PROVA DE TRANSFERÊNCIA FISIOTERAPIA PROVA 2º ANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA DE TRANSFERÊNCIA FISIOTERAPIA PROVA 2º ANO"

Transcrição

1 1. Os anticorpos transmitidos de mãe para filho são: a) IgA e IgM b) IgM e IgG c) IgE e IgM d) IgE E IgG e) IgA e IgG 2. Qual dos ductos abaixo, pode se juntar ao colédoco, antes de se lançar no duodeno. Assinale: a) Cístico. b) Pancreático principal. c) Hepático bilífero médio. d) Salivar. e) N.D.A. 3. Assinale a alternativa falsa: a) O líquido senovial é encontrado na cavidade articular. b) A cartilagem articular é bem vascularizada. c) A articulação temporomandibular (ATM) é do tipo sinovial complexa. d) A bigorna faz parte do ouvido médio. e) A cápsula articular é formada da membrana fibrosa mais externa e membrana sinovial. 4. Quais músculos da face não apresentam origem óssea? a) M. bucinador e M. Prócero b) M. corrugador do supercílio e M. orbicular do olho c) M. Orbicular do olho e M. Prócero d) M. platisma e M. Orbicular do olho e) M. risório e M. orbicular da boca 5. Um ducto coletor do rim, termina. Assinale: a) no excretor. b) no contorcido distal. c) na cápsula glomerular. d) Na uretra. e) na papila da pirâmide renal. 6. Os músculos situados na região anterior do antebraço são: a) todos flexores. b) flexores, agonistas e posturais. c) são responsáveis pelo padrão extensor do antebraço. d) existem músculos flexores e também músculos pronadores. e) são supinadores, flexores pronadores. 7. Podem atuar tanto na imunidade inata quanto adaptativa: a) Neutrófilos e células NK

2 b) Linfócitos e macrófagos c) Linfócitos e neutrófilos d) Neutrófilos e Macrófagos e) Macrófagos e células NK 8. O tendão calcanear é formado: a) somente pelo tendão do sóleo. b) somente pelo tendão dos gêmeos. c) pelos ventres do tríceps sural. d) apenas pelo tibial anterior. e) pelo tríceps sural mais o tibial posterior. 9. A hipersensibilidade do tipo IV é mediada: a) Por anticorpos IgE ligados a antígenos solúveis b) Por células T c) Por anticorpos IgG ligados a antígenos solúveis d) Por anticorpos IgG ligados a antígenos de superfície celular e) Por anticorpos IgA ligados a antígenos solúveis 10. Todos os itens abaixo relacionam doenças auto-imunes, exceto: a) Lúpus eritematoso sistêmico e artrite reumatóide. b) Diabetes mellitus insulino-dependente e esclerose múltipla. c) Diabetes mellitus insulino-dependente e Miastenia gravis. d) Artite reumatóide e escrerose múltipla. e) Febre reumática aguda e leucemia. 11. A expressão obrigação prima facie está relacionada com os princípios da Bioética. Baseado nisto assinale a alternativa correta: a) Obrigação prima facie é uma obrigação a ser cumprida, mas que está em conflito com outra obrigação igual ou mais forte. b) Obrigação prima facie é uma condição necessária e suficiente na tomada de decisão em situações de conflito. c) Os princípios da Bioética são considerados uma obrigação prima facie, desde que não existam conseqüências danosas aos pacientes na tomada de decisão. d) Uma obrigação prima facie é uma razão suficiente e necessária para uma justificação, é necessária para distinguir a relevância. e) A relevância das razões para um julgamento moral da adequação moral da adequação final é considerada uma obrigação prima facie. 12. No trato com seu paciente, o profissional de saúde pode se ver diante de um conflito que está relacionado diretamente com dois princípios da Bioética. Quais são os princípios envolvidos? a) Princípio da Justiça e Princípio da Autonomia. b) Princípio da Não Maleficência e Princípio da Autonomia. c) Princípio da Beneficência e Princípio da Não Maleficência. d) Princípio da Beneficência e Princípio da Autonomia.

3 e) Princípio da Justiça e Princípio da Beneficência. 13. Míriam é uma profissional da saúde que desempenha seu trabalho com grande senso de responsabilidade num hospital público da capital paulista. Tem um filho e um namorado que diz ser "a razão do seu viver". Há aproximadamente um ano, o seu ex-marido faleceu. Na necropsia realizada, foi dada como causa mortis: AIDS. Míriam, desconfiando que pudesse estar infectada, submeteu-se a um exame especifico, cujo resultado foi ela ser portadora do vírus HIV. Desconcertada e chocada, entre lágrimas e soluços, disse que não estava preparada para ouvir tal notícia. A primeira providência que tomou foi fazer um seguro de vida. Seu namorado sabe que ela fez o exame para ver se estava contaminada, mas se passaram vários meses e ele não perguntou pelos resultados nem ela teve coragem de contar-lhe a verdade, e, além disso, teme fazer o exame em seu filho. Com o resultado em mãos, Míriam procurou a enfermeira responsável com a qual tem um bom relacionamento, expôs a novidade angustiante da situação e pediu-lhe "sigilo ético". Existe uma equipe de profissionais médico, enfermeira, assistente social, que procura acompanhá-la. Com relação a equipe de trabalho, diante das faltas ocorridas de Míriam, houve manifestações de hostilidade e pouca sensibilidade para perceber que está acontecendo algo de errado com a colega. Qual é a melhor conduta essa profissional de saúde soro positivo? a) Comunicar aos colegas de trabalho o resultado do exame para melhor entendimento de todos, visto que é muito difícil um portador de HIV tentar superar os problemas sozinho. b) Comunicar o fato aos seus chefes imediatos, pois interessa apenas a eles saberem do caso e assim ajudar no sentido de tirar uma licença para tratamento de saúde e posteriormente aposentadoria por invalidez. c) Buscar ajuda de profissionais qualificados e tentar obter aposentadoria por invalidez para evitar maiores problemas, principalmente o risco de contaminação de seus pacientes. d) Comunicar o fato para os indivíduos com os quais tenha mantido algum comportamento de risco e evitar manobras profissionais que possam por em risco a integridade do paciente. e) Buscar ajuda de profissionais qualificados e comunicar o ocorrido para sua família, inclusive porque eles poderão ajudá-la financeiramente assim ela poderá deixar de trabalhar para cuidar da sua saúde e da saúde de seu filho. 14. A pesquisa envolvendo seres humanos no Brasil é regulamentada pela Resolução 196/96 do CNS/MS. Assinale a alternativa correta, de acordo com as definições encontradas nesta resolução: a) Considera-se pesquisa com seres humanos aquelas que utilizam de forma direta, individual ou coletivamente o ser humano. b) Projeto de pesquisa é o documento que contempla a descrição da pesquisa, informações relativas ao sujeito da pesquisa, analise de riscos e benefícios, o termo de consentimento livre e esclarecido e a qualificação do pesquisador.

4 c) Considera-se instituição de pesquisa a organização pública, legitimamente constituída e habilitada, na qual são realizadas investigações científicas. d) Considera-se patrocinador, pessoa física ou jurídica que apoia financeiramente a pesquisa. e) Ressarcimento é a cobertura material, em reparação a dano imediato ou tardio, causado pela pesquisa ao ser humano a ela submetida. 15. Paciente masculino de 74 anos de idade, portador de carcinoma brônquico avançado, com múltiplas metástases ósseas, hepáticas e cerebrais, manifestou, antes de saber da doença, sua opinião a favor da eutanásia para consigo. Internado por dificuldade respiratória progressiva. No momento da internação queixa-se de muitas dores que não estão sendo controladas por um esquema analgésico muito forte, a base de morfina por via oral, que também lhe provoca muitos sintomas desagradáveis (náusea, tontura e constipação rebelde). O paciente tem conhecimento do seu diagnóstico bem como sua família. No seu primeiro dia de internação pede ao seu médico assistente que não institua nenhuma medida terapêutica extraordinária e que acelere sua morte. A família tem conhecimento das vontades do paciente e fica dividida: a esposa acha que o paciente deve ser atendido em seus desejos finais, ao passo que seu filho único acha que os médicos devem fazer "tudo que estiver ao seu alcance para mantê-lo vivo". O paciente em uma madrugada apresenta um quadro de insuficiência respiratória aguda, decorrente de um episódio de aspiração de vômito. A equipe de plantão decide transferir o paciente para a Unidade de Tratamento Intensivo, uma vez que o médico assistente não havia sido localizado e a atitude dividida da família com relação aos limites de tratamento. Na UTI o paciente é entubado e responde bem ao tratamento clínico com antibióticos, mas permanece clinicamente instável, com episódios convulsivos, dor e dificuldade respiratória progressiva. O paciente insiste em retornar para seu quarto com o apoio de sua esposa. Seu pedido é atendido por seu médico. O falecimento ocorre em 4 dias, diante de um novo episódio de insuficiência respiratória, que o seu médico, sem consultar a família, decide não mais tratar. Este caso pode ser considerado: a) Eutanásia ativa voluntária b) Eutanásia passiva voluntária c) Eutanásia ativa involuntária d) Eutanásia passiva involuntária e) Distanásia 16. Lúcia, uma jovem de 25 anos de idade, casada há três, portadora do vírus HIV, está atualmente entrando na fase de AIDS. Está acompanhada por uma equipe ambulatorial especializada no centro de referência de AIDS da Secretaria de Saúde. Seu marido, também contaminado pelo vírus HIV, está em fase terminal internado num hospital da cidade. Ambos são dependentes de drogas há muitos anos. Lúcia engravidou e agora está no 2 mê s de gestação. Procura o centro de referência para a solução e expõe a novidade angustiante da

5 realidade. É informada de que, se a criança nascer, terá 50% de chances de estar contaminada pelo vírus da AIDS. Lúcia está decidida a abortar quanto antes, pois o serzinho é ainda pequenino e não sinto quase nada. Se nascer só vai sofrer, diz ela. Nessa decisão ela tem o apoio de seus familiares. A equipe multidiciplinar reúne-se para estudar a questão e encaminhar uma possível solução. O médico declara: Não faço aborto porque é anti-ético, mas posso indicar um colega que fará. A psicóloga: A decisão não é minha. Não tenho o direito de decidir por ela. Só posso apoiá-la psicologicamente no processo. A enfermeira: Sou contra o aborto, mas nessa situação abortaria. A assistente social: Respeito o que ela decidir. Posso ver como atender suas necessidades materiais junto à comunidade. O padre: A vida é sagrada. Não temos o direito de induzir ninguém a abortar. Precisamos criar condições e estruturas de acolhida de vida em nossa comunidade. Essa criança poderá ser adotada. No Brasil, qual é o direito dessa paciente? a) Como a paciente é portadora do vírus HIV, tem direito a realizar o aborto legal. b) Como a paciente é portadora do vírus HIV, tem direito a realizar o aborto eugênico c) Como a paciente é portadora do vírus HIV, tem direito a realizar o aborto terapêutico. d) Como a paciente é portadora do vírus HIV, tem direito a realizar o aborto sentimental. e) Nenhuma alternativa está correta. 17. Assinale a alternativa correta: a) Para ser ativado, o complemento necessita da ajuda de anticorpos. b) Os componentes do complemento C5, C6, C7, C8 e C9 funcionam como mediadores inflamatórios. c) C2 e C3 são opsoninas. d) As alternativas B e C estão corretas. e) C3 e C5 participam de todas as cascatas do complemento. 18. Analise as afirmativas abaixo e selecione a resposta adequada: I. O ego é descrito por Freud como uma organização de representações caracterizada por vários elementos: facilitação das vias associativas interiores a esse grupo de representações, investimento constante por uma energia de origem endógena e distinção entre uma parte permanente e uma parte variável. II. O complexo de Édipo não é redutível a uma situação real, ou seja, à influência efetivamente exercida sobre a criança pelo casal parental. III. O par atividade-passividade que predomina na fase anal sádica, significa que enquanto a passividade é sustentada pelo erotismo anal, a atividade é devida à pulsão de dominação. a) Todas estão corretas. b) Nenhuma questão está correta. c) Apenas I e II estão corretas. d) Apenas I e III estão corretas. e) Apenas II e III estão corretas.

6 19. Designamos por formações do inconsciente : a) Sonhos, fantasias, delírios e chistes. b) Sonhos, delírios, atos falhos e sintomas. c) Sonhos, atos falhos, sintomas e chistes. d) Sonhos, atos falhos, chistes e fantasias. e) Atos falhos, delírios, fantasias e chistes 20. Os principais representantes da Escola Funcionalista são: a) Edward Thorndike, Clark Hull e Edward Tolman. b) William James, John Dewey e James Angell. c) John Watson, Vladimir Bechterev e Edward Titchener. d) Edwin Guthrie, Wilhelm Wundt e Thomas Brown. e) Vladimir Bechterey, Edward Tolman e James Angell 21. Para a pretensão de exercício profissional simultâneo em regiões sobre jurisdições de dois CREFITOS diferentes o fisioterapeuta deverá: a) observar que somente é necessário inscrever-se em um dos CREFITOS b) atentar para o fato de que não é necessário nenhum procedimento especial, apenas ser portador de diploma em fisioterapia c) inscrever-se nos dois CREFITOS d) não prosseguir com esta pretensão, pois em hipótese alguma, poderá atuar em regiões de jurisdições de CREFITOS diferentes e) prosseguir com esta pretensão, atentando para o fato de que só poderá atuar em um dos crefitos pelo período de 90 dias 22. Assinale a alternativa verdadeira: a) o livre exercício da profissão de fisioterapia pode ser exercido por qualquer portador de diploma em fisioterapia b) para o livre exercício da profissão de fisioterapia é necessário que o portador de diploma de bacharel em fisioterapia esteja inscrito no CREFITO c) profissionais de áreas afins podem exercer a fisioterapia desde que estejam inscrito no CREFITO d) profissionais de áreas afins não podem exercer a fisioterapia, a não ser que estejam inscrito no CREFITO e) para o livre exercício da profissão de fisioterapia é necessário que o portador de diploma de bacharel em fisioterapia, de um curso reconhecido pelo Ministério da Educação, esteja inscrito no CREFITO 23. A dor vista numa perspectiva antropológica refere-se: a) Apenas a um alerta que chama atenção para uma lesão do tecido ou um mau funcionamento fisiológico. b) Um simples processo neurofisiológico e psíquico. c) A uma reação fisiológica normal a um estímulo externo. d) A compreensão de que o comportamento de dor é influenciado por fatores sociais, psicológicos e culturais.

7 e) Todas as alternativas estão falsas 24. Salvo os casos de gravidade e reincidência as penas disciplinares seguem a seguinte gradação: a) repreensão, multa, suspensão do exercício profissional, cancelamento do exercício profissional e advertência b) repreensão, multa, cancelamento do exercício profissional, advertência e suspensão do exercício profissional c) advertência, repreensão, multa, suspensão do exercício profissional e cancelamento do exercício profissional d) advertência, repreensão, suspensão do exercício profissional, multa, e cancelamento do exercício profissional e) repreensão, advertência, multa, suspensão do exercício profissional e cancelamento do exercício profissional 25. Na flexão de cotovelo o bíceps braquial representa qual tipo de bioalavanca: a) Representa uma alavanca de III classe (interpotente). b) Se o sujeito segurar um objeto será uma alavanca de II classe (interresistente). c) Representa uma alavanca de III classe (interpotente) desde que o peso seja transportado próximo ao cotovelo. d) Representa uma alavanca de II classe (interesistente) desde que o peso seja transportado próximo ao cotovelo. e) Representa uma alavanca de I classe (Interfixa), pois a inserção muscular se encontra na escápula o fulcro no cotovelo e a resistência no antebraço. 26. O manguito rotador é a faixa tendínea formada pela fusão das inserções tendíneas dos seguintes músculos: a) Subescapular, Supra-espinal, Infra-espinal e Redondo Maior. b) Subescapular, Redondo menor, Supra-espinal e Infra-espinal. c) Redondo menor, Subescapular, Supra-espinal e Peitoral menor. d) Infra-espinal, Supra-espinal e Subescapular. e) Subescapular, Redondo maior, Supra-espinal e Infra-espinal 27. Sobre a artrocinemática do ombro é verdade afirmar que: a) Na abdução completa ocorrem rolamento e rotação externa. b) Na abdução completa só ocorre deslizamento porque a cavidade glenóidea é muito rasa. c) Na abdução completa só ocorre rolamento porque a cavidade glenóidea é muito rasa. d) Na abdução completa ocorre rolamento, deslizamento e rotação externa. e) Na abdução completa ocorre rolamento, deslizamento e rotação interna 28. Na execução de exercícios abdominais é coerente recomendar flexionar os quadris por quê? a) Para aliviar a força tensora dos iliopsoas. b) Para retificar a coluna vertebral.

8 c) Para aliviar a força tensora dos extensores do pescoço. d) Para aliviar a força tensora dos rotadores externos no quadril. e) Para compensar o encurtamento dos ísquios tibiais. 29. Sobre a rotação automática do joelho é verdade afirmar que: a) Só acontece com o joelho fletido. b) Nem sempre acontece a rotação automática, porém a rotação acessória e obrigatória. c) Acontece no início da extensão e final da flexão do joelho. d) Alguns sujeitos não apresentam a rotação automática de joelho por encurtamento dos ligamentos cruzados. e) Acontece no início da flexão e final da extensão do joelho. 30. Marque a alternativa verdadeira a) Os receptores tendinosos detectam modificações no comprimento das fibras musculares e regulam as contrações e alongamento muscular. b) A Escada.Progressiva promove exercício ativo livre, auto passivo e ativo livre de carga. c) Os receptores articulares do tipo II são encontrados na cápsula articular e ligamentos e informa sobre a velocidade do movimento. d) A propriocepção é de essencial importância para o trabalho da marcha, estabelecendo apenas a coordenação dos movimentos perdidos pelo paciente. e) Os receptores articulares do tipo I são responsáveis pela contração muscular. 31. Marque a alternativa falsa: a) A reeducação da marcha é alcançada por um trabalho conjunto e harmonioso do sistema músculo-esquelético comandado pelo sistema nervos central, associada a vários recursos terapêuticos. b) No treino de marcha para hemiplégicos na Barra.Paralela, é importante trabalhar de inicio a estabilização estática e o treino do passo antes da marcha dinâmica. c) Na fase descendente da Escada.Progressiva desenvolve-se trabalho concêntrico excêntrico e estático. d) Na fase ascendente da Escada.Progressiva desenvolve-se apenas trabalho muscular concêntrico. e) No treino da marcha do parkinsoniano devemos treinar o passo largo, uma vez que eles apresentam passos curtos. 32. Marque apenas a verdadeira: a) Ao utilizar a Escada.Progressiva para o treino de equilíbrio e da marcha não há divergência entre o trabalho muscular entre as fases da mesma. b) Durante a fase descendente na Escada.Progressiva observa-se inclinação do tronco em flexão para o equilíbrio e centralização da força da gravidade. c) O quadro de quadríceps é indicado quando o paciente já atingiu grau 3 de força muscular e nas artrodeses de joelho. d) A cadeira de quadríceps enfatiza principalmente o movimento flexor do joelho.

9 e) A utilização da cadeira de quadríceps pode ser utilizada para o trabalhar o joelho durante a fase sub-aguda de lesão tecidual/articular desde que não se utilize peso. 33. Assinale a alternativa Correta: a) Extremos de idade, afecções agudas e pseudo-artrose são contra indicações da mecanoterapia. b) Estando o paciente com o joelho fletido, durante a utilização do exercitador de molas para trabalhar a flexão plantar do tornozelo, tem-se na descida trabalho concêntrico de gastrocnêmico e sóleo e no movimento de volta a posição inicial, excêntrico de dorsiflexores. c) De acordo com o desenvolvimento motor, aos 15 meses a criança deambula com auxilio. d) O desenvolvimento completo da marcha se dá pela maturação do sistema nervoso autônomo e no trajeto cefalo-caudal e) Ao utilizar a mecanoterapia não há necessidade de aferir a pressão arterial dos pacientes, uma vez que é um tratamento que não leva o mesmo a trabalho de força muscular. 34. Marque a alternativa correta a seguir: a) O thera-band é um dispositivo mecânico de resistência que apresenta desvantagem de pouca significância quanto ao seu funcionamento, tendo como uma de suas vantagens, o fato de sua largura distribuir a força uniformemente, evitando assim, lesão ou prejuízo a circulação do paciente. b) No trabalho com Roda de Ombro é possível observar trabalho muscular concêntrico, excêntrico e estático durante toda a trajetória do círculo. c) Na Roda de Ombro tem-se, no sentido horário, rotação inferior de escápula somente no 1o,3o e 4o quadrantes, enquanto que a abdução teremos no 2o quadrante. d) Na bicicleta estacionária, ao se realizar a fase de afastamento o membro responsável realiza uma extensão de quadril e joelho e uma flexão plantar de tornozelo, tendo-se um trabalho excêntrico de flexores. e) A roda de ombro pode ser utilizada na fase aguda de processos inflamatórios do ombro. 35. Assinale a alternativa incorreta, nas questões a seguir: a) Para que o trabalho na Roda de Ombro fosse o mais adequado possível, o ideal era que o paciente estivesse sentado em uma cadeira com encosto estreito e com uma faixa de fixa de fixação do tronco. b) No que diz respeito á prancha ortostática, é um dispositivo da mecanoterapia que não objetiva movimento articular, embora quando se dispensa a faixa axilar, seja possível realizar atividades de dinamização do treinamento nesse aparelho. c) Estando o paciente com o joelho fletido, durante a utilização do exercitador de molas para trabalhar a dorso-flexão do tornozelo, tem-se na descido trabalho concêntrico de gastrocnêmico e sóleo e no movimento de volta a posição inicial, excêntrico de flexores plantares.

10 d) Quando se utiliza a Roda de.ombro, os movimentos que ocorrem ao nível de cintura escapular, ombro e cotovelo do MSE, nosentido anti-horário, são os mesmos movimentos que ocorrem nessas articulações no MSD no sentido horário. e) Devemos elevar gradativamente a prancha ortostatica no tratamento da posição bípede pra assim evitar intercorrencias clinicas no paciente, como a hipotensão postural. 36. Marque alternativa verdadeira abaixo: a) Ao iniciar o trabalho na prancha ortostática, deve-se utilizar uma inclinação de 30o, podendo em qualquer momento do treinamento ocorrer o aparecimento de distúrbios gerais no paciente. b) O trabalho realizado com a bicicleta estacionária visa o condicionamento dos MMII trabalhando as articulações dos mesmos, sendo que no restorador à distância do assento quando aproximada irá exercer influência em uma menor ADM das articulações desses membros. c) É importante monitorizar a pulsação do paciente na utilização da prancha ortostática, pois qualquer alteração seria indicativa de tolerância inadequada. d) A prancha ortostatica é indicada apenas nos casos no qual os pacientes deambulam. e) Durante a utilização do espaldar sueco o exercício de suspensão, em um pacte que apresenta escoliose á E, deve-se pedir que o mesmo pendure-se no último degrau, realizando uma flexão de quadris e joelhos somados a uma rotação de tronco inferior para o lado D, a fim de se obter estiramento. 37. Marque a afirmativa falsa: a) No treino de marcha para hemiplégicos na barra paralela, é importante trabalhar de inicio a estabilização estática e treino do passo antes da marcha dinâmica. b) A mesa de quadríceps é contra-indicada nas fases agudas de infecções, nas algias intensas, nos derrames intra-articulares, nas flebites, tromboflebites e nas anquiloses de joelho. c) O exercício dinâmico excêntrico é aquela onde a tensão exercida é superior à resistência imposta e resulta em movimento de alongamento do músculo, com afastamento entre os pontos de origem e inserção. d) Em pacientes portadores de prótese, devemos iniciar o treino de marcha na barra paralela com flexão do quadril e joelho (quando a prótese for abaixo do mesmo) com marcha estática. e) A barra paralela é indicada como excelente recurso para o treino de marcha de paciente que vão utilizar próteses. 38. Marque a alternativa correta: a) O thera-band é um dispositivo mecânico que não apresenta desvantagens quanto ao seu funcionamento, pois é considerada uma das formas mais versáteis e amplamente usada de resistência para atividades em cadeia cinética fechada.

11 b) Os degraus da escada de Ling, cuja função é dar apoio e fixação para a realização de exercícios é torneada a fim de uma melhor adaptação e distribuição de forças na superfície da mão do paciente. c) O acionamento da bicicleta estacionária requer um trabalho alternado de MMII, que se movimentam em sentidos opostos, sendo dessa forma caracterizadas as fases de aproximação e afastamento. d) Devemos utilizar a rampa apenas para pacientes com quadro de entorse. e) A rampa oferece treinamento de marcha num plano inclinado sem necessidade de resistência muscular 39. Assinale a alternativa incorreta: a) Na utilização da maioria dos dispositivos na mecanoterapia, o posicionamento inadequado do paciente juntamente com sua incapacidade motora ou funcional, pode gerar o aparecimento de atitudes compensatórias, a fim de facilitar a execução do movimento. b) Na utilização da tração cervical a elevação, ação das costelas leva a um desvio da força de tração. c) O duplex é um aparelho da mecanoterapia que oferece resistência ao movimento. d) A tração lombar é indicada nos casos de lombalgia. e) O trabalho muscular do quadríceps, através do quadro de quadríceps, possibilita o fortalecimento desse músculo com a proteção da articulação patelo-femural quando o aparelho está em angulação máxima para a flexão. 40. Qual das seguintes lipoproteínas plasmáticas é responsável pelo transporte dos triacilgliceróis da dieta? a) Quilomícrons b) HDL c) LDL d) VLDL e) Glicina

12 2º ANO Questão A B C D E Questão A B C D E 01 x 21 x 02 x 22 x 03 x 23 x 04 x 24 x 05 x 25 x 06 x 26 x 07 x 27 x 08 x 28 x 09 x 29 x 10 x 30 x 11 x 31 x 12 x 32 x 13 x 33 x 14 x 34 x 15 x 35 x 16 x 36 x 17 x 37 x 18 x 38 x 19 x 39 x 20 x 40 NULA

PROVA DE TRANSFERÊNCIA FISIOTERAPIA

PROVA DE TRANSFERÊNCIA FISIOTERAPIA 1 PROVA 1º ANO A 1. Assinale a incorreta: a) O tecido nervoso é formado de neurônios e neuroglia. b) A sinapse é o local de contato de dois neurônios. c) A maioria dos nervos possuem três regiões, corpo

Leia mais

PROVA DE TRANSFERÊNCIA FISIOTERAPIA

PROVA DE TRANSFERÊNCIA FISIOTERAPIA I PROVA 1º ANO B 1. O Código de ética foi promulgado pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional pela: a) Resolução 52/85 b) Resolução 10/78 c) Pela LEI 6316/75 d) Resolução 20/78 e) Decreto

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

ANDADOR. Andadeira ou Andarilho Tubos de aço, a. montado sobre rodas ou pontos de apoio. tamanho vel Déficit na deambulação - Contar-Indica

ANDADOR. Andadeira ou Andarilho Tubos de aço, a. montado sobre rodas ou pontos de apoio. tamanho vel Déficit na deambulação - Contar-Indica MECANOTERAPIA ANDADOR - Sinonímia Andadeira ou Andarilho - Descrição Tubos de aço, a montado sobre rodas ou pontos de apoio. tamanho variável vel - Indicações Déficit na deambulação - Contar-Indica Indicações

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO (A) OBJETIVOS GERAIS - Independência na marcha e nos cuidados pessoais - Adequação física e emocional quanto ao uso da prótese OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Cicatrização

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR

BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR BIOMECÂNICA -MEMBRO SUPERIOR OMBRO Membro Superior CINTURA ESCAPULAR COTOVELO Joel Moraes Santos Junior COLUNA - APLICAÇÃO PRÁTICA Condicionamento APTIDÃO FÍSICA Treinamento desportivo CARGA/IMPACTO Reabilitação

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução

Ossos - órgãos passivos do movimento. Músculos - órgãos ativos do movimento. Introdução Ossos - órgãos passivos do movimento Músculos - órgãos ativos do movimento Introdução Organização dos músculos esqueléticos Sistema muscular: anatomia microscópica Porção ativa ventre muscular Porções

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires MIOLOGIA Prof.: Gustavo M. Pires INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz Lombociatalgia www.fisiokinesiterapia.biz Conceitos Lombalgia; Lombociatalgia; Ciatalgia/Ci /Ciática; Característica região lombar Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana Vértebra lombar Fonte:

Leia mais

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores :

Esta Norma contém as seguintes partes, sob o título geral Acessibilidade em veículos automotores : JUL 2003 NBR 14970-2 ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13/28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (21) 3974-2300

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO ORTOPÉDICA PARA O JORNALISTA ESPORTIVO AGRADECIMENTOS Secretaria Municipal de Esporte e Lazer Agradecemos o apoio imprescindível do presidente da Associação Brasileira de Traumatologia Desportiva e médico

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA FISIOTERAPIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA FISIOTERAPIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA FISIOTERAPIA 1. Na atenção à saúde básica, enquanto fisioterapeuta que irá a atendimento domiciliar, elenque a seqüência

Leia mais

Acessibilidade, responsabilidade de todos

Acessibilidade, responsabilidade de todos Acessibilidade, responsabilidade de todos APRESENTAÇÃO Programa A Receita É Saúde Gerente Responsável Raul Alves Buarque Ação Cadeira Certa Rui Alberto Fank Edição Jornalista Adroaldo Corrêa Texto Técnico

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA As dores musculoesqueléticas atingem 40% da população e representam

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza Quick Massage Venha ser um membro filiado e compartilhar seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com Denis Fernando de Souza HISTÓRICO QUICK MASSAGE (MASSAGEM RÁPIDA) Algumas literaturas trazem

Leia mais

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/ A COLUNA VERTEBRAL E SUAS CURVAS *

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/ A COLUNA VERTEBRAL E SUAS CURVAS * A COLUNA VERTEBRAL E SUAS CURVAS * A Coluna Vertebral é formada por quatro curvas fisiológicas que se apresentam da seguinte forma: - Coluna Cervical; - Coluna Torácica; - Coluna Lombar; - Coluna Sacra;

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS

PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS PELA SAÚDE DOS VOSSOS OMBROS por Hoje em dia as circunstâncias da vida quotidiana forçam-nos a passar muito tempo sentados em posturas que não são as mais adequadas. Neste preciso momento enquanto estão

Leia mais

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES MEDICINA TRADICIONAL CHINESA, ACUPUNTURA E TERAPIAS AFINS INDICAÇÕES www.shenqui.com.br Na década de 80, após 25 anos de pesquisas, em renomadas instituições do mundo, a OMS publicou o documento Acupuncture:

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

Artigo publicado na Revista Eletrônica Saúde CESUC Nº 01 Ano de 2010

Artigo publicado na Revista Eletrônica Saúde CESUC Nº 01 Ano de 2010 A EFICÁCIA DA ASSOCIAÇÃO DAS TÉCNICAS DE ALONGAMENTO, FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA E CONTROLE POSTURAL EM ADOLESCENTE COM HEMIPARESIA ESTUDO DE CASO 1 Lilian Evangelista Nunes 2 Rivien Aparecida

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

Complexo. Diogo Barros de Moura Lima, MSc

Complexo. Diogo Barros de Moura Lima, MSc Complexo do Ombro Diogo Barros de Moura Lima, MSc Funções Atividades de vida diária e esportivas Posicionar mão no espaço necessita grande ADM Funções Atividades de vida diária e esportivas Transferir

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT12 RESUMO PROPOSTA DE FICHA DE AVALIAÇÃO GONIOMÉTRICA E DE TESTE DE FORÇA MUSCULAR PARA A CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA. Wínea Leila Ribeiro Vasconcelos 1 ; Ana Paula de Jesus Tomé-Pereira 4

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail.

Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail. Condutas fisioterapêuticas em câncer de mama: quais os prós e contras? Ms. FABIANA DA SILVEIRA BIANCHI PEREZ fabianasbp@hotmail.com DOR NO CÂNCER EXPERIÊNCIA SENSITIVA EMOCIONAL DESAGRADÁVEL DANO TECIDUAL

Leia mais

A SÍNDROME DO IMPACTO NO OMBRO 1

A SÍNDROME DO IMPACTO NO OMBRO 1 A SÍNDROME DO IMPACTO NO OMBRO 1 SOUZA, Ronivaldo Pereira de 1 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 2 ; BENETTI, Edson José 3 ; FIUZA, Tatiana de Sousa 4. Palavras-chave: Manguito rotator; dissecação BASE TEÓRICA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA Esporte: Administração: individual equipe ITTF Federação Internacional de Tênis de Mesa Cartão de Classificação: Cartão Funcional de Tênis de Mesa Sessão de Regras

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais