Brazilian Journal of Physical Therapy

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brazilian Journal of Physical Therapy"

Transcrição

1 Brazilian Journal of Physical Therapy Journal affiliated with the Associação Brasileira de Editores Científicos A B E C ISSN Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p , set./out Revista Brasileira de Fisioterapia

2 ISSN Rev. Bras. Fisioter., São Carlos, v. 14 n. 5 INFORMAÇÕES BÁSICAS A Revista Brasileira de Fisioterapia/ Brazilian Journal of Physical Therapy é o veículo da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Fisioterapia (ABRAPG-Ft). Publicada a partir de 1996, a Revista adota o processo de revisão por especialistas (peer review), sendo que cada artigo somente é publicado apenas após a aceitação dos revisores, mantidos no anonimato. Os editores não assumem nenhuma responsabilidade por danos a pessoas ou propriedades que possam ser causados por uso das idéias, técnicas ou procedimentos contidos no material publicado nesta revista. A submissão de artigos pressupõe que estes artigos, com exceção dos resumos ampliados, não tenham sido publicados anteriormente, nem submetidos a qualquer outra publicação. O título abreviado da revista é Rev. Bras. Fisioter., forma que deve ser usada em bibliografias, notas de rodapé, referências e legendas bibliográfi cas. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida ou transmitida, por qualquer meio, seja eletrônico, mecânico ou fotocópia sem expressa autorização dos editores. A Revista Brasileira de Fisioterapia/ Brazilian Journal of Physical Therapy encontra-se gratuitamente disponível na página da internet (http://scielo.br/ scielo.php?script=sci_serial&pid= &ing=en&nrm=iso). Os artigos estão disponíveis nos idiomas inglês e português. MISSÃO: publicar artigos científi cos relativos ao objeto básico de estudo e campo de atuação profi ssional da Fisioterapia e Ciências da Reabilitação, veiculando estudos básicos e aplicados sobre a prevenção e tratamento das disfunções de movimento. BASIC INFORMATION The Revista Brasileira de Fisioterapia/ Brazilian Journal of Physical Therapy is published by the Brazilian Association for Research and Graduate studies in Physical Therapy. Published since 1996, the Brazilian Journal of Physical Therapy adopts a peer review process. Each article is only published after it is accepted by the reviewers, who are maintained anonymous during the process. The editors accept no responsibility for damage to people or property, which may have been caused by the use of ideas, techniques or procedures described in the material published by this journal. The submission of articles presupposes that these articles, with the exception of extended summaries, have not been previously published elsewhere, nor submitted to any other publication. The abbreviated title of the journal is Rev. Bras. Fisioter. and this must be used in references, footnotes and bibliographic legends. No part of this publication can be reproduced or transmitted by any media, be it electronic, mechanical or photocopy, without the express authorization of the editors. The Revista Brasileira de Fisioterapia/ Brazilian Journal of Physical Therapy is freely accessible at the homepage on the web (http://scielo.br/scielo. php?script=sci_serial&pid= &ing=en&nrm=iso). All papers are available in full text in both English and Portuguese. MISSION: to publish scientifi c articles related to the areas of study and professional activity in Physical Therapy and Rehabilitation Sciences, specially basic and applied research on the prevention and treatment of movement disorders. Indexada nos seguintes bancos de dados/ Indexed in the following databases: MEDLINE (National Library of Medicine), CINAHL, CSA, EMcare, JCR (Journal Citation Reports), LILACS, LATINDEX, Periódica, SciELO, SciSearch (Science Citation Index Expanded), Scopus and SPORTDiscus Endereço para contato/ Contact address: Revista Brasileira de Fisioterapia/ Brazilian Journal of Physical Therapy, UFSCar, Rod. Washington Luís, Km 235, Caixa Postal 676, CEP , São Carlos, SP - Brasil Tel/Fax: +55(16) ; Suporte Técnico - Administrativo/ Technical - Administrative Support: Ana Paula de Luca, Leonor A. Saidel Aizza and Lucilda P. Rosales Produção Editorial/ Editorial Production: Zeppelini Editorial, Rua Dr. César, 530, Cj. 1308, Santana, São Paulo, SP Tel/Fax: (11) ; Printed in acid free paper Assinatura: consulte o site/subscription: see web site Revista Brasileira de Fisioterapia (Brazilian Journal of Physical Therapy)/Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Fisioterapia. v. 1, n. 1 (1996). São Carlos: v. 14, n. 5 (set./out. 2010). Bimestral Sumários em Inglês e Português ISSN Fisioterapia/periódicos I. Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Fisioterapia. Revisão/Review Librarian: Dormélia Pereira Cazella CRB 8/4334 ii

3 Sumário / Summary ISSN Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p , set./out Revista Brasileira de Fisioterapia EDITORIAL v vii A parceria COFFITO e RBF The COFFITO/BJPT partnership Roberto Mattar Cepeda A realidade do Acesso Livre (Open-Access) e a busca por estabilidade financeira The reality of open access and the search for fi nancial stability Marisa Cotta Mancini, Aparecida Maria Catai, Débora Bevilaqua Grossi REVISÃO SISTEMÁTICA/SYSTEMATIC REVIEW 361 Revisão sistemática sobre os efeitos da reabilitação vestibular em adultos de meia-idade e idosos A systematic review about the effects of the vestibular rehabilitation in middle-age and older adults Natalia A. Ricci, Mayra C. Aratani, Flávia Doná, Camila Macedo, Heloísa H. Caovilla, Fernando F. Ganança ARTIGOS ORIGINAIS/ORIGINAL ARTICLES 372 Limitations of the Neurological Evolutional Exam (ENE) as a motor assessment for first graders Limitações do Exame Neurológico Evolutivo (ENE) como um instrumento de avaliação motora para crianças da primeira série Priscila M. Caçola, Tatiana G. Bobbio, Amabile V. Arias, Vanda G. Gonçalves, Carl Gabbard 377 Psychometric properties of the Portuguese version of the Jebsen-Taylor test for adults with mild hemiparesis Avaliação das propriedades pscicométricas da versão em português do teste de Jebsen Taylor para adultos com hemiparesia leve Karina N. Ferreiro, Renata L. Santos, Adriana B. Conforto 383 Resposta da frequência cardíaca durante o exercício isométrico de pacientes submetidos à reabilitação cardíaca fase III Heart rate responses during isometric exercises in patients undergoing a phase III cardiac rehabilitation program Poliana H. Leite, Ruth C. Melo, Marcelo F. Mello, Ester da Silva, Audrey Borghi-Silva, Aparecida M. Catai 390 Efeito do exercício físico na percepção de satisfação de vida e função imunológica em pacientes infectados pelo HIV: Ensaio clínico não randomizado Effects of physical exercise in the perception of life satisfaction and immunological function in HIV-infected patients: Non-randomized clinical trial Rodrigo D. Gomes, Juliana P. Borges, Dirce B. Lima, Paulo T. V. Farinatti 396 Padrão e ritmo de aquisição das habilidades motoras de lactentes pré-termo nos quatro primeiros meses de idade corrigida Pattern and rate of motor skill acquisition among preterm infants during the fi rst four months corrected age Elaine P. Raniero, Eloisa Tudella, Rosana S. Mattos 404 Análise do uso de suporte parcial de peso corporal em esteira e em piso fixo durante o andar de crianças com paralisia cerebral Analysis of partial body weight support during treadmill and overground walking of children with cerebral palsy Vânia M. Matsuno, Muriel R. Camargo, Gabriel C. Palma, Diego Alveno, Ana Maria F. Barela 411 Padrão respiratório e movimento toracoabdominal em indivíduos saudáveis: influência da idade e do sexo Breathing pattern and thoracoabdominal motion in healthy individuals: infl uence of age and sex Verônica F. Parreira, Carolina J. Bueno,Danielle C. França, Danielle S. R. Vieira, Dirceu R. Pereira, Raquel R. Britto 417 Caracterização de adultos com paralisia cerebral Caracterization of adults with cerebral palsy Anna L. M.Margre, Maria G. L. Reis, Rosane L. S. Morais iii

4 426 Comparação entre o manovacuômetro nacional e o importado para medida da pressão inspiratória nasal Comparison between a national and a foreign manovacuometer for nasal inspiratory pressure measurement Fernanda G. Severino, Vanessa R. Resqueti, Selma S. Bruno, Ingrid G. Azevedo, Rudolfo H. G. Vieira, Guilherme A. F. Fregonezi 432 Confiabilidade interavaliadores e intra-avaliador do escoliômetro Inter and intra-rater reliability of the scoliometer Guilherme H. Bonagamba, Daniel M. Coelho, Anamaria S. de Oliveira ARTIGO METODOLÓGICO/METHODOLOGICAL ARTICLE 438 Escala de Locus de controle da dor: adaptação e confiabilidade para idosos Pain Locus of control scale: adaptation and reliability for elderly Louise G. Araújo, Débora M. F. Lima, Rosana F. Sampaio, Leani S. M. Pereira ÍNDICE/INDEX INSTRUÇÕES GERAIS AOS AUTORES/GENERAL INSTRUCTIONS TO AUTHORS iv

5 EDITORIAL ISSN Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p. v-vi, set./out Revista Brasileira de Fisioterapia A parceria COFFITO e RBF The COFFITO/BJPT partnership Prezado colega, No mundo ou na era do conhecimento, somente ampliaremos o nosso ser à medida que ampliarmos os nossos conhecimentos. O conhecimento científico é infinito e não tem fronteiras; pois, em qualquer lugar do mundo, estamos constantemente questionando, rediscutindo e reavaliando as nossas verdades, os nossos saberes e as nossas práticas clínicas em busca do que é melhor para a vida das pessoas. Portanto, a assinatura do termo de cooperação entre o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) e a Revista Brasileira de Fisioterapia (RBF) trouxe-nos muita satisfação, muita honra e muitos sentimentos, entre eles: O sentimento da gratidão e do respeito: aos primeiros editores da RBF Profs. Carlos Eduardo dos Santos Castro, Dirceu Costa, Eloísa Tudella, José Rubens Rebellato, Nivaldo A. Parizotto, Rosana Mattioli e Vanessa M. Pedro bem como às pessoas que deram continuidade e apostaram no projeto desta revista científica, Prof.ª Helenice Jane Cote Gil Coury, Prof. Gil Lúcio Almeida, Prof.ª Tania de Fátima Salvini e Prof. Sérgio T. Fonseca e, atualmente, as Prof.ªs Aparecida Maria Catai, Débora Bevilaqua Grossi e Marisa Cotta Mancini. O sentimento do compromisso e da responsabilidade: o COFFITO, enquanto autarquia federal tem a função de zelar pela ética. Segundo Rubem Alves 1, em seu conceito ampliado, ética significa compaixão sentimento de cuidar e de amar todos os seres vivos e tudo aquilo que se encontra ao seu redor. Sendo assim, disponibilizar o conhecimento científico para o cuidado da vida é, sem dúvida, a justificativa ética de maior relevância deste projeto. O sentimento da solidariedade: por poder socializar este conhecimento científico de excelência aos profissionais fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais deste país com o intuito de beneficiar aproximadamente 190 milhões de brasileiros com uma prática assistencial de qualidade, fundamentada cada vez mais em pesquisas científicas. O sentimento da esperança: para que, a partir deste e de outros exemplos, o Estado brasileiro reflita, cada vez mais, sobre a importância da pesquisa em saúde. A pesquisa não se dá somente em função da titulação do professor ou das exigências legais, nossos pesquisadores necessitam de condições básicas, ou seja, de infraestrutura e de financiamento adequados para desenvolver e socializar o conhecimento científico, o que permitirá que mais pessoas no planeta vivam mais e melhor. 1 Alves R. Meu coração fi ca junto ao coração dela... Sabor do saber. Folha de São Paulo (Sinapse), 27/09/2005 Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):v-vii. v

6 Se saúde é um direito de todos os brasileiros, penso que o verdadeiro valor da pesquisa científica encontra-se na sua capacidade de transformar a realidade da sociedade em busca da dignidade humana e da justiça social. Por fim, a assinatura deste termo de cooperação representa também um reconhecimento do Sistema COFFITO-CREFITO s aos profissionais fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais pelo próximo dia 13 de outubro, dia das nossas profissões e, consequentemente, do cumprimento do nosso dever para com toda a população brasileira que, a partir de hoje, como já dito, também se beneficiará diretamente por esta iniciativa. Roberto Mattar Cepeda Presidente do COFFITO vi Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):v-vii.

7 EDITORIAL ISSN Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p. vii-viii, set./out Revista Brasileira de Fisioterapia A realidade do Acesso Livre (Open-Access) e a busca por estabilidade fi nanceira The reality of open access and the search for fi nancial stability Com a indexação da Revista Brasileira de Fisioterapia (RBF) nas bases SciELO e, mais recentemente, Medline, os artigos publicados neste periódico ganharam uma grande visibilidade nos cenários nacional e internacional. Além disso, os artigos publicados eletronicamente pela RBF podem ser acessados livremente, sem pagamento por acesso ou assinatura. Se, por um lado, a adoção do sistema de acesso gratuito (acesso livre/open-access) é um passo importante para a divulgação e a citação dos artigos disponibilizados pela RBF, por outro, cria-se uma distorção. Como viabilizar financeiramente uma revista que não cobra pelo acesso de seu produto? A solução para esse problema não é nada trivial, mas necessária para uma revista com a magnitude da RBF. A literatura disponível em Acesso Livre (AL) é digital, online e gratuita, ou seja, livre de certas restrições impostas por cobrança de taxa e/ou por barreiras referentes à permissão 1 (i.e., direitos autorais). Na verdade, esta realidade não-remunerada se estende em cadeia. Os autores de artigos científicos doam seu trabalho e sua produção intelectual para serem disponibilizados em AL. Da mesma forma, os revisores ad-hoc, que analisam e avaliam os artigos submetidos ao periódico científico, trabalham voluntariamente, e os editores destes periódicos assumem responsabilidades e compromissos, também sem qualquer remuneração. Esses trabalhadores voluntários se empenham pela ciência. Certamente, pesquisadores e cientistas recebem um tratamento bastante diferenciado em relação à sua produção, comparados com os de outras áreas, como Música ou Cinema, em que a autoria da produção é fortemente ancorada em regulamentações referentes a direitos autorais. Apesar do livre acesso, a literatura disponibilizada tem custos de produção e divulgação. A maioria dos periódicos que oferecem artigos online e também em versão impressa contam com infraestrutura administrativa que garante os trâmites de recebimento, processamento e organização da versão impressa e, no Brasil, os custos com tradução são necessários para a qualidade da versão em inglês. Diante deste cenário, a questão que se apresenta é a seguinte: Como pagar a conta? A RBF tem atingido patamares importantes de indexação, que ampliam a visibilidade de suas publicações. Mas à medida que esta revista cresce, crescem também os custos operacionais para sua manutenção. A RBF conta hoje com o apoio financeiro das agências de fomento CNPq-CAPES e FAPESP e das instituições de ensino UFSCar, UFMG, UNINOVE e USP. Tal apoio é essencial, porém, insuficiente para atender aos custos de pessoal técnico-administrativo e tradutores, produção e divulgação da revista. Mais recentemente, o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO) aprovou a solicitação de apoio financeiro da RBF, o qual será imprescindível para cumprir com os compromissos referentes às despesas com recursos humanos da infraestrutura de secretaria. Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):v-vii. vii

8 Na tentativa de manter este periódico em circulação, o Conselho Editorial da RBF aprovou, em reunião realizada na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, em 18/6/2010, a cobrança de uma taxa de processamento a ser paga pelos autores no momento da submissão do artigo, bem como o fim do subsídio da taxa de publicação/tradução, que atualmente é cobrada quando o artigo é aceito para publicação *. Reiteramos que o aumento no valor da taxa de publicação/tradução corresponde, na realidade, ao fim do subsídio que era dado à tradução dos manuscritos publicados, transferindo para os autores dos artigos a responsabilidade integral dos custos de tradução. A cobrança dessas taxas tem como objetivo permitir que a RBF continue investindo na modernização de sua infraestrutura, garantindo a continuidade do bom desenvolvimento apresentado pela revista nos últimos anos. Apesar dessa cobrança, as fontes de financiamento indicadas acima continuam sendo necessárias para fazer face às nossas despesas. Nós, editores da RBF, continuaremos a nos dedicar voluntariamente às responsabilidades que nos são atribuídas. Aproveitamos a oportunidade para reiterar nossos agradecimentos aos pesquisadores que submetem seus artigos à RBF, ao empenho do corpo editorial, aos esforços do Conselho de Editores, bem como à dedicação dos revisores que também, de forma gratuita, contribuem para que a RBF seja mantida em conformidade com os elevados padrões requeridos pela comunidade. Marisa Cotta Mancini Aparecida Maria Catai Débora Bevilaqua Grossi Editores RBF/BJPT Referência Bibliográfi ca 1. Suber P [Internet]. Open Acess Overview. c [atualizado em June 19, 2007; citado em July 7, 2010]. Disponível em: * Os valores das taxas de processamento e de publicação/tradução estão disponíveis no site viii Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):v-vii.

9 REVISÃO SISTEMÁTICA ISSN Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p , set./out Revista Brasileira de Fisioterapia Revisão sistemática sobre os efeitos da reabilitação vestibular em adultos de meia-idade e idosos A systematic review about the effects of the vestibular rehabilitation in middle-age and older adults Natalia A. Ricci 1, Mayra C. Aratani 2, Flávia Doná 3, Camila Macedo 4, Heloísa H. Caovilla 4, Fernando F. Ganança 4 Resumo Objetivo: Sistematizar os resultados de ensaios clínicos sobre reabilitação vestibular (RV) em indivíduos de meia-idade e idosos com distúrbios vestibulares. Métodos: A busca de publicações sobre a RV em indivíduos com distúrbios vestibulares foi realizada nas bases de dados LILACS, EMBASE, MEDLINE, SciELO, Cochrane, ISI Web of Knowledge e bibliotecas virtuais de teses e dissertações. Foram selecionados ensaios clínicos aleatórios e controlados dos últimos 10 anos em língua inglesa, portuguesa e espanhola. A qualidade metodológica dos estudos foi avaliada pela escala PEDro. A análise dos resultados dos estudos foi feita por meio de revisão crítica dos conteúdos. Resultados: Nove estudos foram revisados na íntegra, sendo a faixa etária dos participantes acima de 40 anos (n=4) e composta exclusivamente por idosos (n=5). Os achados de disfunção vestibular foram diversifi cados, sendo os mais comuns queixa de desequilíbrio corporal ou instabilidade postural (n=3) e queixa de vertigem ou tontura (n=3). A Escala Visual Analógica (EVA) foi o instrumento mais utilizado para avaliar a percepção subjetiva da sintomatologia da disfunção vestibular (n=4). A escala PEDro revelou que quatro dos artigos apresentaram delineamento de boa qualidade para a condução do estudo experimental. A proposta de intervenção mais utilizada foi o protocolo de Cawthorne & Cooksey (n=4). Os estudos que compararam a RV com outro tipo de intervenção não apresentaram, na maioria dos desfechos analisados, diferença entre os grupos após a terapia. Conclusão: Estudos aleatorizados controlados disponibilizaram evidências de efeitos positivos da RV em idosos e adultos de meia-idade com distúrbios vestibulares. Palavras-chave: tontura; doenças vestibulares; reabilitação; idosos. Abstract Objective: To summarize the results of clinical trials on vestibular rehabilitation (VR) in middle-aged and elderly people with vestibular disorders. Methods: A search for relevant trials was performed in the databases LILACS, EMBASE, MEDLINE, SciELO, Cochrane, ISI Web of Knowledge and virtual libraries of theses and dissertations. Randomized controlled trials published in the last 10 years and written in English, Portuguese or Spanish were included. The methodological quality of the studies was assessed by the PEDro scale. Results from the included studies were analyzed through a critical review of content. Results: Nine studies were included in the review. Four studies reported on participants aged over 40 years (middle-aged and elderly) and fi ve studies consisted exclusively of elderly subjects (over 60 years). Findings of vestibular dysfunction were diverse and the most common complaints were body imbalance or postural instability (3 studies), and vertigo or dizziness (3 studies). The Visual Analogue Scale (VAS) was the most commonly used instrument to assess subjective perception of symptoms of vestibular dysfunction (4 studies). According to the PEDro scale, four studies were considered to be of good quality. The most common experimental intervention was the Cawthorne & Cooksey protocol (4 studies). For most outcome measures, the studies comparing VR with another type of intervention showed no differences between the groups after the therapy. Conclusions: The studies included in this review provide evidence for the positive effects of VR in elderly and middle-aged adults with vestibular disturbances. Key words: vestibular diseases; rehabilitation; older adults. Recebido: 19/05/2009 Revisado: 13/10/2009 Aceito: 12/12/ Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos (SP), Brasil 2 Programa de Pós-Graduação em Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Escola Paulista de Medicina (EPM), Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo (SP), Brasil 3 Programa de Pós-Graduação em Reabilitação Vestibular e Inclusão Social, Universidade Bandeirante de São Paulo (UNIBAN), São Paulo (SP), Brasil 4 Departamento de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço, EPM, UNIFESP Correspondência para: Natalia Aquaroni Ricci, Rua Pacaembu, 257 apto 602, Jardim Paulistano, CEP , Sorocaba (SP), Brasil, Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

10 Natalia A. Ricci, Mayra C. Aratani, Flávia Doná, Camila Macedo, Heloísa H. Caovilla, Fernando F. Ganança Introdução A manutenção do equilíbrio postural é dependente da harmoniosa interação entre as informações dos sistemas sensoriais (visual, proprioceptivo e vestibular), o processamento do sistema nervoso central (SNC) e a adequada execução pelo sistema efetor (neuromuscular). A integração das informações sensoriais pelo SNC desencadeia dentre outros, os reflexos vestíbulo-ocular (RVO) e vestíbulo-espinhal que atuam na estabilização do campo visual e na manutenção da postura ereta durante a movimentação corporal e cefálica. Quando há conflito na integração das informações sensoriais, especialmente por disfunção vestibular, tornam-se frequentes os sintomas e sinais de perturbação do equilíbrio corporal 1,2. A queixa de vertigem ou outras tonturas em indivíduos com disfunção vestibular manifestam-se, habitualmente, por meio de desequilíbrios posturais, aumento da oscilação corporal, redução do limite de estabilidade, distúrbio de marcha, quedas e redução da capacidade funcional 2,3. A tontura é a sensação de perturbação do equilíbrio corporal, enquanto a vertigem é uma sensação de desorientação espacial do tipo rotatória. A vertigem e outras tonturas de origem vestibular estão presentes em 5 a 10% da população mundial, sendo o sintoma mais comum após os 65 anos, atingindo 80% dos idosos atendidos em ambulatório geriátrico 4. A tontura no idoso é considerada uma síndrome geriátrica, condição de saúde multifatorial, decorrente de alterações próprias do envelhecimento e/ ou patológicas, a qual resulta em instabilidade e maior predisposição às quedas 4. Entretanto, já aos 40 anos, é possível observar alterações microscópicas sinápticas no nervo vestibular; aos 50 anos há o aumento da degeneração dos receptores vestibulares nas cristas dos canais semicirculares e sáculo, e, aos 60 anos, dentre tantas alterações, pode-se citar o aumento do atrito das fibras nervosas do nervo vestibular e a redução da velocidade de condução do estímulo elétrico no nervo vestibular 4. A reabilitação vestibular (RV) é um recurso terapêutico aplicado em pacientes com distúrbios do equilíbrio corporal de origem vestibular. Sua proposta de atuação é baseada em mecanismos centrais de neuroplasticidade, conhecidos como adaptação, habituação e substituição, cujo objetivo é a compensação vestibular 5. Os exercícios de RV visam melhorar a interação vestibulovisual durante a movimentação cefálica e ampliar a estabilidade postural estática e dinâmica nas condições que produzem informações sensoriais conflitantes. A RV apresenta efeitos positivos na melhora do equilíbrio estático e dinâmico, da marcha, do sentimento de autoconfiança, da qualidade de vida e na diminuição dos sintomas de tontura, ansiedade e depressão 4,5. A RV pode promover a cura completa em 30% dos casos e diferentes graus de melhora em 85% dos indivíduos 6. Existem diversos protocolos de RV na literatura, sendo os mais usados o de Cawthorne & Cooksey, de Herdman 39, da Associação Italiana de Otoneurologia e de Norré. No entanto, há uma escassez de informações sobre a RV e a eficácia dos protocolos em adultos de meia-idade e idosos, tendo em vista as peculiaridades dessa população quanto aos problemas de ordem vestibular. Dessa forma, uma revisão sistemática da literatura auxiliaria no planejamento das intervenções ao disponibilizar uma síntese das evidências sobre os efeitos da RV como recurso terapêutico para tal população. Esta revisão tem como objetivo sistematizar os resultados das pesquisas sobre a RV em indivíduos de meia-idade e idosos com distúrbios vestibulares a fim de esclarecer os efeitos desta intervenção. Materiais e métodos Para verificar o conjunto de publicações sobre o tema, realizou-se levantamento bibliográfico no mês de novembro de 2008, nas bases de dados eletrônicas LILACS, EMBASE, MEDLINE, SciELO, Cochrane, ISI Web of Knowledge e bibliotecas virtuais de teses e dissertações (Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Universidade Estadual Paulista (UNESP). Utilizou-se, como estratégia de pesquisa, nas bases de dados, a combinação das palavras-chave: aged ou elderly ou middle aged ou older people e vestibular diseases ou vestibular disorder e vestibular rehabilitation ou exercises ou balance training ou balance exercises ou virtual reality rehabilitation ou rehabilitation. As buscas foram limitadas por idioma (inglês, português e espanhol) e data de publicação (últimos dez anos-novembro/1998 a novembro/2008). As publicações que resultaram da estratégia de seleção inicial foram analisadas, por dois avaliadores independentes, quanto aos seguintes critérios de inclusão para a revisão na íntegra: 1) amostra com idade acima de 40 anos, 2) sujeitos com disfunção vestibular, 3) processo de amostragem aleatória dos sujeitos, 4) presença de grupo assistido por RV e grupo controle ou com outra intervenção; 5) intervenção definida como exercícios de estimulação para restauração da função vestibular e equilíbrio corporal por meio da neuroplasticidade vestibular. Foram excluídos os estudos que apresentaram a média de idade da amostra sem especificar a faixa etária, devido ao primeiro critério de inclusão para a revisão na íntegra, e pesquisas com intervenções farmacológicas, eletrofisiológicas ou por manobras de reposicionamento sem a associação de exercícios vestibulares, devido ao quinto critério. Os artigos selecionados para a revisão na íntegra foram analisados por meio de roteiro estruturado que contemplava os seguintes itens: características da amostra, desfechos primários e secundários, desenho metodológico, características da intervenção, resultados e efeitos da intervenção. 362 Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

11 Efeitos da reabilitação vestibular em idosos e adultos Os desfechos primários foram selecionados de acordo com a praticidade e relevância clínica em ambulatórios e centros de reabilitação, sendo estes a avaliação subjetiva da intensidade da tontura e do desequilíbrio corporal, testes clínicos para avaliar o equilíbrio e a marcha, e questionários e/ou escalas para mensurar o impacto das disfunções vestibulares nas atividades de vida diária. As medidas secundárias escolhidas foram os exames laboratoriais, que avaliam o equilíbrio corporal, marcha e acuidade visual, ultrassonografia doppler e escalas para avaliar sintomas secundários à vestibulopatia (ex.: depressão e ansiedade). Para verificar a qualidade metodológica das pesquisas, foi consultada a Escala PEDro que consiste em 11 critérios sobre a validade interna e interpretação dos resultados de estudos experimentais na área da reabilitação 7. A pontuação da escala é feita pela atribuição de um ponto na presença de indicadores da qualidade da evidência apresentada e zero ponto na ausência desses indicadores, sendo que o primeiro critério (critérios de seleção da amostra) não deve ser pontuado. Quanto maior a pontuação, mais adequado é o desenho do estudo e maior é a possibilidade de reprodutibilidade dos dados apresentados. As análises dos ensaios clínicos, com suas respectivas notas, estão disponíveis na base de dados PEDro e são feitas por pareceristas treinados 7. As discordâncias entre os pesquisadores nas fases de seleção e avaliação dos estudos foram solucionadas em consenso com o auxílio de um terceiro pesquisador que analisou as questões divergentes. Realizou-se a análise por revisão crítica dos conteúdos e confrontou-se com outras publicações sobre o assunto. Resultados Resultaram da busca inicial por meio das palavras-chave 105 estudos. Pela leitura do resumo, foram identificadas 28 pesquisas com características passíveis de entrarem para a revisão. Contudo, pela leitura na íntegra, 19 estudos não preencheram os critérios de inclusão devido à idade da amostra ser inferior à estipulada (n=14) 8-21, falta de aleatorização na seleção dos sujeitos (n=4) e amostra com ausência de queixa ou de distúrbios vestibulares (n=1) 26. Assim, nove estudos clínicos aleatórios controlados com intervenção por RV apresentaram os critérios determinados para esta revisão e foram selecionados para a análise crítica do conteúdo. A sinopse dos principais dados das publicações revisadas está exposta na Tabela 1. Características das amostras O tamanho das amostras variou de a sujeitos submetidos à intervenção por RV ou controle. Em quatro trabalhos, a faixa etária dos participantes foi acima de 40 anos (meia-idade e idosos) 27,29-31 e, em cinco estudos, foi composta exclusivamente por idosos (acima de 60 anos) 28, As amostras foram constituídas por participantes de ambos os genêros, porém com prevalência de mulheres 28,29,31, Os dados de disfunção vestibular foram diversificados entre os estudos, sendo os mais comuns a queixa de desequilíbrio corporal ou instabilidade postural 28,32,35, de tontura ou vertigem 31,33,35. A topografia da disfunção vestibular foi pouco relatada, sendo a mais comum a hipofunção vestibular 27,29. Para a obtenção do diagnóstico topográfico da síndrome vestibular, foram empregados a eletronistagmografia 29,30,32 e outros exames, como audiometria tonal liminar 28,32, provas rotatórias 27,29,33 e pesquisa de potenciais auditivos de tronco encefálico 28. Não houve controle da dieta alimentar em nenhum dos estudos e, quanto ao uso de medicação antivertiginosa, somente um estudo 27 restringiu a sua utilização durante o tratamento por RV. Desfechos avaliados Desfechos primários: A percepção subjetiva da sintomatologia da disfunção vestibular foi avaliada pela maioria dos estudos 27,28,30-33,35, sendo a Escala Visual Analógica (EVA) 27,31,32,35 o instrumento mais empregado para tal finalidade. Outros desfechos com destaque nas avaliações foram o equilíbrio corporal estático 28,30-33,35 e dinâmico 30,31,33,35. As escalas funcionais que analisam o impacto da tontura nas atividades de vida diária e qualidade de vida foram aplicadas em quatro estudos 30,32-34, sendo o instrumento Dizziness Handicap Inventory (DHI) o mais usado 30,33. Desfechos secundários: Os testes laboratoriais utilizados foram a posturografia computadorizada 28,32,35, plataforma de força para marcha 29, teste computadorizado de acuidade visual 27 e ultrassonografia intracraniana com mapeamento doppler 28. Desenho metodológico Todos os estudos eram de caráter experimental, com seleção dos participantes de forma aleatória para a composição dos grupos. A eficácia da RV foi analisada pela comparação entre as medidas pré e pós intervenção por RV com o grupo controle 27,28,30,31,33-35 ou com outro protocolo 29,32. Os estudos de Vereeck et al. 30 e Hånsson, Mansson e Håkansson 31 realizaram análise de seguimento após o período de intervenção. A análise metodológica pela escala PEDRo revelou que quatro dos artigos 27,30,33,35 apresentaram delineamento de boa qualidade para a condução do estudo experimental e, consequentemente, com elevada evidência científica (Tabela 2). Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

12 Natalia A. Ricci, Mayra C. Aratani, Flávia Doná, Camila Macedo, Heloísa H. Caovilla, Fernando F. Ganança Tabela 1. Sinopse dos dados dos ensaios clínicos controlados aleatorizados sobre Reabilitação Vestibular em adultos de meia-idade e idosos com disfunção vestibular. Estudo Amostra Desfechos Avaliados Desenho metodológico Intervenção Efeitos encontrados Simoceli, Bittar e Sznifer 32 Idade: acima de 65 anos. Diagnóstico: desequilíbrio corporal. Inclusão: sintomas de desequilíbrio corporal por 3 meses ou mais. Grupos: n=39 (perda amostral =7) GE1: n=16 GE2: n=16 1) Escala Disability Index. 2) EVA do sintoma de desequilíbrio. 3) Limites de estabilidade pela posturografia dinâmica: - latência para o início do movimento; - velocidade do movimento; - ponto final da excursão do centro de massa; - excursão máxima do centro de massa; - controle direcional do movimento. Estudo experimental aleatorizado controlado pré e pós-intervenção. GE1: RV pelo protocolo de Cawthorne & Cooksey. Sessão: 2 vezes por dia (total= 60 dias). GE2: exercícios de adaptação do RVO pelo protocolo de Tusa e Herdman. Sessão: 2 vezes por dia (total= 60 dias). - GE1 e GE2 com redução estatisticamente significativa no Disability Index. - EVA com 100% de melhora no GE1 e 87,5% no GE2. - Não houve diferença entre os grupos quanto aos parâmetros de limite de estabilidade após a intervenção. - Melhora significativa no GE2 para a excursão do centro de massa. McGibbon et al. 29 Idade: 41 a 81 anos. Diagnóstico: hipofunção vestibular unilateral e bilateral. Inclusão: indivíduos com desequilíbrio corporal sem realizar RV nos últimos 6 meses. Grupos: n=53 (perda amostral= 17) n=36 (20 mulheres e 16 homens) 59,5±11,5 anos GE1: n=17 (56,9±11,6 anos) GE2: n=19 (61,7±11,3 anos) 1) Análise da marcha (plataforma de força): - função dinâmica da marcha (velocidade da marcha, extensão do passo, largura do passo e duração da postura); - função neuromuscular de membros inferiores (gasto de energia mecânica do tornozelo, joelho, quadril e total); - estabilidade do tronco pelo centro de massa (velocidade ântero-posterior, lateral, angular sagital e frontal do tronco). Estudo experimental aleatorizado controlado pré e pós-intervenção. GE1: Protocolo de RV. - Exercícios oculares e cefálicos durante atividades funcionais estáticas e dinâmicas. - Treino do RVO. - Treino do equilíbrio vertical (base de suporte, informações sensoriais, incorporação de movimentos cefálicos e tronco). - Discussão sobre os sintomas e exercícios para o domicílio. Sessão: em grupo, 1 vez por semana com 70 minutos de duração (total: 10 semanas) GE2: Protocolo Tai Chi Chuan. - Aquecimento (alongamentos); - Posições de Tai Chi (redução da base de suporte, extensão do tronco e rotação dos braços em posições desafiadoras) e meditação (respiração diafragmática). - Discussão sobre os sintomas e exercícios para o domicílio. - Não houve diferença entre os grupos nas medidas de função neuromuscular e estabilidade de tronco. - Melhora significativa no GE1 para a duração da postura e extensão do passo. - Melhora significativa do GE2 para a velocidade da marcha e extensão do passo. - Na função muscular, somente o GE2 apresentou diferença significativa com redução na energia mecânica de quadril e aumento no tornozelo. - Aumento significante na velocidade do tronco durante a marcha após a intervenção no GE2, já o GE1 não apresentou diferença significativa. Sessão: em grupo, 1 vez por semana com 70 minutos de duração (total: 10 semanas) 364 Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

13 Efeitos da reabilitação vestibular em idosos e adultos Tabela 1. Continuação. Johansson et al. 33 Idade: acima de 65 anos. Diagnóstico: tontura crônica. Inclusão: idosos (65 a 80 anos) com vertigem recorrente por pelo menos 1 mês. Grupos: n=22 (16 mulheres e 6 homens) 71,8±5,2 anos (perda amostral =3) GE: n=9 GC: n=10 Herdman et al. 27 Idade: 46 a 73 anos. Diagnóstico: hipofunção vestibular bilateral. Inclusão: indivíduos com hipofunção vestibular bilateral e acuidade visual dinâmica alterada para a idade. Grupos: n=14 63,6±9,4 anos (perda amostral=1) GE: n=8 63,6±9,4 anos GC: n=5 63,6±10,8 anos 1) Marcha rápida em 10 metros (tempo). 2) Romberg: posição tandem. 3) Tempo despendido em exercícios de rotação cefálica. 4) DHI. 5) Vertigo Symptom Scale, versão curta (VSS). 6) Spielberger s Trait Anxiety Inventory (STAI-t). 7) Beck Depression Inventory (BDI). 1) Avaliação da acuidade visual dinâmica por teste computadorizado. 2) EVA do Grau de oscilopsia e da intensidade do desequilíbrio corporal. 3) Função vestibular (Ganho do RVO) por meio da prova calórica e do teste da cadeira rotatória. Estudo experimental aleatorizado controlado pré e pós-intervenção. Estudo experimental aleatório controlado pré e pós-intervenção. GE: Protocolo de RV associado com terapia comportamental. - RV pelos exercícios de Yardley e de Cawthorne & Cooksey. - Terapia comportamental com exercícios de relaxamento. - Discussão sobre os sintomas e exercícios para o domicílio. Sessão: em grupo, 5 sessões com duração de 1 a 2 horas durante 7 semanas e um contato telefônico no meio da intervenção. GC: permaneceu na lista de espera sem realizar nehum tipo de intervenção. GE: Protocolo de RV. - Exercícios de adaptação, oculares e cefálicos. - Exercícios de marcha e equilíbrio corporal. - Orientação de exercícios para o domicílio conforme os sintomas do paciente. Sessão: visita semanal para aprender os exercícios que deveriam ser realizados no domicílio de 4 a 5 vezes por dia (total: 6 semanas) GC: Protocolo de exercícios placebo. - Exercícios oculares sem estimulação labiríntica (cabeça estacionária); - Exercícios de marcha e equilíbrio corporal; - Orientação de exercícios para o domicílio conforme os sintomas dos pacientes. Sessão: visita semanal para aprender os exercícios que deveriam ser realizados no domicílio de 4 a 5 vezes por dia (total: 6 semanas) - Melhora no teste de caminhada no GE em relação ao GC após o tratamento. - Posição tandem sem diferença entre os grupos. - Melhora significativa em dois movimentos provocativos de tontura (cabeça inclinada com olhos abertos e cabeça inclinada com olhos fixos) no GE após tratamento. - GE apresentou melhora na pontuação do DHI em relação ao GC. - VSS, STAI-t, BDI: não houve diferença entre os grupos. - Melhora significativa do GE na acuidade visual dinâmica após a intervenção. - Não houve mudanças significativas na função vestibular pelo RVO em nenhum dos grupos após a intervenção. - Não houve correlação entre as variáveis idade, EVA da oscilopsia e EVA do desequilíbrio corporal com a acuidade visual após intervenção. Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

14 Natalia A. Ricci, Mayra C. Aratani, Flávia Doná, Camila Macedo, Heloísa H. Caovilla, Fernando F. Ganança Tabela 1. Continuação. Prasansuk et al. 28 Idade: acima de 60 anos. Diagnóstico: sintomas vestibulares ou de desequilíbrio. Inclusão: sintomas de desequilíbrio corporal, vertigem ou tontura nos últimos 6 meses. Grupos: n= 265 (perda amostral= 50) n=215 (161 mulheres e 54 homens) 67,4±6,0 anos GE: n=110 (79 mulheres e 31 homens) (67,2±6,4 anos) GC: n=105 (82 mulheres e 23 homens) (67,6±5,5 anos) Vereeck et al. 30 Idade: acima de 50 anos. Diagnóstico: neuroma acústico. Inclusão: indicação cirúrgica para retirada de neuroma acústico. Grupos: n= 57 (perda amostral= 4) n=53 GEIdoso: n=11 (58,5±6,2 anos) GEJovem: n=11 (40,8±7,4 anos) GCIdoso: n=15 (60,0±6,6 anos) GCJovem: n=16 (41,6±5,9 anos) 1) Escala numérica de sintomas de desequilíbrio/ vestibular (0-10 pontos). 2) Questionário sobre o protocolo de exercícios (facilidade de execução, benefícios e severidade dos sintomas). 3) Posturografia. 4) Ultrassonografia Doppler. 1) DHI. 2) Equilíbrio estático (Romberg, Romberg em superfície instável, Romberg em posição tandem e Apoio unipodal). 3) TUGT. 4) Marcha tandem. 5) DGI. Ensaio clínico controlado aleatorizado pré e pós-intervenção. Avaliações realizadas na 8ª e 20ª semana de tratamento. Ensaio clínico controlado aleatorizado pré e pós-intervenção e seguimento. Avaliação feita no pré, pós-operatório (1ª-aguda, 3ª, 6ª, 9ª e 12ª semanacompensação) e seguimento (6 meses e 1 ano após a cirurgia). GE: Protocolo de RV. - Exercícios de Cawthorne & Cooksey (ênfase nos exercícios de movimentação cefálica). - Cartilha com protocolo de exercícios para o domicílio. Sessão: 20 semanas. GC: - 8 semanas sem realizar exercícios. - Últimas 12 semanas aplicado o mesmo protocolo do GE. Sessão: 12 semanas. GEjovem e GEidoso: - Instruções gerais no pré e póscirúrgico. - Aumentar as atividades cotidianas gradativamente. - Exercícios no pós-cirúrgico hospitalar (3 a 5 dias). - Cartilha de RV customizada para cada caso após a alta. Os exercícios (estabilidade ocular, marcha, sensibilização ao movimento e equilíbrio estático) deveriam ser realizados 3 vezes ao dia por pelo menos 30 minutos totais. Progressão feita a cada visita do paciente ao centro de reabilitação (a cada 3 semanas em um total de 12 semanas). Sessão: tratamento individualizado, porém feito no domicílio sem a supervisão do terapeuta. GCjovem e GCidoso: - Instruções gerais no pré e pós-cirúrgico. - Aumentar as atividades cotidianas gradativamente. - Sem exercícios para o domicílio após a alta hospitalar. - Sem diferença entre os grupos após as 8 semanas no US-doppler intracaniano e BERA. - GE teve melhora significativa no fluxo sanguíneo da artéria carótida interna. - Número de casos anormais na posturografia maior estatisticamente no GC em relação ao GE na 8ª semana. - Sem diferença da escala numérica de sintomas após a 20ª semana. - 19,3% da amostra relataram cura total após os exercícios. - Comparação geral entre GCidoso/ GCjovem com GEidoso/GCjovem teve diferença estatística na marcha tandem na fase aguda e de compensação. - Entre os grupos jovens não houve diferença nas medidas em nenhuma das fases de recuperação. - Melhora no GEidoso em todas as medidas e fases, exceto no DHI na fase aguda, na marcha tandem e equilíbrio estático no seguimento em relação ao GCidoso. - Melhora dos 4 grupos após a fase aguda e compensatória. - Sem diferença entre os grupos na fase de seguimento. - 6 semanas após a cirurgia, apenas o GEidoso atingiu os resultados iniciais em todos os testes. - Após 12 semanas, todos os grupos alcançaram seus níveis anteriores de funcionalidade. - Os efeitos benéficos continuaram após 1 ano da cirurgia em todos os grupos. 366 Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

15 Efeitos da reabilitação vestibular em idosos e adultos Tabela 1. Continuação. Resende et al. 34 Idade: acima de 60 anos. Diagnóstico: VPPB Inclusão: idosos (60 anos e mais) com VPPB. Kammerlind, Håkansson e Skogsberg 35 Grupos: n=16 (16 mulheres) GE: n=8 média etária de 70,5 anos GC: n=8 média etária de 69,3 anos Idade: acima de 65 anos. Diagnóstico: vertigem de origem não periférica e instabilidade postural. Inclusão: Idosos com vertigem não periférica e/ou instabilidade, os quais não fizeram parte de treinamento do equilíbrio. Grupos: n= 67 (perda amostral=44) n=23 GE: n=11 (6 mulheres e 5 homens) (71,5±4,3 anos) 1) Escala de atividade de vida diária e disfunções vestibulares (dimensões: físico, ambulação e instrumental). 1) EVA do grau de vertigem e instabilidade. 2) Equilíbrio estático com olhos abertos e fechados (Romberg, Romberg em posição tandem e apoio unipodal). 3) Análise da marcha (para frente, para trás e rápida). 4) Posturografia dinâmica: teste de organização sensorial. Ensaio clínico randomizado aleatorizado pré e pós-intervenção. Ensaio clínico controlado aleatorizado pré e pós-intervenção. GE: RV pelo protocolo de Cawthorne & Cooksey. Sessão: em grupo, 2 vezes por semana (total= 5 semanas). - 40mg de Gingko-Biloba de 12h/12h durante 30 dias. GC: não realizou exercícios. - 40mg de Gingko-Biloba de 12h/12h durante 30 dias. GE: Protocolo de RV: - Aquecimento. - Treino de equilíbrio em diferentes estações. - Exercícios de flexibilidade, fortalecimento e equilíbrio em superfície estável. - Relaxamento. Sessão: em grupo, 2 vezes por semana com 60 minutos de duração (total: 8 semanas) GC: Não realizou nenhum tipo de exercício. - GE com melhora significativa nos escores das 3 dimensões da escala após a intervenção. - GC sem diferença significativa nas dimensões da escala no período estudado. - Melhora significativa do GE em relação ao GC na escala de vida diária após a intervenção. - GE com melhora significativa no apoio unipodal com olhos abertos, marcha para frente e marcha rápida. - Melhora significativa no GE em relação ao GC no apoio unipodal com olhos abertos. - Melhora significativa nos sintomas de vertigem e instabilidade pela EVA no GE na análise intragrupo e intergrupo. - GE com melhora significativa nas condições 3, 4 e 6 da posturografia. - Melhora significativa no GE em relação ao GC nas condições 1, 3, 4 e 6 da posturografia. Hånsson, Mansson e Håkansson 31 GC: n=12 (7 mulheres e 5 homens) (71,8±3,5 anos) Idade: acima de 50 anos. Diagnóstico: Tontura de origem central e tontura relacionada ao envelhecimento. Inclusão: indivíduos (50 anos e mais) com tontura de origem central ou causada pelo envelhecimento. Grupos: n= 57 (perda amostral= 15) n=42 (30 mulheres e 12 homens) média etária de 77 anos GE1: n=23 GC: n=19 1) Equilíbrio estático com olhos abertos e fechados (Romberg, Romberg em posição tandem e apoio unipodal). 2) Equilíbrio dinâmico: - Stop walking when talking;- Marcha tandem; - Marcha em oito. 3)EVA da queixa de tontura. Ensaio clínico randomizado aleatorizado pré e pós-intervenção e seguimento (3 meses). GE: Protocolo de RV com exercícios de equilíbrio corporal, movimentação de olhos e cefálica em superfície instável. Sessão: em grupo, 2 vezes por semana com duração de 45 minutos (total: 6 semanas) GC: Não recebeu nenhum tipo de intervenção. - Apoio unipodal direito com olhos fechados mostrou melhora significativa do GE em relação ao GC após 6 semanas de intervenção. - Após 3 meses, melhora significativa nos testes de apoio unipodal no GE em relação ao GC. - Nos demais testes, não houve diferença entre os grupos. - O GE melhorou em 80% dos testes e deteriorou em 5%, enquanto o GC melhorou em 30% e deteriorou em 55%. BDI= Beck Depression Inventory; BERA= Audiometria de resposta elétrica de tronco cerebral; DGI= Dinamic Gait Index GC= Grupo Controle; DHI= Dizziness Handicap Inventory; EVA= Escala Visual Analógica; GE= Grupo Experimental; RV= Reabilitação Vestibular; RVO= Reflexo vestíbulo-ocular; STAI-t= Spielberger s Trait Anxiety Inventory; TUGT= Time up and go Test; VPPB= Vertigem Posicional Paroxística Benigna; VSS= Vertigo Symptom Scale, versão curta Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

16 Natalia A. Ricci, Mayra C. Aratani, Flávia Doná, Camila Macedo, Heloísa H. Caovilla, Fernando F. Ganança Tabela 2. Análise metodológia pela Escala Pedro dos ensaios clínicos controlados randomizados sobre Reabilitação Vestibular em adultos de meia idade e idosos com disfunção vestibular. Simoceli, Bittar e Sznifer 32* McGibbon et al. 29 Johansson et al. 33 Herdman et al. 27 Prasansuk et al. 28 Vereeck et al. 30 Resende et al. 34 Kammerlind, Håkansson e Skogsberg 35 Hånsson, Mansson e Håkansson Inclusão - SIM SIM SIM SIM NÃO SIM SIM SIM 2 - Alocação Aleatória - SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM 3 - Ocultação na aleatorização - NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO SIM NÃO 4 - Similaridade inicial entre grupos - SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM NÃO 5 - Mascaramento participantes - NÃO NÃO SIM NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO 6 - Mascaramento Terapeutas - NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO 7 - Mascaramento Avaliadores - NÃO SIM SIM NÃO SIM NÃO NÃO NÃO 8 - Medidas de desfecho em 85% da amostra - NÃO SIM SIM NÃO SIM NÃO SIM SIM 9 - Análise de intenção tratar - NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO 10 - Comparação entre grupos - SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM 11 - Tendência central - SIM SIM SIM SIM SIM SIM SIM NÃO Pontuação *Estudo não avaliado pela base PEDro. Protocolo de intervenção A proposta de intervenção mais utilizada foi o protocolo de RV de Cawthorne & Cooksey 28, A maioria dos estudos recomendou, por meio de orientações e cartilhas, que os exercícios fossem realizados no domicílio 27-30,33. Em três estudos 27,28,30, os exercícios eram realizados exclusivamente no domicílio, de três 30 a cinco 27 vezes ao dia, sendo realizadas visitas ao terapeuta semanalmente 27 ou a cada três semanas 30 para orientar a progressão do tratamento. Nos demais estudos 28,29,33, a inserção dos exercícios domiciliares foi feita para complementar a terapia realizada no centro de reablitação. As sessões de terapia foram realizadas em grupo pela maioria dos estudos 29,31,33-35, administradas semanalmente 29,33 e duas vezes por semana 31,34,35. O tempo total de aplicação dos protocolos de exercícios variou entre o mínimo de cinco 34 e o máximo de 20 semanas 28,30. A maioria dos estudos comparou o protocolo de RV com grupo controle formado por aqueles que não realizavam qualquer tipo de exercício 30,33-35 ou por aqueles que realizavam exercícios placebo 27. No estudo de McGibbon et al. 29, o grupo controle realizou o Tai Chi Chuan e no de Simoceli, Bittar e Sznifer 32, o protocolo de Tusa e Herdman para a comparação com o grupo de RV tradicional. Efeitos da intervenção Os estudos que compararam a RV com outro tipo de intervenção 29,32 não apresentaram diferença entre os grupos após a terapia na maioria dos desfechos analisados. No estudo de Simoceli, Bittar e Sznifer 32, tanto o grupo no qual foi aplicado o protocolo de Cawthorne & Cooksey como o grupo do protocolo de Tusa e Herdman, para adpatação do RVO, tiveram melhora da EVA e da escala funcional, porém sem diferença nos limites de estabilidade à posturografia dinâmica após a intervenção. Na comparação entre os exercícios de RV e o Tai Chi Chuan 29 também não foram verificadas diferenças entre os grupos nos parâmetros de função neuromuscular e estabilidade de tronco após a intervenção. Em relação ao grupo controle, a proposta de intervenção por meio de exercícios no domicílio 27,30 mostrou-se estatisticamente superior no ganho da acuidade visual dinâmica 27, Time Up and Go Test (TUGT) 30 e Dynamic Gait Index (DGI) 30, porém não foi encontrada diferença significante para a estabilização do RVO 27, marcha tandem 30, equilíbrio estático 30 e DHI 30. No estudo de Hånsson, Mansson e Håkansson 31, no seguimento de três meses, o grupo de intervenção permaneceu com melhora significativa no apoio unipodal em relação ao grupo controle. Já o estudo 30 que analisou os efeitos após seis meses e um 368 Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

17 Efeitos da reabilitação vestibular em idosos e adultos ano da intervenção verificou que ambos os grupos (experimental e controle) atingiram seus níveis funcionais prévios e mantiveram os ganhos obtidos no período. Nesse estudo, verificou-se que, após cirurgia para retirada de neuroma acústico, o grupo controle, sem realizar exercícios, atingiu no seguimento os mesmos valores funcionais do grupo que realizou a RV no pós-operatório. Contudo, nas fases iniciais, a recuperação do grupo experimental idoso foi estatisticamente superior à do grupo controle. Entre os estudos que utilizaram como intervenção o protocolo de Cawtorne & Cooksey, houve melhora significativa em relação ao grupo controle no DHI 33, na velocidade da marcha 33, no número de casos anormais na posturografia 28 e na escala de atividades de vida diária e desordens vestibulares 34. Contudo, após a intervenção, não foram verificadas diferenças entre os grupos no limite de estabilidade 32, escala funcional 32, EVA 32, ultrassom doppler das artérias carótidas internas 28, posição tandem 33 e nas escalas psicocognitivas Vertigo Symptom Scale (VSS), Spielberger s Trait Anxiety Inventory (STAI-t) e Beck Depression Inventory (BDI) 33. Dos quatro estudos 27,31,32,35 que avaliaram a sintomatologia de tontura pela EVA, dois 32,35 verificaram melhora significativa após a intervenção. Quanto ao equilíbrio estático, houve melhora em dois 31,35 dos seis estudos 28,30-33,35 que analisaram esse desfecho, assim como na marcha 29-31,33,35, em que somente dois trabalhos 33,35 apresentaram resultados superiores ao controle após a intervenção. Nenhum dos estudos revisados relatou efeitos adversos relacionados à intervenção por RV. Discussão Estudos randomizados com intervenção por RV específica para a população de meia-idade e idosa são restritos na literatura. Entretanto, apesar da escassez em números, os artigos selecionados nesta revisão mostraram evidências positivas da RV no controle postural, capacidade funcional e qualidade de vida de idosos e adultos de meia-idade com queixas ou diagnóstico de síndrome vestibular. Entretanto, a diferença metodológica entre eles torna difícil estabelecer o melhor protocolo, tempo de intervenção, entre outros parâmetros. Embora quatro estudos tenham apresentado qualidade científica adequada pela escala PEDro, falta, nesses trabalhos, a ocultação na aleatorização, no mascaramento dos sujeitos, terapeutas e avaliadores. Isso pode levar a um viés dos efeitos encontrados pela intervenção e diminuir a evidência apresentada. O estudo de Simoceli, Bittar e Sznifer 32 ainda não teve sua avaliação pela base PEDro, mas apresenta as mesmas dificuldades metodológicas dos demais. Além disso, o pequeno tamanho amostral de alguns estudos 27,32,33,35 pode ser insuficiente para garantir a validade externa dos resultados. Devido à variabilidade nas avaliações e intervenções propostas não foi possível realizar a metanálise dos resultados. Foram incluídos os trabalhos realizados tanto com adultos de meia-idade como idosos para permitir uma discussão mais ampla sobre os efeitos dessa intervenção, visto que as alterações estruturais e fisiológicas no sistema vestibular começam a surgir, de fato, aos 40 anos, isto é na meia-idade 4. Diversos estudos foram excluídos por apresentarem amostras compostas por jovens, adultos e idosos. Tal fato evidencia a necessidade de pesquisas com amostras homogêneas, envolvendo exclusivamente a população idosa, por se tratar de um grupo com características físicas e funcionais peculiares. A diversidade dos critérios de inclusão nos estudos dificultou a comparação entre as amostras. Agrupar pela topografia da síndrome vestibular pode ser incerto, uma vez que o idoso, mesmo com sintomas vestibulares, pode apresentar prova calórica normal 6. Os exames complementares, como pesquisa de potenciais auditivos de tronco encefálico e audiometria tonal liminar, entre outros, não caracterizam os distúrbios vestibulares sobre os aspectos funcionais do equilíbrio corporal e, em idosos, apresentam pouca significância para a monitorização do tratamento clínico. Em contrapartida, considerar simplesmente as manifestações clínicas de tontura e instabilidade postural no diagnóstico do distúrbio vestibular não possibilita a reprodutibilidade do estudo devido à heterogeneidade de afecções que podem resultar nesses sintomas. Assim, agrupar idosos com somente uma etiologia de disfunção vestibular pode ser desafiador, visto que muitos deles têm mais do que um diagnóstico responsável pela manifestação da tontura 6. Apesar da dificuldade, trabalhar com amostras homogêneas permite maior controle dos vieses de confusão que podem interferir na análise da efetividade da RV. A adequada identificação da vestibulopatia e da sua causa são indispensáveis para a implementação do melhor tipo de tratamento 6. Estima-se que 20% dos idosos com disfunção vestibular apresentam vestibulopatia de origem vascular 36. Os principais distúrbios circulatórios que podem causar comprometimento periférico ou central dos sistemas auditivo e vestibular são hiper ou hipotensão arterial, insuficiência cardíaca, infarto do miocárdio, arritmias, hipersensibilidade dos reflexos dos seios carotídicos, estenose aórtica e aterosclerose 36. A ultrassonografia intracraniana com mapeamento doppler foi utilizada em um dos estudos 28 e identificou redução no fluxo sanguíneo das artérias carótida interna, oftálmica e basilar em idosos com queixas de tontura crônica e desequilíbrio corporal. Os autores observaram aumento significativo do fluxo sanguíneo na artéria carótida interna após a RV realizada por oito semanas. Dentre os desfechos, a EVA foi o instrumento mais utilizado para avaliar a percepção subjetiva dos pacientes em relação ao Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

18 Natalia A. Ricci, Mayra C. Aratani, Flávia Doná, Camila Macedo, Heloísa H. Caovilla, Fernando F. Ganança grau ou à intensidade da tontura 31,35, oscilopsia 27, instabilidade postural 35 e/ou desequilíbrio corporal 27,28,32. Outros instrumentos subjetivos empregados para mensurar o impacto da tontura na qualidade de vida e nas atividades de vida diárias em idosos foram DHI 30,33, Disability Index 32, VSS 33 e Escala de Atividade Diária e Disfunções Vestibulares 34. As medidas objetivas, como os testes de equilíbrio, conseguem revelar maiores limitações no desempenho. Entretanto, as medidas subjetivas consideram a percepção do indivíduo frente ao impacto de sintomas de difícil quantificação objetiva, como é o caso da tontura no cotidiano. O controle postural foi avaliado por meio de testes de equilíbrio estático 30,31,33,35 e dinâmico 30,31, escalas funcionais 30 e pela posturografia computadorizada 28,32,35. Os testes de equilíbrio estático (Romberg e suas versões sensibilizadas) são práticos e rápidos de serem aplicados, porém não avaliam os aspectos funcionais do equilíbrio corporal e mobilidade. Os testes dinâmicos e funcionais, como o DGI e o TUGT, utilizados em um dos estudos 30, avaliam o desempenho do indivíduo em tarefas baseadas nas atividades de vida diária básica e instrumental, bem como características do equilíbrio, marcha e mobilidade. Embora os testes funcionais sejam úteis no delineamento do prognóstico funcional, pouco contribuem para determinar fraqueza ou encurtamento muscular ou incoordenação motora, sinais importantes no planejamento de um tratamento personalizado que pode refletir na efetividade da RV. Já a posturografia computadorizada é aplicada na avaliação laboratorial do equilíbrio corporal. Entre os desfechos avaliados em três estudos 28,32,35 que utilizaram a posturografia computatorizada, destacaram-se o limite de estabilidade 32, a latência para o início do movimento 32, a excursão do centro de pressão 28,35 e a influência da interação sensorial sobre o equilíbrio corporal 28,35. A posturografia computadorizada complementa os testes convencionais para o estabelecimento do diagnóstico vestibular e tem valor na abordagem clínica, documentação e monitorização do tratamento dos distúrbios do equilíbrio corporal 30. A literatura é concordante em afirmar que os exercícios de RV personalizados ou em grupo, realizados na clínica e diariamente no domicílio, minimizam o conflito sensorial em idosos com tontura e desequilíbrio corporal. O fator idade não é considerado limitante para a resposta final do tratamento. Um estudo retrospectivo observou similaridade da efetividade da RV personalizada realizada em jovens e em idosos quanto à sintomatologia e qualidade de vida 37. Nos estudos analisados, não houve comparação da efetividade entre a intervenção por RV personalizada e em grupo, ou sob orientação domiciliar. No entanto, a forma mais utilizada foi o tratamento em grupo 28,29,31,33-35 e com orientações domiciliares 27-30,33. Tais estratégias de atendimento seriam mais adequadas tendo em vista a grande demanda e custos na prestação dos serviços de saúde à população idosa. Em revisão sistemática sobre a RV em adultos com disfunção vestibular periférica unilateral, os protocolos com enfoque na educação, demonstração e exercícios para casa apresentaram resultados satisfatórios 38 ; entretanto, de acordo com Herdman 39, os exercícios de RV personalizados levam à remissão dos sintomas em 85% dos pacientes com vestibulopatias, enquanto os genéricos apresentam resolução completa em 64% dos casos. As propostas de intervenção utilizadas pela maioria dos estudos foram o protocolo de Cawthorne & Cooksey 28,32-34, exercícios de adaptação da Herdman 39 e exercícios de equilíbrio corporal estático e dinâmico 27,29-31,35. Essas propostas têm como objetivo promover a estabilização visual aos movimentos da cabeça, melhorar a estabilidade postural nas situações em que surgem os conflitos sensoriais, minimizar a sensibilidade à movimentação cefálica e melhorar o equilíbrio corporal estático e dinâmico. Entre os estudos 28,32-34 que utilizaram como intervenção o protocolo de Cawthorne & Cooksey, houve melhora significativa em relação ao grupo controle no equilíbrio dinâmico, na posturografia e na escala de vida diária. Não foram verificadas diferenças entre os grupos após a RV no limite de estabilidade, posição tandem, EVA e nas escalas psicocognitivas. Esses resultados podem ser decorrentes da ausência, no protocolo de Cawthorne & Cooksey, de exercícios de manipulação da informação proprioceptiva com a visual, modificação da base de sustentação e outros componentes sensório-motores. O período de aplicação dos protocolos de exercícios e a frequência das sessões variou amplamente entre os estudos, o que impossibilitou a determinação da melhor duração do tratamento a fim de garantir a efetividade da RV. Todavia, a maioria dos autores mostrou, após a RV, redução ou remissão dos sintomas tontura, oscilopsia ou instabilidade postural e desaparecimento gradual do desequilíbrio corporal estático e dinâmico. Os exercícios de Tai Chi utilizados por McGibbon et al. 29 mostraram-se efetivos na avaliação laboratorial da marcha em idosos com hipofunção vestibular em relação ao grupo submetido à RV. O Tai Chi é uma modalidade de ginástica chinesa de alta aderência entre os idosos e tem sido citado 40,41 como capaz de incrementar, nessa população, ganhos de condicionamento físico, força e equilíbrio e prevenir quedas. As consequências somatopsíquicas da tontura causadas por afecções vestibulares podem incluir angústia, ansiedade e ataques de pânico, medo de sair sozinho, interferência nas atividades diárias e sentimentos de estar fora da realidade, despersonalização e humor deprimido 42. Um dos estudos analisados revelou que a terapia cognitivo-comportamental associada à RV reduziu significativamente a tontura e melhorou a qualidade de vida em idosos vestibulopatas, quando comparados ao grupo que recebeu simplesmente a RV 33. Esta revisão sistemática sintetiza evidências sobre os efeitos da RV e instrumentos de avaliação do equilíbrio corporal que podem contribuir para subsidiar as ações clínicas de 370 Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

19 Efeitos da reabilitação vestibular em idosos e adultos profissionais que trabalham nessa área, favorecendo a prática baseada em evidências. Os estudos reforçam a sensibilidade do emprego de medidas e instrumentos comuns na prática clínica para avaliar os resultados da intervenção frente aos defechos primários e o uso de protocolos simples e com baixo custo como mais adequados para o tratamento dessa população. Contudo, novos estudos com desenhos metodológicos mais otimizados devem ser feitos para esclarecer algumas dúvidas que ainda existem sobre a RV, como o prognóstico frente a determinadas doenças, o tempo necessário para evitar recorrências da sintomatologia e a comparação com protocolos de multicomponentes do controle postural. Referências bibliográfi cas 1. Massion J. Postural control systems in developmental perspective. Neurosci Biobehav Rev. 1998;22(4): Nashner LM, Black FO, Wall C. Adaptation to altered support and visual conditions during stance: patients with vestibular deficits. J Neurosci. 1982;2(5): Gazzola JM, Perracini MR, Ganança MM, Ganança FF. Fatores associados ao equilíbrio funcional em idosos com disfunção vestibular crônica. Rev Bras Otorrinolaringol. 2006;72(3): Gazzola JM, Ganança FF, Perracini MR, Aratani MC, Dorigueto RS, Gomes CMC. O envelhecimento e o sistema vestibular. Fisioter Mov. 2005;18(5): Hansson EE. Vestibular rehabilitation: for whom and how? A systematic review. Adv Physiother. 2007;9: Ganança FF, Ganança CF. Reabilitação vestibular: princípios e técnicas. In: Ganança MM, Caovilla HH, Munhoz MSL, Silva MLG, editores. Estratégias terapêuticas em otoneurologia. São Paulo: Atheneu; p PEDro - physiotherapy evidence database [homepage na Internet]. Sydney: School of Physiotherapy- University of Sydney, Inc.; c2008 [atualizada em 2008; acesso em 16 Out 2008]. Disponível em: 8. Enticott JC, Vitkovic JJ, Reid B, O Neill P, Paine M. Vestibular rehabilitation in individuals with inner-ear dysfunction: a pilot study. Audiol Neurootol. 2008;13(1): Tanimoto H, Doi K, Katata K, Nibu K. Self-treatment for benign paroxysmal positional vertigo of the posterior semicircular canal. Neurology. 2005;65(8): Cohen HS, Kimball KT. Effectiveness of treatments for benign paroxysmal positional vertigo of the posterior canal. Otol Neurotol. 2005;26(5): Chang WC, Yang YR, Hsu LC, Chern CM, Wang RY. Balance improvement in patients with benign paroxysmal positional vertigo. Clin Rehabil. 2008;22(4): Venosa AR, Bittar RS. Vestibular rehabilitation exercises in acute vertigo. Laryngoscope. 2007;117(8): Yardley L, Donavan-Hall M, Smith HE, Walsh BM, Mullee M, Bronstein AM. Effectiveness of primary care-based vestibular rehabilitation for chronic dizziness. Ann Intern Med. 2004;141: McGibbon CA, Krebs DE, Wolf SL, Wayne PM, Scarborough DM, Parker SW. Tai Chi and vestibular rehabilitation effects on gaze and whole-body stability. J Vestib Res. 2004;14(6): Kammerlind AS, Ledin TE, Odkvist LM, Skargren EI. Effects of home training and additional physical therapy on recovery after acute unilateral vestibular loss: a randomized study. Clin Rehabil. 2005;19(1): Pavlou M, Lingeswaran A, Davies RA, Gresty MA, Bronstein AM. Simulator based rehabilitation in refractory dizziness. J Neurol. 2004;251(8): Cohen HS, Kimball KT. Decreased ataxia and improved balance after vestibular rehabilitation. Otolaryngol Head Neck Surg. 2004;130(4): Cohen HS, Kimball KT. Changes in a repetitive head movement task after vestibular rehabilitation. Clin Rehabil. 2004;18(2): Cohen HS, Kimball KT. Increased independence and decreased vertigo after vestibular rehabilitation. Otolaryngol Head Neck Surg. 2003;128(1): Teggi R, Caldirola D, Fabiano B, Recanati P, Bussi M. Rehabilitation after acute vestibular disorders. J Laryngol Otol. 2009;123(4): Barozzi S, Berardino F, Arisi E, Cesarini A. A comparison between oculomotor rehabilitation and vestibular electrical stimulation in unilateral peripheral vestibular deficit. Int Tinnitus J. 2006;12(1): Topuz O, Topuz B, Ardiç FN, Sarhus M, Ogmen G, Ardiç F. Efficacy of vestibular rehabilitation on chronic unilateral vestibular dysfunction. Clin Rehabil. 2004;18(1): Angeli SI, Hawley R, Gomez O. Systematic approach to benign paroxysmal positional vertigo in the elderly. Otolaryngol Head Neck Surg. 2003;128(5): Hånsson EE, Månsson NO, Ringsberg KA, Håkansson A. Falls among dizzy patients in primary healthcare: an intervention study with control group. Int J Rehabil Res. 2008;31(1): Silveira SR, Taguchi CK, Ganança FF. Análise comparativa de duas linhas de pesquisa de tratamento para pacientes portadores de disfunção vestibular periférica com idade superior a sessenta anos. Acta ORL (online). 2003;21(1): Santos AC, Ferreira CP, Silva KC, Lima VVAF. Exercícios de Cawthorne e Cooksey em idosas: melhora do equilíbrio. Fisioter Mov. 2008;21(4): Herdman SJ, Hall CD, Schubert MC, Das VE, Tusa RJ. Recovery of dynamic visual acuity in bilateral vestibular hypofunction. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2007;133(4): Prasansuk S, Siriyananda C, Nakorn AN, Atipas S, Chongvisal S. Balance disorders in the elderly and the benefit of balance exercise. J Med Assoc Thai. 2004;87(10): McGibbon CA, Krebs DE, Parker SW, Scarborough DM, Wayne PM, Wolf SL. Tai Chi and vestibular rehabilitation improve vestibulopathic gait via different neuromuscular mechanisms: preliminary report. BMC Neurology. 2005;5(3): Vereeck L, Wuyts FL, Truijen S, De Valck C, Van de Heyning PH. The effect of early customized vestibular rehabilitation on balance after acoustic neuroma resection. Clin Rehabil. 2008;22(8): Hånsson EE, Mansson NO, Håkansson A. Effects of specific rehabilitation for dizziness among patients in primary health care. A randomized controlled trial. Clin Rehabil. 2004;18(5): Simoceli L, Bittar RSM, Sznifer J. Eficácia dos exercícios de adaptação do reflexo vestíbuloocular na estabilidade postural do idoso. Arq Int Otorrinolaringol. 2008;12(2): Johansson M, Åkerlund D, Larsen HC, Andersson G. Randomized controlled trial of vestibular rehabilitation combined with cognitive-behavioral therapy for dizziness in older people. Otolaryngol Head Neck Surg. 2001;125(3): Resende CR, Taguchi CK, Almeida JG, Fujita RR. Reabilitação vestibular em pacientes idosos portadores de vertigem posicional paroxística benigna. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;69(4): Kammerlind AS, Håkansson JK, Skogsberg M. Effects of balance training in elderly people with nonperipheral vertigo and unsteadiness. Clin Rehabil. 2001;15(5): Ganança MM, Caovilla HH, Munhoz MSL, Silva MLG. Introdução: as vestibulopatias periféricas, centrais e mistas. In: Silva MLG, Munhoz MSL, Ganança MM, Caovilla HH, editores. Quadros clínicos otoneurológicos mais comuns. São Paulo: Atheneu; p Whitney SL, Wrisley DM, Marchetti GF, Furman JM. The effect of age on vestibular rehabilitation outcomes. Laryngoscope. 2002;112(10): Hillier SL, Holohan V. Vestibular rehabilitation for unilateral peripheral vestibular dysfunction. Cochrane Database Syst Rev. 2007;17(4):CD Herdman SJ. Reabilitação vestibular. São Paulo: Manole; Pereira MM, Oliveira RJ, Silva MAF, Souza LHR, Vianna LG. Efeitos do Tai Chi Chuan na força dos músculos extensores dos joelhos e no equilíbrio em idosas. Rev Bras Fisioter. 2008;12(2): Li F, Harmer P, Fisher KJ, McAuley E. Tai Chi: improving functional balance and predicting subsequent falls in older persons. Med Sci Sports Exerc. 2004;36(12): Enloe LJ, Shields RK. Evaluation of health-related quality of life in individuals with vestibular disease using disease-specific and general outcome measures. Phys Ther. 1997;77(9): Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):

20 ISSN Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p , Sept./Oct Revista Brasileira de Fisioterapia ORIGINAL ARTICLE Limitations of the Neurological Evolutional Exam (ENE) as a motor assessment for fi rst graders Limitações do Exame Neurológico Evolutivo (ENE) como um instrumento de avaliação motora para crianças da primeira série Priscila M. Caçola 1, Tatiana G. Bobbio 2, Amabile V. Arias 2, Vanda G. Gonçalves 2, Carl Gabbard 1 Abstract Background: Many clinicians and researchers in Brazil consider the Neurological Developmental Exam (NDE), a valid and reliable assessment for Brazilian school-aged children. However, since its inception, several tests have emerged that, according to some researchers, provide more in-depth evaluation of motor ability and go beyond the detection of general motor status (soft neurological signs). Objectives: To highlight the limitations of the NDE as a motor skill assessment for fi rst graders. Methods: Thirty-fi ve children were compared on seven selected items of the NDE, seven of the Bruininks-Oseretsky Test (BOT), and seven of the Visual-Motor Integration test (VMI). Participants received a pass or fail score for each item, as prescribed by the respective test manual. Results: Chi-square and ANOVA results indicated that the vast majority of children (74%) passed the NDE items, whereas values for the other tests were 29% (BOT) and 20% (VMI). Analysis of specifi c categories (e.g. visual, fi ne, and gross motor coordination) revealed a similar outcome. Conclusions: Our data suggest that while the NDE may be a valid and reliable test for the detection of general motor status, its use as a diagnostic/remedial tool for identifying motor ability is questionable. One of our recommendations is the consideration of a revised NDE in light of the current needs of clinicians and researchers. Key words: motor skills; psychomotor performance; child development. Resumo Contextualização: Muitos clínicos e pesquisadores brasileiros consideram o Exame Neurológico Evolutivo (ENE), um instrumento válido e confi ável para crianças brasileiras em idade escolar. Entretanto, desde a sua criação, surgiram outros testes para uma avaliação mais profunda de habilidade motora, os quais vão além de detectar status motor geral em forma de sinais neurológicos leves. Objetivos: Demonstrar os pontos fracos do ENE como teste de avaliação de habilidade motora para crianças de primeira série. Métodos: Trinta e cinco crianças realizaram 7 itens selecionados do ENE, 7 do teste Bruininks-Oseretsky (BOT) e 7 do Visual-Motor Integration Test (VMI), numa sessão única de 30 minutos. Para cada item, os participantes receberam a classifi cação êxito ou fracasso, como prescrito por cada manual. Resultados: Os testes chi-quadrado e ANOVA indicaram que a vasta maioria das crianças (74%) passaram nos itens do ENE, enquanto os valores para os outros testes foram 29% (BOT) e 20% (VMI). Análises das categorias específi cas (fi no, visual e motor grosso) revelaram um resultado similar. Conclusões: Estes dados sugerem que, enquanto o ENE pode ser um teste válido e confi ável para detecção de status motor geral, a sua atuação como instrumento diagnóstico e de encaminhamento para identifi cação de habilidade motora é questionável. Uma das nossas recomendações é a consideração de uma versão do ENE revisada, baseada nas necessidades atuais de profi ssionais clínicos e pesquisadores. Palavras-chave: habilidades motoras; performance psicomotora; desenvolvimento da criança. Received: 19/02/2009 Revised: 19/06/2009 Accepted: 22/09/ Department of Health and Kinesiology, Texas A&M University, College Station, TX, USA 2 Center for Investigation in Pediatrics (CIPED), Universidade de Campinas (UNICAMP), Campinas (SP), Brazil Correspondence to: Priscila Caçola, Texas A&M University, Department of Health and Kinesiology, 276A Read Building, TAMU College Station, TX, USA , Rev Bras Fisioter. 2010;14(5):372-6.

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA

A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA A EFETIVIDADE DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA SÍNDROME LABIRÍNTICA PERIFÉRICA IRRITATIVA ZANDOMENIGHI, P. M. C.; LOPES, J. Resumo: A reabilitação vestibular com o uso do protocolo de Cawthorne-Cooksey (PCC)

Leia mais

Revisão sistemática sobre os efeitos da reabilitação vestibular em adultos de meia-idade e idosos

Revisão sistemática sobre os efeitos da reabilitação vestibular em adultos de meia-idade e idosos Revisão Sistemática ISSN 1413-3555 Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p. 361-71, set./out. 2010 Revista Brasileira de Fisioterapia Revisão sistemática sobre os efeitos da reabilitação vestibular

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

EFEITOS DO MÉTODO HALLIWICK NA REABILITAÇÃO VESTIBULAR 1

EFEITOS DO MÉTODO HALLIWICK NA REABILITAÇÃO VESTIBULAR 1 EFEITOS DO MÉTODO HALLIWICK NA REABILITAÇÃO VESTIBULAR 1 AQEL, Aminah Khaled Daoud 2 ; OLIVEIRA, Rafaela Militz de 2 ; MAI, Carla Mirelle Giotto 3, PASIN, Juliana Saibt Martins 3 1 Trabalho de Iniciação

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS NA RECUPERAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSOS COM VESTIBULOPATIA CRÔNICA

JOGOS ELETRÔNICOS NA RECUPERAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSOS COM VESTIBULOPATIA CRÔNICA Ciências da Vida Reabilitação do Equilíbrio Corporal e Inclusão Social JOGOS ELETRÔNICOS NA RECUPERAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSOS COM VESTIBULOPATIA CRÔNICA Antero Lopes dos Reis Júnior¹ Arlete Biaobock da Silva²

Leia mais

PROPOSTA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA CRÔNICA

PROPOSTA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA CRÔNICA PROPOSTA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA CRÔNICA Veruska Cronemberger Nogueira 1, 2, 4, Elmirana Maria Lopes Machado 1, Rafael Costa Oliveira 1, Maria Clara Napoleão

Leia mais

Vertigem na emergência. Dra. Cristiana Borges Pereira

Vertigem na emergência. Dra. Cristiana Borges Pereira Vertigem na emergência Dra. Cristiana Borges Pereira Dra. Cristiana Borges Pereira Doutorado FMUSP Tratamento domiciliar da vertigem de posicionamento paroxística benigna Responsável pelo ambulatório de

Leia mais

CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA

CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA CURSO DE REABILITAÇAO VESTIBULAR: FUNDAMENTOS E PRÁTICA 14 e 15 de novembro de 2015 São Paulo - SP Brasil Local: INSTITUTO VITA UNIDADE HIGIENÓPOLIS RUA MATO GROSSO, 306 1º ANDAR SÃO PAULO / SP Sábado,

Leia mais

FISIOTERAPIA VESTIBULAR E TONTURAS NO ESPORTE

FISIOTERAPIA VESTIBULAR E TONTURAS NO ESPORTE FISIOTERAPIA VESTIBULAR E TONTURAS NO ESPORTE André Luís dos Santos Silva, D.Sc. Doutor em Fisioterapia Universidad de Buenos Aires/UFRJ Diretor do Instituto Brasileiro de Fisioterapia Vestibular e Equilíbrio

Leia mais

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva

Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Estudo clínico randomizado para avaliar o impacto de um programa de exercício em doentes com perturbação depressiva Autores Lara Carneiro 1 António Fonseca 2 Maria Vieira Coelho 3 Maria Paula Mota 4 José

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE

12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE 12º CONGRESSO DE MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE A Importância dos Grupos de Reabilitação em Dor Crônica Realizados pela Equipe NASF AUTOR THANYTA STELLA DE CAMPOS HISTÓRICO COMO SURGIU A IDÉIA DO TRABALHO?

Leia mais

& EXERCÍCIOS DE REABILITAÇÃO VESTIBULAR EM IDOSOS

& EXERCÍCIOS DE REABILITAÇÃO VESTIBULAR EM IDOSOS & EXERCÍCIOS DE REABILITAÇÃO VESTIBULAR EM IDOSOS Juliana Secchi Batista 1 Adriano Pasqualotti 2 Ana Carolina Bertoletti de Marchi 3 Lia Mara Wibelinger 4 RESUMO As alterações das estruturas e sistemas

Leia mais

Isabela Ferreira da Costa. Benefícios do Método Pilates na Gestação

Isabela Ferreira da Costa. Benefícios do Método Pilates na Gestação Isabela Ferreira da Costa Benefícios do Método Pilates na Gestação Londrina 2011 Isabela Ferreira da Costa Benefícios do Método Pilates na Gestação Monografia apresentada ao Curso de Especialização, em

Leia mais

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS.

INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. INFLUÊNCIA DA PULSEIRA POWER BALANCE NO EQUILÍBRIO ESTÁTICO E DINÂMICO DE INDIVÍDUOS SADIOS. ELISANGELA M ISENSEE, VANESSA ANTHEWITZ, ANDRIZE R COSTA, RAFAEL KREMER Faculdade Metropolitana de Blumenau

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br LEITE, Gisele Bueno da Silva; MOURA, Karla Senger Pinto de; DORNELAS, Lilian Maria Candido de Souza; BORGES, Juliana Bassalobre Carvalho. Atuação

Leia mais

Reabilitação vestibular: tendências e indicações

Reabilitação vestibular: tendências e indicações Reabilitação vestibular: tendências e indicações Clarissa Stefani Teixeira *, Érico Felden Pereira **, Angela Garcia Rossi ***, Luciane Sanchotene Etchepare Daronco **** Resumo A reabilitação vestibular

Leia mais

Curso de Exploração Funcional Vestibular

Curso de Exploração Funcional Vestibular Curso de Exploração Funcional Vestibular Referencial Pedagógico 1. Competências Globais e Específicas Esta acção de formação visa desenvolver competências gerais e específicas sobre o tema da Exploração

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

ESTUDO BIBLIOMÉTRICO DA PRODUÇÃO NACIONAL DA PÓS-GRADUAÇÃO ACERCA DO CONTROLE POSTURAL EM IDOSOS

ESTUDO BIBLIOMÉTRICO DA PRODUÇÃO NACIONAL DA PÓS-GRADUAÇÃO ACERCA DO CONTROLE POSTURAL EM IDOSOS BIBLIOTECA LAS CASAS Fundación Index http://www.index-f.com/lascasas/lascasas.php Cómo citar este documento Ceccon, Fernando Gomes. Estudo bibliométrico da produção nacional da pós-graduação acerca do

Leia mais

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR 1- Considerações gerais As cirurgias de coluna têm indicação médica conforme exames de imagem e apresentação clínica. As cirurgias

Leia mais

Síntese dos Fóruns Nacionais de Pesquisa e Pós graduação Stricto Sensu em Fisioterapia da ABRAPG Ft Costa, D.*

Síntese dos Fóruns Nacionais de Pesquisa e Pós graduação Stricto Sensu em Fisioterapia da ABRAPG Ft Costa, D.* Síntese dos Fóruns Nacionais de Pesquisa e Pós graduação Stricto Sensu em Fisioterapia da ABRAPG Ft Costa, D.* Resumo No período que envolve a existência da ABRAPG Ft, compreendido de 2005 a 2013, portanto

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO

RESUMO EXPANDIDO SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO RESUMO EXPANDIDO Título SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE DAS PROVAS MONOTERMAIS NO DIAGNÓSTICO OTONEUROLÓGICO Palavras Chave Eletronistagmografia; Vertigem; Tontura. Autores Mercia Castro Lima 1, Tatiane

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO NA POSTURA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À MASTECTOMIA

EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO NA POSTURA DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA SUBMETIDAS À MASTECTOMIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS I CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA MICAELA CAVALCANTI DE MOURA FARIAS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO NA POSTURA DE MULHERES

Leia mais

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA

EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA EFETIVIDADE DA ESCOLA DE COLUNA EM IDOSOS COM LOMBALGIA Maria Lucia Ziroldo 1 ; Mateus Dias Antunes 2 ; Daniela Saldanha Wittig 3 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 4 RESUMO: A dor lombar é uma das

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento Radicular Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2013 Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento

Leia mais

INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS NA TENDINOPATIA DO OMBRO: UMA REVISÃO DE LITERATURA

INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS NA TENDINOPATIA DO OMBRO: UMA REVISÃO DE LITERATURA INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS NA TENDINOPATIA DO OMBRO: UMA REVISÃO DE LITERATURA Pedro Rafael de Souza Macêdo (1); Robison Carlos Silva Costa (1); Clécio Gabriel de Souza (2 e 3); Emanoel Cláudio Fagundes

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Nome: FUNDAMENTAÇÃO DA REABILITAÇÃO MUSCULOESQUELÉTICA

Nome: FUNDAMENTAÇÃO DA REABILITAÇÃO MUSCULOESQUELÉTICA Nome: FUNDAMENTAÇÃO DA REABILITAÇÃO MUSCULOESQUELÉTICA Com base na leitura e análise das informações encontradas no artigo: Postural control in underachieving students, responda as questões 1 a 10: 1)

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SENTIDO VESTIBULAR Orelha Interna -Sistema Vestibular Movimentos rotacionais (aceleração angular) As células sensoriais são ciliadas mas são estimuladas

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS.

DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. DOENÇA DE PARKINSON E QUALIDADE DE VIDA: CONSIDERAÇÕES TERAPÊUTICAS OCUPACIONAIS. Marcela Maria Medeiros de Melo¹; Ádila Siqueira de Basto Lima¹; Mirella Bruna Felix de Freitas¹; Elma Eloi Melo da Silva¹;

Leia mais

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA

RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE audição E equilíbrio FAQs_audiologia.indd 1 a audição é responsável por um dos principais meios de interrelação humana, a comunicação verbal. Ainda na gestação

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

ABORDAGEM DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA DOENÇA DE PARKINSON

ABORDAGEM DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA DOENÇA DE PARKINSON ABORDAGEM DA REABILITAÇÃO VESTIBULAR NA DOENÇA DE PARKINSON NOGUEIRA, Júlia Francisca da Cruz¹ Faculdade de Ciências Sociais e Agrária de Itapeva GIROTTI, Priscila Azevedo² Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Centro Cochrane Brasil

Centro Cochrane Brasil Centro Cochrane Brasil ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS SEM FINANCIAMENTOS DE EMPRESAS NACIONAIS OU INTERNACIONAIS Representante no Brasil da Cochrane Collaboration Internacional Membro da Assembléia Mundial

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy)

Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Lendo artigos científicos em fisioterapia (adaptado de "Pedro Searching Data Base - Tutorial - Reading Clinical Trials in Physiotherapy) Traduzido e adaptado por Sergio Marinzeck, Ft, M.Phty (Manip), MPAA

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL

A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL A INTERFERÊNCIA DA FIBROMIALGIA NO DESEMPENHO OCUPACIONAL INTRODUÇÃO Ádila Siqueira de Basto Lima Wilkelane Ferreira da Silva Marcela Medeiros Melo Mirella Oliveira Barata Thayane de Cácia Brito A fibromialgia

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO PROPOSTA DE UM PROGRAMA DE ERGONOMIA

Leia mais

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA

PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA PATOLOGIAS DO APARELHO AUDITIVO ANDERSON CELSO LUANA MUNIQUE PRISCILA PAMELA 1 INTRODUÇÃO A audição possibilita a aquisição da linguagem e a conseqüente integração do homem com o mundo sonoro e social.

Leia mais

MEDO DE QUEDA EM IDOSOS SUBMETIDOS À CIRURGIA DE CATARATA

MEDO DE QUEDA EM IDOSOS SUBMETIDOS À CIRURGIA DE CATARATA 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA GABRYELLA STEPHANYE OLIVEIRA NASCIMENTO MEDO DE QUEDA EM IDOSOS SUBMETIDOS À CIRURGIA DE CATARATA BRASÍLIA 2015 2 GABRYELLA

Leia mais

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO ROSE ROMANO CAVEIRO

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO ROSE ROMANO CAVEIRO UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO ROSE ROMANO CAVEIRO CORRELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, QUALIDADE DE VIDA E EQUILÍBRIO FUNCIONAL NO IDOSO COM TONTURA CRÔNICA SÃO PAULO 2010 ROSE ROMANO CAVEIRO MESTRADO EM

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Cervical Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada A coluna cervical consiste em diversas

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura Efeitos da fisioterapia na força respiratória do idoso: revisão de literatura Flávia Alves de Abreu 1, Ingrid Maziero Cheles 1, Maíra de Freitas Souza 1, Michelle Pereira Lima 1, Rafael Bossolan 1, Andréa

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

PARÂMETROS ASSISTENCIAIS FISIOTERAPÊUTICOS Diário Oficial da União Nº 202, Seção 1 segunda-feira, 20 de outubro de 2014

PARÂMETROS ASSISTENCIAIS FISIOTERAPÊUTICOS Diário Oficial da União Nº 202, Seção 1 segunda-feira, 20 de outubro de 2014 Circular 567/2014 São Paulo, 21 de Outubro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PARÂMETROS ASSISTENCIAIS FISIOTERAPÊUTICOS Diário Oficial da União Nº 202, Seção 1 segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Leia mais

Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro. Revisão por pares. Cesar Victora Epidemiologia UFPEL

Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro. Revisão por pares. Cesar Victora Epidemiologia UFPEL Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro Revisão por pares Cesar Victora Epidemiologia UFPEL Editor Associado Internacional, AJPH Editor Associado, Rev Bras

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

TÍTULO: O BENEFÍCIO DO MÉTODO PILATES NO EQUILÍBRIO DOS IDOSOS - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

TÍTULO: O BENEFÍCIO DO MÉTODO PILATES NO EQUILÍBRIO DOS IDOSOS - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TÍTULO: O BENEFÍCIO DO MÉTODO PILATES NO EQUILÍBRIO DOS IDOSOS - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

Leia mais

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça

Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Ensaios Clínicos Medindo a Qualidade de Vida em Estudos Clínicos de FC: Outra Peça do Quebra-Cabeça Janice Abbott, PhD Professora de Psicologia da Saúde Faculdade de Saúde Universidade de Central Lancashire

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda.

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. Avaliação do risco de viés de ensaios clínicos randomizados pela ferramentada colaboração Cochrane Alan P. V. de Carvalho,

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

Posturografia Dinâmica Computadorizada: Avaliação Quantitativa de Pacientes com Vestibulopatia Tratados por Meio de Reabilitação Vestibular

Posturografia Dinâmica Computadorizada: Avaliação Quantitativa de Pacientes com Vestibulopatia Tratados por Meio de Reabilitação Vestibular Artigo Original Posturografia Dinâmica Computadorizada: Avaliação Quantitativa de Pacientes com Vestibulopatia Tratados por Meio de Reabilitação Vestibular Computerized Dynamic Posturography: Quantitative

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS DO SISTEMA VESTIBULAR

ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS DO SISTEMA VESTIBULAR ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO TRATAMENTO DAS DOENÇAS DO SISTEMA VESTIBULAR Uiara Beatriz Gomes de Oliveira¹ Vivianne Ramos da Cunha Muniz² ¹Autora. Acadêmica do curso de Fisioterapia da Universidade Estadual

Leia mais

Universidade Cidade São Paulo Priscila Alves Cardozo R.A 1919228-3. Curso de Pós-Graduação Latu Sensu Fisioterapia Aquática

Universidade Cidade São Paulo Priscila Alves Cardozo R.A 1919228-3. Curso de Pós-Graduação Latu Sensu Fisioterapia Aquática Universidade Cidade São Paulo Priscila Alves Cardozo R.A 1919228-3 Curso de Pós-Graduação Latu Sensu Fisioterapia Aquática Trabalho da disciplina Métodos e Manuseios em Fisioterapia Aquática como exigência

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida

Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) SIEXBRASIL: 17737 ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Saúde ÁREA TEMÁTICA SECINDÁRIA: Promoção da saúde e qualidade

Leia mais

ATUAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS

ATUAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS ATUAÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM IDOSOS Thayla Sayuri Suzuki Calderon, Elaine Aparecida Lozano da Silva, Vinicius Gustavo Gimenes Turato, Giovana Renata Parizi Silva, Laís

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE FISIOTERAPIA DEPT FMR PÓS GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DO TRABALHO Profª Drª Vanusa Caiafa Caetano 2012 Desenhos de Pesquisa Porque

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais

Simpósio de Fisioterapia do Into

Simpósio de Fisioterapia do Into 1º Simpósio de Fisioterapia do Into I ns titu to N acion al de Traum atologia e Or toped ia Jam il Had d ad PROGR AMAÇ ÃO Dia 24 Simpósio Apoio 8h às 12h Auditório 2 Novos Conceitos em Prevenção de Lesões

Leia mais

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL)

Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Projeto: Unidade de Correção Postural AMIL Título: Modelo Bioergonomia na Unidade de Correção Postural (Total Care - AMIL) Autores: LACOMBE,Patricia, FURLAN, Valter, SONSIN, Katia. Instituição: Instituto

Leia mais

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO

A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO A EFICÁCIA DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DAS COMPLICAÇÕES FÍSICO-FUNCIONAIS DE MEMBRO SUPERIOR NA MASTECTOMIA UNILATERAL TOTAL: ESTUDO DE CASO GUIZELINI, L.H.; PEREIRA, N.T.C. RESUMO A mastectomia pode

Leia mais

Pilates aprimorando o equilíbrio em idosos: Revisão Integrativa

Pilates aprimorando o equilíbrio em idosos: Revisão Integrativa 65 Pilates aprimorando o equilíbrio em idosos: Revisão Integrativa Jéssica Luisa Ribeiro dos Santos Introdução O envelhecimento populacional no mundo é uma realidade já presente. A estimativa para 2025

Leia mais

Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1

Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1 Equoterapia Como Instrumento Pedagógico 1 Jackson Antônio Barbosa, Engenheiro Agrícola, DEG/UFLA, Orientador, jackson_barbosa@hotmail.com; Regilane Vilas Boas; Fisioterapeuta, Coordenadora Centro de Equoterapia/UFLA,

Leia mais

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO 1. Os Arquivos Brasileiros de Cardiologia (Arq Bras Cardiol) são uma publicação mensal da Sociedade Brasileira de Cardiologia, indexada no Cumulated

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA

MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA MESTRADO E DOUTORADO EM FISIOTERAPIA A UNASUR UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DEL SUR em parceria com a Master Assessoria Educacional criou o Curso de Mestrado em Fisioterapia, o qual procura enfatizar a Intervenção

Leia mais

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS NEUROLOGIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOMUNICÍPIO - IPM IPM SAÚDE AUDITORIA EM SAÚDE ANEXO XXIV TABELA DE HONORÁRIOS DE FISIOTERAPIA E NORMAS DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO: REDIMENSIONAMENTO DO

Leia mais

Utilização do SF-36 em ensaios clínicos envolvendo pacientes fibromiálgicos: determinação de critérios mínimos de melhora clínica

Utilização do SF-36 em ensaios clínicos envolvendo pacientes fibromiálgicos: determinação de critérios mínimos de melhora clínica Artigo Original 147 doi:10.4181/rnc.2004.12.147 Utilização do SF-36 em ensaios clínicos envolvendo pacientes fibromiálgicos: determinação de critérios mínimos de melhora clínica Using SF-36 in clinical

Leia mais

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA DE CARVALHO, P. E.; SALVADOR, C. A.; MIRANDA, T. T.; LOPES, J. Resumo: O acidente vascular

Leia mais

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso

Ensaios Clínicos. Alexander R. Precioso Ensaios Clínicos Alexander R. Precioso Diretor da Divisão de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância - Instituto Butantan Pesquisador do Instituto da Criança HC / FMUSP Introdução Os recentes desenvolvimentos

Leia mais

Envelhecimento saudável e ativo

Envelhecimento saudável e ativo Envelhecimento saudável e ativo Nídia Braz Universidade de Salamanca A população portuguesa envelhece e torna-se progressivamente mais frágil 2 Idosos Saudáveis Capazes de vida autónoma, relacionam-se

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana

Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Motricidade Humana O Método Pilates e os seus Efeitos em Termos de Autoeficácia na Musculatura do Pavimento Pélvico em Mulheres com Incontinência Urinária de

Leia mais

VI REUNIÃO DO IBNeC JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL. 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES

VI REUNIÃO DO IBNeC JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL. 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES VI REUNIÃO DO IBNeC 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL Ft. Ms. Fabiana Rita Camara Machado REALIDADE VIRTUAL (RV)

Leia mais

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS?

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS? 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CEILÂNDIA CURSO DE FISIOTERAPIA AMANDA CASTELO BRANCO DUARTE HANNA LISSA RIBEIRO MIRANDA QUINTANILHA A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS

Leia mais

A vertigem e as alterações do equilíbrio

A vertigem e as alterações do equilíbrio A vertigem e as alterações do equilíbrio O síndrome vertiginoso é um sintoma definido como a sensação ilusória de movimento. O tratamento baseia-se num programa de reeducação vestibular PEDRO ARAÚJO Texto

Leia mais

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes.

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. ii Dedicatória À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. iii iv Agradecimentos Uma investigação desta tipologia envolve, directa

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Comparação de diferentes protocolos de reabilitação vestibular em pacientes com disfunções vestibulares periféricas

Comparação de diferentes protocolos de reabilitação vestibular em pacientes com disfunções vestibulares periféricas Artigo Original Original Article Pâmela Garcia Morozetti 1 Cristina Freitas Ganança 2 Brasília Maria Chiari 3 Comparação de diferentes protocolos de reabilitação vestibular em pacientes com disfunções

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais