TÁXIS E PUTAS ROBERTO NEMR. São Paulo Táxis e Putas. Primeira Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÁXIS E PUTAS ROBERTO NEMR. São Paulo 2013. Táxis e Putas. Primeira Edição"

Transcrição

1 TÁXIS E PUTAS ROBERTO NEMR Primeira Edição São Paulo 2013 Táxis e Putas Na era do capital cibernético vídeo-financeiro hiperveloz e irreal, o emprego é redundante. O capital voa sozinho e se esborracha tranqüilo na calçada. O corpo ensangüentado é colhido por uma puta que lhe esvazia as calças e remove o cadáver para um carro à espera: o táxi, que fica com parte do espólio. 1

2 Novela, ensaio, obra aberta ou sabe-se-lá-o-que Escrito no começo do século XXI na magnífica cidade de São Paulo de Piratininga Por este que vos fala, Carlos Bode, poeta louco, e muitos outros O mundo é cada vez mais dos empreendedores e não da carteira assinada Andre Loes, economista do Banco Santander-Banespa Sinopse Carlos Bode, poeta perdido nas noites de São Paulo, América Latina e mundo, rodando em táxis, rodado por putas, descobre a essência do mundo moderno. Vendidos todos, alguns se vendem diretamente, outros com toda delicadeza. No olho do furacão, poucos percebem para onde vamos, perguntamos o caminho ao taxista, na caminha com as putas. Na busca de Beatriz ideal, taxistasvirgílio nos conduzem ao Céu, ou seria ao Inferno??? TAXI 1 Casagrande escapou por pouco. Seu carro ia ser trucidado pela torcida do Santos, comemorando o bicampeonato brasileiro. Mas a velhinha do banco de trás ajudou o a convencer o líder da gangue a deixá-lo passar. Ufa, que alívio. Nem tinha pago ainda a última mensalidade. Seu único patrimônio, seu ganha-pão. Tinha duas filhas, e pra seu orgulho, com apenas 50 anos, uma neta de 7. Temos que nos multiplicar. As 2

3 filhas já eram independentes, mas a neta sempre o acompanhava em corridas para o aeroporto. Ela adorava ver os aviões passar. Seu sonho: voar de avião com o avô. Disse que tava economizando. Iam pela Gol pro Rio e voltavam de ônibus-leito. Ele também nunca tinha voado. PUTA 1 Letícia parece ser uma delícia. De preto e pele branca, bustiê realça os seios. Tem uma tia no Líbano, casada com um inválido e outra em Paris, não sei fazendo o que. Letícia é um amor. Tem um tio que curte ópera. Ela diz adorar. Boto a Flauta Mágica, ela confunde com o Barbeiro e Contos de Hoffman. Fala de uma boneca, que boneca? Boto também Fairuz. Começa a dançar a dança do ventre em ritmo acelerado. Quer ir dançar, diz que faz tempo que não dança. Porque toda mulher gosta de dançar? Letícia tem umas espinhas cicatrizadas. Tem 21 anos e uma filha de 2.5. Todas tem filhos, ou querem ter. Querem casar de branco. Ah como é bonito casar de branco. Diz que ficou a fim de ter uma filha com um tal cara. Letícia é sagitariana. Acho que não chama Letícia. Seria Adriana. Letícia não gosta de beijar, o beijo é tão íntimo, né, ela faz caretas. Tira a roupa e se esconde debaixo dos lençóis. Tem seios túrgidos, pois já é mamãe. O irmão tá cuidando do filhinho, enquanto ela garante o leite. Letícia faz boquete com preservativo e vem por cima, quer acelerar o processo. Eu ralento, uso um vibrador, sua xoxota é peluda e gordinha, orifício generoso, não parece ser excitável, muito prática, geme um pouco e eu me masturbo beijando sua xana. 3

4 Não vi estrelas, apenas uma marionete. Letícia se veste rápido, quer ir para casa dormir. Dá seu número, pega o numerário, incluindo o do táxi. Letícia foi dormir. Eu ligo. Ela retorna a cobrar, e pergunta quem é: Digo, sou eu, o Lawrence das Arábias, boa noite, beduína. Ela quer caminhar no deserto, ir para o Egito, descobrir algum sentido. Há sentido no Egito? TAXI 2 É Natal. Bastião vai ter que trabalhar. A cidade se esvazia, mas os táxis não param. Tem que pagar a diária de R$60, trabalhe ou não. Bastião precisa faturar. O tempo não para. Tem dois filhinhos em casa e a mulher quer ver a grana das contas. Bastião diz que tá dando para se virar (como as putas). Capaz até de comprar uns presentinhos pras crianças, desses de loja de chinês, máximo R$10. PUTA 2 Angélica é goiana, mas mora em Brasília. Tem um sotaque português esquisito, mas que vai suavizando com o tempo. Já trabalhou para portugueses, diz. Influências. Tem um tio em Houston, está pensando em passar uns meses por lá. Tem muitas ideias, Angélica, fazer faculdade, autoescola, viajar, dar um salto, mas a vida e as contas continuam. Angélica quer conhecer o mundo. Ela é carinhosa, mas tem dificuldade em gozar. Quer ser profissional, proporcionar prazer a quem vier. Não liga em dormir no hotel. Dorme muito, 12, 13 horas por dia. Quanto for necessário. Angélica não acorda. É o pesadelo dos insones, como eu. Adora ver desenho animado. 4

5 Ela é fã do Bob Esponja. Seu sorriso lembra o do Bob. Angélica é branquinha, um pouco gordinha (quer fazer lipo), seios fartos. Fuma muito, mal tem fôlego de andar 100 metros. Levanta as perninhas para fazer amor, como uma galinha. Ajuda a mãe e a avó doente. Onde está o pai de Angélica? Era garimpeiro, sumiu na busca do ouro em Serra Pelada. Angélica tem que ficar pelada, na falta de esmeraldas. Angélica é pura de coração. Acredita nas amigas, que estão sempre a lhe passar a perna. É utópica. Vai transformar a analfabeta da Rejane em semi-analfabeta como ela. Pois Angélica nunca lê um livro, mas quer fazer faculdade, não sabe de que. Angélica é pura de coração. O mundo é que é uma cadela, e a obriga a abrir as pernas para arrumar algum. Rejane sai com qualquer um e não reclama. Angélica é mais seletiva, mas sempre atende telefonemas, mesmo às 4 da manhã. É boa de telemarketing. Seu celular só faz chamadas a cobrar. Mas ela é doce como uma quimera. Passei o reveillon com ela, e a abandonei na virada. Passei o Carnaval com ela e Rejane, e as deixei na Quarta-feira de cinzas, de porre e brigados, pois Angélica não me deixou tocar Rejane. Nunca mais vi Angélica. TAXI 3 Dirceu tenta ir à praia todo fim-de-semana, mas só chove. Segunda abre aquele sol. PUTA 3 5

6 Carla é casada, mas o cara é o maior galinha. Ela tem 23, ele 30. Dois filhos, um de 4, outro de 2. De Feira de Santana, terra de Tom Zé. Trabalhava numa loja de doces em Moema. Pegou o seguro-desemprego e pensou, já que ele curte balada, vou também me entregar e ainda faturar algum. A mulatinha é gostosa paca. Faz bem em não ser fiel. Olho por dente, dente por olho, língua por saliva. E lascou-me a língua. TAXI 4 Manuel era velho e enxergava mal. Foi brigar com o guardador de carros e levou uma pancada na cabeça. Ficou cego e não era mais capaz de guiar nem mortos pelo Estige. PUTA 4 Daiane era de Goiânia. Só há 3 dias fazendo isso. Tem uma loja de roupas em Campinas, do ex-noivo, japonês da Honda. Na cama, uma vagabunda, sexo oral sem preservativo, só faltou engolir meu membro, deixava enfiar todo o dedo na larga vagina, dois balões de silicone fazendo a vez de seios: e se diz iniciante. Depois uma dança erótica com todas as técnicas envolvidas. Nada em seu eu profundo parecia de iniciante. Daiane se diz iniciante, e louca por sexo, uma espécie de Belle de Jour, versão sertaneja. Mas até que é ajeitada de corpo, belos olhos azuis, lentes de contato. Daiane se diz iniciante. Afinal, todos nós somos, ou não? Não consegui penetrar Daiane. Aquele quarto japonês, aquele narguilé, estava tudo muito pré-rafaelita, ela esmagando minhas costas com os pés, e fazendo acrobacias eróticas, por um minuto colou, mas depois 6

7 ficou fake. Me masturbei no box do banheiro, pensando em uma dama de Rossetti. TAXI 5 Quem sou eu? Taxista? Um navegador da paisagem urbana? Latas de lixo, detritos, vendedores de balinha, homens-tronco, pitocos escondidos sob o viaduto, travestis na chuva, malabaristas em treinamento, mulheres da vida de todo jeito, e eu, taxista, rodo, rodo, rodo, e volto para meu ponto, para meu equilíbrio, para o diálogo com os amigos, a TV, o fliperama, a coxinha no bar, o banheiro da lanchonete... E enquanto não rodo, sou algo que não consigo definir, um utensílio, para quem quer atravessar o inferno da cidade, sem se chacoalhar em conduções lotadas, sem experimentar a limpeza cool do metrô que leva a tão poucos lugares, sem fugir dos cachorros, das bicicletas e dos furiosos motoristas assassinos, sou uma espécie de ambulância dos pobres pedestres, cobro pouco por tão necessários serviços, ou não??? PUTA 5 Cibele é filha de contador. Trabalhava com o pai, que teve um ataque cardíaco. Logo, Cibele virou massagista, de belos peitos naturais, originais, renascentistas, tipo Vênus de Tiziano. Parece uma cortesã da época de Sigismundo Malatesta assim como a Angélica lembrava a Maja do Goya, desnuda é óbvio. Cibele é fogosa, não poupa beijos e gemidos, fico até constrangido, pois Cibele pode ser uma deusa greco/romana disfarçada que vai me punir por ousar desvelá-la (Hera ou Artemis? Diana; eu Acteão, esmigalhado). Aliás, Cibele é uma deusa, tá lá em Madri 7

8 esculpida na Plaza de Cibeles, a mãe dos deuses, símbolo da fertilidade. Ah, o pai de Cibele é bom de contabilidade. TAXI 6 Pedro reclama dos buracos. Diz que a prefeita é uma puta que só pensa no pau semi-ereto de seu amante argentino dentro do seu buraco. Com o próprio tapado, fodam-se os outros e a cidade fica essa meleca esburacada à procura de um careca prá tampá-la. Por isso ia votar no Careca só pra fuder aquela galinha sexagenária. PUTA 6 Luzia me pede um presente de Natal por telefone. Luzia mora em Cascavel, perto de Foz de Iguaçu, uma índia polaca, saída das páginas de um Dalton Bueno da vida (ou Wilson Trevisan). Luzia tem noivo em São Paulo, engenheiro, 7 anos a enrolando. Eles se conheceram numa boate em Sampa, aquela famosa, do cafézinho, na época em que Luzia era garota de programa, muito louca, na movida. Era na base do pó e do champagne. Conheci Luzia no famoso Love Story, a casa das casas, aquele lugar tipo fundo-de-fundos, parole-portmanteau, onde se encontram restos de outras casas, traficantes, japoneses, e outras escórias. Uma vez eu estava parado olhando o movimento, quando senti um troço quente na perna. Era um filho-da-puta mijando em mim, um corno bêbado, nojento. Ele sumiu...não reagi, lavei a calça e me mandei. Mas nessa noite em que conheci Luzia, era muito cedo, o lugar estava vazio, quando vi duas loiras de costas, dois monumentos à beleza, brilhando naquele antro. A mais 8

9 linda era Luzia, boneca com ar malicioso, talvez o centro do Universo sexual, peitinhos como viola da gamba, se é que vocês me entendem. Imaginem um poema de Octavio Paz, uma noite na Índia, Luzia encostada em teu ombro, iracema dos lábios de gengibre. A amiga é a Fabiana, louca total, drogas 24 horas. Fui com as duas para um hotel barato no centro da cidade, me deu uma puta disenteria na entrada. Tinha que cagar. Acontece que o banheiro do quarto era exposto, porta de vidro. Pedi para elas me esperarem na ante-sala, fechei a porta e caguei fedido, fedido mesmo. As duas não entenderam nada, pensaram que eu estava me injetando. Bem, acho que não sentiram muito o cheiro, pois estavam chapadas. Se despiram e começaram a se chupar desbragadamente. Safo e Lésbia num conúbio homo-puttanesco. Eu de voyeur, entrei na dança e varei as duas em sequência, belo ritornello. Daí em diante vi Luzia mais de cem vezes, musa de Panteão. Um dia ela parou de piranhar e foi pras margens do Rio Paraná, fiel a seu Amado Construtor Piranesiano. Continuei a vê-la subrepticiamente, com frequência decrescente. Garanto a vocês que ela será uma ótima dona-de-casa. Mas que sabia gemer, ah isso sabia. Vai, vai, vai...vai pra puta que te pariu (pensava ela). TAXI 7 Heitor trabalhou pesado na 15 de Novembro. Até que um desses infernos de risco-país o mandou pro macadame (da queda do risco ao risco da queda...) Tinha que cavar os brioches dos pimpolhos e o cosmético da esposa, e não tava a fim de comer feijão com arroz como se fosse a 9

10 última. Pôs-se a dirigir d Aquiles jeito me levou em sua biga muitas vezes para o Pregão nosso de cada dia, no altar da Cotação. Sim, já fui Iscariotes no Templo dos Percentuais Perdidos. PUTA 7 Quem não conhece a Soninha? Soninha é minha, é tua, é nossa. A famosa Soninha Velotrol. Soninha que apareceu de lingerie na RedeTV, caminhando na avenida Paulista. Soninha, a mãe de Carol, maior que ela. Soninha que implantou vastos silicones nos peitos. Soninha, do sonho de todo adolescente espinhento. Soninha, de Bukovsky, de Leminsky, ou de Milozs, todos polacos tarados pela Carne. Pois Soninha é carne sem intermediação, sem San Juan de la Cruz. Ataíde-pornógrafo a pintaria como Madalena, pois Soninha não é puta. É a Mulher Eterna de Goethe fantasiada de Ordinária. Soninha é o dia-a-dia querendo virar fim-de-semana. Soninha é academia, curso-deinglês e cafeteira, mas também é Lady Di, champagne no Ritz e capuccino em frente ao Coliseu. Soninha é nosso amor de padaria. Eu a conheci numa noite banal num Swing, ela foi só minha em meio a Sodoma e Gomorra, não vi o Au-delà, mas só suas curvas de pequena princesa de periferia. Amei-a por muito, muito tempo, até que um dia a Cinderella virou cinza e o que era doce se acabou. Não quis ver nas rugas muito incipientes a minha própria decadência, Soninha tinha que ser pra sempre. Vi Eurídice duas vezes em 24 horas e imediatamente a lira de Orfeu se converteu em Viola Quebrada. TAXI 8 10

11 Como chove em São Paulo, porra. Ô Oswald, não para de choverar. Não há amores, nem flores, nem cores, só essa chuva ininterrupta. Por que Faustino morreu tão cedo? Por que Merquior morreu tão cedo? Por que Bolaño morreu tão cedo? Andes, Mexico, Santiago, Incas, Posada, Parra. Imagino a mesma chuva em Lima, em las Condes, nem sei onde...o mesmo gris, o mesmo Guesa Urbano indo gentil na noite escura. E os últimos momentos, não não quero ir, filho da puta não sabe quem é Metastasio, uma vasta carreira pela frente, noturna, noturna, como as calles do centro à noite, perto de la Moneda...O mesmo táxi com o para-brisa encharcado levando Mário ao aeroporto para o infausto destino, levando Zé Guilherme para o hospital, ó razão despossessa, levando Roberto, pelas ruas de uivos torturados, fígado devorado. Porque pensei tudo isso? Sei lá...o carro parado no trânsito, a chuva contínua, e a noite que nos espera. PUTA 8 Dinheiro, dinheiro, dinheiro. Prata, cobre, níquel. Elas me pedem l argent, o cheque, o Doc. Deposita na minha conta, amor. Um presentinho, vai. Minha mãe tá doente. Tive que pagar o aluguel. As contas me zeraram. Ô amor, são 100 dólares. E o do táxi. Tem um eurozinho, aí...eufemismos. D-M-D, onde M é o orifício, Marx e Freud conjugados. Pulso e Bolsa. Quanto é, quanto? Tô precisando de 200 reais, quer dizer, 300. Com anal é mais. Alô, tem um dinheiro aí? Acabou o crédito do meu celular. Tenho que pagar a prestação do carro. O cartão estourou. Conta-poupança Cê sabe que eu te amo. Dá a 11

12 bicicleta da Carol, pelo menos uma cafeteira, vai. Deixa de ser turco, seu Macaco. Abre a mão! TAXI Xi, esqueci de ligar o taxímetro PUTA 9 Conheci Márcia em Buenos Aires. Brasileira, cobrava caro. O nightclub de lá era parecido com o daqui, assim como Macunaíma se parece com Funes el Memorioso. Márcia transmigrou, vida mais decente e barata por lá, dizia ela. Aos sabores do tipo de cambio. Caminhei com ela por Recoleta, jantei. O pai morreu com 35 anos, acidente de carro. A mãe, doméstica, casou de novo com um canalha drogado que a SURRAVA. La vieja estoria. Morava com seu perro, tinha um novio argentino, estava à espera do salvador da pátria, um médico alemão, portador de um American Express Black. Eu dei minha modesta contribuição. Não vou esquecer sua presença entre Morte em Veneza no Colón e as Fancarias do Amor do Donizetti no subsolo do mesmo teatro. Foi meu Tadzio alentador naquele colapso, voltei a rir. Mi puta alegre, te revi em São Paulo mas Colombina já estava em Ash Wednesday. 12

13 TAXI 10 O táxi em Buenos Aires é bem mais barato que em São Paulo, menos da metade (naquele momento). Rodar pela ciudad porteña é uma experiência bem mais excitante que contar os minutos em São Paulo, encalacrado no trânsito e espoliado no bolso. Ainda pensamos em Borges caminhando em Palermo ou Cortázar zanzando pelo centro; difícil lembrar de Mário na Barra Funda transfigurada ou pensar em Oswald em frente ao Hotel Esplanada. PUTA 10 Num canto qualquer do mundo, os pernilongos e os gafanhotos fazem o rol sob a luz mortiça e o ladrar dos cães. Fora de qualquer semiologia, busco as cinzas. Ela, como defini-la, quer dançar, fumar, e esquecer, ela que bebe ao luar irrelevante, ela está lá, e eu aqui, ouvindo o ronco do motor, na noite de forno, companheiro dos insetos, pensando Naquela que o pariu, eu com os insetos, ouvindo os grilos, larguei a outra ao balanço do Bate-estaca, na companhia daquela, prima da Outra, que fora Selvagem e hoje jaz sob os domínios do Urso Caipira, enquanto o Urso Americano agitava com a Prima, e Eu sirvo de pasto aos Insetos. Mas Ela deve estar dormindo com o detentor da chave e eu chuto pedras no caminho e a Filha chora no quarto ao lado e tudo guarda seu lugar, para além de PUTAS e TAXIS, aos som de Grilos e estalos de insetos na Luz. TAXI 11 Não, não peguei nenhum táxi. No último dia do ano, caminhei na terra entre pedregulhos, ao som de Cães, na noite profunda. Os insetos morrem, mas eu continuo 13

14 vivo, perto deste Rio, pois os Peixes sabem que a Vida não passa de caminho. PUTA 11 Palavra sem rota, sem SOS, sem retorta, homônimo do Todo e dos idiotas, de tudo que a vida inflete e cota, no abraço. Sim, elas estão por aí. É preciso ganhar a vida diz Chaplin em Limelight. Sempre a Mentira-instituição. Mãe doente, casa pro pai, viagem com irmãos. O Outro sempre à espreita. O que é o Um e o que é o Outro? Pois é impossível se gostar conhecendo seus segredos...margarida vira Marta, com o Diabo incitando. Encontro fortuito, viagens, envolvimento, obsessão, descoberta do Outro roteiro lupiciniano. Não somos todos enganados na trama pós-moderna da biografia inventada? Pois há área que carece mais de invenção biográfica que o amour-argent? Na era do celularinternet ademais o jogo ganha outra sutileza, as máscaras se multiplicam, mas também facilitam a descoberta da verdade. Que verdade? Do celular ou da rede? Recolhi os restos de minha credulidade e dei baixa no prejuízo. TAXI 12 Nelson é de Parati. Não descobriu o caminho do Ouro, portanto guia taxi. Nelson esquenta com facilidade. Descendente dos goyanás, ou seria dos tupinambás? É quase antropófago. Caça sempre que pode. Come de tudo: tatu, cotia, paca, qualquer bicho que se mova. Tem sempre problemas gástricos mas não os associa à variedade fáunica da qual se alimenta. 14

15 Nelson é um simpleton. Um dia, com passageiros para São Paulo, empacou no trânsito da serra do mar, simulou problema no carro e acionou o seguro. Despachou os passageiros em outro táxi e voltou para a rede. Nelson é Macunaíma. Paulo que pegou os passageiros de Nelson veio de Taubaté. Se Nelson tem a ver com o personagem de Mário de Andrade, Paulo é fruto de Monteiro Lobato. Tranquilo e direto, é o oposto de Nelson, contador de causos. Uma espécie de Pedrinho crescido, e não um Jeca Tatu (estilo Nelson). O Saci-Nelson atravessa a noite na chuva contando suas estórias de caça. Paulo me dá tranquilidade. Já Carlos, que me levou do Rio a Parati gosta de pescar. Passa o tempo todo fazendo cálculo do prejuízo, pois paga diária de R$100 no seu táxi. O carro é a gás, economiza bastante, mas cada tostão conta para Carlos, o negro da história, em semi-alforria. Nelson é o índio. Paulo é o branco. E eu, o Turco, barganhando com essa gente toda. Carlos nunca tinha ido a Parati, achou que era mais perto. Se ele soubesse que o pedágio na época do ouro era R$200 a valor presente, teria me cobrado mais. PUTA 12 Noites cariocas. Em Montecarlo (nome do antro) um resumo do Brasil (antro com nomes). Regina pegou o marido com a melhor amiga em Campo Grande (baixada fluminense). Deu um chute em tudo, pegou os dois filhos e virou puta. Uma hora de estrada todos os dias para chegar à fortuna de Montecarlo. 15

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer

Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Como tudo comecou ~ Os primeiros passos de uma Geisy que não tinha como não acontecer Entrei com o fichário numa mão, a bolsa na outra, e todo mundo na minha sala ficou sem entender nada. Caraca, você

Leia mais

SEGREDO NO CAIR DA TARDE

SEGREDO NO CAIR DA TARDE SEGREDO NO CAIR DA TARDE Ele chegou a galope, num alazão que eu não conhecia. Depois o alazão ergueu-se em duas patas e desapareceu e meu irmão também desapareceu. Fazia tempo que eu o chamava e ele não

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Perdendo tempo e ganhando a vida

Perdendo tempo e ganhando a vida Perdendo tempo e ganhando a vida Me acordaram as sete e meia da manhã. Era sábado. Quando se mora de favor muitas vezes dormir é um luxo. Fui deitar umas três horas. Fiquei jogando conversa fora e fumando

Leia mais

WebNovela Ligadas pelo coração Capítulo 6

WebNovela Ligadas pelo coração Capítulo 6 WebNovela Ligadas pelo coração Capítulo 6 Cena 1 Casa de Carolina/ Dia/ Interna Os tios de Carolina ainda estão na varanda junto com ela e o marido, o telefone toca e Carolina vai atender Carolina: Alô,

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado

POESIAS. Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado POESIAS Orientação: Professora Keila Cachioni Duarte Machado A flor amiga O ser mais belo e culto Emoções e corações Sentimentos envolvidos Melhor amiga e amada O seu sorriso brilha como o sol Os seus

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa?

Alguma vez você já se viu em alguma situação assim embaraçosa? Primeiro eu gostaria de saber.. eh se você tem namorado? Namorado, tenho não. Já tive muito mais agora faz treis meses que eu moro com um rapaz é um argentino qui qui primeiro quando eu conheci estava

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha

E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha E ra bonita a tartaruguinha. Forte, pernas roliças, tinha um verde que saía da metade do casco e se espalhava manso até a beirada. Viviam dizendo que ela era lerda, preguiçosa até. É preciso reconhecer

Leia mais

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho.

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho. 1 AMAR... dir: Carlos Gregório CASA DE LAURA... - Você não vai dizer nada? - O que você quer que eu diga? - Qualquer coisa. - Olha,... Não foi tão importante pra mim... - Não... foi!!? - É... É isso mesmo.

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09

Escrito por WEBMASTER Douglas Ter, 25 de Setembro de 2012 10:07 - Última atualização Ter, 25 de Setembro de 2012 10:09 BÃO OCÊ QUERIA O QUE, SALÁRIO PRESIDIARIO R$ 960,00 REAIS PROS BANDIDO, TRAFICANTE, ESTRUPADOR E ASSASINOS E UM PAI DE FAMILIA TRABALHADOR UM SALARIO MINIMO DE R$ 622,00 REAIS, AI JA É MAIS DA CONTA, ACHO

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2

O galo e a coruja cupinzeira Celeste Krauss 2 E-livro FICHA CATALOGRÁFICA Celeste, Krauss O galo e a coruja cupinzeira/celeste Emília Krauss Guimarães Antônio Carlos Guimarães [organização e revisão] Lambari: Edição do Autor; Belo Horizonte: Antônio

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

I. Informações pessoais e acadêmicas

I. Informações pessoais e acadêmicas RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO PROGRAMA DE BOLSAS LUSO-BRASILEIRAS EDIÇÃO 2007 I. Informações pessoais e acadêmicas 1. Dados de identificação (nome, telefone, e-mail, nome do programa etc) Adriana E. de Oliveira

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

O NASCIMENTO DE RUNA

O NASCIMENTO DE RUNA Für die Übersetzung ins brasilianische Porugiesisch danken wir herzlich Adriana Dantas Breust. O NASCIMENTO DE RUNA MINHA IRMÃ VEM AO MUNDO Concepção e texto: Uwe Spillmann. Ilustração: Inga Kamieth Este

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia,

A televisão estava uma bodega. Os meus pais continuavam os dois a trabalhar no escritório e eu es tava ali sozinho com o meu avô, que já dormia, FICHA TÉCNICA Título: O Peixe Azul Autora: Margarida Fonseca Santos Copyright by Margarida Fonseca Santos e Editorial Presença, Lisboa, 2003 Capa: Lupa Design Danuta Wojciechowska Composição, impressão

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

Aventuras do Vampiro Carioca. Lucia Chataignier

Aventuras do Vampiro Carioca. Lucia Chataignier Aventuras do Vampiro Carioca Lucia Chataignier editora multifoco Simmer & Amorim Edição e Comunicação Ltda. Av. Mem de Sá, 126, Lapa Rio de Janeiro - RJ CEP 20230-152 capa diagramação Luísa Ulhoa Aventuras

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta

MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta MERGULHO de Betina Toledo e Thuany Motta Copyright Betina Toledo e Thuany Motta Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 MERGULHO FADE IN: CENA 1 PRAIA DIA Fotografia de

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos

De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio de Janeiro / 2001 DRAMATURGIA 1 - Textos Reunidos Fragmentos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Fragmentos Insólitos Insólitos Fragmentos Insólitos Fragmentos Insólitos De Fernando Prado Registrado junto à Biblioteca do Rio

Leia mais

USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS

USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA CRIANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LABORATÓRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE USO DE DEDOCHES NO REPASSE DAS RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

Guia de dona Hermínia sobre como criar os filhos. EU TAVA AGORA VENDO um programa na TV que é um

Guia de dona Hermínia sobre como criar os filhos. EU TAVA AGORA VENDO um programa na TV que é um 1. Guia de dona Hermínia sobre como criar os filhos EU TAVA AGORA VENDO um programa na TV que é um absurdo. Uma babá dizendo como é que se cria filha dos outros. Uma tal de superbabá. Super o quê? Babá

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais