UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Lorena de Fátima Teixeira Siqueira Thais Soares Penalber

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Lorena de Fátima Teixeira Siqueira Thais Soares Penalber"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Lorena de Fátima Teixeira Siqueira Thais Soares Penalber EFEITOS DE UM PROGRAMA DE FISIOTERAPIA AQUÁTICA SOBRE OS NÍVEIS DE DOR E DA CONCENTRAÇÃO DE HIDROXIPROLINA COMO MARCADOR BIOQUÍMICO DE DOR LOMBAR EM IDOSAS. Belém 2010

2 2 Lorena de Fátima Teixeira Siqueira Thais Soares Penalber EFEITOS DE UM PROGRAMA DE FISIOTERAPIA AQUÁTICA SOBRE OS NÍVEIS DE DOR E DA CONCENTRAÇÃO DE HIDROXIPROLINA COMO MARCADOR BIOQUÍMICO DE DOR LOMBAR EM IDOSAS. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso Fisioterapia do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do titulo de Fisioterapeuta sob orientação da Profª Msc. Ediléa Monteiro de Oliveira. Belém 2010

3 3 Lorena de Fátima Teixeira Siqueira Thais Soares Penalber EFEITOS DE UM PROGRAMA DE FISIOTERAPIA AQUÁTICA SOBRE OS NÍVEIS DE DOR E DA CONCENTRAÇÃO DE HIDROXIPROLINA COMO MARCADOR BIOQUÍMICO DE DOR LOMBAR EM IDOSAS. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso Fisioterapia do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do título de Fisioterapeuta. Banca Examinadora Profª. Msc. Ediléa Monteiro de Oliveira Orientadora Ft. Msc. Brena Guedes de S. Rodrigues Ft. Tiana Dias O' de Almeida Apresentado em: / /. Conceito: Belém 2010

4 4 Dedico este trabalho a minha mãe, mulher vencedora, que com todas as dificuldades que a vida nos coloca ensinou a ser quem sou a ter dignidade, caráter, humildade... Dando-me força e acreditando que eu venceria mais uma etapa de minha vida. A Sra. Regina Soares, Barbara Luana pessoas de um coração enorme e que me ajudaram muito, entre outras pessoas que Deus colocou em minha vida e que contribuíram de alguma forma na minha formação acadêmica. Aos meus familiares e amigos que direta ou indiretamente me ajudaram para ter chego aonde cheguei. Lorena de Fátima Teixeira Siqueira.

5 5 Dedico este trabalho aos meus pais, que me deram todo apoio incondicional, atenção, amor e me ensinaram tudo que sou hoje, em especial a minha mãe que teve toda a paciência em compreender meus estresses. A minha Irmã e meu cunhado que sempre acreditaram em mim. Aos meus amigos que me ajudaram a crescer durante toda essa caminhada. Thais Soares Penalber.

6 6 AGRADECIMENTOS Agradecemos em primeiro lugar a Deus por ter nos dado determinação, discernimento, perseverança para vencer toda e qualquer dificuldade ao longo desses quatro anos. Mostrando-nos que se tivermos fé e acreditarmos tudo é possível além de tentar sempre e não desistir por mais difícil que seja. Aos nossos pais, que nos deram amor, carinho, e por serem pessoas de fundamental importância para nossa formação tanto pessoal como profissional, nos deram apoio de diversas formas para a realização desta pesquisa. A nossa orientadora além de ter sido um excelente profissional com quem aprendemos muitas coisas durante um ano desde a elaboração da pesquisa como a execução e também por ser essa pessoa amiga maravilhosa que é sempre confiante, acreditando em nós, nos orientando mais do que devia e lá estava ela tarde da noite podendo estar em sua casa com sua família, mas não estava tentando ao máximo nos ajudar OBRIGADA Prof.ª Léa. A todos os nossos amigos do curso os quais dividimos preocupações, tirávamos duvidas uns dos outros quando necessário e além de tudo a cada um com o seu jeito individual de ser, estando todos os dias na biblioteca rindo de toda nossa correria e às vezes até reclamando em meio ao estresse mais estava lá dando força. Aos professores que foram de grande importância em nossa formação passando seus conhecimentos para que nos tornássemos verdadeiros profissionais. Ao grupo de idosas que se disponibilizaram a participar de nossa pesquisa nos ajudando a realizá-la com todo cuidado não faltando aos atendimentos para que desse tudo certo. Lorena Siqueira e Thais Penalber

7 7 A vida é uma peça de teatro que não se permite ensaios... por isso, cante ria, dance, chore e viva intensamente cada momento de sua vida... Antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos. Charli Chaplin

8 8 RESUMO O envelhecimento é um processo fisiológico com alterações nos diversos sistemas, dentre eles o sistema osteomioarticular que apresenta entre seus sintomas a dor lombar, podendo restringir o idoso em suas atividades de vida diária. Entre outras formas, podem-se avaliar os níveis de dor, subjetivamente, através da Escala Visual Analógica e Índice de Oswestry, ou, objetivamente, através da análise da excreção urinária de hidroxiprolina, cujo aumento indica dano nos tecidos conjuntivos, devido abundância de colágeno nas estruturas envolvidas nas lesões lombares e sua possível relação com a lombalgia. A dor lombar pode ser reduzida através da fisioterapia aquática devido à associação dos princípios e propriedades físicas da água aos efeitos fisiológicos e à cinesioterapia. O presente estudo teve como objetivo avaliar os níveis de dor lombar e a concentração da hidroxiprolina antes e após aplicação de um programa de fisioterapia aquática. Foram avaliadas 16 voluntárias com média de idade 65.3±3.1 anos, atendidas duas vezes por semana em dias alternados. Cada sessão teve duração de 50 minutos, totalizando 16 sessões. Foram utilizados como instrumentos avaliativos a escala visual analógica de dor (EVA) e o Índice de Oswestry. No início e ao final das sessões as voluntárias foram orientadas a coletar a urina para análise da concentração da hidroxiprolina. Os dados foram analisados através do pacote estatístico Biostat 5.0. Para avaliação da normalidade foi usado o teste de Shapiro-Wilk e para análise da EVA, Índice de Oswestry e hidroxiprolina foi aplicado o teste de Mannn-Whitney. Foi fixado o nível alfa = 0.05 para rejeição da hipótese nula. A EVA e o Índice de Oswestry, ambos para avaliação da dor, apresentaram melhora estatisticamente significante (pvalor=<0.0001), no entanto, o resultado da hidroxiprolina (p-valor =0.7919) não foi estatisticamente significativo. A fisioterapia aquática aplicada às idosas foi de grande relevância, pois notou-se através dos achados nesta pesquisa, considerável redução da dor lombar, no entanto a hidroxiprolina não respondeu de forma satisfatória. Palavra-chave: Envelhecimento. Dor Lombar. Hidroxiprolina. Fisioterapia Aquática.

9 9 ABSTRACT Aging is a physiological process with changes in various systems, among them the musculoskeletal system which has among its symptoms lower back pain, which may restrict the elderly in their daily activities. Among other ways, one can evaluate the level of pain subjectively using the Visual Analogue Scale and Oswestry Index, or objectively by analysis of urinary excretion of hydroxyproline, which indicates an increase in tissue damage because of the abundance of collagen the structures involved in back injuries and their possible relationship to low back pain. Low back pain can be reduced through aquatic therapy due to a combination of the physical properties of water and the physiological effects and kinesiotherapy. This study aimed to evaluate the levels of back pain and the concentration of hydroxyproline before and after application of an aquatic therapy program. We evaluated 16 volunteers with mean age 65.3 ± 3.1 years, met twice a week on alternate days. Each session lasted 50 minutes, totaling 16 sessions. Were used as evaluative tools of the visual analogue scale (VAS) and Oswestry Index. At the beginning and end of the sessions the volunteers were instructed to collect urine for analysis of the concentration of hydroxyproline. Data were analyzed using the statistical package Biostat 5.0. To assess the normality test was used Shapiro-Wilk test and for analysis of VAS, Oswestry Index and hydroxyproline was applied Mannn-Whitney test. Was fixed at alpha = 0.05 for the null hypothesis. The VAS and Oswestry Index, both for pain assessment showed statistically significant improvement (p = <0.0001), however, the result of hydroxyproline (p = ) was not statistically significant. The aquatic therapy applied to women was of great importance, since it was noted by the findings in this research, considerable reduction of low back pain, but the hydroxyproline did not respond satisfactorily. Palavra-chave: Aging. Low back pain. Hydroxyproline. Aquatic therapy.

10 10 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Caminhada 32 Figura 2: Bicicleta 32 Figura 3: Flexão de quadril 33 Figura 4: Alongamento lateral de pé 34 Figura 5: Alongamento para panturrilha 34 Figura 6: Flexão e extensão ativa da coluna 35 Figura 7: Joelhos ao peito 36 Figura 8: Flexão lateral de MMII com aquatubes 36 Figura 9: Flexão resistida da costa 36 Figura 10: Rotação do tronco em pé 36 Figura 11: Relaxamento 37

11 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Medidas de tendência central e de variação da Idade 38 Tabela 2: Medidas de tendência central e de variação da dor 39 Tabela 3: Medidas de tendência central e de variação do Índice de Oswestry 40 Tabela 4: Medidas de tendência central e de variação da hidroxiprolina 41

12 12 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1: Distribuição da Idade 38 Gráfico 2: Mediana e desvio interquartílico da dor 39 Gráfico 3: Mediana e desvio interquartílico do Índice de Oswestry 40 Gráfico 4: Mediana e desvio interquartílico da hidroxiprolina 41

13 13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 15 2 REFERENCIAL TEORICO ENVELHECIMENTO Aspectos demográficos e epidemiológicos no envelhecimento Envelhecimento fisiológico x Envelhecimento patológico Lombalgia na terceira idade ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO DE HIDROXIPROLINA FISIOTERAPIA AQUÁTICA Propriedades físicas no envelhecimento Densidade Flutuação Pressão hidrostática Turbulência Viscosidade Temperatura Efeitos fisiológicos e terapêuticos da água no envelhecimento 24 3 MATERIAIS E MÉTODOS DELINEAMENTO DO ESTUDO AMOSTRA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO LOCAL DA PESQUISA ASPECTOS ÉTICOS PROCEDIMENTOS AVALIATIVOS Ficha de avaliação Avaliação do nível de dor Índice de Oswestry Avaliação da concentração de hidroxiprolina INTERVENÇÃO Fisioterapia aquática MÉTODO ESTATÍSTICO 37

14 14 4 RESULTADOS CARACATERIZAÇÃO DA AMOSTRA Idade Escala visual analógica Índice Oswestry Hidroxiprolina 41 5 DISCUSSÃO 42 6 CONCLUSÃO 44 REFERÊNCIAS 45 APENDICES 51 ANEXO 59

15 15 1 INTRODUÇÃO Recentemente, no Brasil, as pessoas idosas representam cerca de 10% da população geral. O censo de 2000 informou que, dos 169,5 milhões de brasileiros, 15,5 milhões têm 60 anos ou mais, sendo que projeções apontam um crescimento desse grupo populacional para 18 milhões ate 2010 e 25 milhões até 2025 (PEREIRA et al., 2006). Em estudos de prevalência de incapacidade funcional, os percentuais são mais altos em mulheres do que em homens, embora isso se deva provavelmente a diferença na sobrevivência com limitações (PARAHYBA et al., 2005). As mulheres e os idosos têm repercussões importantes nas ações por políticas públicas. Uma delas diz respeito ao fato de que, embora as mulheres sejam mais longevas do que os homens, elas estão mais sujeitas as deficiências físicas e mentais do que seus companheiros masculinos (CAMARANO et al., 2002). O envelhecimento pode ser acompanhado por diversas modificações que promovem lesões aos diversos sistemas do organismo. Entre as quais o decréscimo da função muscular, que prejudicará diretamente a capacidade de desempenhar tarefas do dia-a-dia, verificando-se a diminuição da independência funcional, o que pode refletir negativamente na qualidade de vida do idoso (LACOURT et al., 2006). O idoso por ser vítima de mecanismos fisiológicos que alteram a sua aptidão física, torna-se um forte candidato a proporcionar queixas de lombalgia. A lombalgia é um sinal referido na altura da cintura pélvica, provocando um quadro clínico de algia, incapacidade de se movimentar e trabalhar, representando, desta forma, uma grande causa de morbidade e incapacidade dentro das disfunções dolorosas que afetam o homem (REIS et al., 2007). A dor muscular destaca-se como um dos fatores da lesão lombar. Compreendese como mecanismo de dor o aumento da atividade dos nociceptores nos ventres musculares (CAETANO et al., 2006). Segundo Abraham (1986 apud NASCIMENTO et al., 2005, p.152) a mialgia permanece fortemente relacionada à lesão dos tecidos conjuntivos associada ao músculo. Há uma correlação significativa em meio à excreção urinária de HP e a incidência subjetiva de dor muscular e irritação ou lesão do tecido conjuntivo

16 16 Pode-se dizer que a maioria das pessoas referem uma intensidade de 4 a 7 na escala visual analógica de dor (EVA), o que mostra uma valorização significante da mesma. A prevalência de lombalgia aumenta com o avanço da idade (49-65 anos), que pode ocorrer em detrimento a processos degenerativos osteomusculares. Mulheres apresentam maior prevalência de lombalgia em relação aos homens, este fato pode estar relacionado com trabalhos domésticos e sobrecarga repetida na coluna lombar durante essas atividades, que na maioria das vezes são realizadas pelas mulheres (PONTE et al., 2004). Um dos recursos da fisioterapia que apresenta efeitos positivos sobre a sintomatologia álgica lombar é a hidroterapia. Foi analisado que pacientes, tratados em meio aquático, apresentaram redução da dor e menor risco de lesões (CAMILOTTI, 2008). Desta forma questiona-se: Será que os níveis de dor e os níveis de hidroxiprolina sofrem variação com a aplicação da fisioterapia aquática? As hipóteses consideradas foram: nula (Ho) que constata que não há melhora entre os níveis de dor e da concentração de hidroxiprolina no grupo de idosas com lesão lombar, praticantes da fisioterapia aquática, hipótese alternativa (H 1 ) constata melhora nos níveis de dor no grupo de idosas com dor lombar, praticantes da fisioterapia aquática e a hipótese alternativa (H 2) que constata melhora nos níveis hidroxiprolina no grupo de idosas com dor lombar, praticantes da fisioterapia aquática. Objetiva-se com este estudo avaliar o nível de dor e a concentração de hidroxiprolina no início e ao final do tratamento com duração de dois meses no programa de fisioterapia aquática e correlacionar os níveis de dor e o nível de hidroxiprolina ao término do programa de fisioterapia aquática.

17 17 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 ENVELHECIMENTO O envelhecimento natural induz á diminuição das reservas funcionais do organismo. Este processo pode ser percebido nos sistemas: muscular, ósseo, nervoso, circulatório, pulmonar, endócrino e imunológico. Entretanto a rapidez e a extensão desse declínio mudam entre os diversos tecidos e funções, como mudam ainda de individuo para individuo (GUCCIONE, 2000; PICKLES, 2000). Conforme os gerontologistas, o envelhecimento inicia-se a partir da concepção, portanto, a velhice consiste em um processo dinâmico e progressivo onde há alterações morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas que causam uma progressiva perda da capacidade de adaptação do individuo ao meio ambiente, acarretando maior fragilidade e maior índice de processos patológicos que poderão levar a morte (MEIRELLES, 1997) Aspectos demográficos e epidemiológicos no envelhecimento No Brasil o envelhecimento populacional vem crescendo progressivamente. As pesquisas demográficas indicam que em 2020 o número de idosos em todo o mundo será de 1,2 bilhão. O Brasil em 2025 terá a sexta maior população de idosos do mundo, com 15% da população atingindo a faixa de 60 anos ou mais (GAZZOLA et al.,2005). Pesquisas realizadas no Brasil demonstram que a grande maioria da população idosa (85%) apresenta pelo menos uma doença crônica e, cerca de 15 %, pelo menos, cinco doenças concomitantes. Com o envelhecimento populacional, há um avanço significativo na prevalência de doenças crônico-degenerativas (CARAVIELLO et al., 2005). O suplemento de saúde Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio (2003) mostra que 29,9% da população brasileira são portadores de alguma doença crônica,

18 18 como diabetes, reumatismo, hipertensão, câncer, tuberculose, cardiopatias e problemas de coluna, entre outros. Por sexo os percentuais foram mulheres (33,9%) e homens (25.7%), em 1998 estimou 31,6% da população a proporção de portadores de doenças crônicas cresceu com a idade que foi de 9,1% na faixa de 0 a 4 anos, até 77,6%, na faixa dos 65 anos ou mais (IBGE, 2003) Envelhecimento fisiológico x Envelhecimento patológico Compreende-se como envelhecimento o surgimento de várias alterações do organismo de forma estrutural e funcional que ocorre de forma progressiva (GIMENES et al., 2008).O envelhecimento não é somente o passar do tempo, mais também manifestações acontecimentos biológicos que surgem no decorrer da vida e defini-se pela perda progressiva da capacidade fisiológica podendo levar a morte (VALE et al., 2005). Com o avanço da idade a progressivamente uma diminuição da capacidade funcional, ocasionando limitações e dependências ao idoso. A atenção a saúde ao idoso não é simplesmente a identificação de doenças, mais sim avaliar as incapacidades funcionais e suas causas, no entanto essas doenças nem sempre estão relacionadas (NETO PAPALÉO, 2007). No decorrer do envelhecimento as pessoas se tornam menos ativas, suas capacidades anatômicas diminuem e com as alterações psicológicas que acompanham a idade como sentimento de velhice, estresse e depressão, conseqüentemente, ocorre a diminuição da atividade física, facilitando o aparecimento de doenças crônicas que contribuem para o processo de envelhecimento (MATSUDO et al., 2000). Os danos osteomioarticulares nos idosos são os mais presentes como o enfraquecimento muscular, o decréscimo da flexibilidade e da elasticidade da pele. Com o envelhecimento, ocorrem algumas transformações nos componentes do sistema osteomioarticular como, por exemplo, desgaste articular repercutindo na postura e no desempenho das atividades de vidas diárias; diminuição da força muscular significativa e da estabilidade postural (GUCCIONE, 2002; MORELI; REBELATO, 2004). Estima-se que entre 60 e 70 anos ocorra uma queda da função muscular de quase

19 19 15%, o que nos 10 anos seguintes atingem 30%. A redução da força é resultado da hipotrofia muscular e da ineficiência no seu controle, em função do déficit motor e da redução da massa muscular, relacionada à diminuição do número e da área das fibras musculares (GIODA, 2008) Lombalgia na terceira idade A coluna vertebral compõe-se de 33 vértebras organizadas em cinco regiões: 7 cervicais (coluna cervical), 12 torácicas (coluna torácica ou dorsal), 5 lombares (coluna lombar), 5 sacrais fundidas (sacro) e 4 coccígeas fundidas (cóccix) (BALESTRIN, 2008; FALCÃO, 2006). Ela possui uma função importante de sustentação do tronco e possibilita os movimentos de flexão, extensão, rotações e inclinações. As vértebras lombares são maiores e mais espessas do que as vértebras cervicais e torácicas, por ser à base de maior sustentação do corpo, responsável pelo apoio, estabilização e movimentação do tronco, além de proteger a medula espinhal (BALESTRIN, 2008). Os músculos e as articulações possuem estruturas responsáveis pelo antagonismo das ações mecânicas da coluna. O exagero ou ausência de esforço físico nessas estruturas naturalmente causará agravo na mecânica do movimento humano e em seus componentes osteomioarticulares (EGYPTO; TOSCANO, 2001). Os componentes da coluna lombar, como os discos intervertebrais, as cartilagens articulares, os ligamentos e os músculos podem apresentar modificações com o aumento da idade. Depois dos 30 anos, o disco passa por alterações, e os indivíduos com idade acima de 45 anos têm maior risco de desenvolver lombalgia. Portanto, o envelhecimento é considerado como um fator predisponente para o surgimento de dor lombar (FALCÃO, 2006). A lombalgia se expressa por dor localizada na região inferior da coluna (último arco costal e a prega glútea) que poderá advir de uma mudança biomecânica da coluna e após uma força física em estruturas lesionadas, levando a incapacidade de realizar algum tipo de trabalho em várias pessoas e diferentes idades, mais comumente notada em idades acima de 40 anos (CARVALHO, 2006).

20 20 A dor lombar crônica pode ser causada por doenças inflamatórias, degenerativas, neoplásicas, defeitos congênitos, debilidade muscular, predisposição reumática, sinais de degeneração da coluna ou dos discos intervertebrais e outras. Entretanto, freqüentemente a dor lombar crônica não decorre de doenças específicas, mas sim de um conjunto de causas, como por exemplo, fatores sócio-demográficos (idade, sexo, renda e escolaridade), comportamentais (fumo, o tabagismo influencia a nutrição do disco intervertebral aumentando à chance de degeneração, tornando mais freqüente a incidência de dor lombar) e (baixa atividade física). Exposições ocorridas nas atividades cotidianas (trabalho físico pesado, vibração, posição viciosa, movimentos repetitivos) e outros (SILVA, FASSA e VALLE, 2004, apud CARVALHO, 2006, p. 26). Uma das mais importantes causas na relação postura e dor lombar é o trabalho doméstico. As atividades repetitivas estáticas e dinâmicas são importantes na manutenção do lar, levando a uma sobrecarga mecânica com isso a uma adaptação do sistema musculoesquelético que compromete o sistema corporal levando a um desequilíbrio, tal condição resulta em dor (GIODA et al., 2008). A dor crônica intervém no dia-a-dia dos indivíduos, principalmente nos idosos, levando a um sentimento de impotência ou impossibilitando-os de executar atividades domésticas e sociais, dificultando o caminhar e acarretando distúrbios do sono, ansiedade e depressão (CONTE et al., 2005). A dor lombar acomete cerca de 80% da população em um determinado momento de sua vida, representa um alto custo para o sistema de saúde e para a previdência social, devido ao alto índice de afastamento e inaptidão para o trabalho. (CARAVIELLO et al., 2004). A dor lombar é avaliada como problema de saúde pública, elevando a procura por serviços de saúde e apresentando com maior freqüência limitações das atividades, e corresponde a uma quantidade importante de recursos gastos em hospitais e clínicas para o tratamento de pacientes com dor lombar (FASSA; SILVA; VALLE, 2004). 2.2 ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO DE HIDROXIPROLINA Segundo Brown et al. (1997, apud Caetano, 2006), ao se gerar um aumento de força em algum tipo de contração muscular, principalmente a excêntrica, pode comprometer o metabolismo do colágeno inclusive nas estruturas musculares e tendíneas do tecido conjuntivo.

21 21 O colágeno é a proteína mais abundante do corpo humano, representada por 30% do total das proteínas existentes, podendo ser localizada no tecido conjuntivo, nas paredes dos vasos sanguíneos, córnea e esclera. É sintetizado por diferentes células como fibroblastos, osteoblasto, odontoblasto, condrócitos e célula muscular lisa. A composição do colágeno caracteriza-se por aminoácidos como glicina, que está presente em 33,5%, prolina e hidroxiprolina, presentes em 10 e 12%, e o restante formado por outros aminoácidos (PIRES et al., 2005; RUIZ et al., 2006). Um aumento na ressíntese do colágeno pode possibilitar uma resposta adaptativa ao músculo e uma excreção aumentada de hidroxiprolina, hidroxilisina e piridinolina na urina, indicando a quebra do colágeno como resultado de uma ressíntese aumentada (CAETANO et al., 2006). A hidroxiprolina, portanto, é um aminoácido presente nas fibras do colágeno provenientes da hidroxilação da prolina na fase inicial da biossíntese. Na quebra do colágeno são formados peptídeos de hidroxiprolina e que em maior parte não são utilizados, sendo liberados na excreção urinária. Através de exames laboratoriais podem ser constatados os níveis de hidroxiprolina (CAETANO et al., 2006; PARONI et al., 1992). A resistência mecânica do colágeno aumenta pelo enrolamento helicoidal de múltiplos segmentos, igualmente a cordões enrolados entre si, e sobre si mesmo, formando uma corda resistente. Nos cordões helicoidais e suas ligações covalentes possui a função de aumentar a resistência. O tecido conjuntivo em pessoas idosas apresenta um caráter rígido e quebradiço resultante de ligações covalentes cruzadas no colágeno (LIMA et al., 2003). 2.3 FISIOTERAPIA AQUÁTICA O surgimento da utilização da água como fonte de cura vem sendo empregado desde a civilização grega (por volta de 500 a.c.). O uso da água como forma de terapia recebeu diferentes nomes como: hidrologia, hidrática, hidroginástica, terapia pela água, exercícios na água e reabilitação aquática ou hidroterapia. Há diferentes maneiras do uso da água para fins terapêuticos como: crioterapia, duchas quentes e frias, saunas,

22 22 turbilhão entre outras, a terminologia hidroterapia engloba todas citadas anteriormente e atualmente o termo mais usado chamamos de hidrocinesioterapia ou fisioterapia aquática (BIASOLI; MACHADO, 2006). A fisioterapia aquática utiliza a água aquecida para alcançar objetivos terapêuticos, como a redução da dor, manutenção ou ganho de amplitude de movimento, força muscular, independência funcional, treino de marcha e equilíbrio, podendo promover melhora da socialização, autoconfiança e qualidade de vida (ZIMMERMANN, 2005) Propriedades físicas da água A compreensão da mecânica dos fluidos como densidade, flutuação, pressão hidrostática, viscosidade, turbulência e temperatura, associada às respostas fisiológicas durante imersão e aos movimentos, podem atingir a maioria dos objetivos propostos num programa de reabilitação (CARREGARO; TOLEDO, 2008) Densidade A densidade relativa da água determina se um objeto ou corpo ira flutuar. A densidade da água possui o valor de 1,0 e a de um corpo humano de 0,93 por tanto a densidade de um objeto é a relação entre a sua massa e a massa do volume deslocado. Se o valor do objeto for maior que 1,0 ele irá afundar e se o valor for menor que 1,0 então flutuará. A densidade relativa e a flutuação estão diretamente relacionadas (BATES; HANSON, 1998; BIASOLI; MACHADO, 2006).

23 Flutuação O principio de Arquimedes afirma que quando um corpo esta parcialmente ou totalmente imerso em líquido em repouso ocorre um empuxo de baixo para cima igual ao volume de liquido deslocado (BATES; HANSON, 1998). A flutuação pode ser definida como uma força (empuxo) que atua contra a gravidade, a qual se relaciona com o volume de água deslocado pelo corpo submerso. Na água a gravidade é relativamente anulada o que causa uma menor descarga de peso corporal decorrente da flutuação (CARREGARO; TOLEDO, 2008). A flutuação apresenta como efeitos redução do impacto articular, diminuição do espasmo doloroso, diminuição da dor e com isso aumenta a mobilidade (CANDELORO; CAROMANO, 2007) Pressão hidrostática Pela lei de pascal a pressão do liquido é exercida de uma forma igual em qualquer nível, sendo que a pressão é igual a uma profundidade constante. Dessa forma, durante o repouso em uma determinada profundidade, o liquido exercera uma pressão em todas as superfícies de um corpo submerso. A pressão aumenta com a profundidade e com a densidade do liquido, uma vez que ela é igual em todas as direções, também é igual em toda a superfície do corpo (CAMPION, 2000) Turbulência Denominamos de turbulência o movimento irregular do líquido e seu grau dependerá da velocidade que o corpo realizar. O movimento da água ou do ar gera correntes turbilhonares que tracionam para frente o que tiver em seu interior, isso nos mostra que ocorrerá menos esforço do corpo. O movimento quando realizado num

24 24 mesmo sentido, através da turbulência surge correntes circulares na mesma direção com isso o movimento se torna mais fácil de realiza (CANDELORO; CAROMANO, 2004) Viscosidade Todos os líquidos compartilham uma propriedade chamada viscosidade, que se refere à intensidade do atrito interno do liquido. Diferentes líquidos são caracterizados por variadas quantidades de atração molecular dentro de si, à medida que as camadas são postas em movimento, essa atração cria uma resistência ao movimento e, é detectado como atrito (BECKER, 2000) Temperatura A água é usada como meio terapêutico em suas diferentes formas quente, frio, solido liquido e gasoso. Na fisioterapia aquática predomina o uso do aquecimento da água em seu estado liquido a uma temperatura de 33º a 36º, o que levará atuação no sistema termorregulador ocorrendo uma diminuição da sensibilidade das fibras nervosas (tato), diminuição da dor através das fibras nervosas lentas, também há vasodilatação o que induzira a um aumento do suprimento sanguíneo com isso a elevação da temperatura muscular, como também aumento no metabolismo do muscular e da pele (BIASOLI; MACHADO, 2006) Efeitos fisiológicos e terapêuticos da água no envelhecimento A fisioterapia aquática apresenta recursos que são empregados no tratamento de doenças ortopédicas, reumáticas, neurológicas e, atualmente vem se tornando objeto de pesquisa científica. O ambiente aquático possibilita eficácia e segurança na reabilitação

25 25 do idoso, pois a água possui atuação nas desordens musculoesqueléticas. O grande número de sintomas como dor, fraqueza muscular, déficit de marcha, equilíbrio, doenças articulares, obesidade, entre outras impedem os idosos de executar as atividades terapêuticas em solo, diferente dos exercícios em ambiente aquático, que provê auxílio através dos efeitos físicos e fisiológicos da flutuação (RESENDE; RASSI; VIANA, 2008). Segundo Caromano e Candeloro (2001), os exercícios terapêuticos na água são ideais para prevenir, manter, retardar, melhorar e tratar disfunções físicas decorrentes do envelhecimento. Os recursos terapêuticos adicionados às propriedades físicas da água, efeitos fisiológicos e cinesiológicos, com imersão em piscina aquecida, são importantes na prevenção e/ou reabilitação de alterações funcionais, proporcionando bem-estar físico e psicológico (ARCA; FIORELLI; RODRIGUES, 2004; CANDELORO; CAROMANO, 2007; CARREGARO; TOLEDO, 2008). Os exercícios terapêuticos na fisioterapia aquática têm um importante papel na prevenção, manutenção e melhora da funcionalidade do idoso. A água oferece apoio e minimiza o estresse biomecânico nos músculos e articulações levando a diversos benefícios, associados com os exercícios aquáticos em água quente como a melhora da circulação sanguínea, aumento da força muscular, aumento da amplitude articular, relaxamento muscular, diminuição do nível de dor, melhora da confiança, da capacidade funcional, qualidade de vida, socialização entre outras (CUNHA et al.; 2009; GIMENES et al., 2007). 3 MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 DELINEAMENTO DO ESTUDO A pesquisa teve caráter de pesquisa de campo, experimental, quantitativa descritiva e prospectiva. Foi realizada num único centro, tendo escala local e sem financiamento.

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz

Lombociatalgia. www.fisiokinesiterapia.biz Lombociatalgia www.fisiokinesiterapia.biz Conceitos Lombalgia; Lombociatalgia; Ciatalgia/Ci /Ciática; Característica região lombar Fonte: NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana Vértebra lombar Fonte:

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza Quick Massage Venha ser um membro filiado e compartilhar seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com Denis Fernando de Souza HISTÓRICO QUICK MASSAGE (MASSAGEM RÁPIDA) Algumas literaturas trazem

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES

HIDROTERAPIA PARA GESTANTES HIDROTERAPIA PARA GESTANTES Profa. Ms. DANIELA VINCCI LOPES ANATOMIA DO ABDOME E DA PELVE ÚTERO 3 camadas de músculos. NÃO GESTANTE GESTANTE FORMA ESFÉRICA CILÍNDRICA VOLUME 500 ml 5000 ml MASSA 70 g 1100

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Existem 2 tipos de artic. encontradas

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1

Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 1 Atividades Recreativas Cultura Física Autor: Ricardo Wesley Alberca Custódio 1 1 Educador Físico, Pós graduação: Fisiologia do exercício(unifesp) MBA em Gestão e Estratégia Empresarial, Membro de 2 grupos

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO EM UM SERVIÇO DE HIDROCINESIOTERAPIA 1 ASSESSMENT OF SATISFACTION LEVELS AT A HYDROKINETIC THERAPY SERVICE

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO EM UM SERVIÇO DE HIDROCINESIOTERAPIA 1 ASSESSMENT OF SATISFACTION LEVELS AT A HYDROKINETIC THERAPY SERVICE Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 12, n. 1, p. 49-58, 2011. Recebido em: 09.02.2011. Aprovado em: 16.10.2011. ISSN 2177-3335 AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE SATISFAÇÃO EM UM SERVIÇO DE

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO

LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO LOMBALGIAS: MECANISMO ANÁTOMO-FUNCIONAL E TRATAMENTO Alessandra Vascelai #, Ft, Titulacão: Especialista em Fisioterapia em Traumatologia do Adulto Reeducação Postural Global (RPG) Acupuntura. Resumo: Lombalgia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA

OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA OS BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA LOMBALGIA WELLINTON GONÇALVES DO SANTOS ¹ RICARDO BASÍLIO DE OLIVEIRA CALAND² LUCIANA ALVES BRANDÃO³ SONNALE DA SILVA ARAÚJO4 RESUMO A dor lombar é um mal recorrente

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes

Fisioterapia nas Ataxias. Manual para Pacientes Fisioterapia nas Ataxias Manual para Pacientes 2012 Elaborado por: Fisioterapia: Dra. Marise Bueno Zonta Rauce M. da Silva Neurologia: Dr. Hélio A. G. Teive Ilustração: Designer: Roseli Cardoso da Silva

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA

HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 HIDROCINESIOTERAPIA COMPARADA AOS EXERCÍCIOS NO SOLO EM PACIENTES COM DOR LOMBAR CRÔNICA Priscila

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL

ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL 1 ANÁLISE BIOMECÂNICA DOS MOVIMENTOS NO STOOL Aurélio Alfieri Neto Juliana Navarro Lins de Souza A bioenergética procura entender o caráter do indivíduo pelo corpo e seus processos energéticos, sendo estes,

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos

Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Efeito agudo do treino de Pilates sobre as dores de costas em Idosos Clarissa Biehl Printes (Ph.D.) cbprintes.isce@gmail.com Porto Alegre, 2015 Introdução A literatura descreve que 70 a 85% da população

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFTMT02-P APLICABILIDADE TERAPÊUTICA DOS PRINCÍPIOS FÍSICOS DA ÁGUA Daiana Pereira Martins Costa (1), Larissa Coutinho de Lucena (1), Laura de Sousa Gomes Veloso (2) Centro de Ciências da Saúde/Departamento

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE A Importância dos Grupos de Reabilitação em Dor Crônica Realizados pela Equipe NASF AUTOR THANYTA STELLA DE CAMPOS HISTÓRICO COMO SURGIU A IDÉIA DO TRABALHO?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE.

COLUNA LOMBAR TODOS OS PERIÓDICOS ESTÃO NO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE. OBJETIVOS: O aluno deverá ser capaz de identificar as principais doenças da coluna lombar assim como avaliação e prescrição de conduta fisioterápica pertinente. LER: O que é Hérnia de disco? A coluna vertebral

Leia mais

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos

DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL: avaliação postural em adolescentes da faixa etária entre 11 a 16 anos CAROLINE GONSALEZ FLAVIO PILOTO CIRILLO JULIANA THIEMI IMANO KAMILLA FERNANDES LINS SP 2009 DEFORMIDADES

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima

PILATES E BIOMECÂNICA. Thaís Lima PILATES E BIOMECÂNICA Thaís Lima RÍTMO LOMBOPÉLVICO Estabilidade lombopélvica pode ser definida como a habilidade de atingir e manter o alinhamento ótimo dos segmentos da coluna (lombar e torácica), da

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM

DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS. Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM DIAGNÓSTICO DAS LOMBALGIAS Luiza Helena Ribeiro Disciplina de Reumatologia UNIFESP- EPM LOMBALGIA EPIDEMIOLOGIA 65-80% da população, em alguma fase da vida, terá dor nas costas. 30-50% das queixas reumáticas

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA TÍTULO: AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE PACIENTES PÓS AVE SUBMETIDOS A UM PROTOCOLO DE PILATES SOLO/BOLA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Disciplina: MFT-0377 Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Leia mais

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005)

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Mens JMA, Chavannes AW, Koes BW, Lubbers WJ, Ostelo RWJG, Spinnewijn WEM, Kolnaar BGM traduzido do original em

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1).

A coluna vertebral é formada por vários ossos empilhados, uns sobre os outros, denominados vértebras (figura 1). HÉRNIA DE DISCO A hérnia de disco é uma das doenças que mais afligem o homem moderno. Falta de exercício, excesso de peso, má postura, todas podem causar ou agravar uma hérnia de disco. Mas afinal, o que

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EM SAÚDE. Milena Melissa Basso Zanella

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EM SAÚDE. Milena Melissa Basso Zanella 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EM SAÚDE Milena Melissa Basso Zanella HIDROTERAPIA E QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS Porto Alegre 2012 2 Milena Melissa Basso Zanella HIDROTERAPIA

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR Silvano Kruchelski Especialista em Didática do ensino Superior PUCPR Secretaria Municipal do Esporte e Lazer/ Programa Curitibativa Curitiba

Leia mais

Guia do Paciente Fusão Espinhal

Guia do Paciente Fusão Espinhal Guia do Paciente Fusão Soluções para Medicina Ltda. 01 Guia do Paciente - O objetivo da cirurgia de fusão espinhal é de proporcionar alívio da dor que você vem sentindo e tornar a sua coluna mais estável.

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008

ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 ORIENTAÇÃO GERAL LOMBALGIA DR.ROBERTO ANTONIO ANICHE CRM 54.132 TEOT 04.626 MÉDICO ORTOPEDISTA NOVEMBRO/2008 LOMBALGIA O QUE É? Vulgarmente conhecida como dor nas costas, é a dor que acomete a coluna vertebral

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais