RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE 2013"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE GUINLE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE 2013 FISIOTERAPIA U N I R I O J A N E I R O /

2 1) A Norma Operacional da Assistência à Saúde (NOAS-SUS 01/02), baseada nos objetivos de definição de prioridades de intervenção com as necessidades de saúde da população e a garantia de acesso dos cidadãos a todos os níveis da atenção determina como instrumento de ordenação da regionalização da assistência em cada estado e no Distrito Federal. Este instrumento é conhecido como a) PMS Política Municipal de Saúde. b) PDI Programa Diretor de Investimento. c) PPA Programação Pactuada e Ampliada. d) PDR Plano Diretor de Regionalização. e) PES Planejamento Estratégico Situacional. 2) No âmbito do Sistema Único de Saúde, o entendimento de que um conjunto de ações e serviços ambulatoriais e hospitalares que visam a atender os principais problemas de saúde da população, cuja prática clínica demande a disponibilidade de profissionais especializados e a atualização de recursos tecnológicos de apoio diagnóstico e terapêutico, que não justifique a sua oferta em todos os municípios do país, enquadra-se na definição da Atenção de a) Primária de saúde. b) Alta complexidade. c) Média complexidade. d) Terciária em saúde. e) Urgência e emergência. 3) Em 2006, decorrente da análise da situação de saúde no Brasil, o Pacto pela Vida destacou com uma das prioridades sanitárias a) a redistribuição de profissionais de saúde nas regiões norte e nordeste do país. b) a conjugação das vacinas Sabin e anti-sarampo para crianças menores de um ano. c) a expansão da Estratégia de Saúde da Família para as regiões urbanas. d) a interiorização das Unidades de Urgência e Emergência no país. e) o controle do câncer de colo de útero e de mama. 4) Segundo o Pacto de Gestão (2006), a regionalização apresenta-se como a) meta e estratégia gerencial. b) princípio e base protocolar. c) objetivo e linha de operacionalização. d) diretriz e eixo estruturante. e) fundamento organizacional e financeiro. 5) Segundo a regulamentação da Lei 8080/1990, pelo Decreto 7508/2011, o acesso universal e igualitário às ações e aos serviços de saúde será ordenado a) pelos Conselhos municipais de saúde. b) pela Atenção primária. c) pelas Comissões intergestoras de saúde. d) pelos Centros de regulação de vagas para internação. e) pelas Unidades de pronto atendimento. RMS 1

3 6) Considerando a Norma Operacional do SUS-01/1996. Constitui-se um fórum de negociação e de integração entre os responsáveis dos sistemas municipais e o estadual de saúde a) as Conferências estaduais de saúde. b) o Conselho municipal de saúde. c) o Conselho estadual de saúde. d) a Comissão intergestora tripartite. e) a Comissão intergestora bipartite. 7) Pelo Decreto nº 7.508/11, o acordo de colaboração firmado entre entes federativos com a finalidade de organizar e de integrar as ações e os serviços de saúde na rede regionalizada e hierarquizada, com definição de responsabilidade, indicadores e metas, denomina-se a) Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde. b) Programação Pactuada e Integrada. c) Regulamento da Agência Nacional de Saúde. d) Contrato de Rede da Atenção à Saúde. e) Convênio Distrital de Saúde. 8) No Sistema Único de Saúde, a partir de 2011, há documento que estabelece critérios para o diagnóstico da doença ou do agravo, tratamento preconizado, medicamentos, posologias, acompanhamento e verificação dos resultados a serem seguidos. Este documento é conhecido como a) Protocolo clínico e diretriz terapêutica. b) Resolução conjunta nº 8.142/11 dos conselhos profissionais em saúde. c) Portarias nº 399 e 699/GM do Conselho Nacional de Saúde. d) Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde RENASES e mapa da saúde. e) Relatório da Gestão Plena de Sistema Municipal GPSM. 9) Em conformidade com o Decreto nº 7508/11, afirma-se que atenção primária, de urgência e emergência, atenção psicossocial e especiais de acesso aberto são a) o critério para habilitação ao modelo de gestão municipal. b) a porta de entrada na rede. c) a base para o financiamento das ações e de serviços. d) os elementos essenciais do sistema suplementar de saúde. e) o sistema local de saúde. 10) Considerando os princípios do Sistema Único de Saúde, é correto afirmar que a) a universalidade garante o acesso a todas as pessoas que declarem não possuir plano de saúde. b) a integralidade corresponde a uma concepção holística da assistência à saúde. c) o direito à informação é concedido, apenas, aos profissionais com a finalidade de planejarem as ações e os serviços de saúde. d) a epidemiologia se caracteriza como um recurso para estabelecer prioridades, alocação de recursos e de orientação programática. e) a equidade constituiu uma estratégia do setor de saúde para o empoderamento do Ministério da Saúde no que tange à direção única do Sistema Único de Saúde. RMS 2

4 11) Dentre os índices preditivos para desmame da prótese respiratória, o mais utilizado é o índice de respiração rápida e superficial, avaliado pela frequência respiratória (rpm) /volume corrente (L). De acordo com Sarmento, os valores que se relacionam com a falência no desmame da ventilação mecânica é a) igual a 100 rpm/l. b) menor que 100 rpm/l. c) maior que 105 rpm/l. d) igual a 105 rpm/l. e) igual a 60 rpm/l. 12) A escala de coma de Glasgow é uma escala neurológica que parece constituir-se em método confiável e objetivo de registrar o nível de consciência de um paciente, para avaliação inicial e contínua, após um traumatismo craniano. Seu valor, também, é utilizado no prognóstico do paciente e é de grande utilidade na previsão de eventuais sequelas. Inicialmente usado para avaliar o nível de consciência, depois de trauma encefálico, a escala é atualmente aplicada a diferentes situações. Um paciente internado na UTI apresenta as seguintes respostas: abertura ocular ao estímulo verbal, resposta verbal ausente e resposta motora apresentando retirada. Sua pontuação nesta escala é igual a a) 7 b) 6 c) 8 d) 9 e) 10 13) Segundo Magee, o teste possível para reproduzir uma dor que indicaria uma Síndrome do Atrito do Trato Íliotibial é o teste a) da Apreensão de Fairbanks. b) de Compressão de Noble. c) de Wilson. d) de McMurray. e) de Apley. 14) O equilíbrio dos músculos escapuloumerais possui grande importância para o controle perfeito do úmero em relação à fossa glenoide. Dentre as disfunções mais comuns, tem-se a atividade insuficiente do músculo Subescapular. Esta disfunção possibilita a) deslizamento posterior e inferior da cabeça do úmero. b) deslizamento anterior e inferior da cabeça do úmero. c) deslizamento posterior e superior da cabeça do úmero. d) deslizamento anterior e superior da cabeça do úmero. e) abdução excessiva da escápula. RMS 3

5 15) As quedas em idosos representam um importante problema de saúde pública devido a sua alta morbimortalidade. A consequência de uma queda pode ser um simples traumatismo ou uma importante fratura ou ainda um traumatismo crânio encefálico (TCE). Idosos que costumam cair se movimentam de forma diferente de idosos que não caem e de jovens. As principais repercussões na marcha são a) inclinação lateral do tronco e cadência. b) inclinação anterior do tronco, comprimento do passo. c) flexão de joelho e redução da dorsiflexão do tornozelo. d) rotação lateral de quadril e rotação medial da tíbia. e) velocidade da marcha e largura do passo. 16) Fisioterapeutas estão habituados a recuperar desvios posturais. O controle da postura ereta é uma tarefa dinâmica que depende de múltiplos sistemas interligados. Os sistemas relacionados com o controle do controle postural são somatossensitivo, vestibular e visual. Esses sistemas realizam os devidos ajustes posturais por meio de três estratégias de controle de equilíbrio. As estratégias de controle postural são a) Canais semicirculares, fuso-neuromuscular e ligamentos. b) Joelho, tronco e visão. c) Pés, mandíbula e ouvido interno. d) Visão, pés e joelho. e) Tornozelo, quadril e passo. 17) José é portador da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). Apresenta febre e tosse com expectoração purulenta. Após ter ido à consulta médica, foi encaminhado para realizar fisioterapia respiratória. Na avaliação do fisioterapeuta, o mesmo optou por aplicar uma técnica de expiração lenta total com a glote aberta, estando o paciente com a região a ser desobstruída em decúbito homolateral. A técnica aplicada é conhecida como a) Drenagem Autógena. b) ELTGOL. c) AFE. d) TEF. e) Ciclo Ativo da Respiração. 18) Marcio deu entrada na emergência hospitalar, apresentando respiração paradoxal, gasometria arterial com distúrbio de troca gasosa e ultrassonografia revelando uma inversão do diafragma à esquerda. De acordo com Machado, a afecção que pode causar esse quadro é a seguinte: a) Neoplasma ou grande derrame pleural. b) Ruptura do diafragma. c) Hérnia de Bochdalek. d) DPOC. e) Cisto do diafragma. RMS 4

6 19) O desenvolvimento do controle postural tem sido tradicionalmente associado a uma sequência previsível de comportamentos motores, denominados marcos motores. A sequência e a progressão do surgimento desses marcos motores são bem descritas e atenção especial é dada por fisioterapeutas que atuam na neuropediatria. Rastejar e engatinhar são alguns exemplos de marcos motores. O tempo normal de surgimento desses marcos é, respectivamente, a) 5 meses e 12 meses. b) 2 meses e 6 meses. c) 2 meses e 8 meses. d) 1 mês e 8 meses. e) 6 meses e 12 meses. 20) O Nervo Interósseo Anterior é um ramo do nervo Mediano e possui apenas fibras motoras. Algumas vezes, é aprisionado, ao passar entre as duas cabeças do músculo Pronador Redondo, podendo causar a Síndrome do Nervo Interósseo Anterior ou Kiloh-Nevin. Esta síndrome tem como padrão clássico a) punho caído. b) sinal do tocador de clarin. c) deformidade em botoeira. d) teste da Preensão em pinça Anormal. e) sinal do dedo de Sweater. 21) A articulação talocrural destina-se à estabilidade, especialmente, na dorsiflexão e é responsável pelo movimento antero-posterior que ocorre no complexo tornozelo-pé. Tem o ligamento talofibular anterior como um importante estabilizador desta articulação e o mais comumente lesado nas entorses. O teste que identifica, com maior precisão, uma lesão deste ligamento é conhecido como teste a) de Kleiger. b) de Cotton. c) da Gaveta anterior do tornozelo. d) de Estresse com rotação Externa. e) de Compressão Tíbio-fibular Distal. 22) Um paciente deu entrada na unidade de terapia intensiva com diagnóstico de AVE hemorrágico, com comprometimento de tronco cerebral e lesão do centro pneumotáxico, apresentando um padrão respiratório de hiperpneia. De acordo com Scanlan, baseado no controle da respiração, após lesão do centro pneumotáxico, o responsável pela cessação da rampa inspiratória é conhecido como a) Reflexo de Insuflação de Hering-Breuer. b) Fusos Neuromusculares. c) Reflexo de Desinsuflação. d) Reflexo Paradoxal de Head. e) Receptor J. RMS 5

7 23) Mauro, portador de DPOC, foi encaminhado para participar de um programa de reabilitação cardiopulmonar. Ao ser avaliado pelo fisioterapeuta, apresentava na inspiração indentação da parede torácica ao nível do diafragma. De acordo com Scanlan, tal sinal denomina-se a) Sinal da rampa inspiratória. b) Sinal da silhueta. c) Sinal do sulco profundo. d) Tiragem intercostal. e) Sinal de Hoover. 24) O Mini exame do Estado Mental foi desenvolvido como resultado de um estudo que observou que alguns distúrbios não eram detectados pelos clínicos gerais. Este exame é utilizado para identificar o seguinte tipo de distúrbio em idosos a) Estado de humor. b) Cognitivo. c) Motivacional. d) Ansiedade. e) Depressão. 25) A aspiração de secreções da orofaringe é o segundo mecanismo que pode contribuir para o desenvolvimento de infecção do trato respiratório inferior. Os indivíduos saudáveis podem aspirar, periodicamente, especialmente, à noite, um pequeno volume de secreção da orofaringe que é colonizada por a) C. pneumoniae e H. influenzae b) S. aureus e M. catarrhalis c) P. carinii e M. tuberculosis d) S. pneumoniae e H. influenzae e) H. influenzae e P. carinii 26) Na embolia pulmonar, alguns sinais radiográficos estão presentes como o alargamento da artéria pulmonar descendente direita (66% dos casos), elevação do diafragma (61%), aumento da silhueta cardíaca (55%) e um pequeno derrame pleural (50%). Outros achados menos comuns incluem o sinal a) de Westermark. b) de Kusmaul. c) do sulco profundo. d) de Horner. e) do tórax em barril. 27) A pressão positiva expiratória nas vias aéreas é uma técnica terapêutica que foi desenvolvida na Dinamarca, na década de 70, que utiliza a PEEP em pacientes em respiração espontânea. É uma contraindicação desta técnica a) Atelectasia. b) Paciente secretivo. c) Pneumotórax, hemoptise e sinusite aguda. d) PaO2 > 100mmHg. e) PIC < 20mmHg. RMS 6

8 28) O objetivo deste modo ventilatório é reduzir ou eliminar o trabalho imposto pelas vias aéreas artificiais, durante a fase inspiratória, para pacientes que estão sob ventilação invasiva espontânea. Trata-se de a) Compensação do tubo (TC). b) Modo Bilevel (BIPAP). c) Ventilação de suporte adaptável (ASV). d) Ventilação Minuto Mandatória (MMV). e) Ventilação com controle dual de respiração a respiração (PRVC). 29) Idosos comumente evoluem com algum déficit cognitivo e podem cursar com demência. O princípio de Arndt-Schultz resume as diferenças entre a capacidade do cérebro jovem e do cérebro mais velho em responder ao estímulo. Segundo o princípio, a única semelhança entre a resposta do jovem e a do idoso ao estímulo é a seguinte: a) a constância da resposta fisiológica. b) quanto maior o estímulo fornecido, maior a resposta. c) a resposta fisiológica inicial é alcançada pelo mesmo nível de estímulo. d) a visibilidade da resposta fisiológica. e) a resposta fisiológica inicial é alcançada pelo mesmo período de estímulo. 30) A medida que se dá por meio do traçado de uma linha imaginária da espinha ilíaca antero-superior, passando pelo centro da patela e terminando na tuberosidade anterior da tíbia é a) Do comprimento do fêmur. b) De retração dos ísquiostibiais. c) Do índice de Caton e Deschamps. d) Do ângulo trocleano. e) Do Ângulo Q. 31) A ventilação mecânica não invasiva possui diversas vantagens, como por exemplo, evitar a intubação orotraqueal, menor necessidade de sedação do paciente, diminuição do risco de infecção pulmonar. A ventilação que apresenta contra indicações absolutas é a) Parada respiratória e obesidade mórbida. b) Isquemia miocárdica e instabilidade clínica, com falência de mais de dois órgãos. c) Distensão abdominal e hipoxemia transitória. d) Doença neuromuscular e atelectasia. e) Doenças deformantes do tórax e apneia do sono obstrutiva. 32) Atualmente, um dos desafios na ventilação mecânica é diminuir o assincronismo paciente/ventilador. Um dos exemplos de assincronismo o overshoating presente, quando a) há fadiga respiratória. b) Paciente está com Ramsay de VI. c) há frequência respiratória acima de 20 irpm. d) Paciente está com PEEP acima de 10 cmh2o. e) tempo inspiratório do ventilador é maior que o tempo inspiratório neural. RMS 7

