X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação - SEPesq Centro Universitário Ritter dos Reis"

Transcrição

1 Transexualidade e mudança do sexo no registro civil: análise dos conceitos de sexo e identidade de gênero aplicados pelo Judiciário e o grau de eficácia na proteção de Direitos Fundamentais. Alice Hertzog Resadori Especialista em Direito Público com Ênfase em Direito Constitucional, mestranda em Direito, com Ênfase em Direitos Humanos Roger Raupp Rios Doutor em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Professor do Mestrado em Direito, com Ênfase em Direitos Humanos, no Centro Universitário Ritter dos Reis Resumo: A presente pesquisa tem como objetivo geral proceder à analise dos conceitos de sexo e de identidade de gênero presentes nas normas constitucionais que os protegem, buscando a interpretação ou as interpretações que garantam a maior eficácia dos direitos fundamentais à não discriminação por motivo de sexo e à proteção do livre desenvolvimento da personalidade. Será utilizada a teoria jurídica geral dos direitos fundamentais proposta por Robert Alexy como modelo de interpretação dos direitos fundamentais, e serão levadas em conta as três principais teorias que se ocupam do estudo destes conceitos empíricos, quais sejam, o essencialismo, o construcionismo social e a Teoria Queer. Ainda, serão analisadas decisões judiciais que se referem a casos de travestis e transexuais que buscam a alteração do prenome e do sexo no registro civil, sem que tenham ou pretendam realizar a cirurgia de transgenitalização. A análise de tais decisões tem o objetivo de identificar, na prática, quais são as consequências jurídicas da utilização de cada uma das teorias acima referidas para conceituar gênero e sexo, a fim de esclarecer qual interpretação garante a maior eficácia dos direitos fundamentais. 1 Introdução Este trabalho tem como objetivo geral analisar os conceitos de sexo e de identidade de gênero presentes nas normas constitucionais que os protegem, buscando a interpretação que garanta a maior eficácia dos direitos fundamentais à não discriminação por motivo de sexo e à proteção do livre desenvolvimento da personalidade. X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação SEPesq 20 a 24 de outubro de 2014

2 Para tanto, será utilizada a teoria jurídica geral dos direitos fundamentais proposta por Robert Alexy, que apresenta um método de interpretação dos direitos fundamentais que leva em conta as dimensões analítica, empírica e normativa da dogmática jurídica, com o objetivo de alcançar a maior proteção e eficácia destes direitos. Ademais, serão analisadas as principais teorias que trabalham com os conceitos de sexo e gênero essencialismo, construcionismo social e Teoria Queer aplicando-as ao caso concreto de travestis e transexuais que buscam junto ao Poder Judiciário a alteração do prenome e do sexo no registro civil, sem a submissão à cirurgia de transgenitalização. A partir do cotejo entre tais teorias, objetiva-se encontrar a(s) interpretação(ões) empíricas dos conceitos de sexo e gênero que possibilite(m) a maior eficácia dos direitos protegidos pelas normas constitucionais, nos termos delineados por Alexy. Esta pesquisa se justifica na medida em que o Poder Judiciário tem se deparado com diversas ações movidas por travestis e transexuais que pleiteiam a alteração do nome e do sexo no registro civil, independente da realização da cirurgia de transgenitalização. Considerando que as decisões judiciais deferem ou indeferem o pedido de acordo com o conceito de sexo empregado pelo julgador, é de extrema importância analisar quais são estes conceitos, bem como quais são as consequências de suas aplicações nos casos concretos. 2 Problema de Estudo A discriminação por motivo de sexo é vedada na Constituição da República Federativa do Brasil, no art. 3º, IV 1. A identidade de gênero, por sua vez, é protegida constitucionalmente por meio do direito à liberdade (caput do art. 5º 2 ), que garante o livre desenvolvimento da personalidade, da privacidade e da proteção às escolhas fundamentais dos indivíduos. Considerando que tais normas constitucionais não conceituam sexo e gênero, a presente pesquisa busca analisar quais são as interpretações empíricas destes conceitos, a fim de identificar qual(is) desta(s) possibilita(m) a maior eficácia jurídica dos direitos fundamentais, levando-se em conta, especificamente os casos de travestis e 1 Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: [ ] IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. [...] 2 Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: [...]

3 transexuais que buscam judicialmente a alteração do prenome e do sexo no registro civil, sem a realização de cirurgia de transgenitalização. Tal análise tem como embasamento a teoria jurídica geral dos direitos fundamentais proposta por Robert Alexy na obra intitulada Teoria dos Direitos Fundamentais. Para delinear tal teoria geral, o autor parte da distinção entre três dimensões da dogmática jurídica, que devem ser combinadas quando do exame dos direitos fundamentais: a dimensão analítica, que diz respeito à análise dos conceitos elementares do direito vigente, às construções jurídicas existentes, à estrutura do sistema jurídico e à fundamentação no âmbito dos direitos fundamentais; a empírica, que se refere ao direito positivo válido, à jurisprudência e à aplicação de premissas empíricas na argumentação jurídica; e a normativa, que, a partir do direito positivo válido, determina qual é a decisão correta no caso concreto. Alexy salienta a importância da dimensão empírica em razão de que as normas constitucionais são abertas. Assim, a simples cognição do direito legislado não oferece respostas suficientes para compreender os conceitos presentes nestas normas. O autor propõe, portanto, uma análise conjunta da legislação, da práxis jurisprudencial e a cognição de fatos observados empiricamente. Ainda, refere que a determinação da decisão correta no caso concreto, a partir do direito positivo válido (dimensão normativa), implica em juízos de valor de quem responde a tal questão, que devem ser fundamentados de maneira racional. Neste sentido a dogmática jurídica é, em grande medida, uma tentativa de se dar uma resposta racionalmente fundamentada a questões axiológicas que foram deixadas em aberto pelo material normativo previamente determinado. (ALEXY, 2006, p. 36) Considerando que as normas que protegem os indivíduos da discriminação por motivo de sexo e garantem o livre exercício da sua identidade de gênero deixam em aberto quais são os conceitos de sexo e gênero que devem ser aplicados, chegaremos a interpretações diversas dos seus significados, e, consequentemente, do âmbito de proteção das normas constitucionais antes referidas, conforme a corrente de pensamento que adotarmos para fazer a leitura destes termos. Originalmente, sexo referia-se às diferenças entre homens e mulheres, mas também à forma como homens e mulheres se relacionavam. (WEEKS, 2010, p. 41) Nos últimos dois séculos, o termo passou a ter um sentido mais preciso, dizendo respeito às características biológicas que diferenciam homens e mulheres. Esta concepção, chamada de essencialista, é vinculada a uma abordagem médica, científica, que determina o que é aceitável ou não, patologizando e/ou criminalizando o que se enquadra no segundo caso (CAMARGO, ROHDEN e CÁCERES, 2011, p. 127).

4 Para esta abordagem essencialista do sexo, a transexualidade é compreendida como uma síndrome complexa caracterizada pela convicção intensa de ser de um sexo diferente do seu sexo corporal, juntamente com a demanda de mudança de sexo dirigida ao sistema médico e judiciário. (ZAMBRANO, 2003, p. 12) A pessoa transexual tem a convicção de pertencer a outro sexo, a aversão ao sexo que possui e o interesse em adequar seus órgãos genitais. Neste sentido, a transexualidade é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde como doença e é descrita na Classificação Internacional de Doenças (CID 10) como Transtorno de Identidade Sexual, sob o código Esta visão medicalizada da transexualidade parte de uma concepção binária de sexo e gênero (homem e mulher, masculino e feminino), e entende que deve haver correspondência entre o gênero e o sexo biológico do indivíduo, na medida em que as construções culturais do feminino e do masculino seriam expressões naturais dos homens e das mulheres. A cirurgia de transgenitalização é vista, a partir desta perspectiva, como a cura necessária para um equívoco biológico, ou seja, seria a forma de resolver uma indevida incongruência entre o gênero e o sexo. Tal posição abre espaço para que as(os) profissionais da saúde definam qual é o sexo da pessoa, levando em conta apenas as características biológicas do indivíduo e padrões historicamente consolidados do que corresponde ser homem ou ser mulher. Isto limita a esfera da autodeterminação dos indivíduos, violando seu direito à liberdade. A visão essencialista é criticada pelo construcionismo social, que compreende a sexualidade como um dispositivo histórico, como um corpo de conhecimento, e não como um dado da natureza. Esta corrente direciona suas críticas aos médicos, cientistas e sexólogos, na medida em que construíram a sexualidade como um campo privilegiado do conhecimento. Ao estabelecer uma esfera especializada de conhecimento, ao buscar descobrir as leis da natureza que supostamente governam o mundo sexual, ao argumentar que a sexualidade tem uma influência particular em todos os aspectos da vida e que o corpo fala uma verdade final, os sexólogos ajudaram, num certo sentido, a inventar a importância que nós atribuímos ao comportamento sexual. (WEEKS, 2010, p. 44) Michel Foucault é um dos autores mais influentes do construcionismo social, abordagem que tem como principal característica a compreensão de que a sexualidade é fruto de fatores históricos e culturais, variando, portanto, o sentido social dos atos sexuais conforme as compreensões das diversas culturas e dos diversos momentos históricos. Assim, considerando-se que um determinado ato sexual não tem um sentido estanque e universal, rompe-se com a ideia essencialista de que o sexo e a identidade de gênero têm relação

