Trabalho a ser apresentado no GT de Publicidade da Intercom no Rio de Janeiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho a ser apresentado no GT de Publicidade da Intercom no Rio de Janeiro"

Transcrição

1 BILL BERNBACH: O CRIADOR DO POSICIONAMENTO Eduardo Refkalefsky Trabalho a ser apresentado no GT de Publicidade da Intercom no Rio de Janeiro RESUMO: O conceito de posicionamento é um dos mais importantes no marketing e na propaganda contemporâneos. Mas pouco se falou sobre a fonte das idéias de Al Ries e Jack Trout para chegar a estas conclusões. Na verdade, a fonte tem nome e sobrenome, Bill Bernbach, o grande criativo que fez campanhas como a do Fusca e da Avis, que revolucionaram a linguagem da propaganda. O AUTOR 1 : Eduardo Refkalefsky é professor da Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ e professor associado da Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE), da Fundação Getúlio Vargas. Tem graduação e mestrado na própria ECO, defendendo a tese A gênese do jornalismo polêmico de Hélio Fernandes, orientada pelo prof. Francisco Dória. É consultor editorial da Coleção Administração e Negócios da Editora Rocco e foi editor das revistas Tendências do Trabalho e Marketing e Negócios. Trabalha como consultor em Comunicação e Marketing. 1 O trabalho contou com a colaboração de Carolina van der Linden, graduanda em Publicidade na ECO/UFRJ e atividades na Doctor Propaganda, Rio de Janeiro.

2 1. Um publicitário e dois consultores O conceito de posicionamento, formulado por Al Ries e Jack Trout (1997), é um dos mais importantes da propaganda. Os autores mostraram de que a maneira a comunicação deve ser orientada numa era de hipercomunicação, onde cada vez é mais difícil falar com os consumidores. Algumas sentenças do livro viraram verdadeiros axiomas do marketing, na definição de Madia (1998), como é melhor ser o primeiro do que o melhor e é mais importante obter o share of mind do que o share of market. Madia, considerado uma das maiores autoridades em marketing no país, é extremamente influenciado pelo posicionamento, embora, como não poderia deixar de ser, mantenha uma distância do livro por razões comerciais: Posicionamento é da editora Pioneira e Madia é sócio da Makron Books, que publicou outros livros da dupla. Mas Posicionamento é enigmático porque os autores utilizam o raciocínio dedutivo, enunciando regras gerais sobre propaganda, sem deixar claro de onde esses conceitos saíram e qual foi a base empírica para isso. O que nos propomos a demostrar é que essa base empírica partiu do trabalho de William (Bill) Bernbach, criador da agência DDB e das campanhas do Fusca e da Avis, entre outras. A influência de Bernbach na publicidade é bastante conhecida, assim como a do posicionamento. O modelo da DDB serviu de inspiração para as agências brasileiras, em especial a DPZ (Petit, 1991), e grandes profissionais de Propaganda, como Alex Periscinoto (1995). Mas não encontramos nenhum trabalho que relacionasse a Bernbach e Ries-Trout, a realidade e o conceito, a base empírica e a teoria. Não nos parece difícil se estabelecer a relação quando se mergulha no universo criativo das campanhas da DDB. Esta análise também permite discutir alguns conceitos que quase todos os profissionais de propaganda utilizam para falar do dia a dia da atividade. 1

3 2. Al Ries e Jack Trout Em 1969, Al Ries e Jack Trout escreveram um artigo para a revista Industrial Marketing, comentando diversos casos de empresas, entre elas a RCA, que entrou de cara no mercado de computação e teve grandes prejuízos. Foi a primeira vez que se usou o termo posicionamento. A dupla repetiria a dose, três anos depois, em uma série de artigos na Advertising Age, que mais tarde, com novos casos, se transformaria no livro (1997). O posicionamento consiste em ocupar a mente do consumidor, ganhar o share of mind, para manter a participação de mercado (share of market). O grande problema para ocupar este espaço é a quantidade de informação que é transmitida pelos mais diversos meios: TV aberta, TV a cabo, rádio, jonal, revista, livro, mídia exterior e, mais recentemente, a internet. O consumidor médio está saturado, não adianta mais as empresas utilizarem grandes verbas para serem ouvidas. Para Ries e Trout, é preciso ser o primeiro na mente do consumidor em potencial (prospect). Marcas como Coca-cola, Marlboro, Gillette e Xerox são alguns dos exemplos de marcas que ocupam o primeiro lugar em suas categorias e só muito dificilmente saem de lá. São o maior patrimônio que uma empresa pode ter, um espaço definido na mente dos prospects. Quando não se é o primeiro em uma categoria, os autores de posicionamento afirmam que é preciso criar uma nova categoria onde se é o primeiro. Normalmente, isto significa orientar a propaganda contra o conceito da marca líder. Foi o caso do Tylenol, que tinha um slogan posicionado contra a aspirina: cure sua dor de cabeça sem ter dor de estômago. Ou da Seven Up, que em meio à guerra das colas, se posicionava como The UnCola. O Marketing, na era do posicionamento, é muito mais uma guerra entre categorias de produtos do que entre produtos ou marcas. Pois ser o primeiro em alguma categoria virou condição necessária para as marcas permanecerem no mercado. Ries e Trout ainda historicizaram a propaganda em três fases. A primeira, que eles circunscreveram aos anos 50 e batizaram de era do produto, correspondia aos anúncios orientados para as características físicas do produto e nos benefícios que ele traria para o consumidor. Era o USP (Unique Selling Proposition Proposição Única de Venda), termo 2

4 criado por Rosser Reeves e popularizado pelo livro Ciência da Propaganda, de Claude Hopkins (1997). O problema surgiu quando começaram a aparecer produtos eu também (me-too), com as mesmas características dos já existentes. O consumidor se perdeu em meio a produtos idênticos e promessas semelhantes desta propaganda. Quem salvou a pátria, segundo Ries e Trout, foi David Ogilvy, ao iniciar a era da imagem. O produto físico ficou em segundo plano, a estrela agora era a imagem da marca. A função da propaganda era criar um vínculo emocional com os consumidores. Produtos fisicamente semelhantes poderiam ser diferenciados pela imagem. Mas novamente surgiram os eu também. Todas as propagandas começaram a exibir charme, elegância, belas modelos, locações cinematográficas e tudo aquilo que os detratores da propaganda, até hoje, chamam de mundo de fantasia. Todos os profissionais e estudantes de propaganda compraram o livro do Ogilvy (1993), assim como os de John Caples (1997), e novamente o consumidor se perdeu na selva de promessas de meu produto é lindo, meu produto é charmoso. Foi aí que Ries e Trout conceituaram a era do posicionamento. Em vez de orientar a propaganda para o benefício básico do produto ou para a imagem da marca, eles defendem a orientação para a concorrência, o que significa dizer para a própria propaganda. De nada adianta fazer uma anúncio como se fosse a única peça que o consumidor vai ver. O consumidor, na verdade, está saturado de informação e não tem mais capacidade de absorver mais nada. A não ser quando se é o primeiro na mente do consumidor. Será? 3. Bill Bernbach William Bernbach nasceu em 13 de agosto de 1911, no bairro judeu do Bronx, em Nova York. Na New York University, estudou Inglês, música e filosofia, depois de passar pela escola pública. O primeiro emprego foi no escritório das Indústrias Schenley, onde nas horas vagas ficava bolando conceitos para a publicidade da empresa e as remetia para a agência responsável, a Lord & Thomas. Logo depois veria vários dos conceitos em anúncios 3

5 nos jornais. Não foi difícil para Bernbach ser transferido para o setor de marketing e propaganda. O presidente do conselho de administração da Schenley, Grover Whalen, logo reconheceu a capacidade de Bernbach e o encarregou de ser seu ghost-writer. Whalen, que também foi importante político em Nova York, introduziu Bill no meio. Vários políticos da cidade tiveram discursos produzidos por Bernbach, que também foi responsável pela parte de pesquisa da Feira Internacional de O mundo da propaganda fascinava Bernbach. Se eu posso ser ghost-writer de pessoas, por que não posso ser também de produtos? Deve ser lucrativo e muito mais interessante. Depois da Feira, ele entrou na agência de Bill Weintroub, depois passando para a Grey, uma das poucas dirigidas por judeus, em vez de WASPs (brancos, anglo-saxões e protestantes). Divergências fizeram-no sair e montar sua própria empresa, com o Ned Doyle (atendimento) e Maxwell Dane (administração). O nome escolhido foi Dole Dane Bernbach, já que nas palavras de Bill, nada vai ficar entre nós, nem mesmo pontuação (Cardoso, 1998, p. 10). A primeira campanha de sucesso da foi da loja de departamentos Orbach s, conta que Bill Bernbach trouxe da Grey. Em uma das peças, aparece a foto de um cachorro feio dizendo, no título, Odeio Orbach s. A maioria do público não se lembrava de ver uma propaganda que agredisse o próprio produto. No texto, se encontrava a explicação para a raiva do cachorrinho: sua dona só queria saber de ir à loja e não tinha tempo de passear com ele. Em seguida, foi a vez do pão de centeio judaico Levy s, com uma verba de apenas 50 mil dólares. A mídia escolhida, inicialmente, foi o jornal The Post, que possuía 80% da circulação entre os judeus de Nova York. Bernbach discordou da estratégia, preferindo veicular para o público não judeu, através do jornal World Telegram. Por que? Por mais fresquinho e bem feito que fosse o Levy s, ele nunca se compararia ao pão judeu artesanal, feito na hora nas padarias. O público-alvo ideal, portanto, deveria ser quem nunca comeu este pão. A campanha final consistia num cartaz com pessoas de várias etnias comendo o pão e com o slogan You don t have to be jewish to love Levy s Real Jewish Rye ( Você não 4

6 precisa ser judeu para amar Levy s ). Os posters de metrô desta campanha logo viraram cult e passaram a ser vendidos em livrarias e lojas especializadas. Ressalte-se que a segregação racial nos Estados Unidos, no início dos anos 50, era um grave problema e a DDB teve a coragem de expor as diferenças étnicas. Em 1954, a DDB foi contactada pelo Dr. Edwin Land, o criador da Polaroid, que enfrentava problemas por ser um produto caro e com fotos de baixa qualidade. Bill Bernbach escolheu como mídia adequada a TV, onde seria mais fácil demonstrar as características do produto. Os bons resultados da campanha fizeram com que a agência mantivesse a conta por quase 30 anos. Outro caso de sucesso foi o da companhia aérea israelense El Al. A empresa foi a primeira a realizar um vôo transatlântico dos Estados Unidos para a Europa sem parar para reabastecer no Canadá. O vôo direto economizava 20% do tempo, mas como apresentar isso aos consumidores com uma verba mínima? A saída foi um anúncio impresso com o título A partir de 23 de dezembro, o Oceano Atlântico ficará 20% menor. Mas o pulo do gato estava na foto do oceano com o efeito de que a página estaria rasgada. Diga-se de passagem, nenhuma companhia aérea tinha veiculado foto do mar para não assustar os consumidores. Mesmo o anúncio tendo sido veiculado apenas uma vez, ele fez com que a emperras triplicasse as vendas em um ano. Mas a grande façanha da DDB foi mesmo com um carro alemão, pequeno, feio e que não apresentava nenhuma inovação tecnológica. A indústria automobilística, até então, refletia o espírito expansionista da década de 50 nos Estados Unidos. Carrros cada vez maiores e mais pesados, corres berrantes, rabos de peixe e partes cromadas para brilhar mais do que o sol. A propaganda não ficava atrás, os publicitários se valiam de pesquisas que apontavam ser mais eficiente anunciar o que os consumidores desejavam do que anunciar o que eles dirigiam efetivamente um caso típico de imagem de marca. Para aumentar a sensação fantasiosa, fetichista e hiper-realista, não se usavam fotos, mas ilustrações com cores fortes, perspectivas distorcidas e outros exageros (Rothenberg, pp. 63 e ss.). Vender o Fusca assim era suicídio. Para piorar, o carro era considerado nazista, pois fora um dos xodós de Hitler, o carro do povo, e de cara já o tornava antipatizado numa cidade com grande população judia como Nova York, ou Jew York. Bill Bernbach, para a 5

7 criação, escolheu a dupla formada pelo redator Julian Koenig e o diretor de arte Helmut Krone. O primeiro anúncio criado, Pense pequeno, foi considerado o melhor deste século pela revista Advertising Age (Meio e Mensagem, 1999, p. 39). A ilustração era uma foto do carro em meio a um grande espaço em branco para ressaltar o tamanho pequeno (quebrando a regra de se destacar ilustração). O título pense pequeno era curto demais, para os padrões de Ogilvy e Caples, e não continha palavras de sucesso, ou novo e grátis. O texto não era blocado, tinha a margem direita irregular, e um tipo simples, sem serifa. O texto enumerava uma série de características negativas do carro, como tamanho e forma, para ressaltar o outro lado da moeda: pequeno custo de manutenção, maior autonomia e seguro mais barato, entre outros. O resultado deste anúncio é bastante conhecido, sendo que quando a Volkswagen, décadas depois, tirou o carro de mercado, ela não emplacou mais nenhum carro nos Estados Unidos. Outro anúncio curioso foi o do funeral de um bilionário, onde se lia em off o testamento: Para minha esposa que gastava como se não houvesse amanhã, deixo 100 dólares e um calendário. Para meus filhos, que gastavam cada centavo em carros e mulheres, deixo 50 dólares em moedas. Para meu sócio, cujo lema era gastar, gastar, gastar, eu deixo nada, nada, nada. E para meu sobrinho que sempre dizia que um tostão guardado era um tostão ganho, e dizia também que isso devia dar para comprar um Fusca, eu deixo toda minha fortuna de 100 bilhões de dólares. Mais curioso ainda foi a forma como Nizan Guanaes, da DM9DDB, conseguiu reposicionar o posicionamento deste anúncio. Toda a família ganhava mansões ou fábricas, menos o sobrinho que só ganhava uma Honda e ficava feliz da vida com isso. Mas há quem questione se realmente foi a campanha a responsável pelo sucesso do Fusca. Para o jornalista Randall Rothenberg, autor de Where the suckers moon (1994, p. 66), o carro já estava em ascensão, mesmo sem propaganda, grandes compras e com apenas 400 revendedores. Em 53, foram vendidos 2 mil carros e seis anos depois, quando a DDB conquistou a conta, já se vendiam 150 mil por ano. 6

8 O segundo caso de maior sucesso da DDB foi o da locadora Avis, com o famoso posicionamento criado em 1963: Avis é apenas a número 2 em locação. Então porque vir conosco? Porque nos esforçamos mais. Era uma comparação com a líder de mercado, Hertz. Os resultados também foram excelentes. A empresa ganhou 28% de participação de mercado em dois anos e em três aumentou o faturamento de 1 milhão e 200 mil dólares para 5 milhões. A campanha foi considerada a décima melhor pela Advertising Age. A campanha da Avis, por sinal, havia sido rejeitada em um pré-teste, mas Bill Bernbach insistiu para que ela fosse veiculada assim mesmo. Outras inovações de Bill Bernbach e da equipe da DDB foram o uso da interatividade, como no anúncio da tintura para cabelo. Aparecia a foto de um homem com metade do cabelo cinza e a outra metade tingida de preto. A legenda convidava o leitor a colocar a mão sobre a parte cinza para ver como a pessoa pareceria bem mais nova. Já a campanha da Mobil antecipou em quase 30 anos a antipropaganda de Oliveiro Toscani. A Mobil é uma distribuidora de combustível, algo bem diferente do mundo da moda, e se diferenciou pela forma dos anúncios. Um deles dizia nós perdemos muitos consumidores desta maneira, com uma foto de um carro acidentado. O objetivo era conscientizar os consumidores para a responsabilidade de dirigir com segurança. A DDB começou os anos 70 perdendo contas significativas, a partir da perda da Alka-Seltzer. A compensação veio com a conquista de sete contas da Procter & Gamble, o supra-sumo da propaganda tradicional, com caixas de sabão e testemunhais de donas-decasa. Evidentemente o resultado não foi bom, pois o estilo autoritário de gerenciamento da P&G se chocava com a idéia de independência da DDB, da qual teve de abrir mão. Bernbach deixou de lado a coordenação de criação e os diretores de contas ganharam poder na estrutura. Também não adiantou, a agência trocou cinco presidentes em poucos anos. A maneira da agência crescer foi através da aquisição de agências menores. E em 1981, Bill Bernbach morreu de leucemia. 4. Bill Ries e Jack Bernbach 7

9 A maior qualidade de Bill Bernbach não era sua criatividade, ou sua visão geral da atividade publicitária ou ainda um administrador de egos. Era um professor inspirado (Fox, 1997, p. 240). Ele formou diversos criativos que foram para outras agências ou permaneceram na DDB, ganhando menos mas satisfeitos pela liberdade no trabalho. Bernbach procurava descobrir o talento individual dos novos profissionais e dava liberdade para que pudessem se desenvolver naturalmente. O departamento de criação da DDB chegava a ser comparado com a Escola de Summerhill, onde as crianças tinham liberdade quase total para desenvolver seu potencial intelectual. Bernbach era radicalmente contra regras para boa propaganda, no estilo de Ogilvy e Caples. Outro conceito altamente criticado era a Proposição Única de Venda, de Rosser Reeves. Fico aterrorizado, disse Bill Bernbach, com agências onde se diz que o trabalho está completo quando se determina a proposição de venda (Fox, 1997, p. 251). Mas infelizmente, ele próprio não conseguiu conceituar seu trabalho, a não ser de maneira negativa ( não seguir regras ) ou trabalhando com conceitos abstratos, como inspiração. A aversão pelo academicismo e pelas receitas de bolo o fizeram desconsiderar qualquer forma de teorização mais duradoura do trabalho da agência. O máximo que ele conseguia realizar era em análises de cada caso com o grupo de criação, ou em palestras esparsas em entidades de classe. Ele não escreveu nenhum livro, por isso é bem menos lembrado que David Ogilvy, por exemplo. Basta dizer que Confissões de um publicitário vendeu, nos Estados Unidos, 400 mil cópias em cinco anos, e mais de um milhão em duas décadas. Aliás, o sucesso desse livro contribuiu para a criação de campanhas eu também, na medida em que os segredos de Ogilvy poderiam ser facilmente copiados e foram por milhares de profissionais. O mesmo vale para os livros do John Caples. Bill Bernbach também não conseguiu levar os idéias da revolução criativa dos anos 60 para outras áreas da agência. Criatividade, na prática, significava aumentar o poder da criação em detrimento do atendimento e do planejamento sem falar na área de pesquisa. Foi justamente na área de planejamento e marketing que veio esta teorização, com o Posicionamento. O que Ries e Trout estavam defendendo era algo radicalmente novo na propaganda norte-americana e, salvo as exceções de praxe, mundial. A propaganda deveria 8

10 desisitir de colocar o produto como o melhor, o mais bonito ou o mais charmoso, eliminando todos os superlativos. Deveria esquecer que é uma mentira muito bem contada, como dizia o manual de uma grande agência, para falar a verdade, mostrar a realidade feia, sem charme e sem glamour. Deveria se comparar com outras propagandas que já existiam, com outros produtos que já ocupavam um lugar de destaque na mente do consumidor, para abrir um novo espaço. Ries e Trout estavam questionando a validade dos princípios tradicionais da propaganda WASP, imbuída daquele espírito do posso fazer tudo, do voluntarismo presente na cultura norte-americana, do expansionismo e da busca incessante em ser, dizer e parecer um winner, um vencedor. Roberto Campos, por sinal, classifica o capitalismo norteamericano como capitalismo texano, em oposição ao renano, da Europa, e confuciano, do Leste Asiático. O que Bill Bernbach fez não foi apenas mostrar que mulheres, judeus, negros e outras etnias poderiam fazer boa propaganda. Isto é apenas uma curiosidade antropológica, mais adequada a algum estudo constatativo da democratização (?) étnica e racial a partir dos anos 60, nos Estados Unidos. Bernbach mostrou que a própria propaganda WASP precisava de um visão de fora, que acrescentasse algo mais que a cultura anglo-saxã-protestante não dispunha: autodepreciação. Essa é uma das maiores características da cultura judaica, o fato de se esculhambar consigo mesmo, em vez de esculhambar os outros. Isto é visível no humor de judeus no cinema, como Buster Keaton, os irmãos Marx, Peter Sellers, Woody Allen e Mel Brooks. Chaplin, de origem judaica, é um caso à parte, é o judeu que se cristianiza, como definiu o professor Silviano Santiago (1991, pp ), é hipersentimental e melodramático. Esculhambar consigo mesmo não significa apenas um excesso de bondade ou gentileza. Significa um humor defensivo, sempre do lado do mais fraco. Talvez isso explique porque a história bíblica de David e Golias seja uma das mais fascinantes. Um baixinho com uma funda vence um gigante que parecia indestrutível. Provavelmente a única cultura que possui um humor semelhante é a britânica, como mostram as sátiras do Monty Pyton. Com Bill Bernbach, pela primeira vez a propaganda norte-americana esculhambava com os próprios produtos: odeio Orbach s, Pense pequeno e Somos o número 2. 9

11 Nada mais parecido que os conceitos citados no livro de Al Ries e Jack Trout. É impressionante, inclusive, que, por mais que a dupla cite Avis e o Fusca, o nome de Bill Bernbach não apareça em nenhuma linha. Como o trabalho da DDB não foi adequadamente conceituado, ele pode ser interpretado como um simples delírio de criação, mesmo que genial. Pode significa usar o humor na propaganda. O humor, na verdade, não significa nada mais do que uma imagem favorável, um apelo ao sentimento, mas ainda restrito à segunda fase da propaganda. O essencial do humor da DDB é a lógica que está por trás dele, a lógica do mais fraco e a lógica do posicionamento. Al Ries resumiu isto quando disse que o marketing de hoje é muito mais uma guerra de categorias do que uma guerra de marcas. Bill Bernbach não chegou a tomar consciência disto, pois não se interessava pela parte de planejamento e marketing, não sabia das conseqüências de seu trabalho. Essas conseqüências foram muito além das divisórias da criação, ou mesmo da Madison Avenue, atingiram em cheio todas as estratégias dos clientes e o trabalho de outras divisões da empresa. Basta tomar como base o pensamento de Peter Drucker, citado por Madia (1994, pp ): o patrimônio da empresa está fora dela, está nos clientes atuais e potenciais. Ter clientes como patrimônio significa justamente ocupar um espaço na mente, ser primeiro em alguma coisa para eles (posicionamento). E se esses clientes são o único patrimônio, não vão ser apenas de responsabilidade de apenas um departamento, seja o de marketing ou o de propaganda. Toda a empresa é responsável. Nas palavras de Alfred D. Chandler, que pouca gente sabe que foi quem mais influenciou Drucker, a estrutura segue a estratégia (1990). Toda a estrutura da empresa, e não apenas o produto, deve ser adaptada em função da estratégia, que, sob a perspectiva da comunicação, significa o posicionamento. Portanto, se uma empresa como a Volvo ocupa um espaço na cabeça dos consumidores, sendo considerado o carro mais seguro, toda a estrutura deve se adaptar a isto. A produção deve centrar os esforços em destacar o aspecto de tanque de guerra dos carros, para sensibilizar os consumidores. O setor de pesquisa e desenvolvimento deve aperfeiçoar cada vez mais a segurança do carro, pesquisando novos airbags ou barras de 10

12 proteção. RH deve contratar, por exemplo, engenheiros que tenham um mínimo de especialização ou conhecimento na área de segurança automotiva. Finanças deve levar em conta o posicionamento em segurança para alocar recursos neste setor de maneira mais competitiva do que o setor financeiro dos concorrentes. Nem é preciso falar das conseqüências na propaganda, que já têm meio caminho andado com as modificações das empresas. Outro caso é o da Skol, posicionada como a primeira (em todos os aspectos) cerveja em lata no Brasil. Qualquer novidade sobre latas, por mais contraproducente que possa parecer, deve ser lançada imediatamente pela empresa. Foi assim com a lata de alumínio, a tampa ecológica e a boca redonda, mas também foi com a lata de 500 ml e o barril de um livro em formato de lata, ambos fracassados. Mas que cumpriram seu papel de manter viva na mente do consumidor o primeiro lugar. Portanto, a utilização da lógica do segundo lugar por Bill Bernbach, na melhor tradição cultural judaica, revolucionou não só a forma de se fazer propaganda, mas o marketing e a própria noção de estrutura da empresa. Infelizmente o maior publicitário de todos os tempos morreu sem ter consciência disto. Ou então, vai ver que ele só estava fingindo que não sabia para pregar uma peça em todos nós, uma peça de autodepreciação. 5. Bibliografia BERNBACH, William et alii (1965). The art of weiting advertising: conversations with Masters of the Craft. Lincolnwood (Illinois), NTC; CAPLES, John (1997). Tested advertising methods. New Jersey: Prentice Hall, Quarta edição; CARDOSO, Aline Arantes (1998). O que Bill Bernbach nos ensinou: como seu trabalho mudou a maneira de se fazer propaganda. Monografia de conclusão de curso na ECO/UFRJ, orientador André Martins; CHANDLER, Alfred Dupont (1990). Strategy and structure: chapters in the history of the industrial enterprise. Cambridge (Massachusetts): MIT Press. Vigésima edição; FOX, Steven (1997). The mirror makers: a history of american advertising & its creators. Urbana (Illinois), Illini Books, Nova edição atualizada; 11

13 HOPKINS, Claude (1997). Scientific advertising. Paonia: TLC Publishing. LEVENSON, Bob (1987). Bill Bernbach s Book. Nova York: Villard Books. MADIA DE SOUZA, Francisco Alberto (1994). Introdução ao marketing de 6a geração. São Paulo, Makron Books; (1998). Os axiomas do marketing. São Paulo, Makron Books; MAYER, Martin (1986). Madison Avenue, U.S.A: the extraordinary business of advertising and the people who run it. Lincolnwood (Illinois), NTC, Nova edição atualizada; MEIO E MENSAGEM. As maiores campanhas do século em Um século de propaganda, edição especial, abril São Paulo: Editora Meio e Mensagem, pp. 38 e ss.; OGILVY, David (1993). Confissões de um publicitário. São Paulo: Bertrand Brasil, Edição revista com novo prefácio do autor; PERISCINOTO, Alex (1995). Mais vale o que se aprende que o que te ensinam. São Paulo: Best Seller; PETIT, Francesc (1991). Propaganda Ilimitada. São Paulo, Siciliano; ROTHENBERG, Randall (1994). Where the suckers moon: the life and death of na Advertising Campaign. Nova York, Vintage / Knopf; RIES, Al e TROUT, Jack (1989). Marketing de Guerra. São Paulo, McGgraw-Hill; (1997). Posicionamento: a batalha pela sua mente. São Paulo, Pioneira, Sétima edição; SANT ANNA, Armando (1998). Propaganda: teoria, técnica e prática. São Paulo, Pioneira, Sétima edição revista e atualizada; SANTIAGO, Silviano (1991). Stella Manhattan. Rio de Janeiro: Rocco, Segunda edição. 12

Os tempos mudaram. Campanha de valorização

Os tempos mudaram. Campanha de valorização Campanha de valorização Os tempos mudaram Terceira fase da Campanha de Valorização do Marketing Direto enfatiza a revolução nas formas de conquistar o público e a proximidade da disciplina com as novas

Leia mais

Marketing para Empresas de Contabilidade. Fernanda Rocha

Marketing para Empresas de Contabilidade. Fernanda Rocha Marketing para Empresas de Contabilidade Fernanda Rocha O que é Contabilidade? O que é Contabilidade? A solteira é Crédito. A casada é Débito. A cunhada é Previsão para Devedores Duvidosos. A bonita é

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado

ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE. Por: Alexandre Maldonado ROI COMO SABER DEFINITIVAMENTE O RESULTADO DAS AÇÕES DE MARKETING DO SEU E- COMMERCE Por: Alexandre Maldonado Autor do site Marketing para E- commerce www.marketingparaecommerce.com.br TERMOS DE RESPONSABILIDADE

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes?

AdWords. Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Anuncie no Google e Venda Mais! Expanda sua empresa! Você tem um argumento de vendas e precisa captar mais clientes? Ligue para nós e conheça a melhor estratégia para atender às necessidades de vendas

Leia mais

ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada.

ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada. ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada. Best - Seller com milhares de cópias vendidas. Prático, dinâmico, com

Leia mais

ARTIGO PUBLICADO NO SITE: WWW.RG9.ORG DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO HOLÍSTICO: UMA NOVA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO.

ARTIGO PUBLICADO NO SITE: WWW.RG9.ORG DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO HOLÍSTICO: UMA NOVA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO. ARTIGO PUBLICADO NO SITE: WWW.RG9.ORG DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO HOLÍSTICO: UMA NOVA PROPOSTA DE POSICIONAMENTO. Petrópolis 2009 DENNYS MAYRINCK DE CARVALHO MONTEIRO POSICIONAMENTO

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

Mídia Kit 2015. Publicidade. Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014

Mídia Kit 2015. Publicidade. Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014 Mídia Kit 2015 Publicidade Tabela com vigência a partir de janeiro de 2015 Versão I em 26/11/2014 Multiplataforma A Prazeres da Mesa é hoje a mais dinâmica produtora de conteúdo de gastronomia em várias

Leia mais

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS

CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4. Prof. Breno Brito. Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS CURSO: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA TURMA: CS3/CS4 DESENVOLVIMENTO DE CAMPANHA Apostila 5 OS TIPOS DE CAMPANHAS OUTUBRO 2008 OS TIPOS DE CAMPANHAS Já vimos que campanha publicitária é um

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 18

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 18 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 18 Índice 1. Imagem - Continuação...3 1.1. Posicionamento... 3 2. Referências Bibliográficas...3 2 1. IMAGEM - CONTINUAÇÃO 1.1. POSICIONAMENTO Al Ries (1993) 1 apresenta: lei

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela Fundamentos da Propaganda TV e Cinema Prof. Adriano Portela Brasil, 1950. A chegada da televisão revoluciona a vida dos brasileiros. Os Anos de Chumbo, como foram chamados os 20 anos de ditadura, marcaram

Leia mais

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência)

Manual prático de criação publicitária. (O dia-a-dia da criação em uma agência) Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em uma agência) MANUAL final2.indd 1 14/3/2006 23:19:58 Flávio Waiteman Manual prático de criação publicitária (O dia-a-dia da criação em

Leia mais

Gestão de Marketing Ricardo Almeida, Dr. 02/10/09

Gestão de Marketing Ricardo Almeida, Dr. 02/10/09 Administração Noturno - 5º período Gestão de Marketing Ricardo Almeida, Dr. 02/10/09 1 (Ricardo 2009 Vale 0,5) Foi comentado em sala que a propaganda do Supermercado Beira Rio em Gurupi, tinha sido mal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO 1 AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO SEU ANÚNCIO O Sr. Asdrúbal Matrimônio, proprietário da gráfica Casamentos & Casórios Ltda., especializada em convites de casamento com dobras e cortes especiais, oferecia um

Leia mais

Briefing O que é? Para que serve?

Briefing O que é? Para que serve? Faculdade de Tecnologia da Paraíba CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA A INTERNET DISCIPLINA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB ESTÁTICAS PERÍODO: P2 Semestre: 20082 PROFESSOR Geraldo Rodrigues

Leia mais

Empreendedorismo e marketing na Internet. Página 1

Empreendedorismo e marketing na Internet. Página 1 Empreendedorismo e marketing na Internet Página 1 O que é empreender? Segundo o Michaelis, por em execução Citando Bob Wollheim: Empreendedor é uma pessoa que faz o que os outros não fazem, que vê o que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Gabarito

CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Gabarito Verifique se este caderno contém: INSTRUÇÕES

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing

Planejamento Estratégico de Comunicação de Marketing Prof. Edmundo W. Lobassi O único objetivo da propaganda é vender, não há nenhuma outra justificativa que mereça ser mencionada. (Young & Rublican) Satisfazer a necessidade do consumidor. (David Ogilvy)...

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO

TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO TEXTO RETIRADO DO LIVRO: RESILIÊNCIA COMO SUPERAR PRESSÕES E ADVERSIDADES NO TRABALHO O QUE PODEMOS APRENDER com a experiência de vida de pessoas resilientes é que, para enfrentar situações difíceis, é

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Tema: Apresentação de alguns conceitos de posicionamento. Posicionamento: uma batalha por sua mente, além das definições de Philip Kotler.

Tema: Apresentação de alguns conceitos de posicionamento. Posicionamento: uma batalha por sua mente, além das definições de Philip Kotler. Fiorella Del Bianco Tema: Apresentação de alguns conceitos de posicionamento. Objetivo: Através desta aula o aluno obterá o conhecimento de algumas opções de estratégias para posicionar adequadamente a

Leia mais

manual básico de mídia

manual básico de mídia manual básico de mídia Manual Básico de Mídia 1 2 Manual Básico de Mídia 2015 Índice_ 01. Amostra...4 02. Público-alvo...6 03. Audiência de TV...8 04. GRP...12 05. Alcance e frequência...14 06. Custo por

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA 29. 09. 2014 Geral Nome da pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO Autor 2 Apêndice: Pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO A reunião na agência foi muito positiva. Márcio

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Marketing Infantil. Professor André Martins

Marketing Infantil. Professor André Martins Marketing Infantil Professor André Martins Século 20 Crianças vistas como seres inocentes e cheio de desejos; Natal única época de conseguir presentes; No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar

Leia mais

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados

Thaísa Fortuni. 15 dicas de Mídias Sociais para Moda. Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Thaísa Fortuni Thaísa Fortuni 15 dicas de Mídias Sociais para Moda Copyright 2015 - Todos os direitos reservados Sobre Thaísa Fortuni Publicitária por formação, escritora e empreendora digital. Trabalha

Leia mais

PROPAGANDA. Propaganda. Considerações iniciais. Propaganda. Propaganda. Papel da propaganda. Propaganda. Propaganda. Missão.

PROPAGANDA. Propaganda. Considerações iniciais. Propaganda. Propaganda. Papel da propaganda. Propaganda. Propaganda. Missão. PROPAGANDA Considerações iniciais É a parte mais glamourosa do Marketing Mix (exposição); Exige talento e planejamento Representa mais de 1% do PIB Todos (acham que) entendem; Papel da propaganda A compra

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis.

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis. 1 PROMOÇÃO DE VENDAS Constituída há pouco mais de dois anos, a loja de confecções da Dona Cida já possuía uma boa clientela, porém ela acreditava que ainda poderia crescer bastante. Assim, tinha na prateleira

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade Urbana; Dia sem carro; Bicicleta; Automóvel. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO: PALAVRAS-CHAVE: Mobilidade Urbana; Dia sem carro; Bicicleta; Automóvel. 1 INTRODUÇÃO A evolução está a uma pedalada de acontecer 1. Evandro Luiz Gomes 2 Fabiana Tarnowsky 3 Gisele Baumgarten Rosumek 4 Instituto Blumenauense de Ensino Superior IBES Sociesc RESUMO: A presente peça publicitária

Leia mais

O que é promoção de vendas e para que serve?

O que é promoção de vendas e para que serve? 4 Para aumentar as vendas, ela precisa basicamente fazer com que os clientes atuais comprem mais ou trazer novos clientes para a loja. Nos dois casos, fica evidente que ela terá que oferecer mais benefícios

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: American Airlines; Anúncio Impresso; Institucional; História.

PALAVRAS-CHAVE: American Airlines; Anúncio Impresso; Institucional; História. Institucional American Airlines 1 Arthur Colaço FERRARI 2 Gisele Nepomuceno CHAVES 3 Letícia Maria Morgado RODRIGUES 4 André TEZZA 5 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O presente trabalho foi desenvolvido

Leia mais

O ABC do Programa de Fidelização

O ABC do Programa de Fidelização O ABC do Programa de Fidelização COMO E POR QUÊ RETER CLIENTES? Diagnóstico As empresas costumam fazer um grande esforço comercial para atrair novos clientes. Isso implica Investir um alto orçamento em

Leia mais

Capítulo 1 Por que Google Marketing?

Capítulo 1 Por que Google Marketing? Capítulo 1 Por que Google Marketing? O Google modificou substancialmente a maneira como o mercado lida com a informação e informação, na nossa sociedade pós terceira onda, é tudo. Do dinheiro ao eletrodoméstico,

Leia mais

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes

Informações Gerais. 34 parceiros de mídia e publicidade. 220 expositores. + de 500 marcas. + de 20 mil m 2. 35 mil visitantes O Evento A PHOTOIMAGE BRASIL, maior feira de imagem da América Latina, reuniu mais de 35 mil participantes ligados ao segmento e provou nesta sua 22ª edição que soube se adaptar às rápidas mudanças do

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

#almoçocomnegócios. Escrever não é um bicho de 7 cabeças

#almoçocomnegócios. Escrever não é um bicho de 7 cabeças Flavia Rebello, integrante criativa da Biblio Ideias, mostra dicas de como ter uma boa escrita, e escrever posts para blog, com conteúdo relevante, e que prendam a atenção do leitor. Escrever não é um

Leia mais

Mídia Digital 1. Palavras-chave: Sinval; Cabeleireiro; Beleza; Estética; Maquiagem.

Mídia Digital 1. Palavras-chave: Sinval; Cabeleireiro; Beleza; Estética; Maquiagem. Mídia Digital 1 Daniel Souza TEIXEIRA 2 Eduardo dos Santos LEAL 3 Elieber Potiguar Luna de SOUZA 4 Natasha Maria Cantalice Wanderley de ARAUJO 5 Priscilla Ferreira de Souza Gadelha SIMAS 6 Ruth Marreiro

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

O Evento. Enquanto o Congresso e Seminário, com sua rica programação reuniram 168 palestrantes, e contou com a participação de 1.060 congressistas.

O Evento. Enquanto o Congresso e Seminário, com sua rica programação reuniram 168 palestrantes, e contou com a participação de 1.060 congressistas. O Evento O principal evento do setor na América Latina - a ExpoAlumínio - superou todas as expectativas em sua Edição de 2012. Realizado simultaneamente ao V Congresso Internacional do Alumínio e o XI

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

203.000 146.000 1.420.000 2ª. BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente

203.000 146.000 1.420.000 2ª. BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente BOA FORMA é lider disparada do segmento e é Corpo a Corpo, principal concorrente 5x maior que BOA FORMA vende mais de circulação garantida de BOA FORMA fala com mais de Entre as revistas femininas, é a

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Os 10 HÁBITOS DE SUCESSO D O S I N V E S T I D O R E S E M VA L O R W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos,

Leia mais

Interagindo com a Webcore 1

Interagindo com a Webcore 1 Interagindo com a Webcore 1 Fernando de França LOPES 1 André Gaspar dos SANTOS 2 Carolina Olivieri da Silva FABOSSI 3 Daniel de Souza CORREA 4 Laís Akemi YOKOHAMA 5 Paula Renata Camargo de JESUS 6 Universidade

Leia mais

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing.

coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. 10 coisas que você PRECISA SABER antes de investir em marketing. Quem é o seu público? Para quem você quer vender? Parece óbvio, não? Mas muitos empreendedores engasgam para responder esta pergunta. Na

Leia mais

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento

Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário Apoios Dados Gerais Expositores Visitantes Congresso Fenabrave Campanha de Marketing Mídia Espontânea Fotos do evento Sumário XXI EDIÇÃO DO CONGRESSO FENABRAVE TERMINA COM PREVISÃO OTIMISTA PARA

Leia mais

Mídia Kit Jornal Correio

Mídia Kit Jornal Correio Mídia Kit Jornal Correio Com mais de 77 anos de tradição, o Jornal Correio faz parte da história de Uberlândia e não para de evoluir. De olho no que acontece no país e no mundo, é um jornal moderno, completo

Leia mais

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br

VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br VISITE O BLOG www.homemalpha.com.br APRESENTAÇÃO A timidez é um problema que pode acompanhar um homem a vida inteira, tirando dele o prazer da comunicação e de expressar seus sentimentos, vivendo muitas

Leia mais

COMO NÃO FAZER. os 10 erros mais comuns em um projeto de inbound marketing

COMO NÃO FAZER. os 10 erros mais comuns em um projeto de inbound marketing COMO NÃO FAZER os 10 erros mais comuns em um projeto de inbound marketing Se a sua empresa acabou de começar um projeto de inbound marketing ou planeja iniciá-lo em breve é natural que a expectativa esteja

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM Ligia Caranicola Cano Google AdWords, a plataforma de publicidade online do Google São Paulo 2012 Ligia Caranicola Cano Google

Leia mais

nas Mídia impressa - conceito-chave: Seletividade

nas Mídia impressa - conceito-chave: Seletividade Criaçãomídias Mídia impressa...... nas JORNAL E REVISTA Mídia impressa - conceito-chave: Seletividade A grande vantagem da mídia impressa está na sua capacidade de atintir um público com um interesse seletivo,

Leia mais

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz Em abril de 2.000 Jack Welch - o executivo do século foi entrevistado pela Executive Focus International. Essa entrevista foi coberta com exclusividade pela revista brasileira HSM Management, edição de

Leia mais

Afinal, O que São Gatilhos Mentais?

Afinal, O que São Gatilhos Mentais? 13 Gatilhos Mentais pra Explodir suas Vendas! Pra quem não sabe, gatilhos mentais são conceitos que aplicamos desde o primeiro contato com a lead (potencial cliente) para aumentar as chances de transformar

Leia mais

Honrar os valores, uma questão de integridade

Honrar os valores, uma questão de integridade Honrar os valores, uma questão de integridade Por: P.A. (Paulo Alvarenga) Nos últimos congressos de desenvolvimento profissional que participei, o que mais tenho escutado é sobre a importância dos valores.

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching,

5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, 5Etapas Para Conseguir Clientes de Coaching, Consultoria, Terapias Holísticas e Para Encher Seus Cursos e Workshops. Parte 01 Como Se Posicionar e Escolher os Clientes dos Seus Sonhos 1 Cinco Etapas Para

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Como fazer Newsletters de Sucesso

Como fazer Newsletters de Sucesso ebook Como fazer Newsletters de Sucesso egorealestate.com Não compre base de dados Não utilize base de dados compradas ou sobre as quais não detêm direitos. Este poderá tornar-se um mau investimento, devido

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Curso Completo de Marketing Multinível MARKETING DE ATRAÇÃO

Curso Completo de Marketing Multinível MARKETING DE ATRAÇÃO Curso Completo de Marketing Multinível MARKETING DE ATRAÇÃO MARKETING DE ATRAÇÃO Uma das estratégias mais poderosas que você pode usar para trabalhar com contatos frios é o marketing de atração. Esse é

Leia mais

Vestibular ICEC 2014! 1

Vestibular ICEC 2014! 1 Vestibular ICEC 2014! 1 Franck H. Oliveira Durgo GOMES 2 Elizângela Luiza Barbosa LUIZ 3 Weslene de Sousa MOTA 4 Mateus Pereira da SILVA 5 Steffany Verônica de Sousa DIAS 6 Thiago Sérgio PEDROSO 7 Cláudio

Leia mais

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento.

O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. 2º Seminário Nacional de REDES SOCIAIS e E-GOV para Administração Pública O marketing aplicado aos mandatos : A importância da leitura de cenário para o planejamento. Daniel Machado Especialista em Marketing

Leia mais

COMO FAZER MEU NEGÓCIO CRESCER RÁPIDO

COMO FAZER MEU NEGÓCIO CRESCER RÁPIDO 30 GRANDES COMO FAZER MEU NEGÓCIO IDÉIAS DE MARKETING PARA PEQUENOS NEGÓCIOS CRESCER RÁPIDO Descubra os erros comuns que impedem um negócio de crescer e saiba as três estratégias que você deve implementar

Leia mais

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br

COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO. Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA CONTEXTO Professora Rosicler Bettarelli rbettarelli@cidadesp.edu.br A COMUNICAÇÃO MERCADOLÓGICA...... deve ser elaborada a partir do quadro sociocultural do consumidor alvo COMUNICAÇÃO

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

:: Projeto Fala Mídia 2013 ::

:: Projeto Fala Mídia 2013 :: Objetivo Macro > Conteúdo e Relacionamento Promover os meios de comunicação e veículos, junto ao mercado publicitário catarinense. Eleger um profissional imparcial (neutro) que não seja de veículo patrocinador

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

1. Liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. Nós sempre lembramos do primeiro que fez alguma coisa.

1. Liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. Nós sempre lembramos do primeiro que fez alguma coisa. Autor: Al Ries 1. Liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. Nós sempre lembramos do primeiro que fez alguma coisa. - Se uma marca for líder em qualquer categoria, sempre será líder na mente

Leia mais

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce

O Que Preciso para Vender pela Internet? E-Commerce Os números da INTERNET Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Números do Facebook Mídia Social Somos o 4º país do Mundo em número de usuários. Pr of. Ca rlo s No tar i Estatísticas

Leia mais

E-books. Marketing no Facebook. Sebrae

E-books. Marketing no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Marketing no Facebook Marketing de conteúdo e engajamento na rede Marketing de conteúdo no Facebook Tipos de conteúdo Edge Rank e os fatores de engajamento Facebook Ads

Leia mais

M A R K E T I N G A M B I E N T A L

M A R K E T I N G A M B I E N T A L MARKETING AMBIENTAL 01 Quem precisa da Pixspin? Empresas atendidas por agências de comunicação tradicionais Agências tradicionais não entendem do assunto ambiental Cliente tem que explicar o que deseja

Leia mais

Aula 4 Lugares de argumentação

Aula 4 Lugares de argumentação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Design Disciplina Seminário de desenvolvimento de tese Aula 4 Lugares de argumentação Profa. Dra. Jackeline Lima Farbiarz

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido!

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! 1.1. MIX DE MARKETING Você já deve ter feito o nosso Teste de Conhecimentos

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce...

Bleez Agência Digital... 3. Quem sou eu... 4. Introdução... 5. Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7. Quem está comprando no ecommerce... Sumário Bleez Agência Digital... 3 Quem sou eu... 4 Introdução... 5 Quanto o ecommerce cresceu no Brasil... 7 Quem está comprando no ecommerce... 10 Por que os brasileiros estão comprando mais... 12 O

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA:

O SIGNIFICADO DA PESQUISA: O SIGNIFICADO DA PESQUISA: ESCRITO POR Clive de Freitas PUBLICADO Outubro 2013 como ela molda nossas vidas e cria marcas O RESUMO Como profissionais de marketing, é fácil reduzir a pesquisa para métricas

Leia mais