A INTERNALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NA LEGISLAÇÃO INTERNA DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INTERNALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NA LEGISLAÇÃO INTERNA DO BRASIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS - CEJURPS CURSO DE DIREITO A INTERNALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NA LEGISLAÇÃO INTERNA DO BRASIL VALDIR JOSÉ DA SILVA FILHO Itajaí (SC), novembro de 2008.

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS - CEJURPS CURSO DE DIREITO A INTERNALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NA LEGISLAÇÃO INTERNA DO BRASIL VALDIR JOSÉ DA SILVA FILHO Monografia submetida à Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Direito. Orientadora: Professora MSc. Márcia Sarubbi Lippmann Itajaí, 21 de novembro de 2008.

3 AGRADECIMENTO A todos que contribuíram à realização deste trabalho, do singelo ao mais diligente aporte.

4 DEDICATÓRIA Consagro este trabalho a todos que possam se beneficiar da pesquisa doravante desempenhada.

5 TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE Declaro, para todos os fins de direito, que assumo total responsabilidade pelo aporte ideológico conferido ao presente trabalho, isentando a Universidade do Vale do Itajaí, a coordenação do Curso de Direito, a Banca Examinadora e o Orientador de toda e qualquer responsabilidade acerca do mesmo. Itajaí, 21 de novembro de VALDIR JOSÉ DA SILVA FILHO Graduando

6 PÁGINA DE APROVAÇÃO A presente monografia de conclusão do Curso de Direito da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, elaborada pelo graduando Valdir José da Silva Filho, sob o título A Internalização dos Tratados Internacionais no Direito Interno do Brasil, foi submetida em 21 de novembro de 2008 à banca examinadora composta pelas seguintes professoras: Márcia Sarubbi Lippmann (Presidente), Queila Jaqueline Nunes Martins (Examinadora), e aprovada com a nota ( ). Itajaí, 21 de novembro de Professora MSc. Márcia Sarubbi Lippmann Orientadora e Presidente da Banca Professor MSc. Antônio Augusto Lapa Coordenação da Monografia

7 ROL DE ABREVIATURAS E SIGLAS Carta Magna Constituição da República Federativa do Brasil CC/1916 Código Civil Brasileiro de 1916 CC/2002 Código Civil Brasileiro de 2002 CDI CIJ CF CRFB/88 DI DIP DIPr EC LC LICC ONU STF STJ TJ Comissão de Direito Internacional Corte Internacional de Justiça Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Direito Internacional Direito Internacional Público Direito Internacional Privado Emenda Constitucional Lei Complementar Lei de Introdução ao Código Civil Organização das Nações Unidas Supremo Tribunal Federal Superior Tribunal de Justiça Tribunal de Justiça

8 ROL DE CATEGORIAS Rol de categorias que o Autor considera estratégicas à compreensão do seu trabalho, com seus respectivos conceitos operacionais. Direito Internacional É o direito que tem por objetivo a solução das questões de caráter internacional, assim ditas por que nelas há interesse de pessoas (físicas ou jurídicas) de países diferentes. Definem-no, assim, como o conjunto de princípios e regras concernentes aos interesses superiores da sociedade humana, na interdependência dos Estados. Pertence ao ramo do Direito, dito de externo. 1 Direito Internacional Privado O Direito Internacional Privado dedica-se à disciplina que estuda o conflito de leis no espaço 2, compreende-se pelo complexo de preceitos reguladores das relações de ordem privada da sociedade internacional. 3 Direito Internacional Público Fundado nos tratados ou nos usos internacionais, ordena as relações entre Estados e organizações internacionais. 4 Ordenamento jurídico nacional É um conjunto de normas jurídicas que mantém relações particulares entre si. 5 1 SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. Atual. Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. 24.ed. Rio de Janeiro, p AMORIM, Edgar Carlos de. Direito Internacional Privado. Rio de Janeiro: Forense, p.5. 3 SILVA, op. cit., p REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. 8.ed. Ver. E atual. São Paulo: Saraiva, p.3.

9 Tratado Internacional Tratado significa um acordo internacional regido pelo Direito Internacional e celebrado por escrito. 6 5 BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Tradução de Maria Celeste C. J. Santos. Brasília: Editora Universidade de Brasília, p Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais, de 21 de maio de Disponível em : Acesso: 06 de agosto de 2008.

10 SUMÁRIO RESUMO... XI INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO DO DIREITO INTERNACIONAL TERMINOLOGIA HISTÓRIA ANTIGÜIDADE IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE CONTEMPORÂNEA NATUREZA DA NORMA JURÍDICA INTERNACIONAL FUNDAMENTO RELAÇÃO ENTRE O DI E O DIREITO INTERNO DUALISMO EXTREMADO E DUALISMO MODERADO MONISMO COM SUPREMACIA DO DI MONISMO COM SUPREMACIA DO DIREITO INTERNO PERSONALIDADE INTERNACIONAL ESTADOS RECONHECIMENTO DE ESTADO E DE GOVERNO ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS FONTES TRATADOS COSTUME PRINCÍPIOS GERAIS DE DIREITO ATOS UNILATERAIS DECISÕES DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS DOMÍNIO PÚBLICO INTERNACIONAL CAPÍTULO DOS TRATADOS E CONVENÇÕES INTERNACIONAIS CONCEITO TERMINOLOGIA CLASSIFICAÇÃO DOS TRATADOS CONDIÇÕES DE VALIDADE DOS TRATADOS CAPACIDADE DAS PARTES CONTRATANTES HABILITAÇÃO DOS AGENTES SIGNATÁRIOS CONSENTIMENTO MÚTUO OBJETO LÍCITO E POSSÍVEL EFEITOS DE TRATADO SOBRE TERCEIROS ESTADOS... 35

11 2.6 RATIFICAÇÃO, ADESÃO E ACEITAÇÃO DE TRATADO REGISTRO E PUBLICAÇÃO DE TRATADO INTERPRETAÇÃO DE TRATADOS APLICAÇÃO DE TRATADOS SUCESSIVOS SOBRE A MESMA MATÉRIA NULIDADE, EXTINÇÃO E SUSPENSÃO DE APLICAÇÃO DE TRATADOS NULIDADE EXTINÇÃO E SUSPENSÃO DE APLICAÇÃO DE TRATADOS CAPÍTULO A INTERNALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NA LEGISLAÇÃO INTERNA DO BRASIL RETROSPECTO DOS POSICIONAMENTOS ADOTADOS PELO BRASIL A INTERNALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS CONTEXTUALIZAÇÃO DOS TRATADOS INTERNACIONAIS NO ORDENAMENTO JURÍDICO INTERNO DO BRASIL OS TRATADOS INTERNACIONAIS SOB VISTA DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A HIERARQUIA DO TRATADO INTERNACIONAL NA LEGISLAÇÃO INTERNA DO BRASIL TRATADOS INTERNACIONAIS DE NATUREZA TRIBUTÁRIA TRATADOS INTERNACIONAIS DE NATUREZA DE DIREITOS HUMANOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIA DAS FONTES CITADAS... 68

12 RESUMO O direito internacional, através dos tratados internacionais, cada vez mais influencia as decisões Estatais seja no âmbito interno ou externo. Cooperação mútua, busca pela uniformização de regras de direitos ou deveres entre países com celebração de tratados multilaterais. Acordos de um ramo de comércio exterior entre dois Estados por meio de tratados bilaterais. Organizações internacionais, que num passado não longínquo não eram capacitadas a celebrar tratados. Enfim, são várias as formas que o direito internacional se manifesta em nosso diaa-dia. Ao passo que para ter força legislativa interna, e assim, o tratado internacional fundamentar decisões no âmbito doméstico do país signatário, há se de respeitar normas nacionais que positivam o modo pelo qual o tratado internacional é internalizado no ordenamento jurídico interno. É neste foco que o presente estudo tem como objetivo investigatório elucidar, através de análise legislativa, jurisprudencial e doutrinária, a internalização dos tratados internacionais no direito interno do Brasil, começando pela origem do direito internacional, com subseqüente análise dos tratados internacionais, para compreender-se de maneira contextualizada como e por que é assim procedida a internalização dos tratados internacionais no ordenamento jurídico interno do Brasil. O objetivo institucional é a obtenção do Título de Bacharel em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI.

13 INTRODUÇÃO O presente estudo monográfico tem por objeto a internalização dos tratados internacionais no ordenamento jurídico do Brasil. Objetiva-se contextualizar o tratado internacional na legislação interna brasileira - da origem à positivação -, bem como examinar sua força normativa perante a legislação interna. Para tanto, principia se, no Capítulo 1, breve abordagem sobre o Direito Internacional, sua origem, divisão, natureza jurídica, fontes e características. No Capítulo 2, estudar-se-á a principal fonte do direito internacional: os tratados e as convenções internacionais, para angariar o embasamento legal necessário ao estudo da internalização dos tratados no ordenamento jurídico brasileiro no capítulo subseqüente. No Capítulo 3, tratar-se-á efetivamente do processo de internalização dos tratados internacionais no ordenamento interno do Brasil, isto é, após analisar o direito internacional, conhecer sua principal fonte, o tratado internacional; este será introduzido ao ordenamento jurídico nacional, isto é, estudar-se-á como é transposta a norma externa no âmbito doméstico. Encerrar-se-á a monografia com as Considerações Finais, na qual serão apresentados os pontos conclusivos destacados, seguidos da estimulação à continuidade dos estudos e das reflexões sobre a internalização dos tratados internacionais na legislação interna brasileira. seguintes hipóteses: Para a presente monografia foram levantadas as

14 2 O Brasil adota a teoria monista para suas relações entre direito internacional e direito interno. O tratado internacional passa a vigorar no plano interno a partir da assinatura. O tratado internacional pode possuir tanto força de lei ordinária quanto de lei complementar. Quanto à Metodologia empregada, registra-se que, na Fase de Investigação foi utilizado o Método Indutivo, na Fase de Tratamento de Dados o Método Cartesiano, e, o Relatório dos Resultados expresso na presente Monografia é composto na base lógica Indutiva. Nas diversas fases da Pesquisa, foram acionadas as Técnicas do Referente, da Categoria, do Conceito Operacional e da Pesquisa Bibliográfica.

15 CAPÍTULO 1 DO DIREITO INTERNACIONAL 1.1 TERMINOLOGIA O Direito Internacional, conjunto de princípios e regras concernentes aos interesses superiores da sociedade humana, na interdependência dos Estados 1, já recebeu, ao longo de sua história, diversas terminologias. A começar pelos romanos, que utilizavam a expressão ius gentium (do latim direito das gentes ou direito dos povos ), por Isidoro de Sevilha e Samuel Pufendorf. O termo utilizado por Francisco de Vitória era ius inter gentes (do latim direito entre as gentes ou entre os povos ). 2 A expressão international law foi usada por Jeremy Bentham, em sua obra "An Introduction to the Principles of Morals and Legislation", que, quando lançada na França, a tradução que o francês Étienne Dumont usou foi droit international, que por sua vez influenciou diversas traduções subseqüentes, até mesmo a adotada no Brasil: Direito Internacional". 3 O Direito Internacional divide-se em público e privado, sendo que o Direito Internacional Privado dedica-se à disciplina que estuda o conflito de leis no espaço 4, já o Direito Internacional Público, 1 SILVA, De Plácido e. Vocabulário Jurídico. Atual. Nagib Slaibi Filho e Gláucia Carvalho. 24.ed. Rio de Janeiro, p MONSERRAT FILHO, José. O que é direito internacional. 3.ed. São Paulo: Brasiliense, p MONSERRAT FILHO, op. cit., p AMORIM, Edgar Carlos de. Direito Internacional Privado. Rio de Janeiro: Forense, p.5.

16 4 muitas vezes sinônimo da terminologia Direito Internacional, ordena as relações entre Estados 5. O presente estudo monográfico ater-se-á tão somente ao Direito Internacional Público, notadamente por ser esta a divisão do Direito Internacional que engloba o estudo dos Tratados Internacionais. 1.2 HISTÓRIA Aos olhos da doutrina: O direito internacional é tão antigo quanto à civilização em geral: ele é uma conseqüência necessária e inevitável de toda a civilização. 6 A citação em epígrafe norteia que o direito internacional surge paralelo ao desenvolvimento das civilizações. Neste sentido, à medida que na antiguidade, tribos e clãs de povos diferentes começaram a se civilizar, tão logo surgiram às primeiras aparições do ius inter gentes. De acordo como as civilizações ficavam mais complexas, também suas relações externas tornaram-se, e o direito as acompanhou Antigüidade O direito internacional não possui marco inicial reconhecido por unanimidade pelos estudiosos deste ramo do direito. Há quem se baseie no tratado mais antigo registrado: o celebrado entre Lagash e Umma, cidades da Mesopotâmia, relativo à fronteira comum, ou o tratado conhecido como o mais famoso da Antigüidade remota: o de Kadesh, concluído entre Ramsés II do Egito e Hatusil III dos hititas no século XIII a.c. 7 5 REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. 8.ed. Ver. E atual. São Paulo: Saraiva, p.3. 6 SEITENFUS, Ricardo. Introdução ao Direito Internacional Público. Ricardo Seitenfus, Deisy Ventura. 3.ed. Ver. Ampl. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p.55.

17 5 O doutrinador Almicar de Castro 8 preceitua que a Roma Antiga, ao longo de quase toda a sua história, não se considerava sujeita a um direito internacional distinto do seu direito interno, o que se explica pelo predomínio da chamada Pax romana: Em direito romano não se encontra indício desse ramo do direito, conquanto a apreciação dos fatos anormais se operasse por forma diversa da que era reservada aos fatos formais. Os romanos, a princípio, só reconheciam como positivo o seu ius civile. O direito romano era civil, no sentido tradicional deste adjetivo: só se destinava a cidadãos romanos. O ius gentium, que alguns apontam como indício de um direito internacional romano, era, na essência, um direito romano aplicado a estrangeiros por um magistrado romano, o pretor peregrino. 9 Segundo indica o estudioso He Moon Jo 10, o direito internacional surgiu na Europa, em suas palavras: [...] a opinião que prevalece no estudo do DI é a de que este surgiu na Europa, no período seguinte à Paz de Vestfália (the Peace of Westphalia, 1648), que pôs fim à Guerra dos Trinta Anos (Thirty Years War). Não obstante o doutrinador José Dalmo 11 assim reza: Afirmaram os internacionalistas, durante três séculos, haver o Direito das Gentes sido criado por Hugo Grócio, em 1625, com a publicação do seu tratado De Jure Belli ac Pacis. Brown Scott provou, muito depois, que essa paternidade cabia ao Padre Franceiso Vitória e dataria de 1539: leitura 8 CASTRO, Amilcar de. Direito Internacional Privado. 6.ed. Rio de Janeiro: Forense, p CASTRO, op. cit., p JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p MATOS, José Dalmo Fairbanks Belfort de. Manual de direito internacional público. São Paulo: Saraiva: EDUC, p.27.

18 6 da Relectio de Potestate Civile, proferida na Universidade de Salamanca. É notória a diversidade de correntes que empregam o marco inicial do direito internacional a diversos fatos e pessoas, sendo improvável filiar-se a uma corrente e desprezar a outra, mesmo porque não é este o foco do presente estudo. Neste sentido, resta compreender os motivos de cada doutrina Idade Média Com a crescente expansão dos transportes marítimos, a Idade Média presenciou o desenvolvimento da Igreja Católica, a qual conseguiu este feito justamente pelo fato de ter o transporte marítimo se maximizado, o que formou uma comunidade católica na Europa. 12 A grande influência da igreja contribuiu para o desenvolvimento do direito internacional. A arbitragem das relações internacionais era feita pelo papa, e este poderia até mesmo autorizar um Chefe de Estado a não cumprir um tratado, como indica o doutrinador Joaquim da Silva Cunha 13 : O poder era exercido pelo monarca e pelo papa numa comunidade cristã, misturando-se, em perfeita combinação, política e religião. Alguns dos marcos mais importantes deste período foram, dentre outros, o desenvolvimento de regras que disciplinam o direito de paz e direito de guerra, o conceito de guerra justa e guerra injusta, a limitação das atividades não-humanitárias na guerra, algumas regras sobre tratados e arbitragem, regras de diplomacia como função de diplomatas e sistema de consulado. Os principais contribuintes para estes 12 JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p CUNHA, Joaquim da Silva. Direito Internacional Público: Introdução e Fontes. 5.ed. Coimbra: Almedina, p.103.

19 7 conceitos foram Santo Ambrósio, Santo Agostinho e São Tomás de Aquino. 14 Dois pontos nascidos sob o foco das novas regras era que os tratados medievais eram garantidos com a troca de reféns, e a primeira missão diplomática de caráter permanente foi estabelecida por Milão e Florença Idade Moderna O eminente jurista He Moon Jo 15 reza que foram vários os acontecimentos que contribuíram para uma nova visão do direito internacional: Ao fim da Idade Média, a sociedade internacional encontrava-se em meio a mudanças marcantes, como a Renascença, a desintegração de religiões, a descoberta dos novos continentes e a revolução industrial. Os eventos acima citados motivaram a queda do sistema medieval e a diminuição do poder do papa. No período da Idade Moderna surgiu o direito internacional tal como conhecemos hoje. Novas noções de Estado nacional e soberania estatal, conceituadas pelo tratado Paz de Vestfália, em 1648, que resultou em Estados reconhecendo seu próprio direito como o maior na hierarquia, tornando-os soberanos, e, a Europa começara a adotar uma organização política baseada na idéia de que a cada nação corresponderia um Estado (Estado-nação). 16 Neste sentido, o jurista Hildebrando Accioly afirma que: 14 JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p JO, op. cit., p Texto em inglês in (http://www.hillsdale.edu/dept/history/documents/war/17e/1648- westphalia.htm). Acesso em 06 de agosto de 2008.

20 8 [...] a rigor, só se pode falar em direito internacional a partir dos tratados de Vestfália ou da obra de Hugo Grocius. 17 Uns dos principais teóricos do período moderno são Francisco de Vitória e Hugo Grócio, este último que se baseava na teoria do direito natural. Sua principal obra jurídica Do direito da guerra e da paz" teve grande importância no desenvolvimento da noção de Guerra Justa Idade Contemporânea O período da Idade Contemporânea foi inaugurado pela Revolução Francesa, quando fora enfatizado o conceito de nacionalidade. A influência do papa já houvera enfraquecido, visto que seus poderes passaram a não serem mais conhecidos como divinos. Deuse início a um período de fortes reivindicações populares. O Congresso de Viena em 1815 foi um importante impulso para o direito internacional, na medida em que apontou na direção da internacionalização de grandes rios, declarou a neutralidade perpétua da Suíça, pela primeira vez adotou uma classificação para os agentes diplomáticos e proibiu o tráfico de negros. 19 Começava a surgir o DI moderno, a criação dos primeiros organismos internacionais com vistas à regular assuntos transnacionais, a proclamação da Doutrina Monroe e a primeira das Convenções de Genebra, dentre inúmeras outras iniciativas. 20 O século XX foi palco de grandes acontecimentos no DI, agora moderno. Foram criados vários organismos internacionais, como 17 ACCIOLY, Hildebrando. Manual do direito internacional público. Hildebrando Accioly, G. E. do Nascimento e Silva. 14.ed. São Paulo: Saraiva, p JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p CASTRO, Amilcar de. Direito Internacional Privado. 6.ed. Rio de Janeiro: Forense p JO, op. cit., p.57.

21 9 a Sociedade das Nações, e posteriormente a Organização das Nações Unidas, a codificação do DI com a Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados e a Convenção sobre Direito do Mar, a proliferação de tratados nascidos na necessidade de acompanhar o intenso intercâmbio internacional do mundo contemporâneo NATUREZA DA NORMA JURÍDICA INTERNACIONAL A fim de defender as atuações dos Estados nas relações internacionais, insurge-se a teoria da soberania. De acordo com esta teoria política (desenvolvida no século XVI por Jean Bodin [ ] e Thomas Hobbes [ ]) foi ela quem sustentou a formação e a manutenção do Estado Novo nos séculos XVI e XVII. O Estado é dotado de soberania, e esta se manifesta de duas maneiras, segundo o âmbito de aplicação: na vertente interna de aplicação da soberania, o Estado encontra-se acima dos demais sujeitos de direito, constituindo-se na autoridade máxima em seu território. Na vertente externa, por outro lado, o Estado está em pé de igualdade com os demais Estados soberanos que constituem a sociedade internacional. 22 Ambas vertentes, no âmbito de aplicação da soberania do Estado, também acorrem quando da natureza da norma jurídica, no sentido de que se de direito interno ou de direito internacional. No direito interno, a norma emana do Estado ou é por este aprovada, logo, o Estado impõe a ordem jurídica interna e garante a sanção em caso de sua violação. Já no DI, diferentemente, os Estados são juridicamente iguais, portanto não existe uma entidade central e superior ao conjunto de Estados, com a prerrogativa de impor o cumprimento da ordem jurídica internacional e de aplicar uma sanção por sua violação. Neste caso são os próprios Estados que produzem, entre eles, a norma 21 ACCIOLY, Hildebrando. Manual do direito internacional público. Hildebrando Accioly, G. E. do Nascimento e Silva. 14.ed. São Paulo: Saraiva, p JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p.66.

22 10 jurídica que lhes será aplicada (celebração de um tratado), o que constitui uma relação de coordenação. 23 Discute-se a existência de hierarquia nas normas de direito internacional, ou seja, se uma norma seria superior a outra. No entanto a pesquisa apontou que a grande parte dos estudiosos entende que inexiste hierarquia. Os conceitos de ato ilícito e de sanção existem no DI, mas sua aplicação difere-se do direito interno. Na ausência de uma entidade supra-estatal, a responsabilidade internacional e a conseqüente sanção contra um Estado dependem da ação coletiva dos demais Estados vinculados a norma. 1.4 FUNDAMENTO Existem várias correntes doutrinárias acerca do fundamento do DI, ou seja, a origem da sua obrigatoriedade. Segundo o doutrinador Accioly: [...] para vários conceituados autores o estudo do fundamento não faz parte do direito internacional propriamente dito. Seja como for, ao DIP não interessam os motivos reais, econômicos, políticos, sociológicos ou históricos, mas apenas as razões jurídicas que explicam o motivo de sua aceitação pelo homem. 24 As referidas razões jurídicas mencionadas pelo autor são explicadas por várias doutrinas, sendo que de todas conseguiu-se extrair e dividir duas correntes: voluntaristas e positivistas. A primeira está ligada ao direito positivo, sendo que a obrigatoriedade decorre da 23 JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p ACCIOLY, Hildebrando. Manual do direito internacional público. Hildebrando Accioly, G. E. do Nascimento e Silva. 14.ed. São Paulo: Saraiva, p.16.

23 11 vontade dos próprios Estados. Já a segunda a obrigatoriedade é baseada em razões objetivas, ou seja, acima da vontade dos Estados. 25 O doutrinador Rezek defende a doutrina identificada no consentimento, tradicionalmente expresso no princípio pacta sunt servanda (em latim, os acordos devem ser cumpridos): um Estado é obrigado no plano internacional apenas se tiver consentido em vincular-se juridicamente. Neste sentido traduz-se que no âmbito de uma organização internacional, por exemplo, os Estados estão obrigados a aceitar uma decisão que lhes for contrária apenas se tiverem acordado previamente esta forma decisória RELAÇÃO ENTRE O DI E O DIREITO INTERNO A possibilidade de conflito entre o direito interno de um Estado e o direito internacional, ou seja, qual das duas ordens jurídicas deve prevalecer, é estudada pela doutrina em três teorias 27 : Dualismo extremado ou moderado: o DI e o direito interno são completamente independentes e a validade da norma de um não depende do outro; Monismo com supremacia do DI: a ordem jurídica é uma só, mas as normas de direito interno devem ajustar-se ao DI; e Monismo com supremacia do direito interno: o inverso do anterior Dualismo Extremado e Dualismo Moderado Segundo a doutrina dualista: 25 ACCIOLY, Hildebrando. Manual do direito internacional público. Hildebrando Accioly, G. E. do Nascimento e Silva. 14.ed. São Paulo: Saraiva, p REZEK, José Franciso. Direito Internacional Público: curso elementar. 10.ed. Ver. E atual. São Paulo: Saraiva, p REZEK, op. cit., p.4.

24 12 O direito internacional e o direito interno de cada Estado são sistemas rigorosamente independentes e distintos, de tal modo que a validade jurídica de uma norma interna não se condiciona à sua sintonia com a ordem internacional. 28 Ou seja, a norma internacional deve primeiramente ser transformada em norma de direito interno, pelo Estado, incorporando-a ao seu ordenamento jurídico interno. Sendo que o dualismo extremado exige para tanto edição de lei, enquanto o dualismo moderado exige somente aprovação congressional e promulgação. Nesta doutrina não existe a possibilidade de conflito entre DI e direito interno Monismo com Supremacia do DI A segunda teoria, formulada por Kelsen, Verdross, Duguit e outros 29, assim como a terceira teoria, do monismo com supremacia do direito interno, não reconhece a existência de duas ordens jurídicas independentes: [...] sustenta a unicidade da ordem jurídica sob o primado do direito internacional, a que se ajustariam todas as ordens internas. Afirmam existir apenas uma única ordem jurídica, na qual o DI é considerado superior ao direito interno. Da mesma forma que a teoria Dualista, não é possível o conflito entre o DI e o direito interno, pois prevalece o DI. 28 REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. 10.ed. Ver. E atual. São Paulo: Saraiva, p REZEK, op. cit., p.4.

25 Monismo com Supremacia do Direito Interno Com raízes no hegelianismo 30, esta teoria entende que o Estado é dotado de soberania absoluta e que, portanto, somente se sujeita a um sistema jurídico que emane de si próprio: [...] o direito nacional de cada Estado soberano, sob cuja ótica a adoção dos preceitos do direito internacional aparece como uma faculdade discricionária. O DI seria a continuação do direito interno, aplicado às relações exteriores do Estado. Há possibilidade de conflitos entre a norma interna e externa. desta monografia. A teoria adotada no Brasil estudar-se-á no Capítulo PERSONALIDADE INTERNACIONAL É sujeito de direito internacional público [...] toda entidade jurídica que goza de direitos e deveres internacionais e que possua a capacidade de exercê-los 31 : os Estados (aqui acrescenta-se a Santa Sé e o Vaticano) e as organizações internacionais. A título de separação de disciplinas, lembra-se que ao direito internacional privado é que pertencem os demais sujeitos: pessoa jurídica de direito público interno, de direito privado e a pessoa física. 32 Tradicionalmente acrescentam-se a Santa Sé e o Vaticano como sujeitos do direito internacional público. Alguns estudiosos afirmam que o indivíduo também seria modernamente um sujeito de DI, 30 REZEK, José Francisco. Direito Internacional Público: curso elementar. 10.ed. Ver. E atual. São Paulo: Saraiva, p ACCIOLY, Hildebrando. Manual do direito internacional público. Hildebrando Accioly, G. E. do Nascimento e Silva. 14.ed. São Paulo: Saraiva, p MATOS, José Dalmo Fairbanks Belfort de. Manual de direito internacional público. São Paulo: Saraiva: EDUC, p.56.

26 14 ao argumento de que diversas normas internacionais criam direitos e deveres para as pessoas naturais Estados Os Estados nacionais são os principais sujeitos de DI, seja do ponto de vista histórico ou funcional, já que é por sua iniciativa que surgem outros sujeitos de DI, como as organizações internacionais. Nas palavras de Hee Moon Jo, O estado é o participante mais ativo nas relações legais internacionais. 34 São elementos indispensáveis à existência do Estado e, em conseqüência, à sua personalidade internacional: população, território, governo e capacidade para manter relações com os sujeitos do direito internacional. Conjunta-se necessariamente a soberania, isto é, o direito exclusivo do Estado de exercer a autoridade política suprema sobre o seu território e sobre a sua população Reconhecimento de Estado e de Governo O reconhecimento de Estado é um ato unilateral, expresso ou tácito, pelo qual um Estado constata a existência de outro Estado na ordem internacional, dotado de soberania, de personalidade jurídica internacional e dos demais elementos constitutivos do Estado. É indispensável para que o novo Estado se relacione com seus pares na comunidade internacional MATOS, José Dalmo Fairbanks Belfort de. Manual de direito internacional público. São Paulo: Saraiva: EDUC, p JO, Hee Moon. Introdução ao direito internacional. 2.ed. São Paulo: LTr, p GAMA, Ricardo Rodrigues. Introdução ao direito internacional. Campinas: Bookseller, p MELLO, Celso D. de Albuquerque. Direito Internacional Público. 8.ed. São Paulo: Biblioteca Jurídica Freitas Bastos, p.291.

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

3. Características do Direito Internacional Público

3. Características do Direito Internacional Público 18 Paulo Henrique Gonçalves Portela regular as relações entre os Estados soberanos e delimitar suas competências nas relações internacionais; regular as relações internacionais naquilo que envolvam não

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO

DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Direito Internacional Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 39 DIREITO INTERNACIONAL PRIVADO Introdução A dinâmica das relações de caráter econômico ou não no contexto mundial determinou a criação de

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Código: Série: 4º Obrigatória (X) Optativa ( ) CH Teórica:68 CH Prática: CH Total: 68 Obs: Objetivos GERAL - Enfocar o conjunto de normas jurídicas que regulam

Leia mais

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo

Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes. Introdução ao. Direito Administrativo 4º semestre Professora Ilza Facundes Introdução ao Direito Administrativo NOÇÕES GERAIS O estudo do Direito Administrativo, no Brasil, torna- se um pouco penoso pela falta de um código, uma legislação

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23

Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Capítulo 2 Fontes do Direito Internacional Público... 23 Sumário DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Capítulo 1 Fundamentos do Direito Internacional Público... 13 1. Introdução... 13 2. A sociedade internacional... 14 3. Conceito... 16 4. Objeto... 16 5. Fundamentos

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO.

EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. 1 EVOLUÇÃO DA APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS SOCIAIS NO ORDENAMENTO JURIDICO BRASILEIRO. Clarissa Felipe Cid 1 Sumário:1. Introdução. 2. A distinção entre direitos humanos e fundamentais. 3. Como são aplicadas

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA A REPÚBLICA DA TUNÍSIA CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA TUNÍSIA DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA DEFESA A República Portuguesa e a República da Tunísia, doravante designadas conjuntamente por "Partes" e separadamente

Leia mais

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO

FONTES DO DIREITO DO TRABALHO FONTES DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO As fontes do direito do trabalho são fundamentais para o conhecimento da própria ciência, vez que nelas são descobertas as reais origens e as bases da matéria do

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO

O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO O STATUS DOS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS NO SISTEMA CONSTITUCIONAL BRASILEIRO Renato Braz Mehanna Khamis Mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Professor do

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Aula de Apresentação

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Aula de Apresentação DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Aula de Apresentação (Clique aqui para assistir à aula gravada) O DIREITO INTERNACIONAL E SEUS ASPECTOS HISTÓRICOS INTRODUÇÃO O DIP é o também chamado direito das gentes.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE DIREITO PROF. JACY DE ASSIS DIRETORIA CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS DE PROFESSOR DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR INTEGRANTE

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

Sujeitos de Direito Internacional Público DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Prof. Ana Cristina. Posição Clássica

Sujeitos de Direito Internacional Público DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO. Prof. Ana Cristina. Posição Clássica DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Sujeitos de Direito Internacional Público Prof. Ana Cristina Os sujeitos de Direito Internacional Público são as pessoas a quem as normas jurídicas internacionais se destinam,

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados

Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre sucessão de Estados em matéria de Tratados Conclusão e assinatura: Viena Áustria, 23 de agosto de 1978

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA

CURSOS ON-LINE DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO PROFESSORES RODRIGO LUZ E MISSAGIA AULA DEMONSTRATIVA AULA DEMONSTRATIVA Olá pessoal. Com a publicação do edital para Auditor-Fiscal da Receita Federal, como é de costume, houve mudanças em algumas disciplinas, inclusão de novas, exclusão de outras. Uma das

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO

JUIZ DO TRABALHO TRT DA 8ª REGIÃO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO I. Direito Processual do Trabalho... II. Organização da Justiça do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho... III. Competência da Justiça do Trabalho... IV. Partes e

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

EM CIÊNCIA JURÍDICA CPCJ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO INTERNACIONAL, COMÉRCIO E ATIVIDADE PORTUÁRIA

EM CIÊNCIA JURÍDICA CPCJ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DIREITO INTERNACIONAL, COMÉRCIO E ATIVIDADE PORTUÁRIA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROPPEC CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS POLÍTICAS E SOCIAIS CEJURPS CURSO DE PÓS-GRADUÇÃO STRICTO SENSU EM

Leia mais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais

Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito dos Tratados Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados entre Estados e Organizações Internacionais ou entre Organizações Internacionais

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência Claudia Ligia Miola Lima O navio quando obtém o registro de propriedade está submetido às leis inerentes à bandeira e pode gozar dos benefícios

Leia mais

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital

O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital O Princípio da Territorialidade, o Direito de Autor e o Ambiente Digital É próprio das obras literárias e artísticas poderem ser utilizadas por públicos de qualquer nacionalidade. As barreiras linguísticas,

Leia mais

PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA EFICIÊNCIA E O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DO ICMS

PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA EFICIÊNCIA E O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DO ICMS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROPPEC CENTRO DE EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E JURÍDICAS CEJURPS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO

DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO DIREITO ADMINISTRATIVO CONCEITO Para conceituar o Direito Administrativo, deve-se partir do significado e da classificação do próprio Direito. Segundo Hely Lopes Meirelles, Direito é o conjunto de regras

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Aspectos civis do seqüestro de menores Roberta de Albuquerque Nóbrega * A Regulamentação Brasileira De acordo com a Lei de Introdução ao Código Civil (LICC), em seu artigo 7º, o

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

NOÇÕES GERAIS SOBRE A OIT: Normas supralegais. Na etapa introdutória relata-se o surgimento do Direito Internacional do

NOÇÕES GERAIS SOBRE A OIT: Normas supralegais. Na etapa introdutória relata-se o surgimento do Direito Internacional do NOÇÕES GERAIS SOBRE A OIT: Normas supralegais Vinicius de Paula Rezende 1 Paulo Roberto de Oliveira Santos 2 Resumo Na etapa introdutória relata-se o surgimento do Direito Internacional do Trabalho, devido

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA

CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA CONVENÇÃO PARA A REDUÇÃO DOS CASOS DE APATRIDIA Feita em Nova York, em 30 de agosto de 1961 Entrada em vigor: 13 de dezembro de 1975, em conformidade com o Artigo 18 Texto: Documento das Nações Unidas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006

Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Decreto Nº 5.705, de 16.02.2006 Promulga o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança da Convenção sobre Diversidade Biológica. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Decreto nº 77.374, de 01.04.76

Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Decreto nº 77.374, de 01.04.76 Promulga a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Estocagem de Armas Bacteriológicas (Biológicas) e à Base de toxinas e sua Destruição. O PRESIDENTE DA

Leia mais

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão

ÍNDICE SISTEMÁTICO. Capítulo VI Elementos de Conexão 6.1 Considerações iniciais 6.2 Classes de elementos de conexão ÍNDICE SISTEMÁTICO Capítulo I Noções Fundamentais e Objeto do Direito Internacional Privado 1.1 Considerações iniciais 1.2 Conceito 1.3 Objeto 1.4 Normas de DIPr na Constituição Federal de 1988 1.5 Direitos

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA DO STJ

DIREITO INTERNACIONAL COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA DO STJ DIREITO INTERNACIONAL COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA DO STJ SILVA, Gabrielle Trindade da 1 TIENEN, Frantheska L. Van 2 DELLANTONIA, Juliana 3 PONTES, José A. 4 RESUMO. Apresenta pesquisa e interpretações

Leia mais

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares

CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares CARREIRAS DIPLOMÁTICAS Disciplina: Política Internacional Prof. Diego Araujo Campos Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares MATERIAL DE APOIO MONITORIA Tratado Sobre a Não Proliferação de Armas

Leia mais

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar!

Asilo político! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo lato sensu (perseguição que impede continuar onde reside)! Asilo político! Refúgio! Territorial! Diplomático! Militar! Asilo em sentido amplo! Do sentido antigo e medieval: defesa de criminosos comuns,

Leia mais

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS

TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO SUBSEQUENTE NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS NOÇÕES GERAIS DO DIREITO CONCEITOS BÁSICOS 1 I. Introdução: - A vida em Sociedade exige regramento; - As Normas Reguladoras das relações humanas; - A aplicação das sanções (punições): maior ou menor grau

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa:

Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: Conceito Controlar a constitucionalidade de lei ou ato normativo significa: a) impedir a subsistência da eficácia de norma contrária à Constituição (incompatibilidade vertical) b) conferir eficácia plena

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Maria Amélia da Silva Castro A função controle exercida pelo parlamento: o papel

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Regente: Professora Doutora Maria Luísa Duarte Colaboradores: Professora Doutora Ana Gouveia Martins; Mestre Ana Soares Pinto;

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: DIREITO INTERNACIONAL (D-57) Área: Ciências Sociais Período: Décimo Turnos: Matutino e Noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 h; Créd.: 04 III. Pré-Requisito: DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais

Capacidade jurídica internacional dos municípios

Capacidade jurídica internacional dos municípios 1 Capacidade jurídica internacional dos municípios Clara Maria Faria Santos RESUMO As entidades subnacionais, a partir da década de 90, passaram a atuar significativamente como atores internacionais, estabelecendo

Leia mais

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor

Validade, Vigência, Eficácia e Vigor. 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade, Vigência, Eficácia e Vigor 38. Validade, vigência, eficácia, vigor Validade Sob o ponto de vista dogmático, a validade de uma norma significa que ela está integrada ao ordenamento jurídico Ela

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012

FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA 18/08/2012 FONTES DO DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO INTRODUÇÃO AO DIREITO 1 PROF. MS.ROSANE BARCELLOS TERRA FONTE: Expressão vem do latim (fons, fontis, nascente). Significado: tudo aquilo que origina,

Leia mais