Comissão Especial de Estudos de Informática em Saúde. I Simpósio de Padrões em Informática em Saúde: Estado da Arte e Desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comissão Especial de Estudos de Informática em Saúde. I Simpósio de Padrões em Informática em Saúde: Estado da Arte e Desafios"

Transcrição

1 Comissão Especial de Estudos de Informática em Saúde Consolidado: I Simpósio de Padrões em Informática em Saúde: Estado da Arte e Desafios 08 a 11 de julho de 2008 Introdução O I Simpósio de Padrões em Informática em Saúde: Estado da Arte e Desafios, ocorreu de 8 a 11 de julho de 2008, no Teatro Marcos Lindenberg da Universidade Federal de São Paulo, Rua Botucatu, 862, São Paulo, SP. Este evento da Associação Brasileira de Normas Técnicas, por meio da Comissão Especial de Estudos de Informática em Saúde e do Departamento de Informática em Saúde da UNIFESP, também comemorou os 20 anos do Departamento de Informática em Saúde da UNIFESP, com uma homenagem ao Prof. Dr. Daniel Sigulem, Professor Titular da UNIFESP, Coordenador do Programa de Pós-graduação em Informática em Saúde, Fundador do DIS, da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde e o Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telessaúde. O evento foi intenso com apresentações de processos e normas da ABNT, situações dos grupos de trabalho, experiências nacionais dos setores público e privado e experiências internacionais dos Estados Unidos, Reino Unido e Canadá em normalização, e amplo debate sobre problemas, políticas e estratégias para padronização em Informática em Saúde. Mesmo com o feriado estadual de 9 de julho, a audiência se manteve na média de 200 pessoas por dia ao longo do evento que teve 7 tutoriais e 40 apresentações, em 6 conferências e 11 painéis, a maioria com tradução simultânea. Com destaque para o alto nível e conteúdo apresentados pelos convidados internacionais: Don Newsham, Canadá, Ed Hammond, EUA e Dewinder S. Bhachu, UK. Bem como os organismos de governo do Brasil: a FINEP, Agência Financiadora de Projetos, sinalizou a importância da comissão valorizando o seu trabalho estruturante no momento em que se desenvolvem no Brasil vários projetos e redes colaborativas em telesssaúde. Neste sentido, destaca-se ainda a Rede Universitária de Telemedicina RNP/MCT, o Projeto Nacional de Telessaúde em apoio à Atenção Primária - DEGES/SGTES/MS e a sinergia dessas iniciativas com demais projetos regionais. Objetivos divulgar o trabalho realizado pela CEE de Informática em Saúde; divulgar o processo de discussão e decisão praticado pela Comissão, e, sobretudo, atrair profissionais e organizações para participarem dos processos de padronização. Público Participaram do evento profissionais da área de informática em saúde, gestores de serviços de saúde, analistas de sistemas, desenvolvedores de soluções para a área de informática em saúde, agências reguladoras, profissionais de saúde, alunos de cursos de especialização, mestrado e doutorado relacionados à área de tecnologia da informação e comunicação em saúde. Organização Participaram da comissão organizadora: Beatriz de Faria Leão Zilics Sistemas de Informação em Saúde, SP

2 Cleidson Cavalcante UFSC, SC Daiane Maciel, Sistema Paulista de Assistência SPA e Unidas, SP Eduardo Mugnai Sistema Paulista de Assistência SPA e Unidas, SP Ivan Torres Pisa DIS/UNIFESP, SP Jussara Macedo P. Rötzsch ANS, RJ Karina N. Luro ABNT, SP Laila Pieroni ABNT, SP Lincoln A. Moura Jr Zilics Sistemas de Informação em Saúde / Coordenador ABNT CEE- Informática em Saúde Luis Gustavo Kiatake E-VAL, SP Paulo Roberto de Lima Lopes DIS/UNIFESP, SP Rigoleta Dutra Dias ANS, RJ A organização do evento teve o apoio da seguintes instituições: ANAHP, Associação Nacional dos Hospitais Privados ANS, Agência Nacional de Saúde Suplementar CFM, Conselho Federal de Medicina DATASUS/MS, Departamento de Informática em Saúde do SUS DEGES/SGTES/MS, Departamento de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde FBAH, Federação Brasileira de Administradores Hospitalares FEHOESP Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo FENASEG, Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização Instituto HL7 Brasil ITI, Instituto Nacional de Tecnologia da Informação SINDHOSP, Sindicato dos Hospitais, Clínicas, Casas de Saúde, Laboratórios de Pesquisas e Análises Clínicas e demais Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de São Paulo SBIS, Sociedade Brasileira de Informática em Saúde SBPC/ML, Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial UNIDAS, União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde UNIMED Brasil E como patrocinadores institucionais: CFM, Conselho Federal de Medicina DATASUS, Ministério da Saúde DEGES/SGTES, Ministério da Saúde Departamento de Informática em Saúde / UNIFESP UNIDAS, União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde Orizon Conectividade sem Limites, SP (Patrocínio Empresarial Diamante) DASA Diagnósticos da América S.A., SP (Patrocínio Empresarial Ouro: Intersystems), SP Microsoft, SP e Intel, SP (Patrocínio Empresarial Prata) Resumos dos Workshop, Tutoriais, Conferências e Painéis Workshop T#1 Processo de Padronização ISO/ABNT/CEE-Informática em Saúde: Metodologia de Trabalho Instrutores: Álvaro Almeida, ABNT, SP; Eduardo Mugnai e Daiane Maciel, Sistema Paulista de Assistência SPA/UNIDAS, SP Resumo: (Daiane) Tutorial T#2 HL7 Instrutor: Marivan Santiago Abrahão, HL7 Brasil, SP e Ed Hammond, HL7, USA Resumo: Foram apresentados os conceitos básicos sobre o padrão HL7. Tutorial T#3 DICOM Instrutor: Rafael Simon Maia, UFSC, SC Resumo: O instrutor apresentou os conceitos básicos sobre sistemas de imagens médicas e a importância do DICOM como padrão de interoperabilidade. Apresentou e discutiu a história e evolução das norma, e detalhou alguns capítulos que compõem a padronização. Discutiu ainda as dificuldades de implementação da norma, vantagens e desvantagens, além do futuro do padrão.

3 Tutorial T#4 Arquétipos para Representar a Informação em Saúde Instrutores: Rigoleta Dutra, ANS, RJ; Beatriz de Faria Leão, Zilics, SP; Sérgio Miranda Freire, UERJ, RJ Resumo: Foram apresentados aspectos conceituais da metodologia da Fundação OpenEHR (www.openehr.org), com ênfase no modelo "dual", classes do modelo de referência e modelagem em arquétipos. Houve debates quanto ao uso e aplicabilidade da metodologia openehr na realidade brasileira. Resumo - Prioridades para o Brasil em Modelos da Informação em Saúde Tutorial T#5 O Processo de Certificação de Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde SBIS/CFM Instrutores: Stanley da Costa Galvão, Marcelo Lúcio da Silva, Luis Gustavo Kiatake, SBIS, SP Resumo: Foram abordados o processo e o conteúdo do Certificação de Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde SBIS/CFM. Tutorial T#6 Implementação de Arquétipos Instrutora: Fabiane Nardon, Zilics, SP Resumo: Este tutorial teve como foco a implementação do modelo OpenEHr. Os requisitos necessários para implementar a persistência das "compositions"que formam o regsitro eletrônico foram apresentados. As dificuldades e lições aprendidas e necessidades de revisão na arquitetura do modelo OpenEHr foram discutidas em especial a questão da vinculação com as terminologias. Foi apresentada uma implementaçào de referência mostrando a tecnologia de exibir de forma automática na interface web os componentes de qualquer "template". Houve muitas peguntas da audiência o que tornou o tutorial bastante didático. Tutorial T#7 Privacidade e Sigilo da Informação de Saúde Instrutores: Roberto Luiz d Ávila e Gerson Zafalon Martins, CFM, DF Sessão de Abertura Eugenio Guilherme Tolstoy De Simone, ABNT, RJ Lincoln A. Moura Jr, ABNT/CEE-Informática em Saúde, SP Daniel Sigulem, UNIFESP, SP Aldo von Wangenheim, UFSC, SC Meide da Silva Anção, UNIFESP, SP Mônica Parente Ramos, UNIFESP, SP Resumo: O Dr. Lincoln fez uma breve apresentação sobre o Simpósio e o Dr. Aldo relatou um breve histórico sobre a comissão até o momento. O Dr. Lincoln também fez uma homengagem aos 20 anos do DIS e ao Prof. Dr. Daniel Sigulem pela contribuição a Informática em Saúde Nacional e o apoio aos trabalhos da comissão. Conferência C#1 Projeto Nacional de Telemedicina na Atenção Básica Coordenador: Aldo von Wangenheim, UFSC, SC Palestrante: Ana Estela Haddad, DEGES/MS, DF Resumo: A Dra. Ana Estela apresentou e detalhou os esforços do Minsitério da Saúde no desenvolvimento do projeto piloto: Telessaúde Brasil, um projeto de telessaúde aplicado a atenção primária e reforçou a importância do trabalho da ABNT/CEE-Informática em Saúde para normalização tecnológica e dos processos para a conclusão do projeto e a ampliação das Tecnologias de Comunicação e Informação para o SUS. Conferência C#2 Cenário Internacional da Padronização em Saúde Coordenador: Lincoln A. Moura Jr, Zilics, SP Palestrante: Don Newsham, COACH, Canadá Resumo: O Sr Don Newsham apresentou o estado da arte no processo de construção de padrões no ambiente da ISO. Ele cobriu ainda as atividades de harmonização de padrões do WG9, com HL7 e CEN. Em seguida cobriu as atividades de padronização e de definição e execução de uma política nacional de informação em saúde para o Canadá, atividade desenvolvida pela Health Infoway. Conferência C#3 Modelos para Representar a Informação em Saúde: Estado da Arte e Atividades do WG1 do Comitê ISO/TC-215 Coordenadora: Beatriz de Faria Leão, Zilics, SP Palestrante: Don Newsham, ISO/TC-215 / COACH, Canadá Resumo: Esta atividade cobriu em detalhe as normas em discussão no WG1 do TC-215 da ISO,

4 relativas a Modelos para Representar a Informação em Saúde. Painel P#1 Normas de Modelos de Representação da Informação em Saúde do ABNT/CEE - Informática em Saúde GT1 Coordenadora: Daiane Maciel, Sistema Paulista de Assistência SPA/UNIDAS, SP ISO/TS Requisitos para uma Arquitetura do Registro Eletrônico em Saúde Sérgio Miranda Freire, UERJ, RJ ISO/TR Registro Eletrônico de Saúde Definição, Escopo e Contexto Rigoleta Dutra, ANS, RJ ISO/TR Framework para o Estabelecimento de Perfis em Informática em Saúde Eduardo Mugnai, Sistema Paulista de Assistência SPA/UNIDAS, SP Painel P#2 Prioridades para o Brasil em Modelos da Informação em Saúde Coordenadora: Rigoleta Dutra, ANS, RJ A Visão da ANVISA Eugênio Rodrigo Zimmer Neves, ANVISA, DF Modelos de Informação para o Ministério da Saúde Ernani Bento Bandarra, DATASUS/MS, DF Padrões em modelos de informação para a ANS Jussara Macedo P. Rötzsch, ANS, RJ Resumo: A ANVISA apresentou o estado da arte de projetos de padronização de informação, com especial destaque para o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC). Em seguida o DATASUS (MS) apresentou as principais políticas de tecnologia de informação e comunicação do Ministério da Saúde. A última apresentação foi da ANS, com destaque para o projeto de padronização de informação entre operadoras de planos de saúde e presadores de serviço sobre os eventos de saúde prestados aos beneficiários (padrão TISS). Conferência Patrocinador Ouro Utilizando Padrões para Incentivar a Inovação Palestrante: Rochael Ribeiro, InterSystems, SP Resumo: Esta palestra, conferida por representante de empresa, abordou diversos conceitos relativos a implantação de sistemas de saúde e, em especial, de um sistema distribuido de saúde pública na Holanda. Conferência C#4a Padrões de Comunicação em Informática em Saúde e Atividades do WG2 do Comitê ISO/TC-215 (com tradução simultânea) Coordenador: Marivan Santiago Abrahão, HL7 Brasil, SP Palestrante: Ed Hammond, HL7, EUA Resumo: O Prof. Ed, apresentou qual a importância do padronização para Interoperabilidade e discutiu qual os tipos de Interoperabilidade, desde os níveis tecnológicos até os aspectos legais. Apresentou o trabalho de harmonização entre HL7 e ISO-TC215 e reforçou a importância do trabalho conjunto para o futuro. E apresentou um breve histórico e resultados dos trabalhos do WG2 da ISO-TC215. Conferência C#4b O papel do IHE (Integrating the Healthcare Enterprise) Coordenador: Ramon Moreno, InCor, SP Palestrante: Dewinder S. Bhachu, PACSnet, NHS, UK Resumo: Prof. Bhachu, apresentou os conceitos de PACS, DICOM e os trabalhos do WG2 em relação a normatização para imagens médicas, e apresentou um breve histórico e conceitos do processo de integração IHE, utilizando perfis de normas aplicados a domínios de integração específicos, e exemplificou na área de imagens médicas. Painel P#3 Normas de Comunicação, Dispositivos e Interoperabilidade da ABNT/CEE-Informática em Saúde GT2/7 Coordenador: Ricardo Gamarski, DATASUS/MS, DF Padrões para Interoperabilidade e Telemedicina Paulo Lopes, UNIFESP, SP Padrões de Comunicação para Dispositivos Cleidson Cavalcante, UFSC, SC Resumo: Os relatores Paulo e Cleidson apresentaram a organização e os trabalhos de adoção e acompanhamento de normas internacionais realizados pelo WG2, 5 e 7. Focaram a importância da participação da comunidade no momento atual para desenvolvimento de normas, em diversos níveis desde a comunicação, computação, equipamentos, sistemas e serviços/processos, que visem os projetos nacionais de telemedicina e a colaboração com outros países participantes da ISO/TC-215- WG2 que estão elaborando normas específicas para telemedicina. Painel P#4 Aplicações e Necessidades de Padrões de Comunicação no Cenário Nacional Coordenador: Paulo Lopes, UNIFESP, SP Implementação DICOM Rafael Simon Maia, UFSC, SC

5 Integração dos Resultados Laboratoriais ao Sistema de Informações da SMS-SP utilizando HL7 Cláudio Giulliano Alves da Costa, Secretaria Municipal de Saúde, SP A experiência do InCor na utilização de padrões DICOM e HL7 Ramon Moreno, InCor, SP A importância da Padronização no Projeto Rede Universitária de Telemedicina RUTE, (MCT/RNP/FINEP) Luiz Ary Messina, Ministério da Ciência e Tecnologia, ES Resumo: Os três especialistas apresentaram os resultados de aplicações de padrões em suas instituições, abordando vantagens e desvantagens, criticando as normas e apontando as necessidades futuras de aprimoramento ou desenvolvimento das normas. O Dr. Messina destacou o Projeto Rede Universitária de Telemedicina e seu papel no cenário nacional, junto com outras iniciativas e que necessitarão de normas para sua operacionalização. Conferência C#5 Padrões para Representar a Informação em Saúde: estado da arte e atividades do WG3 do Comitê ISO/TC-215 Coordenador: Claudio Giulliano Alves da Costa, Secretaria Municipal de Saúde/SBIS, SP Palestrante: Jussara Macedo P. Rötzsch, ANS, RJ Resumo: O Dr Claúdio Giulliano apresentou o Sistema de Informação para a Gestão de Saúde, o SIGA Saúde, e o projeto de integração deste sistema com os laboratórios públicos e privados que prestam serviço ao município. Esta integração vem sendo feita usando padrões ncaionais e internacionais, como o TISS e o HL7. Painel P#6 Normas do GT de Conceitos da ABNT/CEE-Informática em Saúde GT3 Coordenadora: Deborah Pimenta Secretaria Municipal de Saúde, SP ISO/TS Informática em Saúde - Terminologia Controlada Relacionada à Saúde - Estrutura e Indicadores de Alto Nível Flávia C. Cordeiro Biesbroeck, ANS, RJ Logical Observation Identifiers Names and Codes - LOINC - Luiz Gastão Rosenfeld, Diagnósticos da América, SP SNOMED International: The Systematized Nomenclature of Medicine Patrícia Góes, ANS, RJ Resumo: Foi apresentado um resumo da norma ISO/TS (Informática em Saúde - Terminologia Controlada Relacionada à Saúde ) que trata de conceitos e metodologias de terminologia em saúde. A apresentação sobre o LOINC e SNOMED trouxeram, com grande êxito, os aspectos práticos sobre o uso de terminologias controlada. Painel P#7 Prioridades para o Brasil em terminologias em saúde Coordenador: Adalberto Tardelli, Bireme, SP. A experiência da BIREME Abel Packer, Bireme, SP Global Medical Device Nomenclature GMDN Paulino Araki, ANVISA, DF Terminologias em Enfermagem Heimar de Fátima Marin DENF/UNIFESP/SBIS, SP Resumo: O painel tratou experiências importantes quanto ao uso de terminologias em saúde através da BIREME, da ANVISA especificamente sobre o modelo da Global Medical Device Nomenclature GMDN e, por fim, na área da Enfermagem. Conferência Patrocinador Diamante Uma vez padronizado, o que o mercado ganha com isso? Palestrante: Antonio Carlos Endrigo, Orizon, SP Resumo: A apresentação da Orizon foi centrada na complexidade dos processos de autorização de procedimentos médicos e na dificuldade de aderir aos padrões nacionais. Uma vez que a adesão esteja completa a empresa entende ter dado um salto de qualidade e se tornar mais competitiva. Conferência C#6 Padrões de Segurança em Informática em Saúde e atividades do WG4 do Comitê ISO/TC-215 Coordenador: Heitor Gottberg, CISCO, SP Palestrante: Luis Gustavo Kiatake, E-VAL, SP Resumo: Esta conferência foi apresentada pelo Sr. Luis Gustavo Kiatake, que contextualizou a necessidade do uso de padrões de segurança para viabilizar a migração dos processos em papel para o mundo eletrônico, demonstrando as principais fragilidades que precisam ser contornadas. No contexto do Working Group 4 do ISO/TC-215, apresentou o escopo, que inclui a segurança, privacidade, responsabilização e a inclusive a proteção da saúde do paciente e a visão geral e estado de todas as normas já finalizadas e em trabalho no grupo, destacando a ISO 27799, que trata da gestão da segurança da informação na saúde, a ISO TS 25237, que trata do uso de técnicas para anonimizar dados identificados em saúde e de criar pseudônimos, permitindo o uso das informações para pesquisas e geração de indicadores, a ISO 17090, que detalha o uso de Infra-estrutura de Chaves Públicas em saúde, e finalmente da força de trabalho criada no grupo internacional na última reunião em Goteborg

6 Suécia e liderada pelo Brasil para analisar a viabilidade da proposição de uma norma internacional sobre certificação de segurança de software em saúde. Painel P#8 A Eliminação do Papel da Área da Saúde: Validade Jurídica e Privacidade Coordenador: Túlio Takemae, E-VAL, SP Como a ICP Brasil Colabora com a Eliminação do Papel Maurício Coelho, ITI, DF A Validade Jurídica da Assinatura Digital O Amparo da Resolução CFM 1821/07 na Eliminação do Papel Luis Gustavo Kiatake, E-VAL, SP A Autoridade Certificadora do Ministério da Saúde: AC-Saúde Sheila de Góes Monteiro, DATASUS/MS, RJ Resumo: O painel teve início com a apresentação do Sr. Luis Gustavo Kiatake, que falou sobre o amparo da resolução CFM 1821/07 na eliminação do papel, impulsionando a utilização de certificados digitais. Em seguida a Sra. Márcia Elizabeth Marinho teve a palavra, apresentando a questão sobre confidencialidade nos sistemas de informação do SUS, apontando a Segurança da Informação como fator fundamental para o processamento de informações do paciente. O painel foi finalizado pelo Sr. Pedro Paulo, do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI que explicou a história da ICP- Brasil e seu contexto jurídico, com ênfase na validade jurídica da assinatura digital ICP-Brasil. Painel P#9 Debate: Tendências e Prática do Uso de Certificação Digital na Saúde Coordenadora: Ana Criztina Pustiglione, E-VAL, SP O Nível de Garantia de Segurança 2 do Manual de Certificação de Software da SBIS/CFM Luis Gustavo Kiatake, E-VAL, SP Uso de Certificados Digitais no TISS Luiz Eduardo Vieira, ANS, RJ Debatedores: Antonio Carlos Onofre de Lira ANAHP Alvaro Martins SBPC/ML Luiz de Biase ABRAMGE José Antonio Diniz UNIDAS Mauro Back UNIMED Brasil Resumo: O painel teve início com o Sr. Luiz Eduardo Vieira da ANS, que abordou a questão sobre o uso de certificados digitais no TISS, apontando o problema da falta de padronização da assinatura do beneficiário, inclusive dentro de uma mesma instituição, o que impacta diretamente na eliminação do papel. Em seguida o Sr. Luis Gustavo Kiatake teve a palavra, falando sobre o reforço que o Nível de Garantia de Segurança 2 do Manual de Certificação SBIS/CFM fornece à eliminação do papel, garantindo a confidencialidade das informações do paciente durante sua transmissão. Como ponto alto do painel, realizou-se o debate sobre as dificuldades de alinhamento resultantes das diferenças do Brasil, com a participação do Sr. Antonio Carlos Onofre de Lira, representando a Associação Nacional dos Hospitais Privados - ANAHP, do Sr. Danilo Valter Bernik, representando o Sindicato Patronal dos Hospitais do Estado de São Paulo e a Federação dos Hospitais do Estado de São Paulo - SINDHOSP e FEHOESP, e do Dr. Álvaro Martins, representando a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial - SBPC/ML, em nome dos prestadores de serviço, e do Sr. José Diniz, representando a União Nacional das Autogestões - UNIDAS, do Sr. Luiz Antonio Di Biase, representando a Associação Brasileira das Medicinas de Grupo ABRAMGE, e do Sr. Mauro Back, representando a Unimed do Brasil, em nome das operadoras de assistência à saúde. O debate teve como característica a grande interatividade com os congressistas, uma vez que abordou um assunto polêmico e de interesse de toda a categoria de saúde. Evidenciou-se a dificuldade de implantação do padrão TISS e discutiu-se alternativas para a viabilidade do uso da certificação digital, com a proposta de estruturação de um grupo de trabalho sobre o tema. Como resultado positivo, observou-se uma efetiva aproximação dos usuários de padrões com aqueles que os desenvolvem. Painel P#10 Aplicação dos Padrões nas Políticas de IS Parte 1 Coordenador: Lincoln A. Moura Jr, Zilics, SP A Experiência dos Estados Unidos Ed Hammond, HL7, EUA A Experiência do Canadá Don Newsham, ISO/TC-215 / COACH, Canadá A Experiência do Reino Unido Dewinder S. Bhachu, PACSnet, NHS, UK Resumo: Foram apresentadas as experiências dos 3 países na definição e condução de políticas de informação em saúde. A experiência canadense é a mais bem sucedida, por ser mais antiga e por se basear em processos mais claros. A experiência do Reino Unido é marcada por sérios problemas de gestão, em função da fragmentação do projeto e trouxe muitos exemplos de aspectos que devemos evitar no Brasil. A experiência norte-americana é muito pobre do ponto de vista de uma política

7 nacional de saúde, já que aquele país não possui um sistema de saúde propriamente dito. Painel P#11 Aplicação dos Padrões nas Políticas de IS Parte 2 Coordenador: Lincoln A. Moura Jr, Zilics, SP Experiência da ANS Jussara Macedo P. Rötzsch, DIDES / ANS, RJ Experiência da ANVISA Eugênio Rodrigo Zimmer Neves, ANVISA, DF O Papel da FINEP na Política de Padrões para IS Mauricio Broxado de França Teixeira, FINEP, RJ Resumo: Foram apresentadas as experiências da ANS e ANVISA, agências que há muito vem desenvolvendo esforços de padronização da informação em Saúde. O projeto TISS é claramente um marco, ainda que sua implantação ainda esteja em desenvolvimento. A ANVISA vem fazendo um importante esforço para a utilização da GMDN que é vista pelos participantes com um excelente padrão para o País. A apresentação da Finep foi muito importante por reafirmar o tema da padronização como uma das prioridades do MCT e daquela agência. Conclusões Foram apresentados os trabalhos e os processos de normalização da CEE de Informática em Saúde da ABNT, além da discussão sobre a tradução de normas ISO já existentes, com a apresentação sobre o acompanhamento, discussão e enriquecimento das normas em elaboração no cenário internacional. Foram fornecidas aos participantes do evento duas normas brasileiras traduzidas como resultado da atuação da CEE de Informática em Saúde. O evento foi organizado de forma a trazer a experiência internacional na elaboração de padrões, através do ponto de vista do Comitê ISO TC-215, bem como a experiência de três países na construção de políticas nacionais para a Informática em Saúde, lastreadas por padrões. Além disso, o evento trouxe uma ampla perspectiva do uso de padrões para a informação em saúde no Brasil, tanto na área pública quanto no setor privado. Participaram do evento em média 200 pessoas por dia, distribuídos pelos setores: consumidores, produtores e neutros. E as apresentações estão disponíveis no site da comissão, para acesso aos membros registrados: 1 Links adicionais: Telessaude.sc.gov.br

Organismos de Padronização no Brasil e no Mundo e seus Processos

Organismos de Padronização no Brasil e no Mundo e seus Processos Organismos de Padronização no Brasil e no Mundo e seus Processos Sistemas de Informação em Saúde: Uma Visão Estratégica & os Padrões para Construí-la Beatriz de Faria Leão 7 de março de 2012 Quem Constrói

Leia mais

INSTITUTO HL7 BRASIL Brazilian Affiliate - HL7.ORG RELATÓRIO DE GESTÃO

INSTITUTO HL7 BRASIL Brazilian Affiliate - HL7.ORG RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO DE GESTÃO 2007 2010 Diretoria - Gestão 2007 2010 Presidente : Marivan Santiago Abrahão Secretário : Eduardo Pereira Marques Tesoureiro : Claudio Giulliano Alves da Costa Conselho Fiscal Lincoln

Leia mais

Planejamento Estratégico ABNT/CEE-78 Informática em Saúde 21.02.14 1

Planejamento Estratégico ABNT/CEE-78 Informática em Saúde 21.02.14 1 Planejamento Estratégico ABNT/CEE-78 Informática em Saúde 2013 2018 21.02.14 1 Objetivo do Planejamento Estratégico Definir onde queremos chegar em 5 anos. Definir como vamos chegar lá Definir como saber

Leia mais

Projeto RES SUS Nacional Definição, Escopo e Ações. Eduardo Mugnai Coordenador ABNT CEE 78 Informática em saúde

Projeto RES SUS Nacional Definição, Escopo e Ações. Eduardo Mugnai Coordenador ABNT CEE 78 Informática em saúde Projeto RES SUS Nacional Definição, Escopo e Ações Eduardo Mugnai Coordenador ABNT CEE 78 Informática em saúde Programação 1º DIA: 08/05/2012 - TERÇA-FEIRA Oficina RES DATASUS/MS De 08 a 10/05/2012 Brasília/DF

Leia mais

Eliminação do Papel em Saúde

Eliminação do Papel em Saúde Eliminação do Papel em Saúde Luis Gustavo Kiatake kiatake@evaltec.com.br Coordenador GT Segurança do Comitê Informática em Saúde ABNT Representante ABNT TC-215 Health Informatics ISO Membro titular da

Leia mais

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Aspectos do Prontuário Eletrônico Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Sumário Complexidade da Informação em Saúde Declaração de Convicção Aspectos Éticos

Leia mais

Marco Legal en Brasil (Uma visão pessoal)

Marco Legal en Brasil (Uma visão pessoal) V Congreso Iberoamericano de Informática Médica Normalizada 13 y 14 de Octubre 2011 Intendencia de Montevideo Marco Legal en Brasil (Uma visão pessoal) Lincoln de Assis Moura Jr, EE, MSc, DIC, PhD Assis

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

Experiências exitosas na implantação de Registro Eletrônico de Saúde

Experiências exitosas na implantação de Registro Eletrônico de Saúde Experiências exitosas na implantação de Registro Eletrônico de Saúde Beatriz de Faria Leão Bleao Informática em Saúde Rio de Janeiro, 1 de agosto de 2012 Agenda Conceitos Padrões para a construção do RES

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS 1 Contato Claudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. claudio.giulliano@gmail.com

Leia mais

ABNT/CEE-Informática em Saúde

ABNT/CEE-Informática em Saúde SIG de Padrões para Informática em Saúde e Telemedicina ABNT/CEE-Informática em Saúde SEMINÁRIO DE TERMINOLOGIAS PARA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE: ABNT/CEEIS, MS e SIG de Padrões/RUTE 04 de dezembro

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM SAÚDE RELATÓRIO DE ATIVIDADES

SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM SAÚDE RELATÓRIO DE ATIVIDADES SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM SAÚDE RELATÓRIO DE ATIVIDADES Elaborado em 19/04/2013 1. INTRODUÇÃO A Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) vem vivenciando um crescimento expressivo

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

PADRÕES DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E DE INTEROPERABILIDADE ENTRE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

PADRÕES DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E DE INTEROPERABILIDADE ENTRE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NOTA TÉCNICA 37/2011 PADRÕES DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE E DE INTEROPERABILIDADE ENTRE OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Revisão e atualização da Nota Técnica 47, de 13 de dezembro de 2010 Brasília, 23 de agosto de

Leia mais

Por onde começar na implantação de um PEP? Lincoln de Assis Moura Jr - ZILICS, SP Cláudio Giulliano Alves da Costa - SBIS, SP

Por onde começar na implantação de um PEP? Lincoln de Assis Moura Jr - ZILICS, SP Cláudio Giulliano Alves da Costa - SBIS, SP Por onde começar na implantação de um PEP? Lincoln de Assis Moura Jr - ZILICS, SP Cláudio Giulliano Alves da Costa - SBIS, SP Crença Métodos artesanais são incompatíveis com a entrega de serviços de massa.

Leia mais

Ata da 52ª Reunião Ordinária do COPISS Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar.

Ata da 52ª Reunião Ordinária do COPISS Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar. Ata da 52ª Reunião Ordinária do COPISS Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar. Às nove horas do dia dezenove de abril de dois mil e doze, nesta cidade, à Rua Teixeira de Freitas, nº

Leia mais

Nota da Ata da 79ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), realizada em 28 de maio de 2015.

Nota da Ata da 79ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), realizada em 28 de maio de 2015. Nota da Ata da 79ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS), realizada em 28 de maio de 2015. 1. TUSS OPME: dificuldades operacionais de identificação de

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014

Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO. Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde para a Odontologia 9º SINPLO Painel Tecnológico 09 de maio de 2014 Registro Eletrônico de Saúde 9º SINPLO SP 09/05/2014. 1 Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais

Leia mais

O PEP: Uma Visão Unificada

O PEP: Uma Visão Unificada O PEP: Uma Visão Unificada Beatriz de Faria Leão, MD, PhD bleao@atech.br Fundação Atech Vidatis Sistemas de Informação em Saúde Rua do Rocio, 351-5º andar - cj 51 04552-000 São Paulo, SP Fone: 11 3053-3770

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Certificação SBIS/CFM. Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010

Certificação SBIS/CFM. Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010 Certificação SBIS/CFM Euline Marcos Rodrigues - CPqD 16/04/2010 Agenda Histórico Requisitos Categorias Processo Certificação Comparativo para Discussão Histórico Ano 2002 2003 2004 2005 Eventos/Documentos

Leia mais

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

2.1. Rodrigo Queiroga, relator do ABNT-CEE78 GT4 Segurança, iniciou a reunião agradecendo a presença de todos.

2.1. Rodrigo Queiroga, relator do ABNT-CEE78 GT4 Segurança, iniciou a reunião agradecendo a presença de todos. RESUMO ABNT/CEE-78 Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde da Informação e do Paciente RESUMO DA 3ª REUNIÃO DE 2015 DATA: 14/04/2015 INÍCIO: 8:00 TÉRMINO: 08:53 LOCAIS: Skype (rodquei) 1. PARTICIPANTES

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014

PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS. Agosto/2014 PROCESSO ELETRÔNICO PADRÃO TISS Agosto/2014 PADRÃO DE TROCA DE INFORMAÇÕES NA SAÚDE SUPLEMENTAR Padrão TISS Histórico e Consulta Pública nº 43 Padrão TISS - Versão 3.0 3 Histórico RN 305 09/10/2012 - Termo

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

A importância da conectividade entre. Gilberto Bosco Neto

A importância da conectividade entre. Gilberto Bosco Neto entre operadoras e prestadores Gilberto Bosco Neto Conectividade Interligar a operadora e o prestador de forma automatizada, trocando informações pertinentes ao atendimento do beneficiário e remuneração

Leia mais

REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR 18 de junho de 2013. Regulação e Qualidade no Setor de Saúde Suplementar - 18/06/2013.

REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR 18 de junho de 2013. Regulação e Qualidade no Setor de Saúde Suplementar - 18/06/2013. REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR 18 de junho de 2013 1 Informação para a Regulação da Qualidade da Saúde Suplementar Marizélia Leão Moreira Graduada em Ciências Sociais pela UNESP, Doutorado

Leia mais

Padrões para a Interoperabilidade na Saúde

Padrões para a Interoperabilidade na Saúde Padrões para a Interoperabilidade na Saúde Karine Petry, Paula Marien Albrecht Lopes, Prof. Dr. rer. nat. Aldo von Wangenheim Cyclops, Universidade de Federal de Santa Catarina (UFSC), Brasil Resumo -

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN n 114, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005. Estabelece padrão obrigatório para a troca de informações entre operadoras de plano privado de assistência à saúde e prestadores de serviços de saúde

Leia mais

Unimed do Brasil. Projeto Registro Eletrônico de Saúde

Unimed do Brasil. Projeto Registro Eletrônico de Saúde Unimed do Brasil Projeto Registro Eletrônico de Saúde Novembro /2015 Sistema Unimed Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas

Leia mais

PADRÃO TISS. Troca de Informação em Saúde Suplementar

PADRÃO TISS. Troca de Informação em Saúde Suplementar PADRÃO TISS Troca de Informação em Saúde Suplementar DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL Leôncio Feitosa Diretor Jussara Macedo Gerente Geral de Integração com o SUS - GGSUS A Visão da ANS/Diretoria

Leia mais

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista ilupas Pesquisa Nacional identifica investimentos em tecnologias da informação e comunicação na área de Saúde Por Kelly de Souza O baixo grau de investimento em Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

2.1. Rodrigo Queiroga, relator do ABNT-CEE78 GT4 Segurança, iniciou a reunião agradecendo a presença de todos.

2.1. Rodrigo Queiroga, relator do ABNT-CEE78 GT4 Segurança, iniciou a reunião agradecendo a presença de todos. RESUMO ABNT/CEE-78 Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde da Informação e do Paciente RESUMO DA 4ª REUNIÃO DE 2015 DATA: 12/05/2015 INÍCIO: 8:00 TÉRMINO: 09:15 LOCAIS: Skype (rodquei) 1. PARTICIPANTES

Leia mais

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE Lucia Beatriz de Arêa Leão Alves 1, Pedro Emerson Moreira 1, André Monteiro de Mello 2, James N. Alcantarilla 2, Ernesto Guiães Notargiacomo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar Visão dos Prestadores HISTÓRICO 2003 TISS 2004 OFICINAS ANS TISS Porto Alegre: Importância do tema = 95,2% importante / muito importante

Leia mais

Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde. Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA

Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde. Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA Perfis Profissionais e Modelo de Carreira da Informática em Saúde Versão 1.0 para CONSULTA PÚBLICA Janeiro de 2012 SUMÁRIO 1. Estrutura dos Perfis Funcionais... 5 2. Perfis Funcionais por Área de Domínio...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde

A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde A Tecnologia da Informação como Ferramenta de Efetividade na Gestão da Saúde Lincoln de Assis Moura Jr, MSc, DIC, PhD lincoln.a.moura@gmail.com.br 11 8426-6276 Convicção Métodos artesanais são incompatíveis

Leia mais

Ata da 65ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS).

Ata da 65ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS). Ata da 65ª Reunião Ordinária do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (COPISS). Às nove horas do dia 18 de julho de dois mil e treze, na cidade do Rio de Janeiro, na Rua Teixeira

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Informática em Saúde

Programa de Pós-graduação em Informática em Saúde Programa de Pósgraduação em Informática em Saúde Informática em Saúde 27 Maio 2007 Club Transatlântico São Paulo Programa de Pósgraduação em Informática em Saúde Telemedicina Prática A Prática Médica Digital

Leia mais

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS OBJETIVO DA SOLUÇÃO GERCLIM WEB A solução GERCLIM WEB tem por objetivo tornar as rotinas administrativas e profissionais de sua clínica,

Leia mais

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar Capítulo I A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar 1 - Prestadores de serviços hospitalares: a) Acreditação de

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação. Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação Sistemas de Informação no SUS Informação para Gestão Contato Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo Assessoria

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde. SE / Ministério da Saúde Assessoria de TI Rogério Sugai

Registro Eletrônico de Saúde. SE / Ministério da Saúde Assessoria de TI Rogério Sugai Registro Eletrônico de Saúde SE / Ministério da Saúde Assessoria de TI Rogério Sugai Planejamento Estratégico do MS para 2008-2011 - MAIS SAÚDE - ALINHAMENTO COM O PLANO ESTRATÉGICO Mais Saúde ADERENTE

Leia mais

Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde

Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde Douglas Mendes Geremias 1, Priscyla Waleska Targino de Azevedo Simões 1,2, Paulo João Martins

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL EM AMBIENTE HOSPITALAR Flávio Osete Gonçalves da Silva, Camila Ramos de Moura Diretoria de Operações e Tecnologia da Informação Instituto do Câncer

Leia mais

Médico. Presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS).

Médico. Presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). ARTIGO CRM Digital AUTOR Claudio Giulliano Alves da Costa Médico. Presidente da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). INTRODUÇÃO A utilização da Tecnologia da Informação e Comunicação em

Leia mais

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde

Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde. Experiência Bradesco Saúde Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde Experiência Bradesco Saúde Pontos O Mercado de Saúde Suplementar O Contexto da Bradesco Saúde A Acreditação de Operadoras de Planos de Saúde 2 Despesas Totais

Leia mais

TISS. I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização

TISS. I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização TISS I Implanta TISS Prestadores e Operadoras em direção à padronização Roteiro Panorama da Saúde Padrão TISS Reflexões Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes

Leia mais

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO

1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO 1. A HISTÓRIA DA ACREDITAÇÃO Os registros sobre a origem da acreditação nos Estados Unidos identificam como seu principal precursor, em 1910, o Doutor e Professor Ernest Amony Codman, proeminente cirurgião

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES

COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES 2º CIMES CONGRESSO DE INOVAÇÃO EM MATERIAIS E EQUIPAMENTOS PARA SAÚDE COMO INOVAR EM EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Prof. Dr. José Carlos Teixeira de Barros Moraes Divisão de Ensaios e Calibração do

Leia mais

MODELAGEM DE FICHA DE ATENDIMENTO PARA CONSULTA OFTALMOLOGICA USANDO ARQUÉTIPOS OPENEHR

MODELAGEM DE FICHA DE ATENDIMENTO PARA CONSULTA OFTALMOLOGICA USANDO ARQUÉTIPOS OPENEHR MODELAGEM DE FICHA DE ATENDIMENTO PARA CONSULTA OFTALMOLOGICA USANDO ARQUÉTIPOS OPENEHR O objetivo deste trabalho é avaliar a modelagem de arquétipos oftalmológicos, e gerar um modelo de ficha de atendimento

Leia mais

Sistema Colaborativo para Discussão de Casos Clínicos

Sistema Colaborativo para Discussão de Casos Clínicos Sistema Colaborativo para Discussão de Casos Clínicos Ramon A. Moreno 1, Vinicius Lima 2, Isidro Lopes 2, Marco Antonio Gutierrez 1 1 Instituto do Coração (InCor)- HC FMUSP 2 Centro de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

Em 1993 um conjunto de 40 estações trabalho é conectado à internet e no ano

Em 1993 um conjunto de 40 estações trabalho é conectado à internet e no ano O Professor Doutor Silvio Borges, docente do Departamento de Cardiologia, institucionalizou em 1976 a tecnologia da informação na EPM com a criação do Serviço de Informática. Este setor deu origem ao Centro

Leia mais

Agenda. Parte 1: Sistemas de Informação em Saúde: estado da arte e desafios. Copyright Zilics, Junho 20081

Agenda. Parte 1: Sistemas de Informação em Saúde: estado da arte e desafios. Copyright Zilics, Junho 20081 Copyright Zilics, Junho 20081 Curso de Sistemas de Informação para a Gestão da Saúde 26 e 27 de junho de 2008 São Paulo, SP Parte 1: Sistemas de Informação em Saúde: estado da arte e desafios Beatriz de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 (Publicado no D.O.U. de 17 dez 2014, Seção I, p. 157-158) Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009,

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura OEI/TOR/MEC/DTI nº 003/2009 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004

Leia mais

PRESS RELEASE. Copyright 2015 Gustavo Marísio Bacelar da Silva. Todos os direitos reservados. CRASH COURSE. openehr. Gustavo Bacelar.

PRESS RELEASE. Copyright 2015 Gustavo Marísio Bacelar da Silva. Todos os direitos reservados. CRASH COURSE. openehr. Gustavo Bacelar. Copyright 2015 Gustavo Marísio Bacelar da Silva. Todos os direitos reservados. PRESS RELEASE CRASH COURSE openehr Gustavo Bacelar Julho, 2015 O QUE É OPENEHR O openehr é um conjunto de especificações abertas

Leia mais

Estruturação dos Projetos ENSINO IMPLANTAÇÃO DE AUDITÓRIO PRÓPRIO Problema / Oportunidade

Estruturação dos Projetos ENSINO IMPLANTAÇÃO DE AUDITÓRIO PRÓPRIO Problema / Oportunidade IMPLANTAÇÃO DE AUDITÓRIO PRÓPRIO Falta de estrutura física para o sócio estar presente na SAESP e espaço próprio para realização de eventos e cursos de aperfeiçoamento de pequeno e médio porte. Não temos

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Tradição, pioneirismo e credibilidade.

Tradição, pioneirismo e credibilidade. Tradição, pioneirismo e credibilidade. A Converge Comunicações desenvolve serviços convergentes com foco em novas tecnologias, soluções e tendências. Nosso portfólio inclui a organização de feiras, congressos

Leia mais

Gestão de Planos de Saúde Cronograma das aulas telepresenciais e das avaliações presenciais

Gestão de Planos de Saúde Cronograma das aulas telepresenciais e das avaliações presenciais Disciplina: Atenção à Saúde 04/08 11/08 5/8 6/8 7/8 8/8 Promoção da Saúde e Prevenção da Doença Programas de Promoção de Saúde e Prevenção de Doenças no mercado privado suplementar. Fases e modelos de

Leia mais

O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente

O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente O degrau de uma escada não serve simplesmente para que alguém permaneça em cima dele, destina-se a sustentar o pé de um homem pelo tempo suficiente para que ele coloque o outro um pouco mais alto. (Thomas

Leia mais

Manual TISS instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais

Manual TISS instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais Manual TISS instruções para utilização e preenchimento das guias Instruções gerais Este manual tem como finalidade instruir todos os prestadores de serviço no preenchimento uniforme das guias do padrão

Leia mais

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL

25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI. http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 25/01/2015 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com CRIPTOGRAFIA E SEGURANÇA DE DADOS AULA 12 ICP-BRASIL 1 CONFIAR EM CERTIFICADOS DIGITAIS? ITI O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação

Leia mais

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014

Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Resolução CFM Nº 2107 DE 25/09/2014 Publicado no DO em 17 dez 2014 Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009, Seção 1, p. 94-5p

Leia mais

PADRÃO TISS Versão 3.00.00 Troca de Informações na Saúde Suplementar

PADRÃO TISS Versão 3.00.00 Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS Versão 3.00.00 Troca de Informações na Saúde Suplementar Diretoria de Desenvolvimento Setorial - DIDES Gerência-Geral de Integração Setorial - GGISE Gerência de Padronização e Interoperabilidade

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde

Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde anual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde Versão 3.0 Editores: Beatriz de Faria Leão Cláudio Giulliano Alves da Costa John Lemos Forman Novembro de 2007 anual de Certificação

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA

CONECTIVIDADE INOVADORA. MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Vue Connect. Enterprise IMAGE/ARTWORK AREA Vue Connect Enterprise Workflow MULTI-SITE E MULTI-FORNECEDORES. UMA ÚNICA LISTA DE TRABALHO GLOBAL. Para empresas que possuem diversas unidades, uma ampla gama de instalações, fluxo de trabalho departamental

Leia mais

HL7 HL7 BRASIL. Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR HL7 BRASIL. Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde. 18 - Setembro - 2005 1

HL7 HL7 BRASIL. Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR HL7 BRASIL. Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde. 18 - Setembro - 2005 1 Painel 4 Padrões para sistemas de Registro Eletrônico de Saúde BRASIL Dr. Marivan Santiago Abrahão CHAIR BRASIL 18 - Setembro - 2005 1 O que é É uma organização voluntária, sem fins lucrativos, voltada

Leia mais

I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil

I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil A I Reunião do Comitê Consultivo da BVS Brasil foi realizada no dia 16 de maio de 2014, na Bireme/OPAS/OMS, e contou com a presença dos seguintes representantes

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas

LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas LEI 13003 Manual Perguntas e Respostas APRESENTAÇÃO A Federação Baiana de Hospitais e a Associação de Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia, cumprindo com a função de orientar e assessorar hospitais,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar

Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar Ministério da Saúde Agência Nacional de Saúde Suplementar Radar TISS Manual de Preenchimento 3ª Campanha Odontologia Referência Junho 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS

Leia mais

GT ICP-EDU Uma Infra-estrutura de Chaves Públicas para o Âmbito Acadêmico

GT ICP-EDU Uma Infra-estrutura de Chaves Públicas para o Âmbito Acadêmico GT ICP-EDU Uma Infra-estrutura de Chaves Públicas para o Âmbito Acadêmico Ricardo Felipe Custódio, Jeroen van de Graaf e Ricardo Dahab Julho de 2003 Este documento tem como objetivo descrever o projeto

Leia mais

Hospitalar 2003. 8º Congresso Latino Americano de Serviços de Saúde. Prontuário Eletrônico do Paciente: Legislação, Auditoria e Conectividade

Hospitalar 2003. 8º Congresso Latino Americano de Serviços de Saúde. Prontuário Eletrônico do Paciente: Legislação, Auditoria e Conectividade Hospitalar 2003 8º Congresso Latino Americano de Serviços de Saúde Prontuário Eletrônico do Paciente: Legislação, Auditoria e Conectividade Palestrante Cláudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. Médico

Leia mais

MANUAL DO REFERENCIADO TISS

MANUAL DO REFERENCIADO TISS MANUAL DO REFERENCIADO TISS Prezado Referenciado, As instruções contidas neste Manual têm como principal objetivo, servir como guia para que os agentes integrantes do processo de faturamento e conciliação

Leia mais

ABNT/CEE-78 Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde GT4 Segurança da Informação e do Paciente

ABNT/CEE-78 Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde GT4 Segurança da Informação e do Paciente RESUMO ABNT/CEE-78 Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde da Informação e do Paciente RESUMO DA 5ª REUNIÃO DE 2015 DATA: 09/06/2015 INÍCIO: 8:00 TÉRMINO: 09:35 LOCAL: http://meet52658369.adobeconnect.com/abnt_cee78is_gt4/

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

O Profissional de Tecnologia de Informação em Saúde no Brasil: A Visão da SBIS

O Profissional de Tecnologia de Informação em Saúde no Brasil: A Visão da SBIS Sociedade Brasileira de Informática em Saúde O Profissional de Tecnologia de Informação em Saúde no Brasil: A Visão da SBIS Prof. Renato M.E. Sabbatini Diretor de Educação e Capacitação Profissional 40%

Leia mais

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE

Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE Manual de Instruções ODONTOLOGIA CAMED SAÚDE AGOSTO/2014 1 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Orientações Gerais... 4 2.1 Entrega de guias... 4 2.2 Numeração de guias... 4 2.3 Pacotes - Autorização e cobrança...

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2014, do Senador Roberto Requião, que autoriza o armazenamento eletrônico dos prontuários dos pacientes.

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

Mais eficiência e menos burocracia

Mais eficiência e menos burocracia nº 18 março / 2006 Mais eficiência e menos burocracia A Resolução 114, de outubro de 2005, da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), estabeleceu o padrão TISS (Troca de Informação em Saúde Suplementar),

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática de gestão do Ministério da Educação (MEC) em seus processos de formulação, implantação e

Leia mais

NOTA TÉCNICA 45 2012

NOTA TÉCNICA 45 2012 NOTA TÉCNICA 45 2012 REGRAS PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS APLICATIVOS, SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE OU NOVAS VERSÕES DE SISTEMAS E APLICATIVOS JÁ EXISTENTES NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Brasília,

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO EM OFTALMOLOGIA 04, 05 e 06 de Junho de 2015 Costa do Sauipe/BA

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO EM OFTALMOLOGIA 04, 05 e 06 de Junho de 2015 Costa do Sauipe/BA VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO EM OFTALMOLOGIA 04, 05 e 06 de Junho de 2015 Costa do Sauipe/BA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA 04 de junho de 2015 (quinta-feira) SALA GARDÊNIA (ALA ÁGUA SAUIPE CLUB) Coordenação:

Leia mais