32º CIOSP - CONGRESSO INTERNACIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. ENCONTRO DE COORDENADORES DE SAÚDE BUCAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "32º CIOSP - CONGRESSO INTERNACIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. ENCONTRO DE COORDENADORES DE SAÚDE BUCAL DO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 1 32º CIOSP - CONGRESSO INTERNACIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. ENCONTRO DE COORDENADORES DE SAÚDE BUCAL DO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO Realizou-se no dia Auditório Jardim São Paulo 2º andar do Expo Center Norte, durante o 32º CIOSP, o Encontro de Coordenadores de Saúde Bucal do Estado de São Paulo. O Encontro constou de duas mesas, pela manhã e à tarde, precedidas pela abertura com a presença das seguintes autoridades: Adriano Albano Forghieri presidente da APCD. Wilson Chediek presidente do 32º CIOSP, Claudio Yukio Miyake - Presidente do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Dalva Amin França - Secretária Municipal de Itapecerica da Serra, representando o COSEMS, Silvio Cecchetto, presidente da ABCD e Maria Fernanda de Montezuma Tricoli, Coordenadora de Saúde Bucal da Secretaria de Estado da Saúde - SES SP. Marco Antônio Manfredini coordenou os trabalhos da abertura e a primeira mesa, evidenciando a importância do evento. Falou sobre a agenda comemorativa dos 10 anos do Brasil Sorridente. Lembrou que esse já é o 12º encontro, inicialmente fruto da articulação da APCD e SES-SP e posteriormente incluindo-se o COSEMS na sua organização; ressaltou a importância da Dra. Helenice Biancalana na comissão organizadora, pela APCD e, lembrou o recente falecimento da professora Aglair Iglesias Duran, que muito militou na saúde bucal coletiva; rendeu-lhe merecida homenagem, solicitando um minuto de silêncio. Falou também sobre a realização do EPATESPO-Encontro Paulista de Administradores e Técnicos do Serviço Público Odontológico, que ocorrerá em Piracicaba, de 10 a e o próximo congresso do COSEMS, que ocorrerá em Ubatuba. Em seguida as autoridades saudaram os presentes, ressaltando a importância do Encontro e o fortalecimento da parceria entre os militantes do Serviço Público e as entidades de classe, na busca de melhoria do acesso com qualidade para a população aos serviços públicos de saúde bucal. Maria Fernanda de M. Trícoli explanou que no dia da abertura do 32º CIOSP (dia anterior), o Secretário da Saúde falou sobre a equiparação salarial entre médicos e cirurgiões-dentistas a pedido do CRO-SP. Disse que o secretário e o governador já assinaram o documento e que tem mais uma instância para assinar. Comentou que o secretário está confiante que essa instância vai assinar para dar continuidade ao processo. Tema central: CONSTRUINDO DIRETRIZES PARA A GESTÃO DA SAÚDE BUCAL NO ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA MESA: 10 ÀS 13 h Tema 1. : EPIDEMIOLOGIA E PREVENÇÃO: Debatedor: Prof. Vladen Vieira: Ex-Secretário da Saúde do Município de Itapira Assessor Técnico de Saúde Bucal da Secretaria de Estado da Saúde. Estágio atual do levantamento epidemiológico de saúde bucal no estado de São Paulo. Dissertou sobre o estágio do Levantamento Epidemiológico no Estado de São Paulo, iniciado em 2013 (SB SP 2013), proposto e coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde, com a participação de inúmeros municípios. Fez um histórico dos levantamentos epidemiológicos no Estado, realizados em

2 (só na cidade de São Paulo), 1998, 2000 (amostra ampliada do SB Brasil) e 2010 (SB Brasil 2010), que não teve amostra ampliada para o estado, e ressaltou o objetivo primordial de continuar instrumentalizando os municípios na realização de levantamentos epidemiológicos, com metodologia simples e baseados nas orientações da OMS, como ferramenta para o planejamento das ações de saúde bucal. Salientou que os municípios precisam incorporar essa prática como parte fundamental de suas atribuições na saude bucal coletiva e exemplificou a região da DRS de São João da Boa Vista, onde esses levantamentos são realizados a cada dois anos, rotineirmente. O primeiro passo da pesquisa em 2013 foi a divulgação realizada pelos articuladores dos Departamentos Regionais de Saúde, (DRS), para incentivar os secretários e coordenadores de saúde bucal dos municípios. Segundo passo: planejamento para os DRS, no intuito de que todos os municípios fizessem o levantamento, o que seria um censo. Tarefa árdua e com expectativa de realização. O estudo será realizado em duas etapas: escolares de 5 e 12 aos de idade nas instituições de ensino e adolescentes, adultos e idosos, nos domicílios. Foram feitas oficinas com os municípios que tiveram o interesse em participar. Inicialmente, em São Paulo, Araçatuba, S. José de Rio Preto, Santos. Após, outras oficinas regionais foram realizadas. Em relação ao instrumental, contou-se com algumas sobras de outros levantamentos realizados pela SES, alguns municípios já os possuíam e a SES complementou adquirindo em torno de 25 mil sondas. Os dados serão tabulados pelo epi-info na versão A professora Julie Silvia Martins fez a máscara para a tabulação e nova oficina foi realizada. A primeira etapa, levantamento dos escolares, já foi concluída em muitos municípios. Finalizando, reiterou ser fundamental que exista uma equipe de profissionais qualificada nos municípios para a realização de levantamento epidemiológico, que é um trabalho tão importante quanto o clínico. Debatedor Professor Antônio Carlos Pereira: Professor Titular de Saúde Coletiva da Unicamp Utilização da epidemiologia para o planejamento na gestão Assumiu a coordenação científica da 2ª. fase do levantamento, atendendo o pedido da coordenação de sáude bucal da SES. O levantamento será domiciliar e envolverá adolescentes, adultos e idosos. Salientou que o projeto inicial não é seu, mas da SES SP, e que expos a necessidade de parcerias com vigilância sanitária, faculdades e a necessidade de audiência pública, depois de o projeto técnico ser submetido ao PPSUS uma vez que envolve financiamento. Explicou ser importante fazer o levantamento para conhecer melhor o perfil epidemiológico em relação à cárie dentária: Expos dados do SB Brasil 2010, concluindo que a cárie continua sendo uma doença social com associação direta de variáveis socioeconômicas e condições de vulnerabilidade. Ocorre o fenômeno da polarização: concentração da cárie em um grupo menor da população. Mostrou como será realizada essa segunda fase e que levou em conta, na sua estruturação, as dificuldades operacionais relatadas por coordenadores de saúde bucal de municípios que participaram do SB Brasil 2010, na pesquisa domiciliar. Apresentou o projeto técnico que já foi enviado ao PPSUS e que entrará em breve para audiência pública. Evidenciou a importância desse projeto para o Estado de São Paulo, que precisa conhecer o estágio atual das doenças bucais em âmbito estadual/regional, pois os dados do SB Brasil 2010 não permitem inferência para o âmbito estadual. Os objetivos do levantamento são os mesmos do SB Brasil 2010, e os aspectos medolológicos também, sofrendo alteração apenas o desenho amostral. Os Departamentos Regionais de Saúde - DRS serão domínios, para representar a região, salientando que 145 municípios do estado concentram 85% da população. Os dados terão inferência para cada DRS (a capital, pela sua extensão, será considerada um domínio). Esse desenho deveu-se à impossibildiade, pelas suas características, de se realizar um levantamento domiciliar em todos os municípios do estado. Além do SB Brasil 2010, será utilizada a 5ª. edição da OMS para levantamento epidemiológico em saúde bucal (Oral Health Surveys Basic Methods 5th Edition). Finalizando, reiterou sua condição de assessor da pesquisa. Tema 2: FLUORETAÇÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO Debatedora: Maria Magdala de Brito Ramos Coordenadora do Projeto Promoção e Qualidade de Vida Fluoretação das Águas de Abastecimento Público no Estado de São Paulo - Centro de Vigilância Sanitária CVS - SES/SP.

3 3 Discorreu sobre o estagio atual da implantação da fluoretação das águas do Estado de São Paulo Expôs o estágio atual do projeto, que foi iniciado em 2003, em 107 municipios do estado que ainda não haviam fluoretado as águas de abastecimento público. Embora a SES tenha repassado recursos da ordem de 937 mil reais para a aquisição de 310 bombas dosadoras e 36 fluorímetros, conforme a necessidade apontada pelos municípios, alguns não iniciaram, ou iniciaram precariamente, a fluoretação. O projeto com os municipios foi retomado: questionários a todos operadores dos sistemas dos municipios envolvidos foram enviados e, após a atualização do diagnóstico, a SABESP também participante do projeto como consultora, realizou capacitações e oficinas para os mesmos e também participa, junto com a SES SP e técnicos da vigilância municipal, das vistorias aos sistemas de abastecimento. Os prefeitos dos municípios participantes assinaram um termo de compromisso constando as seguintes obrigações: garantir que conte com responsável técnico no sistema de abastecimento; garantir a fluoretação da água; controlar a qualidade da água por meio de análise; instalar os equipamentos recebidos pelo projeto; garantir a manutenção preventiva e adquirir os insumos necessários para manter a qualidade da água. Praticamente todos os municipios instalaram as bombas e iniciaram o monitoramento, embora parcialmente adequada. Segundo o monitoramento realizado pelo SAMA (CVS) em 2013, nos 107 municipios do projeto, 50 apresentaram o IFluor (índice flúor) segundo o código 1 (indice adequado de fluor e com controle de qualidade), 54 municípios apresentarm o código 2 ( índice adequado de flúor sem o controle de qualidade) e 3 municípios código 3 (sem fluoretação), os quais receberam auto de infração. Um deles, Orlândia, diz-se contrário à fluoretação. A média das análises código 1 foi de 69% de adequação, enquanto o Iflu de todos os municípios do Estado foi de 75%. A meta é atingir 80% de adequação. O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, ao analisar as contas dos municipios participantes desse projeto, levará em conta também o item fluoretação das águas dos sistemas públicos de abastecimento. Contato: Debatedor: Professor Paulo Capel Narvai : Professor Titular de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo USP Dissertou sobre a Importância da vigilancia da fluoretação das águas Inicialmente lembra que o flúor é o 13º elemento mais encontrado na natureza. Todas as águas apresentam algum teor de fluoreto. Algumas, em percentual não relevante para a prevenção da cárie dentária, mas outras em teores muito elevados e que necessitam, ao contrário, serem desfluoradas para ficarem com o teor adequado. Exemplificou com a água do mar, que apresenta 1 mg fluoreto /litro. Em média o teor ótimo é 1 ppm (parte por milhão) ou mg F/litro. Sobre a importância da fluoretação para a prevenção da cárie dentária, relatou o caso da cidade de Los Angeles USA, que recusou-se inicialmente a fluoretar suas águas de abstecimento público, quando essa medida foi tomada por inúmeras outras cidades americanas. No ano 2000, constatou sua alta prevalência da cárie dentária, enquanto nas demais cidades essa prevalência havia diminuido consideravelmente; então, resolveu tomar essa medida...discorreu também sobre o porque de não se fluoretar o sal de cozinha e alertou sobre a necessidade de vigilãncia também do teor de fluor nas águas minerais, nas águas naturais, em poços artezianos de condomínos, etc, uma vez que as águas podem ser hipo, iso ou hiperfluoretadas. Mencionou o caso de Cocal SC onde a maioria das crianças apresentou casos de fluorose. Foi feito um estudo e constatou-se que em uma das fontes de abastecimento a água apresentava-se hiperfluorada (variava de 1,2 a 5,6 ppm de F). Desativou-se essa fonte e houve o controle do problema. Apresentou diferentes teores de fluoretação das fontes de águas nas diferentes regiões do mundo e nas regiões brasileiras. Lembrou que o Ministério da Saúde fez um Guia de Recomendações para uso de Fluoretos. Também lembrou que, em 1953, Baixo Guandu ES foi o primeiro município brasileiro a fluoretar suas águas, e que comemorou os 50 anos de fluoretação em Falou sobre as objeções de se fluoretar águas e as evidências científicas e explicou que é necessário fazer o uso racional e seguro do flúor. Lembrou também que a Política Nacional de Saúde bucal sempre incorporou a fluoretação das águas dos sistemas públicos de abastecimento, inclusive há lei federal para tanto. Enfatizou a necessidade do controle operacional dos sistemas públicos de abastecimento, realizado pela própria empresa responsável pelo sistema e, além disso, pelo controle externo (heterocontrole), que é essencial e é responsabilidade

4 4 dos órgãos de vigilância sanitária. Enfatizou que a água fluoretada é um fator de proteção porque previne a cárie dentária, mas, ao mesmo tempo, é um fator de risco para a fluorose dentária, ocorrendo, pois, uma concomitância de proteção e risco. A Constituição Brasileira diz que competem as autoridades sanitárias, portanto, compete às secretarias de saúde (estaduais e municipais) assegurar a qualidade da água que a população utiliza. Sendo assim, é necessário a vigilância das águas. Segundo a Constituição Brasileira em seu artigo 200, inciso VI fiscalizar e inspecionar alimentos (compreendido alimentos, bebidas e águas para consumo humano). Portanto, compete aos órgãos de vigilância sanitária o heterocontrole. Exemplificou com o que ocorreu em Baixo Guandu ES, que interrompeu a fluoretação e isso veio à tona apenas quando, num levantamento epidemiológico, constatou-se que a incidência da cárie dentária aumentara. O mesmo ocorreu em Araraquara-SP, onde, após um estudo epidemiológico realizado em 1979, constatou-se que houve descontinuidade na fluoretação, pois o máximo benefício esperado, após 10 anos de fluoretação, não ocorrera. O mesmo ocorreu em Porto Alegre, Campinas e Curitiba. Assim, melhor prevenir e saber do teor de flúor por meio do heterocontrole do que constatar o teor inadequado de flúor por meio de levantamento epidemiológico. (www.cecol.fsp.usp br ). Após as apresentações, passou-se aos debates: Pergunta 1 - Ricardo do município de Juquiá para o Dr. Capel: Já que talvez não se possa confiar no controle do teor de flúor nas águas de abastecimento pelas empresas de saneamento, devemos enviar para outros laboratórios? Como fazer a coleta? Resposta Prof. Capel: É melhor ter algum dado do que dado nenhum (por parte das companhias de abastecimento). Nos anos 70, o único dado disponível era se o município fluoretava ou não fluoretava. Se pedíssemos informação para o DAE ou SAE eles questionavam. Atualmente, as empresas de saneamento devem encaminhar os dados de controle físico-químico e biológico das águas de abastecimento para os órgãos de vigilância sanitária dos municípios/estado. Em São Paulo, nos anos 80, a avaliação do teor de fluoreto começou a ser chamado de heterocontrole e a autoridade sanitária é que deveria fazê-lo. Atualmente, são os órgãos da vigilância sanitária que devem fazer o heterocontrole, e não uma pessoa ou uma equipe. Normalmente, os municípios maiores conseguiram fazer a municipalização da vigilância das águas de abastecimento público. Municípios menores, que não conseguem realizar essa vigilância, devem fazer parceira com a Secretaria Estadual de Saúde. O ideal é ter responsabilidades compartilhadas entre Estados e Municípios. Pergunta 2 Candelária, de São Paulo para Dra. Maria Magdala: Anteriormente a vigilância das águas, pela SES, era realizada pelo Programa Pró-Água e as análises pelos laboratórios do Instituto Adolfo Lutz. Como está agora? Resposta Maria Magdala: O Pro-Água continua monitorando todos os parâmetros da água através de análises do Instituto Adolfo Lutz e alimenta os sistemas da Vigilância Sanitária. Pergunta 3 - Marcelo de Amparo para Pereira. Pede esclarecimentos sobre os sorteios das cidades que comporão os domínios, uma vez que cidades maiores são, via de regra, mais organizadas e se isso não causaria um viés. Resposta Prof. Pereira: O sorteio seria a melhor forma de seleção. Entretanto, do ponto de vista prático, a decisão tomada não implica, em termos estatísticos, em grande perda de representatividade e é mais viável. Lembrou ainda que o dado obtido será representativo para o domínio e não para cada município participante. Pergunta 4. Representante de São José do Rio Preto: pergunta sobre o número de amostras para o heterocontrole de flúor, tendo em vista a situação de seu município. Reposta prof. Capel: o número de amostras depende de cada sistema de e não do número populacional. Em tese, dadas as características da fluoretação, uma amostra por mês seria o suficiente, para cada estação de tratamento. Preconiza-se pelo menos 3 amostras por mês por estação. Exemplificou com a cidade de São Paulo, que conta com sete sistemas e a cidade de Ribeirão Preto, que conta com 100 pontos de

5 5 tratamento. Salienta ainda que a vigilância da fluoretação não é isolada, mas deve ser inserida no contexto da vigilância para a qualidade da água para consumo humano, como um todo. Pergunta 5: Dirce, de Piracicaba para Vladen e Pereira: por que não fazer o levantamento domiciliar em todos os municípios? Resposta Vladen: a operacionalização do levantamento domiciliar é complexa, por vezes é necessário realizar exames em finais de semana; examinadores experientes conseguem, por vezes, realizar apenas 10 exames por dia. Assim, implica em liberação do profissional por um tempo longo, por vezes 2 meses, o que é muito difícil, se não inviável, em municípios de pequeno porte, dado o número reduzido de equipes de saúde bucal. A resposta do Prof. Pereira foi dada na pergunta anterior. Resposta sobre a vigilância da fluoretação: Magdala enfatiza a participação dos municípios no PRO- Água, e a experiência exitosa resultante da parceria da vigilância sanitária com os coordenadores municipais de saúde bucal e também com representantes do Conselho Regional de Odontologia, em reuniões com os prefeitos. Em seguida todos os palestrantes fizeram suas considerações finais, concluindo os trabalhos do período da manhã. SEGUNDA MESA: 14 ÀS 18 H SAÚDE DO ESCOLAR, PAPEL DA EQUIPE DE SAÚDE BUCAL E SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO Coordenador da Mesa: Fausto Souza Martino Chefe de Gabinete do município de Embu das Artes Tema 1. A importância do papel do ASB e TSB na equipe de saúde bucal Debatedora: Professora Dagmar de Paula Queluz- Faculdade de Odontologia de Piracicaba FOP UNICAMP Abordou que o trabalho em equipe aumenta a produtividade, a qualidade e o acesso à saúde bucal. Infelizmente ainda não é uma realidade no trabalho odontológico, tanto público como privado. Discorreu sobre as categorias ocupacionais auxiliares em odontologia (Auxiliar de Saúde Bucal- ASB e Técnico em Saúde Bucal - TSB ) e sua relação com a demanda dos serviços e a escassez de mão de obra, sobre sua habilitação, e âmbito de atuação (clínica privada e Sistema Único de Saúde -SUS), exercendo atividades de promoção, prevenção e recuperação da saúde bucal, e atuando também na organização da clínica/serviços Questionou até que ponto é necessário o cirurgião-dentista fazer atividade educativa (promoção e prevenção), que poderia ficar a cargo de ASB ou TSB bem preparados, ficando o cirurgiãodentista com a parte curativa. Apresentou o universo de Cirurgiões-dentistas (CD)do Brasil, que representam 20% dos CD do mundo e sobre seu perfil no âmbito do serviço público (promoção, prevenção assistência). Discorreu ainda sobre os princípios do SUS, sobre as equipes de saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família e sobre a alteração na composição das equipes ocorrida com a Portaria 3012 de 26/12/2012, alterando a Portaria 2488/GM/MS/2011, deixando a indagação sobre a intenção do gestor com essa alteração: implicaria na futura extinção do ASB? Apresentou a Lei 11889, de 24/12/2008, que regulamentou o exercício do TSB e ASB, bem como a Resolução 85, do Conselho Federal de Odontologia de 2009, definindo as áreas de competência e necessidades para a habilitação. Mostrou os dados do levantamento odontológico e as necessidades de tratamento odontológico que ainda o Brasil enfrenta - o que torna mais enfática a necessidade de trabalho em equipe. Enfatizou a importância da educação continuada, salientando que o trabalho em equipe ainda não é incluído na formação do CD. Enfatizou que os CD e pessoal auxiliar são trabalhadores que integram uma equipe de saúde multiprofissional e que o CD tem como desafio a valorização do trabalho do TSB e ASB na equipe de saúde bucal, que deve ser pautado pelo respeito mútuo e à hierarquia.

6 6 Finalizando, discorreu sobre o aumento da produtividade e redução de custos relacionado ao processo de trabalho (trabalho a 4 mãos, visão direta/indireta, tratamento por quadrante e ou sextante, etc.). Contatos pelo Tema 2. Diagnóstico e perspectivas para a saúde bucal na cidade de São Paulo Debatedor: Douglas Augusto Schneider Filho Coordenador da Área Técnica da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo SMS SP Iniciando a apresentação do Diagnóstico da Saúde Bucal na cidade, citou o enorme desafio que a cidade apresenta; discorreu sobre o perfil epidemiológico da cárie dentária, segundo dados do estudo SB Brasil 2010, enfatizando a presença predominante ainda dos dentes cariados nos índices CPO-D e ceo nas faixas etárias estudadas. Em seguida, apresentou a singularidade da estrutura e gestão na SMS-SP, em virtude da terceirização ocorrida nas últimas gestões em parte das unidades de saúde e que, por vezes, numa mesma unidade há convivência com diferentes formas de gestão (administração direta, convênio e contrato de gestão com diferentes parceiros), bem como a falta de lógica territorial na terceirização seja por convênio ou contrato de gestão. Apresentou o número de unidades de saúde, das unidades com estratégia de saúde da família (ESF) e as com equipes de saúde bucal geral e na ESF, o número de centros de especialidades odontológicas (CEO), ressaltando a insuficiência de recursos humanos, além dos materiais, a falta de manutenção dos equipamentos odontológicos e a falta de concurso público para CD nas últimas gestões, o que implica numa baixa cobertura populacional, quer na atenção básica e na especializada. Apresentou os encaminhamentos já realizados em 2013 (reformas e ampliação de unidades de saúde, compra de equipamentos odontológicos e periféricos, encaminhamento de concurso público para entrada de novos profissionais, novos credenciamentos de equipes de saúde bucal para chegar à relação de equipe de 1 para 1), a proposta de gestão descentralizada, a obtenção de recursos do Ministério de Saúde em equipamentos e a inauguração de mais um CEO com laboratório de prótese- CEO Santo Amaro, o CEO 1000 do Brasil. Lançou o Programa São Paulo Sorridente, pois acha que se deve reconhecer e juntar esforços com o Programa Nacional Brasil Sorridente independentemente de opções político-partidárias. Citou outros investimentos que está fazendo: cursos de atualização, descentralização da gestão, compromisso com as diretrizes da Política Nacional de Saúde Bucal e a continuidade da campanha da vacinação na busca ativa de câncer bucal, na Saúde Bucal do Idoso, além de outros estudos. Tema 3. Construindo o PSE (Programa de Saúde do Escolar) Debatedora: Luciana Hatsue Isuka Kagohara Especialista em Saúde Coletiva pela Faculdade de Saúde Pública na Universidade de São Paulo USP e Representante do Município de Itapecerica da Serra Comitê de Mananciais Apresentou o programa de Saúde Escolar (PSE), como política interministerial envolvendo o Ministério da Saúde e da Educação, instituído pelo decreto presidencial 6286/2007. Outros documentos relacionados são: Portarias nº 364/13 e 1413/13 e Manual de Diretrizes do PSE (disponíveis no site do Ministério da Saúde, Departamento de Atenção Básica). Obrigatoriamente Saúde e Educação precisam trabalhar juntos para que esse Programa funcione. Apresentou a Portaria 364/13, sua abrangência (pré-escolas, escolas municipais, estaduais, ensino fundamental I e II, ensino médio, educação de jovens e adultos e creches). Todos os municípios estão aptos a desenvolver o programa, através das equipes da atenção básica, da estratégia de saúde da família e agentes comunitários de saúde (ACS). Explicou quais os critérios e como se credenciar no PSE no Ministério da Saúde portal do sistema. E que ele está associado ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica- PMAQ. A gestão do PSE é por meio de um Grupo de Trabalho Intersetorial (GTI) cujos membros têm competência e se relacionam na perspectiva do apoio institucional, planejamento, monitoramento e avaliação. Subsidia a formulação das propostas dos profissionais de saúde e da educação básica para a implementação do programa. Em 2011 foi instituído o termo de compromisso do PSE. Apresentou os critérios para adesão e os componentes das Ações: Componente I avaliação das condições de saúde Componente II promoção da saúde e prevenção dos agravos Componente III formação dos gestores e das equipes de educação e saúde que atuam no programa

7 7 Falou sobre as ações essenciais (obrigatórias pelo MS) e das ações optativas (sugestão do MS) em cada componente, seus registros e monitoramento (sistemas e-sus para o componente I, e SIMEC para os componentes II e III). Também falou das avaliações que devem ser realizadas no programa: odontológica, otológica, antropométrica etc. e o compromisso de acompanhar o educando; e da semana de mobilização PORTARIA Nº 364, de 8 de março de 2013 que redefine a Semana de Mobilização Saúde na Escola (Semana Saúde na Escola), de periodicidade anual, e o respectivo incentivo financeiro. O Grupo de Trabalho Intersetorial GTI - federal define quais as ações prioritárias anuais. A Saúde Bucal é inserida no PSE, pois avalia e acompanha os educandos. As ações fundamentais desenvolvidas são os Procedimentos Coletivos em Saúde Bucal. Mostrou como se encontra o trabalho do PSE na região dos mananciais. Tema 4. Sistema de Informação e Gestão em Saúde Bucal Debatedora; Julie Silvia Martins Professora do Departamento de Odontologia Social da FOUSP Assessora de Pesquisa da Atenção Primária à Saúde Santa Marcelina Expos os diferentes sistemas de informação disponíveis e explicou brevemente como acessá-los Inicialmente discorreu sobre a Informação o que é, para que serve, ressaltando que não há como se pensar em gestão sem informação, que se inicia com a coleta de dados na s unidades de saúde, até seu processamento, produção disseminação. Nas UBS, os procedimentos realizados são informados por meio de um mapa de produção que, por meio de um computador, alimentam o banco de dados do DATASUS sistema de domínio público que disponibiliza para gestores, pesquisadores -, enfim, a todos que se interessem, sistemas como: S I A (Sistema de Informação Ambulatorial); SIM: SINASC; SIAB; SINAV). Utiliza como ferramentas o TABWIN mais complexo e de mais recursos que necessita de maior conhecimento para sua operacionalização e o TABNET, mais simples e que faz análises on line. Mostrou o que é o SIGTAP Tabela Unificada do Sistema Único de Saúde, que reúne todos os procedimentos ambulatoriais e hospitalares e explicou como encontrar nessa tabela os procedimentos, incluindo os odontológicos. Explicou como alimentar as bases de dados com os procedimentos odontológicos consolidados (BPA consolidado) ou individualizados (BPAI); explicou também como utilizar o TABNET para fazer análises on line. Esses sistemas são disponibilizados pelo MS (veja os endereços abaixo); as Secretarias Estaduais de Saúde e a Secretarias Municipais de Saúde de São Paulo também disponibilizam dados pelo TABNET. Salientou que o DATASUS, além dos dados de produção, informa também as unidades de saúde existentes, dados demográficos, nº de profissionais, etc. Mostrou como consultar: (tabela unificada) (dados de produção ambulatorial, hospitalar, demográficos, etc.) (cadastro nacional dos estabelecimentos de saúde) (dados da ESF) No Estado de São Paulo pode ser consultado o site da SES: e na Cidade de São Paulo no site da SMS SP Salientou ainda, em âmbito municipal, outras informações devem ser coletadas, para melhor avaliação das ações de saúde bucal, como, por exemplo, horas trabalhadas pelos CD em ações individuais, coletivas, etc. Falou também sobre a Portaria 3.840, de 7 de dezembro de 2010, que incluiu indicadores de saúde bucal no monitoramento e avaliação do pacto pela saúde e mencionou também o PMAQ, que incluiu indicadores de saúde bucal no monitoramento das ações da ESF. Falou sobre os indicadores de saúde bucal incluídos no rol de indicadores de 2013 a 2015, pelo MS. Tema 5. Diretrizes do estado para gestão em saúde bucal Debatedora: Maria Fernanda de Montezuma Tricoli Coordenadora da Área Técnica de Saúde Bucal da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo SES SP Apresentando inicialmente e equipe técnica de saúde bucal da SES SP e DRS, que trabalham de forma articulada, discorreu sobre os objetivos das diretrizes da SES SP para a gestão de saúde bucal, em conformidade com os princípios do SUS e com a Política Nacional de Saúde Bucal. Falou do objetivo da SES que é fornecer aos municípios ferramenta para o planejamento, execução e acompanhamento das

8 8 ações de saúde bucal, buscando a eficácia, eficiência e efetividade dos programas de saúde bucal, mas tendo como foco o cidadão. Mostrou, por meio dos slides, os indicadores de gestão e explicou a importância de se trabalhar com os dados, reportando-se à apresentação da Dra. Julie Silvia Martins. Apresentou o questionário enviado aos municípios, em 2013, para um diagnóstico situacional; a partir deste, objetiva revisar o documento Organização das Ações na atenção Básica uma proposta para o SUS São Paulo, de 2001, que ainda é factível e serve de orientação aos municípios. A revisão será principalmente no que diz respeito ao levantamento epidemiológico, aos parâmetros de atendimento e aos critérios de risco. Oficinas regionalizadas, com as DRS, serão realizadas. Lembrou que o gestor necessita saber informações sobre o que dispõe em termos de recursos humanos e materiais, para poder efetivamente trabalhar em rede. Citou a Resolução SS-159 de 2007 que estabelece rotinas de monitoramento das Ações Coletivas e das Atividades Coletivas em Saúde Bucal nos serviços integrantes do SUS/SP. A respeito do levantamento epidemiológico propõe que seja realizado com periodicidade de quatro anos (5 e 12 anos), no início de cada gestão, para fechar o diagnóstico situacional e acompanhar a evolução do plano plurianual e, para demais idades, a proposta é ser feito a cada 12 anos no nível estadual, preferencialmente. Sobre a técnica de classificação de risco à cárie comentou que tem dado certo nos municípios que a aplicam. Mostrou os cálculos ideais (parâmetros) de produção diária, mensal e anual numa agenda que atenda 50% de escolares e 50% de adultos, além da possibilidade demanda espontânea, incluída já a reserva de 25% da agenda para as atividades de ações coletivas. Comentou sobre a realização dos relatórios quadrimestrais, que são feitos pela SES-SP, mostrou alguns dados relacionando ações de saúde bucal e os municípios do estado e a importância do monitoramento desses dados. Lembrou que na Atenção Básica deve-se atentar para as linhas do cuidado (faixa etária), e inserção em outros programas, como, por exemplo, a Rede Cegonha. E ressaltou também a importância da previsão das ações de saúde bucal na Lei Orçamentária de cada município. Tema 6. A construção coletiva da gestão das equipes de saúde bucal da Associação Saúde da Família Debatedores: Ana Flávia Pagliusi e Arnaldo Goldbaum Assessores Técnicos da Estratégia Saúde da Família da Associação Saúde da Família Ana Flávia expôs que a Associação Saúde da Família é uma organização não governamental, filantrópica, com sede na Cidade de São Paulo, que atua nas áreas da saúde pública em todo território nacional, tendo como missão a elevação da qualidade de vida humana, em parceria com os setores públicos, privados, universidades, e outras organizações não governamentais na implementação de programas e projetos na área da saúde. Na cidade de São Paulo, mediante convênio com a Secretaria Municipal de Saúde, gerencia diversos programas e unidades de saúde, dentre eles 49 UBS com 221 equipes na ESF, sendo 45 equipes de saúde bucal, 17 NASF e também 8 consultórios de rua. Iniciou-se, em novembro de 2008, em conjunto com os interlocutores de saúde bucal da SMS, a inclusão no plano de trabalho das equipes de saúde bucal das regiões norte e sudeste bem como do processo seletivo e das adequações físicas necessárias. Em dezembro de 2008 chegaram os primeiros profissionais. A organização do trabalho processou-se em parceria com as interlocutoras de saúde bucal das Coordenadorias Regionais de Saúde e supervisão Técnica de saúde da SMS SP, com a participação dos C. Dentistas contratados, tendo como base as Diretrizes para a Atenção em Saúde Bucal da SMS e os objetivos da ESF. Para a inclusão das famílias no tratamento foi discutido um instrumento para a avaliação do risco familiar ficha de avaliação de risco familiar - que, após teste, foi utilizado pelas equipes de saúde bucal por 4 anos para triar as famílias. Devido a problemas identificados, esse instrumento deixa de ser utilizado e outras formas de triagem passaram a ser utilizadas (as famílias passam a ser convocadas por sequência numérica e identificadas também em discussão de grupo da ESF, grupos, projetos terapêuticos singulares e urgências). Expôs ainda o projeto da UBS V. Espanhola, que capacitou os demais profissionais da UBS para identificar, mediante evento sentinela, crianças de 2 a 9 anos de idade com alto risco de cárie e encaminhá-las às equipes de saúde bucal. Relatou-se também a capacitação para agentes comunitários de saúde, realizadas pelas equipes de saúde bucal, com o apoio de material discutido e preparado, resultando em 3 módulos, apresentados previamente e aprovados pela Área Técnica da SMS. Apresentou a organização e processo de trabalho do Grupo de Trabalho de Monitoramento das ações desenvolvidas pelas equipes de saúde bucal, que incluem CD, ata (auxiliar técnico administrativo) e gerentes das UBS. Apresentou o Projeto Dê um sorriso, que objetiva a reabilitação por prótese total de adultos edentados.

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Atualizado por Danusa em Nov/2007 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS MUNICIPAIS DE SAÚDE BUCAL Para organizar um serviço local de atenção à saúde é necessário que o administrador, coordenador, gerente

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica

O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL O componente saúde bucal do PMAQ-AB e indicadores de Saúde Bucal na Atenção Básica Edson

Leia mais

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE

REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE REGIONAL DE SAÚDE SUDOESTE 1 RIO VERDE ACOMPANHAMENTO DA SAÚDE BUCAL (ABRIL/2015) ORDEM MUNICÍPIO ÁGUA FLUORETADA ESB NA ATENÇÃO PRIMÁRIA ESB NA ESF COBER- ASSENTA- LRPD ESB T ESB I ESB - II Teto PMAQ

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO

SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO A Secretaria Municipal da Saúde, gestora do Sistema Único de Saúde no Município, é responsável pela formulação e implantação de políticas, programas e projetos

Leia mais

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy

Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy 1 Saúde bucal na Estratégia de Saúde da Família Oral health in the Family Health Strategy Adrielly Oliveira Barbosa 1 Angélica Haíssa Galvão 1 Petrônio José de Lima Martelli 2 1 Alunas do Curso de Graduação

Leia mais

BEPA 2012;9(107):11-17

BEPA 2012;9(107):11-17 Atualização Projeto Promoção e Qualidade de Vida Fluoretação das Águas de Abastecimento Público no Estado de São Paulo Life quality promotion Project Fluoridation of public supply waters in the state of

Leia mais

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013

Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Março 2013 Saúde Março 2013 ADESÕES SEMANA SAÚDE NA ESCOLA Guia de Sugestões de Atividades para a Semana Saúde na Escola disponível em: www.saude.gov.br/pse CRONOGRAMA 2013 Semana Saúde na Escola Adesão - 20/02

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você FINANCIAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA Ano PAB fixo PAB variável Estruturação + Construção e Ampliação Valor total 2010 R$ 3,65 Bi R$ 5,92 Bi R$ 147 Mi R$ 9,73 Bi 2012 R$ 4,42 Bi R$ 8,31

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias

MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL. Monitoramento da produção de próteses dentárias MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento da produção de próteses dentárias 2015 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUNDIAÍ DO SUL ANEXOII ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PARA CONCURSO PÚBLICO PARA EMPREGO PÚBLICO Nº. 001/2010 JUNDIAÍ DO SUL PARANÁ 1. Para os cargos do grupo PSF Programa da Saúde da Família, conveniados com o Governo Federal:

Leia mais

Política Nacional de Saúde Bucal

Política Nacional de Saúde Bucal MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Política Nacional de Saúde Bucal Brasil Sorridente, suas ações, abrangências e como as

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO

ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA E A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO TERRITÓRIO A SAÚDE ATUAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO Marlúcio Alves UFU Bolsista programa CAPES/FCT Jul/dez 2011 A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA - ESF

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO

DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO DOCUMENTO FINAL 9ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO MARANHÃO EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliar e qualificar acesso aos serviços de qualidade, em tempo adequado,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE SEÇÃO DE SAÚDE BUCAL MANUAL PARA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE BUCAL DO SUS PORTO ALEGRE Julho 2007 1- APRESENTAÇÃO Este

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-156/2015

RESOLUÇÃO CFO-156/2015 DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO SEÇÃO 1, DE 23/03/2015 PÁGINAS: 79 e 80 RESOLUÇÃO CFO-156/2015 Estabelece novos procedimentos para o prêmio Brasil Sorridente, em consonância com a atual conjuntura sanitária nacional.

Leia mais

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997

PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 PORTARIA Nº 1.886, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1997 Aprova as Normas e Diretrizes do Programa de Agentes Comunitários de Saúde e do Programa de Saúde da Família. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas

Leia mais

Ministério da Saúde Ministério da Educação. Manual Para Adesão. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA 2014 PASSO A PASSO PARA ADESáO

Ministério da Saúde Ministério da Educação. Manual Para Adesão. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA 2014 PASSO A PASSO PARA ADESáO Ministério da Saúde Ministério da Educação Manual Para Adesão PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA 2014 PASSO A PASSO PARA ADESáO BRASÍLIA 2014 Índice O que é o Programa Saúde na Escola? -----------------------------------------------

Leia mais

CENTROS DE ESPECIALIDADES

CENTROS DE ESPECIALIDADES CENTROS DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS (CEO): Um estudo linha de base para a avaliação e monitoramento dos serviços para o Brasil. METODOLOGIA 2ª ETAPA Visita i em loco aos serviços cerca de 10% dos CEO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Atenção Integral à Saúde SAIS Diretoria de Atenção Básica DAB

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Superintendência de Atenção Integral à Saúde SAIS Diretoria de Atenção Básica DAB DAB Nota Técnica n 05/2012 Orienta sobre o acesso, o cadastro, a liberação de senhas, registro, monitoramento e validação das ações do Programa Saúde na Escola no Sistema Integrado de Monitoramento, Execução

Leia mais

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014.

Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Painel 2 Experiências Setoriais: o Monitoramento nas Áreas da Educação e Saúde Afonso Teixeira dos Reis MS Data: 14 e 15 de abril de 2014. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011

A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 A SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-SVS e o DECRETO n 7.508/2011 Departamento de Gestão da Vigilância em Saúde-DAGVS Secretaria de Vigilância em Saúde dagvs@saude.gov.br 06/03/2012 IMPLEMENTAÇÃO DO DECRETO

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54%

5 50% ceo = zero 40% 12 CPO-D < 3,0 CPO-D = 2,78. 18 80 % com todos os dentes 55% 35-44 75% com 20 ou mais dentes 54% Saúde e sociedade: desafios para a epidemiologia em saúde bucal 3/10/2011 20:02 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Metas da OMS para o ano 2000 e a situação brasileira IDADE META DA OMS PARA 2000 SB Brasil

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal

I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal I Seminário dos Coordenadores Regionais de Saúde Bucal de Goiás Indicadores de Saúde Bucal Carlos Rodolfo Mohn Neto carl.mohn@hotmail.com carlos.neto@saude.go.gov.br 2012 Indicador de Saúde Uma medida

Leia mais

Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no

Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no OFICINA DE ATUALIZAÇÃO Práticas Integrativas e Complementares: Avanços e Desafios para MTC-Acupuntura no SUS Brasília - DF 25 e 26 de novembro de 2010 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GRATUITO e UNIVERSAL Princípios

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA 2013

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA 2013 Ministério da Saúde Ministério da Educação Manual Para Adesão PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA 2013 BRASÍLIA-DF 2013 Índice Apresentação -------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

I Encontro Nacional de Centros de Especialidades Odontológicas CEO e Equipes de Saúde Bucal da Estratégia Saúde da Família II Encontro Internacional dos Coordenadores de Saúde Bucal dos Países Latino-Americanos

Leia mais

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa

Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa COMEMORAÇÃO DOS 29 ANOS DO ICICT/FIOCRUZ Mapeamento de Experiências Municipais e Estaduais no campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa O papel da COSAPI no incentivo de experiências exitosas de

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DOS MEMBROS DAS EQUIPES DE AB I - Participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

Profª Márcia Rendeiro

Profª Márcia Rendeiro Profª Márcia Rendeiro CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA AMBIENTES INSTRUMENTOS MATERIAIS RECURSOS HUMANOS O PROCESSO DE TRABALHO ODONTOLÓGICO VEM SOFRENDO TRANSFORMAÇÕES AO LONGO

Leia mais

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento

Carta de Joinville 1) Sobre o Financiamento Carta de Joinville Os Secretários e Secretárias Municipais de Saúde, reunidos no XXIII Congresso Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e IV Congresso Brasileiro de Saúde, Cultura de Paz e Não-Violência,

Leia mais

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional e normas para sua operacionalização

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional e normas para sua operacionalização NOTA TÉCNICA 33 2013 Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional e normas para sua operacionalização Brasília, 21 de agosto de 2013 INTRODUÇÃO NOTA

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Feira da Mata sorrindo para o futuro Área temática Estudos Epidemiológicos / Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Feira

Leia mais

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária

Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Monitoramento Laboratório Regional de Prótese Dentária Passo a Passo: Monitoramento Laboratório

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SERAFINA CORRÊA ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS ANEXO I - ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS E EMPREGOS CARGO: ALMOXARIFE a) Descrição Sintética: Zelar pelo Patrimônio Público. b) Descrição Analítica: Controlar as mercadorias de uso da administração municipal;

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

Rede de Atenção Psicossocial

Rede de Atenção Psicossocial NOTA TÉCNICA 60 2011 Rede de Atenção Psicossocial Minuta de portaria que aprova as normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno

Leia mais

i) APRESENTAÇÃO ------------------------------------------------- 03 ii) IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB ------------------------------------ 04

i) APRESENTAÇÃO ------------------------------------------------- 03 ii) IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB ------------------------------------ 04 VERSÃO 1.3.09 ÍNDICE i) APRESENTAÇÃO ------------------------------------------------- 03 ii) IMPLANTAÇÃO DO e-sus AB ------------------------------------ 04 iii) FICHA DE ATIVIDADE COLETIVA --------------------------------

Leia mais

SEMANA SAÚDE NA ESCOLA

SEMANA SAÚDE NA ESCOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PASSO A PASSO ADESÃO SEMANA SAÚDE NA ESCOLA Brasília - DF 2013 Ministério da Saúde Ministério da Educação PASSO A PASSO ADESÃO SEMANA SAÚDE NA ESCOLA 2013 BRASÍLIA-DF

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Política de Saúde da Pessoa Idosa

Política de Saúde da Pessoa Idosa Política de Saúde da Pessoa Idosa Conselho Estadual de Saúde LUCYANA MOREIRA Março/2015 O TEMPO É IRREVERSÍVEL Pernambuco em dados: PERNAMBUCO: 8.796.448 hab. 937.943 pessoas idosas 10,7% (IBGE- Censo

Leia mais

E-SUS ATENÇÃO BÁSICA. Julho / 2013

E-SUS ATENÇÃO BÁSICA. Julho / 2013 E-SUS ATENÇÃO BÁSICA Julho / 2013 Estratégia de Qualificação da AB Saúde Bucal PMAQ Requalifica UBS PSE Telessaúde Brasil Redes Academia da Saúde Atenção Básica Financiamento Consultório na Rua Provimento

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE 2013 PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO PSE NO ANO DE 2013. Janeiro/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DO SURUBIM SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO P.S.E. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA.

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO P.S.E. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO P.S.E. PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. QUIXADÁ CE Antônio Martins de Almeida Filho Secretário da Educação Selene

Leia mais

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1

I. APRESENTAÇÃO... i II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... i EQUIPE... iii METODOLOGIA... v II. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES)... 1 1. CARACTERÍSTICAS GEOGRÁFICAS E DEMOGRÁFICAS... 1 2. CARACTERÍSTICAS ECONÔMICAS... 1 3.

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Brasil Sorridente e Pronatec. Brasil Sem Miséria 2013. Ministério da Saúde

Brasil Sorridente e Pronatec. Brasil Sem Miséria 2013. Ministério da Saúde Brasil Sorridente e Pronatec Brasil Sem Miséria 2013 Ministério da Saúde Introdução O Plano Brasil Sem Miséria coordena, integra e amplia programas e ações com a finalidade de superar a condição de pobreza

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional

NOTA TÉCNICA 24 2012. Programa de Curso Técnico em Prótese. Dentária a Nível Nacional NOTA TÉCNICA 24 2012 Programa de Curso Técnico em Prótese Dentária a Nível Nacional Proposta da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde SGETS/MS para pactuação na CIT de 26/07/2012 Introdução:

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2

GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A VIGILÂNCIA SANITÁRIA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM. Versão 1.2 GUIA DE ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Planejamento, Programação, Pactuação e Monitoramento das ações de Visa Versão 1.2 ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO (APLAN/ANVISA)

Leia mais

Seminário de Doenças Crônicas

Seminário de Doenças Crônicas Seminário de Doenças Crônicas LINHA DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gabinete SMS Diadema Linha de cuidado de HAS e DM Experiência

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO TRABALHO DO NASF Jorge Zepeda Gerente de APS da SMS de Florianópolis I Encontro Estadual dos NASF de SC Florianópolis, Novembro de 2012 ROTEIRO DE CONVERSA 1. LUGAR DE ONDE FALO:

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS

PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS PROJETO ESCOLARES: A INTEGRALIDADE NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO SUL/RS Autor (a): Daiane kuczynski Co Autor (a): Tássia Silvana Borges, Michele Chabat, Cláudia Fabiana

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COAPES

PERGUNTAS E RESPOSTAS COAPES Perguntas e Respostas 1 O que é o? O é o Contrato Organizativo de Ação Pública de Ensino-Saúde e suas diretrizes foram publicadas pelos Ministérios da Saúde e da Educação por meio da Portaria Interministerial

Leia mais

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências.

NOTA TÉCNICA 38 /2013. Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. NOTA TÉCNICA 38 /2013 Institui, no âmbito da Política Nacional de Saúde Bucal, o componente GraduaCEO BRASIL SORRIDENTE e dá outras providências. Brasília, 18 de setembro de 2013 1 INTRODUÇÃO O Ministério

Leia mais

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO

PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO PARECER AINDA NÃO HOMOLOGADO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Ministério da Saúde e Ministério da Educação UF: DF ASSUNTO: Proposta de habilitação técnica para a profissão

Leia mais

Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI)

Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI) Meta de Avaliação de Desempenho Institucional (ADI) Plano de Ação Para Melhoria das Informações de VISA nos Sistemas Usados Para Monitoramento e Manutenção do Repasse de Recursos Financeiros - Julho/14

Leia mais

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010

PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 PORTARIA Nº 2.841, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e outras Drogas 24 horas - CAPS AD III. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001

PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 PORTARIA Nº 267, DE 06 DE MARÇO DE 2001 Publicada no DOU de 07/03/2001, seção 1, pg. 67 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando a necessidade de: - regulamentação da Portaria

Leia mais

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA

SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA SÍNTESE DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA VALDENOR CORDEIRO I BAIRRO: ALECRIM I E II, VILA OLÍMPICA EUNÁPOLIS-BAHIA GREGÓRIO NETO BATISTA DE SOUSA 2010 1 INTRODUÇÃO A comunidade do Alecrim

Leia mais

Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD

Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD MINISTÉRIO DA SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL Oficinas Estaduais de Monitoramento dos LRPD Patrícia Tiemi Cawahisa Consultora Técnica 2004 Política Nacional de Saúde Bucal Ações de promoção, prevenção,

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Bolonha, fevereiro de 2014

Bolonha, fevereiro de 2014 Bolonha, fevereiro de 2014 Portaria n.º 1654, de 19 de Julho de 2011. Objetivo principal Induzir a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade da atenção básica, com garantia de um padrão de qualidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRO REDONDO PLANO PLURIANUAL 2014/2017 ANEXO I - PROGRAMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SOCIAL PROGRAMA: 0070- Gestão do SUS do Município OBJETIVO: Gerir e controlar

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais