FUNDOS MÚTUOS DE INVESTIMENTO, GESTORES, ADMINISTRADORES, CUSTODIANTES E SEUS FATORES MOTIVACIONAIS. César Augusto Fregnani / UNINOVE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDOS MÚTUOS DE INVESTIMENTO, GESTORES, ADMINISTRADORES, CUSTODIANTES E SEUS FATORES MOTIVACIONAIS. César Augusto Fregnani / UNINOVE"

Transcrição

1 FUNDOS MÚTUOS DE INVESTIMENTO, GESTORES, ADMINISTRADORES, CUSTODIANTES E SEUS FATORES MOTIVACIONAIS César Augusto Fregnani / UNINOVE Luiz Eduardo Gasparelo / PUC-SP RESUMO: Estabelecendo uma correlação positiva entre o crescimento econômico, o incremente no patrimônio dos fundos mútuos de investimentos, a manutenção da qualidade no serviço de gestão e a economia popular, o objetivo deste estudo é levantar e avaliar os principais fatores determinantes na motivação dos gestores, administradores e custodiantes de fundos mútuos de investimentos, através de pesquisa descritiva baseada nas características de uma amostra representativa da população desses profissionais em São Paulo. A pesquisa foi elaborada a partir de metodologia epistemologicamente validada e suas respostas foram compiladas em matriz multidimensional que permitiu avaliar as variáveis explicativas relacionadas ao nível de motivação desses profissionais e ao seu patamar de remuneração. Palavras-chave: Motivação, Gestores de Investimentos e Fundos Mútuos. ABSTRACT: Establishing a positive correlation among economic growth, mutual funds capital increase, quality requirements on asset management and public savings, the study objective is to investigate and evaluate the main motivation factors in mutual fund industry (asset manager, custodians, clearing houses and settlers) based on descriptive research and a sample of São Paulo market professionals. The survey was taken in place using epistemologically consistent methods and the answers were compiled in a multidimensional matrix allowing assessing the explanatory variables: motivational levels and professional remuneration baseline and bonus. Keywords: Motivation, Asset Management and Mutual Funds.

2 1. INTRODUÇÃO É verdade que no longo prazo estaremos todos mortos. Porém, poderíamos deixar herdeiros menos pobres se fosse mais disseminada na sociedade a relevância dos fundamentos do crescimento, que são a educação, tecnologia, investimento e poupança. (Amadeo & Montero, 2004) Muito debatido, o controverso crescimento econômico, conforme demonstrado pela teoria do pleno emprego cujos primórdios retomam Nicholas Kaldor (1938), está positivamente correlacionado com o nível de poupança e investimento de uma nação. Isto é, o nível de crescimento, desenvolvimento e renda de um país está diretamente correlacionado ao seu nível de poupança e investimento. Diferenciando-se poupança, que é a parcela da renda de pessoas físicas ou jurídicas superavitárias não gastam em determinado período, guardando-a para ser usada num momento futuro não confundir com a poupança financeira, que consiste numa alternativa de investimento e investimento, que é a aplicação de capital em ativos de produção, de reserva de valor ou em ativos financeiros com a finalidade manutenção ou potencialização do poder de compra do capital investido, afirma-se que fundos mútuos de investimentos financeiros, talvez os mais simples intermediários financeiros existentes (Iquiapaza, 2005), representam, no Brasil e no mundo, uma opção massificada de investimento direcionada aos pequenos, médios e grandes investidores. Até investidores mais sofisticados, como os investidores qualificados ou institucionais, assim designados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) utilizam-se largamente desse veículo nos seus investimentos, a ponto de possuírem lugar de destaque na legislação a respeito do tema. Nos últimos vinte anos, não importa qual o indicador seja utilizado: capital investido; número de fundos mútuos existentes ou criados; até se considerarmos o número de artigos acadêmicos preocupados com algum aspecto desta indústria. Sempre nos deparamos com um tremendo e persistente crescimento de importância (Gruber, 1996). No Brasil a evolução do patrimônio dos fundos mútuos; com exceção aos solavancos da indústria em 2002, episódio de marcação a mercado, e 2008, crise mundial dos derivativos de crédito imobiliário; tem apresentado crescimento constante, consistente e acelerado (SI-ANBID, 2011). Crescimento este que tem levado o patrimônio dos fundos a patamares que ampliam vertiginosamente a concorrência por profissionais motivados. Afinal, a indústria de fundos tem seu desenvolvimento vinculado às estruturas de gerenciamento de capital e à profissionalização e especialização dos gestores (Franco, 2007). Sendo de suma importância a avaliação das principais variáveis que determinam o maior ou menor desenvolvimento da indústria de fundos mútuos de investimento, seja no âmbito acadêmico, empresarial ou governamental (Iquiapaza, 2005), consideramos avaliar os fatores determinantes na motivação dos gestores, administradores e custodiantes de fundos mútuos de investimentos. Afinal, a motivação de tais profissionais é correlata ao sucesso do investimento que administram, pois devem mitigar os riscos operacionais da gestão de fundos e estão ligados ao retorno sobre esse investimento (Trapp & Corrar, 2005). 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A raiz etimológica da motivação remete ao movimento, à ação, ao exercício. Logo, é intimamente ligada à dinâmica e remete ao cinético. Move o indivíduo e move-se a si mesma já que as relações variam ao longo do tempo. As pessoas não fazem as mesmas coisas pelas

