Transporte público: um legado que vai além de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transporte público: um legado que vai além de 2014"

Transcrição

1 ISSN: Ano II, Número 8 mar / abr 2014 ntu.org.br Transporte público: um legado que vai além de 2014 Apesar dos atrasos e dificuldades para a Copa do Mundo, o Brasil se destaca entre os países que mais tem investido em prioridade ao transporte público no mundo com 69 projetos em andamento 14 Sustentabilidade: ônibus 100% elétrico são testados em São Paulo e no Rio de Janeiro Caminho livre para os ônibus: viagens 50% mais rápidas com faixas exclusivas Brasileiros aprovam subsídios para melhorar o transporte público

2 Seminário Naci Transporte Público Urbano: como atender as demandas sociais? 27 e 28 de agosto hotel Royal Tulip Brasília Realização Organização

3 onal ntu 2014 Programação 27 de agosto q u a r t a - f e i r a 10h00: Abertura 10h30: Painel Transporte público urbano: como atender as demandas sociais? O debate, mediado pelo jornalista Alexandre Garcia, contará com a participação de lideranças do setor de transportes, do governo federal e da sociedade civil em busca de respostas e soluções para as principais necessidades dos usuários do transporte público urbano. 13h00: Almoço 14h30: Painel Qualidade e segurança nos sistemas BRT Especialistas vão debater as medidas necessárias para garantir que os sistemas BRT operem com a máxima eficiência, qualidade e segurança. 17h30: Encerramento 28 de agosto q u i n t a - f e i r a 9h30: Painel Lei Anticorrupção e Política de Compliance Painel vai abordar as responsabilidades das empresas, geradas pela Lei nº /2013, e os componentes de uma estrutura de compliance com experiências do setor. Oficina Sistemas Inteligentes de Transporte Especialistas, operadores e representantes da indústria vão apresentar e discutir as inovações em tecnologia para a operação dos sistemas de transportes. 11h30: Perspectivas do ITS no Brasil 13h00: Almoço 14h30: Bilhetagem eletrônica e tecnologias para controle das gratuidades 16h00: Gestão Operacional e Informação ao Usuário 17h30: Encerramento

4 Editorial Pós-Copa: o que cobrar? B urocracia, chuvas, disputas judiciais sobre desapropriações e impasse para obtenção de licenças. Essas foram as principais justificativas apontadas pelos gestores públicos para o atraso ou cancelamento das obras de mobilidade urbana previstas para a Copa do Mundo. O que era para ser o maior legado nacional do Mundial vai ter que ficar para depois. Foram sete anos de preparação e mais de R$ 12 bilhões em investimentos públicos. Pela primeira vez, houve tempo e verba para tirar do papel mais de 20 anos de sonhos em melhorias dos sistemas de transporte público urbano. Mas ainda assim faltou o principal: planejamento. Segundo o Tribunal de Contas da União, apenas 57,8% dos recursos para as obras de mobilidade urbana para a Copa foram repassados até abril deste ano. Do montante inicial, R$ 4 bilhões foram retirados (e junto deles, os projetos) quando percebeu-se que algumas obras não ficariam prontas a tempo. Apesar de haver muito a se lamentar, graças à Copa, o tema mobilidade urbana se transformou em uma nova exigência da sociedade. O evento esportivo acontecerá mes- mo sem as obras ficarem prontas A Copa era apenas o marco da inauguração delas. Para a vida cotidiana de milhões de brasileiros, entretanto, equivale a uma melhoria inestimável em qualidade de vida. É o sonho de poder finalmente deixar o carro em casa para usufruir de um transporte público confortável, rápido e eficiente. É a expectativa do fim dos congestionamentos quilométricos, da redução da poluição do ar, de horas a mais para aproveitar o dia. É a mobilidade urbana plena e sustentável. Agora, já não basta cobrar celeridade nas obras e fiscalização do uso da verba pública. Para que todos esses anseios ainda sejam atendidos, é preciso exigir dos poderes públicos a capacitação dos dirigentes e técnicos de transporte dos municípios para que eles possam elaborar planos de mobilidade com qualidade e executar projetos com competência. Essa ineficiência quase geral dos municípios compromete a viabilidade dos projetos e a disponibilidade das verbas previstas nos Programas de Aceleração do Crescimento. Depois de muitos anos de espera, precisamos cobrar insistentemente a continuidade dos investimentos para que o sonho de milhões de brasileiros se concretize. Biênio Conselho Diretor Membros titulares e suplentes Região Centro-Oeste Edmundo de Carvalho Pinheiro (GO) titular Ricardo Caixeta Ribeiro (MT) suplente Região Nordeste Dimas Humberto Silva Barreira (CE) titular Mário Jatahy de Albuquerque Júnior (CE) suplente Luiz Fernando Bandeira de Mello (PE) titular Paulo Fernando Chaves Júnior (PE) suplente Região Sudeste Albert Andrade (MG) titular Wilson Reis Couto (MG) suplente Eurico Divon Galhardi (RJ) titular - presidente do Conselho Diretor Narciso Gonçalves dos Santos (RJ) suplente Lélis Marcos Teixeira (RJ) titular Francisco José Gavinho Geraldo (RJ) suplente João Carlos Vieira de Sousa (SP) titular - vice-presidente do Conselho Diretor Júlio Luiz Marques (SP) suplente João Antonio Setti Braga (SP) titular Mauro Artur Herszkowicz (SP) suplente Região Sul Ilso Pedro Menta (RS) titular Enio Roberto Dias dos Reis (RS) suplente Conselho Fiscal Membros titulares e suplentes Paulo Fernandes Gomes (PA) titular Heloísio Lopes (BA) titular Haroldo Isaak (PR) titular Ana Carolina Dias Medeiros de Souza (MA) suplente Jacob Barata Filho (RJ) suplente José Roberto Iasbek Felício (SP) suplente 4 Revista NTU Urbano

5 SUMÁRIO Expediente 6 OPINIÃO DA NTU Jacob Barata Filho Como melhorar a mobilidade urbana? ENTREVISTA Ramon Victor César Confira entrevista com o presidente da BHTrans, órgão gestor de transporte de Belo Horizonte DIÁLOGO TÉCNICO André Dantas O que passou não pode ficar para trás: a construção do legado continua após a Copa do Mundo PARADA OBRIGATÓRIA Notinhas para você se agendar, se informar e se atualizar Diretoria Executiva Otávio Vieira da Cunha Filho Presidente Marcos Bicalho dos Santos Diretor Administrativo e Institucional André Dantas Diretor Técnico 14 CAPA Um legado que vai além de BOAS PRÁTICAS Empresas de transporte de Goiânia aderem à campanha Trabalho Seguro SUSTENTABILIDADE Ônibus 100% elétrico são testados em São Paulo e no Rio de Janeiro ACONTECE NAS EMPRESAS DF lança programa Gentileza Urbana para melhor relação entre motoristas e cidadãos PELO MUNDO Conheça as novidades e soluções de mobilidade adotadas mundo afora EMBARQUE NESSA IDEIA Luis Antonio Lindau O transporte sustentável salva vidas MOBILIDADE URBANA Caminho livre para o ônibus SEGURANÇA Abuso e assédio sexual contra mulheres no transporte público mobiliza país CUSTOS Brasileiros aprovam subsídios para melhorar o transporte público #NTURECOMENDA Dicas de livros, sites, aplicados e vídeos sobre transporte SAUS Q. 1, Bloco J, Ed. CNT 9º andar, Ala A Brasília (DF) CEP Tel.: (61) Fax: (61) Site: Editora responsável Bárbara Renault (DF 7048 JP) Editora assistente Hellen Tôrres (DF 9553 JP) Colaborou nesta edição Flávio Neponucena Diagramação Duo Design Esta revista está disponível no site Siga a NTU nas redes sociais Revista NTU Urbano 5

6 Opinião da NTU Autor: Jacob Barata Filho (*) Como melhorar a mobilidade urbana? A s metrópoles, em geral, ainda estão mal estruturadas para lidar com as exigências de uma mobilidade sustentável. Mesmo cidades de países desenvolvidos convivem com a excessiva presença do carro particular, com congestionamentos e toda sorte de efeitos colaterais por eles provocados, sejam ambientais, sociais ou econômicos. Os desafios globais vão além dos necessários investimentos em infraestrutura. Nos países em desenvolvimento, ainda é preciso encontrar um modelo adequado de financiamento do transporte público, mais equânime e que desonere a população de menor renda. É necessário, também, buscar uma melhor gestão da demanda, com integração em rede e a racionalização dos deslocamentos da população, tornando as viagens menos desgastantes. Os desafios globais vão além dos necessários investimentos em infraestrutura. Nos países em desenvolvimento, ainda é preciso encontrar um modelo adequado de financiamento do transporte público, mais equânime e que desonere a população de menor renda. É necessário, também, buscar uma melhor gestão da demanda, com integração em rede e a racionalização dos deslocamentos da população, tornando as viagens menos desgastantes. no Rio de Janeiro, estão sendo construídos quatro corredores BRT (sistema de ônibus rápido). Neste ano, serão destinados R$ 800 milhões na aquisição de mil ônibus articulados e na construção de um moderno centro de controle operacional. Estima-se que cada ônibus articulado retire das ruas de três a quatro ônibus convencionais. A criação de corredores BRT representa excelente solução em termos de transporte coletivo, com a constituição de verdadeiros eixos estruturantes, reduzindo o tempo de viagem e a emissão de poluentes. Já há consenso que mobilidade sustentável não depende apenas das políticas de transporte. O desenvolvimento de tal sistema começa com a organização do espaço urbano, daí a importância de se discutir a reestruturação da cidade. As metrópoles precisam renascer, e para isso é imprescindível que o planejamento de transporte e planejamento urbano estejam associados. As cidades brasileiras ainda são muito concentradas, geográfica e economicamente, criando problemas que só serão sanados com uma melhor ocupação e uso do solo, com um planejamento inteligente de transporte, integrado ao planejamento urbano, e, claro, com continuidade administrativa e de investimentos públicos e privados. Isso exige planejamento, comprometimento e continuidade política. Do contrário, qualquer iniciativa tende a se perder sem obter resultado. O Brasil viu nos últimos anos grande aporte de recursos públicos ser destinado para a Mobilidade urbana, e o simples fato de o setor público investir em infraestrutura estimulou o setor privado a fazer o mesmo. Só *Jacob Barata Filho, 60, é membro do Conselho Fiscal da NTU e empresário do setor em vários estados brasileiros. **Esse artigo foi publicado no jornal Folha online em 08 de abril de Revista NTU Urbano

7

8 Entrevista RAMON VICTOR CESAR Um salto de qualidade no transporte público de Belo Horizonte Projetos previstos na matriz de responsabilidade da Copa estão sendo executados a tempo para o Mundial e prometem deixar a cidade mais fluente durante o evento e melhorar a qualidade de vida dos mineiros U ma das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014, Belo Horizonte tem investido em mobilidade urbana e no planejamento do transporte público para atender com eficiência e qualidade a população que vai circular na capital mineira durante o mundial. Os investimentos estimados em mais de R$ 1 bilhão deixarão um legado para toda cidade e projetos previstos há alguns anos começam a se tornar realidade. Em entrevista exclusiva para a Revista NTU Urbano, Ramon Victor Cesar, presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A (BHTrans) contou um pouco mais do primeiro trecho do sistema BRT inaugurado recentemente, no corredor Cristiano Machado, e detalha como foram os processos de implantação e operação. Durante o bate papo, foi possível perceber a importância do planejamento e engajamento dos órgãos gestores para a execução de projetos como esse. 8 Revista NTU Urbano

9 Entrevista De modo geral, o MOVE nome escolhido para o sistema BRT de Belo Horizonte tem sido bem avaliado pela BHTrans e também pelos usuários. Atualmente, o sistema oferta três novas linhas e 22 veículos fazem parte do sistema em circulação. O tempo de viagem foi reduzido e a estimativa de passageiros atendidos no corredor da Avenida Cristiano Machado quando estiver 100% implementado é de 300 mil por dia, e na Avenida Antonio Carlos, será de 400 mil usuários, totalizando 700 mil passageiros por dia. Como a BHTrans vem trabalhando a mobilidade urbana e o sistema BRT em Belo Horizonte? A BHTrans desenvolveu um Plano Diretor de Mobilidade Urbana antes mesmo da obrigatoriedade decorrente da Lei Federal nos Estados. Esse plano propõe um sistema de transporte estrutural por meio de uma combinação de linhas de metrô e de linhas de BRT e é o que vem nos orientando no dia a dia na política local de mobilidade urbana. Passado um mês do início da operação do BRT qual avaliação o senhor faz do sistema? O sistema é altamente positivo. Evidentemente que ao logo do primeiro mês nós tivemos que fazer ajustes, complementar procedimentos e corrigir funcionamentos e equipamentos. E esse é um processo normal de iniciação de uma operação. Mas, passado esse período, o sistema está aprovado tanto do nosso ponto de vista como gestores de transporte tanto no ponto de vista do usuário. Temos visto muitas reportagens e depoimentos dos usuários ressaltando não só o conforto, mas principalmente a grande rapidez concebida desse corredor. De forma que em abril foi iniciada mais uma etapa do corredor Cristiano Machado e vamos concluir esse corredor em quatro etapas. No mês de maio, vamos implementar o corredor Antonio Carlos, que se trata de um corredor mais robusto em termos de demanda e infraestrutura e que é, inclusive, um eixo de migração do estádio Mineirão com o centro da cidade. Ocorreram testes e treinamentos para que o sistema pudesse entrar em operação? Nós temos praticamente três anos de trabalho continuado na parte de planejamento e de projetos. Inserese nesse contexto todo o planejamento da operação, seja do nosso lado como gestor, seja do lado das concessionárias da operação propriamente dita. As empresas realizam os treinamentos, principalmente dos motoristas. Nessa fase de operação do corredor Cristiano Machado, alguns motoristas já fazem o treinamento em campo. Esse treino também aconteceu com um grupo de multiplicadores, formado por profissionais mais experientes das concessionárias. Isso também contou com o apoio da Rede Embarq que colaborou com a formatação desse programa de treinamento. E, enquanto operamos potencialmente o corredor Cristiano Machado, também estão sendo feitas operações de treinamento no corredor Antonio Carlos, que é o próximo a entrar em funcionamento. A BHTrans possui manuais de procedimentos operacionais para esses sistemas? Temos hoje um manual de operação do BRT com diferentes protocolos consolidados e esse material, evidentemente, está em estágio probatório. Ele foi todo construído como uma espécie de livro branco e agora ele está sendo ajustado na prática. Revista NTU Urbano 9

10 Entrevista Qual a previsão para que os outros corredores comecem a operar? E para a Copa do Mundo, o que estará funcionando? Tendo como marco temporal a Copa no mês de junho, nós estaremos operando com os corredores Cristiano Machado e Antonio Carlos, que é continuado pela Avenida Pedro I e Vilarinho. Ou seja, Antonio Carlos, Avenida Pedro I e Avenida Vilarinho são trechos subsequentes de um mesmo corredor. Então, para o Mundial, esses dois corredores estarão prontos, 100% funcionando. Isso significa atender no BRT 700 mil pessoas por dia, sendo 400 mil pessoas no corredor Antonio Carlos e 300 mil pessoas no corredor Cristiano Machado. Esses dois corredores convertem para um grande rotor de distribuição no hipercentro da cidade, esse rotor é formado pela Avenida Santos Dumont que teve as ruas todas remodeladas e constituem hoje um corredor também exclusivo para o sistema BRT no coração de Belo Horizonte. Para a Copa do Mundo, os corredores estarão prontos Cristiano Machado e Antonio Carlos, 100% funcionando. Isso significa atender no BRT 700 mil pessoas por dia. Esses dois corredores convertem para um grande rotor de distribuição no hipercentro da cidade Existe integração do sistema BRT de Belo Horizonte com outros modais? Todos os dois corredores (Cristiano Machado e Antonio Carlos) têm conexões intermodais. A estação São Gabriel, lá na ponta do corredor Cristiano Machado é, na verdade, uma grande integração intermodal. Funcionam juntas a estação do BRT municipal, uma estação do metrô e em breve estará em operação uma outra estação do BRT Metropolitano. Dentro de um ano e meio, estará funcionando, nessa mesma área, a nova estação rodoviária de Belo Horizonte, de forma que teremos na estação São Gabriel um grande ganho intermodal de transporte. No corredor Antonio Carlos, nós temos lá na ponta, na grande parte da segmentação do Vetor Norte, a estação Vilarinho que também é uma estação intermodal que conecta o BRT com o metrô. No centro da cidade, no rotor formado pela Santos Dumont e Avenida Paraná, embora tenha uma conexão direta, também possui duas estações do metrô. Vocês estão trabalhando com Centro de Controle Operacional? Serão dois Centros de Controle Operacional (CCO). O Centro de Controle dos próprios operadores, onde eles fazem o controle direto da operação e que está funcionando com alta capacidade técnica e conectado Também estamos estruturando um corredor com faixas exclusivas controladas, que é mais simples, na Avenida Dom Pedro II. Esse corredor é menor e está sendo financiado com uma pequena parcela de recursos do PAC Copa e vai funcionar como uma espécie de laboratório para estruturação de corredores de ônibus convencionais, mas com um padrão de operação mais sofisticado que a faixa exclusiva convencional. Estamos nos esforçando para que esse corredor de ônibus também esteja funcionando até a Copa do Mundo. 10 Revista NTU Urbano

11 Entrevista online com o centro de controle da BHTrans. E o centro de controle da BHTrans que, a partir de maio, estará instalado em um prédio próprio e será o grande centro de operações de trânsito e de gestão do transporte público. Mas enquanto esse centro não está funcionando, estamos controlando o BRT nas mesmas instalações atuais da central da operação de tráfego urbano. Dentro de um mês, teremos um CCO de alto nível funcionando e integrado com o CCO das concessionárias. Belo Horizonte está preparada para fazer a gestão da mobilidade urbana da Copa do Mundo agora no mês de junho. Tenho certeza que faremos bem feito e com competência, inclusive ancorados no BRT Move Pode-se dizer que esses investimentos são soluções definitivas para a mobilidade urbana de Belo Horizonte? Eu não gosto muito dessa expressão é a solução porque na verdade a solução é sempre um esforço complementar, de integração de diferentes modalidades, e de um processo de melhoria e de aumento da capacidade do sistema de transporte público. Eu penso que,com esses dois grandes corredores de BRT, que são corredores muito bem estruturados e com um padrão muito elevado de desempenho, estamos dando um salto de qualidade no transporte público de Belo Horizonte. E esse salto vai ser reforçado, brevemente, com a conclusão dos projetos de engenha- ria de duas estações do metrô. Dentro de quatro anos, nós queremos em Belo Horizonte uma parte muito expressiva daquela rede multimodal de transporte preferencial do nosso plano de mobilidade já estruturada e começando a mudar de forma significativa o modelo de mobilidade urbana de Belo Horizonte. Foram realizadas estratégias de comunicação e marketing para a divulgação à sociedade sobre o Move? Nós temos um esforço envolvendo comunicação e marketing de um lado e, do outro, mobilização social. Neste último, estamos visitando as comunidades, levando a informação lá na ponta, na casa do morador, nas lojas de bairro e nos pontos de maior concentração de pessoas. Esse é um esforço de um encontro cara a cara, por um contato de esclarecimento ao cidadão. O outro é a divulgação na mídia. Estamos colocando na rua, todos os dias, aproximadamente 300 pessoas que fazem nas estações um trabalho do que a gente chama de posso ajudar. São estudantes de ensino médio e ensino superior, treinados para dar uma informação carinhosa e acolhedora às pessoas que precisam de orientação nesse momento de mudança de hábito e que se deparam com um sistema que é distinto do que elas estão acostumadas no dia a dia. Belo Horizonte vai fazer bonito em mobilidade urbana na Copa do Mundo 2014? Temos quase dois anos de trabalho continuado na programação do plano operacional de transporte e trânsito para a Copa. Contamos com o suporte de uma consultoria especializada com experiência em eventos esportivos de outros países e, certamente, a Copa das Confederações já foi uma experiência muito rica. Belo Horizonte está preparada para fazer a gestão da mobilidade urbana da Copa do Mundo agora no mês de junho. Tenho certeza que faremos bem feito e com competência, inclusive ancorados no BRT Move. PERFIL Ramon Victor Cesar é engenheiro civil (UFMG), especialista em Engenharia Econômica (Fundação Dom Cabral) e em Planejamento de Transporte (FCO/UFMG), mestre e doutor em Geografia Econômica (PUC/ MG). É presidente da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A (BHTrans). Revista NTU Urbano 11

12 Diálogo técnico André Dantas, PhD, diretor técnico da NTU O que passou não pode ficar para trás: a construção do legado continua após a Copa do Mundo N os últimos dias, muitas pessoas têm expressado preocupação em relação ao legado dos projetos e das obras de mobilidade urbana para a Copa do Mundo Talvez a proximidade do evento tenha contribuído para que minha família, meus amigos e conhecidos questionem, cada vez mais, sobre o que está acontecendo. Na maioria das vezes, os questionamentos referem-se aos prazos de conclusão e aos custos das obras. Parece existir um sentimento de ansiedade, que provavelmente é fundamentado nos inúmeros relatos da mídia e da percepção, não necessariamente correta, de que não estaremos preparados para atender adequadamente a movimentação de turistas durante a Copa do Mundo Em alguns poucos casos, as pessoas perguntam como essas obras contribuirão para a melhoria da qualidade do transporte público. Apesar da complexidade do tema, é muito oportuno discuti-lo em detalhes. Nessa discussão, a palavra-chave é legado. Muitos têm se dedicado a falar do legado da Copa do Mundo Geralmente, concentra-se na dimensão física, ou seja, as obras realizadas e que poderão ser utilizadas pela população após o evento esportivo. Seria irresponsável não valorizar todo o conjunto de intervenções físicas que estão em andamento nas principais cidades brasileiras. Desde o anúncio inicial do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em 2007, quase R$50 bilhões foram alocados para projetos de mobilidade urbana, que incluem a construção de aproximadamente km de infraestrutura para atender 10 milhões de viagens adicionais por dia.diante da falta de investimentos substanciais nos últimos 30 anos, essa alocação de recursos recente torna-se ainda mais importante para a constituição do legado. Na verdade, a necessidade de criar novas infraestruturas gerou uma reação em cadeia em termos das outras dimensões do legado. Nos últimos anos, inúmeras transformações institucionais, políticas, legais, sociais, culturais e ambientais foram observadas, pois sem elas as obras simplesmente não fariam qualquer sentido. Por exemplo, considere uma cidade-sede da Copa do Mundo Esse município direcionou recursos para construção de um sistema BRT, que na verdade é parte de uma estratégia de desenvolvimento da rede de transporte público e de um plano de mobilidade urbana. Nesse processo de implantação, todos os atores envolvidos tiveram que aprender novos conceitos, revisar posições anteriores e gradualmente adotaram novos comportamentos diante da realidade que se apresenta. Interessantemente, a cada município que experimentou essas transformações, muitos outros de grande, médio ou pequeno porte acompanharam atentamente todo o processo, para que trilhar os mesmos passos de sucesso. Essa sequência de ações e o arcabouço legal da Lei /2012 (Política Nacional de Mobilidade Urbana) contribuem para que o legado seja replicado em todas as suas dimensões e por todo o país. Nesse sentido, é crítico o entendimento de que o término da Copa do Mundo 2014 não indica que poderemos deixar de insistir na construção do legado para a mobilidade urbana. Muito pelo contrário, haverá a necessidade de atuação contínua para que todos os esforços sejam absorvidos como boas práticas. Como sociedade que busca o desenvolvimento pleno e sustentável, precisamos trabalhar para que o fluxo contínuo de investimentos e a priorização do transporte público sejam parte do nosso dia a dia e assim contribuam para melhoria da qualidade dos serviços. Para tanto, seria recomendável que os projetos existentes, as obras em andamento, os programas de restruturação e as iniciativas de capacitação sejam tratados como o mesmo grau de importância e urgência, que demos as intervenções da Copa do Mundo Apenas começamos, pois a construção do legado futuro já começou. 12 Revista NTU Urbano

13 Parada Obrigatória Redução de impostos para qualificar o transporte público O Senado Federal realizou em março o 1º Fórum Nacional de Infraestrutura com apresentação de propostas para reforçar a qualificação do planejamento das ações do governo. O debate foi promovido pela Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) e coordenado pelo senador Acir Gurgacz (PDT-RO). A redução da carga tributária e o estabelecimento de fontes para custear gratuidades são as duas medidas citadas no debate como mais prioritárias para o transporte de passageiros no Brasil. Todos os participantes consideraram importante e urgente que a Câmara dos Deputados aprove o Regime Especial de Incentivos para o transporte Coletivo urbano e Metropolitano de Passageiros (Reitup). A proposta cria um sistema tributário diferenciado para o setor e pode diminuir em até 15% o custo do transporte por ônibus. Laboratório de mobilidade: hackers para melhorar trânsito A Prefeitura de São Paulo vai convocar hackers para ajudarem a melhorar o trânsito na capital paulista. A missão deles será desenvolver novos softwares e aperfeiçoar os já existentes para ajudar a administração a encontrar melhores saídas para gerenciar o tráfego na cidade. As aplicações serão desenvolvidas pelos hackers, mas a prefeitura já tem uma ideia de alguns dos resultados. Com os registros dos GPS dos coletivos, por exemplo, é possível determinar a velocidade média de uma via e até os locais de maior lentidão durante o trajeto. Já as catracas podem fornecer um retrato da lotação dos ônibus ponto a ponto. Os recursos para a contratação dos hackers serão gerenciados pela Universidade de São Paulo (USP), via Fundação USP, sob a forma de bolsas de apoio à pesquisa. O laboratório busca também parceiros para investir nas startups. São Paulo registra 14 milhões de viagens a mais O serviço de ônibus de São Paulo registrou 14 milhões de viagens a mais no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 702,6 milhões de viagens de janeiro a março, ante 688,3 milhões nos mesmos meses de 2013, crescimento de 2,7%. Os dados são da São Paulo Transporte (SPTrans). O órgão credita o aumento conjunto de medidas adotadas na cidade para privilegiar o transporte público. No último ano, foram criados 325 quilômetros de faixas exclusivas para ônibus que reduziram, em média, em 38 minutos o tempo de deslocamento dos ônibus. Renato S. Cerqueira - Futura Press Revista NTU Urbano 13

14 CAPA Um legado que vai além de 2014 Apesar dos atrasos e dificuldades nos projetos de mobilidade urbana para a Copa do Mundo, o Brasil se destaca entre os países que mais tem investido em prioridade ao transporte público no mundo com 69 projetos em andamento 14 Revista NTU Urbano

15 CAPA C om o anúncio da Copa do Mundo no Brasil, a mobilidade urbana passou a ser uma das prioridades em investimentos do governo federal. Inicialmente, as 12 cidadessedes tiveram a oportunidade de investir cerca de R$ 12 bilhões em projetos para deixar a mobilidade mais fluida e garantir prioridade aos transportes públicos. Sete anos se passaram e o tão prometido legado ainda está longe de ser entregue aos cidadãos. Em 2012, a Matriz de Responsabilidade do Grupo Especial de Acompanhamento da Copa 2014 (Gecopa) apontava 51 projetos em mobilidade urbana em 11 cidades-sede. Um investimento global previsto R$ 12 bilhões, sendo R$ 7,3 bi de financiamento federal e R$ 4,6 bi dos governos locais. Às vésperas da Copa, foram investidos somente R$ 7 bilhões em oito cidades. Dos 51 projetos, 34 estavam direcionados para o transporte público, que abrangiam sistemas BRT, corredores exclusivos para ônibus, metrôs, Veículos Leves Sobre Trilho (VLT) e monotrilhos. Entretanto, apenas 21 permaneceram na Matriz de Responsabilidade da Copa, atualizada em setembro de 2013, sendo dois projetos de VLT e 19 de transporte público por ônibus (11 sistemas BRT, cinco corredores de faixas exclusivas de ônibus e três requalificações e extensões de corredores já existentes). projetos de mobilidade para o mundial Projetos para transporte por Ônibus 51 Projetos de mobilidade urbana em 11 cidades-sede 34 Projetos para transporte público urbano 4Projetos estão com obras avançadas e devem ficar prontos *Fonte: Gecopa Revista NTU Urbano 15

16 CAPA Em entrevista à imprensa suíça no início do ano, o presidente da FIFA, Joseph Blatter, criticou os atrasos. O Brasil acabou de se dar conta que começou tarde demais. Esta é a primeira vez que um país dispõe de sete anos para organizar o Mundial e está atrasado, afirmou. O que estará pronto na copa? Essa é uma pergunta que nem mesmo os gestores conseguem responder. Conforme os prazos se encerram, os projetos são prorrogados. Dos 19 projetos, 18 estavam previstos para os ficarem prontos até Porém, de acordo com dados do Portal da Transparência da Copa, os prazos de conclusão das obras de 16 deles foram reprogramados para meses que antecedem a junho, quando se inicia a Copa do Mundo Treze projetos estão com mais de 50% das obras concluídas e apenas quatro têm mais de 80% de conclusão (confira a tabela). Os mais adiantados e que devem ser entregues antes de junho são o BRT Avenida Alberto Craveiro de Fortaleza, com 94%; o BRT Transcarioca do Rio de Janeiro, com 87%; o BRT Cristiano Machado de Belo Horizonte e o corredor Aeroporto / Rodoferroviária de Curitiba, ambos com 82%. Dos cinco projetos que estão abaixo de 50% de execução física das obras, os de maior atraso são o BRT Dedé Brasil de Fortaleza, com apenas 7% de obra executada, e o único projeto em transporte público de Natal, o corredor estruturante Estádio Arena das Dunas, com apenas 5%. Esses dois estavam previstos para ficarem prontos até maio de Projetos previstos para Copa 2014 (Balanço da Copa - setembro 2013) Cidades Projeto % Execução Física Previsão Inicial Reprogramação* Concluído Belo Horizonte BRT Antonio Carlos / Pedro I 70% set/2012 abr/2014 Belo Horizonte Corredor Pedro II 30% jan/2012 mai/2014 Belo Horizonte BRT Área Central 78% jun/2012 dez/2013 Belo Horizonte BRT Cristiano Machado 82% set/2011 abr/2014 Cuiabá BRT Corredor Mário Andreazza 69% dez/2011 fev/2014 Curitiba BRT: Extensão da Linha Verde Sul e requalificação 66% dez/2012 mai/2014 Curitiba Corredor Aeroporto (Trecho Estadual) 39% abr/ Curitiba Curitiba Curitiba Corredor / Rodoferroviaria (Trecho Municipal) Requalificação Corredor Marechal Floriano Requalificação Corredor Marechal Floriano (Municipal) 82% dez/2012 mai/ % dez/2012 mar/ % dez/2012 mai/2014 Fortaleza BRT Av. Alberto Craveiro 92% dez/2012 fev/2014 Fortaleza BRT Dedé Brasil 7% dez/2012 mai/2014 Fortaleza BRT Paulo Rocha 56% dez/2012 mai/2014 Natal Corredor Estruturante 5% dez/2013 mai/2014 Recife BRT Norte/Sul 64% jan/2013 mar/2014 Recife BRT Leste/Oeste 71% abr/2013 mar/2014 Recife Corredor Caxangá 45% mai/2013 mar/2014 Rio de Janeiro BRT Transcarioca 87% fev/2013 mai/2014 *Datas informadas no Portal da Copa com última atualização em setembro/2013 Fonte: NTU 16 Revista NTU Urbano

17 CAPA VISÃO TÉCNICA Para o especialista em transportes Artur Morais, o mais relevante é que os projetos sejam concluídos para estarem à disposição dos moradores das cidades, independente do evento esportivo. "Nossas cidades carecem de infraestrutura para facilitar a mobilidade para o dia a dia. Utilizar dinheiro público para melhorar a vida do cidadão deveria ser o normal, mas se a Copa nos proporciona meios para que isso ocorra com maior facilidade, devemos utilizar". Investimentos pós-copa Embora alguns projetos tenham sido excluídos da Matriz de Responsabilidade da Copa, o Ministério das Cidades já sinalizou que as obras devem ser inseridas em outros programas do governo afim de que os projetos não se percam e a sociedade possa usufruir de sistemas de transporte público modernos e de qualidade. O Brasil possui 69 projetos em transporte público urbano por ônibus. Esse número representa 20 sistemas BRT e 49 corredores exclusivos. Ainda há 42 projetos que envolvem obras viárias de reestruturação e modernização de corredores já existentes e implantação de terminais em 23 estados brasileiros. O Brasil se destaca entre os países que mais tem investido nesses projetos no mundo. Desde 2010, foram liberados mais R$ 90 bilhões em recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Médias e Grandes Cidades - com R$7,9 bilhões e R$32,7 bilhões, respectivamente - e do Pacto de Mobilidade Urbana - R$ 50 bilhões. O Brasil possui 69 projetos em transporte público urbano por ônibus. Esse número representa 20 sistemas BRT e 49 corredores exclusivos. Ainda há 42 projetos que envolvem obras viárias de reestruturação e modernização de corredores já existentes e implantação de terminais em 23 estados brasileiros. O Brasil se destaca entre os países que mais tem investido nesses projetos no mundo. Atualmente, os recursos do PAC Mobilidade Grandes Cidades estão voltados para 12 projetos de corredores exclusivos em 12 estados e oito projetos de BRT em oito estados. Ao todo, cinco propostas estão em fase de licitação de obra, cinco já estão em obras e 10 em ação preparatória, ou seja, ainda não foram licitadas. Já o PAC Mobilidade Médias Cidades possui 37 projetos de corredores em 33 cidades, e 12 de sistemas BRT em 10 cidades. Todos esses projetos estão em ação preparatória para a licitação de obras e podem ter a quantidade acrescida, já que algumas cidades não especificam a quantidade exata dos corredores. Gráfico - Programas de financiamento do governo federal: projetos de mobilidade urbana Número de Projetos BRT Corredor de ônibus Trem Metrô Monotrilho VLT Aeromóvel Teleférico ITS Obra viária Outros Total Copa 2014 PAC 2 - Mobilidade Grandes Cidades PAC 2 - Mobilidade Médias Cidades Total de Projetos Fonte: NTU Revista NTU Urbano 17

18 CAPA Em junho de 2013, após manifestações populares referentes ao transporte público, Dilma Rousseff lançou o Pacto da Mobilidade Urbana com a intenção de investir R$ 50 bilhões na área. Até o momento já foram anunciados mais de R$ 30 bilhões em nove capitais brasileiras (Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo). Número de cidades e extensão (km) por país* 7 Os números são muito significativos para o país que há anos havia deixado de investir em transporte público. Para o presidente executivo da NTU, Otávio Cunha, é importante que os estados e municípios aproveitem essa oportunidade e passem a se preocupar mais com o planejamento do transporte coletivo urbano das cidades Por mais de 20 anos esperamos uma atenção maior em relação ao transporte coletivo e mobilidade urbana, e agora com esses incentivos do governo federal é preciso qualificação nos projetos e comprometimento para que sejam executados, pontuou Cunha. Em abril deste ano, durante discurso no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), a presidenta relatou a falta do comprometimento dos governos com a mobilidade urbana. Fizemos um grande esforço nesse sentido, mas não tínhamos recursos suficientes, algo em torno de R$ 5 bilhões. Quando assumi nós resolvemos construir um programa de mobilidade urbana. Pela primeira vez o governo entrava nessa questão e destinamos R$ 93 bilhões, disse Dilma. 700 km 320 km 80 km 2 km Em outra oportunidade, durante um discurso sobre o anúncio de investimentos em mobilidade urbana em Belém (PA), a presidenta Dilma Rousseff comparou mobilidade urbana à qualidade de vida. É o direito à vida, ao lazer, a visita a sua própria família, a passeio com seus namorados, esposos, noivos. A preocupação com esse direito essencial, previsto na Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei n /2012), também faz parte do sentimento de 93,3% dos mais de cinco mil entrevistados de uma pesquisa, realizada pela LeadPix, que dizem que a mobilidade urbana é a área que mais necessita de atenção, seguida por infraestrutura e segurança. Os dados da pesquisa revelam ainda que 51,8% consideram que a cidade onde residem não está preparada para receber o Mundial. 18 Revista NTU Urbano

19 CAPA cidades corredores Km Prioridade ao ônibus no mundo Dados do BRTdata indicam que 32 cidades brasileiras já operam o transporte coletivo urbano em corredores exclusivos de ônibus e seis cidades no Brasil já operam sistemas BRT: Curitiba, precursora desse modal no mundo; Goiânia; Uberlândia; Rio de Janeiro; Belo Horizonte e Brasília, sendo que os dois últimos estão em fase de testes operacionais. Em todo o mundo, 168 cidades apresentam um total de 324 projetos (entre BRT e corredor) com um total de quilômetros de extensão. O Brasil se destaca entre os países que mais tem investido nesses projetos no mundo. Fonte: BRTdata.org, 2014 Revista NTU Urbano 19

20 boas práticas Empresas de transportes de Goiânia aderem a Campanha Trabalho Seguro Projeto ressalta a importância da segurança e saúde no trabalho O Tribunal Regional de Trabalho da 18ª Região (TRT-GO), em parceria com várias entidades, realizou em março a Campanha Trabalho Seguro, que visa conscientizar sobre a importância de prevenir acidentes de trabalho no trânsito. A iniciativa foi adotada por seis empresas de transportes da capital goiana, sendo duas associadas à NTU: Rápido Araguaia e HP Coletivos. As companhias atuarão no sentido de divulgar a campanha incentivando a conduta responsável no trânsito. Ao todo, 262 ônibus das empresas de transportes divulgam o projeto por meio de de busdoors, com mensagens sobre a campanha na parte traseira dos coletivos. São 112 veículos circulando na região metropolitana e 150 no perímetro interurbano. Para contribuir com a iniciativa, os empresários do setor deixaram de arrecadar com a venda de publicidade nos busdoors no mês de março, que foram cedidos para a campanha. Os alvos da campanha são os próprios trabalhadores e também as empresas de transporte de passageiros e de cargas. Os idealizadores e promotores da campanha acreditam que a redução dos acidentes se dará pela conscientização de motoristas e das empresas quanto à ob- 20 Revista NTU Urbano

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013

BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO 2012/2013 O setor se reúne para divulgar seus números, que refletem a importância dos trilhos para a mobilidade dos brasileiros Aumento de 8% no número de passageiros

Leia mais

Boas práticas para Mobilidade Urbana

Boas práticas para Mobilidade Urbana Boas práticas para Mobilidade Urbana PAC para Mobilidade - EMBARQ Otávio Vieira Cunha, Presidente da Diretoria Executiva Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos NTU Brasília, 28 de Novembro

Leia mais

Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano

Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano Transporte e Infraestrutura: Perspectivas para o Transporte Público Urbano Otávio Vieira da Cunha Filho Presidente da Diretoria Executiva NTU Rio de Janeiro, 17/08/2012 1 Estrutura 1. Contexto; 2. O que

Leia mais

RJ 15/04/2014 Nº 1063 Ônibus elétrico começa a circular no Rio de Janeiro

RJ 15/04/2014 Nº 1063 Ônibus elétrico começa a circular no Rio de Janeiro RJ 15/04/2014 Nº 1063 Ônibus elétrico começa a circular no Rio de Janeiro Veículo da Rodoviária A. Matias está em teste na linha 249 operacionais Ônibus elétrico começa a circular no Rio de Janeiro A Fetranspor

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade

Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Operacionalização de sistemas de transporte público de alta qualidade Otávio Vieira da Cunha Filho, Presidente Executivo da NTU Fórum Mobilidade Volvo, Curitiba PR 20 de maio de 2015 Estrutura 1. Visão;

Leia mais

BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus

BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus BRT, BRS, Corredores e Faixas Exclusivas de Ônibus Marcos Bicalho dos Santos Diretor Institucional e Administrativo da NTU Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

Leia mais

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro.

Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Resultados do teste com o ônibus elétrico na cidade do Rio de Janeiro. Guilherme Wilson 1 ; Sérgio Peixoto dos Santos 2 ; Taisa Calvette 3 ; Richele Cabral 4 ; Christiane Chafim 5 ; Giselle Ribeiro 6 ;

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana

Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana Investimento do Governo Federal em Mobilidade Urbana PAC 2 SÃO PAULO R$ 241,5 bilhões R$ milhões Eixo 2011-2014 Pós 2014 TOTAL Transportes 55.427 2.169 57.596 Energia 57.578 77.936 135.513 Cidade Melhor

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos BALANÇO DO SETOR METROFERROVIÁRIO DE PASSAGEIROS 2012/2013 Apoio: QUEM SOMOS ANPTrilhos é uma Associação Civil, sem fins

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

Política de mobilidade urbana: integração ou segregação social?

Política de mobilidade urbana: integração ou segregação social? Política de mobilidade urbana: integração ou segregação social? Panorama das ações e projetos e hipóteses gerais da pesquisa Juciano Martins Rodrigues Aumento no tempo de deslocamento Crescimento do número

Leia mais

Boa Noite! Mobilidade Urbana Sustentável e As Lições do Modelo Japonês

Boa Noite! Mobilidade Urbana Sustentável e As Lições do Modelo Japonês Boa Noite! Mobilidade Urbana Sustentável e As Lições do Modelo Japonês Geraldo Freire Garcia Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Maio de 2015 Contextualização

Leia mais

CARTILHA CRONOTACÓGRAFO

CARTILHA CRONOTACÓGRAFO CARTILHA CRONOTACÓGRAFO MARÇO 2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PROCESSO DE SELAGEM E ENSAIO 3. ETAPAS PARA VERIFICAÇÃO DOS CRONOTACÓGRAFOS 3.1. VEÍCULOS NOVOS 3.2. VEÍCULOS USADOS 3.2.1. ALTERNATIVA I 3.2.2.

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014

Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte COPA 2014 Novembro/12 Agosto/2011 Empreendimentos de Mobilidade Urbana BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1: Interseção com Av.

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Júlio Eduardo dos Santos

Júlio Eduardo dos Santos Júlio Eduardo dos Santos Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Linha do Tempo 1965 a 2003 Extinção da GEIPOT Lei 10.233 / 2001 Criação da EBTU lei nº 6.261 em 1975 Extinção da EBTU Dec.

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de BH

Plano de Mobilidade Urbana de BH 4 a 7 de junho de 2013 Hotel Ouro Minas Plano de Mobilidade Urbana de BH Ramon Victor Cesar Presidente de BHTRANS Contexto do PlanMob-BH: Cenários, diagnóstico e prognósticos Desafio 1: como articular

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014

Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014 Projetos de Melhoria da Mobilidade Urbana até 2014 Melhoria da Infraestrutura Viária e Transporte na Capital Abril/2011 Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BRT Antônio Carlos/Pedro I Meta 1 VIADUTOS DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES PORTO AEROPORTO ARENA MONOTRILHO MATRIZ ENERGÉTICA COMUNICAÇÃO MANAUS CIDADE-SEDE ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Manaus x Belém

Leia mais

Investimento Global (R$ mi) 1 Belo Horizonte BRT: Antônio Carlos / Pedro I 726,4 382,3-344,2 -

Investimento Global (R$ mi) 1 Belo Horizonte BRT: Antônio Carlos / Pedro I 726,4 382,3-344,2 - Anexo A - Mobilidade Urbana Empreendimento (obra, projeto e desapropriação) 1 Belo Horizonte BRT: Antônio Carlos / Pedro I 726,4 382,3-344,2-2 Belo Horizonte Corredor Pedro II e Obras Complementares nos

Leia mais

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa

Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014. O que o Brasil já ganhou com a Copa Diálogos Governo -Sociedade Civil COPA 2014 O que o Brasil já ganhou com a Copa 2 O que o Brasil já ganhou com a Copa Investimentos A Copa do Mundo é um grande investimento para todos brasileiros Os únicos

Leia mais

Os desafios da nova mobilidade urbana

Os desafios da nova mobilidade urbana Anuário NTU 2010 / 2011 Fonte: Urbana - PE Os desafios da nova mobilidade urbana Editorial O futuro da mobilidade urbana Otávio Vieira da Cunha Filho - empresário de transporte ur- - - - O setor de transporte

Leia mais

Responsabilidade (R$ milhões) Contratado

Responsabilidade (R$ milhões) Contratado SELEÇÃO DE OBRAS DA COPA DE ACORDO COM O PORTAL DA TRASPARÊNCIA DA COPA DA CGU - ACESSO EM 27/09/2011 Belo Horizonte > Aeroportos e Portos > Aeroporto Tancredo Neves - Confins: Reforma e Ampliação da Pista

Leia mais

População 1,8 milhões Área 435 km 2 Extensão Norte-Sul 35 km Extensão Leste-Oeste 20 km 9 regionais 75 bairros

População 1,8 milhões Área 435 km 2 Extensão Norte-Sul 35 km Extensão Leste-Oeste 20 km 9 regionais 75 bairros População 1,8 milhões Área 435 km 2 Extensão Norte-Sul 35 km Extensão Leste-Oeste 20 km 9 regionais 75 bairros 1.º lugar A cidade mais digital do Brasil Fundação CPqD e Momento Editorial 2.º Lugar em 2011

Leia mais

Panorama do transporte de passageiros sobre trilhos no B ra s i l e p e r s p e c t i v a s

Panorama do transporte de passageiros sobre trilhos no B ra s i l e p e r s p e c t i v a s Panorama do transporte de passageiros sobre trilhos no B ra s i l e p e r s p e c t i v a s ROBERTA MARCHESI SUPERINTENDENTE DA ANPTRILHOS PAINEL 6 - Mobilidade urbana: a crescente participação do setor

Leia mais

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim

SUSTENTÁVEL. Unidade Senac: Santa Cecília. Data: 24/08/2015. Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim SUSTENTÁVEL Unidade Senac: Santa Cecília Data: 24/08/2015 Daniela Ades, Guilherme Checco e Juliana Cibim Imagem retirada de Debate de Bolso, em http://debatedebolso.com. Creative Commons BY-NC-ND 3.0 Plataforma

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 TM GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO Infraestrutura necessária para realização da Copa do Mundo FIFA 2014 SOLUÇÕES ENCAMINHADAS Constituição do COMITÊ PAULISTA (Grupo Executivo

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

Audiência Pública Câmara dos Deputados

Audiência Pública Câmara dos Deputados Audiência Pública Câmara dos Deputados QUALIDADE DO TRANSPORTE PÚBLICO Marcos Bicalho dos Santos Brasília-DF, 25 de setembro de 2013 Estrutura da apresentação 1. Contexto; 2.SistemasBRTeBRS Prioridadeparaotransportepúblicoporônibus;

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos PANORAMA DO SISTEMA METROFERROVIÁRIO NACIONAL E OS PRINCIPAIS INVESTIMENTOS PREVISTOS Brasília, 30/07/13 Fernando Sollero

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil. Ações do Governo de Minas Gerais COPA DO MUNDO FIFA 2014 Belo Horizonte Brasil Ações do Governo de Minas Gerais 27 de Outubro de 2009 Roteiro Estratégia de Execução Modernização do Mineirão Reforma dos Estádios Alternativos Mobilidade

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

PREFEITO E PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIAM NOVOS INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA NO RIO

PREFEITO E PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIAM NOVOS INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA NO RIO PREFEITO E PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF ANUNCIAM NOVOS INVESTIMENTOS EM MOBILIDADE URBANA NO RIO Governo Federal libera R$ 1,63 bilhão para implantação do BRT Transbrasil e do VLT do Centro A presidenta Dilma

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa Organização da Copa 2014 PORTFÓLIOS UGPCOPA ARENA E ENTORNO INFRAESTRUTURA TURÍSTICA FAN PARKS LOC COPA DESPORTIVA EVENTOS DA FIFA GERENCIAMENTO DE PROJETOS OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS SUPRIMENTOS COPA TURÍSTICA

Leia mais

Registro OAB-RS nº 1.578

Registro OAB-RS nº 1.578 Responsabilidade de Norte Rebelo Advogados Associados S/S Registro OAB-RS nº 1.578 Elaborado por Nikolai Sosa Rebelo [OAB/RS 76.330] Supervisionado e revisado por Darci Norte Rebelo [OAB/RS 2.437] e Darci

Leia mais

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos

Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos - ANPTrilhos 7º Encontro de Logística e Transporte FIESP maio/2012 Conrado Grava de Souza Conselheiro ANPTrilhos Apoio: ANPTrilhos Objetivo

Leia mais

Belo Horizonte: em direção à

Belo Horizonte: em direção à Belo Horizonte: em direção à mobilidade d sustentável tá INDICADORES DA MOBILIDADE URBANA EM BELO HORIZONTE 3,8 milhões de viagens/dia, 44% pelo transporte coletivo 6,3 milhões viagens/dia na RMBH 1,6

Leia mais

O TCU E A COPA 2014 Ministro-Relator: Valmir Campelo

O TCU E A COPA 2014 Ministro-Relator: Valmir Campelo O TCU E A COPA 2014 Ministro-Relator: Valmir Campelo Adalberto Santos de Vasconcelos Coordenador-Geral da Área de Infraestrutura e da Região Sudeste Rafael Jardim Assessor do Ministro Valmir Campelo Brasília

Leia mais

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!!

Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Dia Mundial sem Carro Faça sua parte, o planeta agradece!! Prefira o transporte público. Além de ser menos poluente, você evitará parte do estresse do dia-a-dia; Use bicicleta ou caminhe sempre que possível.

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 20 de janeiro de 2012 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 20 de janeiro de 2012 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 ESTADO DE MINAS 2 3 4 5 6 ESTADO DE MINAS 7 ESTADO DE MINAS 8 ESTADO DE MINAS 9 O TEMPO 10 11 12 O TEMPO 13 O TEMPO 14 O TEMPO Leilão dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Campinas

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Belo Horizonte. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Belo Horizonte Setembro/2013 Belo Horizonte: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

OBSERVATÓRIO DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2013. São Paulo, 04 de Julho de 2013.

OBSERVATÓRIO DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2013. São Paulo, 04 de Julho de 2013. OBSERVATÓRIO DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2013 São Paulo, 04 de Julho de 2013. Estrutura da apresentação Objetivos; Fases do projeto; Execução; Resultados preliminares; e Conclusões preliminares; Objetivos

Leia mais

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Mobilidade Urbana em Belo Horizonte BHTRANS Marcelo Cintra do Amaral Gerente de Coordenação de Mobilidade Urbana - COMU PREFEITURA BH Belo Horizonte 1ª capital planejada do país - 12/12/1897 Previsão inicial

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal

LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal LICITAÇÃO Transporte Coletivo Natal Aspectos Gerais do Serviço Atual Transporte Coletivo Convencional: 06 Empresas 80 linhas 622 veículos operacionais 4.461 viagens DU 4.029.918 Km operacional Transporte

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014

AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Code-P0 AGENDA DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE COPA 2014 Agenda de Trabalho Junho 2011 Claudio Langone Code-P1 OPORTUNIDADE PARA O BRASIL 2011 - Jogos Militares Mundiais 2012 - RIO + 20 - Cúpula das

Leia mais

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades. SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana A Presidência da República sancionou a Lei nº 12.587, em 3 de janeiro de

Leia mais

BRT MOVE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O

BRT MOVE TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O TUO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA A de integração TRANSPORTE PÚBLICO E QUALIAE NAS RUAS E BH PERSPECTIVA E UMA E TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL BH vai ter um sistema de transporte

Leia mais

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO

CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO CARRO COMPARTILHADO Projeção de crescimento populacional Demanda de energia mundial Impacto ao meio ambiente projeções indicam que os empregos vão CONTINUAR no centro EMPREGOS concentrados no CENTRO

Leia mais

Tecnologias empregadas no transporte por ônibus no Rio de Janeiro - RJ. Richele Cabral Diretora de Mobilidade Urbana

Tecnologias empregadas no transporte por ônibus no Rio de Janeiro - RJ. Richele Cabral Diretora de Mobilidade Urbana Tecnologias empregadas no transporte por ônibus no Rio de Janeiro - RJ Richele Cabral Diretora de Mobilidade Urbana Setembro de 2014 Ambiente Institucional Entidades Nacionais Empresariais Empresas Associadas

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012 CodeP0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede de Recife Dezembro de 2012 Recife: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos por

Leia mais

Copa do Mundo FIFA 2014

Copa do Mundo FIFA 2014 1. Belo Horizonte Copa do Mundo FIFA 2014 CODE-2 Belo Horizonte Belo Horizonte Quantitativo de Empreendimentos e Investimentos por Tema Nº de Empreendimentos Investimento Total (R$ mi) Estádio Mobilidade

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO

Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO Universidade Corporativa do Transporte PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO SISTEMA FETRANSPOR Federação das Empresas de Transporte de Passageiros Transporte por ônibus urbanos, intermunicipais, turismo e fretamento

Leia mais

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012

3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Code-P0 3º Balanço das ações do Governo Brasileiro para a Copa- Abril 2012 Brasília, Maio de 2012 Code-P1 Conteúdo do documento Visão geral das ações Visão por tema 1 Code-P2 Ciclos dos preparativos do

Leia mais

Obras de mobilidade urbana de BH

Obras de mobilidade urbana de BH Obras de mobilidade urbana de BH Belo Horizonte foi a primeira cidade sede da Copa do Mundo Fifa 2014 a assinar os contratos de financiamentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) da Mobilidade,

Leia mais

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL

TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O BRT MOVE PERSPECTIVA DE ESTAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA NA ÁREA CENTRAL Neste guia você vai encontrar as principais informações que precisa para embarcar no novo sistema

Leia mais

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO

SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO SEMINÁRIO MOBILIDADE URBANA NO PLANO ESTRATÉGICO- SP2040 Tema: Política de Estacionamento dos automóveis 09 DE FEVEREIRO DE 2011- AUDITÓRIO DO SEESP-SP PROGRAMAÇÃO Realização: SEESP-SP Quadro geral da

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável.

Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Transporte público no Rio de Janeiro: encontrando soluções para uma mobilidade sustentável. Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro

Leia mais

RMTC. Rede Metropolitana de Transporte Coletivo

RMTC. Rede Metropolitana de Transporte Coletivo RMTC Rede Metropolitana de Transporte Coletivo RMTC Região Metropolitana de Goiânia PLANO DE NEGÓCIOS Sta Bárbara de Goiás Caturaí Inhumas Trindade Brazabantes Goianira Nova Veneza Sto Antônio de Goiás

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 8 Mobilidade urbana e de seu interesse Rogério Soares da Silva (*) O crescimento global da população vem atingindo índices cada vez maiores nos

Leia mais

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013 AS/DEURB 2 Seminário de Trólebus Instituto de Engenharia SP 14 de maio de 2013 Carlos Malburg Gerente Setorial de Mobilidade Urbana cmalburg@bndes.gov.br Transporte (recentes) Principais Contratações Metro

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE 001 - Construção do Contorno Ferroviário de Curitiba AUTOR DA Luciano Ducci 37050001 539 0141 - Promover a expansão da malha ferroviária federal

Leia mais

capa Menos de 30% das principais cidades brasileiras possuem Plano de Mobilidade Urbana

capa Menos de 30% das principais cidades brasileiras possuem Plano de Mobilidade Urbana Menos de 30% das principais cidades brasileiras possuem Plano de Mobilidade Urbana Mesmo com lei, municípios brasileiros caminham lentamente na elaboração dos planos de mobilidade urbana. Na reta final

Leia mais

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República

O que o Brasil já ganhou com a Copa. Secretaria-Geral da Presidência da República O que o Brasil já ganhou com a Copa COPA DO MUNDO NO BRASIL um momento histórico e de oportunidades A Copa do Mundo é um momento histórico para o Brasil, que vai sediar, em conjunto com as Olimpíadas em

Leia mais

Registro OAB-RS nº 1.578

Registro OAB-RS nº 1.578 Responsabilidade de Norte Rebelo Advogados Associados S/S Registro OAB-RS nº 1.578 Elaborado por Nikolai Sosa Rebelo [OAB/RS 76.330] Supervisionado e revisado por Darci Norte Rebelo [OAB/RS 2.437] e Darci

Leia mais

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo)

GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO. (Secopa São Paulo) GILMAR TADEU ALVES RIBEIRO (Secopa São Paulo) O maior evento mundial Copa do Mundo Fifa Transmissão para todos os países e territórios do mundo, inclusive a Antártida e o Círculo Polar Ártico; Primeiro

Leia mais

Painel 4 - Mobilidade Urbana: Transporte e Soluções. Marcio Lacerda Prefeito de Belo Horizonte

Painel 4 - Mobilidade Urbana: Transporte e Soluções. Marcio Lacerda Prefeito de Belo Horizonte Painel 4 - Mobilidade Urbana: Transporte e Soluções Marcio Lacerda Prefeito de Belo Horizonte Sumário A. Desenvolvimento urbano e os desafios da mobilidade em BH B. Iniciativas da PBH em prol da mobilidade

Leia mais

Frotistas tecnologia 72

Frotistas tecnologia 72 tecno Frotistas 72 Por Luiz Carlos Beraldo Há opiniões controversas no mundo dos empresários brasileiros de transportes quando o assunto trata do futuro dos veículos comerciais. Alguns apostam que não

Leia mais

Mobilidade Carioca. BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade

Mobilidade Carioca. BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade Mobilidade Carioca Mobilidade Carioca BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade Rede de Transporte em 2010 trem metrô Rede de Transporte em 2012 trem metrô BRT Rede de Transporte

Leia mais

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB ARAÇOIABA 15.108 90 IGARASSU 82.277 323 ITAPISSUMA 20.116 74 ITAMARACÁ 15.858 65 PRAIA DE MARIA FARINHA A REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Municípios: 14 População:

Leia mais

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO

PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO PROPOSTA DE EXPANSÃO DA PONTE ORCA: ENTRE O MUSEU DO IPIRANGA E A ESTAÇÃO ALTO DO IPIRANGA DO METRÔ RESUMO Utilizando um modelo de transporte público existente, denominado Ponte Orca, gerenciado pela EMTU,

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010

Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010 Comitê Municipal de Mudanças do Clima e Ecoeconomia Grupo de Trabalho Sustentabilidade nos Transportes Ata da 6ª Reunião, ocorrida em 14/ 09/ 2010 Presentes: Fernando H. Gasperini SMDU Adriana Lopes Schneider

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR. Palestrante: Horácio Brasil

MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR. Palestrante: Horácio Brasil MOBILIDADE CENÁRIOS E TENDÊNCIAS DO SETOR DE TRANSPORTES EM SALVADOR Palestrante: Horácio Brasil MAIO 2013 Var% 2011/2001 CRESCIMENTO POPULACIONAL 20,00 15,00 14,72 16,07 11,60 10,00 8,36 6,69 5,00 3,77

Leia mais

Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios

Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios BRT Transcarioca. PAC da Copa Divulgação Maio/2014 Carta de Infraestrutura Inter. B Consultoria Internacional de Negócios 31 de julho de 2014 2014 Ano 1, nº 6 Mobilidade Urbana e o legado da Copa de 2014

Leia mais

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba O Processo de Adensamento de Corredores de Transporte Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba Curitiba SÃO PAULO População: 1.828.092 hab. Taxa de crescimento pop. 2000-2009: 1,71% 2008-2009:

Leia mais

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro

Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro 1 Em apoio às campanhas Década Mundial de Ações para a Segurança no Trânsito ( ONU ) Semana Nacional de Trânsito 2012 ( Denatran ) e Dia Mundial Sem Carro A Universidade Federal de Santa Catarina e a Rede

Leia mais