PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISIOTERAPEUTAS DA REDE HOSPITALAR SUS-BH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISIOTERAPEUTAS DA REDE HOSPITALAR SUS-BH"

Transcrição

1 Vol. ISSN 9 No , 2005 DMRT em Fisioterapeutas da Rede SUS-BH 219 Rev. bras. fisioter. Vol. 9, No. 2 (2005), Revista Brasileira de Fisioterapia PREVALÊNCIA DE DESORDENS MUSCULOESQUELÉTICAS RELACIONADAS AO TRABALHO EM FISIOTERAPEUTAS DA REDE HOSPITALAR SUS-BH Souza d Ávila, L., 1 Fraga Sousa, G. A. 1 e Sampaio, R. F. 2 1 Curso de Fisioterapia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil 2 Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil Correspondência para: Rosana Ferreira Sampaio, Rua Juvenal dos Santos, n o 222, ap. 602, Bairro Luxemburgo, Belo Horizonte, MG, CEP , Recebido: 26/5/2004 Aceito: 8/4/2005 RESUMO Objetivo: Estimar a prevalência de desordens musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho (DMRT) em fisioterapeutas da Rede Hospitalar SUS-BH e os possíveis fatores de risco associados. Métodos: Estudo transversal realizado com os fisioterapeutas da Rede Hospitalar SUS-BH. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário auto-aplicável com 31 questões divididas em 4 partes: dados pessoais, características profissionais, percepção de DMRT e estratégias de prevenção. Resultados: do total de respondentes (n = 213), 71% relataram já ter sentido dor musculoesquelética constante ou intermitente, com tempo de persistência de 3 a 7 dias em 63% dos casos. A coluna lombar foi apontada como área afetada pela dor em 59% das queixas, seguida pela região cervical (55%). Tratar grande número de pacientes em um mesmo dia e levantar ou transferir pacientes dependentes foram os fatores de risco associados à ocorrência de DMRT mais citados, estando relacionados à queixa de dor lombar (p < 0,05). Além disso, os resultados mostraram uma associação da queixa de DMRT com a não realização de atividade física regular (p < 0,05) e trabalhar em contato direto com os pacientes por mais de 8 horas diárias (p < 0,05). As variáveis sexo, idade, tempo de exercício da profissão, existência de outro emprego e realização de medidas preventivas não mostraram associação com a queixa de DMRT. Conclusão: A prática em fisioterapia pode desencadear grande sobrecarga física e emocional ao profissional, podendo gerar prejuízos a sua saúde. Esperase que este estudo contribua para a construção do perfil ocupacional dos fisioterapeutas da rede hospitalar, favorecendo a implementação de estratégias preventivas e melhores condições de trabalho. Palavras-chave: fisioterapia, desordens musculoesqueléticas, saúde do trabalhador. ABSTRACT Prevalence of work-related musculoskeletal disorders among physiotherapists in the public hospital system of Belo Horizonte Objective: To estimate the prevalence of work-related musculoskeletal disorders (WRMD) among physiotherapists and possible associated risk factors. Method: This was a cross-sectional study among physiotherapists in the public health system of Belo Horizonte (SUS-BH). For data collection, a self-administered questionnaire was utilized, containing 31 questions divided into four sections: personal information, professional characteristics, perception of WRMD and preventive strategies. Results: Among the 213 respondents, 71% reported experiencing constant or intermittent musculoskeletal pain that lasted for 3 to 7 days in 63% of the cases. The lumbar column was the area affected by pain in 59% of the complaints, and the cervical region in 55%. Dealing with large numbers of patients on one day and lifting or transferring dependent patients were the most cited risk factors associated with WRMD occurrence. These factors demonstrated an association with complaints of low back pain (p < 0.05). Moreover, there were associations between WRMD complaints and lack of regular physical activity (p < 0.05) and working in direct contact with patients for over eight hours a day (p < 0.05). The variables of sex, age, experience in the profession, existence of other employment and utilization of preventative measures did not show any statistically significant relation with WRMD complaints. Conclusion: Physical therapy practice may trigger a large physical and emotional overload for the professional, which may result in harm to their health. It is hoped this study will add towards delineating the occupational profile of physiotherapists in the public hospital system, thereby enabling implementation of preventive strategies and better working conditions. Key words: physical therapy, musculoskeletal disorders, worker health. 080 Souza D'Ávila.p65 219

2 220 Souza d Ávila, L., Fraga Sousa, G. A. e Sampaio, R. F. Rev. bras. fisioter. INTRODUÇÃO A Fisioterapia é uma profissão em crescimento no Brasil. Segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, há 344 cursos de fisioterapia no País e profissionais ingressaram no mercado de trabalho no ano de Em Belo Horizonte, a abertura de novos cursos superiores de fisioterapia aumentará drasticamente o número de profissionais, chegando a, aproximadamente, 740 fisioterapeutas formados anualmente a partir de O fisioterapeuta é um profissional que tem como principal instrumento de trabalho o seu próprio corpo, o qual, muitas vezes, é utilizado em situações de sobrecarga, seja pela realização inadequada de um movimento ou durante o trabalho com um paciente totalmente dependente. Esse profissional, portanto, está exposto a vários fatores de risco para o desenvolvimento de desordens musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho (DMRT). 2,3 Países como os Estados Unidos e a Austrália demonstram, por meio de vários estudos, crescente preocupação com a saúde ocupacional do fisioterapeuta. Molumphy et al. 4 foram os pioneiros nas pesquisas dessa área. O estudo deles mostrou forte associação entre a ocorrência de dor lombar, o atendimento de pacientes dependentes e a realização de movimentos de torção, inclinação e sustentação da coluna sob esforço máximo. 4 Cromie et al. 3,5,6 analisaram diversos fatores envolvidos na ocorrência de DMRT entre fisioterapeutas, além de proporem orientações e alternativas para uma prática mais saudável da profissão. No Brasil, apesar do número crescente de fisioterapeutas ingressando no mercado de trabalho, a produção científica quanto à saúde ocupacional desse profissional ainda é limitada. Messias 7 analisou a capacidade e o ambiente de trabalho de 57 fisioterapeutas da cidade de São Paulo, constatando a necessidade de modificações no posto de trabalho e maior conscientização dos profissionais quanto aos problemas de saúde decorrentes de sua profissão. A partir de um estudo qualitativo com 128 fisioterapeutas de Recife, Wanderley et al. 8 determinaram a prevalência de dor na coluna vertebral destes profissionais, descrevendo os sintomas relacionados e a influência de possíveis fatores de risco. Não há na literatura consenso quanto à definição de DMRT. 5 A maioria dos autores utiliza a queixa de dor como indicativo de DMRT, diferindo na definição do tempo de persistência da dor e em sua localização. 2,3,4,9 Neste estudo adotou-se como parâmetro da presença de DMRT a queixa de dor de origem musculoesquelética percebida pelo profissional como conseqüência de suas atividades de trabalho, que não tenha localização predeterminada e com duração mínima de três dias. 9 O objetivo deste estudo foi estimar a prevalência de DMRT em fisioterapeutas da rede hospitalar do Sistema Único de Saúde de Belo Horizonte (SUS-BH) e os possíveis fatores de risco associados. MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de um estudo transversal sobre as DMRT em fisioterapeutas da Rede Hospitalar SUS-BH. A amostra usada consistiu de todos os fisioterapeutas que trabalham na rede e que assinaram o termo de consentimento. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, a Rede Hospitalar SUS-BH consta de 53 hospitais, sendo que 32 deles contam com serviço de fisioterapia, totalizando aproximadamente 270 profissionais, não havendo precisão em relação a esse número. Esperava-se uma taxa de não-participação, como indicado na literatura, entre 10% e 20% do total da amostra. 10 Para a coleta de dados foi utilizado um questionário auto-aplicado elaborado a partir da síntese das diversas variáveis encontradas na literatura, O questionário consiste de 31 questões divididas em 4 partes, englobando: dados pessoais do participante (nome, idade, sexo, estatura, peso, prática de atividade física e lazer), características profissionais (hospital em que trabalha, faixa etária dos pacientes atendidos, setor e área de atuação, tempo de profissão, horas diárias de contato direto com o paciente, nível de satisfação com o trabalho e existência de outro emprego), percepção das dores relacionadas ao trabalho (avaliação da presença de dor, determinação das áreas mais atingidas, fatores de risco associados e estratégias utilizadas a fim de solucionar o problema) e prevenção de DMRT. Antes de iniciar a coleta de dados foi realizado um estudopiloto entre fisioterapeutas do Laboratório de Prevenção e Reabilitação de Lesões Esportivas (LAPREV UFMG) para avaliar o conteúdo e a clareza do questionário. Os questionários foram entregues a um profissional do setor de fisioterapia de cada hospital, que se responsabilizou pela sua distribuição e recolhimento, sendo estabelecido o prazo de uma semana para o preenchimento. Cada participante recebeu uma cópia do questionário e duas cópias do termo de consentimento, com descrição dos objetivos e dos principais pontos do estudo. Os dados foram informatizados e analisados no pacote estatístico Statistical Package for Social Sciences (SPSS) versão Foi realizada uma análise descritiva inicial (medidas de tendência central e dispersão, freqüência e porcentagem) das variáveis citadas e posteriormente uma 080 Souza D'Ávila.p65 220

3 Vol. 9 No. 2, 2005 DMRT em Fisioterapeutas da Rede SUS-BH 221 análise bivariada (x 2 para variáveis categóricas e teste t de Student para variáveis contínuas). O nível de significância estabelecido foi de α = 0,05. RESULTADOS Da amostra prevista inicialmente, 213 profissionais (79%) responderam ao questionário, estando a taxa de não participação dentro da faixa esperada. Muitos fisioterapeutas não foram localizados em decorrência da mudança de turno de trabalho (plantão) na semana de coleta dos dados, férias ou licença saúde/maternidade. A maioria dos entrevistados era do sexo feminino (n = 181), sendo a média de idade de 32 anos (DP = 7,38), com valores mínimo e máximo de 22 e 57 anos. Cabe ressaltar que mais de 80% dos participantes estavam na faixa etária entre 22 e 39 anos. A média do Índice de Peso Corporal (IPC) foi 22 kg/ m 2 (DP = 2,95) e 66% dos participantes estavam na categoria considerada de menor risco para a saúde (20 a 25 kg/m 2 ). A maioria dos sujeitos afirmou praticar algum tipo de atividade de lazer (86%) e mais da metade relatou não praticar atividade física regular (57%). O tempo de trabalho na profissão variou de um mês a 33 anos, sendo que grande parte dos fisioterapeutas (62%) tinha de 2 a 10 anos de exercício profissional. O setor de trabalho mais citado foi o Centro de Terapia Intensiva (54%) e a área de atuação que concentrou o maior número de profissionais foi fisioterapia respiratória (72%). Os profissionais informaram atender, com maior freqüência, pacientes adultos (36%), idosos (15%) e crianças (14%), sendo que 35% não definiram a faixa etária de seus pacientes. Quanto ao número de horas trabalhadas, 41% (n = 88) dos respondentes relataram trabalhar mais de 8 horas diárias em contato direto com o paciente, enquanto 30% (n = 63) trabalhavam entre 4 e 6 horas, 26% (n = 56) entre 6 e 8 horas, 2% (n = 4) menos de 4 horas e 1% (n = 2) não respondeu. A maioria dos participantes (67%) afirmou ter férias regulares e 82% julgaram não serem bem remunerados pelo seu trabalho. Sessenta e dois por cento dos entrevistados consideraram seu preparo físico adequado às atividades profissionais e 98% sentiam prazer ao realizar seu trabalho na maior parte do tempo. Mais da metade dos fisioterapeutas (72%) respondeu ter outro emprego ou ocupação, dentre os quais podem ser citados: atendimento domiciliar, outro hospital, clínicas, sala de aula ou preceptoria acadêmica e consultórios particulares. Setenta e um por cento dos respondentes (n = 152) relataram ter experimentado alguma dor de origem musculoesquelética constante ou intermitente por, pelo menos, 3 dias após o início de suas atividades profissionais. Desse total, 34% (n = 51) apresentaram queixas em duas regiões do corpo, 26% (n = 40) em quatro ou mais, 22% (n = 33) em três e 18% (n = 27) em apenas uma. O tempo de persistência do sintoma variou de 3 a 7 dias para 63% dos sujeitos, 7 a 15 dias para 16%, 15 a 30 dias para 4% e mais de 30 dias para 16%, podendo ser caracterizado como de evolução aguda na maioria dos casos. A coluna lombar foi apontada como a região afetada na maioria dos casos (59%), seguida pela coluna cervical (55%), ombro (36%) e coluna dorsal (30%). Outras regiões também foram citadas, tais como punho (27%), mão (19%), cotovelo (14%), pernas/pés (14%) e joelhos (13%). Tabela 1. Fatores de risco ocupacionais para a ocorrência de desordens musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho relatados por fisioterapeutas da Rede Hospitalar SUS-BH, Fatores Freqüência (Total = 152) Porcentagem (%) Trabalhar em posições encurvadas 95 62,5 Tratar um grande número de pacientes em um dia 85 55,92 Levantar ou transferir pacientes dependentes 80 52,63 Realizar terapia manual (manipulações, mobilizações e/ou massagens) 78 51,31 Trabalhar na mesma posição por muito tempo 67 44,07 Ajudar os pacientes durante as atividades 63 41,44 Repetir a mesma tarefa 61 40,13 Poucas pausas durante o dia 52 24,4 Trabalhar perto de seus limites físicos 30 19,73 Outros 12 7,89 Estresse/tensão emocional 10 6, Souza D'Ávila.p65 221

4 222 Souza d Ávila, L., Fraga Sousa, G. A. e Sampaio, R. F. Rev. bras. fisioter. Entre os fatores de risco ocupacionais associados à ocorrência de dor, trabalhar em posições encurvadas, tratar um grande número de pacientes em um dia e levantar/ transferir pacientes foram os mais citados pelos profissionais com queixa de dor (Tabela 1). Alguns fisioterapeutas (28%) relacionaram sua dor a outras atividades ou posturas, como atividades de vida diária (AVD), postura inadequada ao dormir e ao usar o computador. Com a finalidade de amenizar ou solucionar a dor, 56% dos fisioterapeutas com queixa de dor musculoesquelética mudaram a forma de realizar as técnicas, a mesma proporção realizou autotratamento, 45% procuraram ajuda de outros profissionais, 12% ficaram algum dia sem trabalhar, 9% diminuíram o número de atendimentos e apenas um sujeito mudou sua área de atuação. Cabe ressaltar que essas medidas poderiam ser usadas de forma isolada ou complementar. Medicamentos para dor foram usados por 47% dos indivíduos sintomáticos. Quinze profissionais (10%), entretanto, nunca buscaram nenhum tipo de tratamento para sua dor. Foi investigada no protocolo utilizado a história de afastamento do trabalho decorrente de sintomas musculoesqueléticos. Somente 13% dos fisioterapeutas sintomáticos foram afastados em decorrência da dor. O tempo de afastamento variou de 2 a 90 dias, com freqüência maior para afastamentos de uma semana. De todos os respondentes, 62% (n = 132) relataram realizar alguma medida para prevenir dores de origem musculoesquelética. A maior parte dessas medidas incluía alongamentos (55%), atividade física (28%) e cuidados com a postura e o posicionamento durante o trabalho (15%). Sessenta e um por cento dos participantes afirmaram ter aprendido, durante a graduação, a melhor forma de realizar as técnicas fisioterapêuticas com o objetivo de prevenir dores de origem musculoesquelética e 97% sugeriram que deveria haver disciplinas relacionadas ao tema durante a formação acadêmica. Foi encontrada associação estatisticamente significativa entre a queixa de dor musculoesquelética relacionada ao trabalho e a não realização de atividade física regular (p = 0,04). Além disso, os resultados mostraram associação entre a queixa de dor e as horas de contato com os pacientes (p < 0,05), sendo observado que 48% (n = 72) dos fisioterapeutas com queixa trabalhavam diretamente com o paciente por mais de 8 horas diárias (Figura 1). Quando analisada a relação entre a região afetada e os fatores de risco associados, foi significativa a ocorrência de dor lombar relacionada a trabalhar em posições encurvadas, tratar um grande número de pacientes em um mesmo dia, levantar ou transferir pacientes dependentes, realizar poucas pausas diárias, trabalhar por muito tempo em uma mesma posição e estresse emocional (p < 0,05). Por sua vez, repetir a mesma tarefa, realizar terapia manual, realizar poucas pausas diárias e estresse emocional são fatores relacionados à queixa de dor cervical (p < 0,05) Presença de dor (%) até mais de 8 Horas de contato direto Figura 1. Ocorrência de desordens musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho segundo o número de horas de contato direto com o paciente. 080 Souza D'Ávila.p65 222

5 Vol. 9 No. 2, 2005 DMRT em Fisioterapeutas da Rede SUS-BH 223 Neste estudo, os sintomas de cotovelo, punho e mão estavam associados à realização de terapia manual e à repetição de uma mesma tarefa (p < 0,05). Trabalhar em posições encurvadas mostrou associação com a dor na coluna dorsal (p = 0,02). Os sujeitos com queixa na região cervical e na mão adotaram como medida para solucionar ou amenizar o problema a modificação na forma de realização das técnicas fisioterapêuticas, enquanto os que apresentaram dor lombar e no cotovelo relataram diminuir o número de pacientes atendidos e realizar autotratamento (p < 0,05). As variáveis sexo, idade, tempo de exercício da profissão, faixa etária dos pacientes, realização de medidas preventivas e existência de outro emprego não mostraram associação estatisticamente significativa com a queixa de dor musculoesquelética relacionada ao trabalho. DISCUSSÃO Os resultados do presente estudo mostram alta prevalência (71%) de DMRT entre fisioterapeutas, concordando com a literatura internacional sobre o tema. 2,3, 4,7,8,9,11,12 West & Gardner 9 encontraram freqüência de 55% de DMRT entre fisioterapeutas australianos, utilizando um parâmetro de avaliação similar ao deste estudo. Alguns trabalhos anteriores, entretanto, não estabeleceram tempo mínimo de duração da dor musculoesquelética para definição de DMRT, limitando apenas seu período de ocorrência, o que impossibilita comparações. 2,3 Ao contrário do estudo de Bork et al., 2 neste trabalho não foi encontrada diferença na prevalência de DMRT entre homens e mulheres, o que pode ser decorrente do baixo número de homens na amostra estudada. Uma associação entre idade e dor não pôde ser estabelecida a partir dos resultados apresentados, o que pode ser justificado pelo fato de o protocolo usado não identificar a época de ocorrência do sintoma. Cromie et al. 3 e Bork et al. 2 encontraram relação inversa entre dor lombar e idade e justificaram esses resultados pela aquisição de estratégias para evitar a dor pelos fisioterapeutas mais experientes, os quais, muitas vezes, passam a assumir cargos administrativos em substituição à clínica. Embora Caragianis, 11 Cromie et al. 3 e West & Gardner 9 não tenham encontrado uma relação entre a presença de dor e as horas de trabalho, este estudo evidenciou que fisioterapeutas que trabalham mais de 8 horas diárias em contato direto com o paciente apresentam maior probabilidade de desenvolver DMRT. Tal fato pode ser explicado pela maior exposição aos fatores de risco, associada a poucos períodos de descanso, levando à fadiga do sistema musculoesquelético. 13 Como na literatura, este estudo evidenciou maior acometimento da coluna lombar em relação a outras regiões do corpo. 2,3,8,9 Trabalhar em uma mesma posição durante muito tempo, trabalhar em posições encurvadas e levantar ou transferir pacientes são fatores de risco comumente relacionados à dor lombar entre fisioterapeutas. 3,9 Neste estudo, além dos fatores descritos, foi observada associação entre fatores de sobrecarga física e emocional (poucas pausas diárias, tratar um grande número de pacientes por dia, ajudar os pacientes durante suas atividades e estresse emocional) e dor lombar. Davis & Heaney 14 demonstraram que o estresse e o nível de satisfação com o trabalho são os fatores psicossociais mais associados ao desenvolvimento de DMRT na região lombar. Segundo Bork et al. 2 e Molumphy et al., 4 o ambiente hospitalar é determinante de dor lombar relacionada ao trabalho em razão da dependência dos pacientes encontrados nesse local e das cargas de trabalho impostas por essa condição. Com os resultados desta pesquisa não se pode afirmar que a alta freqüência de dor lombar encontrada esteja relacionada ao grau de dependência dos pacientes, considerando a diversidade dos serviços oferecidos, assim como o porte de cada hospital. Muitos estudos estimaram a incidência de dor relacionada ao trabalho apenas na região lombar, impossibilitando uma análise dos fatores e das conseqüências ligados às dores em outras áreas corporais. 4,12 A prevalência de dor lombar relacionada ao trabalho é muito estudada também em outras profissões da saúde. 15,16 Cromie et al. 3 observaram que repetir a mesma tarefa, realizar terapia manual e poucas pausas durante o dia são fatores associados à dor cervical, o que confirma os resultados encontrados. Esse fato pode ser explicado pela sobrecarga muscular que esses fatores determinam, principalmente no trapézio superior. 17 Além disso, foi observada relação entre sintoma cervical e presença de estresse emocional, concordando com os achados de Santos Filho & Barreto 15 em sua recente pesquisa com dentistas de Belo Horizonte. Caragianis 11 encontrou alta incidência de dor relacionada ao trabalho na extremidade superior entre terapeutas especializados na reabilitação de membros superiores, os quais utilizam técnicas de terapia manual (mobilizações, manipulações e massagens) repetidamente e em tempo prolongado. Os sintomas em cotovelo, punho ou mão estão associados à realização de terapia manual em estudos que não observaram fisioterapeutas. 2,3,9 Os resultados encontrados neste trabalho concordam com essas evidências e também associam as DMRT de seguimentos superiores à repetição de uma mesma tarefa. Assim como neste estudo, mudar a forma de realização das técnicas é a estratégia mais apontada na literatura como tentativa de amenizar ou solucionar as DMRT entre fisioterapeutas. 2,3,9,11 Reyes et al. 18 verificaram, em trabalhadores de uma indústria, que DMRT levam ao desenvolvimento de mecanismos compensatórios na realização de tarefas ocupacionais, sendo que tais mecanismos podem trazer 080 Souza D'Ávila.p65 223

6 224 Souza d Ávila, L., Fraga Sousa, G. A. e Sampaio, R. F. Rev. bras. fisioter. conseqüências desfavoráveis a outras regiões do corpo. Neste estudo, a ocorrência de queixas em mais de uma região corporal em 81% dos afetados por DMRT pode indicar que as mudanças nas técnicas fisioterapêuticas ocorreram de forma inadequada, levando à sobrecarga compensatória de outras áreas corporais. Outra possível explicação para o relato de dor em mais de uma área corporal seria a variabilidade de tarefas profissionais realizadas pelos entrevistados. Apesar da alta prevalência de DMRT, os resultados mostraram que poucos fisioterapeutas relataram ter faltado ao trabalho em decorrência de sua dor. Afastamento do trabalho em decorrência DMRT também foi pouco observado no estudo de Bork et al. Provavelmente, os fisioterapeutas optaram pela continuidade do trabalho em consideração aos pacientes. 2 Outra possível justificativa seria que a baixa freqüência de afastamentos das atividades ocupacionais estaria relacionada ao número de fisioterapeutas que realizam autotratamento ou à instabilidade no emprego, que os obriga a continuar trabalhando mesmo com dor. A prática de atividade física mostrou estar relacionada à diminuição dos casos de DMRT. Alguns autores sugerem que exercícios físicos ajustam o nível de condicionamento e força muscular às demandas das atividades ocupacionais dos fisioterapeutas. 6,19 Não foi observado, porém, que realizar prevenção altera a freqüência de dores musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho. De forma geral, as medidas preventivas apontadas pelos sujeitos desta pesquisa possivelmente não eram as mais indicadas para obtenção de resultados efetivos. Embora Cromie et al. 5 relatem que alguns fisioterapeutas consideram que suas competências terapêuticas os previnem de DMRT, outros autores demonstraram que essas competências não os tornam imunes à ocorrência desse tipo de desordens. 2,3,4,12 Uma prevenção mais eficiente deveria se basear na aplicação dos conhecimentos ergonômicos, biomecânicos e clínicos que os fisioterapeutas utilizam para a saúde de outros trabalhadores em prol de sua própria segurança laboral. Os entrevistados acreditam ser importante estudar durante a graduação as melhores formas de realização das técnicas fisioterapêuticas com o objetivo de prevenir DMRT. A literatura vem apresentando diretrizes e recomendações para uma prática mais segura da profissão. 6,11,20 Apesar de a maioria dos fisioterapeutas relatar ter aprendido estratégias preventivas, não foi estabelecida relação entre este fato e a diminuição da freqüência de DMRT, sugerindo uma não aplicação do conhecimento adquirido. Este estudo mostra alta freqüência de dores musculoesqueléticas relacionadas ao trabalho em fisioterapeutas, demonstrando que a fisioterapia apresenta um componente de grande sobrecarga física e emocional. Tais sobrecargas podem gerar prejuízos à saúde dos profissionais, podendo ainda comprometer a qualidade dos atendimentos. Pesquisas precisam ser realizadas com o objetivo de fomentar novas discussões ligadas aos fatores de risco de DMRT e outras desordens ligadas ao trabalho em fisioterapeutas, visando à análise da eficácia das estratégias preventivas existentes e propondo medidas alternativas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (2004). http: 2. Bork BE, Cook TM, Rosecrance JC, Engelhardt KA, Thomason MJ, Wauford RK, Worley RK. Work-related musculoskeletal disorders among physical therapists. Physical Therapy 1996; 76(8): Cromie JE, Robertson VJ, Best MO. Work-related musculoskeletal disorders in physical therapists: prevalence, severity, risks, and responses. Physical Therapy 2000; 80(4): Molumphy M, Unger B, Jensen GM, Lopopolo RB. Incidence of work-related low back pain in physical therapists. Physical Therapy 1985; 65(4): Cromie JE, Robertson VJ, Best MO. Work-related musculoskeletal disorders and culture of physical therapy. Physical Therapy 2002; 82(5): Cromie JE, Robertson VJ, Best MO. Occupational health and safety in physiotherapy: guidelines for practice. Australian Journal of Physiotherapy 2001; 47: Messias IA. O ambiente de trabalho e sintomas de um grupo de fisioterapeutas da cidade de São Paulo [dissertação]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da Universidade Federal de São Paulo; Wanderley RB, Laurentino GEC, Moura Filho AG, Raposo MCF. Prevalência da dor na coluna vertebral em profissionais fisioterapeutas que atuam em serviços públicos e privados na cidade de Recife. Fisioterapia em Movimento 2002; 14(2): West DJ, Gardner D. Occupational injuries of physiotherapists in north and central Queensland. Australian Journal of Physiotherapy 2001; 47: Raspe H, Kohlmann T. Disorders characterized by pain: a methodological review of population surveys. Journal of Epidemiology and Community Health 1994; 48: Caragianis S. The prevalence of occupational injuries among hand therapists in Australia and New Zealand. Journal of Hand Therapy 2002; 15: Mierzejewski M, Kumar S. Prevalence of low back pain among physical therapists in Edmonton, Canada. Disability and Rehabilitation 1997; 19: Gómez-Conesa A. Factores posturales laborales de riesgo para la salud. Fisioterapia 2002; 24: Davis KG, Heaney CA. The relationship between psychosocial work characteristics and low back pain: underlying methodological issues. Clinical Biomechanics 2000; 15: Souza D'Ávila.p65 224

7 Vol. 9 No. 2, 2005 DMRT em Fisioterapeutas da Rede SUS-BH Santos Filho SB, Barreto SM. Atividade ocupacional e prevalência de dor osteomuscular em cirurgiões-dentistas de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: contribuição ao debate sobre os distúrbios relacionados ao trabalho. Cadernos de Saúde Pública 2001; 17(1): Kai S. Considerations of low back pain in health and welfare workers. Journal of Physical Therapy Science 2001; 13: Bernard BP. Musculoskeletal disorders and workplace factors: a critical review of epidemiologic evidence for work-related musculoskeletal disorders of neck, upper extremity, and low back. [serial online] Reyes LCV, Coury HJCG, Oishi J, Rebellato JR. Movements performed by healthy and workers suffering from work-related musculoskeletal disorders in simulated handling tasks. Revista Brasileira de Fisioterapia 1999; 4(1): López JAB, Costoso AIT, Coy JA, Rodríguez JR. Cuidas tu postura al dar un masaje? Fisioterapia 2002; 24(4): López JAB, Costoso AIT, Antón VA, Rodríguez JR. Posturas recomendadas en el masaje. Fisioterapia 2002; 24(3): Souza D'Ávila.p65 225

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA 60 DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO NO FISIOTERAPEUTA Cristiany Garcia de Deus*; Edilene Gonçalves de Sales*; Elisiane Tonon*; ÉrikaTonon* Christiane Pereira Mello Munhos** Hélio Vidrich

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI)

INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) INCIDÊNCIA DE LER/DORT EM FISIOTERAPEUTAS DOCENTES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR EM TERESINA (PI) Nayana Pinheiro Machado 1,2,3, Relândia Cristina Machado Reinaldo Ratts 4, Veruska Cronemberger

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco

Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco ISSN 1413-3555 Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 12, n. 3, p. 222-7, mai./jun. 2008 Revista Brasileira de Fisioterapia Artigo Científico Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife,

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1

OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 OS BENEFÍCIOS DA GINÁSTICA LABORAL NA PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO 1 Thiago Augusto Galliza 2 Alex Sandro Goetten 3 RESUMO: Este estudo traz como a Ginástica Laboral

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO DOS

PERFIL DEMOGRÁFICO DOS PERFIL DEMOGRÁFICO DOS FISIOTERAPEUTAS DA CIDADE DE LONDRINA/PR Trelha 1 Paulo Roberto Gutierrez 2 Ana Claudia Violino da Cunha 1 1 Docentes do Departamento de Fisioterapia, Universidade Estadual de londrina,

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL E BURNOUT EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ

ESTRESSE OCUPACIONAL E BURNOUT EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ - FRANCINE MILENE ROMÃO ESTRESSE OCUPACIONAL E BURNOUT EM PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ I t a j a í / SC 2009 FRANCINE MILENE

Leia mais

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR STUDY OF ATTITUDE IN STUDENTS OF THE SCHOOL OF PHYSIOTHERAPY FACULDADE MARECHAL RONDON FMR Karina Zanotel de Oliveira

Leia mais

Eduardo Athayde Cruz Silva¹. Murilo Levi Magalhães Borges 1 RESUMO

Eduardo Athayde Cruz Silva¹. Murilo Levi Magalhães Borges 1 RESUMO FREQÜÊNCIA DE ALTERAÇÕES DO SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO EM FISIOTERAPEUTAS ATUANTES NA ÁREA DE TERAPIA INTENSIVA EM UM HOSPITAL NA CIDADE DE SALVADOR, BAHIA RESUMO Eduardo Athayde Cruz Silva¹ Murilo Levi

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Índice de lesões e afecções músculoesqueléticas relacionadas aos profissionais da área de fisioterapia da cidade de Muriaé, MG

Índice de lesões e afecções músculoesqueléticas relacionadas aos profissionais da área de fisioterapia da cidade de Muriaé, MG Índice de lesões e afecções músculoesqueléticas relacionadas aos profissionais da área de fisioterapia da cidade de Muriaé, MG Fabrício R. Teixeira de Almeida 1, fabricio_rta@hotmail.com, Boanerges do

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

Ana Rita Rodrigues 1*, Ricardo Pedro 1. Vol.5 Julho 2013. Artigo Original de Investigação

Ana Rita Rodrigues 1*, Ricardo Pedro 1. Vol.5 Julho 2013. Artigo Original de Investigação Vol.5 Julho 2013 Artigo Original de Investigação Prevalência de lesões músculo-esqueléticas relacionadas com o trabalho em fisioterapeutas portugueses e fatores de risco associados Prevalence and associated

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO BRUNO MASSINHAN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO BRUNO MASSINHAN UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIENCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO BRUNO MASSINHAN QUEIXAS REFERIDAS POR CAMINHONEIROS E MOTORISTAS PROFISSIONAIS

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM FISIOTERAPEUTAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA

DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM FISIOTERAPEUTAS: UMA REVISÃO DE LITERATURA Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional Departamento de Fisioterapia Orientadora: Ana Maria Chagas Sette Câmara Co-orientadora: Luciana Souza

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS.

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

Artigo publicado na Revista Eletrônica Saúde CESUC Nº 01 Ano de 2010

Artigo publicado na Revista Eletrônica Saúde CESUC Nº 01 Ano de 2010 PREVALÊNCIA DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS E PERCEPÇÃO DE DOR NOS DISCENTES E SUPERVISORES DO 8 PERÍODO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE CATALÃO - CESUC. 1 Josiane Lino da Silva 2 Cristina

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

www.fisiconcept.com QuickTime and a None decompressor are needed to see this picture.

www.fisiconcept.com QuickTime and a None decompressor are needed to see this picture. QuickTime and a None decompressor are needed to see this picture. O seu conceito de Fisioterapia está prestes a mudar... Problemas? Perturbações músculo-esqueléticas são as doenças mais comuns relacionadas

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 227-232, 2013. Recebido em: 27.10.2012. Aprovado em: 06.02.2013.

Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 227-232, 2013. Recebido em: 27.10.2012. Aprovado em: 06.02.2013. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 227-232, 2013. Recebido em: 27.10.2012. Aprovado em: 06.02.2013. ISSN 2177-3335 O EFEITO DA GINÁSTICA LABORAL NAS DOENÇAS

Leia mais

Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde

Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde Capítulo 14 Atividade Física Referida e Estilo de Vida entre Trabalhadores de Enfermagem em Serviço Público de Saúde Manuela de Santana Pi Chillida Mestre em Enfermagem UNICAMP Enfermeira Supervisora,

Leia mais

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR

ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR ESTUDO DA POSTURA EM ALUNOS DO ESTÁGIO DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE MARECHAL RONDON FMR Karina Zanotel de Oliveira 1, Rosemary Berto 2 1,2 Departamento de Fisioterapia, Faculdade Marechal Rondon, São Manuel,

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE A Importância dos Grupos de Reabilitação em Dor Crônica Realizados pela Equipe NASF AUTOR THANYTA STELLA DE CAMPOS HISTÓRICO COMO SURGIU A IDÉIA DO TRABALHO?

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms

Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms Prevalência de Sintomatologia Músculoesquelética em Operários Fabris, Comparação da sua Capacidade para o Trabalho

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

MT 4 Biologo Mestre em Ecologia, docente das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia UNIVAR MT

MT 4 Biologo Mestre em Ecologia, docente das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia UNIVAR MT 113 A PREVALÊNCIA DE DOR EM FUNCIONÁRIOS DO SETOR ADMINISTRATÍVO E UMA EMPRESA DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO BIPOLAR DE DELIBERATO Suyanne Alves Duarte 1 Fábio Eduardo

Leia mais

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA FACULDADE REDENTOR DEPARTAMENTO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E ATUALIZAÇÃO AS CONDIÇÕES DE TRABALHO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Autores: Denis Pimentel França Prof.ª Orientadora:

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns

A relação trabalho, fábricas, máquinas, homens e(m) movimento há alguns TÍTULO:PROMOVENDO E RECUPERANDO A SAÚDE DO TRABALHADOR NA EMPRESA: GINÁSTICA LABORAL E CORREÇÃO FUNCIONAL NA ELECTROLUX DO BRASIL. AUTORES: DUARTE, A. C. G. O.; OLIVEIRA, S. B.; ARRUDA, E. A. B.; VENÂNCIO,

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

DISTÚRBIO MUSCULOESQUELÉTICO EM ESTAGIÁRIOS DE FISIOTERAPIA DA UESB MUSCULOSKELETAL PAIN TRAINEES IN PHYSICAL THERAPY OF UESB

DISTÚRBIO MUSCULOESQUELÉTICO EM ESTAGIÁRIOS DE FISIOTERAPIA DA UESB MUSCULOSKELETAL PAIN TRAINEES IN PHYSICAL THERAPY OF UESB Artigo Original DISTÚRBIO MUSCULOESQUELÉTICO EM ESTAGIÁRIOS DE FISIOTERAPIA DA UESB MUSCULOSKELETAL PAIN TRAINEES IN PHYSICAL THERAPY OF UESB Resumo Marta Rodrigues Barreto Neta 1 Neylton dos Anjos Silva

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Sintomas osteomusculares em cirurgiões-dentistas da rede pública

Sintomas osteomusculares em cirurgiões-dentistas da rede pública artigo original Sintomas osteomusculares em cirurgiões-dentistas da rede pública Musculoskeletal symptoms among dentists of the public service Henika Priscila Lima Silva 1, Cleber Souza de Jesus 2 Resumo

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas

Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas ARTIGO ORIGINAL Prevalência de sintomas osteomusculares, postura e sobrecarga no trabalho em cirurgiões-dentistas Prevalence of musculoskeletal symptoms, posture and overload in the workplace of dentists

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia Preventiva Código: Fisio 212 Pré-Requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Artigo Original MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Resumo Ana Claudia Conceição da Silva 1 Carlos Olimpio Válido Santana 1 Larissa Fernanda

Leia mais

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo Renato das Chagas Benevenuto Restrições intrapessoais para o lazer em turismo por idosos no Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS ATIVIDADES MOTORAS NAS QUEIXAS DOLOROSAS EM ESCOLARES FREQUENTADORES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA

INFLUÊNCIA DAS ATIVIDADES MOTORAS NAS QUEIXAS DOLOROSAS EM ESCOLARES FREQUENTADORES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA 6º Fórum de Extensão Conta INFLUÊNCIA DAS ATIVIDADES MOTORAS NAS QUEIXAS DOLOROSAS EM ESCOLARES FREQUENTADORES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA INTRODUÇÃO Lidiane de Fátima Ilha Nichele (apresentadora)

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL ESTUDO DE CASO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE ERGONÔMICO EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Márcio Alves Marçal 1,2, Ph.D. Cláudia Ferreira Mazzoni 2, Ph.D. Aguinaldo Diniz Filho 3 1 Centro Universitário

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL PARA O TRABALHO FRENTE AO COMPUTADOR: UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA.

PRESCRIÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL PARA O TRABALHO FRENTE AO COMPUTADOR: UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA. PRESCRIÇÃO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL PARA O TRABALHO FRENTE AO COMPUTADOR: UMA ABORDAGEM ERGONÔMICA. Daniel Vila Hreczuck 1, Leandra Ulbricht 2 RESUMO A evolução da tecnologia tornou o computador

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO

ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO 90 ANÁLISE DESCRITIVA DO NÍVEL DE STRESS EM PARTICIPANTES DE UM PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO E REEQUILÍBRIO POSTURAL EM GRUPO Débora Fernandes dos Santos, Jessica Jessica Ribeiro, Letícia Endsfeldz Teixeira,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA

AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT): UMA AVALIAÇÃO RETROSPECTIVA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AURICULOTERAPIA NO TRATAMENTO DOS DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO (DORT):

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Clarissa Biehl Printes (Ph.D.) cbprintes.isce@gmail.com Porto Alegre, 2015 Introdução A literatura descreve que 70 a 85% da população

Leia mais

OCORRÊNCIA DE DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM FISIOTERAPEUTAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

OCORRÊNCIA DE DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM FISIOTERAPEUTAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA OCORRÊNCIA DE DISTÚRBIOS MUSCULOESQUELÉTICOS EM FISIOTERAPEUTAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA RESUMO Jaqueline Marins Pereira 1 Orientadora: Profª. Ms. Thays Candida Flausino 2 Introdução: O fisioterapeuta

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL FATORES OCUPACIONAIS ASSOCIADOS À DOR MUSCULOESQUELÉTICA EM PROFESSORES

ARTIGO ORIGINAL FATORES OCUPACIONAIS ASSOCIADOS À DOR MUSCULOESQUELÉTICA EM PROFESSORES ARTIGO ORIGINAL FATORES OCUPACIONAIS ASSOCIADOS À DOR MUSCULOESQUELÉTICA EM PROFESSORES Isadora de Queiroz Batista Ribeiro a Tânia Maria de Araújo b Fernando Martins Carvalho c Lauro Antonio Porto c Eduardo

Leia mais

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse 12 Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse Ricardo Martineli Massola Mestre em Qualidade de Vida, Saúde Coletiva e Atividade Física na UNICAMP

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR

AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Serviço de Segurança e Saúde no Trabalho AVALIAÇÃO DE RISCOS EM MEIO HOSPITALAR Jorge Dias Médico do Trabalho, Assistente Graduado de Medicina do Trabalho Ana Catarina Lança TSSHT, Mestre em Saúde Ocupacional

Leia mais

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR

INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS A ATENÇÃO PRIMÁRIA EM DOIS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA DE MARINGÁ-PR Vitor Key Assada 1 ; Kristoffer Andreas Wendel Ribas 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: Condições

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais

Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Absenteísmo por causas odontológicas em cooperativa de produtores rurais do Estado de Minas Gerais Cristiane Miranda CARVALHO 1 Marina Pereira COELHO 1 Ronaldo RADICCHI 2 RESUMO Conhecer as causas odontológicas

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. boa pela maioria dos profissionais, que se sentem satisfeitos. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. boa pela maioria dos profissionais, que se sentem satisfeitos. Resumo 1806-4280/08/37-03/13 Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 3, de 2008 13 ARTIGO ORIGINAL Perfil sócio-demográfico e da situação de trabalho dos médicos atuantes

Leia mais

Verificação de LER/DORT em Prontuários de Fisioterapia

Verificação de LER/DORT em Prontuários de Fisioterapia ORIGINAL/ORIGINAL Verificação de LER/DORT em Prontuários de Fisioterapia RSI/WRMD Verification in Physiotherapy Files RESUMO Esta pesquisa foi realizada no ambulatório de fisioterapia da Unidade Básica

Leia mais

UNAERP - UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO

UNAERP - UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNAERP - UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO INCIDÊNCIA DA LOMBALGIA DE ACORDO COM IDADE, SEXO E PROFISSÃO EM UMA CLÍNICA DE ORTOPEDIA DE SÃO PAULO ROBERTO ANTONIO ANICHE Trabalho de

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM

O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM O IMPACTO DA DOR CRÔNICA NA VIDA DAS PESSOAS QUE ENVELHECEM Eliane de Sousa Leite. Universidade Federal de Campina Grande/UFCG. Email: elianeleitesousa@yahoo.com.br. Jéssica Barreto Pereira. Universidade

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas

O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas O uso de práticas ergonômicas e de ginástica laboral nas escolas Dessyrrê Aparecida Peixoto da Silva¹; Júlio César dos Santos² ¹Estudante de Engenharia de Produção, Bolsista de Extensão Universitária (PIBEX)

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais