FUNDOS MÚTUOS DE INVESTIMENTO, GESTORES, ADMINISTRADORES, CUSTODIANTES E SEUS FATORES MOTIVACIONAIS. César Augusto Fregnani / UNINOVE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDOS MÚTUOS DE INVESTIMENTO, GESTORES, ADMINISTRADORES, CUSTODIANTES E SEUS FATORES MOTIVACIONAIS. César Augusto Fregnani / UNINOVE"

Transcrição

1 FUNDOS MÚTUOS DE INVESTIMENTO, GESTORES, ADMINISTRADORES, CUSTODIANTES E SEUS FATORES MOTIVACIONAIS César Augusto Fregnani / UNINOVE Luiz Eduardo Gasparelo / PUC-SP RESUMO: Estabelecendo uma correlação positiva entre o crescimento econômico, o incremente no patrimônio dos fundos mútuos de investimentos, a manutenção da qualidade no serviço de gestão e a economia popular, o objetivo deste estudo é levantar e avaliar os principais fatores determinantes na motivação dos gestores, administradores e custodiantes de fundos mútuos de investimentos, através de pesquisa descritiva baseada nas características de uma amostra representativa da população desses profissionais em São Paulo. A pesquisa foi elaborada a partir de metodologia epistemologicamente validada e suas respostas foram compiladas em matriz multidimensional que permitiu avaliar as variáveis explicativas relacionadas ao nível de motivação desses profissionais e ao seu patamar de remuneração. Palavras-chave: Motivação, Gestores de Investimentos e Fundos Mútuos. ABSTRACT: Establishing a positive correlation among economic growth, mutual funds capital increase, quality requirements on asset management and public savings, the study objective is to investigate and evaluate the main motivation factors in mutual fund industry (asset manager, custodians, clearing houses and settlers) based on descriptive research and a sample of São Paulo market professionals. The survey was taken in place using epistemologically consistent methods and the answers were compiled in a multidimensional matrix allowing assessing the explanatory variables: motivational levels and professional remuneration baseline and bonus. Keywords: Motivation, Asset Management and Mutual Funds.

2 1. INTRODUÇÃO É verdade que no longo prazo estaremos todos mortos. Porém, poderíamos deixar herdeiros menos pobres se fosse mais disseminada na sociedade a relevância dos fundamentos do crescimento, que são a educação, tecnologia, investimento e poupança. (Amadeo & Montero, 2004) Muito debatido, o controverso crescimento econômico, conforme demonstrado pela teoria do pleno emprego cujos primórdios retomam Nicholas Kaldor (1938), está positivamente correlacionado com o nível de poupança e investimento de uma nação. Isto é, o nível de crescimento, desenvolvimento e renda de um país está diretamente correlacionado ao seu nível de poupança e investimento. Diferenciando-se poupança, que é a parcela da renda de pessoas físicas ou jurídicas superavitárias não gastam em determinado período, guardando-a para ser usada num momento futuro não confundir com a poupança financeira, que consiste numa alternativa de investimento e investimento, que é a aplicação de capital em ativos de produção, de reserva de valor ou em ativos financeiros com a finalidade manutenção ou potencialização do poder de compra do capital investido, afirma-se que fundos mútuos de investimentos financeiros, talvez os mais simples intermediários financeiros existentes (Iquiapaza, 2005), representam, no Brasil e no mundo, uma opção massificada de investimento direcionada aos pequenos, médios e grandes investidores. Até investidores mais sofisticados, como os investidores qualificados ou institucionais, assim designados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) utilizam-se largamente desse veículo nos seus investimentos, a ponto de possuírem lugar de destaque na legislação a respeito do tema. Nos últimos vinte anos, não importa qual o indicador seja utilizado: capital investido; número de fundos mútuos existentes ou criados; até se considerarmos o número de artigos acadêmicos preocupados com algum aspecto desta indústria. Sempre nos deparamos com um tremendo e persistente crescimento de importância (Gruber, 1996). No Brasil a evolução do patrimônio dos fundos mútuos; com exceção aos solavancos da indústria em 2002, episódio de marcação a mercado, e 2008, crise mundial dos derivativos de crédito imobiliário; tem apresentado crescimento constante, consistente e acelerado (SI-ANBID, 2011). Crescimento este que tem levado o patrimônio dos fundos a patamares que ampliam vertiginosamente a concorrência por profissionais motivados. Afinal, a indústria de fundos tem seu desenvolvimento vinculado às estruturas de gerenciamento de capital e à profissionalização e especialização dos gestores (Franco, 2007). Sendo de suma importância a avaliação das principais variáveis que determinam o maior ou menor desenvolvimento da indústria de fundos mútuos de investimento, seja no âmbito acadêmico, empresarial ou governamental (Iquiapaza, 2005), consideramos avaliar os fatores determinantes na motivação dos gestores, administradores e custodiantes de fundos mútuos de investimentos. Afinal, a motivação de tais profissionais é correlata ao sucesso do investimento que administram, pois devem mitigar os riscos operacionais da gestão de fundos e estão ligados ao retorno sobre esse investimento (Trapp & Corrar, 2005). 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A raiz etimológica da motivação remete ao movimento, à ação, ao exercício. Logo, é intimamente ligada à dinâmica e remete ao cinético. Move o indivíduo e move-se a si mesma já que as relações variam ao longo do tempo. As pessoas não fazem as mesmas coisas pelas

3 mesmas razões, e pode-se acrescentar que mesmo a mesma pessoa pode fazer a mesma coisa por razões diferentes (Bergamini, 1997). Um dos maiores componentes, se não o maior, da produtividade organizacional é a qualidade da relação entre os trabalhadores e as tarefas que realizam (Haak, 2000). Quando há boa aderência entre as pessoas e suas atividades um grande passo no sentido da alta motivação, satisfação e, conseqüentemente, resultado, foi dado. Caberia à organização somente dar subsídios para que os trabalhadores continuem tendo uma relação saudável com seus afazeres (Hackman & Oldham, 1975). Ao se assumir o hedonismo, busca do prazer, ou, de forma mais ampla, da felicidade, como uma virtude da construção humana (Rizzuti, 2002), poder-se-ia assumir que a motivação seria definida como a vontade de um indivíduo na direção de atingi-lo (Lévy- Levoyer, 1994). Sendo a psicologia da motivação tremendamente complexa quando analisada em seus detalhes e o que se desvendou com relativa certeza com o seu auxílio ainda é muito pouco (Herzberg, 1997) Maslow Pirâmide motivacional Assumindo-se que uma vez atingido determinado patamar, determinada ânsia pessoal, determinada necessidade, esta perde muito do seu poder motivador (Bergamini, 1997), poderse-ia compreender o recurso motivador de forma mais eficiente para determinado indivíduo em determinado tempo. Uma poderosa ferramenta nesse sentido seria a pirâmide de Maslow, proposta em 1948, que estabelece uma hierarquia linear sobre os fatores buscados pelos indivíduos ao longo do tempo Auto-realização; Estima; Necessidades sociais; Necessidades de segurança e Necessidades fisiológicas Herzberg Fatores motivacionais Como resultado de seus estudos compilados no livro Motivação para o trabalho de 1959, Frederick Herzberg afirma que o maior fator motivacional para o trabalhador encontrase no interior do próprio trabalho (Gines Jr., 2008). Haak (2000) confirma essa visão baseada no trabalho MOW (Meaning Of Work, Research Team, 1987), destinado à construção de um significado para o trabalho, compilando os valores oferecidos pelo seu exercício: I. Possibilitar a obtenção de prestígio e distinção social; II. Fornecer os rendimentos necessários para a cidadania econômica; III. Manter o indivíduo ocupado e compenetrado; IV. Estabelecer e favorecer o contato e convívio social; V. Fazer com que o indivíduo sinta-se útil à sociedade e à coletividade; VI. Proporcionar a auto-realização. Herzberg utiliza a teoria dos dois fatores (Marras, 2002). Tal teoria afirma que os fatores podem ser classificados segundo a possibilidade de causarem satisfação ou insatisfação. Ela afirma que: Os fatores causadores de satisfação (fatores motivacionais), caso ausentes, não causam insatisfação Realização; Reconhecimento; Tarefas; Responsabilidades; Desenvolvimento; Crescimento.

4 Os fatores causadores de insatisfação (fatores higiênicos), caso presentes, não causam satisfação Supervisão; Política empresarial; Condições ambientais; Relações interpessoais; Distinção social; Remuneração; Vida pessoal McClelland Contingência motivacional Poder-se-ia definir contingência como a qualidade do possível, mas incerto; a qualidade da possibilidade. A partir dessa definição, pode-se discutir a contingência motivacional proposta por McClelland. Segundo Marras (2000) e Shanks (2007), McClelland segrega a motivação em três diferentes forças [possíveis, mas incertas]: I. Motivação para a realização (Need for achievement): força no sentido de satisfazer a necessidade de realização e a superação de metas; II. Motivação para a afiliação (Need for affiliation): força para suprir a necessidade social (de relacionamento) humana; III. Motivação para o poder (Need for power): força para implementar mudanças, influenciar e controlar pessoas Vroom Expectância motivacional As teorias cognitivas da motivação deram origem à família de teorias da expectância, sendo o modelo desenvolvimento por Vroom, o mais conhecido na cultura industrial e organizacional. Modelo motivacional complexo e explorado internacionalmente. Neste modelo multiplicativo são consideradas três variáveis determinantes da motivação, a valência, a instrumentalidade e expectância (Freire & Freitas, 2007). Podem-se conceituar tais variáveis como sendo: I. Expectância: Aquilo que cada pessoa acredita ser capaz de fazer e o que espera como resultado de seus esforços. Assim, pressupõe que exista, antes de qualquer coisa, coerência entre os trabalhos efetuados e as competências que as pessoas reconhecem em si mesmas (Haak, 2000). Expectativa. II. Instrumentalidade: Maneira pela qual cada indivíduo, subjetivamente, percebe a relação que existe entre o trabalho realizado e aquilo que ele traz em troca (Haak, 2000); III. Valência: Ligação que se estabelece entre cada trabalhador e cada uma das possíveis recompensas de trabalho, as quais têm valor puramente pessoal (Haak, 2000). Castro e Neves (2005) descrevem tais conceitos como sucedâneos: 1) Expectativa: Crença de que determinado esforço levará a determinado desempenho; 2) Instrumentalidade: Crença de que determinado desempenho levará a uma recompensa;

5 3) Valência: Crença de que determinada recompensa levará à satisfação. Robbins e Decenzo (2004) complementam que a força motivadora de uma pessoa depende do quanto ela crê que possa alcançar o que almeja, que se o objetivo for alcançado será recompensada e se a recompensa atenderá aos seus anseios individuais Motivação intrínseca e motivação extrínseca Uma visão diferente de se analisar a motivação é classificá-las segundo as origens, interna ou externa, da sua manifestação. Motivação Intrínseca: Resultante do desejo de envolver-se com alguma atividade, tarefa, projeto ou trabalho pelo que ela representa, pela satisfação que ela provê (Kohn, 1998) Reconhecimento; Responsabilidade; Realização; Progresso; Crescimento pessoal. Motivação Extrínseca: Resultante de algum benefício externo obtido quando alguma atividade, projeto ou trabalho é realizado (Kohn, 1998) Políticas organizacionais; Supervisão; Remuneração; Benefícios; Clima e ambiente; Prestígio Síntese das visões Considerando o exposto até o momento, pode-se montar uma matriz sintetizando os aspectos e fatores anteriormente apresentados: Tabela 1 Matriz teórica sobre motivação Pirâmide das necessidades Fatores Contingência motivacional Expectânica Origem da motivação Autorealização Estima Motivadores Realização Expectativa Intrínseca Necessidades sociais Afiliação Instrumentali dade Necessidades de segurança Necessidades fisiológicas Higiênicos Poder Valência Extrínseca Fonte: Elaborado pelo autor

6 3. METODOLOGIA A investigação científica segue procedimento análogo ao do pesquisador de petróleo. Não é perfurando ao acaso que este encontrará o que procura. (Quivy & Campenhoudt, 1998) Fez-se pesquisa dos fenômenos abordando recursos técnicos e metodológicos calcados em fundamentos epistemológicos (Severino, 2007). Isto é, elaborou-se uma pesquisa descritiva baseada nas características de uma amostra representativa dos gestores de portfólios e prestadores de serviços correlatos (gestores, administradores e custodiantes) que foram certificados para essa função pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais) na cidade de São Paulo Plano amostral O tamanho do universo de profissionais, em 2009, segundo dados da ANBIMA, nas cidades de São Paulo, Porto Alegre e Recife são: Tabela 2 Profissionais certificados CPA-10 e CPA-20 Certificação São Paulo Porto Alegre Recife TOTAL CPA % % % % CPA % % 467 1% % TOTAL % % % % Fonte: Site ANBIMA O tamanho da amostra de profissionais na cidade de São Paulo em condições de exercer gestão, administração ou custódia de carteiras de investimentos ou de habilitarem-se para esse serviço em curto prazo foi estimada utilizando-se formulação presente em Barbetta (2002), chegando-se, para um nível de erro de 10% (quinze por cento) ao valor mínimo aproximado de 100 (cem) profissionais entrevistados. 73 (setenta e três) se utilizarmos o modelo presente no sistema disponível para download na internet STATS TM. A determinação do tamanho da amostra respeita a função: n = n=, onde: n Representa a primeira aproximação do tamanho da amostra; E É o erro amostral tolerável; N É o número de elementos da população; n É o tamanho da amostra a ser considerada Coleta de dados Elaborou-se questionário estruturado conforme descrito por (Günther, 2003) para ser aplicado ao máximo de profissionais possível, buscando-se chegar ao número de 100 (cem) respondentes.

7 Tentando cumprir o maior número de respondentes, o questionário foi disponibilizado via Internet utilizando-se o aplicativo Google Docs (pacote de aplicativos baseado em AJAX Asynchronous JavaScript and XML), no site: https://spreadsheets.google.com/viewform?formkey=dgrlsfvzvxzpwlvwngv0cdh6yniwvue6mq. Além disso, foi criada mala direta destinada aos principais gestores de recursos das instituições filiadas à Associação de Investidores no Mercado de Capitais (AMEC, 2010). O tempo de resposta não foi controlado e o questionário continua disponível. Porém, os dados considerados foram compilados em abril/2011, quando se atingiu o total de 107 (cento e sete) respondentes válidos Restrições da pesquisa Quando se fala em questionário e pesquisadores, é preciso assumir uma postura realista. Não só há o fato de os questionários recolherem essencialmente o que os entrevistados acham conveniente declarar sobre seus comportamentos, práticas, situações e opiniões, como nada assegura a ninguém que as questões foram interpretadas do mesmo modo por todos eles. E a pesquisa fundamentada em declarações voluntárias tende a ser distorcida também pelo fato de só computar quem tem algum interesse em declarar alguma opinião. Aliás, há quem alegue que as entrevistas constituem, por si só, fato social relevante que afeta o comportamento e a opinião das pessoas. (Milone, 2004) Considera-se importante ressaltar o viés e as restrições dessa pesquisa, não só pelos motivos alardeados por Milone, como pela forma como a lista de distribuição dos questionários foi montada, contando com indicações diretas dos entrevistados. 4. DESENVOLVIMENTO A partir das respostas ao questionário elaborado, passou-se à organização das informações coletadas de forma a permitir a extração de características comuns e dispares que permitam responder de forma estatisticamente consistente aos objetivos desse trabalho. Estatística é o estudo dos modos de obtenção, coleta, organização, processamento e análise de informações relevantes que permitam quantificar, qualificar ou ordenar entes, coleções, fenômenos ou populações de modo tal que se possa concluir, deduzir ou predizer propriedades, eventos ou estados futuros. (Milone, 2004). Para qualificar melhor a base amostral e visualizar com mais propriedade as informações nela refletidas foram apuradas freqüências e distribuições a respeito das seguintes variáveis: I. Tempo na função atual; II. Tempo de mercado financeiro; III. Percentual da carreira exercida na função atual variável relevante, pois ser promovido para enfrentar maiores desafios pode ser considerado um fator motivacional (Bego, Silva, & Coltre, 2009); IV. Faixa de remuneração fixa; V. Faixa de remuneração variável;

8 VI. VII. Faixa de remuneração anual média estimada determinada considerando-se o valor central de cada classe para a remuneração fixa e para a remuneração variável, além do décimo terceiro salário previsto em lei; Patamar motivacional atual variando entre zero (0) completamente desmotivado e cinco (5) completamente motivado. 5. ANÁLISE DOS RESULTADOS Para a interpretação dos resultados foi elaborada matriz multidimensional cujas propriedades foram analisadas considerando-se dois cenários distintos para as variáveis explicativas (independentes) e variáveis explicadas (dependentes) conforme segue: 5.1. Variável explicativa: Remuneração Os gráficos de superfície apresentados a seguir indicam informações topológicas a respeito do cruzamento matricial da variável explicativa remuneração total com as informações sobre a importância atribuída pela amostra às categorias motivacionais apresentadas pela teoria pesquisada: Maslow Pirâmide motivacional Gráfico 1 Topologia da pirâmide de Maslow 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 Fisiológicas Segurança Sociais Estima Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 1,00-2,00 Fisiológicas Segurança Sociais Estima Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 1,00-2,00

9 Aspectos observados: Fatores à segurança são os menos representativos para esses profissionais em todas as faixas de remuneração, mas principalmente para os profissionais encontrados na terceira classe de remuneração (+- R$ ); Fatores fisiológicos também não são considerados relevantes, exceto nos casos de profissionais com os menores patamares de remuneração; Exceto para profissionais com níveis de renda compatíveis com a segunda e terceira classe os fatores que desenvolvem a estima possuem grande destaque; Verifica-se que à medida que se eleva o patamar de remuneração os fatores comportam-se conforme previsto na pirâmide de motivação e se concentram na estima e na realização McClelland Contingencia motivacional Gráfico 2 Topologia dos fatores de contingencia motivacional de McClelland A 6,00 5,00 4,00 3,00 Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 Poder Afiliação Realização 4,00-5,00 3,00-4,00 Aspectos observados: As necessidades de afiliação, ou seja, necessidades sociais de vínculos associativos mostram-se cíclicas, ocorrendo em ondas, alternando-se topos e depressões à medida que o nível de remuneração sobre; À medida que se atinge os mais elevados níveis de remuneração a relevância das necessidades de poder, capacidade de implementar idéias, mobilizar pessoas, etc. encontra seus patamares mais baixos; A necessidade de realização pessoal, sempre destacada como importante, também apresenta comportamento cíclico, indicando uma possível flexibilização dessa necessidade num primeiro nível/classe, consolidação num nível superior de rendimento e grande relevância à medida que se atinge as classes mais elevadas.

10 Vroom Expectância motivacional Gráfico 3 Expectância Motivacionais 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 Expectativa 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 Valência Instrumentalidade Expectativa 4,00-5,00 3,00-4,00 2,00-3,00 Aspectos observados: Expectância os dados mostram que a relação entre os trabalhos efetuados e o resultado esperado por cada indivíduo é de grande importância para todas as faixas de remuneração. Logo, a coerência entre atividades e competências individuais está sempre ligada á motivação; Instrumentalidade verifica-se que num patamar elevado de remuneração a instrumentalidade perde relevância junto aos demais fatores. Atingindo-se o patamar mais baixo nas classes centrais, retomando importância e voltando a cai no patamar mais elevado; Valência a indicação de menor relevância para as classes entrantes foi claramente percebida, indicando que tais profissionais podem ter maior foco na consolidação da carreira e trajetória profissionais Herzberg Fatores motivacionais Segundo a teoria utilizada, a motivação das pessoas depende dos fatores higiênicos e motivacionais. Os fatores higiênicos referem-se às condições físicas e ambientais de trabalho, o salário, os benefícios sociais, as políticas da empresa, o tipo de supervisão recebida, o clima de relações entre a direção e os empregados, os regulamentos internos, entre outros. Os fatores motivadores referem-se ao conteúdo do cargo, às tarefas e aos deveres relacionados com o cargo em si, produzindo efeitos duradouros de satisfação e aumento de produtividade em níveis de excelência. (Pereira & Fávero, 2001)

11 Gráfico 4 Fatores motivacionais de Herzberg 5,00 3,00 Higiênicos Motivadores 3,00-5,00 Higiênicos Motivadores 3,00-5,00 Aspectos observados: Fatores motivadores são destacados em relação aos fatores higiênicos em todas as classes; Percebem-se claramente três ciclos de sobrevalorização dos fatores motivadores, entende-se que seria a etapa de consolidação no mercado, depois consolidação da carreira e finalmente o patamar de sucesso destacado Motivação intrínseca ou extrínseca Gráfico 5 Topologia da motivação extrínseca & intrínseca 5,00 3,00 Extrínseca Intrínseca 3,00-5,00

12 Extrínseca Intrínseca 3,00-5,00 Aspectos observados: Os profissionais desse mercado possuem reputação de elevado percentual de rendimento variável, normalmente utilizado como ferramenta de motivação extrínseca. Tal reputação foi confirmada pela amostra conforme se demonstra no histograma a seguir. Entretanto, a amostra também evidenciou que a motivação extrínseca, apesar da relevância destacada, apresenta patamar, na maioria das faixas de remuneração, inferior à motivação intrínseca. Novamente pode-se perceber três ondas de sobrevalorização dos fatores intrínsecos, confirmando a existência de três macro-etapas na carreira desses profissionais: Entrada no mercado; Consolidação da carreira; Alcance distinção e sucesso. Kohn (1998) indica possível inexistência de relação entre o pagamento de incentivos, principalmente em altos níveis hierárquicos, com índices de elevado desempenho. A motivação extrínseca para esses profissionais já se arraigou na cultura de mercado e sua existência pode não mais gerar motivação, mas sua ausência passa a gerar desmotivação (característica típica de fatores higiênicos). Dada a presença, o status interno, intrínseco de se obter resultados diferenciados suplanta a relevância do prêmio adicional Variável explicativa: Motivação Os gráficos de superfície apresentados a seguir indicam informações topológicas a respeito do cruzamento matricial da variável explicativa motivação com as variáveis coletadas no questionário e consolidadas estatisticamente: Remuneração fixa (considerando que cada unidade é um múltiplo de R$ 5.000,00) Demonstra-se no histograma a seguir que a remuneração fixa (fator de segurança) para a amostra pesquisada não é necessariamente relevante para a sua motivação. Tanto que o nível de motivação quatro (4), quase totalmente satisfeito, apresenta a menor média de remuneração.

13 Miltiplos de R$ ,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 Gráfico 6 Níveis de motivação & Remuneração fixa Nível de motivação Remuneração Variável (em número de salários) Ao contrário da remuneração fixa, a remuneração variável demonstra evolução correlacionada positivamente com o nível de motivação. Isso se explica pela cultura do setor e clima organizacional, onde o número de salários recebidos agrega não somente poder de compra, mas distinção social para o profissional e habilita-o para motivação em outras frentes, outros aspectos. 3,5 Gráfico 7 Níveis de motivação & Remuneração variável Quantidade de salários 3 2,5 2 1,5 1 0, Nível de Motivação Remuneração Total (média em reais) Quando se converte a remuneração variável em financeiro soma-se esta ao rendimento fixo, verifica-se novamente que o poder de compra agregado pela remuneração não possui a mesma capacidade de explicar a motivação dos profissionais que participaram dessa pesquisa. Isso pode comprovar o valor não meramente financeiro atribuído à remuneração variável.

14 R$ Gráfico 8 Níveis de motivação & Remuneração anual total estimada R$ R$ R$ R$ R$ R$ Nível de Motivação Tempo na atividade atual (percentual do tempo de carreira em que está na mesma função) Novamente uma característica específica do setor estudado, a existência de poucos níveis organizacionais, é refletida no resultado pesquisado na amostra. Isto é, mesmo profissionais que atuam há muito tempo na mesma posição organizacional sentem-se plenamente motivados. % da carreira na mesma posição Gráfico 9 Motivação & Tempo atuando na mesma função Nível de Motivação Média do número de horas trabalhadas por dia As informações a seguir denotam a valência atribuída à possibilidade de conciliação adequada entre a vida profissional e a vida particular da amostra estudada. Observa-se inclusive que a capacidade de explicação da motivação é mais direta que a própria remuneração fixa ou remuneração anual média.

15 Horas médias trabalhadas por dia Gráfico 10 Motivação & Média de horas trabalhadas por dia Nível de Motivação 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS 6.1. Análise conclusiva Apesar da relevância destacada, a remuneração total não se mostrou a maior fonte de motivação. Muito pelo contrário, verificou-se que os patamares de menor nível de motivação possuem patamar de remuneração total próxima do maior nível de motivação. Poder-se-ia dizer inclusive que aqueles com nível de motivação em elevação seriam aqueles que estariam com patamares de remuneração em elevação e estariam motivados em função da famosa cenoura utilizada pelas organizações, mas como denotado por Kohn (1998), após a utilização prolongada da cenoura, o comportamentalismo POP não mais possui efeito motivador e passa a ter efeito higiênico. Outra questão de destaque é a importância atribuída, essa sim crescente junto com o nível de motivação, ao número de salários extraordinários (bônus) recebidos aos anos. Isso poderia, à primeira vista, contrariar a constatação de que esses profissionais atribuíram peso maior a motivação intrínseca em detrimento da motivação extrínseca. Porém, existe a possibilidade de se atribuir isso ao fato de que o número de salários nesse mercado não é avaliado somente pelo seu poder de compra (extrínseco), mas também como um fator de diferenciação, de distinção social e de valência e reconhecimento pessoal (intrínseco). Seria praticável ainda afirmar que as fontes de motivação intrínseca, como prazer na execução das atividades e o reconhecimento das próprias qualidades são de grande importância nesse mercado, principalmente nas etapas iniciais e finais da carreira. O ponto intermediário, mais precisamente, o limite superior do terceiro quartil apresenta maior sensibilidade aos fatores higiênicos que os demais. Isso pode estar associado a uma transição de carreira, onde já se atingiu patamar destacado de realização fisiológica, de segurança e necessidades sociais. Sendo nesse momento que um novo desequilíbrio se apresenta, indicando e denotando as necessidades de estima e realização. Até que se verifique o direcionamento de carreira, fatores anteriormente motivadores perderam a eficiência e novos fatores motivadores serão procurados, mas os fatores higiênicos começam a ter peso

16 destacado. Isto é, a presença de fatores higiênicos até então desprezados começam a chamar a atenção dos profissionais. Verificou-se em diversas vezes três momentos na carreira profissional (segmentando-se a carreira pelo patamar de remuneração). Entende-se que tais momentos seriam a afirmação na carreira, a maturidade e o sucesso final, onde se estaria mais voltado para as questões de sucesso pessoal em detrimento às metas financeiras. Isso estaria alinhado às etapas de vivencia privada (Debert, 2010). Finalmente, a amostra pesquisada ressaltou a importância da valência em detrimento da instrumentalidade, pois uma redução no número de horas dedicadas à atividade profissional e conseqüente valorização dos fatores individuais está ligada ao aumento da motivação, verificando-se uma correlação negativa. Diante de todo o apresentado, os resultados encontrados para essa amostra alinham-se às teorias motivacionais abordadas e podem ser considerados uma aproximação estatisticamente consistente para a população se considerarmos o apresentado por Barbetta (2002). A ponderação dos fatores motivacionais, sua manutenção e o equilíbrio desses fatores ao longo do tempo são dinâmicos. Mesmo nos casos em que, num primeiro momento, verificam-se fatores motivacionais muito próximos, a cada etapa da carreira um profissional demanda que se apazigúe um desequilíbrio motivacional diferente. Ressalta-se a importância e a eficiência da motivação resultante de ferramentas extrínsecas, principalmente no médio e curto prazo. Entretanto, afirma-se que a motivação intrínseca seja mais perene e duradoura. Mas nada disso será valioso se não for associado ao monitoramento e engajamento dinâmico dos indivíduos e instituições. A capacidade de geração de excedente, ou seja, poupança, e o destino desse excedente, o investimento e seu retorno (sobre o capital investido), são as chaves no processo de crescimento econômico (Amadeo & Montero, 2004). Assim, complementa-se que qualidade na análise e gestão (gestão, administração e custódia) desse investimento faz parte dessa chave; e que a compreensão da motivação dos profissionais responsáveis por esse serviço poderá manter a tal chave funcionando como esperado. 7. BIBLIOGRAFIA Amadeo, E., & Montero, F. (2004). Crescimento Econômico e a Restrição de Poupança. São Paulo: Tendências Consultoria Integrada. AMEC. (2010). Acesso em Setembro de 2010, disponível em Associação de Investidores no Mercado de Capitais: ANBID. (2009). Apresentação aos clientes e profissionais. Acesso em Agosto de 2010, disponível em Certificação Continuada: ANBIMA. (30 de Março de 2010). Exame Online de Certificação CEI. Acesso em Agosto de 2010, disponível em Sumário Estatístico:

17 ANBIMA. (2009). Fechamento de Acesso em Agosto de 2010, disponível em Sumário dos Exames da ANBIMA: Barbetta, P. A. (2002). Estatística Aplicada às Ciências Sociais. UFSC. Bego, E. M., Silva, J. M., & Coltre, S. M. (Novembro de 2009). Motivação dos funcionários de uma empresa contábil. SINCAD. Paraná: UNIOESTE. Bergamini, C. W. (1997). Motivação nas Organizações. São Paulo: Atlas. Castro, L. T., & Neves, M. F. (2005). Administração de Vendas: Planejamento, estratégia e gestão. Atlas. CVM. (2004). Instrução Normativa 409/2004. Acesso em 2010, disponível em Comissão de Valores Mobiliários: Debert, G. G. (2010). Evelhecimento e Curso da Vida. Acesso em Janeiro de 2011, disponível em Jornal UFSC: Decision Analist. (s.d.). STATS TM 2.0 System. Acesso em Setembro de 2010, disponível em STATS TM: Franco, T. (2007). Dissertação de Mestrado. Gestão de Investimentos: A Perspectiva das Assets Management na Industria de Serviços Financeiros. Rio de Janeiro, Brasil: Faculdade de Economia e Finanças IBMEC. Freire, A. C., & Freitas, L. S. (2007). Aplicação da teoria da expectância de Vroom na perspectiva de jovens universitários em seus primeiros empregos. Brasil: Universidade Federal de Campina Grande. Gines Jr., C. S. (2008). Dissertação de Mestrado. Análise dos Fatores Motivacionais dos Corretores de Imóveis da Cidade de São Paulo. PUC-SP. Gruber, M. J. (July de 1996). Another Puzzle: The Growth in Actively Managed Mutal Funds. Papers and Proceedings of the Fifty-Sixth Annual Meeting of American Finance Association. San Francisco, California, USA: Journal of Finance. Günther, H. (2003). Como Elaborar um Questionário. Série: Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais. Brasil: Universidade de Brasília: Laboratório de Psicologia Ambiental. Haak, M. K. (Julho de 2000). Programa de qualidade e motivação para o trabalho: Um estudo exploratório no setor de serviços. São Paulo, Brasil: Revista de Administração. Hackman, J. R., & Oldham, G. R. (1975). Development of the Job Diagnostic Survey. USA: Journal of Applied Psychology. Herzberg, F. (1997). Mais uma vez: Como motivas seus funcionários? In: Vroom, Victor Harold. Gestão de pessoas, não de pessoal. Elsevier. Iquiapaza, R. A. (2005). Dissertação de Mestrado. Condicionantes do crescimento dos fundos mútuos de investimentos no Brasil e no Peru: Um estudo das captações líquidas agregadas. Brasil: CEPEAD UFMG.

18 Kaldor, N. (1938). Estabilidade e Pleno Emprego. Economic Journal. Kohn, A. (1998). Punidos pelas recompensas: Os problemas causados por prêmios por produtividade. Atlas. Lévy-Levoyer, C. (1994). A Crise das Motivações. São Paulo: Atlas. Marras, J. P. (2002). Administração de Recursos Humanos: do operacional ao estratégico. Futura. Milone, G. (2004). Estatística Geral e Aplicada. Thomson. MOW. (1987). Meaning Of Work. USA: Research Team. Pereira, M. C., & Fávero, N. (2001). A motivação no trabalho da equipe de enfermagem. Rev. Latino-am. Enfermagem. Quivy, R., & Campenhoudt, L. V. (1998). Manual de investigação em ciências sociais. Lisboa: Gradiva. Rizzuti, E. V. (2002). Hedonismo como Conteúdo Filosófico do Lazer. Santa Cruz do Sul: UNISC. Robbins, S. P., & Decenzo, D. A. (2004). Fundamentos da Administração. Prentice Hall. Severino, A. J. (2007). Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez Editora. Shanks, N. H. (2007). Introduction to Health Care Management. USA: Jones and Bartlett Publishers. Shanks, N. H. (s.d.). Management and Motivation. Fonte: SI-ANBID. (2011). Fundos de Investimentos SI-ANBID. Fonte: ANBID: Trapp, A. C., & Corrar, L. J. (2005). Avaliação e Gerenciamento do Risco Operacional no Brasil: Análise de caso de uma instituição financeira de grande porte. R. Cont. Fin. nº 27 JAN/ABR.

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL

MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL MOTIVAÇÃO UM NOVO COMBUSTÍVEL EMPRESARIAL Daniele Cristine Viana da Silva 1 Maria José Vencerlau 2 Regiane da Silva Rodrigues 3 André Rodrigues da Silva 4 Fábio Fernandes 5 RESUMO O Artigo Científico tem

Leia mais

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS

A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS A MOTIVAÇÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES E SUAS APLICAÇÕES PARA OBTENÇÃO DE RESULTADOS GOMES, Elaine Dias. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: elaineapoderosa@hotmail.com

Leia mais

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade IV GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Visão estratégica Visão estratégica está relacionada com alcançar os objetivos empresariais. Considera: Tipos psicológicos, Motivação:

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU. Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE. Teorias Motivacionais

GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU. Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE. Teorias Motivacionais GESTÃO DE PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES MPU Professor: Renato Lacerda QUESTÕES DO CESPE Teorias Motivacionais (Cespe / Detran 2009) Julgue os itens a seguir, acerca de motivação e satisfação no trabalho. 1)

Leia mais

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG

AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG AS TEORIAS MOTIVACIONAIS DE MASLOW E HERZBERG 1. Introdução 2. Maslow e a Hierarquia das necessidades 3. Teoria dos dois Fatores de Herzberg 1. Introdução Sabemos que considerar as atitudes e valores dos

Leia mais

Teorias Contemporâneas

Teorias Contemporâneas Teorias Contemporâneas 1-Teoria ERG 2-Teoria das Necessidades, de McClelland 3-Teoria da Avaliação Cognitiva 4-Teoria da Fixação dos Objetivos 5-Teoria do Reforço 6-Teoria da Equidade 7-Teoria da Expectativa

Leia mais

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT

A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT A ESSENCIALIDADE DA MOTIVAÇÃO NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS THE ESSENTIAL MOTIVATION IN THE ORGANIZATIONAL ENVIRONMENT Andréia Lopes Graduanda em Administração UNISALESIANO Lins azdeia@yahoo.com.br Jessica

Leia mais

Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski

Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski 1 Motivação e a Atividade de Relações Públicas Ana Cristina Woicickoski Resumo O presente artigo pretende demonstrar que a motivação é complexa, mas ao mesmo tempo necessária em todos os momentos da vida

Leia mais

Noções de Liderança e Motivação

Noções de Liderança e Motivação Liderança A questão da liderança pode ser abordada de inúmeras formas: Liderança e Poder (recursos do poder) Liderança e Dominação (teorias da dominação legítima de Max Weber) Líder pela tradição Líder

Leia mais

5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS

5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Campus de Poços de Caldas 5.2.2. TEORIAS MOTIVACIONAIS 2º Per. Administração: 5.3. Alessandra Valim Ribeiro Cristiane Moreira de Oliveira Denise Helena

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD A CONTRIBUIÇÃO DOS FATORES MOTIVACIONAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES ANDREA FERREIRA DA COSTA rafaela modolo de pinho EDINALVA DELL ARMI MAROTTO ACONTRIBUIÇÃODOSFATORESMOTIVACIONAISPARAOSUCESSODASORGANIZAÇÕES

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE

TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE TÍTULO: O PAPEL DA LIDERANÇA NA MOTIVAÇÃO DENTRO DO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UM ESTUDO NA EMPRESA VISÃO DIGITAL 3D E-COMMERCE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MOTIVAÇÃO COMO AÇÃO DO GESTOR Alessandra de Paula 1 - RGM Ana Carla Borasca¹ - RGM 085576 Juliana dos Santos¹ - RGM 088414 Tatiane Alencar¹ - RGM

MOTIVAÇÃO COMO AÇÃO DO GESTOR Alessandra de Paula 1 - RGM Ana Carla Borasca¹ - RGM 085576 Juliana dos Santos¹ - RGM 088414 Tatiane Alencar¹ - RGM MOTIVAÇÃO COMO AÇÃO DO GESTOR Alessandra de Paula 1 - RGM Ana Carla Borasca¹ - RGM 085576 Juliana dos Santos¹ - RGM 088414 Tatiane Alencar¹ - RGM Viviane Oliveira 2 Resumo A motivação é o impulso que leva

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS.

MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. MOTIVAÇÃO NO SERVIÇO PÚBLICO EDUCACIONAL DE RONDONÓPOLIS. 1 SILVA, Benair Alves da 2 DA ROSA, Wanderlan Barreto RESUMO O artigo tem a intenção de saber se os servidores públicos educacionais de Rondonópolis

Leia mais

A MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES NA VISÃO DE UM GESTOR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PRODUTOS DE HIGIENE

A MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES NA VISÃO DE UM GESTOR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PRODUTOS DE HIGIENE A MOTIVAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES NA VISÃO DE UM GESTOR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PRODUTOS DE HIGIENE ¹Antonia Maria Gimenes, 2 Matheus Toledo Bechara, 3 Renato Nogueira Perez Ávila, 4 Karen

Leia mais

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT.

PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. PESQUISA DO CLIMA ORGANIZACIONAL EM UMA EMPRESA DE MÁRMORES E GRANITOS DO MUNICÍPIO DE COLIDER - MT. 1 NATÁLIA SALVADEGO, 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel em Engenheira Florestal (UNEMAT) e Estudante

Leia mais

11. Abordagem Comportamental

11. Abordagem Comportamental 11. Abordagem Comportamental Conteúdo 1. Behaviorismo 2. Novas Proposições sobre a Motivação Humana 3. Teoria da Hierarquia das de Maslow 4. Teoria dos dois fatores 5. Teoria X & Y de McGregor 6. Outros

Leia mais

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos

Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação em Gestão de Projetos - Turma 150 Agosto/2015 Motivação de Equipes de Projeto O papel do Gerente de Projetos Lucas Rossi Analista de Negócios lucasrossi_@hotmail.com

Leia mais

Políticas de Gestão de Pessoas Versus Motivação: Um Estudo sobre os Professores do Segmento das IES em Juiz de Fora. Resumo

Políticas de Gestão de Pessoas Versus Motivação: Um Estudo sobre os Professores do Segmento das IES em Juiz de Fora. Resumo Políticas de Gestão de Pessoas Versus Motivação: Um Estudo sobre os Professores do Segmento das IES em Juiz de Fora. Ana Valéria Vargas Pontes UFF - Universidade Federal Fluminense avvpontes@uol.com.br

Leia mais

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 1. Como adquirir motivação? Contextualização. Elementos Fundamentais. Instrumentalização

Organização da Aula. Motivação e Satisfação no Trabalho. Aula 1. Como adquirir motivação? Contextualização. Elementos Fundamentais. Instrumentalização Motivação e Satisfação no Trabalho Aula 1 Profa. Adriana Straube Organização da Aula Equívocos sobre Motivação e Recompensas Teorias da Motivação Técnicas de Motivação Papel da Gerência Como adquirir motivação?

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

GRUPO TEMÁTICO: GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

GRUPO TEMÁTICO: GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL GRUPO TEMÁTICO: GESTÃO DE PESSOAS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL MOTIVAÇÃO ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO DE CASO COM SERVIDORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PASSA E FICA / RN Daniel Martins de Oliveira Graduado

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais:

TIPOS DE PROCESSOS Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Concurso: ATPS MPOG Aula 1. Turma 01 LEONARDO FERREIRA

Concurso: ATPS MPOG Aula 1. Turma 01 LEONARDO FERREIRA Concurso: ATPS MPOG Aula 1 Turma 01 LEONARDO FERREIRA Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Teorias da motivação. Motivação e recompensas intrínsecas e extrínsecas. Motivação e contrato psicológico.

Leia mais

A Importância da Aplicação das Teorias de Motivação nos Recursos Humanos das Organizações

A Importância da Aplicação das Teorias de Motivação nos Recursos Humanos das Organizações A Importância da Aplicação das Teorias de Motivação nos Recursos Humanos das Organizações RESUMO Este artigo mostra que a única possibilidade de fazer com que uma organização alcance seus objetivos, plenamente,

Leia mais

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO

TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO XXVIENANGRAD TEORIA DOS DOIS FATORES: UM ESTUDO SOBRE A MOTIVAÇÃO NO TRABALHO DAS DEMONSTRADORAS INSERIDAS NAS PERFUMARIAS DA CAPITAL DE SÃO PAULO PAULO ROBERTO VIDIGAL ANDRE LUIZ RAMOS RODRIGO CONCEIÇÃO

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível.

Fique a vontade para responder o questionário, seja o mais verdadeiro possível. MODELO DE PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 1 FICHA DE INSTRUÇÕES A proposta deste questionário é conhecer as pessoas que trabalham na empresa, analisar suas necessidades e insatisfações, e tornar a organização

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Motivação: uma viagem ao centro do conceito

Motivação: uma viagem ao centro do conceito FATOR HUMANO Motivação: uma viagem ao centro do conceito Muitos executivos ainda acreditam que é possível gerar motivação condicionando os comportamentos por meio de prêmios e punições. Mas a verdadeira

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano

Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Qualidade de Vida no Trabalho e Satisfação: um Estudo de Caso no Setor de Transporte Coletivo Urbano Renata Edvânia Costa Gouveia UFCG renata_gouveia@hotmail.com Kliver Lamarthine Alves Confessor UFPB

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho

Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Concurso Público 2015 Padrão Resposta às Questões Discursivas Psicologia do Trabalho Questão 1 a) Para Walton, QVT refere-se a valores ambientais e humanos, negligenciados pelas sociedades industriais

Leia mais

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO

MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO MOTIVAÇÃO: A MOLA PROPULSORA DA GESTÃO DE PESSOAS RESUMO Considerando que o ser humano é formado por características de personalidade únicas e complexas, o seu comportamento no trabalho e em outros lugares,

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS. André Gustavo Victor Luiz Lucacin Wagner Ricardo Pereira

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS. André Gustavo Victor Luiz Lucacin Wagner Ricardo Pereira UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS AERONÁUTICAS André Gustavo Victor Luiz Lucacin Wagner Ricardo Pereira RECURSOS HUMANOS AS TEORIAS DA MOTIVAÇÃO CURITIBA / 2008 André Gustavo Victor Luiz

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Capítulo 16 - Motivação

Capítulo 16 - Motivação Capítulo 16 - Motivação Objetivos de aprendizagem Após estudar este capítulo, você deverá estar capacitado para: Definir o processo motivacional. Descrever a hierarquia das necessidades humanas. Diferenciar

Leia mais

Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise

Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise Produção, Divulgação e Distribuição de Relatórios de Análise Introdução Em cumprimento à Instrução nº 483 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 6 de julho de 2010, alterada pela Instrução nº 538,

Leia mais

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF

A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DE SUCESSO NA ORGANIZAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA MARF Danilo Domingos Gonzales Simão 1 Fábio Augusto Martins Pereira 2 Gisele Maciel de Lima 3 Jaqueline de Oliveira Rocha 4

Leia mais

Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA

Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA Psicologia Organizacional MOTIVAÇÃO HUMANA Profa. Márcia R.Banov Teorias Motivacionais Teoria das Necessidades, A. Maslow Teoria dos dois Fatores, F. Herzberg Teoria da Eqüidade, J.S.Adams Teoria do Reforço,

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE)

Jose Luciano Virginio da Silva (FAVIP) IVANCIL TIBÚRCIO CAVALCANTI (UFRPE) ISSN 1984-9354 OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS MEDIANTE USO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO SOBRE A NECESSIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UMA EMPRESA DE ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS ENERGÉTICOS NA CIDADE DE

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

Márcia Darnise de Melo Cruz, Veruska Albuquerque Pacheco (Faculdade Projeção - Unidade Sobradinho - DF)

Márcia Darnise de Melo Cruz, Veruska Albuquerque Pacheco (Faculdade Projeção - Unidade Sobradinho - DF) ISSN 1984-9354 MOTIVAÇÃO/DESMOTIVAÇÃO DE COLABORADORES DE UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE: ESTUDO DE CASO EM UMA PRESTADORA DE SERVIÇOS NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA NO DISTRITO FEDERAL Márcia Darnise de

Leia mais

É POSSÍVEL SER 120% MOTIVADO? O CASO DO MAGAZINE LUÍZA

É POSSÍVEL SER 120% MOTIVADO? O CASO DO MAGAZINE LUÍZA V I I S E M E A D R E L A T O D E E X P E R I Ê N C I A R E C U R S O S H U M A N O S É POSSÍVEL SER 120% MOTIVADO? O CASO DO MAGAZINE LUÍZA Autores: Profa. Dra. Ana Maria Roux Valentini Coelho Cesar;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Fundos de Investimento constituídos sob a forma de condomínio aberto Publicação 31/03/2015 - versão 003 Responsável: Compliance e Riscos Gestoras PETRA 0 ÍNDICE

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Análise da Motivação na Participação dos Lucros e Resultados-PLR em Empresas Petrolíferas AUTORES: Adriano David

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Qualidade de Vida no Trabalho O conceito de QVT é muito abrangente, e precisa ser definido com clareza, uma vez que as posições profissionais dos trabalhadores dentro de uma organização

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

A MOTIVAÇÃO NAS MÉDIAS EMPRESAS COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

A MOTIVAÇÃO NAS MÉDIAS EMPRESAS COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO A MOTIVAÇÃO NAS MÉDIAS EMPRESAS COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Elisângela de Aguiar Alcalde 1 Maria Luzia Lomba de Sousa 3 Fernando Pinto dos Santos 2 Kelly Dias da Silva 2 Mariza Teodoro da Silva 2 RESUMO

Leia mais

Pesquisa. Intenção de

Pesquisa. Intenção de Pesquisa SPC BRASIL: Intenção de Compras para o Natal Novembro/2013 Pesquisa do SPC Brasil revela que brasileiros pretendem gastar mais e comprar mais presentes neste Natal Se depender dos consumidores

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

Fatores que podem influenciar o Clima Organizacional: Um Estudo de Caso na Emei Prof. Jose Mota Navarro

Fatores que podem influenciar o Clima Organizacional: Um Estudo de Caso na Emei Prof. Jose Mota Navarro Fatores que podem influenciar o Clima Organizacional: Um Estudo de Caso na Emei Prof. Jose Mota Navarro Hagar Pereira de MORAES 1 Solange Lika NAKAZATO¹ Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo O presente trabalho

Leia mais

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense)

Marilene Sinder (Universidade Federal Fluminense) Renato Crespo Pereira (Universidade Federal Fluminense) A Pesquisa com Egressos como Fonte de Informação Sobre a Qualidade dos Cursos de Graduação e a Responsabilidade Social da Instituição Universidade Federal Fluminense (UFF) Eixo II Indicadores e instrumentos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Junho 2008 DO MARKETING DO PRODUTO À ENGENHARIA DO PRODUTO - A MUDANÇA DE FOCO NECESSÁRIA PARA ATUAÇÃO NOS SEGMENTOS ECONÔMICOS DO MERCADO

Leia mais

Recrutamento e seleção como

Recrutamento e seleção como Recrutamento e seleção como ferramentas de Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca Atualmente, os processos de captação de pessoas são reconhecidos como importantes ferramentas alinhadas às estratégias

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

ESTUDO DE FATORES DE AUMENTO DA PRODUTIVIDADE E DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS PELA MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES NAS ORGANIZAÇÕES 1

ESTUDO DE FATORES DE AUMENTO DA PRODUTIVIDADE E DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS PELA MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES NAS ORGANIZAÇÕES 1 ESTUDO DE FATORES DE AUMENTO DA PRODUTIVIDADE E DIMINUIÇÃO DOS CUSTOS PELA MOTIVAÇÃO DOS COLABORADORES NAS ORGANIZAÇÕES 1 Luiz Alfredo Rodrigues Alves Marzochi Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Este trabalho

Leia mais

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: 100 MELHORES REVISTA ÉPOCA GREAT PLACE TO WORK 2006 É uma ferramenta de diagnóstico que mensura a percepção dos colaboradores sobre o relacionamento com a organização,

Leia mais

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO MOTIVAÇÃO NO TRABALHO Del Ciampo, Oliveira Alexandre Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. Leite Oliveira,Irineu Junior Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

O papel da remuneração no engajamento profissional

O papel da remuneração no engajamento profissional O papel da remuneração no engajamento profissional 15 de Maio de 2014 Agenda 1. Sobre o Hay Group 2. Contexto de mercado 3. Estudo global: O papel da remuneração no engajamento 4. Estudo Brasil: Melhores

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Uma fonte inédita de informação

Uma fonte inédita de informação Mensagem do Presidente Uma fonte inédita de informação Este trabalho, patrocinado pelo Sincor-SP, corresponde a uma expectativa do setor quanto aos dados relativos às corretoras de seguros, em um momento

Leia mais

A motivação para o trabalho com enfoque no aspecto financeiro

A motivação para o trabalho com enfoque no aspecto financeiro XII I SIMPEP Bauru,SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 2006 A motivação para o trabalho com enfoque no aspecto financeiro Marco Antonio de Carvalho (UNESP) macarvalho@feb.unesp.br Bruno Vinicius Martini da

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 4 Demonstrações Financeiras 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstrações Financeiras Tópicos do Estudo Demonstrações Financeiras ou Relatórios Contábeis Demonstrações Financeiras e a Lei das Sociedades Anônimas Objetivos

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Quem Somos 2 CTM Investimentos Visão Geral A empresa A CTM Investimentos, fundada em 2012, é uma empresa independente, focada na busca por valor em empresas (Equity Research)

Leia mais

OS FATORES MOTIVACIONAIS NA GESTÃO PÚBLICA DAS UNIDADES PRISIONAIS NA PERCEPÇÃO DOS AGENTES PENITENCIÁRIOS

OS FATORES MOTIVACIONAIS NA GESTÃO PÚBLICA DAS UNIDADES PRISIONAIS NA PERCEPÇÃO DOS AGENTES PENITENCIÁRIOS ISSN: 1679-9127 OS FATORES MOTIVACIONAIS NA GESTÃO PÚBLICA DAS UNIDADES PRISIONAIS NA PERCEPÇÃO DOS AGENTES PENITENCIÁRIOS THE MOTIVATIONAL FACTORS IN PUBLIC MANAGEMENT OF PRISONS IN PERCEPTION OF PRISON

Leia mais

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com

www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com www.odmconsulting.com.br www.odmconsulting.com Quem somos 3 Remuneração e Desempenho 4 Desenvolvimento de Pessoas 5 Engajamento Funcional 6 Desenvolvimento Organizacional 7 Desenvolvimento do RH 8 Treinamento

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

CLIMA ORGANIZACIONAL COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

CLIMA ORGANIZACIONAL COMO FATOR DE MOTIVAÇÃO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR XIV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA CIGU A Gestão do Conhecimento e os Novos Modelos de Universidade Florianópolis Santa Catarina Brasil 3, 4 e 5 de dezembro de 2014. ISBN: 978-85-68618-00-4

Leia mais