UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO POR PROCESSOS PARA A EFICIÊNCIA EMPRESARIAL Por: Sara Helena Mendonça Esteves Orientador Prof. Jorge Tadeu Vieira Lourenço Rio de Janeiro 2012

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO POR PROCESSOS PARA A EFICIÊNCIA EMPRESARIAL Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial do curso de Pós- Graduação Latu Sensu em Administração da Qualidade. Por: Sara Helena Mendonça Esteves

3 3 AGRADECIMENTOS Às amigas Ana Correia e Vanessa Alves pela companhia, atenção e dedicação no compartilhamento do estudo da pós graduação.

4 4 DEDICATÓRIA A Deus por ter me permitido realizar o sonho de completar parte do meu aprendizado. Aos meus pais por tudo que fizeram ao longo de minha vida. A Mauro, Tiago e Thaís esposo e filhos queridos, que durante os anos de estudo ficaram privados da minha presença e dedicação. Aos meus amigos e à Ana Paula Salim, pessoa especial e grande incentivadora, que me deu ânimo e forças para o grande desafio de estudar.

5 5 RESUMO Este trabalho tem por objetivo mostrar a importância e os benefícios da gestão por processos na administração dos resultados esperados pelas organizações para atingir a efetividade empresarial. A iniciativa para este estudo surgiu do questionamento de como a gestão por processos pode contribuir para a eficiência empresarial com o foco no ramo editorial brasileiro. O trabalho foi desenvolvido através de pesquisa bibliográfica e documental. O conhecimento gerado por este estudo permite compreender a diferença entre a visão tradicional das organizações e a visão horizontal. Define o que são os processos, por que utilizá-los, quais os tipos de processos, suas características e benefícios, o que é a gestão de processos e como desenvolver e implementar esta gestão. A Gestão por Processos muda continuamente a maneira como a organização executa suas tarefas, visa aumentar o desempenho operacional como: automação das atividades, a visibilidade para a tomada de decisão, possibilita a visão sistêmica, facilita a gestão do conhecimento, reduz custos, otimiza tempo. Obtém resultados consistentes e alinhados com os objetivos estratégicos da organização e fortalece a excelência operacional.

6 6 METODOLOGIA Este trabalho foi desenvolvido através de pesquisa bibliográfica, de análise de livros, artigos, revista, consulta a sites da Internet, participação em curso sobre Gestão de Processos e Workshop do BPM Day. Os dados foram coletados através de análise bibliográfica dos autores que abordaram o tema, como Barbará, S. (2008), Gonçalves (2000), Cury (2000), Oliveira (2009), Paim et al. e Rummler e Brache (1994). A pesquisa bibliográfica reforçou os conceitos. A participação no curso sobre Gestão de Processos proporcionou a troca de experiência e vivenciar em grupo esta metodologia. O Workshop do BPM Day confirmou o estudo bibliográfico e apresentou casos reais de empresas que adotam este tipo de gestão.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I Contextualização 11 CAPÍTULO II A Visão de Processos 18 CAPÍTULO III Como Desenvolver e Implementar a Gestão de Processos 29 CONCLUSÃO 56 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 58 ANEXO 61 ÍNDICE 63 FOLHA DE AVALIAÇÃO 65

8 8 INTRODUÇÃO Ao longo da história da administração, surgiram várias ideias e teorias que foram seguidas. No pensamento contemporâneo, temos a escola clássica, com Frederik Taylor (e seu pensamento sobre a administração científica), Henry Fayol (e a questão da eficiência no processo administrativo e os conceitos de visão centralizada, comunicação vertical e unidade de comando) e Max Weber (com o conceito de burocracia). O amadurecimento das técnicas da escola clássica é inevitável. Assim surgem novos conceitos como a administração da qualidade, o enfoque comportamental, o pensamento sistêmico, o planejamento estratégico e a administração participativa. O Terceiro Milênio é marcado pela competitividade, pelo avanço tecnológico, pelas mudanças econômicas e sociais, pela globalização e pela busca da eficiência nas organizações. Em consequência, novos modelos de administrar são encontrados e também ocorre o fortalecimento de tendências clássicas, que se ajustaram ao longo do tempo para atender à expectativa da empresa e principalmente ao cliente. Hoje, com a visão de melhor atender o cliente, surgem, nas discussões da Administração Moderna, assuntos como redesenho de processos, organização por processos e gestão por processos. Esses assuntos não são novos, suas raízes estão na engenharia industrial e no estudo dos sistemas sociotécnicos. Não existe um único conceito de processo e, pela variedade de significados apresentados, surgem vários mal-entendidos. Fato é que toda empresa tem algum processo nas suas atividades e a Gestão Tradicional, como um sistema fechado, não está garantindo a sua permanência no mercado. Precisamos de integração em toda a empresa, trabalho de equipe, negociação, colaboração, comunicação eficiente, base de conhecimento divulgada e identificação dos gargalos para atender ao foco na satisfação do cliente.

9 9 Com a Gestão por Processos, as organizações conseguiram identificar e mapear os processos críticos e seus gargalos, criando uma base de conhecimento, envolvimento das pessoas e gerando melhorias contínuas, colocando em prática o PDCA Planejar, Executar, Controlar e Agir. Na implantação dessa gestão, as empresas devem identificar que processo necessita de nova reformulação, estabelecer objetivos, metas e estratégias de trabalho. A pesquisa foi estabelecida a partir da pergunta: Como a gestão por processos pode contribuir para a eficiência empresarial? A pesquisa tem a sua justificativa na necessidade de conhecer os conceitos e características da Gestão por Processos, que tem como foco a satisfação do cliente, descobrir os gargalos, resolver os conflitos internos, agregar valor, identificar os desperdícios e o retrabalho. Os processos são atividades coordenadas que precisam do envolvimento e empenho das pessoas, integração de todas as áreas, distribuição do trabalho nas equipes, uso da tecnologia, criação de procedimentos e utilização de indicadores de eficácia e eficiência para atingir os resultados esperados. Tem como área de estudo a Qualidade, o tema escolhido é Gestão por Processos tendência para a eficiência empresarial. O objetivo principal da pesquisa é objetivo mostrar a importância e os benefícios da gestão por processos para a eficiência empresarial. Os objetivos específicos são: apresentar o ambiente de atuação empresarial; caracterizar a gestão por processos; identificar formas de implantação e manutenção da gestão por processos; mostrar a importância e benefícios da gestão por processos para a eficiência empresarial. A hipótese principal é que a Gestão por Processos muda continuamente a maneira como a organização executa suas tarefas, visa aumentar o desempenho operacional como: automação das atividades, a visibilidade para a tomada de decisão, possibilita a visão sistêmica, facilita a

10 10 gestão do conhecimento, reduz custos, otimiza tempo. Obtém resultados consistentes e alinhados com os objetivos estratégicos da organização e fortalece a excelência operacional. Este estudo delimita-se a descrever a gestão por processos e mostrar suas vantagens para a eficiência de empresas do ramo editorial brasileiro. Dividi-se em capítulos que versão sobre assuntos relevantes para o tema. Por sua complexidade, eles não foram tratados com a profundidade que merecem. O primeiro capítulo traz a contextualização da administração através do tempo, bem como a visão tradicional e horizontal das organizações. O segundo capítulo aborda as definições do que são os processos, por que utilizá-los, quais os tipos de processos e suas características, e a gestão de processos. O terceiro capítulo descreve, resumidamente, como desenvolver e implementar a gestão de processos na visão de quatro autores.

11 11 CAPÍTULO I CONTEXTUALIZAÇÃO A verdadeira dificuldade não está em aceitar ideias novas, mas em escapar das antigas. John Maynard Keynes 1.1 A administração através do tempo A finalidade deste capítulo é apresentar algumas mudanças importantes da administração, bem como ideias que surgiram influenciando as organizações. Em Roma, Século VIII a.c., inicia-se os embriões da administração moderna e no Século III a.c. seu exército é o modelo que influenciaria outros tipos de organizações. Confúcio, na China, Século VI a.c., contribui com uma doutrina de comportamento ético dos cidadãos e dos governantes. A contribuição da Grécia, Século V a.c., foi a democracia, a ética, a qualidade, o método científico e a teorização. Os princípios de estratégia e comportamento gerencial foram prescritos por Sun-Tzu na China, Século IV a.c. A arte de governar e as qualidades dos dirigentes são destacadas por Maquiável em O príncipe, Século XVI em Florença. Em meados do Século XVIII, na Inglaterra, Adam Smith descreve e elogia a divisão do trabalho e a especialização dos trabalhadores. No final deste século, na Europa e nos Estados Unidos, desenvolveu-se a produção baseada em peças padronizadas. Em 1800, na Inglaterra, a Fundição Soho cria uma coleção de inovações administrativas como: procedimentos padronizados de trabalho, especificações de peças e ferramentas, planejamento de produção, salários de

12 12 incentivo, tempos padronizados, festas e bonificações de Natal para os empregados, contabilidade e auditoria. Dez anos depois, na Escócia, Robert Ower inicia a administração humanista. No Século XIX, a França cria a participação nos resultados para os trabalhadores e a Inglaterra o sindicato de trabalhadores. O movimento da administração científica começa no final desse século nos Estados Unidos por Frederick Winslow Taylor. No Século XX, nos Estados Unidos, Hugp Munstenberg estabelece a psicologia aplicada à administração e Henry Ford adota a linha de montagem móvel e mecanizada para a montagem de chassis. Ford também modifica a carga horária dos trabalhadores para 8 horas e duplica o valor do salário. Neste período na Alemanha, Max Weber desenvolve a burocracia. Em 1912, na Alemanha, Wentheimer propõe a Gestalt, a teoria da forma, uma das bases do enfoque sistêmico. Na França, em 1916, Henry Fayol publica Administração industrial e geral, sistematizou e divulgou que administrar é planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar. Ele dividia a empresa em seis atividades ou funções: técnica, comercial, financeira, segurança, contabilidade e administração. Em 1927, nos Estados Unidos, Walter Shewhart cria o Controle Estatístico do Processo com o foco na produtividade. Na Década de 40, Joseph Juran, desenvolve os custos da qualidade com foco no controle. Nos Anos 50, cria-se o Departamento de Controle da Qualidade. Deming visita o Japão para ministrar cursos de controle da Qualidade. A Toyota aperfeiçoa o sistema Ford de produção de automóveis, usando técnicas como Just in time e Kanban.O foco é a produtividade e nas pessoas para melhorar o desempenho. Na Década de 60 é a era de zero defeitos, e círculos da qualidade com Crosby e Ishikawa. O modelo japonês de administração dissemina-se nos Anos 70 e 80. Nos Anos até o Século XXI, aceleram-se a utilização de tecnologias de informações e comunicação, possibilitando a rapidez das operações das

13 13 empresas. Houve a abertura das economias nacionais, mercados globais e a internet. O foco nestas décadas é o processo e o cliente, com as metodologias, a reengenharia, o benchmarking, as estratégias e os processos empresariais. Atualmente as pressões são muitas: a concorrência globalizada, clientes exigentes, complexidade do negócio, a tecnologia crescendo a cada minuto, pressões de custo, escassez de habilidades, customização em massa, ciclo de vida dos produtos. O desafio é enfrentar as mudanças. A administração está focada no indivíduo, na melhoria da capacidade profissional, nas estruturas organizacionais enxutas e nos processos decisórios ágeis e com qualidade. A tendência é o comprometimento com os resultados. A Qualidade Total conforme Joseph Juran e segundo os princípios de Armand V. Feigenbaum deve ser à base das empresas deste século que queiram manterse no mercado competitivo. Os produtos e serviços produzidos devem atender às expectativas do cliente. Segundo Feigenbaum apud Barbará (1986) as relações humanas são à base do controle da qualidade para atender a expectativa do cliente. 1.2 A visão tradicional e a visão horizontal Adapte-se ou morra. Autor desconhecido Muitos gestores não entendem suas empresas, e quando questionados sobre o seu negócio e como ele é realizado, descrevem seus produtos e serviços, às vezes entendem os seus clientes e concorrentes, mas não conhecem minuciosamente como as atividades são realizadas, como é a fabricação, as vendas e a distribuição dos produtos. Provavelmente a razão desta visão defeituosa das empresas é que os gestores pensam na organização com o organograma tradicional (vertical). Este organograma não apresenta o que

14 14 fazemos para quem fazemos ou como fazemos, a empresa é gerenciada de forma vertical e funcionalmente (Figura 1). Figura 1 A estrutura organizacional funcional. (extraída de MARANHÃO e MACIEIRA, 2008, p.42) Os objetivos dos trabalhos são independentes nas áreas. Os gestores isolam-se em seus departamentos onde são construídos silos (Figura 2). Figura 2 - O velho sistema de gestão das organizações. (extraída da ELOGROUP, Revista Compliance Week, dezembro, 2006) A Figura 2 retrata um cenário de dezembro de 2006, que mostra uma visão rápida, de fácil entendimento do sistema velho de gestão das empresas e como a maioria das organizações funciona até hoje. Este sistema tem cada vez mais dificuldades de atender às necessidades e objetivos da organização.

15 15 É um sistema em que as organizações estão divididas em funções, silos, onde cada gestor olha para suas próprias necessidades sem se integrar com as necessidades dos outros gestores. As pessoas que estão na alta gestão ou diretoria sofrem por falta de visibilidade das ações do que está ocorrendo na parte operacional e nas demais diretorias. Há uma percepção de desintegração das iniciativas, ou seja, muitas vezes os problemas são tratados por mais de uma área, gerando retrabalho e duplicação de esforços. Há muitas vezes uma percepção que os custos são muito altos ou que são mais altos do que poderiam ser e que a operação poderia ser mais enxuta com menos custos. Há hoje um mar de informações que não conseguem ser prontamente acessadas pela grande maioria, sejam porque elas estão muito fragmentadas, sejam porque as coisas são muito mais complexas do que elas precisariam ser. Isto leva a recursos perdidos, a informações perdidas e a uma sensação constante de que gerir é estar sempre apagando incêndios, é estar desviando de problemas, tentando aparar arestas, vulnerabilidade, fraquezas que a organização tem. É verdadeiramente o gerenciamento do caos. Rummler e Brache (1994, p.8) também descrevem a construção destes silos como estruturas altas, grossas, sem janelas em torno dos departamentos. Esses silos dificultam a resolução de problemas entre as áreas: A cultura de silo força os gerentes a resolver assuntos do nível mais baixo, tomando o tempo que poderiam dedicar, com mais prioridade, a assuntos de concorrentes e de clientes. Os empregados de nível mais baixo, que poderiam estar resolvendo esses assuntos, assumem menor responsabilidade pelos resultados e encaram a si próprios como meros implementadores e fornecedores de informação. (RUMMLER; BRACHE, 1998, p.9) Estes autores destacam que as organizações com silos constituídos sofrem da doença de passar o problema adiante. É difícil responder às mudanças necessárias que o mercado exige com esta orientação organizacional de modo eficiente. É preciso ter outra forma de caminhar, olhar, pensar e administrar as empresas. Indicam que a visão horizontal, ou de sistema, é uma nova proposta

16 16 para o quadro de negócio: o cliente, o produto e o fluxo de trabalho. A Figura 3 ilustra a proposta dando o entendimento de como o trabalho é realizado por processos (visão horizontal) que cortam as fronteiras funcionais mostrando os relacionamentos internos na cadeia cliente-fornecedor, onde são produzidos produtos e serviços. Figura 3 Visão de sistemas (horizontal) de uma organização. (extraída de RUMMLER e BRACHE, 1994, p.12) Nesta década (1990) houve o crescimento dos computadores pessoais e da internet, Paim et al. (2009, p. 46) comenta o surgimento de: Novas técnicas de gestão associadas às possibilidades de integração informática e ao uso da Web viabilizadas por essas tecnologias, com a Gestão da Cadeia de Suprimentos (SGM), a Gestão do Relacionamento com Clientes (CRM), a Gestão de Conteúdo Empresarial (ECM), a Gestão dos Fluxos de Trabalho (workflow), entre outras. Em parte, todos eles incorporam a visão por processos em seu conceito central, de plena aderência e apoio aos fluxos de transformação de insumos e produtos. (PAIM et al., 2009, p. 46) Outro aspecto destacado por Paim et al. (2009) é a necessidade das empresas atuais terem menores custos e tempos, ter flexibilidade e qualidade para atingir os resultados rápidos e eficazmente. Orientam que as estruturas organizacionais por função e por processo são eficazes. Informam que a visão dos processos vem sendo incorporada às tecnologias de gestão com Sistemas Integrados de Gestão SIG ou Enterprise Resource Planning ERP e também é

17 17 uma exigência de novas leis e normas, por exemplo, o Decreto nº 2.455, de 14 de janeiro de 1998, regulariza a Agência Nacional do Petróleo - ANP: Art. 13: Aos Superintendentes de Processos Organizacionais incumbe: I planejar, organizar, dirigir, coordenar, controlar, avaliar, em nível operacional, os processos organizacionais da ANP sob a sua respectiva responsabilidade com foco em resultados (...) III promover a integração entre os processos organizacionais. (Decreto 2.455, de 14 de janeiro de 1998) Maranhão e Macieira (2008, p.45) propõem uma estrutura organizacional alinhada com os processos: A estrutura organizacional impõe uma visão fragmentada e estanque das responsabilidades embora indique as relações de subordinação com clareza. Em contrapartida, a estrutura por processos permite uma visão dinâmica da forma pela qual a organização agrega valor ao seu negócio. (MARANHÃO e MACIEIRA, 2008, p. 45) Segundo Barbará, C. (2011) a gestão horizontal (visão sistêmica) é orientada para a agregação de valor através dos processos de negócio. É migrar a organização para o conceito de cadeia cliente-fornecedor. Onde essa cadeia de valor é uma sequencia de processos interligados, desde o fornecedor ao distribuidor, que deve ser estudada com o objetivo de obter um estado de liderança e foco em reduzir custos indesejados (p.18). Em contrapartida Davemport (1994) apud Maranhão e Macieira enfatiza que uma organização deve: Estar preparada para tolerar os conhecidos problemas com estruturas de matrizes, inclusive a difusão da responsabilidade, relações hierárquicas pouco claras e gasto excessivo de tempo na coordenação de atividades e reuniões. (ibidem, p.46) De acordo com Maximiano (2005, p.460) a dinâmica das organizações é fornecida pelos processos movimentando as áreas funcionais. O pedido de um cliente transforma-se em especificações de um produto. As especificações transformam-se em encomendas para fornecedores. As encomendas transformam-se em matérias-primas, que se transformam no produto que o cliente encomendou. O produto transforma-se em uma entrega, que se transforma em uma conta a receber. (MAXIMANO, 2005, p.460)

18 18 CAPÍTULO II VISÃO DE PROCESSOS Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo. Não existe um produto ou serviço oferecido por uma empresa sem um processo organizacional. (Gonçalves, 2000, p.6) 2.1 O que são processos? No final da década de 80 e início da década 90, surge a idéia de processo nos textos e debates sobre Administração das Empresas. Segundo Gonçalves (2000), a ideia de processo começou na engenharia industrial e no estudo dos sistemas tecnológicos. Para Barbará, S. (2008), gestão por processos teve início na década de 70 na Petrobrás com a implantação da gestão da qualidade. Esse novo modelo de gestão levou as empresas a rever suas atividades e práticas administrativas. O termo processo possui várias definições, algumas semelhantes e outras complementares. Para Almeida (2002, p.27) é: (...) o conjunto de recursos humanos e materiais dedicados às atividades necessárias a produção de um resultado final específico, independente de relacionamento hierárquico. Ou ainda a seqüência de atividades que transforma insumos em produtos finais, ou serviços, de muito maior valor para o cliente final. (ALMEIDA, 2002, p. 27) De acordo com Gonçalves (2000, p.7): processo é qualquer atividade ou conjunto de atividades que toma um input, adiciona valor a ele e fornece um output a um cliente específico. Percebe-se que a definição de processo está relacionada à transformação, a um conjunto de ações que buscam produzir ou gerar resultados com valor agregado.

19 19 Já para Barbará, S. (2006, p.137) processo significa: um conjunto de ações ordenadas e integradas para um fim produtivo específico, ao final do qual serão gerados produtos e/ou serviços e/ou informações. Cury (2000, p.311) conclui que processo é: (...) uma série de tarefas ou etapas que recebem insumos (materiais, informações, pessoas, máquinas, métodos) e geram produtos (produto físico, informação, serviço), com valor agregado, usados para fins específicos por seu receptor. (CURY, 2000, p. 311) Oliveira (2009) definiu processo como: (...) um conjunto estruturado de atividades sequenciais que apresentam relação lógica entre si, com a finalidade de atender e, preferencialmente, suplantar as necessidades e as expectativas dos clientes externos e internos da empresa. (OLIVEIRA, 2009, p.9) Para Maximiano (2005, p.460) é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Na Norma NBR ISO 9000:2000 processo é o conjunto de atividades inter-relacionadas ou interativas que transforma insumos (entradas) em produtos (saídas). A ideia de processo como um fluxo de trabalho, com entradas e saídas, vem da engenharia e posteriormente da reengenharia. Pelas definições encontradas é possível concluir que processo é uma sequência de atividades que utilizam recursos para transformar entradas em saídas. Esta alteração transforma as entradas sempre com o objetivo de agregar valor às saídas. Na Figura 4 identificamos os agentes do processo: a entrada, o insumo ou matéria-prima (o que vai ser transformado), a transformação e o resultado do processo (produto/serviço) ou saída. ENTRADAS SAÍDAS PROCESSO (TRANSFORMAÇÕES) MATERIAIS SERVIÇOS INFORMAÇÕES MATERIAIS SERVIÇOS INFORMAÇÕES Figura 4 Modelo de um processo genérico. (extraída de MARANHÃO, 2004, p.12)

20 20 Os processos são atividades coordenadas com pessoas, procedimentos, recursos e tecnologia. 2.2 Por que usar processos? As organizações atualmente podem ser estudadas, vistas e administradas como sistemas. São constituídas por pessoas, procedimentos, tecnologia e outros recursos, as ações são interdependentes, que procuram alcançar objetivos que atendam ao negócio. Para a eficácia da empresa é preciso identificar e gerir as atividades. Qualquer atividade que tem recursos, é gerida e transforma entradas em saídas, pode ser um processo. Normalmente a saída de um processo é a entrada para outro processo é a cadeia de valor (cliente-fornecedor). A maioria dos sistemas de gestão organizacional, deste século, tem como requisito essencial a gestão de processos. Barbará, S. (2009, p.151) relata que hoje a gestão de processos é uma exigência das Normas NBR ISO 9000:9001 a 9004 e do Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ). Um dos critérios de excelência do PNQ para as organizações é a abordagem por processos. Dentre os requisitos deste prêmio está o processo, com a preocupação nos aspectos da gestão de processos. A gestão de processos para a Norma NBR ISO 9000:9001 a 9004 visa assegurar a conformidade. A Norma NBR ISO 9000:9008 normatiza os processos, no requisito número 4 - Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ): A organização deve estabelecer, documentar, implementar e manter um sistema da qualidade e melhorar continuamente a sua eficácia de acordo com os requisitos desta Norma. Segundo esta norma a organização deve:

21 21 a) Determinar os processos necessários para o SGQ e sua aplicação por toda a organização; b) Determinar a sequência e a interação desses processos; c) Determinar critérios e métodos necessários para assegurar que a operação e o controle desses processos sejam eficazes; d) Assegurar a disponibilidade de recursos e informações necessárias para apoiar a operação e o monitoramento desses processos; e) Monitorar, medir quando aplicável e analisar esses processos; f) Implementar ações necessárias para atingir os resultados planejados e a melhoria contínua desses processos. (Norma NBR ISO 9000:9008, requisito 4) De acordo com Maranhão (2004) et al. O aumento da complexidade das empresas e o crescimento da informação, fazem com que a abordagem tradicional (funcional) deixe de resolver as necessidades da gestão. 2.3 Tipos de processos e suas características Segundo Maximiano (2005, p.461) há dois tipos de processos os processos centrais e os processos de apoio. Os processos centrais são os responsáveis pela transformação de insumos em produtos destinados a clientes internos ou externos. Os processos de apoio sustentam os processos centrais ou medem seu desempenho. A Figura 5 relaciona alguns tipos de processos centrais e de apoio na visão de Maximiano. PROCESSOS CENTRAIS PEDIDOS COMPRAS PRODUÇÃO ATENDIMENTO CLIENTE PROCESSOS DE APOIO FINANCEIRO/CONTÁBIL RECURSOS HUMANOS JURÍDICO AQUISIÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO p.461) Figura 5 Processos centrais e processos de apoio. (extraída de MAXIMIANO, 2008,

22 22 Existem três tipos de processos segundo Rummler e Hammer apud Cury (2000, p. 311): processos de clientes, processos administrativos e processos de gerenciamento. Paim et al. (2009, p.103) divide os processos em: finalísticos, cujos resultados gerados são produto(s)/serviço(s) para os clientes, gerenciais que promovem o funcionamento da organização de seus processos e de suporte, prestam apoio aos demais processos da organização. De acordo com Sabará, C. (2011) existem três classes de macroprocessos: os estratégicos, de negócio e de suporte (Figura 6). Figura 6 Arquitetura de processos. (extraída de BARBARÁ, C.,2011, p.28) Percebe-se por estes autores o interesse em separar os processos relacionados ao cliente, os de apoio aos processos produtivos e os gerenciais. processos são: Para Green & Rosemann (2000) apud Barbará, S. (2008) os tipos de a) processos primários são os que afetam positiva ou negativamente a relação com os clientes; b) processos de apoio são os que colaboram com os processos primários na busca de sucesso com os clientes; c) processos gerenciais dão suporte à coordenação das atividades de apoio e dos processos primários. (BARBARÁ, S., 2008, p.158)

23 23 Gonçalves (2000, p.11) apresenta uma classificação geral dos processos empresariais, com exemplos e algumas características conforme Tabela 1. Tabela 1 Classificação geral dos processos empresariais. (extraída de GONÇALVES, 2000, p.11) Processos Tipo Capacidade Fluxo básico Atuação Orientação Exemplo (a) de geração de valor (b) (c) (d) De negócio (de cliente) De produção física Primários Físico Transformação Horizontal Fabricação de bicicletas De serviço Primários Lógico Transformação Horizontal Atendimento de pedidos de clientes Oranizacionais (apoio aos processos produtivos) Burocráticos De suporte Lógico Integração Horizontal Contas a pagar horizontal Comportamentais De suporte Lógico Não se aplica Não definida Integração gerencial De mudança De suporte Lógico Não se aplica Não definida Estruturação de uma nova Gerência Gerenciais De direcionamento De suporte De informação Integração horizontal Vertical Definição de metas da empresa De negociação De suporte De informação Integração horizontal De monitorização De suporte De informação Medição de desempenho Vertical Vertical Definição de preços com fornecedor Acompanhamento do planejamento e orçamento As características apresentadas na Gestão por Processos com base em Almeida (2002) e Barbará, S. (2006) são: foco no cliente, a tomada de decisão é dividida com todos os participantes não apenas com a direção, a gestão é participativa, o relacionamento interpessoal não é pela cadeia de comando e sim na relação cliente-fornecedor, a autoridade e responsabilidade são dos participantes do processo, a visão organizacional é holística - vê a organização como um todo. A importância dos processos é destacada por Gonçalves (1997, p.13):

24 24 O futuro vai pertencer às empresas que conseguirem explorar o potencial da centralização das prioridades, as ações e os recursos nos seus processos. As empresas do futuro deixarão de enxergar processo apenas na área industrial, serão organizadas em torno de seus processos não fabris essenciais e centrarão seus esforços em seus clientes. (GONÇALVES, 1997, p. 13) Já para Barbará, S. (2006) a gestão por processos pode ser compreendida como abertura das caixas-pretas dos fluxos de trabalho e das atividades da empresa. Com esse tipo de gestão a rigidez da estrutura hierárquica será abandonada, facilitando a interação, integração e colaboração entre as atividades e etapas. 2.4 A gestão de processos A expressão gestão de processos passa a ser utilizada no início do século XXI. No estudo de Paim et al. (2009, p.139). Foram utilizados 32 livros, artigos e sites da internet para buscar uma definição sobre a gestão de processos. A síntese do que se entende por gestão de processos é: um conjunto articulado de tarefas permanentes para projetar e promover o funcionamento e o aprendizado sobre os processos. Essas tarefas podem ser agrupadas em: Desenhar processos com o objetivo de definir ou redefinir como os processos devem ser projetados para serem melhorados e implantados. Gerir os processos no dia-a-dia com objetivo de assegurar a efetiva implementação dos processos e a realização de alocação de recursos para sua execução, bem como a realização de mudanças e adaptações de curto prazo. Promover a evolução dos processos e o constante aprendizado com o objetivo de registrar o conhecimento gerado sobre os processos e construir uma base para que seja criado conhecimento para sustentar a evolução do processo. (PAIM et al, 2009, p.140) Oliveira (2009, p.33) usa a expressão administração de processos e enfatiza que: nunca pode ser considerada de forma isolada perante as várias atividades e funções de uma empresa. Comenta também que existem problemas no uso da administração de processos, o principal é a miopia de

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1

GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 GESTÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 1 COMPETITIVIDADE Rentabilidade Fluxo de caixa Crescimento de mercado GESTÃO DE PROCESSOS MÓDULO I - 2 FOCO EM RESULTADOS Gestão dos processos associados

Leia mais

Uma nova cultura em processos e projetos

Uma nova cultura em processos e projetos Uma nova cultura em processos e projetos 10 KPMG Business Magazine Mercado caminha para a maturidade, com uma maior percepção dos benefícios da gestão por processos para atender aos objetivos estratégicos

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos

CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos. Treinamento sobre Mapeamento de Processos CPEE Coordenadoria de Planejamento e Estudos Estratégicos Treinamento sobre Mapeamento de Processos O que é um processo? É um conjunto de atividades relacionadas que aplicadas às entradas ou inputs do

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos

PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos PMO DE SUCESSO PRECISA TER FOCO! Uma proposta de modelo para Escritórios de Projetos por Mario Trentim em http://blog.mundopm.com.br/2013/01/21/pmo-de-sucesso-precisa-terfoco/ Caro amigo leitor, que tal

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais