Direito Internacional Público

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito Internacional Público"

Transcrição

1 Direito Internacional Público A liberdade do mar-alto 2002 / 2003 Rogério Bravo º ano Departamento Direito Turma A UAL

2 E tu, nobre Lisboa, que no mundo Facilmente das outras és princesa, Que edificada foste do facundo Por cujo engano foi Dardânia acesa; Tu, a quem obedece o Mar profundo, Obedeceste à força Portuguesa, Ajudada também da forte armada Que das Boreais partes foi mandada. Canto III Figura: on-line no site do Navio-escola Sagres (http://www.marinha.pt/sagres/index.html). 2

3 Índice Nota introdutória 4 Brevíssima introdução histórica 5 A actual soberania e território 6 Direito do mar e direito marítimo 7 Tribunais especiais 8 Do Direito Marítimo 9 Mar 10 Navio 10 A figura de capitão 11 Do Direito do Mar 12 Águas interiores 12 Mar territorial 13 A plataforma continental 15 O alto-mar 16 As liberdades do alto-mar 17 Índice alfabético 20 Bibliografia 21 Legislação portuguesa 22 Sites consultados 22 3

4 Nota introdutória O presente trabalho decorre da necessidade de classificação do aluno no âmbito da Cadeira de Direito Internacional Público do Departamento de Direito da Universidade Autónoma de Lisboa e foi determinado pelo Ex.mo. Prof. José Amorim e pela Ex.ma. Professora Sónia Reis, docentes universitários. Estes indicaram vários temas, a saber: - O costume selvagem; - Os modos de criação dos novos Estados; - O indivíduo como sujeito de Direito Internacional; - A delimitação da plataforma Continental; - A liberdade do Mar-Alto Atendendo ao leque de temas propostos, o signatário propõe-se abordar o subordinado ao título A liberdade do mar alto, por ser um título que se reporta a matéria que ainda não tinha abordado à altura da indicação dos trabalhos, sendo um dos objectivos precisar o significado do tema e enquadra-lo minimamente na actualidade. A meu ver o desafio consiste em apresentar a matéria relacionada, em pouco mais de 15 páginas úteis, demonstrando a recolha de informação pertinente para o tema e simultaneamente, ficar de posse dos instrumentos mínimos de recuperação de informação que permita a qualquer momento continuar o aprofundamento desta matéria. Este trabalho deverá assim consistir num texto propedêutico, mas simultaneamente num repositório mínimo de doutrina e de legislação aplicável. 4

5 Brevíssima introdução histórica Depois dos Fenícios, durante o auge do Império Romano, a ideia de que o Mediterrâneo era mare nostrum não destoava do domínio efectivo terrestre. A ideia subjacente é simples: os mares não se partilhavam 5. Já do séc. XVII As leis da Guerra e da Paz, datado de 1625, tem sido considerado o primeiro tratamento da ética da guerra e é a obra de Hugo Grócio 1 mais indicada em estudos de teor histórico, filosófico e político; mas é também considerado um tratado de Direito internacional 2 e por isso aquele autor tem sido considerado o fundador do ramo de Direito internacional. Em 1608 surgiu, sabe-se hoje que também por Grócio, primeiro em De jure praedae e depois num parecer advogando a liberdade dos mares - Mare Liberum 3, a que, em 1625, se oporia, tal como o havia feito John Selden, o jurisconsulto português Serafim de Freitas em, De Justo imperio Lusitanorum Asiatico, defendendo precisamente o contrário. A teoria do mare clausum, (Selden, J.), era na pratica, defendida pelas principais nações empreendedoras de navegadores, (Portugal 4, Espanha, Inglaterra, Repúblicas marítimas da península itálica e escandinavos), pela qual dividiam uma soberania ou um domínio sobre rotas marítimas de comércio e por consequência, de mares 5. A percepção de que o Mar livre era essencial à afirmação da lógica de poder 6 e de comércio e portanto de domínio da Europa, conduziu à prática da livre navegação, em que a partir do século XVIII o alcance efectivo do tiro de canhão a partir da costa era a medida da restrição à livre navegação. 1 KENNY, Anthony História concisa da filosofia ocidental. 2 MARQUES, Mário Reis História do Direito português Medieval e Moderno. Também GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, pág. 17, 22 a Iden, pág. 121; Em sentido idêntico, SOARES, Albino Azevedo Lições de Direito Internacional Público, pág. 54 e ss. E também GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, pág. 23 e ss.. Posição ligeiramente diferente de DINH, Nguyen Quoc Direito Internacional Público, para quem Mare liberum é um capítulo do parecerer De jure praedae (pág. 1021). 4 em relação ao Atlântico Sul e ao Índico, Portugal beneficiava da intervenção e reconhecimento pontifício (bula Papal de Alexandre VI). 5 sobre as teorias globais do poder mundial na perspectiva da teoria do poder marítimo, CORREIA, Pedro de Pezarat Manual de geopolítica e geoestratégia (pág. 153 e ss). 6 sobre a actual análise geopolítica da importância dos mares, CHAUPADRE, Aymeric Introduction à l analyse géopolitique (pág. 212 e ss.); 5

6 A implicação desta ideia de liberdade, para além de histórica, é a de ficar fundamentada, mais tarde, a extensão da territorialidade em sentido clássico, ao navio em alto-mar, segundo o pavilhão exibido, sendo hoje aceite que a competência do Estado do pavilhão é exercida de forma exclusiva. A actual soberania e território Portugal é uma República, um Estado de Direito, democrático, baseado na soberania popular art. 1.º e art. 2.º da Constituição da República Portuguesa. Um dos elementos constitutivos do Estado habitualmente considerado é o território. Este assume importância especial em sentido político internacional na medida em que o Estado exerce a sua soberania sobre esse território, defendendo-o em termos políticos, militares e económicos. Contemporaneamente e em sentido político, um território nacional tende a ser considerado como um espaço demarcado, historicamente definido e delimitado por fronteiras, quer naturais, quer artificiais 7 ou ambas e engloba diferentes domínios geográficos: o terrestre, (a terra firme), o fluvial e o marítimo. Sob a epígrafe Território, o art. 5.º da CRP, (em especial o n.º 2), diznos 8 : Artigo 5.o (Território) 1. Portugal abrange o território historicamente definido no continente europeu e os arquipélagos dos Açores e da Madeira. 2. A lei define a extensão e o limite das águas territoriais, a zona económica exclusiva e os direitos de Portugal aos fundos marinhos contíguos. 3. O Estado não aliena qualquer parte do território português ou dos direitos de soberania que sobre ele exerce, sem prejuízo da rectificação de fronteiras. 7 SOARES, Albino Azevedo Lições de Direito Internacional Público, pág artigos da Constituição Portuguesa relacionados com este preceito: 9.º al. a); 161.º al. j); 164.º al. g); 292.º. Legislação complementar da C.R.P.: Plataforma continental (Lei 2080, de 21 de Março de 1956); Jurisdição do mar territorial e da zona contígua (L. 2130, de 22 de Agosto de 1966); Largura e limites do mar territorial e zona económica exclusiva (L. 33/77, de 28 de Maio); Zona económica exclusiva e seus limites (D.L. 52/85, de l de Março); Exercício da pesca nas aguas sol') jurisdição portuguesa (D.L. 383/98, de 21 de Novembro); Linhas de fecho e de base nas costas do continente, dos Açores e da Madeira (D.L. 495/85, de 29 de Novembro); Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. 6

7 Pela lei fundamental portuguesa, a soberania portuguesa estende-se, com determinados limites, aos espaços marítimos adjacentes designados por águas territoriais e zona económica exclusiva. Como veremos, importa explicitar estes conceitos, bem assim a par de outros, para chegarmos à delimitação do que se poderá ter por liberdade do alto-mar. É assim que o conceito de território se reflecte no de espaço territorial para efeitos de política de Defesa Nacional e por sua vez nas actuais missões da Marinha portuguesa: A política de Defesa Nacional tem como principal objectivo a defesa do território nacional em toda a sua extensão, que abrange o Continente e as Regiões Autónomas dos Açores e Madeira. Na definição dessa política, devem inscrever-se os seguintes elementos matriciais: a) o território que se define, nas suas referências cardeais, entre o ponto mais a Norte, no concelho de Melgaço, até ao ponto mais a Sul, nas ilhas Selvagens; e do seu ponto mais a Oeste, na ilha das Flores, até ao ponto mais a Leste, no concelho de Miranda do Douro; b) o carácter descontínuo do nosso espaço territorial; c) o espaço estratégico de responsabilidade nacional que integra, até aos seus limites, as nossas águas territoriais, o espaço aéreo nacional, os fundos marinhos contíguos, a zona económica exclusiva e a zona que resultar do processo de alargamento da plataforma continental. 9 Direito do mar e direito marítimo As questões jurídicas do Mar integram-se num ramo do Direito marcadamente Público, o Direito do Mar. Diz-se marcadamente, porque se trata de um ramo do Direito que abrange tanto normas de Direito Internacional Público como Privado 10. É por isso que a doutrina tendia a acolher a separação de terminologia entre Direito do Mar (Law of the Sea) e Direito Marítimo (Maritime Law), este referente a aspectos mercantilísticos e técnicos do âmbito marítimo, de 9 on-line em 10 no mesmo sentido, ESTEVES, José M. P. Introdução ao armamento - navio, comandante e piloto. 7

8 onde sobressaem as condições de utilização dos diferentes espaços marítimos hoje considerados. 11 Outros autores 12 assentam a diferença entre uma e outra designação com base no sistema jurídico, em que à primeira corresponde o sistema anglosaxónico e à segunda o sistema jurídico de base romanista. Mas no plano internacional parece agora vingar a expressão Direito do Mar 13, conceito mais recente em relação aos restantes; e diz-se mais recente, porque foi adoptado em 1947 pela Assembleia Geral da ONU para caracterizar as três Conferências na base do que hoje consiste a codificação da parte do Direito Internacional relativa aos espaços marítimos, comumente referida por Convenção de Montego Bay (terminada em 1982 e em vigor desde 16 de Novembro de 1994; ratificada pelo Estado Português em 3 Novembro de 1997, sob declaração 14 ). Tribunais especiais As relações internacionais geram conflitos internacionais. Tanto em Direito Internacional como interno existem tribunais especiais marítimos. É o caso, no plano internacional, do Tribunal Internacional de Direito do Mar 15 situado em Hamburg, Alemanha, constituindo um dos quatro 16 mecanismos de dirimição de conflitos internacionais previstos na Convenção de Montego Bay. No ordenamento jurídico português, cabe aos Tribunais Marítimos 17 com algumas excepções de reserva, (como a presa para o Tribunal Marítimo de Lisboa), conhecerem de matéria cível, de matéria contra-ordenacional e com competência de execução das decisões que proferir DIOGO, Luís Costa et al, Direito internacional do mar, pág. 27 e ss. 12 GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, páginas iniciais. 13 idem 14 Decreto do Presidente da República n.º 67-A/97 de 14 de Outubro. Informação on-line em língua inglesa em 15 Informação on-line em composição e modo de fincionamento em DINH, Nguyen Quoc Direito Internacional Público, pág. 880; 16 os outros três são o Tribunal Internacional de Justiça e dois outros tipos de tribunais arbitrais. 17 os Tribunais marítimos são Tribunais Especiais previstos na Lei 3/99, de 13 de Janeiro (art. 78.º - Espécies e 90.º - Competência) e Regulado pela Lei n.º 35/86, de 4 de Setembro. Tribunal Marítimo de Lisboa, situado na Praça da Armada, em Lisboa. 18 Lei n.º 35/86, de 4 de Setembro; das diferentes competências: art. 5.º a 8.º; da competência cível, as indicadas no art.º 4.º: Indemnizações devidas por danos causados ou sofridos por navios, embarcações 8

9 A Lei Orgânica dos Tribunais Judiciais atribui-lhe o conhecimento de entre outras, de questões específicas em matéria cível 19, ligadas à propriedade e à posse de coisas assentes nos fundos do mar ou dele provenientes 20. Do Direito Marítimo Apesar do que se deixou quanto à diferenciação entre Direito Marítimo e Direito do Mar, para efeitos deste pequeno relatório opto por essa distinção apenas para abordagem dos limites marítimos num título separado. Parece pacífica a ideia de que se podem encontrar fontes remotas e fontes próximas deste ramo do Direito, em que as primeiras são constituídas por textos e compilações de usos e de costumes que remontam à Antiguidade, revelados por textos gregos e romanos 21. Em relação às chamadas fontes próximas, indicam-se as suas raízes no Código de Comércio Francês de 1808, a par de usos, de costumes, pela e outros engenhos flutuantes, ou resultantes da sua utilização marítima; Contratos de construção, reparação, compra e venda de navios, embarcações e outros engenhos flutuantes, desde que destinados ao uso marítimo; Contratos de transporte por via marítima ou contratos de transporte combinado ou multimodal; Contratos de transporte por via fluvial ou por canais, nos limites do quadro I anexo ao Regulamento Geral das Capitanias; Contratos de utilização marítima de navios, embarcações e outros engenhos flutuantes, designadamente os de fretamento e os de locação financeira; Contratos de seguro de navios, embarcações e outros engenhos flutuantes destinados ao uso marítimo e suas cargas; Hipotecas e privilégios sobre navios e embarcações, bem como quaisquer garantias reais sobre engenhos flutuantes e suas cargas; Processos especiais relativos a navios, embarcações, outros engenhos flutuantes e suas cargas; Decretamento de providências cautelares sobre navios, embarcações e outros engenhos flutuantes, respectiva carga e bancas e outros valores pertinentes aos navios, embarcações e outros engenhos flutuantes, bem como solicitação preliminar à capitania para suster a saída das coisas que constituam objecto de tais providências; Avarias comuns ou avarias particulares, incluindo as que digam respeito a outros engenhos flutuantes destinados ao uso marítimo; Assistência e salvação marítimas; Contratos de reboque e contratos de pilotagem; Remoção de destroços; Responsabilidade civil emergente de poluição do mar e outras águas sob a sua jurisdição; Utilização, perda, achado ou apropriação de aparelhos ou artes de pesca ou de apanhar mariscos, moluscos e plantas marinhas, ferros, aprestos, armas, provisões e mais objectos destinados à navegação ou à pesca, bem como danos produzidos ou sofridos pelo mesmo material; Danos causados nos bens do domínio público marítimo; Propriedade e posse de arrojos e de coisas provenientes ou resultantes das águas do mar ou nestas existentes, que jazem nos respectivos solo ou subsolo ou que provenham ou existam nas águas interiores, se concorrer interesse marítimo; Presas; Todas as questões em geral sobre matérias de direito comercial marítimo. 19 GUEDES, Armando M. Marques, Direito do Mar, pág. 147 e ss. iden para legislação especial portuguesa aí citada relativamente a aspectos do domínio da arqueologia subaquática. 20 al. r) art. 90.º da Lei 3/ ESTEVES, José M. P. Introdução ao armamento - navio, comandante e piloto. 9

10 jurisprudência e pela Doutrina 22, daqui emergindo quatro famílias de legislação marítima: modelo francês, um modelo formado pela Alemanha, Japão e Turquia, um modelo anglo-saxónico e finalmente, um modelo constituído pelos chamadas legislações modernas, por em geral adoptarem as Convenções Internacionais. Mar Ao conceito proposto pelos geógrafos, 23 como conjunto de espaços de água salgada, contrapõe-se o conceito jurídico, que incluirá outros elementos: o Os espaços de água salgada não constitui mar senão na faceta de permitirem a comunicação livre e natural sobre as extensões que cobre; o O Direito Internacional do mar abrange o seu solo, o seu subsolo e em alguns aspectos o espaço aéreo sobrejacente; São hoje diferentes espaços para além da superfície, abrangidos por legislação atinente à sua exploração. Navio Inerente à comunicação livre e natural no mar está o factor material que o permite e por isso mesmo há a necessidade de nos referirmos ao que se entende por navio e implicações jurídicas mínimas a ele ligadas 24. A definição mais simples parece ser a de parte da doutrina que o define como engenho flutuante capaz de navegação 25, assim classificado para 22 idem (pág. 20 e ss). 23 seguindo de perto os ensinamentos de DINH, Nguyen Quoc et al Direito Internacional Público; 24 SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág Cf. também com DINH, Nguyen Quoc et al Direito Internacional Público, pág. 971 a DINH, Nguyen Quoc et al Direito Internacional Público, pág. 972; a navegabilidade é, na opinião deste autor, critério de distinção essencial entre navio e pontões, docas flutuantes e ilhas artificiais, todos considerados engenhos flutuantes. Segundo outro autor, (ESTEVES, José M. P. Introdução ao armamento - navio, comandante e piloto), a problemática é extensível aos aerobarcos, (ou ainda segundo a designação de outros, navios pairantes), cujo estatuto continua por definir, havendo fortes reticências em classificá-los quer como aeronaves quer como navios, propondo a designação de embarcação para se referir a todos os meios de deslocação na água, por contraposição a navio, que se refere a um meio de transporte no mar. Ainda sobre a problemática da integração de aeronave no conceito de navio, cf. GOUVEIA, Jorge Bacelar Direito de Passagem inofensiva no novo Direito Internacional do Mar, pág

11 efeitos de distinção de outros engenhos flutuantes mas que não navegam autonomamente. O navio é considerado ou como público ou como privado, sendo critério de distinção entre ume outro o desempenho de uma função essencialmente estadual, caso em que se considerará navio público 26. No caso português, o Regulamento Geral das Capitanias propõe outras formas de classificação, referindo-se à possibilidade das embarcações 5 da Marinha Mercante poderem ser divididas em grupos distintos 27. O navio tem elementos de identificação, como o nome, a arqueação, (tonelagem bruta e ilíquida), a nacionalidade, (para a determinação da qual importa atender ao pavilhão, ao título de propriedade, ao passaporte de embarcação e ao rol da tripulação) e finalmente, o registo constante no porto de registo. A figura de capitão O do navio faz parte a sua equipagem. Uma curta nota sobre o capitão, uma das figuras mais relevantes em termos de Direito Marítimo, porque sobre este recaem responsabilidades de diverso tipo que advêm de diferentes funções. Em termos nacionais, algumas vêm expressas em diferentes diplomas do ordenamento jurídico interno, anteriormente consignadas no Livro Terceiro do Código Comercial 28 e outros Regulamentos SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág Segundo este autor, os navios podem ser classificados em duas grandes categorias: os navios privados (ou mercantes) e os navios públicos, subdividindo-se estes em navio públicos civis e navios de guerra. 27 Cf. ESTEVES, José M. P. Introdução armamento, navio, comandante e piloto, página 41; as embarcações podem considerar-se como agrupáveis nas categorias de comércio, de pesca, de recreio, de rebocadores e de auxiliares. Segundo o mesmo autor, classificação ou navio classificado pode ser, por outro lado, um termo empregue para significar que o navio cumpre com determinados requisitos técnicos (pág. 51). 28 Regime jurídico da cabotagem marítima - DL 194/98, de 10 de Julho, alterado pelo DL 331/99, de 20 de Agosto. Inspecção de Navios Estrangeiros (RINE) DL 195/98, de 10 de Julho. Regime jurídico da actividade dos transportes marítimos DL 196/98, de 10 de Julho. Regime jurídico da actividade dos transportes com embarcações de tráfego local DL 197/98, de 10 de Julho. Regime jurídico da actividade do gestor de navios DL 198/98, de 10 de Julho, alterado pelo DL 156/2000. de 22 de Julho. Regulamento do sistema tarifário dos portos nacionais - DL 200/98, de 10 de Julho, com as alterações do DL 539/99, de 13 de Dezembro. Estatuto legal do navio DL 201/98, de 10 de Julho. Responsabilidade do proprietário do navio e das entidades que o representam DL 202/98, de 10 de Julho. Regime jurídico da salvação marítima DL 203/98, de 10 de Julho. Regime jurídico relativo à tripulação do navio DL 384/99, de 23 de Setembro. Registo de pessoas que viagem em navios de 11

12 Basicamente as funções do comandante parecem poder resumir-se a quatro tipos (técnicas, comerciais, públicas e disciplinares), sendo particularmente relevantes para o Direito Internacional Privado as terceiras indicadas, por força dos diferentes autos de ocorrência com interesse para o registo civil (nomeadamente óbitos, naufrágio, nascimentos, desaparecimento) 30. Destaca-se também a sua obrigação de prestar socorro 31. Sendo uma figura com diversas responsabilidades, no n.º 4 do art. 94 da Convenção de Montego Bay de 1982 encontram-se enumeradas algumas obrigações de inspecção, de garantia de manutenção e de tripulação, que recaem sobre os Estados, tendo em vista a segurança da navegação. Do Direito do Mar Águas interiores Visto de passagem o Direito Marítimo, (o Direito do Mar técnico?), apresentam-se em revista alguns conceitos ligados ao Direito do Mar, infelizmente em foco devido aos recentes desastres marítimos com grande repercussão ecológica. Perceber-se-á que as matérias de um e do outro Direitos, se entrecruzam. Segundo alguns autores, excluem-se do conceito de Direito do Mar as superfícies de água doce (como exemplo os rios, os lagos, os rios que coincidem com linha de demarcação das fronteiras terrestres). As águas interiores definem-se como "as águas situadas entre passageiros DL 547/99, de 14 de Dezembro. Transporte marítimo de mercadorias DL 352/86, de 21 de Outubro. Transporte de passageiros pôr mar - DL 349/ 86, de 17 de Outubro. Contrato de fretamento DL 191/87, de 29 de Abril. Aplicação da Convenção Internacional de Linhas de Carga, de 1966, a que Portugal aderiu pelo DL , de 26 de Agosto de 1969 Regulamentada pelo DL 189/98, de 10 de Julho. Regulamento do serviço radioeléctrico das embarcações Aprovado pelo DL 190/98, de 10 de Julho. Regime jurídico aplicável aos meios de salvação de embarcações nacionais DL 191/98, de 10 de Julho. Aplicação do Código Internacional de Gestão para a Segurança da Exploração dos Navios e para a Prevenção da Poluição DL 193/98, de 10 de Julho. 29 Regulamento Geral das Capitanias - Aprovado pelo DL 265/72, de 31 de Julho, e depois alterado pela Lei 35/86, de 4 de Setembro, pelo DL 162/88, de 14 de Maio, pelo DL 55/89, de 22 de Fevereiro e pelo DL 208/2000, de 2 de Setembro. A Portaria n. 32/90 de 16 de Janeiro, alterou o quadro n.º 2, anexo ao DL 265/ ESTEVES, José M. P. Introdução armamento, navio, comandante e piloto, pág. 137 e ss., onde se enunciam cada uma das quatro funções do capitão ali indicadas. 31 art. 98 da Convenção sobre Direito do Mar de 1982; sobre aquela obrigação e a possibilidade ou não de se remunerar o salvamento, cf. RAPOSO, Mário Estudos sobre o novo Direito Marítimo, pág. 104 e ss. Na mesma obra, considerações profundamente críticas acerca da legislação portuguesa sobre salvação marítima, integrando em estudo crítico o texto da Convenção Internacional de 1989 sobre Salvação. 12

13 a linha normal da maré-baixa e o território terrestre", ficando assim abrangidas as "águas dos portos, os golfos, as baías os estuários, os mares internos, os estreitos e canais". Estas "águas interiores" são para todos os efeitos território estadual, submetidas à soberania do Estado ribeirinho ou costeiro, onde a soberania deste nem encontra excepção quanto ao direito de passagem inocente 32 : tem que haver autorização do Estado costeiro para sulcar essas águas. Contudo, a prática é de uma permissão tácita para a navegabilidade naquelas águas. Mar territorial Este conceito abrange o espaço entre a "linha normal de maré baixa até uma distância sobre a qual não há unanimidade de pontos de vista.", conforme art. 1.º da Convenção sobre Mar territorial e a Zona Contígua 33 : CONVENÇÃO DE GENEBRA SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA DE 29 DE ABRIL DE 1981 Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes: PRIMEIRA PARTE MAR TERRITORIAL SECÇÃO l DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo l.º l. A soberania do Estado estende-se, para além do seu território e das suas águas interiores, a uma zona de mar adjacente às suas costas, designada sob o nome de mar territorial. 2. Esta soberania exerce-se nas condições fixadas nas disposições dos presentes artigos e pôr outras regras de direito internacional. Artigo 2. A soberania do Estado ribeirinho estende-se ao espaço aéreo superior ao mar territorial, e bem assim ao leito e ao subsolo deste mar. SECÇÃO II LIMITES DO MAR TERRITORIAL Artigo GOUVEIA, Jorge Bacelar O Direito de passagem inofensiva no novo Direito Internacional do Mar; para o autor, trata-se de um direito de gozo; pág Aprovada, para ratificação, pelo Decreto-Lei n , de 3 de Agosto de A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de que Portugal é parte, nos termos do disposto no seu artigo 311, prevalece, nas relações entre os Estados Partes, sobre esta Convenção de Genebra sobre o mar territorial e a zona contígua, que data de 29 de Abril de Extraído de MARTINS, Afonso D Oliviera Textos Básicos de Direito do Mar, 2.ª ed. AAFDL,

14 Salvo disposição em contrário contida nos presentes artigos, a linha de base normal para medir a largura do mar territorial é a linha da maré baixa, ao longo da costa, conforme marcada nas cartas. No caso português a largura do mar territorial foi fixada pela Lei 33/77 de 28 de maio em doze milhas marítimas 34, (n.º 1 do art. 1.º), absorvendo nesta fixação o espaço designado por zona contígua 35 em consonância com o Direito Internacional, já que deste resulta ilegítima a pretensão de qualquer Estado de reivindicar sob aquela designação, qualquer extensão para além daquele limite 36. O Estado costeiro pode mesmo exercer diversos actos revestidos de imperii, uns de carácter económico e neste caso de forma exclusiva, outros de carácter cível (como o arresto 37 ) e bem assim outros de carácter penal, abrangendo tanto a fiscalização (prevenção geral) como a repressão, havendo inclusive direito a encetar perseguição a navios nacionais ou estrangeiros desde que reunidas determinadas condições. Tal perseguição é conhecida como "hot persuit" 38 e constitui um direito segundo o qual um Estado pode perseguir, (através de navios e de aeronaves exibindo sinalética inequívoca de que estão ao serviço de um serviço público), inspeccionar, deter e desviar um navio arvorando pavilhão diferente desse Estado, desde que existam razões sérias de que foram violadas leis e regulamentos. Aqui, (Mar Territorial), a soberania do Estado costeiro é quase completa e diz respeito também ao espaço aéreo suprajacente, às águas, ao leito e ao subsolo desta área em causa, mantendo-se, segundo o mesmo autor, o direito de passagem inofensiva 39 de todos os navios, incluindo os de guerra 40, desde que na observância de determinadas circunstâncias. 34 milha; [...]; ~ marítima: comprimento de 1852 m; [...]; (Do lat. milîa, «id.») ; on-line, 35 a Zona Contígua portuguesa foi extinta pelo n.º 1 do art. 11 da mesma Lei 33/77 de 28 de Maio; in GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, com repercussões sobre questões ligadas à defesa do património cultural; pág. 145 a SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág. 230 e sobre este, cf. RAPOSO, Mário Estudos sobre o novo Direito Marítimo, pág art. 111 da Convenção de Montego Bay. Análise do conceito, condições de execução e limites in SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág. 227, 231 e 232, 242. DINH, Nguyen Quoc Direito Internacional Público, pág e ss. 39 sobre este conceito, em concreto, GOUVEIA, Jorge Bacelar Direito de Passagem inofensiva no novo Direito Internacional do Mar, pág. 25 e ss.; idem, para a distinção entre a liberdade do mar-alto e o direito de passagem inofensivo : este só tem aplicação em águas submetidas à soberania dos Estados. 40 SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág. 227 e 228. Uma curta nota para assinalar a capacidade de os navios de guerra poderem conceder asilo político o asilo naval : pág

15 São os chamados poderes de polícia reconhecidos aos Estados pelo Direito Internacional (Convenções de Montego Bay e de Genebra), que os consignam e graduam. Admitem-se actos como a aproximação, reconhecimento do pavilhão, visita e inspecção, desvio, apreensão e imobilização, confisco e mesmo a destruição. O direito Internacional integrou no texto da Convenção de Montego Bay deveres de cooperação a repressão em dois domínios, a saber, o narcotráfico e o de emissões radiofónicas e de televisão contrárias à regulamentação internacional. E em termos de protecção e preservação do meio marinho 41 a mesma Convenção sintetizou na Parte XII diversos acordos de cooperação anteriores, (por exemplo, os referentes ao Canal da Mancha, Mar do Norte e Mediterrâneo, respectivamente, de Bona de 1983 em relação aos primeiros e de Barcelona de 1969 em relação ao último) e incumbiu os Estados de promoverem a legislação adequada ao tema, tratando inclusive de alguns tipos de poluição (artigos 207 e ss.). A plataforma continental Em termos geológicos, Plataforma Continental Zona adjacente a um continente (ou em redor de ilhas, no caso da plataforma insular) que se estende a partir do nível das marés baixas até a uma profundidade onde existe habitualmente um nítido aumento de declive em direcção às grandes profundidades oceânicas. Estas superfícies são planas com inclinações reduzidas (5º), afundando até 200 m. A sua extensão média é de 60 Km, podendo variar entre 1000 Km no Árctico, e alguns Kms nas costas oeste da América do Norte e do Sul. 42 Parece haver o entendimento 43 de que a partir de 1945 (28/9/ declaração Truman), se reconhece o direito aos Estados ribeirinhos de poderem explorar recursos naturais do leito do mar e do subsolo da plataforma continental correspondente ao alto-mar. Àquela declaração segui-se a Convenção de Genebra de 1958 sobre a Plataforma Continental, que a definiu, ao mesmo tempo que legitimava o 41 DINH, Nguyen Quoc, Direito Internacional Público, pág e ss.; iden para extensa enumeração das principais convenções sobre ambiente marinho, pág referência disponível on-line em 43 SOARES, Albino Azevedo Lições de Direito Internacional Público; pág. 234 e ss.; parece tratar-se de uma declaração unilateral que fundou um costume internacional; este, foi incluído na Convenção de Genebra de

16 costume assente na Declaração Truman. Por aquele texto, a exploração económica em causa não podia colidir com a liberdade de navegação e de sobrevoo do alto-mar, sendo que o actual texto da Convenção de Montego Bay o reafirma, estabelecendo os limites, os direitos e os deveres dos Estados ribeirinhos art. 76 e ss. O alto-mar Segundo o Senhor Professor Albino Azevedo Soares, (Lições Direito Internacional Público), a Lei 33/77 de 28 de Maio fixa as seguintes extensões: - 12 milhas marítimas para o mar territorial; milhas marítimas para a chamada Zona Económica Exclusiva (ZEE). Figura 1: representação da ZEE portuguesa (retirado do site do Instituto Hidrográfico, Esta fixação de espaços é importante na medida em que o "o alto mar é formado por «todas as partes do mar que não pertencem ao mar territorial 16

17 ou às águas interiores dum Estado»" 44. Trata-se de uma definição de forma negativa [...] ou por exclusão de partes 45 Em termos de regime jurídico daquele espaço temos que em princípio, no alto mar cada navio está sujeito à jurisdição do Estado do pavilhão que arvora, não podendo arvorar mais que um, sob pena se ser equiparado a navio sem nacionalidade 46. A ideia subjacente é de que este espaço não está ao sabor da livre utilização de cada utilizador, mas sim de que se trata de uma coisa comum, uma res comunis, da qual todos podem usufruir sem se apropriar 47 e que engloba a Zona, ou seja, os seus recursos e os fundos marinhos, que são considerados património Mundial 48, cabendo com aquela utilização a obrigação de utilização pacífica. Para efeito de controlo, foi criada no âmbito da Convenção de Montego Bay uma Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos. Na ZEE cabe ainda o direito de visita, de inspecção e de apresamento nos termos do art. 73 da Convenção, sob a epígrafe execução de leis e de regulamentos do Estado costeiro, a este cabendo por isso fixar, com a devida publicidade, todas as medidas que tomar naqueles domínios 49. A exploração de todos os recursos naturais na ZEE fica sujeita a critérios de bom senso que se devem traduzir na preservação e protecção do ambiente marinho em geral, bem como dos direitos dos outros Estados. As liberdades do alto-mar Depois de uma breve (e por isso necessariamente incompleta) passagem pelos tópicos que tivemos por inerentes ao tema principal e após a definição de alto mar a que tínhamos sido conduzidos, percebemos então porque há a presunção 50 de liberdade naquele espaço: sobre o alto-mar não se reconhece 44 SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág DIOGO, Luís Costa et al, Direito internacional do mar, pág. 79. No mesmo sentido GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, pág SOARES, Albino Azevedo - Lições de Direito Internacional Público; pág. 241; Ainda deste autor se pode extrair que segundo a Convenção de Genebra de 1958, cabe o direito de aproximação e visita; 47 DINH, Nguyen Quoc Direito Internacional Público; 48 art. 136 da Convenção sobre o Direito do Mar de 10 de Dezembro de 1982 Montego Bay. 49 in GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, pág. 164 e ss. A ZEE portuguesa está, por sua vez, subdividida em três subáreas, respectivamente correspondentes ao Continente, Madeira e Açores: mesma obra, pág. 172 e ss. A figura 1 pretende ilustrar as divisões referidas. 50 artigos 87 e ss. Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de 10/12/1982; in AAFDL 17

18 soberania territorial dos Estados e nisso mesmo consiste o princípio da liberdade 51. E é por isso um espaço aberto a todos os Estados, quer sejam costeiros ou sem litoral : assim se consigna no art. 87 Convenção de Montego Bay de Tradicionalmente e antes desta positivação, entendia-se que tais liberdades se reconduziam a dois planos: liberdade de navegação 52 e liberdade de pesca. Mas em Direito Internacional é naquele mesmo artigo que encontramos decompostas as diferentes liberdades que compõem a liberdade do alto mar, a saber, a liberdade de navegação 53, de sobrevoo, de pesca, de colocação de cabos e de condutas submarinas, de construção de ilhas artificiais e de pesquisa científica. Por isso a doutrina considera estas liberdades como típicas. São as necessidades de exploração de recursos e de avanço tecnológico que estão na base da sua nomenclatura originária e que conduzirão à sua extinção enquanto estatuto autónomo de Alto Mar por força de jurisdições nacionais que lentamente se vão apropriando daquele espaço 54, conforme prognóstico algo pessimista, mas no meu humilde entender realista, permitindo-me a este propósito citar 55 enquanto transcrevendo, um elucidativo e insubstituível trecho sobre o Alto Mar e necessariamente as suas liberdades: Figuras como a Zona Contígua, a Zona Económica Exclusiva, a Plataforma Continental e, a fechar por agora o ciclo, a Área (sobre que exercerá jurisdição a Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos), são marcos a atestar a progressão no sentido da perda da dimensão originária que possuía. Quando a evolução atingir o seu termo, o Alto Mar deixará de existir. A figura independente, dotada de estatuto próprio, que hoje ele ainda é, ter-se-á fraccionado num conjunto de figuras autónomas em tomo das quais se ordenarão estatutos parcelares diferenciados. É num estádio já relativamente adiantado desta mutação que o Alto Mar presentemente se encontra. Há algumas décadas, o regime característico que lhe cabia era aplicável não apenas à superfície das águas como à espessura delas, à camada aérea que se lhes sobrepunha, e ao leito e subsolo que pôr sob elas se encontrava. Na actualidade, o Alto Mar abarca unicamente a superfície, a espessura das águas e a camada aérea que se lhes sobrepõe. Parte Textos de Direito Internacional Público, pág. 61 e ss. 51 aqui seguimos DINH, Nguyen Quoc Direito Internacional Público, pág ss.; presunção porque as liberdades indicadas não são absolutas. O autor refere ainda que a Convenção de Montego Bay é omissa às liberdades do mar alto em caso de guerra. 52 correlacionado com o direito de não interferência na navegação; 53 tanto em superfície como em profundidade; cf. GOUVEIA, Jorge Bacelar Direito de Passagem inofensiva no novo Direito Internacional do Mar, pág. 85. Iden, para a diferenciação que o autor coloca quanto à navegação submersa, permitida pelo principio da liberdade do alto-mar, mas excluída do direito de passagem inofensiva. 54 creeping jurisdiction ; GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, pág. 245 e ss. 55 GUEDES, Armando M. Marques Direito do Mar, pág. 241 e ss. 18

19 da superfície e da espessura estão, aliás, sujeitas às restrições e limitações que resultam da existência de zonas contíguas e de zonas económicas exclusivas. Segundo o mesmo autor os limites ao exercício daquelas liberdades reduziam-se às liberdades dos diferentes Estados para exercício idêntico. Ultimamente emergem do Direito Internacional subsequente à Convenção de Montego Bay outros tipos de limitações certamente resultantes da consciência político-económica do conceito de escassez dos recursos naturais, sendo que ao novo leque de restrições se ligam deveres de conservação do equilíbrio ecológico do património comum da Humanidade responsabilizando, conforme o caso, civil e criminalmente 56 pelo mau uso daquele espaço, como é o caso da ameaça ecológica pela poluição marítima. É assim que em jeito de conclusão resumo que a liberdade do Mar-alto é originária dum costume da navegação e por isso mesmo veio a ser fonte de Direito Internacional, regida hoje pela Convenção de Montego Bay (que por sua vez, integra como vimos costumes internacionais), cada vez mais espartilhada entre zonas de mar definidas por legislação local e juridicamente protegido dos usos negligentes e dos abusos inerentes à sua exploração com vista à sua própria preservação. Lisboa, 5 de Janeiro de em Direito Interno: Código Penal, art. 278 a art. 280; v.g. Legislação no final do relatório. Em Direito Internacional: art. 235 da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar; sobre deveres de preservação e de colaboração nesse sentido: toda a Parte XII da mesma Convenção. 19

20 Índice alfabético Águas interiores, 12, 13 águas territoriais, 6, 7 arresto, 14 As leis da Guerra e da Paz, 5 asilo naval, 14 capitão, 11, 12 Convenção de Montego Bay, 8, 15, 16, 18, 19 creeping jurisdiction, 18 De jure praedae, 5 De Justo imperio Lusitanorum Asiatico, 5 Declaração Truman, 16 direito de passagem inofensiva, 14, 18 direito de passagem inofensivo, 14 espaço aéreo, 7, 10, 13, 14 espaço territorial, 7 famílias de legislação marítima, 10 fronteiras, 6, 12 hot persuit, 14 Hugo Grócio, 5 Law of the Sea, 7 liberdade de navegação, 16, 18 liberdade de pesca, 18 liberdade do alto-mar, 7, 18 mar territorial, 13, 14, 16, 23 mare clausum, 5 mare nostrum, 5 Maritime Law, 7 milha, 14 milhas marítimas, 14, 16 narco-tráfico, 15 navio sem nacionalidade, 17 ONU, 8 princípio da liberdade, 18 res comunis, 17 Serafim de Freitas, 5 território, 6, 13 território nacional, 6, 7 Tribunal Internacional de Direito do Mar, 8 Tribunal Marítimo, 8 ZEE. Ver Zona Económica Exclusiva zona contígua, 13, 14 zona económica exclusiva, 6, 7, 23 20

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

Organização da justiça - Portugal

Organização da justiça - Portugal Organização da justiça - Portugal OS TRIBUNAIS DE COMPETÊNCIA ESPECIALIZADA: Os Tribunais de família Os Tribunais de família são competentes para preparar e julgar: a) os processos de jurisdição voluntária

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 58/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 58/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 58/X Exposição de Motivos Portugal é parte da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, assinada em 10 de Dezembro de 1982, e do Acordo Relativo à Aplicação da Parte XI da

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ALTO MAR

CONVENÇÃO SOBRE O ALTO MAR Decreto-Lei n.º 44490 Convenção sobre o alto mar, aprovada na 1.ª Conferência de Direito do Mar, realizada em Genebra em 1958, e assinados em 28 de Outubro do mesmo ano Usando da faculdade conferida pela

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência A responsabilidade dos navios que arvoram bandeira de conveniência Claudia Ligia Miola Lima O navio quando obtém o registro de propriedade está submetido às leis inerentes à bandeira e pode gozar dos benefícios

Leia mais

NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR. 1. Termos utilizados e âmbito de aplicação

NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR. 1. Termos utilizados e âmbito de aplicação Índice PREFÁCIO CONVENÇÃO DAS PREÂMBULO NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR 27 29 29 PARTE I. INTRODUÇÃO Artigo 1. Termos utilizados e âmbito de aplicação 31 33 PARTE II. SECÇÃO 1. SECÇÃO 3. MAR TERRITORIAL

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR DECRETO Nº 1.530, DE 22 DE JUNHO DE 1995 Declara a entrada em vigor da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, concluída em Montego Bay, Jamaica, em 10 de dezembro de 1982. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

resoluções acima referidas e ainda as responsabilidades que a Portugal incumbem enquanto potência administrante do território em causa; 6) Portugal

resoluções acima referidas e ainda as responsabilidades que a Portugal incumbem enquanto potência administrante do território em causa; 6) Portugal Resolução da Assembleia da República n.º 60-B/97 Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar e o Acordo Relativo à Aplicação da Parte XI da mesma Convenção Aprova, para ratificação, a Convenção

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

DECRETO Nº 1.530, DE 22 DE JUNHO DE 1995. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art.84, inciso VIII, da Constituição, e

DECRETO Nº 1.530, DE 22 DE JUNHO DE 1995. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art.84, inciso VIII, da Constituição, e DECRETO Nº 1.530, DE 22 DE JUNHO DE 1995. Declara a entrada em vigor da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, concluída em Montego Bay, Jamaica, em 10 de dezembro de 1982. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Diário da República n.º 238/97 Série I-A, 1.º Suplemento de 14 de Outubro de 1997

Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Diário da República n.º 238/97 Série I-A, 1.º Suplemento de 14 de Outubro de 1997 Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar Diário da República n.º 238/97 Série I-A, 1.º Suplemento de 14 de Outubro de 1997 Resolução da Assembleia da República n.º 60-B/97 SUMÁRIO: Aprova, para

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I

ASSEMBLÉIA NACIONAL CAPÍTULO I ASSEMBLÉIA NACIONAL Lei n.º 3/94 de 21 de Janeiro O Regime Jurídico dos Estrangeiros na República de Angola é parcialmente regulado pela Lei n.º 4/93, de 26 de Maio e pelo Decreto n.º 13/78, de 1º de Fevereiro.

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I

DIREITO ADMINISTRATIVO I UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO I 2.º Ano Turma B PROGRAMA DA DISCIPLINA Ano lectivo de 2011/2012 LISBOA 2011 Regente: Prof. Doutor Fausto de Quadros ELEMENTOS DE ESTUDO

Leia mais

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III

Direito Ambiental. Prof. Fabrício Ferreira Aula III Direito Ambiental Prof. Fabrício Ferreira Aula III 1 Direito Internacional NOÇÕES PRELIMINARES CONCEITO: É o conjunto de normas jurídicas que regulam as relações mútuas dos Estados e, subsidiariamente,

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA. Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes:

CONVENÇÃO SOBRE O MAR TERRITORIAL E A ZONA CONTÍGUA. Os Estados partes na presente Convenção acordaram nas disposições seguintes: Decreto-Lei n.º 44490 Convenção sobre o mar territorial e a zona contígua, aprovada na 1.ª Conferência de Direito do Mar, realizada em Genebra em 1958, e assinados em 28 de Outubro do mesmo ano Usando

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 13/2007. Lei de Base de Segurança Marítima e de Prevenção contra a Poluição

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

SUPLEMENTO. Série I, N. 4 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE

SUPLEMENTO. Série I, N. 4 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE Série I, N. 4 $ 6.75 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUPLEMENTO SUMÁRIO GRÁFICA NACIONAL DE TIMOR-LESTE : Declaração de Rectificação N o. 02/2012 de 27 de Dezembro Republicação

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada.

2.1. Objectivo Geral: Ministrar uma formação especializada sobre matérias de segurança, numa óptica multidisciplinar, mas integrada. PROGRAMA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E SEGURANÇA 1. Apresentação A Fundação Direito e Justiça e o Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais, em parceria, com a Faculdade de Direito da

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado;

7. Condicionantes. : Reserva Ecológica Nacional; : Reserva Agrícola Nacional; : Domínio Público Hídrico; : Património Classificado; 7. Condicionantes De acordo com a legislação em vigor existe um conjunto de figuras legais que de algum modo, condicionam o território ou constituem servidões administrativas e outras restrições de utilidade

Leia mais

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Concurso Delegado de Polícia Federal 2012 Prof. Leopoldo Canal Leopoldo Canal, advogado, assessor e procurador do consulado da República da Guiné no Rio de Janeiro, diretor

Leia mais

PROTECÇÃO DE RECURSOS MARINHOS PERSPECTIVA JURÍDICA INTERNACIONAL DECISÕES DO TRIBUNAL INTERNACIONAL DO DIREITO DO MAR

PROTECÇÃO DE RECURSOS MARINHOS PERSPECTIVA JURÍDICA INTERNACIONAL DECISÕES DO TRIBUNAL INTERNACIONAL DO DIREITO DO MAR PROTECÇÃO DE RECURSOS MARINHOS PERSPECTIVA JURÍDICA INTERNACIONAL DECISÕES DO TRIBUNAL INTERNACIONAL DO DIREITO DO MAR Comunicação apresentada pela Dra. Cristina Lança, em 30 de Junho Introdução Tem havido

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças

28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças 28. Convenção sobre os Aspectos Civis do Rapto Internacional de Crianças Os Estados signatários da presente Convenção, Firmemente convictos de que os interesses da criança são de primordial importância

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças

21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças 21. Convenção sobre a Administração Internacional de Heranças Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns a fim de facilitar a administração internacional de

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno

Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Resolução da Assembleia da República n.º 56/94 Convenção n.º 171 da Organização Internacional do Trabalho, relativa ao trabalho nocturno Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 171 da Organização Internacional

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que:

1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO INTERNACIONAL 1. Sobre a teoria geral do direito internacional, é correto afirmar que: A) O Direito Internacional Público tem como um de seus pilares

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março

DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março A competição internacional no sector da marinha de comércio é extremamente forte, tendo conduzido à baixa acentuada e prolongada dos fretes marítimos, facto este que

Leia mais

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA a. Enquadramento Legislativo Nos termos conjugados dos artigos 19.º, 21.º, 25.º, 55º, do ponto ii), da alínea b), do nº1,

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOÃO MARTINS CLARO

CURRICULUM VITAE JOÃO MARTINS CLARO CURRICULUM VITAE JOÃO MARTINS CLARO I - QUALIFICAÇÕES ACADÉMICAS 1. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa em 1976, com a classificação final de 15 valores. 2. Pós-graduado

Leia mais

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas

Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Direito do Mar: evolução e repercussão política. O caso especial das pescas Marta Chantal Ribeiro Conferência de Lançamento do Livro Políticas Públicas do Mar, 23 de Novembro de 2010 Direito do Mar - Conceito:

Leia mais

18/08/2011. Marcelo Alvares Vicente 2011

18/08/2011. Marcelo Alvares Vicente 2011 Marcelo Alvares Vicente 2011 Mar Desenvolvimento econômico mundial Espaço marítimo Importante para a economia mundial globalizada exploração do leito e subsolo Compõe 73% da superfície do globo Comércio

Leia mais

RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO

RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO 1 RISCOS NA ZONA COSTEIRA: CARACTERIZAÇÃO DOS ACIDENTES PESSOAIS NO DOMÍNIO PÚBLICO P HÍDRICO H NO TROÇO O AVEIRO-FIGUEIRA DA FOZ José António Velho Gouveia ISCIA javg@meo.pt Maio 2010 2 Sumário Conceitos

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência

Artigo 1.º Imunidade de jurisdição e insusceptibilidade de busca, apreensão, requisição, perda ou qualquer outra forma de ingerência Resolução da Assembleia da República n.º 21/2002 Decisão dos Representantes dos Governos dos Estados- Membros da União Europeia, reunidos no Conselho, de 15 de Outubro de 2001, Relativa aos Privilégios

Leia mais

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR

ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR ACORDO QUADRO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA TURQUIA SOBRE COOPERAÇÃO MILITAR A República Portuguesa e o Governo da República da Turquia, doravante designados individualmente

Leia mais

Para ser presente á Assembleia Nacional.

Para ser presente á Assembleia Nacional. Decreto-Lei n.º 286/71 Tratado sobre os Princípios Que Regem as Actividades dos Estados na Exploração e Utilização do Espaço Exterior, Incluindo a Lua e Outros Corpos Celestes, assinado em Washington,

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Assembleia Nacional Lei n. º 3/06 de 18 de Janeiro Torna se necessário regular o direito de participação e de intervenção das Associações de Defesa do Ambiente na gestão ambiental

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas

Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Publicação, Identificação e Formulário dos Diplomas Lei n.º 74/98, de 11 de novembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 2/2005, de 24 de janeiro 1 2, Lei n.º 26/2006, de 30 de junho, Lei n.º 42/2007,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão APA Administração do Porto de Aveiro, S.A. A sustentabilidade do Porto de Aveiro é a garantia do seu futuro. A génese do Porto de Aveiro está ligada à história da Ria e

Leia mais

UD II - EUROPA FÍSICA

UD II - EUROPA FÍSICA UD II - EUROPA FÍSICA 7. Hidrografia 8. Tipos de mares 9. Hidrovias Referências: Geografia em Mapas (pgs. 46 e 47). Geoatlas 9º ANO 2º BIMESTRE - TU 902 AULA 2 7. HIDROGRAFIA As regiões mais elevadas do

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 74/CNECV/2013 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE O PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA, RELATIVO À INVESTIGAÇÃO BIOMÉDICA (Julho de

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 51/1991 Acordo de Transportes Marítimos entre a República Portuguesa e a República de Moçambique Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados

Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao Envolvimento de Crianças em Conflitos Armados Os Estados Partes no presente Protocolo, Encorajados pelo apoio esmagador à Convenção

Leia mais

Dados Pessoais. Contactos profissionais: joaomiranda@fd.ul.pt jmiranda@falm.pt

Dados Pessoais. Contactos profissionais: joaomiranda@fd.ul.pt jmiranda@falm.pt I Dados Pessoais JOÃO PEDRO OLIVEIRA DE MIRANDA Nascido a 28 de Agosto de 1972 Natural de Lisboa Contactos profissionais: joaomiranda@fd.ul.pt jmiranda@falm.pt 1 II Dados Curriculares 1. Ocupações actuais

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. Lei n. o 7/2002

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL. Lei n. o 7/2002 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL Lei n. o 7/2002 de 20 de Setembro FRONTEIRAS MARÍTIMAS DO TERRITÓRIO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE A Constituição da República Democrática

Leia mais

CURRICULUM VITAE DE JAIME RUI DRUMMOND LEITÃO DO VALLE

CURRICULUM VITAE DE JAIME RUI DRUMMOND LEITÃO DO VALLE CURRICULUM VITAE DE JAIME RUI DRUMMOND LEITÃO DO VALLE Curriculum Vitae de Jaime Rui Drummond Leitão do Valle DADOS PESSOAIS Data de nascimento: 10 de Julho de 1968 Naturalidade: Lisboa Nacionalidade:

Leia mais

CURRICULUM VITAE NOME DATA DE NASCIMENTO HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CONHECIMENTO DE LÍNGUAS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL - JOSÉ MIGUEL SARDINHA - 15/09/59

CURRICULUM VITAE NOME DATA DE NASCIMENTO HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CONHECIMENTO DE LÍNGUAS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL - JOSÉ MIGUEL SARDINHA - 15/09/59 CURRICULUM VITAE NOME - JOSÉ MIGUEL SARDINHA DATA DE NASCIMENTO - 15/09/59 HABILITAÇÕES LITERÁRIAS - LICENCIADO EM DIREITO PELA FACULDADE DE DIREITO DE LISBOA (1984). 13 valores.grau de Mestre em Direito

Leia mais

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa;

A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; 1 2 A Região Autónoma dos Açores é composta por nove ilhas localizadas no Atlântico Norte, entre a América do Norte e a Europa; As ilhas encontram-se dispersas por uma extensão de 600km, desde Santa Maria

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

REGULAMENTO DA MARINA

REGULAMENTO DA MARINA REGULAMENTO DA MARINA (Aprovado na Assembleia Geral a 16 de Abril de 1999) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objectivo e âmbito de aplicação O presente regulamento contém as disposições fundamentais

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS Aprovada em Nova Iorque, em 28 de Setembro de 1954 Entrada em vigor: 6 de Junho de 1960, em conformidade com o artigo 39.º As Altas Partes Contratantes, PREÂMBULO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA. Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964.

CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA. Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964. CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA DADOS PESSOAIS: Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964. Estado civil: solteiro. Trabalha em Lisboa, com escritório na Rua

Leia mais

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal

Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos do novo quadro legal RESOLUÇÃO ALTERNATIVA DE LITÍGIOS Arbitragem voluntária tem nova lei a boleia da troika Acelerar a resolução de litígios entre empresas e chamar arbitragens internacionais a Portugal são dois propósitos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015

PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas PLANIFICAÇÃO ANUAL DIREITO 12ºANO DE ESCOLARIDADE ANO LECTIVO 2014/2015 (Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, alterado pelo Decreto-Lei nº 91/2013,

Leia mais