MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES"

Transcrição

1 MENSURAÇÃO DO GRAU DE MUDANÇA SÓCIO-OCUPACIONAL NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO: NOTAS METODOLÓGICAS PRELIMINARES André Junqueira Caetano * Jupira Gomes de Mendonça ** Julimar Santos Pinto *** INTRODUÇÃO A rede de pesquisas Observatório das Metrópoles tem desenvolvido metodologia para classificar e analisar a estrutura socioespacial das metrópoles brasileiras. Com base na variável ocupação dos censos demográficos, com filtros de posição na ocupação, renda e escolaridade, foi possível construir uma hierarquia de categorias sócioocupacionais representativa da sociedade brasileira agrupamentos que representam posições sociais ou classes de posições sociais com certa homogeneidade social, formando distintos grupos socialmente re-conhecidos passível de verificação nas diversas regiões metropolitanas e, portanto, comparável espacial e temporalmente 1. Através de técnicas de análise fatorial por correspondência binária e de classificação hierárquica ascendente, é possível identificar a regularidade da representação das categorias sócio-ocupacionais no território de cada região metropolitana. O método permite verificar a distribuição das categorias sócio-ocupacionais no espaço metropolitano e a sua representação em cada unidade espacial, identificando espaços com forte homogeneidade interna e heterogêneos entre si 2. * Professor no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais/PUC Minas; pesquisador do Cedeplar/UFMG. ** Professora no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo/UFMG; pesquisadora CNPq; pesquisadora Fapemig. *** Mestrando em Ciências Sociais/PUC Minas. 1 Como referência, foi utilizado o sistema de classificação de profissões na França, adotado pelo Institut National d Économie et Statistique (INSEE). O primeiro trabalho comparativo foi para Paris e o Rio de Janeiro (PRETECEILLE, E.; RIBEIRO, L.C.Q., 1998). 2 Os distintos agrupamentos vivem e convivem no espaço metropolitano, com oportunidades desiguais de apropriação desse espaço e de seus benefícios. Encontrar a sua representação territorial permite, pois, identificar o grau de segregação social presente nesse espaço. 1

2 Desta maneira, foi possível construir tipologias, como instrumento para classificar o território metropolitano, segundo as posições sociais relativas, em uma hierarquia socioespacial. O estudo da localização espacial das diversas categorias sócioocupacionais, abrangendo a densidade de sua representação em cada lugar e a composição das representações das diversas categorias, permite observar a intensidade do processo de segregação nas metrópoles. Os resultados apresentam, para cada região metropolitana estudada, a estrutura socioespacial em determinados pontos do tempo, ou seja, aqueles dados pelo censo demográfico, a cada década. A partir da comparação entre dois ou mais pontos no tempo, tem-se buscado identificar as transformações ocorridas, as quais tem sido explicadas por diversas abordagens (mobilidade residencial, dinâmica imobiliária, etc.) 3. Propõe-se, como passo adiante na metodologia elaborada, desenvolver um indicador do grau das transformações socioespaciais, ou seja, a intensidade das mudanças nas diversas áreas das regiões metropolitanas, dadas por alterações na sua composição sócio-ocupacional. Este trabalho apresenta os fundamentos da metodologia de construção do indicador ainda em andamento, bem como os primeiros ensaios, realizados a partir das categorias sócio-ocupacionais da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), em 1991 e em O objetivo, neste momento, é colocar em discussão esses fundamentos, de modo a avançar na construção do indicador. A primeira seção apresenta o desenvolvimento da lógica da construção do indicador, de modo que, posteriormente, possamos discutir o significado dos achados. A segunda seção estabelece o parâmetro de comparação para a observação da mudança na composição proporcional das categorias sócio-ocupacionais entre os dois pontos no tempo. A terceira seção estabelece os valores mínimos e máximos que o indicador de mudança (percentual) pode alcançar nos casos extremos de concentração, na categoria mais baixa (mínimo) ou mais alta (máximo). A quarta seção apresenta o Índice de Mudança Sócio-ocupacional (IMS) em uma dada área entre o tempo inicial e o tempo final. Finalmente, a penúltima seção, antes das considerações finais, apresenta um 3 Ver, entre outros, Mendonça (2002); Mendonça; Godinho (2003); Andrade et. al. (2008); Bernal (2004); Moura; Firkowki (2009); Pasternak (2004) 2

3 exercício empírico com cinco unidades espaciais da Região Metropolitana de Belo Horizonte, escolhidas de modo a se ter representação de uma grande mudança na composição sócio-ocupacional (a partir das denominações utilizadas por Mendonça, 2008), assim como de mudanças ascendentes e descendentes. OBSERVAÇÕES SOBRE AS DIFERENÇAS ENTRE AS DISTRIBUIÇÕES PROPORCIONAIS POR CATEGORIA SÓCIO- OCUPACIONAL EM DOIS PONTOS NO TEMPO A idéia inicial foi a de utilizar os métodos empregados nas análises de origem e destino em migração, no âmbito da demografia, e de mobilidade social, na sociologia. Nesses casos, uma tabela de dupla entrada com igual número de categorias nas linhas e nas colunas uma matriz quadrada aloca freqüências de indivíduos ou eventos de forma que a esse número correspondam um município de origem e um município de destino ou a escolaridade dos pais e a escolaridade dos filhos. O caso da estrutura sócioocupacional das áreas que compõem uma região metropolitana em dois pontos no tempo não permite que essa metodologia seja aplicada, pois as estruturas são independentes uma da outra e não é possível construir uma matriz quadrada. No entanto, este pode ser um ponto de partida. O Quadro 1 apresenta uma composição hipotética, em três categorias ordenadas da menor para a maior, de uma determinada área, em 1991 e QUADRO 1 Distribuição percentual por categorias, em ordem ascendente, e diferenças em pontos percentuais (p.p.) e em percentual da Área X / Categoria (Cat) Diferença ("Origem") ("Destino") (Ordem ascendente) n % n % n p.p. % Total

4 Note-se que a única informação comum aos dois períodos que podem ser organizadas em uma matriz quadrada é a diferença, em pontos percentuais ou em percentual, entre a proporção de uma dada categoria em 2000 subtraída da proporção dessa mesma categoria em Assim, a diferença do percentual da categoria 1 em 2000 e em 1991 é de 7,16 pontos percentuais, o que representa um aumento de 26,3% dessa categoria entre 1991 e Deve-se observar que, em pontos percentuais, a soma da diferença entre 1991 e 2000 de todas as categorias será sempre nula, ao passo que a soma do (de)crescimento percentual indica o resultado líquido das mudanças ocorridas na composição, por categorias, da área em questão. Nesse aspecto, observa-se que a Categoria 3 teve um decréscimo de 35,8% entre 1991 e 2000, ao passo que a Categoria 1 teve um crescimento de 26,3%. Consequentemente, a categoria maior perdeu participação para as duas categorias menores de tal forma que o efeito das mudanças foi negativo. Houve, portanto, um aumento proporcional da participação das categorias menores. Em uma matriz quadrada, a diferença, em pontos percentuais, entre 1991 e 2000 de cada categoria forma a diagonal principal. O Quadro 2 apresenta a matriz quadrada com as diferenças, em pontos percentuais, relativas às freqüências em cada categoria em 1991 e 2000 apresentadas no Quadro 1, isto é, o percentual em 2000 de uma dada categoria subtraído do percentual em 1991 dessa mesma categoria. QUADRO 2 Matriz de diferenças , em pontos percentuais 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat As células fora da diagonal principal apresentam a diferença entre a categoria na coluna (2000 ou destino ) e a categoria na linha (1991 ou origem ). Assim a célula localizada na interseção da linha 1 com a coluna 2, doravante chamada C 11 é formada pela diferença entre o percentual na Categoria 2 em 2000 e o percentual na Categoria 1 4

5 em Para tornar mais intuitiva essa informação, pode-se tomá-la como um movimento, ou seja, o número de pontos percentuais que passaram da Categoria 1, em 1991, para a Categoria 2, em Como as categorias estão dispostas em ordem crescente, pode-se intuir que houve um movimento ascendente nesse caso. O valor negativo na C 13 indica que as trocas entre a Categoria 1 e a Categoria 3 no período implicaram em uma perda de 13,1 p.p. da categoria maior para a categoria menor. A C 23 apresenta um valor de -36,7 p.p., também indicando uma queda da categoria maior para a categoria intermediária no período. É importante ressaltar que todas as células acima da diagonal principal indicam movimentos de categorias menores em 1991 para categorias maiores em Por esse motivo, o sinal, nas células acima da diagonal principal, indica a direção do fluxo. As células abaixo da diagonal principal envolvem as diferenças entre categorias menores e categorias maiores. Assim, o sinal, nessas células, indica a direção oposta do fluxo. Por exemplo, a C 21 apresenta o valor de -16,5 pontos percentuais. Isso significa que a Categoria 1, em 2000, deixou de ganhar essa quantidade da Categoria 2, em 1991, isto é, a categoria menor apresentou uma queda em relação à categoria intermediária no período. Por outro lado, o sinal positivo, como é o caso das C 31 e C 32, indica um movimento descendente, ou seja, que as Categorias 1 e 2 apresentaram crescimento às expensas da categoria maior. Cabe frisar que cada célula da diagonal principal é composta pela soma dos valores das células da linha e da coluna que a localiza dividido pelo número de categorias (K) menos 2 dois. Assim, o valor de C 11, por exemplo, é dado por: C 11 = (C 12 + C 13 + C 21 + C 22 )/(3-2) = C 12 + C 13 + C 21 + C 22 Assim como os valores da diagonal principal se anulam, como visto anteriormente, o somatório dos valores das células acima da diagonal principal é o oposto do somatório dos valores das células abaixo da diagonal principal: 25,5 e -25,5 p.p., respectivamente. Entretanto, ambos indicam o mesmo resultado líquido de todas as trocas ocorridas entre as categorias no período , qual seja, no conjunto a distribuição teve um decréscimo de 25,5 pontos percentuais das categorias maiores 5

6 em relação às categorias menores. Ocorre que este número variará de área para área, dependendo de cada distribuição inicial, sem que se possa ancorá-lo em parâmetros que indiquem claramente o que é mais e o que é menos, o quanto mais e o quanto menos. Ainda em referência ao Quadro 2, pode-se dizer que uma aba é o espelho da outra, pois cada célula acima da diagonal principal é contraposta por uma célula abaixo da diagonal principal. Assim é que a C 12 é contrapesada pela C 21, a C 13 pela C 31 e a C 23 pela C 32. Os números em rosa no Quadro 2 são os resultados da soma dos valores absolutos das células acima da diagonal principal (74,2 p.p.) e das células abaixo da diagonal principal (58,5 p.p.). Eles indicam o total de movimentos acima da diagonal principal e o total de movimentos abaixo da diagonal principal, independente da direção. Portanto, no caso hipotético em questão houve maior movimentação acima da diagonal principal. Pode-se representar as trocas ocorridas entre 1991 e 2000 também em termos percentuais. Para isso, utiliza-se a diferença em pontos percentuais (Quadro 2) como numerador e o percentual da categoria em questão no ponto inicial. No Quadro 3, por exemplo, o valor da C 12 é o resultado da razão entre 24,3 (valor da C 12 no Quadro 2) e o percentual da Categoria 1 em 1991 (27,2%, Quadro 1). Esse valor indica uma diferença de 89,5% entre a Categoria 2 em 2000 e a Categoria 1 em Intuitivamente, pode-se imaginar um movimento com origem na Categoria 1 e destino na Categoria 2 de forma que esta última obteve um crescimento de 89,5% especificamente devido a trocas entre essas duas categorias. A C 21, sua contraposição, apresentou um decrescimento de 32,4%, isto é, a Categoria 1, menor, diminui sua participação proporcional, em 2000, em relação à Categoria 2, intermediária. Em ambos os lados da diagonal principal o movimento foi ascendente O oposto ocorreu com as trocas entre as Categorias 1 e 3 e as Categorias 2 e 3. 6

7 QUADRO 3 Matriz de diferenças percentuais /00 cat1 cat2 cat3 cat cat cat MUDANÇA EM RELAÇÃO A QUÊ? Ao se mensurar as trocas ocorridas entre categorias em dois pontos no tempo, seja em pontos percentuais seja em termos percentuais, é necessário estabelecer o parâmetro, ou melhor, o padrão, pelo qual o conjunto dessas mudanças possa ser dimensionado. Um procedimento freqüente em estatística é comparar o padrão observado contra um padrão estimado sob alguma hipótese pertinente. Os procedimentos do teste chi-quadrado e suas extensões, os modelos log-lineares, pressupõem a não associação entre duas, ou mais, variáveis ao estimarem as freqüências de cada célula de uma tabela contra a qual será contraposta a tabela com as freqüências observadas. No caso deste trabalho, a hipótese aplicável é a da não-mudança, isto é, a manutenção, no segundo período, da mesma distribuição proporcional observada no primeiro período. O Quadro 4 apresenta essa situação hipotética na qual as diferenças entre 1991 e 2000 em pontos percentuais e, portanto, em termos percentuais, são nulas. QUADRO 4 Distribuição percentual sob a hipótese de NÃO-MUDANÇA, por categorias, em ordem ascendente, e diferenças em pontos percentuais (p.p.) e em percentual da Área X 1991/2000 Categoria Sócio-ocupacional Diferença (Cat) ("Origem") ("Destino") (Ordem ascendente) n % n % N p.p. % Total

8 A essa constância hipotética na distribuição percentual das categorias corresponde uma matriz quadrada de diferenças entre as categorias de origem e de destino. Como pode ser observado no Quadro 5, a diagonal principal é nula e as células acima da diagonal principal são a imagem espelhada das células abaixo da diagonal principal. Assim, a diferença expressa, em pontos percentuais, na C 12 é o oposto exato da diferença expressa na C 21. O mesmo se dá com C 13 e C 31 e com C 23 e a C 32. QUADRO 5 Matriz de diferenças , em pontos percentuais HIPÓTESE 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat Também neste caso é possível expressar as diferenças em termos percentuais. Basta que divida o valor de cada célula da matriz no Quadro 5 pelo percentual da categoria de origem, isto é, em 1991 (Quadro 1). Os resultados são apresentados no Quadro 6. QUADRO 6 Matriz de diferenças percentuais HIPÓTESE NÃO-MUDANÇA 1991/00 cat1 cat2 cat3 cat cat cat De posse da matriz quadrada das mudanças observadas, em pontos percentuais, na distribuição percentual entre 1991 e 2000 e da matriz quadrada sob a hipótese da nãomudança entre esses dois pontos no tempo, é possível calcular a mudança ocorrida tanto pontos percentuais (Quadro7) quanto em termos percentuais (Quadro 8). A matriz 8

9 quadrada apresentada no Quadro 7 fornece a diferença, em cada célula, das mudanças observadas entre 1991 e 2000, em pontos percentuais, na distribuição proporcional entre as categorias e das, por assim dizer, mudanças estimadas sob a hipótese de nãomudança. Observe-se que o valor das células da diagonal principal se reproduz nas células das respectivas colunas. QUADRO 7 Matriz de diferenças (p.p.) das diferenças (p.p.) MUDANÇA versus HIPÓTESE 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat A cat cat cat A É importante ter em mente que os valores da matriz do Quadro 7 expressam diferenças em pontos percentuais (das matrizes de diferenças observadas e estimadas) de diferenças (da subtração dos valores das células da primeira pelos valores das células da segunda matriz) também em pontos percentuais. Isso significa que a Categoria 1, por exemplo, aumentou em 7,2 unidades em relação a todas as categorias se comparada às diferenças em pontos percentuais estimadas sob a hipótese de não-mudança. Nesse aspecto, as células de cada coluna reproduzem a respectiva célula da diagonal principal da matriz quadrada apresentada no Quadro 2. A partir da matriz de diferenças das diferenças, no Quadro 7, é possível explorar a pertinência de dois indicadores. O primeiro (1A) é o somatório dos valores acima da diagonal principal (-15,0). Esse é o valor líquido das trocas de categorias menores para categorias maiores. Neste caso, significa que houve um decréscimo de 15 unidades de categorias maiores, em relação às categorias menores, ao se comparar as diferenças observadas às diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança. Esse valor é superior ao valor de -25,5 - obtido na matriz de diferenças observadas no Quadro 2. 9

10 O segundo indicador (2A) é dado pela razão entre diferença entre o somatório dos valores absolutos das células acima da diagonal principal e o somatório dos valores absolutos das células abaixo da diagonal principal (16,5 15,0) e a soma desses mesmos somatórios (16,5 + 15,0). Este indicador varia de -1 a 1. Valores positivos indicam a preponderância das diferenças das diferenças acima da diagonal principal. Valores negativos indicam o oposto. O valor zero indica diferenças das diferenças iguais acima e abaixo da diagonal principal. O aumento ou a diminuição das diferenças observadas em relação às diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança também podem ser expressas em termos percentuais. Basta subtrair as diferenças em termos percentuais da matriz de mudanças estimadas (Quadro 6) das diferenças em termos percentuais da matriz de mudanças observadas (Quadro 3). O resultado é a diferença, em pontos percentuais, de primeira ordem, das mudanças observadas (diferenças entre categorias em 2000 e 1991) em contraposição às diferenças entre categorias estimadas sob a hipótese de não-mudança, ou seja, mesma distribuição percentual em ambos os pontos no tempo. O Quadro 8 fornece a matriz com os resultados em termos percentuais e os dois indicadores descritos acima calculados a partir dessa informação. Ressalte-se que o valor do indicador (1B) obtido dessa forma (-41,8 p.p.) é inferior ao valor de -31,1 p.p. obtido na matriz de diferenças observadas (Quadro 3). Por outro lado, o indicador (2B) não deixa dúvidas de que, ao se contrapor as diferenças observadas às diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança, predominaram as forças abaixo da diagonal principal. A convergência da direção é dúbia ao se utilizar os indicadores (1A) e (2A). 10

11 QUADRO 8 Matriz de diferenças , em percentuais - MUDANÇA versus HIPÓTESE 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat B cat cat cat B MÍNIMOS E MÁXIMOS Uma última questão a ser explorada nestas notas metodológicas diz respeito aos valores máximos e mínimos que os dois indicadores discutidos podem assumir, tomando-se como ponto inicial a não-mudança, ou, mudança nula, isto é, a manutenção, no segundo período (2000, ou, destino ) da mesma distribuição percentual observada no primeiro período (1991, ou, origem ). Dois pontos importantes dessa extensa sentença devem ser frisados. Em primeiro lugar, cada área terá uma distribuição inicial particular, ou, de forma menos determinista, a chance de duas áreas apresentarem a mesma distribuição percentual entre categorias tende para zero. Isso significa que cada área terá uma distribuição não-mudança, isto é, cada área terá o seu próprio ponto de partida. Em segundo lugar, a partir da distribuição inicial, a mudança pode ser em direção à predominância de categorias maiores em relação às categorias menores os dois indicadores serão positivos ou ao contrário os dois indicadores serão negativos. Dada uma distribuição inicial, quais são os valores mínimos que os indicadores (1B) e (2B) podem assumir se a mudança for em direção às categorias menores? A resposta na hipótese de concentração na categoria mais baixa. O Quadro 9 fornece a distribuição inicial observada e a distribuição final sob esta hipótese, assim como as diferenças em pontos percentuais e em termos percentuais. 11

12 QUADRO 9 Distribuição percentual, por categorias, em ordem ascendente, e diferença em pontos percentuais (p.p.) e percentual da Área X sob a HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA / Categoria (Cat) Diferença ("Origem") ("Destino") (Ordem ascendente) n % n % n p.p. % Total Às distribuições inicial e final do Quadro 9, caso todos os elementos pertencessem à categoria menor ou mais baixa, corresponde uma matriz quadrada de diferenças, em pontos percentuais. O Quadro 10 apresenta essa matriz. QUADRO 10 Matriz de diferenças , em pontos percentuais HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat O Quadro 11 apresenta, em termos percentuais, a matriz de diferenças entre a distribuição na origem, 1991, e a distribuição final concentrada na caso todos os elementos pertencessem à categoria menor ou mais baixa. 12

13 QUADRO 11 Matriz de diferenças percentuais HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA 1991/00 cat1 cat2 cat cat cat cat De posse das informações da matriz de diferenças apresentada no Quadro 11 é possível estabelecer os valores mínimos e máximos para os indicadores (1B) e (2B). Para chegar aos valores mínimos diferenças em pontos percentuais que esses indicadores poderiam assumir a partir da distribuição de origem, 1991, observada, é necessário subtrair a matriz apresentada no Quadro 11 da matriz de diferenças estimadas sob a hipótese de não-mudança (Quadro 6). Dada a distribuição percentual por categorias de origem da Área X, a concentração na categoria menor no destino, 2000, implicaria em um decréscimo de 310,7 p.p. no conjunto das células acima da diagonal principal e de um valor de movimentação líquido de -0,389. Portanto, a partir do contraste entre a hipótese de concentração na categoria mais baixa e a hipótese de não-mudança, obtém-se os Limites Inferiores para os dois indicadores, 1LI = -310,7 p.p. e 2LI = -0,389. QUADRO 12 Matriz de diferenças em pontos percentuais - HIPÓTESE de CONCENTRAÇÃO NA CATEGORIA MAIS BAIXA versus HIPÓTESE de 'NÃO-MUDANÇA' 1991/00 cat1 cat2 cat LI cat cat cat LI O mesmo exercício hipotético aplicado à suposição de concentração na categoria mais alta leva à obtenção do valor 1LS, o Limite Superior do indicador (1B), 13

14 e à obtenção do valor 2LS, o Limite Superior do indicador (2B). Assim, a partir do contraste entre a hipótese de concentração na categoria mais alta e a hipótese de nãomudança, obtém-se os Limites Superiores dos indicadores, 1LS = 253,5 p.p. e 2LS = 0,211. Sobre esses procedimentos para a obtenção de valores máximos e mínimos, duas ressalvas e uma observação devem ser feitas. A primeira ressalva é a de que esses limites são variáveis, pois dependem da distribuição inicial observada em cada área analisada. Ressalve-se, em segundo lugar, que o indicador (2B) observado não respeita o seu limite inferior (2LI). Isso pelo fato de que, ainda que a trajetória para a concentração total é a de maior movimentação absoluta, ela não é necessariamente a trajetória que implica em maior distância entre o somatório das diferenças acima e abaixo da diagonal principal. Há situações, porém, em que o indicador (1B) pode ser igual para duas áreas distintas. Nesses casos extremos, o indicador (2B) diferenciaria o rumo das mudanças nessas duas áreas. Por fim, é necessário observar que o limites utilizados devem corresponder à direção da diferença líquida em pontos percentuais. Os limites inferiores são os parâmetros apropriados nos casos em que os indicadores são negativos e os limites superiores são os parâmetros apropriados nos casos em que os indicadores são positivos. ÍNDICE DE MUDANÇA DA COMPOSIÇÃO PROPORCIONAL ENTRE DOIS PONTOS NO TEMPO E SÍNTESE DOS PROCEDIMENTOS Tomando-se (1B) a diferença, em pontos percentuais, entre o somatório das diferenças percentuais observadas das células acima da diagonal principal entre 2000 e 1991 e o somatório das diferenças estimadas das células acima da diagonal principal sob a hipótese de não-mudança como numerador e o valor absoluto do limite inferior correspondente, 1LI, como denominador, obtém um indicador cujo valor máximo é 0 mudança nula e o valor mínimo, -1 indicando concentração total na categoria mais baixa. No caso do exemplo utilizado nestas notas, o Índice de Mudança na distribuição percentual da população ocupada segundo as categorias sócio-ocupacionais na Área X, entre o período inicial t 0 e o período final t 1 será dado por: 14

15 IMS X,t1-t0 = 1B/1LI = (-41,8/310,7) = -0,135 Analogamente, caso o indicador (1B) seja positivo, o IMS X,t1-t0 é dado por: IMS X,t1-t0 = 1B/1LS com valor máximo 1 e valor mínimo 0. Na prática, a estimação do Índice de Mudança Sócio-ocupacional (IMS) discutido nestas notas implica: 1) Ordenação ascendente, da categoria menor para a categoria maior, das distribuições percentuais por categoria no período inicial e no período final; 2) Construção da matriz de diferenças percentuais observadas entre as distribuições percentuais por categoria no segundo e no primeiro período QUADRO 3; 3) Construção da matriz de diferenças percentuais observadas entre as distribuições percentuais por categoria no segundo e no primeiro período, sob a hipótese de não-mudança QUADRO 6; 4) Cálculo da matriz de diferenças em pontos percentuais resultado da subtração da matriz Quadro 3 da matriz Quadro 6 QUADRO 8; 5) Estimação dos indicadores (1B) e (2B) QUADRO 8, sendo o primeiro o resultado do somatório das células acima da diagonal principal nas quais a linha i é menor que a célula j, ou, 1B = ΣC i<j O indicador (2B) é dado por: 2B abs( C abs( C i j i j ) ) abs( C abs( C i j i j ) ) 15

16 6) Construção da matriz de diferenças percentuais observadas entre as distribuições percentuais por categoria no segundo período, sob a hipótese de concentração na categoria mais baixa ou mais alta, dependendo do sinal do indicador (1B) e no primeiro período QUADRO 11; 7) Analogamente ao item 4, realizar o cálculo da matriz de diferenças em pontos percentuais resultado da subtração da matriz Quadro 11 (hipótese de concentração na categoria mais baixa, ou mais alta) da matriz apresentada Quadro 6 (hipótese de não mudança) QUADRO 12; 8) Analogamente ao item 5, executar a estimação dos limites inferiores (1LI) e (2LI) QUADRO 12 dos dois indicadores em questão, caso o indicador (1B) obtido seja negativo. No caso do indicador (1B) ser positivo, deve-se estimar os limites superiores; 9) Calcular o Índice de Mudança sócio-ocupacional da Área X entre t 0 e t 1, dado por: IMS X, t1 t 0 ( Diferenças ( Diferenças t1 t 0 t1 t 0 C C i j i j ) ) Observado Concentração* ( Diferenças t1 t 0 ( Diferenças C t1 t 0 i j C ) i j Não mudança ) Não mudança 1B 1L * onde o asterisco indica a possibilidade de usar o valor do limite inferior se (1B) negativo ou o valor do limite superior se (1B) for positivo. Assim, o IMS é definido no intervalo entre -1 e 1. EXERCÍCIO EMPÍRICO: UNIDADES ESPACIAIS HOMOGÊNEAS (UEH) DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE (RMBH) EM 1991 E 2000 Empregou-se, no exercício realizado nesta seção, as categorias sócioocupacionais utilizadas por Mendonça (2008), em sua análise sobre a estrutura socioespacial na RMBH. O Quadro 13 apresenta, em ordem crescente, da mais baixa 16

17 para a mais alta, uma proposta preliminar de hierarquização das categorias sócioocupacionais. Uma hierarquização aderente aos critérios de qualidade da inserção ocupacional utilizados na criação das categorias é tarefa a ser empreendida futuramente. A diminuição do número de categorias deve ser avaliada criteriosamente, uma vez que tal procedimento torna o índice menos volátil, devido a freqüências nulas ou unitárias, principalmente nas três últimas categorias. Num. Ordem QUADRO 13 Ordem Ascendente das Categorias Sócio-ocupacionais (CAT) Código da CAT Denominação da CAT 1 C10 Trabalhadores Agrícolas 2 C823 Ambulantes e Biscateiros 3 C81 Trabalhadores Domésticos 4 C74 Operários da Construção Civil 5 C63 Prestadores de Serviços Não Especializados 6 C72 Trabalhadores da Indústria Tradicional 7 C73 Operários dos Serviços Auxiliares 8 C71 Trabalhadores da Indústria Moderna 9 C61 Trabalhadores do Comércio 10 C62 Prestadores de Serviços Especializados 11 C55 Ocupações de Segurança Pública, Justiça e Correios 12 C51 Ocupações de Escritório 13 C54 Ocupações Médias da Saúde e Educação 14 C53 Ocupações Técnicas 15 C52 Ocupações de Supervisão 16 C32 Ocupações Artísticas, Artesãos e Similares 17 C31 Pequenos Empregadores 18 C41 Profissionais Autônomos de Nível Superior 19 C42 Profissionais Empregados de Nível Superior 20 C44 Professores de Nível Superior 21 C43 Profissionais Estatutários de Nível Superior 22 C23 Dirigentes do Setor Privado 23 C22 Dirigentes do Setor Público 24 C21 Grandes Empregadores O Quadro 14 traz as denominações, em 1991 e 2000, de cinco UEH selecionadas. Apresenta, também, o Índice de Mudança Sócio-ocupacional entre 1991 e 2000 (IMS ) dessas áreas e a participação percentual da primeira metade das categorias sócio-ocupacionais as doze categorias mais baixas em 1991 e As informações apresentadas no Quadro 14 merecem um exame mais meticuloso, que 17

18 contraste os resultados encontrados e as mudanças efetivamente ocorridas entre 1991 e Essa perspectiva mais analítica, que perscrute as vulnerabilidades e pontos fortes do método será o principal objetivo da sequência destas notas metodológicas. Por ora, cabem alguns comentários mais gerais. Primeiramente, a UEH 49 (Bairro das Indústrias/Adalberto Pinheiro) apresentou o maior Índice de Mudança Sócio-ocupacional (IMS) entre 1991 e 2000, -0,22. Diminuiu, entretanto, a participação percentual das doze primeiras categorias, em 2,46 pontos percentuais, no período. A UEH 16 (Sagrada Família) também apresentou uma diminuição da participação relativa das doze primeiras categorias, -3,23 pontos percentuais. O seu IMS, entretanto, é positivo no período, 0,004, ainda que pequeno. A diferença entre essas duas UEH encontra-se no peso das categorias mais baixas. Enquanto na UEH 16 (Sagrada Família) pouco mais de 50% dos indivíduos ocupados em cada período estavam alocados na metade mais baixa das categorias, esse percentual era superior a 80% na UEH 49. QUADRO 14 Índice de Mudança Sócio-ocupacional de das cinco UEH da RMBH selecionadas, denominações dessas áreas em 1991 e 2000 e participação percentual das doze primeiras categorias em 1991 e 2000 Área 16 (Sagrada Família) 49 (Bairro das Indústrias/Adalb er-to Pinheiro) 99 (Sabará) 112 (Favela Zona Sul) 121 (Favela Betim) Denominação Operário-popularagrícola Médio-superior Operário moderno 1991* Popular Operário-popular Denominação 2000* Médio-superior Operário-popular Operário moderno Popular-operário Operário moderno 1B LI IMS % das 12 primeiras cats % das 12 primeiras cats * Mendonça (2002). 18

19 Tanto a UEH 99 (Sabará) quanto a UEH 112 (Favela Zona Sul) apresentaram IMS negativo no período, -0,08 e -0,03, respectivamente, e aumento da participação relativa das categorias mais baixas. Na primeira UEH, o aumento na participação relativa ocorreu no segundo quarto de categorias (categorias 6 a 12), passando de 38,45% para 43,41%. Em consequência, a mediana caiu de 3,3% para 2,7% e o desviopadrão subiu de 3,7% para 4%. Na UEH 112 (Favela Zona Sul), o crescimento na participação relativa ocorreu somente no primeiro quarto de categorias, que passou de 65,81% para 67,14%. Também em decorrência da maior concentração nas primeiras categorias, a mediana caiu de 1,3% para 1,1% e o desvio-padrão subiu de 6,5% para 6,9%. Note-se que nessa UEH 112 houve concentração nas doze categorias mais baixas, mas, entre essas, o aumento ocorreu nas seis primeiras (1 a 6). Esse primeiro quarto de categorias já tinha participação considerável em 1991 e o aumento de 1,33 pontos percentuais (67,14% - 65,81%) significou um incremento de 2,02% do peso dessas categorias. Também na UEH 99 (Sabará), a mudança se deu no sentido da concentração nas doze categorias mais baixas, mas entre essas, o aumento ocorreu nas seis categorias superiores (7 a 12). A participação relativa desse segundo quarto de categorias cresceu 4,95 pontos percentuais no período (43,41% - 38,45%), isto é, o seu peso teve um incremento de 12,88% entre 1991 e A UEH 121 (Favela Betim) apresentou um aumento do IMS na quinta casa decimal, ou seja, foi praticamente nulo, sendo que a participação relativa das doze primeiras categorias virtualmente não se alterou entre 1991 e Ademais, com mais de 90% da população ocupada alocada na primeira metade das categorias nos dois períodos, mudanças internas a elas pouco alterará a composição total. De fato, participação das seis primeiras categorias caiu 7,19 pontos percentuais, de 57,09% em 1991 para 49,9% em 2000, ao passo que a participação das categorias 7 a 12 aumentou 7,17 pontos percentuais, de 34,86% em 1991 para 42,03%. Isso significou uma diminuição de -12,6% no peso do primeiro quarto de categorias e um aumento de 20,58% no segundo quarto, aproximando as participações relativas desses dois primeiros quartos e a diminuição do primeiro contrapondo-se ao aumento do segundo. 19

20 Vê-se, no breve exame desses casos, que, dado o peso das categorias em cada período, o efeito de composição é crucial para se compreender as reais mudanças ocorridas na composição percentual entre dois pontos no tempo. Será importante avaliar, futuramente, métodos para detectar categorias específicas que mais pesam na mudança da distribuição proporcional da população ocupada segundo as categorias utilizadas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os procedimentos descritos neste texto constituem os primeiros passos na construção de um índice que nos permita mensurar a intensidade das mudanças socioespaciais nas metrópoles brasileiras no período compreendido entre dois pontos no tempo, no caso aqui apresentado 1991 e Observou-se inicialmente as diferenças entre a participação de dadas categorias sócio-ocupacionais entre dois pontos no tempo, medindo esta diferença em percentual, e buscando-se intuitivamente observar o movimento no tempo. Em seguida, foi necessário buscar um parâmetro para analisar as mudanças observadas. Este é o sentido da hipótese da não-mudança : dar um valor relativo para a mudança. Pode-se, assim, observar a diferença, em pontos percentuais, do que ocorreu em relação ao que seria se não tivesse havido nenhum alteração. Em outras palavras, observar se, no geral, a diferença na distribuição proporcional de 2000 comparada com 1991, foi na direção ascendente (para categorias mais altas) ou descendente (para categorias mais baixas) sem dizer de quais para quais categorias. Em seguida, foi necessário estabelecer os máximos e mínimos a que os indicadores podem chegar, de modo a saber se o resultado significa alterações muito ou pouco intensas. Foi então verificado o limite inferior, indicador do maior movimento descendente (valor mínimo que pode assumir em determinada área). Os passos seguintes na sequência deste trabalho pressupõem, em primeiro lugar, hierarquizar as categorias sócio-ocupacionais, de forma a definir se as mudanças na composição sócio-ocupacional em cada unidade espacial de determinada metrópole são de fato ascendentes ou descendentes. Em segundo lugar, faz-se necessário agrupar as categorias de forma a tornar mais consistente a análise. 20

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS

MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS MOBILIDADE DOS EMPREENDEDORES NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 E VARIAÇÕES NOS RENDIMENTOS NOTA CONJUNTURAL ABRIL DE 2014 Nº31 PANORAMA GERAL Os movimentos de transição da população ocupada entre as

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 *

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 * OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES CNPq/INCT Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo no Censo 2010 * Jupira Mendonça ** André Junqueira Caetano *** 1. INTRODUÇÃO O estado de Minas Gerais, um dos maiores

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades

A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades A Concentração do Capital Humano e o Desenvolvimento das Cidades Bernardo L. Queiroz Departamento de Demografia CEDEPLAR/UFMG O ESPAÇO METROPOLITANO NA PERSPECTIVA DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL Referências

Leia mais

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010)

Paraná. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Paraná (1991, 2000 e 2010) Paraná Em, no estado do Paraná (PR), moravam 1,4 milhões de pessoas, onde uma parcela considerável (7,5%, 786,6 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 399 municípios, dos quais 23

Leia mais

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 21/211 Observatório das Metrópoles Elaboração: Juciano Martins Rodrigues Doutor em Urbanismo (PROURB/UFRJ), Pesquisador do INCT

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina

Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina Mobilidade residencial e dinâmica das transformações socioespaciais na metrópole belo-horizontina Jupira Gomes de Mendonça * Resumo A autora estuda as mudanças no perfil habitacional de Belo Horizonte

Leia mais

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década

O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década O Mercado de Trabalho no Rio de Janeiro na Última Década João Saboia 1 1) Introdução A década de noventa foi marcada por grandes flutuações na economia brasileira. Iniciou sob forte recessão no governo

Leia mais

Este texto tem por finalidade expor alguns resultados da pesquisa Desigualdades

Este texto tem por finalidade expor alguns resultados da pesquisa Desigualdades 307 Tipologia sócio-espacial de Porto Alegre 1980-91: diferenciações sócio- -ocupacionais e desigualdades sociais entre os espaços da cidade* Tanya M. de Barcellos** Rosetta Mammarella*** Mirian Regina

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Tendências na organização social do território das metrópoles

Tendências na organização social do território das metrópoles Tendências na organização social do território das metrópoles UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL INSTITUTOS DO MILÊNIO PROJETO: Observatório das

Leia mais

Pesquisa Anual de Serviços

Pesquisa Anual de Serviços 1 Pesquisa Anual de Serviços Perguntas e Respostas Qual o destaque da pesquisa? O setor movimentou R$ 1,1 trilhão em receita operacional líquida i, respondeu por 11 993 942 mil pessoas ocupadas e pagou

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPH0339 O ENSINO SUPERIOR NO GOVERNO FHC E SUA DISTRIBUIÇÃO SOBRE O

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Dinâmica intra-metropolitana e organização social dos territórios na região metropolitana de São Paulo

Dinâmica intra-metropolitana e organização social dos territórios na região metropolitana de São Paulo ÁREA TEMÁTICA: Cidades, Campos e Território Dinâmica intra-metropolitana e organização social dos territórios na região metropolitana de São Paulo BÓGUS, Lucia Maria Machado Doutora em Planejamento Urbano

Leia mais

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...

ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1. 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade... ÍNDICE INSTITUIÇÃO TÍPICA DO TERCEIRO SETOR DE BELO HORIZONTE...1 1. A Instituição Típica do Terceiro Setor por Principal Área de Atividade...5 A Instituição Típica da Área de Cultura...5 A Instituição

Leia mais

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL

Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Ano 23 - Número 12 Dezembro de 2014 * INTERROMPE-SE A RECUPERAÇÃO DO NÍVEL OCUPACIONAL As informações captadas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego

Leia mais

Da hierarquia de classes à organização social do espaço intra-urbano: comparação entre quatro metrópoles brasileiras

Da hierarquia de classes à organização social do espaço intra-urbano: comparação entre quatro metrópoles brasileiras Da hierarquia de classes à organização social do espaço intra-urbano: comparação entre quatro metrópoles brasileiras Luciana Corrêa do Lago 1 Rosetta Mammarella 2 RESUMO Este artigo analisa as grandes

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil

O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH O panorama do mercado educativo em saúde no Brasil Como consequência de políticas governamentais implementadas com o objetivo

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO

GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO GASTAR MAIS COM A LOGÍSTICA PODE SIGNIFICAR, TAMBÉM, AUMENTO DE LUCRO PAULO ROBERTO GUEDES (Maio de 2015) É comum o entendimento de que os gastos logísticos vêm aumentando em todo o mundo. Estatísticas

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AVALIAÇÃO DO 1º SEMESTRE E PERSPECTIVAS PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 Agosto/2014 Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o desempenho do primeiro semestre de 2014, as

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho

Pesquisa Semesp. A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho Pesquisa Semesp A Força do Ensino Superior no Mercado de Trabalho 2008 Ensino superior é um forte alavancador da carreira profissional A terceira Pesquisa Semesp sobre a formação acadêmica dos profissionais

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO

INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO INFORMATIVO MENSAL ANO 01 NÚMERO 14 MARÇO DE 2001 APRESENTAÇÃO Neste número apresentamos dados alentadores sobre o mercado de trabalho em nossa região metropolitana. Os dados referentes ao desemprego em

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

PDR - Critério de classificação de microrregiões

PDR - Critério de classificação de microrregiões PDR - Critério de classificação de microrregiões Na definição deste critério, procurou-se inspiração na metodologia desenvolvida por ocasião da elaboração da Política Nacional de Desenvolvimento Regional

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 revela um número menor de habitantes do que se esperava e mostra um maior consumo per capita de carnes. Luciano

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Distribuição de Freqüências

Distribuição de Freqüências Distribuição de Freqüências Por constituir-se o tipo de tabela importante para a Estatística Descritiva, faremos um estudo completo da distribuição de freqüências. Uma distribuição de freqüências condensa

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito

Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito Endividamento das famílias catarinenses aumenta mensalmente em função da retomada das vendas no crédito Os dados coletados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Intervenção Pública na década de 90:

Intervenção Pública na década de 90: Intervenção Pública na década de 90: Uma análise dos impactos espaciais do Programa Rio-Cidade no mercado imobiliário da cidade do Rio de Janeiro Andrea Paulo da Cunha PULICI Observatório Imobiliário e

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 Rio de Janeiro, 05 de setembro de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Agosto 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Mercado de trabalho. Campos Gerais. Análise setorial do mercado de trabalho. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Mercado de trabalho. Campos Gerais. Análise setorial do mercado de trabalho. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE (x ) TRABALHO (

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo

Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Seminário A Metrópole em Debate: do Estatuto à prática Curitiba 13 de julho de 2015 Região Metropolitana de Curitiba: histórico e considerações sobre o modelo Profª Drª Madianita Nunes da Silva Departamento

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais