Projeto de Melhoria Reestruturação do CAAPD Resultados 1º Quadrimestre 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Melhoria Reestruturação do CAAPD Resultados 1º Quadrimestre 2016"

Transcrição

1 Projeto de Melhoria Reestruturação do CAAPD Resultados 1º Quadrimestre 2016 maio, 2016

2 Índice Sumário Objetivo operacional Desenvolvimento - Estratégias/atividades Resultados Limitações e trabalho futuro Contributos Conclusão

3 Sumário O Centro de Atendimento e Acompanhamento de Pessoas com Deficiência tem desempenhado um importante papel enquanto promotor de saúde mental, autonomia e inclusão, ao nível da reabilitação psicossocial. Atualmente, com a integração de uma nova técnica de psicologia na equipa, surge a possibilidade de investir cada vez mais na autodeterminação das pessoas assistidas, atentando a processos de empowerment e recovery, que visam investir na sua individualidade ao atribuir relevância, não só às suas experiências pessoais e estabilidade clínica, como também às suas potencialidades, aspirações e interesses (Crowe, Deane, Oades, Caputi e Morland, 2006). Objetivo operacional Dotar as residentes de competências funcionais, pessoais e sociais, que lhes permitam evoluir cada vez mais ao nível da autodeterminação e empowerment, desenvolvendo o máximo das suas capacidades, com vista a uma melhor qualidade de vida, e consequentemente, a uma vida autónoma e ativa na sociedade.

4 Desenvolvimento Estratégias/Atividades dinamizadas: Treino de Atividades de Vida Diária (Básicas e Instrumentais); Treino de competências pessoais e sociais (quinzenal); Reuniões Comunitárias (quinzenais); Atividade Sei, logo ensino (cada residente, alternadamente, tem a responsabilidade de organizar uma atividade que domine e goste artesanato, culinária, etc. com o propósito de ensinar às restantes); Lanche com música (as residentes ficam responsáveis por organizar um lanche na própria casa, destinado a 3 pessoas assistidas da CSES e 1 colaborador. Definem a ementa e música a utilizar e entregam os convites). As pessoas assistidas beneficiam ainda de intervenção psicoterapêutica individual, trabalho/ocupação diária e participação em eventos promovidos pela CSES.

5 Resultados Indicadores definidos Resultado final pretendido Resultado final atingido Taxa de cumprimento dos PII s 80% 100% das residentes Taxa de cumprimento dos objetivos e intervenções da 70% 100% responsabilidade do utente nos PII s Taxa de residentes com independência em ABVD 66% 100% (Escala de Barthel) Taxa de residentes com independência em AIVD (Escala de Lawton & Brody) 33% 33% Sessões de competências pessoais e sociais dinamizadas Taxa de desempenho no treino de competências pessoais e sociais 8 sessões (2 por mês) 1 sessão (o projeto foi aprovado no final de fevereiro e iniciou as sessões no final de abril) Superior a 50% Só é contabilizado no final do ano

6 Resultados Valor nos domínios do questionário do WHOQOL- BREF 3 em pelo menos 2 domínios Superior a 3 em todos os domínios Nº de reuniões comunitárias 2 por mês 2 por mês Nº de sugestões/reclamações/ agradecimentos Lanches com Música dinamizados Nº de pessoais assistidas da CSES e colaboradores presentes no Lanche com música Nº de atividades Sei, logo ensino Nº de pessoas assistidas participantes no Boletim pessoas assistidas 1 colaborador 2 em 2 meses (a partir do 2º quadrimestre) 3 pessoas assistidas 1 colaborador 1 1 Nº de participações em 1 1 publicações do Boletim Taxa de satisfação com o 66% 100% projeto Taxa de eficácia do projeto 75% 83%

7 A taxa de eficácia do projeto é de 83%, uma vez que alguns dos indicadores não foram atingidos. Limitações e trabalho futuro Limitações Não foram feitas sugestões/reclamações/agradecimentos Ações de melhoria Durante o 2º quadrimestre, voltar a relembrar o Proc.04 de Gestão de sugestões, reclamações e agradecimentos, incentivando as residentes a exercer o seu direito de autodeterminação O treino de competências pessoais e sociais só foi implementado no mês de abril, pelo que não foram realizadas as sessões estipuladas. Durante o 2º quadrimestre, garantir que as sessões terão uma periodicidade quinzenal com vista a uma melhor eficácia. Outras ações: PII s com mais objetivos no âmbito da escala de qualidade de vida (WHOQOL-BREF); Abordagem em contexto psicoterapêutico relativamente ao desempenho no treino de competências pessoais e sociais garantir que a heterogeneidade do grupo não prejudica as residentes com maiores limitações cognitivas. Futuramente investir numa nova admissão para o programa.

8 Contributos Maior estrutura e organização ao nível das sessões de treino de competências pessoais e sociais (novas grelhas de avaliação e sessões dinamizadas pela técnica de psicologia com periodicidade quinzenal); Maior estrutura e organização ao nível do treino de ABVD e AIVD (novas grelhas de avaliação, solucionando as limitações identificadas nas que compunham o anterior projeto); Maior ligação entre todo o projeto no âmbito das reuniões comunitárias (abordagem às restantes atividades dificuldades e sucessos); Promoção de novas iniciativas com o objetivo de trabalhar o empowerment e autodeterminação, conferindo também importância ao processo de recovery, relacionado não só com o percurso e experiências pessoais das pessoas assistidas, como também com as suas potencialidades, aspirações e interesses; Voltou a assegurar-se que as pessoas assistidas beneficiam de intervenção psicoterapêutica individual; Participações no Boletim AçorHospitaleiro enquanto objetivo específico do projeto.

9 Conclusão O projeto apresentou bons resultados neste 1º quadrimestre (taxa de 83% de eficácia), tendo a totalidade das residentes demonstrado satisfação com a sua participação no mesmo. De um modo geral, tem funcionado como um importante veículo de reinserção na comunidade, contribuindo para que a CSES e a doença e deficiência mental se aproximem cada vez mais da sociedade. Importa agora atentar às mudanças necessárias, investindo no sentido de tornar o CAAPD cada vez mais ativo no combate ao estigma, e na autonomização e qualidade de vida das suas residentes.

Resultados do Projeto de Melhoria Envolvimento Natalício. Dezembro de 2015

Resultados do Projeto de Melhoria Envolvimento Natalício. Dezembro de 2015 Resultados do Projeto de Melhoria Envolvimento Natalício Dezembro de 2015 ÂMBITO -Este projeto destina-se a todas as utentes, colaboradores e voluntários da CSES; PROBLEMA -Necessidade de manutenção do

Leia mais

Serviços de Apoio Domiciliário Lar e Creche Plano de Atividades 2017

Serviços de Apoio Domiciliário Lar e Creche Plano de Atividades 2017 O Serviço de Apoio Domiciliário (SAD) caracteriza-se como um serviço especializado que pretende proporcionar a prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicílio, sempre que os idosos,

Leia mais

Resultados do Projeto de Inovação Os Nossos Desejos de Natal. Dezembro de 2015

Resultados do Projeto de Inovação Os Nossos Desejos de Natal. Dezembro de 2015 Resultados do Projeto de Inovação Os Nossos Desejos de Natal Dezembro de 2015 O projeto foi desenvolvido nas seguintes etapas: No dia 19 de Novembro de 2015 o projeto foi apresentado e aprovado pela Direção

Leia mais

2007 Professor Pedro Correia

2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos 2007 Professor Pedro Correia Projecto de Vela Adaptada Vela para todos Desde 2004 que existe uma cooperação entre a DREER e o Clube Naval do Funchal na inclusão

Leia mais

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013

Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva. Tânia Lourenço, 2013 Competências do Enfermeiro Gest0r o caminho percorrido Enf. Ricardo Silva Competências do Enfermeiro Gest0r Do caminho percorrido. Regulação da Gestão em Enfermagem. ENFERMAGEM A Profissão de Enfermagem

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS - PESSOAS COM DOENÇA DO FORO MENTAL OU PSIQUIÁTRICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

MORAR EM CASA 1. IDENTIFICAÇÃO

MORAR EM CASA 1. IDENTIFICAÇÃO MORAR EM CASA Fanny Helena Martins Salles 1 Lorena Pinheiro Furtat 2 Miriam Kloppenburg Ferreira 3 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome: Implementação ao projeto de moradias assistidas vinculadas ao Centro de Atendimento

Leia mais

Resumo Relatório de Desempenho Organizacional 2016

Resumo Relatório de Desempenho Organizacional 2016 Resumo Relatório de Desempenho Organizacional 2016 1. Sugestões e Reclamações Nº de sugestões e Reclamações Tipificação das Sugestões 2. Resultados da Prestação dos Serviços (Indicadores Assistenciais)

Leia mais

PLANO ANUAL 2016 RECURSOS HUMANOS

PLANO ANUAL 2016 RECURSOS HUMANOS PLANO ANUAL 2016 A APPACDM da Figueira da Foz define, implementa e controla o seu compromisso com a satisfação das necessidades e expetativas legítimas dos clientes e de outras entidades interessadas.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2011. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Esplanada dos Ministérios, bloco F, anexo, ala A, 1º andar, Brasília/DF CEP: 70059-900 RESOLUÇÃO Nº 34, DE

Leia mais

Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais

Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Centro de Atividades Ocupacionais Plano de Atividades Página 1 de 13 Mod46/V01.PG01 Página 1 de 13 JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 Elaborado: Carla Moreira Data: 27.01.2017 Aprovado: Direção Data: 02.02.2017 Página 2 de 13 ÍNDICE Introdução

Leia mais

Julho de Relatório de Avaliação da Formação Gestão de Conflitos. Ano Letivo 2012/2013. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Julho de Relatório de Avaliação da Formação Gestão de Conflitos. Ano Letivo 2012/2013. Gabinete de Apoio ao Tutorado Julho de 2013 Relatório de Avaliação da Formação Gestão de Conflitos Ano Letivo 2012/2013 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação da formação Gestão de conflitos... 4 3. Conclusão...

Leia mais

Projeto Educativo 2015/2018 Sintonias. Projeto Curricular de Centro 2015/2016. Estar em Sintonia

Projeto Educativo 2015/2018 Sintonias. Projeto Curricular de Centro 2015/2016. Estar em Sintonia Projeto Educativo 2015/2018 Sintonias Projeto Curricular de Centro 2015/2016 Estar em Sintonia Projeto Curricular de Centro (PCC) 2015/2016 Neste primeiro ano do Projeto Educativo para estarmos focados

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO AVALIAÇÃO DO GRAU DE SATISFAÇÃO Colaboradores 2012 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO O questionário de avaliação do grau de satisfação dos colaboradores foi aplicado por via Web distribuído por e-mail e em suporte

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Laboratório de Investigação em Desporto PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PSICOLOGIA DO DESPORTO 2014 Equipa: Doutor Carlos Silva Doutora Carla Chicau Doutor Luís Cid (coordenador) Psicólogo Luís Gonzaga

Leia mais

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães

Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães Guimarães LISTA DE ATIVIDADES PAG (SIMPLIFICADO AGRUPADO POR ÁREA) ANO - 2016 ASSOCIAÇÃO DE PARALISIA CEREBRAL DE GUIMARÃES Política Ambiental Tipo de Atividade: Atividades de Animação Atividade: Atividades

Leia mais

CAPACITAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ATRAVÉS DE UMA APRENDIZAGEM COLABORATIVA NEWSLETTER

CAPACITAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ATRAVÉS DE UMA APRENDIZAGEM COLABORATIVA NEWSLETTER Vol. 1 No. 1 2016 CAPACITAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ATRAVÉS DE UMA APRENDIZAGEM COLABORATIVA Projeto Financiado por Acerca do Projeto NEWSLETTER O projeto IDIPOWER contribui para uma reorientação

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO 2015

Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO 2015 ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade PLANO DE FORMAÇÃO 2015 (novembro 2014) Breve Contextualização A inovação na ASCUDT implica a capacidade

Leia mais

CRAS. Rua São Caetano 822 Jardim Alvorada - Fone Programa de Atenção Integral á família - PAIF

CRAS. Rua São Caetano 822 Jardim Alvorada - Fone Programa de Atenção Integral á família - PAIF CRAS O Centro de Referência da Assistência Social é uma unidade publica estatal que atende em áreas específicas com maior vulnerabilidade social. Oferece serviços destinados á família, dentre eles, o Programa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUAÍRA SP PROCESSO SELETIVO EDITAL 001/2017 PRIMEIRA RETIFICAÇÃO A Prefeitura Municipal de Guaíra, Estado de São Paulo, torna público que realizará por meio do INSTITUTO EXCELÊNCIA LTDA - ME, na forma prevista no artigo 37, inciso IX, da Constituição

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA 2014 Plano de melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA O Plano de Melhoria do Agrupamento de Escolas de Águeda surge na sequência do relatório da Avaliação Externa das Escolas realizada pela equipa de

Leia mais

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007

Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 Plano de Actividades do STSEDP Do Ano 2007 I Nota Introdutória e II Objectivos e Estratégias Com a elaboração do presente plano de actividades do Serviço Técnico Sócio Educativo de Deficientes Profundos

Leia mais

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES ESBOÇO PARA UM CÓDIGO DE NORMAS DE CONDUTA DOS TRABALHADORES Documento de trabalho para Discussão entre os trabalhadores, Conselho Técnico e Direcção 1 OBJECTIVO DO CÓDICO Organizar um quadro de referência

Leia mais

Relatório de Atividades e Contas 2014

Relatório de Atividades e Contas 2014 Relatório de Atividades e Contas 2014 2014 em Síntese: Transição entre Quadros Comunitários; Certificação SGQ - normas ISO NP EN 9001:2008 MRS.CHR:2010 Nível B; Um Olhar Externo porque a melhoria contínua

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA. Síntese do

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA. Síntese do ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Síntese do RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO: AVALIAÇÃO: OPINIÃO DA COMUNIDADE EDUCATIVA E ENTIDADES EMPREGADORAS O presente documento-síntese é composto pelo Índice

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTARÉM

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SANTARÉM SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE Resposta Social/Serviço: - Relatório N.º: 1 Data de Aplicação: Inicio: 29/12/2016 Fim: 05/01/2017 Local: Não se aplica Tipo de Questionário: Avaliação da Satisfação dos Clientes/Utentes

Leia mais

O Perfil do Psicólogo na Administração Local

O Perfil do Psicólogo na Administração Local CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil do Psicólogo na Administração Local Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil do Psicólogo

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

RELATÓRIO DE ANÁLISE CRÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA 1/ 22 LOCAL: Sala de Reunião Presidência HORÁRIO: 14:00 H Assuntos tratados: 1. Resultados das auditorias internas e das avaliações do atendimento aos requisitos legais e outros subscritos pela organização

Leia mais

Apresentação Projeto TASSE. Agrupamento de Escolas José Afonso 7 e 8 de setembro de 2016

Apresentação Projeto TASSE. Agrupamento de Escolas José Afonso 7 e 8 de setembro de 2016 Apresentação Projeto TASSE Agrupamento de Escolas José Afonso 7 e 8 de setembro de 2016 Valências da Fundação Santa Rafaela Maria 1.TASSE 2.SIM 3.PAF 4.CAPAZ 5.CAMPOS DE FÉRIAS http://www.fsantarafaelamaria.org/

Leia mais

Relatório Global da Avaliação de Satisfação realizada em 2011

Relatório Global da Avaliação de Satisfação realizada em 2011 No período compreendido entre 05-12-2011 e 30-01-2012 foi realizada a Avaliação de Satisfação referente ao ano de 2011, tendo sido inquiridas todas as partes interessadas. No total foram enviados / entregues

Leia mais

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO. 1. Introdução RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 201 3

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO. 1. Introdução RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 201 3 ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 201 3 1. Introdução Nos termos da alínea yy) do n.º 1 do artigo 33.º do Anexo I da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, compete

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

Melhores Práticas para Monitoramento e Controle de seu Portfólio

Melhores Práticas para Monitoramento e Controle de seu Portfólio Melhores Práticas para Monitoramento e Controle de seu Portfólio Principais aprendizados e insights Programa Voz do Cliente Diretoria de Integração e Processos Gestão de Mudança e Qualidade As informações

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: ERPI 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: ERPI Porto, 2015 Introdução O presente Plano de Atividades tem como objetivo principal implementar um conjunto de ações

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS.

PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS. PLANO DE ATIVIDADES SÓCIO CULTURAIS 2017 www.scmbaiao.com O Plano de Actividades Sócio-culturais para o ano de 2017, foi direccionado essencialmente para as valências sociais da Instituição: Terceira Idade

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2015

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2015 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2015 1- INTRODUÇÃO O Estatuto do Direito de Oposição, aprovado pela lei n.º 24/98, de 26 de maio, pretende assegurar o funcionamento democrático

Leia mais

Encontro Europeu sobre Saúde Mental na Deficiência Intelectual

Encontro Europeu sobre Saúde Mental na Deficiência Intelectual Encontro Europeu sobre Saúde Mental na Deficiência Intelectual Práticas Integradas em Saúde Mental Serviço de Base Comunitária Maria João Domingos, Paula Teresa Carvalho 26 de Maio de 2010 Saúde Mental

Leia mais

AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO. Maria do Socorro Simões

AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO. Maria do Socorro Simões AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DO IDOSO Maria do Socorro Simões Em que se diferencia a avaliação fisioterapêutica em idosos? SÍNDROMES GERIÁTRICAS condições multifatoriais que ocorrem quando efeitos cumulativos

Leia mais

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA

IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS: AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA Cristina Marques de Almeida Holanda 1, Michele Alexandre da Silva 2 cristinamahd@gmail.com 1, michelebr@live.com 2 Universidade Federal

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL Desempenho e melhoria

PROCEDIMENTO GERAL Desempenho e melhoria Página 1 de 5 I ÂMBITO Aplicável em toda a estrutura funcional da ESEP. II OBJETIVOS Definir a metodologia para a programação e realização de auditorias internas. Definir a metodologia para a revisão periódica

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE FIGUEIRÓ DO CAMPO

CENTRO SOCIAL DE FIGUEIRÓ DO CAMPO CENTRO SOCIAL DE FIGUEIRÓ DO CAMPO RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2015 Índice INTRODUÇÃO... 3 ÁREA DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS... 3 RESPOSTAS SOCIAIS... 3 SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO... 4 CENTRO DE DIA... 4 CENTRO

Leia mais

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários

Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Medidas de combate ao insucesso e abandono escolar: Financiamentos Comunitários Programa Operacional Norte 2020 Estrutura da Apresentação I. Eixo Prioritário/ Prioridade de Investimento/ Objetivo Específico

Leia mais

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012

Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Resultados da Avaliação do Grau de Satisfação das Partes Interessadas 2012 Utentes, Familiares/ Pessoa significativa, Profissionais Voluntários e Entidades Parcerias Março / 2013 Índice 1. Introdução 2.

Leia mais

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento Plano de Intervenção Imediata 2006 Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento (Modelo 2-A) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Ler atentamente as instruções antes de preencher. A preencher

Leia mais

PROJETOS PROJETOS ANUAIS. Autoavaliação do Agrupamento. Dulce David 2016/2017

PROJETOS PROJETOS ANUAIS. Autoavaliação do Agrupamento. Dulce David 2016/2017 PROJETOS 2016/2017 TÍTULO Assembleia Jovem PROJETOS ANUAIS Luís Sousa RESPONSÁVEL Autoavaliação do Agrupamento Empreendedorismo ERASMUS+ Desporto Escolar Incluirte Lean PES Plano de Ação Estratégica PTE

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE. O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE. O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal O Direito à igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação constitui um Direito Universal (Declaração Universal dos Direitos do Homem) CARTA DE DIREITOS E DEVERES DO CLIENTE CARTA DE DIREITOS

Leia mais

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento

Desafio Gulbenkian Não à Diabetes! Enquadramento Breve Apresentação Enquadramento O programa Não à Diabetes promovido pela Fundação Gulbenkian visa responder ao desafio que a Diabetes representa em Portugal e pretende suster o crescimento da incidência

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais

(Do Sr. Betinho Gomes) O Congresso Nacional resolve:

(Do Sr. Betinho Gomes) O Congresso Nacional resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO N o (Do Sr. Betinho Gomes), DE 2015 - CN Dispõe sobre a realização de audiências públicas periódicas no Congresso Nacional, para apresentação de relatório detalhado quadrimestral,

Leia mais

Abordagem Inclusiva em um Programa de Qualidade de Vida

Abordagem Inclusiva em um Programa de Qualidade de Vida Abordagem Inclusiva em um Programa de Qualidade de Vida Abordagem inclusiva em um programa de qualidade de vida Iran Cosme Pereira Mestre em Engenharia de Produção pela UFPE, Especialista em Engenharia

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral

Secretaria-Geral. Ministério da Economia e da Inovação. Secretaria-Geral Ministério da Economia e da Inovação DIPLOMAS Decreto-Lei nº 186/2003 de 20 de Agosto Ministério da Economia Decreto-Lei nº 8/2005 de 6 de Janeiro Ministério das Actividades Económicas e do Trabalho Decreto-Lei

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS.

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. DE DEPENDENTES QUÍMICOS CENPRE AO CRACK E OUTRAS DROGAS. O Centro Regional de Estudos, Prevenção e Recuperação de Dependentes Químicos - CENPRE é um programa permanente de extensão da FURG, tem como missão

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente

Dimensão Focalização no Utente. Check-list Focalização no Utente 1. Consentimento informado Check-list Focalização no Utente 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 Tem formalmente aprovada uma política de obtenção do consentimento informado e esclarecido para atos clínicos É garantido

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO DIRETORIA ACADÊMICA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO DIRETORIA ACADÊMICA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO DIRETORIA ACADÊMICA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA RELATÓRIO FINAL DE AVALIAÇÃO DOCENTE SÃO LUÍS 2012 1. INTRODUÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional PDI do Instituto

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16

PROJETO EDUCATIVO 2012/ /16 ESCOLA SECUNDÁRIA/3º CEB POETA AL BERTO, SINES PROJETO EDUCATIVO 2012/13-2015/16 Aprovado pelo Conselho Geral a 8 de abril de 2013. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. MISSÃO... 3 3. VISÃO... 3 4. VALORES..4

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2016 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2016 1 Índice Introdução 3 Plano de Ação /Intervenção 4 Desenvolvimento /Planificação

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente

Carta de Direitos e Deveres do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente CONTROLO DAS REVISÕES DO DOCUMENTO Versão Data Descrição Página(s) Próxima revisão 01 15.12.2009 Elaboração da 1ª versão do documento ----- Dezembro 2011 02 12.04.2010

Leia mais

Comunicado. Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio que define o Regime Jurídico do Internato Médico

Comunicado. Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio que define o Regime Jurídico do Internato Médico Comunicado ANEM Escola de Ciências da Saúde Universidade do Minho Campus de Gualtar 4710-057 - Braga Tlm. +351 913 446 950 presidente@anem.pt www.anem.pt Publicação do Decreto-Lei nº86/2015 de 21 de maio

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACTIVIDADES E ORÇAMENTO PARA 2008 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 II. PLANO DE ACTIVIDADES 4 2.1. FORMAÇÃO 4 2.1.1. Mestrado em Reabilitação Psicossocial Especialidade em Perturbação Mental 4 2.1.2.Publicação

Leia mais

Plano de atividades CATL 2016/2017

Plano de atividades CATL 2016/2017 CATL 2016_2017 Centro Social Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Porto Página 1 Índice Introdução 3 Descrição da valência 4 Plano de atividades 7 Centro Social Paróquia Nossa Senhora da Ajuda, Porto Página

Leia mais

REDAÇÃO PLANO DE CURSO

REDAÇÃO PLANO DE CURSO REDAÇÃO PLANO DE CURSO Sumário 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 2. EMENTA... 2 3. OBJETIVO... 3 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO... 3 5. PROPOSTA METODOLÓGICA... 4 6. PROPOSTA AVALIATIVA... 5 7. APROVAÇÃO E REQUISITO

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA RECREAÇÃO REABILITADORA: Uma intervenção na sociedade

PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA RECREAÇÃO REABILITADORA: Uma intervenção na sociedade PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA RECREAÇÃO REABILITADORA: Uma intervenção na sociedade ANGÉLICA DIAS DA ROSA 1 TATIANA VALÉRIA TREVISAN 2 SILMAR ZANON 3 RESUMO O Programa de Extensão

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

Relatório de Atividade 2011

Relatório de Atividade 2011 Divisão de Educação e Juventude Núcleo de Apoio Psico-Educativo NAPE Dezembro de 2011 Só a qualidade da relação humana é potenciadora do bem-estar afetivo que permite o desenvolvimento cognitivo. Página

Leia mais

APAE DE PARÁ DE MINAS PESQUISA DE SATISFAÇÃO RESUMO TÉCNICO

APAE DE PARÁ DE MINAS PESQUISA DE SATISFAÇÃO RESUMO TÉCNICO APAE DE PARÁ DE MINAS PESQUISA DE SATISFAÇÃO RESUMO TÉCNICO Novembro / 2015 1 1. APRESENTAÇÃO: A Pesquisa de Satisfação entre usuários e familiares é uma ação de monitoramento realizada pela atual Diretoria

Leia mais

RELATÓRIO DOS INQUÉRITOS DE SATISFAÇÃO A STAKEHOLDERS EXTERNOS

RELATÓRIO DOS INQUÉRITOS DE SATISFAÇÃO A STAKEHOLDERS EXTERNOS RELATÓRIO DOS INQUÉRITOS DE SATISFAÇÃO A STAKEHOLDERS EXTERNOS / RESULTADOS DOS INQUÉRITOS DE SATISFAÇÃO A UTENTES/STAKEHOLDERS EXTERNOS EFETUADOS PELO INSTITUTO DA VINHA E DO VINHO, I.P. EM E Considerando

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com/ O que são? 2 Competências de vida Definição Potencialidades pessoais

Leia mais

Como intervir nas instituições da economia social. ProjetoSelo Saudável

Como intervir nas instituições da economia social. ProjetoSelo Saudável Como intervir nas instituições da economia social ProjetoSelo Saudável Projeto Selo Saudável Iniciativa conjunta entre a CML e o Programa Nacional para a Promoção de Alimentação Saudável/DGS. Projeto Selo

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Vendas: Parcerias com empresas para as festa de Natal

Vendas: Parcerias com empresas para as festa de Natal Vendas: Parcerias com empresas para as festa de Natal COMPETENCIAS E ATITUDES PROFISSIONALISMO CONHECIMENTO DE PRODUTOS PRONTA ENTREGA ESTOQUE PODER DE NEGOCIAÇÃO PORTIFOLIO DO SEU SERVIÇO SERVIÇOS DESENVOLVIDOS

Leia mais

Questionário de Avaliação à Comunidade sobre o conhecimento das respostas sociais do CRIT Nº de Inquéritos recebidos e validados 19

Questionário de Avaliação à Comunidade sobre o conhecimento das respostas sociais do CRIT Nº de Inquéritos recebidos e validados 19 Sim Não Questionário de Avaliação à Comunidade sobre o conhecimento das respostas sociais do CRIT P6. [CAO Centro de Actividades Ocupacionais] Conhece as nossas Respostas Sociais? Qual/Quais? 10 9 P7.

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista Faculdade da Alta Paulista Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Faculdade de Direito da Alta Paulista Faculdade da Alta Paulista Comissão Própria de Avaliação (CPA) PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FAP 2016 1. Introdução Desde 2004, a avaliação interna da Instituição Dom Bosco de Ensino e Cultura Ltda. está sob as normas do Sistema Nacional de Avaliação dos

Leia mais

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa

Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza Observatório de Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Referencial Estratégico para Monitorização do Desenvolvimento Social de Lisboa Documento realizado para

Leia mais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais

Projecto de Experiências Pré- Profissionais Projecto de Experiências Pré- Profissionais Introdução 3 1. Suporte Legal.3 2. Conceito de Experiências Pré-Profissionais.4 3. Objectivos...4 a) Gerais...4 b) Específicos.. 4 4. Proposta de realização

Leia mais

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DO OBSERVATÓRIO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL De acordo com o Plano Estratégico apresentado ao Conselho Geral da Universidade da Madeira (UMa) ficou estabelecida a constituição de um Observatório

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 21-09-2016 Organização MUN ICÍPIO D E VAL E DE CAMBRA Morada Sede Av. Camilo Tavares de Matos 3730-901 Vale de Cambra Representante da Organização Dr. Sérgio de Almeida

Leia mais

Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei. ESECS - Leiria

Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei. ESECS - Leiria Cursos de Dupla Certificação - A Experiência do Cinform/Cercilei ESECS - Leiria 1 de Abril de 2017 Apresentação será dividida em 3 momentos: 1º - Enquadramento legal e Cronologia 2º - Modalidade de Formação

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO 2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO NO ANO DE 2011 1. Introdução O Estatuto do Direito de Oposição, aprovado

Leia mais

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade

Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta. Um Espaço Aberto à Comunidade Resultados do Projeto de Melhoria 5ª Edição da Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Fevereiro / 2015 INDÍCE Semana Aberta Um Espaço Aberto à Comunidade Relatório Anual I. Introdução II. III. IV.

Leia mais

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana

1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana DIREITOS DOS DOENTES 1. O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana É um direito humano fundamental, que adquire particular importância em situação de doença. Deve ser respeitado

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Gabinete de Aconselhamento Psicológico MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ESTÁGIO DO GAP-SASUC GAP-SASUC - Sede Rua Dr. Guilherme Moreira, 12 3000-210 Coimbra

Leia mais

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação

AÇÃO PREVENTIVA Secretaria de Educação 1. Objetivo Esta norma estabelece o procedimento para elaboração e implementação de ações preventivas no Sistema de Gestão da Qualidade da (Seduc). 2. Documentos complementares 2.1 Norma EDSGQN003 Registros

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET a) Fixação do nº mínimo de objetivos por carreira: Dirigentes Intermédios (coordenadora Técnica) 4 Objetivos (um funcional, um de relacionamento e um de grau

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DO TRABALHO E SAÚDE DO TRABALHADOR DA SAÚDE Adryanna Saulnier Bacelar Moreira Márcia Cuenca

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL PRSA 2ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 3.1 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 2 3.1.1 DIRETOR RESPONSÁVEL - RESOLUÇÃO 4.327/14... 2 3.1.2 COORDENADOR ESPONSÁVEL PRSA

Leia mais

PORTARIA Nº 854, DE 22 DE AGOSTO DE O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

PORTARIA Nº 854, DE 22 DE AGOSTO DE O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, PORTARIA Nº 854, DE 22 DE AGOSTO DE 2012 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 3.088/GM/MS, de 23 de dezembro de 2011, que institui a Rede de Atenção Psicossocial

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO BEM-ESTAR NO TRABALHO

PROMOÇÃO DA SAÚDE E DO BEM-ESTAR NO TRABALHO O início de atividades. 1983 2017 Em 1983, apesar de não obrigado legalmente, o Município criou o Serviço de Saúde Ocupacional e em 1986 foi criado o Serviço de Prevenção, Higiene e Segurança e Apoio Social

Leia mais

Segmento de Justiça Eleitoral. 18 de outubro de 2016 Brasília/DF

Segmento de Justiça Eleitoral. 18 de outubro de 2016 Brasília/DF 2ª Reunião Preparatória Segmento de Justiça Eleitoral 18 de outubro de 2016 Brasília/DF META NACIONAL: Julgar mais processos que os distribuídos (atual Meta 1) Celeridade e produtividade na prestação jurisdicional

Leia mais

Relatório Estatístico Semestral Ouvidoria

Relatório Estatístico Semestral Ouvidoria FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 Relatório Estatístico Semestral Ouvidoria Revisão 00 31/08/2009 Edição inicial Revisão 01 19/08/2011 perfil dos participantes

Leia mais

VOLTA DE APOIO AO EMPREGO

VOLTA DE APOIO AO EMPREGO VOLTA DE APOIO AO EMPREGO CIDADE DAS PROFISSÕES A CIDADE DAS PROFISSÕES É UM ESPAÇO GRATUITO DE INFORMAÇÃO E CONSULTORIA SOBRE A VIDA PROFISSIONAL E O MUNDO DO TRABALHO PROMOVIDO PELA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal

PROTOCOLO. Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal PROTOCOLO Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo de Setúbal Preâmbulo A criação da Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas Sem-Abrigo (ENIPSA) 2009-2015 decorreu fundamentalmente da necessidade

Leia mais

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação Análise da Satisfação, Lealdade e Envolvimento dos Colaboradores Lisboa, Março de 2014 Índice 1. Modelo de medida da satisfação dos colaboradores da DGPJ e respetivos indicadores... 4 1.1. Dimensão expectativas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO

AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO AVALIAÇÃO DO GRAU DE CONHECIMENTO Comunidade 2012 DOC. 412.1 1. PROCEDIMENTO O questionário de avaliação do grau de conhecimento da comunidade foi aplicado em suporte papel. Foram avaliados itens relacionados

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais