Comunicação Eficaz na Assistência ao Paciente. A experiência do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. 16 de dezembro 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação Eficaz na Assistência ao Paciente. A experiência do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. 16 de dezembro 2014"

Transcrição

1 Comunicação Eficaz na Assistência ao Paciente A experiência do Hospital Alemão Oswaldo Cruz 16 de dezembro 2014

2 MISSÃO Instituição comprometida com as necessidades de saúde da população, voltada para um atendimento integral, individualizado e qualificado e orientada para o desenvolvimento científico através do ensino e da Pesquisa VISÃO Ser uma instituição de Saúde reconhecida pela sociedade por sua excelência em atender seus pacientes, de forma integral e individualizada, com ênfase nas áreas: Digestiva, Circulatória, Osteomuscular, Oncológica e Atenção ao Idoso. VALORES Acolhimento, ética, comprometimento, valorização do colaborador, responsabilidade social e desenvolvimento técnico-científico.

3 História 26 de setembro de 1897: fundação da Associação Hospital Alemão Objetivo era atender os imigrantes de língua alemã e retribuir o acolhimento recebido 1905: aquisição do terreno de m 2 no Paraíso

4 História Em fevereiro de 1942, o Brasil rompe relações diplomáticas com a Alemanha, e sob intervenção do estado, a denominação passa a ser Hospital Oswaldo Cruz.

5 Estrutura

6

7

8

9 Estrutura m2 de área construída 278 leitos para internação, 29 leitos semi-intensivos e 44 leitos de UTI 18 leitos Day Clinic, 3 salas de pequenas cirurgias 19 salas cirúrgicas médicos credenciados 2300 colaboradores

10 Cultura de Segurança ANVISA 2014 Compromisso Governança HAOC Assumir responsabilidade pela própria segurança, de colegas e da instituição Cultura que prioriza a segurança acima de metas financeiras e operacionais Cultura que encoraja e recompensa a identificação, a notificação e a resolução dos problemas relacionados à segurança. Cultura que, a partir da ocorrência de incidentes, promove o aprendizado organizacional. Cultura que proporciona recursos, estrutura e responsabilização para a manutenção efetiva da segurança. Qualidade e Segurança está no embasamento de todas as ações. Qualidade e Segurança como princípio. Queremos processos seguros, padronizados e custoeficientes. Eventos aqui são tratados com a teoria do Queijo Suiço. Avaliação do processo e mitigação das causas que causaram o efeito indesejado. Capacitar sempre. Orçamentos de custeio e de investimento que garantam Estruturas, Robustas, Processos Padronizados e os Melhores Resultados.

11 Nossas conquistas z z Certificação ONA Nível 3 (Excelência) Re-Certificação ONA Nível 3 (Excelência) Certificação do Centro de Cirurgia Bariátrica Prêmio Gestão com Qualidade Certificação do Centro de Endoscopia SOBED Programa Bem-Estar: Prêmio Nacional de Qualidade de Vida: Excelência em Gestão de Programas de Qualidade de Vida - Categoria Ouro - ABQV JCI Avaliação de extensão Bloco E Certificação TEMOS JCI Avaliação Acreditação Re-certificação TEMOS JCI Reacreditação Certificação TEMOS Serviço de Nutrição Selo GREEN KITCHEN Prêmio Saúde Programa Bem Estar Certificação do Centro de Endoscopia SOBED

12

13 Estratégias Adotadas Capacitação da Liderança Criar Líderes de metas/capítulos Organizar equipes de trabalho Treinamento Institucional Metas Internacionais de Segurança Comunicação Interna Auditores Internos

14 Atribuições Líder Metas Reuniões mensais; Elaboração de Treinamentos; Divulgação das rotinas específicas; Reuniões com gestores e Sponsor; Implementações de melhorias

15 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação

16 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Objetivos: Comunicação clara, precisa e completa em todos os processos que envolvam a assistência prestada ao paciente, garantindo a segurança do cuidado prestado; Desafio: Adequação da prática assistencial às exigências da 5ª edição do Manual JCI quanto aos padrões: Ordem Verbal e Telefônica; Recebimento de Resultados de Exames Críticos; Comunicações de transições de cuidado.

17 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Ordem Telefônica: Recebimento apenas pelo enfermeiro, conforme rotina específica; Proibições; Read back (ler de volta); Ordem verbal: apenas em situações de emergência, com presença do médico; Indicador: Nº de Ordens Verbais Telefônicas com read back realizado

18 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Doutor, para a segurança do paciente, vou ler de volta a ordem verbal: Ex: Novalgina 1amp EV agora? ATENÇÃO Não esquecer de: Avisar sobre ligação gravada. Ler de volta a informação na íntegra sobre Ordem Telefônica ou Resultado Laboratorial Crítico.

19 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Proibições: Não é permitida a realização de prescrição médica verbal telefônica, inclusive alteração de dose e repetição da prescrição médica anterior, dos seguintes medicamentos e produtos abaixo listados: Alfentanil, Fentanila, Propofol, Sufentanil, Diazepan, Midazolan, Ultiva, Meperidina, Morfina: todos em apresentação ampola para uso endovenoso; Psicotrópicos com finalidade pré-anestésica; Quimioterápicos antineoplásicos; Sangue e componentes; Métodos dialíticos; Anticorpos monoclonais (ex: Mabthera); Soluções de PCA SACP 1 (Morfina).

20 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Indicador: Percentual de Ordens Verbais Telefônicas com read back realizado Objetivo: Verificar se a releitura da Ordem Verbal Telefônica é realizada na íntegra. Fórmula: Nº de Ordens Verbais Telefônicas gravadas, que tiveram a releitura realizada, dividido pelo nº amostral de Ordens Verbais Telefônicas gravadas x 100. Meta: 100% conformidade Como acessar os indicadores da Metas Internacionais de Segurança: TASY Consulta Indicadores QPS IPSG 2

21 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Recebimento de Resultados Críticos: Exames laboratoriais; Exames diagnóstico por imagem; Cardiologia Intervencionista; Exames endoscópicos;

22 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Estratégias: Parceria com setores chave para definição dos demais exames e resultados críticos (CDI, Hemodinâmica, Cardiologia não invasiva, Centro de Endoscopia); Apoio da liderança e superintendência médica e assistencial; Parceria médicos radiologistas/ intervencionistas/ endoscopistas para comunicação desses resultados; Definição de texto padrão para registro dos exames comunicados e recebidos; Divulgação dos exames selecionados;

23 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Texto Padrão: Comunicação de Resultado Critico Exames Comunico por ligação telefônica resultado critico: (anotar nome do resultado crítico) para o médico (nome do médico). O mesmo confirma o entendimento do resultado comunicado. Texto Padrão: Recebimento de Resultado Crítico: Recebo ligação telefônica (nome do comunicante e setor) para informação de resultado crítico: (anotar exame e resultado informado). Confirmo o entendimento lendo o registro do resultado comunicado.

24 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Comunicação de Transição de Cuidados: Passagem de Plantão entre turnos médicos e enfermagem*; Passagem de Plantão Transferência entre setores;

25 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Estratégias: Definição de tipos de evolução padrão para cada setor Passagem de Plantão; Definição de anotações padrão para Transferência entre Setores; Indicador em elaboração;

26 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Passagem de Plantão Alterações Clínicas: Sim ( X ) Não ( ) Quais: Apresentou hipoglicemia, foi avaliado pelo plantonista, etc... Pendências: Sim ( X ) Não ( ) Quais: Aguarda realizar TC, etc... Outras informações: outras informações críticas do paciente. Todas as medicações e cuidados de Enfermagem prescritos e checados a partir das 7h até 13h foram realizados.

27 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Passagem de plantão PA Diagnóstico preliminar: Dor torácica a esclarecer Solicitação de internação: ( ) não ( ) UI ( x ) UTI ( ) aguardando transferência externa Protocolo clínico gerenciado: ( ) não ( x ) Dor torácica ( ) AVC ( ) Sepse ( ) TEV Em uso de: ( x ) acesso periférico ( ) máscara não reinalante ( x ) cateter O2 l/min ( ) CVC ( x ) monitorização ( ) PICC ( ) oximetria ( ) SNG ( ) IOT ( ) SNE ( ) bipap ( ) SVD ( ) med. em BIC ml/h Exames pendentes: Colher enzimas cardíacas às 17h, etc... PA: 130x80 mmhg; P: 83 bpm; T: 36 C; Sat: 99% Observações: outras informações críticas do paciente.

28 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação Outras Estratégias: Terça-Feira da Qualidade e Segurança do Paciente; Auditoria Interna; Espaço Educação; Treinamento EaD; Novo Manual JCI; Simulação;

29 IPSG 2 Melhorar a Eficácia da Comunicação O sucesso das ações depende de motivar as equipes, de forma que compreendam que todo esforço é para a melhoria do processo, segurança do paciente e do profissional.

30 OBRIGADA

31

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Mesa redonda: O Papel do enfermeiro na segurança do paciente e nos resultados do atendimento Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Cristiana Martins Prandini

Leia mais

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Gestão Operacional Sistemas de Garantia da Qualidade Gestão da Estratégia Planejamento Estratégico Projetos Estratégicos Desdobramento

Leia mais

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Julho/ 2011 Definição de Política: Como Definir e Aplicar a Política da Assistência de Enfermagem - Conjunto dos fenômenos e das práticas

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação

Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Propostas de Atualização 2014 do Manual Brasileiro de Acreditação Objetivos Conhecer o Sistema Brasileiro de Acreditação (SBA) Conhecer o Manual Brasileiro de Acreditação (MBA) - 2010 Conhecer as propostas

Leia mais

Plano de Melhoria da Gestão

Plano de Melhoria da Gestão Plano de Melhoria da Gestão Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Sanatório de Messejana Instituição Privada para Tratamento de Tuberculose administrado por religiosas; Capacidade instalada

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS SIMILARES

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS SIMILARES QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS ILARES O objetivo deste questionário é analisar as atividades profissionais desenvolvidas

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU AMBULATÓRIO Cadastro de paciente ( caso o paciente já tenha consultado no hospital

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Publica a proposta de Projeto de Resolução "Boas

Leia mais

Curso de Pós-Graduação

Curso de Pós-Graduação Curso de Pós-Graduação ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA APRESENTAÇÃO DO CURSO A terapia intensiva apresenta-se como área de atuação de alta complexidade

Leia mais

PRÊMIO FBAH - 2012 ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR. Inscrição: 00135/2012 TÍTULO DO PROJETO

PRÊMIO FBAH - 2012 ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR. Inscrição: 00135/2012 TÍTULO DO PROJETO PRÊMIO FBAH - 2012 ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR Inscrição: 00135/2012 TÍTULO DO PROJETO Melhoria do processo de passagem de plantão em uma unidade de internação cirúrgica Carlos Eduardo de Campos Formação

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA HOSPITAIS, CLÍNICAS, LABORATÓRIOS E DEMAIS PRESTADORAS DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança

Programa de Acreditação Internacional. Gestão da Qualidade e Segurança 2012 Programa de Acreditação Internacional Gestão da Qualidade e Segurança Responda rapidamente: Os serviços prestados pela sua instituição têm qualidade e segurança satisfatórias??? Por Quê???? QUALIDADE?

Leia mais

Sistema de Registro Eletrônico de Saúde : a Experiência do Hospital Moinhos de Vento. Hospital Moinhos de Vento

Sistema de Registro Eletrônico de Saúde : a Experiência do Hospital Moinhos de Vento. Hospital Moinhos de Vento Sistema de Registro Eletrônico de Saúde : a Experiência do Hospital Moinhos de Vento Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Coordenadora da Comissão de Prontuários Hospital Moinhos de Vento Porto Alegre RS Setembro

Leia mais

Organização Nacional de Acreditação (ONA)

Organização Nacional de Acreditação (ONA) Organização Nacional de Acreditação (ONA) Manual das Organizações Prestadoras de Serviços Hospitalares - 2010 Ana Cristina Rossetti Gerente Assistencial Hospital Municipal Dr. Moysés Deutsch Instituto

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do paciente

Metas Internacionais de Segurança do paciente Metas Internacionais de Segurança do paciente 2011 Missão Defender a saúde da comunidade e contribuir para o aprimoramento do Sistema Único de Saúde Visão Ser reconhecido nacionalmente pela excelência

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop Hospital Nossa Senhora da Conceição SERVIÇO DE FARMÁCIA STELLA GOULART LAMEIRA Farmacêutica-Bioquímica Especialista

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil:

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Unimed Brasil A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Presente em 83% território nacional; 375 cooperativas

Leia mais

Rotinas Assistenciais de Enfermagem

Rotinas Assistenciais de Enfermagem 1 de 6 1304 21 RESULTADO ESPERADO: Uma assistência quailificada e humanizada ao paciente. 1304 PROCESSOS RELACIONADOS: Tratamento Intensivo Assistência Farmacêutica Enfermagem - Auditoria de Prontuário

Leia mais

EXERCÍCIOS ALIMENTOS. As novidades em nutrição. Eles ajudam você a ter uma vida melhor VIVER MAIS. Como amadurecer sem perder o otimismo

EXERCÍCIOS ALIMENTOS. As novidades em nutrição. Eles ajudam você a ter uma vida melhor VIVER MAIS. Como amadurecer sem perder o otimismo EXERCÍCIOS Eles ajudam você a ter uma vida melhor ALIMENTOS As novidades em nutrição VIVER MAIS Como amadurecer sem perder o otimismo Alto padrão em saúde Eles se destacam pela qualidade das instalações,

Leia mais

A Importância da Gestão Técnica e do Corpo Clínico no Processo de Certificação ONA

A Importância da Gestão Técnica e do Corpo Clínico no Processo de Certificação ONA A Importância da Gestão Técnica e do Corpo Clínico no Processo de Certificação ONA Eudes Arantes Magalhães eudes@lifec.com.br (31) 9948-8537 1 HISTORIA Com 16,5 mil metros quadrados, o Hospital Lifecenter

Leia mais

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM

SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM SERVIÇO DE FARMÁCIA DO HC/UFTM Suely da Silva - Chefe da Unidade de Dispensação Farmacêutica do HC/UFTM - Filial EBSERH Mauritânia Rodrigues Ferreira Cajado - Farmacêutica da Dispensação do HC/UFTM Introdução

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6

1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3. 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4. 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. TIPOS DE TRANSPORTE...3 2.1 Transporte intra-hospitalar:...4 2.2Transporte inter-hospitalar:...6 3. SEGURANÇA E CONTRA-INDICAÇÕES...7 4. CONSIDERAÇÕES...9 5. CRITICIDADE DE

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000

Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 Manual Brasileiro NR: MA 3 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 ATENÇÃO AO PACIENTE/CLIENTE Esta seção agrupa todos os componentes, atividades e serviços que se relacionam aos processos

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM NO SUPORTE À CIRURGIA ROBÓTICA

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

CURSO: 104 - MEDICINA INTENSIVA ADULTO - 2 ANOS

CURSO: 104 - MEDICINA INTENSIVA ADULTO - 2 ANOS Página: : 04 - MEDICINA INTENSIVA ADULTO - 2 ANOS 0025 6 43,5 59,5 APROVADO 00239 3,75 25,5 39,25 2 APROVADO 0009-3,5 - - ELIMINADO Total de Candidatos: 3 Página: 2 : 05 - MEDICINA INTENSIVA ADULTO - 4

Leia mais

WORKSHOP MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO

WORKSHOP MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO WORKSHOP MODELO DE EXCELÊNCIA DA GESTÃO 2008 PALESTRA Modelo de Excelência da Gestão Case Biocor Instituto Apresentador: Arthur Paixão Filho Assessor da Diretoria-Geral Biocor Instituto (MG) Dr. Mario

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2008 ANEXO 2 ATIVIDADES, ESCOLARIDADE E REQUISITOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2008 ANEXO 2 ATIVIDADES, ESCOLARIDADE E REQUISITOS PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2008 ANEXO 2 ATIVIDADES, ESCOLARIDADE E REQUISITOS A. CARGOS DE ADMINISTRAÇÃO GERAL NÍVEL SUPERIOR CARGO: PROFESSOR DE ATIVIDADES MUSICAIS

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 6 ªReunião do GT de Indicadores Hospitalares 30/10/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Informes:

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

LA TECNOLOGIA APLICADA A LA IDENTIFICACION DE PRODUCTOS Y PACIENTES

LA TECNOLOGIA APLICADA A LA IDENTIFICACION DE PRODUCTOS Y PACIENTES Princípios de Farmacologia Neonatal LA TECNOLOGIA APLICADA A LA IDENTIFICACION DE PRODUCTOS Y PACIENTES Farm. Daniel Panizzi Farm. Suhélen Caon Farmacêutica Shirley Frosi Keller (Brasil) Porto Alegre/RS

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Responsável: YEDDA SOARES DE OLIVEIRA Divisão de Desenvolvimento de RH / CRH Rua dos Inválidos, / 0º andar RJ Tel.:

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

I Seminário de Gestão do Corpo Clínico

I Seminário de Gestão do Corpo Clínico I Seminário de Gestão do Corpo Clínico AMMG e FEDERASSANTAS Experiências e Modelos de Gestão de Corpo Clínico. Henrique Salvador 27.11.13 Dados Gerais Corpo Clínico Gestão do Corpo Clínico O HOSPITAL MATER

Leia mais

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Proteção Radiológica para Staffs e Pacientes em Serviço de Radiologia Intervencionista Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Os perigos do Raio X Hemodinâmica & Estrutura Hospitalar Faturamento

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Entendendo o modelo remuneratório no Brasil Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Ano de fundação: 1851 Santa Casa de Misericórdia de Maceió 70,00% Paciente

Leia mais

Tecnologia da Informação: Integração entre a área Clínica e Produção

Tecnologia da Informação: Integração entre a área Clínica e Produção Tecnologia da Informação: Integração entre a área Clínica e Produção 1 Serviço de Nutrição Produção Nutrição Clínica Ambulatório 2 Produção Auto-gestão: Pacientes Colaboradores Médicos Eventos Terceiro:

Leia mais

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas:

Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Relatório Atividades Comitê de Enfrentamento da Dengue IBEDESS Ações realizadas: Inserção no site do IBEDESS e envio, para todas as entidades que compõem o Instituto, do material citado abaixo, incluindo

Leia mais

HOSPITAL RESTINGA E EXTREMO-SUL A atuação do Hospital Moinhos de Vento envolvendo a comunidade e transformando a vida da população da Restinga

HOSPITAL RESTINGA E EXTREMO-SUL A atuação do Hospital Moinhos de Vento envolvendo a comunidade e transformando a vida da população da Restinga TOP DE MARKETING ADVB/RS 2014 CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE HOSPITAL RESTINGA E EXTREMO-SUL A atuação do Hospital Moinhos de Vento envolvendo a comunidade e transformando a vida da população da Restinga

Leia mais

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008

PROCESSO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA O SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU EDITAL 1/2008 Condutor-Socorrista 1. Conduzir veículo terrestre de urgência destinado ao atendimento e transporte de pacientes; 2. Conhecer integralmente o veículo e realizar manutenção básica do mesmo; 3. Estabelecer

Leia mais

GESTÃO DO CORPO CLINICO. Integração do Médico às Estratégias do Hospital para a Melhoria nas Práticas Assistenciais

GESTÃO DO CORPO CLINICO. Integração do Médico às Estratégias do Hospital para a Melhoria nas Práticas Assistenciais GESTÃO DO CORPO CLINICO Integração do Médico às Estratégias do Hospital para a Melhoria nas Práticas Assistenciais Marco Aurélio Dainezi Diretor Hospitalar A UNIMED FRANCA Fundada em 1º de maio de 1971

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

II Seminário de Gestão do Corpo Clínico Experiências e modelos para gestão do corpo clínico

II Seminário de Gestão do Corpo Clínico Experiências e modelos para gestão do corpo clínico II Seminário de Gestão do Corpo Clínico Experiências e modelos para gestão do corpo clínico Fundação São Francisco Xavier Instituída em 1969 pela Usiminas Fundação de Direito Privado, sem fins lucrativos

Leia mais

OSS SANTA MARCELINA HOSPITAL CIDADE TIRADENTES

OSS SANTA MARCELINA HOSPITAL CIDADE TIRADENTES OSS SANTA MARCELINA HOSPITAL CIDADE TIRADENTES CASE DE SUCESSO: 5S COMO FERRAMENTA DE CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL PARA AS EQUIPES DO HOSPITAL CIDADE TIRADENTES Responsável pela Instituição: Renata Souza

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

A GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO UM CAMINHO SEM VOLTA. Luciene P. da Silva Potenciano

A GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO UM CAMINHO SEM VOLTA. Luciene P. da Silva Potenciano A GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO UM CAMINHO SEM VOLTA Luciene P. da Silva Potenciano Enfermeira do Trabalho IMPLANTAÇÃO DA NR 32 EM GOIÁS Introdução Antes da NR32 não havia padronização que desse resposta a inúmeros

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. FINANCEIRO Feito por: Diego dos Santos CONTABILIDADE/CUSTOS

Leia mais

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Assistência à Saúde MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 117 3.ª Edição Revista e Atualizada Brasília DF 2002 1998. Ministério

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Critérios de admissão, alta e transferência do CDE

Diretrizes Assistenciais. Critérios de admissão, alta e transferência do CDE Diretrizes Assistenciais Critérios de admissão, alta e transferência do CDE Versão eletrônica atualizada em jan/2012 Agentes Descrições Definição Critérios de admissão, alta e transferência para pacientes

Leia mais

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR

MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Assistência à Saúde MANUAL BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Série A. Normas e Manuais Técnicos; n. 117 3.ª Edição Revista e Atualizada Brasília DF 2002 1998. Ministério

Leia mais

O que é Inovação em Saúde?

O que é Inovação em Saúde? Capa foto: dreamstime.com O que é Inovação em Saúde? A competitividade no setor da saúde depende essencialmente de melhorar a qualidade da assistência e a segurança do paciente reduzindo custos Por Kika

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

AS NOVAS RESOLUÇÕES DO COFEN e suas implicações no exercício da enfermagem. Cleide.canavezi@cofen.gov.br

AS NOVAS RESOLUÇÕES DO COFEN e suas implicações no exercício da enfermagem. Cleide.canavezi@cofen.gov.br AS NOVAS RESOLUÇÕES DO COFEN e suas implicações no exercício da enfermagem Cleide.canavezi@cofen.gov.br FORÇA DE TRABALHO NA ENFERMAGEM Na Saúde, 65% da Força de Trabalho é formada por profissionais da

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral Título: Reunião Extraordinária do Colegiado Gestor Data: 06/05/2014 Página: 1 de 6 Pauta: 1. Apresentação das duas candidatas a direção da EEUFMG; 2. Medicamentos trazidos de casa para o HC pelo paciente

Leia mais

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE

Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Texto CURSO DE COOPERATIVISMO AUDITORIA EM SAÚDE Etimologia Termo Auditoria deriva: Palavra inglesa audit que significa examinar, corrigir, certificar. Do latim auditore O que ouve; ouvinte. Definição

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Aplicação de técnicas e cultura de Segurança em Instituições de Saúde

Aplicação de técnicas e cultura de Segurança em Instituições de Saúde Aplicação de técnicas e cultura de Segurança em Instituições de Saúde Arlen Feitosa Gerente de Segurança da Informação e Compliance Hospital Albert Einstein Agenda Saúde no Brasil Segurança da Informação

Leia mais

Considerando inexistir matéria regulamentando a relação profissionais/leitos;

Considerando inexistir matéria regulamentando a relação profissionais/leitos; Resolução COFEN Nº 189/96 Normatiza em âmbito Nacional a obrigatoriedade de haver Enfermeiro em todas as unidades de serviço onde são desenvolvidas ações de Enfermagem durante todo o período de funcionamento

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais