CURSO DE DIREITO LUIS ANDRÉ OLIVEIRA PLUTARCO FONTES OS DESAFIOS E AS PERSPECTIVAS DO DIREITO DO ESPAÇO EXTERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE DIREITO LUIS ANDRÉ OLIVEIRA PLUTARCO FONTES OS DESAFIOS E AS PERSPECTIVAS DO DIREITO DO ESPAÇO EXTERIOR"

Transcrição

1 CURSO DE DIREITO LUIS ANDRÉ OLIVEIRA PLUTARCO FONTES OS DESAFIOS E AS PERSPECTIVAS DO DIREITO DO ESPAÇO EXTERIOR Fortaleza 2013

2 LUIS ANDRÉ OLIVEIRA PLUTARCO FONTES OS DESAFIOS E AS PERSPECTIVAS DO DIREITO DO ESPAÇO EXTERIOR Monografia apresentada ao Curso de Direito do Centro Universitário Christus Unichristus como requisito parcial necessário à obtenção do grau de bacharel em Direito. Orientador: Professor Mestre em Direito Paulo Henrique Gonçalves Portela Fortaleza 2013

3

4 Dedico este trabalho a todos que se interessam pelo novo, como também àqueles que são apaixonados pela mistura entre Direito e Astronomia.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço à minha família, pelo amor sempre presente e compreensão dedicada. Agradeço ao meu orientador, pelas conduções indispensáveis para a realização do trabalho. Agradeço aos meus amigos que, mesmo distantes em certos momentos, nos dão a força necessária.

6 "Uma das grandes revelações da exploração espacial é a imagem da Terra, finita e solitária acomodando toda a espécie humana através dos oceanos do tempo e do espaço." Carl Sagan

7 RESUMO O Direito do Espaço Exterior tutela interesses da sociedade internacional. Como sua interpretação e aplicação trazem consequências a qualquer Estado do globo terrestre, é de extrema importância para todos os países. Por ser um Direito recente, nascido com o lançamento do primeiro satélite na órbita da Terra em outubro de 1957, e relacionado a um assunto científico e que exige altos recursos, não atrai a atenção suficiente e adequada dos chefes de Estado e da comunidade em geral. O presente trabalho tem como objetivo a investigação da adequação das normas de Direito do Espaço Exterior ao atual contexto social, apontando perspectivas de aplicação para o futuro. Para isso, fontes bibliográficas, oficiais e noticiosas servirão de fundamento. Analisará também a relação desse ramo do Direito com os Direitos Humanos e a responsabilidade, além de discorrer sobre a atuação do Brasil nessa área. Para uma melhor compreensão e abordagem, imprescindível que assuntos históricos e dados científicos façam parte do estudo. Importante a pesquisa para que sejam mensurados os rumos que a sociedade internacional está trilhando nessa área, que será cada vez mais importante para o ser humano. Partindo dessa análise, é possível perceber que muito ainda deve ser feito, utilizando a cooperação entre os povos, já que o Direito Espacial regula atividades cada vez mais comuns e que devem servir de norte para a sociedade ao passar dos anos. Palavras-chave: Direito do Espaço Exterior, Direito Internacional, Exploração Espacial.

8 RESUMEN El Derecho del Espacio Ultraterrestre tutela intereses de la sociedad internacional. Como su interpretación y aplicación traen consecuencias a cualquier estado del globo terrestre, es de extrema importancia para todos los países. Por ser un derecho reciente, nacido con el lanzamiento del primer satélite en la órbita de la tierra en Octubre de 1957, y relacionado a un asunto científico y todavía caro en la práctica, no atrae la atención suficiente y adecuada de los jefes de estado y de la comunidad en general. El presente trabajo tiene como objetivo la investigación de la adecuación de las normas de Derecho del Espacio Ultraterrestre al actual contexto social, apuntando perspectivas de aplicación para el futuro. Para esto, se puede utilizar como una base fuentes bibliográficas, oficial y noticias. Analizará también la relación de esta rama del derecho con los Derechos Humanos y la responsabilidad, además de discurrir sobre la actuación de Brasil en esta área. Para una mejor comprensión y abordaje, es imprescindible que los asuntos históricos y datos científicos sean parte del estudio. Es importante la investigación para que sean medidos los rumbos que la sociedad internacional está intentando en esta área, que será cada vez más importante para el ser humano. Partiendo de este análisis, es posible percibir que todavía mucho debe ser realizado, utilizando la cooperación entre los pueblos, ya que el Derecho Espacial regula actividades cada vez más comunes y que deben servir de norte para la sociedad con el pasar de los años. Palabras clave: Derecho del Espacio Ultraterrestre; Derecho Internacional; Exploración Espacial.

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO BREVE HISTÓRICO DA EXPLORAÇÃO HUMANA DE NOVOS ESPAÇOS DOMÍNIO PÚBLICO INTERNACIONAL As zonas polares Os mares e os rios internacionais O espaço aéreo O DIREITO DO ESPAÇO EXTERIOR Nomenclatura Definição e objetivo O surgimento do Direito do Espaço Exterior Princípios e regras na exploração espacial A Declaração dos Princípios Jurídicos Reguladores das Atividades dos Estados na Exploração e Uso do Espaço Cósmico O Tratado Sobre Princípios Reguladores das Atividades dos Estados na Exploração e Uso do Espaço Cósmico, Inclusive a Lua e Demais Corpos Celestes A relação com os Direitos Humanos Atividades no espaço e nos corpos celestes O Acordo que Regula as Atividades dos Estados na Lua e em Outros Corpos Celestes Princípios Relativos ao Uso de Fontes de Energia Nuclear no Espaço Exterior Armas no espaço...48

10 5 BRASIL E A EXPLORAÇÃO ESPACIAL A exploração espacial na Constituição Federal Brasil vítima de espionagem O princípio da não intervenção O Centro de Lançamento de Alcântara RESPONSABILIDADE INTERNACIONAL NO DIREITO DO ESPAÇO EXTERIOR A responsabilidade na exploração e uso do espaço A Convenção sobre Responsabilidade Internacional por Danos Causados por Objetos Espaciais O lixo espacial CONCLUSÃO...77 REFERÊNCIAS...80 APÊNDICES...85 ANEXOS ANEXO A ANEXO B ANEXO C ANEXO D ANEXO E...126

11 10 1 INTRODUÇÃO O tema abordado no presente trabalho, referente ao ramo do Direito que visa a regular o manejo do espaço extra-atmosférico, é ainda estranho à maioria dos profissionais e estudantes das ciências jurídicas, que normalmente não têm a oportunidade de estudar, de maneira mais detida, os institutos jurídicos alusivos à atuação humana no chamado espaço. Entretanto, num mundo que valoriza o desenvolvimento científico e que tem a Tecnologia da Informação e das Comunicações como um dos fundamentos de seu desenvolvimento, o Direito do Espaço Exterior deve despertar interesse do estudioso das Ciências Jurídicas, em vista de sua importância para a vida moderna. O Direito do Espaço Exterior, também conhecido por Direito Espacial ou Direito do Espaço, dentre outras nomenclaturas, é um tema importante pata toda a humanidade e, por isso, se reveste de interesse internacional, sendo objeto de estudos e discussões no âmbito das relações internacionais, razão pela qual está inserido no âmbito do Direito Internacional. Dessa forma, esta monografia recorrerá de forma direta e constante aos institutos do Direito Internacional Público, do qual o Direito do Espaço Exterior pode ser considerado um ramo. Os motivos da escolha do tema são vários. Principalmente para os amantes das ciências direito e astronomia, é um trabalho prazeroso pesquisar dentro desse assunto, mesmo com toda a dificuldade de encontrar bibliografia especializada acerca do tema em nosso país. Quem olha para o céu com curiosidade e admiração e vê no direito um campo de entendimento não só necessário, mas também cativante, certamente apreciará o Direito Espacial. Justificativas para o tratamento do tema também são diversas. Apesar de ser um direito novo, que tem apenas pouco mais de meio século de existência como ramo do Direito especializado, o Direito do Espaço Exterior vem ganhando cada vez mais notoriedade e importância. Como sabemos, a evolução tecnológica ocorre de

12 11 forma cada vez mais veloz, e as atividades espaciais acompanham os passos da tecnologia. Com isso, como não podia deixar de ser, o Direito do Espaço Exterior, que visa a regular tais atividades, vem acompanhando detidamente essa evolução. Comunicações, soberania, informações, estratégias, defesa, clima. São muitos os exemplos de áreas que têm alguma referência com as atividades espaciais. Os satélites são responsáveis por manter algumas das atividades acima citadas, além de serem equipamentos indispensáveis nos dias de hoje para o funcionamento do mundo da maneira que conhecemos. Logicamente, não se pode e nem se deve lançá-los em órbita a bel prazer. É preciso de algo que tente buscar sua correta utilização, até porque estarão sobrevoando acima de nossa existência. O Direito Espacial é o caminho para isso. A segurança global também passa pelo espaço. Uma arma em órbita espacial pode ter a capacidade de atingir qualquer ponto do planeta e trazer consequências desastrosas para qualquer tipo de vida aqui existente. Como o bem que deve obter a maior proteção no direito é a vida, deve-se ter muito cuidado, bem como compreensão entre os povos, para que não corramos o risco de que as atividades espaciais impliquem riscos para a própria existência da humanidade. Algumas garantias trazidas em nossa própria Constituição estão estritamente relacionadas ao Direito do Espaço. A intimidade, a vida privada e as comunicações, por exemplo, podem ser feridas utilizando-se atividades relacionados à exploração espacial. Entra aí também a questão da soberania, já que dados secretos que dizem respeito a políticas nacionais podem ser acessados de forma indevida. Nesse sentido, a espionagem sofrida pelo Brasil em 2013 será comentada. O Governo Brasileiro pretende investir na aquisição de um satélite, já que dados importantes passam através deles. Hoje, todos os satélites utilizados pelo nosso país são de propriedade estrangeira. A pesquisa terá um ponto de vista crítico e buscará fixar a relação do Direito do Espaço Exterior com outras áreas do direito, já que essa ciência é única, apesar de suas diversas ramificações. Direitos Humanos, responsabilidade internacional e Direito Constitucional são algumas das ramificações do Direito que têm relações com o Direito do Espaço Exterior.

13 12 Como a matéria é nova e, por isso, ainda não foi muito examinada pelos tribunais brasileiros e internacionais, praticamente não haverá recurso à jurisprudência, privilegiando-se, portanto, as fontes bibliográficas e os tratados internacionais pertinentes. Algumas obras foram essenciais para que fosse possível a elaboração do trabalho, principalmente pela tentativa de uma visão do ponto de vista brasileiro acerca do Direito Espacial. O livro de José Monserrat Filho, com o título de Direito e Política na Era Espacial, traz um verdadeiro e importantíssimo embasamento para quem deseja não só conhecer o assunto, mas também especializar-se na área. Outra obra bastante rica no assunto é o trabalho de Olavo de Oliveira Bittencourt Neto, intitulada de Direito Espacial Contemporâneo, que foca na responsabilidade internacional dentro do Direito do Espaço, mas abrange também outras questões de conhecimento necessárias ao interessado em aprofundar-se no estudo desse ramo do direito. Os tratados mais utilizados como fonte foram a declaração dos princípios jurídicos reguladores das atividades na exploração e uso do espaço cósmico, o tratado sobre princípios reguladores das atividades dos estados na exploração e uso do espaço cósmico, inclusive a Lua e demais corpos celestes, o acordo que regula as atividades dos estados na Lua e em outros corpos celestes, os princípios relativos ao uso de fontes de energia nuclear no espaço exterior e a convenção sobre responsabilidade internacional por danos causados por objetos espaciais. Como a bibliografia disponível ainda é parca, serão consideradas na pesquisa fontes oficiais e noticiosas da internet, mas sempre relacionadas ao Direito do Espaço Exterior. O capítulo de título Breve Histórico da Exploração Humana de Novos Espaços trará uma ideia resumida de como o ser humano se comporta ao ter a possibilidade de explorar novos territórios, sendo mensurada uma relação em como a humanidade está tratando a exploração espacial.

14 13 O domínio público internacional, em capítulo seguinte e de mesmo nome, descriminará as áreas do planeta e fora dele que são acessíveis à atividades humanas e são objeto de interesse de todos os povos. Tais territórios devem ser explorados de forma que atenda ao bem comum.. Em seguida, entra-se no capítulo O Direito do Espaço Exterior, trazendo sua definição, seus objetivos e seu nascimento. Os princípios também são tratados, fazendo referência aos tratados e uma relação com os Direitos Humanos. A partir daí, são mencionadas as atividades espaciais, incluindo nesse assunto a exploração do espaço e seus corpos celestes, bem como a colocação de armas no espaço. A atuação do Brasil é abordada no capítulo de título Brasil e a Exploração Espacial, sendo mostrada a importância de investimentos na área e como o país paga por não atuar como poderia nas atividades espaciais. Por fim, o tema da responsabilidade internacional é comentado juntamente com a questão do lixo espacial no capítulo Responsabilidade Internacional do Direito do Espaço Exterior, mostrando quem são e como respondem os responsáveis por danos causados a terceiros, assim como pontos importantes para a compreensão das medidas a serem tomadas por quem deseja explorar o espaço e os cuidados que essa atividade exige. Ao final, pretendemos contribuir para o aumento do conhecimento do tema, dando ao leitor a oportunidade de.melhor se familiarizar com importantes institutos do Direito do Espaço Exterior e de perceber sua relevância para a manutenção e incremento da atual dinâmica da vida mundial.

15 14 2 BREVE HISTÓRICO DA EXPLORAÇÃO HUMANA DE NOVOS ESPAÇOS A história do ser humano é marcada por descobertas, conflitos e conquistas. Os primeiros registros da passagem humana em nosso planeta já trazem nossa característica conquistadora e expansionista, o que se mantêm até hoje, mesmo que de maneiras distintas em algumas oportunidades. Desde cedo temos esse atributo curioso e descobridor, que pode ser exemplificado na figura de um dos viajantes ocidentais e escritor Marco Polo, que fascinou e influenciou por meio de suas obras a curiosidade da descoberta: O Livro das Maravilhas foi obra de cabeceira de Colombo e de vários navegadores interessados em chegar ao Oriente, mas não cativou apenas exploradores: sua descrição do palácio do imperador chinês inspirou Samuel Coleridge a escrever o poema Kublai Khan e, no século Influência duradoura passado, Italo Calvino fez em As Cidades Invisíveis uma releitura dos relatos das cidades, reais e imaginárias, que Marco Polo descreveu para Kublai. O estilo da narrativa, conciso e rico em imaginação, é até hoje um modelo para a literatura de viagem. 1 Esse tipo de literatura apenas acenderia a curiosidade já pertinente ao ser humano. O novo é algo que buscamos quando temos a oportunidade. Entender o desconhecido fez parte da evolução humana em todas as ciências, certamente nos trazendo onde estamos hoje. No quesito expansão territorial, embora o termo imperialismo tenha sido adotado com base na Revolução Industrial 2, para caracterizar o domínio de uma economia sobre outra entre os séculos XIX e XX, alguns autores acreditam que a história da humanidade é marcada pela tendência imperialista. Por vezes, o domínio 1 MARCO Polo, o caçador de maravilhas. Revista Planeta. jun Disponível em: <http://revistaplaneta.terra.com.br/secao/cultura/marco-polo-o-cacador-de-maravilhas>. Acesso em: 03 nov HISTÓRIA - Imperialismo. Guia do Estudante. Disponível em: <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/pergunte-professor/historia-imperialismo shtml>. Acesso em: 27 nov

16 15 é sobre territórios. Por outras, tem-se o domínio cultural, além de outros tipos de submissão. O célebre antropólogo Darcy Ribeiro, em uma de suas obras, atenta que: A história do homem nos últimos séculos é, principalmente, a história da expansão da Europa Ocidental, que, ao constituir-se em núcleo de um novo processo civilizatório, se lança sobre todos os povos em ondas sucessivas de violência, de cobiça e de opressão. Nesse movimento, o mundo inteiro foi revolvido e reordenado segundo os desígnios europeus e na conformidade de seus interesses. Cada povo, e até mesmo cada pessoa humana, onde quer que houvesse nascido e vivido, acabou por ser atingido e engajado no sistema econômico europeu ou nos ideais de riqueza, de poder, de justiça ou de santidade nela inspirados. 3 Resta claro que essa direção expansionista seria basicamente a política do mais forte. Um Estado submete-se a outro por receio de represálias de qualquer forma, seja militar, econômica ou política. As consequências atingem a todos, mesmo que despercebidas por alguns. Por esse pensamento, partes importantes das características de nossa sociedade atual teriam sido adquiridas por conta de fatos históricos ligados à expansão dos povos. O certo é que a chegada dos colonizadores às Américas por meio das grandes navegações deu início a um processo marcante, que difundiu culturas e religiões a outras partes do mundo. Os livros de História retratam esse cenário, dentro do qual ocorreram encontros entre europeus e civilizações muito diferentes, mas ricas culturalmente, como os Astecas, Maias e Incas, bem como tribos indígenas não menos importantes. Territórios mudaram de dono e os reflexos desse movimento são sentidos até os dias de hoje. Sobre o assunto, Rodolfo Espínola afirmou: 3 RIBEIRO, Darcy. As Américas e a civilização. Processo de formação e causas do desenvolvimento desigual dos povos americanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 47.

17 16 O descobrimento da América é lembrado com frequência como o acontecimento mais importante do século XV. A historiografia contemporânea, aliás, aponta esse fato como marco definitivo que estabeleceu o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna, a partir de No ano de 1500 d.c. foram descobertos 22% da superfície da Terra. Na realidade, foi só no começo do século XVI que a verdadeira importância dos descobrimento transatlânticos se tornou patente de um modo generalizado, enterrando-se, em definitivo, a ideia de que a Terra não era um disco, mas uma esfera. 4 Demonstra Espínola a importância de um acontecimento histórico, servindo também para avanços científicos, como foi a descoberta de que a Terra era uma esfera, não um disco. O sentido não muda nos tempos atuais. Novos acontecimentos marcantes devem trazer benefícios para a sociedade humana. Com efeito, as formas de conquista e expansão não são as mesmas, logicamente. Não há novos continentes, ilhas ou áreas a serem descobertas. O avanço tecnológico permitiu o mapeamento de todo o globo terrestre. Claro que ainda existem pedaços de terra considerados virgens, que são aqueles que não tenham sofrido interferência humana, mas as fronteiras já estão praticamente delimitadas. As disputas, quando existem, são diferentes das sucedidas anteriormente. Na Terra, não se briga mais por áreas novas, mas sim por já conhecidas. Houve um tempo em que o ser humano acreditava ser o céu uma espécie de teto longínquo e gigantesco, com pontos brilhantes espalhados em sua disposição. Tal pensamento parece absurdo nos dias de hoje, mas já chegamos a pensar que a existência, pelo menos em vida, era resumida ao chão em que pisamos. Durante as grandes navegações europeias, mesmo que o conhecimento básico sobre Astronomia já existisse, necessário para a própria navegação, muito do entendimento acerca da realidade do nosso mundo foi alterado. A respeito, o jornalista Rodolfo Espínola escreveu: Ampliam-se as informações sobre os regimes de marés, das correntes marítimas e dos ventos, da mesma forma que crescem as histórias sobre os 4 ESPÍNOLA, Rodolfo. Vicente Pizón e a descoberta do Brasil. Rio de Janeiro: Coelce Topbooks, 2001, p

18 17 fantásticos monstros que habitavam o fundo do mar. O mundo começa a se abrir, navegar. Estabelecem-se novos mercados. As descobertas vão se multiplicando. O mundo até então era apenas um trecho da Europa, uma banda da Ásia, outra da África e uma parte do seu litoral. 5 O avanço das ciências tornou possível um melhor entendimento acerca do ambiente que nos rodeia. Começamos a entender melhor sobre Astronomia e outros ramos interligados a ela, como a Física. Embora acreditássemos que a Terra era o centro do Universo, já sabíamos que existia algo além, mesmo que esse além parecesse inicialmente impossível de ser alcançado e explorado. Hoje, o espaço além da Terra vem sendo explorado aos poucos, e desde logo vem sendo estritamente necessária a intervenção do Direito, guiando o desenvolvimento da exploração espacial de forma a que esta possa beneficiar toda a humanidade, independente de nacionalidade ou crença, já que, no final das contas, somos todos um só e dividimos um mesmo minúsculo lugar no universo. Sobre isso, Darcy Ribeiro versou: [...] as sociedades contemporâneas não são entidades isoladas, mas sim componentes ricos e pobres de um sistema econômico de âmbito mundial, em que cada um deles exerce papéis prescritos, mutuamente complementares e tendentes à perpetuação das posições e relações recíprocas. Procuraremos demonstrar que as situações de atraso ou de progresso dos diferentes povos inseridos nesse sistema interativo são resultantes dos impactos de sucessivas revoluções tecnológicas que vêm transformando as sociedades humanas. Estas revoluções, atingindo-as diferencialmente e alterando de modos distintos cada uma de suas partes constituintes, tanto geram defasagens entre sociedades quanto descompassos regionais e setoriais. Como cada um desses processos teve início em certo momento histórico e continuou atuante mesmo depois de desencadeados outros, impõe-se a observação adicional de que nos defrontamos tanto com uma continuidade histórica de efeitos sucessivamente detonados quando com uma simultaneidade de contrastes interativos de caráter funcional. 6 Confirma o respeitado antropólogo que devemos nos portar como uma sociedade global, tendo consciência de que nossas afirmações e atitudes trazem 5 ESPÍNOLA, Rodolfo. Vicente Pizón e a descoberta do Brasil. Rio de Janeiro: Coelce Topbooks, 2001, p RIBEIRO, Darcy. As Américas e a civilização. Processo de formação e causas do desenvolvimento desigual dos povos americanos. São Paulo: Companhia das Letras, 2007, p. 24.

19 18 consequências para todos, muitas vezes passíveis de conserto, mas outras vezes são decisões sem volta. Se pensarmos no nosso mundo como algo que compõe um imenso espaço que é o universo, talvez possamos ter um pouco dessa visão coletiva, sabendo que o que é feito de um lado do mundo, pode certamente nos importar, mesmo estando do outro lado do planeta.

20 19 3 O DOMÍNIO PÚBLICO INTERNACIONAL Considerando toda a área de nosso planeta, deparamo-nos com algumas regiões que se revestem de amplo interesse internacional e cujo manejo interessa, portanto, a toda ou a boa parte da humanidade, que pode auferir benefícios a partir de sua utilização ou que pode ser afetada pelo mau emprego dos recursos existentes. Parte dessas áreas encontra-se sob a soberania de um ou de mais Estados, o que, cabe ressaltar, não impede que sua utilização se revista de interesse para outros Estados. Entretanto, outra parte dessas áreas não se encontra sob a soberania de nenhum Estado, o que, aliás, causa muitos e pertinentes questionamentos referentes à forma de sua administração. Como afirmamos anteriormente, alguns territórios de interesse internacional, como a própria Amazônia, aqui mesmo no Brasil, que a compartilha com outros oito países, são relevantes para toda a humanidade, pois os efeitos de sua exploração, seus bens naturais e possíveis benefícios que estes podem trazer, além de traços históricos e culturais ali existentes, podem interessar a qualquer outro Estado. Um bioma como o da Amazônia pode, por exemplo, conter substâncias capazes de produzir remédios que combatam uma doença que assola o povo de um país do outro lado do mundo. Por outro lado, a sua má exploração poderá trazer consequências ambientais desastrosas ao nosso planeta, podendo refletir em outros locais distantes, trazendo reações em cadeia e prejudicando diversos povos pelo globo. Ruínas, fósseis e descobertas ali realizadas talvez nos façam entender melhor nossa existência. Mas tal área é protegida pela soberania de alguns países, pelo menos em tese, devendo estes zelarem e serem os principais responsáveis pela sua manutenção, pensando não apenas em si, mas em toda a coletividade humana. Mas e quando determinado território não está sob a proteção direta da soberania de algum Estado? Se por motivos específicos, seja por características próprias do lugar, seja por acordos firmados ou outras circunstâncias históricas,

21 20 aquela extensão de terra a ninguém pertence? Ou melhor, pertence a todos. Talvez aí esteja o conceito de um domínio público, mais precisamente o domínio público internacional. Mas apenas estas áreas que não se encontram sob a soberania de nenhum Estado devem fazer parte desse domínio? A resposta é precisamente negativa, porque aquelas áreas que estão sob o controle soberano de um ou mais Estados, mas que se revestem de interesse internacional, também devem. Ou seja, considera-se, ademais as características do lugar e seus benefícios, o interesse público internacional, não importando a falta ou não de um Estado Soberano que possua tal território, o que parece ser bastante lógico. Claro que a situação não é das mais simples. Não se pode simplesmente quebrar a soberania de um país alegando discricionariamente o interesse de todos os povos. O professor Francisco Rezek expôs: É da tradição doutrinária que a expressão domínio público internacional designe aqueles espaços cuja utilização suscita o interesse de mais de um Estado soberano - às vezes de toda a comunidade internacional -, ainda quando sujeitos à incidência de determinada soberania. 7 Conceito simples, afirmando a tradição doutrinária, mas totalmente válido e de importante e fácil compreensão. O interesse de utilização do espaço territorial, quando é de mais de um Estado ou de toda a comunidade internacional, como citou o professor Rezek, pode ser denominado como área de domínio público internacional. Paulo Henrique Gonçalves Portela reforça essa ideia ao comentar o seguinte sobre as áreas de domínio público internacional: [...] existem espaços geográficos dentro e fora da Terra que, pelo menos em parcelas importantes de sua extensão, não pertencem a nenhum Estado, como o lado mar, o espaço aéreo internacional ou o espaço extraatmosférico. Há também áreas que se encontram sob a soberania de um ente estatal, mas que se revestem de grande importância para toda a humanidade, como o mar territorial e o espaço aéreo dos Estados, relevantes para o bom desenvolvimento da navegação aérea e marítima, 7 REZEK, Francisco. Direito Internacional Público. 10 ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p. 299.

22 21 para o desenvolvimento do comércio internacional, para o fluxo de pessoas etc. 8 Assim, seguindo o pensamento do referido autor, fazem parte do domínio público internacional não apenas aqueles territórios que não pertencem a nenhum Estado, mas sim os que são de interesse de toda a humanidade. Os principais espaços do domínio público internacional são: o mar, os rios internacionais, as zonas polares, o espaço aéreo e o espaço exterior. O professor Portela versou que "pelo menos por enquanto, tais áreas são somente o mar, o espaço aéreo, as zonas polares e o espaço extra-atmosférico" 9. Isso significa que, futuramente, também poderemos ter outros áreas assim definidas, como florestas e desertos, por exemplo. 3.1 As zonas polares Deve ser conferida atenção de forma bastante cuidadosa à maneira de exploração das áreas do domínio público internacional. A respeito, as intenções da exploração podem tornar-se distintas ao passar do tempo, o que aconteceu com as zonas polares, como afirmou a professora Gilda Maciel Corrêa Meyer Russomano, citada pelo autor Valério de Oliveira Mazzuoli: É curioso observar que, no início, as regiões polares ofereciam interesse puramente científico. Os maiores interessados nessas regiões eram notadamente navegadores e geógrafos, cujas preocupações estavam sempre ligadas a questões específicas e de ordem técnica, como a com a exata delimitação matemática do círculo polar ártico e do círculo polar antártico, entre outras, tendo sido várias as expedições organizadas aos polos com essa finalidade. Modernamente, entretanto, o interesse da sociedade internacional relativamente às regiões polares mudou 8 PORTELA, Paulo Henrique Gonçalves. Direito Internacional Público e Privado. 5. ed. Salvador: Podivm, 2013, p Ibid., p. 578.

23 22 drasticamente de foco, tendo o problema passado a girar em torno de questões exclusivamente econômicas, sobretudo no que tange à navegação marítima e aérea, à caça e à pesca em geral (e, em particular, a das baleias) e aos recursos minerais dessa região do planeta, afastando-se por completo do caráter científico que até então presidia o centro das discussões internacionais relativamente ao tema. A sociedade internacional passou a dirigir os seus interesses aos círculos ártico e antártico com a finalidade de aproveitamento futuro dessas regiões desérticas e geladas da Terra, tendo em vista, inclusive, o seu aspecto estratégico nas questões relacionadas à defesa e à segurança do Estado. 10 Percebe-se que, no caso das zonas polares, o interesse primário foi bastante justo, tendo as questões principais sido emanadas por cientistas e navegadores, preocupados com questões científicas, ambientais e de navegação. Tais estudos são importantes para toda a sociedade, pois nos fazem compreender melhor nosso planeta, buscar soluções para possíveis problemas, bem como para proporcionar navegações seguras por essas áreas ainda não compreendidas em sua totalidade. Como é de praxe na história humana, os interesses mudaram. Foi notado que as zonas polares poderiam ser usadas para benefício próprio por um ou outro Estado. Seja economicamente ou com intenções militares, o polo ártico e o antártico ficaram diferentes aos olhos das nações. Atitudes precisavam ser tomadas, pelo menos para tentar controlar a ânsia de controle dessas zonas por alguns Estados. Nesse sentido, o Tratado da Antártica, que data de 1959 e do qual o Brasil é signatário, determinou que esse continente gelado pode ser usado apenas para fins pacíficos, como em pesquisas científicas. Promove a não utilização de qualquer equipamento militar, a não ser para garantir tais interesses científicos ou outra finalidade pacífica. Bases científicas são instaladas por muitos países, como o nosso, mas sempre comprometidas com os termos do tratado. Atualmente, a exploração do Ártico tem se mostrado cada vez forte. O Portal Terra apresentou reportagem na qual traz alerta de ambientalistas e nativos sobre sua exploração: 10 RUSSOMANO apud MAZZUOLI, Valerio de Oliveira. Curso de Direito Internacional Público. 7 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013, p. 797.

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 09 DE AGOSTO PALÁCIO DO PLANALTO

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global

Capítulo 21 Meio Ambiente Global Capítulo 21 Meio Ambiente Global http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais importantes, em termos de

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

Prof. Janderson Barros

Prof. Janderson Barros A palavra deriva do grego árktos, que significa ursa, usada para denominar as constelações da Ursa, no hemisfério norte. Como o continente está no hemisfério sul, acrescentou-se o prefixo anti. Antártida

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho

Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Regionalização DO ESPAÇO MUNDIAL Unidade 1 Geografia 8º Ano - Prof. Beto Filho Neste capítulo vamos estudar uma forma de regionalizar o mundo fundamentada, principalmente, em fatores físicos ou naturais:

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO

A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO A FORMAÇÃO DA COMUNIDADE INTERNACIONAL FRENTE AO FENÔMENO DA GLOBALIZAÇÃO DO MODELO NORTE-AMERICANO Carlos Antônio Petter Bomfá 1 RESUMO: A globalização tem se tornado um elemento de identificação de uma

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Volodymyr Goinyk/ Shutterstock. Regiões polares. Homens navegam nas águas geladas da Antártida.

Volodymyr Goinyk/ Shutterstock. Regiões polares. Homens navegam nas águas geladas da Antártida. Volodymyr Goinyk/ Shutterstock Regiões polares Homens navegam nas águas geladas da Antártida. Localização das regiões polares Localizam-se nas extremidades norte e sul da Terra, entre os polos e os círculos

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

ATA DE JULGAMENTO DE RECURSOS CONTRA O GABARITO PARCIAL DE TODOS OS CARGOS

ATA DE JULGAMENTO DE RECURSOS CONTRA O GABARITO PARCIAL DE TODOS OS CARGOS ATA DE JULGAMENTO DE RECURSOS CONTRA O GABARITO PARCIAL DE TODOS OS CARGOS O setor de provas e avaliação da SEPROD reuniu-se junto com a equipe de professores, para analisar os recursos administrativos

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA O QUE É GEOGRAFIA 01. (Ufpe) Vamos supor que um determinado pesquisador escreveu o seguinte texto sobre a Amazônia brasileira. "A Amazônia brasileira, uma das principais regiões do País, está fadada ao

Leia mais

VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO

VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO Helena Correia Mendonça, Vieira de Almeida & Associados [ A importância do espaço para a indústria e da indústria para o espaço, um texto de Helena Correia Mendonça,

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 8ºANO Manhã e Tarde Professores: Mário e Walker GEOGRAFIA OBJETIVOS: MATERIAL DE TRABALHO E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ESTUDO:

ESTUDO DIRIGIDO 8ºANO Manhã e Tarde Professores: Mário e Walker GEOGRAFIA OBJETIVOS: MATERIAL DE TRABALHO E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ESTUDO: ESTUDO DIRIGIDO 8ºANO Manhã e Tarde Professores: Mário e Walker GEOGRAFIA Caro estudante, Este trabalho visa facilitar o processo de aprendizagem trabalhado em sala de aula durante o primeiro semestre

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Redução dos níveis de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic

A) Ação global. B) Ação Antrópica. C) Ação ambiental. D) Ação tectônic Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 6º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da recuperação. Superficie da Terra. Litosfera, solo e relevo 1- Analise a imagem. www.trabanca.com-acesso:

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Intervenção do Senhor DAS II para o IV Seminário de Direito de Águas Internacionais. Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2015

Intervenção do Senhor DAS II para o IV Seminário de Direito de Águas Internacionais. Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2015 Intervenção do Senhor DAS II para o IV Seminário de Direito de Águas Internacionais Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2015 É para mim uma grande satisfação encerrar este Seminário promovido pela Global

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br.

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Setor de Ciências Exatas e de

Leia mais

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO

Carta da Terra. www.oxisdaquestao.com.br PREÂMBULO 1 www.oxisdaquestao.com.br Carta da Terra PREÂMBULO Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a humanidade deve escolher o seu futuro. À medida que o mundo torna-se cada

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Observe a figura

Leia mais

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com

Geopolítica. Prof. Demóstenes Farias, MSc. www.demostenesfarias.wordpress.com Prof. Demóstenes Farias, MSc Demóstenes Moreira de Farias, MSc Graduação em Administração, UECE Especialização em Gestão de Negócios, USP/BNB Especialização em Geografia, FFM/PB Programa de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues

4ºano Turma Mista. Autora: Beatriz Rodrigues 4ºano Turma Mista O ESPAÇO Autora: Beatriz Rodrigues O que é e como é o Espaço? Os seres humanos chamam Espaço a tudo o que está fora da superfície e atmosfera terrestre. A maioria dos peritos acredita

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 28 DE MAIO GRANDE PALÁCIO DO POVO

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

O globo em jornal. Nesta aula vamos aprender que existem

O globo em jornal. Nesta aula vamos aprender que existem A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O globo em jornal Nesta aula vamos aprender que existem muitas diferenças e semelhanças entre as nações que formam o mundo atual. Vamos verificar que a expansão

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2 DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS Roteiro 1 Indicação de faixa etária: para todos os públicos Sessão de Planetário: Pode ser escolhida qualquer uma das sessões disponíveis em nossa programação. Exposição: Será realizada

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Direito Ambiental Internacional e Interno: Aspectos de sua Evolução Publicado na Gazeta Mercantil em 12 de dezembro de 2002 Paulo de Bessa Antunes Advogado Dannemann Siemsen Meio

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held

Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held Sistema Político Globalizante e a Questão Ambiental segundo David Held sheyla rosana oliveira moraes(ufpa) Cientista Social, Especialista em Educação Ambiental, Estudante do Curso de Pos Graduação em Ciencia

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA

MATÉRIA 6º 2º Dez/13 NOTA Valores eternos. TD Recuperação MATÉRIA Geografia ANO/TURMA SEMESTRE DATA 6º 2º Dez/13 ALUNO(A) PROFESSOR(A) Tiago Bastos TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS NOTA VISTO DOS PAIS/RESPONSÁVEIS 1. Analise e

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias

América anglo-saxônica. Diferentes povos construíram duas fortes economias América anglo-saxônica Diferentes povos construíram duas fortes economias A América Desenvolvida Conhecido também como Novo Mundo, a América é sinônimo de miscigenação, desenvolvimento e mazelas sociais.

Leia mais

Conhecimento exigido: Questão exigia do aluno conhecimento sobre conflitos atuais bem como algumas atualidades políticas geográficas.

Conhecimento exigido: Questão exigia do aluno conhecimento sobre conflitos atuais bem como algumas atualidades políticas geográficas. Prova de Geografia (versão amarela) Professor Marcelo da Silva Questão 11 Nível - Fácil Conhecimento exigido: Questão exigia domínio sobre o histórico do processo migratório para Santa Catarina bem como

Leia mais

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS

AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS AMÉRICA: ASPECTOS NATURAIS E TERRITORIAIS Tema 1: A América no mundo 1. Um continente diversificado A América possui grande extensão latitudinal e, por isso, nela encontramos diversas paisagens. 2. Fatores

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

Segurança espacial: conceitos básicos

Segurança espacial: conceitos básicos Segurança espacial: conceitos básicos José Monserrat Filho Associação Brasileira de Direito Aeronáutico e Espacial (SBDA) Núcleo de Estudos de Direito Espacial (NEDE) Reunião de 15 de junho de 2012 Definição

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social

Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Boletim ABLimno 41(1), 19-23, 2015 Limnologia Brasileira e sua necessidade de inserção social Francisco de Assis Esteves Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento

Leia mais

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra

Agenda 21 e a Pedagogia da Terra Agenda 21 e a Pedagogia da Terra A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana - NAIA O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse

Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor (a) Supervisor (a): Ary Pereira Bolsistas: Ana Moser e Débora Leyse Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Programa Institucional de Iniciação à docência (PIBID) Escola Estadual Jerônimo Gueiros Professor

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO FINAL

PLANO DE RECUPERAÇÃO FINAL TURMA: 1 Ensino Médio Planeta e Cartografia As formas de relevo e a hidrografia Tipos climáticos e biomas da Terra Problemas ambientais Espaço Mundial e a industrialização Recursos minerais e fontes de

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FRANCESA SOBRE A COOPERAÇÃO NA PESQUISA E NOS USOS DO ESPAÇO EXTERIOR PARA FINS PACÍFICOS O Governo da República

Leia mais

Geografia Prof. Rose Rodrigues. Força Total módulo zero

Geografia Prof. Rose Rodrigues. Força Total módulo zero 1-(UNESP) Observe o mapa do Brasil. Geografia Prof. Rose Rodrigues Força Total módulo zero Faça o que se pede. a) Sabendo-se que o segmento AB possui 2 cm no mapa e equivale a 1112 km, qual a escala do

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

COP21 Perguntas frequentes

COP21 Perguntas frequentes COP21 Perguntas frequentes Porque é que a conferência se chama COP21? A Conferência do Clima de Paris é oficialmente conhecida como a 21ª Conferência das Partes (ou COP ) da Convenção-Quadro das Nações

Leia mais

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos

Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I. A Declaração Universal dos Direitos Humanos Os sistemas global e americano de proteção dos direitos humanos parte I Camila Bressanelli* A Declaração Universal dos Direitos Humanos Antes mesmo da análise dos sistemas global e americano de proteção

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1

DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 DECLARAÇÃO DE BUENOS AIRES (2012) 1 Sobre a atuação dos Juízes e Poderes Judiciários Iberoamericanos relativamente à informação, à participação pública e ao acesso à justiça em matéria de meio ambiente

Leia mais