O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte"

Transcrição

1 O Acesso à Casa Própria como principal motivo da mudança de endereço e ratificador da estrutura urbana em Belo Horizonte David Jose A. V. de Magalhães 1 Elisa Araujo de Salvo Brito 2 Iara Almeida Silva 3 1. Introdução Este estudo se insere em uma linha de pesquisa denominada Logística Urbana, patrocinada pelo CNPQ, que, em uma de suas etapas, busca um maior aprofundamento na questão da mobilidade residencial. No desenvolvimento deste trabalho, foram utilizadas como fontes de dados os resultados de uma pesquisa de campo baseada em entrevistas realizadas, em 2004, na seção de impostos imobiliários da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e informações complementares levantadas em organismos governamentais e de pesquisa. Neste trabalho, os resultados obtidos na pesquisa em Belo Horizonte foram comparados com aqueles apresentados por Smolka (1994), em um estudo realizado no Rio de Janeiro e publicado no IX Encontro de Estudos Populacionais em Caxambu. Desta comparação foram indicadas relações que parecem caracterizar a mobilidade nas duas cidades e ratificar alguns dados e hipóteses. Foi constatada uma forte relação entre a dinâmica imobiliária e a mobilidade residencial urbana em Belo Horizonte. As áreas com maiores taxas de transação de compra e venda de imóveis na cidade são as de maiores investimentos do capital imobiliário. A escolha de localização está em grande parte associada à possibilidade de acesso à casa própria, condicionada às políticas públicas e ao mercado imobiliário. 1 Coordenador do Nucletrans (Núcleo de Transporte da UFMG) e orientador da pesquisa 2 Bolsista de Pesquisa - CNPQ 3 Bolsista de Pesquisa - CNPQ 1

2 1.1 Obtenção de Informações sobre transação de compra e venda de imóveis A obtenção de informações foi feita a partir de entrevistas face a face com adquirentes de imóveis e terceiros (despachantes, representantes de cartórios, construtoras e imobiliárias, entre outros), nas seções de impostos imobiliários da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. A Prefeitura divide a cidade em 9 regionais administrativas: Barreiro, Centro Sul, Leste, Nordeste, Noroeste, Oeste, Pampulha, Venda Nova e Norte (ver Figura 1). FIGURA 1 Belo Horizonte regionais administrativas Fonte: Projeto Democracia Participativa,

3 Cada uma das regionais de Belo Horizonte possui uma seção de impostos imobiliários. A guia de recolhimento do ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) pode ser apresentada em qualquer uma delas. Foram realizadas visitas às regionais de maior fluxo de pessoas. A regional Centro-Sul é a mais representativa dentre as nove, confirmando a existência de uma grande centralização das atividades. Nela são atendidas em média 100 pessoas ao dia para assuntos relacionados à ITBI. Muitos adquirentes, mesmo provenientes de outras regionais, vão à Centro-Sul, pela proximidade de outras atividades ou por desconhecerem a possibilidade de realização do mesmo trabalho em outras regionais. Foram realizadas 430 entrevistas no total, todas na regional Centro-Sul, sendo 136 diretamente com o adquirente do imóvel e 294 com despachantes, representantes de corretoras ou imobiliárias, no período compreendido entre a segunda quinzena de outubro e final de dezembro de Vale destacar que a concentração das entrevistas em uma regional não prejudicou a representatividade das demais, pois como já foi comentado, essa regional ainda concentra grande parte dos acertos de impostos imobiliários. 1.2 Limitações da Pesquisa O número de pessoas que comparecem à prefeitura é bastante instável, dificultando a identificação de um período ideal para realização da pesquisa. Por exemplo, a melhora significativa do mercado imobiliário no mês de novembro/2004 teve impacto na quantidade e na qualidade das entrevistas realizadas. A média de entrevistas por hora foi de 6 despachantes/ terceiros (que prestam o serviço para o despachante ou representantes de imobiliárias, construtoras e empresas adquirentes) e de apenas 2 a 3 adquirentes. É importante chamar a atenção para o fato de que os despachantes, em sua maioria, atuam justamente na compra de imóveis residenciais para pessoas físicas, pessoas estas que seriam foco da pesquisa (os adquirentes), por estarem mais aptas a qualificarem a mobilidade intra-urbana, 3

4 fornecendo seus dados sócio-econômicos e os motivos de sua mudança. Dos despachantes entrevistados, 86,86% responderam que prestam serviço para pessoas físicas e 94,74% que atuam na compra e venda de imóveis residenciais. Como a maioria das pessoas que comparece à seção de ITBI da prefeitura é despachante ou representante de corretoras e imobiliárias, e muitos têm pouco ou nenhum contato com o cliente, não é possível obter muitos dados além dos que estão preenchidos nas guias. No entanto, elas possuem informações importantes, como a descrição do tipo de imóvel adquirido (apartamento, casa, imóvel comercial ou terreno), a localização (bairro), o tamanho (área construída e do terreno) e o perfil do adquirente (pessoa física ou jurídica e sexo). Assim, em muitas análises foram consideradas duas amostras separadamente, a de adquirentes (136 entrevistas) e a de terceiros (294 entrevistas). 2. Estrutura Urbana de Belo Horizonte A estruturação territorial de Belo Horizonte deu-se em suas primeiras décadas e traços importantes desta ainda permanecem. A cidade desenvolveu-se ao norte e ao sul do vale em que a capital mineira se instalou. A classe média ocupou a parte planejada da cidade e expulsou as camadas populares para fora da Avenida do Contorno (área não planejada da cidade). Assim, o centro e os bairros residenciais das camadas de mais alta renda organizaramse do mesmo lado da barreira rio-vale-ferrovia. Já os bairros populares expandiram-se em direção ao norte, atingindo uma população que já tendia a superar a que residia na parte planejada da cidade desde as décadas de 1920 e 1930 (Singer, 1977). A partir de então, a expansão urbana foi extremamente influenciada pela especulação. A partir da análise das regionais, é possível notar diferenciações que permitem compreender melhor as motivações para a mudança de endereço e a tendência de estruturação da cidade. 4

5 O Barreiro é uma região anterior à própria fundação de Belo Horizonte e distante do centro tradicional. É uma região atípica, sem ligação direta com o centro de Belo Horizonte e separada da região Oeste pelo Anel Rodoviário. Permanece predominantemente industrial, com população operária. Isso dá a essa regional um caráter mais autônomo. Nos últimos anos, a região foi foco preferencial para implantação de Conjuntos Habitacionais, o que pode explicar um baixo interesse do mercado imobiliário nesta regional. A Regional Centro-Sul, comparativamente às demais regiões do município, apresenta diferenças muito evidentes, como a verticalidade, a concentração de atividades econômicas regionais e alto padrão de ocupação. Abriga o centro histórico de Belo Horizonte e possui expressiva mobilidade residencial. No centro, especificamente, predomina a renovação (relocação) de seus habitantes, sem crescimento populacional. (veja Pesquisa OD, 1992 Nucletrans e Fundação João Pinheiro). Já na parte sul, nota-se um acelerado crescimento populacional. A Regional Leste é, assim como a Oeste, contígua à Área Central. É fortemente marcada pela tradição histórica. Devido à proximidade ao centro, a regional não apresenta nenhum centro próprio de comércio e serviços significativo. Ocorreu uma expansão pericentral para a área, após a implantação do metrô e a canalização do Ribeirão Arrudas. No entanto, a tendência de crescimento da área está em sua grande maioria no mercado informal. Essa tendência de crescimento se repete nos vários conjuntos implantados precariamente pelo poder público e nas áreas de invasão nas proximidades dos conjuntos. Segundo estudos da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, a Regional Nordeste: apresentou elevado crescimento populacional durante a década de 80, o que pode ser explicado pela implantação da Avenida Cristiano Machado, a disponibilidade de áreas para ocupação e a presença de áreas onde o preço da terra é baixo. Além disso, a 5

6 porção sul desta região parte da área pericentral, situando-se como zona de transbordamento das atividades econômicas situadas no centro da cidade. A região apresenta situações bastante diferenciadas em termos sócio-econômicos e de crescimento urbano. É seccionada pelo Anel Rodoviário, o que constitui um fator de segmentação socioeconômica da população. A parte oeste desta regional ainda não está consolidada e passa por um processo crescente de ocupação, condizente com a expansão metropolitana. Além disso, alguns bairros antigos estão passando por um processo de renovação urbana e substituição das edificações. A Regional Oeste é uma extensão física e tipológica da região Centro-Sul. Os bairros desta regional apresentam notáveis diferenças entre si, ou seja, é caracterizada por uma ocupação heterogênea, com áreas tradicionais consolidadas convivendo com bairros sofisticados de ocupação recente. A Regional Pampulha, caracterizada durante muitos anos, como locus da população de média e alta renda, recebeu nos últimos anos uma ocupação distinta, com população de baixa renda e precárias condições de habitabilidade (Vilaça, 2001). O alto poder aquisitivo da população residente no entorno da lagoa contrasta bruscamente com a dos bairros que foram criados circundando a mesma. Os moradores destes foram atraídos pela possibilidade de morarem em um local que, teoricamente, seria de alta classe, com baixos custos de terreno, uma vez que a região é muito afastada do centro da cidade. Hoje, nestes bairros falta infraestrutura de comércio e serviços, muitas vezes até elementar, como saneamento básico. Ainda assim, começam a se desenvolver bairros de classe média, resultado de loteamentos realizados por grandes construtoras populares. A Regional Norte também possui contrastes sócio-culturais marcantes e variada formação de bairros. Essa é a regional mais jovem da cidade e possui grande área 6

7 ainda desocupada. A região concentra o maior número de conjuntos habitacionais para população de baixa renda promovidos pelo poder público. Por outro lado, as áreas centrais de topografia mais favorável e melhor acesso são constituídas por bairros consolidados, com padrão de renda mais alto. O sul da região constitui um grande bolsão de pobreza e o noroeste constitui área de fronteira, ainda em ocupação. Não há na regional um processo de verticalização muito intenso. O que explica, em parte, uma baixa mobilidade residencial. Normalmente a regional recebe a população que busca áreas de valorização imobiliária. 3. Motivação e determinantes da mudança Segundo Magalhães (2004), a mudança de residência parece ser, na maioria dos casos, decorrente de um processo constituído por dois estágios. O primeiro envolve a tomada de decisão do indivíduo, ou família, de mudar ou permanecer na residência atual e o segundo consiste na escolha do local da nova residência. Esta classificação torna-se conveniente na medida em que propicia uma melhor distinção entre os fatores que mais afetam a decisão em cada um dos dois estágios. Na pesquisa realizada pelos autores, com adquirentes de imóveis, os principais determinantes do primeiro estágio, declarados nas entrevistas, podem ser classificados em domiciliares e ambientais, conforme mostrado na Tabela 1. 7

8 Tabela 1 Sumário dos Principais Fatores Domiciliares e Ambientais Declarados pelos Adquirentes de Imóveis em Belo Horizonte Acesso à casa própria Imóvel de maior tamanho Casamento/ Separação Fatores domiciliares Distância do Local de Trabalho Possibilidade de valorização Nascimento de filhos Emprego Fonte: Elaboração Própria Fatores ambientais Amenidades Maior segurança Relações de vizinhança Acessibilidade a serviços Escolas Melhor transporte público Nas pesquisas de campo realizadas, foi solicitado aos entrevistados que indicassem até três motivos para a mudança de endereço realizada, em ordem de importância. Todos os adquirentes forneceram pelo menos um motivo, sendo que 41,53% deram dois motivos, e apenas 21,19% ainda forneceram um terceiro (Tabela 2). Através da Tabela 2, percebe-se que os motivos declarados como principal são, em sua maioria, fatores domiciliares ( Acesso à casa própria, Imóvel de maior tamanho, Casamento, Separação, Distância do local de trabalho abrangem mais de 70% do total de respostas), enquanto os fatores ambientais ( Maior segurança, Acessibilidade a serviços, Escolas ) são observados, predominantemente, em Motivo 2 e Motivo 3. 8

9 Tabela 2 Motivos Declarados pelo Adquirente para a Mudança de Endereço em Belo Horizonte Motivo principal % Motivo 2 % Motivo 3 % Acesso à casa própria 44,54 Maior segurança 5,93 Menor distância do trabalho 4,24 Imóvel de maior tamanho 13,56 Menor distância do trabalho 5,93 Melhor transporte público 3,39 Casamento 7,63 Imóvel de maior tamanho 5,93 Acessibilidade a serviços 3,39 Separação 4,24 Acessibilidade a serviços 4,24 Escolas 3,39 Menor distância do trabalho 4,24 Acesso à casa própria 3,39 Imóvel de maior tamanho 1,69 Maior segurança 3,39 Casamento 2,54 Possibilidade de valorização 1,69 Relações de vizinhança 1,69 Escolas 1,69 Maior segurança 0,85 Acessibilidade a serviço 1,69 Possibilidade de valorização 1,69 Relações de vizinhança 0,85 Possibilidade de valorização Nascimento de filhos 1,69 0,85 Nascimento de filhos 1,69 Outros 1,69 Relações de vizinhança 0,85 Emprego 0,08 Emprego 0,85 Outros 16,39 Separação 0,85 Outros 5,93 Total ,53 21,19 Fonte: Elaboração Própria Vale aqui destacar a semelhança entre os resultados obtidos em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro (Tabelas 2 e 3). O Acesso à casa própria foi o principal motivo para a 9

10 aquisição de imóvel nas duas cidades. Em Belo Horizonte, o motivo Sair de casa utilizado na pesquisa no Rio de Janeiro (Tabela 3), foi incluído no motivo Acesso à casa própria, o que pode explicar uma maior representatividade deste motivo na amostra de Belo Horizonte. Acredita-se que o item Imóvel de maior tamanho ou Melhor imóvel foi entendido de forma semelhante pelos entrevistados, o que explica a proximidade dos dois resultados. O motivo Casamento também teve uma representatividade bastante semelhante nas duas cidades, praticamente 8% dos entrevistados. Tabela 3 Motivo Principal Declarado pelo Adquirente para a Mudança de Endereço no Rio de Janeiro Motivo % das entrevistas Acesso à casa própria 34,7 Melhor imóvel 14,1 Casamento 8,0 Sair de casa 6,0 Separação e outros 3,0 Localização: praia, escola, etc 9,5 Outros 1,5 Fonte: Smolka, 1994 Dentro deste contexto, e considerando que quase metade dos adquirentes declarou a compra de sua casa própria como motivo de sua mudança de endereço, trabalha-se com a hipótese de que alguns dos maiores determinantes da mobilidade residencial em Belo Horizonte seriam aqueles que possibilitam o acesso à casa própria, entre eles: a atuação do poder público através da Lei de uso e ocupação do solo (deliberação das zonas de adensamento preferencial, as quais geralmente sofrem grande verticalização), a facilidade de financiamentos através de bancos e construtoras e a influência do mercado imobiliário. 10

11 O fator ambiental que mais influencia na mudança de residência é a avaliação da segurança. Tanto na amostra global quanto na amostra específica de adquirentes que mudam pelo Acesso à casa própria, Maior segurança aparece como principal motivo secundário, considerado por 21,7% dos adquirentes da amostra específica (Tabela 4). Tabela 4 Segundo Motivo Indicado Pelo Adquirente Amostra Específica Acesso à Casa Própria Motivos % de adquirentes Maior segurança 21,7 Acessibilidade a serviço e comércio 17,4 Menor distância do trabalho 17,4 Imóvel de maior tamanho 17,4 Casamento 13 Separação 4,3 Possibilidade de valorização do imóvel 4,3 Outros 4,3 Total 100 Fonte: Elaboração Própria 4. Caracterização da Mobilidade Residencial Mais de 40% dos adquirentes (amostra geral de adquirentes) moravam de aluguel e estariam mudando pelo Acesso à casa própria (Tabela 5). Segundo Magalhães (2002), um chefe de domicílio, cujo imóvel esteja alugado, possui 5,33 vezes mais chance de permanecer menos de cinco anos no domicílio. Pela amostra específica ( Acesso à casa própria como principal motivo para a mudança de endereço), 68,63% dos adquirentes moravam de aluguel (Tabela 6). 11

12 Tabela 5 Condição de Posse da Moradia Anterior - Amostra Geral de Adquirentes Condição de posse na moradia anterior à aquisição % de adquirentes Residência própria 42,02 Aluguel 31,93 Casa dos pais 22,69 Outros* 3,36 Total 100 *Referem-se a imóveis cedidos, e outras condições de ocupação. Tabela 6 Condição de Posse da Moradia Anterior - Amostra Específica Acesso à Casa Própria Condição de posse na moradia % de adquirentes anterior à aquisição Aluguel 68,63 Casa dos pais 25,49 Outros* 5,88 Total 100 Fonte: Elaboração Própria Exemplificando as semelhanças de resultados entre Belo Horizonte e Rio de Janeiro, observa-se na Tabela 7 que, em todas as amostras, a maioria das transações é de apartamentos, ressaltando o impacto da verticalização na mobilidade urbana. Tabela 7 Tipo de Imóvel Transacionado Belo Horizonte Geral Rio de Janeiro Belo Horizonte Amostra de adquirentes Amostra de terceiros Amostra de adquirentes Amostra de terceiros Acesso à casa própria * Apartamentos 61,76% 61,64% 65,2% 64,7% 64,15% * Amostra específica de adquirentes que mudaram tendo como principal motivo o acesso à casa própria 12

13 Segundo a Tabela 8, a renda domiciliar da maioria dos adquirentes, nas duas amostras (global e específica) está entre R$1301,01 e R$2600,00. Magalhães (2004) associa a qualidade ambiental de uma região com a renda média familiar nesta região. A maior ou menor permanência de um indivíduo em uma certa área está relacionada com a sua qualidade ambiental. Tabela 8 Renda Domiciliar do Adquirente de Imóvel Renda Domiciliar Amostra específica Amostra Geral de Acesso à casa adquirentes própria Até R$500,00 7,63% 7,55% De R$501,00 a R$1300,00 20,34% 22,64% De R$ 1301,01 a R$2600,00 28,81% 39,6% De R$2601,01 a R$5200,00 23,73% 20,75% Mais de R$5200,00 19,49% 9,43% Total 100% 100% Fonte: Elaboração Própria 5. Motivação para a mudança de domicílio segundo a regional de destino Nota-se, na Tabela 9, que em todas as regionais o principal motivo para a aquisição de um novo imóvel é Acesso à casa própria, principalmente nas regionais Barreiro, Nordeste e Norte. Vale ainda destacar que a mudança para as regionais Centro-Sul e Oeste são as que envolvem uma variedade maior de motivações. A mobilidade para a regional Oeste está também relacionada a fatores demográficos (casamento, separação, nascimento de filhos), enquanto a mudança para a regional Centro-sul prioriza ainda a qualidade do imóvel, acessibilidade a serviços e distância do trabalho. 13

14 Tabela 9 Motivo Principal Declarado pelo Adquirente para a Mudança de Endereço Segundo a Regional de Destino Motivo Principal Barreiro Centro- Sul Leste Nordeste Noroeste Oeste Pampulha Venda Nova Norte Acesso à casa própria 66,67% 36,84% 50,00% 69,23% 42,86% 40,74% 40,00% 25,00% 66,67% Imóvel de maior tamanho 5,26% 20,00% 15,38% 19,05% 11,11% 10,00% 25,00% 16,67% Menor distância do trabalho 15,79% 3,70% 16,67% Escolas Melhor transporte público Possibilidade de valorização do imóvel 9,52% Maior segurança 33,33% 5,26% 10,00% 20,00% Relações de vizinhança 5,26% 10,00% Emprego 12,50% Acessibilidade a serviço e comércio 5,26% 7,69% Casamento 10,00% 9,52% 14,81% 25,00% Separação 7,69% 9,52% 7,41% Nascimento de filhos 3,70% Outros/ Especificar 26,32% 10,00% 9,52% 18,52% 20,00% 12,50% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Fonte: Elaboração Própria 14

15 A Tabela 10 indica uma maior mobilidade pelo acesso a casa própria para as regionais Oeste, Nordeste e Noroeste, o que é em grande parte explicado pela estrutura urbana da cidade e pela atuação do mercado imobiliário. Tabela 10 Regional de Destino de Quem Muda em Função do Acesso à Casa Própria Regional % de adquirentes Oeste 19,08 Nordeste 17,19 Noroeste 17,19 Centro Sul 13,42 Leste 9,64 Pampulha 7,76 Norte 7,76 Venda Nova 3,98 Barreiro 3,98 Total 100 Fonte: Elaboração Própria Quanto aos motivos secundários, fatores ligados à qualidade do imóvel, vizinhança, segurança, parecem ser mais relevantes (Tabela 11). Vale destacar que para as aquisições feitas na regional barreiro, não houve a consideração de motivos secundários. Os motivos mais considerados em terceiro lugar para a escolha de localização da nova moradia foram Escolas e Melhor transporte público. 15

16 Tabela 11 Motivo Secundário Declarado pelo Adquirente para a Mudança de Endereço Segundo Regional de Destino Motivo 2 Barreiro Centro-Sul Leste Nordeste Noroeste Oeste Pampulha Venda Nova Norte Acesso à casa própria 8,33% 16,67% 9,09% 33,33% Imóvel de maior tamanho 16,67% 20,00% 18,18% 66,67% Menor distância do trabalho 16,67% 9,09% 33,33% 33,33% 33,33% Escolas 8,33% Melhor transporte público Possibilidade de valorização do imóvel 18,18% Maior segurança 16,67% 16,67% 20,00% 9,09% 33,33% 33,33% Relações de vizinhança 16,67% Emprego 16,67% Acessibilidade a serviço e comércio 8,33% 16,67% 50,00% Casamento 16,67% 16,67% 33,33% Separação 9,09% Nascimento de filhos 16,67% 33,33% Outros/ Especificar 8,33% 60,00% 27,27% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Fonte: Elaboração Própria 16

17 Mesmo dentro de cada regional são observadas diferenças na mobilidade residencial, que podem ser analisadas sob a ótica do Acesso à casa própria. Por exemplo, dentro da regional Oeste, os bairros com maior freqüência de destino são aqueles cujas características favorecem o acesso ao primeiro imóvel. São eles os bairros Havaí, Nova Suíça, Jardim América, Barroca, Estoril, Estrela Dalva, Nova Gameleira e Betânia. O bairro Havaí originou-se de um parcelamento do solo destinado a implantação de um conjunto habitacional vertical financiado pelo BNH (MATOS, 1984), ou seja, é um bairro relativamente novo, ainda em desenvolvimento. No caso dos bairros Jardim América, Nova Suíça e Barroca, estes têm passado por um processo de verticalização, impulsionado pela valorização de imóveis em bairros próximos, como Prado e Grajaú. A região do bairro Estoril possui o que muitos procuram: morar numa região central, perto de diversos serviços. Tudo isso combinado com a possibilidade de se encontrar imóveis novos, com preço mais baixo, devido à grande oferta de apartamentos na região. Já o bairro Estrela Dalva surgiu por volta do ano de O principal núcleo residencial do bairro constitui-se de um grande conjunto habitacional, que foi responsável pela origem de seu nome. Outros bairros nesta mesma regional, mais populares, como Nova Gameleira e Betânia, tiveram um processo de urbanização tardio. Nestes bairros, é possível encontrar imóveis de baixo custo - seja pela conservação destes, pela grande oferta de imóveis ou pela característica popular do bairro - com financiamento facilitado por bancos e construtoras. 17

18 6. Considerações finais As direções da expansão das cidades estão relacionadas à atuação do poder público na produção das infra-estruturas urbanas, do sistema de transporte coletivo bem como da atuação do mercado imobiliário. A análise do local de destino do adquirente de imóvel não indica grandes alterações num processo de estruturação urbana historicamente consolidado. A maior atratividade ocorre em bairros cuja principal característica é a facilidade do acesso à casa própria. A atuação do poder público através da Lei de uso e ocupação do solo (deliberação das zonas de adensamento preferencial, as quais geralmente sofrem grande verticalização), a facilidade de financiamentos através de bancos e construtoras e a influência do mercado imobiliário são alguns dos principais fatores que facilitam o acesso à casa própria. Segundo Abramo & Faria (1998), o capital imobiliário utiliza estratégias de ação, tais como a delimitação de áreas de valorização e a inovação/diferenciação do produtohabitação. Essa inovação não se refere apenas aos atributos do imóvel em si, mas também altera o padrão de ocupação de toda uma área, valorizando-a em relação às outras áreas da cidade. Essas estratégias se traduzem em externalidades, que são incorporadas ao valor dos imóveis, definindo assim, o acesso diferenciado das famílias com diferentes rendimentos. A estratégia de inovação da habitação para atrair demanda serve para diferenciar o novo imóvel do estoque existente, e com isso produz um efeito depreciador no estoque, que perde a atratividade anterior, elevando a importância das novas construções. Assim, bairros em intenso processo de verticalização combinam a possibilidade de se encontrar imóveis novos, com preço mais baixo, devido à grande oferta de apartamentos nessa região. Assim, a dinâmica imobiliária tem um importante papel na estruturação do espaço, via investimentos capazes de deslocar a demanda e influenciá-la em suas decisões. 18

19 Para alguns segmentos populacionais, a localização residencial está condicionada à capacidade das famílias conseguirem financiamento para suprir sua demanda por moradia. Portanto, as políticas habitacionais e a legislação urbana precisam atuar no sentido de evitar a exclusão social, no que se refere à dinâmica da ocupação do solo e ao desordenado crescimento da cidade. As leis de mercado são capazes de produzir resultados satisfatórios, desde que os agentes públicos disponham de instrumentos eficientes de controle de seus efeitos e de intervenção para a reorientação do processo. Agradecimentos: Os autores agradecem o apoio recebido da FAPEMIG Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais, e do CNPQ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, pela viabilização financeira do projeto. Referências Bibliográficas ABRAMO & FARIA. Mobilidade residencial na cidade do Rio de Janeiro: considerações sobre os setores formal e informal do mercado imobiliário In Anais do XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais ABEP, 1998 MAGALHÃES, D. J. A. V. e RIOS-NETO, E. L. G. Uma Abordagem Multinível para Análise da Mobilidade Residencial na Região Metropolitana de Belo Horizonte - Revista Brasileira de Estudos de População, NEPO/UNICAMP Campinas/SP, V. 21, N. 1, p , MAGALHÃES, D. J. A. V. Uma Abordagem Multinível Sobre Localização e Mobilidade Residenciais na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Tese de Doutorado. Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), Universidade Federal de Minas Gerais,

20 MATOS, R.E.S. Impactos da Legislação Urbanística sobre a Estrutura Urbana de Belo Horizonte. Um Estudo de Caso. Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR), UFMG, Belo Horizonte,1984. SINGER, P. Desenvolvimento Econômico e Evolução Urbana, São Paulo: Nacional, SMOLKA, M.O. Dinâmica Populacional e Estruturação Intra-urbana: Uma Abordagem Integrada da Mobilidade Através dos Registros de Transações Imobiliárias. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 9, Caxambu,1994. VILAÇA. F. O Espaço Intra-Urbano no Brasil, São Paulo, Studio Nobel, Plano diretor de Belo Horizonte Lei de Uso e Ocupação do Solo. Estudo básicos. 452p. Prefeitura de Belo Horizonte,

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Intervenção Pública na década de 90:

Intervenção Pública na década de 90: Intervenção Pública na década de 90: Uma análise dos impactos espaciais do Programa Rio-Cidade no mercado imobiliário da cidade do Rio de Janeiro Andrea Paulo da Cunha PULICI Observatório Imobiliário e

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

ANÁLISE. Oferta cai para imóveis residenciais e comerciais

ANÁLISE. Oferta cai para imóveis residenciais e comerciais PESQUISA ALUGUÉIS Belo Horizonte Outubro de 2009 A Pesquisa ALUGUÉIS levanta as características determinantes dos imóveis disponíveis para alugar em Belo Horizonte a partir de uma amostra das principais

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla

Urban View. Urban Reports. Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla Urban View Urban Reports Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla Lógica Urbana e bairros com vocação múltipla Como funciona seu plano particular de logística para ir de casa para o trabalho, levar

Leia mais

Palavras chave: movimento pendular, região metropolitana de Belo Horizonte

Palavras chave: movimento pendular, região metropolitana de Belo Horizonte Quem entra e quem sai de Belo Horizonte Uma análise das características dos trabalhadores que realizam o movimento pendular na Região Metropolitana de Belo Horizonte Elisângela Oliveira Camargos 1 Cláudia

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana

Urban View. Urban Reports. Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana Urban View Urban Reports Butantã: a bola da vez na corrida imobiliária paulistana coluna Minha cidade, meu jeito de morar e de investir programa Falando em Dinheiro Rádio Estadão ESPN Butantã: a bola da

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano

Mapa 09 Área Central de PiracicabaOcupação do Solo. Urbano L E I T U R A E I N T E R P R E T A Ç Ã O D A S I T U A Ç Ã O U R B A N A Mapa 09 de PiracicabaOcupação do Solo Urbano P L A N O D E A Ç Ã O P A R A R E A B I L I T A Ç Ã O U R B A N A D A Á R E A C E

Leia mais

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA

A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA A PRODUÇÃO SOCIOESPACIAL DO BAIRRO PINHEIRINHO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS-SP: A BUSCA PELA CIDADANIA Ana Lia Ferreira Mendes de Carvalho liafmc@yahoo.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR

O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR O MERCADO IMOBILIÁRIO NO INTERIOR INTERIOR DE SÃO PAULO Flavio Amary Vice-presidente do Interior do Secovi-SP e Diretor Regional em Sorocaba e Região PARTICIPAÇÃO % DO

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27

6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana PLANO DE AÇÃO PARA REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE PIRACICABA 27 6. Leitura e Interpretação da Situação Urbana 6.1. A Dinâmica de Uso e Ocupação do

Leia mais

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática

Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Visita a Cortiços em São Paulo Uma Experiência Didática Valéria Grace Costa ***, Antônio Cláudio Moreira Lima e Moreira, Suzana Pasternak, Maria de Lourdes Zuquim, Simone Cotic Clarissa Souza, Letícia

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia

MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia MUDANÇAS DA ORDEM URBANA DAS METRÓPOLES LIVROS COMPARATIVOS Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Capítulo 6 Organização Social do Território e formas de provisão de moradia Seminário

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo

COPA. Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo. José Roberto Bernasconi. Presidente Sinaenco São Paulo COPA Morumbi ou Outra Arena? As Marcas de um Novo Estádio na Dinâmica Urbana de São Paulo José Roberto Bernasconi Presidente Sinaenco São Paulo SP/Agosto/ 2010 1 1 Um histórico Os dois principais estádios

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS:

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: O Médio Vale do Itajaí é uma das regiões mais desenvolvidas de SC. Um fator primordial para esse potencial econômico é a sua tradição industrial, que faz com

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes.

O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. O mercado imobiliário em São José do Rio Preto e Presidente Prudente SP: análise comparativa dos processos de estruturação intra-urbano recentes. Bruno Pereira Reis 1 ; Everaldo Santos Melazzo 2 Universidade

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010

Boletim de Conjuntura Imobiliária. Versão Comercial - Novembro de 2010 O Censo Demográfico 2010 e o mercado do DF Boletim de Conjuntura Imobiliária Alguns resultados do último recenseamento feito pelo IBGE foram divulgados. Os dados mostram que o Distrito Federal registrou

Leia mais

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa

O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO. Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Promoção: O DIREITO À MORADIA E O PROCESSO DE VALORIZAÇÃO DO SOLO Instrumentos de planejamento e gestão do solo urbano em disputa Rosane Biasotto Coordenadora técnica Planos de Habitação de Interesse Social

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO

CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Nº 4 Outubro CRESCIMENTO DO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL FAVORECE A EXPANSÃO DE POSTOS DE TRABALHO E DO RENDIMENTO Em, a retomada do crescimento econômico em patamar superior ao verificado nos últimos anos

Leia mais

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2

DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 DINÂMICA ESPECULATIVA NO PROCESSO DE EXPANSÃO URBANA DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON-PR Josiane de Oliveira Medeiros Führ 1 Edson dos Santos Dias 2 Introdução Impulsionado por fatores econômicos, o processo

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

Densidade de ocorrências de mortes violentas

Densidade de ocorrências de mortes violentas de mortes violentas Temporalidade e espaços dos homicídios dolosos na capital paulista Sérgio Adorno* No Município de São Paulo, a distribuição de ocorrências de homicídio doloso, segundo o período do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico

Urban View. Urban Reports. Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico Urban View Urban Reports Novas centralidades: minibairros são tendência no segmento econômico Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Novas centralidades:

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL

TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL TRIBUTAÇÃO PELO IPTU: GEOINFORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO CADASTRAL Lauro Marino Wollmann Agente Fiscal da Receita Municipal Secretaria da Fazenda - Porto Alegre Porto Alegre, 20 de novembro de 2014. Para exigir

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Clipping Vendas de construção caem 4%

Clipping Vendas de construção caem 4% Vendas de construção caem 4% 4221866 - DCI - SERVIÇOS - SÃO PAULO - SP - 10/03/2014 - Pág A9 As vendas do varejo de material de construção caíram 4% em fevereiro. A informação é do estudo mensal realizado

Leia mais

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO

HABITAR BELO HORIZONTE - HBH PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO PROJETO HABITAR BELO HORIZONTE - OCUPANDO O CENTRO Objetivos específicos (1) Desenvolver métodos e técnicas para a recuperação e adaptação (para uso habitacional) de edificações existentes desocupadas.

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL

PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO EM CENÁRIO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL O CASO DE UBERLÂNDIA, MG, BRASIL Thiago Silva Pereira José Aparecido Sorratini PLANEJAMENTO URBANO E DE TRANSPORTES BASEADO

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Outubro de 2011. São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre Recife

Outubro de 2011. São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre Recife Outubro de 2011 São Paulo Rio de Janeiro Porto Alegre Recife Pesquisa de Preços de Imóveis Residenciais É um estudo independente do IBOPE Inteligência, cujo o objetivo é levantar o preço por m² de venda

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

1. Investimento concreto

1. Investimento concreto 1. Investimento concreto 18/09/2008 Exame Revista Setor 137, 138 e 140 Página 1 Página 2 Página 3 Página 4 Comprar imóveis para alugar foi um dos piores negócios nas últimas décadas. Agora até estrangeiros

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JUNHO DE 2014.

PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JUNHO DE 2014. PESQUISA MENSAL DE VALORES DE LOCAÇÃO RESIDENCIAL CIDADE DE SÃO PAULO JUNHO DE 2014. O mercado de contratos novos de locação residencial realizados em junho na cidade de São Paulo registrou variação de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM ANÁLISE DE MERCADO IMOBILIÁRIO DE CURITIBA NO PERÍODO TRANSCORRIDO ENTRE 2005 E 2012 CURITIBA 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ EDISON FERREIRA BRUM

Leia mais

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen

Estudo Estratégico n o 6. Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen Estudo Estratégico n o 6 Mobilidade urbana e mercado de trabalho na Região Metropolitana do Rio de Janeiro Danielle Carusi Machado e Vitor Mihessen PANORAMA GERAL Processo de urbanização: expansão territorial

Leia mais

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE

INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 244 INCLUSÃO DE HABITAÇÕES SOCIAIS PARA REQUALIFICAÇÃO DA ÁREA CENTRAL DE PRESIDENTE PRUDENTE João Victor de Souza

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE HABITAÇÃO POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Carlos Henrique Cardoso Medeiros Secretário POLÍTICA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Orçamento Participativo da Habitação participaçãopopular

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015

NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 NOTA TÉCNICA Nº 19/2015 Brasília, 3 de Novembro de 2015. ÁREA: Planejamento Territorial e Habitação TÍTULO: Novidades na operacionalização do Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) em sua Terceria Fase

Leia mais

1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG. Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz

1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG. Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz 1º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES IBAPE-MG Engº Emmanuel Carlos de Araújo Braz Tendências do Mercado Imobiliário a partir do Índice de Evolução dos Preços do Mercado Imobiliário IEPMI-H

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Invista no hotel certo

Invista no hotel certo Invista no hotel certo O QUE VOCÊ PROCURA EM UM INVESTIMENTO HOTELEIRO ESTÁ AQUI. A economia de minas gerais cresce acima da média nacional: 5,15% no 1º trim./2011. Fonte: Informativo CEI-PIB MG _Fundação

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros.

-Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante a Oficina 3 - Financiamento para habitação social em Centros. -Data: 05/12/2008 -Local: Instituto Pólis MORADIA É CENTRAL

Leia mais

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário

Novo Plano Diretor de SP 2014. Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário Novo Plano Diretor de SP 2014 Novas diretrizes e consequências para o mercado imobiliário 1 Eixos de Estruturação de Transformação Urbana (4 x) O que é o Eixo? São áreas próximas à infraestrutura de transporte

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública

Segurança e lazer são o destaque da publicidade deste imóvel. Fonte: Informe Publicitário distribuído em via pública Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO A área de lazer cada vez mais assume posição de destaque nos informes publicitários do mercado imobiliário residencial. O programa dos condomínios residenciais

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO Cópia da identidade Cópia CPF Comprovante de ensino médio (histórico original e cópia) Se cursou todo ou parte do ensino médio na rede

Leia mais

A Escolaridade Recente no Município de Belo Horizonte: Uma Abordagem Intra-Municipal

A Escolaridade Recente no Município de Belo Horizonte: Uma Abordagem Intra-Municipal A Escolaridade Recente no Município de Belo Horizonte: Uma Abordagem Intra-Municipal Autores: Járvis Campos José Irineu Rangel Rigotti ** Arthur Felipe Feuchard Linhares Ceraso *** Palavras-Chave: População;

Leia mais

Domicílios e ocupação no Rio

Domicílios e ocupação no Rio ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Domicílios e ocupação no Rio Nº 20010505 Maio - 2001 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA DA CIDADE DO RIO

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE SANTOS. Novembro 2015

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE SANTOS. Novembro 2015 CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE SANTOS Novembro 2015 - opinar sobre planos e programas de desenvolvimento do município; - opinar sobre planos e programas de revitalização e renovação urbana;

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS

ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 04 ANÁLISE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS 2 Dificuldades das avaliações imobiliárias características especiais dos imóveis, que

Leia mais

Geomarketing Analítico Fora da Caixa

Geomarketing Analítico Fora da Caixa Geomarketing Analítico Fora da Caixa Palestrante Reinaldo Gregori, Ph.D. CEO da Cognatis Professor curso de Geomarketing Labgis e Cognatis Case Expansão de Lojas Cognatis quem somos Empresa, serviços,

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse.

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse. 1- O que é? O IPTU é um tributo que incide sobre a propriedade imobiliária, incluindo todos os tipos de imóveis residências, prédios comerciais e industriais, terrenos e chácaras de recreio. 2- Qual é

Leia mais

Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre

Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre Política Habitacional no Orçamento Participativo de Porto Alegre Nadia Andréa Hilgert 1 Introdução O Orçamento Participativo de Porto Alegre é um dos exemplos mais importantes de espaços públicos participativos

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Outubro 2011 1. Ferramentas de Financiamento e seu Uso a) Que ferramentas para a

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS

CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS CENTRALIDADE POLINUCLEADA: UMA ANÁLISE DOS SUBCENTROS POPULARES DE GOIÂNIA O CASO DO SETOR CAMPINAS Flavia Maria de Assis Paula 1,3 Elaine Alves Lobo Correa 2,3 José Vandério Cirqueira Pinto 2,3 RESUMO

Leia mais

ESTUDO SOBRE A PLANTA GENÉRICA DE VALORES: ITBI DE BETIM

ESTUDO SOBRE A PLANTA GENÉRICA DE VALORES: ITBI DE BETIM ESTUDO SOBRE A PLANTA GENÉRICA DE VALORES: ITBI DE BETIM Betim/MG Novembro/2013 A Planta de Valores Genéricos é uma ferramenta indispensável para os municípios, tendo em vista que dela derivam informações

Leia mais

O MAIOR COMPLEXO DA REGIÃO OESTE DE BH.

O MAIOR COMPLEXO DA REGIÃO OESTE DE BH. & O MAIOR COMPLEXO DA REGIÃO OESTE DE BH. & O Central Park Shopping & Residence é um empreendimento inédito na região e vai atrair todos os olhares. Ele integra uma área comercial, com espaço para supermercado

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda

Urban View. Urban Reports. Quando o imóvel vira renda Urban View Urban Reports Quando o imóvel vira renda Programa Elas & Lucros, Rádio Brasil 2000 FM 107,3 Coluna minha cidade, meu jeito de morar e investir Quando o imóvel vira renda Aqueles com menos de

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais