Relatório Parcial FCTY-RTP-HPT Referência: Diagnóstico da Herpetofauna. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Parcial FCTY-RTP-HPT Referência: Diagnóstico da Herpetofauna. Fevereiro/2014. At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY"

Transcrição

1 Relatório Parcial FCTY-RTP-HPT Referência: Diagnóstico da Herpetofauna. Fevereiro/2014 At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Fevereiro de 2014

2 1 APRESENTAÇÃO METODOLOGIA RESULTADOS PARCIAIS EQUIPE ANEXO I REGISTRO FOTOGRÁFICO ANEXO II - ART º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014

3 1 APRESENTAÇÃO O grupo da herpetofauna compreende os répteis e os anfíbios, os quais historicamente são estudados em conjunto, especialmente porque podem ser amostrados pelos mesmos métodos. Na região do empreendimento do Complexo Turístico Fashion City Brasil, dentre os diversos grupos de répteis, é esperada a ocorrência de espécies de serpentes, lagartos, anfisbênias (cobras-de-duas-cabeças), quelônios e jacarés e, dentre os anfíbios, espécies de anuros (sapos, rãs e pererecas) e de gimnofionas (cobras-cegas). Compondo o processo de licenciamento do empreendimento, no âmbito do estudo da fauna de vertebrados, foi iniciado um levantamento da herpetofauna na área de influência, através de amostragens em campo. Apresentam-se os dados parciais obtidos com a primeira amostragem realizada. 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 1

4 2 METODOLOGIA A primeira amostragem foi realizada no dia 07 de fevereiro de Foi aplicado o método de busca ativa limitada por tempo (FOTO 5.1, FOTO 5.2), com o esforço de seis horas de busca, sendo três em período diurno e três em período noturno, empreendidas por dois coletores (12 horas-homem). Foram efetuados apenas registros visuais e acústicos (anfíbios anuros) das espécies. Sempre que possível, exemplares foram fotografados. FOTO 5.1 MÉTODOS DE BUSCA ATIVA LIMITADA POR TEMPO. FOTO 5.2 MÉTODOS DE BUSCA ATIVA LIMITADA POR TEMPO. Foram visitadas três áreas de amostragem na área de estudo, previamente definidas, as quais são descritas na Tabela 5.1. A amostragem abrangeu ambientes de floresta estacional semidecidual secundária, cerrado sentido restrito, pastagem artificial, lagoa natural, brejo aberto, brejo arbóreo e represa (FOTO 5.3 à FOTO 5.8). Área Município Ambiente Coordenadas de Referência Latitude Longitude Altitude (m) 1 Floresta estacional semidecidual Pedro secundária; pequena represa; brejo; Leopoldo nascente em mata. -19, , Confins Lagoa natural Confins Floresta estacional semidecidual secundária; cerrado sentido restrito Tabela 5.1 Áreas de amostragem da herpetofauna na área de influência do empreendimento. 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 2

5 FOTO 5.3 FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL SECUNDÁRIA. FOTO 5.4 FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL SECUNDÁRIA. FOTO 5.5 CERRADO SENTIDO RESTRITO. FOTO 5.6 LAGOA NATURAL. FOTO 5.7 BREJO. FOTO 5.8 REPRESA COM BREJO. 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 3

6 3 RESULTADOS PARCIAIS Na primeira amostragem foram registradas oito espécies de anfíbios, todos da ordem Anura, a qual inclui os sapos, rãs e pererecas. A maioria das espécies (4) pertence à família Hylidae. Cinco espécies estavam em atividade reprodutiva, com machos emitindo vocalização de anúncio, a qual é utilizada para atração de fêmeas para cópula (TABELA 5.2). A confirmação da identidade taxonômica da população aqui registrada como Leptodactylus cf. chaquensis dependerá da coleta e análise de espécimes, o que será realizado nas próximas amostragens. Todas as espécies de anfíbios registradas na primeira campanha, com exceção de Hypsiboas lundii, exibem certe resistência a perturbações do ambiente, podendo persistir em áreas alteradas, desde que haja sítios reprodutivos (lagoas e brejos) e, no caso de Hypsiboas faber, áreas florestais para crescimento dos filhotes. A perereca H. lundii é associada a matas de galeria com córregos e a brejos florestados, sendo mais dependente da ocorrência de florestas. Em relação aos répteis, foram registradas duas espécies de lagartos, pertencentes à ordem Squamata (TABELA 5.3). O calango, Tropidurus torquatus, foi encontrado em área alterada com acúmulo de entulhos. Esta espécie possui hábitos generalistas, ocorrendo tanto em áreas naturais quanto naquelas antropizadas. Táxon ORDEM ANURA Área Município Registro Atividade Reprodutiva Família Bufonidae Rhinella schneideri 2 C V Família Hylidae Dendropsophus rubicundulus 2 C A v Hypsiboas albopunctatus 1, 2 C, P V, A v Hypsiboas faber 1 P V, A v Hypsiboas lundii 1 P V, A v Família Leptodactylidae Leptodactylus fuscus 2 C V Leptodactylus cf. chaquensis 1, 2 C, P V i Physalaemus cuvieri 1, 2 C, P V, A v TABELA 5.2 ANFÍBIOS REGISTRADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO. MUNICÍPIOS: C CONFINS, P PEDRO LEOPOLDO. ATIVIDADE REPRODUTIVA: V VOCALIZAÇÃO DE ANÚNCIO DE MACHOS, I IMAGOS RECÉM METAMORFOSEADOS. TIPO DE REGISTRO: V VISUAL, A AUDITIVO. Táxon ORDEM SQUAMATA Área Município Registro Família Tropiduridae Tropidurus torquatus 1 P V Família Gekkonidae Hemidactylus mabouia 1 P V TABELA 5.3 RÉPTEIS REGISTRADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO. MUNICÍPIO: P PEDRO LEOPOLDO. TIPO DE REGISTRO: V VISUAL. A lagartixa-de-parede, Hemidactylus mabouia, foi encontrado em uma floresta secundária rica em palmeiras macaúba. Hemidactylus mabouia é exótica no Brasil, originária da África, e ocorre de forma sinantrópica associada a habitações humanas. Nos últimos anos populações da lagartixa vêm sendo encontradas em ambientes naturais no Brasil, o que fornece riscos à conservação de espécies nativas de lagartos. Sua ocorrência na área de estudo demonstra elevado grau de perturbação do remanescente florestal onde foi registrada. 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 4

7 Não foram encontradas espécies ameaçadas de extinção ou que sejam reconhecidas como indicadoras de ocorrência de ambientes preservados. Cabe ressaltar que a amostragem foi realizada em um período com clima muito quente e seco, com longa estiagem, atípico para a época. Deste modo, répteis e especialmente anfíbios certamente encontravam-se menos ativos que o esperado, resultando em menos registros em campo. Com a ocorrência de chuvas espera-a o registro de mais espécies. Fotos de algumas das espécies reportadas são apresentadas no ANEXO I. 4 EQUIPE Equipe Técnica Formação Responsabilidade Adriano Lima Silveira CRBio: 44894/04-D Gesinaldo Moura da Silva Biólogo, Mestre em Zoologia, Doutor em Zoologia. Técnico Responsável Auxiliar de Campo 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 5

8 5 ANEXO I REGISTRO FOTOGRÁFICO FOTO 5.1 RHINELLA SCHNEIDERI. FOTO 5.2 HYPSIBOAS ALBOPUNCTATUS. FOTO 5.3 HYPSIBOAS FABER. FOTO 5.4 HYPSIBOAS LUNDII. FOTO 5.5 LEPTODACTYLUS FUSCUS. FOTO 5.6 LEPTODACTYLUS CF. CHAQUENSIS. 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 6

9 FOTO 5.7 TROPIDURUS TORQUATUS. FOTO 5.8 HEMIDACTYLUS MABOUIA. 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 7

10 6 ANEXO II - ART 1º Relatório Parcial. Diagnóstico da Herpetofauna. FCTY-RTP-HPT Fevereiro/2014, Pág. 8

Levantamento Preliminar da Herpetofauna em um Fragmento de Mata Atlântica no Observatório Picos dos Dias, Brasópolis, Minas Gerais

Levantamento Preliminar da Herpetofauna em um Fragmento de Mata Atlântica no Observatório Picos dos Dias, Brasópolis, Minas Gerais Levantamento Preliminar da Herpetofauna em um Fragmento de Mata Atlântica no Observatório Picos dos Dias, Brasópolis, Minas Gerais Ademir Henrique Vilas Boas* 1,2,3, Flávio de Vasconcelos Camargo 1,2,3,

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE ANFÍBIOS NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE ANFÍBIOS NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO TÍTULO: LEVANTAMENTO DE ANFÍBIOS NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Graduação em Ciências Biológicas, DBI - UFMS. Centro de Ciências Biológicas, DBI - UFMS

Graduação em Ciências Biológicas, DBI - UFMS. Centro de Ciências Biológicas, DBI - UFMS COMUNIDADE DE ANFÍBIOS EM UM AGROECOSSITEMA SITUADO NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL. Letícia Ogushi Romeiro Ramires 1,4 Fernando Ibanez Martins 2 ; Franco Leandro de Souza 3 1 Graduação em Ciências Biológicas,

Leia mais

INVENTÁRIO DE ANUROS OCORRENTES NO SUDOESTE DO PARANÁ

INVENTÁRIO DE ANUROS OCORRENTES NO SUDOESTE DO PARANÁ INVENTÁRIO DE ANUROS OCORRENTES NO SUDOESTE DO PARANÁ Fernando Toniazzo [PIBIC-AF/ FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA] 1, Rodrigo Lingnau [orientador] 1, Ivanderson Borelli [PIBIC-AF/ FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA] 1 1 Curso de

Leia mais

TÍTULO: RIQUEZA E COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS EM UMA ÁREA DE CERRADO FRAGMENTADO, CUIABÁ - MATO GROSSO

TÍTULO: RIQUEZA E COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS EM UMA ÁREA DE CERRADO FRAGMENTADO, CUIABÁ - MATO GROSSO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: RIQUEZA E COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS ANUROS EM UMA ÁREA DE CERRADO FRAGMENTADO, CUIABÁ - MATO GROSSO

Leia mais

RIQUEZA E DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DE ANUROS EM ÁREA REMANESCENTE DE MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO.

RIQUEZA E DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DE ANUROS EM ÁREA REMANESCENTE DE MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO. RIQUEZA E DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DE ANUROS EM ÁREA REMANESCENTE DE MATA ATLÂNTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO. Danielle Maria de Moraes 1 ; Tatiana Kely Conceição Manso 2 ; Vilma Lucia dos Santos Almeida

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE PEIXES NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE PEIXES NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO TÍTULO: LEVANTAMENTO DE PEIXES NA FAZENDA SANTO ANTONIO, AGUDOS, SÃO PAULO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU

Leia mais

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Biológicas Diversidade, distribuição e reprodução de Anfíbios

Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Biológicas Diversidade, distribuição e reprodução de Anfíbios Universidade Federal do Amazonas Instituto de Ciências Biológicas Diversidade, distribuição e reprodução de Anfíbios Prof. Dr. Marcelo Menin Departamento de Biologia - ICB Laboratório de Zoologia Programa

Leia mais

Herpetofauna de fragmentos de floresta estacional semidecidual na região de Sorocaba - SP

Herpetofauna de fragmentos de floresta estacional semidecidual na região de Sorocaba - SP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Herpetofauna de fragmentos de floresta estacional semidecidual na região de Sorocaba - SP

Leia mais

ÍNDICE. 2.2.3.3 - Fauna... 1/10 ANEXOS. Anexo 2.2.3.3-1 Autorizações de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico n 325/2015

ÍNDICE. 2.2.3.3 - Fauna... 1/10 ANEXOS. Anexo 2.2.3.3-1 Autorizações de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico n 325/2015 2935-01-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV GILBUÉS II - OUROLÂNDIA II ÍNDICE... 1/10 ANEXOS Anexo 2.2.3.3-1 Autorizações de Captura, Coleta e Transporte de Material Biológico n 325/2015 Anexo 2.2.3.3-2 Anexo 2.2.3.3-3

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE MORFOLOGIA E UTILIZAÇÃO DO MICROAMBIENTE.

RELAÇÃO ENTRE MORFOLOGIA E UTILIZAÇÃO DO MICROAMBIENTE. RELAÇÃO ENTRE MORFOLOGIA E UTILIZAÇÃO DO MICROAMBIENTE. Ailton Jacinto Silvério Junior, Ana Cristina Silva, Geraldo Freire, Lucirene Rodrigues, Mariana Garcez Stein e Mônica Negão. Resumo: A especificidade

Leia mais

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA HERPETOFAUNA DO RIO DA PRATA, PEDRA BRANCA, RJ

LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA HERPETOFAUNA DO RIO DA PRATA, PEDRA BRANCA, RJ LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA HERPETOFAUNA DO RIO DA PRATA, PEDRA BRAN, RJ LIMP GFS 1 ; BATISTA MCS 2 ; SOARES MA Universidade Castelo Branco, CEPBIO Centro de Pesquisa em Biologia. Avenida de Santa Cruz,

Leia mais

HISTÓRIA DA COLETA CIENTÍFICA DE MATERIAL BIOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS, RJ

HISTÓRIA DA COLETA CIENTÍFICA DE MATERIAL BIOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS, RJ HISTÓRIA DA COLETA CIENTÍFICA DE MATERIAL BIOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS, RJ Rodrigo de Oliveira Lula Salles 1 & Alexandre Takio Kitagawa 2 1. Biólogo, Msc. em Zoologia, Doutorando em Zoologia,

Leia mais

RIQUEZA E COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS EM ÁREA DE CERRADO FRAGMENTADA NO MUNICÍPIO DE CUIABÁ

RIQUEZA E COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS EM ÁREA DE CERRADO FRAGMENTADA NO MUNICÍPIO DE CUIABÁ RIQUEZA E COMPOSIÇÃO DE ANFÍBIOS EM ÁREA DE CERRADO FRAGMENTADA NO MUNICÍPIO DE CUIABÁ Luiz Antônio Solino-Carvalho 1 Edson Viana Massoli Junior 2 Neidevon Realino de Jesus 3 Kelly Araujo da Silva 4 Jessica

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO SOBRE IGUANA IGUANA LINEU, 1758 (IGUANIDAE) EM UM FRAGMENTO DE ÁREA ÚMIDA DE CERRADO NO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE, MT

TÍTULO: ESTUDO SOBRE IGUANA IGUANA LINEU, 1758 (IGUANIDAE) EM UM FRAGMENTO DE ÁREA ÚMIDA DE CERRADO NO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE, MT 16 TÍTULO: ESTUDO SOBRE IGUANA IGUANA LINEU, 1758 (IGUANIDAE) EM UM FRAGMENTO DE ÁREA ÚMIDA DE CERRADO NO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE, MT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL VALEC MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL (EIA) DAS OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DA FERROVIA OESTE LESTE (EF 334), ENTRE FIGUEIRÓPOLIS (TO) E ILHÉUS (BA) VOLUME

Leia mais

Ecologia de uma comunidade de anuros em Botucatu, SP

Ecologia de uma comunidade de anuros em Botucatu, SP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU INSTITUTO DE BIOCIENCIAS Ecologia de uma comunidade de anuros em Botucatu, SP MARIA CLARA DA SILVA ESTEVES Dissertação apresentada ao Instituto de Biociências

Leia mais

Cássio Zocca¹,*, João Filipe Riva Tonini² & Rodrigo Barbosa Ferreira 1,3

Cássio Zocca¹,*, João Filipe Riva Tonini² & Rodrigo Barbosa Ferreira 1,3 Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 35:105-117. Julho de 2014 Uso do espaço por anuros em ambiente urbano de Santa Teresa, Espírito Santo Cássio Zocca¹,*, João Filipe Riva Tonini² & Rodrigo Barbosa

Leia mais

MONITORAMENTO DE ANFÍBIOS ATROPELADOS NO EIXO DA RODOVIA DO PARQUE BR-448 ATRAVÉS DO CAMINHAMENTO

MONITORAMENTO DE ANFÍBIOS ATROPELADOS NO EIXO DA RODOVIA DO PARQUE BR-448 ATRAVÉS DO CAMINHAMENTO MONITORAMENTO DE ANFÍBIOS ATROPELADOS NO EIXO DA RODOVIA DO PARQUE BR-448 ATRAVÉS DO CAMINHAMENTO Rodrigo Souza Torres*, Andrea Pedron, Andressa Krewer Facin, Letícia Coradini Frantz, Catarina Silveira

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 39 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Resolução SMA - 8, de

Resolução SMA - 8, de Resolução SMA - 8, de 7-3-2007 Altera e amplia as resoluções SMA 21 de 21-11-2001 e SMA 47 de 26-11-2003. Fixa a orientação para o reflorestamento heterogêneo de áreas degradadas e dá providências correlatas.

Leia mais

Anurofauna da Floresta Estacional Semidecidual da Estação Ecológica dos Caetetus, Sudeste do Brasil

Anurofauna da Floresta Estacional Semidecidual da Estação Ecológica dos Caetetus, Sudeste do Brasil Anurofauna da Floresta Estacional Semidecidual da Estação Ecológica dos Caetetus, Sudeste do Brasil Brassaloti, R.A. et al. Biota Neotrop. 2010, 10(1): 275-292. On line version of this paper is available

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002, DE 08 DE SETEMBRO DE O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DE MATO GROSSO, no uso das atribuições

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002, DE 08 DE SETEMBRO DE O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DE MATO GROSSO, no uso das atribuições Diário Oficial nº : 25660 Data de publicação: 07/10/2011 Matéria nº : 434718 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011 Disciplina os procedimentos para concessão de autorização de coleta, resgate

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre

Programa Analítico de Disciplina ENF389 Manejo de Fauna Silvestre 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Engenharia Florestal - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 2 2 Períodos

Leia mais

Anurofauna de uma área do domínio da Mata Atlântica no Sul do Brasil, Morro do Coco, Viamão, RS

Anurofauna de uma área do domínio da Mata Atlântica no Sul do Brasil, Morro do Coco, Viamão, RS MOUSEION (ISSN 1981-7207) http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/mouseion Canoas, n. 14, abr. 2013 Anurofauna de uma área do domínio da Mata Atlântica no Sul do Brasil, Morro do Coco, Viamão,

Leia mais

SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY

SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY SAM NOBLE OKLAHOMA MUSEUM OF NATURAL HISTORY UNIVERSITY OF OKLAHOMA, NORMAN, OKLAHOMA NUMBER 1, PAGES 1 17 1 SEPTEMBER 2002 UM GUIA FOTOGRÁFICO DOS RÉPTEIS E ANFÍBIOS

Leia mais

Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa

Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa Licenciamento Florestal: Biomas Mata Atlântica e Pampa Diego Melo Pereira Eng. Agrônomo Msc. Chefe da Divisão de Flora (Licenciamento e Cadastro Florestal) SEMA/RS Lei Federal 11.428/2006 Art. 2 o Para

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: ESTUDO DE CASO DA HERPETOFAUNA.

AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: ESTUDO DE CASO DA HERPETOFAUNA. AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL EM LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: ESTUDO DE CASO DA HERPETOFAUNA. Francisca Vitória Amaral Nobrega 1 ; Marcos Antonio Nobrega de Sousa 2 RESUMO - Existem metodologias

Leia mais

SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY

SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY SAM NOBLE OKLAHOMA MUSEUM OF NATURAL HISTORY UNIVERSITY OF OKLAHOMA, NORMAN, OKLAHOMA NUMBER 2, PAGES 1 24 15 MAY 2005 UMA ATUALIZAÇÃO DO GUIA FOTOGRÁFICO DOS RÉPTEIS

Leia mais

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE

Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE Relevo brasileiro GEOGRAFIA 5º ANO FONTE: IBGE O relevo Brasileiro O relevo brasileiro é constituído, principalmente, por planaltos, planícies e depressões. Os planaltos são terrenos mais antigos relativamente

Leia mais

PARECER ÚNICO DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL GCA/DIAP Nº120/2008. Votorantim Metais Zinco S.A. CNPJ /

PARECER ÚNICO DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL GCA/DIAP Nº120/2008. Votorantim Metais Zinco S.A. CNPJ / PARECER ÚNICO DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL GCA/DIAP Nº120/2008 1 DADOS DO EMPREENDIMENTO Empreendedor Votorantim Metais Zinco S.A. CNPJ 42.416.651/0001-07 Endereço Empreendimento Rodovia MG 040, km 284, 39.205-000,

Leia mais

RELAÇÃO DOS SQUAMATA (REPTILIA) DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MEANDROS DO RIO ARAGUAIA, BRASIL

RELAÇÃO DOS SQUAMATA (REPTILIA) DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MEANDROS DO RIO ARAGUAIA, BRASIL RELAÇÃO DOS SQUAMATA (REPTILIA) DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL MEANDROS DO RIO ARAGUAIA, BRASIL FIDÉLIS JÚNIO MARRA SANTOS VERA LÚCIA FERREIRA LUZ ALFREDO PALAU PEÑA SIDNEY GOMES FALEIRO JÚNIOR RICARDO

Leia mais

Gilberto Cugler sigrb Prof Dr. Arlei Benedito Macedo Instituto de geociências-usp Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues Unesp-Registro

Gilberto Cugler sigrb Prof Dr. Arlei Benedito Macedo Instituto de geociências-usp Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues Unesp-Registro O gvsig no planejamento e gestão de bacias hidrográficas: estudo de caso da bacia do Rio Ribeira de Iguape e Litoral Sul. Gilberto Cugler sigrb Prof Dr. Arlei Benedito Macedo Instituto de geociências-usp

Leia mais

4.2- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL Programa de Monitoramento de Fauna

4.2- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL Programa de Monitoramento de Fauna 4.2- PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL 4.2.1 Programa de Monitoramento de Fauna O Programa de Monitoramento da Fauna tem como objetivo maximizar o conhecimento sobre as alterações nas populações e comunidades

Leia mais

PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 4.8 Programa de Acompanhamento e Resgate de Fauna durante a Limpeza e Enchimento da Área do Reservatório NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas...

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Atividade Prática sobre Anfíbios e Répteis Autora: Ana Maria Rigon Bolzan Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO Os primeiros anfíbios surgiram no Período Devoniano há cerca de 350400 milhões

Leia mais

OS CERRADOS. Entre as plantas do cerrado, podemos citar a sucurpira, o pequi, a copaíba, o angico, a caviúna, jatobá, lobeira e cagaita.

OS CERRADOS. Entre as plantas do cerrado, podemos citar a sucurpira, o pequi, a copaíba, o angico, a caviúna, jatobá, lobeira e cagaita. Os principais biomas brasileiros (biomas terrestres) são: A floresta Amazônica, a mata Atlântica, os campos Cerrados, a Caatinga, o Pampa e o Pantanal. OS CERRADOS Localizados nos estados de Goiás, Tocantins,

Leia mais

Restauração de habitat e conservação da herpetofauna em um fragmento de mata do sudeste brasileiro

Restauração de habitat e conservação da herpetofauna em um fragmento de mata do sudeste brasileiro UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE BOTUCATU Restauração de habitat e conservação da herpetofauna em um fragmento de mata do sudeste brasileiro Gabriel Jorgewich Cohen Orientador:

Leia mais

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Tema: Manejo de fauna em barragens e outros emprendimentos Bibliografia: INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 Trabalhos variados

Leia mais

Orientação Concluídas de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e Especialização

Orientação Concluídas de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e Especialização Orientação Concluídas de Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação e Especialização 1. Andrada, L. O. Caracterização biológica do veneno de Bothrops cotiara 2. Andrade, R. G. Comparação ontogenética

Leia mais

Fazenda da Soledade SÍTIO NATURAL. Ituiutaba MG. 01. Município. 02. Distrito Sede. 03. Designação Lagoa da soledade. 04.

Fazenda da Soledade SÍTIO NATURAL. Ituiutaba MG. 01. Município. 02. Distrito Sede. 03. Designação Lagoa da soledade. 04. SÍTIO NATURAL 01. Município Ituiutaba MG 02. Distrito Sede 03. Designação Lagoa da soledade 04. Localização Fazenda da Soledade 05. Carta Topográfica AMVAP 2003 06. Acesso Estrada Municipal 369 07. Propriedade

Leia mais

ECO GEOGRAFIA. Prof. Felipe Tahan BIOMAS

ECO GEOGRAFIA. Prof. Felipe Tahan BIOMAS ECO GEOGRAFIA Prof. Felipe Tahan BIOMAS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Os domínios morfoclimáticos representam a combinação de um conjunto de elementos da natureza relevo, clima, vegetação que se inter-relacionam

Leia mais

ESTRUTURA DE UMA COMUNIDADE DE ANFÍBIOS ANUROS EM SAVANA TROPICAL BRASILEIRA: USO DOS AMBIENTES E SAZONALIDADE

ESTRUTURA DE UMA COMUNIDADE DE ANFÍBIOS ANUROS EM SAVANA TROPICAL BRASILEIRA: USO DOS AMBIENTES E SAZONALIDADE Universidade Federal de Ouro Preto Programa de Pós-Graduação em Ecologia de Biomas Tropicais. CAMILA MENDES CORREIA ESTRUTURA DE UMA COMUNIDADE DE ANFÍBIOS ANUROS EM SAVANA TROPICAL BRASILEIRA: USO DOS

Leia mais

5 Floresta Atlântica

5 Floresta Atlântica 5 Floresta Atlântica Danilo Sette de Almeida SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALMEIDA, DS. Floresta Atlântica. In: Recuperação ambiental da Mata Atlântica [online].3rd ed. rev. and enl. Ilhéus,

Leia mais

ZOO. é notícia. Zoo de São Paulo se dedica à conservação do gavião-de-penacho. A Década da Biodiversidade. Zebras-de-grevy

ZOO. é notícia. Zoo de São Paulo se dedica à conservação do gavião-de-penacho. A Década da Biodiversidade. Zebras-de-grevy ZOO é notícia Ano 2 - No. 5 - Julho 2012 Zoo de São Paulo se dedica à conservação do gavião-de-penacho A Década da Biodiversidade Zebras-de-grevy Zoo participa de Fórum Brasileiro de Educação Ambiental

Leia mais

AMANDA SCHEFFER BELTRAMIN EFEITO DA HETEROGENEIDADE DO AMBIENTE NA ESTRUTURAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE ANUROS CURITIBA

AMANDA SCHEFFER BELTRAMIN EFEITO DA HETEROGENEIDADE DO AMBIENTE NA ESTRUTURAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE ANUROS CURITIBA AMANDA SCHEFFER BELTRAMIN EFEITO DA HETEROGENEIDADE DO AMBIENTE NA ESTRUTURAÇÃO DE UMA COMUNIDADE DE ANUROS CURITIBA 2010 AMANDA SCHEFFER BELTRAMIN EFEITO DA HETEROGENEIDADE DO AMBIENTE NA ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

RELATO DA PRESENÇA DE Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) NO PARQUE FLORESTAL DE PATROCÍNIO CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO

RELATO DA PRESENÇA DE Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) NO PARQUE FLORESTAL DE PATROCÍNIO CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO RELATO DA PRESENÇA DE Dilocarcinus pagei Stimpson, 1861 (Decapoda, Trichodactylidae) NO PARQUE FLORESTAL DE PATROCÍNIO CAXUANA S/A REFLORESTAMENTO REPORT ON THE PRESENCE OF Dilocarcinus pagei Stimpson,

Leia mais

Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical. Ecossistemas Brasileiros

Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical. Ecossistemas Brasileiros Mata Atlântica Floresta Pluvial Tropical Ecossistemas Brasileiros https://www.youtube.com/watch?v=ee2ioqflqru Sub-regiões biogeográficas endemismo de aves, borboletas e primatas Mata das Araucárias (Ombrófila

Leia mais

Adendo ao Parecer Único SUPRAM-ASF nº /2014 Processo Administrativo: 17700/2012/001/2012 PARECER ÚNICO Nº /2014

Adendo ao Parecer Único SUPRAM-ASF nº /2014 Processo Administrativo: 17700/2012/001/2012 PARECER ÚNICO Nº /2014 Adendo ao Parecer Único nº 0877292/2014 Processo Administrativo: 17700/2012/001/2012 PARECER ÚNICO Nº 0796568/2014 Processo COPAM Nº: 17700/2012/001/2012 Classe/Porte: 3/M Empreendimento: Água Nova Pesquisas

Leia mais

6.1. Herpetofauna da área Reserva da Serra das Almas, Ceará. Maria Borges-Nojosa. Paulo Cascon

6.1. Herpetofauna da área Reserva da Serra das Almas, Ceará. Maria Borges-Nojosa. Paulo Cascon 6.1 Diva Herpetofauna da área Reserva da Serra das Almas, Ceará Maria Borges-Nojosa Paulo Cascon Resumo Na área Serra das Almas, localizada nas fronteiras dos estado do Ceará e Piauí, foram registradas

Leia mais

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas.

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. ANFÍBIOS QUEM SÃO? INTRODUÇÃO Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. Pernas sustentam e deslocam

Leia mais

A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção?

A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção? A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção? José Maria Cardoso da Silva & Adriano Paglia Conservação Internacional-Brasil Biodiversidade no Brasil Biodiversidade em vários níveis

Leia mais

Panorama sobre as Unidades de Conservação do município de São Paulo.

Panorama sobre as Unidades de Conservação do município de São Paulo. Panorama sobre as Unidades de Conservação do município de São Paulo. Julia da Silva Vilela - Bióloga Divisão de Unidades de Conservação e Proteção da Biodiversidade e Herbário - DEPAVE-8/SVMA São Paulo,

Leia mais

ANFÍBIOS COMO BIOINDICADORES DA QUALIDADE AMBIENTAL DA FAIXA DE PROTEÇÃO CILIAR DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA ITÁ

ANFÍBIOS COMO BIOINDICADORES DA QUALIDADE AMBIENTAL DA FAIXA DE PROTEÇÃO CILIAR DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA ITÁ ANFÍBIOS COMO BIOINDICADORES DA QUALIDADE AMBIENTAL DA FAIA DE PROTEÇÃO CILIAR DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA ITÁ Angelita Faez 1. RESUMO A Usina Hidrelétrica Itá entrou em funcionamento no ano

Leia mais

Unidades de Conservação

Unidades de Conservação Unidades de Conservação Unidades de conservação Unidades de conservação Um dos mais significativos programas de conservação ambiental está sendo implantado pela CESP; porém, poucas pessoas podem perceber

Leia mais

FFA Aula 3. Fatores ambientais. Vânia R. Pivello Depto. de Ecologia, IB-USP

FFA Aula 3. Fatores ambientais. Vânia R. Pivello Depto. de Ecologia, IB-USP FFA Aula 3 Fatores ambientais Vânia R. Pivello Depto. de Ecologia, IB-USP Contextualização Espécie X = Archontophoenix cunninghamiana Fragmento florestal urbano = Reserva Florestal do IB-USP (RFIB) Foto:

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO SUBPROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA DE RIOS QUELÔNIOS AQUÁTICOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Dr a. Daniely Félix-Silva OBJETIVOS Subprograma Avaliar

Leia mais

Relatório Mensal de Atividades Projeto De Olho nos Olhos II

Relatório Mensal de Atividades Projeto De Olho nos Olhos II Relatório Mensal de Atividades Projeto De Olho nos Olhos II Relatório n 02 -Ref.: Mar/2012 - Visitas as nascentes a serem beneficiadas pelo projeto Neste mês foi dada continuidade as atividades de campo

Leia mais

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Exercício: cada grupo escolherá um exemplo de espécie exótica invasora importante no Rio Grande do Sul e trabalhará com os subtemas: Classificação;

Leia mais

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas

Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica as seguintes formações florestais nativas e ecossistemas associados, com as respectivas LEI DA MATA ATLÂNTICA Lei nº 11.428/2006 Estudo Dirigido Prof. MSc. Guilhardes Júnior 1. Que formações florestais fazem parte do Bioma Mata Atlântica? Consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica

Leia mais

Anfíbios de dois fragmentos de Mata Atlântica no município de Rio Novo, Minas Gerais

Anfíbios de dois fragmentos de Mata Atlântica no município de Rio Novo, Minas Gerais ISSN 1517-6770 Anfíbios de dois fragmentos de Mata Atlântica no município de Rio Novo, Minas Gerais Gelson Genaro Renato Neves Feio 1 & Paula Leão Ferreira 1 Amphibians of two fragments of Atlantic Forest

Leia mais

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Randia armata (SW.) DC.

BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Randia armata (SW.) DC. BIOMETRIA DE FRUTOS E SEMENTES DE Randia armata (SW.) DC. Lorena da Paz Oliveira (1) ; Aline Pinto dos Santos (2) ; Taise Almeida Conceição (3) ; Teresa Aparecida Soares de Freitas (4) ; Josival Santos

Leia mais

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP

TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: LEVANTAMENTO DE BRIÓFITAS NA VEGETAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BAURU-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 25, DE 2015 Dispõe sobre a conservação e a utilização sustentável da vegetação nativa do Bioma Cerrado. Autor:

Leia mais

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP Os OITO Elementos da Restauração Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP COEXISTÊNCIA ENTRE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGROECOSSISTEMAS 1.Diagnóstico 2.Prescrição = Terapias / Cirurgias 3.Acompanhamento O primeiro

Leia mais

Estudo 4 - Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais

Estudo 4 - Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Prospecção Tecnológica Mudança do Clima Estudo 4 - Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais Giselda Durigan Instituto

Leia mais

CERRADO CLIMA INTRODUÇÃO LOCALIZAÇÃO CLIMA. Mínimas absolutas atingem valores próximos ou abaixo de zero, podendo ocorrer geadas;

CERRADO CLIMA INTRODUÇÃO LOCALIZAÇÃO CLIMA. Mínimas absolutas atingem valores próximos ou abaixo de zero, podendo ocorrer geadas; CERRADO INTRODUÇÃO Cerrado. Cerrados. Diversos. Mosaico. Flora, fauna, água, minérios, gentes indígenas, quilombolas, caboclas, ribeirinhas, geraizeiras, agricultores familiares, fazendeiros, gentes das

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA CENTRO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO SOCIOAMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA CENTRO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO SOCIOAMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA CENTRO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO SOCIOAMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS DIVERSIDADE DE ANUROS NO PARQUE MUNICIPAL DA MATINHA, EM

Leia mais

SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY

SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY SPECIAL PUBLICATIONS IN HERPETOLOGY SAM NOBLE OKLAHOMA MUSEUM OF NATURAL HISTORY UNIVERSITY OF OKLAHOMA, NORMAN, OKLAHOMA NUMBER 2, PAGES 1 00 1 MAY 2005 UM GUIA FOTOGRÁFICO DOS RÉPTEIS E ANFÍBIOS DA REGIÃO

Leia mais

TAXOCENOSE DE ANFÍBIOS ANUROS DO PARQUE ECOLÓGICO E ECOTURÍSTICO DE PEDRAS GRANDES, SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL

TAXOCENOSE DE ANFÍBIOS ANUROS DO PARQUE ECOLÓGICO E ECOTURÍSTICO DE PEDRAS GRANDES, SUL DE SANTA CATARINA, BRASIL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS POLIANA BERNARDO PERES TAXOCENOSE DE ANFÍBIOS ANUROS DO PARQUE ECOLÓGICO E ECOTURÍSTICO DE PEDRAS GRANDES, SUL DE SANTA CATARINA,

Leia mais

OS BIOMAS. A Geografia Levada a Sério

OS BIOMAS.  A Geografia Levada a Sério OS BIOMAS 1 A MATA DE ONDE EU VIM 2003 Guilherme Arantes 2 A sabedoria da natureza é tal que não produz nada de supérfluo ou inútil. Nicolau Copérnico 3 Os Biomas A Paisagem é um conceito chave na ciência

Leia mais

Taxocenose de anuros de uma mata semidecídua do interior do Estado de São Paulo e comparações com outras taxocenoses do Estado, sudeste do Brasil

Taxocenose de anuros de uma mata semidecídua do interior do Estado de São Paulo e comparações com outras taxocenoses do Estado, sudeste do Brasil Taocenose de anuros de uma mata semidecídua do interior do Estado de São Paulo e comparações com outras taocenoses do Estado, sudeste do Brasil Juliana Zina 1,3 ; João Ennser 1 ; Sarah Cristina Piacentini

Leia mais

Fragmentação: a dimensão temporal

Fragmentação: a dimensão temporal Fragmentação: a dimensão temporal 2000 1980 Tempo de latência entre o processo de fragmentação e a extinção das espécies Mudança na estrutura da paisagem 1980 2000 Tempo de latência Mudança na estrutura

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE A BIODIVERSIDADE E A GEODIVERSIDADE NO SETOR COSTEIRO DO PARQUE ESTADUAL DA ITAPEVA, TORRES, RS

AS RELAÇÕES ENTRE A BIODIVERSIDADE E A GEODIVERSIDADE NO SETOR COSTEIRO DO PARQUE ESTADUAL DA ITAPEVA, TORRES, RS AS RELAÇÕES ENTRE A BIODIVERSIDADE E A GEODIVERSIDADE NO SETOR COSTEIRO DO PARQUE ESTADUAL DA ITAPEVA, TORRES, RS Andresa Soldateli 1 ; Eduardo Guimarães Barboza 2 ; Maria Luiza Correa da Camara Rosa 2

Leia mais

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG

TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG TÍTULO: INFLUÊNCIA DA PCH LUIZ DIAS SOBRE A COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA NO RIO LOURENÇO VELHO, MG CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Anfíbios Anuros do Parque Estadual das Furnas do Bom Jesus, sudeste do Brasil, e suas relações com outras taxocenoses no Brasil

Anfíbios Anuros do Parque Estadual das Furnas do Bom Jesus, sudeste do Brasil, e suas relações com outras taxocenoses no Brasil Anfíbios Anuros do Parque Estadual das Furnas do Bom Jesus, sudeste do Brasil, e suas relações com outras taxocenoses no Brasil Biota Neotrop. 2009, 9(2): 77-98. On line version of this paper is available

Leia mais

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas.

Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. ANFÍBIOS QUEM SÃO? INTRODUÇÃO Primeiros vertebrados capazes de viver em terra. Graças ao fortalecimento da coluna vertebral; desenvolvimento de ossos e músculos das pernas. Pernas sustentam e deslocam

Leia mais

DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS

DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS DA CONVERSÃO DE CAMPO NATIVO E DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL WELLINGTON PACHECO BARROS Desembargador aposentado do TJ/RS, professor da ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA e do I - UMA, entre outros, advogado

Leia mais

Distribuição espacial e temporal de comunidade de anfíbios anuros de remanescente de mata na região de Botucatu, SP.

Distribuição espacial e temporal de comunidade de anfíbios anuros de remanescente de mata na região de Botucatu, SP. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Distribuição espacial e temporal de comunidade de anfíbios anuros de remanescente de mata na região de Botucatu, SP. Maria Gorete Teixeira

Leia mais

Influência da estrutura da vegetação sobre o uso de diferentes fitofisionomias por Sapajus xanthosternos num fragmento de Mata Atlântica

Influência da estrutura da vegetação sobre o uso de diferentes fitofisionomias por Sapajus xanthosternos num fragmento de Mata Atlântica Influência da estrutura da vegetação sobre o uso de diferentes fitofisionomias por Sapajus xanthosternos num fragmento de Mata Atlântica Saulo M. Silvestre, José Paulo Santana, Renato R. Hilário, Patrício

Leia mais

Palavras-Chave: coruja, coleção, fragmentação, distribuição, Mata Atlântica, Pulsatrix, sul do Brasil.

Palavras-Chave: coruja, coleção, fragmentação, distribuição, Mata Atlântica, Pulsatrix, sul do Brasil. Caderno de Pesquisa, série Biologia, volume 27, número 3 31 REGISTROS DE Pulsatrix koeniswaldiana (STRIGIFORMES: STRIGIDAE) EM FRAGMENTOS DE MATA-ATLÂNTICA NO VALE DO RIO DOS SINOS E PRIMEIRO ESPÉCIME

Leia mais

Taxocenose de anuros de uma mata semidecídua do interior do Estado de São Paulo e comparações com outras taxocenoses do Estado, Brasil.

Taxocenose de anuros de uma mata semidecídua do interior do Estado de São Paulo e comparações com outras taxocenoses do Estado, Brasil. Taocenose de anuros de uma mata semidecídua do interior do Estado de São Paulo e comparações com outras taocenoses do Estado, Brasil. Zina, Juliana Biota Neotropica, Vol.7 (number 2): 2007; p. 49-58. A

Leia mais

CONSIDERAÇÕES BIOGEOGRÁFICAS SOBRE A HERPETOFAUNA DO SUBMÉDIO E DA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL

CONSIDERAÇÕES BIOGEOGRÁFICAS SOBRE A HERPETOFAUNA DO SUBMÉDIO E DA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL CONSIDERAÇÕES BIOGEOGRÁFICAS SOBRE A HERPETOFAUNA DO SUBMÉDIO E DA FOZ DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL FIDÉLIS JÚNIO MARRA SANTOS, ALFREDO PALAU PEÑA, VERA LÚCIA FERREIRA LUZ Resumo: considerando duas principais

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS PROF.ª ALEXANDRA M. TROTT

BIOMAS BRASILEIROS PROF.ª ALEXANDRA M. TROTT BIOMAS BRASILEIROS PROF.ª ALEXANDRA M. TROTT Biomas: Por bioma entende-se o conjunto de vida (vegetal e animal) definida pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional,

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Palestra: Carlos Alfredo Joly, DEPPT/MCT e IB/UNICAMP

Tema Conservação da Biodiversidade Palestra: Carlos Alfredo Joly, DEPPT/MCT e IB/UNICAMP Tema Conservação da Biodiversidade Palestra: Carlos Alfredo Joly, DEPPT/MCT e IB/UNICAMP BIODIVERSIDADE & POLÍTICA NACIONAL DE MUDANÇAS DO CLIMA Carlos A. Joly IB & NEPAM/UNICAMP Coordenador BIOTA/FAPESP

Leia mais

CORREDOR DE BIODIVERSIDADE DO ARAGUAIA

CORREDOR DE BIODIVERSIDADE DO ARAGUAIA CORREDOR DE BIODIVERSIDADE DO ARAGUAIA CORREDOR DE BIODIVERSIDADE Região de grande importância biológica onde são desenvolvidas atividades visando associar a proteção da biodiversidade com o desenvolvimento

Leia mais

Notas sobre predação de anuros em uma poça temporária no nordeste do Brasil

Notas sobre predação de anuros em uma poça temporária no nordeste do Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 25:77-82. Julho de 2009 77 Notas sobre predação de anuros em uma poça temporária no nordeste do Brasil Ednilza M. dos Santos 1 RESUMO: Foram registrados eventos de

Leia mais

Consórcio Energético Cruzeiro do Sul. Programa de Monitoramento da Fauna do PBA Indígena Subprograma Efeitos sobre a Fauna de Vertebrados Terrestres

Consórcio Energético Cruzeiro do Sul. Programa de Monitoramento da Fauna do PBA Indígena Subprograma Efeitos sobre a Fauna de Vertebrados Terrestres Programa de Monitoramento da Fauna do PBA Indígena Subprograma Efeitos sobre a Fauna de Vertebrados Terrestres Outubro de 2016 SUMÁRIO 1. EQUIPE TÉCNICA... 1-10 2. DADOS DAs EMPRESAs... 2-11 2.1. Dados

Leia mais

MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas

MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas MATA ATLÂNTICA Geografia 5 º ano Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas Bioma Mata Atlântica Este bioma ocupa uma área de 1.110.182 Km², corresponde 13,04% do território nacional e que é constituída

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA SOBRE ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO

CONSULTA PÚBLICA SOBRE ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO CONSULTA PÚBLICA SOBRE ÁREAS DE ALTO VALOR DE CONSERVAÇÃO A Araupel, empresa 100% brasileira, é um dos maiores players nacionais dos setores de reflorestamento e beneficiamento de produtos de alto padrão

Leia mais

Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil

Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil NOTA CIENTÍFICA Registro de Phrynops williamsi no rio do Chapecó, Oeste de Santa Catarina, Brasil SPIER, Edson Fernando * ; FAVRETTO, Mario Arthur ** ; ONGHERO JUNIOR, Osvaldo *** ; PIOVEZAN, Jean Carlos

Leia mais

ANEXO I. Plano de Trabalho

ANEXO I. Plano de Trabalho Diário Oficial Nº. 31159 de 30/04/2008 FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DE ESTADO DO PARÁ EDITAL Nº 006/2008 - PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA JÚNIOR PIBICJR 10 ANEO I MODELO DE PLANO DE ATIVIDADES

Leia mais

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

Taxocenose de anfíbios anuros no Cerrado do Alto Tocantins, Niquelândia, Estado de Goiás: diversidade, distribuição local e sazonalidade

Taxocenose de anfíbios anuros no Cerrado do Alto Tocantins, Niquelândia, Estado de Goiás: diversidade, distribuição local e sazonalidade Taxocenose de anfíbios anuros no Cerrado do Alto Tocantins, Niquelândia, Estado de Goiás: diversidade, distribuição local e sazonalidade Biota Neotrop. 2009, 9(4): 000-000. On line version of this paper

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 72 DE 26 DE JUNHO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS VINCULADOS À AUTORIZAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Ciências 2016 Professor: Danilo Lessa Materiais: Livro e PPT

Ciências 2016 Professor: Danilo Lessa Materiais: Livro e PPT Ciências 2016 Professor: Danilo Lessa Materiais: Livro e PPT Sorriso Pensante Autor: Ivan Cabral Distribuição dos Vertebrados vs Invertebrados: 4,0% 96,0% Vertebrados Invertebrados Principais características

Leia mais

Estudando os ANUROS. Sapo, rã e perereca

Estudando os ANUROS. Sapo, rã e perereca Estudando os ANUROS Sapo, rã e perereca UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS, AMBI- ENTAIS E BIOLÓGICAS Curso: Biologia Licenciatura Equipe de elaboração: Aline Santos

Leia mais

UHE MONJOLINHO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA

UHE MONJOLINHO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA UHE MONJOLINHO PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE FAUNA DSA-Desenvolvimento e Sust. Ambiental ABG Engenharia LTDA 07 a 12 de dezembro de 2015 SUMÁRIO 1 EQUIPE TÉCNICA... 3 2 APRESENTAÇÃO... 3 3 MATERIAL E MÉTODOS...

Leia mais

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

Marcelo Augusto de Barros 1 Janeiro 2010 I. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Supressão de vegetação para edificação em área urbana no Estado de São Paulo aplicação a loteamentos Biomas Cerrado e Mata Atlântica - Quadro comparativo Marcelo Augusto de Barros 1 marcelo@fortes.adv.br

Leia mais

Lista dos anuros da Estação Ecológica Nhumirim e das serras de entorno do Pantanal Sul

Lista dos anuros da Estação Ecológica Nhumirim e das serras de entorno do Pantanal Sul Lista dos anuros da Estação Ecológica Nhumirim e das serras de entorno do Pantanal Sul Marcelo Gordo 1 ; Zilca Campos 2 1 Universidade Federal do Amazonas, Departamento de Biologia, Manaus, AM. 2 Embrapa

Leia mais