ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4"

Transcrição

1 ATIVIDADE 1 ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 1.1 História Apesar de este livro ter um enfoque prático, com atividades no estilo mão na massa em todas as atividades que veremos a seguir torna-se necessário, em primeiro lugar, entender o problema da escassez de endereços IP na Internet e como a nova versão do protocolo IP é capaz de resolver este problema. Nova versão é um modo de dizer, pois há mais de 10 anos tenho lido e ouvido a respeito do fim dos blocos IPv4 disponíveis e da necessidade da adoção do IPv6 em caráter de urgência. Alguns autores, inclusive, trouxeram previsões IPocalípticas segundo as quais os endereços IPv4 já teriam acabado em 2005 ou 2006 (o que talvez pudesse ter ocorrido não fossem os altos e baixos da economia mundial nos últimos anos). O fato é que a Internet originalmente não foi concebida para ter o uso comercial que temos hoje. O projeto militar conhecido como ARPANET deu origem a tudo em plena Guerra Fria, em que o objetivo era criar uma rede mundial de comunicação na qual não existisse um nó central, e que fosse semelhante a uma imensa teia de aranha onde cada nó pudesse se comunicar com 15

2 ATIVIDADE 1. ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 Figura 1.1: As origens da Internet apenas quatro nós inicialmente conectados. qualquer outro nó por vários caminhos alternativos. Destruído um nó, os outros manteriam contato sem nenhum problema. Nos anos que se seguiram, o backbone (rede central de transporte) do que futuramente seria conhecido por Internet se desenvolveu nas grandes universidades norte-americanas. Foi uma época romântica em que não havia grandes preocupações com segurança nem com a escalonabilidade da Rede Mundial, pois havia poucos nós conectados entre si e a maior parte do tráfego era conversa entre doutores discutindo assuntos acadêmicos. Não se imaginava que a Internet ganharia as proporções a que chegou nas décadas seguintes. O protocolo TCP/IP só foi adotado em Um endereço com 32 bits e mais de 4 bilhões de endereços possíveis parecia quase 16

3 1.1. HISTÓRIA infinito na época, mas já no inicio dos anos 1990 começaram os estudos sobre o esgotamento dos endereços IPv4. A grande explosão comercial da Internet ocorreu, principalmente para nós aqui do Brasil, na segunda metade dos anos 1990 e, se não fosse por uma série de soluções paliativas como a separação de endereços públicos e privados (RFC 1918), o uso do NAT para poupar os endereços internos das redes locais, e o DHCP para fornecer IPs dinâmicos durante um determinado período, os blocos de endereço IPv4 já teriam se esgotado há algum tempo Quais as causas do esgotamento do IPv4? Em primeiro lugar, a divisão dos blocos de endereço IP nunca foi igualitária. Metade dos endereços disponíveis foram destinados aos EUA, onde o backbone da Internet foi criado e a outra metade restante dos endereços foi rateada entre os demais países. Como não havia uma preocupação inicial com a escassez de endereços, algumas empresas adquiriram um bloco /8 apenas para si (o equivalente a cerca de 16 milhões de endereços IP). As regras para a aquisição dos blocos de endereço tornaram-se mais rígidas com o passar do tempo, mas as primeiras alocações permaneceram e as instituições que detém estes blocos hoje não tem a menor intenção de devolvê-los, principalmente agora que a escassez de endereços chegou ao seu auge. Entretanto, mesmo que houvesse uma redistribuição mais igualitária dos endereços IPv4, o problema da escassez ainda não seria resolvido. Vamos aos números: Apenas 1/3 da humanidade tem acesso à Internet. Dois terços da população mundial ainda estão à espera da inclusão digital. Aqueles que têm acesso a Internet tendem a consumir muito mais do que um único endereço IP. A Internet vive de fases. Na primeira onda, a Rede Mundial conectava apenas computadores entre si. Hoje vivemos uma segunda fase em que a Internet conecta pessoas e as redes sociais estão cada vez mais presentes 17

4 ATIVIDADE 1. ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 no dia-a-dia das pessoas comuns. A terceira onda da Internet, a chamada Internet das Coisas, permitirá integrar casas, computadores, eletrodomésticos, enfim: todos os eletroeletrônicos que nos cercam na vida moderna poderão se interconectar e interagir, necessitando de endereços IP para que essa comunicação se realize. Para dar conta deste crescimento assustador da Rede Mundial previsto para os próximos anos, surge o endereçamento IPv6, que é uma nova versão do antigo (mas ainda em uso) IPv4. Para termos uma ideia da grandiosidade de endereços possíveis com esta nova versão do protocolo IP, vamos compará-lo ao IPv4: Um endereço IPv4 é formado por 32 bits, onde: 232 = combinações (cerca de 4 bilhões de endereços possíveis). Um endereço IPv6 é formado por 128 bits: 2128 = combinações (cerca de 340 undecilhões de endereços possíveis). Esta fartura de endereços permite uma mudança radical na forma da atribuição e gerenciamento do plano de endereçamento IP. Até agora, todas as gerações de administradores de redes foram condicionados a terem dó dos endereços IP, ou seja, planejar a atribuição de endereços com base no número de usuários e deixando pouca sobra em cada bloco. Eu comparo a situação dos profissionais de redes de hoje com a dos programadores de uns 20 anos atrás que se viravam com poucos Kilobytes de memória para fazer seus programa serem executados, pois a memória era muito cara e difícil de obter. No futuro, cada usuário poderá receber um bloco de endereços em sua casa maior do que todo o bloco de endereços IPs válidos exixtentes em toda a Internet hoje. Quando se faz o plano de endereçamento IPv6, leva-se em conta quantas redes IP serão entregues ao usuário final e em vez de quantos endereços, justamente prevendo que, na era da Internet 18

5 1.1. HISTÓRIA Figura 1.2: Escritórios regionais da IANA. das Coisas, os usuários terão novos serviços, novas necessidades e muitas redes IPs diferentes e independentes para usar. Essa é a maior mudança de mentalidade relacionada à adoção do IPv6 que abordaremos em vários pontos deste livro Quem aloca blocos IP? A Internet seguiu seu curso sob a direção das agências do Departamento de Defesa dos EUA até que, em 1987, o governo americano criou a IANA Internet Assigned Number Authority que, sob a direção de Jon Postel ( ), passou a controlar a atribuição de IPs e de nomes de domínio em todo o mundo. A IANA dividiu o mundo em cinco regiões e, para cada uma delas, designou um RIR, um escritório regional para cuidar da alocação de endereços IP conforme se vê na figura 1.2. Para cada escritório regional, a IANA delegou uma porção de endereços IPv4 para que esses escritórios controlassem a distribuição entre os sistemas autônomos de sua região. Quando os estoques de uma das cinco localidades ficava próxima do esgotamento, um novo bloco de endereços era designado para aquela parte do mundo, vindo do estoque central da IANA. 19

6 ATIVIDADE 1. ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 Em 2011 esse estoque central esgotou-se completamente. Agora, cada RIR deve contar apenas com seus estoques locais remanescentes. Isto quer dizer que os endereços IPv4 irão acabar em diferentes momentos em cada parte do globo. A primeira região a ter seus estoques de IPv4 exauridos será a Ásia, controlada pela APNIC Asia-Pacific Network Information Centre. Nesta região, as políticas de alocação de endereços já estão bem mais rígidas: apenas novas empresas que ainda não possuem IP podem adquirir blocos IPv4, e mesmo assim em uma quantidade menor do que antes. Os estoques do LACNIC Latin American and Caribbean Internet Addresses Registry correspondentes à região da América Latina e Caribe, provavelmente se esgotarão entre 1 ou 2 anos, não mais do que isso. É importante que os provedores de acesso e demais empresas envolvidas com a infraestrutura da Internet no Brasil estejam preparados para enfrentar o fim dos endereços IPv4 disponíveis e sejam capazes de implementar o IPv6 em suas redes, de modo a garantir o crescimento da Rede Mundial de forma sustentável em cada região Como anda a adoção do IPv6? Originalmente imaginava-se que, com a criação do novo protocolo de Internet, a adoção do IPv6 se daria de forma gradual e contínua e que, em um prazo de 10 anos, o IPv6 se tornaria uma realidade para a esmagadora maioria das empresas, acompanhando o ritmo de crescimento da própria Internet, conforme pode ser visto na figura 1.4. Entretanto, essa previsão não se concretizou. A Internet cresceu mais de 400% neste período talvez até mais do que se tenha imaginado, e ainda estamos engatinhando na implementação de redes IPv6 na Internet. Para se ter uma idéia da disparidade na utilização desses dois protocolos de rede, enquanto a Internet mudial conta com aprox- 20

7 1.1. HISTÓRIA Figura 1.3: Os estoques da IANA chegarão ao fim em pouco tempo e não haverá mais endereços IPv4 disponíveis para a América Latina. Figura 1.4: Previsão inicial da adoção do IPv6. 21

8 ATIVIDADE 1. ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 Figura 1.5: Previsão atual. imadamente rotas IPv4, temos apenas rotas IPv6 anunciadas Por que isso ocorreu? Há diversas razões de natureza técnica e comercial que explicam este fato. Talvez a razão mais forte para que o processo de implantação do IPv6 na rede mundial tenha andado a passos de tartaruga nos últimos anos esteja no fato de que migrar para o novo protocolo não traz nenhum benefício a curto prazo, e representa um custo de mão-de-obra e atualização de infraestrutura que as empresas procuraram até hoje adiar ao máximo. Provedores vendem acesso à Internet. Para o usuário final, não importa se a conectividade que lhe é oferecida é feita através de IPv4 ou IPv6, pois o que ele quer mesmo é continuar a usar os seus serviços como fez até hoje. O grande problema é que não há mais como adiar a implantação do IPv6. O esgotamento do plano de endereçamento atual é um fato, não mais uma hipótese remota. Se os provedores de Internet 22

9 1.1. HISTÓRIA não se preocuparem em adaptar suas redes agora, poderão gastar muito mais no futuro e ainda correm o risco de não estarem prontos para competir com rivais que se anteciparam ao processo de transição Vamos desligar o IPv4? O fato é que as redes IPv4 e IPv6 ainda coexistirão durante um bom tempo. A infraestrutura da Internet ainda é predominantemente IPv4 e demorará alguns anos para que toda a rede mundial tenha suporte para o novo protocolo. Não existe uma data limite, não há um órgão com poder para determinar a imposição do novo protocolo e, mesmo que você consiga criar uma rede puramente IPv6, certamente deixaria de acessar uma parte significativa da Internet que ainda está implementada somente no protocolo IPv4. A solução é suportar as duas pilhas de protocolo, o que é chamado de Dual Stack (pilha dupla), de forma que as máquinas consigam acessar tanto os endereços do mundo IPv4 como do mundo IPv6, falando ao mesmo tempo com os dois protocolos Oportunidades e desafios Implementar o IPv6 e fazê-lo coexistir com o IPv4 requer mãode-obra especializada que ainda não está formada. A partir de agora teremos duas redes em paralelo, e o fato de a rede IPv4 estar funcionando corretamente não significa que a rede IPv6 também estará, e vice-versa. Haverá um mercado enorme e com muitas possibilidades e desafios nos próximos anos. A demanda por especialistas em IPv6 só aumentará, à medida que a exaustão de endereços IPv4 se tornar mais aguda. Procurar entender o funcionamento do protocolo IPv6, como configurá-lo e implementá-lo é o grande desafio lançado aos leitores deste livro. 23

10 ATIVIDADE 1. ESCASSEZ DE ENDEREÇOS IPV4 1.2 Resumo da Atividade Nesta atividade foram apresentadas as razões pelas quais o protocolo IPv4 deve dar lugar ao IPv6 e quais as origens da escassez de endereços atualmente. Outros pontos de destaque foram a necessidade de as empresas investirem no processo de migração e na formação de mão-de-obra qualificada para atuar na implantação da nova versão do protocolo da Internet. 24

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

Introdução ao IPv6. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Introdução ao IPv6. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Introdução ao IPv6 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br Breve Introdução ao IPv6 Sobre

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - I I 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 2. ENDEREÇOS IP... 3 3. ANALISANDO ENDEREÇOS IPV4... 4 4. MÁSCARA DE SUB-REDE... 5 5. IP ESTÁTICO E

Leia mais

IPv6: a próxima geração de IPs na Internet!

IPv6: a próxima geração de IPs na Internet! IPv6: a próxima geração de IPs na Internet! Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br CONIP 14 o. Congresso de Inovação da Gestão Pública Governança da informação backoffice 05 de Junho de 2008 São Paulo - SP

Leia mais

Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos

Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos Transição IPv4 è IPv6: Desafios e Riscos Cristine Hoepers cristine@cert.br! Apresentação desenvolvida em conjunto com a equipe do CEPTRO.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança

Leia mais

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M.

Ipv6. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília. Campus Taguatinga. PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. Instituto Federal de Educação e Tecnologia de Brasília Campus Taguatinga Matéria: REDES Professor: Frederico PROFESSOR: Bruno Pontes ALUNAS: Clésia da Silva Rosane M. da Silva Ipv6 Taguatinga-DF 2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP

Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP Ciência da Computação / Sistemas de Informação Redes de Computadores Escalonamento de Endereço IP NAT e DHCP 2009, Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Profª Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Escalonamento

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

The next generation. João Eriberto Mota Filho. Vitória da Conquista, BA, 05 set. 2013

The next generation. João Eriberto Mota Filho. Vitória da Conquista, BA, 05 set. 2013 The next generation Internet... João Eriberto Mota Filho Vitória da Conquista, BA, 05 set. 2013 Sumário História do IP A extinção do IPv4 A salvação IPv6 O que muda no IPv6? Comparação IPv4 / IPv6 Alguns

Leia mais

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014

Disciplina Fundamentos de Redes. Introdução ao Endereço IP. Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 Disciplina Fundamentos de Redes Introdução ao Endereço IP 1 Professor Airton Ribeiro de Sousa Outubro de 2014 PROTOCOLO TCP - ARQUITETURA Inicialmente para abordamos o tema Endereço IP, é necessário abordar

Leia mais

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing EndereçamentoIP Conteúdo Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing Endereçamento IP Serviço de Comunicação Universal Um sistema de comunicação

Leia mais

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução

Conceitos sobre TCP/IP. Endereços IP (Internet Protocol) Introdução Conceitos sobre TCP/IP Endereços IP (Internet Protocol) Introdução O uso de computadores em rede e, claro, a internet, requer que cada máquina tenha um identificador que a diferencie das demais. Para isso,

Leia mais

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6

Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Esgotamento dos blocos IPv4 e o Protocolo IPv6 Oripide Cilento Filho oripide@nic.br SET 2008 Agenda Apresentação do CGI.br e do NIC.br A Internet e o Protocolo Internet ( IP ) Necessidade de uma nova versão

Leia mais

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP.

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP. 1 PROTOCOLO IP O IP é o protocolo mais importante na Internet. Ele é quem define as regras através das quais as informações fluem na rede mundial. Uma das principais regras diz que: Cada computador deve

Leia mais

As limitações da actual versão IPv4

As limitações da actual versão IPv4 A Emergência do na Administração Pública: Enquadramento da transição Mário de Almeida ISOC P As limitações da actual versão A que hoje conhecemos tem vindo a ser suportada no sucesso da Versão 4 do Protocolo

Leia mais

IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas

IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas IPv6 nas redes de sensores o 6LoWPAN e a Internet das coisas Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O CGI.br e o NIC.br O LAA Redes ubíquas e a Internet das coisas Breve Introdução

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet Projetos do CGI.br e NIC.br

Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet Projetos do CGI.br e NIC.br Alguns dos Desafios para a Infraestrutura de Internet no Brasil e os Projetos do CGI.br e NIC.br 24 de Julho de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O que são o CGI.br e o NIC.br? Desafios da

Leia mais

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS

ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS REDES PARA TODOS ENDEREÇO CLASSFULL E CLASSLESS rffelix70@yahoo.com.br Endereço IP classful Quando a ARPANET foi autorizada em 1969, ninguém pensou que a Internet nasceria desse humilde projeto inicial

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 18

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 18 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 18 Índice 1. TCP/IP...3 2. Bibliografia básica...5 3. Bibliografia complementar...6 2 1. TCP/IP O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é

Leia mais

manutenção e configuração de redes

manutenção e configuração de redes manutenção e configuração de prof. Mateus Pelloso Conteúdo Endereçamento IP Classes cheias Máscara de rede Como o roteador envia/recebe pacotes? CIDR Endereços especiais Como adquirir um range de endereços

Leia mais

Endereçamento IP Roteamento Internet. Ricardo Patara NIC.BR

Endereçamento IP Roteamento Internet. Ricardo Patara NIC.BR Endereçamento IP Roteamento Internet Ricardo Patara NIC.BR Introdução Visão geral de funcionamento da Internet Usuário e sua conexão Provedor de acesso, provedor de provedor Interconexão Distribuição de

Leia mais

Título da Proposta: Modificação 2.3.3- Alocação e designação inicial de endereços IPv4

Título da Proposta: Modificação 2.3.3- Alocação e designação inicial de endereços IPv4 DADOS DO AUTOR: Nome: ALEJANDRO GUZMAN GIRALDO Organização: INTERNEXA Nome: ALEJANDRO ACOSTA Organização: BT DADOS da PROPOSTA: Título da Proposta: Modificação 2.3.3- Alocação e designação inicial de endereços

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo Status e Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo Status e Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Status e Desafios 26.11.2014 1 01 Endereçamento IPv4 Alocação na Vivo A Vivo possui amplo portfólio de serviços baseados em IP, tanto para usuários domésticos quanto corporativos.

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo IP

Redes de Computadores. Protocolo IP Redes de Computadores Protocolo IP Sumário! Endereços IP Classes de endereços Tipos de endereços Endereços especiais Máscaras Redes privadas Endereçamento IP dinâmico 2 Esquema de endereçamento IPv4! Endereços

Leia mais

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122

TCP-IP - Introdução. Aula 02. Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 TCP-IP - Introdução Aula 02 Professor Sérgio Teixeira E-mail: sergio.professor@multicast.com.br Telefone: (27) 9989-1122 História 1969 - Advanced Research Project Agency (ARPA) financia a pesquisa e o

Leia mais

Eduardo Ascenço Reis < eduardo@intron.com.br> Frederico A C Neves < fneves@registro.br>

Eduardo Ascenço Reis < eduardo@intron.com.br> Frederico A C Neves < fneves@registro.br> Migrando para um AS Introdução Eduardo Ascenço Reis < eduardo@intron.com.br> Frederico A C Neves < fneves@registro.br> GTER20 Migrando para um AS IntroduçãoEduardo Ascenço Reis e Frederico Neves 2005-12-

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir

Fundamentos de Redes de Computadores. IPv6. Prof. Claudemir Fundamentos de Redes de Computadores IPv6 Prof. Claudemir Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 Implantação do IPv6 RIR Regional Internet Registries (Registrador Regional de Internet)

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Gerenciamento do espaço de endereçamento IPv6 com Software Livre

Gerenciamento do espaço de endereçamento IPv6 com Software Livre Gerenciamento do espaço de endereçamento IPv6 com Software Livre Emanuel Paul Filho - PoP-PR/RNP Pedro Rodrigues Torres Jr. - PoP-PR/RNP 15 de maio de 2010 Roteiro Introdução Endereçamento Espaço de endereçamento

Leia mais

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Por Carlos E. Morimoto em 26 de setembro de 2007 às 09h16 Introdução O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é ele que permite

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Arquitetura Internet (TCP/IP)

Arquitetura Internet (TCP/IP) Instituto Federal do Pará - IFPA Ricardo José Cabeça de Souza ricardo.souza@ifpa.edu.br 2010 TCP/IP ENDEREÇAMENTO IP O roteamento dos datagramas através das subredes são feitos baseados no seu endereço

Leia mais

O que é a Internet e como ela funciona?

O que é a Internet e como ela funciona? IPv6: Introdução O que é a Internet e como ela funciona? Como o usuário vê a Internet Camadas Física e Lógica Aplicações na Internet web e-mail vídeos troca de arquivos http ftp smtp pop imap sip tcp udp

Leia mais

Implementação do IPv6 na rede interna da Libertas Faculdades Integradas RESUMO

Implementação do IPv6 na rede interna da Libertas Faculdades Integradas RESUMO Implementação do IPv6 na rede interna da Libertas Faculdades Integradas Guilherme Luiz Ferreira Graduando em Sistemas de Informação Dorival Moreira Machado Junior Mestre em Tecnologias da Inteligência

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução

Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução Cleber Martim de Alexandre Eduardo Ascenco Reis GTER28 20091204 GTER28 Sistemas Autônomos (AS) Brasileiros Introdução

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

INFORME. 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR.

INFORME. 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR. INFORME NÚMERO E ORIGEM: 6/2014 ORCN/SOR DATA: 31/03/2014 1. INTERESSADO Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR. 2. INTERESSADO Fabricantes de equipamentos para telecomunicações, concessionárias

Leia mais

Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6

Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6 2010 Guia do TCP/IP Entendendo o IPv4 e IPv6 3ª Edição Daniel Donda Mcsesolution.com 01/10/2010 Sumário O IPv4... 2 Sobre este documento... 2 Um pouco da história do IP... 2 O Endereçamento IP... 3 Controle

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo. Status e Principais Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo. Status e Principais Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Status e Principais Desafios 01 Endereçamento IPv4 Alocação na Vivo A Vivo possui amplo portfólio de serviços baseados em IP, tanto para usuários domésticos quanto corporativos.

Leia mais

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002

26/2/2014. Numero de Web Sites no mundo. 1993 1996 1999 Agosto/2002 História da Internet? No final dos anos 50, os EUA formaram uma instituição de investigação, a qual designaram por ARPA (Advanced Research Projec Agency). O objectivo desta instituição, parte integrante

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes

Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes 1 Aula 5 Cálculo de máscara e de subredes 5.1 Conceitos Quando um host se comunica com outro usa o endereço de enlace dele. Os endereços de hardware das placas de rede, ou MAC Address, são constituídos

Leia mais

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores

ALGUNS CONCEITOS. Rede de Computadores ALGUNS CONCEITOS Rede de Computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 OBJETIVO 1. Compartilhar recursos computacionais disponíveis sem considerar a localização física

Leia mais

Técnicas de Transição em 45 minutos

Técnicas de Transição em 45 minutos Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição em 45 minutos Agenda Introdução Classificação das Técnicas Pilha Dupla DS-Lite e DS-Lite + A+P 6rd 6PE e 6VPE NAT64 e DNS64 464XLAT IVI, divi e divi-pd Considerações

Leia mais

Implementação do IPv6 na Vivo Estratégia, Status e Desafios

Implementação do IPv6 na Vivo Estratégia, Status e Desafios Implementação do IPv6 na Vivo Estratégia, Status e Desafios 09.12.2015 1 103,3MM Clientes Vivo e GVT juntas a partir de 2015 Em 2015, a Vivo adquiriu a GVT, consolidando o maior grupo de telecomunicações

Leia mais

TCP/IP O guia definitivo para cálculos

TCP/IP O guia definitivo para cálculos ENTENDENDO O CÁLCULO DE SUB-REDES IP por Eduardo Parise Para que seja possível a comunicação entre máquinas em uma mesma rede é necessário que cada uma possua um endereço IP exclusivo naquela rede. Um

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

O Impacto do VoIP na Internet

O Impacto do VoIP na Internet O Impacto do VoIP na Internet Edison de Queiroz Albuquerque UNIBRATEC PE Recife PE albuquerque@ieee.org RESUMO Este trabalho faz uma reflexão sobre o impacto que a Telefonia sobre IP vai provocar na Internet

Leia mais

O QUE É O ENDEREÇO IP

O QUE É O ENDEREÇO IP O QUE É O ENDEREÇO IP O uso de computadores em rede, tal como a internet, requer que cada máquina possua um identificador que a diferencie das demais. É necessário que cada computador tenha um endereço,

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6

IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6 IPv6@ESTG-Leiria Mecanismos de transição IPv6 Luís Diogo, Óscar Brilha, Nuno Veiga Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria Instituto Politécnico de Leiria Morro da Lena Alto Vieiro 2401-951 Leiria

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

POLÍTICAS DE ATRIBUIÇÃO DE BLOCOS DE ENDEREÇAMENTO IPv4.

POLÍTICAS DE ATRIBUIÇÃO DE BLOCOS DE ENDEREÇAMENTO IPv4. POLÍTICAS DE ATRIBUIÇÃO DE BLOCOS DE ENDEREÇAMENTO IPv4. 3.1. Introdução Neste capítulo se descreverá como um Registro Internet (para futuras referências esse conceito envolve LIRs e NIRs) pode obter uma

Leia mais

Técnicas de Transição

Técnicas de Transição Capacitação IPv6.br Técnicas de Transição Agenda Introdução 464XLAT Cenários 4rd Classificação das Técnicas 6PE e 6VPE Pilha Dupla 6rd 6in4 e 6over4 6to4 GRE Teredo Tunnel Brokers ISATAP DS-Lite e DS-Lite

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Professor Guerra Faculdades Santa Cruz. Ab.guerra@gmail.com

Professor Guerra Faculdades Santa Cruz. Ab.guerra@gmail.com Professor Guerra Faculdades Santa Cruz Ab.guerra@gmail.com Protocolo BGP Conceitos de Internet a Internet é um conjunto de redes distintas, agrupadas em estruturas autônomas (AS); um AS não está relacionado

Leia mais

IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza

IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza IPv6: O que é, e como se preparar para a transição? Humberto Galiza Consultor em redes IP humbertogaliza@gmail.com / galiza@ufba.br Salvador, BA, 17de outubro de 2012 Agenda IP: como chegamos até aqui?

Leia mais

Emulação de redes IPv6. GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Emulação de redes IPv6. GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Emulação de redes IPv6 GTER 26 7 de novembro de 2008 Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda Motivação Softwares para simulação O NetKit Instalando... Máquinas virtuais... Laboratórios... Exemplo: Simulando

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010

Introdução à Tecnologia Web 2010 IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 Internet ÓrgãosRegulamentadores ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger Internet Órgãosregulamentadores Índice 1 Breve Histórico da Internet... 2 2 Surgimento

Leia mais

O Protocolo BGP de Roteamento Externo no Núcleo Operacional da Internet

O Protocolo BGP de Roteamento Externo no Núcleo Operacional da Internet O Protocolo BGP de Roteamento Externo no Núcleo Operacional da Internet Osvaldo D Estefano Rosica 1, Samuel Henrique Bucke Brito (Orientador) 1 1Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) Pós-Graduação

Leia mais

Análise dos Prefixos IPv4 BR na tabela BGP e dos impactos decorrentes das soluções para redução do seu tamanho

Análise dos Prefixos IPv4 BR na tabela BGP e dos impactos decorrentes das soluções para redução do seu tamanho Análise dos v4 BR na tabela BGP e dos impactos decorrentes das soluções para redução do seu tamanho Eduardo Ascenço Reis GTER24 Redução da Tabela BGP - CIDR

Leia mais

Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6

Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6 Esgotamento do IPv4 e implantação do IPv6 Reunião Itinerante do CGI.br Curitiba 19/03/2013 Milton Kaoru Kashiwakura Antonio Marcos Moreiras O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) foi criado pela

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

CIDR. Classless Inter-Domain Routing. Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br

CIDR. Classless Inter-Domain Routing. Prof. José Gonçalves. Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br CIDR Classless Inter-Domain Routing Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br O Problema Crescimento exponencial da Internet impactando no sistema de roteamento da Internet

Leia mais

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br

Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Os Pontos de Troca de Tráfego, o PTTMetro, e seu papel na Internet brasileira. Antonio M. Moreiras moreiras@nic.br Agenda O CGI.br e o NIC.br O que é a Internet? E o protocolo IP? Quais as relações possíveis

Leia mais

É a Hora. NTT Communications Grade de Serviço IPv6 Faça sua transição para um IPv6 sem emendas com a NTT Communications.

É a Hora. NTT Communications Grade de Serviço IPv6 Faça sua transição para um IPv6 sem emendas com a NTT Communications. É a Hora A mais recente Conferência de Estímulo do Grupo Burton retratou o switch (ou comutador ) para como um dos mais importantes desenvolvimentos que afetam as principais companhias dos Estados Unidos.

Leia mais

Título da Proposta: Política global para a alocação de espaço de endereçamento IPv4 por parte da IANA pós-esgotamento

Título da Proposta: Política global para a alocação de espaço de endereçamento IPv4 por parte da IANA pós-esgotamento DADOS DO AUTOR: Nicolas Antoniello Alejandro Acosta S. Moonesamy Douglas Onyango Medel Ramirez Masato Yamanishi Philip Smith DADOS DA PROPOSTA: Título da Proposta: Política global para a alocação de espaço

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Sessão 5 Planejamento

Sessão 5 Planejamento Sessão 5 Planejamento Planejamento A decisão pela adoção do protocolo IPv6 gera muitas questões IPv6 é realmente necessário? Há alternativas viáveis ao IPv6? A transição deve ser feita de uma única vez

Leia mais

Endereços Lógicos, Físicos e de Serviço

Endereços Lógicos, Físicos e de Serviço Endereçamento IP O IP é um protocolo da Camada de rede É um endereço lógico único em toda a rede, portanto, quando estamos navegando na Internet estamos utilizando um endereço IP único mundialmente, pois

Leia mais

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts.

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts. MÓDULO 9 Endereçamento IP Em uma rede TCP/IP, cada computador possui um endereço IP que o identifica na rede, esse endereço é composto por uma seqüência de bits divididos em 4 grupos de 8 bits que recebem

Leia mais

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Máscaras de Rede com Classe Classless Inter-Domain Routing - CID Notação CIDR

Leia mais

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede Guia Internet de Conectividade - Cyclades - Endereçamento IP - página 1 9.5. Identificação dos Hosts em uma rede Todo sistema ou host que você quiser conectar em sua rede deve ter uma única identificação

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

ENDEREÇO IP ENDEREÇO IP 13/04/2015

ENDEREÇO IP ENDEREÇO IP 13/04/2015 ENDEREÇO IP ENDEREÇO IP PROF. FABRÍCIO ALESSI STEINMACHER Os endereços IP identificam cada host na rede. A regra básica é que cada host deve ter um endereço IP diferente e devem ser utilizados endereços

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I CIDR & NAT Prof. Helcio Wagner da Silva Introdução Endereços IP

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Informática. 2 o Período 09/03/2012

Informática. 2 o Período 09/03/2012 Informática 2 o Período 09/03/2012 1 Agenda 1ª Parte Perguntas da aula do dia 28/02/2012 2ª Parte Redes: Protocolos e Serviços 1ª Parte Perguntas da aula do dia 28/02/2012 Grupo de 5 pessoas Perguntas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.5.2008 COM(2008) 313 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais