Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1

2 Aerosóis

3

4

5

6

7

8

9

10 KO

11 Fórmula Cipermetrina ,30g Diclorvos (DDVP) ,26g Veículo qsp ml Propelente :Butano

12 DDVP Família dos organofosforados Ação larvicida imediata e com pouco poder residual

13 Cipermetrina Família dos Piretroides Poderoso inseticida com baixa toxicidade Ação repelente Poder residual

14 Vantagens Um produto único e exclusivo Superaderente (não escorre) A tecnologia do Bactrovet em um spray roxo Produto concentrado Duas bases sinérgicas Custo beneficio alto Praticidade e Segurança

15 Indicações Dermatobiose Berne Miíases Bicheiras Cirurgias em geral Feridas abertas por segunda intenção Cura de umbigos Repelente

16 Tratamento de Feridas

17 Principais Agentes Envolvidos Bactérias Piogênicas Anaeróbios Fungos Oportunistas

18 Agravantes Neoplasias Traumatismo por mordeduras Feridas por material perfurante Abscesso Feridas secundárias

19 Sintomas Febre Dor a manipulação Secreção (purulenta, serosanguinolenta, etc...) Odor fétido Tecido Inflamado Pode haver crescimento do linfonodo mais próximo.

20 Tratamento

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35 Vermífugos

36 Verminose de Cães e Gatos

37 Principais Danos Emagrecimento Falta de Crescimento Queda de pêlos Apatia Anemia

38 Transmissão Alimentos contaminados com fezes Transmissão da mãe para o feto (transplacentária) Contato direto (canis e gatis)

39 Sintomas Anemia (mucosa hipocorada) Diarréia pastosa com muco ou sangue Pêlos Eriçados Ascite (hidroperitônio) Fraqueza

40 Tipos de Vermes

41 Tratamento

42 Linha Basken Controle de todos os parasitas de acordo com o tamanho, espécie e idade Pode ser utilizado nas duas espécies Apresentações que facilitam a dosagem Pode ser utilizado em qualquer fase da gestação Combate TODOS os tipos de vermes Sem efeitos tóxicos Pode ser aplicado a partir de 15 dias de idade

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56 Anticoncepcionais

57 Controle do Ciclo Estral

58 Pro-estro Edema de vulva Descarga sangüínea. A citologia vaginal é predominantemente de células para basais COMPORTAMENTO - a cadela é agitada e é agressiva com o macho. Torna-se mais passiva no começo do estro

59 Estro Aumenta o edema de vulva Descarga vulvar será ligeiramente cor-de-rosa. Algumas fêmeas terão uma descarga sangrenta no estro que é normal. Na citologia vaginal haverá uma concentração elevada de células corneificadas. COMPORTAMENTO - a cadela procura o macho, fica rodeando, levanta a região pélvica, move a cauda para o lado e aceita a cópula.

60 Diestro Diminuição do edema vulvar Não apresenta descarga vulvar A citologia vaginal não apresenta células queratinizadas e apresenta células brancas do sangue em grande quantidade. COMPORTAMENTO: Não aceita o macho

61 Anestro Período de inatividade ovariana Nenhuma descarga vaginal Retorno ao cio por volta dos 4 meses

62 Ciclo da Gata Requer copulação para ovular. Ovulação induzida FASES DO CICLO PRÓ-ESTRO DURAÇÃO um dia ou menos CARACTERÍSTICAS o animal rola, se esfrega, emite vocalizações freqüentes, se abaixa freqüentemente com os quartos traseiros elevados, mas ainda rejeita o macho. ESTRO DURAÇÃO dias CARACTERÍSTICAS aumento dos sinais de pró-estro, porém, agora aceita macho, o que significa desvio da cauda lateralmente, aceita que o macho lhe agarre a nuca, monte e copule. METAESTRO DURAÇÃO semanas CARACTERÍSTICAS Não ocorre ovulação, não há manifestações de cio e não aceita o macho.

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73 Antibiótico

74 Kuramicina L.A Oxitetraciclina de ação prolongada

75 Kuramicina Fórmula Cada 100 ml contém: 20.00g de oxitetraciclina, excipiente q.sp 100ml

76 Indicações Bactérias Gram + e Gram- Ricketsias Clamídias Alguns protozoários E fungos patogênicos

77 Efetivo contra: Actinobacilose Artrite infecciosa Carbúnculo Sintomático Gabarro Leptospirose Metrite Aborto enzootico dos ovinos Enterites bacterianas Septicemia Hemorrágica Pasteurelose

78 Dose e Modo de usar 1 ml para cada 10 kg de peso vivo para todas as espécies, em leitões com menos de 10 Kg administrar 1 ml Aplica-se por via intramuscular

79 Porque usar Kuramicina? Kuramicina Ação Prolongada Amplo Espectro Pronta para uso

80

81 Anti-inflamatório

82

83

84

85

86

87

88

89 Otites

90 Definição Inflamação do canal auricular externo do ouvido

91 Sintomas Secreção purulenta ou negra Dor a palpação Prurido (coceira) Eritema (vermelhidão) Opor fétido Sacudidas de cabeças ou cabeça inclinada no lado da otite

92

93

94

95

96

97

98

99

100 Antes e Depois

101

102 Linha Ectopasaticidas

103 Controle de Carrapatos

104 Quem são? São ectoparasitos (parasitas externos) de vertebrados (mamíferos, répteis, aves e anfíbios), ocorrendo em animais silvestres, domésticos e mesmo o homem, alimentando-se do sangue (hematófagos). Existem 2 fases de vida: fase de parasitismo (no hospedeiro) e fase de vida livre (solo, tocas, buracos, ninhos e vegetação)

105 Ciclo de Vida

106 Tipos

107 Principais pontos de encontro

108 Doenças Causadas

109 Tratamento e Controle Controle ambiental por dedetização (carrapaticidas) 4 aplicações com intervalo de 14 dias. Aplicação de vassoura de fogo Uso de banhos carrapaticidas ou pour-on Após o controle, uso de terapia profilática.

110

111

112

113

114 Apresentação : frasco de 200ml

115 TEA SUPER SHAMPOO Fórmula: PIRETRINA ,1g BUTOXIDO PIPERONILA ,0g BICICLOHEPTANA ,5g Fórmula dermatológica: PROTEÇÃO PELE BRILHO E PROTEÇÃO PÊLOS DESODORANTE

116 TEA SUPER SHAMPOO INDICAÇÕES: Embelezador e controle de ectoparasitos CONTROLE PULGAS E CARRAPATOS: Tratamento choque da carga existente, eliminação dos carrapatos e pulgas presentes no animal.

117 TEA SUPER SHAMPOO MODO DE USO: Com o pelo umedecido, de preferência com água quente, aplicar o produto, massageando. Em seguida reaplicar. Repetir o tratamento semanalmente

118 Apresentação: frasco de 440 ml

119 TEA LARVOX Fórmula: PIRETRINA ,1g (piretróide, repelente, adulticida, ação prolongada) BUTOXIDO PIPERONILA ,4g (Potencializador de piretróide) PROPOXUR ,0g (Fosforado adulticida de ação prolongada) METOPRENE ,16g (IGR regulador hormonal crescimento-age nas forma jovens) DICLORVOS (DDVP) ,46g (fosforado adulticida de ação imediata e desalojante)

120 TEA LARVOX INDICAÇÕES: Controle ambiental de pulgas e carrapatos. CONTROLE PULGAS E CARRAPATOS: Por ter IGR (age interferindo no hormônio de crescimento dos parasitas), elimina formas jovens (ovos e larvas) Por ter inseticida adulticida, elimina as formas adultas dos parasitas.

121 TEA LARVOX MODO DE USO: Aplicar nos ambientes freqüentados pelos animais: Casinhas, colchão, tapetes, sofás, panos de dormir, canil, etc.. (locais onde o contato é constante) Aplicar em locais onde sugere ninhos dos parasitas:paredes, frestas, buracos, locais acima próximo da casinha, rodapés, etc. Aplicar a cada 7 dias.

122 ACÁ NO Produto utilizado para educação dos animais, através da demarcação dos locais onde eles não devem se aproximar. Impede que urinem e defequem em locais indesejados, bem como protegem plantas e objetos de serem destruídos. Efeito repelente de cães e gatos. Duas formulações e apresentações: GEL e AEROSOL

123 Apresentação frasco com 280g

124 ACÁ NO GEL Fórmula: UNDECANONA Este princípio ativo tem ação contínua, liberando um odor fortíssimo, confundindo o senso olfativo de cães e gatos, repelindo-os dos locais onde o produto foi aplicado. Por outro lado, este odor é agradável aos seres humanos. A formulação GEL, é indicada para locais como jardins e proteção de plantas. É a única forma GEL do mercado com essa indicação.

125 ACÁ NO GEL MODO DE UTILIZAÇÃO: Limpar previamente as áreas a serem tratadas. Aplicação do produto diretamente nos canteiros e plantas. Em locais onde a presença dos animais é constante, aplicar com intervalos de 2 a 3 dias, até alcançar o resultado, em torno de 3 semanas. Após alcançar o resultado, aplicar a cada 10 dias

126 Apresentação: 440ml

127 ACÁ NO AEROSOL Fórmula: UNDECANONA---4g Formulação Aerosol indicada para uso interno e externo, em carpetes, tapetes, móveis, pisos, portas, portões, rodas de carros, sacos de lixos, vasos de plantas.