9 33) As doenças neurológicas, frequentemente, cursam com alterações do tônus muscular. O tônus muscular pode ser classificado em flacidez, hipotonia, normal, espasticidade e rigidez. Existem diversos instrumentos para avaliação de tônus muscular anormal, porém o mais utilizado é um instrumento de avaliação subjetiva, chamado de Escala Modificada de Ashworth. Quando o paciente recebe uma classificação de 3 para uma determinada musculatura, isso significa a) partes afetadas rígidas, na flexão ou na extensão. b) ligeiro aumento do tônus muscular, manifestado por uma leve captura seguida por resistência mínima no final da amplitude de movimento, quando a parte afetada é movida em flexão ou extensão. c) redução do tônus muscular durante toda a amplitude de movimento disponível. d) aumento mais acentuado no tônus muscular durante a maioria da amplitude de movimento, mas as partes afetadas são facilmente movidas. e) aumento considerável do tônus muscular, movimento passivo difícil. 34) Um paciente foi internado em uma UTI com diagnóstico de insuficiência respiratória aguda, sendo submetido à intubação orotraqueal. Após alguns minutos, o médico plantonista realizou um exame de gasometria arterial com o seguinte resultado: ph = 7.62, pco2 = 32 mmhg, po2 = 105 mmhg, HCO3 = 29 meq/l, SaO2 = 99%. Esse distúrbio é característico de a) Alcalose combinada. b) Alcalose respiratória. c) Alcalose metabólica. d) Acidose combinada. e) Acidose metabólica. 35) O desmame ventilatório consiste em uma técnica da retirada gradual e progressiva do ventilador mecânico. A avaliação cuidadosa do paciente é necessária para se determinar quais pacientes estão aptos para serem removidos rapidamente da ventilação, quais podem necessitar de uma fase prolongada de desmame e quais ainda não estão aptos para a interrupção do suporte ventilatório. O critério isolado mais importante a ser considerado, ao se avaliar a interrupção do suporte ventilatório de um paciente, é a) Relação PaO2/FiO2 > 200. b) PaO2 < 100mmHg. c) Melhora significativa ou reversão da doença ou da condição clínica inicial. d) P0.1 > 6. e) VVM < dobro do Ve. 36) O procedimento que induz a formação de aderências entre as pleuras, geralmente, indicada para o pneumotórax de repetição e derrames pleurais recidivantes, é a) Pleuroscopia. b) Pneumectomia. c) Lobectomia. d) Pleurodese. e) Condrectomia. RMS 8

10 37) O pós-operatório imediato de cirurgias abdominais tem como principal objetivo a) a prevenção de complicações apenas pulmonares. b) o fortalecimento da musculatura de membros superiores. c) a prevenção de complicações pulmonares, circulatórias e musculoesqueléticas. d) o aumento da carga de trabalho respiratório. e) o treinamento de deambulação precoce. 38) Das opções abaixo, aquela que NÃO pode ser considerada complicação da ventilação mecânica é a) Aumento da pré-carga do ventrículo esquerdo durante a ventilação por pressão positiva. b) Diminuição do volume sistólico. c) Sinusite, traqueobronquite. d) Paralisia de corda vocal. e) Polineuromiopatia. 39) Os músculos abdominais têm importante atividade respiratória, apesar de a ação predominante desses músculos ser expiratória. Em circunstancias especiais, eles têm ação inspiratória, quando descolam o diafragma dentro do tórax, tornandoo mais eficiente como gerador de pressão. Esses músculos são inervados por a) T8 e T9 b) T7, T12 e primeiro nervo lombar c) T8, T9 e T10 d) T7 e T11e primeiro nervo lombar e) T11 e T12 40) NÃO se caracteriza como objetivo da fase II da reabilitação cardiovascular a) diminuir tensão e ansiedade. b) contribuir na transição hospital/residência. c) aumentar a capacidade máxima de exercício. d) avaliar respostas hemodinâmicas a cargas leves e moderadas. e) avaliar respostas hemodinâmicas somente a cargas leves. 41) Por causa da medula espinhal e das raízes nervosas associadas e de sua relação com os tecidos ósseos e moles da coluna cervical, a dor referida é um achado relativamente comum em lesões da coluna cervical. Segundo Magee, o padrão de dor referida da face lateral da cabeça até o olho se refere ao músculo a) Trapézio. b) Esternocleidomastóideo. c) Escalenos. d) Suboccipital. e) Semi-espinhal da cabeça. RMS 9

11 42) As articulações sacroilíacas não possuem músculos que controlem diretamente o seu movimento. Entretanto, a contração dos músculos de articulações adjacentes pode estressar essas articulações ou a sínfise púbica. Segundo Magee, dentre os movimentos ativos a seguir, aquele que NÃO estressa a articulação sacroilíaca é a) Flexão anterior de coluna vertebral entre 40 e 60. b) Rotação externa do quadril entre 15 e 35. c) Flexão do quadril entre 100 e 120. d) Flexão lateral da coluna vertebral entre 15 e 20. e) Abdução do quadril de 30 a ) O exame da coordenação motora é uma das etapas da avaliação neurofuncional. A coordenação motora influencia na manutenção da postura, na mobilidade e no controle dos membros. Existem diversos testes descritos. Porém, um dos mais utilizados é o teste de encostar o dedo no nariz. Ao realizar os testes de coordenação motora são, frequentemente, realizados para avaliar uma patologia específica da estrutura conhecida como a) Tronco encefálico. b) Mesencéfalo. c) Cerebelo. d) Córtex Cerebral. e) Medula. 44) Com relação à coluna lombar, a flexão anterior a partir da posição ortostática é o movimento mais usado durante as atividades do dia-dia. Para avaliação de disfunção deste movimento, é mais importante verificar o grau final de flexão do que o grau de mobilidade da coluna lombar. Sendo assim, Sahrmann considera como ponto de corte para o diagnóstico de flexão lombar excessiva, quando a posição final de flexão passa de a) 100 graus. b) 120 graus. c) 80 graus. d) 30 graus. e) 45 graus. 45) A única opção que NÃO apresenta objetivo dos programas de reabilitação pulmonar é a) Controle das infecções respiratórias. b) Aumento das hospitalizações. c) Suporte psicossocial. d) Melhoria da condição ventilatória. e) Melhoria da condição cardíaca. 46) Na posição em pé, a força da gravidade tende a exercer acelerações rotacionais e de translação nas múltiplas articulações que suportam o peso do corpo entre a cabeça e o solo, a serem neutralizadas, para se manter o equilíbrio. Com relação à linha da gravidade, segundo Sizínio, um indivíduo parado em posição ortostática utiliza o seguinte músculo para manter o equilíbrio no quadril: a) Quadrado Lombar b) Ísquiostibiais c) Iliopsoas d) Glúteo médio e) Glúteo máximo RMS 10

12 47) Segundo Sahrmann, se, ao realizar o teste de extensão do quadril com o joelho em extensão em decúbito ventral, ocorrer extensão da coluna lombar e anteversão pélvica, significa que estamos de frente às disfunções, respectivamente, conhecidas como a) Deficiência do controle dos músculos abdominais e encurtamento do músculo iliopsoas. b) Encurtamento dos músculos ísquiostibiais e encurtamento dos músculos adutores. c) Deficiência do controle dos multífidos e encurtamento do músculo reto do abdome. d) Deficiência do controle do músculo transverso do abdome e encurtamento do músculo glúteo máximo. e) Encurtamento do músculo glúteo máximo e alongamento da porção anterior da cápsula articular do quadril. 48) O movimento humano é um aspecto essencial da vida. A fisioterapia atua diretamente na execução de tarefas com movimento. Os fisioterapeutas passam um tempo considerável retreinando os pacientes que apresentam problemas de controle motor. O controle motor é definido como a) a representação mental do movimento executado. b) a capacidade de gerar movimento a partir de estímulos externos. c) o centro de ações de estímulos motores distribuídos hierarquicamente. d) o conjunto de reações adaptativas visando à correção do padrão de movimento. e) a capacidade de regular ou orientar os mecanismos essenciais para o movimento. 49) Ao analisarmos a marcha de um paciente com comprometimento neurológico, é possível observar desvios de movimento em relação à marcha normal. É sabido que o movimento humano ocorre a partir da interação de três fatores: o indivíduo, a tarefa e o ambiente. Os fatores do indivíduo que estão envolvidos na realização de um movimento são a) Músculos, articulações e nervos. b) Percepção, Cognição e Ação. c) Emoção, Força Muscular e Equilíbrio. d) Força muscular, Atenção e Coordenação Motora. e) Controle Motor, Aprendizado Motor e Equilíbrio. 50) Diversas condições neurológicas afetam a capacidade de um indivíduo em desempenhar uma determinada tarefa. O fisioterapeuta tem como objetivo recuperar a função nesses casos. A recuperação da função refere-se à reconquista das habilidades do movimento que foram perdidas por causa da lesão. Os fatores que contribuem para a recuperação da função são a) efeito da Farmacologia, obesidade e hipertensão arterial sistêmica. b) fumo, idade e fatores genéticos. c) efeito do treinamento, diabetes e cognição. d) efeito da experiência, característica da lesão e obesidade. e) idade, característica da lesão e efeito do treinamento. RMS 11

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA 1- Parturiente, 23 anos, G1P0A0, encontra-se na sala de pré-parto com queixa de algia em baixo ventre e região lombossacra, ao exame apresentou dinâmica uterina presente, dilatação uterina de 5 cm, e feto

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

ESTIMULAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA NO RECÉM-NASCIDO. Greice Correia Burlacchini Castelão

ESTIMULAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA NO RECÉM-NASCIDO. Greice Correia Burlacchini Castelão ESTIMULAÇÃO SENSÓRIO-MOTORA NO RECÉM-NASCIDO Greice Correia Burlacchini Castelão INTERVENÇÃO PRECOCE Forma de potencializar a interação da criança com o ambiente através dos estímulos VISUAIS, AUDITIVOS

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISIOTERAPEUTA PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISIOTERAPEUTA PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) No decorrer do envelhecimento, a pessoa idosa pode apresentar alterações posturais e de marcha, e mesmo após a abordagem fisioterapêutica pode ser necessária a prescrição

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 QUESTÃO 26 Quanto à ausculta pulmonar, é INCORRETO afirmar: a) O atrito pleural é ouvido igualmente durante a inspiração e expiração. b) Broncoespasmo, edema de mucosa e secreções

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (CORE) Educador Silvio Pecoraro Quais as características do Treinamento Funcional? Desenvolver e melhorar as capacidades físicas através de estímulos que proporcionam

Leia mais

GRUPO 24 FISIOTERAPIA

GRUPO 24 FISIOTERAPIA Não deixe de preencher as informações a seguir. SECRETARIA DE SAÚDE DE PERNAMBUCO PROCESSO SELETIVO À RESIDÊNCIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Prédio Sala Nome Nº de Identidade Órgão Expedidor UF

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise.

Lembramos, no entanto, que a Deficiência Física, não está contemplada na sua totalidade, existindo outros CIDs não listados e que sofrerão análise. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Em função de ocorrer dúvidas em relação ao encaminhamento do benefício do passe-livre intermunicipal,

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia nas Disfunções Posturais Código: Fisio 218 Pré-requisito: --------

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA FISIOTERAPIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA FISIOTERAPIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA FISIOTERAPIA 1. Na atenção à saúde básica, enquanto fisioterapeuta que irá a atendimento domiciliar, elenque a seqüência

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

Valéria Neves Kroeff Mayer 1

Valéria Neves Kroeff Mayer 1 POSTURAS PATOLÓGICAS NAS LESÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Valéria Neves Kroeff Mayer 1 Anormalidades sensório motoras, posturais e do tônus, são comuns após lesões do Sistema Nervoso, tanto Central quanto

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NEUROLOGIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOMUNICÍPIO - IPM IPM SAÚDE AUDITORIA EM SAÚDE ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO: REDIMENSIONAMENTO DO

Leia mais

Residência Multiprofissional em Saúde

Residência Multiprofissional em Saúde UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO GAFFRÉE GUINLE Residência Multiprofissional em Saúde 2012 PROGRAMA Atenção: Marque na sua Folha de Resposta o número de questões

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos

3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 3ª PARTE: Conhecimentos Específicos 11. Sobre as consequências do encurtamento muscular, assinale a alternativa INCORRETA. A) Sobrecarga de algumas estruturas levando a desgaste articular, tendinoso ou

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 As doenças

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Doença do Neurônio Motor

Doença do Neurônio Motor FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Doença do Neurônio Motor Acd. Mauro Rios w w w. s c n s. c o m. b r Relato de Caso Paciente M.V., sexo masculino, 62 anos,

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais