MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES"

Transcrição

1 MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES André Junqueira Caetano * Jupira Gomes de Mendonça ** Julimar Santos Pinto *** INTRODUÇÃO A rede de pesquisas Observatório das Metrópoles tem desenvolvido metodologia para classificar e analisar a estrutura socioespacial das metrópoles brasileiras. Com base na variável ocupação dos censos demográficos, com filtros de posição na ocupação, renda e escolaridade, foi possível construir uma hierarquia de categorias sócioocupacionais representativa da sociedade brasileira agrupamentos que representam posições sociais ou classes de posições sociais com certa homogeneidade social, formando distintos grupos socialmente re-conhecidos passível de verificação nas diversas regiões metropolitanas e, portanto, comparável espacial e temporalmente 1. Através de técnicas de análise fatorial por correspondência binária e de classificação hierárquica ascendente, é possível identificar a regularidade da representação das categorias sócio-ocupacionais no território de cada região metropolitana. O método permite verificar a distribuição das categorias sócio-ocupacionais no espaço metropolitano e a sua representação em cada unidade espacial, identificando espaços com forte homogeneidade interna e heterogêneos entre si 2. * Professor no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais/PUC Minas; pesquisador do Cedeplar/UFMG. ** Professora no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo/UFMG; pesquisadora CNPq; pesquisadora Fapemig. *** Mestrando em Ciências Sociais/PUC Minas. 1 Como referência, foi utilizado o sistema de classificação de profissões na França, adotado pelo Institut National d Économie et Statistique (INSEE). O primeiro trabalho comparativo foi para Paris e o Rio de Janeiro (PRETECEILLE, E.; RIBEIRO, L.C.Q., 1998). 2 Os distintos agrupamentos vivem e convivem no espaço metropolitano, com oportunidades desiguais de apropriação desse espaço e de seus benefícios. Encontrar a sua representação territorial permite, pois, identificar o grau de segregação social presente nesse espaço. 1

2 Desta maneira, foi possível construir tipologias, como instrumento para classificar o território metropolitano, segundo as posições sociais relativas, em uma hierarquia socioespacial. O estudo da localização espacial das diversas categorias sócioocupacionais, abrangendo a densidade de sua representação em cada lugar e a composição das representações das diversas categorias, permite observar a intensidade do processo de segregação nas metrópoles. Os resultados apresentam, para cada região metropolitana estudada, a estrutura socioespacial em determinados pontos do tempo, ou seja, aqueles dados pelo censo demográfico, a cada década. A partir da comparação entre dois ou mais pontos no tempo, tem-se buscado identificar as transformações ocorridas, as quais tem sido explicadas por diversas abordagens (mobilidade residencial, dinâmica imobiliária, etc.) 3. Propõe-se, como passo adiante na metodologia elaborada, desenvolver um indicador do grau das transformações socioespaciais, ou seja, a intensidade das mudanças nas diversas áreas das regiões metropolitanas, dadas por alterações na sua composição sócio-ocupacional. Este trabalho apresenta os fundamentos da metodologia de construção do indicador ainda em andamento, bem como os primeiros ensaios, realizados a partir das categorias sócio-ocupacionais da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), em 1991 e em O objetivo, neste momento, é colocar em discussão esses fundamentos, de modo a avançar na construção do indicador. A primeira seção apresenta o desenvolvimento da lógica da construção do indicador, de modo que, posteriormente, possamos discutir o significado dos achados. A segunda seção estabelece o parâmetro de comparação para a observação da mudança na composição proporcional das categorias sócio-ocupacionais entre os dois pontos no tempo. A terceira seção estabelece os valores mínimos e máximos que o indicador de mudança (percentual) pode alcançar nos casos extremos de concentração, na categoria mais baixa (mínimo) ou mais alta (máximo). A quarta seção apresenta o Índice de Mudança Sócio-ocupacional (IMS) em uma dada área entre o tempo inicial e o tempo final. Finalmente, a penúltima seção, antes das considerações finais, apresenta um 3 Ver, entre outros, Mendonça (2002); Mendonça; Godinho (2003); Andrade et. al. (2008); Bernal (2004); Moura; Firkowki (2009); Pasternak (2004) 2

3 exercício empírico com cinco unidades espaciais da Região Metropolitana de Belo Horizonte, escolhidas de modo a se ter representação de uma grande mudança na composição sócio-ocupacional (a partir das denominações utilizadas por Mendonça, 2008), assim como de mudanças ascendentes e descendentes. OBSERVAÇÕES SOBRE AS DIFERENÇAS ENTRE AS DISTRIBUIÇÕES PROPORCIONAIS POR CATEGORIA SÓCIO- OCUPACIONAL EM DOIS PONTOS NO TEMPO A idéia inicial foi a de utilizar os métodos empregados nas análises de origem e destino em migração, no âmbito da demografia, e de mobilidade social, na sociologia. Nesses casos, uma tabela de dupla entrada com igual número de categorias nas linhas e nas colunas uma matriz quadrada aloca freqüências de indivíduos ou eventos de forma que a esse número correspondam um município de origem e um município de destino ou a escolaridade dos pais e a escolaridade dos filhos. O caso da estrutura sócioocupacional das áreas que compõem uma região metropolitana em dois pontos no tempo não permite que essa metodologia seja aplicada, pois as estruturas são independentes uma da outra e não é possível construir uma matriz quadrada. No entanto, este pode ser um ponto de partida. O Quadro 1 apresenta uma composição hipotética, em três categorias ordenadas da menor para a maior, de uma determinada área, em 1991 e QUADRO 1 Distribuição percentual por categorias, em ordem ascendente, e diferenças em pontos percentuais (p.p.) e em percentual da Área X / Categoria (Cat) Diferença ("Origem") ("Destino") (Ordem ascendente) n % n % n p.p. % Total

4 Note-se que a única informação comum aos dois períodos que podem ser organizadas em uma matriz quadrada é a diferença, em pontos percentuais ou em percentual, entre a proporção de uma dada categoria em 2000 subtraída da proporção dessa mesma categoria em Assim, a diferença do percentual da categoria 1 em 2000 e em 1991 é de 7,16 pontos percentuais, o que representa um aumento de 26,3% dessa categoria entre 1991 e Deve-se observar que, em pontos percentuais, a soma da diferença entre 1991 e 2000 de todas as categorias será sempre nula, ao passo que a soma do (de)crescimento percentual indica o resultado líquido das mudanças ocorridas na composição, por categorias, da área em questão. Nesse aspecto, observa-se que a Categoria 3 teve um decréscimo de 35,8% entre 1991 e 2000, ao passo que a Categoria 1 teve um crescimento de 26,3%. Consequentemente, a categoria maior perdeu participação para as duas categorias menores de tal forma que o efeito das mudanças foi negativo. Houve, portanto, um aumento proporcional da participação das categorias menores. Em uma matriz quadrada, a diferença, em pontos percentuais, entre 1991 e 2000 de cada categoria forma a diagonal principal. O Quadro 2 apresenta a matriz quadrada com as diferenças, em pontos percentuais, relativas às freqüências em cada categoria em 1991 e 2000 apresentadas no Quadro 1, isto é, o percentual em 2000 de uma dada categoria subtraído do percentual em 1991 dessa mesma categoria. QUADRO 2 Matriz de diferenças , em pontos percentuais 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat As células fora da diagonal principal apresentam a diferença entre a categoria na coluna (2000 ou destino ) e a categoria na linha (1991 ou origem ). Assim a célula localizada na interseção da linha 1 com a coluna 2, doravante chamada C 11 é formada pela diferença entre o percentual na Categoria 2 em 2000 e o percentual na Categoria 1 4

5 em Para tornar mais intuitiva essa informação, pode-se tomá-la como um movimento, ou seja, o número de pontos percentuais que passaram da Categoria 1, em 1991, para a Categoria 2, em Como as categorias estão dispostas em ordem crescente, pode-se intuir que houve um movimento ascendente nesse caso. O valor negativo na C 13 indica que as trocas entre a Categoria 1 e a Categoria 3 no período implicaram em uma perda de 13,1 p.p. da categoria maior para a categoria menor. A C 23 apresenta um valor de -36,7 p.p., também indicando uma queda da categoria maior para a categoria intermediária no período. É importante ressaltar que todas as células acima da diagonal principal indicam movimentos de categorias menores em 1991 para categorias maiores em Por esse motivo, o sinal, nas células acima da diagonal principal, indica a direção do fluxo. As células abaixo da diagonal principal envolvem as diferenças entre categorias menores e categorias maiores. Assim, o sinal, nessas células, indica a direção oposta do fluxo. Por exemplo, a C 21 apresenta o valor de -16,5 pontos percentuais. Isso significa que a Categoria 1, em 2000, deixou de ganhar essa quantidade da Categoria 2, em 1991, isto é, a categoria menor apresentou uma queda em relação à categoria intermediária no período. Por outro lado, o sinal positivo, como é o caso das C 31 e C 32, indica um movimento descendente, ou seja, que as Categorias 1 e 2 apresentaram crescimento às expensas da categoria maior. Cabe frisar que cada célula da diagonal principal é composta pela soma dos valores das células da linha e da coluna que a localiza dividido pelo número de categorias (K) menos 2 dois. Assim, o valor de C 11, por exemplo, é dado por: C 11 = (C 12 + C 13 + C 21 + C 22 )/(3-2) = C 12 + C 13 + C 21 + C 22 Assim como os valores da diagonal principal se anulam, como visto anteriormente, o somatório dos valores das células acima da diagonal principal é o oposto do somatório dos valores das células abaixo da diagonal principal: 25,5 e -25,5 p.p., respectivamente. Entretanto, ambos indicam o mesmo resultado líquido de todas as trocas ocorridas entre as categorias no período , qual seja, no conjunto a distribuição teve um decréscimo de 25,5 pontos percentuais das categorias maiores 5

6 em relação às categorias menores. Ocorre que este número variará de área para área, dependendo de cada distribuição inicial, sem que se possa ancorá-lo em parâmetros que indiquem claramente o que é mais e o que é menos, o quanto mais e o quanto menos. Ainda em referência ao Quadro 2, pode-se dizer que uma aba é o espelho da outra, pois cada célula acima da diagonal principal é contraposta por uma célula abaixo da diagonal principal. Assim é que a C 12 é contrapesada pela C 21, a C 13 pela C 31 e a C 23 pela C 32. Os números em rosa no Quadro 2 são os resultados da soma dos valores absolutos das células acima da diagonal principal (74,2 p.p.) e das células abaixo da diagonal principal (58,5 p.p.). Eles indicam o total de movimentos acima da diagonal principal e o total de movimentos abaixo da diagonal principal, independente da direção. Portanto, no caso hipotético em questão houve maior movimentação acima da diagonal principal. Pode-se representar as trocas ocorridas entre 1991 e 2000 também em termos percentuais. Para isso, utiliza-se a diferença em pontos percentuais (Quadro 2) como numerador e o percentual da categoria em questão no ponto inicial. No Quadro 3, por exemplo, o valor da C 12 é o resultado da razão entre 24,3 (valor da C 12 no Quadro 2) e o percentual da Categoria 1 em 1991 (27,2%, Quadro 1). Esse valor indica uma diferença de 89,5% entre a Categoria 2 em 2000 e a Categoria 1 em Intuitivamente, pode-se imaginar um movimento com origem na Categoria 1 e destino na Categoria 2 de forma que esta última obteve um crescimento de 89,5% especificamente devido a trocas entre essas duas categorias. A C 21, sua contraposição, apresentou um decrescimento de 32,4%, isto é, a Categoria 1, menor, diminui sua participação proporcional, em 2000, em relação à Categoria 2, intermediária. Em ambos os lados da diagonal principal o movimento foi ascendente O oposto ocorreu com as trocas entre as Categorias 1 e 3 e as Categorias 2 e 3. 6

7 QUADRO 3 Matriz de diferenças percentuais /00 cat1 cat2 cat3 cat cat cat MUDANÇA EM RELAÇÃO A QUÊ? Ao se mensurar as trocas ocorridas entre categorias em dois pontos no tempo, seja em pontos percentuais seja em termos percentuais, é necessário estabelecer o parâmetro, ou melhor, o padrão, pelo qual o conjunto dessas mudanças possa ser dimensionado. Um procedimento freqüente em estatística é comparar o padrão observado contra um padrão estimado sob alguma hipótese pertinente. Os procedimentos do teste chi-quadrado e suas extensões, os modelos log-lineares, pressupõem a não associação entre duas, ou mais, variáveis ao estimarem as freqüências de cada célula de uma tabela contra a qual será contraposta a tabela com as freqüências observadas. No caso deste trabalho, a hipótese aplicável é a da não-mudança, isto é, a manutenção, no segundo período, da mesma distribuição proporcional observada no primeiro período. O Quadro 4 apresenta essa situação hipotética na qual as diferenças entre 1991 e 2000 em pontos percentuais e, portanto, em termos percentuais, são nulas. QUADRO 4 Distribuição percentual sob a hipótese de NÃO-MUDANÇA, por categorias, em ordem ascendente, e diferenças em pontos percentuais (p.p.) e em percentual da Área X 1991/2000 Categoria Sócio-ocupacional Diferença (Cat) ("Origem") ("Destino") (Ordem ascendente) n % n % N p.p. % Total

8 A essa constância hipotética na distribuição percentual das categorias corresponde uma matriz quadrada de diferenças entre as categorias de origem e de destino. Como pode ser observado no Quadro 5, a diagonal principal é nula e as células acima da diagonal principal são a imagem espelhada das células abaixo da diagonal principal. Assim, a diferença expressa, em pontos percentuais, na C 12 é o oposto exato da diferença expressa na C 21. O mesmo se dá com C 13 e C 31 e com C 23 e a C 32. QUADRO 5 Matriz de diferenças , em pontos percentuais HIPÓTESE 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat Também neste caso é possível expressar as diferenças em termos percentuais. Basta que divida o valor de cada célula da matriz no Quadro 5 pelo percentual da categoria de origem, isto é, em 1991 (Quadro 1). Os resultados são apresentados no Quadro 6. QUADRO 6 Matriz de diferenças percentuais HIPÓTESE NÃO-MUDANÇA 1991/00 cat1 cat2 cat3 cat cat cat De posse da matriz quadrada das mudanças observadas, em pontos percentuais, na distribuição percentual entre 1991 e 2000 e da matriz quadrada sob a hipótese da nãomudança entre esses dois pontos no tempo, é possível calcular a mudança ocorrida tanto pontos percentuais (Quadro7) quanto em termos percentuais (Quadro 8). A matriz 8

9 quadrada apresentada no Quadro 7 fornece a diferença, em cada célula, das mudanças observadas entre 1991 e 2000, em pontos percentuais, na distribuição proporcional entre as categorias e das, por assim dizer, mudanças estimadas sob a hipótese de nãomudança. Observe-se que o valor das células da diagonal principal se reproduz nas células das respectivas colunas. QUADRO 7 Matriz de diferenças (p.p.) das diferenças (p.p.) MUDANÇA versus HIPÓTESE 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat A cat cat cat A É importante ter em mente que os valores da matriz do Quadro 7 expressam diferenças em pontos percentuais (das matrizes de diferenças observadas e estimadas) de diferenças (da subtração dos valores das células da primeira pelos valores das células da segunda matriz) também em pontos percentuais. Isso significa que a Categoria 1, por exemplo, aumentou em 7,2 unidades em relação a todas as categorias se comparada às diferenças em pontos percentuais estimadas sob a hipótese de não-mudança. Nesse aspecto, as células de cada coluna reproduzem a respectiva célula da diagonal principal da matriz quadrada apresentada no Quadro 2. A partir da matriz de diferenças das diferenças, no Quadro 7, é possível explorar a pertinência de dois indicadores. O primeiro (1A) é o somatório dos valores acima da diagonal principal (-15,0). Esse é o valor líquido das trocas de categorias menores para categorias maiores. Neste caso, significa que houve um decréscimo de 15 unidades de categorias maiores, em relação às categorias menores, ao se comparar as diferenças observadas às diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança. Esse valor é superior ao valor de -25,5 - obtido na matriz de diferenças observadas no Quadro 2. 9

10 O segundo indicador (2A) é dado pela razão entre diferença entre o somatório dos valores absolutos das células acima da diagonal principal e o somatório dos valores absolutos das células abaixo da diagonal principal (16,5 15,0) e a soma desses mesmos somatórios (16,5 + 15,0). Este indicador varia de -1 a 1. Valores positivos indicam a preponderância das diferenças das diferenças acima da diagonal principal. Valores negativos indicam o oposto. O valor zero indica diferenças das diferenças iguais acima e abaixo da diagonal principal. O aumento ou a diminuição das diferenças observadas em relação às diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança também podem ser expressas em termos percentuais. Basta subtrair as diferenças em termos percentuais da matriz de mudanças estimadas (Quadro 6) das diferenças em termos percentuais da matriz de mudanças observadas (Quadro 3). O resultado é a diferença, em pontos percentuais, de primeira ordem, das mudanças observadas (diferenças entre categorias em 2000 e 1991) em contraposição às diferenças entre categorias estimadas sob a hipótese de não-mudança, ou seja, mesma distribuição percentual em ambos os pontos no tempo. O Quadro 8 fornece a matriz com os resultados em termos percentuais e os dois indicadores descritos acima calculados a partir dessa informação. Ressalte-se que o valor do indicador (1B) obtido dessa forma (-41,8 p.p.) é inferior ao valor de -31,1 p.p. obtido na matriz de diferenças observadas (Quadro 3). Por outro lado, o indicador (2B) não deixa dúvidas de que, ao se contrapor as diferenças observadas às diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança, predominaram as forças abaixo da diagonal principal. A convergência da direção é dúbia ao se utilizar os indicadores (1A) e (2A). 10

11 QUADRO 8 Matriz de diferenças , em percentuais - MUDANÇA versus HIPÓTESE 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat B cat cat cat B MÍNIMOS E MÁXIMOS Uma última questão a ser explorada nestas notas metodológicas diz respeito aos valores máximos e mínimos que os dois indicadores discutidos podem assumir, tomando-se como ponto inicial a não-mudança, ou, mudança nula, isto é, a manutenção, no segundo período (2000, ou, destino ) da mesma distribuição percentual observada no primeiro período (1991, ou, origem ). Dois pontos importantes dessa extensa sentença devem ser frisados. Em primeiro lugar, cada área terá uma distribuição inicial particular, ou, de forma menos determinista, a chance de duas áreas apresentarem a mesma distribuição percentual entre categorias tende para zero. Isso significa que cada área terá uma distribuição não-mudança, isto é, cada área terá o seu próprio ponto de partida. Em segundo lugar, a partir da distribuição inicial, a mudança pode ser em direção à predominância de categorias maiores em relação às categorias menores os dois indicadores serão positivos ou ao contrário os dois indicadores serão negativos. Dada uma distribuição inicial, quais são os valores mínimos que os indicadores (1B) e (2B) podem assumir se a mudança for em direção às categorias menores? A resposta na hipótese de concentração na categoria mais baixa. O Quadro 9 fornece a distribuição inicial observada e a distribuição final sob esta hipótese, assim como as diferenças em pontos percentuais e em termos percentuais. 11

12 QUADRO 9 Distribuição percentual, por categorias, em ordem ascendente, e diferença em pontos percentuais (p.p.) e percentual da Área X sob a HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA / Categoria (Cat) Diferença ("Origem") ("Destino") (Ordem ascendente) n % n % n p.p. % Total Às distribuições inicial e final do Quadro 9, caso todos os elementos pertencessem à categoria menor ou mais baixa, corresponde uma matriz quadrada de diferenças, em pontos percentuais. O Quadro 10 apresenta essa matriz. QUADRO 10 Matriz de diferenças , em pontos percentuais HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat O Quadro 11 apresenta, em termos percentuais, a matriz de diferenças entre a distribuição na origem, 1991, e a distribuição final concentrada na caso todos os elementos pertencessem à categoria menor ou mais baixa. 12

13 QUADRO 11 Matriz de diferenças percentuais HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat De posse das informações da matriz de diferenças apresentada no Quadro 11 é possível estabelecer os valores mínimos e máximos para os indicadores (1B) e (2B). Para chegar aos valores mínimos diferenças em pontos percentuais que esses indicadores poderiam assumir a partir da distribuição de origem, 1991, observada, é necessário subtrair a matriz apresentada no Quadro 11 da matriz de diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança (Quadro 6). Dada a distribuição percentual por categorias de origem da Área X, a concentração na categoria menor no destino, 2000, implicaria em um decréscimo de 310,7 p.p. no conjunto das células acima da diagonal principal e de um valor de movimentação líquido de -0,389. Portanto, a partir do contraste entre a hipótese de concentração na categoria mais baixa e a hipótese de não-mudança, obtém-se os Limites Inferiores para os dois indicadores, 1LI = -310,7 p.p. e 2LI = -0,389. QUADRO 12 Matriz de diferenças em pontos percentuais - HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA versus HIPÓTESE de 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat LI cat cat cat LI O mesmo exercício hipotético aplicado à suposição de concentração na categoria mais alta leva à obtenção do valor 1LS, o Limite Superior do indicador (1B), 13

14 e à obtenção do valor 2LS, o Limite Superior do indicador (2B). Assim, a partir do contraste entre a hipótese de concentração na categoria mais alta e a hipótese de nãomudança, obtém-se os Limites Superiores dos indicadores, 1LS = 253,5 p.p. e 2LS = 0,211. Sobre esses procedimentos para a obtenção de valores máximos e mínimos, duas ressalvas e uma observação devem ser feitas. A primeira ressalva é a de que esses limites são variáveis, pois dependem da distribuição inicial observada em cada área analisada. Ressalve-se, em segundo lugar, que o indicador (2B) observado não respeita o seu limite inferior (2LI). Isso pelo fato de que, ainda que a trajetória para a concentração total é a de maior movimentação absoluta, ela não é necessariamente a trajetória que implica em maior distância entre o somatório das diferenças acima e abaixo da diagonal principal. Há situações, porém, em que o indicador (1B) pode ser igual para duas áreas distintas. Nesses casos extremos, o indicador (2B) diferenciaria o rumo das mudanças nessas duas áreas. Por fim, é necessário observar que o limites utilizados devem corresponder à direção da diferença líquida em pontos percentuais. Os limites inferiores são os parâmetros apropriados nos casos em que os indicadores são negativos e os limites superiores são os parâmetros apropriados nos casos em que os indicadores são positivos. ÍNDICE DE MUDANÇA DA COMPOSIÇÃO PROPORCIONAL ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO E SÍNTESE DOS PROCEDIMENTOS Tomando-se (1B) a diferença, em pontos percentuais, entre o somatório das diferenças percentuais observadas das células acima da diagonal principal entre 2000 e 1991 e o somatório das diferenças estimadas das células acima da diagonal principal sob a hipótese de não-mudança como numerador e o valor absoluto do limite inferior correspondente, 1LI, como denominador, obtém um indicador cujo valor máximo é 0 mudança nula e o valor mínimo, -1 indicando concentração total na categoria mais baixa. No caso do exemplo utilizado nestas notas, o Índice de Mudança na distribuição percentual da população ocupada segundo as categorias sócio-ocupacionais na Área X, entre o período inicial t 0 e o período final t 1 será dado por: 14

15 IMS X,t1-t0 = 1B/1LI = (-41,8/310,7) = -0,135 Analogamente, caso o indicador (1B) seja positivo, o IMS X,t1-t0 é dado por: IMS X,t1-t0 = 1B/1LS com valor máximo 1 e valor mínimo 0. Na prática, a estimação do Índice de Mudança Sócio-ocupacional (IMS) discutido nestas notas implica: 1) Ordenação ascendente, da categoria menor para a categoria maior, das distribuições percentuais por categoria no período inicial e no período final; 2) Construção da matriz de diferenças percentuais observadas entre as distribuições percentuais por categoria no segundo e no primeiro período QUADRO 3; 3) Construção da matriz de diferenças percentuais observadas entre as distribuições percentuais por categoria no segundo e no primeiro período, sob a hipótese de não-mudança QUADRO 6; 4) Cálculo da matriz de diferenças em pontos percentuais resultado da subtração da matriz Quadro 3 da matriz Quadro 6 QUADRO 8; 5) Estimação dos indicadores (1B) e (2B) QUADRO 8, sendo o primeiro o resultado do somatório das células acima da diagonal principal nas quais a linha i é menor que a célula j, ou, 1B = ΣC i<j O indicador (2B) é dado por: 2B abs( C abs( C i j i j ) ) abs( C abs( C i j i j ) ) 15

16 6) Construção da matriz de diferenças percentuais observadas entre as distribuições percentuais por categoria no segundo período, sob a hipótese de concentração na categoria mais baixa ou mais alta, dependendo do sinal do indicador (1B) e no primeiro período QUADRO 11; 7) Analogamente ao item 4, realizar o cálculo da matriz de diferenças em pontos percentuais resultado da subtração da matriz Quadro 11 (hipótese de concentração na categoria mais baixa, ou mais alta) da matriz apresentada Quadro 6 (hipótese de não mudança) QUADRO 12; 8) Analogamente ao item 5, executar a estimação dos limites inferiores (1LI) e (2LI) QUADRO 12 dos dois indicadores em questão, caso o indicador (1B) obtido seja negativo. No caso do indicador (1B) ser positivo, deve-se estimar os limites superiores; 9) Calcular o Índice de Mudança sócio-ocupacional da Área X entre t 0 e t 1, dado por: IMS X, t1 t 0 ( Diferenças ( Diferenças t1 t 0 t1 t 0 C C i j i j ) ) Observado Concentração* ( Diferenças t1 t 0 ( Diferenças C t1 t 0 i j C ) i j Não mudança ) Não mudança 1B 1L * onde o asterisco indica a possibilidade de usar o valor do limite inferior se (1B) negativo ou o valor do limite superior se (1B) for positivo. Assim, o IMS é definido no intervalo entre -1 e 1. EXERCÍCIO EMPÍRICO: UNIDADES ESPACIAIS HOMOGÊNEAS (UEH) DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE (RMBH) EM 1991 E 2000 Empregou-se, no exercício realizado nesta seção, as categorias sócioocupacionais utilizadas por Mendonça (2008), em sua análise sobre a estrutura socioespacial na RMBH. O Quadro 13 apresenta, em ordem crescente, da mais baixa 16

17 para a mais alta, uma proposta preliminar de hierarquização das categorias sócioocupacionais. Uma hierarquização aderente aos critérios de qualidade da inserção ocupacional utilizados na criação das categorias é tarefa a ser empreendida futuramente. A diminuição do número de categorias deve ser avaliada criteriosamente, uma vez que tal procedimento torna o índice menos volátil, devido a freqüências nulas ou unitárias, principalmente nas três últimas categorias. Num. Ordem QUADRO 13 Ordem Ascendente das Categorias Sócio-ocupacionais (CAT) Código da CAT Denominação da CAT 1 C10 Trabalhadores Agrícolas 2 C823 Ambulantes e Biscateiros 3 C81 Trabalhadores Domésticos 4 C74 Operários da Construção Civil 5 C63 Prestadores de Serviços Não Especializados 6 C72 Trabalhadores da Indústria Tradicional 7 C73 Operários dos Serviços Auxiliares 8 C71 Trabalhadores da Indústria Moderna 9 C61 Trabalhadores do Comércio 10 C62 Prestadores de Serviços Especializados 11 C55 Ocupações de Segurança Pública, Justiça e Correios 12 C51 Ocupações de Escritório 13 C54 Ocupações Médias da Saúde e Educação 14 C53 Ocupações Técnicas 15 C52 Ocupações de Supervisão 16 C32 Ocupações Artísticas, Artesãos e Similares 17 C31 Pequenos Empregadores 18 C41 Profissionais Autônomos de Nível Superior 19 C42 Profissionais Empregados de Nível Superior 20 C44 Professores de Nível Superior 21 C43 Profissionais Estatutários de Nível Superior 22 C23 Dirigentes do Setor Privado 23 C22 Dirigentes do Setor Público 24 C21 Grandes Empregadores O Quadro 14 traz as denominações, em 1991 e 2000, de cinco UEH selecionadas. Apresenta, também, o Índice de Mudança Sócio-ocupacional entre 1991 e 2000 (IMS ) dessas áreas e a participação percentual da primeira metade das categorias sócio-ocupacionais as doze categorias mais baixas em 1991 e As informações apresentadas no Quadro 14 merecem um exame mais meticuloso, que 17

Tendências na organização social do território das metrópoles

Tendências na organização social do território das metrópoles Tendências na organização social do território das metrópoles UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL INSTITUTOS DO MILÊNIO PROJETO: Observatório das

Leia mais

Este texto tem por finalidade expor alguns resultados da pesquisa Desigualdades

Este texto tem por finalidade expor alguns resultados da pesquisa Desigualdades 307 Tipologia sócio-espacial de Porto Alegre 1980-91: diferenciações sócio- -ocupacionais e desigualdades sociais entre os espaços da cidade* Tanya M. de Barcellos** Rosetta Mammarella*** Mirian Regina

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

Da hierarquia de classes à organização social do espaço intra-urbano: comparação entre quatro metrópoles brasileiras

Da hierarquia de classes à organização social do espaço intra-urbano: comparação entre quatro metrópoles brasileiras Da hierarquia de classes à organização social do espaço intra-urbano: comparação entre quatro metrópoles brasileiras Luciana Corrêa do Lago 1 Rosetta Mammarella 2 RESUMO Este artigo analisa as grandes

Leia mais

Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina

Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina Jupira Gomes de Mendonça * Resumo A autora estuda as mudanças no perfil habitacional de Belo Horizonte

Leia mais

Dinâmica intra-metropolitana e organização social dos territórios na região metropolitana de São Paulo

Dinâmica intra-metropolitana e organização social dos territórios na região metropolitana de São Paulo ÁREA TEMÁTICA: Cidades, Campos e Território Dinâmica intra-metropolitana e organização social dos territórios na região metropolitana de São Paulo BÓGUS, Lucia Maria Machado Doutora em Planejamento Urbano

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

Segregação Residencial e Mercado de Trabalho nos Grandes Espaços Urbanos Brasileiros:

Segregação Residencial e Mercado de Trabalho nos Grandes Espaços Urbanos Brasileiros: Equipe de Trabalho Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Filipe Souza Corrêa Equipe de Apoio Aline Schindler Arthur Felipe Molina Moreira Marcelo Gomes Ribeiro Thiago Gilibert Bersot

Leia mais

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 *

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 * OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES CNPq/INCT Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo no Censo 2010 * Jupira Mendonça ** André Junqueira Caetano *** 1. INTRODUÇÃO O estado de Minas Gerais, um dos maiores

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

São Paulo: transformações recentes na estrutura urbana

São Paulo: transformações recentes na estrutura urbana São Paulo: transformações recentes na estrutura urbana Região Metropolitana de São Paulo : população, área, evolução Questões norteadoras do estudo Década de 80: Década de 90: visão geral da década economia

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades Bernardo L. Queiroz Departamento de Demografia CEDEPLAR/UFMG O ESPAÇO METROPOLITANO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL Referências

Leia mais

O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)

O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) O IBEU da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) Rejane de Oliveira Nazário 1 Com o intuito de investigar a condição urbana de vida nas metrópoles brasileiras, a equipe de pesquisadores do Observatório

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DO FÓRUM METROPOLITANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE A QUESTÃO METROPOLITANA: problemas comuns, soluções compartilhadas INTRODUÇÃO A QUESTÃO METROPOLITANA: um desafio

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Mudanças na estrutura sócio-ocupacional das metrópoles brasileiras, 1991-2000

Mudanças na estrutura sócio-ocupacional das metrópoles brasileiras, 1991-2000 Mudanças na estrutura sócio-ocupacional das metrópoles brasileiras, 1991-2000 Changes in the socio-occupational structure of the Brazilian metropolises, 1991-2000 Suzana Pasternak Resumo O trabalho apresenta

Leia mais

!"#!##$#%&''$ Rosetta Mammarella** Tanya M. de Barcellos*** Mirian Regina Koch****

!#!##$#%&''$ Rosetta Mammarella** Tanya M. de Barcellos*** Mirian Regina Koch**** !"#!##$#%&''$ Rosetta Mammarella** Tanya M. de Barcellos*** Mirian Regina Koch**** A problemática social das grandes metrópoles brasileiras tem sido amplamente focalizada no âmbito dos estudos acadêmicos

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Segregação residencial e emprego nos grandes espaços urbanos brasileiros

Segregação residencial e emprego nos grandes espaços urbanos brasileiros Segregação residencial e emprego nos grandes espaços urbanos brasileiros Residential segregation and employment in large Brazilian urban spaces Luiz César de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Filipe

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL

DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL ESTUDO DETERMINANTES DA VIOLÊNCIA NO BRASIL Luciana da Silva Teixeira Consultora Legislativa da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional ESTUDO NOVEMBRO/2004

Leia mais

Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1

Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1 Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1 Eduardo Cesar Marques Haroldo da Gama Torres Esse artigo apresenta informações sobre pobreza e segregação em São Paulo em período

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação

AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação 1 AULAS 11 E 12 Dos objetivos aos indicadores da avaliação Ernesto F. L. Amaral 14 e 26 de abril de 2011 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação

Leia mais

EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013)

EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013) OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia EVOLUÇÃO DA FROTA DE AUTOMÓVEIS E MOTOS NO BRASIL 2001 2012 (Relatório 2013) Coordenação Nacional do Observatório das Metrópoles:

Leia mais

XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. Título: UMA ANÁLISE DO MOVIMENTO PENDULAR NA DEFINIÇÃO DA ESPACIALIDADE TERRITORIAL E SOCIAL NA RMNATAL.

XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR. Título: UMA ANÁLISE DO MOVIMENTO PENDULAR NA DEFINIÇÃO DA ESPACIALIDADE TERRITORIAL E SOCIAL NA RMNATAL. XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR Título: UMA ANÁLISE DO MOVIMENTO PENDULAR NA DEFINIÇÃO DA ESPACIALIDADE TERRITORIAL E SOCIAL NA RMNATAL. Autor: Zoraide Souza Pessoa, Mestre em Ciências Sociais. Instituição:

Leia mais

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010)

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010) Paraná Em, no estado do Paraná (PR), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,5%, 786,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 399 municípios, dos quais 23

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS

ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS ELABORAÇÃO DO BANCO DE METODOLOGIAS DE INDICADORES MUNICIPAIS Maria Inês Pedrosa Nahas Pesquisadora do IDHS/PUC Minas No período entre janeiro a agosto de 2005, organizamos para o Ministério das Cidades

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

A Escolaridade Recente no Município de Belo Horizonte: Uma Abordagem Intra-Municipal

A Escolaridade Recente no Município de Belo Horizonte: Uma Abordagem Intra-Municipal A Escolaridade Recente no Município de Belo Horizonte: Uma Abordagem Intra-Municipal Autores: Járvis Campos José Irineu Rangel Rigotti ** Arthur Felipe Feuchard Linhares Ceraso *** Palavras-Chave: População;

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL NAS METRÓPOLES E DESIGUALDADE NO MERCADO DE TRABALHO: COR/RAÇA E ESCOLARIDADE

SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL NAS METRÓPOLES E DESIGUALDADE NO MERCADO DE TRABALHO: COR/RAÇA E ESCOLARIDADE SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL NAS METRÓPOLES E DESIGUALDADE NO MERCADO DE TRABALHO: COR/RAÇA E ESCOLARIDADE Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes Ribeiro Fiilipe Souza Corrêa Juciano Martins Rodrigues 1.

Leia mais

Desigualdades Sócio-espaciais e Exclusão na Metrópole de São Paulo

Desigualdades Sócio-espaciais e Exclusão na Metrópole de São Paulo Desigualdades Sócio-espaciais e Exclusão na Metrópole de São Paulo Lucia Maria M. Bógus PUC/SP Suzana Pasternak FAU/USP 1. Introdução 2. Modelo teórico metodológico 3. As categorias sócio-ocupacionais:

Leia mais

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1

As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 P á g i n a 1 As Metrópoles no Censo 2010: novas tendências? 1 Os primeiros resultados do Censo 2010 já permitem algumas reflexões sobre mudanças e permanências da posição das metrópoles na rede urbana

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS.

A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. A CONSOLIDAÇÃO DO PROCESSO DE SEGREGAÇÃO SOCIOESPACIAL E A PERIFERIZAÇÃO DA MORADIA DAS CAMADAS POPULARES, NA ÁREA CONURBADA DE FLORIANÓPOLIS. Eixo Temático: Políticas públicas, demandas sociais e a questão

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

62ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC NATAL, 28 DE JULHO DE 2010

62ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC NATAL, 28 DE JULHO DE 2010 62ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC NATAL, 28 DE JULHO DE 2010 Mesa Redonda: OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: HISTÓRIA E RESULTADOS DE UMA PESQUISA NACIONAL EM REDE Organização social do espaço intraurbano: comparação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Seminário "Região Metropolitana de São Paulo: dinâmicas sócio-espaciais e políticas públicas" Observatório das Metrópoles- São Paulo 29 e 30 de Outubro - sala 117-A PUC-SP PROGRAMA Dia 29 de Outubro das

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE PESQUISA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO NAVEGANTES 2009 2010 TERMO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA SÃO TECNICAMENTE RESPONSÁVEIS PELOS RESULTADOS APRESENTADOS NESTE RELATÓRIO

Leia mais

Os Jovens e as Desigualdades Sócio-Espaciais no Município do Rio de Janeiro

Os Jovens e as Desigualdades Sócio-Espaciais no Município do Rio de Janeiro Os Jovens e as Desigualdades Sócio-Espaciais no Município do Rio de Janeiro Francisco Costa Benedicto Ottoni Palavras-chave: População Jovem; Desigualdade sócio-espacial; mercado de trabalho; Rio de Janeiro.

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Análise dos dados da PINTEC 2011. Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15

Análise dos dados da PINTEC 2011. Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15 Análise dos dados da PINTEC 2011 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante Nº 15 Brasília, dezembro de 2013 Análise dos dados da Pintec 2011 Fernanda De Negri ** Luiz Ricardo Cavalcante ** 1 Introdução

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

ESTRUTURA SÓCIO-OCUPACIONAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: DELINEANDO TENDÊNCIAS

ESTRUTURA SÓCIO-OCUPACIONAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: DELINEANDO TENDÊNCIAS ESTRUTURA SÓCIO-OCUPACIONAL NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: DELINEANDO TENDÊNCIAS Paulo Roberto Delgado 1 Marley V. Deschamps 2 RESUMO O presente artigo apresenta uma análise da estrutura social da

Leia mais

4 Conclusões. 4.1 Da Análise Exploratória

4 Conclusões. 4.1 Da Análise Exploratória 4 Conclusões Neste capítulo iremos apresentar as conclusões acerca da pesquisa realizada, ressaltando os principais resultados obtidos e o que de mais valioso encontramos, em termos das informações que

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014

Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 Panorama do Saneamento Básico no Brasil: situação em 2008 e os investimentos previstos para a Copa do Mundo de 2014 INTRODUÇÃO Reconhecendo a importância da oferta de saneamento para a melhoria da infraestrutura

Leia mais

A PERIFERIZAÇÃO DA RIQUEZA NA METRÓPOLE BELO-HORIZONTINA: FALSA HIPÓTESE?

A PERIFERIZAÇÃO DA RIQUEZA NA METRÓPOLE BELO-HORIZONTINA: FALSA HIPÓTESE? A PERIFERIZAÇÃO DA RIQUEZA NA METRÓPOLE BELO-HORIZONTINA: FALSA HIPÓTESE? Jupira Gomes de Mendonça Professora no Núcleo de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Escola de Arquitetura/UFMG Ignez Helena

Leia mais

Parte III Indicadores alternativos de educação

Parte III Indicadores alternativos de educação Parte III Indicadores alternativos de educação Capítulo 1 O método Probabilidade de Progressão por Série Eduardo Luiz Gonçalves Rios-Neto Capítulo 2 Modelo Profluxo e indicadores derivados André Braz Golgher

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

EXPANSÃO URBANA DE BELO HORIZONTE E DA RMBH: A MOBILIDADE RESIDENCIAL E O PROCESSO DE PERIFERIZAÇÃO, NOS ANOS 80 E 90 1

EXPANSÃO URBANA DE BELO HORIZONTE E DA RMBH: A MOBILIDADE RESIDENCIAL E O PROCESSO DE PERIFERIZAÇÃO, NOS ANOS 80 E 90 1 EXPANSÃO URBANA DE BELO HORIZONTE E DA RMBH: A MOBILIDADE RESIDENCIAL E O PROCESSO DE PERIFERIZAÇÃO, NOS ANOS 80 E 90 1 Joseane de Souza 2 Fausto Brito 3 Resumo: O objetivo desse artigo é analisar os processos

Leia mais

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 21/211 Observatório das Metrópoles Elaboração: Juciano Martins Rodrigues Doutor em Urbanismo (PROURB/UFRJ), Pesquisador do INCT

Leia mais

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 24 setembro de 2006. A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 24 setembro de 2006 A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos A ocupação dos jovens nos mercados de trabalho metropolitanos No Brasil, as profundas transformações pelas quais

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Sistemas de Numeração. 1 Arquitetura de Computadores ARQUITETURA DE COMPUTADORES Sistemas de Numeração 1 Sistemas de Numeração e Conversão de Base Sistema Decimal É o nosso sistema natural. Dígitos 0,1,2,3,4,5,6,7,8 e 9. Números superiores a 9; convencionamos

Leia mais

MOBILIDADE SOCIAL NO RIO DE JANEIRO

MOBILIDADE SOCIAL NO RIO DE JANEIRO MOBILIDADE SOCIAL NO RIO DE JANEIRO Valéria Pero 1 Introdução A sociedade brasileira apresenta o aparente paradoxo de conviver com uma elevada desigualdade socioeconômica e muita mobilidade social intergeracional.

Leia mais

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli

DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli DURATION - AVALIANDO O RISCO DE MUDANÇA NAS TAXAS DE JUROS - PARTE lli! Entendendo melhor a duração modificada! Como utilizar a duração modificada?! O que é imunização?! Qual o efeito da mudança do cupom

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Mercado Imobiliário Residencial e Expansão Urbana em Belo Horizonte

Mercado Imobiliário Residencial e Expansão Urbana em Belo Horizonte Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Arquitetura Departamento de Urbanismo Laboratório de Estudos Urbanos e Metropolitanos (LAB-URB) Mercado Imobiliário Residencial e Expansão Urbana em Belo

Leia mais

COR, STATUS E SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL EM BELO HORIZONTE:

COR, STATUS E SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL EM BELO HORIZONTE: COR, STATUS E SEGREGAÇÃO RESIDENCIAL EM BELO HORIZONTE: NOTAS EXPLORATÓRIAS Carolina Souza Ribeiro da Costa (Mestrado - IPPUR/URFJ) Luiz César de Queiroz Ribeiro (Professor IPPUR/UFRJ e Coordenador Observatórios

Leia mais

MERCADO IMOBILIÁRIO E ESTRUTURAÇÃO DO ESPAÇO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

MERCADO IMOBILIÁRIO E ESTRUTURAÇÃO DO ESPAÇO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA MERCADO IMOBILIÁRIO E ESTRUTURAÇÃO DO ESPAÇO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA LINHA II Dimensão socioespacial da exclusão/integração nas metrópoles: estudos comparativos COORDENAÇÃO Profa. Dra. Gislene

Leia mais

As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras

As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras Paulo Cesar de Holanda Furtado; Izabel Cristina Alcantara de Souza; Ronei Marcos de Moraes Resumo Divulga-se que o período de maior incidência

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR Teoria do Orbital Molecular - Prof. J. D. Ayala - 1 - TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR ORBITAIS NAS MOLÉCULAS A teoria dos orbitais moleculares (MO) constitui uma alternativa para se ter uma visão da ligação.

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

DMI-VivaReal. Dados do Mercado Imobiliário 2013

DMI-VivaReal. Dados do Mercado Imobiliário 2013 DMI-VivaReal Dados do Mercado Imobiliário 2013 Dados do Mercado Imobiliário 2013 Sumário Metodologia 7 Contexto da Macroeconomia Brasileira 10 Dados do Mercado Imobiliário no Brasil em 2013 12 São Paulo

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE

EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE EVIDÊNCIAS BASEADAS EM PESQUISAS DOMICILIARES DO IBGE BRASIL Dinâmica demográfica Refletindo tendências demográficas delineadas há algumas décadas, a população brasileira cresceu a uma taxa anual estimada

Leia mais

- Avaliação e proposta de espectro de resposta cinemática para tornados.

- Avaliação e proposta de espectro de resposta cinemática para tornados. 5 Desenvolvimento Analisam-se os efeitos da pressão direta de vento resultante da incidência do tornado descrito na seção.1 nas estruturas reticuladas prismáticas de alturas, 6 e 1 m, descritas em., utilizando-se

Leia mais

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 revela um número menor de habitantes do que se esperava e mostra um maior consumo per capita de carnes. Luciano

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

DINÂMICA IMOBILIÁRIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: O MERCADO FORMAL E INFORMAL E A ESTRUTURAÇÃO DA METRÓPOLE

DINÂMICA IMOBILIÁRIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: O MERCADO FORMAL E INFORMAL E A ESTRUTURAÇÃO DA METRÓPOLE DINÂMICA IMOBILIÁRIA NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA: O MERCADO FORMAL E INFORMAL E A ESTRUTURAÇÃO DA METRÓPOLE Profª. Drª. Gislene Pereira 1 Profª. Msc. Madianita Nunes da Silva 2 O trabalho procura

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais