REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 8/01 de 11 de Maio LEI DE BASES DAS TELECOMUNICAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DE ANGOLA. Lei n.º 8/01 de 11 de Maio LEI DE BASES DAS TELECOMUNICAÇÕES"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE ANGOLA Lei n.º 8/01 de 11 de Mai LEI DE BASES DAS TELECOMUNICAÇÕES Cnsiderand que as telecmunicações assumem hje, graças à gama de serviçs que ferecem, frut d desenvlviment prdigis das tecnlgias de infrmaçã e da cnvergência ds serviçs, um papel indispensável às actividades ecnómicas e administrativas, à defesa, à segurança de pessas e bens e à vida scial, cnstituind - se numa infra - estrutura indispensável e num imprtante factr de desenvlviment; Cnsiderand que em virtude dessa evluçã tecnlógica cmeçu a admitir - se nas Administrações de Telecmunicações da mair parte ds Estads d mund, a necessidade de se repensarem alguns cnceits sbre cnteúd e frma d exercíci de tutela sbre as telecmunicações, pis na verdade, trnu-se impssível para as Empresas Públicas gerir e assegurar td tip de serviçs actualmente existentes; Trna - se pis, necessári adptar um quadr legal que nã limite nem restrinja as pssibilidades d prcess, send para tal imprtante que, acmpanhand a tendência universal, se redefina cnceit de mnpóli d Estad sbre as cmunicações, e se criem s mecanisms mais adequads para exercíci da sua tutela nesse dmíni de actividade; Nestes terms, a abrig da alínea b) d artig 88.º da Lei Cnstitucinal, a Assembleia Nacinal aprva a seguinte: CAPÍTULO I Dispsições Gerais Artig 1.º (Âmbit e bjectivs) A presente lei regula a definiçã das bases gerais a que devem bedecer estabeleciment, gestã e explraçã das infra - estruturas e serviçs de Telecmunicações, tend em cnsideraçã papel vital das telecmunicações 1

2 n desenvlviment ecnómic, scial e cultural da República de Angla, e a sua imprtância para a defesa da integridade nacinal e segurança das ppulações, para a administraçã d territóri e para a elevaçã d bem estar ds cidadãs. N cntext definid n númer anterir, bjectiv principal da presente lei é de criar quadr legal que permita e sirva de garante à expansã e mdernizaçã d Sistema Nacinal de Telecmunicações, a prestaçã ds serviçs de telecmunicações, cm qualidade e a preçs acessíveis, e dispníveis a um númer prgressivamente mair de cidadãs residentes em qualquer parte d territóri nacinal. Sã ainda bjectivs da presente lei, s seguintes: Prmver investiment públic e privad, estimuland exercíci da actividade em regime de cncrrência sã, assente em regras transparentes, assegurand, n quadr das cndições de licenciament, a extensã de serviçs básics às znas rurais e remtas, cm padrões de qualidade e preçs adequads; Garantir que a cncrrência entre peradres de serviçs se baseie n princípi da igualidade de prtunidades sem quaisquer direits exclusivs u especiais; Pririzar a expansã da infra - estrutura nacinal das telecmunicações incentivand a intrduçã de nvs peradres; Determinar e garantir cumpriment das brigações d serviç universal; Prmver desenvlviment e a utilizaçã de nvs serviçs e redes assente n princípi de melhr tecnlgia e efectividade ecnómic tend cm bjectiv impulsinar a cesã territrial, ecnómica e scial; Garantir us eficaz ds recurss limitads de telecmunicações, tais cm a numeraçã e espectr radieléctric; Defender interesse ds usuáris, assegurand seu direit de acess, sem discriminaçã, as serviçs de telecmunicações, e respeit pels seus direits cnstitucinais, em especial direit a hnra, intimidade e sigil das telecmunicações. A explraçã d serviç públic de telecmunicações depende de prévia autrizaçã. A facturaçã as usuáris deve basear -se na estrutura de custs d serviç e estar submetida à pressã cmpetitiva d mercad. Artig 2.º (Definições) Para efeits da presente lei s terms que figuram a seguir têm s seguintes significads: Telecmunicações é prcess tecnlógic de emissã, transmissã, e recepçã de sinais, representad símbls, escrita imagens, sns u 2

3 infrmações de qualquer natureza, pr fis, meis radieléctrics, óptics u utrs sistemas electrmagnétics; Telecmunicações Públicas -- sã as telecmunicações destinadas a públic em geral; Telecmunicações de Us Públic --- sã telecmunicações públicas em que a infrmaçã é enviada a um u mais destinatáris pré - determinads através de endereçament, pdend u nã haver bi - direccinalidade; Telecmunicações Privativas --- sã as telecmunicações destinadas a us própri u a um númer restrit de utilizadres; Telecmunicações de Difusã u Teledifusã --- sã telecmunicações públicas em que a cmunicaçã se realiza num só sentid, simultaneamente para váris pnts de recepçã e sem prévi endereçament; Infra -- estrutura Nacinal de Telecmunicações --- é cnjunt de meis destinads a serviç de telecmunicações fix u móvel, de banda estreita u larga, glbal u reginal, e que servem de suprte a prestaçã de serviçs de telecmunicações; Sistema Nacinal de Telecmunicações --- é cnjunt que integra a infra - Estrutura Nacinal de Telecmunicações, s serviçs pr si dispnibilizads e s recurss humans requerids, harmnizads em cnfrmidade cm a lei em vigr; Rede de Telecmunicações --- é cnjunt de meis físics, de denminads infra -- estruturas, u electrmagnétics, que suprtam a transmissã, recepçã u emissã de sinais; Rede Pública de Telecmunicações --- é cnjunt de redes através d qual se explra cmercialmente serviçs de telecmunicações de us públic. A rede pública nã integra s terminais ds usuáris, nem as redes psterires a pnt de cnexã d terminal de assinante; Rede Privativa de Telecmunicações -- é cnjunt de redes crprativas u individuais de telecmunicações, cujs serviçs dispnibilizads se destinem a us própri, nã send permitid a dispnibilizaçã de serviçs a terceirs mesm para fins nã cmerciais; Equipament de Telecmunicações -- sã s equipaments que permitem a emissã, transmissã, recepçã u cntrl de infrmaçã pr prcesss eléctrics, radieléctrics, galvânics, magnétics, óptics, acústics, pneumátics u pr quaisquer utrs prcesss electrmagnétics; Equipaments terminal --- é qualquer equipament destinad a ser ligad directa u indirectamente a um pnt de terminaçã de uma rede de telecmunicações, cm vista á transmissã, recepçã u tratament de infrmações; Pnts de Terminaçã -- sã s pnts físics de ligaçã adaptads ás especificações técnicas necessárias para se ter acess à rede de telecmunicações, que dela fazem parte integrante; Operadres de Telecmunicações -- sã s rganisms, as pessas clectivas de direit públic, as pessas singulares u clectivas de direit privad u mist, que frnecem serviç de telecmunicações de us públic, mediante cntrat u licença; 3

4 Operadres Incumbente --- é a pessa clectiva de direit públic que, beneficiand de prerrgativas exclusivas u especiais para frneciment de serviçs básics de telecmunicações, é respnsável, mediante cndições a definir em cntrat, pel estabeleciment, gestã e explraçã de infra - estruturas que integrem a rede básica de telecmunicações, ns terms e cndições estabelecidas pr lei; Administraçã das Telecmunicações -- é rganism d Estad que tutela as telecmunicações e exerce aplicaçã da plítica d Gvern para sectr, superintende a aplicaçã da presente lei, e é respnsável pelas medidas a tmar para a execuçã das brigações da cnstituiçã e da Cnvençã da Uniã Internacinal das Telecmunicações e seus regulaments; Autridade das Telecmunicações --- é Ministr titular da Administraçã das Telecmunicações; Órgã Reguladr --- é órgã instituíd pel Estad a quem cmpete regular e mnitrar a actividade de telecmunicações em regime de cncrrência e assegurar a gestã d espectr radielétric; Serviç de Telecmunicações --- é a frma e md da explraçã d encaminhament e u distribuiçã de infrmaçã através de redes de telecmunicações; Serviç de Telecmunicações Fix --- é serviç de telecmunicações cuj pnt de terminaçã é fix; Serviç de Telecmunicações Móveis --- é serviç de telecmunicações cuj pnt de terminaçã é móvel; Espectr Radieléctric -- é espaç que permite a prpagaçã das ndas electrmagnéticas, sem guia artificial e que pr cnvençã situam -se abaix ds 300 GHZ; Estações Radieléctricas --- é um u mais transmissres u receptres, u uma cmbinaçã de ambs incluind as instalações acessórias para assegurar um serviç de radicmunicações u radiastrnmia; Faixas de frequência --- é um segment determinad d espectr radieléctric que serve de prtadra de um cnjunt de frequências determinadas; Órbita --- é a trajectória que percrre um satélite a girar em trn da terra; Recurss Orbitais --- é cnjunt de psições rbitais cnsignáveis a psicinament ge - estacinári u nã de satélites de acrd cm as nrmas e regulaments internacinais. Os terms nã definids na presente lei u em utrs diplmas legais, têm significad estabelecid ns acts internacinais em vigr na República de Angla. 4

5 Artig 3.º (Classificaçã ds serviçs de telecmunicações) Cnsante a natureza ds utilizadres, s serviçs de telecmunicações pdem ser classificads em: Serviçs de Telecmunicações de Us Públic --- sã s serviçs de telecmunicações endereçads a destinatáris pré - determinads, bi - direccinais u nã destinads a públic em geral; Serviçs de Telecmunicações Privativas --- sã s serviçs de telecmunicações destinads a us própri u a um númer restrit de utilizadres. Artig 4.º (Dmíni públic radieléctric) O espaç pel qual pdem prpagar - se as ndas radieléctricas cnstitui dmíni públic radieléctric, cuja gestã, administraçã e fiscalizaçã cmpetem a Estad, ns terms da lei. O espectr radieléctric é um recurs limitad que deve ser gerid cm eficiência e de acrd s interesses públics. As faixas de frequências sã atribuídas de acrd cm um Plan Nacinal de Frequências, estabelecid pel Gvern, em bservância ds tratads e acrds internacinais de que Angla é parte integrante. A determinaçã das faixas de frequências para fins exclusivs de defesa e segurança é feita em articulaçã cm s órgãs de defesa e segurança. Artig 5.º (Da órbita e ds recurss rbitais) Cmpete a Estad assegurar a prpriedade sbre espectr radieléctric e sbre as psições rbitais cnsignadas a País. Cmpete à Administraçã de Telecmunicações, estabelecer s requisits e critéris para a peraçã u utilizaçã de serviçs de telecmunicações via satélite, independentemente de ser u nã um satélite nacinal. Só é permitida a utilizaçã de um satélite estrangeir, quand a sua cntrataçã fr feita pr uma empresa de direit anglan, cm sede e administraçã n País e na cndiçã de representante legal d peradr estrangeir. Cnsidera - se satélite nacinal, que utiliza recurss de órbita e espectr radieléctric cnsignads à Angla e cuja estaçã de cntrl e mnitrizaçã se lcalize em territóri anglan. 5

6 Artig 6.º (Tutela das telecmunicações) Cmpete à Administraçã das Telecmunicações, exercíci das atribuições de superintendência e fiscalizaçã das telecmunicações e da actividade ds peradres de telecmunicações, ns terms das leis e regulaments aplicáveis. Cmpete em especial à Administraçã das Telecmunicações: Prpr estabeleciment das linhas estratégicas de rientaçã para desenvlviment d Sistema Nacinal de Telecmunicações e plíticas gerais e planeament glbal d sectr; Fazer cumprir a plítica d Gvern em matéria de telecmunicações; Representar Estad em rganizações internacinais e inter - gvernamentais, n âmbit das telecmunicações; Gerir espectr radieléctric e as psições rbitais e fiscalizar a sua cupaçã; Nrmalizar e hmlgar s materiais e equipaments de telecmunicações e definir as cndições da sua ligaçã à rede de telecmunicações de us públic; Licenciar, cnceder, autrizar u cancelar estabeleciment e explraçã de redes e serviçs de telecmunicações; Inspeccinar grau de desempenh da prestaçã de serviçs pr parte ds peradres de telecmunicações e impr, quand necessári, a adpçã de medidas crrectivas adequadas; Fiscalizar cumpriment pr parte ds peradres de telecmunicações, das dispsições legais e regulamentares relativas à actividade, bem cm a aplicaçã das respectivas sanções administrativas; Aprvar e fiscalizar a aplicaçã das taxas e tarifas ds serviçs de telecmunicações, ns terms da lei aplicável; Prpr a Gvern a aprvaçã ds acts de exprpriaçã e da cnstituiçã de servidões, necessárias a estabeleciment de infra - estruturas de telecmunicações e à fiscalizaçã d dmíni públic radieléctric, desde que cnsideradas de utilidade pública; Estudar, prpr e preparar as cndições e mecanisms que permitam, facilitem, e sirvam de incentiv à criaçã de uma indústria nacinal de equipaments, prduts e serviçs de telecmunicações, tmand as medidas cnvenientes e necessárias para a sua intrduçã, prtecçã e desenvlviment. Artig 7.º (Órgã Reguladr) O Órgã Reguladr é a entidade respnsável pela regulaçã da actividade de telecmunicações, incluind licenciament d estabeleciment de infra - estruturas, a explraçã de serviçs de telecmunicações, e a mnitrizaçã das brigações ds peradres de telecmunicações. 6

7 Cabe em especial a Órgã Reguladr: Gerir e fiscalizar espectr radieléctric e as psições rbitais; b) Elabrar plan nacinal de numeraçã; Elabrar e manter actualizad plan nacinal de frequências; Licenciar u cancelar estabeleciment e explraçã de redes e serviçs de telecmunicações, de acrd cm as nrmas definidas pela autridade de telecmunicações; Clectar taxas e aplicar sanções administrativas as peradres e prvedres de acrd cm a lei aplicável; Determinar s prcediments e as cndições para interligaçã das diferentes redes de telecmunicações nacinais; Nrmalizar e hmlgar s materiais e equipaments de telecmunicações e definir as cndições da sua peraçã n Sistema Nacinal de Telecmunicações; Estabelecer s prcediments para a aprvaçã tip de materiais e Equipaments; Estabelecer s critéris de intercnexã entre s peradres das diferentes redes; Assegurar, nas cndições das licenças, impsições que viabilizem acess universal nas znas rurais, remtas e utras áreas nã servidas pel Sistema Nacinal das Telecmunicações; Determinar as restrições de us de equipament para s serviçs de telecmunicações pr razões de segurança u interferência cm utrs serviçs; Estabelecer, ns terms da lei, as cndições para a intercepçã legal das cmunicações e prridade para as cmunicações de emergência. Artig 8.º (Princípis de regulaçã) O Órgã Reguladr exerce a sua acçã sbre s peradres de telecmunicações, radifusã e teledifusã, e n que cncerne à aprvaçã d prject de infra - estruturas tecnlógicas e mnitrizaçã das cndições técnicas de funcinament das respectivas estações nã send da sua cmpetência a regulamentaçã d cnteúd de infrmaçã. A regulaçã da actividade de telecmunicações tem s seguintes bjectivs: Salvaguardar s interesses ds utilizadres ds serviçs de telecmunicações públicas, de teledifusã e ds diverss serviçs dispnibilizads pelas tecnlgias de infrmaçã, garantind que s serviçs sejam prestads na melhr das cndições técnicas e cm tdas as ptencialidades dispnibilizadas pel mesm; Garantir a bservância ds direits ds utilizadres ds serviçs de telecmunicações quant às nrmas da privacidade; 7

8 Garantir uma cncrrência hnesta e efectiva em tdas as áreas de prestaçã de serviçs e em td territóri nacinal; Garantir a expansã ds serviçs de telecmunicações a tda a extensã d País cm qualidade e a preçs acessíveis; Incentivar us públic ds serviçs de telecmunicações cm infra - estrutura de suprte a tds s níveis de desenvlviment da vida ecnómica e scial das ppulações; Garantir que a dispnibilizaçã ds serviçs de telecmunicações se prcesse cm salvaguarda da privacidade ds utentes e segurança da rdem instituída; Salvaguardar us eficiente, e livre de interferências, d espectr radieléctric a nível ds serviçs de telecmunicações inclusive ds serviçs de radidifusã, teledifusã e ds diverss serviçs dispnibilizads pelas tecnlgias de infrmaçã; Salvaguardar, ns terms da lei, a dispnibilizaçã ds serviçs em livre cncrrência; Artig 9.º (Planeament d Sistema Nacinal de Telecmunicações) O Sistema Nacinal de Telecmunicações desenvlve - se de frma planificada e priritariamente deve satisfazer as necessidades ds órgãs superires d Estad, da administraçã estatal, da administraçã d territóri e d desenvlviment ecnómic e scial, sem prejuíz das necessidades d serviç públic. O desenvlviment e a mdernizaçã da rede básica de telecmunicações, das redes próprias ds entes públics que peram sistemas de teledifusã, e ds serviçs básics de telecmunicações, devem satisfazer as cndições fixadas num plan directr das infra - estruturas de telecmunicações, articuladas cm as d plan de rdenament d territóri. A rede de infra - estruturas ds váris sistemas de telecmunicações civis, incluind s de teledifusã, deve bedecer a uma adequada crdenaçã, tend em vista aprveitament desses sistemas, para melhr satisfaçã das necessidades de desenvlviment ecnómic - scial, de defesa nacinal, de segurança interna e de prtecçã civil. O Gvern deve tmar as prvidências indispensáveis à ba execuçã d dispst ns númers anterires, articuland - as cm as plíticas de defesa nacinal, segurança interna, prtecçã civil, industrial, de investigaçã científica e de desenvlviment glbal d País, cm a crrecçã das assimetrias reginais. A Administraçã da Telecmunicações deve prpr a Gvern e às entidades cmpetentes, nacinais e internacinais, plíticas e prcediments que assegurem e prtejam a frmaçã de pessal técnic qualificad nacinal de váris níveis e especialidades, facilitem a sua clcaçã n mercad de trabalh, e garantam a actualizaçã e desenvlviment prfissinal ds técnics nacinais através de mecanisms adequads. 8

9 Artig 10.º (Crdenaçã da actividade das telecmunicações) È criad Cnselh Nacinal de Telecmunicações (CNT), órgã inter - sectrial de cnsulta d Gvern, encarregad de estudar e prpr plíticas nacinais de desenvlviment das telecmunicações, cbrind a regulamentaçã d sectr públic e a explraçã ds serviçs de telecmunicações. A cmpsiçã, atribuições, cmpetência e dependência d Cnselh Nacinal de Telecmunicações sã cnferidas pr diplma própri d Gvern. A Administraçã das Telecmunicações pde criar utrs órgãs de cnsulta sb sua dependência, para se prnunciarem sbre matérias da sua cmpetência. CAPITULO II Telecmunicações de Us Públic Artig 11.º (Infra - estruturas de telecmunicações) Cnsideram - se infra - estruturas de telecmunicações cnjunt de nós, ligações e equipaments que permitam a intercnexã entre dis u mais pnts para telecmunicações entre eles, abrangend, designadamente: Os nós de cncentraçã, cmutaçã u prcessament; Os cabs u cnjunt de fis de telecmunicações aéres, subterrânes, sub - fluviais u submarins e utrs sistemas de transmissã; As estações de cabs submarins, Os centrs radieléctrics; Os sistemas de telecmunicações via satélite; Os feixes hertzians. Artig 12.º (Pré - instalaçã de infra - estruturas telecmunicações) A cnstruçã de edifícis, de vias rdviárias e ferrviárias e as urbanizações, devem incluir a instalaçã de infra - estuturas de telecmunicações. As instalações a que se refere númer anterir serã efectuadas de harmnia cm as nrmas elabradas pela Administraçã da Telecmunicações e 9

10 aprvadas em cnjunt cm as autridades que tutelam as Obras Públicas, Urbanism e a Habitaçã. Artig 13.º (Rede básica de telecmunicações) Cmpete a Estad garantir a existência, dispnibilidade e qualidade de uma rede de telecmunicações de us públic, denminada rede básica, que cubra as necessidades de cmunicaçã ds cidadãs e das actividades ecnómicas - sciais, em td territóri nacinal e assegure ligações internacinais, em funçã das exigências de um desenvlviment ecnómic e scial harmónic e equilibrad. A Rede Básica de Telecmunicaçã é cmpsta pel sistema fix de acess de assinantes, pela rede de transmissã e pels nós de cncentraçã, cmutaçã u prcessament, quand afects à prestaçã d serviç básic. Para efeits d dispst n númer anterir, entende - se pr: Sistema Fix de Acess de Assinante -- cnjunt de meis de transmissã lcalizads entre pnt fix, a nível da ligaçã física a equipament terminal de assinante e utr pnt, situad a nível da ligaçã física n primeir nó de cncentraçã, cmutaçã u prcessament; Rede de Transmissã -- cnjunt de meis físics u radieléctrics que estabelecem as ligações para a transmissã de infrmaçã entre nós de cncentraçã, cmutaçã u prcessament; Nós de Cncentraçã, Cmutaçã u prcessament -- td dispsitiv u sistema que encaminhe u prcesse a infrmaçã cm rigem u destin n sistema de acess d assinante. As infra - estruturas que integram a rede básica de telecmunicações cnstituem bens d dmíni públic d Estad, send afectas, ns terms da lei, a peradr incumbente que as explra mediante cntrat. A rede básica de telecmunicações deve funcinar cm uma rede aberta, servind de suprte à transmissã da generalidade ds serviçs, devend para esse efeit ser assegurada a sua utilizaçã pr tds s peradres de telecmunicações de us públic em igualdade de cndições. Na explraçã de serviçs de telecmunicações de us públic em que Operadr Incumbente cncrre cm utrs peradres legalmente cnstituíds, sã pribidas quaisquer práticas que falseiem as cndições de cncrrência, u se traduzem em abus da sua psiçã dminante. 10

11 Artig 14.º (Serviç básic e serviç universal) Para efeits da presente lei, Serviç Básic de Telecmunicações é cnstituíd pr um serviç cmutad de telefnia fixa de âmbit nacinal, cuja funçã é de assegurar, priritariamente, a cntribuiçã d estad para s bjectivs d serviç universal ns terms fixads n n.º 3 d presente artig, cabend a Operadr Incumbente a sua explraçã em regime de exclusividade, mediante cntrat. Cmpete a Estad garantir a existência, dispnibilidade e acess prgressiv das ppulações as serviçs básics de telecmunicações em td territóri nacinal, que cubram as necessidades de cmunicaçã ds cidadãs e as actividades ecnómicas e sciais e que assegurem as ligações internacinais, atendend às exigências de um desenvlviment ecnómic e scial harmnis e equilibrad. As brigações d Serviç Universal têm cm bjectiv garantir acess de tdas as pessas e instituições públicas a serviçs de telecmunicações, em cndições de igualdade e cntinuidade, independentemente de sua lcalizaçã gegráfica e cndiçã sóci - ecnómica, bem cm garantir, em td territóri, telecmunicações de interesse e utilidade pública essenciais e adequadas a desenvlviment. A Administraçã das Telecmunicações regula as brigações d Serviç Universal exigíveis as peradres de serviç públic, através da definiçã de um Plan Geral de Metas de Universal exigíveis as peradres de serviç públic, através da definiçã de um Plan Geral de Metas de Universalizaçã, para qual s Serviçs Básics devem cntribuir decisivamente. Artig 15.º (Financiament d serviç universal) Para garantir acess universal e desenvlviment das telecmunicações é criad Fund d Serviç Universal e desenvlviment das telecmunicações é criad Fund d Serviç Universal. A cmpsiçã, atribuições, cmpetência e dependência d Fund d Serviç Universal sã cnferidas pr diplma própri d Gvern. Os peradres de redes públicas de telecmunicações e s prvedres de serviçs de telecmunicações de us públic, participam n financiament d serviç universal, ns terms a serem fixads n diplma referid n númer anterir. As cntribuições para Fund d Serviç Universal nã invalidam cumpriment de utras brigações estabelecidas nas licenças e cntrats de cncessã. 11

12 Artig 16.º (Serviç de valr acrescentad) Pr serviçs de telecmunicações de valr acrescentad entendem - se s que, tend cm únic suprte s serviçs de telecmunicações de us públic nã exigem infra - estruturas de telecmunicações próprias e sã diferenciáveis em relaçã as própris serviçs que lhes servem de suprte. A presentaçã de serviçs de valr acrescentad pde ser feita pr qualquer pessa singular u clectiva que para esse efeit seja autrizada ns terms d regulament de acess à actividade a aprvar pel Gvern. Artig 17.º (Cndições de acess à explraçã de serviçs de us públic) As cndições de acess à cncessã u licença para a explraçã de serviçs de telecmunicações de us públic sã bjectiv de regulamentaçã específica ficand tdavia, as candidaturas a licenciament cndicinadas à apresentaçã prévia pels requerentes de prva ds seguintes requisits de idneidade e capacidade técnica e ecnómic - financeira: Estar legalmente cnstituíd na República de Angla, devend ter n âmbit d seu bject scial exercíci da actividade de telecmunicações. Deter capacidade técnica adequada a cumpriment das brigações específicas de que ficam investids n âmbit d cntrat de cncessã, dispnd nmeadamente, de um crp de pessal qualificad para exercíci da actividade. Dispr de adequada estrutura ecnómica, bem cm de capacidade financeira crrespndente à pssibilidade de cbertura, pr capitais própris, de pel mens 25% d valr glbal d investiment que se prpõe realizar; Nã ser devedr a Estad de quaisquer impsts, qutizações, cntribuições u de utras imprtâncias. É limitada a 10% a participaçã directa u indirecta de um peradr de telecmunicações n capital scial de utr peradr de Telecmunicações para a prestaçã de um mesm serviç de telecmunicações. Artig 18º (Capital estrangeir) 12

13 A participaçã directa de pessas sigulares u clectivas estrangeiras n capital ds Operadres de Telecmunicações Públicas u de valr acrescentad, nã pder ser mairitária. Artig 19º (Cncessã e licenças) N dmíni das telecmunicações, a cncessã é act praticad pel Gvern, que cnsiste em delegar a uma dada entidade pública u privada direit de prestar serviç públic, mediante cntrat, pr praz determinad, sujeitand - se a cncessinária as riscs empresariais, remunerand - se pela cbrança de tarifas as usuáris u pr utras receitas altenativas e respndend directamente pelas suas brigações e pels prejuízs que causar. As cncessões sã praticadas nas áreas de serviçs em que númer de licenças cncessináveis é cndicinad pr limitações de espectr radieléctric u pr utrs imperativs técnics, u de serviçs cuja imprtância é vital para desenvlviment da ecnmia e abrangem a dimensã de td territóri nacinal, e pr essa razã cnstituem reserva relativa d Estad. Cnstituem exempls aplicáveis a númer anterir as autrizações para implementaçã das seguintes infra - estruturas e serviçs de us públic: Os serviçs móveis terrestres; Uma infra - estrutura de transmissã de api às redes públicas; O estabeleciment de um acess internacinal para serviç públic. As cncessões nã têm carácter de exclusividade, devend bedecer a um plan de licenciament. As demais autrizações para instalações de infra - estruturas e explraçã de serviçs de us públic sã praticadas através da emissã de licenças em act praticad pela Autridade de Telecmunicações. Através de diplma própri, a autridade de Telecmunicações pde delegar a Órgã Reguladr, parte u a ttalidade de sua cmpetência nessa matéria. As áreas de explraçã, númer de peradres, s prazs de vigência das cncessões e licenças e s prazs para admissã de nvas peradras sã definids cnsiderand - se ambiente de cncrrência e bservand - se princípi d mair benefíci a usuári e interesse scial e ecnómic d País e de md a prpiciar a justa remuneraçã das peradras d serviç públic de telecmunicações. 13

14 Artig 20.º (Intercnexã) Entende - se pr intercnexã a ligaçã entre redes de telecmunicações funcinalmente cmpatíveis, de md a que s assinantes de serviçs de uma das redes pssam cmunicar - se cm s assinantes de utra, u aceder as serviçs nela dispníveis. È brigatória a intercnexã entre as distintas redes públicas de telecmunicações, n quadr da regulamentaçã que lhe é inerente. As cndições para a intercnexã de redes sã bject de livre negciaçã entre s peradres, mediante dispst na presente lei e ns terms da regulamentaçã a criar. Para efeits d dispst n númer anterir, Órgã reguladr administra pós aprvaçã da Autridade de Telecmunicações, de frma nã discriminatória e transparente, s plans técnics fundamentais de numeraçã, cmutaçã, sinalizaçã, transmissã e sincrnizaçã, bem cm demais plans inerentes à intercnexã e inter - peracinalidade das redes de telecmunicações, garantind atendiment ds cmprmisss internacinais. Os Plans Técnics Fundamentais devem reflectir s interesses ds usuáris e ds peradres, tend s seguintes bjectivs: Permitir a entrada de nvs peradres e desenvlviment de nvs serviçs; Permitir a livre e justa cmpetiçã entre s peradres. A interligaçã entre terminais e bases de dads, cmputadres u redes telemáticas estabelecidas n País, cm dispsitivs cngéneres instalads fra d territóri nacinal carece de autrizaçã prévia da Autridade das Telecmunicações. Artig 21.º (Us públic ds serviçs de telecmunicações) Tda a pessa singular u clectiva, e públic em geral, têm direit de utilizar s serviçs de telecmunicações de us públic, que satisfaçam as cndições de eficiência, mdernidade e diversidade na sua prestaçã, ns limites estabelecids ns respectivs regulaments e mediante pagament das tarifas e taxas. A Autridade das Telecmunicações exerce através ds mecanisms e órgãs adequads, cntrl sbre grau de desempenh glbal d Operadr Incumbente, em particular, e sbre a qualidade e a frma cm sã executads s serviçs de telecmunicações de us públic, em geral, cm vista a salvaguardar s interesses d Estad, da segurança nacinal e d públic utente. 14

15 Artig 22.º (Intervençã d Estad) O Estad deve intervir sempre que esteja em risc cumpriment da funçã scial de uma rede pública de telecmunicações u se verifiquem situações que cmprmetam gravemente s direits ds seus assinantes. Para garantida da cntinuidade de serviçs e pr slicitaçã d Órgã Reguladr, a Autridade de Telecmunicações pderá decretar intervençã na peradra pública de telecmunicações, sempre que se verifique: Paralisaçã injustificada ds serviçs; Inadequaçã u insuficiência ds serviçs prestads, nã reslvidas em praz razável; Desequilíbri ecnómic - financeir de crrente de má administraçã que clque em risc a cntinuidade ds serviçs; Prática de infracções graves; Inbservância de atendiment das metas de universalizaçã; Recusa injustificada de intercnexã; Infracçã da rdem ecnómica ns terms da legislaçã própria. O decret executiv de intervençã indica s bjectivs, md, praz e limites da intervençã, que serã fixads em funçã das razões que a determinaram, e designará interventr. A intervençã nã deve afectar funcinament regular ds serviçs de assinante prestads pela cncessinária, devend para este efeit decret executiv mencinad n númer anterir definir as medidas adequadas, entre as quais a nmeaçã eventual de uma cmissã de gestã para execuçã da intervençã. Artig 23.º (Fixaçã de tarifas) Sem prejuíz d papel das frças d mercad n estabeleciment das tarifas pela livre cmpetiçã entre s peradres, cmpete a Órgã Reguladr estabelecer a estrutura tarifária para cada mdalidade de serviç. Os preçs d serviç básic ficam sujeits a um regime especial de cntrl fixad pelas entidades cmpetentes d Estad, ns terms da legislaçã aplicável. Ns segments em que exista uma ampla e efectiva cncrrência, é permitida a fixaçã da tarifa pels peradres, devend estes cmunicar a órgã reguladr 15 dias antes da entrada em vigr, para hmlgaçã. Ns segments de serviç em que nã exista ampla e efectiva cncrrência, a tarifa é fixada pel Órgã Reguladr, tend em cnta a estrutura de custs d serviç e a margem cmercial justa d peradr. Cmpete às peradras de telecmunicações frnecer s estuds necessáris para estabeleciment u hmlgaçã d tarifári. 15

16 Cmpete a Autridade de Telecmunicações definir quais s segments de serviç que se regem pel dispst n n.º 2 d presente artig. È vedade a subsidiaçã cruzada entre diferentes serviçs de telecmunicações. Artig 24.º (Cntrl d material de telecmunicações) A imprtaçã, fabric, venda, revenda e a simples cedência de material de telecmunicações, nas cndições estabelecidas ns regulaments. A dispsiçã d númer anterir nã se aplica a material destinad as rganisms de defesa segurança e rdem interna. Para efeits d n.º 1 d presente artig, entende - se pr material de telecmunicações, que é destinad a realizaçã de qualquer tip de telecmunicações. As alfândegas, s fabricantes e s vendedres de material de telecmunicações, clabrarã brigatriamente cm a Administraçã das Telecmunicações neste cntrl, ns mldes prescrits pels regulaments. Artig 25.º (Equipament terminal) O mercad ds equipaments terminais de assinantes é abert à cncrrência, send livre a aquisiçã, instalaçã e cnservaçã. A ligaçã d equipament terminal cm a rede de telecmunicações de us públic bedece às cndições estabelecidas em regulament e à prévia aprvaçã tip d órgã cmpetente da Administraçã das Telecmunicações, tend em vista a salvaguarda da sua cmpatibilidade cm a rede de telecmunicações de us públic. A aprvaçã prevista n númer anterir é brigatória para tds s equipaments terminais radieléctrics, destinads u nã a serem ligads cm a rede de telecmunicações de us públic. A Administraçã das Telecmunicações estabelece s prcediments e as cndições específicas para btençã de aprvaçã tip e pública as características técnicas ds equipaments terminais, incluind as requeridas para a sua ligaçã à rede de telecmunicações de us públic. A prestaçã de serviç de instalaçã e cnservaçã ds equipaments terminais de assinante só pderá ser efectuada pr pessas singulares u clectivas devidamente autrizadas. Os peradres de telecmunicações devem assegurar ligações adequadas às redes, independentemente de equipament terminal ser u nã da prpriedade ds utilizadres. 16

17 Artig 26.º (Sign de crrespndência) Cm s limites impsts pela sua natureza e pel fim a que se destinam, é garantida a invilabilidade e sigil das telecmunicações de us públic, ns terms da lei. Os peradres de telecmunicações adptam tdas as medidas para garantir sigil das crrespndências executadas pr intermédi ds serviçs a seu carg. O sigil da crrespndência pública pr telecmunicações, cnsiste na pribiçã de revelar seu cnteúd, bem cm de prestar indicações dnde se pssa depreendê - l, u que pssam cnduzir a seu descbriment. Artig 27.º (Crrespndências pribidas) Nã é autrizada a utilizaçã ds serviçs de telecmunicações cm fins atentatóris à rdem pública e a bns cstumes. Os peradres de telecmunicações nã pdem aceitar u transmitir quaisquer crrespndências quand se verifique que, pr qualquer mtiv, nã bedecem as preceits legais e regulamentares, u que tenham pr bjectiv causar dans a Estad, as peradres de telecmunicações, destinatáris u terceirs. Artig 28.º (Priridades e brigatriedade de transmissã) Cnstitui brigaçã de tds s agentes encarregads da execuçã de serviçs de telecmunicações, realizads pr intermédi de peradres, a transmissã cm priridade de mensagens mtivadas pr circunstâncias excepcinais, nmeadamente, para assinalar sinistrs u pedids de scrr urgentes. As cmunicações relativas à salvaguarda da vida humana n mar, sbre a terra, ns ares e n espaç extra - atmsféric, s aviss epidemilógics de urgência excepcinal, bem cm as mensagens destinadas a assinalar calamidades u alteraçã da rdem pública, têm priridade absluta. Td detentr de um sistema privad de telecmunicações, u quem pere, é brigad a transmitir pr esse sistema, cm priridade absluta, tda a mensagem nas cndições d númer anterir. As telecmunicações de Estad gzam de direit de priridade sbre as utras telecmunicações, na medida d pssível, desde que pedid seja especificamente para esse fim, salvaguardand estabelecid n n.º 2 d presente artig. Os regulaments estabelecem para cada serviç a escala de priridade das diferentes classes de crrespndência e cndições de aplicaçã. 17

18 CAPITULO III Telecmunicações Privativas Artig 29.º (Infra - estrururas de rede privativas) O estabeleciment e utilizaçã de infra - estruturas de redes privativas fica sujeit a licenciament prévi da Administraçã das Telecmunicações, exceptuand - se s sistemas estabelecids pels órgãs de defesa, segurança e rdem interna. As redes privativas apenas pdem ser interligadas mediante autrizaçã prévia da Administraçã das Telecmunicações. È verdade a cedência u venda a terceirs das facilidades u serviçs de redes privativas sem a autrizaçã prévia da Administraçã das Telecmunicações. Uma rede privativa diz - se partilhada, quand é reservada para utilizaçã de várias pessas singulares u clectivas, que sã membrs de um u mais grups fechads de utilizadres, para trca de cmunicações internas dentr d mesm grup. A Autridade das Telecmunicações determina em diplma própri as cndições em que as redes privativas pdem, a títul excepcinal ser ligadas à rede de telecmunicações de us públic, ficand vedada a pssibilidade de interligaçã entre privativas cm licenças emitidas para titulares distints. Artig 30.º (Autrizaçã) As licenças cncedidas ns terms deste capítul sã pessais e intransmissíveis a terceirs. A recusa de cncessã de licença deve ser justificada pr escrit a requerente, n própri act de recusa. A autrizaçã de estabeleciment de redes independentes, implica pagament de taxas de licenciament e fiscalizaçã determinadas pr diplma própri, da Autridades das telecmunicações. 18

19 Artig 31.º (Cancelament da autrizaçã) Qualquer autrizaçã dada ns terms d artig 30.º, pde ser cancelada, em qualquer altura, pr decisã da Autrizaçã das Telecmunicações, nã havend lugar a qualquer indemnizaçã. A material ds sistemas de telecmunicações cuja autrizaçã de estabeleciment caduque u seja cancelada, é dad destin pela Autridade das Telecmunicações. Artig 32.º (Perits de telecmunicações) A fim de melhr serem bservadas as dispsições técnicas e regulamentares n estabeleciment e explraçã de sistemas de telecmunicações privativs, s regulaments fixam s cass e cndições a ser exigida a respnsabilidade técnica de perits de telecmunicações, para efeit inscrits na Administraçã das Telecmunicações. CAPÍTULO IV Radicmunicações Artig 33.º (Gestã d espectr de frequências) Cnstitui brigaçã d Gvern, assegurar pr intermédi d Órgã Reguladr, a gestã d espectr de frequências radieléctricas, de frma centralizada, e assumind cntrl da sua utilizaçã, cm respeit pels princípis e nrmas estabelecidas a nível internacinal. O Gvern pde determinar silenciament pr temp determinad de estações radieléctricas, sempre que s interesses superires d Estad exijam. 19

20 Artig 34.º (Licenciament radieléctric) Nenhuma estaçã radieléctrica pde ser utilizada sem a psse de uma licença de estaçã radieléctrica passada pel Órgã Reguladr. A psse de equipament radieléctric de emissã, mesm de telecmand, é de regist brigatóri n Órgã Reguladr, cm excepçã ds equipaments de pequena ptência e pequen alcance, pertencentes às categrias a fixar pr legislaçã regulamentar. Os regulaments fixam as cndições em que é exigida a qualificaçã especial ds peradres de estações radieléctricas. As estações radieléctricas estabelecidas em embaixadas e representações cnsulares acreditadas pel Gvern, sã cnsideradas para efeit de aplicaçã da regulamentaçã nacinal e internacinal, cm estabelecidas em territóri nacinal e sujeitas a licenciament d Órgã Reguladr. Artig 35.º (Taxas radieléctricas) A psse e utilizaçã de qualquer sistema radieléctric está sujeita a pagament de taxas radieléctricas, ns terms d tarifári em vigr, aprvad pr despach cnjunt d Ministr das Telecmunicações e d Ministr tutelar das Telecmunicações e d Ministr das Finanças. Ficam isents d pagament de taxas radieléctricas s órgãs da defesa, segurança e rdem interna, desde que as respectivas redes funcinam nas faixas de frequências atribuídas para respectiv efeit, n Plan Nacinal de Frequências. Artig 36.º (Fiscalizaçã radieléctrica) O Órgã Reguladr exerce cntrl permanente sbre as cndições técnicas e de explraçã das estações radieléctricas a fim de cmprvar seu funcinament de acrd cm a regulamentaçã aplicável e cm as respectivas autrizações e para detectar as emissões clandestinas. Os agentes de fiscalizaçã d Órgã Reguladr, têm livre acess às estações, e pderã requisitar autridades pliciais, fiscais u alfandegárias, sempre que julguem cnveniente u necessári. 20

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da Comissão de Acompanhamento, sendo composto por duas partes: DOC. CA/N/15/08 PROGRAMA OPERACIONAL ALENTEJO EIXO 2 DESENVOLVIMENTO URBANO E EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL INSTRUMENTO: MOBILIDADE TERRITORIAL O presente dcument suprta a apreciaçã d

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows

Software Development Kit (SDK) do Microsoft Kinect para Windows Sftware Develpment Kit (SDK) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licenciament cnstituem um cntrat entre a Micrsft Crpratin (u dependend d país em que reside uma das respetivas empresas afiliadas)

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011

SI à Qualificação e Internacionalização de PME Projectos Individuais e de Cooperação Aviso nº 7/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI à Qualificaçã e Internacinalizaçã de PME Prjects Individuais e de Cperaçã Avis nº 7/SI/2011 Prmçã da cmpetitividade das empresas através d aument da prdutividade, da flexibilidade e

Leia mais

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING)

CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui FUNCHAL CAE Rev_3: 47990 VENDAS AUTOMÁTICAS (VENDING) ÂMBITO A atividade de venda autmática deve bedecer à legislaçã aplicável à venda

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES

TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES TEXTOS COMPLEMENTARES 1 DESTACAMENTO DE TRABALHADORES 2.7. Destacament de Trabalhadres Frma e cnteúd de cntrat cm trabalhadr estrangeir u apátrida N art.º 5 d CT (Capítul II - Lei 7/2009 de 12/02) cntrat

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows

SDK (Software Development Kit) do Microsoft Kinect para Windows SDK (Sftware Develpment Kit) d Micrsft Kinect para Windws Os presentes terms de licença cnstituem um acrd entre a Micrsft Crpratin (u, dependend d lcal n qual vcê esteja dmiciliad, uma de suas afiliadas)

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas:

2. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias. Síntese dos termos e condições gerais da Linha de Crédito PME Crescimento. Condições genéricas: 2. Cndições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Síntese ds terms e cndições gerais da Linha de Crédit PME Cresciment ( presente dcument identifica as principais características da Linha de Crédit PME

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Orientações para as Candidaturas

Orientações para as Candidaturas Orientações para as Candidaturas Tiplgia de Intervençã 6.2 (Eix 6) Qualificaçã das Pessas cm Deficiências e Incapacidades. O presente dcument cntém rientações técnicas para efeits de candidatura as apis

Leia mais

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro

Apresentação ao mercado do cronograma do processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector financeiro Apresentaçã a mercad d crngrama d prcess de adpçã plena das IAS/IFRS n sectr financeir DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 12 de Junh de 2014 Departament de Supervisã Prudencial

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Prgrama de Desenvlviment Rural d Cntinente para 2014-2020 Medida 7 AGRICULTURA e RECURSOS NATURAIS Açã 7.2 PRODUÇÃO INTEGRADA Enquadrament Regulamentar Artig 28.º Agrambiente e clima d Regulament (UE)

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011

SI Inovação Projectos de Empreendedorismo Qualificado Aviso nº 6/SI/2011 Objectiv Tiplgia SI Invaçã Prjects de Empreendedrism Qualificad Avis nº 6/SI/2011 Prmver a invaçã n tecid empresarial através d estímul a empreendedrism qualificad. Api à criaçã de empresas nvas u nascentes

Leia mais

Cm Criar Seu Própri Empreg em Apenas 5 Passs 1 1º Pass: A IDEIA 2º Pass: O CONTACTO COM VÁRIAS INSTITUIÇÕES E ENTIDADES 3º Pass: PLANO DE NEGÓCIOS 4º Pass: CRIAÇÃO DA EMPRESA E INÍCIO DE ACTIVIDADE 5º

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social

Capítulo 17. Sistema de Gestão Ambiental e Social e Plano de Gestão Ambiental e Social Capítul 17 Sistema de Gestã Ambiental e Scial e Plan de Gestã Ambiental e Scial ÍNDICE 17 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL E PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL E SOCIAL 17-1 17.1 INTRODUÇÃO 17-1 17.2 VISÃO

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências

O desafio da regulação econômico-financeira dos operadores públicos de serviços de saneamento básico no Brasil: primeiras experiências O desafi da regulaçã ecnômic-financeira ds peradres públics de serviçs de saneament básic n Brasil: primeiras experiências Karla Bertcc Trindade VI Fr Iber American de Regulación 11/11/2013 - Mntevide,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado

PROGRAMAS/PROJECTOS. Indicador de Avaliaçã o. Programa /Projecto Objectivo Resultado PROGRAMAS/PROJECTOS Prgrama /Prject Objectiv Resultad Indicadr de 1. Prgrama - Inserçã de Jvens na Vida Activa em particular s Candidats a Primeir Empreg Prmçã da inserçã de jvens n mercad de trabalh e

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual

Índice. Introdução. Passo 1 - Conhecer os. O que é capital de risco. Manual Manual O que é capital de risc Índice Intrduçã Pass 1 - Cnhecer s cnceits-base Pass 2 - Cnhecer as frmas de atuaçã Pass 3 - Elabrar um plan de negócis Pass 4 - Apresentar plan de negócis a ptenciais SCR

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 Inserir data e Hra 08/10/2012 N.º PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: Técnic De Turism 2010/2013 DISCIPLINA: Operações Técnicas em Empresas Turísticas An: 3º N.º TOTAL

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR

POR UMA GEOGRAFIA MELHOR LISTA CANDIDATA ÀS ELEIÇÕES PARA OS CORPOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓGRAFOS BIÉNIO 2006-2008 POR UMA GEOGRAFIA MELHOR Assembleia Geral Presidente Jsé Albert Ri Fernandes (FL, Universidade

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas

IARC Oferta de Infra-estruturas aptas ao Alojamento de Redes de Comunicações Eletrónicas IARC Oferta de Infra-estruturas aptas a Aljament de Redes de Cmunicações Eletrónicas Versã 1.1 08 de Julh de 2015 Índice 1. Intrduçã 3 2. Objet e Âmbit 3 3. Obrigações e respnsabilidades ds Clientes 3

Leia mais

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação. Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2011 Autrizações: ACT nº 697 07 1 01 11 DGS nº 065/2011 easymed Av. Clumban Brdal Pinheir, nº61c, 1º - Esc. 13 Tel: +351 21 301 01 00 1070-061 LISBOA

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas

Processo/Instruções de Pagamento para Aplicação no Programa de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Prcess/Instruções de Pagament para Aplicaçã n Prgrama de Sustentabilidade de Pequenas Empresas Requisits de Elegibilidade 1. A empresa deve estar lcalizada em znas de cnstruçã activa na Alum Rck Avenue

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico

Legenda da Guia de Tratamento Odontológico Legenda da Guia de Tratament Odntlógic Term Registr NS Nº da n prestadr Num. d Camp na Númer da principal 3 Data da autrizaçã Senha senha 1 2 4 5 6 Nme d camp na Registr NS Númer da n prestadr Númer da

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia

Assessoria Urbanística para Implementação do Plano de Urbanização da Meia Praia Excert Planta Plan de Urbanizaçã da Meia Praia - PUMP A área de intervençã d Plan de Urbanizaçã crrespnde a uma faixa da rla csteira d Barlavent Algarvi que se situa a Nascente da Cidade de Lags e se estende

Leia mais

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL

CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO DE ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E RENOVAÇÃO DE CADASTRO PREDIAL O cnteúd infrmativ dispnibilizad pela presente ficha nã substitui a cnsulta ds diplmas legais referenciads e da entidade licenciadra. FUNCHAL CAE Rev_3: 74900 e 71120 LICENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais