ANAIS PROPOSTA DE MELHORIA DA GESTÃO DE ESTOQUE E DE INFORMAÇÃO EM UMA MICRO EMPRESA VAREJISTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS PROPOSTA DE MELHORIA DA GESTÃO DE ESTOQUE E DE INFORMAÇÃO EM UMA MICRO EMPRESA VAREJISTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS"

Transcrição

1 PROPOSTA DE MELHORIA DA GESTÃO DE ESTOQUE E DE INFORMAÇÃO EM UMA MICRO EMPRESA VAREJISTA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS MONIQUE FRANCISCHINI ( ) UNIARA - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA FERNANDO HAGIHARA BORGES ( ) UNIARA - CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Resumo:O objetivo deste trabalho consiste em avaliar os processos de gestão de estoque e de informação de uma micro empresa varejista de produtos alimentícios. O estoque no varejo exerce grande influência sobre o nível de serviço ao cliente, aumentando a disponibilidade do produto. No entanto, a imobilização de capital tem impacto direto no fluxo de caixa, aspecto crítico para as micro e pequenas empresas (MPEs). A pesquisa de natureza exploratória descritiva,partiu da revisão da literatura e do estudo de caso com observações in loco e entrevistas semi-estruturadas, para efetuar a análise do processo de gestão de estoques e o desenvolvimento da proposta de melhoria do sistema de informação. Os resultados indicam que apesar da disponibilidade de recursos tecnológicos e de dados, seu uso no processo de gestão de estoques ainda é limitado e ocorre com base subjetiva comprometendo os níveis de inventário. Os principais motivos são a cultura organizacional, a limitada capacitação dos fatores humanos e a falta de ferramentas gerenciais de qualidade e controle dos processos. O aprimoramento dos sistemas de informação existente e o uso dos dados de demanda aumentam a consistência das políticas de estoque, com impactos financeiros positivos. Palavras-chave: Gestão de estoques.micro empresa.varejo. 1. INTRODUÇÃO O ambiente dos negócios tem exigido das empresas capacidade de monitoramento do mercado e sensibilidade quanto à mudança de hábitos do consumidor (RODRIGUES e PINHEIRO, 2005). Isso demanda das organizações maior eficiência na gestão de seus processos, pressionadas pela maior exigência por parte dos consumidores e pela concorrência. Um dos grandes desafios é agregar valor aos processos tanto de produtos quanto de serviços, tarefa essa considerada vital diante das condições atuais do mercado. O aumento da eficiência dos processos de gestão não é uma atividade simples, pois deve levar em consideração além dos seus aspectos específicos, a redução dos custos sem prejuízo dos níveis de qualidade. Dentro deste cenário, a logística exerce papel de destaque quando trata dos níveis de estoque de materiais em processo e de produtos acabados, pelo fato de imobilizar recursos financeiros e guardar estreita relação com o serviço ao cliente. A minimização de inventário pode comprometer a relação com o cliente enquanto que sua manutenção em níveis mais elevados implica em maiores riscos como obsolescência, custos e 1/16

2 qualidade (MICHALSKI, 2008). Diante disto, um dos desafios da logística organizacional é a gestão dos níveis de estoque e a compreensão dos trade-offs com as demais áreas como a financeira, o atendimento ao cliente, a produção e a armazenagem. De acordo com Slack, Chambers e Johnston (2009), o desequilíbrio entre oferta e demanda compromete os níveis de inventário bem como o atendimento ao cliente. A redução dos níveis de inventário, com manutenção do nível de serviço só é possível quando há conhecimento da demanda e domínio dos recursos de produção, caso contrário, a empresa pode incorrer em perdas significativas. A informação tem importante papel neste contexto, pois quanto maior seu nível de confiabilidade, mais elevada será a acurácia das previsões de demanda, contribuindo para a melhoria dos processos de tomada de decisões que envolvem as ordens de produção (ANDRADE, 2011). As empresas do setor de comércio e varejo são mais suscetíveis ao desalinho dos níveis de estoque devido ao desconhecimento por parte de seus administradores do impacto dos custos sobre sua posição financeira, pois ao contrário da indústria, lidam com menores volumes de inventário, focando principalmente, o giro desses estoques e a lucratividade obtida com esta atividade (OTSUKA e VIEIRA, 2010). O varejista, último estágio integrante da cadeia de distribuição, agrega valor ao produto ou serviço ao fornecer variedade e quantidade desejadas pelo cliente, mesmo que muito pequena, e mantendo estoque permanente do produto ou serviço comercializado (OLIVEIRA, 2005). As bases para a política de estoques são: a quantidade a ser comprada; o momento do pedido; frequência de revisão dos estoques; a localização dos mesmos; e o controle do sistema, e para tanto, faz-se necessário lançar mão de ferramentas e modelos matemáticos que auxiliem na tomada destas decisões com a finalidade de prevenir a empresa de possíveis flutuações de demanda devido a variáveis incontroláveis como climáticas, econômicas e/ou políticas, mercadológicas, dentre outras. Com apoio da revisão bibliográfica e de um estudo de caso desenvolvido em uma micro empresa do setor varejista de produtos alimentícios, buscou-se por meio de observações in loco e entrevistas semi estruturadas conhecer as atuais políticas de gestão e rotinas praticadas e sua adequação aos propósitos e missão do negócio, levando-se em consideração as particularidades das micro e pequenas empresas apontadas por estudos prévios de Escrivão Filho em conjunto com outros autores. Com base nas informações coletadas, buscou-se responder à seguinte questão: Existe a possibilidade real de melhoria das práticas atuais? A partir desse questionamento, foram elaboradas propostas de mudanças das tais práticas, visando à otimização da gestão de estoques e informação, e, consequentemente, dos processos de rotina, administrativos e gerenciais. 2. REVISÃO DA LITERATURA 2.1 Classificação e aspectos estratégicos das micro e pequenas empresas A determinação do tamanho de uma empresa pode ser feita por meio de critérios como o número de funcionários. O SEBRAE-SP (2014a) apresenta para o setor de comércio e serviços o seguinte: microempresa até 9 empregados; empresa de porte pequeno de 10 a 49 empregados; média empresa de 50 a 99 empregados e grande empresa de 100 ou mais empregados. 2/16

3 Em 2012, 99% dos rendimentos da economia do Estado de São Paulo provieram das micro e pequenas empresas (MPEs) e, do total de empresas paulistas, 40% eram MPEs do setor comerciário, e 5,1%, minimercados ou mercearias (SEBRAE, 2014b). O tamanho da empresa é, na maioria dos casos, diretamente proporcional ao nível de formalização e ordenação dos seus processos e operações (MORAES e ESCRIVÃO FILHO, 2006b). Terence e Escrivão Filho (2001) listam as principais características, apontadas pela literatura, que influenciam negativamente a elaboração do Planejamento Estratégico das MPEs, sendo elas: falta de pessoal qualificado e/ou comprometido; visão de curto prazo (solução de problemas cotidianos, imediatismo); centralização dos processos administrativos no pequeno empresário, de quem os valores se confundem com os da empresa; falta de tempo e recursos; resistência a mudanças; dificuldade de análise das forças, fraquezas, oportunidades e ameaças da empresa e, portanto, dificuldade na identificação da missão, habilidades e recursos indispensáveis ao sucesso da empresa; dificuldade na definição de metas e objetivos claros e divulgação deste planejamento aos funcionários. A informalidade dos processos de comunicação internos traz consequências à elaboração de metas e estratégias empresariais das MPEs, pois são em sua maioria, senão a totalidade, verbais, com detalhes imprecisos ou inexistentes, concedendo espaço a subjetividade e intuição, ao invés da formalidade e racionalidade na gestão (NAKAMURA e ESCRIVÃO FILHO, 1999). Moraes e Escrivão Filho (2006a) ressaltam a necessidade de avaliação das especificidades das empresas de pequeno porte para melhor compreensão de suas dificuldades e proposição de medidas facilitadoras à sua gestão e sobrevivência. Como auxiliadora da avaliação da situação atual da empresa, utiliza-se comumente uma ferramenta denominada matriz SWOT, que tem como característica principal a análise dos pontos fortes e fracos internos e externos da empresa. Seu nome é sigla para Forças/Pontos Fortes (Strenghts), Fraquezas/Pontos Fracos (Weaknesses) da organização, Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats) do mercado em que atua (SANTOS et al, 2010). A Figura 1 apresenta modelo para a elaboração da Matriz SWOT da organização. Santoset al (2010) esclarecem que os pontos fortes da empresa são seus recursos e habilidades que lhe permitem sobreviver e obter vantagem competitiva; pontos fracos deixam a organização em desvantagem em relação ao mercado; oportunidades são chances de se estabelecer e/ou crescer no seu ramo de atuação e ameaças são possíveis interferências negativas geradas pelo ambiente externo. 3/16

4 Figura 1: Modelo de Matriz SWOT. Fonte: 2.2 Estoques e modelos de gestão Slack, Chambers e Johnston (2009, p. 356) definem estoque como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação e apontam como principal busca dos gestores, respostas às seguintes questões de decisão de estoques: quanto pedir; quando pedir e como controlar o sistema. Os modelos de gestão de estoque dividem-se em ativos ou reativos e a principal característica que os diferencia é a utilização de previsões de demanda para a definição dos parâmetros que serão utilizados para a gestão dos estoques, enquanto os modelos ativos se antecipam à demanda, os reativos respondem às variações impostas (SOUZA, 2012). Sendo assim, a manutenção dos estoques se faz necessária de acordo com Simchi-Levi, Kaminsky esimchi-levi (2010) devido a variações inesperadas da demanda do cliente, situações de incerteza em relação à quantidade, qualidade, custo e tempo de entrega dos fornecedores, os lead times para a efetivação da entrega dos pedidos, além da economia de escala normalmente oferecida por transportadoras, fabricantes e distribuidores. O nível de serviço a ser mantido sofre influência dos lead times de entrega, como podemos observar na Figura 2, o exemplo criado por Simchi-Levi, Kaminsky esimchi-levi (2010), onde verifica-se a necessidade de um estoque maior para manutenção do nível de serviço quando temos o lead time mais elevado. 4/16

5 Figura 2: Nível de serviço versus nível de estoque como função do lead time. Fonte:Simchi-Levi, Kaminsky e Simchi-Levi (2010, p.83). Existe ainda a diferença fundamental entre controle de estoque e gestão de estoque. O controle consiste no registro de todas as ocorrências, fornecendo informações sobre a posição dos estoques, enquanto a gestão baseia-se no controle para prever e agir diante de situações de possível ruptura dos estoques e, em contrapartida, evitar o excesso de capital imobilizado. Este equilíbrio é fundamental para a manutenção do nível de serviço da empresa e de seu fluxo de caixa (OLIVEIRA, 2005). O controle de estoques é a base para o processo de compra como resumem Gurgel e Francischini (2002) na Figura 3. O controle dos estoques pode ocorrer por meio de revisões contínuas ou periódicas. No primeiro caso, o acompanhamento dos níveis de inventário é constante, o que é dispendioso para processos não informatizados. Ao se atingir o ponto de ressuprimento, é disparado um processo de reposição mantendo regular o tamanho do pedido, determinado com base no lote econômico de compra (LEC). Já a revisão periódica determina o tamanho do pedido a cada verificação, tornando inviável, em alguns casos, a aplicação de uma quantidade ótima ou econômica de compra (SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON, 2009). Nos casos em que há grande variedade de itens a serem controlados, utiliza-se o sistema de classificação ABC, criado com base no Princípio de Pareto ou regra 80/20, que discrimina os itens de acordo com sua movimentação de valor, ou seja, taxa de uso multiplicada pelo valor. Geralmente, 80% do valor total do estoque estão concentrados em apenas 20% do total de itens, denominados itens classe A, seguidos pelos 30% de itens que representam 10% do valor total, classe B e os 50% de itens restantes que representam os outros 10% do valor total, classe C (SLACK, CHAMBERS e JOHNSTON, 2009). 5/16

6 Figura 3: Processo de compra. Fonte: Gurgel e Francischini (2002, p. 21). Segundo Bowersox, Closs e Cooper (2006), o risco assumido com a formação de inventários varia de acordo com a posição da empresa no canal de distribuição, de modo que, para a indústria ou produtor, o comprometimento é profundo e de longo prazo, pois gerenciam estoques de matérias-primas, material em processamento (WIP work in process) e produto acabado, exigindo antecipação à demanda e, em alguns casos, consignação de inventários nas instalações do cliente. Os atacadistas fornecem aos varejistas a variedade e quantidade necessárias, resultando grandes inventários e riscos, e nos casos de sazonalidade, é necessária a programação antecipada para o suprimento da demanda, aumentando a dimensão e a duração dos riscos. Já o varejista, por conta das restritas e custosas áreas de armazenagem, enfatiza o giro dos estoques e sua velocidade de compra e venda. Se o giro do estoque não for adequado, a margem de retorno sobre o investimento ficará comprometida (OLIVEIRA, 2005, p. 57). Com relação à quantidade a ser reposta, Santoro, Freire e Hernandez (2007) apresentam os cálculos como seguem, para modelos reativos: Onde: poq = (ol st) se st rl (1) poq = 0 (zero) se st>rl (2) poq = purchaseorderquantity = quantidade a ser reposta no inventário; ol = orderlevelparameter = parâmetro de nível de pedido; st = current stock = estoque atual, inclusive lotes a receber e 6/16

7 rl = reorderlevel = ponto de ressuprimento, quantidade que dá início ao processo de reposição. Ou, somente implicando em reposição do estoque a cada revisão. Bowersox, Closs e Cooper (2006), definem o ponto de reposição por: Onde R = ponto de reposição; D = demanda média diária; T = duração média do ciclo de desempenho, ou tempo de reposição e SS = safety stock = estoque de segurança. 2.3 Tecnologia da informação poq = (ol st) (3) R = D x T + SS (4) A informação bem coletada, tratada e disseminada é forte aliada do tomador de decisão, pois fornece conhecimento, orienta e reduz as incertezas de sua ação (BIGATON e ESCRIVÃO FILHO, 2003). Para efetivamente realizar a gestão estratégica da informação, a pequena empresa precisa realizar análises ambiental e interna consistentes e integradas com o processo de planejamento, o qual direciona a obtenção; o tratamento e a interpretação dos dados, dotando-os de relevância e propósito, transformando-os em informações; e finalmente utilizando as informações obtidas na administração estratégica (BIGATON e ESCRIVÃO FILHO, 2003). O crescimento dos investimentos em tecnologia da informação justifica-se pelo custo benefício oferecido às empresas, pois minimizam erros, conferem qualidade, eficiência, rapidez e acurácia aos processos (RODRIGUES et al, 2011). Porter e Millar (1985) defendem que a utilização de sistemas informatizados na realização das atividades da empresa permitem gerar, coletar e captar dados até então indisponíveis, permitindo sua análise e utilização com maior abrangência. A substituição da aplicação de capital humano por máquinas de processamento gera informações precisas e úteis ao planejamento e acompanhamento das atividades da empresa, economizando tempo e esforço em atividades burocráticas. Simchi-Levi, Kaminsky esimchi-levi (2010) exemplificam a utilização da informação para a previsão de demanda citando a empresa Obermeyer, que inicia a previsão com margem de erro considerável, como se observa na Figura 4, onde efetiva-se a venda de 20,4% da quantidade prevista. Com o aumento do uso da informação, a proximidade da previsão e da demanda real cresceu consideravelmente. Figura 4: A melhora das previsões de demanda com o aumento das informações. 7/16

8 Fonte: Simchi-Levi, Philip Kaminsky e Simchi-Levi (2010, p. 108). 8/16

9 3. METODOLOGIA ANAIS Esta pesquisa deu-se por meio de um estudo de caso, revisão da literatura, observações e entrevistas in loco, e foi classificada como de perfil exploratório descritivo. Gil (2010) caracteriza a pesquisa exploratória como aquela que permite maior flexibilidade das técnicas de coleta de dados, por meio de revisão da literatura, entrevistas com pessoas envolvidas no problema e análise de exemplos e a descritiva como aquela que tem por objetivo principal descrever características observadas e relacionar as variáveis utilizando técnicas padronizadas de coleta de dados. Após coletados, os dados foram analisados qualitativamente. A seleção da empresa objeto deste estudo deu-se por conveniência e disponibilidade da gerência em participar da pesquisa. Foram agendadas 3 visitas para observação das rotinas e entrevistas, tanto da equipe de vendas, quanto da gerência, e coleta dos dados de compra e venda do ano de Além disso, investigou-se a disponibilidade e utilização de ferramentas de apoio à gestão e planejamento estratégico da organização. A empresa Alfa, atua como varejista do ramo alimentício em um município do interior paulista há mais de 40 anos. Classificada como micro empresa, emprega 5 funcionários (4 vendedores e 1 gerente) e apresenta perfil familiar. Ao longo dos últimos anos, ocorreram algumas mudanças de coordenação e a atual gestão necessita gerenciar aproximadamente 100 itens, porém enfrenta dificuldades com relação à gestão de informação, de modo que não encontra subsídios para a tomada de decisão. Tomando-se como referência trabalhos anteriores como os de Moraes e Escrivão Filho (2006a), Bigaton e Escrivão Filho (2003) e Oliveira (2005) que tratam da informalidade e dificuldades das pequenas empresas em gerenciar a informação e estoques, e os pontos principais encontrados na revisão da literatura, foram elencados os seguintes pontos a serem observados e abordados durante as entrevistas: (i) histórico e estrutura administrativa da empresa; (ii) funcionários (escolaridade, experiência profissional); (iii) posição mercadológica e estratégias; (iv) políticas de gestão de estoques utilizadas pela empresa (quantidades, periodicidade, lead time, históricos, fornecedores, formas de controle, informações disponíveis); (v) utilização de sistema informatizado auxiliar (funções administrativas e gerenciais, caixa, funcionalidades, aplicações possíveis); (vi) adequação do espaço aos níveis de estoque mantidos (espaço, disposição); (vii) impactos do excesso ou falta de produtos (deterioração, ruptura, prejuízos). A coleta de dados deu-se por meio da alimentação de planilha do Excel com dados encontrados em notas fiscais de compra dos produtos no ano de A partir dessa informação, foram criados mini gráficos para a melhor visualização dos volumes de compra dos materiais durante os meses do referido ano e classificados (ABC) de acordo com as movimentações de valor destes produtos. Coletaram-se também, os fechamentos de caixa mensais para comparação da variação dos investimentos e a flutuação das vendas efetivadas. Os valores foram digitados em planilha do Excel e esses dados geraram gráfico das movimentações a serem analisadas. 4. ESTUDO DE CASO 9/16

10 Com relação ao (i) histórico e estrutura administrativa da empresa, tem-se que esta foi fundada em 1970 e mantém sua estrutura familiar até o presente momento. A empresa já teve à sua frente outros dois micro empresários antes do atual proprietário, que assumiu as atividades há cerca de 12 anos. Durante este período, a gestão da empresa foi exercida pelo próprio empresário, por seu sobrinho e, atualmente, por sua sobrinha-neta, sempre com o auxílio de uma equipe de vendas muito rotativa, com 3 a 4 vendedores. Quanto aos (ii) funcionários, ressalta-se que após observação e entrevista com a gerência e as funcionárias, verificou-se uma equipe de vendedores jovens e inexperientes em seu primeiro emprego e com pouco tempo de empresa, sendo que o mais antigo deles tem pouco menos de 2 anos de contratação. A gerente trabalha na empresa há 6 anos, tendo assumido a função no último trimestre de Com relação à (iii) posição mercadológica e estratégias, nunca foram avaliadas as forças e fraquezas, oportunidades e ameaças da empresa, nem foram definidas sua missão, visão e valores, dificultando a manutenção de um padrão das atividades executadas e resultando em falta de planejamento. Com relação às (iv) políticas de gestão de estoques utilizadas pela empresa, levantou-se que todos os procedimentos administrativos cotidianos, inclusive as compras, concentram-se nas mãos da gerência, que com base em sua experiência, e com pouca ou nenhuma informação, toma decisões subjetivas e suscetíveis a erros de julgamento. Existem 3 principais fornecedores dos quais a empresa realiza suas compras e são bem avaliados por ela nos quesitos qualidade (mais valorizado por se tratar de produtos alimentícios), preço e prazo de entrega, com um lead time que varia entre 3 e 5 dias úteis. Em janeiro de 2014, foram analisadas notas fiscais de compra de todo o ano de 2013 e levantadas as informações de compra de produtos da empresa para este período. Os itens foram classificados (ABC) conforme sua movimentação de valor e foram gerados gráficos dos perfis de compra para o período em questão, exibidos pela Figura 5. Em seguida, foram verificadas possibilidades de adequação e proposição de melhorias para uma gestão de estoque mais eficiente por meio do uso da informação. Figura5:Perfis de compra dos itens Classe A durante o ano de Fonte: Própria autora. Quanto à (v) utilização de sistema informatizado auxiliar, relata-se que devido à mudança do sistema de nota fiscal manual para cupom fiscal, a empresa adquiriu um software, porém, o 10/16

11 desenvolvedor do sistema somente forneceu treinamento para uso da função emitir cupom fiscal, portanto, por desconhecimento de todas as funcionalidades do sistema em questão, sua implantação não veio a efetivar-se. Dentre as funcionalidades apresentadas pelo software estão: (a) registro de movimentação de materiais por item ou total; (b) aviso de nível de estoque crítico; (c) bloqueio de vendas para itens com estoque negativo; (d) posição atualizada do inventário em valor investido; (e) dados financeiros: contas a pagar, a receber, fluxo de caixa; (f) cadastro de clientes, fornecedores, funcionários, vendedores, transportadoras; (g) relatórios e gráficos gerenciais: histórico de vendas por item ou por período. Quanto à (vi) adequação do espaço aos níveis de estoques mantidos, a análise do arranjo físico designado ao inventário da loja, evidencia grande deficiência em área de armazenamento por tratar-se de um prédio relativamente pequeno alugado em região central e estratégica para as vendas. Com a intenção de melhoria e expansão desta área, construiu-se um piso superior para estocagem de itens de menor peso, volume e giro. Entretanto, ainda observa-se dificuldade de movimentação dos produtos por ocuparem uma área tão restrita. Na área de circulação e vendas, também existem prateleiras, em alturas superiores às utilizadas para exposição dos produtos, para a armazenagem de itens de baixo volume e peso. Alguns itens, também de baixo volume, permitem ainda armazenagem detrás dos potes em que são expostos à venda, facilitando assim sua reposição e otimizando a utilização dos espaços. Quanto aos (vii) impactos do excesso ou falta de produtos, verificou-se que não há conhecimento formal destes dados. Observa-se que os produtos em excesso causam transtornos para a movimentação de outros itens e, sendo eles de médio ou baixo giro, acabam por deteriorar-se, causando prejuízos ainda desconhecidos pela gerência por falta de controle. Da mesma forma, a falta de produtos não é registrada e a perda de vendas por este motivo, quando comunicada à gerência, dá-se de maneira verbal (informal). Após a revisão da literatura e investigação in loco relatadas, sumariza-se no Quadro 1 as mudanças que poderiam ser implantadas visando a melhoria da gestão de estoque e do sistema de informação de apoio na empresa Alfa. Aspectos observados Desconhecimento da posição mercadológica atual da empresa Imediatismo e falta de Planejamento Estratégico Conhecimento subjetivo dos processos internos (cada funcionário realiza as tarefas do modo que acredita ser adequado ou conveniente) Modelo de gestão de estoques reativo Não utilização das funcionalidades do software disponível Quadro 1: Aspectos observados e propostas de melhoria. Proposta Análise de pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças da empresa - para facilitar visualização dos pontos analisados sugere-se utilizar a matriz SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities, Threats Forças, Fraquezas, Oportunidades, Ameaças); Definição de missão, visão e valores da empresa e exercício destes junto a toda a equipe, e elaboração de planos e metas de médio a longo prazo; Padronização de procedimentos operacionais, elaboração de cronogramas e definição de horários para o cumprimento de tarefas cotidianas de modo que estas não interfiram nas vendas; Utilização de histórico de movimentação de materiais para modelo de gestão de estoque ativo; Utilização das funcionalidades do software disponível para controle e registro das informações referentes ao estoque (quantidade disponível, demanda, perfil de demanda, descartes devido a 11/16

12 Conhecimento subjetivo dos produtos com maior impacto sobre as atividades da empresa Pontos de reposição e quantidades máximas indeterminados Periodicidade irregular de verificação da necessidade de compra de materiais Definição subjetiva das necessidades de compra Anotações manuais dos valores referentes a cada venda em comandas. Fonte: Própria autora. ANAIS deterioração, ruptura, valor investido, retorno do investimento) e extração de indicadores; Classificação ABC dos itens, para definir produtos que devem ser prioridade na gestão dos estoques devido à sua movimentação de valor e impacto sobre a posição financeira da empresa; Definição dos pontos de reposição (equação 4) e quantidades máximas considerando-se a classificação do produto, sua demanda, perecibilidade e espaço físico disponível à armazenagem adequada; Manutenção de periodicidade regular para a realização de pedidos de compra; Definição racional das quantidades a serem adquiridas com base nos princípios das equações 1 e 2 para produtos de baixo giro e da equação 3 para produtos de alto giro, até que haja histórico suficiente para a realização de previsões de demanda para definição destas quantidades; Investimento em balanças emissoras de códigos de barras e leitores para que o sistema do caixa identifique o produto, quantidade e valor automaticamente, e registre a saída de produtos. A tabela 1 exibe resultado da classificação ABC dos 91 itens cujas movimentações de valor foram levantadas. Tabela 1: Resultados Classificação ABC levantamento do período de janeiro a dezembro de Classificação Número de itens % de itens % do valor A 17 19% 79% B 11 12% 11% C 63 69% 10% Total % 100% Fonte: Própria autora. O modelo reativo de gestão de estoque utilizado pela empresa aumenta os níveis de inventário de acordo com sua demanda até que haja uma nova variação desta, e não sendo realizada uma previsão adequada, a empresa pode sofrer danos financeiros profundos e nem ao menos dar-se conta desta ocorrência devido à falta de controle. Como se pode observar nos gráficos de compras do ano de 2013 para os itens classe A, dispostos na Figura 5, alguns apresentam regularidade no consumo, outros crescem em função do tempo e outros apresentam instabilidade. Esta instabilidade nos perfis de consumo dos itens A011 e A015, por exemplo, pode ser devido a uma expectativa superestimada da demanda para alguns meses, pois se observam quedas drásticas das quantidades repostas nos meses seguintes, indicando que o estoque está acumulado, imobilizando capital e forçando a empresa a assumir riscos de deterioração, por tratar-se de produtos alimentícios, além de ocuparem espaço precioso que poderia ser melhor utilizado. Por outro lado, é necessário verificar se estes produtos apresentam sazonalidade que explique tamanha disparidade da quantidade comprada mês a mês, como é o caso do item A009, que tem sua demanda aumentada por tratar-se de um alimento típico das festas juninas. 12/16

13 Elaborou-se um comparativo que relaciona as variações de investimento em estoque de produtos e variação das vendas durante o período estudado, como dispõe o Gráfico 1. Nota-se que os investimentos não seguem o mesmo passo das vendas, posto que há meses em que há aumento das vendas e diminuição do investimento e vice-versa. versa. Além disso, como houve efetivação destas vendas, mais altas do que os investimentos, pode-se considerar que havia estoque remanescente dos meses anteriores que permitiram o suprimento destas, ressaltandose que não há registro do impacto da ruptura ou excesso de produtos sobre os rendimentos da empresa. Gráfico 1: Comparativo da variação do investimento produtos e das vendas de janeiro a dezembro de Fonte: Própria autora. As previsões das demandas poderiam ainda ser de grande valia para os itens com demanda crescente em função do tempo, pois não se sabe qual foi o nível de serviço oferecido para estes itens, se o aumento das quantidades praticado foi suficiente para o suprimento da demanda ou se houve perda de vendas e/ou clientes. 5. RESULTADOS ESPERADOS O histórico de consumo dos produtos gerado com base nos registros de movimentação dos mesmos possibilita a aplicação de um modelo de gestão de estoques ativo, com previsão e antecipação à demanda, evitando excesso ou ruptura dos estoques. Nesta etapa torna-se essencial a utilização integral das funcionalidades do software,, pois a sua automatização traz benefícios ao tomador de decisão, que frequentemente, encontra-se sobrecarregado a ponto de não encontrar tempo para o planejamento estratégico da empresa. A racionalização e informatização do processo de levantamento de compra dos produtos comercializados permitem que, com pedidos mais frequentes e menores, a empresa esteja menos suscetível a deterioração dos produtos comercializados e descongele o capital estagnado em forma de estoques, mitigando, também riscos inerentes à gestão do capital de giro da empresa. Além disso, espera-se se liberar espaços de armazenagem para melhor utilização dos mesmos, pois apesar de organizados, os produtos ocupam espaços que seriam úteis para atividades internas administrativas e ao diminuir a lotação destes espaços, sua movimentação seria facilitada. 13/16

14 A implantação dos códigos de barras e do sistema informatizado conferem eficiência e eficácia à realização das vendas, além de confiabilidade, pois reduzem as falhas humanas às quais a anotação manual dos valores em comandas está sujeita e agiliza o atendimento, reduzindo a formação de filas em momentos de pico, proporciona a gestão adequada dos níveis de inventário e fornece, sempre que solicitado, posição atualizada dos mesmos e relatórios gerenciais, permitindo ainda um modelo de gestão de estoque com revisão contínua. Integrar dados relevantes e resumi-los em relatórios emitidos pelo sistema, fornecerão à gerência subsídio para a tomada de decisão, em relação a investimentos, melhorias, contratações ou mudanças nas estratégias globais da empresa, buscando sempre a excelência operacional e satisfação do cliente. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS As dificuldades enfrentadas pelas micro e pequenas empresas, seja em relação a funcionários, sobrecarga dos gerentes, falta de estímulos financeiros ou tecnológicos, podem ser amenizadas ou superadas utilizando-se as ferramentas corretas e repensando os processos informais e subjetivos, tradicionalmente praticados por elas. Notou-se que os afazeres cotidianos e o imediatismo com o qual os micro empreendedores trabalham, não lhes permitem vislumbrar possíveis melhorias para seus processos, e, como no caso estudado, uma ferramenta com diversas funcionalidades de auxílio ao gestor é simplesmente mantida por obrigatoriedade de emissão de cupom fiscal. A falta de registro de informações cruciais ao planejamento estratégico confirmou os resultados dos estudos anteriores citados na Revisão da Literatura. Com isso, perde-se a oportunidade de colocar em prática a melhoria contínua, tão necessária frente às necessidades e exigências do mercado cada vez mais competitivo. O micro e pequeno empresário precisa compreender que a tecnologia da informação, pode ser um aliado para consolidar ainda mais suas atividades e não enxergá-la como um empecilho imposto pelas novas gerações. Ela chega como ferramenta de trabalho e gestão, que auxilia e embasa as tomadas de decisão do gestor para que sejam acertadas e menos suscetíveis a falhas de julgamento. Os sistemas de informações apresentam, atualmente, ferramentas imprescindíveis para a realização de um adequado planejamento de necessidades financeiras e materiais, como também, instrumentos eficazes para o seu devido controle. Desta forma, com a adoção de ferramentas que o auxiliem, neste contexto, suas operações poderão sofrer impactos positivos, possibilitando, assim, melhorias contínuas no uso eficiente dos recursos financeiros, planejamento de necessidades materiais e, consequentemente, mitigando possíveis riscos de desperdícios e liquidez financeira. As micro e pequenas empresas se apresentam como objetos de estudos interessantes, devido às particularidades de cada unidade de negócio. Para próximos estudos, sugere-se a avaliação dos efeitos da gestão dos estoques e utilização de sistemas de informação sobre a posição financeira e mercadológica da empresa estudada. Referências 14/16

15 ANDRADE, R. Q. de. Gestão de estoques:uma revisão teórica dos conceitos e características.in: XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), Belo Horizonte, BIGATON, A. L. W.; ESCRIVÃO FILHO, E. Gestão estratégica da informação na pequena empresa. In: XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), Ouro Preto, BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J.; COOPER, M. B. Gestão logística de cadeias de suprimentos. Bookman, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, GURGEL, F. D. A.; FRANCISCHINI, P. G. Administração de materiais e do patrimônio. Cengage Learning Editores, MICHALSKI, G. M..Value-based inventory management.journal of Economic Forecasting, v. 9, n. 1, p , MORAES, G. D. de A.; ESCRIVÃO FILHO, E. A gestão da informação diante das especificidades das pequenas empresas. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 3, p , 2006a. MORAES, G. D. de A.; ESCRIVÃO FILHO, E. O ciclo vicioso na gestão das pequenas empresas: uma análise do processo estratégico e operacional. In: XXVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), Fortaleza, 2006b. NAKAMURA, M. M.; ESCRIVÃO FILHO, E.. Estratégia empresarial e as pequenas e médias empresas: Um estudo de caso. Revista de Negócios Blumenau, v. 4, n. 2, p. [1-8], 1999, Blumenau, OLIVEIRA, O. M. M. de. A gestão de estoques no pequeno e médio varejo de supermercados da Bahia: Estudo sobre a influência da gestão informatizada de estoques sobre o desempenho dessas empresas. Programa de mestrado profissional,escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, OTSUKA, B. T.; VIEIRA, G. E. Previsão de demanda para uma microempresa de comércio e análise dos impactos financeiros. In: XXX Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), São Carlos, PORTER, M. E.; MILLAR, V. E. Como a informação proporciona vantagem competitiva. Jul-Ago de In:PORTER, M. E. Competição = On competition: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Campus, RODRIGUES, E. F.; FERNANDES, A. R.; FORMIGONI, A.; MONTEIRO, R.; CAMPOS, I. P. de A. Logística integrada aplicada a um centro de distribuição: Comparativo do desempenho do processo de armazenagem após a implementação de um sistema de gerenciamento de armazém (wms). In: VIII Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia (SEGeT), Resende, RODRIGUES, E.; PINHEIRO, M. A. S.. Tecnologia da Informação e Mudanças Organizacionais. Revista de Informática Aplicada, v. 1, n. 2, Jul./Dez., SANTORO, M. C.; FREIRE, G.; HERNANDEZ, Á. E. Inventory models comparison in variable demand environments.in: 19th International Conference on Production Research, Valparaiso, SANTOS, D.; LOPES, C.; ARAÚJO, P.; SALVIANO, A. C.; LINHARES, T.; OLIVEIRA, F. A necessidade da análise SWOT como ferramenta para aumentar a competitividade das micro e pequenas empresas. In: C Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação (CONNEPI), Maceió, /16

16 SEBRAE SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. 2014a. Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/biblioteca/estudospesquisas/mpes_numeros/classificacao_mpe_emp regados.jpg> acesso em 19/04/14. SEBRAE SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Book de pesquisas sobre MPEs paulistas.2014b. Disponível em: <http://www.sebraesp.com.br/arquivos_site/institucional/book_pesquisas_mpespaulistas> acesso em 20/04/14. SIMCHI-LEVI,D.; KAMINSKY, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de Suprimentos Projeto e Gestão: Conceitos, Estratégias e Estudos de Caso. Bookman, SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, SOUZA, K. C. G. N. De. Modelo de gestão de estoques para bens de consumo em supermercados. Dissertação, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, TERENCE, A. C. F.; ESCRIVÃO FILHO, E. As particularidades das pequenas empresas no planejamento estratégico: A elaboração de um roteiro prático. In: Anais do II Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas (EGEPE), p , Londrina, Paraná, Novembro, /16

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola Politécnica

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA UNIVERSIDADE GAMA FILHO ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GESTÃO DE MATERIAL E PATRIMÔNIO NO SETOR PÚBLICO ELINE COÊLHO DA ROCHA ORGANIZAÇÃO DO ALMOXARIFADO NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO

Leia mais

Gestão de Estoques. Leader Magazine

Gestão de Estoques. Leader Magazine Gestão de Estoques Leader Magazine Maio 2005 Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Índice O Projeto Gestão de Estoques Resultados Objetivos Implementar e Controlar todos os processos de Compra

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado

PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES. Frente Almoxarifado PROJETO GESTÃO DE ESTOQUES Frente Almoxarifado Belo Horizonte, setembro de 2011 Agenda Projeto Gestão de Estoques Cartilhas Agendamento de Recebimentos e de Expedições Recebimento Armazenagem Carregamento

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO

AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO AULA 4 MODELOS DE GESTÃO E ORGANIZAÇÃO OBJETIVOS Compreender a estratégia de produção dentro da organização; Diferenciar requisitos de mercado e recursos de produção Reconhecer as prioridades diferentes

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR"

TÍTULO: COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR TÍTULO: "COMUNICAÇÃO E CONTABILIDADE: A TECNOLOGIA NA ROTINA DO CONTADOR" CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE RIO PRETO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Sistemas de Apoio a Decisão

Sistemas de Apoio a Decisão Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Sistemas de Apoio a Decisão DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão O QUE É UM SISTEMA DE APOIO À DECISÃO?

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA - ESTOQUES T É C N I C O E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P R O F. D I E G O B O L S I M A R T I N S 2015 ESTOQUES São acumulações de matérias-primas, suprimentos, componentes,

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais