Alternativa pressupõe um outro modelo, diferenciado do encarceramento e da impunidade.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alternativa pressupõe um outro modelo, diferenciado do encarceramento e da impunidade."

Transcrição

1

2 Alternativa pressupõe um outro modelo, diferenciado do encarceramento e da impunidade. Porto Alegre, setembro de 2007.

3 Expediente Texto Memorial do Judiciário do RS Equipe Técnica da VEPMA Revisão Memorial do Judiciário do RS Projeto Gráfico e Impressão Departamento de Artes Gráficas do TJ/RS Capa Corregedoria-Geral da Justiça do TJ/RS

4 RESUMO Este trabalho integra o V Seminário do Projeto "Trabalho para a Vida", da CGJ, cujo tema é a Prestação de Serviço à Comunidade (PSC), uma das modalidades de Pena Restritiva de Direito aplicada em todo o País. O modelo de acompanhamento da PSC praticado em Porto Alegre foi criado na década de Os resultados positivos alcançados pelo projeto o tornaram exemplo a ser implantado em diferentes regiões do Brasil. São 20 anos de um trabalho com acompanhamento técnico na execução das penas alternativas envolvendo o Poder Judiciário e a comunidade, cujo executor desse processo é a Vara de Execução das Penas e Medidas Alternativas (VEPMA). Apresenta-se aqui a trajetória e os resultados deste modelo pioneiro no Brasil. Palavras-chave: Prestação de Serviço à Comunidade. Penas Alternativas. Poder Judiciário. VEPMA Serviço Social.

5

6 SUMÁRIO 1 CONTEXTO HISTÓRICO MUDANÇAS POLÍTICAS NO BRASIL MUDANÇAS NO PODER JUDICIÁRIO PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE NO BRASIL E NO MUNDO O QUE SÃO AS PENAS ALTERNATIVAS O QUE É A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE COMO SE DESENVOLVEU NO BRASIL PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE NO RS E EM PORTO ALEGRE VEC / VEPMA EVOLUÇÃO NAS LEIS: O CAMINHO DA PSC PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE (PSC): REFLEXOS NA SOCIABILIDADE DO SENTENCIADO DADOS ESTATÍSTICOS DADOS SOBRE A PSC EM PORTO ALEGRE DE 1988 A PRIMEIRO PERÍODO SEGUNDO PERÍODO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 44

7

8 1 CONTEXTO HISTÓRICO 1.1 MUDANÇAS POLÍTICAS NO BRASIL A década de 1980 marcou de forma indiscutível e definitiva a História do Brasil. Desde 1964, o Regime Militar havia-se instalado na organização do Estado brasileiro e, ao longo de duas décadas, não houve solução dos problemas sociais do País, mas seu aprofundamento. Contudo, desde o final dos anos 70, a Ditadura estava enfraquecida, pois a crise econômica existente superou toda a propaganda governista e a sociedade se viu diante de um quadro de inflação, diminuição do crescimento econômico e aumento da pobreza (fome e êxodo rural). A abertura política foi o recuo de um regime emperrado pela crise e contestado pelo povo que se organizava. O movimento estudantil renascia, entidades, como a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), intelectuais e imprensa alternativa se manifestavam contra o Regime. Em 1984, políticos de oposição, artistas, jogadores de futebol e milhões de brasileiros participaram do movimento "Diretas Já". O movimento era favorável à aprovação da Emenda Dante de Oliveira que garantiria eleições diretas para Presidente, naquele ano. Todavia, a emenda não foi aprovada pela Câmara dos Deputados. No dia 15 de janeiro de 1985, o Colégio Eleitoral escolhia o Deputado Tancredo Neves como novo Presidente da República. Era o fim do Regime Militar. Porém, Tancredo Neves faleceu e assumiu o Vice-Presidente José Sarney. Em 1988, foi aprovada uma nova Constituição para o Brasil. A Constituição de 1988 apagou os rastros da ditadura militar e estabeleceu princípios democráticos no País. Em 1989, após 29

9 8 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul anos, os brasileiros votaram em eleições diretas para Presidência da República. 1.2 MUDANÇAS NO PODER JUDICIÁRIO A abertura política refletiu-se diretamente no Poder Judiciário que, até então, havia sido cerceado pelos Atos Institucionais decretados sucessivamente ao longo do Regime Militar. O Congresso Nacional promulgou importantes instrumentos, como o Código do Meio Ambiente Lei nº 6.938, de 1981; a Lei da Ação Civil Pública (1985), bem como o Código do Consumidor Lei nº 8.078, de A alteração do Código Penal, em 1984, com a instituição das Penas Restritivas de Direito dentre elas a Prestação de Serviço à Comunidade (PSC), foi, sem dúvida, um marco histórico em relação à forma de punir, no Brasil. Nas últimas décadas, cresceu de forma significativa a demanda social sobre o Judiciário em todo o Brasil, aumentando o número de processos que tramitam na Justiça. Ajudam a explicar esse fenômeno, a abertura política e a democratização institucional de Neste contexto, os órgãos do Poder Judiciário retomaram reflexões e discussões sobre a prestação jurisdicional e sua eficácia no atendimento das necessidades do cidadão que haviam sido suspensas durante o período militar. Foram constituídos, assim, espaços para debate, e projetos sobre diversos temas jurídicos foram idealizados por magistrados, operadores do direito e sociedade civil, em diferentes partes do Brasil, tendo como principal objetivo garantir e efetivar os direitos dos cidadãos. No Rio Grande do Sul, não seria diferente a preocupação com a humanização das penas e seu necessário caráter educativo, tema discutido no mundo inteiro. Resultou dessa discussão a elaboração de um projeto sobre penas alternativas, pela então Pretora Dra. Vera Regina Müller, cujos resultados destacam-se na Prestação de Serviços à Comunidade.

10 2 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE NO BRASIL E NO MUNDO 2.1 O QUE SÃO AS PENAS ALTERNATIVAS A partir da década de 1980, intensificou-se a inquietação da sociedade brasileira, principalmente dos operadores do Direito, sobre as questões relativas à violência, sobretudo, à eficácia das penas aplicadas. Verificavase que era necessário criarem-se novas modalidades de sanções, substituindo aquelas que privavam os indivíduos de sua liberdade - eminentemente punitivas -, por medidas que privilegiassem o caráter educativo das penas, principalmente quando a gravidade do crime era baixa, em regra geral, resultante das desigualdades sociais do País. A preocupação com o cárcere como castigo, e não com a reintegração dos indivíduos infratores na sociedade, há muito se fazia presente no mundo, tanto que inúmeras experiências de aplicação de penas alternativas vinham acontecendo isoladamente em alguns países: Saxônia, Prússia e Baden (1875); União Soviética, Polônia, Hungria, Romênia, Tchecoslováquia e Bulgária (1926); Egito (1912); Canadá (1977), Itália (1981), Portugal, Dinamarca e Holanda (1982), França (1983), Noruega (1984). A Organização das Nações Unidas (ONU) demonstrava apreensão no sentido de tornar as penas menos segregadoras, mais educativas e humanas, aprovando, em 1955, as Regras Mínimas para o Tratamento dos Presos. Em 1966, o Pacto Internacional dos Direitos Políticos e Civis veio reforçar a implantação, execução e fiscalização das alternativas à pena de prisão. Coube, em 1986, ao Instituto Regional das Nações Unidas da Ásia

11 10 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul e do Extremo Oriente para a Prevenção do Delito e Tratamento do Delinqüente formular os primeiros estudos relacionados ao assunto, tendo em vista que o cárcere não apresentava um resultado significativo na ressocialização dos apenados e a violência aumentava exponencialmente no mundo. Em 1990, foi aprovada pela Assembléia Geral da ONU a Resolução 45/110, que estabeleceu as Regras Mínimas das Nações Unidas para as Medidas não Privativas de Liberdade, denominadas "Regras de Tóquio", da qual o Brasil é signatário. Tais recomendações constituíram-se num instrumento internacional importante, uma vez que estabeleceu regras mínimas sobre as medidas não-privativas de liberdade. As penas alternativas, na forma como são previstas na legislação e aplicadas pelo Poder Judiciário brasileiro, não têm por objetivo desocupar os presídios, pois, em geral, o perfil dos indivíduos sentenciados a penas restritivas de direito não se identifica com aquele da população carcerária. As penas restritivas de direito, como a Prestação de Serviços à Comunidade (PSC), mantêm os condenados em liberdade. Nesses casos, a pena de prisão é substituída por uma ou mais restritivas de direitos, sendo estas também conhecidas como penas alternativas/substitutivas. A partir da criação dos Juizados Especiais Criminais (Lei nº 9.099/ 95), a Prestação de Serviços à Comunidade passou a ser aplicada também nas transações penais, para os casos de delitos de menor potencial ofensivo. Nestas transações, pelo Ministério Público, é oferecida ao autor do fato a alternativa de realizar um acordo/transação, objetivando não dar seguimento ao processo criminal. Havendo aceitação pelo autor do fato, homologação pelo Juiz e cumprimento da Prestação de Serviço à Comunidade, não haverá a instauração do processo penal. As penas/medidas alternativas são um avanço no sistema penal moderno. A Prestação de Serviços à Comunidade é grande exemplo, pois, ao mesmo tempo em que pune, possibilita ao infrator, por meio do trabalho gratuito, repensar sua vida e ser útil, contribuindo com mão-de-obra, não raro qualificada, para as instituições que atendem populações carentes e, em geral, discriminadas. 2.2 O QUE É A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE A Prestação de Serviços à Comunidade é uma pena/medida alternativa com função social, de caráter educativo, preventivo e, notadamente, ressocializador. Simplesmente é uma alternativa ao encarceramento e à impunidade, não tendo como objetivo o castigo, mas, sim, a educação. Por meio de um trabalho útil e gratuito, essa pena/medida viabiliza ao sentenciado dar sua parcela de contribuição à sociedade. Muitas vezes,

12 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul 11 além de não ser privado de sua liberdade, ele se engaja em projetos desenvolvidos pelas entidades assistenciais participantes, prosseguindo na prestação de serviços, de forma voluntária, após o cumprimento da pena. A sociedade em geral ganha com a Prestação de Serviços à Comunidade, uma vez que abre espaço para o diálogo entre o Judiciário e a população. Ao permitir essa aproximação, possibilita uma maior conhecimento do papel do Judiciário, das iniciativas da comunidade e dos resultados positivos na execução das penas alternativas. 2.3 COMO SE DESENVOLVEU NO BRASIL No Brasil, a Prestação de Serviços à Comunidade era prevista na Lei nº 6.416/77, art. 698, inciso II, do Código de Processo Penal, como condição do sursis. Em 1984, foi instituída como pena restritiva de direitos na reforma do Código Penal (Decreto Lei nº 2.848/40) com a Lei nº 7.209/84. No ano de 1983, antes da alteração do Código Penal, a magistrada Vera Regina Müller, Pretora na 12ª Vara Criminal de Porto Alegre, verificou que havia um número considerável de réus primários beneficiados com Suspensão Condicional da Pena que recebiam apenas as condições do sursis simples, cujo efeito educativo era nulo. A partir da reforma do Código Penal, em 1984, os magistrados, ao sentenciarem e executarem a PSC, tinham a preocupação de que essa pena não se tornasse inócua. Dessa forma, para alcançar os objetivos do legislador, fazia-se necessário encaminharem-se os condenados a atividades adequadas às suas aptidões e locais/instituições que compartilhassem esses objetivos. Entretanto, não havia infra-estrutura, nas Varas de Execução Criminal do Rio Grande do Sul, para acompanhar os prestadores de serviços. As experiências realizadas até aquele momento, na Comarca de Porto Alegre, com o encaminhamento de 49 apenados a FUNDASUL e a Pequena Casa da Criança, sem o devido acompanhamento técnico mostraram-se ineficazes. A magistrada Vera Müller, buscando alternativas para execução dessa modalidade penal e inspirada nas legislações inglesa e norte-americana, desenvolveu um projeto-piloto, cuja idéia inicial era constituir um núcleo de trabalho composto por uma equipe interdisciplinar capaz de realizar uma testagem. Esse projeto foi encaminhado pelo Diretor Acadêmico da Escola da Superior da Magistratura, Desembargador Ruy Rosado de Aguiar Júnior, a Brasília, visando à obtenção de recursos para sua implantação. No ano de 1985, o projeto foi encaminhado para o Ministério da Justiça e, em 04 de agosto de 1987, foi assinado convênio entre o Tribunal de

13 12 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul Justiça do Estado do Rio Grande do Sul e a Associação de Juízes do Rio Grande do Sul, através da Escola Superior da Magistratura, o que permitiu a contratação da primeira Equipe Técnica para monitorar a pena de prestação de serviços à comunidade na Comarca de Porto Alegre. Nesta etapa, sob a coordenação da Dra. Vera Regina Muller, foram contratados duas assistentes sociais e dois estudantes de Direito. Esses técnicos fizeram o cadastramento das instituições que passariam a receber os apenados, bem como iniciaram a avaliação e os encaminhamentos aos locais mais adequados para que a prestação de serviços à comunidade fosse cumprida. Na implementação do projeto-piloto, foi formada uma comissão constituída por representantes de vários parceiros: Procuradoria-Geral do Estado do Rio Grande do Sul (PGE), Procuradoria da Justiça do Rio Grande do Sul, Superintendência do Sistema Penitenciário (SUSEPE), Escola da Magistratura do Rio Grande do Sul e Juízes das Varas de Execução Penal. O projeto-piloto teve a duração de dois anos (de 1987 a 1989). Nesse mesmo período, foram criados os cargos de Assistentes Sociais, Psicólogos e Comissários de Vigilância. Em 1989, ao término do projeto-piloto, o Poder Judiciário assumiu o monitoramento das penas nomeando profissionais concursados. Em decorrência do sucesso do projeto, sua expansão para outros Municípios e Estados foi questão de tempo, sendo que a Dra. Vera Regina Müller teve papel fundamental nesse processo. Em 1989, a magistrada auxiliou a Prefeitura de São Paulo a redigir um protocolo de intenções para recrutamento de técnicos para apoiar o programa de implantação de penas alternativas. Considerando que a pesquisa realizada pelo Instituto Latino-Americano para a Prevenção do Delito e o Tratamento do Delinqüente (ILANUD) apontou para as vantagens da Prestação de Serviço à Comunidade, o trabalho de consultoria da magistrada só viria a aumentar. No ano de 1997, colaborou de forma ativa no projeto de estruturação de penas alternativas dos Estados de Goiás, Pará e Paraíba e do Distrito Federal. O plano elaborado pela Dra. Vera Regina Müller, relacionado às penas restritivas de direito, principalmente a Prestação de Serviços à Comunidade (PSC), ultrapassou as fronteiras do Rio Grande do Sul. Esse projeto demonstrava maior eficiência no que diz respeito ao combate à criminalidade e à ressocialização dos apenados (quando comparado aos resultados e custos obtidos com a pena privativa de liberdade). O Ministério da Justiça, através da Secretaria Nacional de Justiça, solicitou à Dra. Müller sua participação na montagem de uma estrutura nacional de penas alternativas. O projeto foi discutido e elaborado de abril de 2000 até outubro de 2001.

14 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul 13 No ano de 2002, ocorreu a criação da Central Nacional de Penas Alternativas (CENAPA), cujos objetivos são: difundir no País o instituto das Penas e Medidas Alternativas como instrumento eficaz para os crimes cometidos sem o emprego da violência ou grave ameaça à pessoa; sensibilizar os operadores do Direito da importância da aplicação das Penas e Medidas Alternativas; organizar e capacitar Juízes, Promotores de Justiça, representantes da OAB e Defensoria Pública, bem como servidores do Poder Judiciário e do Poder Executivo, além da Universidade Federal, ONGs e Clubes de Serviço, para atuarem como multiplicadores na aplicação e fiscalização das Penas e Medidas Alternativas; divulgar experiências bem-sucedidas de aplicação de Penas e Medidas Alternativas (exemplos: RS, PR, PA, CE e MS); possibilitar à Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, o apoio, acompanhamento e a coleta de dados, com a divulgação de resultados.

15

16 3 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE EM PORTO ALEGRE E NO RS O projeto desenvolvido no Rio Grande do Sul não foi resultado de um esforço isolado, mas fruto de necessidades regionais, em consonância com discussões correntes no mundo todo sobre questões relativas à humanização das penas. O modelo que serviu para todo o Brasil foi baseado nos projetos de Penas Alternativas inglês e norte-americano. A Inglaterra foi o primeiro país europeu a implantar a Prestação de Serviços à Comunidade como pena autônoma, em Nos Estados Unidos, através do Instituto de Justiça Vera (The Vera Institute of Justice) foi introduzido o trabalho à comunidade, onde foi realizado com êxito um projeto-piloto no Bairro Bronx (Bronx Pilot Project). 3.1 A VARA DE EXECUÇÕES CRIMINAIS - VEC - E A VARA DE EXECUÇÃO DAS PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS - VEPMA. Em 1989, após o término do projeto-piloto, o Poder Judiciário estruturou, na Vara de Execuções Criminais da Comarca de Porto Alegre, uma Equipe Técnica de monitoramento, composta inicialmente por 4 Assistentes Sociais e 6 Comissários de Vigilância. Em continuidade ao trabalho até então desenvolvido pelo projeto-piloto, essa equipe ampliou e qualificou a intervenção técnica junto às instituições conveniadas e aos prestadores de serviço. Os resultados positivos demonstraram a eficácia da execução da pena de Prestação de Serviços à

17 16 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul Comunidade, viabilizando a aplicação, pelos magistrados das Varas Criminais, desse instituto penal sempre que previsto na legislação. No ano de 2001, por iniciativa da magistrada da VEC, Drª Cleuza Mariza Silveira de Azevedo, e acompanhando o incentivo da CENAPA, a 3ª Vara Criminal da Comarca de Porto Alegre foi transformada em Vara de Execução das Penas e Medidas Alternativas (VEPMA), Resolução nº 353/ 2001, do Conselho Superior da Magistratura. Hoje a VEPMA está localizada no 4º andar do Foro Central e tem a competência jurisdicional sobre as transações, penas restritivas de direito, livramento condicional, suspensão condicional da pena, prisão domiciliar e medidas de segurança. Para o acompanhamento da execução, o Poder Judiciário na VEPMA, atualmente é composto por: Gabinete 01 Juiz, 01 Assessor de Juiz, 01 Secretário, 01 estagiária de Direito; Cartório 01 Escrivão e 06 funcionários; Equipe técnica 06 Assistentes Sociais, 01 Psicóloga, 01 funcionário administrativo, 01 estagiário; Comissários de Vigilância 04 Comissários. Além da VEPMA, existem estruturas diferenciadas de monitoramento de Penas e Medidas Alternativas em, pelo menos, 180 Comarcas do Interior do Rio Grande do Sul, conforme a realidade de cada Município. Em algumas Comarcas, o monitoramento é realizado por funcionários dos cartórios e pela equipe técnica, sendo esta responsável pela capacitação das entidades, avaliação e encaminhamento dos prestadores de serviços. Em muitos Municípios, o Poder Judiciário conta com o apoio dos Conselhos da Comunidade e das próprias Prefeituras Municipais. A Prestação de Serviços à Comunidade não tem como objetivo o castigo, e sim transformar sua execução em um processo educativo e socializador, no qual todos os envolvidos (Poder Judiciário, Instituições Conveniadas e Prestadores de Serviços) tenham a consciência da importância de seu papel. Neste contexto, a Equipe Técnica intervém na realidade das penas e medidas alternativas, com quatro abordagens principais: institucional, individual, assessoria e articulação de redes sociais. A abordagem institucional está centrada na avaliação, diagnóstico, capacitação e acompanhamento das entidades parceiras. O cumprimento da prestação de serviços à comunidade somente pode ser executado com sucesso se houver Instituições que compartilhem do entendimento da função social da pena. Esses locais devem ser espaços privilegiados para o desenvolvimento de valores morais, voltados para a promoção e valorização da pessoa na sociedade. Essa intervenção é realizada de forma sistemática

18 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul 17 através de uma relação dialógica, em visitas, reuniões, contatos com responsáveis pelo acompanhamento e encontros semestrais. A abordagem individual é o momento em que a Equipe Técnica realiza o estudo psicossocial e elabora o diagnóstico individual, definindo o perfil do sentenciado e norteando a intervenção e o encaminhamento deste ao cumprimento da pena/medida. Na definição do perfil do prestador de serviços, a Equipe Técnica classifica em três categorias, de acordo com o Manual de Monitoramento da Penas e Medidas Alternativas do Ministério da Justiça: Baixa e média complexidade: pessoas aptas a serem encaminhadas ao cumprimento da prestação de serviços à comunidade, a partir da realização do estudo social. Alta complexidade: pessoas que apresentam doenças físicas incapacitantes, sofrimento mental e/ou qualquer indicativo que não recomende o encaminhamento sem antes haver uma intervenção especializada. Nos casos de perfil de baixa e média complexidade, conhecendo a disponibilidade de cada Conveniada, é realizado o cruzamento dos dados e definido o melhor local para o cumprimento da pena/medida. Durante a execução, o acompanhamento é realizado diretamente pela Conveniada e mensalmente pelo Serviço Social, se o cumprimento for regular. Na ocorrência de qualquer irregularidade ou dificuldade, imediatamente a Instituição a comunica aos técnicos e, em conjunto, é definido o melhor encaminhamento do caso, que será submetido à análise do Juiz. Nos casos de perfil de alta complexidade, antes do encaminhamento ao cumprimento da pena, é realizada avaliação psicológica e, de acordo com o parecer psicossocial, são encaminhados a recursos da comunidade que atentem às necessidades prioritárias e que auxiliem na reorganização do sentenciado, a fim de que cumpra a pena/medida imposta. Sempre que necessário, a Equipe Técnica intervém junto aos familiares dos sentenciados, contando também com algumas Instituições Conveniadas que se propõem a realizar um acompanhamento especial e diferenciado. A assessoria é a intervenção técnica junto aos magistrados, operadores do Direito e demais envolvidos nesse processo, no sentido de dar visibilidade à realidade dos sentenciados em cumprimento da pena. É sua atribuição, também, propor projetos ou alternativas que visem à melhoria das condições de vida dos sentenciados e viabilizem a plena execução da pena. A articulação de redes sociais é a intervenção da Equipe que visa à construção de parcerias com a Rede Social para o atendimento dos sentenciados nas áreas de saúde, assistência social, educação e ingresso no mercado de trabalho. A atual conjuntura, com o agravamento da pobreza, do desemprego, da violência e do aumento da dependência química, tem refletido diretamente no perfil das pessoas que devem cumprir penas/medidas

19 18 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul alternativas, sendo imprescindível a criação de uma rede capaz de garantir os direitos de cidadania e inclusão social. A Equipe Técnica estabelece os seguintes objetivos na execução da pena: manter em liberdade os sentenciados, proporcionando-lhes a permanência no convívio familiar e no trabalho; oportunizar aos beneficiários a possibilidade de refletir sobre o delito cometido e o exercício da sua cidadania; detectar causas de uma possível reincidência e auxiliar os beneficiários a encontrar caminhos alternativos; possibilitar a vivência de limites, com o uso adequado da autoridade, transformando o cumprimento das penas alternativas num ponto de referência para o aprendizado de uma vida social saudável; envolver a sociedade na reflexão dos problemas da criminalidade e da exclusão social, na construção de soluções, onde todos assumam a responsabilidade cooperativamente; auxiliar no resgate da auto-estima, despertando potencialidades para trabalhos sociais; auxiliar as instituições assistenciais com o trabalho gratuito dos prestadores de serviço; proporcionar uma economia ao Estado com despesas carcerárias, além de evitar o risco de os beneficiários serem corrompidos pelo sistema prisional. Dessa forma, o Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul, por intermédio da Equipe Técnica da Vara de Execuções de Penas e Medidas Alternativas (VEPMA), cumpre o estabelecido no Código Penal Brasileiro, no que se refere às Penas Restritivas de Direito.

20 4 EVOLUÇÃO NAS LEIS: O CAMINHO DA PSC Segundo Fernando Antônio Sodré de Oliveira 1 : Os modelos reeducadores e ressocializadores têm conseguido expressivas vitórias legislativas, como a aprovação de Leis como: Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90), a Lei dos Juizados Especiais Criminais (Lei nº 9.099/95) e a Lei das Penas Alternativas (Lei nº 9.714/98) [...]. Em 1984, através da Lei nº (11/7/1984), que alterou o Decreto- Lei nº 2.848/40 (Parte Geral do Código Penal, nova redação dos artigos 1º ao 120), foram introduzidas no Brasil as penas alternativas, cuja ideologia era: a recuperação é mais importante do que a punição. Esta alteração instituiu a PSC não apenas como condição do sursis, mas também em substituição às penas privativas de liberdade para delitos cuja pena máxima não ultrapassasse dois anos. Os artigos que dispõem sobre as penas restritivas de direito tiveram a seguinte redação: Art As penas restritivas de direito são: I prestação de serviços à comunidade; II interdição temporária de direitos; III limitação do fim-de-semana. Art As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as privativas de liberdade, quando: I aplicada pena privativa de liberdade inferior a um ano ou se o crime for culposo; 1 OLIVEIRA, Antônio Sodré de. A Prisão em flagrante delito nos crimes sujeitos à aplicação de Penas Alternativas. Porto Alegre: Revista da Ajuris, 2003, p. 110.

21 20 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul II o réu não for reincidente; III a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do condenado, bem como os motivos e as circunstâncias indicarem que essa substituição seja suficiente.... Art. 46 A prestação de serviços à comunidade consiste na atribuição ao condenado de tarefas gratuitas junto a entidades assistenciais, hospitais, escolas, orfanatos e outros estabelecimentos congêneres em programas comunitários ou estatais.... Art. 77 a execução da pena privativa de liberdade, não superior a dois anos, poderá ser suspensa por dois a quatro anos, desde que: I O condenado não seja reincidente em crime doloso; II a culpabilidade, os antecedentes, a conduta social e a personalidade do agente, bem como os motivos e as circunstâncias autorizam a concessão do beneficio; III Não seja indicada ou cabível a substituição prevista no art. 44 deste Código. Em 1998, com a Lei nº 9.714/98, o legislador ampliou o número de penas restritivas de direito, bem como o tempo de condenação para o benefício, dando uma nova redação para os arts. 43, 44 e 46. Art. 43 As penas restritivas de direito são: I prestação pecuniária; II perda de bens e valores; III prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas: IV interdição temporária de direitos; V limitação do fim-de-semana. Art. 44 As penas restritivas de direitos são autônomas e substituem as privativas de liberdade, quando: I aplicada pena privativa de liberdade não superior a 04 anos e o crime não for cometido com violência ou grave ameaça à pessoa ou, qualquer que seja a pena aplicada, se o crime for culposo; II o réu não for reincidente em crime doloso; III (manteve igual).... Art. 46 A prestação de serviços á comunidade é aplicável as condenações superiores a 06 meses de privação de liberdade: 1º A prestação de serviços à comunidade ou a entidades públicas consiste na atribuição de tarefas gratuitas ao condenado. 2º A prestação de serviço à comunidade dar-se-á em entidades assistenciais, hospitais, escolas, orfanatos e outros estabelecimentos congêneres, em programas comunitários ou estatais.

22 20 anos de Penas Alternativas no Rio Grande do Sul 21 3º As tarefas a que se refere o 1º serão atribuídas conforme as aptidões do condenado, devendo ser cumpridas à razão de uma hora de tarefa por dia de condenação, fixadas de modo a não prejudicar a jornada normal de trabalho. 4º Se a pena substituída for superior a um ano, é facultado ao condenado cumprir a pena substitutiva em menor tempo (art. 55), nunca inferior à metade da pena privativa de liberdade fixada." Pode-se observar, então, a preocupação da sociedade em estabelecer leis de cunho mais humano e ressocializador, visando a uma mudança de paradigma do sistema punitivo e introduzindo um processo integrador do apenado na sociedade sem desvinculá-lo dos seus laços familiares e de seu cotidiano. Na Lei nº 9.099/95, que dispõe sobre os Juizados Especiais Criminais (JECs), a PSC também foi introduzida na transação penal ou como condição da suspensão do processo, nos casos de delitos menor complexidade.

23

24 5 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS À COMUNIDADE (PSC): REFLEXOS NA SOCIABILIDADE DO SENTENCIADO No Brasil, o sistema carcerário enfrenta inúmeros problemas estruturais, de superlotação e de alto custo na manutenção de cada condenado. Nesse contexto, a PSC (Prestação de Serviços à Comunidade) apresentase, como uma importante forma de ajudar a diminuir o ingresso de condenados no sistema prisional. Dados da Vara de Execução das Penas e Medidas Alternativas (VEPMA) demonstram que, em 20 anos de experiência em Porto Alegre, cerca de 9600 pessoas já cumpriram prestação de serviços nas Entidades Conveniadas, denotando a utilidade da aplicação das penas alternativas para sociedade, ao longo desses anos. Esta experiência comprova que a parceria com as Instituições Conveniadas viabiliza o comprometimento de todos os envolvidos (VEPMA, sentenciados, comunidade) na transformação da sociedade e na construção de um mundo mais justo e igualitário. Conforme afirmação do Presidente da SPAAN 2 : Nesse sentido é que Programas como PSC e PEMSE, do Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul, são muito bem-vindos, pois permitem aos réus o devido reparo à sociedade, bem com beneficiam as entidades parceiras com mão-de-obra. Desde 2000, 219 prestadores de serviços passaram pela Instituição, totalizando horas trabalhadas, o que corresponde a uma economia de aproximadamente R$ ,00 (cento e quarenta mil reais) na contratação de servidores qualificados, cabe 2 Sr. Ederon Amaro Soares de Silva, Presidente da SPAAN.

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

APRESENTAÇÃO erapêutica

APRESENTAÇÃO erapêutica erapêutica Justiça APRESENTAÇÃO No Brasil, a proposta de cumprimento da legislação penal de forma harmônica, com medidas sociais e de tratamento às pessoas que praticam crimes, nos quais o elemento droga

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

Inclusão. Construindo o Futuro

Inclusão. Construindo o Futuro Inclusão. Construindo o Futuro Mostra Local de: Irati Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Conselho da Comunidade da Comarca de Irati

Leia mais

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AO TRATAMENTO DOS DEPENDENTES QUÍMICOS

A ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL FRENTE AO TRATAMENTO DOS DEPENDENTES QUÍMICOS 0. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( )

Leia mais

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação

Patronato Penitenciário de Ponta Grossa: uma proposta de cidadania e de resgate do direito à educação 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias Gisele Alves de Sá Quimelli Rosiane Henneberg Roseni Marconato Pinto Thalita Arnaud de Souza Camila Silva

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública

Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo. Princípios e diretrizes de Segurança Pública Propostas dos GTs da Conferência Municipal de São Paulo Princípios e diretrizes de Segurança Pública Eixo 1 1. Fortalecimento do pacto federativo; 2. Municipalização da Segurança Pública; 3. Estabelecer

Leia mais

Das diretrizes gerais

Das diretrizes gerais PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Anderson Ferreira) Dispõe sobre o Estatuto da Família e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Estatuto da Família e dispõe

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto

MUTIRÃO CARCERÁRIO Plano do Projeto 1. Introdução O projeto do Mutirão Carcerário, iniciado pelo Conselho Nacional de Justiça em agosto de 2008 a partir da vigência da Resolução Conjunta nº 01/2009 do CNJ/CNMP e Resolução nº 89/2009 do CNJ,

Leia mais

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

* DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais * DECRETO Nº 21.459, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui o Programa Estadual de Proteção a Vitimas

Leia mais

As comunicações entre o local da prestação de serviço, o Fórum e a Promotoria de Justiça poderão ser feitas por telefone, fax, e-mail ou outro meio.

As comunicações entre o local da prestação de serviço, o Fórum e a Promotoria de Justiça poderão ser feitas por telefone, fax, e-mail ou outro meio. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS - INTRODUÇÃO É uma pena restritiva de direito imposta pela Justiça que substitui a pena privativa de liberdade inferior a quatro anos, no caso da prática de crime sem violência ou,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES

NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Prezada, NOTA TÉCNICA 003/2012_ DA OBRIGAÇÃO DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL NO ATENDIMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO À COMUNIDADE DE ADOLESCENTES Florianópolis, 18 de abril de 2012. Interessados: Secretarias

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual

A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO. Diversos problemas levaram à situação atual A SEGURANÇA É HOJE A PRINCIPAL PREOCUPAÇÃO DO BRASILEIRO Diversos problemas levaram à situação atual O problema sempre foi tratado com uma série de OUs Natureza ou policial ou social Responsabilidade ou

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Por meio do Programa Rede Judicial de Proteção objetiva-se reduzir a reprodução de infrações penais semelhantes às cometidas, a partir de intervenções orientadas para

Leia mais

XII MOSTRA NACIONAL DE TRABALHOS DA QUALIDADE NO PODER JUDICIÁRIO

XII MOSTRA NACIONAL DE TRABALHOS DA QUALIDADE NO PODER JUDICIÁRIO XII MOSTRA NACIONAL DE TRABALHOS DA QUALIDADE NO PODER JUDICIÁRIO APRESENTAÇÃO Órgão: Tribunal de Justiça do Amazonas Unidade: Vara de Execuções de Medidas e Penas Alternativas da Comarca de Manaus - VEMEPA

Leia mais

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade?

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade? CONCLUSÕES DO I ENCONTRO DE CONSELHOS DA COMUNIDADE DA REGIÃO SUL DO BRASIL E DO III SEMINÁRIO DO PROJETO TRABALHO PARA A VIDA DA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA DO RS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE, EM 18 DE

Leia mais

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015

UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 UMA VAGA PARA TODOS PROJETO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL. Rio de Janeiro, março de 2015 RESUMO Este projeto visa a atender crianças e adolescentes em situação de rua, abandonados ou que necessitam ser

Leia mais

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina;

Considerando a inspeção empreendida no dia 19.09.2012 no Centro de Recuperação Feminina; Considerando que ao Conselho Penitenciário do Estado do Pará compete, de acordo com o Decreto 418/79, inspecionar os estabelecimentos prisionais sediados no Estado do Pará, com objetivo de assegurar condições

Leia mais

PROJETO TERAPIA COMUNITÁRIA NA JUSTIÇA

PROJETO TERAPIA COMUNITÁRIA NA JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAZONAS VARA DE EXECUÇÕES DE MEDIDAS E PENAS ALTERNATIVAS DA COMARCA DE MANAUS VEMEPA PROJETO TERAPIA COMUNITÁRIA NA JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAZONAS VARA DE EXECUÇÕES DE

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e

Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Anexo II Di r e t r i z e s Ge r a i s d o s Se rv i ç o s d e Re s p o n s a b i l i z a ç ã o e Educação do Agressor SERVIÇO DE RESPONSABILIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DO AGRESSOR Ap r e s e n ta ç ã o A presente

Leia mais

NOAD Núcleo de Orientação e Atendimento a Dependentes Químicos

NOAD Núcleo de Orientação e Atendimento a Dependentes Químicos NOAD: PRINCÍPIOS NORTEADORES, PLANOS E METAS Psicóloga Cléia de Oliveira Cunha Coordenadora do NOAD A concepção do Núcleo de Orientação e Atendimento a Dependentes Químicos NOAD é a relação entre o consumo

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Rua Dias Adorno, 367, 6 andar, Bairro Santo Agostinho, CAPITAL CEP: 30 190 100 Telefax: 31 3330 8394 e-mail: caodh@mp.mg.gov.br

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Vara de Execuções das Penas e Medidas Alternativas - VEPEMA SEÇÃO PSICOSSOCIAL DA VEPEMA

Vara de Execuções das Penas e Medidas Alternativas - VEPEMA SEÇÃO PSICOSSOCIAL DA VEPEMA Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Vara de Execuções das Penas e Medidas Alternativas - VEPEMA SEÇÃO PSICOSSOCIAL DA VEPEMA PENAS ALTERNATIVAS Trabalho

Leia mais

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ

CONSELHO PENITENCIÁRIO DO PARANÁ Lei nº. 12.317, de 28 de agosto de 1998 Lei nº 12.377, de 28 de dezembro de 1998 Lei nº. 14.556, de 09 de dezembro de 2004 Lei nº. 17.908, de 02 de janeiro de 2014. Decreto nº. 1.206, de 05 de maio de

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 238-B, DE 2005 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 9, DE 2005 Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude CNJ e a Secretaria

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios Associação de Proteção e Assistência aos condenados Criação e Implantação nos Municípios O Método APAC O que é? A APAC é uma entidade civil de Direito Privado, com personalidade jurídica própria, destinada

Leia mais

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004]

O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] O INDULTO E AS PENAS RESTRITIVAS DE DIREITO [in Boletim IBCCRIM. São Paulo, v.12, n.142, p. 2-3, set. 2004] Salo de Carvalho Advogado e Professor da PUC/RS Após a tramitação dos Processos de Execução Penal

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL

AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL AÇÕES DE POTENCIALIZAÇÃO DE JOVENS EM CUMPRIMENTO DE MEDIDA SOCIOEDUCATIVA ATENDIDOS NO CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DA ASISTÊNCIA SOCIAL RESUMO AMORIM 1, Tâmara Ramalho de Sousa SIMÕES 2, Poliana

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG).

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG). PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL - CNBB Praça Clovis Bevilácqua, 351, conj.501 Centro - 01018-001 - São Paulo - SP Tel/fax (11) 3313-5735, 3227-8683, 3101-9419 - gzgubic@uol.com.br - www.carceraria.org.br

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ - ESMEC CURSO: DOSIMETRIA DA PENA E ALTERNATIVAS PENAIS. Fortaleza - CE Agosto de 2014

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ - ESMEC CURSO: DOSIMETRIA DA PENA E ALTERNATIVAS PENAIS. Fortaleza - CE Agosto de 2014 ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ - ESMEC CURSO: DOSIMETRIA DA PENA E ALTERNATIVAS PENAIS Fortaleza - CE Agosto de 2014 ALTERNATIVAS PENAIS NO SISTEMA JURÍDICO BRASILEIRO Mazelas do Cárcere

Leia mais

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista

Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista Autor: Marcos Espínola Advogado Criminalista 1 SUMÁRIO DEDICATÓRIAS E AGRADECIMENTOS 02 CARTA DE APRESENTAÇÃO 03 O QUE SERIA O SOFRIMENTO FÍSICO? 04 E O SOFRIMENTO MENTAL? 04 TORTURA-PROVA 05 TORTURA

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012

CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 CARTA DE BRASÍLIA I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE Brasília 6 e 7 dezembro de 2012 Os participantes do I ENCONTRO NACIONAL DOS CONSELHOS DA COMUNIDADE, representantes de Conselhos da Comunidade

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA LEI MUNICIPAL Nº 917 DE 17 DE SETEMBRO DE 2015. Institui o Programa Municipal de Habitação Familiar Recursos de Itiquira Construindo Lares, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ITIQUIRA, ESTADO

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008

CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 CONFERÊNCIA ESTADUAL BRASIL CONTRA A VIOLÊNCIA São Luís - 18 a 20 de Agosto de 2008 Relatório do Painel PANORAMA LEGAL 1. A DEFENSORIA PÚBLICA ESTADUAL NA PREVENÇÃO E NO COMBATE À VIOLÊNCIA Carência de

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013

CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 CONSELHO SUPERIOR DA DEFENSORIA PÚBLICA RESOLUÇÃO CSDPE Nº 016/2013 Dispõe sobre as atribuições da Coordenação de Atendimento ao Preso Provisório da Defensoria Pública da Capital e dá outras providências.

Leia mais

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians

Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians Projeto TEMPO DE DESPERTAR Em homenagem a Robin Willians I. INTRODUÇÃO Durante uma pesquisa realizada exclusivamente com homens pelo Instituto Avon/Data Popular e lançada em novembro de 2013, alguns dados

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL

MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL MATO GROSSO: MUITO ALÉM DO DEVER FUNCIONAL Cuiabá-MT teve a primeira Promotoria de Justiça a aplicar a Lei Maria da Penha no Brasil, iniciando seus trabalhos no dia 22/09/2006, dia em que a Lei Maria da

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA TERAPÊUTICA

PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA TERAPÊUTICA PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA MÁRCIA DE ALENCAR psicóloga clínica e social especialista em gestão e política pública pós-graduada em Sociologia acadêmica em Direito PENA ALTERNATIVA E JUSTIÇA O MONITORAMENTO

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação O SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL A ADOLESCENTES

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

Rede de Defesa e Segurança

Rede de Defesa e Segurança Rede de Defesa e Segurança 1 PROGRAMA ALIANÇA PELA VIDA Objetivo: Estruturar ações integradas de prevenção, acolhimento e tratamento dos usuários e dependentes de álcool e outras drogas e seus familiares,

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS

MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS MEDIDAS SOCIOEDUCATIVAS FASES PROCESSUAIS FASE POLICIAL OU INVESTIGATÓRIA Apreensão do adolescente pela prática de ato infracional Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) AUTO DE APREENSÃO Flagrante

Leia mais

Núcleo de Apoio Profissional ao Serviço Social e de Psicologia. Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto

Núcleo de Apoio Profissional ao Serviço Social e de Psicologia. Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto Introdução Programa Família Acolhedora no Município de São Paulo -Projeto Piloto O projeto se propôs a realizar mais uma ação para a efetivação da Política de Proteção as Crianças e Adolescentes em situação

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE

A MULHER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR EM PONTA GROSSA: SUBSÍDIOS PARA O DEBATE 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A MULHER

Leia mais

PROJETO ELO PARA A CIDADANIA

PROJETO ELO PARA A CIDADANIA PROJETO ELO PARA A CIDADANIA I - IDENTFICAÇÃO Entidade Executora: Ordem dos Advogados do Brasil OAB Subseção de Pirassununga, a Secretaria Municipal da Promoção Social, a Secretaria Municipal de Educação,

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul, de acordo com as atribuições previstas no seu Estatuto e Regimento Geral e em consonância

Leia mais

PROJETO DE EXECUÇÃO PENAL DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

PROJETO DE EXECUÇÃO PENAL DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PROJETO DE EXECUÇÃO PENAL DA DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS EIXO 3 EXTENSÍON, DOCENCIA E INVESTIGACIÓN Autor: PINTO, Felipe Martins. Doutor em Direito, diretor

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 94, DE 14 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 15/01/2014 (nº 10, Seção 1, pág. 37) Institui o serviço de avaliação e

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA ADOLESCENTES DE 15 A 17 ANOS NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA ADOLESCENTES DE 15 A 17 ANOS NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA TÍTULO: AVALIAÇÃO DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA ADOLESCENTES DE 15 A 17 ANOS NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA:

Leia mais

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero

Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Projeto Novos Horizontes: Grupo Reflexivo Para Homens Autores de Violência de Gênero Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: II Projetos em implantação (projetos que

Leia mais