A mudança na formação pela extensão universitária.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A mudança na formação pela extensão universitária."

Transcrição

1 XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, A mudança na frmaçã pela extensã universitária. Gevânia da Silva Tscan. Cita: Gevânia da Silva Tscan (2009). A mudança na frmaçã pela extensã universitária. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires. Dirección estable: Acta Académica es un pryect académic sin fines de lucr enmarcad en la iniciativa de acces abiert. Acta Académica fue cread para facilitar a investigadres de td el mund el cmpartir su prducción académica. Para crear un perfil gratuitamente acceder a trs trabajs visite:

2 A mudança na frmaçã pela extensã universitária Prfa. Dra. Gevânia da Silva Tscan Departament de Ciências Sciais e Plíticas - UERN Intrduçã A herança d sécul XX, especialmente nas suas últimas décadas, revelu mudanças ecnômicas, plíticas e culturais que abalaram as estruturas das universidades d mund inteir, sbretud as de caráter públic, as quais se vêem ameaçadas em sua existência e n cumpriment de sua missã, em face de nvas perspectivas de açã. O cntext de desigualdades sciais predminante na cntempraneidade, vivenciad pelas universidades, é caracterizad pr Buarque (2003, p. 37), cm sensaçã de inutilidade frente a turbilhã de mudanças d mund da infrmaçã, d trabalh, d diagnóstic de desempreg ds aluns diplmads, d aument da prduçã de cnheciments pr utras instituições, sbre que lança a seguinte apsta: para retmar a sintnia cm futur, a Universidade só tem um caminh: assumir sua crise de identidade em um mund em mutaçã, fazend d seu futur um tema permanente de estuds. (Ibid. p. 40). Sants (1996) a estudar a realidade das universidades eurpeias cnsidera que nas décadas de 1980, 1990 e s primeirs ans d Sécul XXI, acentuam-se as cntradições das funções universitárias assumidas a lng de sua história as quais repercutem em crises denminadas de hegemnia, de legitimidade e de institucinalidade. Essas prvcam a perpetuaçã da dissciabilidade entre a investigaçã, ensin e a extensã. N camp da investigaçã, a universidade vem se trnand assim, refém ds interesses da cmpetitividade da ecnmia, em detriment de uma investigaçã vltada para s interesses sciais e humans. Na dimensã d ensin, vem perdend a ideia de frmaçã geral, cultural e humanista, em prl da prfissinal, especializada e utilitária. N tcante à extensã, cntinua a visã assistencial, a dimensã de prestaçã de serviçs, em detriment de uma açã educacinal cm perspectiva de uma frmaçã cidadã e de emancipaçã scial.

3 A assciar estas crises à realidade brasileira n cntext d final da década de 1990 e inici d Sécul XXI, percebe-se que as universidades públicas buscam repensar suas funções n sentid de sinalizar prpsições invadras, vislumbrand perspectivas de açã que pssam dar respstas as prblemas sciais emergentes e às questões sciais que se apresentam. Trna-se necessári nesse sentid, uma redefiniçã de sua atuaçã, n que diz respeit a paradigma da frmaçã prfissinal que tem sid privilegiad a lng da história da educaçã n Brasil. A partir ds ans de 1990, n Brasil, a extensã universitária tem se apresentad cm uma das pssibilidades de abertura da universidade à cmunidade, buscand dialgar cm s diferentes saberes externs a camp acadêmic e redefinind seu papel na relaçã cm a sciedade. Ist retrata um utr fazer universitári, pautad numa prpsta de frmaçã cidadã, pis as práticas extensinistas identificam s espaçs externs à academia cm lcais de aprendizagens permanentes e invadres. O Fórum de Extensã das Universidades Públicas Brasileiras crrbra esta assertiva a elabrar em 2001 Prgrama Universidade Cidadã que rientava as instituições para investirem em prgramas de extensã que implicassem em relações multidisciplinares e transdisciplinares e prvcassem a interaçã cm a sciedade para aliar a frmaçã ds aluns cm as prblemáticas que um dia irã enfrentar. Na Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, n an 2000, Prgrama de Ensin e Extensã Saúde e Cidadania (SACI), fi criad e institucinalizad n Departament de Saúde Cletiva, destinad as aluns ds primeirs períds ds curss da área de saúde, dentr das perspectivas nacinais de mudança na frmaçã em saúde. Neste artig, analisa-se Prgrama Saúde e Cidadania (SACI) situand- em um mviment mais ampl n debate sbre a refrma na frmaçã universitária em diálg cm a sciedade pel caminh da extensã universitária. Este text é resultante da pesquisa que riginu a tese de dutrad intitulada: Extensã universitária e frmaçã cidadã: a UFRN e a UFBA em açã, defendida em dezembr de 2006, n Prgrama de Pós-Graduaçã em Ciências Sciais, da Universidade Federal d Ri Grande d Nrte.

4 UNIVERSIDADE E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Ns ans 1990 e iníci d Sécul XXI, aperta-se cerc neliberal, ampliand-se crtes de recurss nas plíticas sciais: as universidades públicas nã fgem à regra, mas vêm lutand pela sbrevivência através d aument de vagas e criaçã de nvs curss, buscand a superaçã ds desafis interns e externs, na tentativa de recuperar a sua própria identidade histórica, realizand as suas missões cultural, científica e técnica, cnstruind e scializand saberes. Nesse períd, a prduçã bibligráfica sbre essa instituiçã é sugestiva e metafórica; a analisar cntext de crises vivenciadas, ns ferece diagnóstic da situaçã, destacand-se: (MENEZES, 2000), (TRINDADE, 2000) e (GENTILE, 2001). Sants (1996, p. 187), a falar dessa situaçã cmplexa e estrutural pela qual vem passand as universidades a lng de sua história, assinala um cntext de aversã à mudança, e ns alerta para a necessidade de uma refrma prfunda numa dimensã paradigmática, nã prgramática, que pssa aumentar a sua capacidade de respstas à sciedade, sem perder de vista a sua capacidade de questinament. Na América Latina, a mairia das universidades surgiu de um cnglmerad de faculdades e esclas prfissinais, seguind mdel francês. Algumas estavam ligadas as gverns militares e assumiram papel da frmaçã de mã-de-bra necessária a prjet de desenvlviment de seus países. Ribeir (1978), a tecer uma análise dessas instituições, indica duas imagens pstas existentes: a existência de um ideári acadêmic alhei à práxis, alienand essa instituiçã dela própria, e utra assciada as discurss psitivistas da mdernizaçã reflexa. Já German (2005) analisand a educaçã n cntext d regime militar ( ) ressalta que n Brasil plasmu uma visã utilitarista da educaçã que se apresentu cm referencial nas refrmas educacinais implantadas n períd d Regime Militar ( ), tais cm: Refrma Universitária de 1968, na Lei e Refrma de Ensin de 1º e 2º graus, na Lei de 1971, n I e II Plans Setriais de Educaçã, Cultura e Desprts ( ). A frmaçã prfissinal utilitária mantém-se frtemente presente entre aqueles que cncrrem e entram n ensin superir, sbretud, naquelas áreas recnhecidas cm de mair valr n mercad ds bens simbólics. Ist pde ser cnfirmad na pesquisa Vestibular: a esclha ds esclhids: um estud sbre a UFRN (TOSCANO, 1999). O Fórum de Extensã, criad em 1987, durante I Encntr de Pró-Reitres de Extensã das Universidades Públicas Brasileiras, bjetivu a revisã cnceitual da extensã, definida cm um ds caminhs capazes de pssibilitar cumpriment da funçã scial dessas instituições.

5 Outrs Fóruns de Extensã Universitária realizaram-se nas décadas de 1980 e 1990, em váris Estads brasileirs, cnstruind espaçs de reflexã, de re-elabraçã e reafirmaçã d cnceit de extensã cm um prcess educativ, cultural e científic que articula ensin e a pesquisa de frma indissciável e viabiliza a relaçã transfrmadra entre universidade e sciedade. (NOGUEIRA, 2000, p. 11). Jezine (2002), em seu estud sbre as crises das universidades brasileiras e significad que a extensã universitária tem assumid n Brasil, pstula três cncepções de extensã: a cncepçã assistencialista que remete a papel da universidade para atendiment as necessidades e carências da ppulaçã e nã estabelece a relaçã cm ensin e a pesquisa; a prestaçã de serviçs, na perspectiva mercantilista para captaçã de recurss para as Universidades e a funçã acadêmica. Esta última apresenta-se cm aquela capaz de prpr diálgs cm a sciedade, na cnstruçã de nvs saberes. Entre as características demarcadas na funçã acadêmica da extensã destacams: a relaçã teria e prática; a relaçã dialógica entre universidade e sciedade, cm prmtra da trca de saberes; parte integrante da dinâmica pedagógica curricular d prcess de frmaçã e prduçã de cnheciments; envlviment d alun e d prfessr em uma dimensã dialógica. (JEZINE, 2001; 2002). A Universidade Federal d Ri Grande d Nrte (UFRN) durante a gestã d Reitr Gerald ds Sants Queirz ( ) iniciu um prcess de avaliaçã institucinal, cuja ênfase inicial fi a discussã sbre caráter públic da universidade que se inseriu num prgrama nacinal Prgrama de Avaliaçã Institucinal das Universidades Públicas Brasileiras (PAIUB). A avaliaçã fez um diagnóstic glbal das cndições de estrutura e funcinament dessa instituiçã, para psterir elabraçã de uma reflexã d desempenh acadêmic das suas atividades: ensin, pesquisa e extensã, resultand em prpstas de mdificações, cnfrme critéri de qualidade d ensin e de suas demais funções. N tcante à extensã universitária, a gestã d Prf. Gerald Queirz ( ) a cnsiderava cm uma das funções básicas da Universidade, cujs prgramas apntavam para a prmçã de uma efetiva interaçã universidade/cmunidade, através da articulaçã cm ensin e a pesquisa, visand sua permanente realimentaçã; trnar a prática acadêmica um prcess dinâmic, capaz de repercutir cultural e pliticamente [...] (UFRN, 1995, p. 35). Nesta direçã, tend cm base a precupaçã cm a evluçã das funções universitárias e cm a divulgaçã ds saberes existentes, a primeira gestã d Reitr Jsé Ivnild Reg ( ), em seu Plan Estratégic de Açã, sinalizu: redimensinar prjet acadêmic, num

6 prcess simultâne de qualificaçã, atualizaçã e invaçã, capaz de prduzir nv impuls a ensin, pesquisa e extensã. (UFRN, 1999, p. 35). À frente da Pró-Reitria de Extensã da UFRN, estava Prf. Arnn Mascarenhas de Andrade ( ), e as discussões acerca d papel da extensã nas Universidades fram inseridas ns debates interns e nacinal na década de A extensã se apresentu cm alternativa da interaçã entre universidade e cmunidade, estabelecend a relaçã cm ensin e a pesquisa. A gestã universitária d Reitr Ótm Anselm de Oliveira ( ), em seu Plan de Desenvlviment Institucinal definia a missã da UFRN, cm instituiçã pública, é educar, prduzir e disseminar saber universal, cntribuir para desenvlviment human, cmprmetend-se cm a justiça scial, a demcracia e a cidadania. (UFRN, 1999, p. 2. Na Pró- Reitria de Extensã da UFRN, estava Prf. Jsé Willingtn German ( ), que frmulu dcument intitulad A Extensã na UFRN, cm s seguintes bjetivs: a) Cntribuir para que a Universidade asscie máxim de qualificaçã acadêmica cm máxim de cmprmiss scial. b) Estabelecer uma relaçã dialógica junt à sciedade. c) Estabelecer parcerias cm s diferentes setres da sciedade n envlviment crític cm s seus prblemas cruciais e suas demandas. d) Prmver a articulaçã entre as ciências, as artes e humanidades e diálg cm cnheciment da tradiçã. (UFRN, 1999, p. 8). Esta perspectiva de relaçã universidade e cmunidade presente n cenári da gestã da UFRN ns ans de 1990, mtivu a implementaçã das mudanças curriculares n Centr de Ciências da Saúde (CCS). Nasce assim, Prgrama Educaçã, Saúde e Cidadania (PESC), que criu Prgrama Saúde e Cidadania (SACI) em para s aluns ds primeirs períds ds curss da área de saúde. A primeira turma d SACI fi cadastrada cm disciplina cmplementar para atender a aluns d primeir an ds seis curss d CCS quais sejam: Nutriçã, Enfermagem, Medicina, Fisiterapia, Odntlgia; e Psiclgia, este d Centr de Ciências Humanas, Letras e Artes. A finalidade d SACI na UFRN é desenvlver práticas indisciplinares e multidisciplinares, trabalh em equipe e prmver a articulaçã ensin/serviç, universidade/cmunidade e agir na cmunidade trabalhand cm a pedaggia da prblematizaçã. Cm ist, incentiva- na cnstruçã d seu própri cnheciment, tend cm espaç de reflexã s prblemas das cmunidades. Envlve aluns e prfessres da área de saúde e é realizad em diferentes instituições sciais na Zna Oeste de Natal/RN ns bairrs de Cidade da Esperança, Guarapes,

7 Bm Pastr, Cidade Nva, Nva Cidade e Mnte Líban. Sã lcais que histricamente têm apresentad elevad índice de prblemas sciais. A metdlgia de açã neste prjet de extensã é a pedaggia da prblematizaçã Freire (1987), a qual se fundamenta n exercíci d diálg prblematizad, envlvend prfessres, aluns e cmunidade, nde tds sã sujeits n prcess de aprendizagem sbre a realidade que s circunda. Alicerçada em uma educaçã nã mais cm uma daçã, uma impsiçã presente na cncepçã "bancária", mas para uma prpsta educativa d pensar crític sbre a própria existência, a relaçã hmem/mund e hmens/hmens. N Prgrama SACI prfessres/tutres/aluns aluns, cm api ds prfissinais da Unidade de Saúde e agentes cmunitáris, realizam visitas a diverss espaçs sciais da cmunidade. Os encntrs d SACI sã prcesss de cnstruçã de cnheciments cntextualizads, que busca prmver a frmaçã integral d alun, diálg e a integraçã da universidade cm a realidade scial. Nessa perspectiva, Sants (2004, p ) revela que O bjetiv cnsiste em re-situar papel da Universidade pública na definiçã e resluçã cletiva ds prblemas sciais que agra, sejam lcais u nacinais, nã sã reslúveis sem cnsiderar a sua cntextualizaçã glbal. Prcurams, assim, identificar entre prfessres e aluns entrevistads qual a visã deles sbre fazer da universidade na sua relaçã cm a sciedade e se a experiência d SACI crrbra para efetivá-l. Algumas falas ns ajudam a refletir sbre esta perspectiva de frmaçã: A Universidade tem um papel fundamental: se nós estams frmand aqueles prfissinais que vã cnstruir a sciedade que nós vivems, dever e papel da Universidade nesse sentid é frmar um prfissinal cidadã. E ele só se cnstrói n diálg e nã havend iss, vams frmar prfissinal que mercad quer: aquele que nã vai lhar que a cmunidade pensa, mas ele vai lhar para mercad. (Tutra d SACI) [...] eu ach que a funçã da UFRN, a funçã priritária junt à cmunidade, é prver aquil que ela tem de melhr: cnheciment. Prque a grande questã da universidade deve ser essa cmpanhia, esse agregad de cnheciment e que deve se refletir na transfrmaçã da sciedade. Nã adianta nada vcê apenas frmar prfissinais que cntinuem deixand a sciedade d jeit que está n mesm patamar de evluçã. (alun d curs de Farmácia) [...] SACI é fundamental para alun lg n iníci d curs. E se pssível, utrs cntats desse tip cm a cmunidade. Prque é a

8 cmunidade que vai absrver a mair parte ds prfissinais, principalmente serviç públic [...] Sei que td mund pensa em ganhar dinheir, em se sustentar. O prfissinal da saúde enxergand essas demandas, quand entra em cntat, eu nã acredit que uma pessa pssa sair d SACI insensível ainda em relaçã a essas necessidades que determinadas cmunidades apresentam mais que utras. Saíms cm essa cnsciência d papel scial [...] enquant estudante de universidade pública [...] (Aluna de Enfermagem) Esses depiments sinalizam para princípi metdlógic d diálg na frmaçã universitária, tend em vista as ameaças da lógica mercadlógica, que invade s espaçs de frmaçã universitária; abrdam a imprtância da frmaçã d prfissinal cidadã na universidade e seu papel na sciedade; falam de uma visã de cnstruçã da sciedade e d tip de frmaçã dada nessas instituições; apntam para a ideia de transfrmaçã da sciedade; sinalizam SACI cm a prtunidade de atuar em espaçs nde um dia irã agir cm prfissinais. CONSIDERAÇÕES FINAIS N cntext de crise da universidade pública n iníci d Sécul XXI, n Brasil, a UFRN cnseguiu implementar mudança na frmaçã n âmbit da área de cnheciment da saúde pela extensã universitária. Evidentemente, que Prgrama SACI a lng de sua existência a partir de tem sfrid dificuldades, que faz cm que tutres e aluns pssam buscar caminhs para amenizar a crise. Percebems após cncluir a pesquisa em 2006 que apesar das dificuldades, huve cresciment da demanda de aluns, assciada as seguintes aspects: a divulgaçã entre s própris aluns na área de saúde, reveland as clegas que a experiência é ba; a pssibilidade de ser ptativa, cabend a alun a esclha u nã de participar; e ainda, cnsidera que parece ser uma prpsta de disciplina que "fala pert d craçã" ds aluns. Prtant, pderá envlver aspects demnstradres de sensibilidade e genersidade entre s participantes desta experiência de ensin e extensã na UFRN. Cncluíms que s envlvids n SACI ressaltam a imprtância da experiência para a sua frmaçã na medida em que prpõe das atividades, a aprendizagem em equipe, a scializaçã de

9 cnheciments, a interaçã cm a sciedade, a tentativa de transfrmar a realidade, a idéia de retrn para a sciedade, a cmpreensã d significad da cidadania relacinada à nçã de direits, respeit a utr, a slidariedade e a respnsabilidade e uma prpsta de diálg entre saberes.

10 Referencias BUARQUE, Cristvam. Universidade ligada. In: MORTY, Laur (Org.) Universidade em questã. Brasília: UNB, FREIRE, Paul. Pedaggia d primid. Ri de Janeir: Paz e Terra, JEZINE, Edineide Mesquita. As práticas curriculares e a extensã universitária. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, , Bel Hriznte, MG. Anais... Bel Hriznte, MG: [s. n], A crise da Universidade e cmprmiss scial da extensã universitária. Recife, UFPE, f. Tese. (Dutrad em Scilgia) - Prgrama de Pós-Graduaçã em Scilgia, Centr de Filsófica e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuc, Recife, PE, MENEZES, Luís Carls Menezes. Universidade sitiada: a ameaça de liquidaçã da universidade brasileira. Sã Paul: Perseu Abram, NOGUEIRA, Maria das Dres Pimentel (Org.) Extensã universitária: diretrizes cnceituais e plíticas. Dcuments básics d Fórum Nacinal de Pró-Reitres de Extensã das Universidades Públicas Brasileiras Bel Hriznte: UFMG/PROEX; FORPROEX, RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. 3. ed. Ri de Janeir: Paz e Terra, SANTOS, Baventura de Susa. Pela mã de Alice: scial na pós-mdernidade. 2. ed. Sã Paul: Crtez, SANTOS, Baventura de Susa. A universidade n Sécul XXI: para uma refrma demcrática e emancipatória da universidade. Sã Paul: Crtez, TOSCANO, Gevânia da Silva. Vestibular: a esclha ds esclhids (um estud sbre a UFRN) f. Dissertaçã (Mestrad em Ciências Sciais) Prgrama de Pós-Graduaçã em Ciências Sciais, Centr de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal d Ri Grande d Nrte, Natal, RN, MENEZES, Luís Carls Menezes. Universidade sitiada: a ameaça de liquidaçã da universidade brasileira. Sã Paul: Perseu Abram, SANTOS, Baventura de Susa. A universidade n sécul XXI: para uma refrma demcrática e emancipatória da universidade. Sã Paul: Crtez, UFRN. Percurss: uma administraçã, Natal, RN, Plan de Metas da Gestã Natal, RN, RN, [1999]. UFRN. Pró-Reitria de Extensã. A extensã na UFRN. Natal,

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

Gabinete de Serviço Social

Gabinete de Serviço Social Gabinete de Serviç Scial Plan de Actividades 2009/10 Frmar hmens e mulheres para s utrs Despertar interesse pel vluntariad Experimentar a slidariedade Educaçã acessível a tds Precupaçã particular pels

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

A formação de nutricionistas na UFF. Conceitos e percepções do ensino voltado para a integralidade do cuidado em saúde.

A formação de nutricionistas na UFF. Conceitos e percepções do ensino voltado para a integralidade do cuidado em saúde. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. A frmaçã de nutricinistas na UFF. Cnceits e percepções d ensin vltad

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO

PASTORAL DA JUVENTUDE ARQUIDIOCESE DE LONDRINA PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO PROJETO ESCOLA DE COORDENADORES PASSO A PASSO 1) Justificativa: A lharms para a realidade ds nsss grups de Pastral de Juventude, percebems a necessidade de reafirmaçã metdlógica d pnt de vista da açã eclesial.

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL...

RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... RELATÓRIO DESCRITIVO: HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL: A CAMINHO DE UM HOSPITAL SUSTENTÁVEL... Respnsável pela elabraçã d trabalh: Fernanda Juli Barbsa Camps

Leia mais

Participação da sociedade civil na arena decisória. Consensos e ambiguidades.

Participação da sociedade civil na arena decisória. Consensos e ambiguidades. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Participaçã da sciedade civil na

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura)

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura) GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura) GUIA RÁPIDO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA (Licenciatura) UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs

Leia mais

Reflexões sobre práticas e estratégias metodológicas em pesquisas sociológicas.

Reflexões sobre práticas e estratégias metodológicas em pesquisas sociológicas. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Reflexões sbre práticas e estratégias metdlógicas em pesquisas scilógicas.

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher

Palavras-chave: Violência contra a Mulher; Psicologia; Núcleo de Estudos. 1 O Núcleo de Estudos da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher Inserçã da Psiclgia em um Núcle de Estuds da Vilência Dméstica e Familiar Cntra a Mulher na Cidade de Pnta Grssa PR Geórgia Grube Marcinik * Gisah Cristine Salum** Resum: O presente artig tem cm tema principal

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 2.0) A - Intrduçã Neste an, sua nta fi inferir a 60 pnts e vcê nã assimilu s cnteúds

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM

Plano de Assessoria de Comunicação do Projeto de Estágio e Empregabilidade - PROJEM XX Prêmi Expcm 2013 Expsiçã da Pesquisa Experimental em Cmunicaçã Plan de Assessria de Cmunicaçã d Prjet de Estági e Empregabilidade - PROJEM August Sares de Mel e SOUZA 1 Felipe de Oliveira TODESCHINI

Leia mais

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro

Rio + 20 O papel das cidades a 20 anos da Cúpula da Terra do Rio de Janeiro Ri + 20 O papel das cidades a 20 ans da Cúpula da Terra d Ri de Janeir DOCUMENTO DE COLABORAÇÃO DE MERCOCIDADES "O Desenvlviment Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades atuais sem pôr em perig

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 Març 2015 FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT MORADA Estrada de Benfica, nº 372 - Lisba Tel./Fax. 217780073 Email funda_champagnat@maristascmpstela.rg Índice I. Intrduçã.1

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE PEDAGOGIA EAD

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE PEDAGOGIA EAD UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes áreas durante a década de.

Leia mais

Análise das tecnologias sociais no Brasil contemporâneo.

Análise das tecnologias sociais no Brasil contemporâneo. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Análise das tecnlgias sciais n

Leia mais

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul

A Estratégia do Tribunal de Justiça do Rio Grande Do Sul A Estratégia d Tribunal de Justiça d Ri Grande D Sul PODER JUDICIÁRIO Missã: De acrd cm fundament d Estad, Pder Judiciári tem a Missã de, perante a sciedade, prestar a tutela jurisdicinal, a tds e a cada

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

LETRAMENTOS ACADÊMICOS

LETRAMENTOS ACADÊMICOS 110. CONEX Apresentaçã Oral Resum Expandid ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das pções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 45 horas

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TEÓRICA: 45 horas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO FACULDADE DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: PSICOLOGIA APLICADA À ENFERMAGEM GRADE: RESOLUÇÃO CEPEC Nº 831 MATRIZ CURRICULAR:

Leia mais

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 1 P á g i n a 2 P á g i n a Maria Izabel Lage Martins Gmes Maria d Carm Vila Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 3 P á g i n

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA

DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA DISCIPLINA: LINGUA ESTRANGEIRA MODERNA EMENTA: O ensin de língua estrangeira cm um códig de diferentes estruturas lingüísticas, cm ênfase na ralidade, leitura e escrita cm veículs de cmpreensã d mund.

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 27/10/2014 a 21/11/2014 Carg: Auxiliar de Sala: Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 48,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.146,27 Nº Vagas: Cadastr de

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Internet: um novo espaço de socialização política.

Internet: um novo espaço de socialização política. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Internet: um nv espaç de scializaçã

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 08/12/2014 a 08/01/2015 Carg: Pedagg Taxa de Inscriçã: R$ 100,00 Salári/Remuneraçã: R$ 2.247,98 Nº Vagas: 09 Data da Prva: 07/03/2015 Nível: Superir

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS A UERGS E O PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Prgrama Ciência sem Frnteiras, lançad n dia 26 de julh de 2011, é um prgrama d Gvern Federal que busca prmver a cnslidaçã, a expansã e a internacinalizaçã

Leia mais

Redes Sociais na proposta da

Redes Sociais na proposta da XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Redes Sciais na prpsta da plítica

Leia mais

Sociedade e melancolia: identidades e representações sociais do trabalho.

Sociedade e melancolia: identidades e representações sociais do trabalho. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Sciedade e melanclia: identidades

Leia mais

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa

III Seminário do Agronegócio. Financiamento e Marketing 24 e 25 de novembro de 2005 Auditório da Biblioteca Central Universidade Federal de Viçosa III Seminári d Agrnegóci Financiament e Marketing 24 e 25 de nvembr de 2005 Auditóri da Bibliteca Central Universidade Federal de Viçsa RELATÓRIO FINAL O EVENTO O III Seminári d Agrnegóci fi realizad dias

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play

Programa Agora Nós Voluntariado Jovem. Namorar com Fair Play Prgrama Agra Nós Vluntariad Jvem Namrar cm Fair Play INTRODUÇÃO A vilência na intimidade nã se circunscreve às relações cnjugais, estand presente quer nas relações de namr, quer nas relações juvenis casinais.

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

Avaliação da pós-graduação strictu sensu no brasil.

Avaliação da pós-graduação strictu sensu no brasil. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Avaliaçã da pós-graduaçã strictu sensu n brasil. Gustav Javier Castr Silva y Centr Universitári

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JUIZ DE FORA PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE PROJETO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE LETRAS EAD

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE LETRAS EAD GUIA RÁPIDO DO CURSO DE LETRAS EAD GUIA RÁPIDO DO CURSO DE LETRAS EAD UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi

Leia mais

Plano de Gestão Chapa 2

Plano de Gestão Chapa 2 Plan de Gestã Chapa 2 CONSOLIDAR E FORTALECER OS PILARES DA UNIVERSIDADE, O ENSINO, A PESQUISA E A EXTENSÃO, COM AÇÕES QUE VISEM À MELHORIA DO APRENDIZADO E AS CONDIÇÕES DE TRABALHO, EM TODOS OS CURSOS

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 20/10/2014 a 11/11/2014 Carg: Agente de Educaçã Infantil Taxa de Inscriçã: R$ 40,00 Salári/Remuneraçã: R$ 1.820,08 Nº Vagas: 80 Data da Prva: 07/12/2014

Leia mais

Movimentos sociais e educação popular.

Movimentos sociais e educação popular. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Mviments sciais e educaçã ppular. Paula Renata Cair d Reg. Cita: Paula Renata Cair d Reg

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP

A Cooperação para a Saúde no Espaço da CPLP A Cperaçã para a Saúde n Espaç da CPLP Ainda antes da I Reuniã de Ministrs da Saúde da CPLP, realizada em Abril de 2008, em Cab Verde, fram adptads s seguintes instruments que, n quadr da saúde, pretenderam

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach

Programa de coaching e inteligência relacional para mulheres Por Thirza Reis, Master Coach Vem Ser Mulher Prgrama de caching e inteligência relacinal para mulheres Pr Thirza Reis, Master Cach Sbre Thirza Reis Thirza Reis é master cach, especialista em Inteligência Relacinal; Cm mestrad em desenvlviment

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema

Plano de Desenvolvimento Econômico Regional e Local dos Municípios do Pontal do Paranapanema Plan de Desenvlviment Ecnômic Reginal e Lcal ds Municípis d Pntal d Paranapanema 1ª Etapa Diagnóstic Ecnômic e Definiçã de Cenáris Apresentaçã as municípis 20/08/2014 Cnvêni: Elabraçã: Plan de Desenvlviment

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE PSICOLOGIA

GUIA RÁPIDO DO CURSO DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes áreas durante a década de.

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

SÍNTESE DA PROPOSTA. CHAPA - UFRB: Excelência e Diversidade

SÍNTESE DA PROPOSTA. CHAPA - UFRB: Excelência e Diversidade Universidade Federal d Recôncav da Bahia SÍNTESE DA PROPOSTA DE PROGRAMA DE GESTÃO À REITORIA DA UFRB (2015-2019) DA CHAPA - UFRB: Excelência e Diversidade Prfa. Dra. Ana Rita Santiag (Reitra) Prf. Dr.

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO www.passencncurs.cm.br Infrmações sbre Cncurs Inscrições: 18/08/2014 a 16/09/2014 Carg: Prfessr Auxiliar de Ensin Fundamental Taxa de Inscriçã: R$ 70,00 Salári/Remuneraçã: Até R$ 2.230,27 Nº Vagas: Cadastr

Leia mais

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO

3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 3. VISÃO DE FUTURO E ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 47 48 3.1. VISÃO DE FUTURO DO MAIS RN PARA 2035 A classe empresarial ptiguar apresenta para a sciedade uma Visã de Futur usada e desafiadra.

Leia mais

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EAD

GUIA RÁPIDO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EAD UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI Fundada em 1970 cm intuit de ferecer primeir curs superir de Turism d Brasil, a Universidade Anhembi Mrumbi ampliu sua ferta de curss em diferentes áreas durante a década de.

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais