1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS"

Transcrição

1 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1.1. A Sociedade de Previdência Privada A Sociedade de Previdência Privada (Entidade), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar instituída sob a forma de Entidade Civil, na forma da legislação em vigor, regendo-se por seu Estatuto, Regulamento, Legislações em vigor e demais atos aprovados por seu Conselho Deliberativo Constituição da Política de Investimentos Este documento de definição da Política de Investimentos e seus objetivos, foi constituído em consideração ao Regulamento e Estatuto da Entidade e em acordo com sua característica principal: plano de Contribuição Variável Funções da Política de Investimentos Este documento estabelece a maneira como os ativos da Entidade devem ser investidos e foi preparado para assegurar e garantir a continuidade do gerenciamento prudente e eficiente dos ativos da Entidade. Os investimentos são selecionados de acordo com os critérios e definições das seções seguintes e em acordo com a legislação em vigor (Resolução do Conselho Monetário Nacional CMN/Nº 3.792, de 24 de setembro de 2009) Início da vigência da Política de Investimentos A data de aprovação desse documento é 20 de dezembro de 2013 e a data do início de vigência é 1º de janeiro de RESPONSABILIDADES NA ADMINISTRAÇÃO DOS ATIVOS DA ENTIDADE 2.1. Responsabilidades da Entidade: A Entidade é a administradora do Plano de Aposentadoria e do Plano de Gestão Administrativa (PGA). As responsabilidades de cada órgão que representam a Entidade, foram definidas detalhadamente no Estatuto do plano. Estabelecer e adotar este documento para a gestão dos recursos garantidores do Plano de Benefícios; Aprovar a Politica de Investimentos, no mínimo anualmente;

2 O Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado, nomeado pelo Conselho Deliberativo, será o representante da entidade e principal responsável pelo cumprimento desta Política de Investimentos e pelo acompanhamento e monitoramento do desempenho das carteiras e investimentos; Avaliar, no mínimo semestralmente, os custos com a administração de recursos e realizar o acompanhamento da execução da Gestão de Recursos alinhada à Política de Investimentos e a legislação vigente, apontando os resultados que não estejam em consonância com os previstos; Garantir e certificar-se que as funções de Administração, Gestão e Custódia são segregadas; Elaborar ou revisar a Política de Investimentos para a gestão dos recursos garantidores de seu(s) Plano(s) de Beneficio(s), no mínimo anualmente, e submetê-la a aprovação pelo Conselho Deliberativo; Determinar o(s) provedor(es) da análise de performance, consultor(es) atuarial(ais) e demais especialistas quando necessário; Avaliar se os prestadores de serviço de gestão, análise e consultoria possuem registros na CVM; Evitar condições de conflito de interesses entre todos os agentes participantes dos processos decisórios de investimentos; Cumprir e fazer cumprir os princípios, limites e disposições regulamentares desta Política de Investimentos; Acompanhar e monitorar o desempenho das carteiras e investimentos da Entidade; Monitorar os riscos das aplicações dos recursos garantidores do plano de benefícios Responsabilidades do(s) Administrador(es) de Recursos Contratados O Administrador de Recursos deve: Se responsabilizar por toda a Administração dos recursos da Entidade e pelas informações, perante a Diretoria e a CVM, devendo estar identificado no regulamento; Elaborar os livros de atas de assembleias; Manter a escrituração das operações praticadas com recursos da Entidade, incluindo os respectivos registros contábeis; Gerenciar as movimentações de recursos da Entidade; Distribuir ou repassar os rendimentos devidos; Receber valores em nome da Entidade;

3 Prontamente notificar a Entidade caso, em algum momento, exista um investimento ou grupo de investimentos que estejam em desacordo com o regulamento do fundo ou contrato de administração de carteiras; Informar a Entidade todos e quaisquer custos envolvidos na gestão dos recursos, tais como: taxa de administração, taxa de performance, auditoria, corretagem, publicação; Informar a Entidade a(s) política(s) de corretagem, incluindo retenção de Soft Dollar, ou seja, a retenção/repasse de quaisquer descontos nas taxas básicas de corretagem, obtidas pelo Gestor de Recursos Responsabilidades do(s) Gestor(es) de Recursos Contratados A Entidade não é especialista em gestão de recursos e não possui interesse na implementação de modelo de gestão interno dos recursos. Assim, seu Conselho julgou mais eficiente e prudente a contratação de gestores de recursos terceirizados. Atualmente a administração dos recursos da é realizada pelo seguinte Gestor de Recursos: - SANTANDER BRASIL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Incluem-se entre as responsabilidades do(s) Gestor(es) de Recursos: Realizar a gestão dos ativos da Entidade, conforme a legislação em vigor e as restrições e diretrizes contidas neste no Documento e em qualquer outro Documento suplementar que a Entidade vier a prover; Aplicar os recursos ou parte dos recursos da Entidade em fundos de investimentos somente se os ativos integrantes das carteiras dos mesmos forem permitidos pela legislação em vigor e pelas restrições e diretrizes contidas neste Documento e/ou em qualquer outro Documento suplementar que a Entidade vier a prover; Reunir-se com a Entidade, no mínimo trimestralmente, para apresentar suas análises da performance dos investimentos e para descrever suas estratégias de investimentos presente e futuras de acordo com seus mandatos de investimentos. As reuniões com o Gestor de Recursos podem ocorrer em qualquer forma e tempo, conforme agenda determinada pela Entidade em comum acordo com os Gestores; Preparar e encaminhar Ata da reunião trimestral contendo, principalmente, diretrizes e objetivos de curto prazo; Preparar e entregar trimestralmente demonstrativos por escrito sobre a performance dos investimentos e propor estratégias de investimentos; Fornecer para a Entidade relatórios mensais sobre a posição patrimonial administrada, segmentada em classes de ativos e taxas de retornos obtidas;

4 Fornecer para a Entidade relatórios mensais de gerenciamento de risco. Prontamente notificar a Entidade caso, em algum momento, exista um investimento ou grupo de investimentos que estejam em desacordo com este Documento, disposições legais e regulamentos dos fundos; Investir em fundos de investimento (FI e FIC), criados e mantidos conforme a legislação em vigor aplicável a fundos de investimentos, que possuam Política de Investimentos e Estatutos que não conflitem com este Documento; Identificar aspectos neste Documento, tangíveis às funções do Gestor, e passíveis de revisão em virtude de novas estratégias de investimentos ou mudanças no mercado de capitais, caso o Gestor os julgue pertinentes; Explicar as características de outras classes de ativos a serem consideradas e como essas classes poderiam apoiar na determinação dos objetivos da Entidade, obtenção de retornos ou redução de riscos; Informar prontamente a Entidade caso da existência de algum elemento neste Documento que inviabilize a obtenção dos objetivos da Entidade; Fornecer prontamente aos Agentes Custodiantes todas as compras e vendas de títulos e valores mobiliários individuais; Informar a Entidade, mensalmente, todos e quaisquer custos envolvidos na gestão dos recursos, tais como: taxa de administração, taxa de performance, auditoria, corretagem, publicação; Informar a Entidade, anualmente, sua política de corretagem, incluindo retenção de Soft Dollar, ou seja, a retenção / repasse de quaisquer descontos nas taxas básicas de corretagem, obtidas pelo Asset Manager; Reportar mensalmente todas as transações de investimentos para a Entidade identificando o custo da transação; Responsabilizar-se por uma administração ética, transparente e objetiva; Assumir toda responsabilidade, incluindo o ressarcimento de multas ou perdas, provenientes do descumprimento de suas responsabilidades; Negociar títulos e valores mobiliários do segmento de renda fixa preferencialmente por meio de plataformas eletrônicas de negociação administradas por entidades autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil ou pela Comissão de Valores Mobiliários; Quando operar e meio distinto às plataformas eletrônicas, devem informar à Entidade todos os valores negociados em mercado de balcão (compra e/ou venda) de quaisquer operações

5 de renda fixa de carteiras administrados ou fundos de investimentos exclusivos juntamente com os referenciais de mercado definidos conforme a legislação em vigor Responsabilidades do Agente Custodiante Contratado As atividades do Agente Custodiante incluem, mas não se limitam a: Controlar e movimentar os títulos, valores mobiliários e demais operações integrantes das carteiras da Entidade; Executar a liquidação física e financeira das operações de acordo com a Política de Investimentos e legislação em vigor; Gerenciar a documentação e informações referentes aos eventos associados aos títulos e valores mobiliários; Receber e exercer direitos, resgates, amortizações e/ou reembolsos devidos os títulos e valores mobiliários da Entidade; Valorizar a carteira e emitir o fluxo de caixa; Executar a reconciliação de custódia; Apurar e controlar impostos; Gerar relatórios de estoque da carteira; Controlar os preços dos ativos custodiados; O Agente Custodiante é responsável pela consolidação e pelo efetivo acompanhamento das movimentações dos títulos e valores mobiliários integrantes das diversas carteiras que compõem os segmentos de renda fixa e renda variável e outros segmentos que a Entidade venha a investir. O Custodiante é responsável, ainda, pela verificação e controle da conformidade das operações efetivadas em meio distinto às plataformas eletrônicas. 3. DIRETRIZES DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Considerando que o Plano de benefícios é do tipo de Contribuição Variável, as diretrizes que devem ser seguidas pelo Gestor para a gestão dos recursos do plano de benefícios e do plano de gestão administrativa são: 3.1. Objetivo do Retorno para Entidade O Gestor de Recursos Contratados deve procurar obter retorno equivalente ou superior ao a um referencial técnico definido como INPC acrescido de 4,50%.

6 3.2. Aplicações de Recursos Conforme especificação na legislação vigente, esta política de investimento se refere à alocação dos recursos da Entidade em cada um dos seguintes segmentos de aplicações, quando aplicável: Segmento de Renda Fixa Segmento de Renda Variável Segmento de Imóveis Segmento de Empréstimos e Financiamentos aos Participantes Segmento de Investimentos Estruturados Segmento de Investimentos no Exterior 3.3. Precificação de Títulos e Valores Mobiliários: Todos os títulos e valores mobiliários integrantes das carteiras de investimentos do plano da Entidade ou fundos de investimentos, inclusive exclusivos, nos quais são aplicados os recursos do Plano de Benefícios, devem ser apreçados (marcados) ao valor de mercado. A atividade de precificação dos títulos é delegada ao agente custodiante, sendo que a metodologia empregada deve estar clara e em consonância com normativas legais Composição das Carteiras/Fundos As carteiras/fundos são compostas, conforme definição do Administrador de Recursos, por ativos de cada segmento de aplicação definido nesta Politica de Investimento, respeitados os limites impostos pela legislação. Todos os limites aplicáveis devem ser respeitados considerando-se os investimentos da carteira da como um todo. Dentro dos limites de alocação por emissor, destacamos que a Entidade poderá alocar até um 10% dos recursos se o emissor for o patrocinador do plano de benefícios. Os fundos isoladamente não precisam respeitar os limites impostos pela Resolução 3792 e pela. Adicionam-se para a gestão dos recursos do Plano da Entidade as seguintes restrições: Renda Fixa: Os Títulos Privados de Emissão de Instituições Financeiras e Empresas Não Financeiras devem ser aprovados pelo Administrador. Todo e qualquer título enquadrado nesta modalidade, deve também ser classificado por, no mínimo, uma agência de rating, devidamente autorizada a operar no Brasil, como baixo risco de crédito (ou investment grade), conforme os ratings mínimos discriminados abaixo: Agência Classificadora de Risco "Rating" Mínimo

7 Standard & Poor s Moody s SR Rating Austin Asis FITCH Atlantic BrBBB- ou bra-3 Baa3.br ou BR-3 brbbb- ou sra BBB BBB-(bra) ou F3(bra) É vedada a aquisição de títulos da dívida pública estaduais e municipais, títulos da dívida agrária, Notas de Crédito à Exportação (NCE), Cédulas de Crédito à Exportação (CCE), as obrigações de organismos multilaterais e os certificados de recebíveis de companhias securitizadoras. É vedada a aquisição de títulos e valores mobiliários emitidos por Sociedades de Propósito Específico (SPE) e os certificados de potencial adicional da construção (CEPAC). Aplicações em cédulas hipotecárias, letras imobiliárias e letras hipotecárias, dependem de prévia autorização, por escrito, da. Renda Variável: A administração da parcela de renda variável deve ser realizada dentro de um horizonte de longo prazo e, deverá observar os limites permitidos para os perfis que admitem investimentos em ações (vide limites do item 3.5.). A Diretoria Executiva, após aprovação do Conselho Deliberativo, pode determinar relação de restrições para aplicação dos recursos nesse segmento. Imóveis: A administração dos investimentos em imóveis deve ser realizada dentro de um horizonte de longo prazo e, deverá observar os limites permitidos para os perfis que admitem investimentos em ações (vide limites do item 3.5.). A Diretoria Executiva, após aprovação do Conselho Deliberativo, pode determinar relação de restrições para aplicação dos recursos nesse segmento. Empréstimos e Financiamentos aos Participantes: A administração da parcela Empréstimos e Financiamentos aos Participantes deverão observar os limites permitidos (vide limites do item 3.5.).

8 A Diretoria Executiva, após aprovação do Conselho Deliberativo, pode determinar relação de restrições para aplicação dos recursos nesse segmento. Investimentos estruturados: A Entidade avaliará as oportunidades do mercado para decidir sobre quais aplicações neste segmento serão aplicáveis aos perfis de investimentos descritos no item 3.5 deste documento. Investimentos no Exterior: A Entidade poderá avaliar as oportunidades do mercado para decidir sobre quais aplicações neste segmento serão aplicáveis aos perfis de investimentos descritos no item 3.5 deste documento dentro dos limites estabelecidos para a categoria de investimentos estruturados 3.5 Limites de Alocação de Recursos por Segmento ALOCAÇÃO OBJETIVO PARA OS PLANOS I, II, III Segmento de aplicação Alocação Limite inferior Limite superior RENDA FIXA 91% 70% 100% Baixo risco de crédito 91% 70% 100% Derivativos para hedge - 0% 100% RENDA VARIÁVEL 4% 0% 7% Ações em mercado 4% 0% 7% Derivativos para hedge 0% 0% 7% Investimentos Estruturados 3% 0% 10% FI e FIC em Participações 0% 0% 5% FI Imobiliário 1% 0% 10% FI Multimercado 2% 0% 10% Investimentos no Exterior 0% 0% 5% FI e FIC Dívida Externa 0% 0% 5% IMÓVEIS 1% 0% 5% EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS 1% 0% 10% ALOCAÇÃO OBJETIVO PARA O PGA Segmento de aplicação Alocação Limite inferior Limite superior RENDA FIXA 100% 80% 100%

9 Baixo risco de crédito 100% 80% 100% Derivativos para hedge - 0% 100% RENDA VARIÁVEL 0% 0% 5% Ações em mercado 0% 0% 5% Derivativos para hedge 0% 0% 5% Investimentos Estruturados 0% 0% 5% FI e FIC Participações 0% 0% 5% FI Imobiliário 0% 0% 5% FI Multimercado 0% 0% 5% Investimentos no Exterior 0% 0% 5% FI e FIC Dívida Externa 0% 0% 5% Cabe ressaltar que a poderá, conforme as oportunidades de investimentos do mercado financeiro, realocar os recursos dos Planos de acordo com os limites inferiores e superiores estipulados. Além disso, a estipulou que será permitido o uso de derivativos para operações de hegde e assunção de posições direcionais tanto na carteira de renda fixa como de renda variável. De acordo com a nova legislação poderão ainda ser alocados recursos dos planos nos segmentos de investimentos estruturados e investimentos no exterior, respeitando os limites da legislação em vigor. A parcela de Renda Fixa pode ser aplicada em títulos públicos federais pré e/ou pós fixados (inclusive indexados à índices de inflação), títulos privados de emissão de instituições financeiras e empresas não financeiras com risco de crédito aprovado pelo comitê de investimentos do Administrador e por ele considerado como sendo de baixo risco de crédito. Todo e qualquer título enquadrado nesta modalidade, deve também ser classificado por agência de rating, devidamente autorizada a operar no Brasil, como baixo risco de crédito. Aplicações em fundos de investimentos podem ser realizadas apenas se respeitados todos os limites e restrições deste documento e da legislação vigente. No que tange o Risco de Crédito no mandato de Renda Fixa, o gestor dos recursos deve observar estritamente as regras impostas neste documento, pelo Conselho Monetário Nacional e pela Secretaria da Previdência Complementar. O gestor de recursos deve observar os seguintes limites de para alocação no segmento de renda fixa. Renda Fixa: de 70% a 100% dos recursos totais (Baixo Risco de Crédito): : Renda Fixa (investimentos atrelados à taxa SELIC/CDI): mínimo de 50% e máximo de 80% dos recursos totais; Renda Fixa (investimentos atrelados a índices de inflação e taxa de juros pré-fixadas): mínimo de 20% e máximo de 50% dos recursos totais.

10 4. ACOMPANHAMENTO E CONTROLE A entende que, embora seus investimentos estejam sujeitos a variações de taxas de retorno esperadas (volatilidade) no curto prazo, é fundamental que se mantenha um foco de investimento de longo prazo. Isso previne revisões constantes na filosofia e política de investimento dos planos de benefícios da em virtude de movimentos especulativos ou flutuações de mercado de curto prazo. Para preservar esta visão de longo prazo, a adota as seguintes periodicidades para revisões formais: 4.1 Performance de Investimentos (Semestral) A performance de investimentos visa avaliar a consonância dos resultados apurados ao final de cada semestre com a política de investimento dos recursos dos Planos da. Esta informação deve ser acompanhada de justificativas para os resultados desalinhados ao previsto 4.2 Macro Alocação de Ativos (Anual) A macro alocação de ativos corresponde à alocação dos recursos entre os diferentes segmentos de aplicação (renda fixa, renda variável, investimentos estruturados, investimentos no exterior, imóveis e empréstimos e financiamentos a participantes). 4.3 Micro Alocação (Mensal) A micro alocação corresponderá às alocações dentro das classes de ativos, combinando elementos das sub-classes e limites, definidos pela Resolução nº como carteiras. 4.4 Política de Investimentos (Anual) A política de investimentos deve ser revisada e aprovada pelo Conselho Deliberativo anualmente e divulgada aos seus participantes. 5. Gestor de Investimento A, nos termos do Artigo 6º da Resolução CMN 3.792, optou por terceirizar a gestão de seus recursos, tendo como objetivo usufruir a experiência de gestor externo na condução de estratégias voltadas para a promoção de resultados e proteção dos investimentos, estabelecendo

11 uma parceria que fortaleça qualitativamente a gestão do patrimônio, através da absorção dessa expertise e do aprimoramento constante dos conceitos e controles praticados internamente. O Gestor de Recursos são selecionados, através de parâmetros de qualificação tais como: tradição, solidez, capacitação técnica ao atendimento dos objetivos da Sociedade, representatividade da carteira de clientes, manutenção da base de clientes, qualidade e manutenção do quadro de profissionais envolvidos na gestão dos recursos, perfil histórico, flexibilidade na administração de recursos de clientes, curriculum dos principais profissionais, processo de decisão e política de investimentos, padrões internacionais de trabalho, custo competitivo entre outros. A seleção de ativos é realizada pelo administrador de recursos contratado que, dentro dos critérios e limites impostos por esta Política de Investimentos e pela legislação em vigor. O Gestor de Recursos obedece às seguintes etapas: - Elaboração de um cenário macroeconômico básico - Análise setorial, quando são avaliados os impactos do cenário macroeconômico elaborado na etapa anterior sobre os diferentes setores econômicos. - Análise fundamentalista das empresas. - Otimização dos parâmetros de risco e retorno. - Acompanhamento e reavaliação periódica. O respeito a estes critérios possibilitam a monitoração e o acompanhamento muito próximo dos eventos que ocorrem no mercado, o que contribui diretamente pela gestão da carteira. Outro aspecto relevante propiciado pela terceirização dos recursos é a abrangência atingida pelo gestor, cuja atuação nas várias opções de investimentos, regulamentada pela legislação vigente, permite cumprir a necessidade da diversificação dos riscos inerentes às operações financeiras. 6. Riscos 6.1 Risco de Credito Para os ativos geridos externamente, a adotará os limites legais de crédito / emissor estabelecidos pela Resolução CMN nº 3.792, com base nas classificações efetuadas pelas agências classificadoras de risco em funcionamento no país, em conformidade com a Política de Risco de Crédito do Gestor, a saber:

12 Para a compra de um título privado (debêntures, notas promissórias, FIDCs, Letras Financeiras etc), aplica-se um criterioso processo de admissão e acompanhamento, com o intuito de conhecer o risco, e analisar se a remuneração do título é compensadora. Como em qualquer processo de análise de crédito, busca-se medir a capacidade e a disposição de pagamento do emissor. Abaixo a estrutura de Controle e Análise de Risco de Crédito: - Decisões tomadas em Comitê de Crédito; - Limites pré-estabelecidos de nota mínima aceitável e limite de concentração no fundo; - Apuração periódica da nota de crédito ponderada do fundo e verificação dos enquadramentos; - Reavaliação periódica das notas. 6.2 Risco Operacional A Entidade registra eventuais perdas operacionais incorridas, realiza avaliações periódicas de suas atividades e processos, identificando os riscos inerentes e a efetividade dos controles praticados e quando necessário implanta planos de ação para mitigar os riscos identificados e aprimorar os controles, mecanismo que resulta em menor exposição a riscos. 6.3 Risco de Legal Como forma de gerenciar o risco legal a Entidade deve avaliar todos os contratos junto a seus prestadores que participam do processo de investimentos da Entidade além de garantir acesso às possíveis mudanças na regulamentação. 6.4 Risco de Sistêmico Mesmo diante da dificuldade de gerenciar e avaliar o risco sistêmico, a Entidade procurará buscar informações no mercado que a auxiliem nesta avaliação e tomará todas as medidas cabíveis sempre que identificar sinais de alerta no mercado 7. Responsabilidade Social, Ambiental e Práticas de Boa Governança A Entidade, suas Patrocinadoras, Participantes e Assistidos, prezam muito os princípios de respeito ao meio ambiente, convívio social e as boas práticas de governança. Portanto, recomenda-se a todos os contratados e prepostos da Entidade observar e zelar por esses princípios. Aos gestores de recursos da Entidade recomenda-se, fortemente, observar esses princípios na hora de selecionar os investimentos que são feitos com os recursos do plano da Entidade,

13 alocando-os, preferencialmente, em empresas que reconhecidamente incorporam em suas atividades elevados valores sociais e ambientais, além de adotarem altos padrões de governança corporativa e transparência em suas operações. A Entidade entende que, ao observar esses padrões de responsabilidade e transparência em seus investimentos, preservará os interesses dos participantes e altos valores éticos e morais. Ainda, entende que, empresas que adotam esses princípios, estão menos expostas a riscos e apresentam boa rentabilidade no médio e longo prazo, com investimentos sustentáveis. 8. Enquadramento Os investimentos (segmentos de renda fixa, renda variável, investimentos estruturados, investimentos no exterior, imóveis e empréstimos e financiamentos a participantes) da estão de acordo com os limites estabelecidos pela Resolução CMN nº Diretor Executivo - -

1.1. A ABBprev Sociedade de Previdência 1.2. Constituição da Política de Investimentos plano de Contribuição Definida.

1.1. A ABBprev Sociedade de Previdência 1.2. Constituição da Política de Investimentos plano de Contribuição Definida. Dezembro de 2009 ii 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos... 1 1.4. Início da vigência

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Citiprevi Entidade Fechada de Previdência Complementar Planos Citiprevi Saúde e de Gestão Administrativa Dezembro de 2014 Índice 1. Finalidade

Leia mais

Política de Investimentos 2015

Política de Investimentos 2015 Política de Investimentos 2015 ABBprev Sociedade de Previdência Privada Dezembro de 2014 ii ABBprev Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A ABBprev Sociedade de Previdência... 1 1.2.

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos

Definição da Política de Investimentos e Objetivos Definição da Política de Investimentos e Objetivos UNILEVERPREV- SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Plano de Previdência Complementar UnileverPrev Programa de Assistência Médica para Aposentados UnileverPrev

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Citiprevi Entidade Fechada de Previdência Complementar Planos de Benefício Definido Dezembro de 2014 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

1. Finalidade da Política de Investimentos

1. Finalidade da Política de Investimentos Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos... 1

Leia mais

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX:

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX: 1 2 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos...

Leia mais

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX:

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX: 1 2 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos...

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 26/12/20 /2013 Vigência: 01/01/201 2014 a 31/12/2019 1 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização por parte da CAFBEP, das diretrizes presentes

Leia mais

1. A MSD PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 2. OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 3. FILOSOFIA DOS INVESTIMENTOS

1. A MSD PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 2. OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 3. FILOSOFIA DOS INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014-2018 ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia dos Investimentos... 3 4. Diretrizes Gerais...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA)

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos 2011 a 2015 CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de benefícios... 3 3. Alocação de recursos e os

Leia mais

MSD PREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

MSD PREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS MSD PREV POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2012 ÍNDICE 1. Finalidade da Política de Investimentos 1 1.1. A MSD Prev 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos 1 1.3. Funções da Política de Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA 2012 A presente Política de Investimentos do Plano de Gestão Administrativa - PGA, da Caixa dos Empregados da Usiminas, foi aprovada pelo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2011 No presente documento encontram-se diretrizes para guiar o processo de investimentos do Fundo Especial

Leia mais

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização, por parte da CAFBEP, das diretrizes

Leia mais

São Bernardo Previdência Privada

São Bernardo Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA São Bernardo Previdência Privada Vigência: 2015 a 2019 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 3 1.1 Vigência da Política de Investimento 3 2 PROCEDIMENTOS

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2014 Política de Investimentos 2014 1 1. Introdução A Futura II - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DO PGA... 3 2.1 Empresas Patrocinadoras...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2007/2009 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores das Reservas Técnicas da OABPrev-PR, tem por objetivo a maximização

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

Política de Investimento 2013 a 2017

Política de Investimento 2013 a 2017 Política de Investimento 2013 a 2017 FUMPRESC Fundo Multipatrocinado de Previdência Complementar Santa Catarina APROVADA EM REUNIÃO DE CONSELHO DELIBERATIVO NO DIA 19/12/2012 Ata nº 91/2012. Índice 1.

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia

Leia mais

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL Out/2014 OBJETIVO Estratégia de Investimento Política de Investimentos, Perfis de Investimentos, Agentes Envolvidos na Gestão e Classes de Ativos. POLÍTICA

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2012 Política de Investimentos 2012 Plano de Benefícios 1 1. Introdução A Futura - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DEMONSTRATIVO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1. ENTE Endereço: Bairro: Prefeitura Municipal de Itanhaém / SP AVENIDA WASHINGTON LUIS - 75 CENTRO (013) 3421-1600 Fax: (013) 3421-1600 CNPJ: Complemento: CEP:

Leia mais

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas / RS aprovada

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O PLANO... 3 3. ÍNDICE DE REFERÊNCIA... 4 4. METAS DE RENTABILIDADE... 4 5. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicada no DOU de 25/08/2011 e retificada no DOU de 26/08/2011) Atualizada em 02/05/2012 Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010

Política Anual de Investimentos. Período : 01/2010 a 12/2010 Regime Próprio de Previdência Social de Varginha(MG) Política Anual de Investimentos Período : 01/2010 a 12/2010 Política de Investimentos do RPPS do Município de Varginha(MG), aprovada em30/12/2009. 1.

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA)

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA) 1/10 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR APROVAÇÃO Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa (PGA) Documento Executivo Resolução CMN nº 3792/2009 Estabelece as

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS

POLITICA DE INVESTIMENTOS MSD PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLITICA DE INVESTIMENTOS 2002 RUA ALEXANDRE DUMAS, 2510 2º Andar CEP:04717-004 CHACARA SANTO ANTONIO SÃO PAULO/SP TEL: (011) 5189-7929 FAX: (011) 5181-0946 Índice

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT RESOLUÇÃO Nº. 01/2009 Em cumprimento a Resolução nº. 3790/2009 de 24 de Setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional, o CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IPMAT, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE INVESTIMENTO JUNHO/2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 1. Debêntures... 3 2. Cédulas de Crédito Bancário (CCBs)... 3 3. Fundos de Direitos Creditórios (FIDCs)...

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. PREVCUMMINS Sociedade de Previdência Privada

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. PREVCUMMINS Sociedade de Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVCUMMINS Sociedade de Previdência Privada 2011 ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Diretrizes Gerais... 3 1.1. Empresas Patrocinadoras... 4

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. PREVCUMMINS Sociedade de Previdência Privada

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. PREVCUMMINS Sociedade de Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVCUMMINS Sociedade de Previdência Privada 2014 ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Diretrizes Gerais... 3 1.1. Empresas Patrocinadoras... 5

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a Política de Investimento 2 2. Sobre o Plano e os seus Benefícios

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

Política de Investimentos. 2016 a 2020

Política de Investimentos. 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Fundação de Seguridade Social do Econômico - ECOS Plano PGA Aprovada na 237ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo, de 21/dez/2015 Página 2 / 15 Índice 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Diretrizes Gerais... 3 3 Plano de Benefícios... 4 4 Alocação de recursos

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANJUS] Vigência: 2014 a 2018

[POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANJUS] Vigência: 2014 a 2018 2014 [POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANJUS] Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a JUSPREV 3 2. Sobre a Política de Investimento 3 3. Sobre o Plano e os seus Benefícios 4 4. Responsabilidades 4 4.1. Colégio

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS O Presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Santos IPREV SANTOS, no uso de suas atribuições

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. UNISYS-PREVI Entidade de Previdência Complementar

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. UNISYS-PREVI Entidade de Previdência Complementar POLÍTICA DE INVESTIMENTOS UNISYS-PREVI Entidade de Previdência Complementar 2012 ÍNDICE FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...3 PARTE I...3 1. DIRETRIZES GERAIS... 3 1.1. Empresas Patrocinadoras...4

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2015 a 2019 Sumário 1. Introdução... 3 2. Abrangência... 4 3. Investimentos... 5 3.1. Alocação Estratégica... 6 3.2. Mandatos... 9 3.3. Avaliação

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011 Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 29 de novembro de 2011 1 1. Legislação Aplicada; SUMÁRIO 2. Melhores Práticas; 3. Casos observados. 2 LEGISLAÇÃO APLICADA AOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Política de Investimentos 2009 a 2013

Política de Investimentos 2009 a 2013 Política de Investimentos 2009 a 2013 SERPROS Fundos Multipatrocinado Índice 1. Objetivos e vigência da política de investimentos... 3 2. Princípios de governança... 3 2.1. Estrutura organizacional para

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86)

GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 519, DE 24 DE AGOSTO DE 2011 (Publicado no DOU nº 164, de 25 de agosto de 2011, Seção 1, página 86) Dispõe sobre as aplicações dos recursos financeiros dos Regimes Próprios

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2014 a 2018 Sumário 1. Introdução... 4 2. Abrangência... 5 3. Sobre os Benefícios... 6 4. Investimentos... 7 4.1. Alocação Estratégica... 8 4.2.

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO POR ASSOCIAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DA JUSTIÇA - JUSPREV PARA O EXERCÍCIO DE 2011

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO POR ASSOCIAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DA JUSTIÇA - JUSPREV PARA O EXERCÍCIO DE 2011 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO POR ASSOCIAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO E DA JUSTIÇA - JUSPREV PARA O EXERCÍCIO DE 2011 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 1. INTRODUÇÃO Atendendo à legislação pertinente aos investimentos dos Regimes Próprios de Previdência Social RPPS, em especial à Resolução n 3.922 de 25 de novembro de 2010 do Conselho Monetário Nacional

Leia mais

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL PGA - Plano de Gestão Administrativa 2015 a 2019 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA... 3 3 DIRETRIZES PARA

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Política de Investimento Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Aprovado pelo Conselho Deliberativo Ata nº 70 de 15/12/2014 Sumário 1. Introdução... 3 2. Sobre os benefícios... 4 3. Informações cadastrais...

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

Plano Básico de Benefícios - PBB

Plano Básico de Benefícios - PBB 22/12/2014 Ativos 1 - Fundamentação da Política Plano Básico de Benefícios - PBB Política de Investimentos - Período 2015 a 2019 Alocação dos Recursos - 2015 a 2019 Renda Fixa 5.083,0 81,0% 5.529,0 84,0%

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO

POLÍTICA DE INVESTIMENTO CargillPrev Sociedade de Previdência Complementar POLÍTICA DE INVESTIMENTO Vigência: 5 anos Revisão 2014 ÍNDICE 1 Objetivos da Política de Investimento 1 2 Governança e Procedimentos Internos de Controle

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA 1/17 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos, especificamente do Plano de Gestão Administrativa - PGA,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO - PBD

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO - PBD POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO - PBD 2013 A presente Política de Investimentos do Plano de Benefício Definido - PBD, administrado pela Previdência Usiminas, foi aprovada pelo

Leia mais

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015 PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada Política de Investimentos 2011/2015 Plano de Aposentadoria Suplementar Plano de Aposentadoria Básico Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú

Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2012 a 2016 Resolução CMN nº 3.792/09 Introdução Este documento consolida as diretrizes estabelecidas para a gestão dos recursos

Leia mais

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81

BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 BANRISUL PATRIMONIAL FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 04.828.795/0001-81 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA,

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão CAPOF Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

BANRISUL PREMIUM FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 08.960.971/0001-95 PROSPECTO

BANRISUL PREMIUM FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 08.960.971/0001-95 PROSPECTO BANRISUL PREMIUM FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA DE LONGO PRAZO CNPJ/MF nº 08.960.971/0001-95 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR

Leia mais