A necessidade de mudança de paradigma do professor frente ao novo discente com que se depara, o nativo digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A necessidade de mudança de paradigma do professor frente ao novo discente com que se depara, o nativo digital"

Transcrição

1 A necessidade de mudança de paradigma do professor frente ao novo discente com que se depara, o nativo digital 1 2 Sandro Renato Dias, Zilma da Silva Gusmão Faculdade Anhanguera de Belo Horizonte Belo Horizonte MG Abstract. This paper presents the importance of using technology in teaching and learning, emphasizing the importance of the teacher to be knowledgeable of such technologies and to know how to guide them. The paper also presents an approach of some tools that are interesting to be used inside or outside the classroom with the objective of bringing students to become autonomous in their learning and encourage them to interact in the virtual environment. Another focus of this paper is an experience on the use of several technologies in a digital inclusion project at Faculty X in Belo Horizonte, where the students use them to develop class material and reveal the project and its results. Resumo. Este artigo apresenta a importância da utilização das tecnologias no processo de ensino e aprendizagem, ressaltando a importância de o professor ser conhecedor de tais tecnologias e saber orientá las. O trabalho, também, apresenta uma abordagem de algumas ferramentas que são interessantes para serem utilizadas dentro ou fora da sala de aula com o objetivo de levar o aluno a se tornar autônomo na sua aprendizagem e incentivá lo a interagir no ambiente virtual. Outro foco deste trabalho é o relato de uma experiência no uso de várias tecnologias em um projeto de inclusão digital na Faculdade X, em Belo Horizonte, em que os alunos as usam para desenvolver material de aulas e divulgar o projeto e seus resultados. 1 Introdução O conceito de nativo digital foi definido por Marc Prensky (2001) para descrever a geração de jovens nascidos a partir da disponibilidade de informações rápidas e acessíveis na Internet. O autor ainda afirma que os nativos digitais são indivíduos que se mantêm em constante contato com seus pares e que buscam a informação primeiramente no ambiente virtual, mais rápido e acessível do que nos livros. Pescador (2010) acrescenta que este perfil é facilmente identificável por estar sempre portando um dispositivo em que possa se comunicar 1 2 Profª. do Curso de Sistemas de Informação da Faculdade Anhanguera de Belo Horizonte, doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa na PUC Minas.

2 online ou instantaneamente através de chats, SMS, redes sociais ou pela tecnologia disponível. Castells (2005, p. 51) afirma que a integração crescente entre mentes e máquinas está alterando fundamentalmente o modo pelo qual nascemos, vivemos, aprendemos, trabalhamos, produzimos, consumimos, sonhamos, lutamos ou morremos. O computador tem proporcionado, a cada dia, uma mudança radical no processo ensino aprendizagem. (VALENTE, 2003) O vertiginoso progresso tecnológico, marcado especificamente pela tecnologia da informação, trouxe consigo não apenas ferramentas cuja aplicabilidade promove o acesso das pessoas aos novos meios de troca de informação, mas viabilizou o emprego dessas tecnologias e o seu aperfeiçoamento no dia a dia por meio daqueles que as utilizam. Castells (2005, p. 51) também afirma que O que caracteriza a atual revolução tecnológica não é a centralidade de conhecimentos e informação, mas a aplicação desses conhecimentos e dessa informação para a geração de conhecimentos e de dispositivos de processamento/comunicação da informação, em um ciclo de realimentação cumulativo entre a inovação e seu uso. Na verdade, não basta ter acesso às ferramentas provenientes da revolução tecnológica dos últimos tempos, existe a grande necessidade de se empregá las, manuseá las e utilizá las da forma mais adequada. Elas não são simplesmente mais alguns artefatos a serem aplicados, mas processos a serem desenvolvidos e que se transformam, a cada dia, devido à velocidade da introdução de novas tecnologias. Esses processos são essenciais para a vida de todo indivíduo, e em qualquer área de atuação, portanto, na educação, são imprescindíveis também. Não se pode conceber, nos dias de hoje, uma educação que não promova a inclusão do aluno no meio digital ou não utilize recursos que levem os estudantes a se interessarem ainda mais pelo computador. Uma vez que este é amplamente utilizado pelos estudantes, nos dias atuais, para a comunicação e, principalmente, para a interação através de redes sociais. Isso facilita seu uso para fins acadêmicos, pois o aluno já está familiarizado com o ambiente e com as tecnologias. Portanto, o objetivo deste trabalho é mostrar algumas ferramentas que podem ser utilizadas, em sala de aula ou mesmo fora dela, tanto pelo professor quanto pelo aluno, para promover um ensino mais dinâmico, criativo e construtivo, que permitem a interação entre os alunos e a máquina e que desenvolvem a autonomia dos discentes na aprendizagem. 2. As Tecnologias na Sala de Aula 2.1 A Importância do Uso Adequado das Tecnologias Na perspectiva de Lévy, Novas maneiras de pensar e de conviver estão sendo elaboradas no mundo

3 das telecomunicações e da informática. As relações entre os homens, o trabalho, a própria inteligência dependem, na verdade, da metamorfose incessante de dispositivos informacionais de todos os tipos. Escrita, leitura, visão, audição, criação, aprendizagem são capturados por uma informática cada vez mais avançada. Não se pode mais conceber a pesquisa científica sem uma aparelhagem complexa que redistribui as antigas divisões entre experiência e teoria. Emerge, neste final do século XX, um conhecimento por simulação que os epistemologistas ainda não inventaram. (LÉVY, 1993, p. 7) Partindo se desse pressuposto, é necessário que novas formas de aprendizagem sejam criadas, visto que não se pode negar a era da tecnologia. Mas como foi afirmado na introdução deste trabalho, a tecnologia tem que ser uma ferramenta manuseada de forma adequada para auxiliar na produção o conhecimento. Portanto, para que isso ocorra, o docente tem que ter consciência das ferramentas que utiliza e da maneira como as utiliza. O professor que deseja um bom resultado do seu aluno no uso e manuseio da tecnologia em sala de aula, deve orientar o aluno na sua utilização, mesmo que seja em uma simples pesquisa na Internet sobre determinado tema, para obter um bom resultado. Caso isso não ocorra, o trabalho tanto do professor quanto do aluno pode ser frustrante, pois os resultados obtidos, talvez, não sejam assim tão satisfatórios. A Internet é abundante de informação que deve ser bem avaliada, pois nem toda informação disponível é confiável. Sayeg (2011), com o objetivo de orientar sobre a avaliação da confiabilidade da informação disponível na grande rede, traçou um guia para a pesquisa bem sucedida na Internet. Para a autora, é necessário questionar o primeiro resultado das ferramentas de busca, recorrer a bases e fontes conhecidas, não confiar em enciclopédias colaborativas sem referências, etc.. Charaudeau (2006), em sua obra, aborda com maestria as relações entre a informação midiática ou real, com o público que a necessita, ressaltando a relação de existência e dependência entre ambos, bem como a geração do conhecimento a partir de então. Ao propor o uso de uma ferramenta em sala de aula, com a finalidade de levar o aluno a obter conhecimento, o professor deve ser conhecedor dessa ferramenta e ter estratégias de operar com ela juntamente com o aluno para que ambos possam construir um conhecimento compartilhado. O professor não pode ignorar totalmente os processos e, muito menos, dominá los a ponto de fornecer ao aluno todas as informações necessárias, sem deixá lo pecorrer alguns caminhos do aprendizado, como a pesquisa, por exemplo. Isso, pois, pode levar ao fracasso do projeto com a frustração de ambos devido à incapacidade de continuar com o uso da tecnologia. A partir dessa perspectiva, a seguir, serão apresentadas algumas ferramentas que podem auxiliar na aprendizagem, se forem bem conduzidas pelo professor. 2.2 Algumas Ferramentas Disponíveis Pesquisas em Sites As pesquisas na web, nos dias de hoje, é o meio mais comum de se obtererem informações para um trabalho acadêmico. Moraes et. al. afirmam que:

4 Através da busca e recuperação de informações, o estudante terá em suas mãos um referencial teórico bastante forte para o questionamento e construção de seus argumentos. Já os serviços para a troca de idéias e informações num grupo de pessoas e entre grupos é bastante útil para a comunicação e crítica dos argumentos construídos. (MORAES et al, 2004, p. 89) Tendo em vista essa tendência que já está incorporada na cultura escolar desde o ensino fundamental, é importante atentar se para alguns critérios de busca de fontes de informação. Conhecer o computador e o mecanismo de busca é essencial, assim como ter certo domínio da área pesquisada, pois, ao se digitar uma palavra ou expressão no Google, por exemplo, uma infinidade de sites aparecem, porém, poucos trarão a informação buscada de forma adequada. Fundamentado nessas habilidades e competências, o navegar pela tela de um computador agilizará as comunicações globais e a obtenção de informações e serviços. Sem as condições para o seu uso, esse instrumento cultural, quando utilizado com esse fim, trará frustrações e poderá facilmente ser transformado numa biblioteca de Babel, ou seja, num emaranhado de informações supérfluas (FRAGOSO e BLATTMANN, 2003, p. 17). Portanto, toda pesquisa tem que ser direcionada, e essa função é do professor que vai assumir a postura de conduzir o aluno, direcioná lo no caminho certo para que a pesquisa em sites, por exemplo, seja proveitosa, traga resultados positivos e permita uma navegação eficaz, ao invés de uma busca sem resultados e frustrada. Um estudo dirigido, como um passo a passo a ser pesquisado, pode ajudar o discente a reconhecer a informação de que necessita e orientar sua pesquisa. Não se trata de facilitar a busca, mas de ajudar o discente a discernir entre a informação relevante e a falsa, obtida em seus resultados Bibliotecas Virtuais A biblioteca virtual pode ser entendida como uma biblioteca que possui um acervo digital, recursos de acesso à informação e serviços online operando em rede pela Internet (CUENCA et. al., 2009). Tal biblioteca pode ser acessada remotamente de uma localidade, por meio de uma rede de computadores, favorecendo a acessibilidade universal (MARCHIORI, 1997). Então, assim como a busca em sites, a consulta em um acervo digital deve ser direcionada e orientada, visto que o estudante, ao pesquisar uma biblioteca digital, deverá ter a habilidade de manusear também a ferramenta que está utilizando para a pesquisa, bem como saber consultar o título do livro ou seu autor. Na verdade, os conhecimentos utilizados para se consultar um acervo de uma biblioteca tradicional serão muito úteis na consulta ao acervo digital também Objetos de Aprendizagem Além das bibliotecas virtuais, o uso de objetos de aprendizagem, disponíveis em vários repositórios, pode ser uma alternativa interessante ao docente. Esses objetos são recursos

5 educacionais, em diversos formatos e linguagens, com o objetivo de mediar e qualificar o processo de ensino aprendizagem. Sua principal característica é a reusabilidade, capacidade de reutilização desses materiais, em diferentes contextos de aprendizagem, nas mais diversas áreas do conhecimento. (PRATA e NASCIMENTO, 2007) Os objetos de aprendizagem são uma iniciativa do governo a fim de promover o ensino por meio do computador nos vários níveis educacionais, ou seja, desde o ensino fundamental até o superior. Alguns desses objetos de aprendizagem podem ser encontrados em sites como os do Ministério da Educação em e em Esses recursos, também, são excelentes para se trabalhar de forma lúdica e incentivar a interatividade entre o usuário e o computador. Outro ponto interessante nesse processo é que os objetos de aprendizagem apresentam uma diversidade de temas que atinge boa parte dos estudantes, apresentando opções de pesquisas Compartilhamento de Documentos Online O compartilhamento de arquivos online é um recurso inovador e que facilita a produção do conhecimento de forma colaborativa e à distância. Mesmo que os membros de um grupo não estejam reunidos em um mesmo local, de forma presencial e ao mesmo tempo, podem, ainda assim, compartilhar informações em um mesmo texto, por exemplo, modificando o ou escrevendo o de forma simultânea. Esse recurso permite a interatividade com mais uma tecnologia que traz o estudante para o mundo virtual de forma bem real e concreta, pois, ao compartilhar seus arquivos com outra pessoa e permitir que o outro o modifique ou acrescente ideias, torna o estudo virtual bem presencial, porque a troca de conhecimentos acontece em tempo real, mesmo que à distância. Vários sites permitem que esse trabalho seja feito, dentre eles, podem ser citados o Google Drive (http://drive.google.com), Microsoft Office (http://office.microsoft.com), Zoho (http://zoho.com/), ThinkFree (http://thinkfree.com/), EtherPad (http://etherpad.com/). Um exemplo interessante de uso dessa ferramenta é a proposição de um trabalho em grupo gerando um relatório online compartilhado com todos do grupo. Dessa forma, o docente, através dessas tecnologias, pode acompanhar o andamento do texto bem como a participação individual de cada componente do grupo Blogs O blog é concebido como um espaço em que o escrevente pode expressar o que quiser na atividade da (sua) escrita, com a escolha de imagens e de sons que compõem o todo do texto veiculado pela internet. A ferramenta empregada possibilita ao escrevente a rápida atualização e a manutenção dos escritos em rede, além da interatividade com o leitor das páginas pessoais. (KOMESU, s.d) Os blogs são excelentes ferramentas para a aprendizagem, pois permitem tanto ao professor quanto ao aluno a criação do seu próprio blog para trabalhar com conteúdos

6 ministrados em sala de aula. O professor pode criar seu blog e disponibilizar ali, todo o conteúdo trabalhado em sua disciplina. Já, o aluno, por sua vez, pode criar um blog como resultado final de um trabalho de determinada disciplina. Essa atividade coloca o aluno mais próximo das tecnologias disponíveis para o seu aprendizado além de permitir a interação entre seus pares, que podem contribuir com o conteúdo ou deixar comentários sobre o conteúdo disponibilizado. Ambientes online que permitem esse tipo de interação são, por exemplo, Wordpress (http://www.wordpress.com), Blogspot (http://www.blogspot.com), Blogger (http://www.blogger.com). Outro exemplo, que é mais atrativo para os amantes da tecnologia, é o microblog Twitter (http://www.twitter.com), que permite a interação a partir de pequenas mensagens, de tamanho limitado a 140 caracteres, o que torna a comunicação direta e bastante objetiva Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) O uso de Ambientes Virtuais de Aprendizagem é outra forma de envolver o nativo digital, pois todo o gerenciamento do curso ou disciplina se dá através desse ambiente, permitindo, inclusive, o uso de testes, provas, trabalhos, gerenciamento e disponibilização de conteúdo, salas virtuais, dentre outras características. Seu uso incorpora dificuldades apenas no lado do docente, que, não obstante o trabalho extra classe de acompanhamento das turmas e preparação de aulas, se depara com essa nova forma de interação com as turmas. O conflito de gerações aqui se mostra claro com a predisposição do discente no uso do ambiente e a dificuldade do docente em gerenciá lo e elaborar material atrativo para o mesmo. Prensky (2001) ressalta essa diferença em sua obra, caracterizando os docentes, neste caso, de Imigrantes Digitais, ou os indivíduos que, não têm outra opção a não ser imergir na tecnologia e a incorporar no seu dia a dia, para não se renderem ao insucesso. Um dos exemplos mais usados desse tipo de ambiente é o Moodle (http://www.moodle.org), que permite uma gama de objetos de aprendizagem e formas de gerenciamento. É um ambiente de fácil navegação que proporciona ao aluno uma ótima interação com seus pares, além de ser um software livre, portanto, gratuito. O Moodle dispõe de um conjunto de ferramentas que podem ser selecionadas pelo professor de acordo com seus objetivos pedagógicos (TORRES e SILVA, 2008), isso também facilita ao professor a utilização dessa ferramenta Redes Sociais As redes sociais são iniciadas a partir da tomada de consciência de uma comunidade de interesses e/ou de valores entre seus representantes (MARTELETO, 2001, p. 73). Boyd e Ellison (2007) definem os sites de redes sociais como um serviço baseado na web que permite aos indivíduos construir um perfil (público ou não) para interagir com outros através de conexões baseadas em seu perfil, permitindo o contato e a aproximação entre estranhos desconhecidos. Esta interação possibilita o compartilhamento de todo tipo de informação ou

7 mídia através da rede social. Nesse sentido, pode se observar a grande importância delas na educação, como uma ferramenta de auxílio ao ensino. Elas podem ser utilizadas pelo professor para trabalhar com os alunos um conteúdo por meio da troca de ideias, formando um fórum, promovendo discussões, etc. Essa troca de informações e o dinamismo que as redes sociais proporcionam as tornam uma excelente ferramenta para uma interação rápida entre alunos e facilita no processo ensino aprendizagem. Em um espaço, é permitido ao usuário da rede social compartilhar e trocar informações e, ao mesmo tempo, obter um feedback sobre suas informações compartilhadas ou até mesmo opiniões contrárias àquilo que foi postado, que pode ser um texto, uma foto, um vídeo, ou um conjunto de várias coisas. O uso de diferentes mídias aumenta a atratividade da rede social aos nativos digitais, pois o volume de informação de uma só fonte é enorme e ainda está associado com interatividade e imediatismo. Como exemplo, podem ser citadas as redes sociais mais utilizadas como o Facebook (http://www.facebook.com), Flickr (http://www.flickr.com), MySpace (http://br.myspace.com), Orkut (http://www.orkut.com), Linkedin (http://br.linkedin.com). 3. Relato de experiência Na Faculdade X, em Belo Horizonte/MG, está em desenvolvimento um projeto que visa incorporar o máximo de tecnologias envolvendo os alunos num curso a ser ministrado na comunidade. Dessa forma, o grupo (16 alunos) foi orientado a elaborar o material didático (apresentação de slides e apostilas) além de ministrar o curso. Com o objetivo de incorporar o máximo de tecnologia e, consequentemente, atrair e manter os nativos digitais no projeto, o mesmo foi concebido visando o uso dessas tecnologias para o seu desenvolvimento. Dessa forma, um aluno foi incumbido de gerenciar o grupo, para tal, usa as redes sociais, em especial o Facebook, para comunicação com os outros componentes do grupo, uma comunicação instantânea e objetiva. Além disso usa o Trello (http://www.trello.com) para o gerenciamento das tarefas. Esta ferramenta colaborativamente permite que todos editem as tarefas em execução e possam acompanhar mesmo do seu smartphone o andamento e a distribuição das tarefas. A equipe foi dividida em 4 grupos, a saber, Gerenciamento, Marketing, Material Didático Slides e Material Didático Apostilas. Marketing grupo responsável pela divulgação do projeto. Usa as redes sociais, sites, blogs e microblogs, os escolhidos foram Google Sites (http://sites.google.com) para a criação de um site do projeto, Facebook para a criação e interação na rede social e divulgação dos materiais gerados, Twitter para postagens rápidas de notícias do projeto, Youtube (http://www.youtube.com) para compartilhamento dos vídeos gerados, Foursquare (http://foursquare.com) para divulgações em tempo de execução das aulas com sincronização com o Facebook, Linkedin para contatos profissionais entre os membros do grupo além de busca de parcerias, Blogger para manutenção de fóruns sobre os temas das aulas e dos

8 materiais desenvolvidos, Hootsuite (http://hootsuite.com) para gerenciamento das várias redes sociais através de uma única ferramenta. Gerenciamento grupo responsável pela organização do grupo, divisão e acompanhamento das tarefas. Como citado anteriormente, a ferramenta Trello é bastante usada no gerenciamento além do acesso ao Hootsuite, para acompanhamento das redes sociais. Material Didátido (Slides) grupo responsável pelo desenvolvimento das apresentações de slides que serão usadas nas aulas. Nesse caso, estão sendo usadas duas tecnologias que permitem o desenvolvimento colaborativo do material didático, Google Drive Presentation e Prezi (http://www.prezi.com). Ambos permitem o desenvolvimento dos slides de forma colaborativa online, ou seja, instantaneamente. Isso significa que cada membro do grupo pode, a partir do seu acesso à Internet, seja ele de um computador ou smartphone, acessar e editar o mesmo documento que está sendo editado por outro membro. Estas ferramentas ainda possuem gerenciadores de mensagens instantâneas que podem ser usadas pelos usuários que editam o mesmo documento. Além disso, o material pode ser disponibilizado em forma de link, que o aluno acessa sempre a última versão atualizada. O objetivo do desenvolvimento nas duas ferramentas é permitir a comparação do material desenvolvido e avaliar o seu uso em sala de aula. O Presentation tem o mesmo desenvolvimento e uso da aplicação Microsoft PowerPoint, ou seja, a transição de slides. Já o Prezi incorpora uma nova forma de apresentar conteúdo usando o zoom e o deslizamento num espaço onde estão as informações. Seu modo de desenvolvimento é totalmente diferente e sua forma de pensar na apresentação também torna o trabalho mais interessante e motivador, um desafio. Material Didátido (Apostilas) grupo responsável pelo desenvolvimento das apostilas que serão usadas nas aulas e entregues aos alunos. O Google Drive Document está sendo usado para a edição das apostilas. Da mesma forma que o Presentation, o Document permite a edição simultânea online do mesmo documento, de forma que os participantes acompanhem a edição de todos os membros do grupo conectados naquele momento. Este tipo de colaboração online transforma o trabalho em grupo em uma tarefa interessante e motivadora, pois a edição é acompanhada por todos e feita por todos, ao mesmo tempo. Até o presente momento, já foram ministradas duas turmas do curso com 15 alunos cada, sendo um aluno por computador, aprendendo conceitos de hardware, Linux Libertas, Linux Ubuntu, pacote BrOffice, Internet e navegação. Os sistemas operacionais e pacote são os já instalados nos computadores da escola e, portanto, definidos para o curso, que atende a escolas públicas de Belo Horizonte. O objetivo é a inclusão digital de alunos do ensino médio e do projeto EJA (Educação para Jovens e Adultos), além de funcionários das escolas que tenham interesse. As aulas são ministradas por um instrutor e mais um número de monitores para um acompanhamento mais próximo dos alunos, garantindo um melhor aprendizado. Não são aulas puramente expositivas, mas há interação entre o ministrante, os alunos e monitores. Os alunos da Faculdade X, que além de montarem e gerenciarem o projeto, também atuam lecionando como instrutores ou monitores, o que demanda também o uso dos sistemas operacionais e do pacote BrOffice para que possam lecionar sobre.

9 De uma forma geral, o projeto tem sido um sucesso, pois tanto alunos da escola pública quanto os alunos da Faculdade X estão satisfeitos com os resultados obtidos. O uso das redes sociais e variadas tecnologias envolvidas no projeto apenas motivam os alunos a direcionar os próximos passos que são, dentre outros, melhoria das aulas, divisão de assuntos em tópicos e aumento da carga horária, comparação das tecnologias de apresentação, divulgação mais abrangente em redes sociais, uso desta divulgação para obtenção de parcerias para fornecimento de material e lanche, além da busca de novas escolas para novas turmas. Do ponto de vista do docente coordenador do projeto, o sucesso é um indício de que envolver o nativo digital é uma questão não só de aplicar a tecnologia, mas aplicá la de forma interessante e motivadora. A dificuldade do uso das tecnologias não é empecilho para os alunos, do curso de Bacharelado de Sistemas de Informação, a motivação está na aplicação da mesma e nos resultados que ela proporciona. A interatividade e colaboratividade também são motivadores, pois remetem à mesma que possuem em suas redes sociais ou outros ambientes. Esta interatividade, portanto, torna a tarefa agradável de ser realizada incorporando certa diversão ao trabalho, pelo fato de permitir o diálogo constante entre os pares e a colaboração imediata e simultânea no que está sendo desenvolvido. Além disso, o desafio do novo ambiente ou da nova tecnologia em uso também são outros motivadores. 4. Conclusão A utilização das tecnologias que auxiliam na aprendizagem é inevitável, o docente que, ainda, nos dias de hoje, tem resistência a esse tipo de processo, certamente encontrará a mesma resistência por parte dos seus alunos para absorverem o conteúdo da forma tradicional arcaica. Como cita, de forma bastante contextualizada na atualidade, Moran (1997, p. 29) Ensinar e aprender exigem, hoje, muito mais flexibilidade espaço temporal, pessoal e de grupo, menos conteúdos fixos e processos mais abertos de pesquisa e de comunicação. O uso de novas tecnologias para ensinar e aprender permite uma maior proximidade entre professor e aluno, além de, principalmente, entre informação correta e adequada (uma vez que o docente a está disponibilizando ou promovendo) e o incipiente. Para que esse sucesso ocorra, discente e docente devem ser parceiros na interação e disponibilização e/ou busca do conhecimento, pois, Moran (2007) afirma que os alunos precisam ser atiçados em sua curiosidade para se tornarem interlocutores lúcidos e parceiros do professor educador. Este, por sua vez, deve buscar o diálogo e a motivação para caminhar ao lado do aluno orientando o e acompanhando o, para que ambos tenham sucesso. Não há regra geral no uso das tecnologias e nem uma recomendação específica por área. É importante que o docente se sinta à vontade para usar os recursos que mais lhe convier, sempre buscando a proximidade do discente e tomando o devido cuidado para não se atrapalhar com os novos recursos. Conhecer previamente e fazer testes para posteriormente aplicar é a melhor estratégia para o docente, imigrante digital, pois o discente, nativo digital, não terá problemas em adaptar se ao novo ambiente/tecnologia, incorporando o rapidamente no seu dia a dia e, na maioria das vezes, dominando a

10 ferramenta mais rapidamente que o próprio docente. É claro o ganho do professor com a proximidade do seu aprendiz, pois o conteúdo se mostra interessante ou de uma forma interessante, motivando o aprendizado. Engajar se no mundo online do aluno tem se mostrado a melhor forma de envolvê lo com o conhecimento e o seu aprendizado. 5. Referências Boyd, Danah M.; Ellisson, Nicole B. Social network sites: Definition, history, and scholarship. Journal of Computer Mediated Communication, 13(1), article Disponível em <http://jcmc.indiana.edu/vol13/issue1/boyd.ellison.html>. Acesso em 30 dez Castells, Manuel. A sociedade em rede. Trad. Roneide Venâncio Majer. Vol ed. São Paulo: Paz e Terra, Charaudeau, Patrick. Discurso das mídias. Tradução de Ângela M. S. Corrêa. São Paulo: Contexto, Cuenca, Angela Maria Belloni; Abdalla, Eidi Raquel Franco; Alvarez, Maria do Carmo Avamilano; Andrade, Maria Teresinha Dias de. Biblioteca virtual e o acesso às informações científicas e acadêmicas. Revista USP, nº 80, São Paulo, Fev Fragoso, Graça Maria e Blattmann, Ursula. O zapear na informação. In: Fragoso, Graça Maria e Blattmann, Ursula (Orgs.). O zapear e a informação em bibliotecas e na internet. Belo Horizonte: Autêntica, Komesu, Fabiana. Blogs e as práticas de escrita sobre si na internet. Disponível em: <http://www.ufpe.br/nehte/artigos/blogs.pdf>. Acesso em: 30 dez Lévy, Pierre. As tecnologias da inteligência. O futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: 34, Marchiori, Patricia Zeni. "Ciberteca" ou biblioteca virtual: uma perspectiva de gerenciamento de recursos de informação. Ci. Inf. [online]. 1997, vol.26, n.2 ISSN Marteleto, Maria Regina. Análise de Redes Sociais Aplicação nos Estudos de Transferência da Informação. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p , jan./abr Moraes, Roque et al. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: Moraes, Roque; Lima, Valderez Marina do Rosário (Orgs.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, Moran, José Manuel. Como utilizar a Internet na Educação. Ciência da Informação. Brasília, Vol. 26, n.2, maio/agosto, 1997, p Moran, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In (et al.). Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. 13. ed. Campinas: Papirus, 2007.

11 Pescador, Cristina M. Tecnologias digitais e ações de aprendizagem dos nativos digitais. V CINFE Congresso Internacional de Filosofia e Educação, Caxias do Sul/RS, maio de ISSN: X. Prata, Carmem Lúcia; Nascimento, Anna Christina Aun de Azevedo. Objetos de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico/organização: Brasília : MEC, SEED, p. ISBN: Prensky, Marc. Digital Natives Digital Immigrants. In: Prensky, Marc. On the Horizon. NCB University Press, v. 9, n. 5, October, Sayeg, Fabiana. O mapa da pesquisa confiável na internet. Revista Nova Escola, São Paulo, Editora Abril, v. 26, n. 242, p , maio Torres, Aline Albuquerque; Silva Maria Luzia Rocha da. O ambiente moodle como apoio à educação a distância. 2º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação: Multimodalidade e Ensino. 1ª ed., 2008, Universidade Federal de Pernambuco. Anais eletrônicos. Disponível em: <http://www.ufpe.br/nehte/simposio2008/anais/aline Albuquerque Torres e Maria Luzia Rocha.pdf>. Acesso em: 17 mar Valente, José Armando. Por que o computador na educação. In: Valente, José Armando. (Org.). Computadores e conhecimento: repensando a educação. 2ª ed.campinas: Gráfica Unicamp, 1998, v., p Webeduc O PORTAL DE CONTEÚDOS EDUCACIONAIS DO MEC. Disponível em: <http://webeduc.mec.gov.br/>. Acesso em: 30 dez

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação

Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Profa Alessandra Regina Brito Mestre em Ciências Ambientais e Saúde Docente EAD Pós-graduações: Epidemiologia e Saúde Trabalhador Coordenação Pedagógica Pós-graduação Epidemiologia Como surgiu a EAD O

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR

IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO E ANÁLISE DOS FATORES QUE DIFICULTAM A ATUAÇÃO DO DOCENTE NA MODALIDADE EAD NO ENSINO SUPERIOR Ribeirão Preto-SP - 05/2009 Edilson Carlos Caritá - Universidade de Ribeirão Preto UNAERP

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA

www.sbempb.com.br/epbem APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA APRENDIZAGEM COLABORATIVA EM AMBIENTES VIRTUAIS E AS POSSIBILIDADES PARA OS PROFESSORES DE MATEMÁTICA Ronaldo Vieira Cabral Abdias de Brito Aguiar Júnior José Sidney Nunes de Araújo Resumo: A parte das

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2

ABRIL 2010. Redes Sociais: revolução cultural na Internet. Ano 2 Número 2 ABRIL 2010 Redes Sociais: revolução cultural na Internet Ano 2 Número 2 SUMÁRIO EXECUTIVO As redes sociais: revolução cultural na Internet Apresentação Definindo as redes sociais As redes sociais formam

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA INTERNET: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DO LIVRO DIDÁTICO DO ENSINO MÉDIO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br RESUMO Este artigo discute

Leia mais

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL

AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL 1 AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: UM PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL Belo Horizonte, Maio/2010. Vanessa Belmonte - CEFET-MG - vabelmonte@yahoo.com.br - (31) 9225-1923 Márcia Gorett Ribeiro Grossi - CEFET-MG

Leia mais

USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM E NA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA 1

USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM E NA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA 1 USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM E NA DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA 1 Bruna Laís Campos do Nascimento Carla Beatriz Marques Felipe Malkene Wytiza F. de M. Noronha Midinai Gomes Bezerra

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB FORMAÇÃO CONTINUADA E INCLUSÃO DIGITAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Telma Cristina Gomes da Silva (PROLING/UFPB) telmapedist@hotmail.com Introdução A Cultura Digital impõe novos desafios pedagógicos

Leia mais

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO

USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO USO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM COMO FORMA DE POPULARIZAR O CONHECIMENTO CIENTÍFICO Autor e Orientador Eduardo Lima Leite 1 (Universidade Federal de Campina Grande, eduardo@cstr.ufcg.edu.br) Resumo: O trabalho

Leia mais

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC)

A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) A EDUCAÇÃO ALIADA AS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC) José Wellithon Batista Zacarias (1); Programa de Pós Graduação, Faculdade Leão Sampaio - wellithonb@gmail.com RESUMO No mundo informatizado

Leia mais

Redes Sociais como ferramenta pedagógica: O caso do projeto e-jovem

Redes Sociais como ferramenta pedagógica: O caso do projeto e-jovem Redes Sociais como ferramenta pedagógica: O caso do projeto e-jovem Júlio César Cavalcante Bezerra 1 julio.cavalcante@gmail.com Universidade Estadual do Ceará Sydneia de Oliveira Brito 2 sydneiabrito@gmail.com

Leia mais

Aula 8 Conversação e rede social na web

Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Aula 8 Conversação e rede social na web Meta Apresentar um programa de voz sobre IP (VoIP), o Skype, e fazer uma breve introdução ao mundo das redes sociais online,

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino

O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino O Uso das Redes Sociais Como Método Alternativo de Ensino As Redes Sociais Virtuais são grupos ou espaços específicos na Internet, que permitem partilhar dados e informações, sendo estas de caráter geral

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR EM PERNAMBUCO

A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR EM PERNAMBUCO A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR EM PERNAMBUCO Adriana Alves Moreira dos Santos i (UFPE) Marcelo Sabbatini ii (UFPE) Resumo: O presente trabalho

Leia mais

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões

Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões MÍDIA KIT INTERNET Número de pessoas com acesso à internet passa de 120 milhões Segundo pesquisa da Nielsen IBOPE, até o 1º trimestre/2014 número 18% maior que o mesmo período de 2013. É a demonstração

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira

PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL. LOPES, Limerce Ferreira 1 Resumo PLATAFORMA WIGGIO E ENSINO DE LÍNGUAS: UMA PROPOSTA DE INTERAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL LOPES, Limerce Ferreira Mestre em Letras e Linguística, Instituto Federal de Goiás/Câmpus Goiânia, limercelopes@hotmail.com

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php OS BENEFÍCIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD)

www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php OS BENEFÍCIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CDD: 001.644 OS BENEFÍCIOS DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NO PROCESSO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) THE BENEFITS OF INFORMATION AND COMMUNICATION TECHNOLOGIES IN THE E-LEARNING PROCESS

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A DISTÂNCIA 15 Cristina Alves de Brito crisalbri@filologia.org.br O foco em que tem estado a Educação a Distância dá a falsa ideia de que tal modalidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EaD

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EaD 1 CONTRIBUIÇÕES PARA UMA APRENDIZAGEM ATIVA E COLABORATIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA EM EaD Resende - RJ - Abril - 2014 Miguel Carlos Damasco dos Santos Associação Educacional Dom Bosco contato@profdamasco.site.br.com

Leia mais

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF

SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF 1 SEMI-PRESENCIALIDADE NO ENSINO SUPERIOR: ALGUNS RESULTADOS DESSA MODALIDADE NA FGF Fortaleza CE Junho/2009 Karla Angélica Silva do Nascimento - Faculdade Integrada da Grande Fortaleza karla@fgf.edu.br

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB

PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E INCLUSÃO DIGITAL NA EJA: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA EM POMBAL/PB Introdução Jacqueline Liedja Araújo Silva Carvalho Universidade Federal

Leia mais

Vamos blogar? O blog na educação e nas aulas de geografia

Vamos blogar? O blog na educação e nas aulas de geografia Vamos blogar? O blog na educação e nas aulas de geografia Leandro Fabrício Campelo lfcampelo@ig.com.br Universidade Católica de Santos Introdução Trabalhar com os jovens atualmente é fundamental a utilização

Leia mais

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio Filipe Cesar da Silva Discente da Universidade do Sagrado Coração (USC) felipe_mirc@hotmail.com Melissa

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 MARTINS, Sandro Luís Moresco 2 ; VARASCHINI, Patricia 3 ; SANTOS, Leila Maria Araújo 4 1 Trabalho de Pesquisa _ UFSM 2 Programa Especial de Formação de Professores (UFSM),

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 *

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 * 1 APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS Janara de Camargo Matos 1 * RESUMO A internet ou Web 2.0 é um espaço onde se pode criar, editar e transformar páginas de maneira simples. A utilização de tecnologias

Leia mais

Carloney Alves de OLIVEIRA Centro de Educação, Universidade Federal de Alagoas Maceió, Alagoas, 57.072-970, Brasil 2002)[6].

Carloney Alves de OLIVEIRA Centro de Educação, Universidade Federal de Alagoas Maceió, Alagoas, 57.072-970, Brasil 2002)[6]. Um olhar sobre o aprender e o navegar com as interfaces disponíveis no Moodle: o aluno online no curso de Licenciatura em Física a distância da UAB/UFAL Carloney Alves de OLIVEIRA Centro de Educação, Universidade

Leia mais

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações Lucia M. M. Giraffa giraffa@pucrs.br ARGOS - Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação à Distância da PUCRS

Leia mais

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA

PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI LAUREATE INTERNACIONAL EDUCATION Klaibert Miranda Jacqueline Cícera Florêncio dos Santos Valter Garoli Mariana Estima do Nascimento PRONTO EDUCAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EAD. QUAL O PAPEL DO PROFESSOR E DO ALUNO NESTE CONTEXTO?

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EAD. QUAL O PAPEL DO PROFESSOR E DO ALUNO NESTE CONTEXTO? TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EAD. QUAL O PAPEL DO PROFESSOR E DO ALUNO NESTE CONTEXTO? Autora: Lívia Lima Lessa livialessa_l3@hotmail.com Co-autor: Alexandre Meneses Chagas profamchagas@gmail.com

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

USO DE FERRAMENTAS DA WEB 2.0 PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO L. ESTRANGEIRA

USO DE FERRAMENTAS DA WEB 2.0 PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS COMO L. ESTRANGEIRA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DIRETORIA DE GRADUAÇÃO / DEPARTAMENTO DE LINGUAGEM E TECNOLOGIA Graduação em Letras Tecnologias da Edição Tópicos especiais em Metodologia: tecnologia

Leia mais

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE *

A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * 1 A AQUISIÇÃO DO ESPANHOL INSTRUMENTAL NA PLATAFORMA MOODLE * Valéria Jane Siqueira Loureiro (Universidade Federal de Sergipe) RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária

Leia mais

Computação nas nuvens (Vantagens)

Computação nas nuvens (Vantagens) Computação em Nuvem Computação em nuvem O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à possibilidade de utilizarmos computadores menos potentes que podem se conectar à Web e

Leia mais

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado

Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Projeto Aprendendo na Rede: Uso da internet como ferramenta de aprendizado Leandro Avelino de SOUSA¹; Samuel Pereira DIAS²; Wanda Luzia CHAVES³; ¹ Estudante de Ciências Biológicas. Instituto Federal Minas

Leia mais

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013)

Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Utilização do Ambiente virtual de aprendizagem TelEduc para a aprendizagem de línguas estrangeiras Girlene Medeiros (2013) Questionamentos que devem ser enfrentados 1. Como você descreveria esse ambiente

Leia mais

LEITURA E INTERNET NA ESCOLA: SABERES E PRÁTICAS COMPARTILHADOS EM UMA ATIVIDADE WIKI NO MOODLE

LEITURA E INTERNET NA ESCOLA: SABERES E PRÁTICAS COMPARTILHADOS EM UMA ATIVIDADE WIKI NO MOODLE LEITURA E INTERNET NA ESCOLA: SABERES E PRÁTICAS COMPARTILHADOS EM UMA ATIVIDADE WIKI NO MOODLE Alana Dutra do Carmo, UECE Steffany Maria de Lima Vieira, UECE Orientadora: Profa. Dra. Eloisa Maia Vidal,

Leia mais

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1

SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 SOFTWARES SOCIAIS E MUNDOS VIRTUAIS: MAPEAMENTO DAS FERRAMENTAS PARA A MOBILIZAÇÃO EM SAÚDE 1 Bruna Mayara de Lima Cibotto 2 ; Patrícia Marques da Silva Prado 2 ; Ana Paula Machado Velho 3. RESUMO: O presente

Leia mais

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MBA EM MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING DIGITAL E E-BUSINESS AULA III ESTRATÉGIAS DO MARKETING DIGITAL PROF. M. SC. JOSUÉ VITOR josuevitor16@gmail.com @josuevitor Marketing Digital Como usar a internet

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Meios de Ensino.

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Meios de Ensino. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UTILIZAÇÃO

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009

Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG. Itajubá, Maio/2009 Relatório da formação de tutores na EaD da Universidade Federal de Itajubá/MG Itajubá, Maio/2009 Luciana Mendonça Rodrigues Universidade Federal de Itajubá lucianarodrigues@unifei.edu.br Categoria: Pesquisa

Leia mais

O AMBIENTE MOODLE COMO APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

O AMBIENTE MOODLE COMO APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 O AMBIENTE MOODLE COMO APOIO A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Aline Albuquerque Torres Maria Luzia Rocha da Silva UFAL aline.atorres@gmail.com mlrs1981@gmail.com RESUMO Este artigo discute a mediação do ambiente

Leia mais

Organizar uma Biblioteca Virtual PÚBLICO-ALVO: Licenciandos, estudantes do ensino superior. TEMPO DE DURAÇÃO: 14 dias (2 semanas)

Organizar uma Biblioteca Virtual PÚBLICO-ALVO: Licenciandos, estudantes do ensino superior. TEMPO DE DURAÇÃO: 14 dias (2 semanas) Organizar uma Biblioteca Virtual PÚBLICO-ALVO: Licenciandos, estudantes do ensino superior. TEMPO DE DURAÇÃO: 14 dias (2 semanas) JUSTIFICATIVA O mundo digital está cada vez mais fazendo parte do processo

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

Educação, Tecnologias e Formação de Professores

Educação, Tecnologias e Formação de Professores Educação, Tecnologias e Formação de Professores Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Coordenadoria Institucional de Educação a Distância Universidade Aberta do Brasil Aula Inaugural

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS

ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS ESCOLA ESTADUAL REYNALDO MASSI JOÃO BATISTA ALVES DE SOUZA SIRLENE SOUZA BENEDITO VIRGENS INTERATIVIDADE NA ESCOLA O USO DO APLICATIVO WHATSAPP COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE GEOGRAFIA DO ENSINO

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS POR MEIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS POR MEIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS PEDAGÓGICAS POR MEIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENTAL ¹Patrícia da Silva Olímpio Resumo O presente trabalho surgiu da necessidade de conhecer e compreender algumas práticas pedagógicas

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto

USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES. Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto 1333 USO DE REDES SOCIAIS DA INTERNET COMO FERRAMENTAS DE APOIO NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS E POSSIBILIDADES Douglas Ribeiro da Silva, Caroline Kraus Luvizotto Discente do curso de Ciências Contábeis da UNOESTE.

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS

INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS INCLUSÃO E DIVULGAÇÃO DAS ATIVIDADES DE GERAÇÃO DE RENDA DAS ALUNAS DO PROGRAMA MULHERES MIL DE SÃO JOÃO DA BARRA NAS REDES SOCIAIS Resumo Solange da Silva Figueiredo; Isabel Cristina da Silva Gonçalves;

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA

REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE LITERATURA Elenice KOZIEL (UEM) [1] Márcio Roberto do PRADO (UEM) [2] Introdução É perceptível que os sujeitos da pós-modernidade estão conectados, dedicando

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O BLOG NA SALA DE AULA COMO MURAL VIRTUAL INTERATIVO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O BLOG NA SALA DE AULA COMO MURAL VIRTUAL INTERATIVO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O BLOG NA SALA DE AULA COMO MURAL VIRTUAL INTERATIVO RESUMO Luzineide Miranda Borges¹ Ítalo D Artagnan Almeida² Sandoval Artur Da Silva Junior³ 1. Doutoranda em Educação no Programa

Leia mais

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO

PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO PERSPECTIVAS SOBRE O USO DO DESIGN INSTRUCIONAL PARA UMA EaD INCLUSIVA: POR ONDE ESTAMOS CAMINHANDO Carlos Eduardo Rocha dos Santos Universidade Bandeirante Anhanguera carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com

USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO. Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com 1 USO DO PBWORKS COMO ESPAÇO DIGITAL DE APRENDIZAGEM - MINICURSO Albina Pereira de Pinho Silva UNEMAT/Juara alpepis@hotmail.com Sandra Regina Braz Ayres CEFAPRO/Sinop ayressinop@gmail.com RESUMO A proposição

Leia mais

Av. Darcy Vargas, 1200 - Parque 10, Manaus - AM, 69065-020. Purangayasika@yahoo.com.br,anny.araujo20@hotmail.com

Av. Darcy Vargas, 1200 - Parque 10, Manaus - AM, 69065-020. Purangayasika@yahoo.com.br,anny.araujo20@hotmail.com OBJETO DE APRENDIZAGEM COMO AUXÍLIO PEDAGÓGICO EM SALA DE AULA: A UTILIZAÇÃO DOS OBJETOS EDUCACIONAIS NA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA OS ALUNOS DA ESCOLA ESTADUAL ALTAIR SEVERIANO NUNES MANAUS

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

Educação a Distância Definições

Educação a Distância Definições Educação a Distância Definições Educação a distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente; Visa a interação

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

18/05/2009. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. Technology Roadmapping André Leme Fleury

18/05/2009. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Produção. Technology Roadmapping André Leme Fleury Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Produção Sistemas de Informação Ambientes Virtuais para Ensino da Engenharia de Produção Prof. Dr. André Leme Fleury Apresentação

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

Formação de professores para docência online

Formação de professores para docência online Formação de professores para docência online uma pesquisa interinstitucional Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais