PROPOSTA DE PARÂMETROS DE RESSUPRIMENTO DE ITENS DE MANUTENÇÃO DE BAIXO GIRO UTILIZANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE PARÂMETROS DE RESSUPRIMENTO DE ITENS DE MANUTENÇÃO DE BAIXO GIRO UTILIZANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO"

Transcrição

1 PROPOSTA DE PARÂMETROS DE RESSUPRIMENTO DE ITENS DE MANUTENÇÃO DE BAIXO GIRO UTILIZANDO SIMULAÇÃO MONTE CARLO 1. INTRODUÇÃO A empresa estudada é de grande porte, líder em sua área de atuação, está dentre uma das multinacionais mais lucrativas do Brasil com diversificado complexo de atuação voltado para a exploração mineral, serviços de logística e energia, diversificando o portifólio de produtos minerais e consolidando a prestação de serviços logísticos. Exportados para diversos países, os minérios passam por transformações e são incorporados aos costumes locais na forma de novos produtos de uso comum de carros a aviões, de fogões a computadores, além de serem largamente empregados na construção de estruturas e fundações. Atualmente, a empresa está presente em 14 estados brasileiros e em 5 continentes: Américas, Europa, África, Ásia e Oceania. É neste cenário que se quer avaliar o desempenho do processo de ressuprimento dos itens MRO (Manutenção, Reparo e Operação) desta empresa. O conceito de estoque é possivelmente claro para todos. Desde o começo de sua história a humanidade tem usado estoques de diferentes recursos, como alimentos e ferramentas, para apoiar sua sobrevivência e desenvolvimento. A gestão de estoques é assim um conceito amplamente difundido, estando presente em praticamente todo o tipo de organização, até mesmo no dia-a-dia das pessoas. No ambiente empresarial, se por um lado, baixos níveis de estoque podem levar a perda de economias de escala e altos custos de falta de produtos, por outro lado o excesso de estoques representa custos operacionais e de oportunidade do capital empatado. Encontrar o ponto ótimo nesse trade-off não é em geral uma tarefa simples. Como estabelecer os parâmetros do modelo de reposição de itens Manutenção, Reparo e Operação (MRO) de baixo giro da empresa de maneira a obter melhores indicadores de desempenho operacional? É possível afirmar que, com a utilização da técnica de simulação Monte Carlo, será possível melhorar o desempenho do ressuprimento de itens de baixo giro, pelas

2 estatísticas de simulação. O objetivo geral deste estudo é avaliar o desempenho do processo de ressuprimento dos itens Manutenção, Reparo e Operação (MRO) de baixo giro da empresa estudada, através da simulação Monte Carlo. Os objetivos específicos foram: levantar os dados associados ao problema, construir um modelo de simulação, estabelecer possíveis cursos de ação para os testes, realizar o experimento, estabelecer critérios de mensuração de desempenho e analisar os resultados. Itens de baixo giro são exemplos de casos nos quais a distribuição de probabilidades normal é raramente adequada para descrever a demanda durante um certo intervalo de tempo. Dessa forma, a tomada de decisões de ressuprimento com base apenas nas estatísticas médias e desvio-padrão pode levar a desempenho subotimizado. Várias empresas já perceberam como a gestão de estoques pode trazer vantagens competitivas e estão inclusive olhando os estoques ao longo de toda a cadeia de suprimentos da qual fazem parte. Para o desenvolvimento do trabalho foi realizada uma pesquisa bibliográfica e uma análise no ressuprimento de itens de baixo giro em uma empresa do setor de mineração e logística. A metodologia empregada foi a utilização da simulação Monte Carlo, que é uma ferramenta importante para analisar, parametrizar e escolher políticas de estoque. Esta técnica permite a modelagem de praticamente qualquer complexidade que não pode ser tratado por modelos analíticos. A metodologia se subdivide nas seguintes etapas: a) Organizar a massa de dados real dos itens, contemplando exclusivamente os itens MRO de baixo giro que sejam estocáveis; b) Seleção dos itens de simulação através da classificação ABC do estoque; c) Estabelecimento de uma distribuição de probabilidades discreta para a demanda dos itens simulados de forma a assegurar que o seu comportamento seja fiel ao comportamento da demanda real;

3 d) Determinação de um intervalo de números aleatórios para cada variável, através da faixa de valores suas freqüências para a demanda; e) Modelagem dos indicadores de desempenho da simulação; f) Geração de números aleatórios; g) Determinar os parâmetros de ressuprimento; h) Simulação de uma série de experiências; i) Comparação dos resultados encontrados na simulação com os resultados dos indicadores da massa de dados real; O trabalho é apresentado em 4 capítulos, sendo o capítulo 1 a introdução do trabalho que tem como objetivo caracterizar a empresa estudada, ressaltar a relevância e estabelecer os objetivos do estudo e descrever a metodologia utilizada. O capítulo 2 apresenta o referencial teórico utilizado para desenvolver o estudo de caso. São explicado alguns conceitos relativos à gestão de estoques, a política de controle de estoque, sobre os indicadores de desempenho e sobre simulação. O capítulo 3 mostra o estudo de caso relatando a forma como os dados foram obtidos, a maneira como foram processados, os resultados obtidos após a simulação e a interpretação dos resultados. No capítulo 4 são apresentadas as conclusões deste estudo de caso, bem como sugestões para futuras pesquisas. As referências bibliográficas são apresentadas ao final do documento. 2 GESTÃO DE ESTOQUES Segundo Heizer e Render (2001, p.320), as empresas buscam cada vez mais reduzir os níveis de estoques sem comprometer o nível de atendimento de seus clientes, mas não se consegue realizar uma estratégia de baixo custo sem uma boa gestão de estoques. Um dos grandes desafios enfrentados atualmente pelas organizações se refere ao balanceamento dos estoques em termos de produção e logística com a demanda do mercado e o serviço ao cliente (BERTAGLIA, 2003, p.313). Os estoques incorrem em custos, oneram o capital, ocupam espaço e necessitam de gerenciamento tanto na entrada como na saída. Podem tornar-se obsoletos e

4 ultrapassados (BERTAGLIA, 2003, p.313). Segundo Heizer e Render (2001, p.321), todas as empresas têm algum tipo de sistema de planejamento e controle de estoques. No caso de produtos físicos, a organização deve determinar se irá fabricá-los ou compra-los. Depois que essa decisão tiver sido tomada, a etapa seguinte é prever a demanda. Em seguida, os gerentes de operações determinam o estoque necessário para atender essa demanda (HEIZER; RENDER, 2001, p.321). Segundo Stevenson (2001, p.426), o controle inadequado de estoques pode resultar tanto em estocagem insuficiente quanto em estocagem excessiva. A estocagem insuficiente resulta em fornecimentos ou vendas perdidos, clientes insatisfeitos e gargalos na produção; a estocagem excessiva absorve, desnecessariamente, fundos que poderiam ser mais produtivos em outra área. No entanto, embora a estocagem excessiva pode ser desconcertante e a situação econômico financeira pode facilmente fugir do controle. Não é raro o gerente descobrir que, para determinado item, a empresa tem um estoque que pode durar dez anos. Os gestores de logística devem constantemente lidar com decisões referentes a compras, produção e distribuição. Algumas das decisões mais importantes são (GARCIA, 2006, p.18): a) Quanto pedir: todo pedido de ressuprimento deve especificar a quantidade requerida, tendo como base demandas futuras esperadas, restrições de suprimentos, descontos existentes e custos envolvidos. b) Quando pedir: o momento exato de emitir uma nova ordem é determinado pelo parâmetro do ponto de pedido, que depende do lead time de ressuprimento, da demanda esperada e do nível de serviço desejado. c) Com que freqüência revisar os níveis de estoque: os níveis de estoque podem ser revisados continuamente ou periodicamente dependendo da tecnologia presente e dos custos de revisão, dentre outros fatores. d) Onde localizar os estoques: se uma empresa pode estocar seus produtos em mais de uma instalação, decisões de localização devem ser tomadas, como por exemplo manter produtos acabados em armazéns pequenos próximos aos clientes ou em um armazém central, o que depende dos custos de distribuição,

5 restrições de serviço, tempo em que os clientes aceitam esperar, tempo de distribuição, custos de estoque, custos de instalações etc. e) Como controlar o sistema: a utilização de indicadores de desempenho e o monitoramento das operações devem estar presentes para apoiar medidas corretivas e ações de contingência se o sistema logístico estiver fora de controle ou operando com baixa performance. 2.1 GESTÃO DE PEÇAS DE REPOSIÇÃO DE BAIXO GIRO Para Wanke (2003), a gestão de estoques de peças de reposição constitui um capitulo a parte da gestão de estoques. Isto porque os elevados custos de aquisição, o longo tempo de resposta de fornecimento, o baixo giro e distribuição de demanda, em sua maioria, não aderente à distribuição normal. Peças de reposição de baixo giro são aqueles itens cujo consumo médio histórico pode variar entre 1 e 300 unidades por ano. Para estes itens normalmente é recomendada uma política de estoques baseada na definição do nível de reposição e na quantidade de reposição. O nível de reposição é o patamar de estoque abaixo do qual uma solicitação de reposição seria feita com a quantidade de peças, sendo sua chegada definida pelo lead time de resposta a partir do fornecedor (WANKE, 2003). Segundo Wanke (2003), este tipo de item, a impossibilidade de aproximar a sua demanda da distribuição normal torna difícil a determinação de seu ponto de ressuprimento, bem como de seu estoque de segurança, a fim de manter um alto nível de serviço. Desta forma, para o trabalho em questão são propostos novos parâmetros de ressuprimento dos itens de baixo giro através de simulação. 2.2 POLÍTICAS DE CONTROLE DE ESTOQUES De acordo com Wanke (2003) um ponto importante para o planejamento das operações que envolvem estoques diz respeito à identificação da demanda. Obviamente, há formas diferentes de planejamento para cada ramo de atividade, onde existe uma cadeia de abastecimento. Ele aborda esse assunto em situações onde a previsão de vendas é usada como mecanismo para política de estoques, na qual o enfoque maior do planejamento incorre sobre controle de estoque e

6 planejamento total das partes relacionadas, como distribuição e produção. Ainda segundo Garcia et al. (2006, p.60), um aspecto importante é a divisão entre políticas de revisão continua e revisão periódica. Políticas de revisão contínua são aquelas em que decisões de ressuprimento podem ser tomadas a qualquer instante de tempo, o que é possibilitado pelo monitoramento contínuo de mudanças nos níveis de estoque. Já nas políticas de revisão periódica decisões de ressuprimento só podem ser realizadas em intervalo de tempos predefinidos. Segundo Garcia et al. (2006, p.60), as políticas de revisão contínua resultam em menores níveis de estoque (em razão de menores estoques de segurança) com o mesmo nível de serviço quando comparadas às políticas de revisão periódica. Entretanto, políticas de revisão periódica, permitem a programação de operações como compras, transporte e recebimentos, o que pode trazer oportunidade de economias de escala e racionalização do uso de recursos. Alem disso, revisar os estoques periodicamente pode reduzir os custos de monitoramento e controle POLÍTICA <S,Q> De acordo com Garcia et al. (2006, p.60), uma das políticas de revisão contínua mais popular é a <s,q>. Nesta política, uma quantidade Q é pedida toda vez que a posição de estoque atinge um nível de s unidades, chegando o pedido após leadtime de ressuprimento L. Nesta política, a demanda e o lead-time são variáveis aleatórias, o que leva a diferentes modelos e decisões. A figura 2 ilustra o gráfico dente-de-serra com incertezas na demanda e no lead-time. FIGURA 2 - Gráfico Dente-de-Serra Fonte: GARCIA et al., 2006.

7 O ponto de pedido s e o lote de ressuprimento Q são os parâmetros da política que devem ser selecionados. Existem alguns modelos para calculá-los, baseados em otimização de custos e/ou restrições de serviço. Nesta seção assume-se que todas as demandas por unidade de tempo possuem a mesma média µd e o mesmo desvio-padrão σd. (GARCIA et al., 2006, p.60). Segundo Garcia et al. (2006, p.61), no que se refere a s, deve-se primeiramente perceber que este depende dos possíveis valores que pode assumir a demanda no lead-time, DL. Esta é a soma de cada demanda por unidade de tempo, dt, durante o lead-time de ressuprimento L: DL = L d t t= 1 (1) Já que demandas e lead-time são incertos, DL é também uma variável aleatória. O ponto de pedido s deve ser determinado com base na distribuição de probabilidade de DL. Por exemplo, se é desejado que a probabilidade de não haver stockout durante o lead-time seja de 90%, s deve ser igual ao percentil 90% de DL (GARCIA et al., 2006, p.61). Segundo Garcia et al. (2006, p.61), assumindo que DL seja aderente a uma distribuição normal, seus percentis são determinados por sua média µdl e por seu desvio-padrão σdl. O ponto de pedido é então expresso como uma função dessas estatísticas: s = µ + k σ (2) DL DL O termo relativo ao desvio-padrão da demanda no lead-time é usualmente conhecido como o estoque de segurança SS (GARCIA et al., 2006, p.61). s = µ DL + SS (3) SS = K σ (4) DL Dessa forma, a seleção do fator de segurança K é suficiente para dimensionar o ponto de pedido (GARCIA et al.,2006, p.61). Segundo Garcia et al. (2006, p.61), uma questão importante é como obter a media e

8 o desvio padrão de DL. Uma maneira seria coletar dados históricos da demanda no lead-time e calcular diretamente suas estatísticas. A maneira mais comum de obter a média e o desvio-padrão de DL é pelas estatísticas da demanda por unidade de tempo e do lead-time. As figuras 3 e 4 ilustram as possíveis variações de DL como resultado das incertezas na demanda por unidade de tempo e no lead-time (GARCIA et al.,2006, p.62). Aqui foi assumida uma distribuição normal para DL. Porém, mesmo que as demandas por unidade de tempo e os lead-time sejam normais, DL pode não ser aderente a uma distribuição normal (GARCIA et al., 2006, p.64). FIGURA 3 - Variação de DL com resultado da incerteza em d t Fonte: GARCIA et al., 2006 FIGURA 4 - Variação de DL com resultado da incerteza em L Fonte: GARCIA et al., 2006

9 As políticas <s,q> e <s,s>, foram consideradas pela empresa estudada, estando em uso atualmente apenas a política <s,s> descrita no seção POLÍTICA <S,S> Segundo Garcia et al. (2006, p.68), a <s,s> é uma política de revisão continua, também chamada de min/max. Toda vez que a posição de estoque atinge o ponto de pedido s ou um nível inferior, um pedido é colocado para elevar a posição de estoque para S unidades. Se todas as transações de atendimento às demandas dos clientes são unitárias, esta política é idêntica à <s,q>, sendo Q sempre igual a S - s. Entretanto, caso ocorram transações com quantidades maiores que uma unidade do item (demandas dos clientes em lote), a posição de estoque pode cair a baixo do ponto de pedido, sendo os pedidos de ressuprimento variáveis. Segundo Garcia et al. (2006, p.68), os pontos de pedidos no sistema <s,s> devem levar em conta a incerteza no tamanho das transações, o que torna mais complexa a derivação de formulas analíticas. Em muitos casos não existe diferença substancial nos níveis de serviço e custos se as características das transações não são levadas em conta, sendo usadas às mesmas equações da política <s,q>, em outras situações entretanto, pode ser relevante calcular os valores ótimos exatos para s e S, como é o caso de itens de baixo giro classe A em valor. Sendo a política <s,s> a política de gestão de estoques utilizada na empresa estudada, a mesma foi replicada no modelo de simulação Monte Carlo para atender a demanda dos itens selecionados. 3 SIMULAÇÃO MONTE CARLO Segundo Garcia et al. (2006, p.73), a simulação consiste na modelagem das regras e lógicas da gestão de estoques e do atendimento da demanda em um software, sendo as variáveis aleatórias geradas pelo computador onde qualquer distribuição de probabilidade pode ser replicada. Os experimentos de simulação são realizados para testar diferentes regras e parâmetros, sendo o desempenho medido pelas estatísticas da simulação. A simulação Monte Carlo é uma técnica capaz de recriar o funcionamento de um

10 sistema real dentro de um modelo teórico. Podemos definir o Método de Monte Carlo como sendo uma maneira de se transformar um conjunto de números aleatórios em um outro conjunto de números ( variáveis aleatórias ), com a mesma distribuição da variável considerada (PRADO, 2004, p.101). Segundo Heizer e Render (2001, p. 605), quando um sistema contém elementos que apresentam probabilidades em seu comportamento, pode se aplicar o método de Monte Carlo de simulação para estudar o comportamento das variáveis que compõem o modelo. Segundo Garcia et al. (2006, p. 73), a desvantagem da simulação Monte Carlo é usualmente o esforço computacional requerido. Mesmo assim, esta é uma ferramenta muito útil pata testar e validar regras e modelos analíticos. A base da simulação de Monte Carlo é a experimentação sobre elementos probabilísticos por meio da amostragem aleatória. Segundo Heizer e Render (2001, p.605), a técnica se subdivide em 5 etapas simples: Encontrar ou estabelecer uma distribuição de probabilidades para as variáveis importantes. Construir uma distribuição de probabilidades cumulativas para cada variável. Determinar um intervalo de números aleatórios para cada variável. Gerar números aleatórios. Simular realmente uma série de experiências. Heizer e Render (2001, p.605), a idéia básica da simulação de Monte Carlo é gerar valores para as variáveis compondo o modelo em estudo. Nos sistemas do mundo real, muitas variáveis são probabilísticas por natureza. A conversão de uma distribuição de probabilidades regular, em uma distribuição de probabilidade cumulativa é a soma do valor da probabilidade regular com a probabilidade cumulativa anterior (HEIZER; RENDER, 2001, p.606). De acordo com Heizer e Render (2001, p.606): Depois de construir uma distribuição de probabilidades cumulativas para cada variável da simulação, é preciso atribuir um conjunto de números para representar cada valor ou resultado possível. Estes são chamados de intervalo de números aleatórios, basicamente, um número aleatório é uma serie de dígitos que foram selecionados por um processo totalmente

11 aleatório um processo em que cada número aleatório tem a mesma probabilidade de ser selecionado. Segundo Heizer e Render (2001, p.607), pode-se simular os resultados de um experimento pela simples seleção de números aleatórios. 4 ESTUDO DE CASO 4.1 A EMPRESA E O PROCESSO A empresa na qual foi realizado este estudo, é uma empresa de grande porte, líder em sua área de atuação, está dentre uma das multinacionais mais lucrativas do Brasil com diversificado complexo de atuação voltado para a exploração mineral, serviços de logística e energia. Presente em 14 estados brasileiros e em cinco continentes, opera mais de 9 mil quilômetros de malha ferroviária e oito terminais portuários próprios. Líder mundial no mercado de minério de ferro e pelotas é a segunda maior produtora integrada de manganês e ferroligas, além de maior prestadora de serviços de logística do Brasil. Comercializa seus produtos para indústrias siderúrgicas do mundo inteiro. No Brasil, seu produto é explorado em três sistemas integrados, cada um formado por mina, ferrovia, usina de pelotização e terminal marítimo. 4.2 ANÁLISE DE MODELO DE GESTÃO DE ESTOQUES UTILIZADO PELA EMPRESA Para a empresa, um único modelo não abrangeria todas as características de seus itens. Numa empresa com várias frentes de atividades existem itens que se comportam de formas diferentes. Há diferença dos preços para os materiais utilizados, itens com maior valor necessitam de cuidados maiores para que não se eleve o valor dos estoques. Outra característica é a quantidades de vezes que os materiais saem dos estoques. Nesse caso medem-se estas movimentações pelo giro, ou seja, a quantidade de vezes (saídas) num determinado período de tempo, isto é, tempo que o lote estocável leva para se renovar, girar. A importância do item na produção é igualmente relevante, pois existem materiais cuja falta na ocasião de ser requisitado pode causar atrasos ou até mesmo parada da produção. Enquanto outros itens que não necessariamente influenciam diretamente no processo. Entre outros, estes são alguns fatores que se destacam por haver influenciado a empresa estudada a optar

12 por modelos de estoque diversificados. Ao mesmo tempo, através do conhecimento das particularidades dos materiais utilizados na empresa, a política utilizada na gestão dos estoques e os modelos empregados propiciam a identificação de possíveis problemas como os modelos de gestão de estoques. A empresa utiliza para gerenciar suas rotinas um programa ERP da ORACLE. A partir daí pode-se observar que a empresa teve necessidade de adaptar o sistema de gestão de estoques utilizado as suas próprias políticas. A empresa estudada possui várias unidades de armazenamento localizadas em suas plantas que se encontram em cinco estados brasileiros. Devido a isso, a equipe de gestão dos estoques é dividida em várias células, que se localizam em unidades estratégicas da empresa. O departamento de gestão de estoques é responsável pelo aprovisionamento de itens de reposição. Item é a nomenclatura usada para indicar uma unidade de armazenamento. Estes itens são analisados pelos planejadores de estoque, como também existem itens que são administrados pelos próprios usuários. O modelo de gestão de estoques da empresa estudada e utilizado atualmente, é um modelo composto que representa uma evolução matemático-estatística para otimização de estoques MRO. Este utiliza duas distribuições de probabilidades para modelar o comportamento da demanda por um item: uma distribuição para modelar a ocorrência de consumo e outra distribuição para modelar o montante consumido dado que há consumo. A política de estoque utilizada atualmente pela empresa é a Mínimo x Máximo para todos os itens estocáveis. Os níveis de ressuprimento determinados para um item não variam automaticamente. Devido a isso foi determinado que os níveis sejam recalculados e atualizados no sistema sempre que necessário, evitando com isso a ruptura do estoque. Dessa forma, os níveis utilizados são baseados no estoque de segurança, e são determinados levando-se em conta a variação de demanda. Todas as variáveis utilizadas para o cálculo são retiradas do sistema gerencial utilizado pela empresa, através de relatórios. Estes relatórios são retirados regularmente pelos técnicos para auxiliar na análise do comportamento dos estoques.

13 Conforme foi informado, a empresa está em estudo constante para aperfeiçoar os métodos de gestão de seus estoques. Sempre buscando meios para que se possa economizar, isto é, evitar manter em estoques mais do que o nível necessário. Também se busca a implementação de contratos de fornecimento, cartão de compras e demais ações que vierem a ser necessárias para diminuição dos estoques e possíveis faltas de material. 4.3 SELEÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS PARA SIMULAÇÃO A idéia é simular 365 dias de operação, para um item de baixo giro, medindo indicadores de desempenho em função de parâmetros da política de estoques, como nível de serviço, estoque médio, stockover e stockout. Portanto, foram selecionados apenas os itens de baixo giro (menor ou igual a 3 eventos ao ano) e após uma classificação ABC por custo dos 1335 itens classificados como baixo giro, chegou-se ao item A, que representa 5,31% do valor de estoque e ao item B que representa 2,25%. Devido ao esforço computacional requerido para simulação, selecionou-se apenas estes itens que representam respectivamente dois cenários de ressuprimento distintos, item normal e item crítico. Na Figura 6 pode-se observar o comportamento da demanda (quantidade em estoque - linha azul) para o item A no ano de 2007, cujos níveis mínimo e máximo fecharam o ano respectivamente em 44(linha vermelha) e 52 (linha verde).

14 Quantidade em Estoque Dia FIGURA 6 - Comportamento da demanda do item A no ano de 2007 Na Figura 7 pode-se observar o comportamento da demanda (quantidade em estoque - linha azul) para o item B no ano de 2007, cujos níveis mínimo e máximo fecharam o ano respectivamente em 3 e 3 (linha verde). 4 3 Quantidade em Estoque Dia FIGURA 7 - Comportamento da demanda do item B no ano de 2007.

15 A função ArriscaDiscreta( Valores ; Freqüências ) é utilizada para representar distribuições de probabilidades discretas. Esta é útil para modelar, por exemplo, demanda de itens de baixo giro e lead-time. Como a demanda dos itens A e B não seguem uma distribuição normal de probabilidade, como se percebe nas Figuras 8 e 9, a função ArriscaDiscreta( Valores ; Freqüências ) do complemento para planilhas eletrônicas Arrisca, material complementar do livro de Gestão de Estoques: Otimizando a Logística e a Cadeia de Suprimentos, foi utilizada para representar distribuições de probabilidade discretas. As freqüências desta distribuição, utilizados para modelar a demanda do item A, está representado na Tabela 2. TABELA 2 - Valores e freqüências da função ArriscaDiscreta para o item A Valores x Valores p Freqüência 1 0,27% 1 2 0,27% 1 8 0,55% ,27% ,63% 360 Frequência 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 98,63% 0,27% 0,27% 0,55% 0,27% Faixa de Ocorrencia FIGURA 8 - Histograma dos Valores e freqüências para o item A As freqüências da distribuição, utilizadas para modelar a demanda do item B, está representado na Tabela 3.

16 TABELA 3 - Valores e freqüências da função ArriscaDiscreta para o item B Valores x Valores p Freqüência 1 0,82% ,18% 362 Frequência 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 99,18% 0,82% 1 0 Faixa de Ocorrencia FIGURA 9 - Histograma dos Valores e freqüências para o item B A Figura 10 mostra como foi modelado a distribuição de probabilidades discreta no Arrisca bastando utilizar a função ArriscaDiscreta( Valores ; Freqüências ). ARRISCA Modelagem da Demanda por uma distribuição Discreta: ArriscaDiscreta(Valores;Freqüência) FIGURA 10 - Modelagem da Demanda por uma Distribuição Discreta A demanda atendida será a própria demanda, caso haja o volume necessário em estoque como é mostrado na Figura 11. Caso contrário, a demanda atendida será igual ao estoque inicial.

17 FIGURA 11 - Modelagem da Lógica de Atendimento da Demanda Nesta simulação não é admitido backorder, ou seja, o estoque final não pode ficar negativo. Este é dado então pelo estoque inicial menos a demanda atendida. A lógica do pedido é em função do ponto de mínimo e do ponto de máximo. Se a soma do estoque final com a quantidade recebida e o estoque em trânsito for menor ou igual ao ponto de mínimo, então pede-se um lote, que é dado através da diferença entre o ponto de máximo e a soma do estoque final com a quantidade recebida e o estoque em trânsito. Se não, não pede-se nada. Desta maneira, fazemos uso da política de estoque de revisão continua <s,s>, também chamada de min/max. Toda vez que a posição de estoque atinge o ponto de pedido s ou um nível inferior, um pedido é colocado para elevar a posição de estoque para S unidades. O dia de recebimento do pedido é dado pela soma do dia atual com o lead-time. Para esta simulação, foi considerado um lead-time de determinístico de 30 dias para o item A e 220 dias para o item B (lead-time de contrato de fornecimento). O estoque inicial é a soma do estoque final do dia anterior com a quantidade recebida. A quantidade recebida é a soma de todos os pedidos que tenham o dia de recebimento igual ao dia atual. Para isso, foi utilizada a função SOMASE, apresentado na Figura 12. Demanda Atendida: Se Estoque Inicial>Demanda, Então Demanda Atendida = Demanda; Senão Demanda Atendida = Estoque Inicial

18 Função: Somase (intervalo;critério;intervalo de soma) Se algum numero no intervalo Dia de Recebimento do Pedido é igual ao dia atual, então são somados todos os valores correspondentes no intervalo Pedidos. Quantidade Recebida = Soma de todos os pedidos que são recebidos no dia em questão. FIGURA 12 - Modelagem da Quantidade Recebida A quantidade em trânsito é igual à quantidade em trânsito no dia anterior mais o pedido anterior menos o recebimento. O próximo passo foi modelar os indicadores de desempenho da simulação. Foram escolhidos quatro indicadores: nível de serviço, número de dias com stockout, número de dias com stockover e estoque médio. O nível de serviço é a demanda atendida sobre a demanda total. O número de dias com stockout é o número de dias com estoque igual à zero, este indicador foi escolhido devido melhor associação ao custo de falta. O estoque médio é dado pela média das posições diárias de estoque final. Neste estudo de caso utilizou-se este indicador, devido à alta complexidade de obtenção do custo de estoque que seria utilizado como indicador, no intuito de não subestimar este dado. Por último, o número de dias com stockover, que é igual ao número de dias com posição de estoque maior que o nível máximo. Este indicador foi escolhido devido melhor associação ao custo de capital e obsolescência do estoque. Com o problema modelado, foi feita a configuração no Arrisca para executar a simulação. O número de iterações significa quantas vezes os 365 dias de operação serão replicados.

19 Escolheu-se os indicadores de saída, selecionando-se as células referentes a estes e clicando no botão Adicionar Output, apresentado na Figura 13. Escolher Outputs FIGURA 13 - Seleção de Indicadores de Saída Foi simulado 1000 iterações e após a corrida de simulação e criada uma planilha com o resultado destas iterações para os quatro indicadores escolhidos. A idéia da simulação foi obter indicadores para diferentes valores dos parâmetros da política de estoques, dando subsídios aos tomadores de decisão para escolher a configuração ideal, aquela que melhor se adapta as suas necessidades. A partir dos parâmetros atuais de min/max estabelecidos pelo política da empresa para os itens A e B expostos na Tabela 4, juntamente com seus respectivos indicadores de desempenho, fixou-se o parâmetro mínimo para utilizá-lo na primeira rodada da Simulação. TABELA 4 - Indicadores com os parâmetros antes simulação Item Parâmetros Nível de Serviço Dias com Stockout Estoque Médio Dias com Stockover A ,99% B ,99% Visando sempre o atendimento da demanda, no primeiro momento, procurou-se o melhor nível de serviço da primeira rodada de simulação, para utilizá-lo como referência de parâmetro máximo para obtenção, no segundo momento, do novo par min/max, que refletiu uma melhora nos indicadores de desempenho operacional. Portanto, para o item A, cuja demanda anual foi de 51 peças, e usando-se este dado para limitar o nível máximo para a simulação, e realizando-se os passos descritos

20 acima referente ao ARRISCA, foram encontrados os dados mostrados na Tabela 5. TABELA 5 - Valores dos Indicadores para o Item A variando o Parâmetro Max min = 44 Parâmetros Max Nível de Dias com Estoque Dias com Stockover Serviço Stockout Médio 44 98,69% ,99% ,99% ,03% ,28% ,56% ,49% ,32% ,47% ,51% ,45% Mantendo-se fixo o nível mínimo em 44, conforme a Tabela 5, parâmetro este determinado pela gestão de estoques da empresa, através de um modelo composto que considera distribuições de probabilidades discretas e contínuas, atualmente utilizada pela mesma, realizou-se a simulação de Monte Carlo gerando números aleatórios para a demanda respeitando o comportamento discreto da demanda original. Cada valor dos indicadores, para os parâmetros de min/max foi obtida através da média das 1000 iterações simuladas. Analisando as informações geradas pelos indicadores, percebe-se que o nível max 74 é o de melhor desempenho de nível de serviço, como pode-se observar nos gráficos apresentados na Figura 14.

Otimizando a Logística de Peças de Reposição. Custo de Manutenção de Estoque

Otimizando a Logística de Peças de Reposição. Custo de Manutenção de Estoque c S : : Caso de Sucesso Gestão de s MRO Otimizando a Logística de Peças de Reposição Determinar o nível ótimo de estoque de cada item, levando em conta os custos, incertezas e restrições do ambiente logístico,

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA Pesquisa Operacional Tópico 4 Simulação Rosana Cavalcante de Oliveira, Msc rosanacavalcante@gmail.com

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação

Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Simulação Computacional de Sistemas, ou simplesmente Simulação Utilização de métodos matemáticos & estatísticos em programas computacionais visando imitar o comportamento de algum processo do mundo real.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes DECISÕES SOBRE POLÍTICA DE ESTOQUES Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estoques são acumulações de matérias-primas, de materiais em processo e de produtos

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque

Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Monitoramento de desempenho na gestão de estoque Rodrigo Arozo O processo de gestão de estoques pode ser decomposto em quatro aspectos básicos: as políticas e modelos quantitativos utilizados, as questões

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE TROCA E DESGASTE DE TELAS DAS PENEIRAS DA USINA DE BENEFICIAMENTO DE MANGANÊS DA MINA DO AZUL V.S. Moreira 1, J.P.Resplandes 1, M.R. Neres 1, R.S. de Paiva

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias

GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES. George Paulus Pereira Dias GESTÃO DA PRODUÇÃO E ESTOQUES George Paulus Pereira Dias Agenda 1. Apresentação MRP 2. Estudo de Caso 3. Apresentação da Planilha 4. Primeira rodada de tomada de decisões 5. Próximos passos MRP - Planejamento

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Simulação de Evento Discreto

Simulação de Evento Discreto Simulação de Evento Discreto Simulação de evento discreto As variáveis de estado modificam-se apenas pela ocorrência de eventos Os eventos ocorrem instantaneamente em pontos separados no tempo São simulados

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

4 Avaliação Econômica

4 Avaliação Econômica 4 Avaliação Econômica Este capítulo tem o objetivo de descrever a segunda etapa da metodologia, correspondente a avaliação econômica das entidades de reservas. A avaliação econômica é realizada a partir

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Centro de Estudos em Logística COPPEAD / UFRJ. capacidade. Victor Brito. Introdução

Centro de Estudos em Logística COPPEAD / UFRJ. capacidade. Victor Brito. Introdução Aplicação de simulação como ferramenta de apoio à elaboração de um planejamento estratégico de Victor Brito Introdução Capacidade é o volume de saída que um sistema é capaz de atingir em um período específico

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Análise de Sensibilidade

Análise de Sensibilidade Análise de Risco de Projetos Análise de Risco Prof. Luiz Brandão Métodos de Avaliação de Risco Análise de Cenário Esta metodologia amplia os horizontes do FCD obrigando o analista a pensar em diversos

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques

Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Capítulo 1 Conceitos e Gestão de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE 1.1 Conceito de Gestão de estoques Refere-se a decisões sobre quando e quanto ressuprir

Leia mais

Exercicios Produção e Logistica

Exercicios Produção e Logistica 1 PROVA: 1998 PARTE I: QUESTÕES OBJETIVAS 7 Uma empresa fabrica e vende um produto por R$ 100,00 a unidade. O Departamento de Marketing da empresa trabalha com a Equação da Demanda apresentada abaixo,

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Sequenciamento e Emissão de Ordens Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Programação da produção: define quanto e quando comprar, fabricar

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

DECISÕES EM TRANSPORTES

DECISÕES EM TRANSPORTES TOMANDO DECISÕES SOBRE TRANSPORTE NA PRÁTICA DECISÕES EM TRANSPORTES Professor ALINHAR AS ESTRATÉGIAS COMPETITIVA E DE TRANSPORTE CONSIDERAR O TRANSPORTE FEITO PELA PRÓPRIA EMPRESA E O TERCEIRIZADO (OPERADOR)

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Gestão de estoques em uma indústria siderúrgica: um estudo de caso.

Gestão de estoques em uma indústria siderúrgica: um estudo de caso. Gestão de estoques em uma indústria siderúrgica: um estudo de caso. VICTOR BATISTA DA SILVA (UNAMA) greboide@hotmail.com JÓS RODRIGUES MENDONÇA (UNAMA) jos_mendonca@hotmail.com Resumo: Neste artigo será

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

ANAIS ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA

ANAIS ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA ANÁLISE DE PROBLEMAS NO CONTROLE DE ESTOQUE DECORRENTES DE ERROS NOS REGISTROS DE SAÍDA FABIO FAVARETTO ( fabio.favaretto@unifei.edu.br ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ EVERTON DROHOMERETSKI ( profeverton.d@hotmail.com

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA

SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA SUPLLY CHAIN MANAGEMENT NO AUXILIO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE E VENDAS EM UMA MICRO EMPRESA Amanda Acacia Rodrigues (UNIPAM) amandaacacia.r@gmail.com Andressa Moreira Soares

Leia mais

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial

Centro de Engenharia e Computação. Trabalho de Administração e Organização Empresarial Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Petrópolis 2012 Centro de Engenharia e Computação Trabalho de Administração e Organização Empresarial Gestão de Estoque

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Controle da Cadeia de Suprimentos/Logística Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Mensuração Auditoria Indicadores de desempenho Relatórios Padrões/ Objetivos Metas de desempenho Correção Ajuste fino Grande

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

O Método de Simulação de Monte Carlo aplicado ao Plano-sequência para análise do risco em custos

O Método de Simulação de Monte Carlo aplicado ao Plano-sequência para análise do risco em custos X Congresso Internacional de Custos - Florianópolis, SC, Brasil, 28 a 30 de novembro de 2005 O Método de Simulação de Monte Carlo aplicado ao Plano-sequência para análise do risco em custos Mariano Yoshitake

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES

GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES GESTÃO DE ESTOQUES: APLICAÇÃO DE INDICADORES DE DESEMPENHO PARA MEDIR OS NÍVEIS DE ESTOQUES Michelle Santos do Nascimento, FATEC- Carapicuíba, mi_mkk@yahoo.com.br Aline de Souza Custodio, FATEC- Carapicuíba,

Leia mais

Documentação. Programa de Evolução Contínua Versão 1.80

Documentação. Programa de Evolução Contínua Versão 1.80 Documentação Programa de Evolução Contínua Versão 1.80 Sumário Resumo das Novidades... 3 Configuração das Novidades... 5 Sistema de Compra Recorrente... 5 Novo sistema de importação de Tabelas de Frete...

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

O que se espera de um sistema de administração da produção?

O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? O que se espera de um sistema de administração da produção? Segundo Corrêa (2001), independente da lógica que utilize, os sistemas da administração

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 22º Encontro - 11/05/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - CAPACIDADE E TURNOS DE TRABALHO. 02 Introdução

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros.

O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. 7 Conclusão O último capítulo desta dissertação visa tecer conclusões a respeito do trabalho e sugerir algumas recomendações para estudos futuros. A presente dissertação, conforme exposto no Capítulo 1,

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Nr 01 CONTROLE DE ESTOQUES 1. Uma loja de departamentos pretende aproveitar o feriado de 01 de Janeiro para realizar o inventário anual de seu estoque, que possui 1.679.434 unidades

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

MONTE CARLO NA PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA GESTÃO DE CUSTOS NA ÁREA DE LATICÍNIOS

MONTE CARLO NA PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA GESTÃO DE CUSTOS NA ÁREA DE LATICÍNIOS www.iem.efei.br/edson CONTRIBUIÇÃO DA SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO NA PROJEÇÃO DE CENÁRIOS PARA GESTÃO DE CUSTOS NA ÁREA DE LATICÍNIOS Edson de Oliveira Pamplona Wander Fonseca da Silva 2005 www.iem.efei.br/edson

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais