CHIQUINHA GONZAGA: TRANSGRESSÃO, SUCESSO E MEMÓRIA. A RELA- ÇÃO ENTRE A COMPOSITORA E A TEORIA SOCIAL DO ESCÂNDALO. 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHIQUINHA GONZAGA: TRANSGRESSÃO, SUCESSO E MEMÓRIA. A RELA- ÇÃO ENTRE A COMPOSITORA E A TEORIA SOCIAL DO ESCÂNDALO. 1"

Transcrição

1 CHIQUINHA GONZAGA: TRANSGRESSÃO, SUCESSO E MEMÓRIA. A RELA- ÇÃO ENTRE A COMPOSITORA E A TEORIA SOCIAL DO ESCÂNDALO. 1 Maristela Rocha Mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ Graduada em Comunicação Social, Jornalismo, pela UFJF Palavras-chave: Chiquinha Gonzaga. Escândalo. Mídia. Rio de Janeiro. Gênero. Tomando, especialmente, como referencial a obra Media Scandals: Morality and Desire in the Popular Culture Marketplace, editada por James Lull e Stephen Hinerman, defendemos que é o conjunto da atuação de Chiquinha Gonzaga, compositora, maestrina e pianista ( ), pioneira em vários aspectos, que a fez chegar ao século XXI, não só como excelente compositora, mas também por sua personalidade ousada e contestadora, muito a frente da maior parte das mulheres de seu tempo. Propomos, nesse sentido, uma articulação entre as características teóricas essenciais enunciadas por Thompson no ensaio Scandal and Social Theory (In: LULL e HINERMAN, 1997) e a trajetória da compositora, evidenciando, a partir desse estudo de caso, que os escândalos midiáticos, que atingiram o apogeu no século XX, iniciaram-se no século XIX. A política, a sociedade e a religiosidade do tempo de Chiquinha Gonzaga aparecem como fatores determinantes para a identificação da compositora como uma personalidade escandalosa, evidenciando a relação entre os artistas e as esferas de poder. Sensível às causas do seu tempo, Chiquinha acaba por se tornar uma das pioneiras na atuação, como mulher e artista, em causas políticas e sociais. Por isso ela é uma personalidade relevante; não somente para a academia musical, mas para a história cultural do Brasil. Convencidos de que a ocorrência do escândalo envolve a transgressão de certos valores, normas ou códigos morais, conforme ressalta John B. Thompson, em Media Scandals (In: LULL e HI- NERMAN, 1997), lembramos que a compositora, realmente, transgrediu os valores da sociedade da segunda metade do século XIX. Outubro de 1847, Rio de Janeiro. São este tempo e espaço o ponto de partida para o desenvolvimento da trajetória de Chiquinha Gonzaga. A boa conduta, a obediência ao pai e, posteriormente, a submissão ao marido, a religiosidade, as boas maneiras nas requinta- 1 II Colóquio Internacional de História da Arte e da Cultura (CIHAC) O artista e a sociedade UFJF, Publicado nos anais do congresso.

2 das festas sociais eram os valores essenciais, sobretudo na camada social à qual a menina Francisca Edwiges obliquamente pertencia, apenas por mérito do pai, o militar Basileu. Ressaltando o patriarcalismo da sociedade brasileira, Gylberto Freire, em Casa-Grande & Senzala, explica que: Resultado da ação persistente desse sadismo, de conquistador sobre o conquistado, de senhor sobre escravo, parece-nos o fato, ligado naturalmente à circunstância econômica da nossa formação patriarcal, da mulher ser tantas vezes no Brasil vítima inerme do domínio ou do abuso do homem; criatura reprimida sexual e socialmente dentro da sombra do pai ou do marido. Não convém, entretanto, esquecer-se do sadismo da mulher, quando grande senhora, sobre os escravos, principalmente as mulatas; com relação a estas, por ciúme ou inveja sexual (FREYRE, 1992, p. 51). O nascimento de Chiquinha Gonzaga já poderia ser considerado uma transgressão para aquela época, já que era filha bastarda de mulher pobre, mestiça e solteira, mas que acaba sendo registrada pelo pai, o militar, branco, Basileu; batizada na Igreja de Santana e iniciada na formação católica, seguindo os costumes morais do Império. Chiquinha estava, dessa forma, adotada legitimamente pela sociedade escravista. Os pais, então, cuidariam de dar à menina Francisca uma educação esmerada, como exigiam as normas sociais da corte. Basileu possuía o curso completo na Escola Militar, era bacharel em matemática e ciências físicas e conhecia inglês, latim e francês. Obviamente, não descuidou da educação da menina Francisca e contratou, então, o professor cônego Trindade para lhe ensinar a leitura, a escrita, o cálculo, o catecismo e idiomas. O pai cuidou também da educação musical, que ficou a cargo do maestro Lobo. i As possibilidades de acesso à vida social da corte de D. Pedro II ficavam-lhe garantidas porque José Basileu mantinha relações de parentesco e amizade com pessoas de alta posição social como Duque de Caxias, herói do Exército Imperial (DINIZ, 1991, p. 5). O público feminino aderia, naquele período, à leitura das novelas românticas, assim como aos bordados, às receitas, às confidências entre as amigas, às lições de piano para brilharem perante as visitas. Mas esse domínio público (a sala de visitas) e o privado (o quarto) da casa não serviam mais a Francisca Edwiges. Esse mascaramento social causavalhe repugnância. O domínio público que Francisca Edwiges aspirava era a rua, os saraus, o Alcazar Lírico, onde a sua musicalidade pudesse fluir, ao contrário do que estaria fadada a ser, caso não abandonasse a vida familiar: uma pianista do lar. O casamento foi-lhe imposto aos 16 anos, mas, na verdade, a vida íntima de Francisca começava a ser rodeada por pequenos segredos como visitas, na ausência do marido, aos amigos músicos, considerados boêmios; a esmerada dedicação ao piano,

3 arriscando as primeiras tentativas de composições, também a contragosto do Sr. Jacinto Ribeiro do Amaral; o desejo ardente pelo seu verdadeiro amor, o engenheiro João Batista de Carvalho. Segredos que começavam a perturbar a vida conjugal e que, brevemente, se tornariam escândalo na rua. Aos vinte e nove anos já se fizera, pela transgressão, uma mulher livre para ter os relacionamentos amorosos que quisesse. Após o nascimento do terceiro filho, Francisca detonaria uma crise familiar, decidindo abandonar o marido e levar consigo apenas o filho mais velho João Gualberto. A filha Maria ficaria sob a guarda do coronel Basileu, e o filho menor, Hilário, sob a responsabilidade do pai, Jacinto. A jovem senhora Francisca Edwiges rompia, então, com uma tradição familiar, passando a frequentar a boemia carioca ao lado de artistas. Francisca é expulsa da família sob a ira do pai, mas é bem recebida no ambiente musical boêmio, em especial pelo flautista e compositor Antônio Callado que, apaixonado, a homenagearia, posteriormente, com a polca Querida por todos. Mas o coração de Chiquinha já tinha mesmo dono: o engenheiro de estradas de ferro João Batista de Carvalho, o sensual J.B. ou Carvalhinho. E o novo amor, certamente, não a livraria de hostilidades na vida social. Com o fim do relacionamento, Chiquinha deixaria com J.B. a filha Alice e partiria, novamente, apenas com João Gualberto. Quanto ao aspecto musical no Rio de Janeiro do século XIX, podemos dizer, informalmente, que era possível encontrar música por todos os cantos, no cenário urbano, nos saraus, nos concertos, nas festas da corte e, também, a música popular nascente, contagiante, envolvente, como a dos eufóricos e sensuais afro-brasileiros. Espetáculos líricos, bandas militares, música religiosa; as valsas e as polcas nas reuniões familiares e nos salões, o lundu nas rodas de danças dos escravos. Iniciavam-se as parcerias na música popular, diferentemente do que acontecia até o fim do Primeiro Reinado, quando as modinhas e os lundus se dividiam entre os compostos por músicos de escola para edição em partituras de piano. Já o choro, inicialmente apenas a denominação de um conjunto instrumental, foi, aos poucos, ganhando um jeito abrasileirado de interpretar a música europeia daquela época. A introdução da flauta, propiciando um caráter plangente, choroso à melodia, acabava por dar à canção executada o nome de choro e aos músicos, a denominação de chorões. Os grupos de choro, em geral, também animavam festas e bailes populares, principalmente antes do advento do disco no Brasil.

4 Toda a excentricidade desse gênero levou a pianista Chiquinha Gonzaga ao seu primeiro sucesso, Atraente, composta durante uma sessão de choro realizado na casa do compositor Henrique Alves de Mesquita. O pianista de choro deveria ter desenvoltura, ginga, ou seja, talento para a improvisação e, por isso (em especial), eram chamados de pianeiros; e Chiquinha Gonzaga soube, realmente, trabalhar essa ideia, antes mesmo de Ernesto Nazareth, um dos maiores nomes da música brasileira, que apareceu no cenário musical como um autêntico pianeiro, como eram chamados os pianistas que tocavam em salas de cinema, cafés, bailes. Posteriormente, Chiquinha passaria a integrar o famoso Choro do Callado, o que foi importantíssimo para a sua profissionalização. Chiquinha Gonzaga passava, então, a dedicar-se profissionalmente à música para sua manutenção econômica e teve que conhecer, de perto, esse novo domínio público. Soube, entretanto, driblar as situações mais inusitadas, pois tinha pela frente um grande objetivo, o de se tornar uma grande compositora. D. Francisca, agora Chiquinha Gonzaga, transformara o piano de mero ornamento em um meio de trabalho e desce na escala social, como comenta a biógrafa Edinha Diniz: De dama a mulher livre, do sobrado a casa de porta e janela, sua reputação e posição social induzia uma mulher facilmente à prostituição. Em geral desaparelhada para o exercício de uma profissão, a recusa à carreira doméstica fazia com que se enquadrasse na outra única via possível de subsistência (DINIZ, 1991, p.91). A popularização da marcha Ó abre alas, inicialmente utilizada na peça Não Venhas!, de Batista Coelho, consagra o nome da compositora como pioneira na música para carnaval de rua. E Chiquinha Gonzaga tinha ainda como meta o teatro musicado. Com Forrobodó (1912) - de Carlos Bittencourt e Luiz Peixoto - e seus tipos populares e caricaturados, além do sensual maxixe, Chiquinha se firma nesse gênero. É interessante ressaltar que, anteriormente, Chiquinha tentara musicar Viagem ao Parnaso, de Arthur Azevedo, mas teve que interromper o trabalho porque o empresário queria que ela usasse um nome masculino. A sua oportunidade só aconteceria depois, com A corte na Roça, de Palhares Ribeiro, já que Chiquinha não aceitaria um pseudônimo masculino para ceder às exigências daquela época. Conforme ressalta Michelle Zimbalist Rosaldo Onde as atividades masculinas são justificadas e racionalizadas por uma classificação social, por um sistema de normas aprovando suas diversas atividades, as mulheres são classificadas em conjunto e seus objetivos específicos são ignorados. Do ponto de vista de um sistema social amplo, elas são vistas como desviadoras ou manipuladoras porque os sistemas de classificação social raramente concedem um lugar para seus interesses; elas não são publicamente compreendidas (ROSALDO, 1979, p.48).

5 Chiquinha Gonzaga era uma mulher muito bem informada, engajada com as causas do seu tempo. Envolveu-se nos episódios da Revolta do Vintém, ocorrida em 1880, quando a população se mobilizou contra o governo por causa de uma taxa sobre o transporte urbano repassada ao usuário. Durante a Revolta do Vintém, populares destruíram bondes no centro da cidade. Os jornais abolicionistas apoiaram a Revolta e a população mostrou, assim, que podia se manifestar e ser mais atuante. Consequentemente, o interesse de Chiquinha pela política e pela sociedade influenciariam sua obra e podemos destacar algumas delas, como o Hino à Redentora peça para coro e piano, em homenagem a abolição dos escravos 1888; A revista Abolimdemrepcochindego de Valentim Magalhães e Filinto de Almeida 1889 que se referia à abolição da escravatura, à indenização pretendida pelos senhores de escravos, à campanha republicana, ao ministério Cotegipe, à visita dos chineses ao Rio de Janeiro e à chegada à cidade do meteorito Bendegó. Além daquelas, a marcha para banda O Século, dedicada à campanha beneficente a favor de crianças vitimadas por um terremoto em Ribatejo. A ativa participação de Chiquinha nos meios artísticos, boêmios, políticos e até policiais, numa cidade que não ultrapassava habitantes, fazia dela uma figura pública exposta a toda espécie de comentários: de elogios na imprensa às fofocas cochichadas na rua do Ouvidor, sussurradas pelas famílias e difundidas pelos pasquins. As difamações tinham uma importante função moralizadora: que o seu comportamento não servisse de exemplo para outras mulheres. Constatamos, novamente, os enunciados de Thompson na trajetória de Chiquinha: outra característica essencial para o escândalo é o conhecimento público do fato transgressor da norma, a denúncia propriamente dita. Dessa forma, ele envolve o grau do conhecimento público de ações ou eventos, que deveriam ser secretos, privados. Cabendo, então, ao público não participante o processo de tornar visível o fato. A confirmação do escândalo requer, ainda, a investigação da veracidade dos fatos. Isto porque ele não pressupõe somente o conhecimento público do fato, mas a insatisfação pública diante do acontecido. Isto quer dizer que as pessoas têm que desaprovar a ação, se sentirem chocadas, agredidas pelo evento. Ainda segundo Thompson, o desagrado público não é o suficiente para o desenvolvimento do escândalo. É preciso que a insatisfação seja manifestada, expressa de alguma forma. O próprio postulado acerca do escândalo é constituído por dois aspectos: os atos da transgressão e a resposta pública através de diversas formas de expressão. Sem respos-

6 tas não há escândalo. Em conformidade com o postulado, Chiquinha Gonzaga foi, muitas vezes, ridicularizada através da chamada imprensa libertina com paródias e quadrinhas anônimas que circulavam oralmente pelas ruas. Atestando essas observações, usamos o registro da biógrafa Edinha Diniz: No Rio de Janeiro de 1877 o nome de Chiquinha Gonzaga foi cantarolado em maldosas quadrinhas satíricas pelas ruas. Este era o preço que ela pagava por romper as normas sociais e perturbar o funcionamento da ordem social (DI- NIZ, 2000, p. 104). Isso nos faz retornar à questão do escândalo, observando com Thompson que, quando a condenação destas ações compromete a reputação dos envolvidos, ele fica ainda mais caracterizado. Não existe, neste caso, a menor dúvida sobre o peso das condenações sociais na vida de Chiquinha Gonzaga, que teve o desprezo da família e sofreu constrangimentos de todo tipo por causa de sua conduta. A Francisca Edwiges, que frequentava as festas da corte, transformara-se em Chiquinha Gonzaga e, depois, em Chica Polca, um percurso nítido de decadência escandalosa. Além dos postulados de Thompson, encontramos considerações elucidativas sobre como o poder é amplamente regulado pelo controle ideológico e pelos mecanismos de representação na obra de Harvey (1989). O autor articula essa ideia no capítulo A experiência do espaço do tempo, evidenciando que: as ordenações simbólicas do espaço e do tempo fornecem uma estrutura para a experiência mediante a qual aprendemos quem ou o que somos na sociedade. A noção comum de que há um tempo e um lugar para tudo ainda tem peso, e as expectativas sociais estão voltadas para o local e o momento em que as ações ocorrem (HARVEY, 1989, p.198). Ainda em Condição Pós-Moderna, Harvey analisa as abordagens sóciopsicológicas através de vários autores. Pode-se concluir que a fixação de esquemas sociais em categorias hierárquicas e opositivas sempre fortaleceram o poder institucionalizado do patriarcado, tanto no conhecimento quanto no campo da sociedade e da política. Bordieu explica que "as expectativas sociais estão voltadas para o local e para o momento em que as ações ocorrem. A razão pela qual a submissão aos ritmos coletivos é exigida com tanto rigor". Segundo Hängerstrand, as "biografias individuais podem ser tomadas como trilhas de vida no tempo-espaço". E, ainda na referida obra, Lefebvre afirma que O domínio do espaço reflete o modo como indivíduos ou grupos poderosos dominam a organização e a produção do espaço mediante recursos legais ou extralegais, a fim de exercerem um maior grau de controle quer sobre a fricção da

7 distância ou sobre a forma pela qual o espaço é apropriado por eles mesmos ou por outros (In: HARVEY, 1989, p. 202). Outra barreira rompida pela transgressora Chiquinha Gonzaga pode ser registrada pela repercussão do seu tango Corta-Jaca no Catete, executado pela irreverente Nair de Teffé, também contestadora da submissão feminina. Durante uma recepção oferecida ao corpo diplomático no Palácio do Catete, onde deveria prevalecer a música erudita, Nair de Teffé, esposa do Presidente da República Marechal Hermes da Fonseca, interpretou a música Corta-Jaca. Além de expressar o gosto musical, Nair de Teffé teve, também, o intuito contestador a favor do maxixe, devido a repercussão negativa do gênero na sociedade de então. Além disso, o violão era considerado um instrumento para músicos do sexo masculino. E o contagiante maxixe desencadeou mesmo muita polêmica. Segundo a biógrafa Dalva Lazaroni, a Igreja fazia apelos contra a dança e os ministros aproveitavam os sermões e as aulas de catecismo para alertar sobre os perigos do maxixe : - O maxixe não é uma dança de família. Ao contrário, deve ser evitada pelas meninas e meninos que querem crescer sadios e sem problemas mentais para o futuro. É uma dança que perverte (In: LA- ZARONI, 1999, p. 446). ii Além da repercussão nacional, o maxixe foi o primeiro ritmo brasileiro a alcançar sucesso na Europa, em especial pelo trabalho dos dançarinos Gaby e Antonio Lopes de Almeida Dinis, o Duque. Dalva Lazaroni explica que, antes da reação negativa das bases eclesiásticas, o então Ministro da Guerra, Marechal Hermes da Fonseca, declarara o maxixe indigno de ser tocado pelas bandas militares de todo o Brasil e proibia que fosse executado em solenidades oficiais. A interpretação do maxixe na Itália causou indignação no clero e até no Papa. Lazaroni registra que a Igreja romana publicou uma bula papal, condenando o maxixe ao inferno e amaldiçoando seus criadores: Demônio, capeta, maxixe, mulher diabo, eram palavras que, quando ditas, vinham acompanhadas de sinais da cruz e mãos postas e erguidas aos céus. O pobre coitado do cardeal Arcoverde, do Rio de Janeiro, foi convocado às pressas para dar maiores detalhes sobre o assunto que comprometia a família européia e colocava em risco a honra e os bons costumes mundiais. De todas essas manifestações do clero, depois de longos debates, chegou-se a uma conclusão: o maxixe era maldito, devia ser excomungado (LAZARONI, 1999, p.452). iii

8 Segundo a museóloga e memorialista Cleusa de Souza Millan, na obra A memória social de Chiquinha Gonzaga, a compositora sofreu a ação da censura, em sua longa trajetória musical, de uma forma direta e de uma forma indireta. Na época da Revolta da Armada, por exemplo, quando a cidade do Rio de Janeiro foi bombardeada por navios revoltosos, ocasionando o estado de sítio, Chiquinha sofreu uma censura de forma direta. A cançoneta Aperte o botão, considerada ousada pelo governo Floriano Peixoto, foi apreendida, a edição inutilizada e a autora recebeu ordem de prisão. Entretanto, devido ao seu parentesco com pessoas ilustres, nada sofreu (MILLAN, 2000, p.16). Além disso, Chiquinha foi censurada indiretamente ao longo do final da década de 1910 e no início de 1920, quando a 2ª Delegacia Auxiliar da Polícia do Distrito Federal e a Comissão de Censura do Conservatório Musical de São Paulo censuraram parte dos textos de peças teatrais musicadas pela maestrina. A memorialista ressalta que, como as músicas se relacionavam, em cada cena, com os diálogos dos personagens censurados, é evidente que também as músicas foram censuradas, sendo incorporadas mais tarde ao acervo do DIP, durante o Estado Novo: Constam as seguintes peças teatrais musicadas por Chiquinha Gonzaga: Juriti, de Viriato Corrêa; Estrela d Alva, de Mário Monteiro, e Conspiração do amor, de Avelino Andrade. Na Seção de Manuscritos da Fundação Biblioteca Nacional identificou-se mais uma peça musicada por Chiquinha Gonzaga, com texto censurado: Nu e cru, de Antonio Quintiliano iv (MILLAN, 2000, p. 128). Perante as censuras e críticas sociais ao desvio moral da filha, os pais de Chiquinha sentiram-se muito humilhados; além disso, a filha de Francisca, Maria, teve seu noivado rompido porque o noivo não queria mais se envolver com a sua família difamada. Além das brigas do filho em defesa da mãe, que era alvo de mexericos populares, a afronta maior foi para o seu pai, o severo militar Basileu, que assim se referiu à filha: Esta moça para mim está morta! Morta para todos nós da família Neves Gonzaga! Seu nome está proibido de ser pronunciado, sob qualquer hipótese, por qualquer membro de nossa família. Quem quiser ser meu inimigo é só mencionar o nome daquela... daquela... (DINIZ, 1991, p.256). Os comentários maledicentes aumentavam na mesma proporção que o sucesso da compositora, e isto era considerado normal para a época porque, normalmente, essas quadrinhas e a caricatura revelavam a contribuição do humor às questões públicas, afirma Edinha Diniz (1991, p.72), e: O cidadão anônimo a enviava aos jornais, a enunciava pu-

9 blicamente, às vezes ganhava música e se divulgava mais, ou simplesmente a utilizava diretamente sobre o fato condenável, quando se tratava de um serviço público deficiente. Além da publicação de quadras nos jornais, no tempo dos assobios, as cartas anônimas agrediam, como os antigos pasquins. A Chica Polca foi vítima, várias vezes, dessas maledicentes formas de comunicação. Afinal, a fama, a irreverência e a produção musical de Chiquinha serviam de repúdio a muitas pessoas. Por isso, a independente compositora começou a receber cartas anônimas com ameaças à sua integridade física. Uma das muitas cartas, que foram deixadas por baixo da porta de sua casa, terminava assim, segundo Dalva Lazaroni:...A senhora representa o que há de mais nocivo na sociedade brasileira. É um perigo não só para as outras mulheres, mas também para todas as famílias de bem... um mau exemplo. E o que lhe é mais suave é a morte (LAZARONI, 1999, p.262). Tantas intrigas foram acirrando o repúdio da família com relação à transgressora Chiquinha. O pai não a perdoou nem nos últimos momentos de vida. Por ocasião da sua morte, Chiquinha Gonzaga teve que acompanhar o cortejo à distância, esperando o sepultamento do pai do lado de fora do cemitério. Ela sentia, mais uma vez, o peso de suas atitudes irreverentes perante os costumes em voga. A própria família, indiretamente, deu um exemplo de condenação pública, mandando queimar as partituras da compositora e prender os moleques apregoadores. A partir dos anos 1880, durante as campanhas abolicionistas e republicanas, surge uma imprensa mais sólida, associada a uma tipografia mais aparelhada, ao início da organização empresarial e ao trabalho assalariado. Chiquinha Gonzaga esteve presente nos meios jornalísticos, acompanhando toda essa trajetória. A pioneira Chiquinha Gonzaga assustou-se com o sucesso da sétima arte e sua concorrência com o teatro. Afinal, a popularização dos discos já obrigava o teatro a empreender mudanças. Modificações que estavam angustiando a maestrina no final de sua trajetória de vida. Outro motivo de angústia era a questão dos direitos autorais. A obra de Chiquinha popularizava-se tão rapidamente que, muitas vezes, era reelaborada por outro autor que a considerava patrimônio coletivo, anônima ou folclórica. Além disso, em Berlim encontrou partituras editadas sem a sua autorização. No caso de Forrobodó, cinco anos após a sua estreia, a peça tinha gerado para a empresa Paschoal Segreto 97 mil contos de réis, 600 mil réis a cada um dos autores e essa quantia havia sido negada a Chiquinha. Em 1917, Chiquinha Gonzaga passava a integrar o grupo que formaria a Sociedade Brasileira de Autores Teatrais. Só em 1891, com a Primeira Constituição Republicana, foram editadas normas de Direito Autoral. Considerada falha em vários aspectos como, por

10 exemplo, conferir sua proteção apenas por 50 anos contados da primeira publicação, esta lei vigorou até o advento do Código Civil, de janeiro de 1917, cuja lei nº dispunha sobre a propriedade literária e artística. Por isso Chiquinha convocou os autores teatrais e jornalistas como Raul Pederneiras e Viriato Corrêa para uma reunião sobre a importância da união dos artistas em prol da garantia de pagamento dos direitos autorais. Muitos outros artistas foram, então, convidados para uma nova reunião, que aconteceu em sala cedida pela Associação Brasileira de Imprensa. Enfim, pelo Decreto nº 4.092, de 4 de Agosto de 1920, ficaria, posteriormente, reconhecida a Sociedade Brasileira de Autores Theatraes como entidade pública, com sede no Rio de Janeiro. Atualmente localizada à rua Almirante Barroso, nº 97, continua servindo aos autores. Na sede, encontra-se um busto da maestrina em tamanho natural (réplica do que está no Passeio Público da cidade) v, fotos comemorativas na galeria dos grandes autores nacionais e a cadeira de sócia nº 1 com o seu nome. No que se refere à sua carreira musical, a respeitabilidade da obra da compositora vem mesmo pelo teatro, em especial pelo gênero teatro de costumes regionais; do ponto de vista social, a respeitabilidade de Chiquinha acontece apenas nos últimos 20 anos de vida, coincidentemente quando a maestrina apresentava comportamento mais adequado aos padrões vigentes: mais recatada e sempre acompanhada do pretenso filho Joãozinho. Encontramos, então, uma importante contradição na trajetória de vida da irreverente e transgressora maestrina. Pela primeira vez, ela cedia às regras sociais e preferia não tornar pública a sua vida íntima com um rapaz 36 anos mais jovem que ela. Chiquinha, certamente, já sabia do peso da condenação social dessa união. Entretanto, a compositora soube preservar sua privacidade com Joãozinho, com quem viveu até o fim da vida, às 18 horas do dia 28 de fevereiro de O que acabamos de afirmar também é bem explicado por Thompson, observandose que as consequências do escândalo envolvem a reafirmação do status quo, ou seja, são rituais de absolvição coletiva: momentos em que a sociedade se confronta com as transgressões dos indivíduos e, trabalhando através de processos, denúncias e desforras, acaba por reforçar as normas, convenções e instituições que constituem a ordem social. Foi justamente o que aconteceu com Chiquinha Gonzaga. Talvez ela estivesse exausta de seus próprios envolvimentos em episódios transgressores, mas o fato é que ela não se desvencilhou de seu relacionamento com Joãozinho, mas teve o recato de não evidenciá-lo perante a sociedade. Pela primeira vez, ela parecia ceder às imposições sociais.

11 Chiquinha Gonzaga escreveu cerca de 2000 músicas. Não podemos indicar o número preciso, porque nem todas foram catalogadas. Mais de 70 peças são destinadas ao teatro, entre burletas, operetas, comédias musicais e revistas, obras relevantes para a história desses gêneros no país. Os músicos dessa fase pioneira, como Chiquinha e Costa Júnior, tentaram adaptar sua formação semierudita ao gosto das camadas mais amplas da cidade. Desde a morte de Chiquinha, muitos projetos musicais, espetáculos teatrais, programas radiofônicos e televisivos, gravações em CD, muitas reportagens, homenagens, bem como as biografias, além de minissérie televisiva, vêm contribuindo para a divulgação da vida e da obra da compositora. Entretanto, há muito ainda a se falar sobre Chiquinha Gonzaga. Apesar de toda a celebração ocorrida na imprensa, a memória de Chiquinha Gonzaga não ocupa ainda um lugar adequado na memória coletiva do povo brasileiro. Todos os trabalhos publicados acabam por reforçar a força psicológica da compositora que rompeu com as normas fundadas no preconceito e na injustiça social, revelando, justamente, uma sociedade que justifica as atitudes masculinas e confirma a submissão das femininas. Por isso, as mulheres que não acatavam as determinações sociais eram causadoras de escândalo. Eram diminuídas perante a grandeza, a superioridade masculina. No caso de Chiquinha, a história teve um cálculo diferente. O escândalo, aliado a uma importante obra, teve como resultado a repercussão da vida e da obra da maestrina. Referências bibliográficas: ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Vida Privada e Ordem Privada no Império In: História da vida privada no Brasil. Império: a corte e a modernidade nacional. vol. 02. São Paulo: Companhia das Letras, p ARAÚJO, Emanuel. A arte da sedução: sexualidade feminina na Colônia. In: História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, p BARTHES, Roland. O mito, hoje In: O poder do mito. Manville Avalon (pesquisa e organização). Coleção O poder do poder, nº 29. São Paulo: Martin, Claret, BOLETIM DA SBAT. ANNO II, MAIO 1925, NUM 11.. ANNO V, OUTUBRO 1928, NUM 52. CAMPBELL, Joseph e MOYERS, Bill. O mito e o mundo moderno In: O poder do mito. Manville Avallon (pesquisa e organização). Coleção O poder do poder. São Paulo: Martin Claret, 1995.

12 CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem. A elite política imperial. Teatro de sombras. A política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, DINIZ, Edinha. Chiquinha Gonzaga uma história de vida. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, ELIADE, Mircea. A função dos mitos In: O poder do mito. Manville Avalon (pesquisa e organização). Coleção O poder do poder. São Paulo: Martin Claret, FRASER, Nancy. Que é crítico na teoria crítica? O argumento de Habermas e o gênero. In: Feminismo como crítica da modernidade. Trad. Nathanael da Costa Caixeiro. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, FREIRE, Gylberto. Introdução à História da Sociedade Patriarcal no Brasil - Casa- Grande & Senzala. São Paulo: Record, HARVEY David. A experiência do tempo e do espaço In: Condição Pós-Moderna. São Paulo: Edições Loyola, HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, JUNIOR, Caio Prado. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, Evolução Política do Brasil e outros estudos. São Paulo: Brasiliense, KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Trad. Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: EDUSC, LAZARONI, Dalva. Chiquinha Gonzaga. Sofri e chorei. Tive muito amor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, LEITE, Miriam Moreira (org.). A condição feminina no Rio de Janeiro. Século XIX: antologia de textos de viajantes estrangeiros. São Paulo: Editora HUCITEC da Universidade de São Paulo, LIRA, Mariza. Chiquinha Gonzaga, grande compositora popular brasileira. Rio de Janeiro: Funarte, p.125. LULL, James e HINERMAN, Stephen. Media Scandals. New York: Columbia University Press, MARIZ, Vasco. História da música no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, MAUAD, Ana Maria. Imagem e auto-imagem do Segundo Reinado In: História da vida privada no Brasil. Império: a corte e a modernidade nacional. Vol. 02. São Paulo: Companhia das Letras, p

13 MILLAN, Cleusa de Souza. A memória social de Chiquinha Gonzaga. Rio de Janeiro: a autora, MOTT, Maria Lúcia e MALUF, Marina. Recônditos do mundo feminino. História da vida privada no Brasil. Vol.03. São Paulo: Companhia, p OLIVEIRA, Lucia Lippi. Cultura urbana no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: uma cidade na história. Rio de Janeiro: Editora FGV, RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, Rebeldes Brasileiros. Homens e mulheres que desafiaram o poder. Zumbi Chiquinha Gonzaga. Fascículo n 1 da coleção Caros Amigos. Coordenador Pedagógico István Jancsó. São Paulo: Casa Amarela, ROSA, Mário. A era do escândalo: lições, relatos e bastidores de quem viveu as grandes crises de imagem. São Paulo: Geração Editorial, ROSALDO, Michelle Zimbalist e LAMPHERE, Louise (coordenadoras). A mulher, a cultura e a sociedade. Trad. Cila Ankier e Rachel Gorenstein. Rio de Janeiro: Paz e Terra, SALIBA, Elias Thomé. A dimensão cômica da vida privada na República. In: História da vida privada. República: da Belle Époque à era do rádio. Organizador do volume Nicolau Sevcenko. São Paulo : Companhia das Letras, SILVA, José Bonifácio de Andrada e. Projetos para o Brasil. Textos reunidos e comentados por Miriam Dolhnikoff. Grandes Nomes do Pensamento Brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, SEVCENKO, Nicolau (org.). A capital irradiante: técnica, ritmos e ritos do Rio In: História da vida privada no Brasil. Vol. 03, págs 513 a 619. São Paulo: Companhia das Letras, THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade. Uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, O escândalo político. Poder e visibilidade na era a mídia. Trad. Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo Editora 34, VASCONCELOS, Ary. Raízes da Música Popular Brasileira. Rio de Janeiro: Rio Fundo Editora, WEFFORT, Francisco C. Formação do Pensamento Político Brasileiro. São Paulo: Ática, 2006.

14 WEGUELLIN, João Marcos. Rio de Janeiro através dos jornais, Capturado em i O tio paterno e padrinho de batismo, o flautista Antonio Eliseu também influenciou na vida musical da futura maestrina. Por sinal, foi esse tio quem apresentou, como surpresa à família, no Natal de 1858, a primeira composição da menina Chiquinha, então com 11 anos, com letra do irmão Juca, de 9 anos, a loa Canção dos Pastores. ii Referimo-nos a um estilo de dança brasileira que utiliza o ritmo binário da polca e do tango, ou seja, no maxixe há uma predominância da dança, da coreografia sobre a música. É caracterizado pelo caráter lascivo da dança, pela sincopação, pela vivacidade rítmica da música, pela influência dos elementos do batuque e pela utilização da gíria carioca, quando cantado. Apenas no final do século XIX as casas editoriais o consideraram um gênero musical, imprimindo as músicas com essa qualificação. iii A mulher a que se refere a citação é a própria Chiquinha Gonzaga. iv Após a desativação do DIP, o acervo de peças censuradas fez parte do Ministério da Indústria e Comércio (MIC) que, então, doou-o ao Arquivo Nacional, onde está arrolado nas pastas SDA 021 (Peças Teatrais- Índice); SDA 022 (Peças Teatrais. 1) e SDA 022 A. (Peças Teatrais. 2.). v O Passeio foi construído em 1783 e foi o grande ponto de encontro da população carioca nos séculos XVIII e XIX. Em seu interior, os habitantes do Rio de Janeiro, bem como os turistas, podiam contemplar, além de variadas espécies da flora nacional, obras de arte, como chafarizes e esculturas, confeccionadas por Mestre Valentim. No início do século XX, o Passeio passou a ser ornamentado por bustos de personalidades brasileiras, esculpidos por variados artistas. O busto de Chiquinha foi esculpido em 1942.

História da Música Popular Brasileira

História da Música Popular Brasileira História da Música Popular Brasileira Nossa música é riquíssima em estilos, gêneros e movimentos. Do século XVIII (dezoito), quando o Brasil ainda era uma colônia até o final do século XIX, passando pelo

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

A MÚSICA DE CHIQUINHA GONZAGA NO RIO DE JANEIRO DA BELLE ÉPOQUE

A MÚSICA DE CHIQUINHA GONZAGA NO RIO DE JANEIRO DA BELLE ÉPOQUE 1 A MÚSICA DE CHIQUINHA GONZAGA NO RIO DE JANEIRO DA BELLE ÉPOQUE Autora: Mirela Fortunatti 1 Orientador: Prof. Dr. André Egg 2 Faculdade de Artes do Paraná Resumo Através da música e da figura de Chiquinha

Leia mais

CONQUISTAS IMPORTANTES DAS MULHERES NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA

CONQUISTAS IMPORTANTES DAS MULHERES NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA CONQUISTAS IMPORTANTES DAS MULHERES NO BRASIL AO LONGO DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com importantes conquistas das Mulheres no Brasil 1822: Maria Leopoldina

Leia mais

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira.

Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. INCENTIVO À CULTURA Desde a sua fundação o GRUPO MPE tem a preocupação de incentivar a cultura em nosso país, principalmente ao cinema e à música brasileira. Por isso criamos o projeto MPB pela MPE. Ao

Leia mais

MULHER E UNIVERSIDADE: A LONGA E DIFÍCIL LUTA CONTRA A INVISIBILIDADE.

MULHER E UNIVERSIDADE: A LONGA E DIFÍCIL LUTA CONTRA A INVISIBILIDADE. 1 MULHER E UNIVERSIDADE: A LONGA E DIFÍCIL LUTA CONTRA A INVISIBILIDADE. Nathalia Bezerra FECLESC RESUMO: O presente trabalho tem por objetivo analisar o difícil acesso das mulheres ao longo da história

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL 1 BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL BALLESTÉ, Adriana Olinto * GNATTALI, Roberto ** RESUMO Radamés Gnattali é um dos mais importantes

Leia mais

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro

ANTONIO LOUREIRO. www.boranda.com.br/antonioloureiro ANTONIO LOUREIRO www.boranda.com.br/antonioloureiro O compositor e multi-instrumentista Antonio Loureiro chega ao segundo álbum solo apostando na liberdade do improviso e defendendo uma criação musical

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

Cerimonial religioso Texto: Kathia Pompeu Ilustração: Ricardo Rocha

Cerimonial religioso Texto: Kathia Pompeu Ilustração: Ricardo Rocha 182 Cerimonial religioso Texto: Kathia Pompeu Ilustração: Ricardo Rocha PASSO A PASSO DO CORTEJO Rico em tradições e costumes, o casamento atravessa os séculos alimentando o sonho romântico de casais apaixonados.

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de São Paulo. Curso null - null. Ênfase. Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina LEM1714T1 - História da Música Brasileira Docente(s) Paulo Augusto Castagna Unidade Instituto de Artes Departamento Departamento de Música Créditos 0 60

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente

Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente 1 Interferência de diferentes procedimentos harmônicos na improvisação do choro e configurações identitárias: década de 20 ao Tempo Presente Everton Luiz Loredo de MATOS UFG tonzeramusic@hotmail.com Magda

Leia mais

Circuito Usiminas de Cultura

Circuito Usiminas de Cultura 5 Itaúna, 23 de maio de 2014 Miss Comerciária Estadual neste sábado Circuito Usiminas de Cultura resgatam histórias de Itaúna, poderá ser conferida no Varal Fotográfico, da CINEAR. Ele vai reunir fotografias

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

Newsletter 93 - Janeiro 2014 Siga-nos: grupos de leitores 74ª Sessão. Conversas na Aldeia Global O Futuro da Cidadania ADULTOS

Newsletter 93 - Janeiro 2014 Siga-nos: grupos de leitores 74ª Sessão. Conversas na Aldeia Global O Futuro da Cidadania ADULTOS ADULTOS grupos de leitores 74ª Sessão Newsletter 93 - Janeiro 2014 Siga-nos: _ 14.Janeiro - 18h30 - Obra em análise: Bruno Vieira Amaral As primeiras coisas 9.Janeiro - 19h00 - Obra em análise: Thomas

Leia mais

virgínia rosa geraldo flach

virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach virgínia rosa geraldo flach O gaúcho Geraldo e a paulista Virgínia se apresentaram juntos pela primeira vez na série Piano e Voz, da UFRGS. Quando tocou em São Paulo, no Supremo

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA

TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DESANTA CATARINA IFSC-CAMPUS JOINVILLE CURSO DE ASSISTENTE EM PRODUÇÃO CULTURAL-PRONATEC TURMA 1 2013 PLANO COREOGRÁFICO TEMA: SAMBA DE GAFIEIRA CARLOS

Leia mais

Unidade 1 Caetano Veloso

Unidade 1 Caetano Veloso Unidade 1 Caetano Veloso Pré-leitura O que você sabe sobre Caetano Veloso? Tente responder as seguintes perguntas. Onde ele nasceu? De quem ele é irmão? Que tipo de música ele canta? O que você sabe sobre

Leia mais

Mais uma mulher é estuprada e enforcada em árvore na Índia

Mais uma mulher é estuprada e enforcada em árvore na Índia HISTÓRI 1 Leia o texto a seguir. Mais uma mulher é estuprada e enforcada em árvore na Índia Mais uma adolescente foi encontrada enforcada em uma árvore nesta quinta-feira (12), supostamente após ter sido

Leia mais

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares

Versão Oficial. Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte. Apresentação de Paulo César Soares 1 Versão Oficial Sueli Costa EF98 E S T Ú D I O F - programa número 98 Á U D I O T E X T O Música-tema entra e fica em BG; Locutor - A Rádio Nacional apresenta ESTUDIO F, Momentos Musicais da Funarte Apresentação

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 8.2 Conteúdo. Música Aula 8.2 Conteúdo Música 1 Habilidades: Conhecer a origem da Música, seus principais elementos formadores, e a sua importância na sociedade. 2 Música Origem: Pré-história (marcava o ritmo com as mãos e

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Chiquinha Gonzaga e a burleta Forrobodó (1912)

Chiquinha Gonzaga e a burleta Forrobodó (1912) Chiquinha Gonzaga e a burleta Forrobodó (1912) MODALIDADE: COMUNICAÇÃO Solange Pereira de Abreu UFRJ abreusolange@hotmail.com Marcelo Verzoni UFRJ - marceloverzoni@hotmail.com Resumo: Esta comunicação

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

MPB ou música popular brasileira?

MPB ou música popular brasileira? junho/01 8 o e 9 o anos MPB ou música popular brasileira? A expressão música popular brasileira se refere aos estilos musicais criados no Brasil, por compositores e cantores brasileiros, em língua portuguesa,

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O Hino Nacional Hino nacional 19

O Hino Nacional Hino nacional 19 O Hino Nacional 19 ANTECEDENTES Se a Bandeira Nacional é um símbolo visível, o Hino Nacional constitui a exteriorização musical que proclama e simboliza a Nação. Só a partir do século XIX os povos da Europa

Leia mais

Apresentação Reinaldo Arias

Apresentação Reinaldo Arias Apresentação Reinaldo Arias 2011 Projeto musical Música para envolver, encantar e integrar. Essa é a proposta do músico, produtor e compositor Reinaldo Arias. Artista atuante, gravou, produziu e compôs

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935)

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) Cristina de Almeida Valença* A educação em Sergipe, nas primeiras décadas republicanas, é alvo de um efervescente movimento de idéias conhecidas como

Leia mais

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO: ELEMENTOS DA MÚSICA. I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal):

ATIVIDADE DE FIXAÇÃO: ELEMENTOS DA MÚSICA. I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal): ELEMENTOS DA MÚSICA I. Leia a partitura musical Ciranda da Lia e faça os itens a seguir (ver no portal): 1. O tipo de compasso é... 2. A figura de ritmo de maior duração nesta música chama se... 3. Discrimine

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO.

PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. PROJETO INTERDISCIPLINAR LUIZ GONZAGA 2012 TEMA-LUIZ GONZAGA: A VIDA DE UM VIAJANTE-TOCANDO, CANTANDO E DANÇANDO O GONZAGÃO. POR QUE TRABALHAR LUIZ GONZAGA? Luiz Gonzaga é um mestre da música. Foi ele

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Objetivo:Promover a interação entre pais e filhos, de maneira divertida, prazerosa e colaborativa, dentro do contexto escolar de convivência e socialização.

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA

O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA O MANIFESTO DE 1932 VELHA FILOSOFIA NO PENSAMENTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA Neiva Gallina Mazzuco/UNIOESTE 1 Guaraciaba Aparecida Tullio/UEM 2 Defende-se, no presente artigo, que as propostas de educação

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias

discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias 1 discurso medalha JOÃO MAGABEIRA a MENEZES DIREITO (25.07.01) Senhoras, Senhores: A doutrina e os julgados que enfrentam nas estórias do dia-a-dia o desafio de construir o direito vivo, para que melhor

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL

HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL A Música Barroca A palavra barroco vem da língua portuguesa e significa "pérola irregular". Foi adotada internacionalmente para caracterizar o estilo ornamentado e pomposo

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

A institucionalização do ensino de música do século XVIII aos dias de hoje

A institucionalização do ensino de música do século XVIII aos dias de hoje A institucionalização do ensino de música do século XVIII aos dias de hoje Denise Andrade de Freitas Martins Conservatório Estadual de Música Dr. José Zóccoli de Andrade, MG industria@netsite.com.br Resumo.

Leia mais

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h.

Programação Geral. Música Regional Brasileira. A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programação Geral Música Regional Brasileira A música do Brasil - Seg/Dom 6h. Programa destinado a divulgar a música típica das regiões do Brasil. Toca os grandes mestres da música nordestina e mostra

Leia mais

Quando toca o Coração

Quando toca o Coração Quando toca o Coração Apresentação Quando Toca o Coração é uma peça construída a partir de canções populares que envolvem temas como paixão, traição, desejo e saudade. O espetáculo conta com canções de

Leia mais

Sexualidade e Poder segundo Foucault

Sexualidade e Poder segundo Foucault Sexualidade e Poder segundo Foucault SUPERSABER Fenômeno cultural, social FREUD: Desconhecimento do sujeito sobre seu desejo ou de sua sexualidade FOCAULT: Problema da produção de teorias sobre sexualidade

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) 1 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) Curso: Música, Bacharelado - Habilitação em Composição Campus: Cuiabá Docente da habilitação: Prof. Dr. Roberto Pinto Victorio Ato interno de criação

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

Apostila - História da Música Brasileira 6 - Choro CHORO

Apostila - História da Música Brasileira 6 - Choro CHORO CHORO O Choro, popularmente chamado de chorinho, é um gênero musical da música popular instrumental brasileira. Apesar do nome, o gênero é em geral de ritmo agitado e alegre, caracterizado pelo virtuosismo

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

COLÉGIO DE SENHORITAS: MÚSICA ORIGINAL DE CHIQUINHA GONZAGA. 1

COLÉGIO DE SENHORITAS: MÚSICA ORIGINAL DE CHIQUINHA GONZAGA. 1 001 COLÉGIO DE SENHORITAS: MÚSICA ORIGINAL DE CHIQUINHA GONZAGA. 1 Maria Ignez Cruz Mello 2 Acácio Tadeu de Camargo Piedade 3 Alexandre da Silva Schneider 4. RESUMO: Em meio às grandes transformações ocorridas

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

Release do Espetáculo

Release do Espetáculo Forró Floreado Release do Espetáculo O espetáculo Forró Floreado, do Trio Sinhá Flor, tem uma proposta estética bem definida: apresentar ao público o gênero forró sob uma perspectiva feminina. Essa proposta

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE FIGUEIREDO,Lilia Márcia de Souza 1 ZANZARINI, Maria Pinheiro FERRO, Sônia Maria Pinheiro A educação sexual, teoricamente, é iniciada nas famílias. As crianças são educadas

Leia mais

BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO

BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO BACHARELADO EM MÚSICA COM HABILITAÇÃO EM COMPOSIÇÃO O curso de Composição Musical, no Departamento de Música da ECA/USP, é desenvolvido ao longo de seis anos. É um curso que procura ser abrangente o bastante

Leia mais

Quarta cultural Madeirame Sons de madeira

Quarta cultural Madeirame Sons de madeira Quarta cultural Madeirame Sons de madeira Apresentação dos músicos Felipe José (violoncelo), Pedro Santana (contrabaixo), André Rocha (violão), Daniel Christófaro (violão), Bruno Santos (marimba e percussão)

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Os Símbolos Nacionais

Os Símbolos Nacionais Os Símbolos Nacionais Falar das origens das bandeiras, dos hinos, dos brasões de armas e dos selos não é tarefa fácil uma vez que o homem sempre tentou registrar seu dia a dia, seus feitos, sua passagem

Leia mais

6 Cultura e ideologia

6 Cultura e ideologia Unidade 6 Cultura e ideologia Escrever sobre cultura no Brasil significa trabalhar com muitas expressões como festas, danças, canções, esculturas, pinturas, gravuras, literatura, mitos, superstições e

Leia mais

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da

Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960. Maíra Zimmermann. No período relativo ao segundo pós-guerra, com o avanço da Jovem Guarda além do iê-iê-iê: Estilo de vida jovem nos anos 1960 Maíra Zimmermann Data da defesa: 15/MAIO/2009 Instituição: Centro Universitário Senac No período relativo ao segundo pós-guerra, com o

Leia mais

Projeto Recreio Musical

Projeto Recreio Musical Colégio Marista de Colatina Apresenta Projeto Recreio Musical Uma viagem educativa pelo universo da música Ano 2015 O Projeto Recreio Musical, em sua segunda edição no Colégio Marista de Colatina, abre

Leia mais

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos

Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Aspectos Psicológicos da Educação em Direitos Humanos Profª. Dda. Maria de Nazaré Tavares Zenaide Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Não bastam boas leis, uma boa Constituição, é preciso que as pessoas

Leia mais

RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912.

RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912. RIO BRANCO, José Maria da Silva Paranhos do *dep. geral MT 1869-1875; cônsul Liverpool 1876-1900; min. Berlim 1901; min. Rel. Ext. 1902-1912. José Maria da Silva Paranhos Júnior nasceu no Rio de Janeiro

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

História. Foto: Ibraim Leão

História. Foto: Ibraim Leão Theatro Pedro II Rua Álvares Cabral 370, Centro, Ribeirão Preto-SP CEP 400-080 www.ribeiraopreto.sp.gov.br/fundacao/teatro/i36principal.php Tel. 55 (6) 3977.8 T heatro Pedro II Na década de 920, Ribeirão

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA

RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA RACISMO NO BRASIL: O mito da democracia racial FALANDO DE HISTÓRIA: SER PEÇA, SER COISA Por Neila Cristina N. Ramos Embora vivamos num país em que se tente transmitir uma imagem de igualdade e harmonia

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

Gênero e Violência contra a Mulher

Gênero e Violência contra a Mulher A essência dos Direitos Humanos é o direito a ter direitos" Hannah Arendt Gênero e Violência contra a Mulher Não há como falar de violência contra a mulher se não falarmos antes da questão de gênero que

Leia mais

Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata. A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José!

Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata. A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José! JORNAL do Edição Nº 13 De 1º a 30 de SETEMBRO de 2012 Educandário São José Fundado em 19 de MARÇO de 1990 - Diretora: Maria Coeli Galiaço Prata A grandiosa Feira de Artesanato do Educandário São José!

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

"Amor mais Perfeito Tribute to José Fontes Rocha" Música de José Fontes Rocha

Amor mais Perfeito Tribute to José Fontes Rocha Música de José Fontes Rocha PRESS-RELEASE Joana Amendoeira é considerada uma das mais importantes vozes da Nova Geração do Fado. No seu cantar, o Fado ganha novo fulgor, nova atitude, sem se desviar da tradição. Joana Amendoeira

Leia mais

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta.

Meu pai disse-me, à porta do Ateneu, que eu ia encontrar ( que eu encontraria ) o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta. Tipos de Discurso (exercícios para fixação de conteúdo, bem como material de consulta e estudo). 1. Transforme a fala abaixo em um discurso indireto. Para tal, imagine que há, na cena, um narrador que

Leia mais

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA

O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O FIM DO FEUDALISMO E A CENTRALIZAÇAO POLÍTICA O sistema feudal entra em crise com o advento das cidades e a expansão do comércio, somados a outros fatores. 1) Necessidade de moedas, crescimento das cidades

Leia mais

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO

Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Piracicaba, 2000 Fabrício Aparecido Breve INTERNET E MUNDIALIZAÇÃO Este trabalho se destina a avaliação da disciplina de Teoria da Comunicação Piracicaba,

Leia mais

2 > Ciência Política UNIDADE 2. Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências

2 > Ciência Política UNIDADE 2. Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências 2 > Ciência Política UNIDADE 2 Maquiavel: a ação política virtuosa que desafia as contingências Objetivos Discutir o contexto histórico no qual Maquiavel escreveu a obra O Príncipe. Apresentar a obra de

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

Plano de Patrocínio. (CD Juliano Ravanello) PRONAC 12 1905

Plano de Patrocínio. (CD Juliano Ravanello) PRONAC 12 1905 Plano de Patrocínio (CD Juliano Ravanello) PRONAC 12 1905 Resumo Executivo O projeto se propõe a gravar o segundo CD de Canto Gregoriano do cantor Juliano Ravanello. Esse CD é composto por 13 faixas, todas

Leia mais

Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero

Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Todo dia ela faz tudo sempre igual... : Reflexões sobre o Cotidiano e gênero Maria Eduarda Ramos (UFSC) 1 Cotidiano

Leia mais

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões

Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Música e políticas culturais em Goiânia: algumas reflexões Márcia Terezinha Brunatto Bittencourt Mestranda em Música da Universidade Federal de Goiás e-mail: marciatbbittencourt@yahoo.com.br Sumário: A

Leia mais