128 ACÁ NO AEROSOL MODO DE UTILIZAÇÃO: Limpar previamente as áreas a serem tratadas. Tirar todo vestígio de urina e fezes, lavando com água e sabão, bem como qualquer material que contenha amônia. Agitar bem o frasco antes da utilização Aplicação do produto diretamente nos locais onde se deseja repelir os animais, até ficarem ligeiramente umidecidos. A aplicação deverá ser repetida a cada 24 horas, podendo ser necessário 12 horas em ambientes externos ou que foram lavados O resultado do produto poderá ser notado imediatamente a aplicação, porém o controle desejado será alcançado em aproximadamente 30 dias.

129 Raticidas

130

131 ROEDORES Ordem rodentia, são os mamíferos mais fecundos e numerosos do planeta. Rodentia: Roer-configuração dentária. Roedores comensais: Partilhar a mesa Partilham os alimentos e vivendas do homem.

132 ROEDORES São os mais destrutivos. MUNDIALMENTE, ESTIMAM-SE PERDAS DE 10% EM PRODUÇÃO, POR CONSUMO, DESTRUIÇÃO E CONTAMINAÇÃO.

133 ROEDORES Vertebrados com maior capacidade para ocasionar danos: ALIMENTOS(Perdas econômicas) ESTRAGOS EM ESTRUTURAS ASPECTO SANITÁRIO

134 ESPÉCIES AO REDOR DO MUNDO Rattus norvergicus (RATAZANA) Rato comun, pardo ou da noruega. O mais destruidor. Rattus rattus (RATO DE TELHADO) Rato negro, de teto, dos silos ou dos barcos. Transmissor da peste bubônica. Mus musculus (CAMUNDONGO) É o rato doméstico. O roedor comensal mais amplamente difundido.

135 CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES PARA SEU CONTROLE ALIMENTAÇÃO ÁGUA ESCALAR HABITATS ATIVIDADE (RAIO) RATTUS NOVERGICUS Onívoro, inclusive carne (até 30g por dia). Água livre ou alimentos com alto conteúdo. Pode escalar, mas não é muito ágil. Especialmente tocas, covas. 50 M RATTUS RATTUS Onívoro, especialmente frutas,frutas secas, hotaliças, 25g por dia. Idem Ágil, escalador ativo. Especialmente paredes, plantas, trepadeiras, árvores, estruturas de tetos 30 M MUS MUSCULUS Prefere grãos de cereal. 3 g por dia. Geralmente do alimento. Bom escalador. Geralmente em materias armazenados Podem cavar M

136 ASPECTO SANITÁRIO Doenças que são transmitidas Virais: Choriomeningite raiva - Febres hemorrágicas Bacterianas: Febre por mordida Salmonelose - Contaminação de alimentos Leptospirose Peste bubônica

137 DANO ESTRUTURAL Espécies que vivem dentro ou ao redor de vivendas ou construções, danificam estruturas quando constroem suas tocas. Debilitação de trilhas, calçadas e fundações. Por roerem fios elétricos, ocasionam perigo de incêndios por curto-circuitos.

138 ROEDORES Como conclusão... São uma perfeita máquina biológica de contaminação e perdas!

139 CONTROLE Costuma ser uma tarefa difícil. São inteligentes e têm certo grau de comunicação entre eles. Escolha do método adequado.

140 MÉTODOS PARA CONTROLE DE ROEDORES CULTURAIS Ratoeiras/ inundações / escavação. Manipulação do habitat (ex: medidas sanitárias) MECÂNICOS Barreiras físicas, redes de proteção. Telas circundando árvores. BIOLÓGICOS Enfermidades, parasitas. QUÍMICOS

141 DE ROEDORESMÉTODOS MAIS IMPORTANTES PARA CONTROLE QUÍMICOS REPELENTES QUÍMICO ESTERILIZANTES VENENOS - FUMIGANTES - AGUDOS - CRÔNICOS

142 VENENOS AGUDOS Agem em minutos/horas depois da ingestão. Morte. Por parada respiratória ou paralisia geral. Conceitos: Não Funciona - Neofobia. Concentração 0.5% a 5%. VENENOS CRÔNICOS Requerem ingestão repetida para o efeito letal. Predominantemente ANTICOAGULANTES

143 POTÊNCIA COMPARADA DE VÁRIOS RODENTICIDAS CRONICOS DE PRIMEIRA GERAÇÃO DL 50 ORAL AGUDA (mg/kg) DIPHACINONE 3.0 CHLOROPHACINANE 20.5 COUMATETRALYL 16.5 WARFARIN 58

144 ANTICOAGULANTES CRONICOS DE SEGUNDA GERAÇÃO Desenvolvidos durante Mais potentes. Anti-resistência DL50 ORAL AGUDA (mgkg) BROMADIOLONE 1.12 DIFENACOUM 1.80 FLOCOUMAFEN 0.25 BRODIFACOUM 0.25

145 CLASSES DE RATICIDAS TIPOS BLOCOS. Blocos de parafina e cereal. Mescla complexa. Diferentes formas. GRANULADO PELETS. Peletizados (Tipo Ração). GRANULADOS ISCA. grãos soltos impregnados com raticida. LÍQUIDOS (Proibidos no Brasil) TIPOS PASTA (Restritos a empresas especializadas) PÓ (Restritos a empresas especializadas) SAQUINHOS OU SACHÊS. Sacos individuais de isca em grão ou pelets.

146 Fórmula quali-quantitativa: Brodifacoum...0,005% Benzoato de denatonium...0,001% Grão cereal de trigo

147 FORMULAÇÃO Brodifacoum Ingrediente ativo. Potente: Efetivo com baixíssimas quantidades aplicadas e mínima exposição. Birtax (Benzoato de denatonium) Segurança. Forte amargor preventivo de ingestão acidental humana ou animal. Base grão de trigo inteiro.

148 MECANISMO DE AÇÃO Birtax (Substância desenvolvida para ULTRA de sabor muito amargo). Não detectada pelos ratos Previne a ingestão acidental de seres humanos e animais domésticos Modo de Ação: Ingestão.

149 MECANISMO DE AÇÃO P Brodifacoum Anticoagulante de ação lenta. Começa o processo que leva à morte (entre 3-10 dias) sem produzir suspeita na colônia

150 COM ULTRA O RATO EXPERIMENTA E MORRE Só se aplicam gr. por ponto ou estação de isca Enquanto que VENENOS TRADICIONAIS se aplicam entre gr. por ponto

151 25 gr Aspecto uniforme dos Graõs 25 gr 1 Kg (40x25gr) Display 100 gr (4x25gr)

152 CONTROLE RENTÁVEL DE ROEDORES RENTABILIDADE CUSTO CONTROLE: 1. Menor quantidade de produto (isca). 2. Menor número de visitas aos pontos de colocação. MENOR CUSTO TOTAL TRATAMENTO

153 ROEDORESCONTROLE RENTÁVEL DE SEGURANÇA Para os operadores e meio ambiente. Antídoto efetivo e facilmente disponível. VITAMINA K1

154 CONTROLE RENTÁVEL DE ROEDORES EFICÁCIA Ativo monodósico real. Brodifacoum. Potencia a 0.005%. Eficaz contra todas as especies, não apresenta resistencia, ação demorada (neofobia), Formulações adequadas.

155 APLICAÇÃO Colocam-se 25 gr. a distância de 5 m para ratos (Ratazana). 2 m para rato doméstico (Rato de Telhado)/camundongo Repor a cada 7 dias. Visitar lugares aplicados para checar consumo. Em 21 dias, quase todas as infestações ficam sob controle. Fazer aplicações de manutenção. Em exteriores, colocar em lugares protegidos da chuva (grãos).

156 Eficaz. Solução real para o problema Produto seguro POR QUÊ ULTRA? Formulado a base de grãos de trigo duro Uma única aplicação é suficiente Ecológico. Amigável com o meio ambiente Sabor agradável para os ratos (Alto valor proteico) Mais de 15 anos de trajetória em diversos mercados da América

157 ECONOMIA

158 Rentável COMO CONCLUSÃO... Eficaz e potente em baixíssimas quantidades Atração única por qualidade e tamanho do grão de trigo e niveis de proteinas Cobertura especial do grão de trigo que não interfere no sabor Seguro

159 Anestésicos e Anticonvulsivantes

160

161

162

163

164

165

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA. Controle de Roedores. Marcelo Weiss UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DPMV SAÚDE PÚBLICA Controle de Roedores Marcelo Weiss Introdução Diferença entre roedores silvestres e roedores sinantróficos comensais Condição

Leia mais

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat

Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat Produtos - Saúde Pública / Raticidas / Klerat KLERAT O Melhor raticida dose única KLERAT mata todos os roedores, incluindo aqueles resistentes a outros raticidas anticoagulantes, com a MENOR DOSE DO MERCADO.

Leia mais

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar...

Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... http://www.milkpoint.com.br/anuncie/novidades-dos-parceiros/agita-as-moscas-podem-ate-voar-mas-nao-vao-escapar-69463n.aspx Agita : as moscas podem até voar, mas não vão escapar... 07/02/2011 Muitas pessoas

Leia mais

Controle Integrado de Ratos

Controle Integrado de Ratos CONTROLE INTEGRADO DE RATOS 0 CONTROLE INTEGRADO DE RATOS 1 Controle Integrado de Ratos Elaborado por: Revisão Técnica: Coordenação Editorial: Editoração Eletrônica: Normatização bibliográfica: Fotos:

Leia mais

Cyperclor Plus Pour On

Cyperclor Plus Pour On Ectoparasiticidas 2 Cyperclor Plus Pour On CYPERCLOR PLUS POUR ON controla e trata as infestações causadas pelos principais ectoparasitas de bovinos e suínos, contém Clorpirifós, Citronela, BPO (Butóxido

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 003/2014. Prefeitura Municipal de Bom Despacho AGENTE DE CONTROLE DE ENDEMIAS 1 - Acerca das doenças de interesse em saúde pública, estão corretas as afirmativas, EXCETO: (A) Dengue é transmitida, geralmente, pela picada do mosquito Aedes Aegypti que inocula na pessoa o vírus da

Leia mais

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PEQUENOS VETORES GRANDES PREJUÍZOS JOÃO MARCILIO DA SILVA REBOUÇAS RIO DE JANEIRO RJ 2005 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PÚBLICO ALVO... 4 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CONTROLE DE ROEDORES

CONTROLE DE ROEDORES CONTROLE DE ROEDORES Roedores e a sociedade humana. Os problemas causados pelo aumento da população de roedores, especialmente nas grandes cidades são considerados um fenômeno mundial. Entre as espécies

Leia mais

BIOLOGIA E CONTROLE DE ROEDORES URBANOS

BIOLOGIA E CONTROLE DE ROEDORES URBANOS BIOLOGIA E CONTROLE DE ROEDORES URBANOS Ronaldo Nonato Agente de controle de Zoonoses SUVIS Campo Limpo Vigilância Ambiental E-mail: ronaldo.nonato@hotmail.com Telefone comercial: (11) 5814-8805 São Paulo

Leia mais

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato.

1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. LEPTOSPIROSE - O que saber e o que fazer 1. O que é leptospirose? É uma doença infecciosa causada por uma bactéria chamada Leptospira presente na urina do rato. 2. Como se pega a leptospirose? Em situações

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS FÉRIAS ESCOLARES X ACIDENTES DOMÉSTICOS As férias escolares exigem mais cuidados com os acidentes domésticos porque as crianças ficam mais tempo em casa e isso aumenta o risco de ocorrerem acidentes que

Leia mais

LUIZ FELIPE ARAÚJO MORETTI INDICE

LUIZ FELIPE ARAÚJO MORETTI INDICE 1 LUIZ FELIPE ARAÚJO MORETTI INDICE Pagina 1 Animais Sinantrópicos / Animais Sinantrópicos na Área Portuária Pagina 2 Pombos na Área Portuária Pagina 3 Problema dos Pombos na Área Portuária / Problemas

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias 1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias Dr. Luciano Bastos Lopes Pesquisador Embrapa Agrossilvipastoril Epidemiologia e Doenças Infecciosas Controle Sanitário em Bovinos

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS

BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE NA PRODUÇÃO DE SUÍNOS BIOSSEGURIDADE é o estabelecimento de um nível de segurança de seres vivos, por meio da diminuição de ocorrência de doenças em uma determinada população. PROGRAMAS

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

Apresentação Mobilização no combate à dengue

Apresentação Mobilização no combate à dengue Apresentação Mobilização no combate à dengue Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública do mundo. Com a temporada de chuvas, os riscos de surtos da doença ficam ainda

Leia mais

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS]

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] [CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] Somente as cadelas possuem ciclo estral e os machos sentem se atraídos pelas que estão no cio; 2 Ciclo estral (cio) nas cadelas O início dos cios nas cadelas sadias ocorre

Leia mais

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v EMPRESA A Interfina nasceu em 2010 com o objetivo de criar soluções inovadoras em agroquímicos, desenvolvendo um mix de produtos que tenham tecnologia, qualidade e colaborem com eficácia no combate as

Leia mais

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória -

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória - M i c r o Z o o m - um jogo de observação e memória - Material de Apoio Raiva A raiva é uma doença fatal. Isso significa que se uma pessoa que se uma pessoa não vacinada for contaminada pelo vírus da raiva

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009 Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara

Leia mais

PROTISTAS. Algas e protozoários

PROTISTAS. Algas e protozoários PROTISTAS Algas e protozoários Protozoários Organismos eucariontes, unicelulares, heterótrofos e com capacidade de locomoção. Célula procarionte Célula eucarionte 4 grupos principais: protozoários amebóides

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5

Ficha de Informação de Segurança para Produto Químico (FISPQ) Kaliumcryl TPG7525 Página 1 de 5 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Empresa: Kalium Chemical Com. Import. E Export. Ltda Matriz: Av. das Nações Unidas, 10.989 Conj. 141-14º andar Parte - Vl. Olimpia São Paulo

Leia mais

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Parte 3 CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS Curso Integrado de Pragas JPGomes November 11th, 2006 Slide 1 Controle Integrado de Roedores e Insetos Instalações: O surgimento de roedores e insetos é conseqüência

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE]

www.drapriscilaalves.com.br [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE] [ORIENTAÇÕES SOBRE O FILHOTE] 2 orientações sobre o filhote 1. Informações iniciais: É natural que o filhote estranhe seu novo lar nos primeiros dias. Assim, é importante ser compreensivo, carinhoso e

Leia mais

Ficha de segurança DDVP ROGAMA 1000 CE

Ficha de segurança DDVP ROGAMA 1000 CE Rev. 00 18/07/06 Ficha de segurança 1. Identificação do Produto e da Empresa DDVP ROGAMA 1000 CE Empresa ROGAMA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Av. Alexandrina das Chagas Moreira, 964, Distrito Industria Pindamonhangaba

Leia mais

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires

Nematódeos parasitas do ser humano. Prof.: Chico Pires Nematódeos parasitas do ser humano Prof.: Chico Pires Ascaris lumbricoides Ascaris lumbricoides (lombriga) Doença: Ascaridíase Modo de transmissão: Ingestão de alimentos e de água contaminados por ovos

Leia mais

ENCONTRO ABRACEN 2013

ENCONTRO ABRACEN 2013 ENCONTRO ABRACEN 2013 EDIÇÃO CEASA CAMPINAS/SP SEGURANÇA ALIMENTAR E INOCUIDADE -Resíduos de Agrotóxicos - Pragas Urbanas O que é um Resíduo de Agrotóxico? Combinação do ingrediente ativo e seus metabólitos

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ROEDORES

MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE ROEDORES GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Saúde Subsecretaria de Vigilância à Saúde Diretoria de vigilância Ambiental Gerência de Vigilância Ambiental de Zoonoses MANUAL BÁSICO DE CONTROLE DE

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Juliana Lima

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde. Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde 1 FLUXO DA VIGILÂNCIA SISTEMAS SETORIAIS RELACIONADOS COM SAÚDE E AMBIENTE (Saúde, Educação, Des. Urbano,

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos RATOKILL PÓ DE CONTATO RATOKILL PÓ DE CONTATO CÓDIGOS : 313, 314, 325 e 326. Páginas 1 de 5 01 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: Nome do produto... : RATICIDA RATOKILL PÓ DE CONTATO Fabricante... : INSETIMAX INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA

Leia mais

PARTE I As principais zoonoses transmitidas pelo cão e gato

PARTE I As principais zoonoses transmitidas pelo cão e gato PARTE I As principais zoonoses transmitidas pelo cão e gato RAIVA A Raiva foi reconhecida por volta dos anos 2300 A. C. É uma doença muito grave e fatal, causada pelo vírus: Lyssavirus, que afecta todos

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v

YMIDALAM 200 SC. Dosagem: 20ml do produto para 10L de água. Composição: Imidacloprido 10% p/v Lambda Cialotrina 5% p/v EMPRESA A Interfina nasceu em 2010 com o objetivo de criar soluções inovadoras em agroquímicos, desenvolvendo um mix de produtos que tenham tecnologia, qualidade e colaborem com eficácia no combate as

Leia mais

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois

Período de incubação nos seres humanos, varia de 3 a 15 dias, mais comum de 5 a 6 dias, isto significa que o paciente vai sentir os sintomas depois DENGUE DENGUE : DOENÇA QUE MATA DENGUE FORMAS CLÍNICAS DA DENGUE Assintomática Oligossintomática Dengue clássica Dengue grave Febre hemorrágica Dengue com Complicações transmissão Dengue é transmitida

Leia mais

CÓPIA CONTROLADA NÃO REPRODUZIR

CÓPIA CONTROLADA NÃO REPRODUZIR Hipermec Hipermec é um endectocida a base de Ivermectina para bovinos. Atua contra vermes gastrintestinais e pulmonares, bernes, bicheiras, piolhos e sarnas. Auxilia no controle do carrapato (Boophilus

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/7 FISPQ NRº. 004 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome da Empresa: Hidroazul Indústria e Comércio Ltda Endereço: Rua João Dias Neto, 18 D Cataguases MG CEP: 36770-902. Telefone da Empresa: (32)

Leia mais

Características dos Nematoides

Características dos Nematoides Nematoides Características dos Nematoides Possuem o corpo cilíndrico e alongado, com pontas afiladas e musculatura desenvolvida. Apresentam tamanhos variados. Tubo digestório completo (boca e ânus). Podem

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Centro de Epidemiologia. Período de chuvas pode colaborar para aumentar os casos de Leptospirose

Centro de Epidemiologia. Período de chuvas pode colaborar para aumentar os casos de Leptospirose SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE Centro de Epidemiologia Data: 23/12/2014 Nome do agravo: Leptospirose Semana epidemiológica: 52 1-Introdução: Período de chuvas pode colaborar para aumentar os casos de Leptospirose

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS

Febre maculosa. Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa Você que gosta de pescaria em rios, muito cuidado, ou melhor, evite os rios e locais com grandes grupos de CAPIVARAS Febre maculosa brasileira é uma doença transmitida pelo carrapato-estrela

Leia mais

INSETICIDAS CYPERCHEM 250 BR Concentração: 250g/L (25%), atomização e termonebulização Indicação: Mosquitos, barbeiros, moscas e baratas Ação tóxica: Disturbios sensoriais cutâneos, hipersensibilidade,

Leia mais

Manual do Professor. CONTROLE DA PEDICULOSE Um projeto educativo

Manual do Professor. CONTROLE DA PEDICULOSE Um projeto educativo Manual do Professor CONTROLE DA PEDICULOSE Um projeto educativo Professores Carlos Fernando Andrade, Luciana U. dos Santos e Ana Tereza Brandão Cecílio - Departamento de Zoologia - Instituto de Biologia

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR

HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR TERMO DE REFERÊNCIA/ESCOPO HMR.02.06.04 HEMOCENTRO: Florianópolis Nº CP 321/15 OBJETO A CONTRATAR CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE SAÚDE AMBIENTAL (DESRATIZAÇÃO, DESCORPINIZAÇÃO

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL DEDETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA PROCEDIMENTAL DEDETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO 30.01.009 1/08 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para realização do serviço de dedetização e desratização nas dependências do Hospital Escola HE. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os setores do HE, em

Leia mais

Rato morto a mais de uma semana já em estado avançado de decomposição próximo ao bloco E.

Rato morto a mais de uma semana já em estado avançado de decomposição próximo ao bloco E. Campinas, 04 de Agosto de 2009. Universidade Estadual de Campinas Pró-Reitoria de Graduação Programa de Moradia Estudantil Att.: Professor Dr. Luis Antonio Viotto coordenador do PME Manutenção e limpeza

Leia mais

'FORTALEZA CAMARA MUNICIPAL DE REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3

'FORTALEZA CAMARA MUNICIPAL DE REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3 CAMARA MUNICIPAL DE 'FORTALEZA REQUERIMENTO N O5 3 9 / 2 O 1 3 Requer a transcrição da reportagem do Jornal "O Estado"" do dia 20 de fevereiro de 2013, intitulada "Chuvas trazem risco de contágio de doenças"

Leia mais

Cuidados e recomendações TOP WESTIES

Cuidados e recomendações TOP WESTIES w w w.. c o m ÍNDICE Introdução... 3 Vermifugação... 4 Vacinas... 5 Doenças... 6 Alimentação... 7 Pulgas e carrapatos... 8 INTRODUÇÃO Este documento serve para mostrar e orientar os donos e futuros donos

Leia mais

Competências Técnicas

Competências Técnicas Missão Atender bem os clientes, com bons produtos, da maneira mais rápida possível, sempre com muita atenção, com os menores preços possíveis, em um local agradável e limpo. Competências Técnicas Formar

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

INFECÇÕES BACTERIANAS

INFECÇÕES BACTERIANAS INFECÇÕES BACTERIANAS 1. Salmonelose (enterocolite), febre tifóide, febres entéricas Salmonella: Espécies x doenças: S. typhi (febre tifóide) S. paratyphi A, B, C (febres entéricas) Outras espécies (salmonelose)

Leia mais

MODELO DE FORMATO DE BULA

MODELO DE FORMATO DE BULA APRESENTAÇÕES OMCILON-A M (triancinolona acetonida + sulfato de neomicina + gramicidina + nistatina) pomada é apresentado em embalagens contendo 1 tubo com 30 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

Urgências Reprodutivas

Urgências Reprodutivas ta. Maria da Feira, 23 de Janeiro de 2010 Urgências Reprodutivas Luís Montenegro, Rui Mota, Teresa Costa PERCENTAGEM DE OCORRÊNCIA DAS DIFERENTES EMERGÊNCIAS REPRODUTIVAS POR ESPÉCIE TOTAL INTERNAMENTO

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Aula: 17.1 Conteúdo: Doenças relacionadas à água I

FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Aula: 17.1 Conteúdo: Doenças relacionadas à água I CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula: 17.1 Conteúdo: Doenças relacionadas à água I 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Identificar algumas

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA ZYPRED ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Suspensão oftálmica estéril de gatifloxacino (3 mg/ml) e acetato de prednisolona (10 mg/ml), contendo frasco plástico conta-gotas de 3 ml e 6 ml APRESENTAÇÕES

Leia mais

Ações de higienização geral

Ações de higienização geral Ações de higienização geral Limpeza e consciência ampla de higiene são as regras mais importantes na limpeza e desinfecção de granjas suinícolas e conseqüentemente o requisito essencial para uma desinfecção

Leia mais

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti

Prevenção e controlo do mosquito. Aedes aegypti Prevenção e controlo do mosquito Aedes aegypti Aedes aegypti É um mosquito fácil de reconhecer por ser riscado de branco e preto. 2 Distribuição geográfica O mosquito terá tido origem no continente africano.

Leia mais

35 Como o berne aparece no boi?

35 Como o berne aparece no boi? A U A UL LA Como o berne aparece no boi? A criação de gado requer dos fazendeiros, entre outras coisas, o cuidado com a saúde dos animais, pois os bois são atingidos por muitas doenças. Nesta aula vamos

Leia mais

Cuidados e Acompanhamento de pediátricos e filhotes. Dr a. Leila Maria Leal Parente

Cuidados e Acompanhamento de pediátricos e filhotes. Dr a. Leila Maria Leal Parente Cuidados e Acompanhamento de pediátricos e filhotes Dr a. Leila Maria Leal Parente Cuidados com pediátricos Brincadeiras Cuidados com pediátricos - Os pediátricos saudáveis apresentam grande energia, não

Leia mais

Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005)

Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005) Otite externa Resumo de diretriz NHG M49 (primeira revisão, dezembro 2005) Rooijackers-Lemmens E, Van Balen FAM, Opstelten W, Wiersma Tj traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

RISCOS DA AREIA CONTAMINADA

RISCOS DA AREIA CONTAMINADA RISCOS DA AREIA CONTAMINADA CONHEÇA OS RISCOS QUE CORREMOS A areia que vemos disposta em locais de recreação como Creches, Parques, Praças, Escolas e Condomínios está naturalmente exposta à contaminação

Leia mais

COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu

COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO. Prof. Dr. José Abdo A. Hellu COMO OBTER UM BEZERRO POR VACA/ANO Prof. Dr. José Abdo A. Hellu OBJETIVOS DO PROTOCOLO: Obter meia (½) fêmeapor ano para reposição. Atingir um pico de lactação por vaca/ano. LIMITAÇÕES Clima e estações

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Nome da Empresa: Bayer Health Care - Área AH Endereço: Rua Domingos Jorge, 1000 - Socorro, CEP 04779-900, São Paulo - SP. Telefone: (11) 5694-5166 Telefone

Leia mais

DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DENOMINAÇÃO COMERCIAL FRONTLINE COMBO SPOT-ON GATOS COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Fipronil... 50,00 mg (S)-metopreno....60,00 mg Butilhidroxianisol...0,10 mg Butilhidroxitolueno...0,05 mg Etanol....39,50

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Bem Vindos! HIGIENIZAÇÃO, LIMPEZA E PARAMENTAÇÃO Quem sou? Farmacêutica Bioquímica e Homeopata. Especialista em Análises Clínicas, Micologia, Microbiologia e Homeopatia. 14 anos no varejo farmacêutico

Leia mais

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari

Boletim Epidemiológico UHE Santo Antônio do Jari Editorial Índice - Editorial - Doença Leishmaniose - Gráfico de Notificações - Doença Malária Este é o segundo número do ano de, com veiculação semestral, referente aos meses de janeiro a junho, contendo

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Produto : NO-RUST D - Data da Atualização: 22/01/2014 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Empresa: R. Pref. Eurípedes de Siqueira, n.º 36 Distrito

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA. Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DAS DDA Patrícia A.F. De Almeida Outubro - 2013 INTRODUÇÃO DDA Síndrome causada por vários agentes etiológicos (bactérias, vírus e parasitos) 03 ou mais episódios com fezes líquidas

Leia mais

Inseticidas aliados contra a dengue

Inseticidas aliados contra a dengue Inseticidas aliados contra a dengue Alguns dos produtos testados deixaram a desejar na eliminação de baratas e moscas. A boa notícia é que todos eles tiveram ótimo desempenho contra o mosquito Aedes aegypti.

Leia mais

Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana

Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana Controle de qualidade em Alimentos: Matérias Macro e Microscópicas Prejudiciais à saúde Humana Elisa Helena Siegel Moecke Depto de Ciência e Tecnologia de Alimentos/ UFSC Laboratório de Análises - LABCAL

Leia mais

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE...

POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Página 1 POP 04 (Controle Integrado de Vetores e Pragas Urbanas) RESTAURANTE... Modelo sugerido por Márcia M M Paranaguá,, em conformidade com as leis da ANVISA Página 2 1. OBJETIVOS - Assegurar um controle

Leia mais

Modelo de Bula AstraZeneca do Brasil Ltda.

Modelo de Bula AstraZeneca do Brasil Ltda. Modelo de Bula AstraZeneca do Brasil Ltda. XYLOPROCT lidocaína - 21-acetato de hidrocortisona subacetato de alumínio - óxido de zinco FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada. Embalagem com bisnaga contendo

Leia mais

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou

1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Estão divididas em dois grandes grupos: Arqueobactérias e Eubactérias; São unicelular, heterótrofo (bactérias) ou autótrofo (algas azuis); A única organela presente são os ribossomos;

Leia mais

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO

TODOS CONTRA O A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO TODOS CONTRA O MOSQUITO A PREVENÇÃO É A MELHOR SOLUÇÃO Sobre o Aedes aegypti O mosquito Aedes aegypti é o transmissor da Dengue, Chikungunya e e a infecção acontece após a pessoa receber uma picada do

Leia mais