Prof. Cristiano Lopes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Cristiano Lopes"

Transcrição

1 Prof. Cristiano Lopes

2 Poder Legislativo Federal ü No Brasil vigora o bicameralismo federativo, no âmbito federal. Ou seja, o Poder Legislativo no Brasil, em âmbito federal, é bicameral, isto é, composto por duas Casas: a Câmara dos deputados e o Senado Federal, a primeira composto por representante do povo e a segunda representando os Estadosmembros e o Distrito Federal, adjetivando, assim, o nosso bicameralismo, que é do tipo federativo, como visto.

3 Poder Legislativo Estadual ü Unicameralismo: o legislativo estadual é composto pela Assembléia legislativa, composta pelos Deputados Estaduais, também representes do povo do Estado. ü Número de Deputados Estaduais: O número de Deputados à Assembléia Legislativa corresponderá ao triplo da representação do Estado na Câmara dos Deputados e, atingido o número de trinta e seis, será acrescido de tantos quantos forem os Deputados Federais acima de doze (CF, art. 27). ü Mandato: O mandato dos deputados Estaduais será de 4 anos.

4 N DE DEPUTADOS FEDEDERAIS (X) N DE DEPUTADOS ESTADUAIS (Y) FÓRMULA 8 24 O triplo 9 27 O triplo O triplo O triplo O triplo Y= (x-12) Y= (x-12) + 36

5 DIFERENÇAS ENTRE A CÂMARA DOS DEPUTADOS E O SENADO FEDERAL CÂMARA DOS DEPUTADOS É chamada de câmara baixa. Representa o povo. Número de membros varia em função da população: no mínimo 8 e no máximo 70 deputados, por unidade da federação. SENADO FEDERAL É chamado de câmara alta. Representa os E/DF. Número de membros é fixo, pois todas as unidades da federação possuem 3 senadores. Eleição pelo sistema proporcional (quociente eleitoral). Renovação total a cada quatro anos. Mandato é de quatro anos (uma legislatura). Idade mínima de 21 anos. Eleição pelo sistema majoritário (o mais votado é o escolhido, não havendo 2º turno). Renovação parcial a cada quatro anos: 1/3 e 2/3, alternadamente. Mandato é de oito anos (duas legislaturas). Idade mínima de 35 anos.

6 SESSÕES LEGISLATIVA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 57 ü Sessão ordinária ü Sessão extraordinária ü Sessão preparatória ü Sessão conjunta CONSTITUIÇÃO ESTADUAL Art. 7º ü Sessão ordinária ü Sessão extraordinária ü Sessão preparatória OBS.: Cumular com o RI, arts

7 SESSÃO LEGISLATIVA ORDINÁRIA CF, art de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agosto a 22 de dezembro SESSÃO LEGISLATIVA ORDINÁRIA CE, art. 17 / RI, art. 15 1º de fevereiro a 30 de junho e de 1º de agosto a 21 de dezembro

8 CONSTITUIÇÃO FEDERAL SESSÃO EXTRAORDÍNARIA QUEM PODE CONVOCAR Presidente do Senado Presidente da República Presidente do Senado Presidente da Câmara Requerimento da maioria dos membros de ambas as casas HIPÓTESE ü Decretação de estado de defesa; ü Decretação de intervenção federal; ü Pedido de autorização para a decretação de estado de sítio; ü Para o compromisso e a posse do PR e Vice-PR ü Em caso de urgência ou interesse público relevante, sempre com aprovação da maioria absoluta de cada uma das Casas do Congresso Nacional. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL E REGIMENTO INTERNO SESSÃO EXTRAORDÍNARIA QUEM PODE CONVOCAR Presidente da ALEPE Presidente da ALEPE ou Governador, com da maioria dos membros Requerimento da maioria dos membros HIPÓTESE ü Para o compromisso e a posse do Governador e Vicegovernador ü Em caso de urgência ou interesse público relevante.

9 CUIDADO!!! CF, art. 57, 8º - Havendo medidas provisórias em vigor na data de convocação extraordinária do Congresso Nacional, serão elas automaticamente incluídas na pauta da convocação. * Sem previsão na CE e no RI

10 SESSÃO PREPARATÓRIA CF, art. 57, 4º SESSÃO PREPARATÓRIA CE, art. 7º, 2º SESSÃO PREPARATÓRIA RI, art. 14 Posse de seus membros Posse dos Deputados Posse dos Deputados Eleição das respectivas Mesas Eleição da Mesa Diretora Eleição da Mesa Diretora Eleição da Comissão de Ética Parlamentar

11 SESSÃO PREPARATÓRIA CE, art. 7º, 2º e RI, art. 14 Posse dos Deputados Eleição da Mesa Diretora Comissão de Ética Parlamentar 1º fevereiro 1º dia útil depois da posse dos Deputados 10 dia depois da posse da Mesa diretora

12 CONSTITUIÇÃO FEDERAL Comissões Parlamentares CF, art. 58 Permanente Temporária Representativa Especial CONSTITUIÇÃO ESTADUAL Comissões Parlamentares CE, art. 28 de Inquérito Permanente Temporária De inquérito

13 REGIMENTO INTERNO Comissões Parlamentares Permanentes RI, art. 92, ss Temporárias RI, art. 133, ss de Representação Especial de Inquérito

14 PROCESSO LEGISLATIVO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ü Emendas à Constituição; ü Leis complementares; ü Leis ordinárias; ü Leis delegadas; ü Medidas provisórias; ü Decretos legislativos; ü Resoluções. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL ü Emendas à Constituição; ü Leis complementares; ü Leis ordinárias; ü Leis delegadas; ü Decretos legislativos; ü Resoluções. REGIMENTO INTERNO ü Emendas à Constituição; ü Leis complementares; ü Leis ordinárias; ü Leis delegadas; ü Decretos legislativos; ü Resoluções; ü Indicações; ü Requerimentos.

15 EMENDA CONSTITUCIONAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL ü 1/3 da Câmara dos Deputados; ü 1/3 do Senado Federal; ü Presidente da República; ü Mais da metade das Assembleias Legislativas, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL E REGIMENTO INTERNO ü 1/3 dos membros da ALEPE; ü Governador do estado; ü Mais da metade das Câmaras Municipais, manifestando-se, cada uma delas, pela maioria relativa de seus membros. ü Iniciativa popular.

16 EMENDA CONSTITUCIONAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL ü A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio. ü A proposta será discutida e votada em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver, em ambos, três quintos dos votos dos respectivos membros. ü A emenda à Constituição será promulgada pelas Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, com o respectivo número de ordem. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL ü A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio. ü A proposta será discutida e votada na Assembleia Legislativa, em dois turnos, considerando-se aprovada se obtiver três quintos dos votos dos respectivos membros. ü A emenda à Constituição será promulgada pela Mesa da Assembleia Legislativa, com o respectivo número de ordem.

17 PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL ü A matéria constante de proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada não pode ser objeto de nova proposta na mesma sessão legislativa. * CF, art. 60, 5º * CE, art. 17, 3º * RI, art. 191, 4º PROJETO DE LEI ü A matéria constante do projeto de lei rejeitado somente poderá constituir objeto de novos projetos, na mesma sessão legislativa, mediante proposta da maioria absoluta dos membros da Assembleia Legislativa. * CE, art. 22, parágrafo único e RI, art ü A matéria constante do projeto de lei rejeitado somente poderá constituir objeto de novos projetos, na mesma sessão legislativa, mediante proposta da maioria absoluta dos membros de qualquer das casas do Congresso Nacional. * CF, art. 67.

18 INICIATIVA POPULAR CONSTITUIÇÃO FEDERAL A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação à Câmara dos Deputados de projeto de lei subscrito por, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional, distribuído pelo menos por cinco Estados, com não menos de três décimos por cento dos eleitores de cada um deles. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL E REGIMENTO INTERNO A iniciativa popular pode ser exercida pela apresentação à Assembleia Legislativa de projeto de lei subscrito por, no mínimo, um por cento do eleitorado estadual, distribuído pelo menos por um quinto dos municípios do Estado, com não menos de três décimos por cento dos eleitores de cada um deles.

19 CONST. FEDERAL = CONST. ESTADUAL = REG. INTERNO ASPECTO FORMAL Quórum de aprovação ASPECTO MATERIAL (MATÉRIA) Lei Complementar ü maioria absoluta ü Rol taxativo na Constituição Lei Ordinário ü maioria simples ü Natureza residual: tudo o que não for Resoluções, Lei Complementar e Decreto Legislativo.

20 LEI DELEGADA CF, art. 68 PRESIDENTE elabora LEI DELEGADA CONGRESSO NACIONAL

21 LEI DELEGADA CE, art. 25 e RI, art. 198 GOVERNADOR elabora LEI DELEGADA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

22 LEI DELEGADA Não serão objeto de delegação: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ü Competência exclusiva do Congresso Nacional; ü Competência privativa da Câmara dos Deputados e do Senado Federal; ü Lei complementar; ü organização do Poder Judiciário e do Ministério Público; ü Legislação sobre planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamentos; ü Nacionalidade, cidadania, direitos individuais, políticos e eleitorais. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL E REGIMENTO INTERNO ü Competência exclusiva da Assembleia Legislativa; ü Lei complementar; ü Legislação sobre planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e orçamento.

23 REGIMENTO INTERNO Resolução ü Art Os projetos de resolução, de iniciativa de Deputado, de Comissão ou da Mesa Diretora, têm eficácia de lei ordinária e dispõem sobre as matérias de competência exclusiva da Assembleia. ü Os Projetos de Resolução, aprovados pelo Plenário em um só turno, serão promulgados pelo Presidente da Assembleia Legislativa. Decretos Legislativo ü Art Os projetos de decreto legislativo, de iniciativa de Deputado, Comissão ou da Mesa Diretora, destinam -se a regular matérias de exclusiva competência da Assembleia, bem como a sustar atos praticados pelo Poder Executivo, que exorbitem o seu poder regulamentador ou os limites da delegação legislativa. ü Os projetos de decreto legislativo, aprovados pelo Plenário em um só turno, serão promulgados pelo Presidente da Assembleia.

24 DAS EMENDAS, SUBEMENDAS E SUBSTITUTIVOS RI, art As proposições legislativas poderão receber proposições acessórias, que consistirão em emendas, subemendas e substitutivos, com o objetivo de alterar o seu texto no todo ou em parte. RI, art Caberá aos Deputados, aos autores previstos em norma constitucional, ou à Comissão Permanente a que a proposição legislativa for distribuída, a apresentação de emendas, subemendas e substitutivos. RI, art Os autores previstos em norma constitucional, os Deputados e as Comissões Permanentes a que a proposição legislativa for distribuída, poderão apresentar substitutivo com o objetivo de oferecer texto alternativo à proposição no seu todo.

25 RI, art. 206 Poderão ser apresentadas emendas das seguintes espécies: ü Substitutivas, para suceder qualquer parte do texto de uma proposição, sem a intenção de substituí-la no seu todo; ü Supressivas, para eliminar qualquer parte do texto de uma proposição; ü Aditivas, para acrescentar qualquer parte ao texto de uma proposição; ü Modificativas, para alterar qualquer parte do texto de uma proposição, sem a intenção de substituí-la no seu todo; ü de Redação, para corrigir falhas de redação ou de técnica legislativa.

26 REGIMENTO INTERNO INDICAÇÕES Art As indicações, de iniciativa de Deputado ou de Comissão, encaminham sugestões ou apelos: I - aos Poderes Executivo e Judiciário, para providências, prática de ato administrativo ou envio de proposição, no âmbito de suas competências privativas; II - ao Ministério Público, Tribunal de Contas e Defensoria Pública, para providências, prática de ato administrativo ou envio de proposição, no âmbito de suas competências privativas; III - à Comissão ou à Mesa Diretora, para elaboração de Projeto ou outras providências, relacionados a matéria de competência da Assembleia. REQUERIMENTOS Art Os requerimentos, escritos ou verbais, são proposições de iniciativa dos Deputados, de Comissões Parlamentares, que encaminham solicitações relativas a providências de competência exclusiva da Assembleia. Parágrafo único. Os requerimentos de pedidos de informações têm por finalidade solicitar esclarecimentos sobre fatos relacionados a matérias legislativas, em tramitação, ou sujeitas à fiscalização da Assembleia.

27 TRIBUNAL DE CONTAS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ü O Tribunal de Contas da União - nove Ministros. Os Ministros do TCU - requisitos: ü Mais de 35 e menos 65 anos de idade; ü Idoneidade moral e reputação ilibada; ü Notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos e f i n a n c e i r o s o u d e administração pública; ü mais de 10 anos de exercício de função CONSTITUIÇÃO ESTADUAL ü O Tribunal de Contas da estado - sete conselheiros. Os conselheiros do TCE - requisitos: ü Mais de 35 e menos 65 anos de idade; ü Idoneidade moral e reputação ilibada; ü Notórios conhecimentos jurídicos, contábeis, econômicos e f i n a n c e i r o s o u d e administração pública; ü mais de 10 anos de exercício de função

28 TRIBUNAL DE CONTAS CONSTITUIÇÃO FEDERAL Os Ministros do Tribunal de Contas da União serão escolhidos: ü Um terço pelo Presidente da República, com aprovação do Senado Federal, sendo dois alternadamente dentre auditores e membros do Ministério Público junto ao Tribunal, indicados em lista tríplice pelo Tribunal, segundo os critérios de antiguidade e merecimento; ü Dois terços pelo Congresso Nacional. CONSTITUIÇÃO ESTADUAL Os Conselheiros do Tribunal de Contas do Estado serão escolhidos: ü Três pelo Governador do Estado, com aprovação da Assembleia Legislativa, sendo dois, alternadamente, dentre Auditores e Membros do Ministério Público junto ao Tribunal, indicados em lista Tríplice pelo Tribunal, segundo os critérios de antiguidade e merecimento. ü Quatro pela Assembleia Legislativa.

29 REGIMES DE TRAMITAÇÃO RI, art. 223 Urgência 5 reuniões Ordinárias Plenárias REGIMES DE TRAMITAÇÃO Prioridade 7 reuniões Ordinárias Plenárias Ordinário 10 reuniões Ordinárias Plenárias

30 DA VOTAÇÃO RI, art. 239, ss Simbólica Aberta VOTAÇÃO Nominal Secreta

31 Prof. Cristiano Lopes

Banco Central Direito Constitucional Poder Legislativo Cristiano Lopes Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Banco Central Direito Constitucional Poder Legislativo Cristiano Lopes Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Banco Central Direito Constitucional Poder Legislativo Cristiano Lopes 2013 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Prof. Cristiano Lopes No Brasil vigora o bicameralismo

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Poder Legislativo: Funções Típicas e Atípicas / Congresso Nacional Professora Kerolinne Barboza www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Constitucional PODER LEGISLATIVO: FUNÇÕES TÍPICAS

Leia mais

Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade

Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade 19. Segundo a Constituição Federal, os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional,

Leia mais

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho 01. Quanto ao Congresso Nacional, considere: I. O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito Federal,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROF. GUSTAVO PIRES

REGIMENTO INTERNO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROF. GUSTAVO PIRES REGIMENTO INTERNO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROF. GUSTAVO PIRES Em regra, os candidatos diplomados deputados federais prestam compromisso em sessão preparatória e podem ser empossados por intermédio de procurador.

Leia mais

FONTES DO DIREITO. Prof. Thiago Gomes

FONTES DO DIREITO. Prof. Thiago Gomes Prof. Thiago Gomes 1. CONTEXTUALIZAÇÃO QUAL FONTE VOCÊ PRECISA? 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Expressão designa todas as representações que, de fato, influenciam a função criadora e aplicadora do Direito.

Leia mais

OFICINA PARLAMENTAR Brasília (DF) 18 e 19 de agosto de 2016

OFICINA PARLAMENTAR Brasília (DF) 18 e 19 de agosto de 2016 OFICINA PARLAMENTAR Brasília (DF) 18 e 19 de agosto de 2016 CONTRUÇÃO DA PROPOSTA e PROCESSO LEGISLATIVO Delegacia Sindical de Brasília - Sindifisco Nacional Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da

Leia mais

PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO

PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO Processo legislativo ordinário: leis ordinárias Processo legislativo sumário: prazo Processo legislativo especial: EC, LC, LD, MP, DL, Res. e leis financeiras. ORDINÁRIO 3 Fases: fase introdutória fase

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO DECISÃO Nº 88/96 D E C I D E TÍTULO I DO CONSELHO TÍTULO II DO FUNCIONAMENTO DECISÃO Nº 88/96 O, em sessão de 18.10.96, D E C I D E aprovar o seu Regimento Interno, como segue: TÍTULO I DO CONSELHO Art.1º- O Conselho Universitário - CONSUN - é o órgão máximo de função normativa,

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO SENADO FEDERAL ANALISTA LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO

CONTROLE DE CONTEÚDO SENADO FEDERAL ANALISTA LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO CONTROLE DE CONTEÚDO SENADO FEDERAL ANALISTA LEGISLATIVO PROCESSO LEGISLATIVO PORTUGUÊS 1 Leitura, compreensão e análise de textos. Inferência (informações explícitas e implícitas). Tipologia textual:

Leia mais

PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal

PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal ASSESSORIA PARLAMENTAR INFORMATIVO 08 a 10 de JANEIRO de 2014 CÂMARA DOS DEPUTADOS PEC amplia composição e reduz atribuições do Supremo Tribunal Federal Pela proposta, a indicação dos ministros da Corte

Leia mais

PONTO 1: Poder Constituinte PONTO 2: Poder Reformador PONTO 3: Poder Constituinte Decorrente 1. PODER CONSTITUINTE NATUREZA DO PODER CONSTITUINTE:...

PONTO 1: Poder Constituinte PONTO 2: Poder Reformador PONTO 3: Poder Constituinte Decorrente 1. PODER CONSTITUINTE NATUREZA DO PODER CONSTITUINTE:... 1 DIREITO CONSTITUCIONAL PONTO 1: Poder Constituinte PONTO 2: Poder Reformador PONTO 3: Poder Constituinte Decorrente Precedentes: RExt 466.343 RExt 349.703 HC 87.585 1. PODER CONSTITUINTE Poder de elaborar

Leia mais

300 Questões Comentadas do Processo Legislativo

300 Questões Comentadas do Processo Legislativo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas ( art. 59 ao 69 da CF) acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...74 Bibliografia...139

Leia mais

FUNÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS PODERES MUNICIPAIS

FUNÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS PODERES MUNICIPAIS FUNÇÕES E COMPETÊNCIAS DOS PODERES MUNICIPAIS ROBERTO KURTZ PEREIRA MUNICÍPIO Posição do Município na Federação. A Constituição Federal de 1988, elevou o Município como ente federativo. Consagrou a autonomia

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR: Fábio Ramos 2015 FGV TJ/PI Analista Judiciário Escrivão Judicial 1. A Constituição de 1988, ao enunciar os seus princípios fundamentais, fez menção, em seu art. 1º, à

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA CÂMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA Novembro/2009 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP APRESENTAÇÃO A Constituição Federal de 1988 prevê a possibilidade de o povo apresentar

Leia mais

PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO DIVISÃO DE FUNÇÕES ESTATAIS ORGANIZAÇÃO DOS PODERES ESTUDO DOS PODERES SEPARAÇÃO DE PODERES

PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO PODER LEGISLATIVO DIVISÃO DE FUNÇÕES ESTATAIS ORGANIZAÇÃO DOS PODERES ESTUDO DOS PODERES SEPARAÇÃO DE PODERES ORGANIZAÇÃO DOS PODERES SEPARAÇÃO DE PODERES ART. 2.º,, DA CF/88: São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo,, o Executivo e o Judiciário rio. FUNÇÕES LEGISLATIVA EXECUTIVA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

Decreto Lei. Vedações M.P.

Decreto Lei. Vedações M.P. Decreto Lei Antigamente existia a figura do decreto lei. Tinha como característica ser editada pelo chefe do executivo. Existia a figura do decurso de prazo, se não fosse aprovada em 30 dias virava lei.

Leia mais

Cotas para mulheres?

Cotas para mulheres? Cotas para mulheres? Direito: PEC propõe alterar a Constituição Federal para que, nas eleições para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas dos Estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e

Leia mais

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO Prof. Me. Edson Guedes 1. Introdução ao Direito 1.1 Origem do Direito: Conflitos humanos; Evitar a luta de todos contra todos; 1. Introdução ao Direito 1.2 Conceito de

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES PODER EXECUTIVO & PODER LEGISLATIVO

DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES PODER EXECUTIVO & PODER LEGISLATIVO DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES PODER EXECUTIVO & PODER LEGISLATIVO 1 PODER EXECUTIVO É a função estatal que envolve a prática de atos chefia do Estado, atos de Governo, além da condução da Administração Pública

Leia mais

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO -

Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! Como pensa o examinador em provas para a Magistratura do TJ-RS? MAPEAMENTO DAS PROVAS - DEMONSTRAÇÃO - Trabalho finalizado em julho/2015.

Leia mais

Direito Constitucional Momento TJ Emilly Albuquerque

Direito Constitucional Momento TJ Emilly Albuquerque Direito Constitucional Momento TJ Emilly Albuquerque DIREITO CONSTITUCIONAL CESPE MS 2013 No que se refere a direitos e garantias fundamentais; direitos sociais, políticos e de nacionalidade; e direitos

Leia mais

Sistemas de Controle das empresas estatais

Sistemas de Controle das empresas estatais Sistemas de Controle das empresas estatais Alexandre Luis Bragança Penteado Gerente Setorial do Jurídico Corporativo de Órgãos Externos da Petróleo Brasileiro S.A. - PETROBRAS Sistemas de controle do Estado

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PROFISSIONAL O presidente da República apresenta ao Congresso Nacional proposição legislativa que trata de criação, transformação em estado ou reintegração ao estado de origem

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª

PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª DEFINE O REGIME DE AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS E POPULAÇÕES NO PROCESSO LEGISLATIVO DE CRIAÇÃO, EXTINÇÃO, FUSÃO E MODIFICAÇÃO DE AUTARQUIAS

Leia mais

PODER LEGISLATIVO. Profa. Érica Rios

PODER LEGISLATIVO. Profa. Érica Rios PODER LEGISLATIVO Profa. Érica Rios erica.carvalho@ucsal.br FUNÇÕES DO P. LEGISLATIVO TÍPICAS: Legislar Fiscalizar as contas do P. Executivo ATÍPICAS: Administrar (ao prover cargos da sua estrutura ou

Leia mais

Senado Federal Secretaria-Geral da Mesa Atividade Legislativa - Tramitação de Matérias

Senado Federal Secretaria-Geral da Mesa Atividade Legislativa - Tramitação de Matérias Identificação da Matéria PROJETO DE LEI DO SENADO N º 369, DE 2008 Autor: SENADOR - Expedito Júnior Ementa: Veda a realização de concurso público exclusivo para a formação de cadastro de reserva. Assunto:

Leia mais

PARECER JURÍDICO AO PROJETO DE LEI Nº 777/2016

PARECER JURÍDICO AO PROJETO DE LEI Nº 777/2016 Excelentíssimo Sr. Presidente da Câmara de Vereadores do Município de Pouso Alegre, Minas Gerais, Pouso Alegre 12 de abril de 2016. PARECER JURÍDICO AO PROJETO DE LEI Nº 777/2016 Projeto de autoria do

Leia mais

ATUALIZADA ATÉ A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 (DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS)

ATUALIZADA ATÉ A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 (DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS) ATUALIZADA ATÉ A EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 72, DE 2 DE ABRIL DE 2013 (DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS) Inclui a ADIN nº 4.357, de 2 de abril de 2013, do Supremo Tribunal Federal, que declara inconstitucional

Leia mais

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências.

Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de governança da Internet no Brasil, e dá outras providências. Decreto Nº 4.829, de 3 de setembro de 2003 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a criação do Comitê Gestor da Internet no Brasil - CGI.br, sobre o modelo de

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 1.120, DE 2007

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 1.120, DE 2007 PROJETO DE LEI Nº 1.120, DE 2007 Autor: Deputado RODRIGO ROLLEMBERG : I RELATÓRIO Em exame o Projeto de Lei em epígrafe, de autoria do nobre Deputado RODRIGO ROLLEMBERG, que tem por objetivo dispor sobre

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO 01. Dentre os aspectos peculiares aos órgãos jurisdicionais trabalhistas no Brasil, não se encontra: I - Não existem Varas do Trabalho especializadas em determinadas matérias,

Leia mais

DIAP Quadro comparativo: PEC do GT da reforma política no Congresso Qua, 13 de Novembro de :43

DIAP Quadro comparativo: PEC do GT da reforma política no Congresso Qua, 13 de Novembro de :43 Departamento Intersindical de Assessoria Parlametar organiza uma tabela comparativa a partir da PEC aprovada pelo Grupo de Trabalho sobre Reforma Política na Camâra dos Deputados. O Grupo de Trabalho sobre

Leia mais

Simulado TRT Direito Constitucional Simulado 1 Emilly Albuquerque

Simulado TRT Direito Constitucional Simulado 1 Emilly Albuquerque Simulado TRT Direito Constitucional Simulado 1 Emilly Albuquerque 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONSTITUCIONAL TRT FCC TRT 16ª 2009 01. Considere: I. A Emenda

Leia mais

CONSELHO GERAL - REGIMENTO -

CONSELHO GERAL - REGIMENTO - CONSELHO GERAL - REGIMENTO - 2013-2017 Aprovado em reunião plenária de 30 de outubro de 2013 Preâmbulo O Regimento do Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Carcavelos tem por objetivo definir os

Leia mais

São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus

São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus representantes no governo por meio do sufrágio universal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO Art. 1º - O Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS NACIONAIS

REGIMENTO DOS CONSELHOS NACIONAIS Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português REGIMENTO DOS CONSELHOS NACIONAIS Aprovado pelo Conselho Permanente de 27 e 28 de Junho de 1992 e publicado na Flor de Lis de Novembro de 1992,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Fiscal da RECKITTPREV ( Regimento )

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE LEI Nº 6.971, DE 2006 (Apensados: PL nº 3.335/2012 e nº 3.451/2012)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA. PROJETO DE LEI Nº 6.971, DE 2006 (Apensados: PL nº 3.335/2012 e nº 3.451/2012) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.971, DE 2006 (Apensados: PL nº 3.335/2012 e nº 3.451/2012) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que Institui o Código

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo I Teoria da Constituição...1

SUMÁRIO. Capítulo I Teoria da Constituição...1 SUMÁRIO Capítulo I Teoria da Constituição...1 1. Constituição...1 1.1 Conceito...1 1.2. Classificação das Constituições...1 1.3. Interpretação das Normas Constitucionais...3 1.4. Preâmbulo Constitucional...5

Leia mais

Anuário Legislativo 2014

Anuário Legislativo 2014 Diretor: José Francisco Jesus Pantoja Pereira Gerente de Relações Institucionais: Sheila Tussi da Cunha Barbosa Analista de Relações Institucionais: Cláudia Fernanda Silva Almeida e Renan Bonilha Klein

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DA COMENDA DA ORDEM DO MÉRITO DO RADIOAMADOR CAPITULO I DOS FINS

REGULAMENTO DA COMENDA DA ORDEM DO MÉRITO DO RADIOAMADOR CAPITULO I DOS FINS 1 REGULAMENTO DA COMENDA DA ORDEM DO MÉRITO DO RADIOAMADOR CAPITULO I DOS FINS Art 1º A Comenda da Ordem do Mérito do Radioamador, criada pela resolução nº 9, de 27 de setembro de 1975, do Conselho Federal,

Leia mais

Mapa comparativo I - Estrutura da Agenda Parlamentar

Mapa comparativo I - Estrutura da Agenda Parlamentar Alemanha (Bundestag) Cada sessão dura um ano com início em meados de Janeiro e fim em meados de Dezembro. Interrompe para férias, sendo que o maior período de interrupção ocorre nas férias de Verão (aproximadamente

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ESQUEMATIZADO: ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA ADMINISTRATIVA DE ACORDO COM O EDITAL N 1, DE 24 DE NOVEMBRO DE 201, DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO, TRE-SP CONHECIMENTOS BÁSICOS

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica...

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Compreensão e interpretação de textos Tipologia textual Ortografia oficial Acentuação gráfica... Língua Portuguesa Compreensão e interpretação de textos... 3 Tipologia textual... 6 Ortografia oficial... 21 Acentuação gráfica... 30 Emprego das classes de palavras... 33 Emprego/correlação de tempos

Leia mais

DARIO CÉSAR BARBOSA

DARIO CÉSAR BARBOSA DARIO CÉSAR BARBOSA dariobarbosa@bol.com.br RESPONSABILIDADE NA GESTÃO FISCAL? O ADMINISTRADOR PÚBLICO QUE ATUA DE ACORDO COM O MODELO DE RESPONSABILIDADE NA GESTÃO FISCAL É AQUELE QUE SE EMPENHA NA PRESERVAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a participação popular no processo de escolha dos administradores regionais e a constituição dos Conselhos de Representantes Comunitários

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015.

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. Altera o Regimento Interno da Comissão Especial de Acompanhamento e Fiscalização dos Programas de Bolsas da Secretaria de Estado da Educação de Santa

Leia mais

PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88)

PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88) PODER EXECUTIVO PODER EXECUTIVO (art. 76 a 91, CRFB/88) Sistema de Governo Presidencialista Junção das funções de Chefe de Estado e Chefe de Governo É exercido, no âmbito federal, desde 1891, pelo Presidente

Leia mais

PEC 241/2016: PERGUNTAS E RESPOSTAS

PEC 241/2016: PERGUNTAS E RESPOSTAS PEC 241/2016: PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Por que é importante saber mais sobre a PEC 241/2016? O primeiro aspecto a destacar é que a Proposta de Emenda Constitucional n. 241/2016, que institui o Novo Regime

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CICLO ORÇAMENTÁRIO Atualizado até 13/10/2015 CICLO ORÇAMENTÁRIO O ciclo orçamentário é um processo contínuo, dinâmico e flexível, por meio do qual se elabora/planeja,

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DO PODER LEGISLATIVO. Do Poder Legislativo. Do Poder Legislativo. Do Poder Legislativo. Do Poder Legislativo

DIREITO CONSTITUCIONAL DO PODER LEGISLATIVO. Do Poder Legislativo. Do Poder Legislativo. Do Poder Legislativo. Do Poder Legislativo DIREITO CONSTITUCIONAL DO PODER PROF. EDUARDO TANAKA PROF. EDUARDO TANAKA 1 2 Senado Federal Congresso Nacional Câmara dos Deputados Art. 44 O Poder Legislativo é exercido pelo Congresso Nacional, que

Leia mais

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe.

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe. Orçamento Público CF/88 (CESPE SAD/PE Analista de Controle Interno Especialidade: Finanças Públicas/2010) - A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados

Leia mais

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Minuta de 18.04.2004 Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão do GRUPO NEOENERGIA, o qual é constituído pela NEOENERGIA S.A. e por suas

Leia mais

REGULAMENTO DO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO A Lei n.º 33/98 de 18 de Julho institui os Conselhos Municipais de Segurança, os quais deverão ser criados no âmbito dos Municípios

Leia mais

001. A representação de cada um dos Estados e do DF, no Senado Federal, será renovada

001. A representação de cada um dos Estados e do DF, no Senado Federal, será renovada SELECIONADAS POR ANDRÉ VIEIRA 001. A representação de cada um dos Estados e do DF, no Senado Federal, será renovada de a) quatro em quatro anos, sucessivamente, por dois e um terço. b) quatro em quatro

Leia mais

E mail: face: wwwfacebook.com/prof.fabioramos 1

E mail: face: wwwfacebook.com/prof.fabioramos 1 Art. 48. Cabe ao Congresso Nacional, com a sanção do Presidente da República, não exigida esta para o especificado nos arts. 49, 51 e 52, dispor sobre todas as matérias de competência da União, especialmente

Leia mais

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna Competências da Assembleia A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna ex.: elaboração do regimento; comissões ou grupos de

Leia mais

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade

Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Prof. Dr. Vander Ferreira de Andrade Poder Legislativo Estadual Unicameralismo Assembleia Legislativa Deputados Estaduais: Prerrogativas Poder Legislativo Municipal Unicameralismo Câmara dos Vereadores

Leia mais

O que é orçamento público?

O que é orçamento público? O que é orçamento público? É a previsão de arrecadação de receitas e a fixação de despesas para um período determinado. É computar, avaliar, calcular a previsão da arrecadação de tributos e o gasto de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prefeitura do Campus USP de Ribeirão Preto Gabinete do Prefeito

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Prefeitura do Campus USP de Ribeirão Preto Gabinete do Prefeito REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE DA PREFEITURA DO CAMPUS USP DE RIBEIRÃO PRETO DA FINALIDADE Artigo 1º - A Comissão de Meio Ambiente tem por finalidade: I - Apresentar o Plano de Manejo da

Leia mais

PROF. RAUL DE MELLO FRANCO JR. UNIARA

PROF. RAUL DE MELLO FRANCO JR. UNIARA PROF. RAUL DE MELLO FRANCO JR. UNIARA Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade

Leia mais

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O O QUE É? O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.º ciclos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O controle externo da Administração Pública Guilherme de Abreu e Silva* 1. Introdução Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir os mecanismos e instituições que são importantes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS.

CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA RESOLUÇÃO Nº 1, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Biossegurança - CNBS. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE BIOSSEGURANÇA -

Leia mais

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira Regimento do Conselho de Ilha da Terceira ARTIGO 1º COMPOSIÇÃO O conselho de Ilha da Terceira é composto por: a) Os Presidentes das Assembleias Municipais de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória: b) Os

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE ELEIÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE ELEIÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DE ELEIÇÃO A Comissão Eleitoral, nos termos do Estatuto Social da EnAção Consultoria Jr, associação civil de CNPJ nº 18.704.811/0001-39, do Capítulo II

Leia mais

PEC 241/2016. Fórum Catarinense em Defesa do Serviço Público Elaborado por Luciano W Véras em 28/06/16

PEC 241/2016. Fórum Catarinense em Defesa do Serviço Público Elaborado por Luciano W Véras em 28/06/16 Fórum Catarinense em Defesa do Serviço Público Elaborado por Luciano W Véras em 28/06/16 O que é? Proposta de Emenda a Constituição encaminhada por TEMER em 15/06/16 para a Câmara dos Deputados. Do que

Leia mais

Assembleia Municipal de Fronteira. Reunião Ordinária de 29 de abril de 2016

Assembleia Municipal de Fronteira. Reunião Ordinária de 29 de abril de 2016 Assembleia Municipal de Fronteira Fl. 33 Reunião Ordinária de 29 de abril de 2016 ------------------------------------------ ATA Nº. 2/2016 ----------------------------------------- ---Aos vinte e nove

Leia mais

Art. 1.º - As sessões das assembléias convencionais serão abertas pelo Presidente ou por seu substituto legal.

Art. 1.º - As sessões das assembléias convencionais serão abertas pelo Presidente ou por seu substituto legal. CAPÍTULO I - DAS SESSÕES Art. 1.º - As sessões das assembléias convencionais serão abertas pelo Presidente ou por seu substituto legal. Art. 2.º - Na primeira sessão de cada assembléia, deverá ser submetido

Leia mais

PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇA O NO CONGRESSO NACIONAL

PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇA O NO CONGRESSO NACIONAL PROJETOS DE LEI EM TRAMITAÇA O NO CONGRESSO NACIONAL PRIORIDADES DO CREA SC ABRIL 2015 01) PL 7607/2010 (Senado:PLC 13/2013): Acrescenta paragrafo único ao art. 1º da Lei nº 5194/66, caracterizando como

Leia mais

Continuando o conteúdo que vimos no início da semana 3, vamos estudar a medida provisória e as leis de iniciativa popular.

Continuando o conteúdo que vimos no início da semana 3, vamos estudar a medida provisória e as leis de iniciativa popular. 1 Continuando o conteúdo que vimos no início da semana 3, vamos estudar a medida provisória e as leis de iniciativa popular. Medidas provisórias A justificativa para a existência da medida provisória,

Leia mais

CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E COMPETÊNCIA Artigo 1º - O Conselho Universitário é constituído conforme preceitua o art. 6º do Estatuto do Centro Universitário Fundação Santo André. Artigo 2º - A eleição dos

Leia mais

NOTA TÉCNICA ADPF n. 001/2015 Proposição Ementa Explicação da Ementa Autoria Relator Art. 1º

NOTA TÉCNICA ADPF n. 001/2015 Proposição Ementa Explicação da Ementa Autoria Relator Art. 1º NOTA TÉCNICA ADPF n. 001/2015 Ref. Proc. nº 5236/13 Proposição: PEC 412/2009 Ementa: Altera o 1º do art. 144 da Constituição Federal, dispondo sobre a organização da Polícia Federal. Explicação da Ementa:

Leia mais

Edital de Convocação das Eleições do CAAR e da Representação Discente da Faculdade de Direito UFRGS

Edital de Convocação das Eleições do CAAR e da Representação Discente da Faculdade de Direito UFRGS Edital de Convocação das Eleições do CAAR e da Representação Discente da Faculdade de Direito UFRGS EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÕES A PRESIDENTE DO CAAR, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. ANO. 2013 DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO I. Finanças Públicas na Constituição Federal... 02 II. Orçamento... 04 III. Despesa Pública... 39 IV. Lei de Responsabilidade Fiscal... 48 V. Receita Pública... 50 VI. Dívida Ativa da

Leia mais

Aula 8/16 ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO. Prof. Wallace C. Seifert Concurso para RFB

Aula 8/16 ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO. Prof. Wallace C. Seifert Concurso para RFB ORGANIZAÇÃO DO ESTADO BRASILEIRO Aula 8/16 Prof. Wallace C. Seifert Concurso para RFB INTRODUÇÃO Slide # 2 FORMA DE ESTADO (Art. 1º) Federação união indissolúvel Impossibilidade de secessão Composição

Leia mais

Nº da proposição 00048/2016

Nº da proposição 00048/2016 Nº da proposição 00048/2016 Data de autuação 10/05/2016 Assunto principal: PROPOSIÇÕES Assunto: MENSAGENS Autor: TRIBUNAL DE JUSTIÇA Ementa: ORIUNDO DA MENSAGEM N.º 02 - DISPÕE SOBRE A COMPOSIÇÃO DAS TURMAS

Leia mais

Noções de Direito Constitucional - Conhecendo a Constituição Federal de Parte 1 -

Noções de Direito Constitucional - Conhecendo a Constituição Federal de Parte 1 - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Noções de Direito Constitucional - Conhecendo a Constituição Federal de 1988 - Parte 1 - Objetivo: - Conhecer a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CRFB/88);

Leia mais

- Considerando que o MPOG em sua proposta entregue aos Auditores-Fiscais confirma o reajuste quadrienal do subsídio, mantendo a paridade;

- Considerando que o MPOG em sua proposta entregue aos Auditores-Fiscais confirma o reajuste quadrienal do subsídio, mantendo a paridade; Proposta: A apresentação da tabela de remuneratória abaixo, como contraproposta da questão remuneratória, se houver rejeição pela categoria de Auditores-Fiscais da proposta remuneratória apresentada pelo

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA

FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA FÓRUM ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO-FEDHMA REGULAMENTO DO PROCESSO DE ESCOLHA DOS REPRESENTANTES DA SOCIEDADE CIVIL NO CONSELHO ESTADUAL DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS DO MARANHÃO O Fórum Estadual

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

REGULAMENTO: II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN

REGULAMENTO: II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN 1 REGULAMENTO: II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN CRP-17/RN 2013 1 REGULAMENTO DO II CONGRESSO REGIONAL DA PSICOLOGIA II COREP-RN - CRP-17/RN 2 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - São objetivos

Leia mais

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril Maio de 2008 Disposições transitórias e finais (Cap. VIII) [artigos 60º-72º] Disposições transitórias Conselho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

Relatório da discussão e votação na especialidade

Relatório da discussão e votação na especialidade Proposta de Lei nº 32/III (3ª) Lei dos Sucos Relatório da discussão e votação na especialidade I. Introdução A PPL nº 32/III (3ª) foi submetida à Comissão A para discussão e votação na especialidade na

Leia mais