Sem Fronteiras EXPEDIENTE AO LEITOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sem Fronteiras EXPEDIENTE AO LEITOR"

Transcrição

1

2

3 EXPEDIENTE MINAS FAZ CIÊNCIA Assessora de Comunicação Social e Editora Geral: Ariadne Lima (MG09211/JP) Editor Executivo: Fabrício Marques Assessora Editorial: Vanessa Fagundes Redação: Ariadne Lima, Fabrício Marques, Vanessa Fagundes, Juliana Saragá, Maurício Guilherme Silva Jr., Ana Flávia de Oliveira, Marcus Vinicius dos Santos, Hely Costa Jr., Kátia Brito (Bolsista de Iniciação Científica). Diagramação: Beto Paixão Revisão: Glísia Rejane Projeto gráfico: Hely Costa Jr. Editoração: Fazenda Comunicação & Marketing Montagem e impressão: Lastro Editora Tiragem: exemplares Capa: Hely Costa Jr. Sem Fronteiras AO LEITOR Redação - Rua Raul Pompéia, º andar, São Pedro - CEP Belo Horizonte - MG - Brasil Telefone: +55 (31) Fax: +55 (31) Site: Blog: Facebook: GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador: Antonio Augusto Junho Anastasia SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Secretário: Narcio Rodrigues Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais Presidente: Mario Neto Borges Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação: José Policarpo G. de Abreu Diretor de Planejamento, Gestão e Finanças: Paulo Kleber Duarte Pereira Conselho Curador Presidente: João Francisco de Abreu Membros: Antônio Carlos de Barros Martins, Dijon Moraes Júnior, Evaldo Ferreira Vilela, Giana Marcellini, José Luiz Resende Pereira, Magno, Antônio Patto Ramalho, Paulo César Gonçalves de Almeida, Paulo Sérgio Lacerda Beirão, Rodrigo Corrêa de Oliveira Estar conectado com o mundo é uma necessidade da civilização contemporânea. Os pilares Ciência, Tecnologia e Inovação, de maneira especial, precisam interagir nas diversas nacionalidades, a fim de garantir e, mesmo, acelerar o progresso científico da humanidade. Atenta às movimentações globais, a Fundação de Amparo à Ciência do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) promove a internacionalização da ciência mineira, estabelecendo o intercâmbio de pesquisadores e a pesquisa conjunta. Assim, potencializa as ações similares desenvolvidas em diferentes países e aproxima a ciência brasileira dos padrões científicos internacionais. Na FAPEMIG, as parcerias internacionais cresceram ao longo dos anos e foram institucionalizadas em 2011, com a criação da Assessoria Científica Internacional, voltada especialmente para gerir as relações internacionais da Instituição. Esta edição especial procura colocar em primeiro plano os acordos já firmados e aqueles em processo de efetivação, num total de oito países, como no exemplo a seguir: em 29 de setembro de 2009, por meio da Deliberação nº 43, foi regulamentada, pelo Conselho Curador da FAPEMIG, a bolsa de iniciação científica internacional, que beneficiou, desde então, estudantes interessados em fazer intercâmbio científico na Alemanha, por meio da parceria com o Serviço Alemão de Intercâmbio Científico (Daad). Outra parceira nesse país é a Fundação Alemã de Pesquisa Científica (DFG). Na França, os diálogos tiveram início em 2007 e foram oficializados em 2008, com o Instituto Nacional Francês para Pesquisa em Ciência da Computação e Automação (Inria). Desde então, editais já foram lançados e projetos científicos e tecnológicos de cooperação binacional estão sendo desenvolvidos por meio da parceria. As aproximações com a Itália se deram com a região de Piemonte, com o Politecnico di Torino (PoliTO), em que professores da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) têm a oportunidade de fazer Doutorado, e graduandos podem obter a Dupla Titulação. No Reino Unido, um acordo de cooperação científica foi firmado com o Centro de Inovações Csem Brasil e o Imperial College London, um dos principais centros de referência internacional no estudo e no desenvolvimento da eletrônica orgânica e impressa. Outros acordos, não menos importantes, se dão com a Austrália (Universidade de Queensland), o Canadá (Universidade Alberta) e Estados Unidos (Purdue). Ao mesmo tempo, uma comissão criada pela FAPEMIG tem feito contatos com Israel. Convidamos o leitor a ler as reportagens e conhecer um pouco mais desses diálogos.

4 ÍNDICE 08 Assessoria internacional Em busca de cooperação e entendimento entre instituições internacionais e o Estado, assessoria científica internacional da FAPEMIG desenvolve estratégias de aproximação entre países 44 A vida dos bolsistas lá Histórias de estudantes e pesquisadores brasileiros no exterior revelam rotinas atribuladas, mas, ao mesmo tempo, coroadas por conhecimento, amizade e cultura 10 Entrevista Abrindo as portas para o mundo: o reitor da UFMG, Clélio Campolina, aponta as perspectivas da Ciência brasileira no campo internacional 28 Canadá Estudos são referência na pesquisa da Mata Seca e embasam até mesmo decisões jurídicas 14 Itália Referência mundial, design praticado na região de Piemonte liga a riqueza da terra de Dante à Estrada Real mineira 31 Inglaterra Do Reino Unido, o suporte teórico para a ciência dos chips orgânicos impressos feitos em Belo Horizonte 20 França Projetos de cooperação com Nord-Pas de Calais estimulam desenvolvimento em diversas áreas, como Tecnologia da Informação, Mineração, Saúde e Materiais 34 Israel Sistema de inovação israelense acrescenta novas perspectivas para promover a união entre academia e empresas 25 Austrália Parceria promove a expansão da indústria mineral sem causar danos ao meio ambiente 38 Alemanha Acordos com agências alemãs proporcionam a pesquisadores cooperarem em diversas áreas 42 EUA Trazendo à memória antigos vínculos de cooperação entre Minas e Purdue, novo acordo promete avanços científicos na área de bioenergia

5 Estar junto ao Politecnico di Torino (PoliTO) é fundamental. O know how e as pesquisas desenvolvidas propiciam uma vivência aprofundada e dinâmica a respeito do meu tema de pesquisa, amplamente investigada e trabalhada por eles. Estar aqui é acima de tudo conhecer, aprender e experimentar, Paulo Miranda Doutorando em Pesquisa em Sistema de Produção e Desenho Industrial PoliTO A extensão dos conhecimentos científicos para o processamento industrial é o principal foco de interesse, além do contato com a experiência dos ingleses, que são pioneiros na área de dispositivos eletrônicos orgânicos Giovani Gozzi Físico Escola FAPEMIG/Csem Brasil/Imperial/College London (Eficc) FRASES Esse acordo de cooperação focou especificamente a área de mineração e mostra como pode ser multiplicado para outras iniciativas. A Austrália também é um país com tradição em atividade mineradora. E Minas Gerais tem recebido um volume expressivo de investimentos do setor Virgínia Ciminelli Coordenadora da parte mineira do acordo com a Universidade de Queensland Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais (Demet-UFMG) Quando nos aliamos a instituições que são destaque na área de Ciência e Tecnologia ganhamos em qualidade. Com isso, criamos oportunidades para os nossos pesquisadores trabalharem com o top do mundo. Evaldo Ferreira Vilela Subsecretário Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais (Sectes) A participação em um projeto internacional, com a Universidade de Alberta, no Canadá, enriquece a formação dos alunos. Esse intercâmbio também se estende aos pesquisadores. Já recebemos vários colegas que ministraram palestras ou minicursos para a nossa comunidade acadêmica. Mário Marcos do Espírito Santo Pesquisador, membro da Rede Tropi-Dry Departamento de Biologia Geral da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) Seria excelente que os estudantes mineiros tivessem Israel como opção de intercâmbio e que, da mesma forma, as universidades mineiras pudessem receber estudantes israelenses. Nada impede que possamos fazer os contatos necessários para que as universidades mineiras assinem acordos com as universidades israelenses. Cynthia Rocha Assessora para Parcerias Nacionais e Internacionais Sectes Com o acordo entre FAPEMIG e DFG, criamos uma base bem definida e segura pelos pesquisadores que querem estabelecer projetos conjuntos entre Alemanha e Minas Gerais Detrich Halm Diretor Fundação Alemã de Pesquisa Científica (DFG) Para receber gratuitamente a revista MINAS FAZ CIÊNCIA, preencha o cadastro no site ou envie seus dados (nome, profissão, instituição/empresa, endereço completo, telefone, fax e ) para o ou para o seguinte endereço: FAPEMIG / Revista MINAS FAZ CIÊNCIA - Rua Raul Pompéia, º andar - Bairro São Pedro - Belo Horizonte/MG - Brasil - CEP MINAS FAZ CIÊNCIA tem por finalidade divulgar a produção científica e tecnológica do Estado para a sociedade. A reprodução do seu conteúdo é permitida, desde que citada a fonte. MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL

6

7

8 estratégia De asas bem abertas Ações da Assessoria Científica Internacional da FAPEMIG buscam aproximar instituições mineiras dos mais importantes centros de pesquisa do planeta Maurício Guilherme Silva Jr. Ao pretender internacionalizar-se, uma organização prepara-se, definitivamente, para se mostrar ao mundo. Com a instauração de sua Assessoria Científica Internacional, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FA- PEMIG) incrementa-se com o objetivo de aproximar os pesquisadores mineiros de alguns dos mais importantes centros de produção do conhecimento, sediados nos quatro cantos do planeta. Até o momento, a Fundação estabeleceu dez acordos com instituições estrangeiras (confira reportagens ao longo da revista). Além de facilitar o acesso a prestigiados centros de pesquisa e universidades, buscamos fazer com que a ciência produzida em Minas Gerais seja conhecida em diversos países, ressalta Flávia Perdigão Cerqueira, assessora científica internacional da FAPEMIG. Como fruto de tal iniciativa, abrem-se importantes canais de comunicação, estimulados por instituições idôneas e com tradição em intercâmbio científico. Some-se a isso o fato de haver um lado subjetivo no desenvolvimento de um acordo. Afinal, tais negociações baseiam-se em confiança e compromisso mútuos, ressalta Cerqueira. Em seu projeto de internacionalização, a FAPEMIG tem buscado acordos com renomados centros de pesquisa e instituições de ensino superior, a exemplo de Fundação de Pesquisa Alemã (DFG) e Intercâmbio Acadêmico Brasil-Alemanha (DAAD); Instituto Nacional de Pesquisa em Informática e Automa- 8 MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL 2011

9 ção (Inria), na França, e das universidades de Purdue (EUA), Queensland (Austrália), Alberta (Canadá), e Imperial College (Inglaterra). Namoro científico Para que as metas de parcerias científicas e/ou de inovação sejam efetivadas entre instituições de distintos países, é necessário, por vezes, que se cumpram etapas. Trata-se, em síntese, do período para identificação recíproca de terreno. Num primeiro momento, costuma-se elaborar cartas de intenção. Trata-se de documento mais simples. Ao assiná-los, as instituições revelam que estão se conhecendo, ressalta a assessora, ao lembrar que a parceria da FAPEMIG com o DFG, a Fundação Alemã de Pesquisa Científica, começou exatamente assim, em A segunda etapa dos relacionamentos entre as organizações tem como caminho natural a assinatura de memorandos de entendimento, documentos que, geralmente, pregam benefícios mútuos e têm duração mais prolongada. Neste estágio, a confiança entre os parceiros já se revela consolidada. Por fim, como terceiro estágio do processo de intercâmbio científico e/ou de inovação, parte-se para a efetivação de um acordo de cooperação. Nestes casos, trabalha-se sem quaisquer vestígios de desconfiança, destaca Flávia Cerqueira. Linhas de ação A filosofia do processo de internacionalização da FAPEMIG segue, em síntese, três vertentes de ação, todas desenvolvidas simultaneamente. Em primeiro lugar, está o objetivo de desenvolvimento de projetos e pesquisas conjuntas entre instituições mineiras e estrangeiras. Some-se a tal iniciativa o estímulo ao intercâmbio de estudantes, professores e PHDs e a organização de eventos principalmente, workshops, em parceria com entidades internacionais. As parcerias começam de diversos modos. Por vezes, somos procurados por representantes de instituições estrangeiras. Em outras ocasiões, a FAPEMIG aproxima-se de universidades e centros de pesquisa com quem o Governo de Minas Gerais tem conversado, explica Flávia Cerqueira, ao ressaltar que o importante, para o início de um relacionamento institucional, é a vontade dos parceiros e o compromisso que surgirá a partir de tal proximidade: Os processos de negociações, contudo, revelam-se longos. Para que um acordo seja assinado, são necessários muitos s e encontros. Afinal, os dois lados buscam iniciativas que lhes garantam zonas de conforto. Daí a importância de a FAPEMIG investir, permanentemente, em editais muitíssimo bem elaborados, que atraiam pesquisadores aptos a preencher os requisitos de projetos que envolvam parceiros internacionais. A Assessoria Desde que foi criada, em 2009, a Assessoria Científica Internacional da FA- PEMIG desenvolve uma série de iniciativas simultâneas. A área é responsável por gerenciar os acordos assim como por manter seu histórico, organizar missões internacionais e promover o que se pode chamar de reconhecimento oficial do terreno, no caso de parcerias em potencial. Precisamos estar sempre atentos. Lidamos, ao mesmo tempo, com prospecção de oportunidades e realização de eventos. Além disso, é preciso conhecer as necessidades dos parceiros, conta Flávia Cerqueira. Setores com a responsabilidade de buscar parcerias internacionais delineiam-se de acordo com a dimensão e a natureza da instituição que representam. Além disso, as relações internacionais dizem do direito do outro. Daí a necessidade de pensar, de modo particular, as principais diferenças entre duas instituições, explica Cerqueira, ao ressaltar o caráter generalista da Assessoria Científica Internacional criada pela FAPEMIG: É preciso sempre mudar de estratégias de acordo com as demandas e as oportunidades. MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL

10 Entrevista Não podemos fechar as portas para o mundo Em entrevista à Minas faz Ciência, o reitor da UFMG, Clélio Campolina, comenta os primórdios e as perspectivas da produção científica brasileira no cenário internacional Maurício Guilherme Silva Jr. À frente de uma das mais importantes instituições de ensino superior do País, o professor Clélio Campolina Diniz conhece muito bem a importância, para o desenvolvimento da ciência, do cultivo de projetos e redes de contato nos quatro cantos do mundo. Pós-doutor pela University of Rudgers, nos Estados Unidos, o atual Reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) discute, nesta entrevista, as dificuldades, trunfos e desafios rumo ao aprimoramento do processo de internacionalização da pesquisa brasileira. Durante os chamados anos de chumbo, muitos pesquisadores saíram do Brasil rumo a universidades estrangeiras. Já nos anos 1980, tais cérebros retornam e garantem novos contornos à ciência e à educação no País. Esse seria, realmente, o momento inicial do processo de internacionalização de nossa pesquisa? O retorno de tais pesquisadores foi importante, mas não diria que tudo tenha começado apenas nos anos Já na década de 1960, muitos pesquisadores começam a voltar. Exemplo interessante aconteceu na Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp, que começou a operar em 1966 e teve política muito objetiva no sentido de atrair os pesquisadores brasileiros que estavam no exterior. Isso ocorreu, por exemplo, com os importantes físicos César Lattes e Rogério Cerqueira Leite. A rigor, os pesquisadores começam a retor- nar quando aqui são criadas as condições para o desenvolvimento da pesquisa. Isso se dá, exatamente, com a montagem da pós-graduação no País. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) foram criados em Em sua fase inicial, contudo, investiam mais na capacitação de professores. A pós-graduação e a pesquisa brasileiras são fundamentalmente desenvolvidas a partir dos anos Mas, na década de 1960, também houve a reforma universitária... A reforma universitária foi autoritária, mas, ao mesmo tempo, trouxe ares de progresso. Como exemplo, cito o fim da cátedra, ação que interpreto como um grande avanço, já que o catedrático era o dono da matéria, a ponto de nomear quem bem desejasse como assistente. Antes disso, aqui na própria UFMG, recordo-me que, durante a gestão do professor Aluísio Pimenta, houve significativo processo de modernização. Os institutos centrais foram criados, à época, com o intuito de permitir maior complementaridade entre áreas do conhecimento, o que auxiliaria a pesquisa. Até então, só se investia na formação profissional, em áreas como Direito, Medicina, Engenharia, Farmácia e Odontologia. A ciência era vista como mero subsídio a tal formação. Ao contrário, nos institutos centrais, buscava-se a pesquisa. 10 MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL 2011

11 Foto: Foca Lisboa

12 Investimento em pesquisa e internacionalização, portanto, precisam caminhar juntos? Sem pesquisa não há internacionalização. Além disso, não se pode dissociar pesquisa de ensino. Hoje, grande parte dos estudos está vinculada aos programas de pós-graduação. Um bom professor, para avançar no conhecimento científico, não pode apenas transmitir o conhecimento disponível. Ele precisa ser capaz de gerar conhecimento novo. Se, na dissertação, reproduz-se um conhecimento já disponível; na tese, prevê-se que o trabalho apresente nova contribuição. A pós-graduação e, em especial, o doutorado é o locus da pesquisa, onde há a conjugação de um professor e pesquisador experiente com um aluno já na fronteira, capaz de desenvolver temas próprios e inéditos. Como o senhor analisa, hoje, o processo de internacionalização das universidades brasileiras? Estou muito à vontade para dizer que sempre batalhei, como integrante do Conselho Científico e Coordenador de Área da Capes, para a manutenção das bolsas de alunos brasileiros no exterior. Afinal, houve um momento em que o Brasil enxugou tal processo. De 1950 a 1980, muitos estudantes foram fazer pós-graduação em outros países. Já nos anos 1990, à medida em que nossa pós-graduação crescia, houve a ideia, por parte dos órgãos brasileiros de fomento principalmente, Capes e CNPq, de que era muito caro enviar alunos para fora do País e, por isso, tal processo deveria ser reduzido. A meu ver, isso era um erro que sempre combati. O País é muito grande, precisa desenvolver pesquisas internamente, mas sem fechar as portas ao mundo. Nenhuma nação desenvolvida se fecha. Vejo muitos pesquisadores americanos na Europa e vice-versa. Quanto aos países asiáticos, nem se fala: há muitos japoneses e coreanos pelo mundo. A partir dos anos 1990, o Brasil limitou muito o envio de estudantes ao exterior, investindo, apenas, no doutorado sanduíche, em que o pesquisador passa um período fora. É vital, porém, que uma cota de estudantes faça pós-graduação integral no exterior, não só pelo conhecimento gerado, mas pela experiência de vida, pelo convívio com outras culturas. Assim como para evitar a endogenia, quando se começa a criar uma espécie de pensamento único, por meio de grupos que se realimentam. Nestes grupos, os padrões culturais e referenciais são os mesmos, o que percebo como muito negativo. E a validação de diplomas estrangeiros, no Brasil, seria um problema a ser superado? Há dois lados para este problema. O mais grave é a grande quantidade de diplomas falsos, que não merecem ser reconhecidos. Quando estava no Conselho Técnico-Científico da Capes, avaliávamos que existiam cerca de 17 mil diplomas de mestrado e doutorado, no Brasil, que não podiam ser reconhecidos. Por outro lado, precisamos facilitar o que é correto, legítimo e não pode ficar parado em função da longa burocracia. Esse é um problema das universidades brasileiras. O Brasil precisa acelerar o processo de reconhecimento dos diplomas legítimos, adequados e corretos. Ao mesmo tempo, é vital, aumentar a fiscalização. Aliás, há cerca de cinco anos, a possibilidade de transformar a educação em serviço de livre comércio foi tema da Organização Mundial do Comércio (OMC). Isso não pode acontecer. O País precisa preservar o controle sobre a educação, pois se trata dos fundamentos culturais da nação. Não se pode abrir a educação para o mercado. Atualmente, o Brasil é mais respeitado pela comunidade científica internacional, em função do maior volume de patentes, de artigos publicados em renomados periódicos etc.? Sim. O Brasil avançou muito e temos, hoje, uma comunidade científica, nas diversas áreas do conhecimento, com padrões internacionais. E olha que, por muitos motivos, ainda não temos as condições de trabalho de muitas universidades estrangeiras. As instituições brasileiras são relativamente novas e é preciso consolidar e institucionalizar a pesquisa. Além disso, ainda há variações no comportamento governamental. Nesse momento, contudo, vivemos um período favorável. A postura dos governos federais e estaduais, em relação às universidades, é muito positiva. Mas já houve momentos em que não era assim. Atualmente, nossa qualificada comunidade científica atrai pesquisadores estrangeiros para o Brasil e facilita nossa inserção na comunidade internacional. Estou seguro de que isto será ampliado. Para tal ampliação, o que falta ao País? Enfrentamos várias dificuldades. Em primeiro lugar, embora tenha melhorado nos últimos anos, o recurso para pesquisa sempre foi limitado. Além disso, os padrões salariais para quem deseja dedicar-se à pesquisa permanecem insuficientes. Isso leva à cópia de algo complexo no mundo: a mercantilização da academia. Há, hoje, autorizações formais para que você desenvolva atividades remuneradas fora da universidade, por exemplo. Acho importante tal flexibilidade, mas o ideal seria que o professor não dependesse de rendas externas. Digo isso para o padrão de vida normal de um docente, que, no mundo inteiro, é modesto. O ideal é que o pesquisador não precisasse buscar subterfúgios ou alternativas. Há, ainda, graves deficiências de infraestrutura, como recursos para laboratórios, instalações físicas etc., que, mais recentemente, estão sendo sanadas. A maior de todas as dificuldades, porém, é institucional. Trata-se das normas legais que, nas universidades, são as mesmas para todo o setor público. Há, por exemplo, a lei das licitações, nº 8.666, que diz que tudo precisa ser licitado, pelo menor preço. A pesquisa, contudo, precisaria ter certa autonomia para eleger o que lhe é prioritário. Seriam necessários critérios científicos de avaliação, e não mercadológicos. Outro problema diz respeito à transferência de tecnologia, que enfrenta dificuldades formais. O Brasil produz muita ciência, mas pouca tecnologia. Por que isso ocorre? Tal realidade relaciona-se ao fato de termos base produtiva internacional. Coreia, Alemanha, Japão e Estados Unidos são 12 MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL 2011

13 países que se industrializaram com base em empresas nacionais. O Brasil, ao contrário, industrializou-se com forte presença de empresas estrangeiras, que não necessariamente têm interesse em desenvolver pesquisa no País. Esse é um desafio a ser enfrentado, para que se consiga fazer a ponte entre o conhecimento científico e a sua aplicação prática, seja de mercado, seja social ou pública. Hoje, os dois grandes desafios para o avanço e a aplicação da ciência no Brasil resumem-se em melhorar o aparato jurídico-institucional que possui muitas proibições e pouca flexibilidade e convencer o capital estrangeiro de que é preciso investir em pesquisa, transformando-a em tecnologia. Em setores nos quais se pôde concentrar a pesquisa, de modo a desenvolver iniciativas com base em empresas nacionais, percebe-se sucesso absoluto. A que setores, exatamente, o senhor se refere? A Petrobras é, hoje, um dos maiores sucessos mundiais na exploração de petróleo em águas profundas. Tínhamos o monopólio estatal do petróleo, o que fez com que se concentrasse pesquisa nessa área. A Embraer, que também era estatal, é uma empresa extremamente bem sucedida do ponto de vista tecnológico e comercial. Na área agrária, o Brasil possui tecnologias que são fronteiras em todo o mundo. Isso porque a especificidade da tecnologia agrícola está muito vinculada às condições climáticas do País. Em resumo, setores ligados ao petróleo, à aviação e à produção agrícola desenvolveram-se na ausência do capital estrangeiro. Não sou xenófobo em relação a tais recursos, mas, conforme comentei com o Ministro de Ciência e Tecnologia [Aloizio Mercadante], é preciso criar condições para que o capital estrangeiro invista em pesquisa no Brasil. Nos Estados Unidos, hoje, boa parte das empresas que pesquisam é estrangeira. Entre Nova Iorque e Princeton há um corredor nas áreas de biotecnologia e farmacêutica, com estudos realizados por centros e escritórios ligados a grandes corporações europeias. Com relação à UFMG, hoje uma das mais importantes universidades brasileiras, quando se dá o início do processo de internacionalização? Na UFMG, a pesquisa é relativamente recente e remonta, como já ressaltei, a criação dos institutos centrais, nos anos 1960 e O grande salto de nossa pesquisa, contudo, dá-se dos anos 1990 para cá, devido à consolidação da pós-graduação, ao desenvolvimento de muitos grupos de pesquisa e ao aumento do número de alunos de mestrado e doutorado. Importante destacar, ainda, a disponibilidade de recursos via instituições de pesquisa, como CNPq, Capes e FAPEMIG. Não sou filiado a nenhum partido político, mas diria que o grande apoio ao ensino superior e à pesquisa no Brasil vai se dar no governo Lula. Com relação à FAPEMIG, que andou claudicante no final dos anos 1980, o apoio veio a partir do governo Aécio Neves. Não resta dúvida de que mudou a cara da Fundação. Neste sentido, de que modo o senhor avalia o atual investimento da FAPE- MIG em iniciativas de internacionalização? Acompanho a trajetória da FAPEMIG desde o início. Fui presidente da Câmara de Ciências Sociais, no final da década de 1980, quando o Newton Cardoso queria acabar com a Fundação e lhe fizemos heroica resistência. Nos últimos anos, o governo apoiou a entidade, que, hoje, tem uma direção com fundamentação, visão e bagagem acadêmicas. No que se refere à internacionalização, percebo as ações como extremamente louváveis. É preciso, contudo, internacionalizar com qualidade. Não adianta buscar o mundo sem cuidar do andar de baixo : há que se tratar muito bem da qualidade de nossos cursos, de nossa pós-graduação e de nossa pesquisa. A UFMG, por exemplo, acaba de oferecer um curso de mestrado e doutorado em Angola. Eis o nosso compromisso com o hemisfério sul do planeta. Precisamos manter nossa internacionalização para cima e a FAPEMIG possui importante papel a cumprir nesse sentido. Segundo o senhor, em depoimento sobre o programa Ciência sem fronteiras, a UFMG receberá de 500 a mil bolsas de um total previsto de 25 mil por ano. Com números assim, não seria possível falar em mudança paradigmática da ciência no Brasil? É verdade que tais investimentos permitem outros modos de pesquisa no País. Creio, porém, que a ideia de mudança paradigmática seja muito pesada. Já recebemos uma batelada de bolsas do CNPq e tentaremos responder da melhor forma possível. Mas não será simples. O programa Ciência sem fronteiras está em fase de implantação, precisa de ajustes, e daremos toda a contribuição necessária para tal. Importante lembrar que o programa exige ampla articulação com as instituições estrangeiras. Para distribuir 500 bolsas para intercâmbio, também preciso selecionar 500 alunos, encontrar universidades que desejam recebê-los e saber de suas contrapartidas. Em seguida, terei que receber os alunos de volta e realizar a adaptação curricular. Sabemos que não é simples porque, na UFMG, já realizamos intercâmbio há bastante tempo, por meio de nossa Diretoria de Relações Internacionais. É preciso internacionalizar com alta qualidade em todo o processo. MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL

14 O lugar ITÁLIA do design Referência na área, Escola Politécnica de Torino recebe estudantes e pesquisadores da Uemg Fabrício Marques O Instituto Politécnico de Torino (Regio Politecnico di Torino) foi fundado em 1906 como uma instituição, mas suas origens são mais antigas. Remontam a Escola de Aplicação para Engenheiros, fundada em Seguindo o modelo dos grandes politécnicos europeus nos primeiros anos do século XX, o Real Instituto Politécnico de Turim ampliou sua ação em várias direções, tecendo relações tanto com o mundo científico europeu, quanto com a indústria local e nacional. 14 MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL 2011

15 Em um acordo de cooperação entre instituições de dois países, como o que acontece entre a Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg) e o Politecnico di Torino (PoliTO), todos ganham, diz o reitor da Uemg, Dijon Moraes Júnior, sentado no sofá de sua sala, no oitavo andar do prédio Gerais, na Cidade Administrativa, sede do governo mineiro, na manhã do último dia de setembro. Dijon, que também é membro do Conselho Curador da FAPEMIG, prossegue: Ganha o aluno, ao adquirir experiência internacional; ganha a Uemg, que amplia e efetiva seu programa de mobilidade estudantil; e ganham a FAPEMIG e o governo estadual, que cumprem sua missão de promover o ensino e a pesquisa em Minas Gerais. Dezesseis dias antes, em um fim de tarde extremamente quente, cinco alunos de graduação da Escola o de Design, selecionados c u m - para primento do Acordo de Dupla Titulação entre Brasil e Itália, chegavam ao país de Dante Alighieri e eram apresentados ao PoliTO, com cronograma de atividades acadêmicas previsto para integralização em dois anos. O acordo de Dupla Titulação foi assinado pela Uemg e pelo PoliTO em novembro de 2008, como parte do programa de cooperação do Estado de Minas Gerais com a Região de Piemonte, na Itália. Pelo PoliTO, todos os títulos outorgados serão Laurea in Design (Design di Prodotto), e pela Uemg dois alunos obterão título de bacharel em Design de Produto e os outros três receberão o título de bacharel em Design Gráfico. Por que PoliTO e por que Design? A ação é também um resultado de uma extensa parceria entre o Brasil e a Itália e baseia- -se em acordos internacionais assinados entre o Estado de Minas Gerais e a região de Piemonte, a partir de linhas gerais de desenvolvimento entre os países, especificamente formação profissional e cooperação cultural. A escolha sobre o Design como área do conhecimento faz parte de estratégia maior do Governo. Na época, o então governador Aécio Neves firmou acordo com a Itália, e, nesse contexto, Uemg e Torino puderam realizar as parcerias, observa o reitor. Gabriela Cristina de Souza Silva, 22 anos, graduanda do 7º período de Design Gráfico na Universidade do Estado de Minas Gerais, do 6º período de Comunicação Social da UFMG e do primeiro período de Ecodesign no Politecnico di Torino, é uma das selecionadas que estão em Turim, ao lado de Gabriel Figueiredo, Márcio Pinho, Thayana Meneses e Ravi Bellard. Ela comenta o impacto da experiência: Para nós tem sido uma grande honra ser os primeiros alunos da graduação da Escola de Design da Uemg a participar de intercâmbios (algo que já é corriqueiro em muitas universidades por todo o País e que pudemos comprovar ao nos encontrarmos com muitos brasileiros em Torino e universidades que possuem até 17 alunos em MINAS FAZ CIÊNCIA ESPECIAL

EDITAL n 02/2011 GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE SÃO LUCAS/CNPq

EDITAL n 02/2011 GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE SÃO LUCAS/CNPq EDITAL n 02/2011 GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE SÃO LUCAS/CNPq Edital para seleção dos alunos de graduação para participação no Programa Ciência sem Fronteiras

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR NA MODALIDADE PRODUTO Ministério da Educação MEC Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES TÍTULO DO PROJETO: Aperfeiçoamento institucional com vistas à melhoria dos programas, processos, projetos e

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA ALEMANHA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/DAAD Nº 103/2011

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA ALEMANHA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/DAAD Nº 103/2011 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA ALEMANHA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/DAAD Nº 103/2011 O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI, o Ministério da Educação

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior Chamada Pública UNICENTRO/CAPES/CNPq nº 01/2012 Em atendimento as chamadas CAPES/CNPq do Programa Ciência sem Fronteiras, a UNICENTRO torna pública a chamada interna de estudantes de graduação em áreas

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior (SWG)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior (SWG) Edital N o 02 SWG/UNICENTRO/MCTI/MEC/CNPq/CAPES A Universidade Estadual do Centro-Oeste, por meio da Coordenação Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras, atendendo à chamada do Ministério da Ciência,

Leia mais

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB

Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Unidade 2 Unidade 2 Educação a Distância no Ensino Superior no Brasil: contexto da UAB Nesta Unidade, será apresentada a legislação brasileira de EaD e suas implicações institucionais no sistema da Universidade

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA FRANÇA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/ CAMPUS FRANCE Nº 104 /2011

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA FRANÇA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/ CAMPUS FRANCE Nº 104 /2011 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA FRANÇA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/ CAMPUS FRANCE Nº 104 /2011 O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI, o Ministério

Leia mais

EDITAL Nº 004/2012-PRPI

EDITAL Nº 004/2012-PRPI EDITAL Nº 004/2012-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as inscrições

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

EDITAL 06/2012 EDITAL MOBILIDADE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - EUA

EDITAL 06/2012 EDITAL MOBILIDADE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - EUA EDITAL 06/2012 EDITAL MOBILIDADE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - EUA O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana, Prof. José Carlos Barreto de Santana, no uso de suas atribuições, torna público

Leia mais

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007

Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 Programa UNIBRAL Edital CGCI n. 014 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa UNIBRAL, apoiado no acordo de cooperação assinado entre Brasil e Alemanha em 31 de outubro de 2000, tem como objetivo estimular

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenadoria de Pesquisa

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenadoria de Pesquisa EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAREM DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSA SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO (SWG/CNPq) EDITAL INTERNO PPG/UEMA - N o 27/2014 A da Universidade Estadual do Maranhão - PPG

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES-CNPq)

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES-CNPq) PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES-CNPq) EDITAL PROPEPG Nº 06 de 04 de Junho de 2013 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação vêm através deste Edital, divulgar no âmbito da Instituição

Leia mais

EDITAL 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - GRADUAÇÃO SANDUÍCHE

EDITAL 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - GRADUAÇÃO SANDUÍCHE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior Chamada Pública UNICENTRO/CAPES/CNPq nº 03/2012 Em atendimento as chamadas CAPES/CNPq do Programa Ciência sem Fronteiras, a UNICENTRO torna pública a chamada interna de estudantes de graduação em áreas

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO INTERNA PARA ALUNOS DA UEA REFERENTE A GRADUAÇÃO SANDUICHE NA ALEMANHA. Chamada pública Programa Ciência sem Fronteiras n.

CHAMADA DE SELEÇÃO INTERNA PARA ALUNOS DA UEA REFERENTE A GRADUAÇÃO SANDUICHE NA ALEMANHA. Chamada pública Programa Ciência sem Fronteiras n. CHAMADA DE SELEÇÃO INTERNA PARA ALUNOS DA UEA REFERENTE A GRADUAÇÃO SANDUICHE NA ALEMANHA Chamada pública Programa Ciência sem Fronteiras n. 118/2012 O QUE É GESTOR Processo de seleção de candidatos de

Leia mais

EDITAL Nº 005/2012-PRPI

EDITAL Nº 005/2012-PRPI EDITAL Nº 005/2012-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as inscrições

Leia mais

EDITAL PRPq 01/2012. 1.5. Possibilitar a formação de recursos humanos especializados com elevada qualidade técnicocientífica.

EDITAL PRPq 01/2012. 1.5. Possibilitar a formação de recursos humanos especializados com elevada qualidade técnicocientífica. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS E DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/CNPq - BOLSA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR (SWG)

Leia mais

Intercâmbio Acadêmico para Alunos da UEL

Intercâmbio Acadêmico para Alunos da UEL Projeto Gráfico da Capa Amanda Eggert Guilhermino (estagiária PROEX) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Assessoria Técnica Profª. Drª. Cristianne Cordeiro Nascimento

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS, BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR GRADUAÇÃO

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS, BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR GRADUAÇÃO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS, BOLSAS DE ESTUDO NO EXTERIOR GRADUAÇÃO A Direção de Pós- Graduação e Pesquisa da Universidade Veiga de Almeida, no uso de suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteira

Programa Ciência sem Fronteira Programa Ciência sem Fronteira Graduação Sanduíche Pró-reitoria de Pesquisa Coesão interna para inserção externa Bolsas no país e exterior: número de bolsas-ano concedidas pelas agências federais, 2003-2009

Leia mais

GRADUAÇÃO FGV EM SÃO PAULO. Administração de Empresas. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO FGV EM SÃO PAULO. Administração de Empresas. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO FGV EM SÃO PAULO Administração de Empresas fgv.br/vestibular Idealismo, Excelência e Credibilidade A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de preparar profissionais

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS E INTERNACIONAIS. Edital Complementar nº 003/2012

COORDENAÇÃO GERAL DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS E INTERNACIONAIS. Edital Complementar nº 003/2012 COORDENAÇÃO GERAL DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS E INTERNACIONAIS Edital Complementar nº 003/2012 A Coordenação Geral de Relações Institucionais e Internacionais, no uso de suas atribuições legais, torna público

Leia mais

FAQs Editais VRERI 2015

FAQs Editais VRERI 2015 FAQs Editais VRERI 2015 As perguntas a seguir estão agrupadas por público alvo dos editais VRERI 2015, em ordem dos que mais encaminharam questões. FUNCIONÁRIO - Sou funcionário e gostaria de me candidatar

Leia mais

Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e- mail:propesp@furg.br

Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e- mail:propesp@furg.br As Pró-reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP) e de Graduação (PROGRAD), no uso de suas atribuições, tornam público o edital de seleção interna para o Programa Ciência sem Fronteiras - Graduação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE

FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA E PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE O PROGRAMA: Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização

Leia mais

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017

Prof. Adilson Beatriz. Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS. Gestão 2013-2017 Prof. Adilson Beatriz Plano de Trabalho - Direção do Instituto de Química - UFMS Gestão 2013-2017 Campo Grande, junho de 2013 1 Resumo da trajetória acadêmico-profissional - Prof. Adilson Beatriz Candidato

Leia mais

Juliana Kumbartzki Ferreira csf@contato.ufsc.br www.sinter.ufsc.br Telefone: 3721-8739

Juliana Kumbartzki Ferreira csf@contato.ufsc.br www.sinter.ufsc.br Telefone: 3721-8739 Juliana Kumbartzki Ferreira csf@contato.ufsc.br www.sinter.ufsc.br Telefone: 3721-8739 Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Luiz Vladimir Ribas da Cruz. Juliana Gueiros Fuzati Rodrigues

Luiz Vladimir Ribas da Cruz. Juliana Gueiros Fuzati Rodrigues Luiz Vladimir Ribas da Cruz Cheguei no dia 5 ao México, passei um dia na cidade do México e depois vim para o destino final, Ciudad Victoria, capital de Tamaulipas. Apesar de ainda não ter tido aula, posso

Leia mais

EDITAL Nº 013/2012-PRPI

EDITAL Nº 013/2012-PRPI EDITAL Nº 013/2012-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as inscrições

Leia mais

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional

Reflexões Sobre a Cooperação Internacional Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Ministério da Educação Anexos I e II 2º andar Caixa Postal 365 70359-970 Brasília, DF Brasil PLANO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO (PNPG) 2005-2010

Leia mais

ATA DA OCTAGÉSIMA QUARTA REUNIÃO DO CONSELHO CURADOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF

ATA DA OCTAGÉSIMA QUARTA REUNIÃO DO CONSELHO CURADOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ATA DA OCTAGÉSIMA QUARTA REUNIÃO DO CONSELHO CURADOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO UENF

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

11 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS A lista dos beneficiados com as cotas de bolsa será divulgada até o dia 18 de junho de 2012 no endereço www.ifpb.edu.br.

11 DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS A lista dos beneficiados com as cotas de bolsa será divulgada até o dia 18 de junho de 2012 no endereço www.ifpb.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, INOVAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL N 10 /2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS - CsF 1 APRESENTAÇÃO O Instituto Federal

Leia mais

EDITAL Nº 006/2011-PRPI

EDITAL Nº 006/2011-PRPI EDITAL Nº 006/2011-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação e a Coordenadora de Relações Internacionais Pró-reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL Nº 012/NEAD/CEPEAD/FaPP/UEMG/2015 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA/BOLSISTAS

Leia mais

EDITAL DE HABILITAÇÃO. Seleção Interna de Alunos. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 001/2012

EDITAL DE HABILITAÇÃO. Seleção Interna de Alunos. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 001/2012 EDITAL DE HABILITAÇÃO Seleção Interna de Alunos Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação 001/2012 A Universidade Estadual do Rio Grande do Sul UERGS, através da Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG) Edital N o 01 SWG/UNICENTRO/CNPq A Universidade Estadual do Centro-Oeste, por meio da Coordenação Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras, com base no Termo de Concessão 800773/2011-0 do Programa

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenadoria de Pesquisa

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Coordenadoria de Pesquisa EDITAL DE SELEÇÃO DE ALUNOS PARA PARTICIPAREM DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSA SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO (SWG/CNPq) EDITAL INTERNO PPG/UEMA - N o 07/2013 A da Universidade Estadual do Maranhão - PPG

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar:

Na lista das realizações destacadas, os PROFESSORES podem relembrar: Professor: Muitas razões para votar em Scolforo e Édila O QUE FOI FEITO! Quando um membro de sua comunidade seja professor (a), técnico (a) administrativo ou estudante - apresentar uma crítica sobre algo

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES E CNPq) EDITAL nº 06 de 28 de Março de 2012

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES E CNPq) EDITAL nº 06 de 28 de Março de 2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES E CNPq) EDITAL nº 06 de 28 de Março de 2012 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação vêm através deste Edital, divulgar no âmbito da Instituição a todos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ REITORIA EDITAL COMPLEMENTAR ÀS CHAMADAS PÚBLICAS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/GRADUAÇÃO SANDUÍCHE PARA: ALEMANHA (DAAD) Nº 118/2012 AUSTRÁLIA (Go8) Nº119/2012 CANADÁ (CBIE) Nº120/2012 CORÉIA DO SUL (KFPP)

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

EDITAL N.º 048, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011.

EDITAL N.º 048, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. MINISTERIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Campus Universitário Ministro Petrônio Portella, Bairro Ininga, Bloco 6 Teresina- Piauí-Brasil; CEP 64.049-550 Telefone:

Leia mais

EDITAL PROPI/PROEN/PROEX Nº 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CSF/IFRS/CNPq. Bolsas de Graduação Sanduíche no Exterior SWG CNPq

EDITAL PROPI/PROEN/PROEX Nº 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CSF/IFRS/CNPq. Bolsas de Graduação Sanduíche no Exterior SWG CNPq EDITAL PROPI/PROEN/PROEX Nº 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CSF/IFRS/CNPq Bolsas de Graduação Sanduíche no Exterior SWG CNPq As Pró-Reitorias de Pesquisa e Inovação, de Ensino e de Extensão do

Leia mais

Curso superior, de verdade Depois de levar a excelência de seus cursos de MBA por todo o País, a FGV começa a democratizar sua graduação de qualidade

Curso superior, de verdade Depois de levar a excelência de seus cursos de MBA por todo o País, a FGV começa a democratizar sua graduação de qualidade Curso superior, de verdade Depois de levar a excelência de seus cursos de MBA por todo o País, a FGV começa a democratizar sua graduação de qualidade Qualquer um dos milhares de brasileiros que passaram

Leia mais

Convocação. Documentos necessários para submissão

Convocação. Documentos necessários para submissão Convocação Seleção de estudantes de graduação dos cursos de engenharia elétrica, engenharia da computação e engenharia mecânica para estágio nas Universidades Norte Dakota (NDSU) e Universidade Tecnológica

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ EDITAL N 015/2011

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº21 29/07-04/08 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº21 29/07-04/08 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional EDITAIS DE MONITORIA E ESTÁGIO Até o dia 16 de agosto de 2013, estão abertas as inscrições para o preenchimento

Leia mais

EDITAL Nº 83/2013/REITORIA/IFTO, DE 11 DE JUNHO DE 2013. CHAMADA Nº 03/2013 - CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/CRAI/REITORIA/IFTO

EDITAL Nº 83/2013/REITORIA/IFTO, DE 11 DE JUNHO DE 2013. CHAMADA Nº 03/2013 - CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/CRAI/REITORIA/IFTO EDITAL Nº 83/2013//IFTO, DE 11 DE JUNHO DE 2013. CHAMADA Nº 03/2013 - CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/CRAI//IFTO O REITOR SUBSTITUTO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS, nomeado

Leia mais

EDITAL 001/2013 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE PRÉ-SELEÇÃO INTERNA

EDITAL 001/2013 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE PRÉ-SELEÇÃO INTERNA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENAÇÃO INSTITUCIONAL DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS EDITAL

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CHAMADA DE SELEÇÃO INTERNA, PARA ALUNOS DA UEA, PARA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA FRANÇA

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CHAMADA DE SELEÇÃO INTERNA, PARA ALUNOS DA UEA, PARA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA FRANÇA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CHAMADA DE SELEÇÃO INTERNA, PARA ALUNOS DA UEA, PARA GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NA FRANÇA Tendo em vista a oportunidade propiciada pelo Programa Ciência sem Fronteiras, a Assessoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS REITORIA EDITAL Nº 49/2014//IFTO, DE 26 DE AGOSTO DE 2014. CHAMADA Nº 01/2014 - CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/CRAI//IFTO EDITAIS CAPES/CNPq GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG O REITOR SUBSTITUTO DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTAS Versão 06/maio/2010 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE AUXÍLIO

Leia mais

RETIFICAÇÃO -EDITAL 05/2012 EDITAL MOBILIDADE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

RETIFICAÇÃO -EDITAL 05/2012 EDITAL MOBILIDADE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS RETIFICAÇÃO -EDITAL 05/2012 EDITAL MOBILIDADE PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana, Prof. José Carlos Barreto de Santana, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

Programa Especial de Mobilidade Internacional Governo Federal (CAPES e CNPq) Bolsas para capacitação no exterior

Programa Especial de Mobilidade Internacional Governo Federal (CAPES e CNPq) Bolsas para capacitação no exterior Programa Especial de Mobilidade Internacional Governo Federal (CAPES e CNPq) Bolsas para capacitação no exterior Início do Programa: 75 mil bolsas (2011-2015) Graduação-Sanduíche 27.100 Doutorado Sanduíche

Leia mais

Programa Conjunto de Bolsas de Doutorado na República Federal da Alemanha 2011/2012 DAAD/ CAPES/CNPq

Programa Conjunto de Bolsas de Doutorado na República Federal da Alemanha 2011/2012 DAAD/ CAPES/CNPq Programa Conjunto de Bolsas de Doutorado na República Federal da Alemanha 2011/2012 DAAD/ CAPES/CNPq I. DEFINIÇÃO E OBJETIVO As bolsas do Programa conjunto de doutorado na Alemanha são concedidas em cooperação

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL POR MEIO DE ATIVIDADES ENVOLVENDO GEOMETRIA ANALÍTICA E AUTOCAD Thatiana Sakate Abe 1 abe.thaty@gmail.com Bianca Serico Leite biancaserico@hotmail.com Fabiano Antonio Bessani

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA ESPANHA

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA ESPANHA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA ESPANHA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE DA ESPANHA Nº 115/2012 A Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Pré-seleção para Bolsas de Graduação Sanduíche na Itália (Chamada Pública Programa Ciência sem Fronteiras/Universidade de Bolonha nº 105/2011) A Pró-Reitora de Graduação

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA ESPANHA

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA ESPANHA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA ESPANHA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE DA ESPANHA Nº 115/2012 A Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche nos EUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública UNICENTRO/CAPES nº 01/2011 Em atendimento a chamada CAPES 01/211 do Programa Ciência sem Fronteiras, a UNICENTRO torna pública a seleção de estudantes de graduação em áreas e temas de estudo

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

GUIA PARA ESTUDAR NO EXTERIOR

GUIA PARA ESTUDAR NO EXTERIOR GUIA PARA ESTUDAR NO EXTERIOR O QUE É INTERCÂMBIO ACADÊMICO? É a ida de estudantes de um país para o outro por um determinado período do ano letivo. O objetivo é estender os estudos da Graduação para outra

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº51 14-20/04 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº51 14-20/04 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Seis alunos da Universidade zeram intercâmbio em vários países Recém-chegados

Leia mais

IF SUDESTE MG ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Rua Delfim Moreira, 285 Grambery Juiz de Fora MG - BRASIL Telefax (32) 3216-2611

IF SUDESTE MG ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Rua Delfim Moreira, 285 Grambery Juiz de Fora MG - BRASIL Telefax (32) 3216-2611 IF SUDESTE MG ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Rua Delfim Moreira, 285 Grambery Juiz de Fora MG - BRASIL Telefax (32) 3216-2611 Relatório de Gestão 2012 Reitoria do IFSudesteMG Dezembro de 2012 Estimados

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº19 24-30/06 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº19 24-30/06 de 2013 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST ENTRA DE FÉRIAS Mais um semestre chega ao m e o UVV Post entra de férias junto com quem ele

Leia mais

EDITAL FACEPE 07/2014 APOIO A PROGRAMAS DE FORMAÇÃO EM ENGENHARIA AUTOMOTIVA EM PARCERIA COM O POLITECNICO DI TORINO SDEC POLITO

EDITAL FACEPE 07/2014 APOIO A PROGRAMAS DE FORMAÇÃO EM ENGENHARIA AUTOMOTIVA EM PARCERIA COM O POLITECNICO DI TORINO SDEC POLITO EDITAL FACEPE 07/2014 APOIO A PROGRAMAS DE FORMAÇÃO EM ENGENHARIA AUTOMOTIVA EM PARCERIA COM O POLITECNICO DI TORINO SDEC POLITO A, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDEC), torna

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAMADA PÚBLICA PROEN BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO Nº 01/2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO EDITAL N 045/2011 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS PROCESSO

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPQ/IFTM MODALIDADE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPQ/IFTM MODALIDADE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq/IFTM PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPQ/IFTM MODALIDADE

Leia mais

Caro Aluno, Seja bem-vindo!

Caro Aluno, Seja bem-vindo! Manual do Aluno Caro Aluno, Seja bem-vindo! Este manual é um guia que irá orientá-lo em sua vida acadêmica. Aqui, você encontrará informações sobre as atividades educacionais, documentação, matrícula,

Leia mais

Sem licitação, Alesp contrata Fipe e dois ex-secretários de SP por R$ 779 mil

Sem licitação, Alesp contrata Fipe e dois ex-secretários de SP por R$ 779 mil Sem licitação, Alesp contrata Fipe e dois ex-secretários de SP por R$ 779 mil Antonio Biondi Jornalista Daniel Garcia Nova sede da Fipe, na Avenida Corifeu de Azevedo Marques 74 Abril 2007 O secretário-geral

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO WWW.CIEESC.ORG.BR

MANUAL DO ESTAGIÁRIO WWW.CIEESC.ORG.BR MANUAL DO ESTAGIÁRIO WWW.CIEESC.ORG.BR SEJA BEM VINDO! É com muito prazer que o CIEE-SC recebe você como estagiário. O estágio é o seu primeiro passo para uma carreira de sucesso. Grandes executivos começaram

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 13 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital 029/2010 Popularização da Ciência Educação Científica - financiamento de projetos institucionais de educação científica que propiciem a difusão e

Leia mais

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS.

O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. O PIBID NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUIÇOES E AÇÕES DO PIBID PARA FORMAÇÃO INICIAL DOS BOLSISTAS. 1 Marcos Antonio de Sousa Rodrigues Bolsista/ PIBID/ UESPI 2 Sara Juliana Lima Ferreira Bolsista/

Leia mais

Perguntas Frequentes 2014.1

Perguntas Frequentes 2014.1 3) Quais são os cursos que a Faceq oferece? Perguntas Frequentes 2014.1 1) O que é a Faculdade Eça de Queirós? A Faculdade Eça de Queirós está localizada no município de Jandira SP e foi autorizada a funcionar

Leia mais

Perguntas frequentes sobre Intercâmbio - Alunos de Graduação da FSP-USP. Tópicos Abordados

Perguntas frequentes sobre Intercâmbio - Alunos de Graduação da FSP-USP. Tópicos Abordados 1 Este FAQ visa esclarecer algumas dúvidas comuns entre os alunos de graduação da FSP-USP. Deve-se levar em conta que todo o processo de intercâmbio será adequado ao caso concreto, sendo que certos passos

Leia mais

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration

CBA PERFIL DO ALUNO. Certification in Business Administration CBA Pós - Graduação QUEM SOMOS PARA PESSOAS QUE TÊM COMO OBJETIVO DE VIDA ATUAR LOCAL E GLOBALMENTE, SER EMPREENDEDORAS, CONECTADAS E BEM POSICIONADAS NO MERCADO, PROPORCIONAMOS UMA FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA,

Leia mais

Programa Estágio de Curta Duração. CAPES/Fundação Carolina

Programa Estágio de Curta Duração. CAPES/Fundação Carolina Programa Estágio de Curta Duração CAPES/Fundação Carolina Edital DRI/CAPES nº. 007/2010 A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria de Relações

Leia mais

1. O Fórum Educação e Sociedade : O Fórum Educação e Sociedade é organizado por entidades brasileiras e francesas e tem por objetivo:

1. O Fórum Educação e Sociedade : O Fórum Educação e Sociedade é organizado por entidades brasileiras e francesas e tem por objetivo: Chamada para Seleção das Candidaturas de Alunos para participar do Forum Educação e Sociedade desenvolvido em parceria pela Rede Brasil (França), Fiocruz e Rede Federal de Educação Tecnológica a ser realizado

Leia mais

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha)

FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) 7139 Karlsruhe Tel.: +49 (0)721/ 35480-120, -128 FAQ As perguntas mais freqüentes sobre o Incoming (Serviço voluntário na Alemanha) Perguntas gerais Na verdade eu que eu quero é estudar na Alemanha. O

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

3 DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO

3 DOS REQUISITOS PARA O CANDIDATO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO REINO UNIDO CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS/UUK Nº 106/2011 O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCTI, o Ministério da Educação

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Pré-seleção para Bolsas de Graduação Sanduíche na França (Chamada Pública Programa Ciência sem Fronteiras/Campus France nº 104/2011) A Pró-Reitora de Graduação da PUCRS

Leia mais

Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência;

Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência; UM PROGRAMA ESPECIAL DE MOBILIDADE INTERNACIONAL EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO Objetivos do Programa Oferecer oportunidade de estudo e estágio a discentes brasileiros em universidades de excelência;

Leia mais