RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO"

Transcrição

1 CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Fevereiro de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços de etanol hidratado combustível e identificados municípios com baixos índices de dispersão de preços de revenda, no mercado nacional, utilizando-se, basicamente, as informações do Levantamento de Preços ANP. A segunda seção apresenta o comportamento dos preços dos produtores de etanol hidratado nos últimos seis meses nas unidades produtoras dos estados de São Paulo e Alagoas. Em seguida, analisa a evolução recente dos preços médios de produção e revenda em nível regional, ressaltando os municípios cujos preços médios situam-se em patamares elevados em relação aos de suas respectivas regiões. A terceira seção aponta, em cada região, os mercados de revenda com níveis muito baixos de dispersão entre os preços, para uma avaliação posterior mais detalhada, levando-se em conta características estruturais que possam caracterizar indícios de práticas anticompetitivas. relatório. A última seção reúne as principais considerações finais deste

2 2. Comportamento dos preços. 2.1 Produção A Tabela 1 expressa os preços do etanol hidratado nas unidades produtoras dos estados de São Paulo e de Alagoas, nos últimos seis meses. Esses dois estados foram responsáveis por cerca de 49% da produção nacional desse biocombustível 1. Tabela 1 Evolução do Preço do Etanol Hidratado nas Unidades Produtoras dos Estados de São Paulo e Alagoas setembro de 2014 a fevereiro de Mês/Ano R$/litro (1) São Paulo Variação (mensal) Variação (12 meses) R$/litro (1) Alagoas Variação (mensal) Variação (12 meses) set/14 1,201-0,5% 4,5% 1,366 2,8% out/14 1,138-5,2% -2,2% 1,269-7,1% -2,1% nov/14 1,218 7,0% 1,1% 1,233-2,8% -3,9% dez/14 1,266 3,9% -1,2% 1,258 2,0% -7,1% jan/15 1,326 4,7% 3,2% 1,303 3,6% -6,5% fev/15 1,385 4,5% 1,2% 1,389 6,6% -1,4% Fonte: CEPEA/ESALQ/USP/USP NOTA: Não há dados disponíveis referentes ao preço do etanol hidratado no Estado de Alagoas, no mês de agosto de Os Gráficos 1 e 2 ilustram os preços médios mensais de produção do etanol hidratado nos estados de São Paulo e Alagoas, respectivamente, a partir de janeiro de O gráfico expressa os efeitos da sazonalidade 2 nos preços de produção desse biocombustível. 1 Safra 2013/2014 de acordo com Série Histórica de Produção Etanol Hidratado - CONAB, disponível em <http://www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1252&t=>. 2 A principal influência sazonal nos preços do etanol hidratado é o período de safra na produção da canade-açúcar, que corresponde aos meses de abril a novembro no centro-sul do Brasil e setembro a março do ano seguinte no Nordeste.

3 Gráfico 1 - Preços médios mensais de produção do etanol hidratado no estado de São Paulo janeiro de 2012 a fevereiro de 2015 (R$/litro) Fonte: CEPEA/ESALQ/USP/USP Gráfico 2 - Preços médios mensais de produção do etanol hidratado no estado de Alagoas janeiro de 2012 a fevereiro de 2015 (R$/litro) Fonte: CEPEA/ESALQ/USP/USP NOTA: Não há dados disponíveis referentes ao etanol hidratado no Estado de Alagoas, no mês de agosto de Os principais fatores que podem explicar flutuações dos preços do etanol hidratado nas unidades produtoras são os períodos de safra e entressafra da cana-de-açúcar, as variações climáticas e o volume de estoque existente.

4 Em fevereiro de 2015, o preço médio de produção do etanol hidratado, nas unidades produtoras do estado de São Paulo (Gráfico 1), apresentou aumento de 4,5% em relação ao mês de janeiro de Segundo pesquisadores do Cepea/Esalq, esse movimento foi impulsionado principalmente pelo período de entressafra da cana-de-açúcar e pela maior demanda no início do mês em razão do aumento no preço da gasolina comum. 3 No estado de Alagoas, o preço médio de produção do etanol hidratado (Gráfico 2), referente a janeiro de 2015, foi de R$1,389/litro, o que representa um aumento de 6,6% em relação a janeiro de O Gráfico 3 mostra a relação entre os preços médios da gasolina C e do etanol hidratado nos postos revendedores em cada uma das 27 unidades federativas no mês de referência deste relatório. O limite de 70% entre os preços do etanol hidratado e da gasolina C, referente à vantagem econômica em adquirir o etanol hidratado, está indicado pela linha horizontal vermelha no gráfico. 3 Disponível em Acesso em 23 de março de 2015.

5 Gráfico 3 - Relação entre os preços médios mensais de revenda da gasolina comum e do etanol hidratado nas 27 unidades federativas do Brasil (fevereiro/2015) Fonte: Levantamento de Preços/ANP Considerando-se o preço médio por estado (Gráfico 3), verificase que, em fevereiro de 2015, o comparativo por estado entre gasolina e etanol não sofreu alterações em relação ao mês de janeiro de 2015, apesar das alterações tributárias em vigor desde o início do mês, que levaram ao aumento tanto do preço da gasolina C quanto do etanol hidratado. Com isso, o consumo de etanol manteve-se mais vantajoso economicamente vis-à-vis à gasolina comum nos estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo.

6 2.2 Revenda O Gráfico 4 mostra a comparação entre os preços médios mensais de revenda observados nas regiões brasileiras, com base nos valores referentes aos últimos doze meses, de acordo com o Levantamento de Preços ANP. Gráfico 4 - Preços médios mensais de revenda de etanol hidratado por região (R$/litro) Fonte: Levantamento de Preços/ANP De acordo com o Gráfico 4, em fevereiro de 2015, as cinco regiões apresentaram elevações em seus preços médios de revenda de etanol hidratado, registrando as seguintes variações: +7,4%, na região Centro-Oeste; +2,9%, na região Nordeste; +3,2%, na região Norte; +8,3%, na região Sudeste e +9,8%, na região Sul. Com base nos preços médios de revenda nos municípios pesquisados, no mês de referência deste relatório, foi elaborado o Gráfico 5, que apresenta a distribuição desses preços por região em intervalos de R$ 0,200/litro.

7 Gráfico 5 - Preços médios mensais de revenda de etanol hidratado por região e faixa de preços (fevereiro/2015) 2% 5% 1% 66% 32% 25% 14% 14% 52% R$/litro > 2,800 47% 59% 24% 13% 2,600-2,799 2,400-2,599 2,200-2,399 < 2,199 18% 43% 25% 16% 19% 16% 9% Norte Nordeste C-Oeste Sudeste Sul Fonte: Levantamento de Preços/ANP A partir do Gráfico 5, observa-se que, em fevereiro de 2015, na região Norte, 84% dos preços de revenda foram iguais ou superiores a R$ 2,600/litro. Na região Nordeste, 98% dos preços estiveram entre R$2,200/litro e R$ 2,799/litro, enquanto que, na região Sul, esse percentual foi de 90%. No Centro-Oeste, 84% dos preços foram superiores a R$2,200/litro e na região Sudeste, 81% dos preços foram inferiores a R$2,600/litro. Os municípios pesquisados que apresentaram os maiores preços médios mensais de revenda, em cada região brasileira, foram: Itacoatiara (AM) no Norte, Balsas (MA) no Nordeste, Paranaíba (MT) no Centro-Oeste, Jaguaré (ES) no Sudeste e Uruguaiana (RS) no Sul.

8 3. Mercados com Baixos Níveis de Dispersão de Preços Para identificar os mercados municipais com baixos níveis de dispersão de preços, foram calculados coeficientes de variação 4 dos preços de revenda de etanol hidratado, pesquisados em cada semana de fevereiro de Coeficientes inferiores a 0,010 5 caracterizam uma dispersão de preços muito pequena, o que indica que há maior possibilidade de alinhamento dos preços ao consumidor final. A Tabela 2 mostra o total de municípios por região que apresentaram simultaneamente as seguintes características: Coeficientes de variação iguais ou inferiores a 0,010, em pelo menos em quatro das cinco semanas pesquisadas no mês; e Número de postos revendedores pesquisados por semana superior ou igual a 15. Tabela 2 Número de municípios com as características supracitadas Região Nº de municípios Norte 0 Nordeste 0 Centro-Oeste 1 Sudeste 1 Sul 0 4 Coeficiente de variação = desvio-padrão/preço médio. É uma medida de variação relativa utilizada para comparar as variabilidades de duas ou mais amostras de tamanhos diferentes. Quanto mais baixo o seu valor, menor será a dispersão entre os preços. 5 Esses valores representam uma baixa variabilidade entre os preços e, em geral, mais de 70% deles estão em intervalos de até R$ 0,020/litro.

9 4. Considerações Finais Em fevereiro de 2015, o preço médio de produção do etanol hidratado, em São Paulo, apresentou variação positiva de 4,5%. Já no estado de Alagoas, o preço médio de produção do etanol hidratado, referente a fevereiro de 2015, foi de R$1,389/litro, o que representa um aumento de 6,6% em relação a janeiro de Tais aumentos foram impulsionados principalmente pelo período de entressafra da cana-de-açúcar e pela maior demanda em razão do aumento no preço da gasolina comum no início desse mês. Com relação aos preços médios de revenda de etanol hidratado, em fevereiro de 2015, as cinco regiões apresentaram variações positivas: região Centro-Oeste (7,4%) região Nordeste (2,9%); região Norte (3,2%), região Sudeste (8,2%) e região Sul (9,8%). Nesse mês, foram observados baixos índices de dispersão dos preços de revenda em 2 municípios. A ANP irá aprofundar a análise dos mercados de revenda de etanol hidratado para estes municípios a fim de avaliar a existência de indícios de infração contra a ordem econômica, com base, principalmente, nas evoluções dos índices de dispersão entre os preços e das margens brutas de revenda. As análises elaboradas pela ANP, a fim de verificar possíveis indícios de práticas anticompetitivas por parte dos agentes econômicos que atuam no mercado nacional de combustíveis, atendem, em geral, solicitações/denúncias encaminhadas por órgãos dos poderes Judiciário, Legislativo e Executivo, do Ministério Público Federal, dos Ministérios Públicos Estaduais, dos Procons e de outras entidades públicas ou civis em todo o país. No que se refere à análise de detecção de indícios de prática de cartel no mercado de revenda de combustíveis, a ANP utiliza metodologia própria expressa na Nota Técnica ANP Metodologia adotada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis para Detecção de Cartéis, que está disponível no endereço eletrônico da Agência. Deve-se ressaltar que esta metodologia visa à detecção de indícios de alinhamento de preços em determinado mercado, do ponto de vista da análise estritamente econômica, com objetivo de dar cumprimento ao disposto no art. 10 da Lei 9.478/1997, que confere à ANP a atribuição de informar ao Conselho Administrativo de Defesa da Concorrência (CADE), entidade vinculada ao Ministério da Justiça que integra o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência, de fato que possa configurar indício de infração da ordem econômica, para que estes órgãos tomem as providências cabíveis no âmbito da legislação pertinente.

10 Além disso, cabe ressaltar que a constatação de indícios a partir da análise econômica não é suficiente para afirmar que ocorreu acordo para eventual fixação de preços pelos agentes e, logo, que se configure prática anticompetitiva, pois é fundamental a existência de provas diretas do acordo entre os agentes. Logo, não se pode descartar a possibilidade de que análises complementares do comportamento dos preços realizadas por outros órgãos competentes ou por esta ANP, a partir de informações adicionais e/ou utilizando metodologia distinta, alcancem diferentes resultados estatísticos. Nos últimos doze meses, a ANP elaborou análises acerca dos mercados de revenda de etanol hidratado, sob a ótica da defesa da concorrência, referentes ao seguinte município: Município UF Período Chapecó SC novembro de 2013 a março de 2014 Loanda PR outubro de 2011 a julho de 2012 Distrito Federal DF janeiro de 2013 a maio de 2014 Governador Valadares MG janeiro de 2013 a junho de 2014 Goiânia GO janeiro de 2014 a novembro de 2014

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Janeiro de 2015 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Janeiro de 2015 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Janeiro de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços de

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Março de 2015 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Março de 2015 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Março de 2015 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços de etanol

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2015 GASOLINA COMUM

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2015 GASOLINA COMUM CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2015 GASOLINA COMUM 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços da gasolina

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Novembro de 2007 GLP

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Novembro de 2007 GLP CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Novembro de 2007 GLP 1. Introdução Neste relatório será analisado o comportamento do mercado de revenda de GLP

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Junho de 2009 GLP

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Junho de 2009 GLP CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência 1. Introdução RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Junho de 2009 GLP Neste relatório será analisado o comportamento do mercado de revenda de GLP à

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Dezembro de 2010 ETANOL HIDRATADO

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Dezembro de 2010 ETANOL HIDRATADO CDC - Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Dezembro de 2010 ETANOL HIDRATADO 1. Introdução Neste relatório será analisado o comportamento do mercado de

Leia mais

Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta maior variação no preço da gasolina em janeiro

Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta maior variação no preço da gasolina em janeiro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 01 Janeiro/2015 Entre os levantamentos de preços divulgados pela ANP, Balneário Camboriú apresenta

Leia mais

Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação de R$ 0,497 por litro

Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação de R$ 0,497 por litro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 05 Maio/2015 Preço da gasolina praticado pelas principais cidades Catarinenses apresenta variação

Leia mais

Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades Catarinenses apresenta queda em março

Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades Catarinenses apresenta queda em março Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 03 Março/2015 Após aumento, preço do combustível praticado pela maior parte das principais cidades

Leia mais

Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro

Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 02 Fevereiro/2015 Santa Catarina inicia com altas nos preços da gasolina em fevereiro Desde

Leia mais

Preço da gasolina varia R$ 0238 entre os municípios catarinenses analisados pela ANP

Preço da gasolina varia R$ 0238 entre os municípios catarinenses analisados pela ANP Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 11 Novembro/2015 Preço da gasolina varia R$ 0238 entre os municípios catarinenses analisados

Leia mais

Preço dos combustíveis mantém queda no mês de abril nas principais cidades Catarinenses

Preço dos combustíveis mantém queda no mês de abril nas principais cidades Catarinenses Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 04 Abril/2015 Preço dos combustíveis mantém queda no mês de abril nas principais cidades Catarinenses

Leia mais

Preço do etanol volta a ter queda nas principais cidades de Santa Catarina

Preço do etanol volta a ter queda nas principais cidades de Santa Catarina Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 07 Julho/2015 Preço do etanol volta a ter queda nas principais cidades de Santa Catarina Desde

Leia mais

Munícipios de Santa Catarina apresentam aumento nos preços da gasolina em novembro de 2014

Munícipios de Santa Catarina apresentam aumento nos preços da gasolina em novembro de 2014 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 3, Nº 10 Novembro/2014 Munícipios de Santa Catarina apresentam aumento nos preços da gasolina em novembro

Leia mais

Preço da gasolina varia R$ 0,406 entre os municípios catarinenses analisados pela ANP

Preço da gasolina varia R$ 0,406 entre os municípios catarinenses analisados pela ANP Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 12 Dezembro/2015 Preço da gasolina varia R$ 0,406 entre os municípios catarinenses analisados

Leia mais

Preço médio da gasolina na distribuição chega a variar R$ 0,259 entre as cidades de Santa Catarina analisadas pela ANP

Preço médio da gasolina na distribuição chega a variar R$ 0,259 entre as cidades de Santa Catarina analisadas pela ANP Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 09 Setembro/2015 Preço médio da gasolina na distribuição chega a variar R$ 0,259 entre as cidades

Leia mais

Preço médio do etanol varia em até R$ 0,47 entre cidades de Santa Catarina

Preço médio do etanol varia em até R$ 0,47 entre cidades de Santa Catarina Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 08 Agosto/2015 Preço médio do etanol varia em até R$ 0,47 entre cidades de Santa Catarina Desde

Leia mais

Preços do etanol nos municípios Catarinenses analisados pela ANP vêm apresentando alta nos últimos meses

Preços do etanol nos municípios Catarinenses analisados pela ANP vêm apresentando alta nos últimos meses Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 5, Nº 2 Fevereiro/2016 Preços do etanol nos municípios Catarinenses analisados pela ANP vêm apresentando

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços do óleo

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 10/09/2017 a 16/09/2017 Os

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 04/12/2016 a 10/12/2016 Os

Leia mais

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e

Os dados deste relatório são divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Preços ao consumidor do etanol hidratado e Relatório da gasolina, semanal por semana, de preços praticados ao consumidor no Brasil Semana de 22/11/2015 a 28/11/2015 Semana de 02/07/2017 a 08/07/2017 Os

Leia mais

PREÇOS E VENDAS DE ETANOL

PREÇOS E VENDAS DE ETANOL SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO DO MODELO CONSECANA SÃO PAULO Piracicaba, 16 de abril de 2014 PREÇOS E VENDAS DE ETANOL Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Escola Superior de Agricultura Luiz de

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 211 Conteúdo INTRODUÇÃO... 3 1. MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

Leia mais

Estimativas e Análises do PIB Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012.

Estimativas e Análises do PIB Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012. O Atual Potencial Econômico do Brasil Estimativas e Análises do PIB 2011 - Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 02 Setembro/2012 Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

CIDE Combustíveis e a Federação

CIDE Combustíveis e a Federação CIDE Combustíveis e a Federação O objetivo desta análise é investigar as possíveis causas da queda de arrecadação da CIDE no primeiro trimestre de 2009, na comparação com o primeiro trimestre de 2008.

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

2. Aquisição de Leite

2. Aquisição de Leite 2. Aquisição de Leite No 2º trimestre de 2017, a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (Federal, Estadual ou Municipal) foi de 5,64 bilhões

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 16/11/2016 Informações adicionais Safra 2016/2017 1ª quinzena de novembro A moagem pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiu

Leia mais

2. Aquisição de Leite

2. Aquisição de Leite 2. Aquisição de Leite No 1º trimestre de 2017, a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos que atuam sob algum tipo de inspeção sanitária (Federal, Estadual ou Municipal) foi de 5,87 bilhões

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Setembro/2016

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Setembro/2016 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Setembro/2016 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Outubro/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Outubro/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Outubro/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

Munícipios de Santa Catarina apresentam queda nos preços da gasolina no mês de agosto de 2014

Munícipios de Santa Catarina apresentam queda nos preços da gasolina no mês de agosto de 2014 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 3, Nº 7 Agosto/2014 Munícipios de Santa Catarina apresentam queda nos preços da gasolina no mês de

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 4 - MAIO DE 2013 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Figura 1: Evolução do Preço de Combustíveis no Brasil (Valores reais de Jun./16)

Figura 1: Evolução do Preço de Combustíveis no Brasil (Valores reais de Jun./16) Mar-07 Jun-07 Sep-07 Dec-07 Mar-08 Jun-08 Sep-08 Dec-08 Mar-09 Jun-09 Sep-09 Dec-09 Mar-10 Jun-10 Sep-10 Dec-10 Mar-11 Jun-11 Sep-11 Dec-11 Mar-12 Jun-12 Sep-12 Dec-12 Mar-13 Jun-13 Sep-13 Dec-13 Mar-14

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 17 JUNHO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel

ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel A disponibilidade de óleo de soja com a crescente demanda de biodiesel Leonardo Botelho Zilio leonardo@abiove.org.br m³ ABIOVE - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Sistematização de

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Dezembro de 2015 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Novembro de 2016 O é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho do consumo e das

Leia mais

Casos de FHD Óbitos e Taxa de letalidade

Casos de FHD Óbitos e Taxa de letalidade Casos de dengue Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Total 2003 20.471 23.612 - - - - - - - - - - 44.083 2002 94.447 188.522 237.906 128.667 60.646 23.350 12.769 10.149 6.682 7.138 9.246 9.052

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Preço do etanol tem queda nas principais cidades de Santa Catarina

Preço do etanol tem queda nas principais cidades de Santa Catarina Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 4, Nº 07 Julho/2015 Preço do etanol tem queda nas principais cidades de Santa Catarina Desde janeiro

Leia mais

mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda

mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda Soja Os preços médios da soja apresentaram pequena queda em fevereiro, como mostra a Tabela 1. O estado do Rio Grande do Sul não acompanhou o cenário de queda e apresentou variação positiva para fevereiro,

Leia mais

Figura 1 Evolução do preço dos combustíveis no Brasil (R$ de Abr./2017)

Figura 1 Evolução do preço dos combustíveis no Brasil (R$ de Abr./2017) O boletim do Setor Sucroalcooleiro de Maio/2017 analisa a evolução dos preços dos principiais combustíveis veiculares utilizados no país gasolina, etanol, diesel e gás natural veicular (GNV) destacando

Leia mais

CEPEA ETANÓIS ANIDRO E HIDRATADO. 1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) I - Análise Conjuntural

CEPEA ETANÓIS ANIDRO E HIDRATADO. 1. Evolução dos Indicadores CEPEA/ESALQ dos etanóis anidro e hidratado (valores nominais) I - Análise Conjuntural AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência:fevereiro/2016 CEPEA - AÇÚCAR & ETANOL I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional

Leia mais

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013.

Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios. Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/2013. Estudo de Perfil do Consumidor Potencial Brasil - Dados Demográficos: Grandes Regiões, Estados e Municípios Boletim Técnico Gonçalves & Associados Edição 04 - Maio/ Edição 2009 www.goncalvesassociados.com

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 Emprego industrial 02 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O SEGUNDO MELHOR

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

O preço médio da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas

O preço médio da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas Soja O preço médio da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas apresentaram sinas de recuperação do mercado no mês de junho, como mostra a Tabela 1. O estado do Paraná foi o que apresentou

Leia mais

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas

Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas Soja Os preços médios da soja pago aos produtores familiares pelas cooperativas apresentaram queda no primeiro mês de 2014, como mostra a Tabela 1. O estado de Minas Gerais foi o único que apresentou variação

Leia mais

Análises de preços de combustíveis nas regiões sudeste e nordeste 1

Análises de preços de combustíveis nas regiões sudeste e nordeste 1 Análises de preços de combustíveis nas regiões sudeste e nordeste 1 Guilherme Signorini Graduando em Agronomia Esalq/USP Dra. Marta Cristina Marjotta-Maistro Pesquisadora do Cepea/Esalq/USP Artigo publicado

Leia mais

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO

NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO PERFIL DA PRODUÇÃO BRASIL 2 NÚMEROS DO SETOR SUCROENERGÉTICO BRASILEIRO Estrutura produtiva: 356 unidades e mais de 1000 municípios com atividade vinculadas à indústria sucroenergética no país. 840.281

Leia mais

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017

Rio de Janeiro, 18/05/2017. Mercado de Trabalho Brasileiro 1º trimestre de 2017 1 Rio de Janeiro, 18/05/2017 Mercado de Trabalho Brasileiro estre de 2017 O B J P R I N C I P A L Produzir informações contínuas PNAD Contínua Produzir informações anuais E T I sobre a inserção da população

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 2 SETEMBRO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007

Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 Quantidade de Acessos / Plano de Serviço / Unidade da Federação - Novembro/2007 REGIÃO NORTE 5.951.408 87,35 861.892 12,65 6.813.300 RONDÔNIA 760.521 88,11 102.631 11,89 863.152 ACRE 298.081 85,86 49.094

Leia mais

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO DE CANA DEVE CRESCER 51% EM 2017

VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO DE CANA DEVE CRESCER 51% EM 2017 Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados no XII /maio/ n. VLOR BRUTO D PRODUÇÃO DE CN DEVE CRESCER % EM Em f unção de m udança na metodologia de cálculo, alguns itens do VBP grícola apresentaram f

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADEDE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIASECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADEDE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIASECONÔMICAS CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Bollettiim de Agrropecuárriia da FACE Nº 61,, Settembrro de 2016 Segue abaixo uma breve explicação sobre os dados agropecuários analisados neste Boletim. Pesquisa, acompanhamento e avaliação de safras

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 16 MAIO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2016 CEPEA AÇÚCAR & ETANOL I Análise Conjuntural II Séries Estatísticas 1. Relações de preços mercados interno e internacional (paridade

Leia mais

Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF

Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF Educação Superior Enade e IGC dos Estados e DF Enade 2015 O Conceito Enade é um indicador de qualidade que avalia o desempenho dos estudantes a partir dos resultados obtidos anualmente para os cursos que

Leia mais

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A quinta estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas 1, indica uma produção da ordem de 144,3 milhões de toneladas,

Leia mais

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO

CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO BOLETIM março 2017 CESTA BÁSICA do Município de Catalão-GO Mês de Referência: 03/2017 Mês de Divulgação: 04/2017 Profa. Dra. Michelle da Silva Borges; Sandra Vieira Araújo Virginia Ananias Borges CATALÃO-GO

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 19 AGOSTO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 Produção Industrial Mensal Produção Física: Março de 2012 Os indicadores da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física PIM-PF, referentes ao mês de março

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA MOVIMENTAÇÃO NACIONAL DO EMPREGO NO SEGMENTO DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA São Paulo 2010 Sumário 1. Movimentação Nacional do Emprego no segmento da Arquitetura e Engenharia Consultiva 2010...

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar

Balanço 2016 Perspectivas Cana-de-açúcar Cana-de-açúcar 85 86 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 DÉFICIT NA PRODUÇÃO MUNDIAL DE AÇÚCAR, AUMENTO DA DEMANDA E QUEDA NOS ESTOQUES MANTERÃO TENDÊNCIA DE PREÇOS ALTOS A perspectiva é de

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA - JULHO/2015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL CONTINUA EM QUEDA A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012

4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012 4ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos 2012 Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região Fetec-CUT(PR)

Leia mais

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57

Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 CIDE - - PIS/COFINS 2,18 2,18 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 jan/16 fev/16 Brasil Preço de Realização do Produtor 13,09 13,08 Preço do Produtor s/ ICMS c/ CIDE/PIS/COFINS 15,28 15,26 ICMS 6,57 6,57 Margem Bruta de Distribuição 15,73 16,14 Preço de Distribuição 37,57

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2012

Contas Regionais do Brasil 2012 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2012 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio de Janeiro, 14/11/2014 Contas Regionais do Brasil Projeto

Leia mais

jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10

jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 Coordenadoria de Defesa da Evolução Concorrência dos preços de GLP (R$ / botijão de 13 kg) Brasil Preço de Realização do Produtor 11,33 11,34 11,34 11,32 11,33 11,33 11,33 11,34 11,34 11,34 11,34 Preço

Leia mais

Preço do Leite dispara em São Paulo

Preço do Leite dispara em São Paulo São Paulo, 7 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Preço do Leite dispara em São Paulo Em junho de 2009, o custo de vida no município de São Paulo apresentou taxa de 0,05%, ou seja, -0,18 ponto percentual

Leia mais

Análise dos preços dos combustíveis no Estado do Paraná

Análise dos preços dos combustíveis no Estado do Paraná Análise dos preços dos combustíveis no Estado do Paraná Mesmo considerando a atual crise econômica a expectativa é de que o custo de vida do brasileiro aumente, em média, 4,26% em 2009 e 4,46% em 2010.

Leia mais

Análise da evolução dos preços de milho no Brasil

Análise da evolução dos preços de milho no Brasil Introdução Análise da evolução dos preços de milho no Brasil Michele Souza Freitas (1), Rubens Augusto de Miranda (2), João Carlos Garcia (3) Segundo a Conab, na safra 2014/15, dos 202,3 milhões de toneladas

Leia mais

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014)

8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) 8ª Pesquisa Nacional de Ataques a Bancos (2014) Elaboração: Contraf-CUT, CNTV e Federação dos Vigilantes do Paraná Fonte: Notícias da imprensa, SSP e sindicatos Apoio: Sindicato dos Vigilantes de Curitiba

Leia mais

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Diretoria de Pesquisas COAGRO/GEAGRI LSPA Junho de 217 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Atendimento de Saúde Ocupacional e Acidente do Trabalho no Sistema Unimed

Atendimento de Saúde Ocupacional e Acidente do Trabalho no Sistema Unimed Atendimento de Saúde Ocupacional e Acidente do Trabalho no Sistema Unimed ESTUDO REALIZADO PELA ÁREA DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS DA UNIMED DO BRASIL: José Carlos de Barros Gerente Paulo José Especialista

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE OS PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS E NAS CIDADES GAÚCHAS DEZEMBRO DE 2014

RELATÓRIO SOBRE OS PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS E NAS CIDADES GAÚCHAS DEZEMBRO DE 2014 1 FURG INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS, ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS ICEAC CENTRO INTEGRADO DE PESQUISAS CIP www.cip.furg.br E-mail: cip@furg.br Coordenador: Prof. Tiarajú Alves de Freitas Bolsista: Acadêmico:

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Caracterização da Amostra DADOS FISICOS Amostra TOTAL Número de respondentes 293 Crescimento de 37% em relação a 2012 Número de Lojas 2.854 Número de Centro

Leia mais

CARNE BOVINA Período: JULHO/2011

CARNE BOVINA Período: JULHO/2011 CARNE BOVINA Período: JULHO/2011 MERCADO INTERNO BOVINO Quadro I - PREÇOS PAGOS AOS PRODUTORES - R$/unidade PERÍODOS ANTERIORES PRAÇA UF UNID 12 MESES 6 MESES 1 MÊS Barretos SP @ 81,55 104,88 100,70 97,27

Leia mais

Fundação de Proteção e Defesa do consumidor Procon. Relatório de Pesquisa Preço da Gasolina e Etanol

Fundação de Proteção e Defesa do consumidor Procon. Relatório de Pesquisa Preço da Gasolina e Etanol Fundação de Proteção e Defesa do consumidor Procon Relatório de Pesquisa Preço da Gasolina e Etanol presentação Com o propósito de disseminar informação para os consumidores em se tratando de um dos produtos

Leia mais

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos).

O setor de Serviços foi o maior gerador de empregos formais no mês de julho (1.372 postos), seguido da Construção Civil (564 postos). EMPREGO INDUSTRIAL JULHO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO CATARINENSE APRESENTOU DIMINUIÇÃO DO EMPREGO EM JULHO. O número de demissões foi maior que o de admissões resultando em um

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL PSR

PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL PSR PROGRAMA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL PSR Exercício 2013 Números Preliminares Vicente de Paulo Diniz Diretor do Departamento de Gestão de Risco Rural DEGER Ana Carolina Mera Coordenadora do Seguro

Leia mais

Boletim Cana-de-Açúcar - Safra 2017/18 SISTEMA TEMPOCAMPO. Clima, Agricultura, Tecnologia. Região Centro-Sul

Boletim Cana-de-Açúcar - Safra 2017/18 SISTEMA TEMPOCAMPO. Clima, Agricultura, Tecnologia. Região Centro-Sul Boletim Cana-de-Açúcar - Safra 2017/18 SISTEMA TEMPOCAMPO Clima, Agricultura, Tecnologia Região Centro-Sul N.2 Maio de 2017 1 Equipe TEMPOCAMPO-ESALQ Prof. Fábio Marin (Coordenador) Carolina Machado Marini

Leia mais

Combustíveis e seus reajustes. Número 19 abril 2006 NOTA TÉCNICA

Combustíveis e seus reajustes. Número 19 abril 2006 NOTA TÉCNICA Combustíveis e seus reajustes Número 19 abril 2006 NOTA TÉCNICA Combustíveis e seus reajustes O aumento do álcool, neste 1º trimestre de 2006, assustou os consumidores. Muitos deles, com veículos bicombustíveis,

Leia mais

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE

EVOLUÇÃO SALARIAL. Categoria: Federação dos Trabalhadores da Saúde do Estado de São Paulo. Material de suporte para categorias em data-base INPC-IBGE EVOLUÇÃO SALARIAL Categoria: Material de suporte para categorias em data-base Deflatores: IPCA-IBGE INPC-IBGE março de 2015 Este trabalho contém o estudo sobre o comportamento dos salários desde 01-março-2014

Leia mais

Chapecó tem aumento de 2,50% em fevereiro no valor do Cesto de produtos básicos

Chapecó tem aumento de 2,50% em fevereiro no valor do Cesto de produtos básicos Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 20, Nº 2 Fevereiro/2015 Chapecó tem aumento de 2,50% em fevereiro no valor do Cesto de produtos básicos

Leia mais

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL E PRODUTIVA DA AGRICULTURA FAMILIAR NOS 10 ANOS DO PNPB Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social Dezembro de 2015 Brasília

Leia mais

Evolução das Despesas Estaduais

Evolução das Despesas Estaduais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 2 Evolução das Despesas

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil

Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil Perspectivas do Etanol na Matriz de Transportes do Brasil SEMINÁRIO INTERNACIONAL: USO EFICIENTE DO ETANOL Aurélio César Nogueira Amaral Diretor 20.09.2016 Missões da ANP REGULAR Estabelecer as normas

Leia mais

Associação Brasileira dos Produtores de Soja

Associação Brasileira dos Produtores de Soja Associação Brasileira dos Produtores de Soja 1. PREVISÃO DE SAFRA E DESTINAÇÃO De acordo com o 7 Levantamento de safra 2015/16, publicado em abril pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a área

Leia mais