Cooperativismo de crédito para a agricultura familiar: o caso do Sistema Cresol

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cooperativismo de crédito para a agricultura familiar: o caso do Sistema Cresol"

Transcrição

1 Cooperativismo de crédito para a agricultura familiar: o caso do Sistema Cresol Rodolfo Arashiro Rodriguez bolsista PIBIC USP. Ricardo Abramovay orientador. Projeto de Iniciação Científica Grupo de Pesquisa (CNPq): As instituições do desenvolvimento territorial.

2 Agradecimentos: Ao CNPq, que tornou possível a realização deste projeto; A todos os agricultores e agricultoras familiares, que tornaram tão agradáveis a tarefa das entrevistas de campo; Aos funcionários e diretores do sistema Cresol (cujos nomes não citarei por medo de cometer qualquer injustiça), sempre solícitos, que puderam criar uma instituição tão transparente a ponto de possibilitar estas e outras pesquisas, cujo caráter público é de grande valia ao meio acadêmico e à implementação de políticas públicas. Nota Explicativa: Embora o projeto inicial previsse trabalho na organização de microcrédito São Paulo Confia, da Prefeitura do Município de São Paulo, meu orientador e eu julgamos que não poderia perder a oportunidade de conhecer o Sistema Cresol de Crédito Solidário. Assim, este primeiro relatório não se refere ao São Paulo Confia, embora se apóie sobre os mesmos pressupostos teóricos e algumas das mesmas questões científicas que inspiraram o projeto inicial.

3 Resumo O sistema Cresol de crédito cooperativo tem conseguido atender a um grande número de associados até então excluídos do mercado de crédito, sem que isto comprometa sua estabilidade financeira. Tal sucesso é devido à grande participação do quadro social no processo decisório da cooperativa, o que gera um sistema de incentivos benéficos. Estes incentivos explicam a grande redução dos custos de transação tão comuns ao mercado de crédito, devido à assimetria de informações. Isto torna importante a compreensão do mecanismo de alocação de crédito em particular os sistemas de garantia - desenvolvido pelo Cresol. Palavras-chave: Capital Social, Custos de Transação, Racionamento de Crédito. 1 Introdução Os bancos comerciais de varejo resistem em incluir em sua carteira de clientes aqueles de mais baixa renda. Os motivos são diversos: baixo montante da transação, o que faz os custos de transação serem relativamente elevados, assimetria de informação, e ausência de garantias patrimoniais por parte deste público. Neste aspecto, tanto bancos públicos como privados mostram-se incapazes de atender ao cliente de baixa renda 1. A experiência internacional mostra que este não é um problema tipicamente brasileiro. O caso mais conhecido e estudado ao redor do mundo é o Grameen Bank, de Bangladesh, surgido a partir da demanda não atendida por bancos estatais e privados(yaron et al., 1997). O crédito agrícola (que será a modalidade relevante para este trabalho) possui ainda especificidades que dificultam sua implementação (Meyer, 2003): Altos custos de transação tanto para instituições e clientes, devido à dispersão espacial dos clientes, montante relativamente baixo das transações, vias de acesso e comunicação prejudicadas. Maior risco covariante devido aos riscos climáticos, pragas, variação dos preços agrícolas e sazonalidade. Baixa capacidade de suportar riscos, e maior necessidade de ajustar o consumo ao longo do tempo, já que a renda é variável e sazonal. A estas dificuldades associa-se ainda a ausência de legislação própria para a agricultura familiar, cuja unidade de produção não é parecida com propriedade rural patronal. O sistema Cresol (Sistema de Cooperativas de Crédito com Interação Solidária) surgiu em 1995, a partir da necessidade de crédito por parte dos agricultores familiares do Sul do país. O sistema, que em 1995 contava com apenas quatro cooperativas, no início de 2004 contava com 75 cooperativas e mais de 42 mil associados, nos três estados da Região Sul. O quadro social é composto unicamente por agricultores familiares cujas principais atividades incluem milho, soja, feijão, leite, frango e suíno. Destes, antes de aderirem à 1 Nos últimos meses a decisão da Caixa Econômica Federal e, agora, do recém criado Banco Popular do Brasil de voltar esforços à inclusão de pessoas muito pobres entre seus clientes poderá atenuar esta situação.

4 cooperativa, 48,8% não possuíam conta corrente em banco comercial, 85,18% nunca tinham feito financiamento em banco comercial, 63,3% obtinham crédito com fornecedores, cujo custo (em juros) poderiam alcançar 100% ao ano (Abramovay, 2003b). O objetivo deste trabalho é entender por que o Cresol consegue atender este público, e, ainda assim, possui estabilidade financeira. O trabalho apresentará um breve histórico do sistema, bem como a composição de seu quadro social, em seguida, apresentará a hipótese e as bases teóricas na qual se apóia a pesquisa, as justificativas empíricas ilustrativas do problema e finalmente a conclusão. A questão básica é compreender como o Sistema Cresol consegue atender um público até então não atendido pelo sistema bancário, sem perder a estabilidade financeira. 2 Sistema Cresol: Histórico, Funcionamento e Quadro Social 2 Num ambiente de ampla atividade política e cultural das Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica surgiu o Sistema Cresol como desdobramento de fundos rotativos, criados em 1988, financiados por entidades internacionais de apoio a Organizações Não Governamentais. Tais fundos eram administrados pelos próprios agricultores, em resposta ao alto índice de exclusão do sistema bancário tradicional. Esta experiência foi importante para que as lideranças do sudoeste e centro-oeste do Paraná pudessem propor uma estrutura organizacional mais propícia a um sistema economicamente viável (Bittencourt, 2000). A criação de programas governamentais voltados especificamente à agricultura familiar no início dos anos 90 (como o PRONAF) evidenciou a necessidade de uma organização que fosse confiável aos participantes, e que pudesse manter, da mesma maneira, uma relação estável com os órgãos oficiais responsáveis por tais políticas públicas. O sistema bancário ainda que estatal muito dificilmente tinha disposição de fazer chegar os recursos creditícios ao público visado pelo PRONAF (Abramovay e Veiga, 1999). Assim, o sistema Cresol surge com a missão de fortalecer a organização da agricultura familiar, especialmente com respeito ao acesso ao crédito. Em 1995 foi criada a primeira cooperativa, seguida logo depois por mais quatro. Estas cinco primeiras possibilitaram a criação da Cooperativa Central Base de Serviços Cresol (Cresol-Baser). A Baser apóia as demais cooperativas através de serviços de informática e softwares, normatização, contabilidade, contato com bancos e governo e demais entidades dos agricultores. Esta central concentrou esforços de padronização e garantiu o funcionamento das cooperativas, que necessitavam de capacitação para gerir uma cooperativa de crédito. Tal esforço obteve resultado impressionante: possuía mais de 42 mil associado, em 75 cooperativas no início de As cooperativas de crédito filiadas ao sistema Cresol possuem uma administração autônoma, composta por uma diretoria eleita em assembléia geral, com mandato de três anos. É interessante observar que os diretores respondem com seus próprios patrimônios em caso de quebra, desvio ou má administração. As cooperativas possuem também um balanço próprio, com sobras ou prejuízos. Anualmente, um conselho fiscal é eleito e juntamente com a Cresol-Baser fiscaliza o funcionamento da cooperativa. A Cresol-Baser realiza ainda o acompanhamento diário da contabilidade das cooperativas, além de auditorias semestrais em suas filiadas. A partir destas auditorias, ela apresenta sugestões administrativas e operacionais, às quais a própria cooperativa filiada decide sua 2 As informações abaixo se baseiam em Bittencourt e Abramovay, 2003, e informações cedidas pelo próprio sistema Cresol.

5 implementação. Apenas em caso de risco de insolvência por parte de uma cooperativa singular, a central intervem, afastando a diretoria e assumindo o controle das operações até que o problema esteja sanado. As cooperativas de crédito singulares filiadas ao sistema Cresol têm área restrita a poucos municípios (normalmente de 1 a 5). As que atuam em mais de um município possuem uma sede no maior município da região e postos de atendimento nos demais. Estas cooperativas possuem um ou dois diretores remunerados e mais um ou dois funcionários contratados. Cabe lembrar que esta diretoria remunerada é eleita, e é composta exclusivamente por associados experiências anteriores com gerentes profissionais mostraram-se frustrantes. Algumas cooperativas contam, ainda, com um técnico de campo. Para se associar a uma cooperativa Cresol, o candidato deve ser agricultor(a) familiar acima de 18 anos que explore área inferior a quatro módulos rurais. Podem associar-se também pessoas físicas que desempenham funções técnicas voltadas ao meio rural, além de funcionários e colaboradores. Pessoas jurídicas podem se associar, desde que desenvolvam atividades agropecuárias ou agroindustriais e que sua maior fonte de renda provenha de atividades agropecuárias. É permitida, ainda a associação de mais de um membro da família, o que ocorre com freqüência. Os cooperados, ao entrarem para a cooperativa, fazem uma capitalização mínima de dez sacas de milho, um valor relativamente baixo (13,50/saca em 03/2004). Esta capitalização é retida pela cooperativa enquanto o cooperado se mantém no sistema, e passa a fazer parte do patrimônio líquido da cooperativa. A esta capitalização é atrelado o nível máximo de endividamento: nenhum cooperado pode se endividar mais do que 12 vezes a sua capitalização. Não existem taxas de utilização da conta corrente. O cliente paga apenas os juros dos empréstimos, taxas para cheques de baixo valor e taxa em caso de cheque sem fundos evidentemente os clientes também pagam impostos como CPMF ou impostos no caso de ganhos de depósitos a prazo. A concessão de crédito é feita por um comitê, formado pela diretoria e conselho, e este comitê analisa o risco de crédito dos tomadores, com base em informações fornecidas por agentes comunitários, agricultores escolhidos pela comunidade rural que têm como tarefa participar do processo de cadastramento dos cooperados, levantar as demandas e fazer a análise dos projetos encaminhados para as cooperativas. Esta maneira de alocar recursos será mais detalhadamente analisada posteriormente. Tabela 1 Quadro evolutivo do Sistema Cresol Ano Cooperativas Associados Patrimônio Líquido Depósitos a vista e a prazo Fonte: Sistema Cresol, Cresol Baser.

6 O Pronaf, Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar, visa fornecer crédito aos agricultores familiares, para investimento e custeio, e é dividido nas seguintes classes: Pronaf Grupo A É o primeiro crédito para os assentados da reforma agrária destinado à estruturação de suas unidades produtivas. Pronaf Grupo B É a linha de microcrédito criada para combater a pobreza rural. Os recursos de investimento são destinados a agricultores com renda familiar anual bruta de até R$ 2 mil para financiar qualquer atividade geradora de renda. Pronaf Grupo C Beneficia com crédito de custeio e de investimento os agricultores com renda familiar anual bruta superior a R$ 2 mil e inferior a R$ 14 mil. Pronaf Grupo A/C É o primeiro crédito de custeio para as famílias assentadas da reforma agrária que já receberam financiamento do Grupo A. Pronaf Grupo D Beneficia com crédito de custeio e de investimento os agricultores com renda familiar anual bruta superior a R$ 14 mil e limitada a R$ 40 mil. Grupo E (Proger Familiar Rural) Abrange os agricultores com renda familiar anual bruta entre R$ 40 mil e R$ 60 mil, que passam a ter direito a linhas de crédito para financiamento e custeio da produção. 2.1 Sistema de garantias do Sistema Cresol O sistema possui diversos tipos de garantias para seus empréstimos. Em caso de empréstimos pequenos, a própria cota de capitalização serve de garantias. Para empréstimos maiores, é exigido avalista, penhora ou hipoteca a depender do valor do empréstimo e da modalidade de financiamento. De maneira geral, no Pronaf D exige-se penhor ou avalista. No caso do Pronaf C é exigida a garantia do aval solidário, modalidade na qual um grupo de aproximadamente 5 associados toma empréstimos em conjunto e se tornam avalistas uns dos outros. O interessante nesta modalidade é que, em caso de não pagamento, a ordem de preferência é invertida: ao invés de contatar primeiro o devedor e depois seu avalista, neste esquema avalistas e devedor são notificados simultaneamente, e todos perdem direito a crédito na cooperativa enquanto a solução não é encontrada. A taxa de inadimplência é bastante baixa nesta, como será visto mais adiante.

7 3 Hipóteses e Bases Teóricas A pergunta que guia esta pesquisa é: por que o sistema Cresol consegue se atender a um público até então excluído do sistema bancário tradicional e mesmo assim se mantém financeiramente estável? Duas observações são cabíveis nesta pergunta: o Cresol é financeiramente estável? A este respeito, o sistema Cresol recebe auditorias por parte do Banco Central do Brasil, como qualquer outra instituição financeira, e nunca foi necessária qualquer tipo de intervenção. Outra questão implícita na pergunta é: se o sistema Cresol consegue manter seu equilíbrio financeiro trabalhando com um público de baixa renda, por que razão esta clientela não era atendida pelo sistema bancário? Por que os bancos comerciais de varejo estatais e privados, bem como bancos estatais de fomento não incluíam tais clientes em sua carteira? Esta pergunta será respondida mais à frente, durante apresentação das bases teóricas do trabalho. Segue-se a hipótese: grande parte da literatura internacional (van Bastelaer, 1999) justifica o sucesso de tais iniciativas na área de microfinanças associando-o a baixos níveis de inadimplência e ao sistema alternativo de garantias, basicamente o aval solidário. O sucesso atingido pelo sistema Cresol não se deve apenas a baixos níveis de inadimplência e a este sistema de garantias. De fato, ela é baixa, contudo, devemos levar em conta o modo com que os recursos são alocados. Tal alocação não é impessoal o que não quer dizer que haja algum tipo de favorecimento - e o preço de seus produtos, basicamente o juro, não é a informação mais relevante para a decisão. Como explicado no item anterior, a decisão de emprestar ou não, condicionada a restrições orçamentárias, cabe a um comitê eleito, e baseia-se em experiências próprias dos membros deste comitê, bem como da avaliação dos agentes comunitários, também eleitos. O Cresol consegue atingir este público porque utiliza o conhecimento social de seus agentes e diretores ao conceder empréstimos, e possui um sistema contábil, administrativo e fiscal capaz de evitar desvios e utilização equivocada dos recursos. Após a apresentação das bases teóricas seguirá uma análise mais detalhada desta forma de alocação de recursos. 3.1 Assimetria de Informação A assimetria de informação pode ser definida como incerteza a respeito da qualidade de um produto, por parte de um ou mais sujeitos da transação. O primeiro trabalho a apontar as dificuldades em mercados com assimetria de informação foi o de Akerlof (1970). O trabalho é ilustrado com o exemplo do mercado de carros usados: não é possível ter certeza a respeito da qualidade do carro que se está comprando. Obter informações sobre a qualidade, quando possível, é custoso. Certamente, no mercado de crédito ocorre algo semelhante: como saber as reais intenções do tomador de empréstimo? Obter tal informação é, geralmente, muito custoso. A solução encontrada pelo sistema financeiro face a este problema inclui: um cadastro para maus pagadores, visitas e monitoramento, exigência de garantias e aumento das taxas de juros para fazer frente à inadimplência. Tais soluções parecem bastante plausíveis neste ambiente incerto. Contudo, como apresentado por Stiglitz e Weiss (1981), os mecanismos criados podem ter efeitos totalmente indesejados, o que é chamado de Seleção Adversa.

8 3.1.1 Seleção Adversa O termo seleção adversa foi utilizado pela primeira vez no setor de seguros para descrever o seguinte tipo de problema (Varian, 2000): uma companhia de seguros faz uma pesquisa e descobre uma taxa média de furtos de carros em determinada cidade. Contudo existe grande variação da taxa de furtos dependendo da região da cidade. Suponhamos agora que a seguradora resolva oferecer um seguro contra furto baseada na taxa média. A conseqüência é que apenas os moradores de regiões com altos índices de furtos irão comprar o seguro. E logo a seguradora irá à falência. Analogamente, Stiglitz e Weiss demonstram que o mesmo ocorre no mercado de crédito. A exigência de maiores de garantias e aumento de juros faz com que apenas indivíduos dispostos a arriscar mais se candidatem ao crédito. Resultado: o banco correrá mais riscos e expulsará de sua carteira clientes com risco mais baixo, não dispostos a oferecer tamanhas garantias e juros. Existe ainda uma outra faceta neste problema: provavelmente, os indivíduos mais dispostos a arriscar possuem maior riqueza. Do ponto de vista da eficiência do mercado, ele certamente não estará no ponto eficiente de Pareto, e haverá racionamento de crédito. Uma das respostas possíveis à resistência dos bancos comerciais de varejo em incluir clientes do quadro social da Cresol está no fato de haver tal racionamento, atingindo especificamente este público Perigo Moral Voltemos ao exemplo dos seguros. Suponha que um segurado, assim que passa a estar coberto pelo seguro, mude de atitude em relação a precauções. Ou seja, antes, ele trancava o carro, ligava o alarme, etc..., agora que está segurado ele deixa de tomar precauções. Quanto maior for a abrangência do seguro, menos cuidado o segurado tomará. É uma decisão racional. Tal fenômeno é conhecido como Perigo Moral. No mercado de crédito podem acontecer casos análogos, uma vez que nem sempre se pode observar o esmero com que um tomador de empréstimo vai cuidar de seus negócios. A respeito deste item, a proximidade social e geográfica em que se encontram os associados do sistema faz o monitoramento de tais atitudes ser mais barato. Mais à frente veremos com mais detalhes o caso do aval solidário, que ilustrará bem a situação acima. 3.2 Custos de Transação Num mundo ideal para os economistas, a informação é perfeita e os direitos de propriedade bem definidos. Neste ambiente, o sistema econômico é coordenado pelo mecanismo de preços. O preço é o sinal inequívoco, que dirá aos indivíduos o que e quanto produzir. A sociedade, assim, não seria uma organização, mas um organismo (Hayek apud Coase, 1988). Contudo, como vimos anteriormente, as informações não são perfeitas, bem como não o são os direitos de propriedade. Neste ambiente, os indivíduos se defrontam com preços diferentes para o mesmo produto, mesmo em mercados competitivos. Isto ocorre por que o preço relevante para os indivíduos é o custo de oportunidade total associado àquela escolha, o que inclui o preço dos bens, mais seu custo de troca (Benham e Benham, 2001). Não é difícil prever que a existência de tais custos muda radicalmente a forma com que são alocados os recursos. O que seriam, então, custos de transação? Podemos encontrar diversas definições:

9 the costs of running economic system (Arrow apud Benham e Benham, 2001: 3). the costs associated with the transfer, capture and protection of rights (Barzel apud Benham e Benham, 2001: 3). the costs that arise when individuals exchange ownership rights to economic assets and enforce their exclusive rights (Eggertson apud Benham e Benham, 2001: 3). Benham e Benham argumentam a favor de uma outra medida correlata com os custos de transação: os custos de troca (costs of exchange), que são definidos como o custo de oportunidade total dinheiro, tempo e bens para um individuo de características específicas obter um bem qualquer usando uma dada forma de troca em um arranjo institucional específico. Um agricultor familiar que quisesse tomar um empréstimo em um banco comercial teria custos burocráticos a enfrentar, como custos de cartório, tempo em filas para obter documentos, deslocamento até a sede do município onde está o banco, etc..., e todos estes custos somados seriam os custos de troca. Neste trabalho os custos de troca não serão medidos, contudo, é necessário compreende-los se quisermos entender por que tão poucos associados do Cresol possuíam conta bancária. Em entrevistas com agricultores familiares, alguns relatam que os gastos com cartório ultrapassam 50 reais, para conseguir um financiamento junto ao Banco do Brasil em relação ao valor médio do empréstimo (inferior a R$ 2.000,00), este montante é altíssimo. Cabe ainda salientar, que apesar de todos estes custos, os bancos comerciais podem eventualmente negar o empréstimo, o que faz com que o candidato a tomador de crédito assuma este tipo de risco. Da mesma forma, os bancos comerciais percebem custos diferentes de acordo com o tipo de cliente. Um cliente novo gerará custos ao pedir um empréstimo. Estes custos estão associados à assimetria de informação. O Banco do Brasil, por exemplo, pede uma taxa de serviço adicional ao Tesouro Nacional para operar o Pronaf. Num montante de 34,4 milhões de reais emprestados, o banco cobrou do tesouro nacional 1,69 milhão de reais, para cobrir os custos de transação, na safra 2002/03 (Abramovay, 2003) 3.2 Natureza da Firma Não houvesse os custos de transação, o mecanismo de preços seria suficiente para os indivíduos saberem o que e quanto produzir. Neste ambiente, a firma não teria qualquer sentido em existir. No ambiente real, contudo, as firmas existem. Elas são formas alternativas ao mercado na função de alocar os recursos. A existência da firma é justificada pelos custos de transação (Coase, 1988). Tais custos fazem com que o mecanismo de mercado funcione imperfeitamente. A conseqüência de tal situação é a necessidade de contratos. Desta forma, o que permite à firma realizar uma alocação alternativa ao mercado é a possibilidade de formular e fazer cumprir contratos notadamente o contrato de trabalho. Coase (1988) argumenta ainda que o tamanho da firma é limitado pela comparação marginal entre o custo de organização da firma com o custo de recorrer ao mercado para alocar recursos. Tais idéias são especialmente importantes ao na análise do Sistema Cresol. Embora não seja uma organização maximizadora de lucro, é uma forma alternativa ao mercado de organizar a alocação de recursos, no mesmo sentido que as firmas tradicionais também o são (Coase 1988) e seus problemas são bastante parecidos com os problemas das empresas tradicionais. Posteriormente será feito o esforço de mostrar que o Sistema Cresol funciona com estabilidade econômica justamente por que é menos custoso, do ponto de vista dos custos de transação do que o mecanismo de mercado.

10 3.3 Capital Social Capital social pode ser definido como o conjunto de relações que mantém um indivíduo e dos poderes decorrentes destas relações, que favorecem sua capacidade de geração de riqueza. Como o capital físico ou humano, as relações sociais podem ser uma base a partir da qual os indivíduos geram e se apropriam de renda. Ao definir capital humano, entendemos que indivíduos serão comparativamente mais bem sucedidos quanto mais habilidosos, educados e treinados forem. Capital social se refere às vantagens obtidas através dos laços e estruturas sociais nas quais os indivíduos estão inseridos (Burt, 2000). Neste caso, os agentes se beneficiam de suas relações sociais, mas também outros agentes nesta estrutura social podem ser beneficiados, caracterizando capital social não apenas com bem privado, mas também público ou coletivo. Capital social facilita ações individuais e coletivas no sentido de aumentar a eficiência da sociedade: Social structure is a kind of capital that can create for certain individual or groups a competitive advantage in pursuing their ends (Burt, 2000: 3). É claro que os resultados dos laços sociais que vinculam os indivíduos nem sempre são positivos: basta citar o caso da Máfia ou de formas clientelistas de dependência entre pessoas e de laços fortemente hierarquizados. Mas ali onde as relações são horizontais, amplas, a tendência é que o sentimento de confiança possa se disseminar pelo organismo social (Abramovay, 2000). É interessante salientar que pessoas melhor conectadas atingem mais facilmente seus objetivos, entretanto, tal conexão não apenas aumenta a probabilidade de êxito individual, mas também coletiva, através da melhor coordenação dos agentes (Putnam apud Abramovay, 2000). A noção de capital social é o complementar contextual do capital humano no sentido em que indivíduos melhor relacionados terão melhores rendimentos. Tal abordagem não deve resolver por si apenas problemas de falhas de mercado embora uma substancial contribuição possa ser identificada, por exemplo, no mercado de crédito, no caso das microfinanças. Contudo, estudos recentes ressaltam a importância deste capital na formação de conglomerados (clusters) e novas formas de organização de mercados (Abramovay, 2000) Reputação Reputação pode ser entendida como fama ou renome. Neste caso será entendida como uma informação a respeito da conduta econômica e social do indivíduo. É condição necessária para que haja cooperação entre indivíduos racionais, que sem tal informação não se sentiriam aptos a cooperar embora isto não signifique que reputação seja sinônimo de caráter ou honestidade: a reputação é um atributo decorrente da conduta observada apenas. Vejamos o exemplo do dilema dos prisioneiros: sem qualquer informação ou confiança de que o outro irá cooperar, ambos acabam racionalmente decidindo pela não cooperação 3. Em jogos únicos, este é o resultado esperado: a não cooperação. Contudo, em jogos repetidos ad infinitum o resultado pode ser diferente: caso os jogadores adquiram reputação ao longo 3 O dilema dos prisioneiros é amplamente conhecido na literatura econômica, ver, por exemplo, Varian, 2000.

11 do tempo, pode haver cooperação, mesmo que a maximização de utilidade de curto prazo incentive a não cooperação. Mais do que isto, a reputação sinaliza aos outros indivíduos quem é e quem não é confiável. Num cenário de informação assimétrica esta característica é fundamental ao decidir como alocar os recursos. A reputação é um bem público e privado, com externalidade de rede, como o telefone: The social capital embodied in a network of is partly a private good and partly a public one. A network of associations has the same kind of publicness as a telephone network (Bruni e Sugden, 2000:24). Externalidade de rede pode ser explicada com o exemplo do telefone. Se você possui um telefone e ninguém mais o possui, será inútil tê-lo. A utilidade do seu aparelho telefônico cresce a medida em que mais e mais pessoas possuírem telefones. Uma rede social densa faz com que a reputação chegue com mais velocidade e precisão a todos ou grande parte dos membros da rede. 4 Justificativas Empíricas Durante visitas ao Sistema Cresol, foram entrevistados diretores e funcionários da central Baser, além de oito famílias de agricultores familiares. Certamente esta é uma amostra pequena demais para se fazer qualquer teste estatístico. Tais entrevistas podem, contudo, ilustrar dimensões teóricas pertinentes ao problema, além de ajudar a corroborar a hipótese. Nesta parte do trabalho será realizado o esforço de tentar conciliar as teorias e hipóteses acima mencionadas com o trabalho de campo realizado no Sistema Cresol. As entrevistas aplicadas aos diretores e funcionários visavam compreender o funcionamento do sistema e verificar quais eram os mecanismos de controle das tarefas e monitoramento e quais eram os mecanismos de incentivos desta organização. Aos agricultores, as entrevistas buscavam entender o modo produtivo da propriedade, o mecanismo de ajuste do consumo intertemporal, as dificuldades encontradas em fazer tal ajuste basicamente entender quais eram as dificuldades de se obter e ajustar diversas formas de crédito e poupança 4 Durante as entrevistas, os agricultores contaram quais as principais dificuldades em se obter crédito nos bancos comerciais de varejo. Elas são: Burocracia excessiva para se acessar o crédito. Discriminação de renda: era necessário algum nível mínimo de renda. Discriminação do tamanho do empréstimo: era necessário um montante mínimo para efetuar a operação. Tempo de espera alto até que se conseguisse a aprovação do crédito. Cobrança excessiva de taxas Falta de crédito para investimento 4 Evidentemente, explorar a fundo todas estas variáveis seria ambicioso demais. Tais variáveis foram exploradas apenas com relação ao interesse desta pesquisa.

12 Tais respostas indicam sério racionamento de crédito. Ele é devido em grande parte à política macroeconômica. Contudo, vemos que os efeitos de tal racionamento recaem principalmente sobre os mais pobres e os que suportam menores riscos, como previsto por Stiglitz e Weiss (1981). Percebemos também que altos custos de transação desencorajam os agricultores a tomar crédito nos bancos comerciais. Os agricultores enumeraram, também, as vantagens do Sistema Cresol: Maior quantidade de crédito. Menores juros 5. Menores taxas de serviços. Maior agilidade na obtenção do crédito. Apoio técnico oferecido pelo sistema. Maior participação no processo decisório da cooperativa. As vantagens do sistema Cresol são basicamente os antônimos citados anteriormente para os bancos comerciais. Todos os entrevistados se disseram participativos com relação à cooperativa. Tal participação é peça decisiva para que o sistema funcione. Os diretores e conselho fiscal são eleitos. Esta eleição precisa ser representativa e fiscalizada, o que se torna mais fácil com a grande participação dos associados. Isto poderia levar a uma outra pergunta: se os diretores são eleitos, haveria espaço para algum tipo de troca de favores? A resposta é não. Na grande maioria dos casos a disputa é feita por chapa única. Além disto, as cooperativas singulares são fiscalizadas e têm sua contabilidade feita pela central, e os diretores eleitos respondem com seu próprio patrimônio em caso de improbidade. Os diretores possuem obrigações e se arriscam a perder seus patrimônios em caso de quebra da cooperativa, e possuem uma remuneração relativamente baixa para assumir esta responsabilidade: um diretor que trabalhe diariamente na cooperativa recebe menos que 5 salários mínimos por mês note que o custo de vida nesta região é menor do que nos grandes centros. Some-se a isto o fato deles receberem apenas por dia trabalhado e não poderem trabalhar, nestes dias, em suas respectivas propriedades. Entretanto, eles se sentem estimulados a fazer este trabalho. Em entrevistas feitas com diretores, tal estímulo deriva do respeito e prestígio que gozam atualmente a cooperativa e seus diretores, reforçando sua liderança regional. Uma conseqüência inesperada por parte do sistema Cresol foi a projeção política regional de membros do quadro social e diretoria, a ponto de eleger um deputado federal: Assis Miguel do Couto, pelo Partido dos Trabalhadores. Outro fator de estímulo ao trabalhar na cooperativa é o aprendizado. Provavelmente nenhum destes agricultores pensou em um dia estar realizando funções de banqueiro. Tampouco ser interlocutor junto a órgãos públicos, como o Banco Central e Ministérios. Percebe-se nas entrevistas que tais fatores são suficientes para fazer o trabalho dos diretores ser estimulante o suficiente para compensar os riscos. 5 Os juros do sistema Cresol estão um pouco abaixo dos bancos comerciais, com relação ao crédito pessoal (1,8% ao mês).

13 A hipótese deste trabalho defende a maneira de conceder empréstimos como peça fundamental do sucesso do sistema quanto ao atendimento de seus associados. Vejamos, então, como funciona o sistema de concessão de crédito 6 : Após a solicitação do crédito e do agente ter realizado todas as tarefas de confirmação do cadastro do associado, levantamento sócio-econômico, análise dos dados e elaboração do parecer, o processo de decisão culmina com a apresentação de um dossiê do associado e de sua unidade de produção ao comitê de crédito, última instância de decisão sobre a concessão do crédito. Objetivos do comitê de crédito: Zelar pela qualidade da carteira de crédito; Manter critérios técnicos homogêneos nos processos de decisões; Isentar a decisão de crédito de influências interpessoais; Avaliar a viabilidade da proposta de utilização do crédito; Quantificar o nível de comprometimento/responsabilidade do agente de crédito com o associado e com a cooperativa; Confirmar se o associado atende os critérios e exigências da cooperativa; Oportunizar troca de informações com os agentes de crédito com vistas ao aprimoramento permanente no desempenho de suas funções; Detectar tendências ou comportamento de mercado que possam interferir na qualidade da carteira; Identificar necessidades de adequação de políticas e procedimentos definidos nas linhas de crédito. A análise aplicada a projetos de crédito envolve três componentes: a pessoa do agricultor e sua família, a unidade de produção, e o projeto de investimento. Tal processo se desenvolve em seis etapas: proposta básica; cadastros do agricultor e avalista; visita na unidade de produção para atualizar e aplicar o cadastro sócio-econômico; análise da viabilidade econômica; plano, projeto ou orçamento; e avaliação pelo comitê de crédito. Os principais aspectos a serem observados são os cinco C s: Caráter; Capital; condições da unidade de produção; capacidade de pagamento;e colateral (garantia). Caráter é o elemento básico para a decisão de concessão de crédito e um dos critérios mais difíceis de serem analisados. Fatores de análise: idoneidade, crédito que desfruta na praça, experiência com operações de crédito na cooperativa. O principal capital da unidade de produção é o capital humano, mensurado pelo conhecimento técnico, capacidade empreendedora e experiência com o tipo de atividade desenvolvida. Fatores de análise: condições sócio-econômicas, experiência profissional, qualificação técnica, características empreendedoras e objetivos pessoais. Condições da unidade de produção compreende a análise dos ambientes externo e interno da unidade de produção, procurando identificar e medir o desempenho das atividades desenvolvidas. Fatores de análise: características da unidade de produção, histórico das atividades, mercado, controle e gestão da unidade de produção, visão futura da unidade de produção. 6 As informações abaixo foram transcritas do documento O cooperativismo de crédito rural com interação solidária na agricultura familiar: a formação de um sistema, de Sady Domingos Alves Grisa. Trata-se de um manual de circulação interna do sistema.

14 A capacidade de pagamento compreende a avaliação quantitativa do desempenho financeiro da unidade de produção. Fatores de análise: recitas operacionais, custos operacionais, resultados operacional (receita menos despesa), gastos familiares, outras fontes de renda, margem de endividamento. As garantias constituem um fator complementar à operação de crédito, devendo-se levar em conta, em primeiro plano, o caráter e a capacidade de pagamento. Fatores de análise: qualidade das garantias reais, liquidez das garantias reais e qualidade das garantias pessoais (aval, fiança). Como podemos ver nas instruções acima, não é dada muita importância ao sistema de garantias. Embora saibamos que elas podem aumentar os lucros dos financiadores (Stiglitz e Weiss, 1981) e aumentar a probabilidade de pagamento, os dois itens principais são o caráter e a capacidade de pagamento. Está aí a razão do sistema Cresol poder atender a um público não contemplado pelos bancos comerciais. A razão: os bancos comerciais não possuem meios de reduzir a assimetria de informação sem que isto gere custos altos demais. No sistema Cresol, o grau de inserção da cooperativa junto à comunidade faz com que seja possível, através da participação dos agentes e diretores no processo de concessão de crédito, aproveitar a teia social na qual está inserido para diminuir a assimetria de informação. Os custos de tal redução se diluem entre agentes, diretores e cooperados, uma vez que o trabalho dos agentes é voluntário e não remunerado, bem como a aplicação de controles e gestão dentro da unidade de produção fica a cargo do produtor. Como ilustração a este caso, um dos entrevistados mostrou, com evidente orgulho, sua planilha contábil, prática até então estranha ao produtor. Claramente, a aplicação de controles contábeis gerou benefícios ao produtor. Contudo, inicialmente ela gera custos, uma vez que os produtores precisam ser ensinados e convencidos a fazer tais controles. Os agentes de crédito, por sua vez, graças à proximidade geográfica e social, conseguem fiscalizar a utilização dos empréstimos, o que diminui sensivelmente o perigo moral. Tal fiscalização seria extremamente custosa se feitas por pessoas externas à comunidade. Os agentes de crédito não recebem remuneração, contudo, realizam um serviço bastante importante à cooperativa. A contrapartida a este serviço é, como no caso dos diretores, o respeito e prestígio de exercer este tipo de liderança. Cabe salientar que a maioria dos entrevistados exerce alguma função em sua comunidade religiosa. São também bastante participativos em relação aos sindicatos e cooperativas de produção. O exercício das funções de agente de crédito reforça e é reforçado pela liderança destes indivíduos em outras áreas do convívio social. Tal antecedente de participação social permite aos agentes deter informações e consegui-las mais facilmente em suas comunidades. Diante de tal quadro, o oferecimento de garantias torna-se secundário: dada a reputação obtida pelo sistema Cresol nos últimos anos, acredita-se que é um sistema cooperativo duradouro. Ao agricultor, cujas necessidades financeiras são muito peculiares e sazonais, perder esta fonte de crédito é muito prejudicial no longo prazo. Será uma decisão bastante racional honrar seus compromissos. De fato, todos os entrevistados temem perder crédito e reputação junto à cooperativa. A possibilidade de inadimplência, portanto, dificilmente seria gerada pelo perigo moral, uma vez que os incentivos vão à direção contrária, ela deriva de algum tipo de erro no planejamento e avaliação da capacidade de pagamento ou frustração de safra (o que depende de fatores climáticos ou pragas). A segunda possibilidade é de difícil controle. A primeira, contudo, é controlada pelo tecido

15 social na qual se insere a cooperativa, bem como por avaliações técnicas por parte do comitê de crédito. Tais evidências apóiam a posição de Bittencourt e Abramovay em relação ao sistema Cresol: pode-se dizer que o caráter localizado e a intencional limitação de tamanho das cooperativas permitem, em princípio, que as redes sociais que a constituem abram caminho para uma significativa redução dos custos de transação bancária, explicando assim o paradoxo delas serem economicamente mais viáveis que os sistemas convencionais, quando se trata de atingir este tipo de público. Ao mesmo tempo, elas funcionam a partir de um conjunto de controles externos, objeto de administração financeira padronizada que indicam claramente o potencial de expansão e universalização do sistema. (Bittencourt e Abramovay, 2003). A franca expansão do sistema Cresol indica a presença de altos custos de transação. Coase (1988) justifica a existência da firma como maneira alternativa de alocação de recursos em contraposição ao mercado. Sua existência está ligada aos custos de transação. Podemos incluir o sistema Cresol neste caso. As dificuldades de se acessar o mercado de crédito explicam sua existência. Seu limite é dado pelo montante de custos transação que consegue economizar em relação ao sistema de mercado. Como vimos anteriormente, a redução dos custos de transação depende do uso da coesão social existente na localidade. Mais ainda, depende da absorção de parte dos custos por parte dos agentes e diretores. Tal absorção é possível graças ao reconhecimento social recebido por estes indivíduos. Em busca deste reconhecimento, estes indivíduos estão dispostos a dispor de recursos principalmente o tempo para manter e ampliar este prestígio. A redução de custos de transação por parte da cooperativa está ligada portanto, ao reconhecimento social que a cooperativa pode oferecer aos seus diretores e agente. Isto não significa qualquer tipo de interesse mesquinho, pois o reconhecimento social por parte desta teia social deriva da realização de atividades com intuitos nobres. Desta forma, a ampliação do sistema Cresol deve continuar enquanto houver este mecanismo benéfico de incentivos. 5 Conclusão O sistema Cresol consegue atingir a um público até então excluído do mercado de crédito através do uso das relações interpessoas pré-existentes nas comunidades onde atua. Embora seja verdade que tal coesão social, coeteris paribus, inibe a inadimplência, nota-se que graças ao caráter perene e grande reputação obtida pela cooperativa, a decisão de honrar os compromissos de crédito é bastante racional, sob pena de perda de reputação e créditos futuros. A coesão social e grande participação dos quadros da cooperativa explicam, por outro lado, o baixo nível de corrupção e o eficiente sistema de alocação de recursos utilizado pelo sistema. Os custos de transação bancária são drasticamente reduzidos por parte da cooperativa, em parte porque ela utiliza o recurso da coesão social para diminuir riscos, custos de monitoramento e assimetria de informação, em parte porque os custos derivados da assimetria de informação são distribuídos entre agentes de crédito, quadro social e diretoria do sistema. Tais custos são absorvidos pelos agentes e diretores graças ao reconhecimento social que tais funções geram. As características específicas daquela região explicam por que tal reconhecimento social é importante. O ambiente institucional permite que aqueles que exercem posições de

16 liderança junto à comunidade sejam reconhecidos e estejam dispostos a ceder recursos basicamente tempo em nome deste reconhecimento. Certamente se sentem reconhecidos em estar criando uma organização surpreendente do ponto de vista do fortalecimento dos laços de confiança e organização por parte dos agricultores e agricultoras familiares, bem como por sua sustentabilidade financeira. É interessante perceber que tais condições institucionais podem não ser observadas em diversas localidades. Mas onde as relações horizontais de confiança e reconhecimento puderem criar este sistema de incentivos benéficos, a reprodução espacial e temporal do sistema é possível. O sistema Cresol encontra-se em plena expansão. E ao que tudo indica, tal expansão será tolhida apenas se e onde tal sistemas de incentivos não for possível. Bibliografia ABRAMOVAY, Ricardo (2000) O Capital Social dos Territórios: Repensando o Desenvolvimento Rural Economia Aplicada vol. 4 No. 2, abril-junho: São Paulo. ABRAMOVAY, Ricardo (2003a) Finanças de proximidade e desenvolvimento territorial no semi-árido brasileiro, in COSSIO, Maurício B. Estrutura agrária, mercado de trabalho e pobreza rural no Brasil capítulo 12, no prelo IPEA, Rio de Janeiro, Brasília. ABRAMOVAY, Ricardo (2003b) Os custos da intermediação financeira estatal - Folha de São Paulo - Dinheiro - 15/9/2003. ABRAMOVAY, Ricardo e VEIGA, José Eli (1999) Novas para o Desenvolvimento Rural: o caso do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) IPEA texto para discussão n BENHAM, Alexandra e BENHAM, Lee (2001) The Costs of Exchange The Ronald Coase Institute and Washington University in St. Louis. BITTENCOURT, Gilson (2000) Sistema Cresol de cooperativas de crédito Rural: uma experiência solidária entre os agricultores familiares in A economia solidária no Brasil a autogestão como resposta ao desemprego SINGER, Paul e SOUZA, André orgs. Ed. Contexto São Paulo pp BITTENCOURT, Gilson (2003) Abrindo a caixa-preta: o financiamento da agricultura familiar no Brasil Dissertação de Mestrado Unicamp.

17 BITTENCOURT, Gilson e ABRAMOVAY, Ricardo (2001) Inovações institucionais no financiamento à agricultura familiar - Revista Economia Ensaios Vol 16, nº 1. COASE, Ronald (1988) The Firm, The Market and the Law University of Chicago Press Chicago. GRISA, Sady Domingos Alves (2004) O cooperativismo de crédito rural com interação solidária na agricultura familiar: a formação de um sistema Francisco Beltrão circulação restrita. JUNQUEIRA, Rodrigo P. e ABRAMOVAY, Ricardo (2003) Sustentabilidade das Finanças Solidárias XLI Congresso da SOBER, Juiz de Fora. Na internet: das%20microfinan%e7as%20solid%e1rias.pdf, em 15/08/2003. JUNQUEIRA, Rodrigo Gravina Prates (2003) - Finanças solidárias e agricultura familiar: o Sistema CRESOL de Cooperativas de Crédito Rural Ciência Ambiental Dissertação de Mestrado Universidade de São Paulo. KHANDKER, Shahidur (1998) Fighting poverty with microcredit: experience in Bangladesh Oxford University Press Oxford. MATIAS, Alberto Borges (1999) - Insucesso de Grandes Bancos Privados Brasileiros de Varejo Tese de Livre Docência, Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Ribeirão Preto. MEYER, Richard (2003) Individual lending in rural finance Seminário Current Issues on Microfinance, Joanesburgo, Africa do Sul. NAVAJAS, Sergio, SCHREINER, Mark, MEYER, Richard L., GONZALEZ- VEGA, Claudio, MEZA, Jorge R. (2000) Microcredit and the Poorest of the Poor: Theory and Evidence from Bolivia World Development vol. 28 No. 2: NAVAJAS, Sergio, CONNING, Jonathan, GONZALEZ-VEGA, Claudio (2003). Lending Technologies, Competition and Consolidation in the Marketing for Microfinance in Bolivia. Ohio State University. Na internet, 11/08/2003: PRONAF em 01/03/2004. RUTHERFORD, Stuart (1999) The Poor and Their Money Institute for Development Policy and Management New Delhi. Na internet, em11/08/2003: STIGLITZ, Joseph E. e WEISS, Andrew (1981) Credit rationing in markets with imperfect information American Economic Review 71 (junho):

18 SISTEMA CRESOL. em 20/02/2004. SISTEMA CRESOL (2004) Sistema Cresol Sistema de Cooperativas de Crédito com Interação Solidária Francisco Beltrão circulação restrita. VARIAN, Hal R. (2000) Microeconomia: Princípios Básicos Campus Rio de Janeiro. YARON, Jacob; BENJAMIN Jr., Donald e PIPREK, Gerda (1997) Rural Finance Issues, Design and Better Practice The World Bank Environmentally and Socially Sustainable Development Studies and Monographs Series n. 14 Washington. YUNUS, Muhammad (2002) O Banqueiro dos Pobres Ática São Paulo. ZELLER, Manfred, SCHRIEDER, Gertrud, von BRAUN, Joachim, HEIDHUES, Franz (1997) Rural Finance for Food Security for the Poor: Implications for Research and Policy International Food Policy Research Institute Washington.

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional

Panorama da Inclusão Financeira no Brasil. Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Carlos Alberto dos Santos Diretor Técnico Sebrae Nacional Panorama da Inclusão Financeira no Brasil Agenda 1. Inclusão financeira: a construção de uma estratégia

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Tecnologias de empréstimo e sustentabilidade das instituições de micro-finanças: o caso do Sistema Cresol.

Tecnologias de empréstimo e sustentabilidade das instituições de micro-finanças: o caso do Sistema Cresol. Lucas Mation Tecnologias de empréstimo e sustentabilidade das instituições de micro-finanças: o caso do Sistema Cresol. O presente artigo analisa as diferentes tecnologias de empréstimo e arranjos organizacionais

Leia mais

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países

Tema 6: Atuaçã. Análise da atuaçã Comparaçã. ção o com outros países Tema 6: Atuaçã ção o Das Entidades Não-reguladasN Análise da atuaçã ção o das entidades não-reguladas n brasileiras: Comparaçã ção o com outros países Visão o de futuro para essas entidades. VII Seminário

Leia mais

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia Caio Márcio Ferreira Greve 1 RESUMO O presente artigo faz uma rápida descrição da modalidade de crédito intitulada Microcrédito, e como ela se

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 1 Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 Fernando Gaiger Silveira Alexandre Arbex Valadares Resumo: O PRONAF está prestes a completar 20 anos, tendo seu carro chefe, o crédito, apresentado um desempenho,

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

Manual do agente de crédito Banco Solidario

Manual do agente de crédito Banco Solidario Manual do agente de crédito Banco Solidario Trechos relacionados a evitar o superendividamento dos clientes, traduzidos do espanhol A filosofia Viver Solidário pode ser aplicada a tudo na vida. Em nossa

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS UTILIZAÇÃO DO MICROCRÉDITO COMO MODALIDADE DE FINANCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Paola Ronconi Pulcine 1, Vilma da Silva Santos 2, Viviane Fushimi Velloso 3, Paulo César Ribeiro Quintairos 4,

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio

Cooperativismo. Cooperativa de Crédito. Apoio Cooperativismo Cooperativa de Crédito Apoio O que é uma cooperativa. É uma sociedade de pessoas com forma e natureza jurídica própria, de natureza civil, sem fins lucrativos, não sujeita à falência, constituída

Leia mais

Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo. Carlos Alberto dos Santos

Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo. Carlos Alberto dos Santos Médias e Pequenas Empresas: Desafios e Oportunidades para os Bancos de Varejo Carlos Alberto dos Santos Agenda 1) Um pouco ( só um pouco) de teoria. 2) Que mercado é este? 3) Desafios e oportunidades

Leia mais

Inclusão Bancária. e Microcrédito

Inclusão Bancária. e Microcrédito Inclusão Bancária e Microcrédito 3. Inclusão Bancária e Microcrédito 116 INTRODUÇÃO Em 2003, no início do novo governo, a discussão sobre microfinanças e inclusão financeira no Brasil era restrita às operações

Leia mais

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável

GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA. Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável GUIA RÁPIDO: FLUXO DE CAIXA Conheça os 5 passos fundamentais para você controlar e planejar as suas finanças de forma rápida e confiável SUMÁRIO 1. Sobre o Guia Rápido 03 2. Passo 1 - Plano de Contas 04

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo

FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL. Resumo FATORES MACROECONÔMICOS QUE AFETARAM O SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL APÓS O PLANO REAL Luciano Rodrigues Lara* Resumo No Brasil, a partir da implantação do Plano Real, houve uma acentuada queda no spread bancário,

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito

Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Microfinanças e Cooperativismo de Crédito Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Microfinanças: Objetivos do Governo Federal Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os empreendedores

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO

1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO ,661Ã 1RWDV7pFQLFDV GR %DQFR&HQWUDOGR%UDVLO 1~PHUR 1RYHPEURGH O sistema financeiro e o crédito rural Moyses Kessel ISSN 1519-7212 CGC 00 038 166/0001-05 Notas Técnicas do Brasília n 6 nov 2001 P 1-10 Banco

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes

Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Aula Sobre a Teoria do Dinheiro de Keynes Professor Fabiano Abranches Silva Dalto SE506-Economia Monetária e Financeira Bibliografia Utilizada: KEYNES, John Maynard. A Teoria Geral do Emprego, do Juros

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Desafios para a Inclusão Financeira e Desenvolvimento Territorial

Desafios para a Inclusão Financeira e Desenvolvimento Territorial Desafios para a Inclusão Financeira e Desenvolvimento Territorial Sumário Importância de transferência de poupança para desenvolvimento Problemas para transferência de poupança Acirramento de problemas

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora

Nome da operação. Região País Setor. Número da operação Instrumento de crédito Mutuário(s) Entidade executora Nome da operação Região País Setor DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DO PROGRAMA (PID) ETAPA CONCEITUAL Relatório nº: AB7437 (O número do relatório é gerado automaticamente pelo IDU e não

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

ME - Metodologia Creditícia

ME - Metodologia Creditícia EXPANSÃO DO SETOR DE MICROFINANÇAS NO BRASIL ME - Metodologia Creditícia A Cresol só empresta recursos para os próprios sócios 16. Inicialmente, o diretor liberado é que captava os créditos em cada cooperativa.

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica

Capítulo 17: Mercados com Informação Assimétrica Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 17, Informação Assimétrica::EXERCÍCIOS 1. Muitos consumidores consideram uma marca conhecida como um sinal de qualidade e, por isso, estarão dispostos a pagar um preço mais

Leia mais

SISTEMA CRESOL COMO ALTERNATIVA DE INCLUSÃO FINANCEIRA DOS AGRICULTORES FAMILIARES E O DESENVOLVIMENTO RURAL.

SISTEMA CRESOL COMO ALTERNATIVA DE INCLUSÃO FINANCEIRA DOS AGRICULTORES FAMILIARES E O DESENVOLVIMENTO RURAL. SISTEMA CRESOL COMO ALTERNATIVA DE INCLUSÃO FINANCEIRA DOS AGRICULTORES FAMILIARES E O DESENVOLVIMENTO RURAL. Eliziane Marchesi Locks 1 Prof. José Maria Ramos 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo fazer

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS

ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS ANEXO I CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS 55 CLASSIFICAÇÃO DOS RESTRITIVOS IMPEDIMENTO LEGAL É uma situação de apontamento que, por força das normas do Bacen, impedem que pessoas físicas ou jurídicas figurem

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Microeconomia II Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 3.4 Economia da Informação: Selecção Adversa Isabel Mendes 2007-2008 4/11/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 O que até agora

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características:

Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: O QUE É MICROCRÉDITO Microcrédito é a designação para diversos tipos de empréstimos dos quais apontamos as seguintes características: Apesar de maiores limites determinados pelo governo, comumente percebemos

Leia mais

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br

BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br BEM-VINDO AO SICOOB. A maior instituição financeira cooperativa do país. www.sicoob.com.br Parabéns! Agora você faz parte de uma cooperativa Sicoob e conta com todos os produtos e serviços de um banco,

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

MICROFINANÇAS. Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil MICROFINANÇAS Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil Programa de Remessas e Capacitação para Emigrantes Brasileiros e seus Beneficiários no Brasil

Leia mais

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27.

VE = (0.1)($100) + (0.2)($50) + (0.7)($10) = $27. Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 5, Incerteza :: EXERCÍCIOS 1. Considere uma loteria com três possíveis resultados: uma probabilidade de 0,1 para o recebimento de $100, uma probabilidade de 0,2 para o recebimento

Leia mais

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de...

1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... 1. Uma situação na qual um comprador e um vendedor possuem informações diferentes sobre uma transação é chamada de... Resposta: Informações assimétricas caracterizam uma situação na qual um comprador e

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERCADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: JUNHO/2014

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças. Mauricio Blanco e Tatiana Amaral

Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças. Mauricio Blanco e Tatiana Amaral Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças Mauricio Blanco e Tatiana Amaral Objetivos Identificar os principais entraves ao acesso a serviços de microfinanças pela população de baixa renda;

Leia mais

Peter Drucker diz que administrar é manter as organizações coesas, fazendo-as funcionar.

Peter Drucker diz que administrar é manter as organizações coesas, fazendo-as funcionar. 1º material O que é Administração Financeira? A administração financeira é a disciplina que trata dos assuntos relacionados à administração das Finanças de empresas e organizações. Ela está diretamente

Leia mais

Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos

Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como o agricultor familiar pode conseguir e manter o financiamento rural e como se dá à relação com os bancos 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Evolução do Mercado de Crédito e Microcrédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com Estrutura da apresentação Problemas de Acesso ao Crédito Evolução

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO ANDRÉ NUNES LEITE ERICA CASADO BIANCALANA MAÍRA OZI ALMEIDA

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO ANDRÉ NUNES LEITE ERICA CASADO BIANCALANA MAÍRA OZI ALMEIDA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO ANDRÉ NUNES LEITE ERICA CASADO BIANCALANA MAÍRA OZI ALMEIDA CRESOL Francisco Beltrão PR Uma análise do papel desta cooperativa no

Leia mais

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC.

*Os pontos de vista expressados aqui são meus e não necessariamente representam aqueles do FDIC. Orientação Geral para Mandatos de Seguro de Depósito Eficazes Considerações importantes no Projeto de um Mandato Eficaz Disponibilidade de Recursos para um Sistema Eficaz de Seguro de Depósitos: Financiamentos,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda

Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito no âmbito das políticas públicas de trabalho e renda Rogério Nagamine Costanzi* Desde a experiência do Grameen Bank em Bangladesh, o microcrédito passou a se disseminar

Leia mais

Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA

Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA Contribuições do Sistema Cooperativista - Consulta Pública MDA Critérios e procedimentos de concessão, manutenção e uso do Selo Combustível Social As políticas de apoio à agricultura familiar desempenham

Leia mais

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras

CONECT. PDD - Imparidade. II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras AUDIT CONECT PDD - Imparidade II Congresso de Contabilidade e Tributos de Instituições Financeiras 26 de novembro de 2010 José Claudio Costa / Simon Fishley Introdução Comentários Gerais Práticas Contábeis

Leia mais

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE

Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE Anderson Geraldo da Silva Faculdade Maurício de Nassau Caruaru-PE 1. Diagnóstico Empresarial 2. Definição e Gestão da Estrutura Organizacional 2.1. Administração Estratégica 2.1.1. Processos 2.1.2. Resultados

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

Maputo, 7 de Novembro 2013

Maputo, 7 de Novembro 2013 Maputo, 7 de Novembro 2013 Agenda Este seminário tem por objectivo apresentar o estudo sobre a situação do acesso a finanças rurais e agrícolas em Moçambique 1. Introdução 2. Perfil da População Rural

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO DE LONDRINA CASA DO EMPREENDEDOR RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ASSOCIADOS, CLIENTES E COMUNIDADE: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios

I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO. Disciplina: Administração em Agronegócios I PERÍODO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Disciplina: Administração em Agronegócios A evolução do setor agrícola brasileiro. Os ciclos da agricultura brasileiro. A modernização da agricultura. O crescimento

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais