Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014"

Transcrição

1 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/ Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução CVM nº 400/03 Senhor Superintendente-Geral, 1. Apresentação A SPCIA 03 EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO LTDA. ( Requerente ), conform e expediente protocolado junto à CVM em , requer, nos term os do artigo 4º da Instrução CVM nº 400/03, dispensa de registro de oferta pública de distribuição de contratos de investim ento coletivo ( Oferta e CIC, respectivam ente). A Requerente é um a sociedade de propósito específico, constituída pela Odebrecht Realizações Im obiliárias e Participações S.A. e será a responsável pela incorporação do Em preendim ento, conform e definido abaixo. Funcionará futuram ente no Em preendim ento o Hotel Royal Palm Tower, cuja operadora hoteleira será a Royal Palm Plaza Participações e Em preendim entos Ltda. ( Sócia Ostensiva ), que, com o locatária[1], alugará o Em preendim ento por 9 anos e 11 m eses. A Requerente pretende distribuir publicam ente até 226 (duzentas e vinte e seis) unidades autônom as im obiliárias hoteleiras objeto de contratos de investim ento coletivo no Em preendim ento Hotel Royal Palm Tower ( Em preendim ento ), localizado na cidade de Cam pinas, SP. O preço das unidades autônom as im obiliárias hoteleiras varia entre R$ ,00 e R$ ,00, estando esses valores sujeitos a eventuais descontos. A rem uneração dos investidores consistirá em dividendos apurados e pagos anualm ente, após a aprovação das contas do exercício financeiro findo pela assem bleia geral de sócios. Os dividendos anualm ente obtidos terão a aplicação que lhe for determ inada pela Sócia Ostensiva, em conjunto com o conselho fiscal da SCP, a Jones Lang Lassale Hotel S.A. ( Asset Manager ) e os Proprietários, reunidos em assem bleia geral de sócios, realizada no m ês de dezem bro, garantida a todos os sócios a sua respectiva participação proporcional. Remuneração da Sócia Ostensiva 4,5% Taxa Básica de adm inistração, sobre a receita operacional líquida. + 2% Rem uneração pela divulgação da m arca, sobre a receita operacional líquida. + 3% Das reservas realizadas a partir da Central de Reservas da Sócia Ostensiva, sobre a receita líquida de hospedagem. + 10% Prêm io de perform ance, sobre o resultado operacional. Remuneração dos Proprietários 100% do resultado líquido final será distribuído, em sua integralidade, aos Proprietários a título de dividendos. A rem uneração dos investidores será com plem entada ainda por um pagam ento sim bólico referente ao aluguel anual das Unidades Im obiliárias de acordo com sua fração ideal do terreno em relação ao im óvel, conform e cláusulas 2.1 e 2.5 do Contrato de Locação. Os referidos CIC são com postos por 4 contratos a serem ofertados publicam ente e em conjunto, enquadrando-se, assim, no conceito de valor m obiliário previsto no inciso IX do art. 2º da Lei nº 6.385/76, são eles: (i) Contrato de Com prom isso de Venda e Com pra de Unidade Autônom a e Outros Pactos - Royal Cam pinas Sul [2] ( Prom essa de Com pra e Venda ), (ii) Contrato de Constituição de Sociedade em Conta de Participação - Hotel Royal Palm Tower ( Contrato de Constituição de SCP ), (iii) Contrato de Locação ( Contrato de Locação ) e (iv) Term o de Adesão ao Contrato de Constituição de SCP ( Term o de Adesão ). Os docum entos que instruem o pedido são os seguintes: (i) (ii) (iii) (iv) (v) (vi) (vii) (viii) (ix) (x) (xi) Procuração da Requerente a seus advogados; Prospecto Resum ido da Distribuição de Unidades Im obiliárias do Em preendim ento Im obiliário Hotel Royal Palm Tower ( Prospecto Resum ido ); Mem orial de Incorporação registrado sob R.04, AV. 05 na m atrícula nº , em 11 de agosto de 2014, do 3º Registro de Im óveis da Cidade de Cam pinas, SP ( Mem orial de Incorporação ); Prom essa de Com pra e Venda; Convenção de Condom ínio do Em preendim ento; Contrato de Constituição de SCP; Contrato de Locação a ser assinado pela Sócia Ostensiva[3], com o locatário, e pela Odebrecht Realizações Im obiliárias e Participações S.A.[4], com o locadora; Term o de Adesão; Estudo de Viabilidade Econôm ico-financeira; Declaração de Veracidade das Inform ações Prestadas pelos Ofertantes; Contrato Social da Requerente; e

2 (xii) Declaração do Investidor. A Requerente baseia seu pedido de dispensa principalm ente nos três pontos a seguir: Oferta de unidades autônom as do em preendim ento; Atendim ento aos requisitos necessários à concessão de dispensa de registro de oferta exigidos por essa autarquia, quais sejam : (i) interesse público; (ii) adequada inform ação; e (iii) proteção ao investidor; Destinação da oferta a investidores que subscrevam o valor m ínim o de aquisição de um a unidade hoteleira. 2. Oferta de unidades autônomas do empreendimento: Em relação a este tópico, a Requerente, após citar com o precedentes as ofertas de CIC referentes aos em preendim entos Rio Business Soft Inn e Condom ínio Hotel Praia Form osa, am bos dispensadas de registro pelo Colegiado da CVM, afirm a, em resum o, o seguinte: Da m esm a form a pela qual a ORRJ 04 estruturou o Praia Form osa (Empreendimento cuja oferta foi dispensada de registro em reunião do Colegiado da CVM realizada em ), a SPCIA 03 planejou o investim ento a ser feito no Em preendim ento da seguinte form a: aquisição de 226 (duzentas e vinte e seis) unidades im obiliárias autônom as do Em preendim ento e adesão em sociedade em conta de participação. A form alização do negócio se dará nos term os descritos no Prospecto Resum ido, ofertado pela Incorporadora SPCIA 03 Em preendim ento Im obiliário Ltda. ( Oferta ). Desse m odo, o investidor do Em preendim ento irá adquirir quartos do hotel, cuja propriedade será regida pelo direito im obiliário. Ou seja, trata-se da aquisição de unidades im obiliárias hoteleiras autônom as com m atrículas específicas, separadas e diversas da m atrícula do terreno no qual o Em preendim ento está localizado. Mediante a aquisição da propriedade real da unidade autônom a de m atrícula(s) individualizada(s), o investidor deverá, necessariam ente, adquirir um a quantidade de cotas partes na sociedade em conta de participação que corresponder à respectiva fração ideal de terreno de cada unidade autônom a que vier a ser adquirida por ele, m ultiplicada por m il, conform e estabelecido na Cláusula 4.2. do Contrato de Constituição de SCP. Em síntese, o objetivo da com ercialização da cota parte é de servir com o veículo para a obtenção das receitas do Em preendim ento, decorrentes da exploração do em preendim ento hoteleiro pelo operador. Note-se que não haverá com ercialização da cota parte da sociedade em conta de participação segregada da unidade im obiliária autônom a. Tam pouco haverá com ercialização desta sem aquela. Am bas, são interdependentes e, em últim a análise, fundam entadas em um direito de propriedade im obiliária individual e não divisível. Nesses term os, observa-se que a Oferta tem características idênticas às do Praia Form osa. Tal qual no Praia Form osa, no caso em tela, o investidor terá que pagar um valor fixo à SPCIA 03 para que receba, em contrapartida, a propriedade de um a unidade im obiliária hoteleira autônom a do Em preendim ento dotada de m atrícula individualizada. Há, portanto, um direito real de natureza im obiliária autônom o no Em preendim ento. 3. Atendimento aos requisitos necessários à concessão de dispensa de registro de oferta exigidos pela CVM: Em relação a este tópico, a Requerente afirm a, em resum o, o seguinte: O artigo 4º da Instrução CVM nº 400/03 aduz que considerando as características da oferta pública de distribuição de valores m obiliários, a CVM poderá, a seu critério e sem pre observados o interesse público, a adequada inform ação e a proteção ao investidor, dispensar o registro ou alguns dos requisitos, inclusive publicações, prazos e procedim entos previstos nesta Instrução. Restará dem onstrado abaixo que a Oferta atende aos requisitos necessários à concessão de dispensa de registro de oferta exigidos por essa autarquia, quais sejam : (i) interesse público; (ii) adequada inform ação; e (iii) proteção ao investidor Interesse Público: Todas as etapas necessárias à viabilização do Em preendim ento, desde a construção até a operação, dem andarão um num eroso contingente de m ão de obra. Sendo assim, os esforços para a construção e operação do Em preendim ento gerarão um núm ero relevante de em pregos. A oferta de novos em pregos, que já é um ganho social por si só, beneficiará de m odo direto a vida da população local e regional. Além disso, a viabilização do Em preendim ento atrairá grande quantidade de turistas e executivos à região na qual o Em preendim ento está localizado. A chegada desses turistas e executivos criará, por sua vez, um im portante m ercado consum idor que trará ganhos à econom ia local e regional. Portanto, pelos m otivos expostos neste item 3.1., resta com provado que a possibilidade de realização de investim entos no Em preendim ento em tem po hábil atende não som ente a interesses privados das pessoas físicas e jurídicas envolvidas na construção e operação do Em preendim ento com o, tam bém, a interesses públicos. Desse m odo, encontra-se atendido o requisito de observância do interesse público para a dispensa de registro de oferta pública de valores m obiliários prevista no artigo 4º da Instrução CVM nº 400/ Adequada Informação: O presente pedido de dispensa tem com o anexo o Prospecto Resum ido, que já inclui um estudo de viabilidade econôm ico-financeira. Tendo em vista o conteúdo dos docum entos m encionados neste item 3.2., que seguem anexos ao presente Pedido

3 de Dispensa, conclui-se com o inequívoca a observância, pela Oferta, do requisito de adequada inform ação previsto no artigo 4º da Instrução CVM nº 400/ Prospecto Resumido: O Prospecto Resum ido foi preparado com o intuito de cum prir os preceitos do art. 4º da Instrução CVM nº 400/03 e traz, em seu conteúdo, um sum ário dos term os e condições da Oferta no qual são descritos, dentre outros: (a) quem são os ofertantes; (b) a espécie de valor m obiliário ofertado; (c) os regim es jurídicos e contratuais que disciplinam a Oferta; (d) a quantidade de unidades im obiliárias ofertadas; (e) os pontos principais do Contrato de Constituição de SCP e do Contrato de Locação; (f) com o se dá a representação dos Proprietários perante a Sócia Ostensiva na SCP; (g) a rem uneração dos proprietários dos valores m obiliários; (h) os custos, aportes, despesas, taxas ou retenções de lucros que sejam ou possam vir a ser arcados pelos proprietários; (i) o preço e form a de pagam ento das unidades im obiliárias ofertadas; (j) o prazo da Oferta; (k) o público alvo da Oferta; (l) a destinação dos recursos obtidos pelos ofertantes; (m ) resum idam ente, o papel desem penhado pelo Asset Manager e pela Sócia Ostensiva; (n) a rem uneração da Sócia Ostensiva da sociedade em conta de participação criada pelo Contrato de Constituição de SCP; (o) rem uneração da operadora do Em preendim ento; (p) os investidores que não atendem ao perfil da Oferta; e (q) a data estim ada de lançam ento do Em preendim ento. Além disso, o Prospecto Resum ido traz com o anexos, dentre outros docum entos: (i) os contratos que regem as relações jurídicas do Em preendim ento; (ii) estudo de viabilidade econôm ico financeira; e a (iii) declaração de veracidade das inform ações prestadas pelos ofertantes elaborada com base no artigo 56 da Instrução CVM nº 400/03 ( Declaração de Veracidade ). Adicionalm ente, os fatores de risco aplicáveis à Oferta, à SPCIA 03 e seu controlador, ao m ercado im obiliário, ao setor hoteleiro e ao Em preendim ento são detalhados no Prospecto Resum ido. Um dos fatores de risco contidos no Prospecto Resum ido diz respeito, inclusive, à possibilidade de o investidor ter que realizar, em casos específicos, aportes financeiros na sociedade em conta de participação criada nos term os do Contrato de Constituição de SCP ( SCP ). Em obediência ao artigo 5º, parágrafo 7º, da Instrução CVM nº 400/03, as inform ações constantes do Prospecto Resum ido são verdadeiras, com pletas, consistentes e não induzem o investidor a erro sendo a elaboração do seu texto realizada de form a sim ples, clara, objetiva, serena e m oderada, advertindo os eventuais leitores dos riscos do investim ento na Oferta Declaração do Investidor: A Declaração do Investidor foi elaborada nos term os do inciso I, do parágrafo 4º, do artigo 4º da Instrução CVM nº 400/03. Todos os adquirentes das Unidades Im obiliárias deverão assinar a Declaração do Investidor atestando que: (i) têm conhecim ento e experiência em finanças e negócios suficientes para avaliar os riscos e o conteúdo da Oferta, inclusive, m as não se lim itando, aos fatores de risco indicados na própria Declaração do Investidor, que constituem reprodução integral dos fatores de risco descritos no Prospecto Resum ido, e que são capazes de assum ir tais riscos; (ii) tiveram am plo acesso às inform ações que julgam necessárias e suficientes para a decisão de investim ento, notadam ente aquelas norm alm ente fornecidas no Prospecto Resum ido, no Estudo de Viabilidade Econôm ico Financeira do Em preendim ento e nos contratos que regem as relações jurídicas do Em preendim ento ; e (iii) têm conhecim ento de que a situação da Oferta se trata de hipótese de dispensa de registro ou de requisitos, conform e o caso Proteção ao Investidor: A atividade de incorporação im obiliária no Brasil é praticada há décadas e o setor conta com inúm eras em presas. Assim com o ocorre nos m ercados im obiliários dos países m ais desenvolvidos, a figura do incorporador im obiliário é fundam ental no m ercado im obiliário. Recai sobre a incorporadora toda a tarefa de estruturação do em preendim ento e de coordenação do processo de estruturação do produto im obiliário, ainda que, após a entrega do Em preendim ento, a Incorporadora som ente se responsabilize pela obra nos term os da legislação vigente e não m ais por qualquer outra receita relacionada ao Em preendim ento. A lei que regulam entou a incorporação im obiliária foi a Lei de Condom ínio e Incorporações. No parágrafo único do seu artigo 28, a referida lei define a incorporação im obiliária da seguinte form a: Art. 28. As incorporações imobiliárias, em todo o território nacional, reger-se-ão pela presente Lei. Parágrafo único. Para efeito desta Lei, considera-se incorporação imobiliária a atividade exercida com o intuito de promover e realizar a construção, para alienação total ou parcial, de edificações ou conjunto de edificações compostas de unidades autônomas.(destacamos) Conform e já m encionado, no caso em tela, a SPCIA 03 é a incorporadora responsável pelo desenvolvim ento da incorporação e construção do Em preendim ento. Consequentem ente, a Oferta já se encontra regulam entada pela Lei de Condom ínio e Incorporações e, da m esm a form a, os subscritores da Oferta se encontram tutelados por tal lei. Diferentem ente de outros em preendim entos lançados no m ercado, o Em preendim ento em questão, enfatize-se, envolve a venda de unidades im obiliárias, com registro e m atrículas individualizadas, e não da venda de quotas em sociedades ou frações ideais de um único im óvel. Portanto, o investidor é protegido, dentre outras: (i) pela Lei de Condom ínio e Incorporações e suas decorrências, incluindo as garantias atreladas ao patrim ônio de afetação[5], instituído no Em preendim ento, conform e item 6.3.[6] da Prom essa de Com pra e Venda; (ii) pela Lei nº 6.530, de 12 de m aio de 1978, conform e alterada, ( Lei dos Corretores de Im óveis ) que estabelece um a série de obrigações e responsabilidades ao interm ediário da venda de unidades im obiliárias; e (iii) pela retenção da propriedade im obiliária, que concentra o risco principalm ente na rentabilidade (expectativa de ganho), preservando o valor investido (observadas eventuais oscilações do m ercado im obiliário, com um à aquisição de qualquer ativo im obiliário, seja ou não valor m obiliário). Finalm ente, a Oferta é regida, tam bém, pelos seguintes instrum entos contratuais: (a) Mem orial de Incorporação;

4 (b) Prom essa de Com pra e Venda; (c) Convenção de Condom ínio ; (d) Contrato de Constituição de SCP ; (e) Contrato de Locação ; e (f) Term o de Adesão. Vê-se, portanto, que não se está à frente de um a relação jurídica carente de tutela; ao contrário, há um feixe com plexo e com pleto de norm as que incide sobre a Oferta. Sendo assim, conclui-se que a Oferta observa o requisito de proteção ao investidor previsto no artigo 4º da Instrução CVM nº 400/ Destinação da oferta a investidores que subscrevam o valor mínimo de aquisição de uma unidade hoteleira: Em relação a este tópico, a Requerente afirm a, em resum o, o seguinte: A Oferta será destinada tão som ente aos investidores que subscrevam o valor m ínim o de aquisição de, ao m enos, um a unidade im obiliária do Em preendim ento. O investim ento na Oferta ocorre m ediante o pagam ento de um valor fixo m ínim o correspondente a um a unidade hoteleira autônom a. A partir do pagam ento inicial, o investidor receberá, em contrapartida, a propriedade da unidade hoteleira autônom a desejada. Realizada a subscrição, o investidor assinará os dem ais contratos que regem o Em preendim ento e estará apto a auferir os rendim entos descritos no Prospecto Resum ido. Sendo assim, infere-se que, ao investir na Oferta, o adquirente não estará subscrevendo apenas um a parcela ou um a fração de um terreno ou um a sociedade. Tal investidor estará, na realidade, adquirindo a totalidade da propriedade de um a unidade autônom a hoteleira do Em preendim ento com m atrícula individualizada. Um a unidade autônom a do Em preendim ento som ente poderá ser adquirida pelo preço m ínim o de R$ ,00 (quinhentos e oitenta e sete m il e quarenta e cinco reais) sujeito a eventuais descontos, o que já é um valor suficiente para a caracterização de um investidor com o sendo um investidor sofisticado. 5. Outras Dispensas 5.1. Dispensa de contratação de intermediário: Ao m esm o tem po em que estabelece que a distribuição pública de valores m obiliários som ente pode ser efetuada com a interm ediação das instituições integrantes do sistem a de distribuição de valores m obiliários, o artigo 3º, parágrafo 2º, da Instrução CVM nº 400/03 dispõe que tal requisito pode ser dispensado nos term os do artigo 4º da Instrução CVM nº 400/03. Por ser a Oferta destinada a um perfil diferenciado de investidores torna-se desnecessária a atuação de um a instituição financeira interm ediária. Para o caso específico da Oferta é suficiente a interm ediação de corretores de im óveis e sociedades de corretores de im óveis. Ainda que a Oferta já seja estruturada sob o regim e jurídico da Lei dos Corretores de Im óveis, a SPCIA 03 perm anece responsável, nos term os do artigo 56 da Instrução CVM nº 400/03, pela veracidade, consistência, qualidade e suficiência das inform ações prestadas por ocasião da Oferta, conform e inform ado na Declaração de Veracidade. Im portante ressaltar que, desde a prom ulgação da Jobs Act, em abril de 2012, que alterou a Securities Act de 1933, a jurisprudência dos tribunais norte am ericanos vêm concedendo a dispensa da atuação de instituição interm ediária para ofertas nas quais as vendas dos valores m obiliários sejam realizadas apenas para os Accredited Investors. Finalm ente, o tem po indeterm inado da Oferta torna inviável a m anutenção da contratação da instituição interm ediária. Tal obrigatoriedade acarretaria grandes custos e ônus às ofertantes. Desse m odo, a interm ediação da Oferta será realizada exclusivam ente por corretores de im óveis e sociedades corretoras de im óveis Dispensa de observância dos prazos previstos nos artigos 17 e 18 da instrução CVM nº 400/03: O artigo 17 da Instrução CVM nº 400/03 aduz que o registro de distribuição de valores m obiliários caducará se o Anúncio de Início de Distribuição e o Prospecto ou o Suplem ento de que trata o artigo 13 não forem divulgados até 90 (noventa) dias após a sua obtenção. Já o artigo 18 estabelece que a subscrição ou aquisição dos valores m obiliários objeto da oferta de distribuição deverá ser realizada no prazo m áxim o de 6 (seis) m eses, contado da data de publicação do Anúncio de Início da Distribuição. Não obstante as disposições regulam entares acim a transcritas, conclui-se que tais prazos se aplicam tão som ente às ofertas que tenham sido registradas e tem por objetivo a preservação da atualização das inform ações apresentadas em virtude da análise do pedido de registro de oferta. De qualquer form a, a SPCIA 03 se dispõe, de m odo a m anter a atualidade das inform ações fornecidas aos investidores a: (i) revisar o estudo de viabilidade econôm ico financeira anualm ente durante todo o prazo de duração da Oferta e atualizar o docum ento, caso necessário; (ii) a atualizar o Prospecto Resum ido sem pre que sobrevier qualquer alteração relevante na Oferta que dem ande a alteração do docum ento; e (iii) elaborar e divulgar as dem onstrações financeiras anuais e as inform ações financeiras trim estrais da SCP, auditadas por auditores independentes registrados na CVM, durante toda a vida útil do Em preendim ento Dispensa de registro de emissor de valores mobiliários O registro de com panhia aberta devidam ente atualizado da ofertante é requisito para o registro de oferta pública, de acordo com o item 11 do Anexo 2 da Instrução CVM nº 400/03. Porém, tendo em vista que o caso em tela trata de um a oferta cujo registro deverá ser dispensado, decorre que o registro de em issor tam bém deverá ser dispensado. 6. Mercado Secundário A alienação das unidades im obiliárias autônom as no m ercado secundário deverá obedecer aos procedim entos

5 aplicáveis a qualquer outra transm issão de im óvel, inclusive a averbação de tal transferência no com petente cartório de registro de im óveis. Por esse m otivo, não há necessidade de serem estabelecidas norm as específicas para a negociação das unidades im obiliárias no m ercado secundário. 7. Pedidos Com base no exposto, a Requerente conclui o pleito em exam e com os seguintes pedidos: Que seja recebido o presente Pedido de Dispensa; Que seja concedida à Oferta a dispensa de registro de oferta pública de valores m obiliários, nos term os do artigo 4º, parágrafo prim eiro, incisos II, VI e VII da Instrução CVM nº 400/03; Que seja concedida a dispensa da necessidade de elaboração de form ulário de referência; Que seja concedida a dispensa da necessidade de contratação de instituição financeira integrante do sistem a de distribuição de valores m obiliários, na form a do artigo 3º, parágrafo 2º e do artigo 4º da Instrução CVM nº 400/03, podendo a venda das unidades im obiliárias ser feita por m eio de corretores e sociedades corretoras de im óveis; Que seja concedida a dispensa do cum prim ento dos prazos de duração da oferta estabelecidos nos artigos 17 e 18 da Instrução CVM nº 400/03, nos term os do artigo 8º, inciso II e artigo 19, parágrafo 5º, da Lei de 1976, de 7 de dezem bro de 1976, conform e alterada; e Que seja concedida a dispensa do registro de em issor de valores m obiliários, nos term os de precedentes julgados de form a favorável nesta Autarquia; 8. Análise da área técnica 8.1. Dispensa de Registro de Oferta A Instrução CVM nº 400/03, no seu art. 4º, prevê a possibilidade de dispensa de registro de oferta pública de distribuição de valores m obiliários, conform e segue: DISPENSA DE REGISTRO OU DE REQUISITOS Art. 4º Considerando as características da oferta pública de distribuição de valores mobiliários, a CVM poderá, a seu critério e sempre observados o interesse público, a adequada informação e a proteção ao investidor, dispensar o registro ou alguns dos requisitos, inclusive publicações, prazos e procedimentos previstos nesta Instrução. 1º Na dispensa mencionada no caput, a CVM considerará, cumulativa ou isoladamente, as seguintes condições especiais da operação pretendida: I - REVOGADO II - o valor unitário dos valores mobiliários ofertados ou o valor total da oferta; III - o plano de distribuição dos valores mobiliários (art. 33, 3º); IV - a distribuição se realizar em mais de uma jurisdição, de forma a compatibilizar os diferentes procedimentos envolvidos, desde que assegurada, no mínimo, a igualdade de condições com os investidores locais; V - características da oferta de permuta; VI - o público destinatário da oferta, inclusive quanto à sua localidade geográfica ou quantidade; ou VII - ser dirigida exclusivamente a investidores qualificados. 2º O pedido de dispensa de registro ou de requisitos do registro será formulado pelo ofertante, e pela instituição intermediária, se for o caso, em documento fundamentado, nos termos do Anexo I, que conterá as justificativas identificadas pelos requerentes para a concessão da dispensa, aplicandose na análise os prazos previstos nos arts. 8º e 9º. 3º Fica facultada a apresentação do pedido de registro de distribuição conjunta e simultaneamente ao pedido de dispensa de requisitos de registro. 4º Na hipótese de dispensa de requisitos de registro com base no inciso VII do 1º, deverá ser, adicionalmente, observado o seguinte: I - o ofertante apresentará à CVM, juntamente com o pedido fundamentado mencionado no 2º deste artigo, modelo de declaração a ser firmado pelos subscritores ou adquirentes, conforme o caso, da qual deverá constar, obrigatoriamente, que: a) têm conhecimento e experiência em finanças e negócios suficientes para avaliar os riscos e o conteúdo da oferta e que são capazes de assumir tais riscos; b) tiveram amplo acesso às informações que julgaram necessárias e suficientes para a decisão de investimento, notadamente aquelas normalmente fornecidas no Prospecto; e

6 c) têm conhecimento de que se trata de hipótese de dispensa de registro ou de requisitos, conforme o caso; II - todos os subscritores ou adquirentes dos valores mobiliários ofertados firmarão as declarações indicadas no inciso I deste parágrafo, as quais deverão ser inseridas nos boletins de subscrição ou recibos de aquisição, ou no termo de adesão e ciência de risco, no caso de oferta de cotas de emissão de fundos de investimento; e III - REVOGADO IV - os prazos de análise previstos no 3º do art º Nas hipóteses de dispensa de registro ou de requisitos previstas neste artigo, a CVM pode impor restrições à negociação dos valores mobiliários em mercados regulamentados. Tal dispositivo aponta expressam ente as prem issas a serem observadas na consecução da referida dispensa, a saber: o interesse público, a adequada inform ação e a proteção ao investidor. No caso em exam e, parece-nos que tais prem issas são observadas: (i) o interesse público, haja vista os esforços governam entais que vêm ocorrendo visando à expansão da rede hoteleira do País; (ii) a adequada inform ação e proteção ao investidor, na m edida em que a estruturação da Oferta prevê providências com o a entrega de prospecto resum ido com a descrição da oportunidade de investim ento, as prem issas do negócio e os fatores de risco associados, bem com o do Estudo de Viabilidade do Em preendim ento, além da assinatura de um a declaração nos m oldes do Inciso I do 4º do art. 4º da Instrução CVM 400 transcrito acim a. Indo além na análise do pedido à luz do preceito regulam entar, observa-se que o 1º do art. 4º da Instrução CVM nº 400/03 im põe que a Autarquia deverá considerar, na análise do pedido, cum ulativa ou isoladam ente, algum as condições especiais da operação pretendida, entre as quais o valor unitário dos valores m obiliários ofertados (inciso II), o público destinatário da oferta (inciso VI), e a circunstância de ser dirigida exclusivam ente a investidores qualificados (inciso VII). Nesse sentido, a SRE entende que a estrutura da Oferta em exam e, ao ter com o investim ento valor unitário m ínim o de R$ ,00, estando esse valor sujeito a eventuais descontos, atende razoavelm ente aos requisitos dos incisos II, VI e VII. Parece-nos tam bém estarem atendidos satisfatoriam ente os incisos citados acim a, tendo em vista a obrigatoriedade dos investidores, ao aceitarem a Oferta, de (i) assinar declaração atestando que têm conhecim ento e experiência em finanças e negócios suficientes para avaliar os riscos e o conteúdo da oferta, que são capazes de assum ir tais riscos; tiveram am plo acesso às inform ações que julgam necessárias e suficientes para a decisão de investim ento, notadam ente aquelas norm alm ente fornecidas no Prospecto Resum ido, no Estudo de Viabilidade Econôm ico Financeira do Em preendim ento e nos contratos que regem as relações jurídicas do Em preendim ento; e têm conhecim ento de que a situação da Oferta se trata de hipótese de dispensa de registro ou de requisitos, conform e o caso, além de (ii) rubricar um docum ento descrevendo os principais fatores de risco que envolvem o investim ento. Por oportuno, a SRE inform a ao Colegiado a aprovação, por esta área técnica, do conteúdo dos docum entos que suportam o pedido, relacionados no item 1 acim a, aprovação esta fundada nos princípios consagrados pela Instrução CVM nº 400/03 que norteiam o exam e de docum entos de ofertas públicas de distribuição de valores m obiliários subm etidas a registro. Ao fim, para garantir a adequada prestação de inform ações aos investidores, a SRE propõe ao Colegiado que o deferim ento do pleito da Requerente tam bém seja condicionado à prévia aprovação, por esta área técnica, dos m ateriais de divulgação da Oferta ainda não subm etidos à SRE, que deverão ser elaborados nos term os do art. 50 da Instrução CVM nº 400/03, e conter, em todas as páginas, o disclaimer previsto no art. 5º, 8º, II, da Instrução CVM nº 400/03[7] Dispensa da necessidade de elaboração de formulário de referência: Esta área técnica ratifica os argum entos da Requerente, concordando com a dispensa pleiteada, conform e já ocorrido nos julgam ento dos pedidos de dispensa encam inhados através dos processos: RJ , RJ , RJ , RJ e RJ , todos deferidos em reuniões do Colegiado da CVM Dispensa de Contratação de Intermediário Quanto ao pedido de dispensa de contratação de interm ediação por instituição integrante do sistem a de distribuição de valores m obiliários, verificam os prelim inarm ente que tal pedido é adm itido pelo art. 3º, 2º, da Instrução CVM nº 400/03, que estabelece: Art. 3º (...) 2º A distribuição pública de valores m obiliários som ente pode ser efetuada com interm ediação das instituições integrantes do sistem a de distribuição de valores m obiliários ( Instituições Interm ediárias ), ressalvadas as hipóteses de dispensa específica deste requisito, concedidas nos termos do art. 4º (grifam os). No m érito, entendem os que as particularidades do público alvo da Oferta devem pautar o exam e desse pleito. Nesse sentido, alega a Requerente que a presença de instituição financeira interm ediária seria dispensável, sendo suficiente a interm ediação de corretores de im óveis e sociedades de corretores de im óveis. Além disso, o tem po indeterm inado da Oferta tornaria inviável a m anutenção de contratação de instituição interm ediária. Adem ais, é de se notar que a Requerente continuará responsável, nos term os do art. 56 da Instrução CVM nº 400/03, pela veracidade, consistência, qualidade e suficiência das inform ações prestadas por ocasião da Oferta, conform e declaração assinada.

7 Esta área técnica ratifica os argum entos da Requerente, concordando com a dispensa pleiteada, conform e já ocorrido nos julgam ento dos pedidos de dispensa encam inhados através dos processos: RJ , RJ , RJ , RJ e RJ , todos deferidos em reuniões do Colegiado da CVM Dispensa de Registro de Emissor de Valores Mobiliários O registro de em issor de valores m obiliários é um requisito do registro da oferta, em conform idade com o item 11 do Anexo 2 da Instrução CVM nº 400/03. Analogam ente, para um a oferta dispensada de registro, entendem os que o registro de em issor tam bém pode ser dispensado. Fenôm eno sem elhante é verificado na Instrução CVM nº 476/09, que dispensa de registro as ofertas públicas de valores m obiliários distribuídas com esforços restritos. Lá, a dispensa do registro da oferta de valores m obiliários im plica na dispensa do registro de em issor, nos term os de seu art. 14, segundo o qual os valores m obiliários ofertados de acordo com esta Instrução poderão ser negociados nos m ercados de balcão organizado e nãoorganizado, m as não em bolsa, sem que o em issor possua o registro de que trata o art. 21 da Lei nº 6.385, de 1976, isto é, o registro de em issor. Por outro lado, o art. 17 da Instrução CVM nº 476/09 im põe, ao em issor de valores m obiliários ofertados na form a dessa Instrução, as obrigações de subm eter suas dem onstrações financeiras a auditoria, por auditor registrado na CVM (inciso II) e divulgar suas dem onstrações financeiras... em sua página na rede m undial de com putadores (inciso III). Tratam ento sem elhante é dado, no presente caso, às inform ações financeiras do em preendim ento investido, na form a do capítulo XI, Dem onstrações Financeiras, do Contrato de Constituição de SCP, no qual a Sócia Ostensiva obriga-se a: A RPPPE[8] será responsável pela elaboração e divulgação das demonstrações financeiras anuais e das informações financeiras trimestrais da SCP HOTEL B[9] As demonstrações financeiras anuais deverão ser auditadas por auditor independente registrado na CVM, assim como deverão ser divulgadas, acompanhadas de notas explicativas e parecer dos auditores independentes, na página da rede mundial de computadores bem como no jornal Correio Popular, no prazo de três meses contados do encerramento do exercício social da SCP As informações financeiras trimestrais deverão ser revisadas por auditor independente registrado na CVM, assim como divulgadas, acompanhadas de notas explicativas e relatórios dos auditores independentes na página da rede mundial de computadores bem como no jornal Correio Popular, no prazo de quarenta e cinco dias contados do encerramento de cada trimestre do exercício social da SCP A elaboração das demonstrações financeiras anuais e das informações financeiras trimestrais mencionadas neste item 11 deverá seguir, conforme aplicável, a forma prevista na Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme alterada As demonstrações financeiras anuais e das informações financeiras trimestrais mencionadas neste item 11 deverão permanecer disponíveis na página da rede mundial de computadores por 3 (três) anos a contar da data das suas respectivas divulgações. Esta área técnica ratifica os argum entos da Requerente, concordando com a dispensa pleiteada, conform e já ocorrido nos julgam ento dos pedidos de dispensa encam inhados através dos processos: RJ , RJ , RJ , RJ e RJ , todos deferidos em reuniões do Colegiado da CVM Dispensa de observância aos prazos estabelecidos nos art. 17 e 18 da Instrução CVM nº 400/03: Quanto ao pedido de dispensa de observância aos prazos estabelecidos nos art. 17 e 18 da Instrução CVM nº 400/03[10], entendem os que tal prazo é aplicável a ofertas registradas, visando à preservação da atualização das inform ações apresentadas por ocasião da análise do pedido de registro da oferta. Entendem os prudente que os inform ativos relacionados ao Em preendim ento sejam revisados durante todo o período em que a Oferta estiver se realizando, de m odo a m anter a atualidade das inform ações fornecidas aos investidores. Esta área técnica ratifica os argum entos da Requerente, concordando com a dispensa pleiteada, conform e já ocorrido nos julgam ento dos pedidos de dispensa encam inhados através dos processos: RJ , RJ , RJ , RJ e RJ , todos deferidos em reuniões do Colegiado da CVM. 9. Conclusão Entendem os que o presente caso não dem anda a adoção dos condicionantes aplicados à dispensa deferida na Reunião Extraordinária do Colegiado da CVM de , quais sejam, destinação exclusiva a investidores que se enquadrem no conceito de investidor qualificado previsto no art. 109 da Instrução CVM nº 409/04, e ainda possuam ao m enos R$ 1,5 m ilhão de patrim ônio; ou, alternativam ente, invistam ao m enos R$ 1 m ilhão na Oferta em questão. Isto porque estão sendo ofertadas unidades autônom as individualizadas, cujo preço - valor unitário m ínim o de R$ ,00, sujeito a eventuais descontos - já estabelece previam ente um a seleção de investidores. Além disso, o condom ínio de unidades autônom as goza da proteção da Lei de Incorporações[11], o que não ocorre no m odelo de frações, em bora am bos necessitem seguir os ditam es da Lei nº 6.385/76 para suprir os investidores das inform ações relativas ao em preendim ento hoteleiro, que não são contem pladas pela Lei de Incorporações[12]. Por todo o exposto, esta SRE propõe ao Colegiado o deferim ento do pleito em exam e, condicionado à prévia

8 aprovação, pela área técnica, dos m ateriais de divulgação a serem utilizados na Oferta. Deste m odo, enviam os a presente solicitação ao Superintendente Geral, para que seja subm etida ao Colegiado desta CVM, atuando a SRE com o relatora. Atenciosam ente Reginaldo Pereira de Oliveira Superintendente de Registro de Valores Mobiliários [1] Representando a Royal Palm Plaza Participações e Em preendim entos Ltda. Condom ínio B SCP, constituída pela assinatura do Contrato de Constituição de SCP, tendo com o sócia ostensiva a Royal Palm Plaza Participações e Em preendim entos Ltda. e com o sócios participantes os proprietários e titulares de direitos aquisitivos sobre as unidades autônom as. [2] Tratam ento dado ao Hotel Royal Palm Tower no Contrato de Com pra e Venda. [3] Representando a Royal Palm Plaza Participações e Em preendim entos Ltda. Condom ínio B SCP. [4] Representando, em um prim eiro m om ento, os proprietários e titulares dos direitos aquisitivos sobre as unidades autônom as. [5] Lei 4.591, Art. 31-A. A critério do incorporador, a incorporação poderá ser subm etida ao regim e da afetação, pelo qual o terreno e as acessões objeto de incorporação im obiliária, bem com o os dem ais bens e direitos a ela vinculados, m anter-se-ão apartados do patrim ônio do incorporador e constituirão patrim ônio de afetação, destinado à consecução da incorporação correspondente e à entrega das unidades im obiliárias aos respectivos adquirentes. (Incluído pela Lei nº , de 2004) 1 o O patrim ônio de afetação não se com unica com os dem ais bens, direitos e obrigações do patrim ônio geral do incorporador ou de outros patrim ônios de afetação por ele constituídos e só responde por dívidas e obrigações vinculadas à incorporação respectiva. [6] 6.3. A Vendedora subm eteu totalm ente a presente incorporação im obiliária ao regim e do Patrim ônio de Afetação, regrado pela Lei Federal n.º /04, cujo terreno e acessões (construções) objeto da incorporação, bem com o os dem ais direitos, m anter-se-ão apartados do patrim ônio do incorporador, não respondendo por suas dívidas, m as apenas se vinculadas ao Em preendim ento, sendo certo que o próprio incorporador responde por danos que causar ao patrim ônio de afetação, requerendo a com petente averbação ao pé da m atrícula. [ 7 ] A PRESENTE OFERTA FOI DISPENSADA DE REGISTRO PELA CVM. A CVM NÃO GARANTE A VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS PELO OFERTANTE NEM JULGA A SUA QUALIDADE OU A DOS VALORES MOBILIÁRIOS OFERTADOS. [8] Royal Palm Plaza Participações e Em preendim entos Ltda. [9] SCP constituída pela assinatura do Contrato de Constituição de SCP, tendo com o sócia ostensiva a Royal Palm Plaza Participações e Em preendim entos Ltda. e com o sócios participantes os proprietários e titulares de direitos aquisitivos sobre as unidades autônom as. [10] Art. 17. O registro de distribuição de valores m obiliários caducará se o Anúncio de Início de Distribuição e o Prospecto ou o Suplem ento de que trata o art. 13 não forem divulgados até 90 (noventa) dias após a sua obtenção. Art. 18. A subscrição ou aquisição dos valores m obiliários objeto da oferta de distribuição deverá ser realizada no prazo m áxim o de 6 (seis) m eses, contado da data de publicação do Anúncio de Início de Distribuição. [11] Conform e artigo 1º da Lei nº 4.591/64: Art. 1º As edificações ou conjunto de edificações, de um ou m ais pavim entos, construídos sob a form a de unidades isoladas entre si, destinadas a fins residenciais ou nãoresidenciais, poderão ser alienados, no todo ou em parte, objetivam ente considerados, e constituirá, cada unidade, propriedade autônom a sujeita às lim itações desta Lei. [12] O artigo 32 da Lei nº 4.591/64 traz a relação de docum entos a serem arquivados no Registro de Im óveis, nenhum deles relacionado à atividade econôm ica a ser desenvolvida no im óvel.

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10139. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/6202. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças;

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças; Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 49/2014 De: SRE Data: 06.08.2014 Assunto: Processo CVM RJ2014/6342. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

Memorando nº 4/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2015. Para: SGE De: SRE

Memorando nº 4/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2015. Para: SGE De: SRE 1 de 9 05/03/2015 10:55 Memorando nº 4/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 28 de janeiro de 2015. Para: SGE De: SRE Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/10089. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de

Leia mais

Memorando nº 8/2015-CVM/SRE. Rio de Janeiro, 04 de fevereiro de 2015. Para: SGE De: SRE

Memorando nº 8/2015-CVM/SRE. Rio de Janeiro, 04 de fevereiro de 2015. Para: SGE De: SRE Memorando nº 8/2015-CVM/SRE Para: SGE De: SRE Rio de Janeiro, 04 de fevereiro de 2015. Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10045. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores

Leia mais

Memorando nº 12/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2015.

Memorando nº 12/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2015. Memorando nº 12/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2015. Para: SGE De: SRE Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/12022. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 734, DE 17 DE MARÇO DE 2015

DELIBERAÇÃO CVM Nº 734, DE 17 DE MARÇO DE 2015 DELIBERAÇÃO CVM Nº 734, DE 17 DE MARÇO DE 2015 Delega competência à Superintendência de Registro de Valores Mobiliários para conceder dispensas em ofertas públicas de distribuição de contratos de investimento

Leia mais

Memorando nº 14/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 12 de março de 2015.

Memorando nº 14/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 12 de março de 2015. 1 de 14 11/05/2015 11:36 Memorando nº 14/2015-CVM/SRE Rio de Janeiro, 12 de março de 2015. Para: SGE De: SRE Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10389. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15.

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. Inclui, revoga e altera dispositivos na Instrução CVM nº 155, de 7 de agosto de 1991, na Instrução

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 Apresentamos a seguir um resumo dos principais pontos da Instrução da Comissão de

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 66/2014 De: SRE Data:

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 66/2014 De: SRE Data: Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 66/2014 De: SRE Data: 22.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/9466. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

Código ISIN nº BRCMGDDBS017. Rating: Fitch A+ (bra)

Código ISIN nº BRCMGDDBS017. Rating: Fitch A+ (bra) AVISO AO MERCADO Companhia Aberta CNPJ/MF n 06.981.180/0001-16 Avenida Barbacena, 1200 17º andar, Ala A1 Belo Horizonte MG 30190-131 Código ISIN nº BRCMGDDBS017 Rating: Fitch A+ (bra) O BB Banco de Investimento

Leia mais

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005) LUCRO IMOBILIÁRIO PESSOA FÍSICA ISENÇÃO E TRIBUTAÇÃO PELO IMPOSTO DE VENDA NOVA GARANTIA DA LOCAÇÃO: FUNDO DE INVESTIMENTO INCORPORAÇÃO POSSE EM ÁREAS PÚBLICAS Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Leia mais

SPCIA 03 EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO LTDA

SPCIA 03 EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO LTDA DECLARAÇÃO SPCIA 03 EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO LTDA, sociedade limitada com sede Cidade de Campinas, Estado de São Paulo, na Rua Doutor José Inocêncio de Campos, 153, 7º andar, Cambuí, inscrita no Cadastro

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ÂMBITO E FINALIDADE SERVIÇO DE EMPRÉSTIMO DE VALORES MOBILIÁRIOS Dispõe sobre empréstimo de valores mobiliários por entidades de compensação e liquidação de operações com valores mobiliários, altera as Instruções CVM nºs 40, de 7 de novembro de 1984 e 310, de 9 de julho

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO EDIFÍCIO IBIRAPUERA ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME

Leia mais

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 281, DE 4 DE JUNHO DE 1998, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM N os 307/99 E 480/09. Dispõe sobre o registro de distribuição pública de debêntures por

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

Anúncio de Início da Oferta Pública de Distribuição de cotas do ÁQUILLA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII

Anúncio de Início da Oferta Pública de Distribuição de cotas do ÁQUILLA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII Anúncio de Início da Oferta Pública de Distribuição de cotas do ÁQUILLA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 13.555.918/0001-49 Foco Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO

INSTRUÇÃO CVM Nº 243, DE 1º DE MARÇO DE 1996. DAS ENTIDADES RESPONSÁVEIS PELO MERCADODE BALCÃO ORGANIZADO TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 243, DE 1 o DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 250/96, 343/00, 440/06 E 461/07.. Disciplina o funcionamento do mercado de balcão

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até UBS PACTUAL SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. DTVM comunica o início da distribuição, de até 240 (duzentas e quarenta) cotas, escriturais, com valor inicial de R$1.000.000,00 (um milhão de reais), de emissão do

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO HOTEL TATUAPÉ ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO

Leia mais

DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO INVESTIDOR ADQUIRENTE: ENDEREÇO: Nº INSCRIÇÃO NO CPF/CNPJ:

DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO INVESTIDOR ADQUIRENTE: ENDEREÇO: Nº INSCRIÇÃO NO CPF/CNPJ: OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO WISE HOTEL ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME DO INVESTIDOR ADQUIRENTE:

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARCOPOLO S.A. I - OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Art. 1 o. A presente Política de Negociação tem por objetivo estabelecer as regras e procedimentos

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. Dispõe sobre operações sujeitas a procedimentos especiais nas Bolsas de Valores.

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

Investimento em Condo-Hotéis

Investimento em Condo-Hotéis Investimento em Condo-Hotéis Investimento em Condo-Hotéis Paulo Ferreira Dias da Silva Graduado em Economia e em Direito pela USP. Especialista em Regulação do Mercado de Capitais pelo Instituto de Economia

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014

PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014 PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014 Assunto: Oferta Irregular de Valores Mobiliários Processos CVM nº RJ 2013-12207 Senhor Superintendente Geral, 1. Trata-se de oferta irregular

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. Estabelece as informações contábeis e societárias a serem apresentadas pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores dos

Leia mais

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários RB Capital DTVM Junho 2011 Objetivo Este instrumento normativo contém os procedimentos e controles internos da RB

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

CNPJ/MF 92.692.979/0001-24. por conta e ordem do BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S/A - BANRISUL CNPJ/MF 92.702.067.0001/96

CNPJ/MF 92.692.979/0001-24. por conta e ordem do BANCO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL S/A - BANRISUL CNPJ/MF 92.702.067.0001/96 Edital de Oferta Pública para aquisição de ações ordinárias para cancelamento de registro de Companhia Aberta de BANRISUL S/A ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS CNPJ/MF 92.692.979/0001-24 por conta e ordem do

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 57/2014 De: SRE Data:

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 57/2014 De: SRE Data: Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 57/2014 De: SRE Data: 25.08.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ2014/5323. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

CONDIÇÕES DO AUMENTO. I - se o aumento será mediante subscrição pública ou particular;

CONDIÇÕES DO AUMENTO. I - se o aumento será mediante subscrição pública ou particular; TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 13, DE 30 DE SETEMBRO DE 1980, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM N o 370/2002. Dispõe acerca de aumento de capital por subscrição de ações e registro

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES

BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES BANCO ABC BRASIL S.A. CNPJ/MF nº 28.195.667/0001-06 Companhia Aberta AVISO AOS ACIONISTAS AUMENTO DE CAPITAL MEDIANTE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR DE AÇÕES Banco ABC Brasil S.A. ( Companhia ), vem a público comunicar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS TEGMA GESTÃO LOGÍSTICA S.A. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO E PRINCÍPIOS GERAIS 2. DEFINIÇÕES 3. OBJETIVOS E ABRANGÊNCIA 4. PERÍODO DE VEDAÇÕES ÀS NEGOCIAÇÕES 5. AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Regulatory Practice Insurance News

Regulatory Practice Insurance News kpmg Agosto 2005 SUSEP SETOR DE APOIO REGULAMENTAR (SAR) Regulatory Practice Insurance News FINANCIAL SERVICES Destaque do mês Aplicação de recursos Resolução CMN 3.308, de 31.08.2005 Alteração A Resolução

Leia mais

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Reunião: Política de Negociação de Valores Mobiliários (Portuguese only) MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Radar Stocche Forbes Março 2015

Radar Stocche Forbes Março 2015 Março 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Ofício-Circular CVM-SEP 2015 Principais Novidades No dia 26 de fevereiro de 2015, a Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) emitiu o Ofício-Circular nº 02/2015

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7

BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7 BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP Companhia Aberta CNPJ/MF nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 CVM 02090-7 MATERIAL PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA BHG S.A. BRAZIL HOSPITALITY GROUP, A

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. (atual denominação da INPAR S.A.) 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações 1. OBJETIVO DO PLANO 1.1. O objetivo deste Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações ( Plano ) da QGEP Participações S.A. ( Companhia ), instituído nos termos

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 117, DE 3 DE MAIO DE 1990.

INSTRUÇÃO CVM Nº 117, DE 3 DE MAIO DE 1990. Dispõe sobre a carteira própria de valores mobiliários das sociedades corretoras e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão realizada

Leia mais

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 LOG COMMERCIAL PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A. (atual denominação da MRV LOGÍSTICA E PARTICIPAÇÕES S.A.) 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de

Leia mais

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1

Apresentação. Apresentação. Adesão ao Nível 1 de Governança Corporativa. Requisitos para Adesão ao Nível 1 Apresentação Apresentação Implantados em dezembro de 2000 pela Bolsa de Valores de São Paulo BOVESPA, o Novo Mercado e os Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Nível 1 e Nível 2 são segmentos

Leia mais

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente Termo de Adesão aos Serviços do Internet Banking Empresarial São partes neste Instrum ento: BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., instituição financeira com sede no Município de São Paulo, Estado de São Paulo,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Anexo I à Ata de Assembléia Geral Extraordinária da Globex Utilidades S.A. realizada em 04 de janeiro de 2008

Anexo I à Ata de Assembléia Geral Extraordinária da Globex Utilidades S.A. realizada em 04 de janeiro de 2008 Anexo I à Ata de Assembléia Geral Extraordinária da Globex Utilidades S.A. realizada em 04 de janeiro de 2008 GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ/MF n 33.041.260/0001-64 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES 1. Objetivo

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS Promoção a ser realizada por GUARENAS INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014.

LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. LEI Nº 467 DE 26 DE MARÇO DE 2014. DISPÕE SOBRE O SERVIÇO VOLUNTÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE IRAMAIA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 247, DE 27 DE MARÇO DE 1996, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM Nº 269/97, 285/98, 464/08 E 469/08. Dispõe sobre a avaliação de investimentos em sociedades coligadas e controladas e sobre os procedimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. APROVADA NA RCA DE 18/03/2009 SUMÁRIO I OBJETIVO... 3 II - ADMINISTRAÇÃO DA POLÍTICA... 3 II.1

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso apresentada por KPMG Auditores Independentes

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Prezado (a) Associado (a),

Prezado (a) Associado (a), Prezado (a) Associado (a), Seguem abaixo os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico que estão em Audiência Pública

Leia mais

REGULAMENTO DE LISTAGEM DO

REGULAMENTO DE LISTAGEM DO REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NívEL 2 ÍNDICE REGULAMENTO DE LISTAGEM DO NÍVEL 2 DE GOVERNANÇA CORPORATIVA... 5 OBJETO...5 DEFINIÇÕES...5 AUTORIZAÇÃO PARA NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS NO NÍVEL 2 DE GOVERNANÇA

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTO - CEDAE 4ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTO - CEDAE 4ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTO - CEDAE 4ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo

Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo Registro na CVM não garante o sucesso do investimento: precedente judicial no Caso Boi Gordo Julio Ramalho Dubeux * Procurador Federal na CVM O lançamento do site do investidor parece ser uma boa oportunidade

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 04 DE MAIO DE 2012 I. Data, Hora e Local da Reunião: Aos 03 de maio,

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS

REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS REGULAMENTO DE REGISTRO DE EMISSORES E DE VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I REGISTRO PARA NEGOCIAÇÃO EM BOLSA SEÇÃO I REGISTRO DE COMPANHIAS ABERTAS Artigo 1º O Diretor Presidente poderá conceder o registro

Leia mais