SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014"

Transcrição

1 PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EDITAL N.º 1/2013 COREMU / UFPA 09 de fevereiro de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES LEIA COM MUITA ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES SEGUINTES. 1 Este BOLETIM DE QUESTÕES contém 50 QUESTÕES OBJETIVAS (15 de SUS e 35 de Conhecimentos Específicos: Fisioterapia). Cada questão apresenta cinco alternativas, identificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E), das quais apenas uma é correta. 2 Confira se, além deste BOLETIM DE QUESTÕES, você recebeu o CARTÃO-RESPOSTA destinado à marcação das respostas das questões. 3 É necessário conferir se a prova está completa e sem falhas, bem como se o seu nome e seu número de inscrição conferem com os dados contidos no CARTÃO-RESPOSTA. Caso exista algum problema, comunique-o imediatamente ao fiscal de sala. 4 A marcação do CARTÃO-RESPOSTA deve ser feita com caneta esferográfica de tinta preta ou azul. 5 O CARTÃO-RESPOSTA não pode ser dobrado, amassado, rasurado, manchado ou conter qualquer registro fora dos locais destinados às respostas. Não é permitida a utilização de qualquer espécie de corretivo. O Cartão só será substituído se contiver falha de impressão. 6 O CARTÃO-RESPOSTA é o único documento considerado na avaliação. O BOLETIM DE QUESTÕES deve ser usado apenas como rascunho e não valerá, sob hipótese alguma, para efeito da correção. 7 Ao término da prova, devolva ao fiscal de sala todo o material relacionado no item 2 e assine a LISTA DE PRESENÇA. A assinatura do seu nome deve corresponder àquela que consta no seu documento de identificação. 8 O tempo disponível para a prova é de quatro horas, com início às 14h00 e término às 18h00, observado o horário de Belém-PA. 9 Reserve os 30 minutos finais para a marcação do CARTÃO-RESPOSTA.

2 SUS 1 Um paciente comparece a uma unidade de saúde para tratar um mal-estar. O médico que o atende percebe que ele aparenta ter sobrepeso e o convida a participar do grupo de caminhada da unidade. Esta conduta traduz o seguinte princípio do Sistema Único de Saúde: (A) Universalidade. (B) Descentralização. (C) Integralidade. (D) Hierarquização. (E) Equidade. 2 O Pacto pela Vida é o compromisso entre os gestores do SUS em torno de prioridades que apresentam impacto sobre a situação de saúde da população brasileira. Entre as prioridades pactuadas está a Saúde do Idoso. O trabalho nesta área deve seguir as seguintes diretrizes, EXCETO: (A) Promoção do envelhecimento ativo e saudável. (B) Atenção integral e integrada à saúde da pessoa idosa. (C) Estímulo às ações intersetoriais, visando à integralidade da atenção. (D) A implantação de serviços de atenção domiciliar. (E) O acolhimento exclusivo à pessoa idosa em unidades de saúde. 3 O Parágrafo único, art. 24 Lei nº / 1990, afirma: A participação complementar dos serviços privados será formalizada mediante contrato ou convênio, observadas, a respeito, as normas de direito público.. Com base em tal princípio, terão preferência para participar do SUS: (A) Entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos. (B) Organismos internacionais. (C) Entidades de cooperação técnica. (D) Contratados administrativos. (E) Organismos de interesse nacional. 4 A Lei Federal que ampliou o campo de atuação da Vigilância Sanitária e incluiu nesta também a Saúde do Trabalhador e a Saúde Ambiental foi a (A) Portaria Ministerial nº 10, de 26/07/1991. (B) Lei Federal de nº 7.883, de 26/09/1989. (C) Lei Federal de nº 8.242/1990. (D) Lei Federal de nº 8.080/1990. (E) Constituição Federal de 1988, em seu artigo De acordo com a Lei nº 8.080/90, A participação complementar dos serviços privados será formalizada mediante contrato ou convênio, observadas, a respeito, as normas de direito público. Acerca do assunto, é correto afirmar: (A) As entidades privadas com fins lucrativos terão preferência para participar do Sistema Único de Saúde. (B) Aos proprietários, administradores e dirigentes de entidades ou serviços contratados é vetado exercer cargo de chefia ou função de confiança no Sistema Único de Saúde. (C) Os princípios éticos e as normas que regem o seu funcionamento devem ser submetidos à apreciação pelo órgão de direção do Sistema Único de Saúde. (D) Os critérios e valores para a remuneração de serviços e os parâmetros de cobertura assistencial serão estabelecidos mediante negociação das tabelas praticadas, visando atingir uma média de valores de mercado. (E) É permitida a participação direta ou indireta de empresas ou de capitais estrangeiros na assistência à saúde. 2

3 6 A Lei Federal nº 8.080, de 19/09/1990, dispõe que o Sistema Único de Saúde deve ser constituído por (A) serviços de saúde prestados por instituições públicas federais e estaduais da Administração direta. (B) serviços de saúde prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais. (C) serviços de saúde prestados por órgãos e instituições públicas federais, instituições privadas e fundações estaduais. (D) ações e serviços de saúde prestados por órgãos e instituições públicas federais, estaduais e municipais, da Administração direta e indireta e das fundações mantidas pelo Poder Público. (E) ações e serviços de saúde prestados por órgãos públicos das três esferas de governo e, em caráter suplementar, pela iniciativa privada. 7 Conforme a Lei nº 8.080, de 19/09/1990, é ação de competência da Direção Municipal do SUS: (A) (B) (C) (D) (E) Gerir laboratórios públicos de saúde e hemocentros. Formar consórcios administrativos interestaduais. Normatizar procedimentos dos serviços privados de saúde. Avaliar as ações prestadas pelos serviços públicos estaduais. Elaborar planejamento estratégico nacional para as instituições privadas. 8 De acordo com a Lei nº 8.142/90, é CORRETO afirmar: (A) O Conselho de Saúde, em caráter permanente e deliberativo, atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente, exceto nos aspectos econômicos e financeiros. (B) A Conferência de Saúde reunir-se-á a cada dois anos com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes. (C) O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) terão representação no Conselho Nacional de Saúde. (D) A Conferência de Saúde reunir-se-á a cada quatro anos com a representação dos vários segmentos sociais, convocada sempre pelo Poder Executivo. (E) A representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e Conferências não será paritária em relação ao conjunto dos demais segmentos. 9 A partir da nova Constituição da República, várias iniciativas institucionais legais e comunitárias foram criando as condições de viabilização plena do direito à saúde. A lei que regulamenta o Sistema Único de Saúde (SUS) e que agrega todos os serviços estatais das esferas federal, estadual e municipal e os serviços privados (desde que contratados ou conveniados) é o(a): (A) Decreto nº /90. (B) Norma Operacional Básica (NOB), editada em (C) Norma Operacional Básica (NOB), editada em (D) Norma Operacional Básica (NOB), editada em (E) Lei nº 8.080/ Uma das diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS) é o(a) (A) centralização política em nível federal e descentralização administrativa e financeira em níveis estadual e municipal. (B) universalização do atendimento, sem discriminação de qualquer ordem previdenciária ou social. (C) incentivo à dicotomia preventivo-curativa, através da articulação das medidas em níveis primário, secundário e terciário. (D) fortalecimento do poder das Unidades Federadas no atendimento público à saúde, transferindo à União o controle exclusivo da rede privada. (E) participação comunitária, através dos Conselhos de Saúde nas questões dos serviços prestados, mediante bonificação de 1 (um) salário mínimo vigente para cada participante. 3

4 11 Um paciente foi atendido no ambulatório de especialidades com crise aguda de bronquite. Após a melhora do quadro clínico, o profissional de saúde deverá agendá-lo para o retorno na unidade básica de saúde de origem. O sistema utilizado é de (A) informação de agravos e notificação. (B) pacto em defesa da vida. (C) serviço de apoio do atendimento médico de assistência. (D) atendimento hospitalar de média complexidade. (E) referência e contrarreferência. 12 Realizado, na UBS, atendimento a paciente com dor torácica inespecífica, sendo encaminhado a uma unidade ambulatorial, onde um especialista diagnosticou infarto agudo do miocárdio. O paciente foi levado ao prontosocorro do hospital de referência em cardiologia, para possíveis intervenções. Nesse atendimento, foram necessárias atuações intersetoriais entre os níveis de atenção (A) primária, terciária e altíssima complexidade. (B) secundária, terciária e quaternária. (C) básica, média e alta complexidade. (D) primária, média e altíssima complexidade. (E) secundária, média e alta complexidade. 13 Mariana é médica de um hospital geral e atende, no ambulatório de adolescentes, Carlos, que tem 16 anos, com quadro de Diabetes Mellitus. Durante a avaliação, Mariana realiza o exame físico e, em sua anamnese, questiona Carlos sobre seus hábitos alimentares, uso de insulina e prática de atividade física. Entretanto, deixa de perguntar sobre seu desenvolvimento na escola, atividade sexual e relação familiar. Nesse caso, o princípio do SUS que a médica Mariana não respeitou para a qualidade da assistência foi o do(da) (A) igualdade. (B) integralidade. (C) universalidade. (D) direito do cliente à informação. (E) preservação. 14 Em março de 1986, na 8ª Conferência Nacional de Saúde, surgiu a representação da população brasileira em entidades. Com a promulgação da Constituição Federal de 1988, a participação popular passou a ser valorizada e percebida como de fundamental importância para a construção de um modelo público de saúde. O processo de participação da população é garantido por meio da (A) Lei nº (B) Lei nº (C) Lei nº (D) Lei nº (E) Lei nº Segundo a Lei n o 8.142/90, a destinação mínima aos Municípios dos recursos do Fundo Nacional de Saúde, alocados como cobertura das ações e serviços de saúde, é (A) 70 % (setenta por cento). (B) 65% (sessenta e cinco por cento). (C) 60% (sessenta por cento). (D) 55% (cinquenta e cinco por cento). (E) 50% (cinquenta por cento). 4

5 16 No tratamento fisioterapêutico de pacientes portadores de DPOC, devemos priorizar: (A) Correção da acidose respiratória. (B) Cinesioterapia para MMSS e MMII. (C) Oxigenioterapia. (D) Manobras de higiêne brônquica. (E) Analgesia. 17 Com relação à instabilidade postural e às quedas em idosos, é INCORRETO afirmar: (A) São as causas mais frequentes de traumatismo no idoso. (B) A frequência das quedas aumenta com o avançar da idade. (C) Sua ocorrência pode apresentar relação com o número de medicamentos utilizados. (D) As fraturas de colo do fêmur são um importante fator complicador das quedas. (E) O fator causal é bem definido. 18 Quanto ao que deve constar no plano de tratamento fisioterapêutico do paciente com osteoartrite, analise os itens seguintes. I. Exercícios de resistência muscular II. Educação do paciente para lidar com a doença III. Orientação quanto ao uso de calçados adequados. IV. Exercícios de condicionamento aeróbico V. Adaptações para facilitar as atividades da vida diária Estão corretos os itens (A) II, III, IV e V, somente. (B) III e V, somente (C) I, II, III, IV e V. (D) II, IV e V, somente. (E) I, II e V, somente. 19 Em relação a um paciente com quadro de osteoporose, em pós-operatório de prótese total de quadril, analise as afirmativas abaixo. I. Mediante o quadro de osteoporose, a cinesioterapia passiva deve ser realizada com a finalidade de manter o paciente no leito, como medida preventiva. II. A termoterapia, através de ondas curtas, é o recurso suficiente para a recuperação do paciente. III. A hidroterapia não trará benefícios à recuperação deste tipo de paciente, devido à dificuldade de locomoção. IV. A cinesioterapia ativa, através de exercícios isotônicos concêntricos e excêntricos é um recurso adequado. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A) I e II, somente. (B) II e III, somente. (C) I, II e III, somente. (D) IV, somente. (E) I, II, III e IV. 5

6 20 Nas alterações do sistema osteomioarticular, a crioterapia age diminuindo a hipóxia secundária, proveniente do comprometimento vascular e celular decorrente da lesão tecidual. Sua aplicação na modalidade bolsa de gelo é indicada quando o paciente encontra-se na fase. (A) crônica da lesão, com importante efeito na inibição da hipóxia secundária, o que favorece a regeneração tecidual. (B) crônica da lesão, com efeito importante na diminuição do metabolismo celular, o que favorece a absorção de edema. (C) aguda da lesão, com efeito importante na inibição da hipóxia secundária, o que favorece a regeneração tecidual. (D) crônica da lesão, com efeito importante sobre a lesão hipóxica secundária, diminuindo, assim, a formação de edema. (E) aguda da lesão, porém somente após o 2 dia devido à diminuição da algia. 21 Quanto aos efeitos fisiológicos de importância terapêutica produzidos pelo calor através da termoterapia e que devem ser considerados na aplicação da técnica nas alterações mioarticulares, é INCORRETO afirmar: (A) Aumenta a extensibilidade do tecido colágeno. (B) Diminui da dor. (C) Aumenta o fluxo de sangue local. (D) Aumenta o espasmo muscular. (E) Diminui a rigidez das articulações. 22 Sobre a fratura do colo do fêmur em idosos, é correto afirmar: (A) A trombose venosa profunda é uma causa de morbidade. (B) O único recurso fisioterapêutico indicado, durante a fase hospitalar, é a mobilização passiva dos membros inferiores. (C) O membro inferior tratado deve ficar em adução e rotação externa. (D) Não existe indicação de fisioterapia para este paciente na fase hospitalar. (E) Deve-se priorizar a manutenção da integridade articular por meio de exercícios resistidos em cadeia cinética fechada após o 5 pós-operatório. 23 Em relação à artrite reumatoide, analise as seguintes afirmações, marcando V (verdadeiro) ou F (falso). ( ) A vasculite é relativamente frequente na artrite reumatoide e pode ser indicativa de maior gravidade no processo, e essa inflamação dos vasos sanguíneos pode evoluir até necrose. ( ) As manifestações pulmonares na artrite reumatoide, apesar de raras, acometem principalmente o sexo feminino, apresentando-se na forma de fibrose intersticial difusa e pleurite com derrame. ( ) As manifestações renais mais frequentes, como a nefrite e a amiloidose, podem levar à insuficiência renal progressiva e difusa. ( ) Diferentes manifestações cardíacas podem apresentar-se, como pericardite, miocardite e comprometimento valvular (mitral, aorta, tricúspide ou pulmonar). A sequência correta é (A) V F V V. (B) F V V F. (C) V V F F. (D) F F V V. (E) F F V F. 24 Sobre a utilização de exercícios em pacientes com osteoartrose, é INCORRETO afirmar: (A) Diminui a dor. (B) Melhora e mantém a força muscular. (C) Promove o aumento da densidade mineral óssea, no caso.de exercícios com resistência. (D) Piora a dor por causar estresse articular. (E) Aumenta a funcionalidade. 6

7 25 A síndrome da escápula alada é caracterizada por (A) fraqueza do músculo romboide maior. (B) disfunção do músculo grande dorsal. (C) disfunção do músculo serrátil anterior. (D) disfunção do nervo escapular dorsal. (E) espasmo muscular do trapézio. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL 26 Caracteriza o grau 2 no teste manual de força muscular: (A) Realização do movimento contra a ação da gravidade e certa resistência externa. (B) Realização do movimento em toda a amplitude e contra a ação da gravidade. (C) Realização do movimento, porém sem condição de vencer a força da gravidade. (D) Realização do movimento contra a ação da gravidade e com forte resistência. (E) Incapacidade temporária de realizar movimento contra a gravidade. 27 O teste de Schober compreende avaliação da amplitude de movimento e (A) flexibilidade da coluna torácica. (B) força muscular da coluna cervical. (C) flexibilidade do segmento lombossacro. (D) flexibilidade do membro inferior. (E) flexibilidade da coluna lombar. 28 O teste de Yergason avalia a (A) lesão do pronador redondo. (B) instabilidade da articulação glenoumeral. (C) ruptura da bainha rotatória. (D) tendinite da cabeça longa do bíceps braquial. (E) integridade do tendão calcâneo. 29 O padrão ventilatório de Cheyne-Stokes se caracteriza por (A) incursões anárquicas, irregulares seguidas de apneia. (B) taquipneia constante e incontrolável. (C) ritmo respiratório intenso e regular. (D) uso de musculatura acessória e tiragem. (E) inspirações profundas e pausadas. 30 Constitui um fator de risco para trombose venosa profunda: (A) Sedentarismo. (B) Câncer. (C) Uso de órteses. (D) Choque cardiogênico. (E) Plaquetopenia. 31 Não é contraindicação para o tratamento fisioterapêutico: (A) Hipocalemia com ritmo cardíaco regular. (B) Sangramento ativo. (C) Febre alta. (D) Pico hipertensivo. (E) Hipocalemia com extrassístoles ventriculares. 7

8 32 Quanto à gasometria arterial: PH: 7,36; PCO2: 42mmHg; PaO2: 90mmHg; EB (excesso de base): +1; HCO3: 25; SatO2: 98%, é correto afirmar: (A) Pelo EB e HCO3 suspeita-se de desidratação. (B) É patognomônica de fibrose pulmonar. (C) Não há nenhuma alteração de trocas gasosas. (D) A gasometria é uma acidose respiratória compensada. (E) A acidose metabólica sofre influência direta da SatO2. 33 Para realizar exercícios em bipedestação com pacientes hospitalizados, NÃO é fator relevante: (A) Força muscular de MMII. (B) Equilíbrio. (C) Hipotensão ortostática. (D) Dispneia. (E) Glicemia. 34 O recurso fisioterapêutico que não tem aplicação bem definida na DPOC é (A) Aparelho de oscilação oral de alta frequência. (B) Máscara de PEEP. (C) Pressão positiva contínua das vias aéreas. (D) Binível de pressão nas vias aéreas. (E) Incentivador Inspiratório. 35 É uma contraindicação ao tratamento fisioterapêutico: (A) Dor. (B) Hiperglicemia. (C) Fibrilação Atrial Crônica. (D) Leucopenia. (E) Hipoglicemia. 36 S.R.G. está internado no CTI de um hospital municipal após procedimento de lobectomia pulmonar para retirada de um carcinoma broncogênico. Sua gasometria arterial apresenta: ph = 7,48; PCO2 = 24 mmhg; PO2 = 90 mmhg; SatO2 = 96 %; HCO3 = 22 mmol/l; BE= -1 mmol/l ; trata-se de um distúrbio de equilíbrio ácido-básico de (A) Acidose metabólica. (B) Alcalose metabólica. (C) Acidose respiratória. (D) Alcalose respiratória característico desse tipo de cirurgia. (E) Alcalose respiratória. 37 R.R está completando setenta anos e vem passando por alterações anatômicas e fisiológicas, decorrentes do processo de envelhecimento. Seu sistema nervoso central apresenta modificações que se traduzem em perda de funções intelectuais, como memória, raciocínio até mesmo para classificação e nomeação de objetos. Essas alterações correlacionam-se ao(à) (A) aumento do volume do líquido cérebro-espinhal. (B) atrofia cerebelar, principalmente na região do vérmis. (C) atrofia pré-glandular giro frontal. (D) dilatação e constrição ventricular. (E) diminuição do peso e do volume do cérebro. 8

9 38 Um paciente foi submetido a pneumectomia direita devido a adenocarcinoma. Em seu 1 dia de pós-operatório, evolui com pequeno débito sanguinolento pelo dreno torácico (100 ml em 12hs), dor no local e observou-se oscilação do conteúdo drenado. A conduta fisioterapêutica mais indicada é (A) proceder à reexpansão pulmonar com máscara de PEEP. (B) alongar peitorais. (C) observar se ocorre aumento da drenagem sanguinolenta. (D) observar se a dor interfere na oscilação do conteúdo drenado. (E) esperar dois dias para avaliar se há escape aéreo no dreno. 39 A hipertensão intracraniana é considerada uma das complicações mais frequentes do traumatismo cranioencefálico e é a principal causa de morte na etapa inicial. Ela é caracterizada pela presença de (A) perda da consciência transitória e é reversível dentro de 24 h, apresentando amnésia retrógrada pós- traumática. (B) aumento da massa cerebral, do volume e da pressão do líquor ou do volume de sangue intracraniano. (C) hematoma extradural e resulta da laceração de um vaso meníngeo importante. (D) lesão cerebral isquêmica. (E) lesão neurológica irreversível. 40 A Síndrome de Brown Sequard é caracterizada por (A) lesão ocorrida quase que exclusivamente na coluna cervical. (B) lesão dos nervos dentro do canal medular nas ramificações que saem da região lombar. (C) perda variável da função motora e sensitiva para dor e temperatura, preservando a propriocepção. (D) alterações do sistema nervoso autônomo, como taquicardia e hipertensão arterial. (E) hemissecção da medula com comprometimento motor e proprioceptivo ipsilateral e de sensibilidade contralateral para dor e temperatura. 41 Na mobilidade ativa do ombro, é correto avaliar o movimento de abdução e rotação externa, solicitando ao paciente que (A) tente alcançar, por trás da cabeça, o ângulo superior da escápula contralateral. (B) alcance o ângulo inferior da escápula contralateral. (C) encontre as duas mãos acima da cabeça com cotovelos estendidos e supinados. (D) toque o ombro contralateral. (E) Flexione ao máxima o ombro. 42 O teste time get up and go consiste em (A) andar movendo a cabeça. Deve-se observar quantas vezes o paciente desequilibra em determinado tempo. (B) percorrer a maior distância possível em seis minutos a partir da posição sentada. (C) andar entre duas linhas por 10 metros e observar quantas vezes o paciente sai de dentro das linhas. (D) marchar no mesmo lugar com 50 passos altos com olhos abertos e depois com olhos fechados. (E) levantar de uma cadeira, andar 3 metros, ultrapassar um obstáculo, sentar novamente e marcar o tempo gasto. 43 Não é uma forma adequada de trabalhar o balanço terapêutico ou controle postural: (A) Inibir a reação de proteção e as compensações. (B) Levar o paciente perto do limite do seu centro de gravidade. (C) Manter a velocidade, intensidade ou local do estímulo. (D) Impedir acomodações sensoriais. (E) Estimular o paciente a reassumir seu centro de gravidade após alteração deste. 9

10 44 As disfunções no ombro após acidentes vasculares encefálicos (AVE) são comuns e altamente limitantes e dolorosas. É fator predisponente para a subluxação inferior do ombro em casos de plegia do membro superior: (A) Hipotrofia do deltoide, peitoral e bíceps braquial. (B) Extensão da área do AVE. (C) Hipertonia do grande dorsal e peitoral maior. (D) Inatividade dos músculos do manguito rotador e dos deltoides. (E) Lesão do nervo torácico longo. 45 A prescrição de uma bengala para um paciente deve levar em consideração que o cotovelo mantenha-se (A) fletido a cerca de 20º, a empunhadura esteja próxima à altura do trocânter maior do fêmur e que seja utilizada na mão contralateral ao hemicorpo afetado. (B) fletido a cerca de 45, a empunhadura esteja próxima à altura do trocânter maior do fêmur e que seja utilizada na mão homolateral ao hemicorpo afetado. (C) fletido a cerca de 20, não promova o aumento da base de apoio, a empunhadura esteja próxima à altura do trocânter maior do fêmur e que seja utilizada na mão homolateral ao hemicorpo afetado. (D) fletido a cerca de 45, promova o aumento da base de apoio e a empunhadura esteja próxima à altura do trocânter maior do fêmur. (E) fletido, promova o aumento da base de apoio e a empunhadura esteja na crista ilíaca. 46 O equilíbrio depende da aquisição contínua de informações fornecidas pelo sistema sensorial ao SNC. Os três principais sistemas sensoriais que fornecem informações para a manutenção de um perfeito equilíbrio são: (A) visual, muscular e vestibular. (B) vestibular, proprioceptivo e auditivo. (C) visual, auditivo e proprioceptivo. (D) medular, proprioceptivo e vestibular. (E) proprioceptivo, visual e vestibular. 47 Sobre o equipamento de ondas curtas, é correto afirmar: (A) O tecido adiposo é um excelente condutor de ondas eletromagnéticas, por apresentar alta magnitude de corrente produzida na gordura. (B) O tecido que contém alta concentração de molécula com carga é o melhor condutor de ondas eletromagnéticas. (C) O suor não apresenta boa condutividade para a frequência estabelecida por este aparelho, que é de 27MHz. (D) As moléculas dipolares encontradas no tecido vivo não são afetadas pelo campo eletromagnético do ondas curtas. (E) Tem seu funcionamento baseado na criação de um campo eletromagnético, o qual produz ondas mecânicas de caráter contínuo. 48 São exemplos de questionários de avaliação de qualidade de vida: (A) WhoQol, AQ 20 e SGRQ. (B) WhoQol, APACHEII e Short Form 36. (C) SOFA, Glasgow e Ramsey. (D) WhoQol, Escala Visual Analógica e Short Form 36. (E) APACHEII, Glasgow e Ramsey. 49 Sobre glucagon e insulina, é correto afirmar: (A) São hormônios sinérgicos que potencializam a entrada de glicose na célula. (B) O glucagon é produzido no fígado e a insulina no pâncreas e ambos têm ação no controle dos níveis séricos de glicose. (C) Sofrem influência direta do aumento do débito cardíaco e do aumento da resistência vascular periférica. (D) O glucagon não pode ser considerado um hormônio, pois sua produção ocorre por glândulas exócrinas. (E) O glucagon tem ação hiperglicêmica através do aumento da gliconeogênese hepática e a insulina tem ação na captação de glicose para as células. 10

11 50 Sobre a contração do músculo esquelético, é correto afirmar: (A) As reservas de ATP podem produzir contrações ininterruptas de até vários minutos. (B) A força de contração depende da sobreposição dos filamentos de actina e miosina. (C) A participação do íon magnésio é fundamental no processo de repolarização. (D) A hipertrofia das fibras ocorre quando há aumento da massa total do músculo sendo este um processo exclusivo da fibra esquelética. (E) Estudos provam que os mecanismos de contração e relaxamento ainda são pouco conhecidos e por isso há muito empirismo na aplicação de programas de exercícios em academias e terapêuticos. 11

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 FARMÁCIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE PROCESSOS SELETIVOS PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 FARMÁCIA PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL 2014 EDITAL N.º 1/2013 COREMU / UFPA 09 de fevereiro de 2014 Nome: N.º de Inscrição: BOLETIM DE QUESTÕES LEIA COM MUITA ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES SEGUINTES.

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS

FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS ENADE-2007- PADRÃO DE RESPOSTA FISIOTERAPIA QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 37 a) O início da resposta inflamatória é determinado por uma vasoconstrição originada de um reflexo nervoso que lentamente vai

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE

NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE ESTADO DO PARÁ MUNICÍPIO DE CURUÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE CURUÁ - CONCURSO PÚBLICO - Edital N.º 001/2009 REALIZAÇÃO DA PROVA OBJETIVA: 23 de Agosto de 2009 NÍVEL FUNDAMENTAL Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos II Seminário Multiprofissional sobre o Uso Racional de Medicamentos Maceió - 2014 Medicamentos e Uso Racional 1975 28ª Assembleia

Leia mais

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 As doenças

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

98200003 50000446 RPG FISIOTERAPIA R$ 33,35. Avaliação Terapia Ocupacional 98400029 não possui Não possui TERAPIA OCUPACIONAL R$ 42,35 98200143

98200003 50000446 RPG FISIOTERAPIA R$ 33,35. Avaliação Terapia Ocupacional 98400029 não possui Não possui TERAPIA OCUPACIONAL R$ 42,35 98200143 DESCRIÇÃO ANTERIOR CÓDIGO ANTERIOR CÓD. TUSS NOMENCLATURA TUSS SERVIÇO VALOR REAJUSTADO EM 17,65% - (VIGENTE A PARTIR DE 01/04/2015) Avaliação Nutricionista 98800140 não possui não possui NUTRICIONISTA

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34

PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 34 QUESTÃO 26 Quanto à ausculta pulmonar, é INCORRETO afirmar: a) O atrito pleural é ouvido igualmente durante a inspiração e expiração. b) Broncoespasmo, edema de mucosa e secreções

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Legislação do SUS Professor: Marcondes Mendes

Legislação do SUS Professor: Marcondes Mendes SUS EM EXERCICIOS PARA A SECRETARIA DE SAÚDE DO DF. LEI 8.080/90 - Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012

PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 PORTARIA No- 845, DE 2 DE MAIO DE 2012 Estabelece estratégia de qualificação e ampliação do acesso aos transplantes de órgãos sólidos e de medula óssea, por meio da criação de novos procedimentos e de

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS

Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS Ministério da Saúde NORMA OPERACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO SUS NOST-SUS APRESENTAÇÃO O presente documento é resultado de um processo de discussão e negociação que teve a participação de técnicos

Leia mais

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA DE POMPAGEM. Pompagem

Núcleo de Ensino em saúde www.sogab.com.br Escola de Massoterapia APOSTILA DE POMPAGEM. Pompagem Pompagem Dentre as várias técnicas da terapia manual, a Pompagem é uma das mais simples de ser aplicada e traz benefícios aos pacientes quase de imediato. Foi desenvolvida por um osteopata Norte-Americano

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISIOTERAPEUTA PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 FISIOTERAPEUTA PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) No decorrer do envelhecimento, a pessoa idosa pode apresentar alterações posturais e de marcha, e mesmo após a abordagem fisioterapêutica pode ser necessária a prescrição

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

e-mail: jose.marques@ufjf.edu.br

e-mail: jose.marques@ufjf.edu.br PROGRAMA DE CAMINHADA ORIENTADA Prof.Dr. José Marques Novo Júnior 1 (*) Prof.Dr. Jorge Roberto Perrout de Lima 1 Prof.Ms. Marcelo de Oliveira Matta 1 Profa.Ms. Lílian Pinto da Silva 2 Profa.Dra. Elizabeth

Leia mais