Mobilidade Corporativa & Governança & Inovaçao

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mobilidade Corporativa & Governança & Inovaçao"

Transcrição

1 Mobilidade Corporativa & Governança & Inovaçao 1

2 Portfolio Clientes 2

3 Portfolio Clientes 3

4 Agenda Visão estratégica de projetos de mobilidade. Convergência: redes, terminais e aplicações Redes de acesso sem fio em banda larga WWAN Telefonia Celular 2 a 3 G WLANs Wi-Fi (Padrão IEEE ) Redes Wi-Fi Mesh WMANs WiMax (Padrão IEEE ) Wi-Fi + WiMAx Governança em Mobilidade Corporativa Considerações Finais 4

5 Visão Estratégica de Projetos de Mobilidade 5

6 6

7 7

8 8

9 Visão Estratégica Projetos de Mobilidade Aplicada ao mundo corporativo a evolução dos serviços móveis terá como fruto principal a viabilização plena da mobilidade corporativa. As tecnologias de mobilidade (wireless e computação móvel) devem ser olhadas como um portfolio tecnológico que inspira novas formas de fazer negocio. Devendo ser encaradas como parte de um programa de melhoria de processos. 9

10 Visão Estratégica Projetos de Mobilidade A essência de um projeto de mobilidade é... melhorar a comunicação hoje e a eficiência transacional amanhã. Devendo este portfolio tecnológico de mobilidade ser tratado dentro do processo mais amplo de Governança de TIC como... Gestão de Inovação Tecnológica e não tão somente como Gestão de Infra-estrutura. 10

11 Visão Estratégica Projetos de Mobilidade A pesquisa Global CEO Study 2006 realizada pela IBM junto a 750 executivos de todo o mundo, concluiu que a principal percepção dos CEO s para o cenário atual é que: Inovar em modelos de negócios e operações são os mecanismos chaves para promover mudanças nas companhias atualmente Como consequência TIC se consolidará como um dos pilares de sucesso das principais companhias publicas e privadas do mercado. Saber explorar melhor os recursos da mobilidade corporativa será uma questão de sobrevivência. 11

12 Mobilidade Corporativa Estudo sobre Mobilidade Corporativa - IDC em Maio/07: Uso de aplicações móveis pelas empresas ainda é baixo na AL, apenas 30 % da força de trabalho móvel utilizam algum tipo de comunicação móvel para se conectar ao escritorio. As empresas ainda precisam 'enxergar' o valor agregado que a mobilidade pode trazer ao negócio e ter acesso a produtos e serviços mais eficientes" Romina Aducci, diretora do IDC América Latina O Brasil é o que detém a menor taxa de penetração de soluções móveis no ambiente corporativo o levantamento foi realizado junto a 301 empresas com 500 funcionários ou mais. Para a analista da IDC, trata-se de uma questão cultural, cuja mudança de mentalidade demanda tempo. 12

13 Principais razoes para as empresas utilizarem soluçoes de Mobilidade Maior eficiência da força de trabalho: 58% Flexibilidade: 37 % Melhor apuraçao e diminuiçao de erros: 29 % Mais conveniência ao poder estar em outro ambiente realizando o mesmo trabalho: 25 % Aumento na possibilidade de atualizaçao de dados empresariais mesmo em movimento: 23 % Suprimento de novas necessidades de negócios: 20 % Boa relaçao custo/beneficio: 12 % Maior velocidade de processamento de informaçoes: 5 % Fonte: IDC Maio / 07 13

14 Mobilidade Corporativa E o que é Mobilidade Corporativa? 14

15 Mobilidade Corporativa Se a pergunta for efetuada para o CEO da empresa, mobilidade é a possibilidade de responder s enquanto estiver fora do escritório. Se for efetuada para um representante de vendas, mobilidade é a possibilidade de acessar informações importantes durante uma visita a um cliente. Se for efetuada para um consultor de negócios, mobilidade é a possibilidade de estar em um seminário ou em um cliente e receber e responder questões urgentes de projetos em andamento. O fato que estamos vivenciando é que a mobilidade esta mudando radicalmente a forma de como fazer negócios e rapidamente alterando os conceitos tradicionais de trabalhar. 15

16 Mobilidade Corporativa Pessoas, Processos e Tecnologia Deve-se destacar que Mobilidade é muito mais que tecnologia, é o entendimento de como pessoas, processos e tecnologia se interagem para fazer o trabalho melhor. Pessoas: acesso apropriado e fácil para informações e aplicações independentemente de local, hora do dia ou dispositivo. Processos: soluções com custo efetivo que melhorem a eficiência dos processos para alcançar os objetivos estabelecidos de melhoria da satisfação dos clientes e redução de custos operacionais. Tecnologia: infra-estrutura escalonável, segura e interoperável que possibilite atender às necessidades das pessoas e dos negócios. 16

17 Mobilidade Corporativa Cenário atual Um certo caos está estabelecido: - a grande maioria dos dispositivos móveis passou a fazer parte das atividades da corporação através das áreas de negócio sem nenhuma estratégia centralizada; - sem um melhor aproveitamento e gestão de recursos nos aspectos de suporte técnico à infra-estrutura; - na aferição dos custos totais de propriedade; - na avaliação clara do retorno de investimentos. Esta alternativa de uso dos dispositivos móveis sem uma estratégia corporativa pode resolver problemas específicos, pontuais e de momento da corporação. Entretanto... pelo fato de não levar em conta a corporação como um todo, pode até criar problemas maiores num futuro próximo. 17

18 Mobilidade Corporativa Drivers Está se cunhando no mercado o termo Mobilidade Corporativa que engloba a adoção de direcionamentos para o paradigma da comunicação wireless na Gestão Corporativa. Existe uma consciência clara de que as soluções de mobilidade são : - aplicações de tecnologia wireless para incrementar a produtividade; - viabilizar novos serviços e produtos; - reduzir custos; - criar valor agregado para as corporações. - Deve-se destacar que wireless é um sub-conjunto de mobilidade, mas mobilidade não é necessariamente traduzida por wireless. Onde existe ruptura física entre trabalhadores/clientes e as informações que necessitam para executar seus trabalhos/operações, aplicações wireless tem forte apelo. As soluções de mobilidade encontram terreno fértil em ambientes de trabalho caótico onde o tempo de acesso às informações é critico. 18

19 Mobilidade Corporativa Drivers Identificar os principais fatores que devem ser observados durante o processo de avaliação e contratação dos serviços de mobilidade corporativa é um dos principais desafios das organizações usuárias. Alguns dos fatores chaves a serem observados são: a) a demanda por mobilidade segmentada por perfil de usuário no ambiente corporativo; b) a integração das aplicações com os sistemas de gestão empresarial; c) a diversidade de tecnologias; d) a multiplicidade de provedores/operadoras, a regionalização das mesmas e a diversidade de oferta dos planos corporativos. e) a diversidade de equipamentos e terminais; f) a questão de segurança, da cobertura e do roaming; g) como realizar a gestão de contratos com provedores de solução, inclusive nos aspectos de SLA s praticados e de suporte técnico. 19

20 Redes de acesso sem fio em banda larga 20

21 Acesso Sem Fio em Banda Larga WPAN WLAN WMAN WWAN Wireless Personal Area Network Wireless Local Area Network Wireless Metropolitan Area Network Wireless Wide Area Network Infrared Hyperlan MMDS GSM/GPRS/ Tecnologia Bluetooth Zigbee Hyperlan (WiFi) LMDS (WiMax) EDGE CDMA 3G Velocidade < 1Mbps 2 a 54 Mbps 15 a 100 Mbps 128 Kbps a 14 Mbps Alcance 10 m m Área urbana Área urbana, suburbana e rural Aplicações Peer-to-peer Cable replacement Redes locais privadas e corporativas Acesso Pontomultiponto Última milha PDAs/Smart phones Telefones celulares 21

22 Telefonia Celular 22

23 Telefonia Celular HOMO SAPIENS CORPO CABEÇA MEMBROS HOMO MOBILIS CABEÇA CORPO MEMBROS + O 23

24 Telefonia Celular Revolução em Movimento...o Celular transformando a Sociedade e o Mundo Corporativo Espaço Uma pessoa pode estar virtualmente presente num encontro de amigos...por voz, mensagem e video phone. Amizades As pessoas tendem a diminuir o ciclo de amizades, mas os relacionamentos são mais intensos graças ao poder de comunicação móvel, inclusive através de M-Blogs. Emoções Recursos de SMS e MMS, envio de fotos (Photo albuns) e videos (You Tube) tornam possível em tempo real compartilhar emoções e acontecimentos importantes. Segurança Telefone móvel é símbolo de conectividade, transmitindo a sensação de que é possível acionar auxilio em caso de emergência. 24

25 Telefonia Celular Antropofagia digital Metamorfose ambulante do celular engolindo outras tecnologias Câmaras Fotográficas Em 2005 quase metade do volume de telefones celulares vendidos no mundo possuíam câmeras fotográficas, em 2009 estima-se que 08 em cada 10 celulares possuirão câmera. Filmadora Estima-se que na Europa em 2006 cerca de 50 % dos celulares terão uma câmera de vídeo incorporada. Já existem festivais de filmes e video clip especificos para celular. (MicroMovie Award) Saúde A LG lançou um aparelho que mede a taxa de glicose no sangue do usuário e informa as medidas a serem tomadas. 25

26 Telefonia Celular Antropofagia digital Música Os ringtones movimentaram cerca de U$ 5 bilhões em A banda inglesa Cold Play lançou uma de suas musicas primeiro pelo celular, antes de lançar em CD e liberar para o rádio. Estemercado movimentou em 2006 cerca de US$ 1,5 bilhões TV, Rádio, Cinema, Livros As operadoras já oferecem canais de TV pelo celular em todos os padrões: ISDB Integrated Services Digital Broadcasting (padrão japones); DVB-H - Digital Video Broadcast Handheld (padrão europeu); MediFlo (padrão americano). Alguns traillers de filmes também podem ser assistidos através da telinha do celular, jogos em grupo (M-Gaming). No Japão é possível fazer down load de livros... serviço bem sucedido. 26

27 Telefonia Celular Transformação do Mundo dos Negócios Como estratégia de Negócios M-marketing Nova mídia para captar e fidelizar clientes - Endo-marketing Aproximação/integraçao empresa / funcionários. Apoio à causas do Terceiro Setor Projeto Rede Pipa Móvel da ECA-USP, permite baixar ring tones e wall papers produzidos por comunidades carentes (Praia da Pipa, Xingu), a renda é em prol da comunidade

28 Telefonia Celular M Finance 1. M-payment - Celular como meio de Pagamento - Pagamentos em Vending Machine, Ticket eletrônico, Taxi, etc.. - Ingresso eletrônico: a Smartmachine e a Skidata AG desenvolveram um sistema de ingresso via SMS, através de um código de barras em 2D. - Substituição ao Plástico: pagamentos em substituição aos tradicionais cartões de crédito e débito. 2.M-banking - M-Cash emulam ambiente de internet banking possibilitando o pagamento de contas via débito automático, consulta a saldos, transferencias, etc. - Obs: GSMA e Mastercard anunciaram em Fev/07 um projeto global de remessas financeiras pelo celular. 3. M-POS / M-ATM Existem duas categorias de mobile POS: POS convencionais fixos se tornando móveis. - Mobile POS como software puro rodando em celulares/smartphones. 4. M-Branch / M-Credit - M-Branch Agência móvel. - M-Credit: concessao de credito através 28 do celular Fonte: MG Systems 28

29 Telefonia Celular Redes de Pacotes de Dados: Sistemas 2,5 G 1. GPRS - General Packet Radio Service - padrão GSM Passo importante para o desenvolvimento das redes multiserviços de 3ª geração. Possibilita transmissão de dados à taxa nominal de 160 Kbps. 2. EDGE Enhanced Data Rate for Global Evolution - padrão GSM Também utiliza comutação de pacotes possibilitando taxas de transmissão de até 384 Kbps. 3. CDMA2000 1x: é a primeira fase de evolução do padrão CDMA possibilitando taxas de transmissão de 144 Kbps. 29

30 Telefonia Celular Sistemas de Terceira Geração 3G Formalmente denominada pela UIT como Sistemas IMT 2000 Características das tecnologias disponíveis para sistemas: 1. WCDMA Uma das chaves para o sucesso desta tecnologia, também denominada na Europa de UMTS, será sua integração com as redes 2G, sejam elas GSM (baseadas no protocolo MAP) ou mesmo TDMA e CDMA. Se analisarmos sobre a questão de interface de rede o WCDMA é uma evolução do GSM/MAP. Taxa nominal de transmissão: 2.4 Mbps. HSDPA: High Speed Downlink Packet Access possibilita taxas nominais de transmissão de até 14 Mbps para down link e 1.8 Mbps para up link. 30

31 Telefonia Celular 2. CDMA2000 Evolução da tecnologia CDMA, sistema de múltiplo acesso, baseado no uso de técnicas de espalhamento espectral (spread spectrum) em banda larga. 1xEV-DO: faz uso do Wireless IP, o que caracteriza sua notável capacidade de integração com o mundo Internet a taxas de até 2.4 Mbps. 1xEV-DV: passo evolutivo que permitirá a obtenção de taxas de transmissão de até 4.8 Mbps. 31

32 Faixas de Frequências 3 G Telefonia Celular As freqüências para 3G (ou, mais especificamente, para sistemas IMT- 2000) identificadas pela UIT - União Internacional de Telecomunicações são as seguintes: MHz MHz MHz (Brasil) MHz (Brasil) MHz Dentre estas, a faixa de 850 MHz ( / MHz), que compreende as bandas A e B do SMP, é aquela na qual os benefícios são mais evidentes, razão pela qual a consideração para implementação de 3G tem sido de grande interesse. A TELEMIG anunciou acordo com a Ericcson para implantar rede 3G (UMTS/WCDMA) nesta faixa, em BH, no segundo semestre de

33 Telefonia Celular Tarifação 3G 3G: tecnicamente é transmissão de dados em alta velocidade. Que se traduz em possibilidade de melhorar a transmissão de videos por celular, compartilhar vídeos simultaneamente, Mobile TV, além dos serviços de vídeo streaming e downs loads já disponíveis. Down load por celular compete com a internet: o usuário poderá fazer o donw load por banda larga convencional e transferir o video para o celular. Diante deste cenário as operadoras de celular terão que rever o modêlo atual de negócio. 33

34 Telefonia Celular 34

35 Telefonia Celular Receita Dados Milhões País Tecnologia 3G Celulares 3G Dados % Receitas NTT DoCoMo Japão UMTS 32,1 30,10% Verizon US EVDO 18,8 15,80% H3G Europa UMTS 12,9 30% Vodafone Europa UMTS 12,5 18,90% SK Telecom Coréia EVDO 10 26,30% 35

36 Terminais Celulares 36

37 Telefonia Celular Segundo pesquisa efetuada pela Avant Go, os Terminais Devem possuir 12 recursos indispensáveis: % 1. Agenda/lista de contatos Fácil sincronização com o PC Bateria de longa duração / serviço de mensagens instantâneas Wi-Fi / Bluetooth Tamanho compacto MP3 player Telefone Tela grande GPS Mínimo de 20 GB de memória Câmera 63 37

38 Telefonia Celular Nokia E62 GPRS e EDGE Nokia 9300i GPRS e EDGE Peso 144 gs Sistema Operacional Symbian O S 9.1 Memória 80 MB RAM Expansão Cartão SD e Multi Media Card Tela Colorida horizontal matriz ativa Area ativa 56.9 x 42.7 mm Conectividade USB, Bluetooth Infravermelho Segurança Symantec client Secutity 3.0 Sistema Operacional Symbian 7.0 OS Memória 80 MB RAM Expansão MMC Tela Colorida de 65 mil cores Câmera digital VGA 640 x 480 Conectividade USB, Infravermelho e Bluetooth 38

39 Telefonia Celular Treo 650 EDGE Blackberry 7230 GSM e GPRS Processador Intel PXA MHz Processador Intel bit Sistema Operacional Palm OS v 5.4 Sistema Operacional JAVA Memória Expansão Tela Câmera digital 32 MB RAM SD, SDIO e MMC Colorida de 65 mil cores VGA 640 x 480 pixels Memória Expansão Tela Câmera digital 16MB RAM Sim 160 x 240 pixels Não possui Conectividade USB, Infravermelho e Bluetooth Conectividade USB 39

40 Telefonia Celular BlackBerry Enterprise Server Handheld Server Internet 5 4 BlackBerry Enterprise Server Firewall Wireless Network 40

41 Telefonia Celular I Phone...Celular sem Botões Lançado em Fev/07 pela Apple, o iphone abriu caminho para a disseminação do sistema touch screen. Combina celular, MP3 e internet. Todos os controles são feitos através de tela. 41

42 Nokia N77 Telefonia Celular Possui conexão móvel DVB-H, LCD de 2.4, 16 milhões de cores e câmera de 2 megapixels. Suporta arquivos MP3, possui caixas de som estéreo e plug para ligar fone de ouvido. 42

43 Telefonia Celular Qtek 9100 Sistema Operacional Windows Mobile 5.0. Tecnologia GSM/GPRS/EDGE, WiFi, Bluetooth, camera, MMS e viva voz. Teclado Qwerty deslizável. 43

44 Telefonia Celular Segurança Todas essas facilidades tornam a delimitação das fronteiras de uma corporação cada vez mais complexas, trazendo consigo uma fonte de vulnerabilidades, ameaças e riscos. A visão da segurança, com viés de soluções tecnológicas, voltada apenas para a área de TIC começa a mudar. A mobilidade corporativa colabora para a viabilização do acesso pervasivo, por diversos tipos de usuários, que pode servir de canalizador para novas ameaças, ataques ou até a utilização de recursos por pessoas não autorizadas Estudos indicam que para cada 10 empresas que investem em projetos móveis, apenas 2 destinam recursos suficientes para o aspecto Segurança. A segurança deve ser percebida como um problema de negócio e não apenas de tecmologia. 44

45 Telefonia Celular Vírus Cardblock.A: ataque aos smartphones com sistema operacional Symbian, eliminando pastas vitais do sistema do aparelho e impedindo o acesso à memória com todos os dados de contato. Cabir: descarrega a bateria do dispositivo. Botton.E: reinicia o celular e corrompe componentes do reboot. Pbstealer.D: Envia lista de contatos, tarefas e anotações para celulares próximos. Formas de transmissão: Através da tecnologia Bluetooth na troca de informações com outros dispositivos. Através de downloads a partir da internet ou por SMS e MMS. 45

46 Ameaças à Segurança Corporativa Torpedo (SMS) Auto Destrutivo Telefonia Celular Acessos remotos de empregados, por aparelhos móveis, aos s e outras aplicações corporativas são uma ameaça. Como o aparelho móvel esta vulnerável a ameaças de vírus, spams, malware etc...quando o mesmo efetua acesso remoto sincronizado ao servidor Exchange ou com uma aplicação de CRM, podem servir como porta de entrada para infectar a rede toda, servidores e estações de trabalho. Stealth Text: software que permite a diferenciação entre mensagens comuns e mensagens confidenciais que são apagadas automáticamente logo após serem lidas (40 segundos). É necessário que tanto o celular emissor como receptor façam o download de um software, via WAP, desenvolvido pela empresa Staeellium baseada no Reino Unido. 46

47 Telefonia Celular Celular como Ferramenta de Espionagem É possível fotografar e até filmar documentos, gravar conversas confidenciais e transmitir arquivos. Prevenção: Adoção de politicas de uso de aparelhos de comunicação móvel; Auditoria de equipamentos; Mapear àreas de risco para dados e documentos corporativos; Adotar medidas do tipo: - bloquear a conetividade; - impedir a possibilidade de tirar fotos ou realizar gravações. Em caso extremo impedir a entrada destes aparelhos em áreas de risco. 47

48 Telefonia Celular Pecados Capitais em relação à Segurança Desconhecimento do volume de equipamentos no ambiente corporativo; Falta de controle sobre equipamentos portáteis pessoais; Desconhecimento do que constitui risco para os dados da empresa; Ausência de politicas de uso de dispositivos móveis; Ausência de sistemas de detecção e prevenção de acesso a redes por dispositivos móveis; Ausência de práticas para auditar os dados e aplicativos armazenados em equipamentos portáteis corporativos; Ignorar a existência destes dispositivos.afinal se você não pode vê-los como vai gerenciá-los. Andrew Sheldon 48 Perito da Evidence Talks (GRA)

49 Tecnologias Wirelesss IMS IP Miltimedia Sub-System RFID Bluetooth e ZigBee WLANs Wi-Fi (Padrão IEEE ) Projeto de redes Wi-Fi Redes Wi-Fi Mesh WMANs WiMax (Padrão IEEE ) 49

50 Tecnologias Wireless Slower Faster Peak Data Rate IrDA Wireless Sensors UWB Bluetooth ZigBee Wireless Video Applications a b g Wi-Fi Wireless Networking Wireless Data Applications 2.5G/3G Closer Sources: WRH + Co Range Farther 50

51 O que é IMS? IMS - IP Multimedia Subsystem - arquitetura unificada de rede voltada a serviços de telecomunicações e de dados. Inclui serviços de voz e multimídia. Propicia a convergência das redes (acesso e transporte). Modelo organizado em camadas. ALL IP Acesso 51

52 IMS - IP Multimedia Subsystem Serviços passam a ser oferecidos a partir de um núcleo comum Core IMS Rede Móvel de Pacotes IP Network (p. ex. ADSL) HSS CSCF SGW /802.16d/e Acesso IP IP Network (p. ex. Empresa) MRFC MGCF IP Network (p. ex. TV a Cabo) MRFP Media Gateway Media Gateway Access Gateway Rede Celular Rede fixa TDM IAD 52

53 IMS - IP Modelo Multimedia de Negócio?... Subsystem ALL IP... UMTS/HSPA - 3GPP 1X-EVDO (Release A) ADSL WIRELESS WIRELINE Core All IP WIFI/WIMAX/WIBRO Acesso Convergência Fixo-Móvel Portabilidade Numérica Internet sem fio Nomádica e Móvel CABO/FIBRA Uso dos Serviços (Voz, Dados, Imagem VAS) Casa Mobilidade Trabalho 53

54 IMS - IP Multimedia Subsystem Alavancagem estratégica a partir da marca Alice e visão da residência convergente. PCs IPTV Telefone dual-mode Vídeo game DECT LAN banda Wi-Fi larga Wi-Fi Wi-Fi Wi-Fi Alice Gate Aladino DECT Aladino Wi-Fi Vídeotelefone Acesso banda larga Fonte: Telecom Italia, BT, análise Accenture 54

55 Tecnologias Wireless WiFi Wireless Fidelity 55

56 Tecnologias Wireless IEEE a/b/g 2,4 e 5,8 GHz - Faixas ISM (isentas de licença) 1 a 54 Mbps Wi-Fi: dispositivos com certificado de interoperabilidade da WECA (Wireless Ethernet Compatibility Alliance) Tecnologia integrada à plataforma Intel para lap-tops (Centrino) PDA/ Laptops Back Haul Modem ADSL/FO router/ firewall Ethernet Access Point 56

57 Tecnologias Wireless Padrão a b g Data de publicação Banda total disponível Julho de 1997 Setembro de 1999 Setembro de 1999 Julho de ,5 MHz 300 MHz 83,5 MHz 83,5 MHz Banda de frequências 2,4-2,4835 GHz 5,15-5,35 GHz 5,725-5,825 GHz 2,4-2,4835 GHz 2,4-2,4835GHz Técnica de acesso Taxa de transmissão DSSS, FHSS OFDM DSSS DSSS, OFDM 1 a 2 Mbps 6 a 54 Mbps 1 a 11 Mbps 1 a 54 Mbps FHSS Frequency Hopping Spread Spectrum DSSS Direct Sequency Spread Spectrum OFDM - Orthogonal Frequency Division Multiplexing ou Multiplexação por Divisão de Freqüência Ortogonal. 57

58 Tecnologias Wireless Wi-Fi. Wireless Fidelity? Expressão que se refere a produtos e serviços que respeitam o conjunto de normas criado pelo IEEE. Embora o padrão b domine atualmente as redes Wi-Fi, com mais de 2/3 da base instalada, a indústria está investindo em dois padrões mais velozes, o a e o g. Os principais benefícios do padrão g são operar na mesma faixa de freqüência do b (2,4 GHz) e ter sido projetado de modo a ter retrocompatibilidade. 58

59 Wi-Fi. Wireless Fidelity Tecnologias Wireless Já as vantagens do padrão a são operar na faixa relativamente desobstruída de 5 GHz e oferecer muito mais canais do que b/g. Ambas as especificações oferecem quase cinco vezes a taxa de transmissão do b..54 Mbps contra 11 Mbps. Ao mesmo tempo em que emitem sinais mais limpos com menos pacotes descartados, devido à tecnologia de modulação mais avançada: OFDM (orthogonal frequency division multiplexing) ou multiplexação por divisão de freqüência ortogonal. 59

60 Tecnologias Wireless Topologia Típica WLAN Access Points Switch Segmento A (Real Time Data) Segmento B (M2M Data) VoIP Server Rede IP (Subrede 2) Rede IP (Subrede 1) Rede IP (Subrede 3) Radius Server Segmento C (Visitantes) Segmento D (Voz) WAN Usuários Móveis 60

61 TECNOLOGIAS WIRELESS Wi-Fi Mesh 61

62 Tecnologias Wireless Wi-Fi Mesh Tecnologia que permite o estabelecimento de uma rede utilizando-se de equipamentos com a função de roteador/repetidor. Também chamada multi hop, isto é, tecnologia de múltiplos saltos. As redes Mesh buscam transportar para o mundo sem fio, o que faz a... Internet. Numa rede Wi-Fi tradicional, qualquer comunicação entre 2 computadores necessáriamente tem que passar pelo Access Point (Ponto de Acesso), isto é, por apenas um salto. 62

63 Tecnologias Wireless Wi-Fi Mesh Em um radio WiFi mesh simples, cada nó age como um Access Point que suporta um client e transmite o trafego para outro nó mesh. O mesmo rádio é usado para acesso e backhaul. Cada rádio mesh utiliza uma antena omni-direcional para permitir a comunicação com qualquer nó vizinho, sendo assim os pacotes gerados pelos clients devem ser repetidos no mesmo canal, para pelo menos um vizinho mesh AP. Os pacotes são transmitidos em múltiplos saltos para outros nós até chegar ao Nó conectado à rede Internet. 63

64 Tecnologias Wireless Rede WiFi Mesh Rede WiFi convencional 64

65 Tecnologias Wireless Benefícios de uma rede Mesh Aumento da distância entre a origem e destino sem prejudicar a taxa de transmissão. Deixa de existir a limitação entre alcance de sinal e a velocidade de transmissão, pois sempre se pode utilizar de saltos através de nós intermediários, tornando assim a distância de cada salto compatível com a velocidade que se deseja transmitir. Otimização de espectro de frequências: considerando que a distância Entre nós diminui sensivelmente, a potência transmitida pode também ser reduzida, permitindo uma maior e mais eficiente reutilização de frequências disponíveis Não necessidade de linha de visada: com a ultilização de múltiplos saltos Entre dois pontos, qualquer exigência de linha de visada entre 02 pontos deixa de existir. 65

66 Tecnologias Wireless Redução de Custo da Rede: Como uma rede Mesh utiliza-se dos equipamentos dos próprios usuários como roteadores/repetidores, a necessidade de equipamentos da própria rede diminui sensivelmente. Redução da necessidade de conexões entre os Access Point e a Internet: a conexão poderá ser feita através de qualquer nó adjacente. Robustez: Sendo a rede WiFi Mesh uma rede em malha, ela se torna mais robusta que uma rede tradcional wireless, que utiliza apenas um salto. Não existe um Nó do qual depende toda a rede. No caso da queda de um nó qualquer as comunicações passam a ser feitas roteadas para outros nós alternativos, sem interrupção de uma comunicação ativa 66

67 Tecnologias Wireless Rede WiFi Mesh 67

68 Tecnologias Wireless 68

69 TECNOLOGIAS WIRELESS WIMAX - Worldwide Interoperability for Microwave Access 69

70 Tecnologias Wireless Wireless Metropolitan Area Networks WMAN Tecnologia proposta, inicialmente, para prover acesso na última milha em broad band WMANs, com desempenho igual ou superior aos tradicionais xdsl, cabos ópticos ou linhas E1. Faixas de freqüências 2 a 11 GHz: baixas freqüências permitindo operação sem linha de visada (NLOS) 10 a 66 GHz: operação em visada (LOS), com alta capacidade. 70

71 Tecnologias Wireless Aplicações Internet banda larga residencial e SOHO, especialmente em locais com baixa qualidade dos acessos cabeados e em ambientes rurais. Modelos de negócio indicam que aplicações de WiMax podem ser bem sucedidas mesmo em cenários de baixa concentração demográfica. Backbone para redes de telefonia celular. Backbone para Hotspots Wi-Fi: atualmente, uma limitação à proliferação de hotspots é a falta de soluções de baixo custo para sua interligação. 71

72 Tecnologias Wireless Aspectos do Projeto Aplicação em ambientes externos (outdoor) e internos (indoor). Investigação de espectro: ainda mais importante que em ambientes indoor, especialmente nas faixas ISM Necessidade de software de planejamento utilizando bases de dados de alta resolução para cálculo de: - Cobertura e desempenho - Otimização de capacidade - Interferências intra-sistêmicas - Interferências em faixas licenciadas: SITAR 72

73 Tecnologias Wireless Padrões d Rev e Nov Espectro GHz 2-11 GHz 2-6 GHz Canal de propagação Taxa de transmissão LOS LOS e NLOS LOS e NLOS Mbps 70 a 100 Mbps Até 15 Mbps Modulação QPSK, 16QAM e 64QAM OFDM, QPSK, 16QAM, 64QAM S-OFDMA, QPSK, 16QAM, 64QAM Mobilidade Fixo Fixo Portabilidade Mobilidade restrita Roaming regional Larguras de canal 20, 25 e 28 MHz Selecionável entre 1,25 e 20 MHz Selecionável entre 1,25 e 20 MHz Raio de célula típico 1,5 a 5 km Típico 5 a 8 km Máximo de 50 km 1,5 a 5 km 73

74 IEEE Tecnologias Wireless O padrão possui variações em emendas como o e, f e g. Independência de protocolo: pode transportar IP, Ethernet, ATM. Serviços agregados: pode transmitir Voz sobre IP (VoIP), dados, vídeos, etc. Grande largura de banda: uma estação ão-base pode permitir simultâneamente o acesso de mais de 60 organizações com conectividade do tipo E1 ou centenas de residências com conexões tipo xdsl. 74

75 IEEE Divide a Banda total em 8 faixas. Tecnologias Wireless Divide cada faixa em 52 canais de 312,5 Khz; - Canais adjacentes são ortogonais (um canal não interfere no outro) de forma que não há a necessidade de intervalos entre os canais, o que resulta uma melhor utilização da banda.; Dados enviados em 48 canais simultâneamente; 4 canais sao utilizados como controle (piloto); Dados são enviados em paralelo por estes canais onde cada canal carrega parte dos dados. Até 8 redes podem estar operando simultâneamente; 75

76 Tecnologias Wireless De Wi-Fi Para WiMax: Hotspot Wi-Fi Público Wi-Fi Rede Residencial Ponto Multiponto sem visada d d Rede Telecom ou Rede Privada (Fibra) e Fibra INTERNET BACKBONE d Pico-Cell *Termina com Wi-Fi 76

77 Fixed Outdoor Acesso Wi-Fi* Portabilidade Fixed Indoor e Metro Zone Mobilidade e Mobile Backhaul Enterprise Campus Piconet Wi-Fi* Hotspot 77

78 Projeto Piloto Wimax Móvel Provedores - Samsung E TVA Localidade: Curitiba Prazo: 1º Semestre 2007 Tecnologias Wireless A Samsung irá prover as estações-base, outros sistemas de harware e as CPE s (modens). A TVA irá comercializar o serviço. Tecnologia WiBro, padrão coreano, faixa de frequência em 2.5 Ghz. Utiliza a tecnica de modulação SOFDMA ( Scalable Orthogonal Frequency Division Multiplexing Access). Compatível com o padrão IEEE 816 e. 78

79 Frequências disponíveis no Brasil Estão disponíveis as frequências de: Tecnologias Wireless 2,5 GHz(MMDS) e 3,5 GHz (necessita de autorização da Anatel) 5,8 GHz (não necessita autorização da Anatel) 10,5 GHz (necessita de autorização da Anatel) - Devido ao menor raio de cobertura das células WiMax em 10,5 GHz esta frequência não está sendo usada internacionalmente, não existindo ainda equipamentos padronizados para esta faixa de frequência. Nos EUA a faixa de WiMax é de 2.5 a 2.7 Ghz. 79

Graduado em Tecnologia da Computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Graduado em Tecnologia da Computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Mobilidade Corporativa: Você já adotou a sua estratégia? Este tutorial tem por objetivo propor às corporações a adoção de uma estratégia para o uso da mobilidade corporativa integrada com os seus processos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX

WiMAX. Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005. WiMAX 1 1 Miragem ou Realidade? Jorge Rodrigues PT Comunicações Universidade da Beira Interior, 4 de Outubro de 2005 2 2 Enquadramento A tecnologia 802.16 / afecta domínios tecnológicos cruciais para os operadores:

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN)

Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Computação Móvel: Redes sem Fio (WAN / LAN) Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Os Primórdios Final da década de 80 e década de 90 2 1 Wide Area Mobile Data Services ARDIS EMBARC MobileComm Nextel RadioMail RAM

Leia mais

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio

: O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio : O Novo Padrão em Banda Larga Sem Fio As soluções de banda larga sem fio epmp da Cambium Networks são as primeiras a trazer confiabilidade comprovada em campo, sincronização por GPS, escabilidade e desempenho

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

Redes de Acesso Sem Fio de Banda Larga

Redes de Acesso Sem Fio de Banda Larga Luiz A. R. da Silva Mello smello@cetuc.puc-rio.br Centro de Estudos em Telecomunicações CETUC-PUC/Rio Agenda A evolução das comunicações sem fio WWANs - Sistemas celulares 1G, 2G e 3G WPANs Bluetooth,

Leia mais

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade.

Roteiro I Redes WiMAX. WiMAX, de onde deriva a tecnologia e perspectivas de evolução. Taxas de transferência, características quanto a mobilidade. Curso: Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Professor: Marco Câmara Aluno: Guilherme Machado Ribeiro Turma: 12 matutino Roteiro I Redes WiMAX 1-Histórico WiMAX, de

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO:

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO: Manual da fase de teste do Giro Beta Versão: 1.0 Data de publicação: Janeiro/2004 Descrição: Este manual irá ajudá-lo a responder dúvidas que você possa ter sobre a fase de teste do novo serviço Giro.

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3.1. Introdução A tecnologia wireless interliga dispositivos sem o uso de fios ou cabos para transmitir diversos tipos de informações

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010

I Fórum Lusófono de Comunicações. Abril. 2010 I Fórum Lusófono de Comunicações Abril. 2010 Evolução do Setor de Telecomunicações no Brasil Pré-Privatização Monopólio estatal Poucos investimentos Baixa qualidade dos serviços 98 Grande demanda reprimida

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Redes Locais Sem Fio

Redes Locais Sem Fio Redes Locais Sem Fio Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 13 Aula 13 Rafael Guimarães 1 / 63 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 Introdução 3 Terminologia 4 WiFi 5 Arquitetura 802.11 6 Padrões

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS

Nokia E5 (E5-00) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA HSDPA 10.2 / HSUPA 2.0 (850/1900/2100) GPS Última versão de software homologada pela VIVO: 042.010 DESTAQUES DO APARELHO Nome Comercial: Nokia E5 (Número do Modelo: E5-00) Smartphone com sistema operacional: Symbian OS v9.3 e plataforma: S60 v3.2;

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco. Jonas Odorizzi. Curso de Redes e Segurança de Sistemas. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Estudo de caso da Solução Unified Wireless Cisco Jonas Odorizzi Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Abril de 2010 RESUMO Este artigo tem o objetivo

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins

NTT Docomo, KDDI, Softbank. MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins NTT Docomo, KDDI, Softbank MAC 0463/5743 Computação Móvel Marcelo de Rezende Martins Introdução Japão é líder em tecnologia móvel de telefone; Aproximadamente 85% da população possue celular; 40% dos investimentos

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br

Cidades Digitais. Desmistificando a Tecnologia. Bruno Soares Henriques. www.inatel.br Cidades Digitais Desmistificando a Tecnologia INATEL Competence Center Av. João de Camargo, 510 Santa Rita do Sapucai MG Tel: (35) 3471 9330 Bruno Soares Henriques O que é Cidade Digital City Cloud, Digital

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

Samsung GT-E2550L GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ)

Samsung GT-E2550L GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: E2550LVIJG1 DESTAQUES DO APARELHO Nome comercial: Samsung GT-E2550L Câmera digital integrada (1.3M Pixel) com captura de vídeo (zoom 2 vezes); Display colorido

Leia mais

A mobilidade da HP em suas mãos

A mobilidade da HP em suas mãos Pocket PCs HP ipaq e Smartphones A mobilidade da HP em suas mãos A mobilidade em suas mãos Hoje em dia, os negócios exigem que você fique o tempo todo conectado. Mas não basta ficar conectado, é preciso

Leia mais

Compartilhamento de Internet/ Wireless. Wilson Rubens Galindo

Compartilhamento de Internet/ Wireless. Wilson Rubens Galindo Compartilhamento de Internet/ Wireless Wilson Rubens Galindo Compartilhamento de Internet Ganhe dinheiro fácil com compartilhamento de Internet: Habilite um plano de Internet Banda Larga Compre um hub-switch

Leia mais

Introdução a Computação Móvel

Introdução a Computação Móvel Introdução a Computação Móvel Computação Móvel Prof. Me. Adauto Mendes adauto.inatel@gmail.com Histórico Em 1947 alguns engenheiros resolveram mudar o rumo da história da telefonia. Pensando em uma maneira

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Dezembro de 2012 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Samsung GT-E2530 GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ)

Samsung GT-E2530 GSM GPRS EDGE*** (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: E2530VIKA1 DESTAQUES DO APARELHO Nome comercial: Samsung GT-E2530 Câmera digital integrada (1.3M Pixel) com captura de vídeo (zoom 2 vezes); Display interno

Leia mais

WiMAX no Brasil. Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP

WiMAX no Brasil. Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP WiMAX no Brasil Rodrigo Constantin Ctenas Zaccara Computação Móvel IME USP 2008 INTRODUÇÃO WiMAX é acrônimo para Worldwide Interoperability for Microwave Access, sendo este uma definição de protocolo para

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

Aula 1 - Redes de computadores 15

Aula 1 - Redes de computadores 15 Aula 1 - Redes de computadores Objetivos Compreender os conceitos iniciais de redes de computadores. Compreender as principais classificações de redes. Definir e diferenciar as principais topologias de

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

BlackBerry 8520 (Curve) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ)

BlackBerry 8520 (Curve) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) Última versão de software homologada pela VIVO: 5.0.0.592 DESTAQUES DO APARELHO Câmera digital integrada (2.0M Pixel) zoom 5 vezes; Smartphone com sistema operacional RIM OS Java based 4.6.1; WIFI (WLAN

Leia mais

Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+

Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+ Telefonia Móvel: do Analógico ao 3G+ Guilherme Pimentel Diretor TIM Regional Sul 10 de Setembro de 2008 Tecnologia de celular, capaz de trafegar dados em alta velocidade É a banda larga móvel Videochamada,

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

Nokia C2 (C2-01) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA (850/1900/2100)

Nokia C2 (C2-01) GSM GPRS EDGE (850/900/1800/1900 MHZ) WCDMA (850/1900/2100) Última versão de software homologada pela VIVO: 10.50 DESTAQUES DO APARELHO Nome Comercial: Nokia C2 (Número do Modelo: C2-01) Tecnologia Bluetooth 2.1 + EDR estéreo; Display LCD de 2.0 polegadas com 262

Leia mais