5 direta. Pelo contrário, passa-se a compreender esta relação a partir das complexidades e da variabilidade das sociedades no tempo e no espaço, bem como das relações de poder que se reproduzem e produzem as classificações dos sujeitos a partir do que se compreende como normal e anormal. Tal concepção compreende a transexualidade não como uma moléstia, e sim como um aspecto identitário dos sujeitos. Contrapondo-se aos argumentos que justificam as desigualdades pelas diferenças biológicas entre os sexos, entende-se que não são as características sexuais que constroem o que é feminino e masculino, mas sim, a forma com que estas características são representadas e valorizadas socialmente. Desta forma, para que se possam compreender as relações entre homens e mulheres, mais do que observar seu sexo biológico, deve-se averiguar tudo o que foi construído socialmente sobre eles (LOURO, 2010). Na perspectiva das múltiplas identidades, pode-se dizer que o gênero faz parte do sujeito, constituindo-o e se relacionando com as demais dimensões das suas identidades, inclusive com a sexualidade, que muitas vezes é confundida com a identidade de gênero. Neste sentido, importa salientar que, enquanto as identidades de gênero dizem respeito às identificações sociais e históricas com o masculino e o feminino, as identidades sexuais se constituem através das formas como vivem sua sexualidade, com parceiros/as do mesmo sexo, do sexo oposto, de ambos os sexos ou sem parceiros/as (LOURO, 2010, p. 26). Estes dois conceitos se inter-relacionam: assim, um sujeito feminino pode ser heterossexual, homossexual, bissexual ou pansexual por exemplo. E tais arranjos podem ser modificados a qualquer momento, pois as identidades, tanto de gênero como sexual, são mutáveis e instáveis, constituindo-se e transformando-se a todo o tempo. Ao adotarmos esta concepção de gênero, abandonamos os binarismos fechados e limitados e deixamos de considerar como normais apenas aquelas pessoas que se adéquam aos padrões rigidamente estabelecidos socialmente como pertencentes a um determinado sexo ou gênero. Desta forma, contrapomo-nos a percepção intransigente que gera violações de direitos fundamentais e é fruto do fechar dos olhos à realidade: a sexualidade e a vida humana não se deixam enquadrar em padrões historicamente definidos por profissionais da saúde ou por representantes da opinião da maioria. A vida humana e suas manifestações são um "continuum", que não se deixam aprisionar em polaridades opostas e compartimentos estanques. (TRF4, Apelação Cível nº /RS. Relator Juiz Federal Roger Raupp Rios, 14 de agosto de 2007). Salienta-se que esta posição não vê a cirurgia de transgenitalização como necessária para adequar o sexo ao gênero da pessoa, pois compreende

6 o sexo a partir de elementos sociais e identitários, e não apenas de características biológicas. Assim, é mulher quem tem uma identidade de gênero feminina, não apenas quem tem uma vagina. Tal posição, ao romper com a ideia estanque de que sexo se relaciona apenas com as características biológicas da pessoa, é mais abrangente do que a visão essencialista, e se relaciona com a garantia dos direitos fundamentais da igualdade e liberdade. Há ainda uma terceira corrente teórica que merece análise, a Teoria Queer. Tal teoria corresponde a uma abordagem pós-moderna dos estudos da sexualidade, que realiza críticas às categorias universais e fixas das identidades e das sexualidades. Diferente do construcionismo, que procura analisar a formação das identidades, a Teoria Queer busca identificar de que forma se apresentam as normas, o discurso e os mecanismos que as justificam. A principal representante desta escola é Judith Butler, que, influenciada por Hegel, Foucault, Derrida, Freud, Lacan, entre outros, propõe uma genealogia 3 do sujeito, retirando-o de uma condição ontológica, pré-existente e metafísica e tratando-o como um processo construído no discurso e pelos atos que realiza. Como consequência desta genealogia do sujeito, a autora aponta que o sexo e o gênero não são causas das instituições, discursos e práticas, ou seja, o sexo e o gênero não as criam. Pelo contrário, eles são efeitos destas instituições, na medida em que elas criam e causam o sujeito, pois determinam qual é o seu sexo, o seu gênero e a sua sexualidade. A autora chama a atenção para o fato de que não há que se recusar esta política representacional, até porque, não há posição fora deste campo. Ela refere que deve ser proposta uma genealogia, uma crítica às identidades que são criadas e naturalizadas por estas estruturas. Neste sentido, entende que o gênero, em lugar de ser uma correspondência socialmente construída do sexo-natural, como propõe o construcionismo social, é um ato performativo, ou seja, é uma repetição de ações que se constituem com força de autoridade e que produzem os enunciados que pronunciam. Na medida em que encobrem as convenções que os constituem, acabam por naturalizar tais enunciados, fazendo com que o sexo e o gênero pareçam ter estado aqui o tempo todo. A construção política do sujeito procede vinculada a certos objetivos de legitimação e de exclusão, e essas operações políticas são efetivamente ocultas e naturalizadas por uma análise política que toma as estruturas jurídicas como o seu fundamento. O poder jurídico produz inevitavelmente o que alega meramente representar; consequentemente, a política tem de se preocupar com essa função 3 A genealogia pode ser concebida como um modo de investigação histórica que não tem como meta a verdade ou o conhecimento (SALIH, 2012, p. 21). Ela não se dedica a analisar a história, e sim, as condições de emergência do que se considera como história.

7 atual do poder: jurídica e produtiva. Com efeito, a lei produz e depois oculta a noção de sujeito perante a lei, de modo a invocar essa formação discursiva como premissa básica natural que legitima, subsequentemente, a própria hegemonia reguladora da lei (BUTLER, 2003, p. 9). Apesar de compreender a identidade de gênero como uma sequência de atos performativos, Butler refere que não há um sujeito, um performer por trás destes atos, na medida em que o sujeito é o efeito e não a causa dos mesmos. A consequência de não existir um sujeito por trás da ação é de que não há nenhum modelo original de sujeito a ser copiado. Ele é instituído conforme o contexto específico, e assim, pode ser estabelecido de formas diferentes, que não reforcem as estruturas de poder, mas as subvertam. As estruturas de poder que constroem o gênero são calcadas na heteronormatividade compulsória, nos binarismos homem-mulher, machofêmea e na coerência entre gênero e sexo, o que Butler denomina de gêneros inteligíveis. Todos aqueles sujeitos que não mantém esta relação de coerência são vistos como abjetos, como incoerentes. A autora chama a atenção para o fato de que estes gêneros incoerentes só podem ser concebidos em relação a normas existentes. Ou seja, as mesmas normas que proíbem, produzem o que estão proibindo, já que ligam sexo, gênero e sexualidade e dizem que esta relação de coerência é a verdade e o ideal. São estas normas, permeadas por relações de poderes, que constroem as travestis e transexuais como sujeitos abjetos que devem ser readequados pela cirurgia de transgenitalização para chegarem mais perto do ideal inteligível. Contudo, o que a autora pretende demonstrar, é que não há nenhum elemento dado, fixo e imutável que estabeleça tal ideal. Pelo contrário, são as instituições, o poder e o discurso que enunciam e constituem tais modelos de sujeitos desejáveis. Butler afirma que mesmo o sexo não deve ser compreendido como um elemento fixo do corpo do sujeito, pois ele não é um simples fato ou a condição estática de um corpo, mas um processo pelo qual as normas regulatórias materializam o sexo e produzem essa materialização através de uma reiteração forçada destas normas. (BUTLER, 2010, p. 155). Assim, as travesti e transexuais, para a Teoria Queer, não precisam e nem devem ser readequadas por meio de cirurgia, na medida em que se questionam justamente as categorias naturalizadas de sexo e gênero. Desta forma, entendemos que, se aplicarmos a Teoria Queer ao caso concreto analisado, qual seja de mudança de prenome e sexo no registro civil sem a realização da cirurgia de transgenitalização, perceberemos que sexo e gênero são performativos, e assim, podem ser alterados, vividos e renomeados de diversas formas, inclusive subvertendo o modelo inteligível de sujeito, como podem fazer as travestis e transexuais não operadas.

8 3 Metodologia A presente pesquisa tem natureza teórica, fundamentada pela bibliografia pertinente ao tema, bem como na pesquisa jurisprudencial realizada na Justiça Comum, nos Tribunais de Justiça e nos Tribunais Superiores acerca das ações movidas por travestis e transexuais para alteração de prenome e de sexo no registro civil, sem que tenham realizado ou queiram realizar a cirurgia de transgenitalização. Será utilizado como método de abordagem o dialético, haja vista que a análise dos conceitos de sexo e identidade de gênero que podem ser aplicados às normas constitucionais abertas que lhes garantem proteção, envolve a verificação de argumentos e contra-argumentos de cada teoria, de teses e antíteses, e a busca por uma síntese, ou seja, pelos conceitos que melhor protegem os direitos fundamentais. Como método de procedimento será utilizado o tipológico, pois o modelo ideal de interpretação dos direitos fundamentais é construído a partir da análise e comparação de aspectos essenciais entre este modelo e a realidade social e legal empírica. Por fim, os métodos de interpretação utilizados nesta pesquisa são o sistemático e o sociológico. Utilizar-se-á o método sistemático, pois os conceitos de sexo e gênero devem ser compreendidos a partir da sua proteção constitucional, e a partir dos diversos direitos fundamentais envolvidos, estando todas as leis e decisões judiciais que tratam desta matéria a ela submetidas. Ademais, será utilizado o método sociológico, tendo em vista que a presente pesquisa parte da premissa de que o direito é um fenômeno histórico e cultural, espacial e temporalmente localizado. 4 Síntese dos Resultados Esta pesquisa encontra-se em fase inicial, tendo sido realizada, contudo, a revisão bibliográfica básica dos temas fundamentais ao seu desenvolvimento. Neste sentido, procedeu-se ao estudo da teoria jurídica geral dos direitos fundamentais proposta por Robert Alexy, foram levantados os argumentos centrais das principais teorias que versam sobre sexualidade - essencialismo, o construcionismo social e a Teoria Queer, bem como foram identificados os conceitos de sexo e gênero propostos por estas escolas, com suas implicações práticas no caso de travestis e transexuais, conforme exposto no ponto anterior. Ainda, foi realizada pesquisa inicial de jurisprudência em tribunais estaduais, no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça, tendo sido identificados 6 (seis) decisões referentes ao pleito de mudança de prenome e sexo no registro civil sem a realização de cirurgia de

9 transgenitalização. Destas, podemos identificar 3 (três) 4 decisões que vinculam o sexo exclusivamente a elementos biológicos dos sujeitos, compreendendo, portanto, que a alteração do sexo no registro civil depende da cirurgia de transgenitalização, pois, do contrário, estar-se-ia diante de um caso flagrante de impossibilidade jurídica, já que o registro civil estaria espelhando a verdade biológica do autor, não devendo, portanto, ser alterado. Nestes casos, há uma clara identificação do conceito de sexo utilizado com aquele proposto pelas correntes essencialistas. Ademais, deparamo-nos com 2 (duas) decisões do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul 5 e 1 (uma) do Tribunal de Justiça de São Paulo 6 em que o relator opina pela alteração do sexo sem que a autora tenha realizado a cirurgia, por entender que o prenome e o sexo constantes no registro civil devem corresponder ao gênero, e não o inverso, tendo, assim, uma forte correspondência com as teorias construcionistas, que levam em conta questões identitárias de gênero para a concepção do sexo. Ainda, podemos observar um traço Queer nesta decisão, na medida em que compreende que o gênero precede o sexo, não sendo uma decorrência e nem tendo uma correspondência com este. Salienta-se, contudo, que num dos casos do TJ/RS, o relator foi voto vencido, tendo preponderado a posição que compreende o sexo como expressão exclusivamente biológica, e assim, foi indeferida a alteração deste elemento no registro civil. 5 Conclusões Parciais A partir do estudo das teorias essencialista, construcionista e Queer, podemos perceber que sexo e gênero podem ser interpretados de formas diversas, conforme a compreensão teórica utilizada. Enquanto para os essencialistas o sexo se refere exclusivamente aos aspectos biológicos dos indivíduos, sendo o gênero a expressão cultural decorrente de tais aspectos, o construcionismo social entende que sexualidade é fruto de fatores históricos e culturais, devendo, assim, o sexo ser compreendido também a partir de aspectos identitários dos sujeitos. Já a Teoria Queer se dedica a identificar as relações de poder que permeiam as instituições e os discursos e que são responsáveis por produzir identidades universais, estáticas e heteronormativas, bem como que relacionam o gênero a uma expressão cultural do sexo-natural, 4 TJSP, Apelação Cível nº , Relator Elcio Trujillo, 16 de março de 2011; TJSP, Apelação Cível nº /5-00, Relator Sabastião Carlos Garcia, 26 de novembro de 2009 e TJRS, Agravo de Instrumento nº , Relator Sérgio Fernando de Vasconcellos Chaves, 18 de fevereiro de TJRS, Apelação Cível nº , Relator Rui Portanova, 30 de junho de 2011 e TJRS, Apelação Cível, nº , Relator Rui Portanova, 05 de junho de TJSP, Apelação Cível nº , Relator Vito Guglielmi, 18 de outubro de 2012.

10 colocando em cheque, inclusive, a rigidez do sexo, na medida em que o compreende como um ato performático, e não como um modelo original préexistente. A aplicação destes conceitos às normas constitucionais que vedam a discriminação por motivo de sexo e protegem o livre desenvolvimento da personalidade dos sujeitos tem consequências práticas distintas, conforme a escola utilizada para compreender tais elementos. Desta forma, buscou-se, neste trabalho, analisar tais consequências, a partir dos casos de travestis e transexuais que pleiteiam judicialmente a alteração do prenome e do sexo no registro civil, sem a realização de cirurgia de transgenitalização. Neste sentido, conforme os resultados iniciais apontados por esta pesquisa, percebemos que, nos casos em que os julgadores aplicaram os conceitos formulados pela escola essencialista, os pedidos de alteração de sexo foram indeferidos, na medida em que compreendem que o registro civil está de acordo com o sexo biológico dos sujeitos, não devendo, portanto, ser alterado. Já nas situações em que são levados em conta os aspectos identitários de gênero para a concepção do sexo (construcionismo social), as decisões judiciais foram no sentido de acolher os pedidos de alteração do registro civil. Observamos, ainda, que apenas uma das decisões analisadas traz referência à Teoria Queer, ao referir a precedência do gênero em relação ao sexo, tendo, contudo, o centro da argumentação calcada no construcionismo. Assim, entre as posições encontradas na jurisprudência analisada, podemos desde já concluir que, no intuito de garantir a maior efetividade dos direitos fundamentais em análise, como propõe Alexy, as normas constitucionais que protegem o livre desenvolvimento da personalidade e proíbem a discriminação por motivo de sexo, devem ser interpretadas levando em conta o conceito empírico de sexo e de gênero propostos pelo construcionismo social, e não pelo essencialismo. Contudo, observamos que a aplicação da Teoria Queer no objeto de análise desta pesquisa traria uma interpretação ainda mais abrangente das categorias sexo e gênero, garantindo, portanto, maior proteção aos direitos fundamentais a eles relacionados. Isto porque, esta teoria, ao compreender sexo e gênero como performatividade, aceita que os mesmos sejam vividos de diversas formas, inclusive subvertendo o modelo heteronormativo e inteligível do sujeito. Assim, a troca do sexo das travestis e travestis e transexuais que não se submeteram à cirurgia poderia ser realizada, independente da demonstração da existência de traços femininos ou masculinos que formam suas identidades de gênero, como se exige nas decisões fundamentadas no construcionismo social.

11 Referências X Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-graduação - SEPesq ALEXY, Robert. Teoria dos Direitos Fundamentais. Tradução de Virgílio Afonso da Silva. São Paulo: Malheiros Editores, BEASLEY, Chris. Gender & Sexuality: Critical Theories, Critical Thinkers. In: Gender & Sexuality, London: SAGE Publications, BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del sexo. 1ª Edição. Buenos Aires: Paidós, Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: O corpo Educado: pedagogias da Sexualidade. 3ª Edição. Belo Horizonte: Autêntica Editora, Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, BORRILLO, Daniel. Por una Teoría Queer del Derecho de las personas y las famílias. Revista Direito, Estado e Sociedade, 2011, p BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, CAMARGO, Kenneth; ROHDEN, Fabíola; CÁCERES, Carlos F. Ciência, gênero e sexualidade. In: Sexualidade e Política na América Latina: histórias, interseções e paradoxos. Rio de Janeiro: ABIA, DORLIN, Elsa. Sexo, género y sexualidades: introducción a la teoria feminista. Buenos Aires: Nueva Vision, FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, SALIH, Sara. Judith Butler e a Teoria Queer. Tradução de Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: O corpo Educado: pedagogias da Sexualidade. 3ª Edição. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

12 ZAMBRANO, Elizabeth. Trocando os Documentos: um estudo antropológico sobre a cirurgia da troca de sexo. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, 2003.

Travestis e antidiscriminação: análise crítica dos instrumentos normativos nacionais

Travestis e antidiscriminação: análise crítica dos instrumentos normativos nacionais Travestis e antidiscriminação: análise crítica dos instrumentos normativos nacionais Alice Hertzog Resadori Mestranda em Direito com ênfase em Direitos Humanos ali.resadori@gmail.com Resumo: Em uma sociedade

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO N. 0013986-23.2013.8.19.0208 APELANTE: PAULO HENRIQUE BORGES DA SILVA VOGAL: DES. WAGNER CINELLI DE PAULA FREITAS DECLARAÇÃO DE VOTO O tema trazido neste

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro

Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Proibição da discriminação em face das identidades de gênero e sexuais: reflexões acerca do ambiente escolar brasileiro Andreza do Socorro Pantoja de Oliveira Smith Universidade Federal do Pará, Universidade

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013.

PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013. PROJETO DE LEI CM Nº 279/2013. EMENTA: Dar-se-a nova redação a Ementa, aos artigos 1º, 2º, 3º, ao inciso II, IV, VI, VII, IX, X, XI, XIV do artigo 5º, letra C e Parágrafo único do artigo 6º, letra B do

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Trocando de documentos: análise das questões jurídicas relacionadas à transexualidade

Trocando de documentos: análise das questões jurídicas relacionadas à transexualidade Trocando de documentos: análise das questões jurídicas relacionadas à transexualidade Marisse Costa de Queiroz 1 Giann Lucca Interdonato 2 Resumo: O presente artigo analisou as alterações e o discurso

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

Transexualismo e Cirurgia de Troca de Sexo no Brasil: diálogo entre a Medicina e o Direito

Transexualismo e Cirurgia de Troca de Sexo no Brasil: diálogo entre a Medicina e o Direito Transexualismo e Cirurgia de Troca de Sexo no Brasil: diálogo entre a Medicina e o Direito Por Elizabeth Zambrano Introdução A composição da sociedade, do ponto de vista da classificação sexual, apresenta-se,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000770986 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança nº 2097361-61.2015.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante GABRIELA DA SILVA PINTO, é impetrado

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2016

PROJETO DE LEI N O, DE 2016 PROJETO DE LEI N O, DE 2016 (Da Sra. Deputada Federal LAURA CARNEIRO) Acresce dispositivo à Lei n o 6.015, de 31 de dezembro de 1973, para dispor sobre substituição de prenome e alteração de sexo no registro

Leia mais

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR A CATEGORIA GÊNERO NA REFLEXÃO SOBRE EDUCAÇÃO ESCOLAR Carla de Oliveira Romão 1 Resumo: O presente artigo problematiza os sentidos de gênero nas pesquisas do campo educacional. Tendo como marco do estudo

Leia mais

Gênero e Desigualdades

Gênero e Desigualdades 1 Gênero e Desigualdades Leila Linhares Barsted * Analisar as desigualdades de gênero importa em compreender como se constituem as relações entre homens e mulheres face à distribuição de poder. Em grande

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ.

AS RELAÇÕES DE PODER, GÊNERO E SEXUALIDADES ENTRE DISCENTES E DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA - UEPG, PARANÁ. OLIVEIRA, Fábia A. S. Acadêmica do curso de Bacharelado em Geografia e Aluna pesquisadora do Grupo de Estudos Territoriais GETE, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG, fabialessandra.geo@gmail.com

Leia mais

Quanto à titularidade de direitos fundamentais por pessoas jurídicas

Quanto à titularidade de direitos fundamentais por pessoas jurídicas 6. Quanto à titularidade de direitos fundamentais por pessoas jurídicas (Art. 19 III GG) NOTA INTRODUTÓRIA: A questão da titularidade de direitos fundamentais segue, como visto na introdução, a regra da

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

1ºMódulo. Direito Internacional dos Direitos Humanos*

1ºMódulo. Direito Internacional dos Direitos Humanos* Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado Direito Cronograma 2015 1ºMódulo 2ª feira (noite) - 19h Teoria dos Direitos Humanos* 3 a feira (manhã) - 8h CAMPUS POA Temas de Antidiscriminação I 3ª feira

Leia mais

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS

EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS EFICÁCIA E APLICAÇÃO DAS NORMAS CONSTITUCIONAIS 1 Eficácia é o poder que tem as normas e os atos jurídicos para a conseqüente produção de seus efeitos jurídicos próprios. No sábio entendimento do mestre

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida União estável e casamento homossexual Renata Barbosa de Almeida 1 Da ignorância à relevância: o percurso do reconhecimento legal Família como casamento. Constituição matrimonial através do Direito. Impedimentos

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização

O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização O fornecimento de senhas e caracteres de acesso à terceiros, causa negativa em indenização Contribuição de Dr. Rodrigo Vieira 17 de dezembro de 2008 Advocacia Bueno e Costanze O fornecimento de senhas

Leia mais

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Enfam

Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados. Enfam Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Enfam ROTEIRO DE CREDENCIAMENTO 1. Identificação do Requerente Escola: Escola do Poder Judiciário ESJUD Diretor: Desembargador Francisco Djalma

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA. RESOLUÇÃO Nº 12, de 11 de março de 2015

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA. RESOLUÇÃO Nº 12, de 11 de março de 2015 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RESOLUÇÃO Nº 12, de 11 de março de 2015 Disciplina o procedimento de consulta previsto nos 4º e 5º do art. 9º da Lei n. 12.529/2011. O

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE

O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE O HOMEM TRANS E A (RE) CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Patrícia Michelini de Matos Batista, discente do curso de Licenciatura em Ciências Sociais, bolsista de iniciação científica da Universidade Estadual de

Leia mais

1 O CONTEXTO DO CURSO

1 O CONTEXTO DO CURSO REFLEXÕES ACERCA DAS QUESTÕES DE GÊNERO NO CURSO PEDAGOGIA: LICENCIATURA PARA EDUCAÇÃO INFANTIL MODALIDADE A DISTÂNCIA Lívia Monique de Castro Faria Bolsista de Apoio Técnico a Pesquisa /FAPEMIG. Universidade

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais

AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais AULA 01 Direitos e Deveres Fundamentais Um projeto de vida começa com um sonho, grande ou pequeno, não importa! Na vida temos que ter a capacidade de sonhar, sonhar sempre, sonhar para viver! Meu nome

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro

Nota sobre o objeto e o objetivo do livro. Nota sobre a forma de utilização do livro Nota sobre o objeto e o objetivo do livro Nota sobre a forma de utilização do livro 1 Leitura ativa, xxv 2 Ensino participativo, xxvii 3 Utilização da bibliografia, xxviii Introdução - O que é "processo

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE DIREITO DO TRABALHO

COMISSÃO PERMANENTE DE DIREITO DO TRABALHO lnst1tuto DOS ADVOGADOS BRAS\lE\ROS COMISSÃO PERMANENTE DE DIREITO DO TRABALHO REF: INDICAÇÃO N. 201/2011 EMENTA: PROJETO DE LEI DO SENADO N. 524/2011. ALTERA A LEI Nº 8.036, DE 8 DE MAIO DE 1990, PARA

Leia mais

Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral

Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral Os Embargos Arbitrais e a Revitalização da Sentença Arbitral Prevê a Lei de Arbitragem (Lei n. 9.307/96) período de tempo no qual, após a sentença arbitral proferida, ainda será possível ao árbitro ou

Leia mais

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2009. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2009 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 157, de 2002, do Senador Carlos Bezerra, que acrescenta art. 392-B à Consolidação das Leis

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Deiseane Louise Santos Oliveira (PPGE/UFAL) Resumo A preocupação com a temática surgiu a partir de uma prática interventiva em que atuei como bolsista

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Mudança do nome do transexual

Mudança do nome do transexual BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Mudança do nome do transexual Flávio Tartuce advogado em São Paulo (SP),doutorando em Direito Civil pela USP, mestre em Direito Civil Comparado pela PUC/SP, professor do Curso FMB,

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA (Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul)

JURISPRUDÊNCIA (Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul) JURISPRUDÊNCIA (Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul) Retificação de registro civil Transexualismo Alteração de prenome independentemente da realização de cirurgia de transgenitalização Direito

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 172, DE 2014 Modifica a Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, para possibilitar o trabalhador aposentado ou seu pensionista o direito à desaposenadoria. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 4.406/2014-AsJConst/SAJ/PGR Arguição de descumprimento de preceito fundamental 292/DF Relator: Ministro Luiz Fux Requerente: Procuradoria-Geral da República Interessado: Ministério da Educação Arguição

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

Projeto de lei n.º /XII

Projeto de lei n.º /XII Projeto de lei n.º /XII Elimina as discriminações no acesso à adoção, apadrinhamento civil e demais relações jurídicas familiares, procedendo à segunda alteração à Lei n.º 7/2001, de 11 de maio, e à primeira

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil

A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil IX Salão de Iniciação Científica PUCRS A efetividade das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos no Brasil Gabriela Bratkowski Pereira, Elias Grossmann (orientador) Faculdade de Direito,

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

: 200900044000310 : ABGLT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GAYS, LÉSBISCAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS : SOLICITAÇÃO

: 200900044000310 : ABGLT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GAYS, LÉSBISCAS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS : SOLICITAÇÃO CONSElHO fstaoual DE EOUCAÇAO ), i PARECER N. _---l(..lj_'...,/-1,/2009 Histórico A ABGL T - Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, por encaminhamento eletrônico,

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Lívia Aragão de Melo 1 O Projeto de Lei nº 213/2015, de autoria da senadora Vanessa Grazziotin, pretende alterar a Lei do Serviço

Leia mais

O ÂMBITO DE PROTEÇÃO AO NOME EMPRESARIAL NO DIREITO BRASILEIRO: uma análise do artigo 1.166 do Código Civil de 2002

O ÂMBITO DE PROTEÇÃO AO NOME EMPRESARIAL NO DIREITO BRASILEIRO: uma análise do artigo 1.166 do Código Civil de 2002 1 O ÂMBITO DE PROTEÇÃO AO NOME EMPRESARIAL NO DIREITO BRASILEIRO: uma análise do artigo 1.166 do Código Civil de 2002 Camila Gonçalves Teixeira da Costa 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objetivo

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SÃO LUÍS 2015

PROJETO DE PESQUISA SÃO LUÍS 2015 INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR - IFES CURSO DE DIREITO COMISSÃO DE EXTENSÃO E PESQUISA - CONEX PROJETO DE PESQUISA SÃO LUÍS 2015 CURSO DE DIREITO NUCLÉO DE ESTUDOS EM DIREITO E DIVERSIDADE SEXUAL

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

A retirada da expressão gênero dos planos de educação sob a perspectiva da discriminação institucional

A retirada da expressão gênero dos planos de educação sob a perspectiva da discriminação institucional - SEPesq A retirada da expressão gênero dos planos de educação sob a perspectiva da discriminação institucional Carolina Santos Panizzi Mestranda carolinapanizzi@gmail.com Resumo: Será feita uma análise

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais