O desafio das Operadoras de Planos de Saúde, regulamentadas pela Agencia Nacional de Saúde Suplementar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O desafio das Operadoras de Planos de Saúde, regulamentadas pela Agencia Nacional de Saúde Suplementar"

Transcrição

1 O desafio das Operadoras de Planos de Saúde, regulamentadas pela Agencia Nacional de Saúde Suplementar Por: Wanda Lúcia dos Reis Brandão e Silva Orientador Mestra. Aleksandra Sliwowska Niterói 2007

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE O desafio das Operadoras de Planos de Saúde, regulamentadas pela Agencia Nacional de Saúde Suplementar Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialista em Gestão Estratégica. Por: Wanda Lúcia dos Reis Brandão e Silva

3 AGRADECIMENTOS A Deus, pela oportunidade da VIDA. Ao Augusto, meu marido, pela sua compreensão e incentivo aos estudos. Ao Dr. Fernando Costa de Medeiros, pela oportunidade do conhecimento profissional no setor da Saúde Suplementar, e toda a experiência adquirida em suas empresas de saúde. Ao Dr. Hamilton Paiva de Barros, pela indicação e realização do Curso, priorizando em sua gestão o valor do capital intelectual.

4 DEDICATÓRIA A minha mãe.

5 RESUMO A história respalda o desafio das operadoras participantes e ativas na Medicina Suplementar na conjuntura das leis, regimentos, normas. Quando levantamos a questão da medicina suplementar o grande desafio perpassa a amplitude que essa vem tomando no mercado nacional face às normas regidas pela Agência Nacional de Saúde. Um histórico das bases nacionais é relevante para que se possa contextualizar as leis em vigor da ANS. Apontar o quadro atual também foi fator preponderante para situar a pesquisa nas normas atuais. Por fim, propor soluções para unir a diversidade do quadro da Medicina Suplementar face a um tronco de leis que podem possibilitar maior gama de benefícios. Palavras-chave: Medicina Suplementar, Estado, ANS.

6 METODOLOGIA Os métodos aplicados nesta monografia foram baseados no cotidiano profissional e em pesquisas na internet, através de sites e em Relatório de Gestão do Órgão regulador ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar, revistas, entrevistas e em diversos livros que complementam o estudo do tema proposto. Devido às constantes mudanças decorridas das resoluções normativas publicadas sobre a legislação e as informações publicadas diariamente, buscou-se informar o desenvolvimento do setor, baseando-se no conhecimento do mercado da saúde suplementar para todos os que queiram consultar. Portanto, a parte teórica delimitará a problemática, sem abordagem específica de nenhuma operadora, para não expor sua imagem e por questões éticas.

7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - A História 11 CAPÍTULO II - O Mercado 20 CAPÍTULO III A Proposta 39 CONCLUSÃO 47 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 52

8 INTRODUÇÃO 8 A escolha do tema tem como objetivo questionar como o mercado das operadoras de planos de saúde vem se comportando desde sua origem, principalmente após a criação da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar tendo como finalidade regular o mercado da saúde suplementar nos termos da Lei 9656/98. A Agência Nacional de Saúde Suplementar, ANS, interviu em um segmento econômico com alto número de empresas regradas, que até então eram inexistentes para a entrada, permanência e saída de mercado e que resultavam em ameaças aos direitos dos consumidores e a qualidade dos serviços. Atualmente, deparamo-nos com um cenário de muitas mudanças, em todos os segmentos, em função da globalização, com muitas inovações e crescimentos tecnológicos. Nesse caso, envolvendo os principais atores: gestores, empresários, governo e consumidores e, estes precisam unir suas forças para encontrar um ponto de equilíbrio e promover uma sociedade digna. Estamos diante de uma realidade na qual o setor público não absorve um contingente que necessita de assistência a saúde e que, efetivamente, conta com a saúde suplementar. Sendo um fato relevante, faz-se necessário refletirmos sobre a problemática enfrentada pelas empresas de saúde suplementar para se manterem no mercado competitivo e a todo instante tendo que cumprir todas as normas impostas pela Lei que regulamenta e exige o melhor desempenho social para a nação.

9 CAPÍTULO I A Regulamentação da Saúde Suplementar no Brasil 9 1. O Estado Liberal No seu conceito clássico de inspiração liberal, o Direito Constitucional tem basicamente por objeto determinar a forma de Estado, a forma de governo e o reconhecimento dos direitos individuais (Eismein apud Bonavides, 2002: 35) Na visão de Bonavides (2002: 36), a origem da expressão Direito Constitucional, consagrada há cerca de um século, prende-se ao triunfo político e doutrinário de alguns princípios ideológicos na Organização do Estado moderno. No entanto, desde a Revolução Francesa que tais princípios eram impostos, bem como as formas políticas do chamado Estado liberal, Estado de direito ou Estado constitucional. (idem, ibidem, 36). Nesse sentido pode-se dizer que a idéia fundamental era a limitação da autoridade governativa, que se lograria tecnicamente mediante a separação de poderes (as funções legislativas, executivas e judiciárias, atribuídas a órgãos distintos) e a declaração de direitos (Bonavides, 2002: 36) Sabe-se, portanto, que o constitucionalismo liberal emana o poder que deveria se mover em órbita específica, a ser traçada pela Lei Maior do País. Com a concepção concebe-se restritiva da competência dos órgãos estatais, empregou-se o instrumento constitucional que se fez dominante. Ingressou o termo Constituição na linguagem jurídica, exprimindo uma técnica de organização do poder aparentemente neutra. O pensamento liberal

10 encobria sobre ela o seu pensamento de legitimidade, que eram os valores ideológicos, doutrinários, filosóficos e políticos. 10 O conceito de Constituição, pelo liberalismo, fez aquilo que já fizera com o conceito de soberania nacional, uma teoria abstrata de universalização com seus princípios e dominada da historicidade de seus interesses concretos. Exteriormente, a doutrina liberal não buscava inculcar a sua constituição, mas a racionalidade e a lógica, cuja vontade constituinte legislava como conceito literalmente válido de constituição, aplicável a todo gênero humano, porquanto iluminado pela luz da razão universal. Do ponto de vista histórico, aquilo que fora como produto revolucionário, a constituição de uma classe que se transformava pela imputação dos liberais, no conceito genérico de Constituição. Com a crise social do século XX, foram feitas novas Declarações de Direitos, invalidando o substrato individualista daquelas constituições ultrapassadas. A herança mais importante considerada pela tese liberal era constituir a noção jurídica e a forma de uma Constituição tutelar de direitos humanos. O princípio das Constituições sobreviveu quando foi possível discernir e separar na constituição o elemento material ( núcleo da ideologia liberal) do elemento formal das garantias ( o núcleo de um Estado de direito). Esse princípio traz a razão universal e traz a perenidade a que aspiram as liberdades humanas.

11 O neoliberalismo do século XX preserva nas constituições democráticas do nosso tempo, pois, sem ela, jamais poderia exprimir a fórmula de um Estado de Direito eficaz. Durante a expansão napoleônica, a França comunicara à Itália os princípios da Revolução. Era uma sociedade política com princípios fundados sobre o contrato social, sobre uma ordem jurídica apoiada na razão humana que se curvava á liberdade individual. 11 Entretanto, através das invasões francesas ao norte da Península, surge o termo direito constitucionale, filho de idéias francesas e criações de ideologias antiabsolutistas. Guizot, ministro da Instrução Pública, determinou na Faculdade de Direito de Paris, em 1834, a cadeira de Direito Constitucional. A expressão constitucional chegou ao dicionário da Academia, um ano após a sua iniciativa. O Direito Constitucional se difundiu a outros países, tornando-se comum no vocabulário político e jurídico dos últimos cem anos, período que passou a atribuir o estudo das regras constitucionais. A partir dessa origem histórica, sustentou-se o ponto de vista da doutrina, em que O Direito Constitucional e a Constituição, eram distintos. Contempla-se que o eram, precisamente, por admitir-se, em coerência com a doutrina recém-exposta, a existência de Estados sem Constituição ou apenas com uma Constituição de fato, nos quais não haveria lugar para o Direito Constitucional. Países dotados de Constituição de fato eram países sem Direito Constitucional, segundo o que prevaleceu no entendimento, dos liberais da Europa continental durante a primeira metade do século XIX.

12 O período seguinte teve um desdobramento constitucional cuja doutrina liberal não logrou interromper. A Constituição já deixara assimilar-se genérica e exclusivamente a certa forma de organização política - a do liberalismo individualista e sua ideologia passou a representar a imagem real de toda e qualquer organização política. 12 Segundo a observação aguda de Bardeau, aquele canal por onde o Poder passa de seu titular, o Estado para seus agentes de exercícios os governantes. (Bardeau apud 2002: 44) Fundamentando todas a regras de estruturação, funcionamento e organização do poder, independe do regime político nem a forma de distribuição de competências aos poderes estabelecidos são a matéria do Direito Constitucional. Lassale (Id., 2002:43) já assinalava: O Estado ou toda sociedade politicamente organizada, possui uma Constituição ou um Direito Constitucional. O constitucionalismo do Estado de direito ou o Estado de direito da sociedade liberal, cede lugar ao constitucionalismo político e social, amputador da ordem jurídica nas garantias fundamentais do cidadão, em proveito daquela segurança que a razão do Estado legisla e impõe, deixando-os inseguros em termos de assegurar os direitos, o cidadão e a sociedade. Aquele constitucionalismo político e social com o qual já nos tornamos mais familiarizados, surge assim das ideologias, dos fatos, da pressão das necessidades sociais. Todavia, é de se observar que não haverá lugar para a liberdade e a segurança dos cidadãos no constitucionalismo social e suas instituições políticas se esse não se converter num constitucionalismo jurídico diante das

13 transformações sociais oriundas dos processos de mudança e a readaptação do homem a uma sociedade tecnicamente revolucionada, através dos progressos da Ciência, sobre a qual o homem pareça haver perdido a jurisdição dos fins. 13 O Direito Constitucional evolui, deixa de ser o que fora no século XIX : na doutrina, uma filosofia do Direito; na prática uma espécie de direito público do liberalismo. Enfim, pode-se concluir com Prélot que o termo direito constitucional, epíteto e nem determinativo, corresponde logicamente a qualquer conjunto de normas que venham à governar uma coletividade humana. (Bonavides id., ibid.: 41) O Direito público divide-se em duas partes fundamentais: O Direito Público externo (Direito internacional) e o Direito Público interno. O primeiro regula relações entre estados, o segundo marca a extensão da ordem jurídica de um determinado Estado. O Direito Constitucional é a base do Direito Público interno, que estabelece normas fundamentais da organização jurídica e condiciona sob seus princípios, e os demais ramos do Direito Público, com os quais se relaciona. O jurista Mario Bernaschina Gonzalez afirma que as Constituições clássicas continham somente princípios relativos ao governo e as garantias individuais: hoje em dia as leis fundamentais assinalam as bases primárias de toda a organização jurídica do Estado e daí suas múltiplas e importantes relações com outros ramos do Direito. (Mário apud Bonavides, 2002: 43) O Direito Constitucional e o Direito Administrativo são as Ciências do Direito Público as que se apresentam mais afim. São tão afins, que alguns

14 tratadistas confessam ter dificuldades para estabelecer distinção clara entre as duas matérias. Ao mesmo passo que outros chegam a qualificar o Direito Administrativo como parte do Direito Constitucional. (Bonavides, 2002:43) 14 Os juristas da Inglaterra ressaltam que a falta de uma Constituição faz difícil a delimitação dos assuntos referentes àquelas disciplinas. Ao contrário do que se observa nos Estados Unidos, França e demais Estados onde a presença do texto constitucional facilita muito aquela tarefa. Segundo Mario B. Gonzalez, (apud Bonavides, 2002: 32) um bom constitucionalista chileno, escreve: O Direito Administrativo estuda os serviços públicos e o pessoal encarregado de realizar a função administrativa do Estado. Poder-se ia dizer que o Direito Administrativo está para Direito Constitucional assim como o decreto está para a lei. Os órgãos fundamentais dos Estados são matéria da Constituição e os órgãos secundários são matérias de uma lei : os serviços postais e educacionais, de cobrança e arrecadação de impostos, de saúde, trabalho e a administração local, entre outros são parte do Direito Administrativo. Em geral, as Constituições trazem princípios básicos de Direito Administrativo, haja visto a esse respeito a Constituição brasileira, que contém disposições de Direito Administrativo, como as concernentes à desapropriação por necessidade e/ou utilidade pública ou interesse social (Constituição: República Federativa do Brasil, Senado Federal, artigos 182, 184 e 185), as que estabelecem poderes ou atribuições ao Presidente da República e dos Ministros de Estado ( Id., art. 84 e 87, parágrafo único), bem como aquelas pertinentes à Administração pública, definindo o regime jurídico dos servidores públicos civis e militares e as referentes à constitucionalização administrativas das Regiões, que se acham contidas nas quatro seções do Capítulo VII do Título III, relativo a organização do Estado ( Id., art. 37 ao art.43 ). Sendo ainda de teor administrativo os que se referem à competência tributária dos

15 Municípios e lhes concedem autonomia, disciplinando aspectos da vida municipal (Id., arts. 30 e 31) O Estado Totalitário Contemporâneo As principais características históricas do estado totalitário contemporâneo são: a alternância do real do poder político, com um sistema de partido político único, a presença de uma ideologia política que delimita e explica totalmente a realidade social com base em premissas e argumentos pretensamente científicos. A existência de um aparelho burocrático altamente desenvolvido de estrutura administrativa complexa a serviço do Estado e não a serviço do indivíduo e da Sociedade. Os partidos políticos existentes nesses Estados Totalitários não passam de meras máquinas políticas vinculadas ao sistema burocrático estatal, destituídas de um programa político fundamentado e real, visando interesses da nação e da sociedade como um todo. Tais partidos têm por função reforçar o controle político sobre a população, sendo que seus membros constituem uma parte da elite burocrática do estado totalitário. É importante ressaltar que uma outra função essencial nos partidos políticos existentes nos estados totalitários contemporâneos é servir como um veículo entre a elite governante e o povo, mais no sentido descendente e menos no sentido ascendente, pois os partidos políticos nos estados totalitários contemporâneos se constituem menos num veículo de transmissão de propaganda ideológica governamental e de controle político sobre toda a população. As ideologias totalitárias freqüentemente encontram ampla ressonância entre as massas populares, à medida que as tais ideologias contém propostas ou teses com uma elevada dose de salvacionismo social e econômico, quer em

16 função dos problemas enfrentados pela coletividade popular, referencial de uma determinada classe social específica, dessa forma a realidade do cotidiano é diluída a fim de que possa ser interpretada à luz da ideologia. 16 A realidade dos fatos distorcem a aplicação das múltiplas técnicas de propaganda, apresentando a informação de acordo com os interesses do estado totalitário, em especial das elites detentoras do poder político e econômico. Destarte, os oligarcas dos estados totalitários contemporâneos, regra geral se locupletam e, social e economicamente, à custa não só da miséria econômica geral a que está submetida grande parte da população, mas também da apatia cultural e política de amplos segmentos populares. Ao contrário dos estados despóticos da Antiguidade Clássica e da Época Moderna, centrado na figura do tirano absolutista ou do monarca absolutista, não raro apoiado somente no seu carisma pessoal para se manter no poder, o estado totalitário contemporâneo, via de regra sob o comando de um líder carismático de, grande apelo demagógico junto à grande parcela da população, não pode prescindir de uma ideologia política que lhe dê integral suporte com a finalidade de manter continuamente o apoio da ampla maioria das massas populares. Independentemente do aspecto político em que estão situadas (esquerda ou direita), as ideologias políticas que dão suporte ao estado totalitário contemporâneo têm um ponto comum: a de impor o grupo político ou a coletividade cultural ao indivíduo em nome de inexoráveis leis do destino histórico, leis essas tidas como auto-evidentes e de aplicação universal. Neste sentido e sobre os mais diversos pretextos e considerações, tais como: conferir uma racionalização administrativa mais eficaz aos recursos sócio-econômicos da Coletividade (Alves, 2006:2) e a superação dos antagonismos interinos advindos dos conflitos de classe (Id., ibid.:2) com base na ditadura de classe operária ou a depuração racial da Nação Ariana, os

17 regime totalitários contemporâneos acabaram por instituir uma estrutura burocrática alicerçada na padronização e regularidade administrativa que se pretende açambarcar a totalidade da vida social do estado. 17 A máquina da burocracia estatal dos estados totalitários se constitui numa estrutura onipotente, mas tão somente que no decorrer de sua rotina diária. Ela se apresenta comprometida com o ideal e a visão oficialmente aceita de estabelecer uma determinada ordem social, política e econômica, independente de quaisquer restrições morais ou éticas de caráter pessoal ou social que os indivíduos que compõem tal estrutura burocrática possam ter enquanto indivíduos. 1.3 A evolução constitucional do Brasil Concebe-se de que o Estado, pelos seus poderes delimitados não abrange a totalidade política, social e econômica no que tange o seu poder expresso nas demarcações a ele responsabilizadas. Considerando esse aspectos decorrer-se-á sobre as limitações restringidas ao Estado como unidade federativa e não complacente com as demais unidades federativas dispostas na nossa geopolítica. Paulo Bonavides (2000: 2) abrange a estrutura histórica brasileira fomentando a busca de construção através de obstáculos consideráveis pelo Brasil. É o assentamento da construção histórica pela constituição nacional, a Lei Majoritária: O nosso constitucionalismo [...] levantou-se sobre as ruínas sociais do colonialismo, herdando-lhe os vícios e as taras, e ao mesmo passo, em promiscuidade com a escravidão trazida dos sertões da África e com o absolutismo europeu, que tinha a hibridez dos Braganças e das Cortes de Lisboa, as quais deveriam ser o braço da liberdade e todavia foram para nós contraditoriamente o órgão que conjurava a nossa recaída no domínio colonial.

18 18 De acordo com Bonavides (id., ibid.,) barreiras sociológicas e econômicas desestabilizaram ao longo dos séculos a firmeza política constitucional, fatores que desnivelam a nossa política frente à política européia. Não se vigora um ponto de partida bem definido para a iniciação do Constitucionalismo nacional, logo, definir e delinear o que se pode considerar uma linha evolutiva, não é inviável, porém considerar-se-á todos as prévias dificuldades e obstáculos que pontilharam o rumo dessa evolução constitucionalista. Considerar-se-á, ainda, que balizar essa evolução constitucional com enfoque histórico e nacional e explana-la ao longos dos feitos e fatos que perpassaram a história brasileira, seria indispensável no presente estudo. Fato é relevar fatos que marcaram tal crescente de modo a moldar um resultado presenciado pelos brasileiros na atualidade. Como diz Bonavides (id., ibid.): Toda a nossa evolução constitucional, já ao longo do Império, já ao longo da República é entrecortada de crises e rupturas. Não é, como se poderia cuidar à primeira vista, uma evolução tranqüila, isenta das tormentas de sangue e violência que se estamparam na crônica de outros povos e nações. A Carta Imperial atrelou-se a uma constituinte meramente dissolvida, outorgada sob protestos constitucionais. A primeira Constituição republicana foi outorgada em 1889, sendo considerada uma das mais estáveis historicamente. Por 39 anos, sobreviveu a decretos e ditaduras. Esses acontecimentos respaldam a finalidade de promulgação da lei assentada em bases políticas firmes.

19 19 Reescrever, reestruturar conduz ao recolonizar. E recolonizar, a partir do anos de 2000 não deveriam ser as pretensões condignas de uma nação que cruzou momentos históricos instáveis para que encontrar-se pacificamente cm a liberdade Política de Regulação e falhas de mercado Administração Pública Federal Brasileira vem desenvolvendo o modelo regulador das novas funções assumidas para os serviços de utilidade pública, de provisão de bens públicos e de proteção ao consumidor. Entende-se como regulação, o conjunto de instrumentos através dos quais os governos estabelecem (Relatório de Gestão 4 anos da ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar, 2003: 18) regras de conduta para empresas e cidadãos. A política pública reguladora caracteriza-se em três categorias: econômica, social e administrativa. A regulação econômica é expressa pela intervenção nas decisões de entrada e saída do mercado, formação de preços e competição com a finalidade de obter o aumento e a eficiência econômica e redução nos obstáculos pela privatização ou competição. A regulação social pública consiste na intervenção nas áreas da saúde, meio ambiente, segurança, com incentivos a provisão dos bens e proteção do interesse público.

20 O governo realiza a regulação administrativa visando eliminar formalidades desnecessárias, simplificar as que são necessárias, promover transparência nos mecanismos de tramitação dos processos que podem gerar ônus ao desempenho das empresas. 20 As políticas reguladoras em relação as demais formas de intervenção do governo apresentam diferenças nas atividades de empresas e cidadãos. Pela intervenção, os agentes públicos objetivam que todos os setores sejam beneficiados pelo bem público gerado e ganhadores por permitir o consenso entre agentes públicos, empresas e consumidores. (id., ibid.:19) As falhas do mercado têm motivado o crescimento das atividades reguladoras e estimulado a intervenção crescente do governo em nome de consumidores, na proteção de contratos e na provisão de bens públicos, pressupondo que o mercado, por si só, pode não gerar recursos otimizados. A distribuição desproporcional da informação entre empresas e consumidores prejudicam as relações de consumo, como a transferência de um protagonista para o outro ( externalidade negativa), a concentração do mercado em apenas uma empresa, entre outras. Nesses casos, a política pública reguladora incide fortemente para coibir ações que inibam a produção com a finalidade de favorecer o aumento de preços e causar distorções da alocação de recursos, pra estimular as práticas competitivas e a quebra de monopólios naturais ou organizacionais. Situações originadas de falhas de alocação eficiente do mercado, pelas quais a atividade de indivíduos ou empresas impõe custos a outros indivíduos ou empresas, sem a compensação correspondente, são externalidades negativas.

21 As atividades produtivas que poluem a água e o ar são exemplos de externalidades negativas. 21 A regulação governamental veio para reduzir oi custo privado das atividades poluentes e o verdadeiro custo para a sociedade. Na formação do mercado competitivo é a falta de informação suficiente para o consumidor avaliar a qualidade do que lhe é oferecido para a compra, é outra falha de mercado. Para alguns itens esse poder de escolha é satisfatório. Para outros a sofisticação dos novos produtos e a avaliação dos consumidores para exercerem outras escolhas. A falha ou a assimetria de informação motivadas por exigências legais demonstram que a informação para a escolha não existe ou é assimetricamente distribuída entre empresas e consumidores, profissionais e clientes. No mercado de Planos de Saúde, a maioria dos consumidores não detém a informação necessária para as suas escolhas. Portanto, no modelo clássico de troca perfeita em um ambiente de competição entre provedores que pressupõe o oferecimento seus aos consumidores da melhor escolha associada ao seu melhor interesse. O indivíduos são compelidos a delegar ao profissional médico a decisão sobre o tratamento. Decidindo inclusive os serviços demandados, originando um potencial conflito de interesses. A assimetria de informação está relacionada à possibilidade, de indivíduos de maior risco buscarem mais a prevenção de despesas inesperadas com atenção à saúde pela compra de plano de saúde.

22 Esse conceito de seleção negativa ou adversa resume a situação em que o perfil de usuários são significativamente diferentes da população como um todo, por apresentar um grupo de com uma maior probabilidade de risco de utilização de serviços de saúde. 22 Outra causa da falha de mercado, pode ser a possibilidade da seleção negativa, a seleção de risco, estratégia de preferência por operação com indivíduos de baixo risco, evitando idosos, pacientes com doenças ou lesões pré existentes e mulheres com idade fértil. Aparece também o problema do risco moral, quando os pacientes não arcam com todos os custos marginais do excesso da utilização refletido no crescimento da cobertura da atenção à saúde. No lado dos provedores pelo incentivo ao excesso de utilização de serviços médicos, quando uma terceira parte (governo ou operadoras), é responsável pelo pagamento de serviços que os médicos prescrevem para os pacientes Agências Reguladoras e serviços de utilidade pública A reforma reguladora tem o objetivo de operar mudanças na indústria de serviços de utilidade pública e nas economias industriais à deriva, em suas características essenciais da forma como instituições estatais, localizadas no Executivo, equilibram os interesses organizados ou procuram corrigir as falhas de mercados descritas anteriormente. O Estado tem sido fundamental na reforma reguladora porque objetiva ampliar o padrão de eficiência macroeconômica pela indução à concorrência

23 em áreas de monopólio natural e porque define a implementação de políticas públicas. (id., ibid.:18) Histórico da reforma reguladora Durante décadas, a regulação pela propriedade pública configurou a estrutura econômica, diretamente pelas decisões de produção e indiretamente pelas decisões na formação de preços. Na área de infra-estrutura: gás, eletricidade, ferrovias, serviços telefônicos etc.. Foram os principais meios de regulação. Nas últimas décadas tornou-se aceitável a opção pela preservação e desenvolvimento do interesse público, por meios de controles legais e incentivos organizacionais, direcionado por organismos reguladores independentes, como as agências. Como modo de regulação a propriedade pública foi substituída pela concessão ao setor privado dos serviços públicos e de outras atividades de relevância publica, passando a regulação a ser feita por agências especializadas, estabelecidas como autoridade independente e com a permissão para operar fora da linha de controle hierárquico e supervisão do governo central. O governo assume novas tarefas, além do monitoramento e autorização para o funcionamento, assume a intervenção na qualidade dos serviços, nas condições das atividades concedidas e na estrutura de preços. Quando é necessário realizar mudanças, modificando condutas e expectativas, e os assuntos são tecnologicamente complexos, torna-se mais difícil sua execução.

24 A regulação tem se tornado mais eficiente, com abertura da participação social, quando feita em ambiente democrático, substituindo o poder coercitivo por credibilidade como recurso da decisão política. 24 Foram implementadas muitas iniciativas de auto-regulação, em geral, os mecanismos de competição obrigam a inovação e a redução de custos, envolvendo a reestruturação do Estado, o que tem preservado as soluções mais orientadas e aquelas voltadas para o mercado. O modelo de regulação por agencias, adotado no Brasil, os quais ocorreram reformas patrimoniais nos setores de infra-estrutura, iniciaram os processos de mudanças do regime, através de soluções internacionais. A nova gerência pública internacional, trouxe o aprendizado que indicou a necessidade de buscar soluções organizacionais para definir o atendimento ao cidadão. Foi a partir de outubro de 1997 que ocorreu a implementação da primeira Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e depois a demais agências, cada uma com seus objetivos. Para regular os setores bem diferenciados, suas legislações mostram convergência e têm o foco na promoção de incentivos à maior competitividade e a desconcentração de capitais, associados à orientação normativa, pelo qual os mercados promovem maiores ganhos sociais com seus numerosos participantes A Agência Nacional de Saúde Suplementar

25 Criação: a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sob forma de autarquia especial, foi criada pela Medida Provisória , de 30 de dezembro de 1999 e, posteriormente pela Lei 9.961/ Características: Autonomia Administrativa, materializada no mandato de seus dirigentes e na flexibilidade de gestão, autonomia financeira, pela arrecadação direta de Taxa de saúde Suplementar Finalidade: Sua finalidade é regular os mercados de saúde suplementar, nos termos da Lei 9656/98 (atualmente na forma da MP 2,177-44), vinculada ao Ministério da Saúde e com Contrato de Gestão assinado o qual repercute na atuação da Diretoria Colegiada, por apresentar cláusula de exoneração. coincidentes. Sua diretoria é composta por até cinco diretores com mandatos não O diretor-presidente é escolhido dentre os membros da Diretoria Colegiada, pelo Presidente da República e acumula as funções de direçãogeral da ANS, de presidente do colegiado de diretores, presidente da câmara de Saúde Suplementar e Secretário Executivo do Conselho de Saúde Suplementar. A ANS dispõe de Procuradoria-Geral, Corregedoria, Ouvidoria e de um órgão consultivo permanente, a Câmara de Saúde Suplementar (CSS), cujos assentos são previstos na Lei 9656/98, assegurando representantes do executivo, de entidades representativas no setor de saúde e no mercado setorial e do Conselho Nacional de Saúde, que proporciona à ANS grande interface societária.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br

OPERADORAS DE SAÚDE. Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br OPERADORAS DE SAÚDE Mariana Braga Shoji Barbosa Enfermagem UNIFESP mariana_shoji@yahoo.com.br O que são Operadoras de saúde? O que são Operadoras de saúde? Operadora é a pessoa jurídica que opera ( administra,

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo

Avaliação dos planos de saúde no estado de São Paulo Artigo original Avaliação dos pl de saúde no estado de São Paulo Jorge Carlos Machado-Curi I, Tomás Patricio Smith-Howard II, Jarbas Simas III, Marcos Eurípedes Pimenta IV, Paulo Manuel Pêgo-Fernandes

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço

Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço III Congresso Iberoamericano de Regulação Econômica Agências Reguladoras: o novo em busca de espaço São Paulo-SP Junho de 2008 Alvaro A. P. Mesquita Sócio Sumário I. Objetivo II. III. IV. Regulação Papel

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014

UNIDAS. Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 UNIDAS Angélica Villa Nova de Avellar Du Rocher Carvalho Gerente-Geral de Análise Técnica da Presidência Brasília, 28 de abril de 2014 Saúde no Brasil Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. Institui o programa de incentivo à qualificação de prestadores de serviços na saúde suplementar. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br

Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Constituição de 1988 Implantação do SUS Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro 4009 5172 residecoadm.hu@ufjf.edu.br Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

O que é Saúde Complementar

O que é Saúde Complementar O que é Saúde Complementar A Lei 9.656/1998 define Operadora de Plano de Assistência à Saúde como sendo a pessoa jurídica constituída sob a modalidade de sociedade civil ou comercial, cooperativa, ou entidade

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 259, de 2010 Complementar, que altera a Lei Complementar nº 126, de 15 de janeiro de 2007, que dispõe sobre a

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa nº 427, de 1º de março de 2013 "Dispõe sobre a regulamentação da Telessaúde em Fonoaudiologia e dá outras providências." O Conselho Federal de Fonoaudiologia no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR APRESENTAÇÃO DA METODOLOGIA DO IDSS - ÍNDICE DO DESEMPENHO DA SAÚDE SUPLEMENTAR A ANS, AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR, está estabelecendo novos parâmetros

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais No segundo trimestre de 2010, o número de beneficiários de planos de saúde cresceu 1,9%, totalizando 44.012.558

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa

Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa Considerações sobre a aplicação das Leis 10.973 e 8.958 nas Unidades de Pesquisa 1 Introdução Este documento tem como objetivo apresentar um conjunto de reflexões sobre a implementação das disposições

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015.

RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. RESOLUÇÃO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Nº 001/2015, de 20 de abril de 2015. Cria a CONEXÃO EDUCACIONAL, órgão suplementar vinculado à Coordenação Executiva. 1 O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO INSTITUTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br DIREITO MÉDICO PLANOS DE SAUDE-SEGURO-SAÚDE- AUTOGESTÃO DIFERENÇAS-LEGISLAÇÃO-DIREITOS- LUCROS- AVILTAMENTO DA CLASSE MÉDICA BRASILEIRA. Nelson de Medeiros Teixeira* A Lei que dispõe

Leia mais

ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos

ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos 201 ANS Papel Institucional e Competência do Rol de Procedimentos Luciana Gomes de Paiva 1 Da palestra do Dr. Franklin Padrão, de início, destacam-se os princípios doutrinários de universalidade, equidade

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais

Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Reformas dos sistemas nacionais de saúde: experiência brasileira 5º Congresso Internacional dos Hospitais Carlos Figueiredo Diretor Executivo Agenda Anahp Brasil: contexto geral e econômico Brasil: contexto

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 4.247, DE 04 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre o Programa de Assistência Médica, Ambulatorial e Hospitalar no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO

A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO A SAÚDE SUPLEMENTAR E A REGULAÇÃO IBDESS Fevereiro/2010 Fausto Pereira dos Santos Diretor-Presidente Vínculos a planos privados de assistência à saúde e registros no cadastro: Brasil (2000 2009) (milhões)

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 389, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em vigor a partir de 01/01/2016) Dispõe sobre a transparência das informações no âmbito da saúde suplementar, estabelece a obrigatoriedade da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

Reajuste de mensalidade

Reajuste de mensalidade Reajuste de mensalidade Conceitos básicos Reajuste por variação de custos Reajuste por mudança de faixa etária SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Reajuste de mensalidade SÉRIE PLANOS DE SAÚDE

Leia mais

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador

O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador O Estado brasileiro: Oligárquico/patrimonial; Autoritário/burocrático; Estado de bem-estar; Estado Regulador 1. Introdução 2. Estado oligárquico e patrimonial 3. Estado autoritário e burocrático 4. Estado

Leia mais

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Mercado de Saúde Suplementar Tabela 13 - Operadoras em atividade por porte, segundo modalidade (Brasil março/2012) Modalidade da operadora Total Sem beneficiários

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

1º Seminário de Melhores Práticas

1º Seminário de Melhores Práticas 1º Seminário de Melhores Práticas SESI /DR/ACRE Painel 3 Educação e Saúde SESISAÚDE Programa de Saúde do Trabalhador Aparecida Ribeiro Tagliari Costa Sumário O Programa SESISAUDE foi implantado no ano

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber?

PLANOS DE SAÚDE. O que é preciso saber? PLANOS DE SAÚDE O que é preciso saber? Queridos amigos, Estamos muito felizes por concluir a nossa segunda cartilha sobre direitos atrelados à saúde. Este trabalho nasceu com o propósito de levar informações

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

O conceito de assistência à saúde...

O conceito de assistência à saúde... Prof. Humberto Medrado hmedrado@ventureconsultoria.com.br O conceito de assistência à saúde... Estabelecer prioridades Planejar, avaliar e implementar continuamente ações de assistência integral à saúde

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014

BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 BREVE ANÁLISE ACERCA DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS NA LEI N O 9.656, DE 03 DE JUNHO DE 1998, PELA LEI N O 13.003, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Guilherme Portes Rio de Janeiro 08 de agosto de 2014 Advogado e Sócio

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA - CADE Gabinete do Conselheiro Luís Fernando Rigato Vasconcellos Processo Administrativo nº. 08012.002153/2000-72 Representante: Associação dos Médicos de Santos Representada: Comitê de Integração de Entidades Fechadas de Assistência à Saúde CIEFAS, Associação Beneficente

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, com fundamento nos termos que dispõe o art. 5º, 6º, da Lei 7.347/85, bem como no art. 5º e 6º do Decreto 2.181/97 e art. 5º da Lei Complementar

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.

INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4. INSAES Estratégia para fortalecimento do Estado Brasileiro no exercício de Regulação, Supervisão e Avaliação da Educação Superior (PL nº 4.372/2012) Ministério Secretaria de Regulação e da Educação Supervisão

Leia mais

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental.

Finalidade Proporcionar aos servidores, empregados, seus dependentes e pensionistas condições para manutenção da saúde física e mental. Programa 0390 Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade Numero de Ações 13 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência

Leia mais

1. Ambiente e Arranjos Institucionais 2. Regulação Econômico-Prudencial 3. Características do Mercado Produto Demanda Oferta (padrão de competição)

1. Ambiente e Arranjos Institucionais 2. Regulação Econômico-Prudencial 3. Características do Mercado Produto Demanda Oferta (padrão de competição) Dez anos de regulamentação A necessidade de uma reforma institucional na saúde suplementar do Brasil por Denise Alves Baptista APRESENTAÇÃO Dez anos de regulamentação A necessidade de uma reforma institucional

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais