Marketing Interativo. Mauro José dos Santos. Relacionamento e Cooperação no Mercado Eletrônico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marketing Interativo. Mauro José dos Santos. Relacionamento e Cooperação no Mercado Eletrônico"

Transcrição

1 Mauro José dos Santos Marketing Interativo Relacionamento e Cooperação no Mercado Eletrônico Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito parcial para obtenção do grau de Doutor em Engenharia de Produção. Orientador: Dr. Alejandro Martins Co-orientador: Dr. Milton Horn Vieira FLORIANÓPOLIS 2004

2 Mauro José dos Santos M a r k e t i n g I n t e r a t i v o Relacionamento e Cooperação no Mercado Eletrônico Esta tese foi julgada e aprovada para a obtenção do Título de Doutor em Engenharia no Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 05 de março de Prof. Edson P. Paladini, Dr. Coordenador do Programa Banca Examinadora Prof. Alejandro Martins, Dr. Universidade Federal de Santa Catarina Orientador Prof. Milton Luiz Horn Vieira, Dr. Universidade Federal de Santa Catarina Co-Orientador Prof a. Silvia Modesto Nazar, Dra. Universidade Federal de Santa Catarina Prof. Juarez Perfeito, Dr. Universidade Regional de Blumenau Universidade do Vale do Itajai Prof. Baltazar A. Guerra, Dr. Universidade para o Desenvolvimento de Santa Catarina Universidade Atlântica (Portugal - Oeiras) Escola Superior de Atividades Imobiliarias - Esai (Portugal -Lisboa)

3 A meus filhos Caroline, Fernando e Gabriela

4 Agradecimentos À Universidade Federal de Santa Catarina, ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, ao Orientador Prof. Alejandro Martins, ao Prof. Bruno Kopittike seu antecessor, ao Co-Orientador Prof. Milton Luiz Horn Vieira, a Profª. Silvia Modesto Nazar, ao Prof. Baltazar A. Guerra e ao Prof. Juarez Perfeito, ilustres membros da Banca de Defesa, ao Prof. Nelson Colossi, ilustre membro da Banca de Qualificação, ao Coordenador do PPGEP Prof. Prof. Edson P. Paladini, ao seu antecessor Prof. Ricardo Miranda Barcia, ao ex-diretor do Centro Tecnológico Prof. Ariovaldo Bolzan, Vice-Reitor desta instituição acadêmica e professores do PPGEP. Aos meus colegas do Tribunal de Contas de Santa Catarina, Auditores Fiscais de Controle Externo, dirigentes e demais companheiros do Tribunal de Contas de Santa Catarina. Aos Conselheiros do ilustre Conselho de Contas do Estado, com uma referência especial àquele que permitiu o início desta conquista, Conselheiro Salomão Ríbas Júnior. Pelo apoio, estímulo, e compreensão de todos vocês, pela reciclagem de idéias e mudanças de paradigmas que resultou na conquista deste título inédito à organização. Pelo reconhecimento, o espaço para criar e empreender. À Artwork Propaganda e Marketing, SOHO que com o emprego da sua infraestrutura digital, permitiu minha interação eletrônica com as fontes de pesquisa on-line, arquivamento de dados, design e edição desta tese. A minha família pelo apoio permanente. A todos que contribuíram para o enriquecimento desta pesquisa.

5 Problema é o preâmbulo da solução. As mesclas minam a credibilidade; a especialização a enaltece. A realidade é uma questão de ótica. Mestre DeRose

6 Sumário 1 INTRODUÇÃO Contextualização O problema Objetivos Hipóteses e metodologia Estrutura do Trabalho MERCADO E EVOLUÇÃO PARA O MARKETING Introdução O Mercado em evolução Mercado, consumidor e marketing Planejamento estratégico Comportamento do consumidor Considerações finais TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, MERCADO E MARKETING Introdução TI na era da informação Novo mercado e o marketing eletrônico Interatividade e relacionamento Interatividade - a ferramenta do novo marketing Considerações finais O MARKETING ELETRÔNICO Generalidades Mercado eletrônico Variáveis não-controláveis do marketing eletrônico...85

7 4.4 Estratégica e competitividade eletrônica Requisitos conceituais Funcionalidade Considerações finais ESTUDO DE CASO: EMPRESA PONTO-COM Cenário do estudo de caso Metodologia e resultados esperados Resultados da pesquisa interativa Perfil socioeconômico e hábitos de navegação Preferências e expectativas dos usuários Interação expontânea Frequências expandidas Planejamento de expectativas Considerações finais CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES PARA FUTUROS TRABALHOS Conclusões Recomendações para Futuros Trabalhos REFERÊNCIAS...167

8 Lista de Figuras Figura 1: Evolução da Pesquisa...8 Figura 2: Estrutura do Trabalho...10 Figura 3: Oferta e Demanda - Análise do Equilíbrio...14 Figura 4: Mercado de Produto e de Fatores...17 Figura 5: Práticas de Mercado Vitoriosas...19 Figura 6: As Leis do Marketing...24 Figura7: Vantagens do Marketing de Segmento Único...27 Figura 8: Variáveis do PEM no Marketing Tradicional...31 Figura 9: As Quatro Etapas do Planejamento...33 Figura 10: Os cinco níveis de necessidades de Maslow...37 Figura 11: Os estágios da Teoria do Crescimento...45 Figura 12: Redes de Acesso...48 Figura 13: Servidores de Web Públicos - Mundo...51 Figura 14: Forças Redesenhando a Estratégia de Comercialização...56 Figura 15: O Paradóxo dos Caseworkers...60 Figura 16: Tecnologia da Informação, da Comunicação e Consumidores...70 Figura 17: O Marketing Eletrônico...82 Figura 18: Pós-vendas ou SAC Eletrônico...83 Figura 19: Serviços Eletrônicos Relacionais Empresas x Consumidores...91 Figura 20: Forças que Rivalizam o Mercado...94 Figura 21: Relacionamento Eletrônico e Gerenciamento Tecnológico da Informação...95 Figura 22 Forças que Governam a competição Setorial...98 Figura 23: Evolução para o Ecosistema Eletrônico...101

9 Figura 24: Referência Atividade X Meio X Ganho Tecnológico Figura 25: Organizações IT-Smart e Ganhos com Aplicação de TI Figura 26: Fatores Identificados com o Insucesso no Emprego da TI Figura 27: Procedimentos de Consumo dos Consumidores Eletrônicos Figura 28: Procedimentos da empresa ponto.com no comércio eletrônico Figura 29: Procedimentos no desenvolvimento de produtos via colaboração Figura 30: Módulos agrupados: Relacionamento e cooperação na rede Figura 31: Timeline Estimado de Emprego do Modelo Figura 32: Banner de Estímulo aos Internautas Figura 33: Questionário da Pesquisa Figura 34: Distribuição de Freqüência Expandida Renda Figura 35: Preferência por Assunto Pesquisa Figura 36: Tabulação Cruzada - Renda X Escolaridade Figura 37: Pesquisa de Mercado Escolaridade X Preferência Figura 38: Pesquisa de Mercado Renda X Preferência Figura 39: Implementação do Modelo via Pesquisa On-Line com Clientes...158

10 Lista de Tabelas Tabela 1: Tabela 2: Tabela 3: Campeãs de Estratégias de Nichos...27 Vendas por Empregados...61 Base de Dados Gerada Eletronicamente por Entrevistas Online Tabela 4: Hábitos de Acesso à Internet dos Usuários do Provedor Analisado (%) Tabela 5: Horário de Preferência de Acesso à Internet dos Usuário (%) Tabela 6: Tabela 7: Disponibilidade de Linhas Livres para Conexão PPP Distribuição da Freqüência Expandida - Renda Tabela 8: Preferências por Assunto Pesquisa Tabela 9: Tabela 10: Tabela 11: Tabela 12: Tabela 13: Tabulação Cruzada Renda X Escolaridade Tabulação de Dupla Entrada Escolaridade X Preferências Tabulação de Dupla Entrada Renda Declarada X Preferências Custo dos Serviços X Escolaridade Preferência pela Cobrança de Serviços Extras...158

11 Siglas ADSL - Assynchronous digital subscriber line, acesso à Internet de alta velocidade, por linha telefônica com velocidade de download superior a de upload AMA - American Marketing Association AT&T - American Telephone and Telegraph, empresa Betamax - Padrão industrial de mídia de gravação de vídeo BCB - Banco Central do Brasil BMW - Empresa montadora de veículos alemã CEE - Comunidade Econômica Européia COPOM - Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil CP - Ceturus paribus, latim: tudo o mais permanece constante CRM - Customer Relationship Management DP - Desktop Publishing e-sac - Serviço de Atendimento a Clientes por meio eletrônico (ferramenta do modelo proposto) FGV - Fundação Getúlio Vargas GM - General Motors Company HP - Hewllet Packard, empresa HSM - HSM Group, empresa HTML - Hyper text markup language HUB - Usados em redes para rotearem diferentes equipamentos eletrônicos IBM - Industrial Bussiness Machine, empresa IP - Internet Protocol ou protocolo da rede IT - Information Technology (IT), Tecnologia da Informação

12 Mercosul - Mercado Comum da América do Sul MIT - Massachussets Institute of Technology Nafta - North America Free Trade Association PC - Portable computer, computador pessoal P&D - Pesquisa e desenvolvimento (aplica-se ao desenvolvimento de produtos) PE - Planejamento Estratégico PHP - Hypertext Preprocessor PPGEP - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção. PPP - Point to Point Protocol, protocolo de conexão à Internet por linha telefônica discada RH - Recursos humanos SAC - Serviço de Atendimento a Clientes. No modelo esta previsto o SAC on-line ou eletrônico (e-sac) SI - Sistemas de Informação SOHO - Small Office Home Office SSL - Secure Sockets Layer SWOT - Strengths ou força, weakness ou fraquezas, opportunities ou oportunidades e threats ou ameaças TCP/IP - Transmission Control Protocol/Internet Protocol TI - Tecnologia da Informação UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina URGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul VHS - Video Home System, padrão industrial de mídia de gravação de vídeo VPN - Virtual Private Networks WEB/web - World Wide Web, prefixo dos endereços eltrônicos/internet XML - Extensible Markup Language, para documentos eletrônicos que contém informação estruturada

13 Resumo JOSÉ DOS SANTOS, Mauro. Marketing Interativo: relacionamento e cooperação no mercado eletrônico. 2004, 191 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Esta pesquisa propõe uma sistemização do marketing utilizando os avanços da tecnologia da informação, redes de comunicação e e-business. Com esse enfoque, desenvolve o tema partindo de análise histórica de mercado, marketing e redes de informação para sustentação da proposta. A seguir, correlacionando o marketing tradicional e sua base de relacionamento presencial elabora modelo de relacionamento interativo através do meio eletrônico e os agentes que interagem por meio de endereços binários como forma de satisfazer necessidades de consumo, atender gostos e preferências, desenvolver relacionamento e customizar produtos e serviços para fidelização de relacionamento de clientes virtuais. O resultado da aplicação do modelo é identificar mecanismos que possam direcionar a gestão empresarial a maximizar a satisfação dos consumidores, gerar fidelização e ter como retorno níveis crescentes de participação de mercado. Palavras-chave: Marketing eletrônico, interativo, cooperação, fidelização e Internet.

14 Abstract JOSÉ DOS SANTOS, Mauro. Marketing Interativo: relacionamento e cooperação no mercado eletrônico. 2004, 191 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, This thesis advances a marketing systemization that explains the ambient represented by: the current stage of information technology, networks, customers relationship and e-business. With that perspective, the research looks to the historical path, which prompted to the marketplace evolution, marketing and information networks to advances the model. Going beyond the contemporary marketing theory and its human relationship on the marketplace, this thesis elaborates a model of interactive relationship among peers on a binary relationship. The electronic marketplace, her counterpart do marketing, interacts, exchanging knowledge, tastes and preferences. Thus develops sustainability toward a long-term relationship that prompts firms to attain goals through the achievement of customer loyalty, as the results of an increasing level of customers satisfaction and market compliance. The most advanced way of doing business is focused on customers demand satisfaction, tastes and preferences fulfillment. Developing relationships among peers over digitalized-networks, can achieve better products and/or services, all customized by customers collaborative electronic chain at a more competitive cost for the firm than previous arrangements. That turns into loyalty and long-term rewards among those partners. The achievement is to assert meanings of online interaction that can lead firms to maximize customer satisfaction and loyalty. Wherever that is possible under a specific market condition, an increasing market-share is the reward on the longterm run. Keywords: Electronic marketing, interactive, customer loyalty, internet, e-business.

15 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização A tecnologia da informação e o advento da Internet representou e continua a imprimir um novo dinamismo ao mercado e seus reflexos na gestão empresarial, no relacionamento com o mercado e clientes. No horizonte tecnológico consumidores passaram a ter multiplicadas suas opções não apenas a informação, lazer e comunicação pela Internet, mas principalmente no que se relaciona à decisão individual de consumo. Desse modo, a satisfação das necessidades dos consumidores passa a ser crescente em termos de mais qualidade, produtos e serviços melhor planejados e desenvolvidos, atendimento de necessidade que reflita não apenas uma característica potencial identificada por um fornecedor mas que sejam pontuais a um ou mais consumidores, suas necessidades e expectativas, assim determinantes na adequação ao produto final. Na outra via, a gestão do produto passa a ser cada vez mais a incorporação de desejos emanados por consumidores ou mesmo o desenvolvimento de um novo, fruto da interação que a tecnologia e o meio eletrônico possibilitaram e com reflexos na redução de ciclos de vida e respostas em termos de upgrades mais rápidas. Com a ferramenta da interação, os consumidores querem mais valor agregado à sua necessidade de consumo, fornecedores têm que atender exigências sempre crescentes, para uma indústria cada vez mais competitiva. Setorialmente a situação limita a política de preços, com a rentabilidade da

16 2 operação mercantil, aos níveis do mercado ampliado pelo componente tecnológico, i.e., a Internet. Em tal cenário, empresas são levadas a interagir com seus clientes de modo a poder planejar produtos e serviços que efetivamente tenham apelo ao mercado, planejar com seus fornecedores a flexibilidade que tal contexto representa e responder com efetividade, mantendo a competitividade. A gama de dados que passa a existir, o potencial de informações que devem ser criteriosamente tabuladas, de modo automatizado, selecionado e analisado devem permitir a expansão de mercado em sintonia com aquilo que efetivamente o consumidor quer adquirir. Considerando o emergente mercado eletrônico, novo ponto de venda em que interagem internautas como potenciais consumidores e empresas pontuais, com interesses comerciais, a re-adequação das variáveis que compõem o mercado tradicional determinam este estudo. O sentido da globalização, da tecnologia de informação (TI) e do marketing, esta última afetada pelas duas primeiras, a relação intrínsecas entre cada uma delas, a sua influência como determinantes de um novo ponto de vendas virtual foram os agentes que alimentaram esta pesquisa. Dos estudos desenvolvidos e dos fatos observados, as partes integrantes da pesquisa foram se moldando até chegar a uma proposta factível que permite explicar o mercado através de interfaces de comunicação e sua relação com as variáveis que compõem o mercado tradicional. A abordagem evolucionária do local de troca, desde suas origens históricas, até sua fundamentação como ciência e tecnologia, a economia no escopo da microeconomia, na qual se define a visão econômica do funcionamento das relações de mercado. Os avanços da TI, que levam à modelagem conceptual e replicar variáveis do

17 3 marketing, explicativas das transformações que migra o mercado físico ao eletrônico, desta feita globalizado. Tendo a TI, principalmente com a rede Internet, gerado a infra-estrutura criativa do mercado eletrônico, com seu relacionamento virtual, com essa realidade constituída por internautas, comércio e negócios eletrônicos. Redes, intranets e extranets, bancos de dados, presenças interativas de consumidores, fornecedores de bens intermediários e finais, geram um novo paradigma de mercado e relacionamento. Conceitos novos ou modismos são cunhados, como Customer Relationship Management (CRM), e-business e e-commerce. 1.2 O problema A Internet, complementada pelas extranets e intranets, representa um espaço pontual com potencial exponencial no estabelecimento das relações de troca através da tecnologia. Os estudos dessas relações no meio físico são extensos e conhecidos. Sua aplicabilidade como base teórica é incontestável naquele ambiente e quanto ao meio eletrônico? As variáveis do mercado físico são replicáveis no espaço virtual? Em qual contexto isso ocorre no meio eletrônico? Com tamanho nada desprezível, esse mercado, constituído por internautas (consumidores potenciais), negócios eletrônicos (fornecedores potenciais) e parceiros (fornecedores intermediários e com presença eletrônica pela Internet, extranets e intranets) cuja universalidade é baseada na tecnologia. Nesse contexto, o estudo dessas variantes provoca a proposta desta pesquisa,

18 4 cuja resposta possa colaborar no esclarecimento dessas questões. Pode-se propor um modelo o qual interativamente seja uma ferramenta de análise, planejamento e decisão, mantendo a relação com o que tradicionalmente se compreende como marketing? Há, a exemplo do mercado físico, possibilidade de que o serviço de apoio a clientes - SAC, também cunhado por pós-venda, operacionalize interativamente no meio eletrônico como se dá no mercado contemporâneo, respondem satisfatoriamente aos desafios do novo marketing? 1.3 Objetivos Para atender ao problema proposto, este trabalho procura atingir os seguintes objetivos: Objetivo geral: Propor um modelo que identifique as variáveis que interagem no mercado eletrônico e que disponibilize a visão do consumidor de forma interativa, ao mesmo tempo mantendo inter-relação com o marketing tradicional.

19 Objetivos específicos: - Identificar as variáveis que interagem no mercado eletrônico. - Observar na modelagem eletrônica a base teórica do mercado físico, co-relacionando e designando pela nomenclatura de uso mais comum a cada meio. - Identificar as variáveis importantes no mercado físico e como estas se replicam no meio eletrônico. - Propor modelo para o mercado eletrônico baseado na tecnologia existente naquele meio, sem dissociar de sua referência cruzada com o mercado tradicional. - Propor um mecanismo de relacionamento com o consumidor eletrônico que permita estabelecer uma rede de colaboração e sustentação para o mercado recipiente e atendimento das expectativas daqueles consumidores Resultados esperados: A definição de um modelo que represente os agentes do mercado eletrônico, potencial de relacionamento interativo entre os mesmos naquele meio, adequado ao planejamento, gestão, competitividade, eficiência e eficácia.

20 6 1.4 Hipóteses e metodologia a) Hipóteses da pesquisa Este trabalho está estruturado para avaliar as seguintes hipóteses, relacionadas à gestão do marketing eletrônico. O planejamento estratégico de mercado apresenta variáveis que interagem no mercado que são: - Esses agentes se replicam no meio eletrônico de modo a manterem co-relação com o conhecimento teórico conhecido no meio físico. - É possível, através da adaptação e cruzamento de variáveis do marketing, elaborar um modelo compatível para o mercado eletrônico. - Há a possibilidade de um relacionamento entre empresas e consumidores no meio eletrônico com bases mais avançadas e/ou agregadoras do que os serviços de SAC e pós-vendas determinam no meio físico. b) Classificação da pesquisa Considerando que a pesquisa representa o enfoque do trabalho em um dado momento, sendo essa dinâmica um dificultador a sua classificação em critérios mais rígidos, se deve observar a metodologia do trabalho. Pelos critérios definidos por Edna Lúcia da Silva e Estera Muszkat Menezes (2001) e Antônio Carlos Gil (2002), este estudo pode ter a seguinte classificação: Quanto à natureza (Silva e Menezes, 2001), é possível atender a regra da Pesquisa Aplicada, pois objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos. Com relação à abordagem do problema, se trata de pesquisa quantitativa, a qual pela análise estatística (case realizado) se identifica o perfil dos respondentes com relação aos consumidores do serviço avaliado e qualitativa no que se refere a

21 7 identificar expectativas entre a amostragem daquela população com relação a novos produtos, necessidades e preços praticados, isto é, viabiliza o planejamento estratégico de marketing por meio da pesquisa eletrônica. No que se refere a objetivos, se trata de um estudo exploratório-descritivo, que pelo estudo bibliográfico e evolutivo aborda o conhecimento que permite visualização do tema e proposta de monitoramento eletrônico do mercado e seus agentes. Quanto à abordagem técnica, focada em proposta modelar para o mercado em rede, aprofunda o tema e a problemática identificada com o mesmo, do como a infraestrutura tecnológica estabelece e operacionaliza as relações no meio, para então propor a replicagem do modelo físico, adaptado à necessidade digital. c) Metodologia utilizada O estudo foi extensivamente elaborado pela Internet, já que estando focado nesse meio, necessitava sua maior ênfase nessa prática. Com essa estratégia, possibilitou a motivação necessária no desenvolvimento da pesquisa, representando a aplicação prática do que se buscou propor. Direcionando o estudo a um provedor de Internet e seus usuários, permitiu a avaliação, compreensão e diagnóstico daqueles consumidores, suas necessidades e qual política comercial aquele prestador de serviço há de formular. As informações utilizadas, a exceção do estudo de caso, foram substancialmente executadas via Internet, com a colaboração presencial e mais relevante de pesquisadores nos Estados Unidos e Ásia, mesmo por que no escopo da pesquisa as contribuições acadêmicas nesse campo são mais significativas onde a disponibilidade de recursos é mais abrangente. Desse modo esta pesquisa extrapola o limite territorial do país, podendo servir ao universo acadêmico com interesse no foco da mesma. O estudo partiu de uma abordagem bibliográfica, histórico evolucionária, do desenvolvimento do mercado, ao estabelecimento do meio digital com base na

22 8 tecnologia da informação, da modelagem operacional de redes, aplicação do modelo, análise e resultados. A modelagem proposta para o mercado eletrônico procurou adequar o conhecimento existente no meio físico, para permitir uma compreensão facilitada, minimizando discrepâncias e ao mesmo tempo possibilitar a introdução de variáveis exclusivas das redes de informação. A identificação, proposta no estudo de caso, culminou com a escolha de prestador de serviço inerente ao meio eletrônico e a constatação do elevado grau de compromisso e possibilidades existentes entre consumidores e organizações em um processo eletrônico gerencial de relacionamento com o mercado. A figura 1 a seguir sumariza as etapas de desenvolvimento do trabalho. Etapas DEFINIÇÃO DO FOCO DO PROBLEMA IDENTIFICAR FONTES ATUALIZADAS Passos Relação com TI Inédito Não trivial Marketing Meio eletrônico Customização Pesquisa eletrônica Pesquisas na área Autores c/interesse Contatos, aquisição Análise, anotações Aplicabilidade no texto Redação Verificação ineditismo do objetivo geral DESENHO E SUPORTE DO MODELO - REDAÇÃO Verificação ineditismo do modelo concebido Relevância social Aplicabilidade Redação das descobertas APLICAÇÃO DE CASO E CONCLUSÕES FINAIS Identificar recipiente Pesquisar Interpretar Concluir estudo de caso Redação das conclusões Figura 1: Evolução da Pesquisa d) Delimitações e Limitações As respostas ao questionário on-line são uma limitação importante para o estudo de caso, já que a identificação de motivações que aumentem a participação dos respondentes no esac é particular de cada entrevistado. No particular desta

23 9 pesquisa, os rewards são exclusivamente na expectativa de que quem participa poderá ter suas expectativas desenhadas em um novo produto, no particular do case aqui trabalhado, informações e desenvolvimento de conteúdo focados no interesse pessoal de informação de um dado respondente. O trabalho se dará no escopo de uma empresa com grande concentração em tecnologia de informação, assim como o meio em que se dá sua atividade de mercado. Não será elaborado sua aplicalidade em indústria fora desse contexto o que deverá ser explorado em outras pesquisas como também por outros pesquisadores, principalmente em empresas que possam utilizar a ferramenta do SAC eletrônico sem que o produto daquela firma tenha a condição exclusiva do comércio eletrônico ou produto originário desse meio. 1.5 Estrutura do Trabalho A apresentação deste trabalho foi organizada em seis capítulos. O primeiro capítulo introduz a proposta da pesquisa realizada, sua justificativa, importância, apresenta o problema, seus objetivos e metodologia. O segundo capítulo apresenta pesquisa bibliográfica sobre a evolução do mercado desde a criação dos primeiros focos de comércio, sua regionalização, até a consagração do marketing, suas técnicas e teorias. Como complemento a essa abordagem inicial, a teoria econômica é apresentada para permitir uma segunda abordagem e maior compreensão das ações existentes no mercado, de forma a solidificar a análise. No terceiro capítulo tecnologia, mercado e marketing se combinam para apresentar as alterações e a maneira que a tecnologia da informação modelou o merca-

24 10 do eletrônico e o marketing interativo. A importância dessa tecnologia no deflagramento desse novo mercado. O quarto capítulo é a proposta original deste trabalho. Apresenta como um benchmark entre o marketing tradicional e o novo marketing, do modo que permita desenvolver e estabelecer o que se propõe por marketing interativo e sua ferramenta operacional o esac. Modernamente define por Customer Relationship Management CRM, o particular da gestão das informações interativas com os consumidores, sendo que o esac além de organizar tais dados, dinamiza e expande as possibilidades interativas em direção ao modelo mais amplo introduzido nesta pesquisa. No quinto capítulo é apresentado o estudo de caso, baseado no relacionamento e cooperação que o mercado eletrônico se permite entre seus agentes operativos, em condição facilitada, única e a baixo custo. No sexto capítulo são apresentadas as conclusões finais, avaliadas as hipóteses e recomendações para o futuro. Segue quadro resumo da estrutura do trabalho. Capítulos Títulos 1 Introducão e Sumário 2 Mercado e Evolução para o Marketing 3 Tecnologia da Informação, Mercado e Marketing 4 O Marketing Eletrônico 5 Estudo de Caso Empresa Ponto-com 6 Conclusão Figura 2: Estrutura do Trabalho

25 11 2 O MERCADO E A EVOLUÇÃO PARA O MARKETING 2.1 Introdução A tecnologia, atualmente, passa a desenhar o perfil do novo mercado e as ações de marketing começam a empregar os ganhos tecnológicos aplicáveis na gestão mercadológica e o modo como ela se reflete nos consumidores. Os agentes do mercado, em especial seus atores principais, consumidores e fornecedores, têm que estar suficientemente familiarizados a ela. O emprego do capital tecnológico, como a informática, modifica a forma que são escritas correspondências, podendo simplesmente dispensar o papel e digitar um ou do mesmo modo atualizar os relatórios de marketing, de vendas, produção etc. Com as planilhas eletrônicas, são trabalhados, importados, digitados e processados cálculos atualizados sobre qualquer operação matemática ou banco de dados nesse formato, as quais podem ser transformadas por um aplicativo multimídia, colando e importando dados e imagens, em poderosa apresentação audiovisual com o emprego de equipamento datashow. Como que se isso não bastasse, as Intranets, conectando toda uma organização, aumentam a demanda fazendo-se que cada trabalhador passe a interagir com ela, se relacionando com o todo da organização: O sistema corporativo. Contudo, a introdução da tecnologia mais avançada no domínio do marketing será melhor elaborada no próximo capítulo. Neste, buscar-se-á a forma mais clássica do emprego das técnicas de marketing na gestão corporativa. O processo de apresentação em Mercado e a Evolução para o Marketing tem início com o modo como as transações comerciais e do mercado aconteceram, de

26 12 forma gradual e crescente. Tal contexto se deu através da história por um processo evolutivo até os dias atuais. Dos antigos mercadores, da Revolução Industrial e da Era da Informação. Este capítulo sumariza o que contribuiu para os propósitos da evolução do conceito de mercado. O Mercado em Evolução apresenta uma abordagem histórica e conceitual sobre o tema. Uma revisão bibliográfica do marketing tradicional segue a abordagem histórica da criação do comércio e dos mercados. Com uma síntese do que entende a economia por mercado e o marketing em si, até o marketing como gestão empresarial. Segue com Mercados, Consumidores e Marketing, onde são introduzidos alguns conceitos que sustentam o emprego do marketing como ferramenta de gestão, olhando-se mercado e consumidor de um modo mais elaborado através do marketing. O Planejamento Estratégico busca ilustrar o que se tem como estrutura a organização moderna, a visão estratégica e a gestão profissional das variáveis que interagem no mercado. Continua-se com o comportamento do consumidor, com uma visão de marketing ancorada na psicologia do consumidor. 2.2 O Mercado em evolução Rossetti (2000, p. 395) explica que a palavra marketing, originou-se do substantivo em inglês market, ou, mercado em português. O emprego da terminologia deve-se à história. Os antigos entendiam que Marselha no Mediterrâneo, Bizâncio e Calcedônia na Ásia, Naucratis no Egito e Veneza e Gênova na Itália medieval eram tidos como importantes locais em que ocorriam as transações comerciais à época, espaço que os antigos denominaram mercado. Aliás, aqui tem-se a primeira definição do termo, que trata mercado como o local físico em que ocorre uma

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING MÓDULO I 304101 FUNDAMENTOS DE MARKETING Fundamentos do Marketing. Processo de Marketing.

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Referências Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Alinhamento Estratégico TI e Negócios Professor: Fernando Zaidan 1 JAMIL, George Leal. Tecnologia e Sistemas de Informação.

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro

Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo Financeiro Atuamos junto a estes três grupos de empresas, ajudando-os a atender da melhor maneira às necessidades do consumidor 2 Atendemos às necessidades

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Ementa Conceitos básicos de informática; evolução do uso da TI e sua influência na administração; benefícios; negócios na era digital; administração

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Introdução Os Desafios dos Negócios Nova Era Proliferação de ofertas Mercados saturados Taxas de respostas decrescentes Custos de aquisição de clientes

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO

PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EMENTA MBA GESTÃO DE VAREJO MBA GESTÃO DE VAREJO 1 - FORMAÇÃO DE PREÇO E ANÁLISE DE MARGEM NO VAREJO: Ementa: Conhecer o conceito de lucro na visão da precificação baseada no custo; demonstrar termos utilizados na formação de preço

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil

O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil O Segredo do Sucesso na Indústria da Construção Civil Planejamento estratégico pode ser o grande diferencial para a empresado ramo da construção civil, imobiliário e arquitetura que deseja obter mais sucesso

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni

Aula 6. Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter. Profa. Daniela Cartoni Aula 6 Estratégias Genéricas e Modelo das Forças Competitivas de Porter Profa. Daniela Cartoni Planejamento estratégico É um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços

Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços Artigo em publicação na Revista DOM Fundação Dom Cabral edição de Julho/2009 Analisando a cadeia de valor: estratégias para inovar em produtos e serviços POR Lia Krucken Quais são as melhores estratégias

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002

Introdução. Página 1 de 9. Trabalho sobre EXTRANET. Universidade de São Paulo Escola Politécnica. Luciano Chede Abad 14/09/2002 Introdução E-business é a nova onda nas empresas. A Internet não permite apenas que as empresas façam negócios de maneiras novas, ela praticamente as obriga a fazer isso, por questões de sobrevivência.

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

1ª Lei do Marketing: LIDERANÇA. As Nove Leis Vencedoras do Marketing

1ª Lei do Marketing: LIDERANÇA. As Nove Leis Vencedoras do Marketing As Nove Leis Vencedoras do Marketing 1ª Lei do Marketing: LIDERANÇA A Desafio 21 publicou as Leis Vencedoras do Marketing, resumidas pelo guru norte americano do marketing contemporâneo Al Ries no seu

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1

A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 A Comunicação Mercadológica como Fator de Vantagem Competitiva Empresarial 1 Tiago Miranda RIBEIRO 2 Kenney Alves LIBERATO 3 Thays Regina Rodrigues PINHO 4 PALAVRAS-CHAVE: comunicação; marketing; estratégia.

Leia mais

O Desafio da Precificação. no B2B. Direitos reservado reprodução proibida. Direitos reservado reprodução proibida

O Desafio da Precificação. no B2B. Direitos reservado reprodução proibida. Direitos reservado reprodução proibida O Desafio da Precificação no B2B Comoditização x Diferenciação A nova abordagem da Estratégia Competitiva Em qualquer empresa o interesse de três públicos devem estar equilibrados COLABORADORES (Satisfação)

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo

Subáreas. Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing estratégico: Marketing de varejo Marketing de serviços: Marketing de agronegócios Área: Marketing e Vendas Competências diagnóstico mercadológico; metodologia de análise e segmentação de mercado

Leia mais

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios

Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Relatório de pesquisa Gestão de Clientes no Mercado de Consórcios Via Consulting Maio de 2009 1 Caro leitor, Gostaria de convidá-lo a conhecer o resultado de uma pesquisa patrocinada pela Via Consulting

Leia mais

Sobre os autores. Apresentação

Sobre os autores. Apresentação Sobre os autores Apresentação 1 Gestão de marketing, 1 1.1 Estratégia e as forças competitivas, 2 1.1.1 Primeira força: ameaça de entrada de novos concorrentes, 3 1.1.2 Segunda força: pressão dos produtos

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais 19 Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Para compreendermos este livro, há que se entender alguns conceitos-chave que vão permear a sua leitura. O blog hoje é o melhor mecanismo para construir relacionamentos

Leia mais