Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa sobre Resíduos Sólidos. Agosto de 2014"

Transcrição

1 Pesquisa sobre Resíduos Sólidos Agosto de 2014

2 A Pesquisa OBJETIVO Conhecer o panorama atual e os desafios relativos à gestão dos resíduos sólidos na indústria do Brasil. Os resultados serão apresentados no evento CNI Sustentabilidade Resíduos Sólidos: Inovações e Tendências para a Sustentabilidade. METODOLOGIA E AMOSTRA Entrevistas realizadas entre 3 de junho e 14 de julho, com profissionais que atuam na área em 55 empresas nacionais e multinacionais. A amostra é composta por empresas consideradas aptas a abordar o tema, indicadas pelas seguintes associações setoriais: ABAL ABIA ABIQUIM ABIT ABIVIDRO IBRAM IBP AÇOBrasil CBIC

3 Setores Mineração Têxtil Indústria Química Alimentos Construção Civil Siderurgia Alumínio Vidros Óleo&Gás 16% 15% 13% 13% 11% 9% 9% 7% 7%

4 Porte Grande 91% Média 7% Pequena 2% CNI Resíduos Sólidos

5 Resíduos Sólidos hoje: Cenários e desafios para a indústria

6 Quando eu falo em resíduos sólidos na indústria, qual é a primeira ideia que lhe vem em mente? (Espontânea)* * Os termos mais citados são Destinação adequada e Resultante de atividades industriais, ambos com 11 (20%) menções cada.

7 Quando eu falo em resíduos sólidos na indústria, qual é a primeira ideia que lhe vem em mente? (Espontânea)* * Os demais termos obtiveram apenas uma menção. Categorias Frequência Percentual Destinação adequada 11 20% Resultante de atividades industriais 11 20% Reciclagem 7 13% Redução na fonte 7 13% Gestão 6 11% Gerenciamento 5 9% Reaproveitamento 4 7% Descarte 3 5% Embalagens 3 5% Geração 3 5% Impacto ambiental 3 5% Oportunidade 3 5% Rejeito 3 5% Resíduos (tecidos) 3 5% Subproduto 3 5% Valor 3 5% Coleta seletiva 2 4% Controle 2 4% Desperdício 2 4% Matéria-prima 2 4% Reutilizar 2 4% Sobras 2 4%

8 Em sua visão, qual é o grau de importância atribuído hoje pela indústria brasileira à gestão dos resíduos sólidos? (Estimulada) Muito importante Importante Pouco importante Nada Importante 64% 24% 13% * Em função do arredondamento a soma total pode variar entre 99% e 101%

9 Na sua percepção, de 2010 para cá, houve mudança na maneira como a indústria brasileira lida com os resíduos sólidos? (Estimulada) Sim Não NS/NR 91% 7%

10 (Se mudou) Em quais aspectos? (Espontânea; n=50) Maior cuidado no gerenciamento/destinação 68% Leis/fiscalização impactam gerenciamento Oportunidade de negócio/valorização Foco na reciclagem Foco na sustentabilidade 22% 18% 16% 40% Dos 20 respondentes dessa categoria, sete citaram a PNRS Reduzir na fonte Pesquisa/novas tecnologias Gerenciamento mais caro 10% 8% 8% Compromisso com a logística reversa 8% Outros 2%

11 (Se não) Por que não mudou? (Espontânea; n=5) Categorias Frequência Indústria grande já fazia gestão 2 Sem fatos novos de impacto 2 Controle da cadeia é impraticável 1 Reconhece a PNRS, mas o controle da cadeia é impraticável 1

12 Em sua visão, a indústria brasileira dispõe hoje de condições adequadas ou inadequadas para o desenvolvimento da gestão de resíduos sólidos? (Estimulada) Adequadas Inadequadas NS/NR 53% 44% 4%

13 Quais seriam os principais desafios ao desenvolvimento da gestão de resíduos sólidos no Brasil? (Espontânea) Incipiência do mercado de gerenciamento Inépcia dos governos Faltam incentivos para redução/valorização Falta conscientização: população, empresas, governos Discrepâncias regionais Falta incentivo à reciclagem Falta desenvolvimento tecnológico Reconhece PNRS, mas há dificuldades na implementação Alto custo do gerenciamento Falta regulamentação clara Outros 31% 27% 24% 16% 16% 13% 13% 7% 5% 4% 9%

14 Em sua opinião, quais seriam os instrumentos econômicos mais eficazes para desenvolver a gestão de resíduos sólidos? (Espontânea; múltipla até 3) Incentivos fiscais e tributários Incentivos ao reaproveitamento e à reciclagem Incentivos à indústria eficaz no gerenciamento Financiamento de pesquisas: tecnologia e inovação Rigor na fiscalização Linhas de financiamento Incentivos à redução na fonte Princípio Poluídor Pagador/sanção econômica Outros 29% 25% 18% 13% 11% 11% 5% 5% 20% 71% dos entrevistados demandam por algum incentivo

15 Numa escala de ZERO a DEZ, onde ZERO significa NENHUMA importância e DEZ significa MÁXIMA importância, qual é a importância atribuída à desoneração fiscal (Estimulada) 100% Média : 8,1 80% 60% 40% 20% 0% 44% 27% 11% 7% 4% 0% 0% 0% 2% 2% 4%

16 Numa escala de ZERO a DEZ, onde ZERO significa NENHUMA importância e DEZ significa MÁXIMA importância, qual é a importância atribuída ao financiamento e crédito (Estimulada) 100% Média : 7,6 80% 60% 40% 20% 0% 22% 29% 20% 0% 0% 0% 2% 4% 11% 6% 7%

17 Numa escala de ZERO a DEZ, onde ZERO significa NENHUMA importância e DEZ significa MÁXIMA importância, qual é a importância atribuída ao incentivo específico à aquisição de materiais reciclados (Estimulada) 100% Média : 7,9 80% 60% 40% 20% 0% 35% 26% 11% 13% 2% 0% 4% 7% 0% 0% 4%

18 Em sua opinião, a implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos impactou o ambiente regulatório para a gestão de resíduos sólidos no Brasil de que maneira? (Estimulada) Muito positiva Mais positiva que negativa Nem positiva nem negativa Mais negativa que positiva Muito negativa NS/NR 26% 58% 11% 4%

19 Por quê? (Espontânea; n=14 [quem respondeu muito positiva ] ) Mobiliza indústria, governos, população 50% Reconhece avanços; mas faltam incentivos 14% Nacionalizou a questão 14% Incentivo ao mercado de gerenciamento 14% Outros 29%

20 Por quê? (Espontânea; n=32 [quem respondeu mais positiva que negativa ] ) Mobiliza indústria, governos, população 41% Avanços: regulamentação, logística, reciclagem Reconhece avanços; mas falta acontecer na prática Só indústrias grandes/multinacionais têm condições Desafio é a fiscalização 19% 13% 9% 9% Outros 22%

21 Por quê? (Espontânea; n=6 [quem respondeu nem positiva nem negativa ] ) Categorias Frequência PNRS é equivocada para o setor industrial 2 Representa custo 1 Sem reflexo: setor não impacta a natureza 1 Sem reflexo: já havia regulamentação 1 Não quis comentar 1

22 Pensando em sua empresa, a Política Nacional de Resíduos Sólidos impactou de que maneira? (Estimulada) Muito positiva Mais positiva que negativa Nem positiva nem negativa Mais negativa que positiva Muito negativa NS/NR 27% 36% 35%

23 Por quê? (Espontânea; n= 15[quem respondeu muito positiva ] ) Profissionaliza a gestão Estímulo à comercialização/mercado Oferece diretrizes para indústria e governos Reconhece avanços; mas faltam condições de viabilizar Mobiliza a indústria Reforça política interna existente Aumento da eficência/ganhos Outros 27% 27% 20% 20% 20% 13% 13% 13%

24 Por quê? (Espontânea; n=20 [quem respondeu mais positiva que negativa ] ) Profissionalização da gestão Estímulo à logística reversa Estímulo à comercialização/mercado 25% 25% 25% Reforça política interna existente Reconhece avanços; mas havia regulamentação anterior Mobiliza a própria indústria e parceiros Outros 15% 10% 10% 20%

25 Por quê? (Espontânea; n=19 [quem respondeu nem positiva nem negativa ] ) Sem reflexo, empresa já fazia gestão 53% Setores geram pouco/nenhum resíduo 11% Sem reflexo, já havia regumentação 11% Não influencia 11% Outros 11%

26 Em sua visão, há algum ponto ou pontos que precisam ser alterados na Política Nacional de Resíduos Sólidos? (Estimulada) Sim Não NS/NR 51% 35% 15%

27 (Se sim) Quais? (Espontânea; n=28) Faltam benefícios e incentivos para indústrias se adequarem Falta clareza/detalhar regulamentação 29% 36% Não especificou Faltam condições às médias e pequenas Definir responsabilidades do governo e da indústria Mais fiscalização Redefinir metas e prazos Foco equivocado nas punições Outros 14% 11% 11% 7% 7% 7% 18%

28 A requalificação de resíduos como matérias-primas, subprodutos ou coprodutos é um incentivo ao desenvolvimento da gestão de resíduos sólidos para a indústria? (Estimulada) Sim Não 100%

29 Por quê? (Espontânea) Agrega valor/vira insumo Estímulo ao reaproveitamento e à reciclagem Redução do descarte Facilita o gerenciamento Reduz consumo de matérias-primas e energia Impacto positivo no meio ambiente Estímulo ao mercado de gerenciamento Desburocratiza Estímulo à inovação Outros 20% 16% 16% 13% 11% 9% 7% 5% 35% 33%

30 Quais são, em sua opinião, os países referência na gestão de resíduos sólidos? (Espontânea; múltipla com até quatro citações) Alemanha Japão Países Europeus Estados Unidos Não apresentou referências Holanda Espanha Brasil Suécia França Canadá Suíça Noruega Inglaterra Outros 24% 16% 11% 11% 11% 9% 7% 7% 5% 4% 4% 4% 13% 40% 33%

31 Resíduos Sólidos: a realidade das empresas

32 Na estrutura de sua empresa, há um setor específico responsável pela gestão de resíduos sólidos? (Estimulada) Sim Não 69% 31%

33 (Se sim) Qual? (Espontânea; n=38) Inserido no setor de meio ambiente 47% Inserido em outros setores Exclusivo de resíduos/coprodutos 18% 16% Vinculado a dois ou mais setores Um profissional específico Outros 5% 5% 8%

34 No último ano, os investimentos em gestão de resíduos sólidos na empresa em que O(A) Sr(a) trabalha: (Estimulada) Aumentaram Mantiveram-se estáveis Diminuiram NS/NR 64% 35%

35 (Para quem aumentou) E qual foi o patamar de aumento? (Estimulada; n=35) Acima de 20% 29% Entre 15,1% e 20% Entre 10,1% e 15% Entre 5,1% e 10% Até 5 % 14% 17% 20% 17% NS/NR 3%

36 Qual foi o principal motivo que levou a empresa a aumentar os investimentos? (Espontânea; n=35) Maior controle do gerenciamento/destinação Oportunidade de negócio/valorização Atender à legislação Foco na reciclagem Implementação/aperfeiçoamento logística reversa Compromisso sustentabilidade Redução na fonte Metas internas de redução Reflexo da PNRS Certificação Outros 37% 29% 23% 17% 11% 11% 9% 9% 6% 6% 9%

37 Qual foi o principal motivo que levou a empresa a manter os investimentos? (Espontânea; n=19) Investimento anterior 26% Redução de custo Continuidade operacional Atingiu metas/patamares Atender à legislação Não especificou Outros 16% 16% 16% 16% 11% 11%

38 Logística reversa na indústria brasileira

39 Sobre o conceito e as obrigações que envolvem logística reversa, O(A) Sr(a) se considera: (Estimulada) Muito informado Informado Pouco informado Nada informado 25% 40% 33%

40 A empresa na qual o (a) Sr(a) trabalha, faz a logística reversa no âmbito do pós-consumo de seus produtos? (Estimulada) Sim Não NS/NR 46% 51% 4%

41 (Se sim) Quais são as ações ligadas à logística reversa no âmbito do pós-consumo de seus produtos? (Espontânea; n=25) Ações/acordos com cooperativas de reciclagem Ações de coleta seletiva do que é usado pela empresa Não especificou Coleta e recicla aço/sucata metálica Coleta e recupera embalagens Coleta cacos de vidro e reinsere no processo produtivo Outros 20% 20% 16% 12% 12% 8% 16%

42 (Se não) Por quê? (Espontânea; n=28) Não se aplica ao setor* 50% Não se aplica à empresa Implementação é impraticável Está nos planos implementá-la Alto custo O setor não tem a cultura da logística reversa Outros 14% 11% 11% 11% 7% 14% *Setores de: alumínio, construção civil, indústria química, óleo & gás e têxtil.

43 A indústria na qual trabalha está preparada para ampliar o processo de logística reversa? (Estimulada; n=25) Sim Não 72% 28%

44 (Se não) Por quê? (Espontânea; n=7) Categorias Frequência Empresas B2B : negociações com os compradores 2 Entraves logísticos 2 Dificuldades de incluir todos os produtos 1 Espera acordo setorial 1 Precisa melhorar gestão 1

45 Os custos têm sido internalizados? (Estimulada; n=25) Sim Não NS/NR 80% 16% 4%

46 (Se sim) Como? (Espontânea; n=20) Categorias Frequência Negociação com fornecedores/clientes 4 Não especificou 4 Incorporado no preço da sucata comprada 3 A própria empresa executa as ações 2 É incorporado ao custo do produto 2 Foco/investimento na reciclagem 2 Dificuldades para absorver esse custo 1 Coleta seletiva é absorvida pela empresa 1 Custeia instituição do setor voltada para a gestão 1 Investimentos e capitalizações 1 Sistema de logística parado 1 Necessidade de envolver outros agentes da cadeia 1

47 Resíduos Sólidos: Perspectivas e tendências

48 No contexto de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, existem atualmente na sua empresa investimentos visando: (Estimulada) Sim Não À reciclagem 78% 22% Ao reaproveitamento 78% 22% A não geração de resíduos sólidos 64% 36% Ao aproveitamento energético 60% 40%

49 Pensando nos próximos cinco anos, o(a) Sr(a) diria que a tendência da empresa quanto aos investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação para a gestão de resíduos sólidos é de: (Estimulada) Aumentar investimentos Manter investimentos Diminuir investimentos 67% 33%

50 Sobre o conceito de ecodesign, o(a) Sr(a) se considera: (Estimulada) Muito informado Informado Pouco informado Nada informado 11% 46% 35% 9%

51 Na empresa em que o(a) Sr(a) trabalha, já foram ou estão sendo desenvolvidos projetos em ecodesign? (Estimulada) Sim Não Não se aplica NS/NR 36% 49% 9% 6%

52 (Se sim) Em quais áreas? (Estimulada; n=20) Sim Não Na reciclagem 80% 20% No reaproveitamento 75% 25% Na não geração de resíduos sólidos 55% 45%

53 (Se sim) Essa perspectiva já está contemplada no planejamento da empresa? (Estimulada; n=8) Sim Não 50% 50%

54 Sobre o conceito de ciclo de vida dos produtos, o(a) Sr(a) se considera: (Estimulada) Muito informado Informado Pouco informado Nada informado 20% 62% 18%

55 Na empresa em que o(a) Sr(a) trabalha, está sendo aplicado o conceito de ciclo de vida dos produtos? (Estimulada) Sim Não Não se aplica 47% 47% 6%

56 (Se sim) Como está sendo aplicado? (Espontânea; n=26) Ferramenta de gestão Desenvolvimento/impacto dos produtos 35% 35% Estímulo ao reaproveitamento e à reciclagem Não especificou Consciência de fornecedores/ cadeia de consumo 19% 15% 23% Outros 4%

57 (Se sim) Essa perspectiva já está contemplada no planejamento da empresa? (Estimulada; n=18) Sim Não 56% 44%

58 Sobre o conceito de desmaterialização dos produtos industriais, o(a) Sr(a) se considera? (Estimulada) Muito informado Informado Pouco informado Nada informado 20% 49% 29%

59 Na empresa em que o(a) Sr(a) trabalha, já foram ou estão sendo desenvolvidas iniciativas envolvendo desmaterialização de produtos? (Estimulada) Sim Não Não se aplica NS/NR 18% 73% 4% 6%

60 (Se não) Há perspectiva de a empresa vir a desenvolver iniciativas envolvendo desmaterialização de produtos nos próximos 5 anos? (Estimulada; n=40) Sim Não NS/NR 20% 68% 13%

61 (Se sim) Essa perspectiva já está contemplada no planejamento da empresa? (Estimulada; n=8) Sim Não 63% 38%

62 Síntese

63 Síntese Os dados apontam um comprometimento das empresas pesquisadas com a melhoria da gestão de resíduos sólidos. Os movimentos são positivos, mas de modo geral percebidos como estágios iniciais de mudança. Revelam ainda o longo caminho a ser percorrido para que o Brasil alcance padrões internacionais de excelência. 88% dos entrevistados afirmam que a indústria considera a gestão de resíduos sólidos como algo muito importante/importante. 64% das empresas ouvidas aumentaram seus investimentos voltados para o gerenciamento de resíduos sólidos no último ano. A primeira razão citada é ter maior controle dos processos e da destinação adequada(37%); a segunda é valorizá-los, considerando-os como oportunidade de negócio(29%). Navisãode91%houvemudançasnamaneiracomoaindústrianoBrasillidacomotemade 2010paracá.Para68%dessetotal,oaspectoquemaissedestacaéumcuidadocadavez maior com o gerenciamento e a destinação adequada.

64 Síntese Ainda no contexto de mudanças nos últimos anos, as empresas reconhecem os impactos do conjunto de leis existentes e da fiscalização nas práticas de gerenciamento (40%). A Política Nacional de Resíduos Sólidos(PNRS), instituída em 2010, é citada espontaneamente como um dos motivos apenas para 14% dos entrevistados. Quando perguntados especificamente sobre o impacto da PNRS para o ambiente regulatório do Brasil, 84% afirmam que é muito positivo/positivo. A principal razão seria a sua potencialidade de mobilizar diferentes segmentos da sociedade brasileira, na opinião de 41% desse total. Para 51%, a PNRS precisa mudar. Um claro indicativo da necessidade de mudanças é a unanimidade dos entrevistados favoráveis à requalificação dos resíduos sólidos como subprodutos ou coprodutos para estimular o desenvolvimento da gestão.

65 Síntese Para 100% dos entrevistados, essa medida impulsionaria de fato o setor: 35% acham que agregaria valor aos resíduos sólidos, transformando-os em insumos; e 33% veem como estímulo ao reaproveitamento e à reciclagem. Para 71% dos entrevistados, faltam incentivos econômicos concretos que estimulem o desenvolvimento do gerenciamento e do mercado de resíduos sólidos no Brasil. Ainda que com menor peso, as discrepâncias regionais nos serviços de transporte, tratamento e destinação adequadas de resíduos sólidos são vistas como um fator agravante das dificuldades enfrentadas pela indústria. Há também a percepção de que apenas as grandes empresas e as multinacionais estão mais bem equipadas e em condições de ter um controle adequado sobre o gerenciamento.

66 Síntese Quando o foco é pesquisa, desenvolvimento e inovação voltados para resíduos sólidos, o quadro mostra que as indústrias pesquisadas pretendem continuar investindo: 67% antecipam a tendência da empresa onde trabalham de aumentar investimentos na área nos próximos cinco anos, enquanto 33% pretendem mantê-los. Ninguém menciona redução de investimentos. 78% revelam que há investimentos em curso voltados para o reaproveitamento; o mesmo percentual de entrevistados mencionam recursos destinados a pesquisas sobre reciclagem. Os avanços da indústria brasileira na questão dos resíduos sólidos despontam como um movimento aparentemente irreversível. Entraves no ambiente regulatório, na infraestrutura específica, nos incentivos e no interior do próprio setor industrial desafiam a consolidação desse processo.

67

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos

Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos FIESP 07/06/11 Alexandre Comin - MDIC PNRS Instituída pela Lei 12.305, de 2 de agosto de 2010, e regulamentada pelo Decreto nº 7404, de 23 de Dezembro

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos A lei na prática Ago-12 Sonho: ser a melhor empresa de bebidas do mundo, em um mundo melhor. MEIO AMBIENTE CONSUMO RESPONSÁVEL COMUNIDADE Gente e Cultura Resíduos:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Geraldo Antônio Reichert Coordenador da Câmara Temática de Resíduos Sólidos ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz

A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A LOGÍSTICA REVERSA DENTRO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Cristiane Tomaz A logística reversa é importante instrumento de desenvolvimento econômico e social previsto na Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

Workshop Embalagem & Sustentabilidade

Workshop Embalagem & Sustentabilidade Workshop Embalagem & Sustentabilidade São Paulo/2013 Eduardo Lima Agenda Alumínio e Sustentabilidade - Conceito Embalagens de alumínio Diferenciais das embalagens de alumínio PNRS Reciclagem de alumínio

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

Aliança Resíduo Zero Brasil

Aliança Resíduo Zero Brasil Aliança Resíduo Zero Brasil carta de adesão 1. Introdução A extensão dos problemas socioambientais, envolvendo o consumo e a geração de resíduos no Brasil, originam-se em grande parte nas questões econômicas,

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais

Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais OS ACORDOS SETORIAIS E A IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA: Produção legislativa regional frente aos acordos setoriais X Seminário Nacional de Resíduos Sólidos Associação Brasileira de Engenharia

Leia mais

Instrumentos Econômicos para aplicação da PNRS

Instrumentos Econômicos para aplicação da PNRS para aplicação da PNRS GTPNRS Câmara dos Deputados Agosto de 2008 PNRS - Importância Definir de forma objetiva as atribuições e responsabilidades. Harmonizar direitos e obrigações em nível nacional. Criar

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS e SUA REGULAMENTAÇÃO Simone Paschoal Nogueira Coordenadora de Legislação da ABLP WORKSHOP PNRS ABLP 1º de março de 2011 - Instituto de Engenharia Legislação Leie Federal

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Agosto de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo

Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo Implementação da Logística Reversa: A primeira fase da experiência do Estado de São Paulo RIBEIRO, F.M. a, *; KRUGLIANSKAS, I. b a- CETESB- Companhia Ambiental do Estado de São Paulo b- FEA-USP Faculdade

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos

AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos AUDIÊNCIA PÚBLICA Política Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Diógenes Del Bel Diretor Presidente Senado Federal Subcomissão Temporária de Resíduos Sólidos (CMARS) 19 / 3 /

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015

Apresentação Os desafios da PNRS. Outubro de 2015 Apresentação Os desafios da PNRS Outubro de 2015 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010

A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010. São Paulo, 12 novembro de 2010 A Política Estadual de Resíduos Sólidos e os RSS no Estado de São Paulo. III SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÀVEIS SHS 2010 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 12 novembro de 2010 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ

SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ SERVIÇOS DE SAÚDE MOSSORÓ - 2011 CURSO DE GERENCIAMENTO DE RSS LEI 12.305 DE 02 DE AGOSTO DE 2010 Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final Disposição inadequada

Leia mais

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015

Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações. Pesquisa 2015 Profissionais de sustentabilidade Atuação, projetos e aspirações Pesquisa 2015 O agente do crescimento sustentável A Deloitte e a Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade (ABRAPS) apresentam

Leia mais

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa

Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Conselho Regional de Química IV Região~- São Paulo, 23/09/2014 Política Estadual de Resíduos Sólidos: Ações em Logística Reversa Eng Flávio de Miranda Ribeiro Assistente Executivo da Vice-Presidência da

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG

Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Agenda CRI Minas Inovações Ambientais 04Out2012 Nova Lima/MG Conceitos e Premissas Evolução Tecnológica: Impacto Social Ambiental Conceitos e Premissas Esforço Governamental políticas e ações de mercado

Leia mais

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários Perfil das empresas Porte da Empresa (NA) Média 84 De 00 a 499 funcionários Grande 69 4 00 ou mais funcionários 3 00 Tipo de indústria (NA) Indústria/agência de embalagens 33 Usuária de embalagens 02 67

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná (Guaraná Antarctica) Maior

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO LASSU - LABORATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE MBA Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Por que fazer um MBA LASSU USP? Grande parte do mercado e da sociedade ainda

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Agosto de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

O município e sua atribuição na PNRS o que devemos fazer. Eng. Sebastião Ney Vaz Júnior

O município e sua atribuição na PNRS o que devemos fazer. Eng. Sebastião Ney Vaz Júnior O município e sua atribuição na PNRS o que devemos fazer Eng. Sebastião Ney Vaz Júnior Considerações iniciais o nível de urbanização da população que, no caso do Brasil, ultrapassou a marca de 80% dos

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO.

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. Como se formam os Lubrificantes 90,0 % Óleo básico de Petróleo: Neutro Leve Médio ou Pesado. Especificados pela ANP (*) 10,0 % Aditivos Diversos

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013

Agenda de Políticas para Inovação. Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Agenda de Políticas para Inovação Brasília, 14 de fevereiro de 2013 Recursos Humanos para Inovação Horácio Lafer Piva - Klabin A Agenda Promover uma mudança no ensino brasileiro com direcionamento claro

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h PALESTRA: Desafios da Responsabilidade Compartilhada pela Gestão de Resíduos PALESTRANTE: ANNELISE MONTEIRO STEIGLEDER PAINEL: DATA : Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos

Leia mais

Reciclagem de Resíduos Refratários

Reciclagem de Resíduos Refratários Resíduos Refratários Logística Reversa Reciclagem de Resíduos Refratários A Magnesita, integrando-se às soluções e demandas ambientais e sociais, vem investindo em pesquisa de tecnologias ainda mais sustentáveis

Leia mais

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS.

A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. A LEGISLAÇÃO AMBIENTAL INCENTIVA MUDANÇAS E CRIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Eng.ª Andressa Brandalise Unidade de Assessoria e Inovação Ambiental A legislação

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Produto mais sustentável

Produto mais sustentável Produto mais sustentável De maneira geral, um produto pode ser considerado mais sustentável por diversas razões: a) processo de fabricação com baixo impacto: consiste em produtos que eliminaram ingredientes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e

Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial,

Leia mais

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública Resíduos: atualizada Resolução do Conama A Resolução 307/2002 do Conama, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção, foi alterada pela Resolução Conama

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho

A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Nelson R. Bugalho A IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS NACIONAL E ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Nelson R. Bugalho Vice-Presidente da CETESB Promotor de Justiça do Meio Ambiente e Urbanismo Mestre em Direito Penal Supraindividual

Leia mais

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10

A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 A VISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NA IMPLANTAÇÃO DA LEI 12305/10 ALEXANDRA FACCIOLLI MARTINS Promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente - GAEMA PCJ-Piracicaba MP/SP DESAFIOS

Leia mais

Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental 552 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-13-026 - Educação Ambiental AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E ENVOLVIMENTO DOS ALUNOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE Japão Alemanha Canadá Reino Unido

Leia mais

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus

O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus O Polo de Informática de Ilhéus e a atuação da Associação das Indústrias de Eletroeletrônicos, Telecomunicações e Informática do Polo de Ilhéus Christian Villela Dunce Presidente da Assipi Salvador, 23

Leia mais

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014.

Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Rio de Janeiro, 24 de junho de 2014. Of. Circ. Nº 212/14 Ref.: Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18 de junho de 2014 DOERJ 23.06.2014. Senhor Presidente, Fazendo referência à Lei Estadual-RJ nº 6.805, de 18

Leia mais