois voltaram-se para o jogo de beisebol que passava na televisão de tela grande do bar. Booker puxou Julia, que ficou de pé, e pela primeira vez na história, corou. Tenho um anúncio a fazer disse Booker, abraçando Julia pela cintura e se esforçando para permanecer sério. Éééééé! gritou Ellis. É isso aí! acompanhou Dorie em uníssono. Quietas! ordenou Julia. Vocês não têm noção de decoro? A garçonete veio para a mesa com uma bandeja que carregava taças de champanhe embaçadas e molhadas e uma cesta de bolacha de água sal em pacotes individuais.

366 366 Obrigado agradeceu Booker, dispensando-a com um aceno de cabeça. Agora, como eu ia dizendo continuou Booker. Como vocês sabem, eu venho cortejando essa flor sulina, Julia Elizabeth Capelli, há mais de uma década. E, como vocês também já sabem, sua amiga Julia tem, até agora, recusado, minto, ridicularizado, minhas súplicas para fazer dela uma mulher honesta. Uuuuuu! vaiou Dorie. Fiu! assobiou Ellis. Vai logo pros finalmentes, meu! Julia revirou os olhos. Agora vocês sabem o que aguento todos esses anos. Seja como for continuou Booker, gesticulando grandiosamente. Ontem à noite, sob a influência da lua cheia, sem contar as quase duas garrafas de um pinot gris francês muito bom, a amiga de vocês, minha amada, fez-me a grande honra de concordar, em data ainda a ser anunciada, em me fazer o homem mais feliz do mundo. Deixem-me apresentar a todas minha noiva, a futura Sra. Julia Capelli hífen Calloway! Com isso, Booker pegou a garrafa de champanhe e tirou a rolha; e com a champanhe derramando sobre seus dedos, agarrou Julia e plantou um enorme e barulhento beijo direto em seus lábios sorridentes, enquanto Dorie, Ellis e Madison gritavam enlouquecidas. O almoço que se seguiu foi a mais feliz, louca e barulhenta refeição de que Ellis se lembrava, em sua memória recente, de ter participado. Julia concordou, depois de muita sedução e imploração, que o casamento acontecesse no outono. Antes que você fique muito gorda. disse para Dorie. E ele virando-se com ternura para Booker tenha tempo de mudar de ideia e achar outra garota.

367 367 Mas elas logo descobriram que Booker tinha mais de uma surpresa na manga. Quando os aperitivos chegaram, Julia olhou para seu prato de lula e, por fim, pegou, com o garfo, um anel ensopado de vinagrete uma aliança de platina coberta por diamantes que rodeavam um enorme e brilhante diamante retangular. Booker! cuspiu Julia. O que que é isso? Booker retirou o anel dos dentes do garfo de Julia e o colocou, com molho e tudo, no anular da mão esquerda dela. Ele beijou o anel, depois a mão de Julia, e, por fim, seus lábios. Quando ela se recuperou do choque, levantou a mão e a girou, admirando um lampejo de sol sobre o diamante. É perfeito ela declarou. Se eu tivesse desenhado, não teria sido tão perfeito. Parece tanto o anel de noivado da minha avó. Como você sabia? Onde é que você? Em vez de respondê-la, Booker levantou-se, pegou a câmera pendurada na cadeira, mirou e começou a tirar fotos do grupo em torno da mesa. É o da sua avó ele contou. Joe. Mas... gaguejou Julia. A mamãe deixou para o meu irmão E sua cunhada achou que era tremendamente antiquado explicou Booker, plantando outro beijo na bochecha de Julia. Eu mandei um perguntando se havia alguma joia da família que ele estivesse disposto a ceder, no remoto caso de algum dia você aceitar casar comigo, e ele ficou pra lá de satisfeito em se ver livre disso. Você! ela gritou. Ela levantou-se, jogou-o numa cadeira, sentou no seu colo e o beijou com paixão. Ai, vão pro quarto! gritou Dorie. Depois do almoço, quando o grupo saía do restaurante, Booker puxou Ellis de lado.

368 368 Boas notícias ele disse. O Simon mandou uma mensagem quando entramos no carro pra vir aqui. Os produtores adoraram as fotos. Ele vai voar pra cá logo cedo, na segunda, para procurar as outras locações. Você já contou para o Ty? Que maravilha ela disse, tentando segurar o grito. Ainda não falei com o Ty, ele passou o dia fora. Mas vou ligar agora mesmo e contar que você precisa conversar com ele. Ótimo, pois o Simon disse que todo o calendário de produção foi adiantado. É para ser top secret, mas uma das protagonistas acabou de revelar que está grávida. Qual será? disse Dorie, observando Dorie subir no banco de motorista da van. Hum, Booker, você tem ideia de quando o pessoal do filme vai pagar pelo uso da casa? Não respondeu Booker. Isso é algo que o Ty vai ter que negociar. Eram quase seis quando Ellis viu a caminhonete entrar na garagem. Alguns minutos depois, o telefone dela vibrou, anunciando a chegada de uma mensagem de texto. COQUETÉIS EM MINHA VARANDA? SR. CULPEPPER. Ela sorriu e mandou de volta: JÁ VOU. Ellis vestiu uma bermuda branca e uma blusa verde-limão decotada que fazia seu bronzeado ficar dourado. Depois de passar um gloss e um pouco de perfume, caminhou para o apartamento de garagem.

369 369 Ty acabava de sair do banho, com uma toalha de praia enrolada na cintura, quando ela pisou no último degrau do deque. Ops ela disse, ficando vermelha. Hum, acho que cheguei cedo. Ele riu do seu recato e a puxou para perto. Ele ainda estava úmido da ducha, mas ela não deu nem bola que sua blusa e sua bermuda branquinha ficassem também molhadas. Tem cerveja e uma garrafa de vinho branco na geladeira ele avisou. E acho que tenho torrada e patê, se estiver com fome. Vou me vestir e volto num minuto. Ellis pegou as torradas e o patê e serviu-se de uma taça, depois levou tudo para o deque. Ela encostou-se à balaustrada, olhando para a praia, que estava praticamente deserta àquela hora, exceto por dois adolescentes surfando no raso. Ela já tinha visto os meninos de manhã e percebeu que eles tinham passado o dia todo na praia, jogando frisbee e agora surfando. Provavelmente era o último fim de semana livre dos dois, antes que a escola começasse. Ellis sentiu a pontada de dor novamente. Não se lembrava da última vez que se sentira tão triste com o fim do verão. Ty chegou atrás dela, abraçando-a pela cintura e beijando-a no pescoço. Você tá cheirosa ele disse, inalando seu perfume. Isso é pra mim? Tudo é pra você ela respondeu, virando para devolver o beijo. Sentaram-se próximos nas cadeiras de praia feitas de teca, bebendo e pondo a conversa em dia. Eu sei que você odeia peixe-espada, mas o que acha de garoupa? perguntou Ty. Um camarada meu ligou hoje cedo e queria saber se eu topava ir pescar com ele. Foi onde eu passei o dia. Pegamos um monte de garoupa e caranho. Eu amo garoupa respondeu Ellis. E o que vamos ter para o jantar?

370 370 Pensei em te impressionar com meus dotes culinários ele disse. Você não é uma dessas fresquinhas que não comem peixe frito, é? Eu não respondeu Ellis. Ele balançou a cabeça aprovando. Beleza. Sanduíche de garoupa frita e salada de repolho para o jantar. Você fica responsável pela salada. Eu dou conta ela afirmou, seguindo-o até a cozinha. Mas, primeiro, tenho uma proposta pra te fazer.

371 371 Caso de Verão pode ser a salvação de Ebbtide disse Ellis, resumindo o que Booker contara sobre Simon. Um filmaço de Hollywood. Se eles usarem a casa pra filmagem, eles provavelmente vão pagar o suficiente pra te tirar do buraco. Ty olhou através da janela da cozinha da casa grande. Mas a Ebbtide tá só o bagaço. Você mesma disse. Quem vai querer filmar aqui? Pelo jeito, eles gostaram do que viram insistiu Ellis. Começando pelas fotos sem graça que a Julia tirou com o celular e depois incluindo as fotos profissionais que Booker vem fazendo nos últimos dias. Talvez o filme seja sobre uma casa antiga. Eles fazem filmes assim direto, e não dá pra filmar todos em sets especialmente construídos pra isso. Acho que não disse Ty, colocando a garoupa coberta de farinha numa frigideira cheia de óleo borbulhante. Eu não vou mais ao cinema. Acho que o último que vi foi Duro de Matar 2. Ellis espalhou manteiga nos pães de hambúrguer e depois os arrumou no forno elétrico para tostarem. Bom, eu vejo muitos e muitos filmes de mulherzinha e posso te garantir que os meu preferidos são aqueles em que a casa é um personagem tão importante quanto os atores. E ela acrescentou :

372 372 com as atrizes que teoricamente vão trabalhar nesse Caso de Verão, o orçamento deve ser enorme. Com um garfo de cabo longo, Ty virou cada um dos filés de peixe. Você gosta de molho tártaro ou quer experimentar minha receita de molho supersecreta? Como é a receita supersecreta? Se eu te contar, deixa de ser supersecreta, não? E se eu jurar que não conto pra ninguém? perguntou Ellis. De pé junto? Tenho uma ideia melhor disse Ty, abraçando-a pela cintura e beijando-a. E o segredo? perguntou Ellis, ficando fora do alcance dele. Molho chili enlatado, suco de limão, raiz-forte e maionese respondeu Ty. Ele ajeitou a garoupa em um papel toalha para secar, preparou seu molho com habilidade e, cinco minutos depois, empurravam os papéis sobre a escrivaninha/mesa para comer. Huuuuuuum murmurou Ellis ao morder seu sanduíche. Estou oficialmente impressionada. Deve ser o melhor sanduíche de garoupa que eu já experimentei. E tendo crescido em Savannah, eu comi muitos. Ty levantou um garfo cheio de salada de repolho. E isso aqui não tá nada mal também. Como você fez o molho? Não tem maionese, gostei. É receita da minha mãe, meu pai que lhe ensinou confessou Ellis. É só jogar sal e açúcar no repolho picado e apertar com as mãos até o repolho meio que começar a chorar. Depois você esquenta vinagre de maçã numa panela, coloca mais açúcar e um pouco de

373 373 semente de aipo. Então é só jogar esse molho sobre o repolho enquanto ainda está quente, mexer com uma colher de madeira e deixar na geladeira. Fica ainda melhor depois de um ou dois dias. A gente forma uma equipe legal disse Ty, pousando os cotovelos sobre a mesa. Ele olhou em volta do cômodo. Pelo jeito, alguém entrou aqui hoje e limpou o barraco. Até lavou a roupa. Já ouviu de algum ladrão que faz isso? Fui eu admitiu Ellis. Não sei o que me deu. Estava tão animada pra te contar essa história de filme que subi aqui logo cedo. Entrei com a minha chave e me deixei levar ela sorriu pedindo desculpas. Desculpa. Não vai acontecer de novo. Por que não? Digo, quem sou eu pra me meter nas suas necessidades domésticas? Ai, meu Deus disse Ellis, abaixando o garfo. Esqueci completamente! Você teve visita enquanto eu limpava. Tanta coisa aconteceu hoje: a Julia e o Booker ficaram noivos, essa história do filme... acabei esquecendo. Quem passou aqui? perguntou Ty, a boca torcida de sarcasmo. Outro cobrador? Sua ex respondeu Ellis e o marido dela. Espero que tenha afugentado eles com uma foice ele disse. Que raios eles queriam? Olhar a edícula e a casa, claro respondeu Ellis. Eles queriam que eu deixasse eles entrarem pra checar se o apartamento era bom o suficiente pra alugar. Essa é a Kendra comentou Ty, amargo. Quando está numa missão, não deixa a poeira baixar. Ela disse que tem te ligado e deixado mensagens, mas você nunca retorna. Hum ele disse. Acho que devo ter esquecido.

374 374 Eu não acreditava na cara-de-pau disse Ellis. Ela subiu aqui, ficou olhando pela janela, tentando analisar a cozinha, enquanto ele ficou na garagem com uma fita métrica! E depois ela teve coragem de me perguntar se os locatários da Ebbtide permitiriam que ela entrasse pra ver a casa. Inacreditável disse Ty, balançando a cabeça, descrente. O que você falou pra ela? Que eu não tinha ideia de quem eram os inquilinos respondeu Ellis, satisfeita com seu subterfúgio. Ótimo disse Ty, seco. Ele levantou da mesa e começou a retirar os pratos. Agora, podemos pensar em outro assunto pra conversar? Qualquer outra coisa. O ambiente tinha sutilmente se transformado. Antes, eles estavam brincalhões, flertando, se divertindo, à vontade um com o outro. Mas agora, Ellis sentia, Ty ficara mal-humorado, distante. Ela arrependera-se de ter mencionado Kendra. Não cometeria o mesmo erro novamente. Ela o ajudou com a louça. Enquanto ele a secava e guardava, ela pegou uma vassoura do canto e varreu o chão da cozinha, pois precisava de um canal para a sua energia nervosa. Não precisa fazer isso disse Ty, tirando a vassoura das mãos dela. Ele olhou em volta procurando uma distração. Não dá pra ver televisão. Você devia chamar a empresa sugeriu Ellis. E mentir e prometer que eu pago mês que vem? Ah ela tinha dado outro fora lembrando Ty de sua situação financeira. Desculpa disse Ty, pegando na mão dele. Nada disso é culpa sua. É que... Num minuto eu acho que estou saindo do buraco que cavei pra mim, e, no minuto seguinte, a Kendra e o Cara de Cu estão batendo na minha porta, tentando comprar meu teto. Eu entendo ela disse, suave. E entendia de verdade. Olha ela continuou, foi uma noite gostosa. O jantar foi ótimo. Mas acho que você precisa de espaço hoje.

375 375 Não ele protestou. Fica. Ainda tá cedo. Pensei em passear na praia Fica pra outra noite prometeu Ellis. Quero voltar pra casa e deixar tudo arrumadinho. Lembra? O pessoal do filme vem amanhã. Eles não vão querer saber da Ebbtide disse Ty. É um casebre feio, caindo aos pedaços. Olha em volta. Hoje em dia, há lugares como a Ebbtide às pencas. Eles vão amar insistiu Ellis. Não fala assim, Ty, por favor. Sei que é difícil, mas eu realmente acredito que isso pode dar certo e ser a chance que você vem esperando. Chance? Ty parecia duvidoso. Gente como eu não tem chance. Vou ter que dar um jeito. Meu pai ofereceu dinheiro emprestado, mas não posso deixar que ele mexa em sua aposentadoria ele apontou para o computador, o qual Ellis tinha coberto com um guardanapo, fazendo graça, durante o jantar. Tenho uma ação que venho observando. Tenho lido os relatórios sobre a empresa. E acho que ela está incrivelmente subvalorizada. Eles estão trabalhando num novo software e se conseguirem a patente antes dos outros, isso pode ser a chance de que preciso. Ok disse Ellis, sentindo-se rejeitada. Obrigada pelo jantar, Ty. Vou passar seu celular para o Booker, aí ele passa para o Simon, e vocês podem conversar diretamente, sem me usar de mensageira. Quê? Agora você tá brava comigo? A gente brigou? Não ela respondeu, tentando soar mais leve do que se sentia. Eu simplesmente não concordo com você. Sem briga. A gente se fala amanhã. Ela pisava no primeiro degrau da varanda da Ebbtide quando ouviu seu celular. Ela o pegou e viu que tinha mensagem. E era de Ty. SOU UM IDIOTA, IDIOTA, IDIOTA. É mesmo ela murmurou para si, guardando o celular no bolso e entrando na casa agora escura.

376 376 Encontrou Madison deitada no sofá da sala, lendo um livro mofado de detetive. Cadê todo mundo? perguntou Ellis. A Dorie saiu para jantar com o amigo policial dela, e acho que a Julia e o Booker foram pegar um cineminha respondeu Madison. Ellis jogou-se na poltrona oposta ao sofá, com as pernas sobre o braço da cadeira. O que você tá lendo? ela perguntou, apertando os olhos para ver a colorida ilustração da capa. John D. MacDonald. The Turquoise Lament respondeu Madison. Tem uma prateleira só dele. Meu avô sempre lia John D. MacDonald e falava sobre o Travis McGee como se fosse uma pessoa real. Nunca ouvi falar dele disse Ellis. Ela levantou e andou sem rumo pela sala, folheando livros, depois os guardando de volta; pegando revistas só para deixá-las de lado... Ela ouviu o celular de novo e olhou para a tela. VOLTA, POR FAVOR. tela. Ela riu com desdém e, com o pressionar de uma tecla, limpou a Homens são idiotas, sabia? Madison tirou os olhos do livro. Quem? Eu? Você tá falando comigo? Claro respondeu Ellis. Madison colocou o livro aberto no peito e suspirou. Estamos tendo problemas com homem, então? É o Ty disparou Ellis. Ele não quer se ajudar. Eu contei sobre o amigo do Booker, o produtor de locação, mas não importa o

377 377 que eu diga, ele acha que eu estou delirando. E agora ele ficou nervosinho porque contei que a ex-mulher e o novo marido dela passaram aqui hoje, enquanto ele estava fora, conferindo tudo porque eles querem comprá-la. Como se tudo isso fosse minha culpa. Você mesma disse acrescentou Madison. Os homens são idiotas. E, vai por mim, eu sou autoridade nisso. O problema é que não temos boas alternativas. Então, você tem que decidir se quer lidar com um gênero que é intrinsecamente defeituoso. Eu estou me virando sem homens há anos. Uma década, na verdade disse Ellis, triste, escorregando na cadeira. Pensei que tinha finalmente encontrado um cara diferente, que fosse inteligente e engraçado... E sexy pra caramba completou Madison. O Ty Bazemore é tudo isso. E também tem um complexo de inferioridade absurdo continuou Ellis. Eu não preciso disso. Claro que não concordou Madison. Você pode voltar pra Filadélfia e pra sua antiga vida lá. E deixar esse cara hipotecado aqui em Nags Head. Ele que se vire sozinho pra salvar sua casa. É isso disse Ellis. Exatamente o que vou fazer. Bom pra você disse Madison. Ela pegou seu livro novamente. Teve alguma notícia do Adam? perguntou Ellis, determinada a esquecer seus problemas. Nem um pio respondeu Madison. Ele ainda não retornou nenhuma das minhas ligações. Tô com uma sensação ruim. O celular de Ellis tocou de novo. Madison ergueu uma sobrancelha, mas, de resto, permaneceu imóvel. Ellis levantou-se e foi para a cozinha. Ela via a luz amarela por trás da janela do apartamento em cima da garagem. TÔ COM SAUDADE, dizia a mensagem de Ty. Ela olhou de novo e pôde ver Ty,

378 378 de pé, na janela, olhando diretamente para ela, para sua silhueta delineada pela luz fraca da cozinha. Mais um vez, o telefone tocou. QUERIDA ELLIS SULLIVAN. NÃO POSSO FICAR SEM VOCÊ. POR FAVOR, ME DÁ OUTRA CHANCE. POR FAVOR? SR. CULPEPPER. Madison ela gritou, seguindo para a porta da cozinha, vou sair um pouco. Fala para o Ty que eu mandei ele não pisar na bola dessa vez Madison gritou de volta. Ao amanhecer, eles sentaram-se nas cadeiras do deque, bebendo café feito na velha cafeteira de alumínio da avó de Ty, observando o sol nascer. Uma dupla solitária de pescadores, com água até o tornozelo, lançava iscas. À exceção dos dois, a praia estava deserta. Que manhã gostosa disse Ellis com um bocejo, sentindo-se completamente em paz. Que noite gostosa disse Ty, pousando sua xícara de café no chão. Hum-hum concordou Ellis. Sabe o que seria muito, muito bom? perguntou Ty, puxando-a para cima. De novo? Ellis apertou o roupão azul. Ah, bem, talvez mais tarde. Agora eu preciso muito mesmo é de um banho disse Ty. E se ao menos eu tivesse alguém para lavar minhas costas... ele quase já desenlaçara o roupão dela. Ele é muito rápido, pensou Ellis. Não sei disse Ellis, desconfortável. Aqueles caras ali... ela apontou com a cabeça para os pescadores.

379 379 Os caras pegaram duas anchovas só no tempo em que a gente se sentou aqui fora ressaltou Ty. Eles estão concentrados. Nem percebem a gente. Ele a puxava para o box de madeira, ao mesmo tempo em que tirava a própria camiseta. Ligou a torneira, abriu a porta e tirou a cueca. Vem ele sorriu, puxando-a pelo cinto do roupão. Você vai amar o roupão caiu e ela ficou tão nua quanto Ty. Ah, bem ela disse. Deixou o roupão no deque e entrou no chuveiro. Só um minuto disse Ty, recolhendo o robe caído. Colocou a mão em um dos bolsos e tirou uma embalagem de camisinha, mostrando-a para a aprovação de Ellis. Prepare-se ele avisou solenemente. Água morna escorria pelo corpo dela. Ty tinha uma embalagem de xampu de bebê. Ele despejou um pouco nas mãos e massageou habilmente o cabelo e a cabeça dela com seus longos dedos. Ela pegou o xampu dele e devolveu o favor, correndo os dedos por seu cabelo queimado de sol, cheio de sabão. Eles ficaram embaixo da água, piscando e rindo. Ty pegou a embalagem de xampu e riscou Ellis com o líquido amarelo do ombro ao seio direito, depois ao esquerdo. Ele deixou a embalagem na pequena prateleira de madeira e voltou sua atenção a Ellis. Transformou o xampu em espuma, acariciando os seios dela, ensaboando sua barriga e tracejando uma linha de sabão cada vez mais para baixo, até finalmente penetrá-la. Eles se movimentavam em conjunto, e Ellis se esqueceu de se preocupar, se esqueceu de se inibir, se esqueceu de todas as regras. Farpas ela sussurrou certo momento, quando seu bumbum ensaboado roçou contra as tábuas de cedro grosseiramente talhadas, mas logo se esqueceu do problema.

380 380 Estavam se esfregando pela segunda vez, e a água começava a ficar fria, quando Ellis ouviu passos na escada de madeira. Ty! ela exclamou sussurrante. Hum? ele estava atrás dela, ensaboando lhe as costas. Tem alguém aí. Hum?! ele virou-a e acariciou seu pescoço. Olááááá! Ellis congelou. Ela conhecia aquela voz. Meeerda sussurrou Ty. Ele conhecia também. Bem demais. Ai, meu Deus Ellis falou em voz baixa. Me esconde. Por quê? ele sussurrou de volta. Que é que tem? Ty? a voz de Kendra aproximava-se. Eles percebiam que tinha quase chegado ao último degrau. Faz alguma coisa implorou Ellis. Vou morrer de vergonha se ela me vir assim. Fica aqui cochichou Ty. Vou me livrar dela e já volto. Ellis olhou para baixo e percebeu que, se Kendra chegasse mais perto, ela notaria os dois pares de pernas dentro do box de madeira. Ela se sentou no estreito banco de madeira e puxou as pernas para cima. Ty desligou a água, recuperou a cueca e a vestiu. No minuto seguinte, se enrolava no roupão e saía, fechando a porta do chuveiro firmemente. Kendra Ellis ouviu-o dizer, o que você tá fazendo aqui, porra? Ellis olhou para baixo e viu água escorrendo de seu corpo. Ela tremia e viu seus pelos eriçarem a pele nua. Rápido, ela pensou. Rápido!

381 381 Tyyyyy a voz de Kendra aguda e zombeteira, cheguei na hora errada? Você sempre chega na hora errada, Kendra ele soltou. Mal passou das sete horas. O que diabos você quer? Se você me ligasse de volta, saberia o que eu quero respondeu Kendra, totalmente inabalada pela rudeza de Ty. O Ryan e eu queremos conversar com você sobre comprar a Ebbtide. Conversa com o banco, não comigo disse Ty. Não decido nada, você sabe bem disso. A gente pode se ajudar disse Kendra suavemente. Você precisa sair da dívida, e o Ryan e eu queremos uma casa na praia. Uma casa na praia antiga e com personalidade, como a Ebbtide. Mas queremos apenas dar uma olhada no lugar antes de fazer uma oferta. Estou pensando que vai precisar de muita reforma, e a gente quer fazer uma estimativa disso antes do leilão. Nada feito respondeu Ty, seco. Vai embora. Você não precisa ser grosso disse Kendra. Eu não sou o vilão, sabia? Ellis abraçou os joelhos com força. O sol não havia nascido completamente, e o ar matinal continuava friozinho. Tão frio quanto a voz de Ty.

382 382 Claro que é retrucou Ty. Você e o babaca do seu marido são dois abutres circulando a casa, tentando tomá-la de mim. E se acha que eu vou te ajudar a fazer isso, você é mais burra do que eu pensava. Eu sou burra? Não fui eu quem largou a faculdade de Direito e jogou fora uma brilhante carreira como advogado. Não fui eu quem abandonou nosso casamento no primeiro probleminha, porque o meu ego frágil não suportava uma dose de realidade. E certamente não sou eu quem está se preparando para perder a casa, e todo o resto, porque me recusei a encarar os fatos e fechar um negócio com alguém que pode me ajudar a sair da lama. Você tem uma versão interessante da história, Kendra Ty arrastou as palavras. Imagino se o velho Cara de Cu sabe que você o trata por primeiro probleminha. Para de chamar ele assim Kendra surtou. Para de aparecer na minha casa sem ser convidada e sem avisar. Para de me ligar e para de me mandar mensagens disse Ty. E, agora, dá o fora da minha propriedade, antes que eu chame a polícia. Eu vou cedeu Kendra. Ellis ouviu os pés dela se movendo pelo deque. Soltou um suspiro de alívio. Mas me expulsar não vai mudar nada, Ty ela provocou. O Ryan e eu ainda estaremos no leilão dia quinze, e vamos levar nosso talão de cheque. E não há porcaria nenhuma que você possa fazer para impedir. Vamos comprar a Ebbtide, Ty. E quando comprarmos, a primeira coisa que vamos fazer é mandar sua bunda branca pra rua. Vaza mandou Ty. Agora. As pisadas rapidamente recuavam. Evidentemente, Ty parecia tão assustador quanto soava. Ellis ouviu um motor sendo ligado, ouviu o acelerador sendo pisado e o gratificante som dos pneus de Kendra girando com eficiência sobre as conchas da entrada. Ty riu. Ele enfiou a cabeça dentro do box.

383 383 Ellis estava encolhida sobre o banco, os joelhos pressionados sobre o joelho. Ela conseguiu sorrir com os lábios azuis. S-s-e-e-u ma-mal-dito. Dá pra me passar uma to-to-a-lha?

384 384 Ellis ouviu o estrondo do aspirador de pó assim que abriu a porta da frente. Dorie aspirava o desgastado tapete da sala de estar. Ela acenou para Dorie e foi até cozinha para encontrar Madison encerando o chão. Lá em cima, Ellis achou Julia zumbindo entre os quartos, com os braços cheios de roupas de cama, travesseiros, colchas e tapetes. O que tá acontecendo? ela perguntou, ao trombar com Julia saindo do próprio quarto. Pra que tudo isso? Julia ajeitou o cabelo atrás da orelha. Arrumando a casa para o grande momento. E isso ela disse apontando com o queixo para a pilha de roupas de cama em seus braços é um monte de coisa para deixar os quartos mais femininos. O Booker e eu fizemos umas comprinhas ontem à noite. Na verdade, umas compronas. Mas quem vai pagar por tudo isso? perguntou Ellis. O Ty tá duro. Não se preocupe assegurou-lhe. As etiquetas estão intactas. Assim que esses caras vazarem, vamos devolver tudo. Dá pra fazer isso? É legal? Ninguém vai dormir nessas coisas, Ellis disse Julia, virando os olhos. Cadê o Booker? perguntou Ellis.

385 385 Se você veio do Ty, provavelmente passou por ele respondeu Julia, entrando no banheiro do corredor. Ela dobrou e arrumou uma pilha de toalhas brancas e fofas. Ele tá na garagem, tentando ligar o cortador de grama. Mal posso esperar pra ver: o Booker usando um cortador. E tudo isso é para o pessoal do filme? perguntou Ellis. Eu só ia arrumar as camas, mas Julia, você não precisava se dar ao trabalho. Não é nada disse Julia. Ela abriu uma sacola da loja e retirou um jarro de vidro, o qual começou a encher de conchas brancas que tirava de outra sacola. Ela posicionou o jarro sobre a cisterna, depois deu um passo atrás para analisar sua obra. O que você acha? ela perguntou. Muito pedante? Muito lindo elogiou Ellis. Mas precisa disso tudo? Julia deu de ombros. Mal não vai fazer, né? E, de qualquer modo, é divertido. É como se arrumar para uma superfesta. Além disso, não é totalmente desinteressado. Se o Simon usar mesmo a casa para o filme, o Booker ganha uma porcentagem. E se eles fizerem o filme aqui, talvez eu consiga descolar um emprego no camarim. Não seria o máximo? Se, se, se disse Ellis, angustiada. Tanta coisa em jogo. A casa vai ficar fabulosa assegurou Julia, empurrando Ellis para o seu quarto. Quando abriu a porta, quase não reconheceu o lugar que foi seu por quase um mês. As cortinas amarelas foram substituídas por uma cortina de algodão branca com franjinha de bolinhas, amarradas de lado com cordas. A colcha esfiapada também já era, e no seu lugar havia uma em tons de azul e verde. Três travesseiros gordos se apertavam na cabeceira. As obras de arte bregas gravuras borradas de faróis e patos foram trocadas por grandes fotografias atmosféricas, em preto e branco, de Ebbtide, das dunas e da praia logo além da porta dos fundos. Do Booker? perguntou Ellis, tocando as molduras.

386 386 É. Imprimimos e enquadramos no supermercado disse Julia. Ela manda bem, né? São maravilhosas concordou Ellis. Você acha que ele me vende umas cópias? Seria um ótimo suvenir de Nags Head e da Ebbtide. Julia olhou-a com curiosidade. Você vai precisar de suvenir? Cedo demais pra saber respondeu Ellis. Agora, me passa uma tarefa. Fácil. O Booker acha que o que vai convencer os produtores de que a luz é incrível, e a localização, lógico. Então precisamos lavar todas as janelas, o que não deve ter sido feito desde o governo Reagan. Eu faço por dentro, mas vou precisar chamar o Ty pra qualquer coisa que necessite de escadas disse Ellis. Ela desceu até a cozinha e encheu um balde com amônia e água, e recolheu um maço de jornal para secar as janelas. Enquanto mandava uma mensagem para Ty, Dorie entrou na cozinha e se sentou, com o celular na mão e uma cara de assombro. Algum problema? perguntou Ellis, de coração acelerado. Tá tudo bem com o bebê, né? Ãhn? Ah, tá. O bebê tá ótimo. Eu só estou em estado de choque, acho. O Stephen acabou de ligar. Ellis sentou-se na cadeira oposta à de Dorie. O que ele queria? Dorie descansou ambas as mãos sobre a barriga. Ele disse que queria apenas conferir se eu estava bem. Perguntou pelo bebê, sabe, se a barriga está crescendo, se ele já chuta etc. Que amor disse Ellis, esperando pelo que viria a seguir.

387 387 Ele contratou um advogado de família e entrou com o divórcio disse Dorie, seu lábio inferior tremia. E... ele quer comprar minha metade da casa. Sério? Mas isso é bom, né? Não é o que você queria? Os olhos de Dorie encheram-se de lágrimas. Acho que sim. É que foi meio de repente, sabe? Pensava que eu iria ter que dar partida nessa história, pois ele sempre adia tudo, mas, do nada, ele está super apressado para assinar os papéis e se livrar de mim. Você ficou insistindo pelo divórcio, Dorie lembrou Ellis. E você me contou ontem mesmo que era hora de seguir em frente. Tá até namorando. Ou quase isso. O Connor e eu não estamos namorando protestou Dorie. Eu nem deixei ele pagar pelo jantar ontem. Eu paguei minha parte. Vocês se beijaram? Dorie enrubesceu. Talvez o Stephen queira o mesmo pra ele disse Ellis. Ah, claro, ele vai ter tudo o que ele quer, tudo certinho e perfeito disse Dorie. Ela olhou para Ellis. Ele vai sair do colégio. Ofereceram um emprego no Colégio de Arte e Design de Savannah, um trabalho burocrático na área didática. Ele disse que paga bem mais, e é algo que sempre o interessou. Acho que é por isso que ele vai ter grana pra comprar minha parte. Isso e o fato que ele tem um namorado rico lembrou Ellis. Enfim, um aumento significa que ele não vai ter o mesmo salário porcaria que você. Se ele for trabalhar nesse colégio, significa que vai poder pagar uma bela quantia de pensão. Não é justo disse Dorie, amarga. Foi ele quem arruinou nossas vidas. Ele me engravidou, ele me traiu, ele me abandonou. Agora, ele vai ter a casa, um ótimo novo emprego... e eu?

388 388 Você vai ser mãe respondeu Ellis suavemente. Isso é mais importante do que casa, emprego, dinheiro. Certo? Você vai ter tudo o que sempre quis: uma criança. Nada do resto importa. Você vai ser uma mãe fabulosa, e o Stephen vai ter que conviver com o fato de que ele perdeu a chance de dividir a vida com você e o filho dele. Você faz parecer uma novela disse Dorie, fungando. E se eu estragar tudo? Eu sei que fiz um alarde sobre querer este bebê, mas Ellis, eu tô muito assustada. Não sei se consigo fazer isso sozinha. Você não vai estragar tudo apaziguou Ellis. E não vai estar sozinha. Para o bem ou para o mal, você vai ter que deixar o Stephen ser o pai do bebê. E você tem a Willa, o Nash, e todo o resto da sua família doida. E o Connor, pelo jeito. E nós. Você tem a nós, Dorie. Você sabe disso, né? A gente está aqui pra você. Sempre estivemos. Sempre estaremos. Willa! exclamou Dorie. Quase esqueci. A Willa sabe sobre o bebê. O Stephen trombou com ela hoje cedo, e ele achou que eu já tinha contado, então fez algum comentário sobre ela ser tia. Ele disse que ela quase caiu dura de um ataque cardíaco. Quem dera brincou Ellis. Ops. Então agora eu tenho que ligar pra ela e contar toda a sórdida história disse Dorie, escorregando na cadeira. E aí ela vai contar pra Phyllis, e o mundo vai cair. Você podia cortar caminho e ligar direto pra sua mãe sugeriu Ellis. Tipo um ataque defensivo. Nem pensar respondeu Dorie, triste. Eu enfrento a Phyllis em casa. Antes, não Dorie colocou os cotovelos sobre a mesa e apoio o queixo nas mãos cerradas. Eu não estou a fim de ter essa conversa com a minha irmã. Fico surpresa por ela não ter ligado comentou Ellis. Ah, mas ela ligou disse Dorie. Sem parar. Eu que não quis atender.

389 389 Covarde xingou Ellis. É, sou assim. Ele chegou anunciou Julia às seis da tarde, ao entrar na cozinha, onde as meninas estavam reunidas. Dorie fazia guacamole e Ellis espremia limão para as margaritas. Madison cobria as bordas das recém-compradas taças com uma mistura de suco de limão e sal. O Booker acabou de parar o carro. Ele e o Simon estão andando lá fora, conversando. Olha disse Ellis, derrubando um limão cortado ao meio. Minhas mãos estão tremendo. Não dá pra acreditar o quanto eu estou nervosa. Relaxa disse Julia, balançando o cabelo. Ele vai amar esse lugar. Puxa, eu amo, agora todo arrumado desse jeito. Você fez um ótimo trabalho, Julia elogiou Dorie, temperando os abacates em cubinhos com um pouco do suco de limão da Ellis. Nunca imaginei que essa casa pudesse ficar tão bonita. Eu faria um filme aqui acrescentou Madison. Putz, depois dessa arrumação, eu moraria aqui. Não foi nada de mais disse Julia casualmente. Qualquer idiota faria o que eu fiz. Janelas limpas, chão encerado, uns potes de gerânio e samambaia na varanda... Todos os móveis realocados, novas cortinas em todas as janelas, tapetes novos, obras de arte, flores em todos os cômodos, o deque lavado à pressão, paisagismo no quintal, conserto do corrimão da varanda completou Ellis, contando as atividades do dia nas

390 390 mãos. Fico exausta só de falar. E acho que o Ty vai amar. Acho que ele tá começando a acreditar que o filme pode realmente rolar. Vai rolar jurou Julia. Aguarde e confie. O Booker disse que o Simon não se impressiona fácil. Então se ele está aqui, é quase certeza que o negócio vai rolar. Onde o Ty está, por falar nisso? Tomando banho respondeu Ellis. Ou provavelmente dormindo de pé no chuveiro, depois de todo trabalho que você deu pra ele. Vai valer a pena disse Julia. Eu garanto. Eu acredito disse Ellis. O difícil agora é convencer o Ty disso. A mesa ficou imunda com copos, garrafas vazias de cerveja, restos de torrada e gotas de molho e guacamole sem contar as latinhas de Coca Zero sem cafeína de Dorie. Eram dez horas. As mulheres, exaustas de tentar causar boa impressão, se recolheram em seus quartos. O Simon tinha sido servido de vinho, alimentado, estufado de camarão, cuscuz e tomates verdes fritos, tudo servido por Julia, Ellis, Madison e Dorie trajando vestidos decotados, que exibiam seus bronzeados brilhantes, e receptivos sorrisos sulistas. Simon estava no fim dos quarenta, ficando careca, com o que sobrou do seu cabelo amarrado em uma pequena trança na nuca. Usava uma camiseta apertada com a palavra FACHADA em letras grandes, na frente; bermudas de linho, as quais Julia se referiu com sarcasmo pelas costas dele como capris de homem ; e tênis de cano alto preto, sem cadarços. Ele fez um tour de duas horas pela casa, observando cada canto e rachadura, sem dizer muita coisa. Depois disso, Ty e Booker subiram e desceram a Estrada Croatan de carro com ele. Ele ficou observando o pôr do sol com um olhar experiente, e deu uma olhadela rápida nas

391 391 outras duas casas antigas que Ty achou que poderiam funcionar como outras locações para o filme. Agora ele estava recostado na cadeira da mesa, oposto a Ty, que ainda bebia sua primeira e única cerveja da noite. Vai funcionar ele disse, sucinto. Não é perfeita, mas vai dar certo. Quando você pode sair? Sair? perguntou Ty, sem entender. Se mudar explicou Simon. Precisamos de acesso imediato. O Booker não te contou? Ty coçou os olhos e bocejou. Ele disse que vocês queriam começar a filmar em setembro. Filmar, sim respondeu Simon impacientemente. Mas a gente precisa trazer as equipes imediatamente. Este lugar, espero que não se ofenda, precisa de muitos reparos. Achei que você queria uma casa antiga protestou Ty. O Booker disse... A gente precisa que fique com cara de ainda mais velha explicou Simon. O diretor de arte queria uma casa com telhado de tijolos com telhas azuis, estragadas pelo tempo. Como em Cope Cod. Mas essa casa nem tem telhado de tijolo disse Ty. Vai ter quando terminarmos a reforma disse Simon. Outra coisa, o Joe quer toldos. Toldos listrados, caralho. Precisamos também de um gazebo naquele seu deque, com vista para a água. E aquela garagem caindo aos pedaços? Vai se transformar num celeiro. Um celeiro vermelho e desbotado. É uma garagem ressaltou Ty. Não parece nem um pouco um celeiro. Vai parecer disse Ty. Quando acabarmos, você vai ficar pensando onde estão as vacas?. Ooook disse Ty vagarosamente.

392 392 Então você pode sair de imediato? Ty piscou. Por que não posso ficar na edícula da garagem? Porque ali será o celeiro disse Simon, falando devagar, como se estivesse lidando com uma pessoa que possuísse alguma dificuldade de raciocínio. A gente vai fazer um filme aqui, lembra? Vamos voltar um pouquinho sugeriu Ty. Primeiro, as inquilinas. Você se lembra delas? Julia, Ellis, Dorie, Madison? Elas ainda têm mais uma semana de aluguel. Eu não posso expulsá-las daqui. Cinquenta mil dólares disse Simon, contente. Por três meses. Vamos te dar uma mesada para alugar um lugar pra você, contanto que você não abuse. O que acha? Ty engoliu em seco e tentou parecer desinteressado, apesar de seu pulso ter acelerado, sua garganta, secado e o coração martelasse com tanta força que ele temeu ser possível vê-lo pela camiseta. Ele deu outro gole da cerveja morna como uma tática de enrolação. As garotas ficam até o fim da semana, como planejado respondeu, por fim. Elas têm um contrato de aluguel e eu não vou quebrar. Seu pessoal consegue se virar com elas aqui, não consegue? Simon balançou a cabeça. Elas não vão atrapalhar? Claro que não disse Ty. Quem vai trabalhar aqui? Pedreiros, pintores, tudo isso? Uma equipe respondeu Simon. Talvez você possa nos ajudar a recrutar um pessoal da cidade. Honestos, sindicalizados, claro. Talvez eu possa ser o chefe de obras disse Ty, descontraído. Eu que fiz todos os reparos na casa até agora, mas tenho parceiros

393 393 que são marceneiros, pintores, eletricistas. E sobre o dinheiro: vou precisar de uma entrada grande. Grande quanto? Ty sentiu a veia em seu pescoço tremer, mas decidiu ignorá-la. Metade. Simon fez que não com a cabeça veementemente. Não rola. Ok disse Ty, dando outro gole da cerveja. Sem ressentimentos. Talvez você consiga achar outra casa na beira da praia onde alguém tope transformar a garagem em celeiro, em uma semana. Simon analisou-o. Você tá me zoando? Sim disse Ty, mas preciso dos vinte e cinco mil dólares de entrada, além de um contrato assinado e todo o esquema que vocês devem ter com seguro e tudo o mais. Isso ou nada. Simon empurrou a cadeira para trás e levantou-se. Te dou um retorno amanhã cedo. Pode me dar uma carona até a pousada ou vai me cobrar extra também? Sem custo disse Ty, suave. É um prazer. Mais uma coisa disse Ty, o que você sabe sobre o terreno ao lado? O da casa queimada? A gente pode precisar também. Te dou um retorno prometeu Ty.

394 394 Por volta das duas horas da tarde, na terça-feira, os caminhões entraram ruidosamente no terreno da Ebbtide. Ellis acabara de voltar da praia e ficou na varanda, segurando seu copo de chá gelado, observando o desfile que se aproximava. O primeiro foi um caminhão cheio de madeira tábuas, telhas, tocos, cavaletes e qualquer outro formato imaginável. Logo atrás chegou um van de uma companhia de ar-condicionado. Esta foi seguida por duas velhas caminhonetes de mudança, que, por sua vez, foram seguidas por uma picape vermelha, e por último, a desgastada caminhonete de Ty sem a prancha. Ty estacionou próximo à rua e correu para a casa, direcionando os motoristas para onde deveriam parar. Por fim, foi até a varanda e cumprimentou Ellis com um beijo rápido. O que é tudo isso? perguntou Ellis. Parece o filme Sequestradores de casas. Quase isso respondeu Ty. Eles vão só fazer uns consertos, como diz o Simon. Mas obriguei que prometessem não incomodar muito as meninas. Eles vão começar pela garagem. Você quer dizer o celeiro? Isso aí. Ellis apontou para o caminhão da empresa de ar-condicionado. E esse?

395 395 Ty sorriu. Só um aquecedor novinho em folha, de última geração, e duas unidades de resfriamento centrais, de duas toneladas cada. Hollywood gosta da ilusão de antigo, mas o talentoso elenco custou caro e não trabalha sem ar-condicionado. Sério? Você vai poder ficar com eles? Com certeza. Todas as benfeitorias ficam na casa, incluindo o telhado de cedro, o gazebo, o celeiro. Apesar de eu não acreditar que eles vão conseguir transformar aquela garagem num celeiro da Nova Inglaterra. Oba! exclamou Ellis, batendo palmas. Ar-condicionado! Vai demorar pra eles ligarem? Odeio reclamar, mas o do quarto da Dorie morreu, e o meu está moribundo. A Madison desistiu do dela assim que se mudou. Ty fez uma careta. Vocês deviam ir pra um hotel. Eu falei para o Simon que não o deixaria espantar vocês, mas se o ar não funciona, tá ruim também. Eu mando eles pagarem pelos quartos. Eu não achei ia começar tão rápido. Que loucura, não é? Sim, afetou a minha cabeça admitiu Ellis. Você não chegou a me contar se deu tudo certo com o banco. E aí? Deu respondeu Ty. Finalmente consegui ficar cara a cara com um ser humano. Mostrei o contrato com o pessoal do filme e assinei um cheque de vinte mil dólares, sob a condição de que haverá outro pagamento quando a filmagem terminar e eu receber o resto do dinheiro. Por enquanto, o leilão foi cancelado. Que ótimo disse Ellis. Você só deu vinte mil dólares? Mas o Simon te deu vinte e cinco. Verdade assentiu Ty. Eu usei os outros cinco mil para dar entrada num terreno.

396 396 Não tô entendendo disse Ellis. Não tô querendo te encurralar, mas, Ty, você não tinha que usar todos os centavos para salvar a Ebbtide? Nem todos explicou Ty. O terreno que comprei está bem ao lado ele apontou para o terreno arenoso ao lado de Ebbtide, o que tinha uma fundação queimada. Ellis ainda estava confusa. Você quer construir uma casa ao lado da que você já possui? Não respondeu Ty. Não agora, pelo menos. Eu vou alugar para o Simon e seus coleguinhas do filme. Eles precisam de uma vendinha antiga, pois um dos personagens é dono de uma. Eles procuraram por toda parte em Outer Banks, mas não acharam, tudo é muito novo e moderno. Então o Joe e a equipe dele vão construir uma ele apontou com o queixo. Bem ali. Como você sabia? O Simon me perguntou, casualmente, no domingo passado, quando a gente negociava, sobre o terreno. Eu supus que eles quisessem, então eu disse que daria uma checada. Você conhece o dono? Claro. A Ruthann Sargent. A mãe dela era a melhor amiga da minha avó. Mas a Ruthann não vem pra Nags Head desde que a Sra. Penny morreu, quatro ou cinco anos atrás. Pouco tempo depois que a Sra. Penny morreu, a casa foi atingida por um raio e pegou fogo. Que horror comentou Ellis. Não foi tão horrível assim disse Ty, animado. A casa estava caindo aos pedaços antes do fogo. A Ruthann ficou mais do que feliz em me vender o terreno em seis parcelas. Se o pessoal do filme alugar, eu dou pra ela metade da grana. Ela é uma mulher legal, ela que tomou conta da minha avó depois do ataque do coração. Estou impressionada disse Ellis. Você é mesmo mais do que um rostinho bonito.

397 397 Você só está dizendo isso pra me levar pra cama retrucou Ty. Agora, e a pousada? Você vai se mudar pra lá? São só mais cinco dias disse Ellis, tentando soar otimista. Quatro, na verdade, já que nosso contrato deixa claro que o check-out da Ebbtide é no sábado às dez da manhã. É, bem, acontece que eu conheço o dono disse Ty. O Culpepper é um casca-grossa filho da mãe, mas acho que a gente dá conta de convencê-lo a dar uma folga pra vocês. Mas tem certeza de que vocês querem ficar aqui, com tudo isso acontecendo? Não sei as meninas, mas eu não ligo. Na verdade, é bem emocionante. Eu nunca presenciei um filme sendo feito. Não sei se emocionante é a palavra certa disse Ty. Mas vai ficar bem barulhento e cheio de gente, assim que os pedreiros começarem a encher isso aqui. Acho que a gente vai atrapalhar disse Ellis. Nunca garantiu Ty. Ele tocou-a no queixo com a ponta do dedo. Sério, Ellis, sei que é egoísta, mas quero você aqui. Olha, eu preciso conversar com você sobre isso. Não quero que vá. Não só da Ebbtide. Não quero que vá embora de Nags Head. Não quero que vá embora Um jipão preto lustroso entrou balançando, areia e conchas voando por debaixo das rodas, a buzina tocando enlouquecedoramente. Um braço de homem acenava pela janela do motorista. Putz disse Ty, distraído. É o Joe, o diretor de arte. Ele me ligou, tipo, já umas vinte vezes hoje. Melhor eu ir falar com ele. Podemos falar disso mais tarde? À noite? Claro concordou Ellis. Não vou embora. Ainda.

398 398 Conforme prometido, carpinteiros e eletricistas e tipos do cinema começaram a encher Ebbtide. Quando Joe, o diretor de arte, armou seu escritório na mesa da cozinha, as meninas decidiram que era hora de jantar no Betty Crustáceos. Os aperitivos acabavam de chegar à mesa. Eu acho anunciou Julia, espetando um camarão frito com o garfo que arrumei um trabalho com a galera do filme. Sério? animou-se Dorie. Que fantástico. O que vai fazer? Quando vai começar? Vou ser uma faz-tudo disse Julia, mergulhando o camarão em um potinho de plástico com molho. E só vou começar em uma ou duas semanas, então vou ter tempo de ir até Washington conferir essa casa que o Booker tá todo todo pra comprar. Será que eles vão te dar uma chance de fazer algo mais artístico do que ficar resolvendo pepinos? perguntou Madison. Talvez respondeu Julia. Não fizeram promessas, mas eu acho que vou ficar por perto, fazer amizade e conquistar o coração deles. Isso é meio que minha especialidade. É mesmo Dorie contou para Madison. A Julia, quando não está sendo uma diva reclamona, consegue ser totalmente encantadora. É difícil de acreditar brincou Madison, e todas caíram na gargalhada. Tenho novidade também continuou Madison, escolhendo bem suas palavras. Eu vou embora amanhã. Madison, não! exclamou Dorie. Por quê? A gente tem a casa até sábado, e agora que as coisas estão ficando interessantes. Estou torcendo para a Cameron ou a Reese apareça no fim da semana. Você não quer poder dizer por aí que conheceu as duas? Não muito respondeu Madison. É só... hora de ir. Vocês foram ótimas, e eu sou grata por tudo que fizeram, de verdade, mas...

399 399 não estou com uma boa sensação a respeito do Adam. Ainda não tive notícias dele. E o Don parou de ligar também. É esquisito. Pra onde você vai? perguntou Ellis. Madison fez uma careta. Acredite se quiser, decidi voltar para Jersey. Contratar um advogado, contatar as autoridades e contar tudo o que sei sobre a fraude de Don. Eu tenho o dinheiro, ou a maior parte dele, e isso vai fazê-los calar a boca e me escutar. Espero. Decisão corajosa disse Julia, assentindo com a cabeça. Cansei de fugir disse Madison. É hora de decidir o que fazer com o resto da minha vida. Então, amanhã é o melhor dia pra começar. Não, não é discordou Julia. Você tem que ficar até sexta à noite. Por favor? O que tem de tão importante na sexta à noite? perguntou Madison com cautela. Meu aniversário respondeu Julia. Dorie colocou a mão sobre a boca. Ai, caramba, Julia, eu esqueci. Eu também disse Ellis, culpada. E vocês sabem que eu nunca me esqueço de um aniversário. Vou fazer trinta e seis disse Julia. Nunca pensei que chegaria nessa idade. Mas este ano, trinta e seis já não é mais tão velho. Vai ter festa? perguntou Ellis. Você planejou sua própria festa? Karaokê respondeu Julia. No Cadillac Jack s. Sexta à noite. Nossa última noite. Quem tá dentro? Eu disse Dorie.

400 400 Eu também adicionou Ellis. Todas olhavam para Madison com ansiedade. Ah, tá bom ela cedeu. Mais dois dias não vão fazer tanta diferença. Tanto faz ir embora sábado ou amanhã. Só uma coisa ela disse, encarando-as, eu não karaokê. Karaokê não é verbo, Madison disse Dorie, meiga. Enfim, a gente vê isso depois. Ellis entrava na van de Dorie para a carona de volta à Ebbtide quando ouviu o celular tocar. Ela o desenterrou de dentro da bolsa, ansiosa para ver se a mensagem era de Ty. Ai, Senhor, gente anunciou Julia. A Ellis tá com febre de homem. Ela e o Ty não param de mandar mensagem um para o outro a noite inteira. Ele provavelmente quer saber quando ela volta para o ninho de amor. Fica quieta, Julia reclamou Ellis, rindo. A gente não tá tão assim. Estão, sim disse Dorie, olhando para o banco de trás. Mas eu acho fofo. Ellis enfim achou seu telefone e tocou o ícone de mensagens. Ela teve que estreitar os olhos para ler sob a luz fraca. O que ele tá falando? perguntou Julia, olhando sobre o ombro. Aaaaah, ele tá mandando mensagem erótica? Nãããão respondeu Ellis, piscando e relendo a mensagem para ter certeza de que tinha entendido. Não é do Ty. É de uma mulher que trabalhava comigo no banco Ellis tirou os olhos do celular. Gente, ela tá me oferecendo um emprego.

401 401 É minha última noite na edícula Ty disse a Ellis quando ela voltou do jantar com as meninas. Vão começar a demolir amanhã, pra levantar o celeiro. Meio triste, né? disse Ellis. Ele deu de ombros. Eu sei que é só uma edícula de garagem horrível. Meu avô construiu com a madeira de uma casa dessa rua que desabou depois de uma tempestade. E depois, a empregada da minha avó morou aqui com os filhos. E a garagem foi literalmente comida por cupins, pode cair antes mesmo de demolirem. Mas eu meio que me acostumei a morar aqui. Eles sentavam-se nas cadeiras de praia do deque, olhavam as estrelas. As equipes de construção tinham finalmente encerrado o expediente e ido para a pousada, mas ainda era possível ouvir o zumbido dos geradores montados para ligar as luzes de trabalho. Eu adoro sua casa disse Ellis. Amo tudo aqui, exceto, talvez, pelo chuveiro ao ar livre, e nem pra isso eu ligaria tanto se não ficasse tão, ahn, exposto. Isso provocou gargalhadas nos dois.

402 402 Adoraria ter visto a cara da Kendra quando ela descobriu que não teria a oportunidade de mandar sua bunda branca pra rua comentou Ellis. Ela ainda está tentando descobrir como eu consegui a grana para impedir o leilão disse Ty. Eu já a vi passando de carro aqui na frente uma meia dúzia de vezes nos últimos dias, esticando o pescoço, tentando ver o que tá acontecendo aqui. Ty disse Ellis, depois de um tempo, o que vai acontecer quando o pessoal do filme for embora e o dinheiro acabar? Você acha que vai conseguir manter a Ebbtide? Boa pergunta respondeu Ty, cruzando e descruzando as pernas. O dinheiro do filme vai me dar uma folga. E agora que estou com crédito no banco, vou ver se consigo refinanciar a hipoteca. Os juros diminuíram três por cento desde que meu tio me vendeu, então vou economizar bem. Depois disso, honestamente, não sei. Ellis ficou quieta. De repente, os geradores desligaram. Puderam ouvir o barulho das ondas rolando na praia abaixo. Vaga-lumes piscavam entre o capim alto, e, alguns metros além, um grupo de universitários se aninhava em volta de uma fogueira. Ty e Ellis ouviam o som das músicas vindas deles. Viram também dois jovens se afastando dos outros, em direção às dunas, de mãos dadas. As aulas vão voltar logo disse Ellis, observando-os. Aposto que é a última festa antes que cada um volte para a vida real. As pontas dos dedos de Ty roçaram nas de Ellis. Eu não quero que você vá embora ele disse, olhando para frente. Ela sorriu para si mesma. Eu estava torcendo mesmo pra você me convidar pra passar a noite. A última noite no velho cafofo. Talvez a gente até tome um último banho aqui fora, aos velhos tempos contanto que seja antes de amanhecer. Não só essa noite disse Ty. Não quero que vá embora. Ponto-final. Não quero ficar aqui te olhando ir embora no sábado.

403 403 Ty... começou Ellis. Ele pegou a mão dela. Fica. Por favor? Ela suspirou. Bem que eu queria. Pensei nisso a semana toda. Antes disso, até. Quem não ia querer morar na praia o ano todo, brincando de casinha? Com você? Ty beijou-lhe a mão. Que bom. Então, tá combinado. Ty, eu recebi uma proposta de emprego ela falou sem pensar. Ele largou a mão dela. O quê? Quando? Agora pouco. Foi do nada. Dana, uma ex-colega de trabalho, me mandou uma mensagem com a oferta, tipo, quinze minutos atrás. O negócio é: é meu emprego dos sonhos. A Dana foi contratada para gerenciar um novo projeto no Banco do Pacífico, e ela quer que eu vá junto. A grana é fabulosa, os benefícios são ótimos, e eles têm até um programa de realocação. Vão ajudar a vender minha casa! Ninguém mais faz isso. Banco do Pacífico? Quê? Você vai trabalhar na filial da costa leste? Não. O emprego é em Seattle. Ele virou-se para olhá-la. Você não tá pensando nisso, né? Eu seria idiota por não pensar. Nessa economia? Ninguém está contratando. E eu não tive uma única resposta dos currículos que mandei mês passado. Nenhuma! Mas isso... isso é incrível. A Dana disse que eu entraria na equipe como assistente da vice-presidência. E

404 404 eu me reportaria direto para ela. Seria um avanço enorme na minha carreira. Ty inclinou-se para frente, segurando a cabeça. Fala alguma coisa, por favor? sussurrou Ellis. Como o quê? Parabéns? Seria um bom começo. Ele virou-se e encarou Ellis. Você ouviu alguma coisa que te falei essa noite? Quero que fique. Bem aqui, comigo. Em Nags Head. E fazer o quê? perguntou a prática Ellis de sempre. Qual seria meu ganha-pão? A gente pode viver de amor disse Ty, tentando soar engraçado, mas ela percebia que ele falava sério. E fazer o que pra pagar as contas? perguntou Ellis. Ela girou as pernas e pressionou os joelhos contra os de Ty. Sua vida aqui é um sonho lindo. Você sabe como fazer dar certo. Vive da sua astúcia: investe na Bolsa, pega turnos no bar, aluga sua casa na temporada. E funciona às mil maravilhas pra você. Mas eu não sou assim, Ty. Eu sempre tive um emprego integral. Não é a vida mais emocionante e glamorosa, mas funciona pra mim. Eu faço listas, sigo regras Você pode arrumar um emprego aqui disse Ty, mas ele soube, assim que as palavras saíram de sua boca, que dizia uma mentira. Talvez sem um salário tão bom, mas dá pra arranjar um. Ou você pode se mudar pra Seattle e arrumar um emprego Ellis deu um sorriso torto. É um oceano diferente, mas é na praia. Mais ou menos. Eu posso tentar disse Ty. Se você quiser. O que você me disse naquele nosso primeiro jantar péssimo? Sobre nunca mais querer um emprego em escritório?

405 405 É, bem, estava só me exibindo. Eu posso fazer isso, Ellis, se precisar. Esse é o ponto, Ty. Não quero que você pense que precisa. Você seria infeliz num emprego desses. E então eu ficaria triste. Quando você era criança, assistia àqueles filmes antigos do Tarzan? Ãhn? Quanto vocês beberam no jantar? Não, escuta. Quando eu era criança, meu irmão Baylor era obcecado pelo Tarzan. Ele lia todos os livros do Edgar Rice Burroughs e fez meu pai comprar todos os filmes, aqueles preto-e-branco do começo dos anos quarenta. A gente assistia na sexta à noite, quando meus pais saíam pra jantar. O Tarzan favorito do meu irmão era o Buster Crabbe, uma estrela dos filmes mudos. Mas eu amava o Johnny Weismuller. Ai, meu Deus, aquele corpo, correndo pra lá e pra cá de tanguinha. Eu acho que ele era nadador olímpico. E a Jane era a Maureen O Sullivan, tão glamorosa. O meu favorito era Tarzan contra o mundo. Não me lembro de todos os detalhes, mas o garoto é sequestrado e levado para Nova York, e o Tarzan e a Jane pegam um voo para ir atrás dele. E a Jane tem que civilizar Tarzan, sabe, prepará-lo para a cidade grande. Eles vão a um alfaiate tirar medidas para um terno, e ele tem que andar de táxi e tudo mais. E o Tarzan, que é um herói de ação, fica tão triste, tão deslocado na cidade... E você quer dizer que, se eu me mudar pra Seattle com você, vou ser igual ao Tarzan perdido em Nova York? Ellis, aqui é Nags Head, na Carolina do Norte, não o coração da África. E eu não sou um selvagem. Eu passei na faculdade, só não terminei. Eu posso não gostar de usar terno e gravata, mas uso sapato quase sempre Ellis tirou uma mecha de cabelo da testa. Você sabe que não foi isso que eu quis dizer. Eu só estou falando que você já sabe como quer viver a vida, e está fazendo exatamente o que quer. E eu te arrastar pra Seattle, te obrigar a usar gravata? Em vez de uma tanguinha?

406 406 Apesar de tudo, Ellis riu. Agora que você falou, eu não me importaria de te ver de tanga. Mas não vejo como isso dar certo. Eu já tentei antes, com um cara totalmente diferente. Foi um desastre. Nós não queremos as mesmas coisas. Como você sabe que vai ser um desastre dessa vez? perguntou Ty. Como você sabe o que eu quero? Ou o que você realmente quer? Você tá querendo dizer que quer voltar a trabalhar num banco, como antes? Não respondeu Ellis. Não exatamente. E Seattle? E a cidade dos seus sonhos? Não! exclamou Ellis. Nunca fui pra lá. Mas eu tenho que ser prática. Essa oferta significa algo pra mim, Ty. Significa que eu não desperdicei minha vida nos últimos quinze anos. Significa que alguém me valoriza. Vou ter uma profissão, um cargo importante no banco. E, sim, o salário e os benefícios e todas essas armadilhas da classe média que você odeia. Então, sim, admito, eu tenho que ceder, mudar pra uma nova cidade, voltar a trabalhar em banco. Você vai ceder para um emprego horrível que nem realmente quer, mas não vai dar uma chance pra gente? Ty afastou a cadeira de perto da dela. Eu te conheço há menos de um mês disse Ellis, em tom de súplica. Ele foi até a balaustrada do deque e ficou olhando para o mar. Um mês é suficiente para eu saber o que eu sinto por você disse Ty, de costas para ela. Uma semana foi suficiente. Você foi tão chata nos s, enchendo o saco por causa da casa. E aí eu te vi saltitando na entrada, em seu shortinho rosa... Eu sabia que seria meu fim. Ela levantou-se e foi ao lado dele. O vento ficou mais forte e chicoteava o cabelo de Ellis contra sua cara.

407 407 Eu poderia voltar nos fins de semanas, coisas do tipo. Os bancos dão muitos feriados. O feriado de Colombo é em quanto tempo? Seis semanas? Você podia ir me visitar. Um relacionamento de longa distância não é o ideal, mas um monte de gente mantém. Olha pro Booker e pra Julia. O Booker e a Julia vão se casar. Ela vai se mudar pra Washington com ele. Não foi o que você me contou? Ellis mordeu o lábio e se arrependeu de ter tocado no assunto. Eles estão juntos há anos e anos. É diferente da gente, Ty. Você sabe que é. Ele fixou-a, olhando seu cabelo escuro esvoaçante. Ela tentava mantê-lo longe do rosto, controlá-lo. Talvez ela estivesse certa, talvez não tivesse o direito de pedi-la para acreditar nele, neles. Mas ela não devia acreditar neles também? O tempo não tem nada a ver com isso ele disse, por fim. A Kendra e eu? Nos conhecemos desde o primário. Começamos a namorar na oitava série. Eu achava que sabia tudo sobre ela. Ela com certeza sabia tudo sobre mim, ou pelo menos achava que sim. O vento acelerou ainda mais. Ty virou-se de costas para a balaustrada. Olhava para o apartamento, pensando na última noite ali e como ele gostaria que fosse. Através da janela da cozinha, via a garrafa de vinho que tinha comprado sobre o balcão. E ele se deu conta de que planejava sobre essa noite desde que Joe avisou que demoliriam o lugar. As coisas não iam conforme seus planos. A Kendra e eu ficamos juntos desde que tínhamos, sei lá, catorze anos, até se separar na faculdade disse Ty. Esta edícula? Eu não devia te contar isso, mas, por alguma razão, sinto que preciso. No colegial, a gente entrava escondido aqui, sabe, de madrugada. Nunca estava trancada. Ele viu o semblante levemente chocado de Ellis.

408 408 A gente era criança, no colegial. A Kendra adorava quebrar as regras, amava a ideia de provocar o pai dela. Ele me mandaria pra prisão se soubesse o que a gente aprontava aqui. Não quero ouvir isso disse Ellis, sem expressão. Sei que foi há muito tempo, mas não quero ouvir sobre você dormindo com uma namorada no mesmo lugar em que a gente tem dormido junto. Não é a mesma cama disse Ty rapidamente. Jesus, não. Nem tinha cama aqui naquela época. Só um colchão de ar. Por que você tá me contando isso? Ellis exigiu saber. Quer me machucar porque eu tô sendo realista? Porque eu não quero jogar minha vida fora e me mudar pra cá com você? Mudar pra onde? Você nem tem onde morar depois de amanhã. Eu aluguei um chalé aqui perto disse Ty. O Chalé Pelicano. Fica bem em cima das dunas. É rústico, mas você vai amar. E depois, quando o pessoal do filme for embora, a gente volta a morar aqui na Ebbtide. Esse não é o ponto. Eu tenho um motivo pra estar te contando tudo isso disse Ty. E o ponto é: não importa quanto tempo se conhece alguém. As pessoas mudam. Ou você não os conhece tão bem quanto acreditava. Você me diz que cometeu um grande erro ao se casar com um homem que conhecia há pouco tempo. Bom, eu cometi um grande erro também. Só que eu conhecia a Kendra por quase a vida toda. E não fez diferença nenhuma, pois no fim terminamos tão detonados quanto vocês. A gente era criança na época: jovens e burros. Agora, não. Ellis olhava a edícula também. Era minúscula, apertada, praticamente um cômodo. Ela fantasiara morar ali com Ty. Acordar com ele, banhos sob o luar e passeios na praia ao amanhecer. Mas isso foi até ela perceber que suas fantasias eram baseadas em um mês idílico de verão banhado de sol que passaram juntos. Verão. Setembro estava a apenas poucos dias. E o verão logo iria embora.

409 409 Você tem razão ela disse. Não somos mais crianças. Somos maduros o bastante para reconhecer que algumas coisas são apenas... do momento. Efêmeras. Como as conchas que recolhemos na praia. São tão lindas e perfeitas e peroladas quando as encontramos, e, quando chegamos em casa, já estão sem cor e sem vida. Temo que será assim com a gente. Daqui três meses, seis meses, imaginando o que a gente viu no outro... O semblante de Ty ficou sombrio. Sério, Ellis? É isso que sou pra você? Só um carinha gostosão que você pegou na praia? Um caso? Não! gritou Ellis. Você sabe que não foi isso que eu quis dizer. Claro que foi disse Ty em voz baixa. Você tá deixando isso mais complicado do que precisa ser implorou Ellis. Ele olhou-a com calma. Você me ama? Sim! Mas essa não é a questão. Quer ficar comigo? Você sabe que sim, mas não é tão simples assim. Não é tão difícil afirmou Ty. Não para mim. Eu quero ficar com você, então faço o que for para dar certo. Aparentemente, você não sente o mesmo. Ellis deu um passo para trás. A face de Ty estava fria, impassível. Se ele conseguia ficar tão calmo, ela também conseguiria. Respirou fundo uma vez, depois outra, se esforçando para não chorar, salivar ou, Deus que me livre, suplicar. Onde a gente fica, então? perguntou, por fim.

410 Acho que eu fico aqui, e você vai pra Seattle respondeu Ty. Sozinha. 410

411 411 Ellis olhou para sua xícara de café com tristeza. A verdade não estava lá. Só café preto, morno e amargo. Pela primeira vez, estava feliz de ficar solitária na cozinha. Se fosse sincera, ela teria que admitir que depois de um mês juntas, por mais que ela, Dorie e Julia se amassem, já estavam se irritando... Madison era a mais sábia de todas. É hora, pensou Ellis, de voltar pra casa. Ela já tinha até bolado um plano para fazer as malas: tirar toda a roupa de cama, rodar a máquina de lavar roupa uma última vez, esvaziar a geladeira, encher o carro. O que ela não pensaria a respeito, de jeito nenhum, era o que ela estaria deixando para trás. Ouviu o zumbido de um motor a diesel vindo da frente da casa e correu para ver. Um caminhão de plataforma estava estacionado na entrada, e um punhado de homens gesticulavam e direcionavam uma escavadora amarelo-brilhante que se equilibrava sobre uma rampa de metal. Quando o operador manobrou a máquina para fora da rampa, um homem de colete laranja e capacete correu, pulou na cabine e debateu com o motorista. Um instante depois, o cara do capacete estava de volta à entrada, acenando e apontando para a garagem e para o apartamento de Ty. Mas não havia sinal de Ty. Seu carro não estava lá, e a garagem, vazia.

412 412 Então Ellis notou uma enorme montanha de coisas amontoadas ao lado da garagem (seu antigo conteúdo): uma mesa de pinguepongue com três pernas; um monte de pneus carecas; uma churrasqueira enferrujada; esqueletos de cadeiras de jardim de alumínio; até um pequeno esquife de madeira com o casco podre. E uma prancha. Uma prancha amarela desbotada. Enquanto assistia, a escavadeira foi seguindo devagar, porém objetivamente, para a garagem, mirando no pilar que separava as duas vagas. Ellis fechou os olhos, e um segundo depois, ouviu o nauseante barulho das tábuas cedendo, pilares caindo ao chão, e a garagem desmoronando devagar, sem dificuldade, ao chão, com um barulho oco que sentiu tanto quanto ouviu. Ela ouviu os assobios e o aplauso e quando abriu os olhos, uma nuvem de poeira e areia ainda girava no ar em volta da garagem demolida. Ellis sentiu uma mão em seu ombro. Virou-se e viu Madison ao seu lado. Pela janela do quarto, vi os caminhões chegando disse Madison. Desci, pois imaginei que você ainda estaria lá ela inclinou a cabeça na direção do apartamento, com o Ty. Elas ouviram a porta de tela abrir e bater. Julia e Dorie se juntaram a elas na varanda, descalças, ainda de pijamas. Jesus, Maria e José! exclamou Julia, boquiaberta frente aos restos da garagem. Escutei o barulho e achei que alguém tinha jogado uma bomba aqui. Uau disse Dorie. Isso foi rápido. Cadê o Ty? perguntou Julia. Como foi a última noite no ninho de amor? Ellis enfiou as mãos nos bolsos da bermuda.

413 413 Não sei onde o Ty foi. Eu não passei a noite lá. A gente... brigou. Não foi uma briga, de fato, mas Ai, Jesus bufou Julia. Não me diga que vocês terminaram. Não me diga que você quer aquele trabalho idiota naquele banco idiota de Seattle. Eu disse à Dana que responderia na segunda explicou Ellis. Você não entende, é uma oferta boa demais pra recusar. O Ty não entende também. Então provavelmente não é pra ser. Dorie abraçou-a. Ah, Ellinha, sinto muito. O que aconteceu? Nada respondeu Ellis. Ele quer que eu fique, vivendo de amor e uma cabana. É fofo, mas não vai dar certo. Um de nós tem que ter um emprego, como benefícios... e bom-senso. Deixa eu adivinhar zombou Julia essa pessoa seria você. Não começa avisou Ellis. Não tô com cabeça para conselho amoroso. Ao meio-dia, os restos da antiga garagem tinham sido recolhidos e jogados num caminhão que seguiria para o lixão. Mais caminhões de madeira e picapes tinham chegado. Da praia, era possível ouvir o barulho das serras elétricas e os estampidos agudos das pistolas de grampos. Mais um dia suspirou Julia, olhando para Ellis, que deliberadamente tinha posicionado sua cadeira e seu guarda-sol a vários metros de distância de Dorie, Julia e Madison. Nosso último dia completo na praia, e ela dá um jeito de estragar tudo pra todo mundo. Não acredito que ela vai embora, deixando o Ty pra trás comentou Dorie, em voz baixa. Ele é a melhor coisa que já aconteceu pra ela, e amanhã ela vai entrar no carro de volta pra Filadélfia, e depois vai se mudar para o outro lado do país?

414 414 Madison estava sentada de pernas cruzadas sobre a canga, bebendo de uma garrafa de água gelada. Talvez ela não esteja pronta pra um relacionamento, pra se comprometer. Rá! Julia riu, desdenhosa. Você não conhece a Ellis. Ninguém nunca esteve mais pronto para um relacionamento do que a Ellis. Antes do Ty, ela não esteve com alguém por milênios. A Ellis casou logo depois da faculdade com um cara totalmente nada a ver disse Dorie, atualizando Madison. O casamento acabou antes de ela ir pegar o vestido na lavanderia acrescentou Julia. Literalmente. Não é, Dorie? Ela ficou devastada concordou Dorie. Isso a deixou com problemas emocionais. Por anos. Ela se enterrou no trabalho e naquele maldito banco, nunca tirou férias, e, bam!, foram lá e a mandaram embora. Ela acorda e percebe que tem trinta e cinco anos, solteira, sem perspectivas. E o cara da garagem chega e a vira de ponta-cabeça. Mas como ele não tem aposentaria Premium, não se adequa ao plano dela, se recusa a perceber como são feitos um para o outro disse Julia, olhando furtivamente para Ellis, constatando que ela não podia ouvir sua vida sendo dissecada. Olha pra ela, coitadinha cochichou Dorie, apontando com a cabeça para Ellis, que tinha cochilado de barriga para baixo. Ela deve ter passado a noite inteira chorando depois da super briga. É triste observou Madison. A Ellis nunca conversa sobre isso, mas eu sei que ela sempre quis constituir uma família disse Dorie. Por isso é de apertar o coração. Ela podia ter tido isso com o Ty. Poxa, ele é perfeito pra ela. E gostoso. Gostoso pra caramba ressaltou Julia.

415 415 Eles pareciam mesmo super fofos juntos disse Madison. Mas ela é uma mulher adulta, certo? E sabe o que vai ou não funcionar pra ela. Não dessa vez discordou Dorie. Ela olhou para Julia. Temos que fazer alguma coisa. E rápido. Julia deu um pulo, foi na ponta dos pés até a Ellis adormecida, pegou sua sacola de praia e a trouxe de volta para seu canto. Fuçou dentro, tirando de lá o protetor solar, o protetor labial, um livro e um bloco de papel contendo a lista de afazeres. Por fim, exultante, exibiu o celular. Não se preocupem disse às outras. Eu cuido disso. As letras pequenas na tela do computador pareciam flutuar. A empresa de agronegócios tinha anunciado seu relatório de lucros. Ele observou as anotações que tinha feito. A pesquisa era promissora. O valor inicial das ações estava ridiculamente baixo quatro dólares a cota? Dois meses atrás, ele teria se jogado, apostado tudo. Ele tinha uma segurança agora o dinheiro do pessoal do filme então, por que não investia na ação? Ty balançou a cabeça, levantou-se da mesa de madeira, que tinha levado para o chalé, e andou até a varanda cercada por tela. O céu estava de um azul límpido, sem nuvens; uma brisa suave vinha da praia. Ele alongou e girou os ombros. Estivera em frente ao computador quase a manhã toda, deliberadamente evitando a Ebbtide. Ele tinha planejado mudar para o Pelicano mais tarde, mas depois de terminar com a Ellis na noite anterior, não viu motivo para ficar na edícula mais uma noite. Ele sentara-se à mesa da cozinha, bebera metade da garrafa de vinho e jogara o resto na pia, antes de

416 416 colocar todas as suas coisas no porta-malas e se mudar para o Chalé Pelicano depois da meia-noite. Em vez de o deixar sonolento, o vinho o deixara irritantemente hiperativo. Passara as primeiras horas da manhã enterrado nos detalhes das ações. Eram quase onze horas agora, e ele sabia que a garagem já tinha ido pro beleléu, pois Joe mandara uma foto por do momento exato em que a estrutura de madeira podre desmoronara. Ty olhou de relance a foto e depois a deletou. Não era um momento que queria celebrar. Ele já deveria ter voltado para casa. Tinha contratado carpinteiros e trabalhadores para começar a erguer o celeiro, mas, de algum modo, não conseguia se forçar a fazer a viagem de menos de um quilômetro até a Ebbtide. Ele imaginou se Ellis tinha assistido à garagem sendo demolida. Ela provavelmente aplaudira sua queda. Por que raios ele tinha lhe contado sobre seus patéticos encontros adolescentes com Kendra? Ty voltou para dentro do chalé e desligou o computador. Seu celular tocou, sinalizando que ele tinha recebido uma mensagem de texto. CARO SR. CULPEPPER: PRECISAMOS CONVERSAR. ME ENCONTRE NA PRAIA. MEIA-NOITE HJ. SUA AMIGA, E.S. Ele olhou para o bloco de texto. Ela queria conversar? Sobre o quê? Na opinião dele, ela já tinha falado tudo o que precisava na noite anterior. Que vá pro inferno, ele pensou, digitando rapidamente. SEM COMENTÁRIOS.

417 417 Merda! xingou Julia, encarando o texto de Ty. Ele é tão teimoso quanto ela. E agora? perguntou Dorie, de olho na Ellis desmaiada. Julia flexionou os dedos e olhou para o céu procurando inspiração, mas só encontrou um bando de gaivotas circulando no alto. A gente só precisa juntar os dois ela murmurou. Ele é louco por ela. Ela é louca por ele. Qual a dificuldade? Por falar em loucura, vocês duas são doidas de achar que isso vai dar certo criticou Madison. Estamos falando de dois adultos, não de um casal de seriado. Vamos analisar disse Dorie. O que afastou os dois? Dinheiro respondeu Madison rapidamente. Falta de. Não é disse Dorie. A Ellis é a pessoa menos materialista que eu conheço concordou Julia. Mas ela é tãããão prática. E rígida atalhou Dorie. Se ela não pode listar, colocar numa tabela ou num gráfico, ela não entende. Ela precisa de segurança. Segurança disse Madison com desdém. Eu achei que ia ter isso ao casar com Don, e olha onde eu fui parar. Se o Ty tivesse um emprego, e se ela tivesse um emprego, um que permitisse que ela morasse aqui, eu acho que Ellis toparia ficar comentou Julia. Bem, vamos arrumar empregos pra eles disse Dorie, como se fosse a coisa mais simples do mundo. No quê? perguntou Madison, se jogando de volta na areia. Não tem jeito. Julia bufou para Madison:

418 418 A gente consegue. Eu sei. Só temos que pensar fora da caixa. Você disse que ela trabalha num banco disse Madison, tentando ficar de bem novamente. Que tipo de emprego? Marketing disse Julia. Ela não pode fazer isso aqui? Se tivesse algum banco grande aqui, claro, mas a Ellis fazia marketing corporativo explicou Dorie, bondosa. E esses empregos estão nas cidades grandes, como a Filadélfia ou Charlotte, onde ela trabalhou antes, ou Seattle, pra onde ela vai se a gente não impedir. Ela não pode trabalhar à distância? perguntou Madison. Quero dizer, hoje em dia, se você tem um computador, um celular e um microfone, dá pra fazer quase todo tipo de trabalho, de qualquer lugar. Não disse Julia, irritada. Não funciona assim. Dorie olhou duvidosa para Julia. Por que não? O marido de uma das nossas professoras de matemática trabalha com TI pra uma empresa em Boston. Ele viaja pra lá uma semana por mês, mas o resto do tempo ele trabalha de casa, lá em Savannah. Viu? disse Madison, exibida. Trabalhar à distância. Essa é a resposta. Até poderia ser disse Julia lentamente. Mas a Ellis recebeu uma oferta de trabalho. Vocês ouviram. É o pacote completo: pagamento, promoção, benefícios. Vocês sabem como estão as coisas agora. Não tem tantos empregos por aí. Porque ela só procurou empregos em marketing bancário e na costa leste ressaltou Dorie. Talvez se ela, tipo, expandisse as opções sabe, aumentasse seu escopo, com a ideia de trabalhar à distância, ela teria mais chances.

419 419 Talvez disse Julia. É uma ideia a se pensar. A Ellis é incrível no que faz, ninguém trabalha mais duro, ou é mais criativo ou talentoso, isso é certo. E o Ty? continuou Dorie. Essa é difícil. A Ellis nos contou que o Ty disse que nunca mais quer trabalhar em escritório de novo, nunca mais quer colocar gravata e sentar num cubículo de novo. Não sei, não sei gemeu Julia. Minha cabeça tá doendo. Dorie observava Ellis, que se mexera um pouco, colocando o braço sobre os olhos para se proteger do sol. Vamos colocar a mão na massa ela sussurrou. Antes que a Ellis acorde e flagre a gente com o celular dela. Como vamos convencer o Ty a encontrar com ela na praia à meia-noite? Mesmo se conseguirem levá-lo, como vão levar a Ellis? perguntou Madison. Não vamos colocar a carroça na frente dos bois disse Julia, digitando novamente. Ty leu o texto uma vez, e outra, para ter certeza de que lera certo. SE VC ME AMA, VAI APARECER. Ele digitou rapidamente, sem pensar. T VEJO HJ À NOITE. Assim que ele apertou a tecla enviar, fechou o celular e o guardou no bolso. Reiniciou o computador e foi para a página da sua conta. O relatório parecia estar sendo bem recebido. As cotas tinham

420 420 subido para quatro e vinte cinco. Ele clicou no botão comprar, assentiu com a cabeça e desligou o computador de novo. Ele saiu, destrancou o cadeado da bicicleta e pedalou rapidamente no caminho até Ebbtide. Seria um dia interessante, no mínimo. Ai, meu Deus! gritou Dorie quando Julia lhe passou o telefone de Ellis. Deu certo. Deu super certo. Ele vem ela pousou a mão sobre o coração e suspirou profundamente. É tão romântico, vou morrer. Você vai morrer, porque a Ellis vai matar vocês duas quando descobrir o que andam aprontando disse Madison. Agora, me contem, gênias, como vocês vão levar a Ellis pra praia? A gente leva ela lá disse Julia fazendo o que fazemos melhor: mentindo e enganando. Tudo o que temos a fazer por enquanto é separar Ellis de Ty até o encontro da meia-noite. No caso de ele mencionar as mensagens. Isso não vai ser difícil previu Dorie. A Ellis odeia confrontação. Se ela vir o Ty, vai sair correndo para o outro lado. Mesmo assim, não quero arriscar disse Julia. Ela pegou o celular da mão de Dorie e cuidadosamente apagou as últimas mensagens de Ty da memória. Depois o guardou na bolsa e foi na ponta dos pés até Ellis, que começava a se mexer. Julia se jogou na areia ao lado de Ellis, ao mesmo tempo casualmente colocando a bolsa ao lado da cadeira. Ei disse Ellis, protegendo-se com a mão da investida solar. O que você tá aprontando?

421 421 Nada respondeu Julia inocentemente. Só queria te avisar pra virar. Sua cara tá pegando muito sol. Valeu agradeceu Ellis, bocejando. Você é o máximo. Você nem sabe o quanto disse Julia, oferecendo a Ellis o protetor solar. Escuta, o Booker foi embora hoje cedo, e eu ainda preciso devolver todas aquelas coisas na loja. A Dorie vai ter um almoço de despedida com o Connor, e a Madison... bem, você conhece. Enfim, queria saber se você topa ir comigo pra ajudar a carregar e descarregar as coisas. A Dorie disse que podemos pegar a van. Ellis franziu a testa. Eu pensei em começar a limpar a geladeira e fazer as malas. A Madison se ofereceu pra limpar a geladeira mentiu Julia. E você vai ter tempo de sobra pra fazer as malas hoje à tarde, antes de a gente ir pra noite do karaokê. É começou Ellis lentamente, sobre o karaokê. Sei que é seu aniversário e tudo, mas eu acho que eu não estou no clima de festa hoje. Eu vou jantar, mas depois disso, acho que vou ter uma última noite quieta na Ebbtide. Quero sair cedo amanhã. Nem pensar negou Julia. Você não vai se livrar do karaokê. É nossa última noite juntas, sem contar que é meu aniversário. Não me obrigue a fazer chantagem, Ellis. Ou vamos todas, ou ninguém vai ela cruzou os braços e encarou a amiga desafiadoramente. Tem que ser no karaokê do Caddie s? Sim, tem respondeu Julia. Enfim, é sexta. Mesmo se o Ty estiver lá, vai estar tão ocupado preparando margaritas que nem vai te ver. Não é por causa do Ty começou Ellis. Claro que é retrucou Julia. Ela levantou-se e ofereceu a mão para Ellis. Agora, mexa-se. Tenho certeza de que você fez uma

422 tabela para a saída da casa com o que cada uma tem que fazer antes do check-out amanhã. 422

423 423 Ty disse Angie, estou num mato sem cachorro. A Patrícia não apareceu de novo. É nossa última noite de férias de verão, e o lugar já está lotado até o teto. Eu te imploro. Fica só até meia-noite. Eu peço pra Nella fechar, mas se eu não tiver alguém no bar, tipo, agora, eu vou me matar. Ty empurrou a cadeira para trás. Ele saiu do chalé e olhou o céu. Já eram mais de oito e quase não se via os últimos raios laranja do pôr do sol atrás das dunas que separavam o Chalé Pelicano da praia. A vista nem se comparava à da sua edícula da garagem na Ebbtide. Ele sentiria falta daquela vista, mas haveria outros pores do sol, e, em noventa dias, pouco mais, pouco menos, ele estaria de volta ao lar, à velha casa, de vez. Desculpa, Angie, não posso respondeu Ty. Tenho planos esta noite. O quê? ela perguntou. Olha, eu disse que estou desesperada. Só me fala o que você quer pra vir aqui, agora, que eu pago. Ele considerou a oferta de Angie. Ela faria o que ele quisesse, sabia disso. Cem dólares por hora ele disse imediatamente. Em dinheiro. Mais a gorjeta completa.

424 424 Merda! resmungou Andie. Eu posso arranjar cinco bartenders com isso. Então arruma. Não, saco. Eu preciso de você e você sabe disso. Vem aqui agora. Claro ele disse. Mas tem mais uma coisa. Não posso ficar até meia-noite. Tenho que sair às onze e meia. Em ponto. Ok, beleza, que seja ela concordou. Tô falando sério, Angie. Eu não tô nem aí se todos os universitários de Outer Banks estiverem lá. Vou embora às onze e meia. Não importa o que aconteça. Entendeu? Vem pra cá logo replicou Angie. Julia saltitou para dentro do quarto de Ellis no momento em que ela fechava o zíper do seu vestido rosa. Não começa avisou Ellis ao ver a cara desaprovadora de Julia. Já coloquei tudo na mala, menos o que eu vou usar amanhã cedo. E eu não vou pegar roupas suas emprestadas hoje. Esta é quem eu sou. Eu não sou a Julia Capelli. Eu não uso salto agulha nem sutiã preto de renda como se fosse um top. Eu sou a Ellis Sullivan. A chata, previsível e cautelosa Ellis Sullivan. Aceite! Eu só ia perguntar se poderia pegar seus brincos de argola de prata emprestados disse Julia, sentando na beira da cama. Mas se você for perder as estribeiras, deixa pra lá. Brincos? É só isso que você quer?

425 425 É. O que você achou que fosse? Ellis pegou sua bolsinha de joias e de lá pescou as argolas prateadas. Você não veio aqui pra me produzir para a noite no Caddie s? Não respondeu Julia. E você não vai tentar me convencer a não ir embora amanhã? Em vez de ficar aqui com o Ty? Não respondeu Julia. Ela levantou a mão. Só os brincos. Só isso que eu quero. Ah, sim, a Dorie me pediu pra te avisar que ela precisa da sua ajuda na lavanderia. Ela não sabe quais toalhas são suas e quais são da casa. As cinzas e marrons horripilantes ficam aqui explicou Ellis, virando-se para o espelho. É, mas ela disse que tem outras coisas que ela não sabe de quem são. Lençóis, fronhas... Sabe como a Dorie é, ela fica ansiosa com pouca coisa. Bom, beleza disse Ellis, escovando seus cabelos escuros. Eu vou. Maravilha. Julia seguiu Ellis escada abaixo. Ela a esperou chegar na metade do caminho e voltou correndo para o quarto dela. Pegou a bolsa de Ellis, tirou o celular e as chaves do carro de dentro e os colocou no bolso, antes de voltar para o seu quarto. Ele estava de costas despejando tequila no liquidificador, mas Ellis conhecia aquelas costas musculosas. Ela conhecia aqueles

426 426 ombros largos, quadris estreitos. Ela prendeu a respiração e deu uns passos para trás, mas Dorie agarrou seu braço. Vem, Ellis chamou Dorie. Você não precisa falar com ele. Vamos arranjar uma mesa do outro lado. Gente implorou Ellis. Não me obriguem a fazer isso. Fazer o quê? perguntou Madison ao enganchar sua mão no cotovelo de Ellis. Vem, Ellis, é a noite das meninas. Nossa última noite. Você não quer estragar o aniversário da Julia, quer? De qualquer maneira, o lugar está lotado. Julia apontou enquanto elas manobravam pela multidão. Ele nem vai saber que você está aqui. Eu saberei disse Ellis, soturna, mas se permitiu ser manobrada até uma mesa perto do minúsculo palco e, então, relutantemente, foi convencida a tomar um Martini de limão. E depois outro. A música ficava mais alta, e então a mestre de cerimônias do karaokê começou a anotar os pedidos. Os primeiros foram uma dupla de motoqueiros vestidos de couro, um baixo e gordo, o outro, dois palmos mais alto, uma impressionante barriga de cerveja e um bigode de guidão ainda mais impressionante. Hotel Califórnia previu Julia. Garanto e quando os dois se jogaram no clássico dos Eagles, as meninas deram uma rodada de bate aqui. Uma morena gorducha, em jeans brancos apertados demais, com os seios saltando para fora do tomara que caia branco, escalou o palco em seguida e chocou a plateia ao cantar uma versão de Crazy tão afinada, que as meninas acharam que Patsy Cline tinha ressuscitado. Quando todos levantaram para ovacionar de pé a Patsy Cline cover, Ellis olhou para o bar de relance. Ty aplaudia e assobiava. Em meio segundo, seus olhos cruzaram com os dela. Ele meneou a cabeça, sorriu, como se nada tivesse acontecido. Ellis sentiu sua face avermelhar e virou o rosto. Duas canções depois, Dorie levantou-se e anunciou:

427 427 Preciso fazer xixi. Alguém quer alguma coisa? Fazer xixi e encontrar o Connor, certo? provocou Julia. Você acha que a gente não te viu de olho na porta pra ver se ele estava trabalhando hoje? Eu tenho que fazer xixi a cada meia hora disse Dorie. Não tenho culpa se o banheiro das mulheres é bem ao lado da cabine do segurança. Vinte minutos depois, ela estava de volta, com uma bandeja de drinques na mão e um catálogo de músicas do karaokê embaixo do braço. O Ty mandou esses ela anunciou, distribuindo os copos. Ele me viu falando com o Connor e insistiu em nos dar uma rodada de drinques já que amanhã é nosso último dia. Disse que fomos as melhores inquilinas que ele já teve. Não é fofo? Uma gracinha! exclamou Julia, encarando Ellis, que assentiu em silêncio, e depois virou seu drinque em um único longo gole. Dorie e Julia trocaram um olhar preocupado. Ei, vai devagar disse Julia. Você não quer dirigir de ressaca amanhã, quer? Ellis jogou o cabelo. Eu acho que sei o que estou fazendo. Então. O que a gente vai cantar? perguntou Dorie, abrindo o catálogo. A gente? Nada de a gente retrucou Madison. Pensei em cantar uma música em grupo disse Dorie, olhando para as outras. Qual? Que tal It s raining men? perguntou Julia.

428 428 Ou então Love shack, sabe, já que o B-52s é da Geórgia, como a gente sugeriu Dorie. O que você acha, Madison? Madison olhou para o catálogo, virou a página. Como eu acredito já ter mencionado previamente, eu não canto ela disse. Mas, se fosse pra cantar, eu cantaria I will survive. Aaaaaah, boa admitiu Ellis. Acho que essa poderia ser a música-tema pra todas nós, né? Dorie assentiu distraída, ainda virando as páginas. Não. Achei. Essa aqui. É essa ela apontou para Julia, Ellis e Madison mas temos que cantar todas. Juntas. Todas. Porque é o aniversário da Julia. Certo, Julia? Julia esticou o pescoço para ver qual música Dorie tinha escolhido. Certo. Eu sou a princesa aniversariante e vocês todas têm que me obedecer. Então, o que vamos cantar? Vocês vão ver disse Dorie, fechando livro com força. Quando for a nossa vez. Ele encontrara a casa sem dificuldade, graças ao EBBTIDE quase apagado na caixa de correio. Durante o dia, passara em frente a uma dúzia de vezes, mas se surpreendera com a quantidade de atividade na casa, algum tipo de projeto de construção em andamento, com carros e caminhões entrando e saindo. Em certo momento, ele se aventurou pela entrada, apenas seguindo uma caravana de picapes cheias de trabalhadores. Vira o carro de Maryn, parado ao lado da casa, e sorriu para si mesmo. Ela ainda estava lá.

429 429 Depois das seis, quando os trabalhadores encerraram o expediente, foi fácil estacionar no terreno ao lado e esconder seu carro atrás da fundação de uma casa queimada. Fazia um calor impiedoso enquanto ele esperava, mas, finalmente, a escuridão tinha chegado, e podia ver as silhuetas de mulheres se movimentando dentro da casa. Até o momento, não havia visto Maryn, mas isso não importava. Ela estava lá, ele sabia. E ele podia ser paciente. Por fim, perto das nove, viu as luzes da casa se apagarem, uma a uma. Saiu do carro, foi devagar para a ponta de uma pilha de madeira que fora descarregada horas antes e observou enquanto as mulheres saíam da casa decrépita e enchiam a van vermelha. As outras três mulheres estavam estilosas, prontas para a balada, mas ela não. Ele sorriu ao ver Maryn estranhamente vestida com jeans barato e camiseta larga, o cabelo enfiado dentro de um boné de aba larga. Como se isso a fizesse irreconhecível para quem conhecesse a verdadeira Maryn. Ebbtide era um barraco caindo aos pedaços, com telhado grosso, paredes de tábua de cedro e portas sólidas de madeira. As fechaduras, no entanto, não eram tão sólidas. Ele abriu com facilidade a fechadura enferrujada da porta da cozinha nos fundos. Dentro, ele passou rapidamente por todos os quartos para descobrir qual era o de Maryn. Xingou em voz baixa quando descobriu que, somente ela, de todas as mulheres, tinha trancado a porta. Não que isso tivesse sido um grande obstáculo. Ele vira a janela aberta pelo lado da casa de frente pra praia. E a antiga passarela que levava para o segundo andar. Foi fácil achar a porta do sótão e a janela correspondente. E alguém, pelo jeito, a julgar pelas farpas na porta de acesso ao sótão, tinha feito o mesmo trajeto recentemente. E que conveniente, ele se deliciou, a providência dessa ótima rota de fuga a escada em espiral ligava o quarto de Maryn diretamente ao térreo e ao esqueleto da casa queimada ao lado da Ebbtide, onde seu carro o aguardava, atrás de um amontoado de arbustos.

430 430 Pelo jeito, o timing dele tinha sido impecável. A partida delas era iminente. A mala de Maryn já estava pronta. Levou apenas um instante para achar o laptop, enfiado na prateleira do armário. Ele sentou-se na única cadeira do quarto para esperar. Ele tinha todo tempo do mundo. Já tinha passado das onze horas. Julia olhou para Dorie e depois significativamente para o relógio. Ei, Dorie ela disse, quanto tempo vai demorar pra ser nossa vez? Ah disse Dorie, entendendo. Hum, bem, tinham muitos pedido na frente do meu. Ellis pegou o drinque de Julia e deu um gole. Qual é a pressa? A festa tá só começando. Julia colocou a mão na testa de Ellis. Você tá alucinando? Não acredito que você não está ansiosa pra ir pra casa fazer as malas. Nem queria vir hoje. Ellis tirou a mão dela. Mudei de ideia. Isso é crime? Ela virou-se para Dorie. Ei, me passa esse negócio do karaokê. Dorie virou os olhos. Sério? Você? Você vai cantar? Sozinha? Mas Ellis já folheava as páginas do catálogo, parando apenas na última página. Ela olhou para o bar e teve certeza de que Ty desviara o olhar.

431 431 É, essa aqui ela disse e se levantou. Pegou um maço de notas da bolsa e empurrou a multidão em direção à mestre de cerimônias do karaokê. Ela tá bêbada? perguntou Madison, olhando de Dorie para Julia. Bêbada ou apaixonada. Seja o que for, não é a Ellis que a gente conhece disse Julia sorrindo, e Dorie concordou sacudindo a cabeça. Quando Ellis voltou para a mesa, bebeu outro drinque. Quando ela não estava olhando, Julia jogou a maior parte do conteúdo do copo de Ellis no seu. Duas músicas depois, a MC chamou: Ellis, Ellis, querida, cadê você? Um instante depois, uma Ellis inédita estava dançando no mini palco, fazendo o seu melhor para imitar Cindy Lauper cantando o hino delas na época de escola, quando dançavam no quarto rosa de princesa da Julia, vestidas com o uniforme meio Peter Pan do colégio, fingindo segurar microfones, cantando a plenos pulmões sobre como as garotas só querem se divertir. Apesar de ter tido um ataque de risada nervosa no meio do primeiro verso, quando esquecera a letra, o entusiasmo e a confiança de Ellis cresciam a cada batida, tanto que no final da música, todas as mulheres do clube estavam de pé, se balançando na pista de dança, fazendo uma coreografia improvisada, cantando repetidamente: They just wanna, they just wannaaaaaaa... Preso atrás do bar, Ty teve que se equilibrar em cima de uma banqueta para poder vê-la. Quando conseguiu, um sorriso maroto atravessou sua face. Boa garota ele disse suavemente, para ninguém em particular. Quando Ellis voltou para a mesa, vermelha e suada, as três mulheres ficaram de pé e aplaudiram. Ellis caiu na cadeira. Eu consegui! Conseguiu mesmo concordou Julia, olhando para o relógio. Agora a gente tem que voltar pra casa.

432 432 Não! gritou Dorie. A gente não vai embora até fazer nosso número ela olhou Julia acusativa. Tá bem disse Julia. Ela pinçou uma nota de dez da bolsa e desfilou na direção da MC. Dá pra você passar Dorie e amigas na frente? ela perguntou na orelha da mulher. Uma das meninas está grávida e precisamos levar ela pra casa logo. E é nossa última noite na praia. Nosso canto do cisne, pode-se dizer. A mestre de cerimônias do karaokê capturou a nota. Sem problema ela disse. Mais uma música e depois são vocês. Julia agradeceu com a cabeça e voltou para a mesa, discretamente olhando para o bar. Para seu contentamento, viu Ty em uma conversa séria com uma mulher loira, mais velha. Ele estava apontando nervoso para o relógio. Ela balançava a cabeça, mas, um instante depois, viu Ty sair pela porta da frente. Somos as próximas anunciou Julia. Mas Ellis não estava ouvindo. Ela tinha ficado de olho no bar, imaginando se Ty viria até a mesa delas, talvez tentar chamar a atenção dela ou mesmo chamá-la para uma conversa. Contudo, vira-o saindo pela porta da frente com pressa e seu coração ficou apertado. Ele não se aproximara da casa o dia todo. Para o Ty, ela pensou amargamente, eles já tinham se despedido. Ela pegou o seu drinque negligenciado e virou metade do conteúdo aguado, depois tornou sua atenção para o palco, onde um pequeno grupo de meninas bêbadas tentava dançar, sem sucesso, enquanto cantavam a música Don t Cha, das Pussycat Dolls. E então a MC anunciou: Dorie e amigas! Lá de Savannah, Geórgia. Subam aqui, meninas, mostrem pro pessoal como é que se faz! Madison cruzou os braços desafiadoramente. Mas Julia Capelli não engoliria essa.

433 433 Vem! disse, puxando a cadeira de Madison para trás. Hora do show! Ellis olhou para Madison e deu de ombros. Vamos ela disse. É nossa última noite. Vamos acabar com ela logo. Dorie as arrebanhou para o palco e ouviram a conhecida batida do baixo. Ok ela disse, liderando. A Julia e eu vamos fazer a parte de Travolta. Ellis, você e a Madison fazem a da Olivia Newton-John. E, no instante seguinte, as quatro mulheres desfilavam pelo palco, soltando a voz com Summer Night, do filme Grease. E quando chegou a parte sobre casos de verão sem significado nenhum, Ellis Sullivan cantou o verso inspirada por sua nova experiência no assunto.

434 434 Foi demais! gritou Dorie, abraçando as amigas quando a música acabou. É, a gente detonou concordou Julia, direcionando as mulheres para a mesa. Mas, meninas, acho que a princesa aniversariante precisa ir pra casa agora, antes que ela vire abóbora. Por mim, tudo bem disse Madison na hora. Elas encheram a van, com Dorie atrás do volante. Quando estavam perto de casa, Julia, tentando soar casual, pegou seu celular e gemeu. Ah, não. Minha bateria morreu. E eu prometi que ligaria para o Booker antes da meia-noite. Droga! Eu deixaria você usar o meu ofereceu Dorie, mas já usei todos os minutos do mês. Aqui disse Ellis fuçando na bolsa. Liga pra ele do meu. Ok disse Julia com a mão estendida. Ora, ora estranhou Ellis. Não tá aqui ela jogou todo o conteúdo da bolsa no colo e remexeu entre batons, canetas, carteira, lencinhos de papel e um bloco de notas com suas listas.

435 435 Julia virou-se para o banco dos passageiros. Tem certeza de que não está aí? Absoluta respondeu Ellis. E minhas chaves também não estão aqui. Dorie ela gritou, dá meia-volta. A gente tem que voltar para o Caddie s. Eu acho que meu telefone e as chaves caíram da minha bolsa lá. Quê? disse Julia, entrando em pânico. Faltavam dez minutos para meia-noite. Eu não vi seu telefone e suas chaves na mesa. Sentei do seu lado a noite toda. Eles só podem estar lá insistiu Ellis. Dorie, por favor, volta. Vocês ficam na van, eu corro lá dentro, olho a mesa e já volto. Não tá lá contrapôs Julia. Certo, Dorie? Quando foi a última vez que você se lembra de ter visto o telefone? perguntou Dorie Tenta se lembrar. Não sei disse Ellis. Não parei quieta o dia todo, entre a casa e a praia, fazendo as malas, limpando, carregando o carro. A praia! gritou Dorie. Ai, meu Deus, claro. Ellis, eu esqueci completamente. Quando eu fui recolher minha cadeira e minha toalha hoje à tarde, eu vi seu celular e suas chaves na cadeira de praia. Eu ia te contar, mas como achei que você ia voltar mais tarde... Dorie! exclamou Ellis, irritada. Por que não disse antes? Ou pegou e me trouxe? Eu sou uma tonta choramingou Dorie. Estava tão quente hoje, e depois a Willa me ligou no celular pra gritar comigo que eu simplesmente esqueci. Pelamordedeus resmungou Ellis. Isso significa que meu celular e minhas chaves ficaram na praia por horas. Alguém já dever ter levado. Talvez não disse Madison, esperançosa.

436 436 Olha disse Julia, estamos quase em casa. Você salta da van assim que a gente chegar na Ebbtide e vai lá ver. Tenho certeza de que ainda estão lá. Tá fácil disse Ellis, tristonha. O cabelo de Ty ainda estava molhado, mas ele conseguira tomar banho e trocar suas roupas de trabalho em dez minutos exatos, e andou pela praia do seu chalé até a faixa em frente à Ebbtide. Faltando cinco minutos para a meia-noite, ele estava na praia, perguntando-se se ter vindo tinha sido um erro. Ele observou o local onde sua garagem e sua edícula existiam há apenas vinte e quatro horas. Ele fez o certo, o que tinha de ser feito, mas ele sentiria saudade daquele velho ninho de rato. Alguém tinha deixado uma cadeira de praia bem no meio do lugar onde as meninas da Ebbtide montavam seu acampamento durante todo o último mês, uma toalha de praia listrada de rosa e laranja jogada no encosto. Quando se aproximou, viu um celular e um molho de chaves na ponta da toalha. Pegou o celular, apertou um botão e, vendo o histórico de chamadas, percebeu se tratar do celular de Ellis. Ty sentou-se na cadeira para esperar. Ele esperava sentado, em silêncio, no escuro, na cadeira ao lado da janela a mesma pela qual Maryn olhara inúmeras vezes, toda

437 437 manhã e toda noite, procurando sinais de problema. Uma gota de suor escorreu por suas costas por ficar sentado naquele quarto apertado. Ele pensou em ligar o ar-condicionado enferrujado, enfiado pela metade na janela ao lado da cama, mas depois achou que isso alertaria sobre a presença de alguém no quarto. Ele olhou o visor do seu relógio. Quase meia-noite. Ela teria encontrado outro homem? Um espasmo nos olhos foi disparado pelo pensamento de Maryn com outra pessoa. Depois balançou a cabeça. Impossível. Ele vira a van vermelha sair de casa horas antes com quatro mulheres dentro. Noite das meninas. Completamente inofensiva. Não que importasse. Ele tamborilou a pasta do laptop, inchada com o dinheiro facilmente encontrado no armário. O dinheiro dele. Ele merecera. Era dele, e ele o teria, assim que lidasse com Maryn. Tivera tempo de contá-lo, esperando por ela, montando as notas em fileiras que cobriram a cama por completo. E estava tudo lá, exceto por cem dólares. Isso o surpreendeu: Maryn não ter gasto o dinheiro, não ter fugido do país assim que descobrira o que tinha. Maryn nunca lhe pareceu um tipo muito nobre. Ela era uma realista durona, como ele. Por isso ele se sentira atraído por ela. Ele viu o teatro de luzes na parede do quarto escuro e levantou-se para olhar pela janela. A van vermelha rolava pela entrada aceleradamente. Só parou bem em frente à varanda. O motor foi desligado e uma ruiva mignon pulou do banco do motorista e correu para a varanda da frente. Pouco depois, as outras portas da van se abriram, e ele observou, com o pulso acelerado, Maryn descer, se espreguiçar e dizer algo para a loira magricela que saiu pelo outro lado do carro. As duas olharam para a casa, e ele deu um passo atrás, rapidamente, mesmo sabendo que elas não poderiam vê-lo ali, no escuro. Mesmo assim... Andando suavemente até a porta, ele abriu-a apenas o suficiente para ouvir a porta da frente sendo aberta. As luzes foram acesas. Ouviu vozes. Dessa vez ele tinha certeza de que estava ouvindo Maryn e uma das outras mulheres cochichando de forma conspiratória. Ele fechou a porta e se posicionou bem ao lado.

438 438 Minutos passaram-se. Ele ouviu passos subindo as escadas. Boa-noite, galera disse alegremente uma voz feminina desconhecida. Os passos pararam no primeiro andar. Ele ouviu uma porta fechar, uma torneira sendo aberta, a descarga acionada e o som de uma porta de banheiro se abrindo, pouco depois, outra se fechando. Ele voltou a esperar, encostado à parede, ouvindo sua própria respiração. Escutou mais passos nas escadas e ficou tenso. Suas mãos molhadas de suor. Ele secou-as no jeans, retesou-se, virado para a porta, com a mão na pistola que trazia na cintura. Os passos pausaram no patamar do primeiro andar. Talvez fosse uma das outras mulheres, as colegas de Maryn. Mas depois os passos recomeçaram, lentamente subindo a escada para o segundo andar. Foi sorte, na verdade, ela ter escolhido esse quarto, isolado no último andar da casa. Mas não era de se surpreender. Maryn não confiava em ninguém, principalmente outras mulheres. A grande surpresa foi ela ter se mudado para a casa dessas mulheres. Não importava por que ela tinha escolhido esse quarto, tudo o que importava é que ele era perfeito para suas necessidades. Os passos aproximavam-se. E ela cantava. O quê? They just wanna cantarolou em voz baixa they just wannaaaaa. Cindy Lauper? A Maryn? Ele nunca a ouvira murmurar uma canção, quanto mais realmente cantar. Estava bêbada ou drogada? Os passos pararam na frente da porta. Ele segurou a respiração enquanto ela procurava a chave. A porta abriu-se devagar. They just wanna, they just wannaaaa ela entrou, procurando o interruptor com a mão. Ele esperou a luz se acender, então deu um passo à frente, enlaçando a garganta dela com o antebraço, arrastando-a para dentro do cômodo e fechando a porta atrás deles silenciosamente.

439 439 Os olhos dela arregalaram-se de terror e, antes que ela pudesse gritar, ele tapou sua boca com a mão. Bem-vinda ao lar ele sussurrou em sua orelha. Ellis pegou uma lanterna debaixo da pia da cozinha e correu pela porta em direção à passarela das dunas. Como, diacho, eu esqueci as chaves e o celular na praia?, ela pensou. Ela podia jurar tê-los visto na sacola de praia quando voltara para casa, mas o dia tinha sido tão agitado que ela podia muito bem ter imaginado. Ela chutou as sandálias na plataforma sobre as dunas. Apontando a lanterna para os degraus, desceu-os cuidadosamente, segurando firmemente no corrimão. Parece que hoje tá mais escuro, pensou. Olhando para cima, viu nuvens densas cobrindo a lua. A temperatura tinha caído, e o vento, aumentado. Relâmpagos brilhavam sobre a água, e ela ouviu um trovejar baixo. Ela rezou para que não chovesse até encontrar seu celular. Quando alcançou a praia, ela direcionou o facho da lanterna de um lado para o outro até encontrar a cadeira de praia esquecida, com a toalha ainda sobre ela. E Ty Bazemore também. Ela inspirou com força e segurou no corrimão; seus instintos diziam para que virasse e corresse de volta para casa. Mas, antes que tivesse a chance de se mexer, Ty estava de pé, olhando para ela e, espera Ele sorria? Para ela? Enfim, era tarde demais para fugir. Ela obrigou-se a andar em sua direção, como se fosse a coisa mais normal do mundo. Mas sua mente não conseguia formular uma frase que não soasse idiota. Por fim, conformou-se com: Acho que esqueci meu celular e minhas chaves aqui hoje.

440 440 Ty levantou o telefone. Esqueceu ele confirmou. Estavam bem aqui na sua cadeira mas ele não fez nenhum gesto para devolvê-lo. Eu não tinha certeza de que você viria essa noite ele confessou. Caramba, não tinha certeza se eu viria. Mas fico feliz por ter me chamado. Não quero que as coisas acabem assim, Ellis. Do que você tá falando? ela perguntou, parando a poucos centímetros da cadeira. Ter te chamado pra quê? Qual é, Ellis? disse Ty, sentindo seu rosto ficar quente. Isso foi ideia sua, não minha. Não faz isso. Ty disse Ellis, não tenho ideia do que você tá falando. O que você tá fazendo aqui? Por que veio aqui hoje? Ele pegou uma mecha do cabelo dela e a colocou atrás da orelha. Eu vim porque você me mandou uma mensagem. Eu vim porque você disse que, se eu te amasse, eu viria. E eu te amo. Eu vim. Eu faço mais do que isso, se me der uma chance. Eu te mandei uma mensagem? Ele franziu a testa. O que tá acontecendo? É uma brincadeira de mau gosto? Ela pegou o telefone dele e checou o histórico de mensagens. Estava vazio. Ela levantou para ele ver. Eu não te mandei mensagem hoje. Eu juro. Por Deus, você mandou ele disse. Pegou seu próprio celular do bolso da bermuda cargo, levantou a tela e mostrou para ela. Olha! Por que eu ia inventar algo assim? Ellis leu as mensagens, depois levantou os olhos para Ty, cuja expressão era inflexível. Sua própria cara estava de um vermelho vivo. De repente, ela entendeu.

441 441 Julia! ela gritou. E Dorie! Elas fizeram isso. Elas roubaram meu celular quando eu dormi na praia hoje à tarde e mandaram as mensagens pra você. Eu acordei e a Julia estava mexendo na minha bolsa. Achei que ela só estava pegando o protetor, mas ela devia estar devolvendo o telefone. E alguma hora depois, elas roubaram ele de novo e o plantaram aqui. E por que elas iam fazer uma pegadinha de criança dessas? inquiriu Ty. Elas são suas amigas. Por que iam te zoar assim? Ou eu? Ellis queria morrer. Queria afundar na areia e escapar da humilhação. Porque ela disse, engolindo o choro minhas amigas idiotas, loucas e enxeridas estão com essa ideia estúpida de que a gente nasceu um para o outro. Elas têm pena de mim, porque sabem que eu sou uma perdedora, que não tenho vida fora do trabalho. Elas sabem que você é o primeiro homem com que eu fico em onze anos e provavelmente estão com a impressão idiota de que a gente está apaixonado... Ei interrompeu Ty com suavidade, pegando a mão dela isso não é idiota. Ela olhou para ele, lágrimas escorrendo. Não é idiota da parte delas mandarem mensagens falsas do meu celular pra te atrair aqui embaixo? Ele riu. Essa parte foi totalmente idiota. Mas deu certo, não? Aqui estou. E aqui está você. Ela fungou alto. Porque elas roubaram meu celular e minhas chaves. Eu achei que tinha esquecido no Caddie s, mas a Julia proibiu a Dorie de voltar pra eu procurar. A Dorie apareceu com uma história esfarrapada que tinha visto minhas coisas aqui quando deixou a praia hoje à tarde. Eu devia ter desconfiado. Ela é a pior mentirosa.

442 442 Elas queriam que você viesse aqui à meia-noite disse Ty. Porque elas sabiam que com certeza eu estaria aqui, principalmente depois daquela sua última mensagem. Ellis engoliu uma nova onda de choro. Que foi? Ele colocou os braços em volta da cintura dela e a puxou para mais perto. Foi a que dizia: Se você me ama, vai aparecer. Eu amo. Eu vim. Então o que fazemos agora? Começou a chover. Forte. Pingos aleatórios, cheios do calor de agosto. Ellis pousou a bochecha no peito de Ty. Ali, naquele momento, segura nos braços do homem que faria de tudo para vê-la feliz, já tinha a resposta. Tudo que precisava fazer era se permitir ser amada por ele. Permitir e deixar o amor acontecer. Ela sentiu a areia voando em volta dos calcanhares, o vento esvoaçando suas roupas, a chuva, cada vez mais forte, e, acima de tudo, ouviu o quebrar das ondas. Ela inclinou a cabeça para olhá-lo. O cabelo dele já estava grudado na cabeça. Acho melhor a gente sair correndo ela disse. Ty agarrou sua mão e ambos correram os degraus sobre as dunas. Ellis parou no patamar alto para recuperar o fôlego e seus olhos passearam além da passarela, para a Ebbtide um esqueleto cinza e sombrio. As luzes do quarto no último andar estavam acesas o quarto de Madison. Duas silhuetas formavam uma sombra. E uma delas era de um homem. Ty ela chamou, apontando, no alto da casa. É o quarto da Madison. Tem um homem lá com ela. Bom pra ela comentou Ty e puxou sua mão em direção a casa. Não disse Ellis, empacando. Deve ser o Adam. O homem que trabalhava com ela em Nova Jersey. Ele devia ter chegado há uns

443 443 dois dias, mas nunca apareceu. Todas nós achávamos que tinha alguma coisa suspeita sobre ele, mas a Madison insistia que era inofensivo. Qual o problema? perguntou Ty. Olha, a gente pode conversar sobre isso lá dentro? Como ele entrou na casa? A gente fecha tudo direitinho quando sai. A Madison tranca a porta do quarto dela, mesmo só pra ir ao banheiro. Ty, ele sabe que ela tem todo aquele dinheiro. Cem mil dólares. Ela contou pra ele. Ele deve ter arrombado a casa quando a gente saiu.

444 444 Você ainda não perguntou por que eu vim aqui disse Don, recostando-se na cadeira para aproveitar a visão da geralmente fria e serena Maryn lutando contra o pânico que sabia que ela estava sentindo. A face dela estava pálida e gotejada de suor. Eu sei por que você veio ela disse, virando a cabeça na direção da pasta. Veio pegar seu dinheiro de volta. Está todo aí. Então pega e vai embora, ok? Quê? ele disse jocosamente. Minha adorada esposa não gosta de passar um tempo com seu adorado marido? Adorada? zombou Maryn. Você nunca me adorou. Você adorava me possuir, mandar em mim, me exibir aos amigos. Mas eu era apenas um objeto pra você. Nada mais, nada menos. E você não adorava gastar meu dinheiro, viver na casa que eu te dei, exibir aquele diamante enorme do anel de noivado, a lua de mel nas Bermudas? Acredite se quiser, Don disse Maryn, fazendo uma careta. Eu me apaixonei por você. As coisas materiais eram... legais, mas, por um período, até eu descobrir quem você era e em quem tinha me transformado... eu te amei.

445 445 Sobre o anel disse Don. Ele levantou o quadril e alcançou o bolso. Maryn recuou. Ele tem uma arma, ela pensou. Ele tem uma arma e vai me matar. Em vez disso, Don tirou do bolso a caixinha de veludo preto. Abriu-a e direcionou-a para Maryn. Fico sentido por você não estar usando seu anel de noivado ele disse. Coloque-o, hein? Como uma demonstração de afeto. Vai se foder xingou Maryn, batendo na mão dele e fazendo a caixinha voar. Eu fico sentida por você estar transando com a Tara Powers. Você achou que eu não descobriria? Levando ela para os mesmos restaurantes que íamos no nosso namoro? E depois para os mesmos malditos hotéis? Pega o anel. Dá pra piranha da Tara. Deixe que ela use. Ty e Ellis ficaram parados, hipnotizados ao olhar a sombra do homem estapear a mulher no quarto do último andar. A gente tem que fazer alguma coisa disse Ellis. Primeiro temos que sair dessa chuva ele disse, e, de mãos dadas, foram pisando nas poças da passarela até a varanda dos fundos. Quando seguramente abrigados pelo telhado, Ellis lembrou-se do celular que tinha enfiado no bolso do vestido alguns minutos antes. Vou ligar pra polícia ela avisou. A Dorie e a Julia estão dentro da casa. E se ele tentar machucar as duas? Um-nove-zero uma voz gravada falou. Você ligou para os Serviços Emergenciais do Condado de Dare. Esse número é para ser utilizado unicamente em situação de risco de morte. Se está ligando para reportar uma situação não emergencial ou para questionar sobre

446 446 serviços do condado, desligue e disque o número listado em sua lista de telefones. Se possui uma emergência genuína, por favor, fique na linha para que um operador lhe dê assistência. Uma música baixa surgiu na linha. Estou na espera! disse Ellis, ouvindo uma série de bipes. Droga, eu tenho uma emergência de verdade. Vai, vai. Ty pegou o próprio telefone do bolso e começou a digitar. Vou ligar para o Connor ele falou. Ele ainda está no bar, mas, se atender, é só dez minutos até chegar ele esperou, ouviu e fez uma careta. Foi pra caixa postal ele avisou. Ele nem deve ouvir a porcaria tocando esperou um momento. Con, é o Ty. Olha, temos um invasor na Ebbtide, e eu acho que ele pegou uma das mulheres como refém, no quarto do último andar. A gente tá tentando ligar para o um-nove-zero, mas estamos na espera. Se ouvir isso, vem já pra cá, agora. Não dá pra esperar disse Ellis. As meninas estão sozinhas dentro da casa. Preciso tirá-las da lá ela foi para a porta da cozinha. Eu vou escondida pra cima e aviso o que está acontecendo, e tento sair com elas o mais quieta possível. Beleza assentiu Ty. Eu fico aqui de olho na escada de trás, caso ele tente tirar a Madison de lá. Fica na linha da polícia. E cuidado, ok? Ok Ellis abriu a porta da cozinha apenas o suficiente para deslizar adentro. Foi na ponta dos pés pela escada, rezando para que seus pés descalços não rangessem a madeira, para que chegasse ao primeiro andar sem ser percebida. Ela ouviu água correndo no banheiro e um facho de luz sob a porta do quarto de Julia. Empurrou a porta sem bater e encontrou Julia tirando uma camisola rosa. Julia! cochichou Ellis. Ele tá aqui.

447 447 Ty? Quem? perguntou Julia, vestindo sua calça de ioga. O O Ty não! Digo, sim, o Ty tá aí embaixo, de olho na escada de trás. É o tal do Adam. Ele tá lá em cima, no quarto da Madison. Como você sabe? perguntou Julia, alarmada. A gente estava voltando da praia, pois tinha começado a chover, e eu, por acaso, olhei para a janela. Havia duas pessoas no quarto de Madison, uma era homem. Só pode ser o Adam! Que porra...? exclamou Julia. Como ele entrou aqui? Como ele achou a casa? Não sei, mas achou disse Ellis. Precisamos fazer alguma coisa. O quê? Não sei respondeu Ellis. Estou na espera do um-novezero, e o Ty deixou mensagem para o Connor, pedindo pra ele vir imediatamente. Mas, no meio tempo, ele tá lá com a Madison. Nós vimos ele dando um tapa nela! Cadê a Dorie? perguntou Julia. Seria a cara dela subir as escadas para dar uma última fofocada. Ouviram som de água correndo vindo do corredor. Elas foram na ponta dos pés até o banheiro. Julia bateu de leve na porta, mas ninguém respondeu. Dorie sussurrou, abre. Não acabei gritou Dorie, sua voz ecoando nos azulejos. Pelo amor de Deus, se tá apertada, vai no de baixo. Deixa eu entrar, caramba sussurrou Julia com a voz rouca. E cala a boca, pô. Dorie abriu a porta irritada, enrolada numa toalha úmida. Seu cabelo estava preso no alto da cabeça por um frufru roxo.

448 448 O que você quer? Cala a boca! exclamou Julia. Você vai matar todo mundo assim ela agarrou o braço de Dorie e a puxou para fora do banheiro, levando-a para o corredor e depois para o quarto. Todas dentro, com a porta trancada, Ellis apontou para cima com o dedo indicador. Ele tá aqui! ela explicou. O Adam! No quarto da Madison. Ele deve ter arrombado a casa quando a gente estava no karaokê. O Ty e eu estávamos voltando da praia quando a gente viu um homem no quarto dela. Liga pra polícia, pelo amor de Deus disse Dorie. Eu liguei exclamou Ellis. Estou na espera, faz um século. Você tá mesmo na espera? perguntou Julia. Eles podem fazer isso no um-nove-zero? Te colocar na espera? Estou esperando pra ser atendida pelo operador explicou Ellis. O que a gente faz? Eu sei o que eu vou fazer disse Dorie, na direção da porta. Vou pôr uma calcinha. Não consigo lidar com uma emergência pelada. Espera por mim pediu Julia. Vem, Ellis. Precisamos ficar juntas. Don Shackleford cruzou as pernas e recostou-se na cadeira, olhando Maryn com um sorriso sarcástico. Tá vendo disse, balançando a cabeça. Quando você fica metendo o bedelho nos negócios dos outros, pode descobrir coisas que não gostaria. Não se preocupe com a Tara. Ela era só... conveniente.

449 449 Da mesma maneira que eu fui conveniente quando me conheceu? perguntou Maryn. Ela deixou o braço dela pender casualmente ao lado da cama, descendo até que sua mão pousasse sobre a beira do colchão. foi? Nada a ver respondeu Don. Eu me casei com você, não No fim, sim concordou Maryn. Apesar de ter convenientemente se esquecido de mencionar que já era casado quando nos conhecemos. Tecnicamente, separado disse Don. Mas você nunca me perguntou se era casado, perguntou? Você também convenientemente se esqueceu de mencionar sobre a vasectomia disse Maryn, amarga. Quando você ia me contar sobre isso, Don? Ele suspirou. Suponho que você tem conversado com a Amy. Que biscate vingativa. Era de se supor que o fato de eu pagar a pensão alimentícia em dia iria amaciá-la, não? Enfim, você não quer realmente ter um filho, Maryn. Você é muito egoísta pra ser mãe. E Deus sabe que eu não tenho sido um exemplo de pai praqueles dois pirralhos que tive. Não, não vou reverter a vasectomia. Maryn enfiou a ponta dos dedos entre o colchão e o estrado, silenciosamente rezando parar sentir o conforto do metal gelado. Olha, Don ela disse, você pegou seu dinheiro. Foi pra isso que você veio, certo? Pegue e vá embora. Eu não vou voltar pra Jersey. Assim que eu me ajeitar, vou arranjar um emprego, arrumar um advogado e teremos um divórcio tranquilo. Você e a Tara podem navegar felizes em direção ao pôr do sol. Só me deixa em paz, saco. Um divórcio? Tsc, tsc, tsc zombou Don, pousando a mão sobre o bolso do peitilho de sua camisa amarela recém passada. Por que eu ia querer um divórcio? Não podemos viver felizes para sempre?

450 450 Eu já tô de saco cheio disse Maryn, com os dedos procurando entre as camadas de espuma e madeira. Ela sentiu migalhas. Uma mosca morta? Onde está o revólver? Não vou voltar. Não me importo com o que você fez. O dinheiro? O que rolou na Prescott? Não é da minha conta. Não quero saber. Não sei. De nada. Don suspirou. Ah, Maryn, estou muito desapontado. Nunca tente enganar o enganador, ok? Vozes surgiram sob a porta do armário de Dorie. O canal de ventilação! ela exclamou, apontando para a porta. Ela foi na ponta dos pés até a porta do armário enquanto Ellis fechava e trancava a do quarto. Ouviram a voz de Madison. O que aconteceu com o Adam? ela perguntou. Ele vem pra cá, sabia? Ele sabe que estou aqui. E ele sabe que você me ameaçou. Se alguma coisa acontecer comigo, ele vai pra polícia. Don? sussurrou Julia. Ela tá falando com o Don? O marido? virou-se para Ellis. Você disse que o Adam estava lá com ela. Eu só vi que era um cara explicou Ellis, segurando o celular. A gente estava preocupada com o Adam. Como é que foi que o marido descobriu que ela estava aqui? Ah, mas notícias disse Don. Temo que o Adam não possa vir. Mas ele manda suas desculpas. Maryn sentiu os pelos de sua nunca eriçar.

451 451 Eu falei com ele pelo telefone. O que você fez com ele? Eu? E o que ele fez comigo? Chantagem é crime, sabia? Você sabia que o seu namorado é um chantagistinha podre? O Adam não é meu namorado disse Maryn entre os dentes. Eu sei que alguém tão promíscuo quanto você pode não acreditar, mas eu nunca te traí. Nem com o Adam, nem com ninguém. É o que você diz. Mas ele tinha a impressão de que você iria me trair. E que você iria fugir com ele, assim que ele pegasse a grana Don bateu na maleta do computador. O Adam não sabia sobre o dinheiro mentiu Maryn. Fiz questão de não contar. Ele sabia tudinho corrigiu Don. Era pra ser dele. Você tá querendo dizer que não tinha sacado tudo? Não acredito falou Maryn, mas uma sensação nauseante em seu estômago dizia que Don lhe contava a verdade. No começo, era pra ser apenas vinte e cinco mil dólares disse Don. O Adam não é nem de longe tão esperto quanto se acha, mas foi esperto o bastante pra enfiar o nariz onde não tinha sido chamado. Ele veio falar pra mim de suas suspeitas, e apesar de eu não admitir nada, concordei com o suborno. Era pra ser vinte e cinco mil dólares. Ele devia ficar com o bico calado, mas o bastardinho ganancioso não se aguentou. Continuou insistindo. E então bem, você sabe o que aconteceu depois. O Adam chamou os auditores? perguntou Maryn, confusa. Por que ele faria isso? Don deu de ombros. Ele estava me pressionando por dinheiro, e eu não acreditei nas ameaças. Acho que ele quis me mostrar quem mandava. Jogada de iniciante. Mas por que me contou? perguntou Maryn. Ele provavelmente achou que você me abandonaria e fugiria com ele disse Don, rindo. Não que isso importe agora. Eu tenho

452 452 cinco milhões de dólares guardados. E o Adam? Bem, o coitado do Adam não vai mais fazer ameaças sem cabimento. Dorie arregalou os olhos para Ellis, que ainda segurava o celular contra a orelha. Ainda está na espera? Ellis assentiu. Temos que fazer algo disse Dorie. Ela pegou bermuda e camiseta e começou a se vestir. O cara é louco. Vocês ouviram como ele está calmo? Discutindo suborno e fraude? E assassinato? Ele vai matar a Madison, tenho certeza. O que a gente pode fazer? O que você quer dizer? perguntou Maryn, horrorizada. O que você fez com o Adam? Ela continuava a mexer no colchão, tentando manter a expressão calma, impassível. Teria Don encontrado a arma e a escondido? Ele devia se lembrar de que tinha lhe dado, até tinha lhe ensinado como atirar. O Adam queria mais cem mil depois de chamar os auditores. E ter te avisado. Ele disse que, se eu não lhe desse o dinheiro, faria uma ligação anônima ao procurador do estado. Eles já estavam farejando, então eu concordei com as exigências do bastardinho. E

453 453 assim disse Don, dando palminhas na pasta foi como os cem mil dólares foram parar na pasta do meu laptop. O Adam estava te chantageando? Não acredito disse Maryn, para ganhar tempo, pois, agora, já conseguia acreditar que Adam fosse capaz de chantagem. Tô pouco me lixando para o que você acredita disse Don. Mas já que estamos batendo esse papo, você deveria saber que eu ia encontrar com ele aquela manhã. A manhã em que você tomou a lamentável decisão de ir fuçar no meu escritório. Por quê? Por que ele faria isso? Maryn já tinha colocado a mão inteira embaixo do colchão, mas a pistola com certeza não estava onde ela a tinha colocado. Don? Não. Ele não teria mostrado a arma para ela de cara? Aos poucos, ela foi entendendo. Julia! Ela fora a única pessoa a ficar sozinha neste quarto. Ela encontrara o dinheiro com tanta facilidade. Teria achado a arma e levado embora? Maldita! Dá pra imaginar como o Adam ficou desesperado ao saber que o tiro dele tinha saído pela culatra disse Don. E que você tinha fugido com todo o dinheiro dele? Não que eu tivesse a intenção de dar um centavo para ele adicionou Don. Ele olhou para Maryn com interesse. O que você tá mexendo aí? levantou-se abruptamente e empurrou Maryn para fora da cama. Ela gritou de dor quando sua cabeça bateu na quinta do criado-mudo, e o abajur caiu ao chão, a base de vidro estilhaçando-se. Maryn chorava baixinho. No andar debaixo, Dorie, Ellis e Julia ficaram paralisadas.

454 454 Ele machucou a Madison exclamou Dorie. Ellis, você ainda tá na espera? Desliga e tenta de novo, pelo amor de Deus. Quê? elas ouviram Don perguntar, com um riso baixo. Você estava procurando pela arma que eu te dei? Eu já olhei. Não está aí, está? A pistola cochichou Julia. Meu Deus, eu esqueci de colocar de volta embaixo do colchão ela saiu correndo do quarto e voltou com sua sacola de praia, segurando a arma com horror e fascinação. O que a gente deve fazer? perguntou Dorie. Galera, não dá pra esperar a polícia. Ellis desligou o celular. Vou ligar para o Ty ela sussurrou. Ele tá ali nos fundos. Ele precisa saber que a coisa tá ficando cabeluda aqui. Onde você colocou a arma, Maryn? Elas ouviram Don perguntar e, além do choro, escutaram o barulho doentio de um tapa, e o choro mais alto. Faz alguma coisa implorou Dorie. Ele vai matar a Madison. Os dedos de Ellis tremiam conforme digitava o nome de Ty. Tocou uma, duas, três vezes: sem resposta. Vai, Ty arfou Ellis. Atende. Por favor, por favor, atende pouco depois, a caixa postal. Oi, é o Ty disse a gravação. Deixe um número que eu te dou um toque mais tarde. Ty, sou eu ela disse, protegendo a boca com as mãos, os lábios colados ao fone. O cara no quarto da Madison é o marido dela. Ele tá espancando ela. Não consigo falar com a polícia. Chama seus amigos, a polícia, traz alguém aqui agora. E rápido.

455 455 Maryn? a voz de Don era ameaçadora. A arma não tá aqui ela gritou. Foi roubada do meu carro na primeira semana. Não tive tempo de arrumar outra. Por isso que coloquei os cadeados na porta. Tem certeza de que não está na sua bolsa? perguntou Don. Elas ouviram barulho de moedas caindo no chão de madeira. Eu tô falando que foi roubada choramingou Maryn. Por que eu iria mentir? Tudo bem ele cedeu. Talvez você esteja dizendo a verdade. Não importa, importa? Vem, levanta. E fica quieta ele pendurou a maleta do laptop no ombro. Maryn chorava novamente. Eu disse levanta, caramba urrou Don, tirando a arma da cintura. Maryn deu outro grito de dor, e elas ouviram passos. Onde você tá me levando? perguntou Maryn, a voz trêmula. Você queria ver o Adam Kuykendall, eu vou te levar pra vê-lo disse Don. Vamos. Eu não estou sozinha aqui, Don disse Maryn. Minhas amigas, elas já devem ter percebido que você está aqui. Elas vão chamar a polícia. Elas não vão deixar você... Ele deu-lhe um tapa tão forte que os ouvidos dela zumbiram. Amigas? ele zombou. Você não tem amigas, Maryn. Essas mulheres deixaram você morar aqui... por quê? Porque pagou pra elas? Ninguém vem te salvar, Maryn. Sempre foi assim. Sempre será. Agora se mexe, caralho.

456 456 Quando elas ouviram o som da pesada porta se abrindo e o girar do ferrolho, as três mulheres sabiam que alguma coisa estava acontecendo. Vem chamou Ellis, correndo para a porta de Dorie. Ele está levando ela para baixo, pela escada de trás. O Ty está lá, em algum lugar. Julia, essa coisa tá carregada? Você sabe atirar com ela? Tá carregada agora disse Julia, a voz ameaçadora. Eu não atiro desde que meu pai me ensinou, aos catorze anos, mas eu relembro na hora. Esperem por mim disse Dorie, calçando um chinelo de dedo. Fica aqui mandou Julia. Ficar o caramba disse Dorie, impetuosa. E as três correram escada abaixo o mais rápido que puderam. Quando chegaram à sala, Ellis fez um desvio para a lareira. O que você tá fazendo? sussurrou Julia. Ellis ergueu no alto o pesado atiçador de ferro. Julia sacudiu a cabeça em aprovação. Esperem um segundo ordenou Dorie, correndo para a cozinha. Quando voltou, sacudia um cutelo e uma faca de carne. Agora estamos prontas ela disse.

457 457 Agachado embaixo da escada dos fundos, Ty ouviu as dobradiças enferrujadas da porta gemerem, e depois a antiga e pesada porta se abrindo. Merda! Sentiu a vibração de passos na escada de ferro. Madison chorava. Don, não. Por favor, não. Não conto pra ninguém. Por favor... Cala a boca! a voz do homem estava rouca, e Ty ouviu o barulho nauseante de um tapa, carne contra carne. Madison gritou novamente. Vai, se mexe o homem mandou. Se mexe ou eu te jogo dessas escadas, juro por Deus. Ty olhou em volta por alguma coisa, qualquer coisa, que pudesse usar como arma, mas a única coisa à mão era uma prateleira deixada para trás pelo pessoal da construção. Ele olhou para as pás e os arados jogados no terreno, mas estavam trinta metros dali, e era tarde demais para arriscar. Ele com certeza seria visto se tentasse se locomover. A escada tremia sob o peso dos passos que desciam. Mexa-se, caralho foi o que disse o sussurro rouco de Shackleford.

458 458 As mulheres engatinhavam grudadas até a varanda da frente. Onde será que o Ty está? Ellis preocupava-se. Ela espiou a entrada. A chuva estava cadenciada, uma bruma subia soturnamente dos equipamentos de construção e dos restos espalhados pelo quintal malcuidado da Ebbtide. Como o Don veio? ela falou em voz baixa. Não tem carro nenhum na garagem. Talvez ele tenha parado na rua sugeriu Dorie. Acho que não, porque aí ele teria que arrastar ou carregar a Madison até o carro contrariou Julia. Esperem disse Ellis. Ela correu pela entrada, contornando os restos da antiga garagem, em direção ao terreno ao lado, onde ela tinha estacionado, ao que parecia meses atrás, para dar sua primeira espiada na Ebbtide. Pouco depois, ela voltava, arfando e sem fôlego. Tem um carro preto parado lá, atrás da fundação queimada ela contou para as outras. Só pode ser do Don. Dorie, você acha que consegue ir até o carro, tipo, rápido? Claro fungou Dorie, indignada. Não estou aleijada, por favor. Ok disse Ellis, apontando para as facas que Dorie brandia em cada mão. Vai lá e fura os pneus. Se ele conseguir passar por nós com a Madison, isso vai atrapalhar. E depois some de lá.

459 459 Volto já prometeu Dorie. Não façam nada sem mim. Quando ela saiu, Ellis e Julia agacharam-se e foram de gatinhas para a beira da varanda. Qual é o plano? perguntou Julia, a voz usualmente trêmula. Ellis, mesmo se eu conseguir puxar o gatilho, eu só atirei até hoje em fardos de feno, à luz do dia, com o papai do meu lado. Não tenho ideia se consigo acertar alguma coisa, ainda mais no escuro assim. Ty sentiu os passos aproximando-se. Ele agachou-se em posição fetal, desejando se tornar invisível. A chuva pingava em sua cabeça, dentro dos seus ouvidos e da ponta do nariz. Ele piscou e balançou levemente a cabeça, com repentino entendimento sobre a eficácia da tortura chinesa. Caralho, mexe essa bunda esganiçou Shackleford. Ou eu juro que te mato bem aqui. Meu tornozelo gemeu Madison. Acho que torci. Ty olhou para cima e viu Shackleford empurrar Madison nos últimos degraus. Viu a arma também. Ela gritou alto, caindo em cima de um emaranhado de capim. O homem pisou em cima dela e a puxou para cima. Ele carregava uma maleta no ombro. Por aqui ele rosnou roucamente, empurrando-a na direção da entrada. Agora ou nunca, pensou Ty pesarosamente. Ele levantou e se jogou num ataque voador, com mais testosterona do que habilidade, lembrando-se do mantra do técnico da escola: Guarda alta e ímpeto, filho. Ty bateu com violência nas coxas de Shackleford, fazendo-o voar de cabeça no chão. BUM!

460 460 O tiro tinha sido tão perto e tão alto que, por um breve instante, Ty pensou que tinha sido atingido. Madison sentiu também. E agora os três estavam girando na chuva e na lama, braços e pernas completamente emaranhados. O que foi...? Shackleford ficou de costas. Ty bateu desajeitadamente na mão de Shackleford, que segurava a arma, conseguindo apenas um raspão. Shackleford retaliou com um covarde chute traseiro na boca do estômago de Ty. Apontou a arma para Ty, que rastejava para trás na lama, tentando desesperadamente sair do alvo. Madison de algum modo conseguiu ficar de pé. Não! ela gritou. Não! ela se jogou para frente e conseguiu dar um belo chute nas costelas do marido antes que ele conseguisse agarrar seu pé e a desequilibrar. Ela gritou de dor, gritou de medo, gritou até achar que seus pulmões pegariam fogo. Atordoada pela raiva, ela chutou Shackleford, que a agarrou pelo tornozelo com a mão e esquerda e a arrastou para o chão. Aproveitando a oportunidade, Ty pegou a prateleira e avançou para Shackleford. Mas o outro homem o vira se aproximar: levantou o cotovelo, mirou e disparou. BUM! Dessa vez, não foi imaginação. Ty sentiu uma dor rasgante na coxa. Ellis e Julia assustaram-se com os gritos que vinham dos fundos da Ebbtide.

461 461 Ele tá matando a Madison sussurrou Julia, olhando para o outro canto da garagem. Temos que fazer alguma coisa. Espera! exclamou Ellis, puxando a barra da camiseta de Julia. Mas os tiros vindos do fundo da casa eliminaram a cautela das mulheres. Meu Deus arfou Ellis. Ele tem uma arma. E o Ty está lá. Ele vai matar os dois! Antes que Julia pudesse impedi-la, ou argumentar para que planejassem algo sensato, Ellis corria na direção dos fundos da casa, com Julia logo atrás. Ellis sentia como se suas pernas fossem feitas de concreto. Seus pulmões, suas canelas e suas coxas queimavam como se estivessem em combustão. Mas Ty estava lá, e o canalha do Don Shackleford tinha uma arma. Pela primeira vez na vida, ela não tinha um plano. Tudo o que tinha era adrenalina. Contornando a esquina da casa, na fraca luz amarela de uma única lâmpada da varanda, Ellis viu Madison, seu rosto manchado de sangue, debatendo-se no chão, berrando e chutando o homem que com certeza era seu marido. Na direção de Don Shackleford, um Ty Bazemore coberto de lama e olhos insanos segurava ameaçadoramente o que parecia ser uma prateleira sobre a cabeça de Don. Sob a luz da lua, viram a arma presa à mão de Shackleford. E então Ellis ouviu sua própria voz, num decibel que ela não sabia ser capaz de alcançar. Ela pulou das sombras, com Julia bem ao seu lado, gritando como loucas... Instintivamente, as amigas se separaram, Julia correndo na direção de Shackleford, e Ellis, na direção contrária. Julia parou a alguns metros, levantou a pistola, cotovelos fixos, a arma segura por ambas as mãos, como vira Clint Eastwood fazer em todos aqueles filmes do Dirty Harry que Booker tanto amava. Pare, ou eu atiro! Ao contrário de Clint Eastwood, sua voz falhara, e as palavras saíram mais como um ganido do que um rugido.

462 462 Também ao contrário de Clint, suas mãos tremiam como as de um bêbado com crise de abstinência das brabas. A expressão de Shackleford era mais de confusão do que de terror. Ele empurrou Madison para o lado e ficou de pé com facilidade. Vou atirar na sua cara berrou Julia, fincando os pés e assumindo posição. Claro que vai disse Shackleford, rindo. Ele levantou sua pistola e mirou em Julia, mas, no mesmo instante, ouviram o estrondo ensurdecedor de uma sirena: uóóóóóóóóó, uóóóóóóóóó. Assustado, Shackleford virou a cabeça por um segundo. Uóóóóóóóóó, uóóóóóóóóó. Era a distração suficiente para Ty. Ele bateu a prateleira no topo do crânio de Don, precisamente no momento em que Ellis, agachada atrás de Shackleford, girou, pulou no ar e, com um uivo sobrenatural que Julia mais tarde descreveu como meio Karatê Kid, meio cão selvagem, atingiu-o em cheio na virilha com o atiçador da lareira. Nessa hora, o vilão, como Julia relatou muitas vezes depois, dobrou-se como uma cadeira de praia.

463 463 Ty largou a prateleira e mancou até Ellis, recolhendo-a nos braços, intencionalmente virando-a para longe da visão de Don Shackleford amassado no chão com um buraco escavado no topo da cabeça. Julia encarou Shackleford, que não se mexia. Muda, largou a pistola e foi confortar Madison, que tinha se retirado para a varanda dos fundos, e agora chorava baixinho, agarrada ao corrimão da escada de ferro. Tá tudo bem disse Julia, abraçando Madison. Você tá bem. Ele não vai mais te machucar. Não mais. Nunca mais a voz acolhedora, reconfortante. Madison estremeceu, e Julia acariciou-a, como se ela fosse um gatinho assustado. Eu juro, ele nunca mais vai encostar a mão em você. Galera! ouviram uma voz chamar. Olhando para cima, Ellis e Julia viram Dorie correndo, pela névoa, na direção delas. Ouvi os disparos. Vocês estão bem? Dorie! gritou Ellis. Estamos bem. Estamos bem. O Ty... a voz dela estava tão trêmula quanto suas pernas, que pareciam prestes a colapsar sob seu peso, nos salvou. Vocês se salvaram corrigiu Ty, com cara de dor. A Ellis viu o sangue escorrendo pela coxa esquerda de Ty. Você está ferido! ela exclamou. Ah, meu Deus, ele atirou em você ela olhou

464 464 nervosamente para os lados. O Ty levou um tiro. Temos que chamar uma ambulância. Estou bem disse Ty, exausto, apertando as mãos contra a coxa ferida. Foi só de raspão. Como dizem na TV. Ellis mexeu no bolso à procura do celular, mas ao ouvir um tipo diferente de sirene, ela olhou e viu uma procissão de luzes piscando: carros da polícia, equipes de investigação e uma ambulância. Graças a Deus murmurou Ellis. Então, tudo aconteceu de uma vez. Polícias com cães pularam dos carros, armas em punho. Connor Terry estacionou seu jipe logo em seguida e correu para o lado de Dorie. Socorristas colocaram Shackleford numa maca e o enfiaram numa ambulância. Vem, cara disse outro socorrista, tentando guiar Ty para a ambulância. Não vou disse Ty entre os dentes. Não vou entrar numa ambulância com o babaca que acabou de tentar matar todo mundo. Madison, apesar de protestos veementes, foi diagnosticada com um ferimento na cabeça e um ombro provavelmente deslocado, e deveria seguir diretamente para o pronto-socorro. Luzes piscando, a ambulância saiu, carregando Madison e seu marido inconsciente para o hospital. Ty ainda discutia com os socorristas, quando uma bela paramédica negra, que tinha acabado de aplicar um curativo na testa de Madison, veio até ele. Ah, Bazemore, não seja tão cabeça-dura ela gritou. Kalilah, você conhece esse cara? Claro ela respondeu. Você conhece também. Ele trabalha no Caddie s. Ei, Kalilah cumprimentou Ty. Estava tentando falar para o seu amigo que isso não é nada demais.

465 465 Deixa eu ver ela disse, posicionando-o gentilmente sobre o capô de um dos carros estacionados. Vestindo luvas de látex novas, e iluminada pelos faróis de outro carro, ela gentilmente investigou a ferida. Você é um puta sortudo ela disse, limpando o machucado. Parece que só foi de raspão. Poucos centímetros à esquerda e teria atingido a artéria femoral. Você teria sangrado até morrer antes de a gente chegar. É intrometeu-se o outro socorrista, um pouco pra direita e você viraria cantor soprano. Meu dia de sorte disse Ty, contraindo-se. Kalilah era eficiente e, pouco depois, ele já estava com a coxa limpa e enfaixada. Agora ela mandou com um sorriso maroto, eu preciso abaixar essas calças pra te dar um injeção de antibiótico. Qual lado da bundinha é mais lindinho? Ty deu de ombros e abaixou resolutamente a bermuda ensopada da chuva abaixo do bumbum esquerdo. Antes que ele pudesse impedi-la, ela lascou uma segunda agulhada. Uma coisinha de nada pra dor ela explicou. Você vai dormir bem essa noite, meu amigo. Trovejadas à distância, e um relâmpago rasgou o céu da noite. Mas a chuva tinha arrefecido para uma garoa suave, e por fim, depois do que pareceu uma eternidade, depois de todas as testemunhas serem interrogadas, e testemunhos serem relatados, os carros da polícia rolaram pela saída da Ebbtide. O grupo, abraçado embaixo de um enorme guarda-chuva listrado de verde e branco, os observou ir embora. Ei disse Ellis subitamente, só me ocorreu agora. A primeira sirena. Bem quando Don ia atirar em Ty. De onde veio aquilo? Dorie gargalhou.

466 466 Desculpa ela pegou sua arma do bolso da capa de chuva amarela de policial que Connor lhe emprestara e a sacudiu no ar. Já tentou furar esses pneus Michelin com forro de metal com uma faca tipo de margarina? ela balançou reprovadoramente a cabeça para Ty. Cara, você tem que arrumar uns utensílios de cozinha decentes. Eu estava serrando o primeiro pneu quando o alarme disparou. Eu tive certeza de que ele mataria todo mundo. Na verdade, esse alarme deve ter salvado minha vida disse Ty. O Shackleford estava com alvo pronto. Teria atirado com certeza. Então parece que você é a verdade heroína aqui. Ela foi ótima elogiou Ellis, olhando para os rostos extenuados e sujos de lama de todos. Mas acho que todos fomos ótimos. A gente forma um time razoável, não acham? Maravilhoso concordou Julia. Mas prefiro nunca mais passar por algo assim de novo. Nunca mais. Ty balançou a cabeça em concordância, mas suas pálpebras caíam, e obviamente ele estava com dor. Vem chamou Ellis, por fim, colocando o braço de Ty sobre o ombro dela, vou te levar pra casa. Ele olhou para o lugar onde tinha existido a garagem e o apartamento e bocejou. Não tenho mais casa disse, sonolento. Claro que tem discordou Ellis, empurrando-o delicadamente em direção à velha casa cinza. A Ebbtide ainda está aqui. E vai ficar. Como eu.

467 467 Julia irrompeu pela porta da cozinha. Ellis ela chamou, acabei de voltar da corrida e percebi que o carro da Madison não está mais lá! Liguei para o hospital e me disseram que ela se mandou, ou seja, foi embora contra os conselhos médicos. Ellis terminou de embrulhar o último prato da coleção florida com uma folha de jornal e o posicionou com cuidado numa caixa com os outros. O armário da cozinha já estava vazio. A Madison foi embora ela disse calmamente. Julia abriu a geladeira e ficou lá, permitindo que o frio se espalhasse sobre seu corpo suado. Você não parece surpresa. Ellis apontou para a mesa, onde os sapatos de salto alto Christian Louboutin estavam sobre um pedaço de papel. Fiquei, no começo. Mas, se pensar bem, acho que não é tão surpreendente ela ir embora desse jeito. Posso ler? perguntou Julia, esticando o pescoço para olhar o papel. Claro disse Ellis. É para todas nós.

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12

NA PIOR. L652-01(GALERA) CS5.indd 9 19/1/2012 18:09:12 NA PIOR Moggle? sussurrou Aya. Você está acordada? Algo se moveu na escuridão. Uma pilha de uniformes de dormitório se mexeu como se houvesse um pequeno animal embaixo. Então uma silhueta saiu das dobras

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa

Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa CAPÍTULO UM LORRAINE Só consegui chegar agora e já são três e meia da tarde. Acho que essa manhã a igreja demorou mais que o normal, e eu não vim direto para casa, como costumo fazer. Althea estava decidida

Leia mais

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 )

O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. ( 7 ) O porco é fisicamente incapaz de olhar o céu. Isso o Ricardo me disse quando a gente estava voltando do enterro do tio Ivan no carro da mãe, que dirigia de óculos escuros apesar de não fazer sol. Eu tinha

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Poder Invisível Use sua mente a seu favor!

Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Lucyana Mutarelli Poder Invisível Use sua mente a seu favor! 1 Edição Abril de 2013 "Concentre-se naquilo que tem na sua vida e terá sempre mais. Concentre-se

Leia mais

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes.

Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. I Mandei um garoto para a câmara de gás em Huntsville. Foi só um. Eu prendi e testemunhei contra ele. Fui até lá con versar com ele duas ou três vezes. Três vezes. A última foi no dia da execução. Eu não

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

MUDANÇA DE IMAGEM. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br MUDANÇA DE IMAGEM Os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Isto porque eu não tinha a quem relatar o que me havia acontecido. Eu estava com medo de sair do meu corpo novamente, mas também não

Leia mais

Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL. Dan Brown

Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL. Dan Brown Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 3 FORTALEZA DIGITAL Dan Brown Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page 5 Para meus pais... meus mentores e heróis Fortaleza digital 6 MM 08.08.07 10:37 Page

Leia mais

O dia em que ele nasceu

O dia em que ele nasceu O dia em que ele nasceu E le nasceu no verão mais seco dos últimos quarenta anos. O sol cozinhava a argila vermelha do Alabama, transformando-a em pó, e não havia água por quilômetros ao redor. A comida

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento

CHAVE DE ANTEROS. Adriano Henrique Cândido. Segundo Tratamento CHAVE DE ANTEROS de Adriano Henrique Cândido Segundo Tratamento Copyright 2013 by Adriano Henrique Cândido. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. CENA 01 - INT. IGREJA - NOITE FADE IN., 20 e poucos anos, entra

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

24 Questionário para Meses

24 Questionário para Meses De 23 meses e 0 dia até 25 meses e 15 dias 24 Questionário para Meses Por favor, preencha o formulário abaixo. Use caneta preta ou azul e escreva em letra de forma. Data do preenchimento: D D M M A A A

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

Meena Harper sabia coisas, coisas que ninguém mais sabia... coisas

Meena Harper sabia coisas, coisas que ninguém mais sabia... coisas Capítulo 1 Meena Harper sabia coisas, coisas que ninguém mais sabia... coisas que ninguém mais podia saber. Uma delas era que o homem sentado ao seu lado no carro ia morrer. Também havia muitas coisas

Leia mais

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009

INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 INVERNO Um roteiro de Mikael Santiago 25/05/2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS COPYRIGHT MIKAEL SANTIAGO mikael@mvirtual.com.br RUA ITUVERAVA, 651/305 JACAREPAGUÁ RIO DE JANEIRO - RJ (21)9879-4890 (21)3186-5801

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai.

- Papá, é hoje! É hoje, papá! Temos que montar o nosso pinheirinho de Natal. disse o rapaz, correndo na direção de seu pai. Conto de Natal Já um ano havia passado desde o último Natal. Timóteo estava em pulgas para que chegasse o deste ano. Menino com cara doce, uma tenra idade de 10 aninhos, pobre, usava roupas ou melhor,

Leia mais

O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha

O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha CAPÍTULO 1 O negócio é que minha sorte sempre foi um horror. Olha só o meu nome: Jean. Não Jean Marie, nem Jeanine, Jeanette ou mesmo Jeanne. Só Jean. Sabe que na França os garotos são chamados de Jean?

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider

ALICE DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por. Simone Teider DIZ ADEUS 4º TRATAMENTO* Escrito e dirigido por Simone Teider SEQUENCIA 1 Uma mulher, (46), está sentada num sofá vendo TV e lixando as unhas. Ela veste um vestido florido e um brinco grande. (16), de

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

ACTIVIDADES: NOTA: A utilização destes símbolos em documentos impressos e electrónicos encontra-se protegida por copyright:

ACTIVIDADES: NOTA: A utilização destes símbolos em documentos impressos e electrónicos encontra-se protegida por copyright: ACTIVIDADES: Actividade 1 Quais são os frutos iguais? Actividade 2 Onde está a banana descascada? Actividade 3 O que veste o menino? Actividade 4 O que serve para calçar? Actividade 5 Qual a ordem correcta?

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

Quero agradecer e dedicar este livro a todos que acreditaram no meu sonho...

Quero agradecer e dedicar este livro a todos que acreditaram no meu sonho... Autora: Marieli Bueno Diagramação: Milena Thaís Machado Capa: Luana Venâncio Revisão: Luana Venâncio Editora: Perse Quero agradecer e dedicar este livro a todos que acreditaram no meu sonho... O Meu nome

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais

Restaurante Top 5. 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Restaurante Top 5 10 passos para deixar seus convidados mais felizes sem gastar um centavo a mais Mensagem do Restaurante Olá, Sabemos que é momento de comemorar. E se não fosse uma data ou momento especial,

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

RUA SAUDADE. Roteiro de Curta-Metragem EXT. CALÇADA/EM FRENTE AO PORTÃO DA CASA DE DOLORES DIA

RUA SAUDADE. Roteiro de Curta-Metragem EXT. CALÇADA/EM FRENTE AO PORTÃO DA CASA DE DOLORES DIA RUA SAUDADE Roteiro de Curta-Metragem São as últimas horas da madrugada., senhora viúva com mais de setenta anos, passa pelo portão da rua de sua casa no Bexiga. Carrega um carrinho de feira consigo. Sai

Leia mais

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó

CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó CASA DE FAMÍLIA intervenção dos Vira-Latas sob o signo do sangue a ser realizada na Praça da Matriz / Largo da Freguesia do Ó Uma sala de jantar de uma casa. A mesa está coberta com toalha vermelha. Cadeiras,

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu.

Rosie. DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Rosie DANÇA DE ACADEMIA A Charlie olhou para o letreiro e sorriu. Estava finalmente numa verdadeira escola de dança. Acabaram as aulas de dança no gelado salão paroquial. Acabaram as banais aulas de ballet

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Cercado de verde por todos os lados

Cercado de verde por todos os lados Cercado de verde por todos os lados Verde-claro. Verde-escuro. Verde-musgo. Verde pálido. Verde superanimado. Verde sendo bicado por passarinhos. Verde sendo engolido por macacos. Verde subindo pelos troncos

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA

O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA C. S. LEWIS O LEÃO, A FEITICEIRA E O GUARDA-ROUPA ILUSTRAÇÕES DE PAULINE BAYNES Martins Fontes São Paulo 1997 CAPÍTULO I Uma estranha descoberta ERA uma vez duas meninas e dois meninos: Susana, Lúcia,

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas Nicholas Sparks Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas A ÚLTIMA MÚSICA 1 Ronnie Seis meses antes Ronnie estava sentada no banco da frente do carro sem entender por que seus pais a odiavam tanto. Era

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 No dia em que Iracema e Lipe voltaram para visitar a Gê, estava o maior rebuliço no hospital. As duas crianças ficaram logo

Leia mais

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos Fragmentos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio

Leia mais

Como Começar a Usar o PECS

Como Começar a Usar o PECS Como Começar a Usar o PECS PASSO 1 - As instruções que me foram dadas pela professora com treinamento no Teacch e pela fonoaudióloga da primeira escola que meu filho freqüentou são as seguintes: Eu deveria

Leia mais

Perdendo tempo e ganhando a vida

Perdendo tempo e ganhando a vida Perdendo tempo e ganhando a vida Me acordaram as sete e meia da manhã. Era sábado. Quando se mora de favor muitas vezes dormir é um luxo. Fui deitar umas três horas. Fiquei jogando conversa fora e fumando

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó- UNOCHAPECÓ. Curso: 1069/432- Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual

Universidade Comunitária da Região de Chapecó- UNOCHAPECÓ. Curso: 1069/432- Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual Universidade Comunitária da Região de Chapecó- UNOCHAPECÓ Curso: 1069/432- Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual Disciplina: Roteiro para Televisão Professor: Ricardo Sékula Turma: 2º Período

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo.

- Mas eu, gosto. Feliz aniversário! Luis já estava com uma nova namorada, e Cecília já estava pensando em ir embora, quando encontrou Nilo. NILO Esta história que vou lhes contar é sobre paixões. A paixão acontece, não se sabe quando nem porquê, e não podemos escolher os protagonistas da história. Seria tão bom se mandássemos no coração! Mas

Leia mais

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS O Brasil vive uma crise hídrica e energética que está afetando a distribuição de ambos os recursos no país todo, em maior ou menor intensidade. O Estado de São Paulo, em especial a capital, vem sofrendo

Leia mais

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo capítulo um Acordo com o nome dele na boca. Will. Antes de abrir os olhos, vejo o desabar sobre o asfalto novamente. Morto. Pelas minhas mãos. Tobias se agacha na minha frente, apoiando a mão sobre meu

Leia mais

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver.

ANTES DE OUVIR A VERDADE. Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. ANTES DE OUVIR A VERDADE FADE IN: CENA 01 - INT. SALA DE ESTAR NOITE Plano fechado em uma mão masculina segurando um revólver. Plano aberto revelando o revólver nas mãos de, um homem de 35 anos, pele clara

Leia mais

O irmão caçula de David Case havia aprendido recentemente

O irmão caçula de David Case havia aprendido recentemente A vista é ótima daqui de cima. Posso olhar do outro lado do mundo e ver tudo. Posso ver, por exemplo, um menino de 15 anos e seu irmão. UM O irmão caçula de David Case havia aprendido recentemente a andar,

Leia mais

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas

CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS. Alice no País. das Maravilhas CLÁSSICOS PARA CRIANÇAS Alice no País das Maravilhas Índice Capítulo Um Pela Toca do Coelho Abaixo 7 Capítulo Dois A Chave de Ouro 13 Capítulo Três O Mar de Lágrimas 19 Capítulo Quatro A História do Rato

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

* Jersey Joe Wolcott (1914-1994): famoso lutador de boxe, campeão por diversas vezes na categoria dos pesos pesados. (N.T.)

* Jersey Joe Wolcott (1914-1994): famoso lutador de boxe, campeão por diversas vezes na categoria dos pesos pesados. (N.T.) 1 Cheguei a Nova Orleans às cinco da manhã, debaixo de chuva. Sentei-me nas proximidades da rodoviária por um tempo, mas as pessoas me deprimiam de tal maneira que peguei minha mala, enfrentei a chuva

Leia mais

O Livro de informática do Menino Maluquinho

O Livro de informática do Menino Maluquinho Coleção ABCD - Lição 1 Lição 1 O Livro de informática do Menino Maluquinho 1 2 3 4 5 6 7 8 Algumas dicas para escrever e-mails: 1. Aprender português. Não adianta fi car orgulhoso por mandar um e-mail

Leia mais

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada?

...existe algum motivo legal que impeça a sentença de ser pronunciada? Levante-se o réu. 6 ...capítulo um Fiquei de pé. Por um momento vi Glória de novo, sentada no banco no píer. A bala acabara de atingir a sua cabeça, de lado, o sangue ainda nem tinha começado a escorrer.

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um

Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo. Capítulo Um Trecho do livro Nora Webster (Companhia das Letras), de Colm Tóibín Tradução de Rubens Figueiredo Capítulo Um Você deve estar de saco cheio deles. Será que nunca vão parar de vir aqui? Tom O Connor, seu

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

PÉROLAS SÃO UM INCÔMODO

PÉROLAS SÃO UM INCÔMODO PÉROLAS SÃO UM INCÔMODO 1 É bem verdade que eu não estava fazendo nada naquela manhã, exceto ficar olhando para uma folha de papel em branco na minha máquina de escrever e pensando em redigir uma carta.

Leia mais