FESP FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DILSON VASCONCELOS MOURA SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FESP FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DILSON VASCONCELOS MOURA SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE"

Transcrição

1 FESP FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DA PARAIBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE DIREITO DILSON VASCONCELOS MOURA SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE João Pessoa 2012

2 DILSON VASCONCELOS MOURA SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE Projeto de pesquisa apresentado à FESP Faculdades de ensino superior da Paraiba, do curso de graduação em Direito para atender à exigência parcial no desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso. Orientadora: Luciana de Albuquerque Cavalcanti Brito João Pessoa 2012

3 M929s Moura, Dilson Vasconcelos Seguro DPVAT e o nexo de causalidade. / Dilson Vasconcelos Moura. João Pessoa, f. Artigo (Graduação em Direito) Faculdade de Ensino Superior da Paraíba FESP. 1. Seguro obrigatório 2. Indenização 3. Causalidade 4. Vitima de acidente de trânsito I. Título. BC/FESP CDU: 34(043)

4 DILSON VASCONCELOS MOURA SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE Projeto de pesquisa apresentado à FESP Faculdades de ensino superior da Paraiba, do curso de graduação em Direito para atender à exigência parcial no desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso. Data de aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Prof a Orientadora : Luciana de Albuquerque Cavalcanti Brito Professor Examinador Professor Examinador

5 SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE Dilson Vasconcelos Moura* RESUMO Na medida em que o tempo passa verificou-se que há um grande aumento no número de veículos automotores circulando pelas nossas ruas e estradas. Pessoas utilizam estas máquinas para diversos fins. Viabilizando seus encontros. São utilizados para levá-las ao trabalho, contribuem consideravelmente com o comércio estreitando as distâncias. Desta forma melhorando a vida de muitos. No entanto como todo benefício há de se observar que é possível que exista o lado negativo da situação. Neste caso, aumento do número de acidentes de trânsito envolvendo os veículos automotores. Deste modo houve a necessidade da criação de um seguro, o chamado DPVAT, que por sua vez teria a responsabilidade de indenizar as pessoas que foram envolvidas nos acidentes de trânsito. Levando em consideração uma exigência principal, o nexo de causalidade do acidente, verificando se há ou não relação com veículo automotor, dando direito ou negando a possibilidade desta indenização. Palavras-chave: Seguro obrigatório; Indenização; Causalidade; Vítima de acidente de trânsito. MOURA, Dilson Vasconcelos. O Seguro DPVAT e o Nexo de Causalidade. Trabalho de Conclusão de Curso da graduação em Direito da Faculdade de Ensino Superior da Paraiba,

6 5 O SEGURO DPVAT E O NEXO DE CAUSALIDADE Dilson Vasconcelos Moura 1 INTRODUÇÃO Atualmente a modernização dos meios de transporte do homem trouxe diversos benefícios. Como veículos mais velozes com autonomia bastante eficiente, estreitando laços entre pessoas que moram distante de seus entes queridos e amigos. Veículos com maior capacidade de carga, possibilitando maior facilidade no transporte de mercadorias para o comércio. Os serviços públicos que dependem de veículos automotores para seu funcionamento foram beneficiados direta ou indiretamente. Não há de se negar que é de costume observar a não preocupação com possíveis problemas que possam surgir. Caracterizados neste caso por acidentes de trânsito, estes por infelicidade causam danos inevitavelmente as pessoas. Que para atender suas necessidades de locomoção para trabalho e até mesmo para o lazer. Uma das medidas tomadas pelo governo brasileiro foi a criação do seguro DPVAT, através de decreto de Lei assinado pelo Presidente Ernesto Geisel. Beneficiando aqueles que sofrem alguma debilidade ou gastos com despesas medicas, relacionadas a acidentes causados por veículos automotores. Com a concessão deste benefício, surgiram dúvidas quanto ao seu cabimento ou não cabimento. Em alguns casos há de se observar se o veiculo automotor foi causador do acontecimento acidental ou não. Neste sentido, surge uma discussão relacionada ao nexo de causalidade quanto ao cabimento da indenização por este seguro. Este trabalho tratará acerca deste assunto em uma tentativa de melhor esclarecimento acerca do mesmo. O desrespeito à interpretação do nexo de causalidade quanto à quitação do seguro de 1 Graduando em Direito pela Faculdade de Ensino Superior da Paraíba FESP

7 6 DPVAT é, sem dúvidas, uma questão de bastante discussão, não há como negar, entre a sociedade, o estado e principalmente entre os operadores do Direito. O referido seguro recebe estas iniciais pela seguinte definição, Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por carga, a pessoas transportadas ou não. Criado pela Lei 6.194/74, alterada pelas Leis 8,441/92 e /09, com a finalidade de amparar as vitimas de acidentes de trânsito em todo o território nacional, não importando de quem seja a culpa dos acidentes. A abrangência de sua cobertura se dá nos seguintes casos: por morte ou por invalidez permanente, desde que devidamente comprovada mediante laudo médico, autêntico. Em alguns casos haverá a necessidade de uma perícia medica mais acentuada. Exigências feitas pelas seguradoras, que deverão arcar com a indenização a ser paga, bem como, boletim de ocorrência do acidente, documentos comprobatórios do sinistro entre outro que demonstrem a veracidade dos fatos. A quantia a ser paga, a fim de indenizar o vitimado deverá ser calculada com base no percentual da incapacidade de que for portadora a vítima de acordo com a tabela de danos corporais totais, que em meados de 2008, através da medida provisória 451/08, observada no Congresso Nacional, modificou as regras do seguro DPVAT. Foi criada uma tabela determinando um teto para cada parte do corpo lesionada pelo acidente de trânsito. Logo após foi anexada à Lei /09. Em caso de morte possivelmente será pleiteada a quantia máxima, que será no valor de R$ ,00(Treze mil e quinhentos reais), que é o atual teto para a indenização do referido seguro. Em regra anterior, o teto era de 40 salários mínimos. Redução que foi bastante questionada, vez que, não haverá mais possibilidades de reajustes com os aumentos do salário mínimo. Igualmente terá direito a indenização, aquele vitimado que venha a arcar com despesas para seu tratamento, sob orientação médica, despesas com a assistência médica e suplementar. Denominada, Despesas de Assistência Medica e Suplementares (DAMS). Este tipo de indenização tem apenas caráter de reembolso. Uma vez que, o vitimado venha a cobrir o prejuízo que o mesmo teve a necessidade de pagar para a sua recuperação. Quanto à questão do nexo causal para o cabimento ou não do direito a indenização para a vítima requerente ao seguro, dependerá do fato do veículo ter tido algum vínculo com o sinistro, ou seja, o veículo terá que ser causador do acidente. É necessário haver uma ação sem interferência da vítima, ação esta característica do veículo, mecânica e espontânea que possa ter causado dano àquela vítima. Ou seja, haverá situações que deverão ser analisadas há

8 7 relação de causalidade com o uso do veículo. Um exemplo seria um funcionário de transportadora de valores que auxiliava o condutor de um veículo da empresa, que por infelicidade é atingido por uma corda que foi movimentada pelo veículo ao realizar uma manobra em um estacionamento da empresa. Este fato deverá ser registrado como acidente de trabalho. Porém poderá este pleitear o enquadramento do acidente causado por veículo automotor ou por sua carga, a pessoa transportada ou não. Tal fato poderá ter cobertura pelo seguro DPVAT. Por estes casos e outros, geram a real necessidade de se verificar verdadeiramente distinguir os casos que deverão ser motivo de indenização e aqueles que apenas se aproximam do seu cabimento. Desta forma, determinando os verdadeiros critérios de uso e nexo de causalidade. Não será possível a admissão de risco que o veículo possa causa, quando este não estive em circulação nas vias públicas. No momento do licenciamento diante do órgão responsável o seguro é necessariamente pago por aqueles que desejam que o esteja veículo em circulação. Não há de se falar em indenização quando este veículo causador do acidente não estiver quite com o seguro que deverá indenizar o vitimado. A lei regente do seguro DPVAT, Nº 6.194/74, define que o dano pessoal deverá ser causado por veículo automotor ou por sua carga, a pessoas transportadas ou não. Exigindo assim o nexo de causalidade para que seja entendido como indenizatória ou não daquele veículo causador do sinistro. Este fato acaba gerando tamanha discussão entre aqueles que atuam no ramo do direito, o cidadão, bem como, o Estado que tem o dever de garantir os direitos deste. Questionamento realizado no presente artigo trata sobre o porquê o seguro obrigatório DPVAT é interpretado com diversidade pela sociedade, estado e operadores do Direito? As hipóteses abordadas neste artigo tratam da inexistência de comprovação quanto ao nexo de causalidade entre o acidente de trânsito e os danos físicos experimentados pela vítima. Função social pratica atualmente em relação ao seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículo automotor. Desenvolvimento do instituto do seguro obrigatório de veículos automotores para o ordenamento jurídico brasileiro. O objetivo deste trabalho é esclarecer a matéria já muito debatida nos pretórios de todo o território brasileiro. Diz respeito ao pagamento de indenização relacionada ao seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores de via terrestre ou por sua carga, bem como quanto ao seu cabimento ou sua negativa.

9 8 Bem como, esclarecer do que trata-se o seguro DPVAT. Apresentar a falta de informações deste seguro a sociedade como um todo. Demonstrar o embasamento quanto ao nexo da causalidade. A pesquisa que será realizada neste artigo há de ser classificada como descritiva e explicativa. Desta forma definida por ser baseada em diversos materiais bibliográficos. Desta forma a desenvolver o tema em questão. Quanto ao método de abordagem a ser utilizado nesta pesquisa trata-se do método hipotético-dedutivo, uma vez que propõe-se uma hipótese, e, através de dedução, comprova-se tal hipótese ou não. Quanto ao procedimento, por sua vez, pautar-se-á pela observação estruturalista, pois não estuda casos individuais e sim estuda um todo, elemento que compõe a sociedade, na medida em que a pesquisa utilizar-se-á de livros, artigos, legislação e doutrina. Essas ferramentas permitirão uma melhor fundamentação ao trabalho, observados sob à luz da história. O material documentado e as respectivas análises serão organizados em relatório de pesquisa componente do estudo que se pretende construir. O homem e o automóvel O homem desde cedo batalha pela liberdade de locomoção, segundo Rodrigues (2000, p. 122) locomover-se é uma necessidade inerente ao ser humano, o sonho de locomover-se inicia com o desenho da roda, e assim sucedendo os primeiros veículos, os quais o ser humano puxava, como a sucessão dos animais e logo em seguida foram desenvolvidos motores capazes de tracioná-los, estes movidos a combustão na queima de derivados de petróleo. Por volta de 1886, sem uma precisa exatidão de quem realmente construiu o primeiro carro do mundo onde os precursores desta maravilhosa invenção, foram o alemão Karl Benz com o seu veiculo de três rodas movido a gasolina, bem como outro inventor, Gottlieb Daimbler com seus veículos de dois cilindros também movidos a gasolina. Anos depois franceses, ingleses e norte americanos entraram na corrida da fabricação de veículos. Na América do Norte Henry Ford produziu o primeiro automóvel naquele continente. E por ai em diante, países como Itália, Suíça e Espanha também passaram a vivenciar esta revolução nos meios de transporte. No início em linha de produção eram fabricados carros luxuosos e destinados a guerra. No entanto com o termino da Primeira Guerra Mundial os fabricantes passara a utilizar a linha de produção mais barata, automóveis mais compactos e fabricados em série.

10 9 No Brasil, a evolução automotora chegou somente após a Segunda Guerra Mundial. Na década de 30, fábricas estrangeiras como a General Motors e a Ford, entraram com linha de montagem no país. Foi durante o governo de Juscelino Kubitschek que multimarcas automotivas deram início montagem de automóveis em nossa país. Projetados nas matrizes européias e norte-americanas, com maioria de equipamentos e peças importadas, porém montados no Brasil. Os primeiros automóveis que no Brasil passaram a trafegar nas ruas do Rio de Janeiro, eram conduzidos por leigos. E diferentemente dos automóveis de hoje automatizados e mais práticos de dirigir. Necessitavam de perícia, pois era necessário puxar uma alavanca ali, empurrar vários pedais, aguardar o motor aquecer, verificar inúmeros mostradores de pressão, pedais rígidos, que exigiam mais perícia ao utiliza-los, ou seja, não era fácil conduzir esses primeiros veículos automotores. Verificou-se então através do decreto de lei nº 858, de 15 de abril de 1902, que determinava o exame de condutores para automóveis. No entanto o primeiro motorista habilitado no país só apareceu em 1906, aprovado pela primeira comissão examinadora de candidatos à condutores de veículos, que era constituída por engenheiros da prefeitura. Foi realizado em 08 de janeiro de 1906 o primeiro exame para motorista, com cinco aprovados, o segundo exame foi realizado em 19 de janeiro do mesmo ano, com mais três habilitações concedidas. No mês seguinte foi realizado o terceiro exame para condutores de veículos automotores aprovando dois felizardos, destacando que um deles foi Felisberto Caldeira, cocheiro dos carros dos presidentes Campos Sales e Rodrigo Alves, bem como o primeiro chaffeur do palácio do Catete. Em pouco tempo o Rio de Janeiro estava repleto de motoristas habilitados pela seção competente da prefeitura. No decorrer dos tempos o automóvel passou a ser símbolo de status, é o que podemos observar com o famoso pensador e escritor Veríssimo: Se o automóvel fosse só um meio de transporte ou instrumento de lazer, tudo bem. As pessoas o usariam naturalmente, como usam uma escova de dentes. Mas o automóvel é muito mais do que isso. É um símbolo de status para uns. De riqueza para outros. De coragem, inconformismo, agressão, segurança, ambição, sei lá. E principalmente de potência Um homem nunca entra no seu carro, simplesmente. Ele veste o seu carro como quem veste uma fantasia. Da mesma maneira que alguém ''sai'' no Carnaval de tirolês estilizado ou legionário romano (ou libélula transcedental), sai pela rua de Maverick ou Passat ou de 1300 estilizado. Você mesmo conhece vários casos. Aquele pacato comerciante, tão inconspícuo dentro de sua própria casa que as vezes

11 10 é posto para fora junto com o gato, e não reclama, se transforma atrás do volante do seu Dodge Dart branco com estrias vermelhas dos lados e uma cabeça de tigre fosforescente sobre o capô. A buzina toca trechos de Richard Wagner e cada vez que ele pisa no freio os olhos da caveira no parabrisa traseiro se acendem. Contam que ele rosna dentro do carro enquanto vai afastando pedrestres e outros veículos do caminho com acordes estridentes. (VERISSIMO, 2005, sp) Já nestes outros dois trechos do mesmo texto demonstra um tipo de status bem particular para o homem, que é a sexualidade ligada ao seu automóvel, vejamos: [..] Os psicólogos não sabem explicar essa estranha identificação do homem com seu carro. Há uma teoria segundo a qual a potência do carro compensaria a insegurança do homem com seu próprio vigor físico. [..] [...] Seja como for, a verdade é que a sensação de espremer um pequeno acelerador para ter uns cavalos de força a sua disposição a qualquer hora é um dos maiores prazeres que o mundo moderno proporciona ao homem. O homem e a máquina são uma coisa só. O homem é a sua fantasia. O motor do carro é a sua energia. O sistema elétrico são os seus nervos em perfeita sincronização. Os pneus são as suas garras de tigre devorando distâncias sem o menor esforço. A gasolina é o seu sangue azul ou comum.[..] (VERISSIMO, 2005, sp). Como o passar do tempo o automóvel vêm se transformando diariamente, verificamos que ele passou a ser objeto de uso de milhares de pessoas. Um dos grandes fatores históricos na evolução do automóvel é o da tecnologia, os veículos ficam mais seguros velozes e confortáveis e silenciosos. Logo a mídia também passa a influenciar, transparecendo que o carro já passaria a ser item fundamental no cotidiano das pessoas. A frase já bastante conhecida o brasileiro é apaixonado por carro. Transportes no Brasil No Brasil inicialmente foram produzidos caminhões, jipes, camionetas, furgões e por último os carros de passeio. A sociedade vive em constante formação, aumentando em número, explorando territórios, e conhecendo pessoas. Gerando a necessidade de locomoção, sendo a maior delas em prol das atividades econômicas. Com a evolução da tecnologia, o aumento das necessidades do homem em observar coisas novas, verificou-se que este dependeria cada vez mais da locomoção. Levemos em consideração que não há como determinadas cidades possuírem varias especialidades, pois

12 11 dispõem de climas diferentes, profissionais em determinadas áreas, atrações diferem das atrações de outras cidades. Neste sentido observamos que o homem com a divisão do trabalho, ou seja com base em especialização, grupos que aumentaram a produtividade dependeram do transporte para comercializar seu produto final, bem como dependeram do mesmo para adquirir aquilo que não produzem. A lógica do modo de produção capitalista que acentua na medida em que o tempo passa, acaba demonstrando a real necessidade dos meios de transporte para o desenvolvimento expansivo da economia e social. Foi por volta do ano de 1940, a região sul e sudeste passando a ser industrializada, deu início ao processo de integralização do país. Regiões passaram a ser interconectadas, como se deu na região sul e sudeste, pois tornaram-se regiões de mercado nacional, em virtude de seu crescimento econômico, passou a exigir estradas que os conectassem ao restante do país. Bem como malhas de transporte passaram a integrar e expandir as pessoas país a dentro, Estas que se concentravam no litoral, passaram a habitar também o interior dos estados. Esses e outros motivos passaram a exigir o pensamento de uma estruturação de um sistema transportes mais eficiente. Forçando o governo a evoluir e transformar as trilhas de locomoção em grandes rodovias. Acidentes de trânsito O acidente de trânsito é determinado pelo dano envolvendo veículo, via, homem ou animais. Em todo o mundo foi registrado pela Organização Mundial de Saúde 1,26 milhões de mortes no trânsito. Essa estatística tem maior impacto nos países pobres e em desenvolvimento. O Brasil é campeão nestas estatísticas, é sabido oficialmente que em media são registrados mas de 20 mil mortes apenas contabilizadas no local do acidente. De acordo com o IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada calculou um custo social dos acidentes nas áreas urbanas do país de 5,6 bilhões de reais a cada ano. O sistema DPVAT, seguro obrigatório que indeniza as vitimas por acidente de trânsito calcula 40 mil mortes por ano. Infelizmente verificam-se frequentemente atitudes inadequadas de alguns condutores, representando um sério risco a eles próprios, bem como aos demais usuários das vias publicas. Estas atitudes denominam-se desvios comportamentais no trânsito. São vários os tipos de desvios comportamentais no transito. Um deles é causa pela inexistência de

13 12 procedimentos sistemáticos de educação para o trânsito, bem como na falha máquina de habilitação de condutores. Estas falhas acarretam em diversas atitudes equivocadas no trânsito, por desconhecer os procedimentos corretos. Outro desvio que contribui muito no número de acidentes está relacionado a situação psicológica e física do individuo que está por trás do volante, permanentemente ou temporários. Existe também outro tipo de desvio, que é aquele em que o condutor dotado de egoísmo exacerbado transparecendo o interesse próprio acima do coletivo, contornando manobras irregulares, proibidas e arriscadas. Muitas vezes pessoas que possuem o conhecimento da legislação de trânsito, no entanto sempre querem ludibriar os outros condutores levando vantagem. O homem atinge a estatística de 75 % como responsável pelos acidentes de trânsito. Grande parte do número de acidentes está diretamente relacionado ao jovem como condutor, levamos em consideração falta de experiência e falta de maturidade ao dirigir. Os motoristas adolescentes costumam infringir mais as leis, como dirigir em alta velocidade, avançar sinais, praticar manobras ilegais, dirigir sobre o efeito de álcool ou entorpecentes. No infelizmente Brasil em 2010 foram registrados 43%, com mortes na faixa de 0 a 19 anos. O condutor é o principal responsável pela sua segurança, de seus passageiros, pedestres e demais condutores. Por exemplo, um condutor ao derrapar na pista, que por falta de responsabilidade trafegava com pneus carecas na chuva. Não podemos atribuir a culpa no engenheiro que construiu a estrada ou no engenheiro que desenhou ou o funcionários da linha de produção que por falta de atenção não utilizou um componente importante na fabricação do pneu e sim no motorista imprudente que não trafegava de acordo com as leis de trânsito. O maior causador dos acidentes de trânsito no Brasil é o Álcool, deixando o país no topo da lista com maior número de acidentes. O condutor sobre o efeito desta substância tem seus reflexos reduzidos e uma diminuição considerável na consciência de perigo. Este condutor está colocando seriamente a sua vida, dos pedestres e dos demais passageiros que nele depositam sua confiança. Outro detalhe que tanto agrava a fatalidade dos acidente, bem como facilita a ocorrência destes é a velocidade excessiva, pois diminui a percepção do condutor, aumenta as forças dinâmicas do carros, fatores que iram exigir mais da máquina facilitando a ocorrência de falhas.

14 13 O Seguro DPVAT Inicialmente para observarmos à questão do nexo de causalidade do veículo causador do dano à vítima de acidente automobilístico. É primordial que saibamos mais detalhes sobre o seguro DPVAT. Ao decorrer da história o homem se depara com inúmeras situações que podem colocar sua vida e de seus entes queridos em risco. Desta forma nota-se a necessidade de passar certa tranquilidade para este homem, então foi criado o seguro para lhe proporcionar algum resguardo caso venha a ocorrer algum imprevisto. O surgimento do seguro DPVAT está vinculado aos frequentes riscos observados no altíssimo tráfego de veículos, bem como os ricos que os pedestres estão submetidos ao disputar espaço com estas máquinas que utilizam as vias. Quanto a nomenclatura, o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados Por Veículos Automotores que é popularmente conhecido como DPVAT. É bem verdade que o seguro DPVAT é questão de caráter social, pois é de pouco conhecimento daqueles que dele necessitam. Sua indenização é para vítimas de acidentes causados por veículos que trafegam por vias terrestres. Essa questão é bastante forte, pois em pouquíssimos casos os condutores dos veículos teriam capacidade de arcar com as despesas ocasionadas pelo sinistro. Desta maneira Nogueira afirma que: Trata-se de uma lei especial, que, abstraindo a noção de culpa, impõe a obrigatoriedade da reparação, pela simples utilização de veículos automotores, consagrando a responsabilidade objetiva, embora alguns erroneamente assim não reconheçam (NOGUEIRA, 1978, p. 20). Surgiu com a Lei nº de 19 de setembro de 1974, e foi atualizada pelas Leis nº 84441/92, /07 e 11945/09. O contrato de seguro, cujo sua finalidade é a de atenuar que toda a responsabilidade do dano o segurado possa arcar. Portanto observamos em nosso Novo Código Civil em seu capítulo XV, artigo 757 que trata: Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou a coisa, contra riscos predeterminados. Parágrafo único: Somente pode ser parte no contrato de seguro, como segurador, entidade para tal fim legalmente autorizada (NOVO CÓDIGO CIVIL, 2007, p.156).

15 14 Este seguro conforme sua nomenclatura define, cobre exclusivamente danos pessoais. Não há de se preocupar com o culpado pelo sinistro, a lei determina apenas o envolvimento no acidente com o veículo automotor. A vítima pode ser o condutor, passageiro ou pedestre. O procedimento para o interessado por este seguro é bastante simples. Será necessário apenas documentos pessoas e documentos do sinistro. Ou seja, o prêmio pode ser adquirido pelas vias administrativas. Sem a necessidade de intervenção de terceiros. As indenizações de seguro são pagas em até 30 dias, após a entrega completa da documentação exigida. Conforme se verifica no artigo 5º da Lei 6.194/74: o pagamento da indenização será efetuado mediante simples prova do acidente e do dano decorrente, independentemente da existência de culpa, haja ou não resseguro, abolida qualquer franquia de responsabilidade do seguro(brasil, 1974, SP). Os danos pessoais cobertos pelo DPVAT são nos casos de falecimento, invalidez total ou parcial, e como despesas de assistência médica e suplementares gastas com o tratamento realizado em decorrência dos danos causados no sinistro. Não serão cobertos pelo seguro DPVAT danos materiais, acidentes ocorridos fora do território nacional, danos pessoais causados pela contaminação originária de radioatividade de qualquer tipo de combustível de matéria nuclear. Anteriormente a pessoa interessada escolheriam aleatoriamente uma seguradora para requerer a indenização. No entanto em 08 de dezembro de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados na Resolução nº 154, determinou que uma única seguradora especializada administrasse dois consórcios específicos, então através da Portaria nº 2.797/07, publicada em 07 de dezembro de 2007 a criação da Seguradora Líder dos Consórcios do Seguro DPVAT. Esta é definida por uma companhia de capital nacional constituída por seguradoras participantes de dois consórcios. A Seguradora Líder passou a representá-las nas esferas administrativas e judicial, facilitando em inúmeros pontos, tanto para as seguradoras consorciadas como para os beneficiários da indenização. Existem casos especiais em que será necessário o reclamante acionar a seguradora em que o veículo foi contratado, casos estes que envolverem transporte coletivo, ônibus, microônibus. O cadastro do seguro deverá ser apresentado pelo causador do acidentes. Por exemplo, o vitimado requerente da indenização do seguro DPVAT deverá procurar a empresa de serviço de ônibus.

16 15 Infelizmente em nosso país tudo que movimenta dinheiro é alvo de fraude e utilização indevida, isto não é diferente com o DPVAT. Este seguro acaba sendo usado para diversos tipos de fraude, bem como é utilizado como meio para tirar vantagens daqueles que são leigo no ramo do direito. Os indivíduos mal intencionados acabam interferindo no simples requerimento administrativo realizando muitas vezes a cobrança de honorários desnecessários. Na tentativa de inibir estas práticas foi criada a Medida Provisória 451, visando bater de frente com as fraudes que causam prejuízo a administração do DPVAT. Quanto desrespeito a prescrição, levamos em consideração a renovação do Código Civil no ano de 2003, que definiu o prazo para dar entrada no pedido de indenização do Seguro DPVAT, que passou a ser de três anos, contados a partir da data em que ocorreu o acidente. Ou seja, o prazo prescricional para realizar o pedido de indenização do seguro DPVAT é decenal, na qual o a contagem será iniciada ao verificar o dano estipulado pela lei, como morte, invalidez permanente, despesas com medicamentos e assistência médica e suplementar. O Nexo de Causalidade do Automóvel no Sinistro É essencial para um melhor entendimento do presente estudo demonstrar a necessidade da sociedade como um todo a importância deste assunto em pauta. Segundo Bechara (2010, online): Não raro, dúvidas afloram versando a cobertura do seguro de DPVAT, em situações especiais por onde se verifica a existência de um dano pessoal, sem que, contudo, haja relação de causalidade com o uso do veículo.. O doutrinador Martins (2008) ensina que: o seguro DPVAT não é seguro de responsabilidade civil, mas sim, seguro obrigatório de danos pessoais, cuja indenização deve ser prestada, nos ditames da própria Lei do DPVAT a todas as vítimas de acidentes automobilísticos independentemente de apuração de culpa, bastando que seja demonstrada a existência de dano e sua causa. Salienta que o legislador jamais cogitou de constituir prazos prescricionais para os seguros obrigatórios de danos pessoais, que é o caso do DPVAT, por isso não está sujeito ao prazo do art. 206, 3. º, IX do CC. Relata ainda que, o decreto lei nº 73/66 cita alguns seguros de responsabilidade civil e de contratação obrigatória em seu art.20, e ao citar o DPVAT redige como um seguro de danos pessoais e não de responsabilidade civil. Logo o prazo prescricional do DPVAT é decenal cuja contagem se inicia imediata verificação do dano garantido pela referida lei, ou seja, morte, despesas com assistência médica e suplementar ou invalidez permanente, levando em consideração o art. 205 do Código Civil. (MARTINS, 2008 p. 110)

17 16 Na maioria dos casos dos acidentes relacionados com veículos automotores as pessoas não tem idéia do direito deste benefício. Nesse sentido: Para quem ainda não sabe, o famoso DPVAT significa Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres. A sigla refere-se, como diz o slogan da própria campanha de divulgação, ao "único seguro que protege todos os brasileiros" vitimados por acidentes de trânsito, não importa se motoristas, passageiros ou pedestres. O seguro é pago todos os anos pelos proprietários de veículos de passeio, ônibus, micro-ônibus, motocicletas e similares. (NERY, 2010, online) De fato o seguro DPVAT não é de fácil conhecimento em nossa sociedade, desta feita acaba gerando diversas duvidas em relação a referido seguro, acontecimentos como a falta de acesso a justiça da sociedade mais carente, a falta de veiculação de informações que lhes seriam de grande valia para o conhecimento deste seguro. Para um melhor entendimento deste seguro e reforçar o que foi dito em linhas anteriores: Criado pela lei n 6.194/74, o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais, Causado por Veículos Automotores, ou popularmente conhecido como DPVAT, é pago todos os anos pelos proprietários de veículos automotores, sem exceção, na ocasião do licenciamento, e tem por finalidade cobrir eventuais danos pessoais ocorridos em acidentes de trânsito. O Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores (DPVAT) é um direito garantido a todos os cidadãos, mas pouco conhecido pela população. Sua indenização é para vítimas de acidentes causados por veículos que transitam por via terrestre, por isso a lei não cita trens, barcos, aeronaves e similares. A nomenclatura do seguro inicia dizendo a forma de cobertura, ou seja, Danos Pessoais. Ele cobre pura e exclusivamente danos pessoais. A vítima tem a garantia da indenização mesmo que o culpado pelo acidente não tenha condições de arcar com o dano que causou. Esta vítima pode estar dentro ou fora do veículo, poderá ser proprietária ou não; a lei exige apenas o envolvimento no acidente com o veículo automotor. A indenização independe da prova de culpados. O procedimento para receber a indenização do Seguro Obrigatório DPVAT é simples e dispensa a interferência de terceiros. (DALL, 2010, online) Quanto ao embasamento a cerca do pagamento deste seguro é posto em pauta quando há dúvida se houve ou não de alguma maneira interferência de qualquer veiculo automotor devidamente quite com o pagamento deste seguro obrigatório. Contratado no momento da regularização perante o órgão fiscalizador, que possibilitará este veículo a trafegar nas estradas de rodagem, centros urbanos e demais vias. Este questionamento é fruto de muitas discussões no âmbito jurídico. Neste sentido o professor Luís Felipe Pellon ensina que: o veículo tem de ser o causador e não mera com causa passiva ao acidente. É pois necessário que o veículo tenha, de alguma forma, contribuído para o dano. No caso de veículo estacionado é além disso necessário que ocorra, uma ação espontânea,

18 17 mecânica, sem interferência da vítima. É preciso, pois, a ocorrência de um nexo causal. (PELLON, 2010, online) Para melhor ilustrar esta dúvida quanto ao nexo da causalidade da cobertura do seguro DPVAT, há de se levar em consideração um seguinte caso hipotético: Um cidadão que trabalha em uma distribuidora de alimento sofre um acidente dentro do pátio da empresa que trabalha. Um caminhão ao ser manobrar dentro do pátio desta empresa encosta a uma placa de aço que por sua vez despenca em cima deste trabalhador e por infelicidade lhe causa danos graves. A princípio caracterizará acidente de trabalho, porém há de se levar em consideração um possível acidente envolvendo veiculo automotor, possibilitando o direito a indenização através do seguro DPVAT. Outro caso que podemos mencionar é o de um trabalhador no meio rural em sua colheitadeira que por infelicidade sofre um enfarto dentro do veículo, este poderá ser indenizado. Outros casos que poderiam gerar dúvida quanto ao nexo de causalidade, as pessoas comumente pensam que o seguro DPVAT apenas deverá ser aplicado em casos de batidas ou atropelamentos, além podem ser considerados casos da vítima machucar a mão na porta, porta-malas ou capô; trocando o pneu do carro; queda de moto em movimento ou parada; queda da carroceria de um veículo de carga, mesmo este estando parado; em oficina mecânica trabalhando em veículo; enfarto dentro de veículo no transito, implementos agrícolas, até mesmo em veículos de organização militar, como um tanque de guerra. Todos estes casos em local público ou privado, contanto que cause vítima poderá recorrer ao Seguro DPVAT. É possível que este direito seja negado, o que não impede que a pessoa interessada recorra a justiça. Há jurisprudências que negam o direito do recorrente nestes caos especiais, como é o caso que tomamos como exemplo recurso especial não-provido, os danos pessoais sofridos por quem reclama indenização do seguro DPVAT devem ter sido efetivamente «causados por veículos automotores de via terrestre, ou por sua carga», nos termos do art. 2º, da Lei 6.194/74, ainda que seja dispensado o «trânsito» do veículo. (REsp /MS, 4ª Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, DJe de ) (sem destaque no original). Dessa forma, para que seja admitida a indenização securitária, quando parado ou estacionado, é necessário que o veículo automotor seja causa determinante do dano. Na hipótese, conforme consta do acórdão recorrido, o apelante estava no exercício de suas funções de trabalho quando sofreu uma queda do caminhão que era descarregado, sem que este sinistro tenha qualquer liame com o veículo automotor. Outrossim, o evento não se enquadra na categoria de acidente coberto pelo DPVAT, porque não houve nenhum ação espontânea ou mecânica do veículo ou sequer relacionada ao seu movimento. Ao revés, tudo indica que o dano decorre de uma fatalidade, um caso fortuito em que o autor caiu de cina do

19 18 caminhão parado, quando efetuava o descarregamento da carga ali posta (e-stj fl. 120). Em outras palavras, o veículo automotor não foi a causa determinante do dano sofrido pelo recorrente, sendo, portanto, incabível a indenização securitária. Com efeito, de acordo com a moldura fática trazida pelo acórdão, se tratou de uma queda do caminhão, enquanto o autor descarregava mercadorias do seu interior, sem que o veículo estivesse em movimento ou mesmo em funcionamento. Assim como nas outras hipóteses em que esta Corte negou o direito à indenização, pode-se dizer que o veículo automotor «somente fez parte do cenário do infortúnio». (REsp /MS, 4ª Turma, Rel. Min. Luis Felipe Salomão, DJe de ), não sendo, portanto, devido o seguro DPVAT. Forte nessas razões, NEGO PROVIMENTO ao recurso especial....» (Minª. Nancy Andrighi). Verificamos que o entendimento a cerca deste assunto é interpretado me maneira diversa até mesmo pelos grandes magistrados que nos pretórios desta pátria atuam. Diante disso podemos observar o quanto esta espécie de seguro é passível de dúvidas quanto ao seu cabimento ou negativa. A grande questão é definir em que circunstâncias este seguro será aplicado, algo que deverá ser observado com atenção trabalhado com bastante conhecimento no assunto em pauta. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente estudo pretendeu analisar o quanto o seguro DPVAT é importante para todos que utilizam os veículos para locomover-se, bem como aqueles pedestres que por ventura aproximam-se destes veículos. Analisar também a existência da ligação do fato ocorrido causador do dano a pessoa com o veículo segurado. Demonstrando casos hipotéticos de geram dúvida na sua aplicação. Demonstrando de forma singela a ligação do homem e veículo no decorrer dos tempos. Seus benefícios melhorando a locomoção encurtando distâncias, favorecendo aqueles que querem ficar menos tempo longe de seus familiares e amigos. Ajudando a desenvolver o crescimento no comércio e serviços. Também os riscos ao fazer uso sem responsabilidade destas máquinas que tanto modificaram a vida do homem. A responsabilidade pela vida das pessoas que utilizam as vias públicas para trabalho e lazer, bem como a própria vida daqueles que estão a conduzir. É plausível a coerência dos governantes obrigarem os proprietários dos veículos a liquidarem este seguro anual, afinal cada vez mais a exposição a riscos de acidentes aumenta. Então se deve observar de uma maneira mais intensificada e cuidadosa a forma como este seguro é interpretado e aplicado. Atualizações foram feitas através dos anos na lei, ou seja, apenas há a necessidade de praticá-la seguindo a risca. Educando aqueles que utilizarão os

20 19 veículos. Campanhas passem a ser comuns em locais de trabalho, em escolas e principalmente no momento de habilitar os futuros condutores. Verificamos que muitas vezes os segurados não sabem ao menos do que se trata aquele referido seguro, a única coisa que o proprietário fica sabendo, é que tem que pagar aquela taxa que está no boleto junto ao IPVA. A educação quanto ao seguro DPVAT deve também preparar as pessoas para ao menos saberem o que lhe é de direito, conduta que não é comumente praticada no Brasil. O povo Brasileiro é famoso por ser mal informado, não por culpa de seus governantes, mais sim por conta da falta de interesse de buscar seus direitos. Sempre é muito fácil culpar os que estão a frente da administração pública, no entanto falta também o interesses das pessoas para ficarem melhor informadas. Não há dúvida que se houver um melhor interesse por parte das pessoas em conhecer este ainda tão pouco mencionado seguro. Bem como incentivos do governo quanto a educação, tanto nas escolas, onde estarão os futuros condutores, como no momento da habilitação de condutores. Na reciclagem dos antigos, na devida punição dos infratores que atuam de maneira indevida cometendo irregularidades nas vias, os que dirigem sobre efeitos de tóxicos e álcool colocando muitas vidas em risco. Desta forma as pessoas ao utilizar as vias viveriam mais tranquilas, tornando nossas ruas e estradas, vias que lhes tragam segurança ao trafega-las, estando cientes deste direito tão pouco conhecido que é a indenização do Seguro DPVAT, bem como sabendo quando ele é cabível ou não.

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.241.305 - RS (2011/0045666-6) RELATORA RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MARILENE MARCHETTI : GENÉZIO RAMPON : SEGURADORA LÍDER DOS CONSÓRCIOS DO SEGURO DPVAT S/A :

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2006 N.º Despacho PROJETO DE LEI N.º 942/2006 TORNA OBRIGATÓRIA A AFIXAÇÃO DE CARTAZ INFORMATIVO SOBRE O SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS POR VEÍCULOS AUTOMOTORES DE VIA TERRESTRE (DPVAT),

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO

CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO Fl. 2 da CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012. CIRCULAR SUSEP N o 451, de 17 de outubro de 2012 ANEXO INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES PARA A OPERAÇÃO DO SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS

Leia mais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais

Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Relato de Casos: Comissão Técnica Riscos Pessoais Convidado para Diretor Sem Fronteiras Dr. Lodi Maurino Sodré Comissão indicou para os Grupos de Trabalhos e demais Comissões. A questão está na aplicação

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR

MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR MANUAL DO SERVIÇO PARA ASSISTÊNCIA AUTOMÓVEL SERVCAR 1. OBJETIVO Este manual contém informações acerca dos procedimentos que deverão ser tomados na ocorrência de qualquer fato que acarrete na utilização

Leia mais

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO

REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO REGULAMENTOS DAS COBERTURAS OPCIONAIS PREVCAR AUTO RESPONSABILIDADE CIVIL FACULTATIVA ESTA COBERTURA NÃO PODERÁ SER CONTRATADA ISOLADAMENTE FICANDO CONDICIONADA À COBERTURA DO EQUIPAMENTO ATIVO CADASTRADO

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Atualizado até 13/10/2015 RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NOÇÕES INTRODUTÓRIAS Quando se fala em responsabilidade, quer-se dizer que alguém deverá

Leia mais

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055

REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 REGULAMENTO ACE ASSISTÊNCIA 24 HORAS VANS, MOTOS, CARROS, CAMINHÕES LIGUE PARA: 0800-601-4055 Somente quando estiver com documento do veículo em mãos, para fornecer ao atendente a placa e o chassi do veículo.

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado

Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado Edifício Centro Empresarial Morumbi Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2010 (do Sr. Raimundo Gomes de Matos)

PROJETO DE LEI Nº DE 2010 (do Sr. Raimundo Gomes de Matos) PROJETO DE LEI Nº DE 2010 (do Sr. Raimundo Gomes de Matos) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 6.194, de 19 de dezembro de 1974, para permitir o parcelamento do pagamento e a redução gradativa

Leia mais

Gabinete do Prefeito Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009.

Gabinete do Prefeito Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009. Lei nº 120/2009 de 27 de fevereiro de 2009. Dispõe sobre a utilização de motocicletas no transporte de passageiros no município de Nortelândia, e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) Altera a Lei nº LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997, tornando obrigatória por parte dos fabricantes, importadores e montadores de veículos, a inclusão

Leia mais

Tudo que você precisa saber no dia a dia com seu carro

Tudo que você precisa saber no dia a dia com seu carro Tudo que você precisa saber no dia a dia com seu carro FINANÇAS / ECONOMIA 01 - Como financiar um carro usado? 02 - Saiba tudo sobre IPVA, DPVAT e Licenciamento. 03 - Veja as melhores opções para financiamento

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

Edifício Crespi II Manual do Credenciado

Edifício Crespi II Manual do Credenciado Edifício Crespi II Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

12 dicas para baixar o preço do seguro do carro

12 dicas para baixar o preço do seguro do carro 12 dicas para baixar o preço do seguro do carro Especialistas ensinam a pagar mais barato sem assumir riscos demais cortando coberturas necessárias Carros antigos: seguros mais caros devido aos custos

Leia mais

Edifício New England Manual do Credenciado

Edifício New England Manual do Credenciado Edifício New England Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos de atendimento.

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

Projeto Seguro DPVAT

Projeto Seguro DPVAT SEGURO DPVAT Projeto Seguro DPVAT Contribuindo com a Responsabilidade Social, o Sincor-Go através das Unidades de Atendimento oferece a população goiana atendimento gratuito no processo do DPVAT, serviço

Leia mais

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015)

Quadro comparativo da Medida Provisória nº 673, de 2015 (Projeto de Lei de Conversão nº 8, de 2015) ( 2015) 1 Art. 24. Compete aos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Municípios, no âmbito de sua circunscrição: Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESPONSABILIDADE CIVIL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 Suponha se que Maria estivesse conduzindo o seu veículo quando sofreu um acidente de trânsito causado por um ônibus da concessionária do serviço público

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

Estado do Mato Grosso Prefeitura Municipal de Colniza

Estado do Mato Grosso Prefeitura Municipal de Colniza Lei n.º 091-B/2002. Súmula: REGULAMENTA, DISCIPLINA O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS EM MOTOCICLETAS DE ALUGUEL MOTO-TÁXI E DETERMINA A LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS, BEM COMO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Eu,

Leia mais

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa.

substituição ao Des. José Di Lorenzo Serpa. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa APELAÇÃO CÍVEL N. 040.2008.000891-1/001. Relator: Marcos William de Oliveira, Juiz Convocado em substituição ao Des. José Di

Leia mais

BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Gerais. Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74. Apólice nº 13.606

BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO. Condições Gerais. Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74. Apólice nº 13.606 BB SEGURO VIDA SEGURO DE VIDA EM GRUPO Condições Gerais Processo SUSEP Nº 15.414.002163/2004-74 Apólice nº 13.606 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL CNPJ: 28.196.889/0001-43 ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO 2 Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo por Prazo Certo MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba Gabinete do Desembargador José Ricardo Porto DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2010.019169-9/001 CAMPINA GRANDE RELATOR : Des. José Ricardo

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES

FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES 1 FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES Londrina (PR) 2009 Caro cidadão londrinense: 2 Londrina quer um trânsito mais seguro. E convida você para entrar nesta campanha. Esta cartilha traz informações sobre como

Leia mais

Amigos, Atenciosamente,

Amigos, Atenciosamente, Amigos, A MSCB Advogados Associados, é o braço jurídico da Zênite Assessoria e Consultoria Ltda., que há mais de 20 anos presta serviços às empresas que atuam na área de transporte de cargas e logística,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ITAUCARD ASSISTÊNCIA VEÍCULO VEÍCULOS COM ATÉ 15 ANOS DE FABRICAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ITAUCARD ASSISTÊNCIA VEÍCULO VEÍCULOS COM ATÉ 15 ANOS DE FABRICAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS ITAUCARD ASSISTÊNCIA VEÍCULO VEÍCULOS COM ATÉ 15 ANOS DE FABRICAÇÃO 1.1. DEFINIÇÕES DEFINIÇÕES E OBJETIVO 1.1.1. Associado: entende-se por Associado, a pessoa física residente no Brasil,

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 Cobertura de Invalidez Permanente por Categoria de Acidente Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA

Leia mais

ALLIANZ HELP ASSISTÊNCIA MOTO ANUAL STANDARD

ALLIANZ HELP ASSISTÊNCIA MOTO ANUAL STANDARD ALLIANZ HELP ASSISTÊNCIA MOTO ANUAL STANDARD Sempre que precisar utilizar sua Assistência, entre em contato com a CENTRAL DE ATENDIMENTO Allianz Global Assistance: 0800 770 4374 (território nacional) 1

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO 1. DEVO FAZER O BOLETIM DE ACIDENTES DE TRÂNSITO (BAT)? Sim, principalmente se houver terceiros envolvidos e se você for o culpado pelo acidente. 2. QUER DIZER QUE

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL N" 001.2008.022212-61001 (Oriunda da i Vara Ovel da comarca de campina Grande/PB)

APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.022212-61001 (Oriunda da i Vara Ovel da comarca de campina Grande/PB) Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Manoel Soares Monteiro DECISÃO APELAÇÃO CÍVEL N" 001.2008.022212-61001 (Oriunda da i Vara Ovel da comarca de campina Grande/PB) RELATOR:

Leia mais

Ranking nacional mostra PI em 6º com mais pessoas flagradas dirigindo sem CNH

Ranking nacional mostra PI em 6º com mais pessoas flagradas dirigindo sem CNH Levantamento divulgado pela Polícia Rodoviária Federal aponta um novo dado preocupante relacionado ao tráfego de veículos em BRs. De acordo com o Departamento Nacional da PRF, somente nos feriados prolongados

Leia mais

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros).

:João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). APELAÇÃO CÍVEL N 200.2008.032.045-61 001. Relator :João Batista Barbosa - Juiz Convocado. Apelante :Unibanco AIG Seguros S/A (Adv. Vanessa Cristina de Morais Ribeiro e outros). Apelado :Evaldo de Lima

Leia mais

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA

BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA BATALHÃO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA 1) - Normas Gerais de Circulação e Conduta: a)- Trânsito é a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação,

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS 1 ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Conteúdo 1. Objetivo do seguro 2. Definições 3. Estipulante 4. Coberturas do seguro 5. Riscos excluídos 6. Âmbito geográfico de cobertura

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais).

(1) Inclui o capital de Responsabilidade Civil Obrigatória: 6.000.000 (Danos Materiais/Danos Corporais). 1 FICHA DE PRODUTO Produtos Automóvel A N Seguros tem à sua disposição coberturas que são realmente indispensáveis para a segurança do seu Automóvel, construindo uma proteção à sua medida. Esta ficha de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 039/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2013. Dispõe sobre a cobrança de pedágio nas rodovias do Estado de Goiás. A Assembleia Legislativa do Estado de Goiás, nos termos do art. 10 da Constituição Estadual, decreta

Leia mais

Envio de mecânico para reparo emergencial caso o veículo esteja sem condições de trafegar em decorrência de pane mecânica ou elétrica.

Envio de mecânico para reparo emergencial caso o veículo esteja sem condições de trafegar em decorrência de pane mecânica ou elétrica. MONDIAL AUTO PROTECTION é um conjunto de serviços oferecido exclusivamente a veículos de passeio* com até 15 anos de fabricação. As principais vantagens do MONDIAL AUTO PROTECTION são a tranquilidade e

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. FAGUNDES CUNHA PRESIDENTE RELATOR RECURSO INOMINADO Nº 2006.0003212-2/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE CRUZEIRO DO OESTE RECORRENTE...: BRADESCO SEGUROS S. A. RECORRIDO...: ALEXANDRE GONÇALVES MANFRIM RELATOR...: EMENTA RECURSO

Leia mais

GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS.

GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS. GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS. FREITAS, Vanessa G 1 ; ROCHA, Paulo R 1 ;JESUS, Uerlei 1 ; SILVA, Gecirlei F. 2 PALAVRAS CHAVES:

Leia mais

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001

Estado de Mato Grosso do Sul A Pequena Cativante LEIN 1.195/2001 LEIN 1.195/2001 Institui o Serviço de Transporte Individual de Passageiros em Motocicletas de aluguel (Mototáxi) O Prefeito Municipal de Rio Brilhante, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

TRANSITO CUIDADO. Eliana Cristofolo MOTORISTA TENHA MUITA ATENÇÃO, AO DIRIGIR O SEU CARRÃO. PARE SEMPRE NA ESQUINA PARA VER SE VEM CARRO NÃO.

TRANSITO CUIDADO. Eliana Cristofolo MOTORISTA TENHA MUITA ATENÇÃO, AO DIRIGIR O SEU CARRÃO. PARE SEMPRE NA ESQUINA PARA VER SE VEM CARRO NÃO. CUIDADO NO TRANSITO MOTORISTA TENHA MUITA ATENÇÃO, AO DIRIGIR O SEU CARRÃO. PARE SEMPRE NA ESQUINA PARA VER SE VEM CARRO NÃO. AS CRIANÇAS DEVEM RESPEITAR PARA OS LADOS DEVEM OLHAR. SE NÃO VIER NENHUM AUTOMÓVEL

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004.

RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. RESOLUÇÃO CNSP N o 109, DE 2004. Altera e consolida as Normas Disciplinadoras do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas

Leia mais

Serão instaladas peças habilitadas pelas montadoras, porém sem a logomarca, que é de uso exclusivo da montadora.

Serão instaladas peças habilitadas pelas montadoras, porém sem a logomarca, que é de uso exclusivo da montadora. 70. CLÁUSULA ESPECIAL - VIDROS: Este serviço garante, em caso de quebra, o reparo ou substituição do vidro pára-brisa, ou a reposição dos vidros laterais ou traseiro pela Yasuda Seguros, quando o evento

Leia mais

Condições Gerais - Assistência Motocicleta

Condições Gerais - Assistência Motocicleta Condições Gerais - Assistência Motocicleta ARTIGO 1 - DEFINIÇÕES A ) ASSOCIADO: Entende-se por Associado, no caso de pessoas físicas, o proprietário do cartão de crédito ou o condutor da Motocicleta Assistida

Leia mais

História e evolução do Automóvel

História e evolução do Automóvel I Mostra de Carros Antigos SENAI Santo Amaro Mecânica Online Apresentação Tarcisio Dias História e evolução do Automóvel 125 anos de inovação Novembro - 2011 História e evolução do Automóvel Tarcisio Dias

Leia mais

Em qualquer lugar do país, e a qualquer hora do dia ou da noite, você estará sempre seguro.

Em qualquer lugar do país, e a qualquer hora do dia ou da noite, você estará sempre seguro. O SulAmérica Auto é o seguro completo que você precisa para seu veículo. Com ele, além das coberturas e garantias, você também tem descontos exclusivos em peças e serviços tanto para você quanto para o

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT

www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT www.blabus.com.br DICAS Seguro DPVAT 1. O que é DPVAT? É o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou por sua Carga, a Pessoas Transportadas ou Não (Seguro

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Significado de veículo automotor na Lei nº 9.426/96 Eduardo Luiz Santos Cabette* A Lei 9426/96 realizou alterações no Código Penal Brasileiro, interessando-nos neste trabalho especificamente

Leia mais

nicobelo@hotmail.com NICOLAU BELLO

nicobelo@hotmail.com NICOLAU BELLO NICOLAU BELLO 1 * ATUALMENTE EXISTEM NO TRÂNSITO NO BRASIL MAIS DE CINCO MILHÕES DE MOTOS NO TRÂNSITO. * 10 MILHÕES DE CARROS, ONIBUS, TAXIS E CAMINHÕES. * MOTOS PASSAM CÉLERES ENTRE OS CARROS, ESTES DÃO

Leia mais

Autorização para débitos de MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA.

Autorização para débitos de MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA. Autorização para débitos de MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA. Declaro para os devidos fins que autorizo à GENERALI DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS a debitar de minha indenização, as MULTAS, AUTUAÇÕES e IPVA existentes

Leia mais

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012)

Nova Lista de Verificação Seguro de Auto Versão 01 (julho/2012) LISTA DE VERIFICAÇÃO CIRCULARES SUSEP N os 256 e 269/04 E OUTROS NORMATIVOS DESCRIÇÃO ATENÇÃO: No preenchimento da Lista de Verificação, para os itens informativos, a coluna Fls. deverá ser marcada com

Leia mais

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA

A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA A SEGURADORA GLOBAL DE CONFIANÇA RESPONSABILIDADE CIVIL Principais Características ÍNDICE O que é RC Riscos Excluídos Forma de Contratação e Prescrição O que é a Responsabilidade Civil Responsabilidade

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

2 Quais os tipos de cinto de segurança que temos? Qual o cinto é o mais seguro?

2 Quais os tipos de cinto de segurança que temos? Qual o cinto é o mais seguro? 1 Quais são os 5 elementos da direção defensiva? 2 Quais os tipos de cinto de segurança que temos? Qual o cinto é o mais seguro? 3 O que significa DIREÇÃO DEFENSIVA? 4 Cite um exemplo de condição adversa

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008.

CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 373, de 27 de agosto de 2008. Altera e consolida as instruções complementares para a operação do Seguro Obrigatório de Danos

Leia mais

LEI Nº 124/95. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 124/95. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Alterado pela Lei 495/01, 656/04 e 782/07. LEI Nº 124/95 Dispõe sobre o serviço de transporte de passageiros em veiculos automóveis de aluguel - táxi, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,

Leia mais

14. Comportamento no trânsito

14. Comportamento no trânsito 14. Comportamento no trânsito Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Os usuários não devem somente observar as regras do Código de Trânsito, mas devem também ser solidários.

Leia mais

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 RESUMO Glaidson de Souza Pezavento Tatiani Nascimento Santos Miriam Nascimento Santos Ashley da Silva Costa 2 Com a finalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2015 (Do Senhor Lucas Vergílio) Dá nova redação ao art. 20 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, para instituir o seguro obrigatório de responsabilidade civil

Leia mais

Mensagem do Diretor. Conte conosco! Jabson Magalhães da Silva

Mensagem do Diretor. Conte conosco! Jabson Magalhães da Silva Mensagem do Diretor A Adventist Risk Management Sul-Americana é uma parceira da Divisão Sul-Americana referente à administração de riscos. Nosso trabalho é identificar e eliminar riscos que possam impedir

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A

SEGUROS. Manual de Seguros. Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A SEGUROS Manual de Seguros Banco Mercedes-Benz do Brasil S/A 2013 SUMÁRIO 1. CONCEITOS... 3 1.1. Objeto do Seguro... 3 1.2. Tipos de Seguro... 3 1.3. Vigência... 3 2. COBERTURAS ADICIONAIS... 4 2.1. Responsabilidade

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR

PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR PROJETO BÁSICO GRAMADOTUR 1 Projeto Básico da Contratação de Serviços: 1.1 O presente Projeto Básico consiste na descrição para contratação de empresa para prestação de serviços de seguro de responsabilidade

Leia mais

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado

Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado Edifício Evolution Business Center Manual do Credenciado A BrasilPark quer prestar sempre o melhor serviço para seus clientes. Para que isso aconteça, é essencial que você fique atento aos nossos procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS DE ASSISTÊNCIA 24H DA SOMATTO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS DE ASSISTÊNCIA 24H DA SOMATTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS DE ASSISTÊNCIA 24H DA SOMATTO ÂMBITO TERRITORIAL Os serviços de assistência serão prestados ao associado, em todo Território Brasileiro, conforme limitações estipuladas

Leia mais

IBAPE XII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE /MG.

IBAPE XII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE /MG. IBAPE XII COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS, BELO HORIZONTE /MG. CASO DO MEIO FIO - COBERTURA DE SEGURO NEGADA Gilberto Arruda Mouren Engenheiro mecânico CREA-RJ 21.111-D

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO DECRETA: PROJETO DE LEI Nº. 243/2015 Dispõe sobre regulamentação do atendimento ao serviço de Transporte Individual de Passageiros, Táxi, em casos de solicitação por aplicativo (APP) ou internet, no Município de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Incidência Tributária sobre operações comerciais envolvendo software Fabiano Pereira dos Santos I Introdução; II Conceito de software; III A questão tributária; IV - Jurisprudência;

Leia mais

MINHOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS Rua Joaquim Távora, 832 Vila Mariana São Paulo Pabx (11) 5549.5333. www.minhoto.com.br

MINHOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS Rua Joaquim Távora, 832 Vila Mariana São Paulo Pabx (11) 5549.5333. www.minhoto.com.br MINHOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS Rua Joaquim Távora, 832 Vila Mariana São Paulo Pabx (11) 5549.5333 www.minhoto.com.br EMBRIAGUEZ AO VOLANTE CRIME, AGRAVAMENTO DO RISCO e FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO COLOCAR

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

1.PLANO AUTO STANDARD

1.PLANO AUTO STANDARD 1.PLANO AUTO STANDARD 1.1.Definições ACIDENTE/SINISTRO Colisão, abalroamento ou capotagem envolvendo direta ou indiretamente o veículo e que impeça o mesmo de se locomover por seus próprios meios. COBERTURA

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Siga Seguro Versão Mai./12 2 SIGA SEGURO MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. O SIGA SEGURO é um seguro de acidente pessoal coletivo por prazo certo, garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A. Prevenir é sempre

Leia mais

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas 1. A quem se destina a apólice? R.: Destina-se às empresas associadas ao SICEPOT-MG, sendo extensivo às empresas do mesmo grupo

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município.

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 011/2014, DE 09 DE ABRIL DE 2014. Altera o Anexo I do Decreto n 007/2014, que dispõe sobre as atribuições, escolaridade e salários dos cargos destinados ao Concurso Público do Município de Parelhas/RN.

Leia mais

AÇÕES REGRESSIVAS INSS

AÇÕES REGRESSIVAS INSS AÇÕES REGRESSIVAS INSS Salim Jorge Curiati São Paulo, 28 de outubro de 2008 Com fundamento no quanto disposto nos artigos 120 e 121 da 8.213/91 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Acordo Preferencial para Prestação de Serviços de Aluguer de Automóveis sem Condutor

Acordo Preferencial para Prestação de Serviços de Aluguer de Automóveis sem Condutor PROTOCOLO COMERCIAL Acordo Preferencial para Prestação de Serviços de Aluguer de Automóveis sem Condutor ENTRE, com sede em Lj. 11 e 12 4760-014 V.N. Famalicão, pessoa colectiva 507 591 682, neste acto

Leia mais

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015.

COIFFEUR BRASIL. Termo e Condições de Uso v.1. Publicação dia 03 de Junho de 2015. COIFFEUR BRASIL Termo e Condições de Uso v.1 Publicação dia 03 de Junho de 2015. Qualquer pessoa que se utilize dos serviços denominados Coiffeur Brasil (registrada sob CNPJ 20.402.266/0001 78 e localizada

Leia mais