3 mesmas razões, e pode-se acrescentar que mesmo a mesma pessoa pode fazer a mesma coisa por razões diferentes (Bergamini, 1997). Um dos maiores componentes, se não o maior, da produtividade organizacional é a qualidade da relação entre os trabalhadores e as tarefas que realizam (Haak, 2000). Quando há boa aderência entre as pessoas e suas atividades um grande passo no sentido da alta motivação, satisfação e, conseqüentemente, resultado, foi dado. Caberia à organização somente dar subsídios para que os trabalhadores continuem tendo uma relação saudável com seus afazeres (Hackman & Oldham, 1975). Ao se assumir o hedonismo, busca do prazer, ou, de forma mais ampla, da felicidade, como uma virtude da construção humana (Rizzuti, 2002), poder-se-ia assumir que a motivação seria definida como a vontade de um indivíduo na direção de atingi-lo (Lévy- Levoyer, 1994). Sendo a psicologia da motivação tremendamente complexa quando analisada em seus detalhes e o que se desvendou com relativa certeza com o seu auxílio ainda é muito pouco (Herzberg, 1997) Maslow Pirâmide motivacional Assumindo-se que uma vez atingido determinado patamar, determinada ânsia pessoal, determinada necessidade, esta perde muito do seu poder motivador (Bergamini, 1997), poderse-ia compreender o recurso motivador de forma mais eficiente para determinado indivíduo em determinado tempo. Uma poderosa ferramenta nesse sentido seria a pirâmide de Maslow, proposta em 1948, que estabelece uma hierarquia linear sobre os fatores buscados pelos indivíduos ao longo do tempo Auto-realização; Estima; Necessidades sociais; Necessidades de segurança e Necessidades fisiológicas Herzberg Fatores motivacionais Como resultado de seus estudos compilados no livro Motivação para o trabalho de 1959, Frederick Herzberg afirma que o maior fator motivacional para o trabalhador encontrase no interior do próprio trabalho (Gines Jr., 2008). Haak (2000) confirma essa visão baseada no trabalho MOW (Meaning Of Work, Research Team, 1987), destinado à construção de um significado para o trabalho, compilando os valores oferecidos pelo seu exercício: I. Possibilitar a obtenção de prestígio e distinção social; II. Fornecer os rendimentos necessários para a cidadania econômica; III. Manter o indivíduo ocupado e compenetrado; IV. Estabelecer e favorecer o contato e convívio social; V. Fazer com que o indivíduo sinta-se útil à sociedade e à coletividade; VI. Proporcionar a auto-realização. Herzberg utiliza a teoria dos dois fatores (Marras, 2002). Tal teoria afirma que os fatores podem ser classificados segundo a possibilidade de causarem satisfação ou insatisfação. Ela afirma que: Os fatores causadores de satisfação (fatores motivacionais), caso ausentes, não causam insatisfação Realização; Reconhecimento; Tarefas; Responsabilidades; Desenvolvimento; Crescimento.

4 Os fatores causadores de insatisfação (fatores higiênicos), caso presentes, não causam satisfação Supervisão; Política empresarial; Condições ambientais; Relações interpessoais; Distinção social; Remuneração; Vida pessoal McClelland Contingência motivacional Poder-se-ia definir contingência como a qualidade do possível, mas incerto; a qualidade da possibilidade. A partir dessa definição, pode-se discutir a contingência motivacional proposta por McClelland. Segundo Marras (2000) e Shanks (2007), McClelland segrega a motivação em três diferentes forças [possíveis, mas incertas]: I. Motivação para a realização (Need for achievement): força no sentido de satisfazer a necessidade de realização e a superação de metas; II. Motivação para a afiliação (Need for affiliation): força para suprir a necessidade social (de relacionamento) humana; III. Motivação para o poder (Need for power): força para implementar mudanças, influenciar e controlar pessoas Vroom Expectância motivacional As teorias cognitivas da motivação deram origem à família de teorias da expectância, sendo o modelo desenvolvimento por Vroom, o mais conhecido na cultura industrial e organizacional. Modelo motivacional complexo e explorado internacionalmente. Neste modelo multiplicativo são consideradas três variáveis determinantes da motivação, a valência, a instrumentalidade e expectância (Freire & Freitas, 2007). Podem-se conceituar tais variáveis como sendo: I. Expectância: Aquilo que cada pessoa acredita ser capaz de fazer e o que espera como resultado de seus esforços. Assim, pressupõe que exista, antes de qualquer coisa, coerência entre os trabalhos efetuados e as competências que as pessoas reconhecem em si mesmas (Haak, 2000). Expectativa. II. Instrumentalidade: Maneira pela qual cada indivíduo, subjetivamente, percebe a relação que existe entre o trabalho realizado e aquilo que ele traz em troca (Haak, 2000); III. Valência: Ligação que se estabelece entre cada trabalhador e cada uma das possíveis recompensas de trabalho, as quais têm valor puramente pessoal (Haak, 2000). Castro e Neves (2005) descrevem tais conceitos como sucedâneos: 1) Expectativa: Crença de que determinado esforço levará a determinado desempenho; 2) Instrumentalidade: Crença de que determinado desempenho levará a uma recompensa;

5 3) Valência: Crença de que determinada recompensa levará à satisfação. Robbins e Decenzo (2004) complementam que a força motivadora de uma pessoa depende do quanto ela crê que possa alcançar o que almeja, que se o objetivo for alcançado será recompensada e se a recompensa atenderá aos seus anseios individuais Motivação intrínseca e motivação extrínseca Uma visão diferente de se analisar a motivação é classificá-las segundo as origens, interna ou externa, da sua manifestação. Motivação Intrínseca: Resultante do desejo de envolver-se com alguma atividade, tarefa, projeto ou trabalho pelo que ela representa, pela satisfação que ela provê (Kohn, 1998) Reconhecimento; Responsabilidade; Realização; Progresso; Crescimento pessoal. Motivação Extrínseca: Resultante de algum benefício externo obtido quando alguma atividade, projeto ou trabalho é realizado (Kohn, 1998) Políticas organizacionais; Supervisão; Remuneração; Benefícios; Clima e ambiente; Prestígio Síntese das visões Considerando o exposto até o momento, pode-se montar uma matriz sintetizando os aspectos e fatores anteriormente apresentados: Tabela 1 Matriz teórica sobre motivação Pirâmide das necessidades Fatores Contingência motivacional Expectânica Origem da motivação Autorealização Estima Motivadores Realização Expectativa Intrínseca Necessidades sociais Afiliação Instrumentali dade Necessidades de segurança Necessidades fisiológicas Higiênicos Poder Valência Extrínseca Fonte: Elaborado pelo autor

6 3. METODOLOGIA A investigação científica segue procedimento análogo ao do pesquisador de petróleo. Não é perfurando ao acaso que este encontrará o que procura. (Quivy & Campenhoudt, 1998) Fez-se pesquisa dos fenômenos abordando recursos técnicos e metodológicos calcados em fundamentos epistemológicos (Severino, 2007). Isto é, elaborou-se uma pesquisa descritiva baseada nas características de uma amostra representativa dos gestores de portfólios e prestadores de serviços correlatos (gestores, administradores e custodiantes) que foram certificados para essa função pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais) na cidade de São Paulo Plano amostral O tamanho do universo de profissionais, em 2009, segundo dados da ANBIMA, nas cidades de São Paulo, Porto Alegre e Recife são: Tabela 2 Profissionais certificados CPA-10 e CPA-20 Certificação São Paulo Porto Alegre Recife TOTAL CPA % % % % CPA % % 467 1% % TOTAL % % % % Fonte: Site ANBIMA O tamanho da amostra de profissionais na cidade de São Paulo em condições de exercer gestão, administração ou custódia de carteiras de investimentos ou de habilitarem-se para esse serviço em curto prazo foi estimada utilizando-se formulação presente em Barbetta (2002), chegando-se, para um nível de erro de 10% (quinze por cento) ao valor mínimo aproximado de 100 (cem) profissionais entrevistados. 73 (setenta e três) se utilizarmos o modelo presente no sistema disponível para download na internet STATS TM. A determinação do tamanho da amostra respeita a função: n = n=, onde: n Representa a primeira aproximação do tamanho da amostra; E É o erro amostral tolerável; N É o número de elementos da população; n É o tamanho da amostra a ser considerada Coleta de dados Elaborou-se questionário estruturado conforme descrito por (Günther, 2003) para ser aplicado ao máximo de profissionais possível, buscando-se chegar ao número de 100 (cem) respondentes.

7 Tentando cumprir o maior número de respondentes, o questionário foi disponibilizado via Internet utilizando-se o aplicativo Google Docs (pacote de aplicativos baseado em AJAX Asynchronous JavaScript and XML), no site: https://spreadsheets.google.com/viewform?formkey=dgrlsfvzvxzpwlvwngv0cdh6yniwvue6mq. Além disso, foi criada mala direta destinada aos principais gestores de recursos das instituições filiadas à Associação de Investidores no Mercado de Capitais (AMEC, 2010). O tempo de resposta não foi controlado e o questionário continua disponível. Porém, os dados considerados foram compilados em abril/2011, quando se atingiu o total de 107 (cento e sete) respondentes válidos Restrições da pesquisa Quando se fala em questionário e pesquisadores, é preciso assumir uma postura realista. Não só há o fato de os questionários recolherem essencialmente o que os entrevistados acham conveniente declarar sobre seus comportamentos, práticas, situações e opiniões, como nada assegura a ninguém que as questões foram interpretadas do mesmo modo por todos eles. E a pesquisa fundamentada em declarações voluntárias tende a ser distorcida também pelo fato de só computar quem tem algum interesse em declarar alguma opinião. Aliás, há quem alegue que as entrevistas constituem, por si só, fato social relevante que afeta o comportamento e a opinião das pessoas. (Milone, 2004) Considera-se importante ressaltar o viés e as restrições dessa pesquisa, não só pelos motivos alardeados por Milone, como pela forma como a lista de distribuição dos questionários foi montada, contando com indicações diretas dos entrevistados. 4. DESENVOLVIMENTO A partir das respostas ao questionário elaborado, passou-se à organização das informações coletadas de forma a permitir a extração de características comuns e dispares que permitam responder de forma estatisticamente consistente aos objetivos desse trabalho. Estatística é o estudo dos modos de obtenção, coleta, organização, processamento e análise de informações relevantes que permitam quantificar, qualificar ou ordenar entes, coleções, fenômenos ou populações de modo tal que se possa concluir, deduzir ou predizer propriedades, eventos ou estados futuros. (Milone, 2004). Para qualificar melhor a base amostral e visualizar com mais propriedade as informações nela refletidas foram apuradas freqüências e distribuições a respeito das seguintes variáveis: I. Tempo na função atual; II. Tempo de mercado financeiro; III. Percentual da carreira exercida na função atual variável relevante, pois ser promovido para enfrentar maiores desafios pode ser considerado um fator motivacional (Bego, Silva, & Coltre, 2009); IV. Faixa de remuneração fixa; V. Faixa de remuneração variável;

8 VI. VII. Faixa de remuneração anual média estimada determinada considerando-se o valor central de cada classe para a remuneração fixa e para a remuneração variável, além do décimo terceiro salário previsto em lei; Patamar motivacional atual variando entre zero (0) completamente desmotivado e cinco (5) completamente motivado. 5. ANÁLISE DOS RESULTADOS Para a interpretação dos resultados foi elaborada matriz multidimensional cujas propriedades foram analisadas considerando-se dois cenários distintos para as variáveis explicativas (independentes) e variáveis explicadas (dependentes) conforme segue: 5.1. Variável explicativa: Remuneração Os gráficos de superfície apresentados a seguir indicam informações topológicas a respeito do cruzamento matricial da variável explicativa remuneração total com as informações sobre a importância atribuída pela amostra às categorias motivacionais apresentadas pela teoria pesquisada: Maslow Pirâmide motivacional Gráfico 1 Topologia da pirâmide de Maslow 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 Fisiológicas Segurança Sociais Estima Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 1,00-2,00 Fisiológicas Segurança Sociais Estima Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 1,00-2,00

9 Aspectos observados: Fatores à segurança são os menos representativos para esses profissionais em todas as faixas de remuneração, mas principalmente para os profissionais encontrados na terceira classe de remuneração (+- R$ ); Fatores fisiológicos também não são considerados relevantes, exceto nos casos de profissionais com os menores patamares de remuneração; Exceto para profissionais com níveis de renda compatíveis com a segunda e terceira classe os fatores que desenvolvem a estima possuem grande destaque; Verifica-se que à medida que se eleva o patamar de remuneração os fatores comportam-se conforme previsto na pirâmide de motivação e se concentram na estima e na realização McClelland Contingencia motivacional Gráfico 2 Topologia dos fatores de contingencia motivacional de McClelland A 6,00 5,00 4,00 3,00 Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 Poder Afiliação Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 Aspectos observados: As necessidades de afiliação, ou seja, necessidades sociais de vínculos associativos mostram-se cíclicas, ocorrendo em ondas, alternando-se topos e depressões à medida que o nível de remuneração sobre; À medida que se atinge os mais elevados níveis de remuneração a relevância das necessidades de poder, capacidade de implementar idéias, mobilizar pessoas, etc. encontra seus patamares mais baixos; A necessidade de realização pessoal, sempre destacada como importante, também apresenta comportamento cíclico, indicando uma possível flexibilização dessa necessidade num primeiro nível/classe, consolidação num nível superior de rendimento e grande relevância à medida que se atinge as classes mais elevadas.

10 Vroom Expectância motivacional Gráfico 3 Expectância Motivacionais 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 Expectativa 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 Valência Instrumentalidade Expectativa 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 Aspectos observados: Expectância os dados mostram que a relação entre os trabalhos efetuados e o resultado esperado por cada indivíduo é de grande importância para todas as faixas de remuneração. Logo, a coerência entre atividades e competências individuais está sempre ligada á motivação; Instrumentalidade verifica-se que num patamar elevado de remuneração a instrumentalidade perde relevância junto aos demais fatores. Atingindo-se o patamar mais baixo nas classes centrais, retomando importância e voltando a cai no patamar mais elevado; Valência a indicação de menor relevância para as classes entrantes foi claramente percebida, indicando que tais profissionais podem ter maior foco na consolidação da carreira e trajetória profissionais Herzberg Fatores motivacionais Segundo a teoria utilizada, a motivação das pessoas depende dos fatores higiênicos e motivacionais. Os fatores higiênicos referem-se às condições físicas e ambientais de trabalho, o salário, os benefícios sociais, as políticas da empresa, o tipo de supervisão recebida, o clima de relações entre a direção e os empregados, os regulamentos internos, entre outros. Os fatores motivadores referem-se ao conteúdo do cargo, às tarefas e aos deveres relacionados com o cargo em si, produzindo efeitos duradouros de satisfação e aumento de produtividade em níveis de excelência. (Pereira & Fávero, 2001)

11 Gráfico 4 Fatores motivacionais de Herzberg 5,00 3,00 Higiênicos Motivadores 3,00-5,00 Higiênicos Motivadores 3,00-5,00 Aspectos observados: Fatores motivadores são destacados em relação aos fatores higiênicos em todas as classes; Percebem-se claramente três ciclos de sobrevalorização dos fatores motivadores, entende-se que seria a etapa de consolidação no mercado, depois consolidação da carreira e finalmente o patamar de sucesso destacado Motivação intrínseca ou extrínseca Gráfico 5 Topologia da motivação extrínseca & intrínseca 5,00 3,00 Extrínseca Intrínseca 3,00-5,00

12 Extrínseca Intrínseca 3,00-5,00 Aspectos observados: Os profissionais desse mercado possuem reputação de elevado percentual de rendimento variável, normalmente utilizado como ferramenta de motivação extrínseca. Tal reputação foi confirmada pela amostra conforme se demonstra no histograma a seguir. Entretanto, a amostra também evidenciou que a motivação extrínseca, apesar da relevância destacada, apresenta patamar, na maioria das faixas de remuneração, inferior à motivação intrínseca. Novamente pode-se perceber três ondas de sobrevalorização dos fatores intrínsecos, confirmando a existência de três macro-etapas na carreira desses profissionais: Entrada no mercado; Consolidação da carreira; Alcance distinção e sucesso. Kohn (1998) indica possível inexistência de relação entre o pagamento de incentivos, principalmente em altos níveis hierárquicos, com índices de elevado desempenho. A motivação extrínseca para esses profissionais já se arraigou na cultura de mercado e sua existência pode não mais gerar motivação, mas sua ausência passa a gerar desmotivação (característica típica de fatores higiênicos). Dada a presença, o status interno, intrínseco de se obter resultados diferenciados suplanta a relevância do prêmio adicional Variável explicativa: Motivação Os gráficos de superfície apresentados a seguir indicam informações topológicas a respeito do cruzamento matricial da variável explicativa motivação com as variáveis coletadas no questionário e consolidadas estatisticamente: Remuneração fixa (considerando que cada unidade é um múltiplo de R$ 5.000,00) Demonstra-se no histograma a seguir que a remuneração fixa (fator de segurança) para a amostra pesquisada não é necessariamente relevante para a sua motivação. Tanto que o nível de motivação quatro (4), quase totalmente satisfeito, apresenta a menor média de remuneração.

13 Miltiplos de R$ ,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Gráfico 6 Níveis de motivação & Remuneração fixa Nível de motivação Remuneração Variável (em número de salários) Ao contrário da remuneração fixa, a remuneração variável demonstra evolução correlacionada positivamente com o nível de motivação. Isso se explica pela cultura do setor e clima organizacional, onde o número de salários recebidos agrega não somente poder de compra, mas distinção social para o profissional e habilita-o para motivação em outras frentes, outros aspectos. 3,5 Gráfico 7 Níveis de motivação & Remuneração variável Quantidade de salários 3 2,5 2 1,5 1 0, Nível de Motivação Remuneração Total (média em reais) Quando se converte a remuneração variável em financeiro soma-se esta ao rendimento fixo, verifica-se novamente que o poder de compra agregado pela remuneração não possui a mesma capacidade de explicar a motivação dos profissionais que participaram dessa pesquisa. Isso pode comprovar o valor não meramente financeiro atribuído à remuneração variável.

14 R$ Gráfico 8 Níveis de motivação & Remuneração anual total estimada R$ R$ R$ R$ R$ R$ Nível de Motivação Tempo na atividade atual (percentual do tempo de carreira em que está na mesma função) Novamente uma característica específica do setor estudado, a existência de poucos níveis organizacionais, é refletida no resultado pesquisado na amostra. Isto é, mesmo profissionais que atuam há muito tempo na mesma posição organizacional sentem-se plenamente motivados. % da carreira na mesma posição Gráfico 9 Motivação & Tempo atuando na mesma função Nível de Motivação Média do número de horas trabalhadas por dia As informações a seguir denotam a valência atribuída à possibilidade de conciliação adequada entre a vida profissional e a vida particular da amostra estudada. Observa-se inclusive que a capacidade de explicação da motivação é mais direta que a própria remuneração fixa ou remuneração anual média.

15 Horas médias trabalhadas por dia Gráfico 10 Motivação & Média de horas trabalhadas por dia Nível de Motivação 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS 6.1. Análise conclusiva Apesar da relevância destacada, a remuneração total não se mostrou a maior fonte de motivação. Muito pelo contrário, verificou-se que os patamares de menor nível de motivação possuem patamar de remuneração total próxima do maior nível de motivação. Poder-se-ia dizer inclusive que aqueles com nível de motivação em elevação seriam aqueles que estariam com patamares de remuneração em elevação e estariam motivados em função da famosa cenoura utilizada pelas organizações, mas como denotado por Kohn (1998), após a utilização prolongada da cenoura, o comportamentalismo POP não mais possui efeito motivador e passa a ter efeito higiênico. Outra questão de destaque é a importância atribuída, essa sim crescente junto com o nível de motivação, ao número de salários extraordinários (bônus) recebidos aos anos. Isso poderia, à primeira vista, contrariar a constatação de que esses profissionais atribuíram peso maior a motivação intrínseca em detrimento da motivação extrínseca. Porém, existe a possibilidade de se atribuir isso ao fato de que o número de salários nesse mercado não é avaliado somente pelo seu poder de compra (extrínseco), mas também como um fator de diferenciação, de distinção social e de valência e reconhecimento pessoal (intrínseco). Seria praticável ainda afirmar que as fontes de motivação intrínseca, como prazer na execução das atividades e o reconhecimento das próprias qualidades são de grande importância nesse mercado, principalmente nas etapas iniciais e finais da carreira. O ponto intermediário, mais precisamente, o limite superior do terceiro quartil apresenta maior sensibilidade aos fatores higiênicos que os demais. Isso pode estar associado a uma transição de carreira, onde já se atingiu patamar destacado de realização fisiológica, de segurança e necessidades sociais. Sendo nesse momento que um novo desequilíbrio se apresenta, indicando e denotando as necessidades de estima e realização. Até que se verifique o direcionamento de carreira, fatores anteriormente motivadores perderam a eficiência e novos fatores motivadores serão procurados, mas os fatores higiênicos começam a ter peso

16 destacado. Isto é, a presença de fatores higiênicos até então desprezados começam a chamar a atenção dos profissionais. Verificou-se em diversas vezes três momentos na carreira profissional (segmentando-se a carreira pelo patamar de remuneração). Entende-se que tais momentos seriam a afirmação na carreira, a maturidade e o sucesso final, onde se estaria mais voltado para as questões de sucesso pessoal em detrimento às metas financeiras. Isso estaria alinhado às etapas de vivencia privada (Debert, 2010). Finalmente, a amostra pesquisada ressaltou a importância da valência em detrimento da instrumentalidade, pois uma redução no número de horas dedicadas à atividade profissional e conseqüente valorização dos fatores individuais está ligada ao aumento da motivação, verificando-se uma correlação negativa. Diante de todo o apresentado, os resultados encontrados para essa amostra alinham-se às teorias motivacionais abordadas e podem ser considerados uma aproximação estatisticamente consistente para a população se considerarmos o apresentado por Barbetta (2002). A ponderação dos fatores motivacionais, sua manutenção e o equilíbrio desses fatores ao longo do tempo são dinâmicos. Mesmo nos casos em que, num primeiro momento, verificam-se fatores motivacionais muito próximos, a cada etapa da carreira um profissional demanda que se apazigúe um desequilíbrio motivacional diferente. Ressalta-se a importância e a eficiência da motivação resultante de ferramentas extrínsecas, principalmente no médio e curto prazo. Entretanto, afirma-se que a motivação intrínseca seja mais perene e duradoura. Mas nada disso será valioso se não for associado ao monitoramento e engajamento dinâmico dos indivíduos e instituições. A capacidade de geração de excedente, ou seja, poupança, e o destino desse excedente, o investimento e seu retorno (sobre o capital investido), são as chaves no processo de crescimento econômico (Amadeo & Montero, 2004). Assim, complementa-se que qualidade na análise e gestão (gestão, administração e custódia) desse investimento faz parte dessa chave; e que a compreensão da motivação dos profissionais responsáveis por esse serviço poderá manter a tal chave funcionando como esperado. 7. BIBLIOGRAFIA Amadeo, E., & Montero, F. (2004). Crescimento Econômico e a Restrição de Poupança. São Paulo: Tendências Consultoria Integrada. AMEC. (2010). Acesso em Setembro de 2010, disponível em Associação de Investidores no Mercado de Capitais: ANBID. (2009). Apresentação aos clientes e profissionais. Acesso em Agosto de 2010, disponível em Certificação Continuada: ANBIMA. (30 de Março de 2010). Exame Online de Certificação CEI. Acesso em Agosto de 2010, disponível em Sumário Estatístico:

17 ANBIMA. (2009). Fechamento de Acesso em Agosto de 2010, disponível em Sumário dos Exames da ANBIMA: Barbetta, P. A. (2002). Estatística Aplicada às Ciências Sociais. UFSC. Bego, E. M., Silva, J. M., & Coltre, S. M. (Novembro de 2009). Motivação dos funcionários de uma empresa contábil. SINCAD. Paraná: UNIOESTE. Bergamini, C. W. (1997). Motivação nas Organizações. São Paulo: Atlas. Castro, L. T., & Neves, M. F. (2005). Administração de Vendas: Planejamento, estratégia e gestão. Atlas. CVM. (2004). Instrução Normativa 409/2004. Acesso em 2010, disponível em Comissão de Valores Mobiliários: Debert, G. G. (2010). Evelhecimento e Curso da Vida. Acesso em Janeiro de 2011, disponível em Jornal UFSC: Decision Analist. (s.d.). STATS TM 2.0 System. Acesso em Setembro de 2010, disponível em STATS TM: Franco, T. (2007). Dissertação de Mestrado. Gestão de Investimentos: A Perspectiva das Assets Management na Industria de Serviços Financeiros. Rio de Janeiro, Brasil: Faculdade de Economia e Finanças IBMEC. Freire, A. C., & Freitas, L. S. (2007). Aplicação da teoria da expectância de Vroom na perspectiva de jovens universitários em seus primeiros empregos. Brasil: Universidade Federal de Campina Grande. Gines Jr., C. S. (2008). Dissertação de Mestrado. Análise dos Fatores Motivacionais dos Corretores de Imóveis da Cidade de São Paulo. PUC-SP. Gruber, M. J. (July de 1996). Another Puzzle: The Growth in Actively Managed Mutal Funds. Papers and Proceedings of the Fifty-Sixth Annual Meeting of American Finance Association. San Francisco, California, USA: Journal of Finance. Günther, H. (2003). Como Elaborar um Questionário. Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais. Brasil: Universidade de Brasília: Laboratório de Psicologia Ambiental. Haak, M. K. (Julho de 2000). Programa de qualidade e motivação para o trabalho: Um estudo exploratório no setor de serviços. São Paulo, Brasil: Revista de Administração. Hackman, J. R., & Oldham, G. R. (1975). Development of the Job Diagnostic Survey. USA: Journal of Applied Psychology. Herzberg, F. (1997). Mais uma vez: Como motivas seus funcionários? In: Vroom, Victor Harold. Gestão de pessoas, não de pessoal. Elsevier. Iquiapaza, R. A. (2005). Dissertação de Mestrado. Condicionantes do crescimento dos fundos mútuos de investimentos no Brasil e no Peru: Um estudo das captações líquidas agregadas. Brasil: CEPEAD UFMG.

18 Kaldor, N. (1938). Estabilidade e Pleno Emprego. Economic Journal. Kohn, A. (1998). Punidos pelas recompensas: Os problemas causados por prêmios por produtividade. Atlas. Lévy-Levoyer, C. (1994). A Crise das Motivações. São Paulo: Atlas. Marras, J. P. (2002). Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. Futura. Milone, G. (2004). Estatística Geral e Aplicada. Thomson. MOW. (1987). Meaning Of Work. USA: Research Team. Pereira, M. C., & Fávero, N. (2001). A motivação no trabalho da equipe de enfermagem. Rev. Latino-am. Enfermagem. Quivy, R., & Campenhoudt, L. V. (1998). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva. Rizzuti, E. V. (2002). Hedonismo como Conteúdo Filosófico do Lazer. Santa Cruz do Sul: UNISC. Robbins, S. P., & Decenzo, D. A. (2004). Fundamentos da Administração. Prentice Hall. Severino, A. J. (2007). Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez Editora. Shanks, N. H. (2007). Introduction to Health Care Management. USA: Jones and Bartlett Publishers. Shanks, N. H. (s.d.). Management and Motivation. Fonte: SI-ANBID. (2011). Fundos de Investimentos SI-ANBID. Fonte: ANBID: Trapp, A. C., & Corrar, L. J. (2005). Avaliação e Gerenciamento do Risco Operacional no Brasil: Análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. R. Cont. Fin. nº 27 JAN/ABR.

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO

Leia mais

Noções de Liderança e Motivação

Noções de Liderança e Motivação Liderança A questão da liderança pode ser abordada de inúmeras formas: Liderança e Poder (recursos do poder) Liderança e Dominação (teorias da dominação legítima de Max Weber) Líder pela tradição Líder

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Blue Mind Desenvolvimento Humano

Blue Mind Desenvolvimento Humano Conhecendo o Coaching Por Fábio Ferreira Professional & Self Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, com certificação internacional pela European Coaching Association e Global Coaching Community,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MBA REAL ESTATE DO NRE-POLI Profa. Dra. Eliane Monetti

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MBA REAL ESTATE DO NRE-POLI Profa. Dra. Eliane Monetti 1 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E O MBA REAL ESTATE DO NRE-POLI Profa. Dra. Eliane Monetti O tema do real estate no Brasil ainda não é alvo de uma formação específica em nível de graduação, sendo contemplado,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras

Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras Anexo à Política de Investimento Diretrizes para Seleção e Avaliação de Gestores e/ou Administradores, Custodiantes e Corretoras 2014 a 2018 Novembro de 2013 1 ÍNDICE 1. PROCESSO DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela

TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php. Eduardo Varela TURN OVER VOLUNTÁRIO UMA BREVE ANÁLISE DOS ESTÍMULOS www.factor9.com.br/educacional.php Eduardo Varela 1 Turnover Voluntário Uma breve análise dos estímulos www.factor9.com.br/educacional.php Turnover

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de

O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de Aula 02 1 2 O Gerenciamento Organizacional de Projetos (GOP) pode ser descrito como uma estrutura de execução da estratégia coorporativa, com objetivo de alcançar melhor desempenho, melhores resultados

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU. Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE. Teorias Motivacionais

GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU. Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE. Teorias Motivacionais GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE Teorias Motivacionais (Cespe / Detran 2009) Julgue os itens a seguir, acerca de motivação e satisfação no trabalho. 1)

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Conceito de pesquisa

Conceito de pesquisa Conceito de pesquisa A pesquisa e uma atividade voltada para a solução de problemas, através do emprego de procedimentos científicos. Seus elementos são: 1. Problema ou dúvida 2. Metodo científico 3. Resposta

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

http://www.de.ufpb.br/~luiz/

http://www.de.ufpb.br/~luiz/ UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA MEDIDAS DESCRITIVAS Departamento de Estatística Luiz Medeiros http://www.de.ufpb.br/~luiz/ Vimos que é possível sintetizar os dados sob a forma de distribuições de frequências

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROVIC PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPACTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO PRODUTO INTERNO BRUTO BRASILEIRO

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS.

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. 1 SILVA, Benair Alves da 2 DA ROSA, Wanderlan Barreto RESUMO O artigo tem a intenção de saber se os servidores públicos educacionais de Rondonópolis

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Justificativa da iniciativa

Justificativa da iniciativa Sumário Justificativa da iniciativa O que é o Framework? Apresentação básica de cada ferramenta Quais projetos serão avaliados por meio do Framework? Fluxo de avaliação Expectativas Justificativa da iniciativa

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

Indicadores de desempenho de processos de negócio

Indicadores de desempenho de processos de negócio Indicadores de desempenho de processos de negócio 14:30, a sala de reunião de uma empresa. De um lado da mesa estão o gerente de um produto, um usuário-chave representante do cliente, do outro se encontram

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Política de Suitability

Política de Suitability Política de Suitability Outubro 2015 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Suitability ( Política ) é estabelecer procedimentos formais que possibilitem verificar a adequação do investimento realizado

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 1. Como adquirir motivação? Contextualização. Elementos Fundamentais. Instrumentalização

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 1. Como adquirir motivação? Contextualização. Elementos Fundamentais. Instrumentalização Motivação e Satisfação no Trabalho Aula 1 Profa. Adriana Straube Organização da Aula Equívocos sobre Motivação e Recompensas Teorias da Motivação Técnicas de Motivação Papel da Gerência Como adquirir motivação?

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais