Envelhecimento Ativo Por: Elisa Franco de Assis Costa, geriatra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Envelhecimento Ativo Por: Elisa Franco de Assis Costa, geriatra"

Transcrição

1 informativo via médica 1 c início b Ano 04 nº 10 setembro de 2011 Envelhecimento Ativo Por: Elisa Franco de Assis Costa, geriatra Um programa para toda a vida, que engloba desde hábitos saudáveis e ações preventivas de saúde até mudanças no trânsito, nas edificações e nas calçadas das grandes cidades Uma das maiores conquistas do século XX foi o aumento da expectativa de vida do ser humano, inclusive nos países em desenvolvimento como o Brasil. Entretanto, essa conquista traz para o século XXI o desafio de garantir que os anos de vida ganhos sejam vividos com qualidade e que os idosos continuem mantendo a autonomia e a capacidade para executar as atividades de vida diária sem que necessitem da ajuda ou da supervisão de seus jovens e atarefados descendentes. Para enfrentarmos esse novo desafio, cada indivíduo tem que começar a fazer a sua parte desde a juventude e continuar fazendo mesmo depois de chegada a terceira idade. E o que é preciso fazer? Inicialmente, é necessário que cada indivíduo se engaje em programas de Envelhecimento Ativo, que é como são chamadas pela Organização Mundial de Saúde as ações de otimização das DETECÇÃO PRECOCE DE DOENÇAS Autoexame das mamas e dos testículos Avaliação médica e odontológica periódica Avaliação para câncer de colo de útero, pele, intestinos e próstata Aferir a pressão arterial regularmente Dosar regularmente a glicose e os lipídios sanguíneos Avaliação da memória de indivíduos idosos Avaliação periódica da visão e da audição PROTEÇÃO DA SAÚDE Uso de protetor solar Vacinação Usar corretamente os medicamentos prescritos e evitar a automedicação Não conduzir veículos sob efeito do álcool, usar cintos de segurança e capacetes Prevenir quedas Evitar o tabagismo e o abuso de álcool ou outras substâncias Evitar exposição a ruídos intensos oportunidades de saúde, participação e segurança com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ficam mais velhas. Na verdade, esses programas englobam não só ações voltadas para a prevenção e para a promoção de saúde, mas as ações de preservação ambiental e as adaptações nos ambientes urbanos para que as cidades se tornem cidades amigas de idosos e, consequentemente, amigas de todas idades. Os idosos constituem um importante recurso para suas famílias, comunidades e economias. Entretanto, para aproveitarem esse potencial dos idosos, as cidades precisam garantir a sua inclusão e o seu acesso aos espaços, às estruturas e aos serviços urbanos, com melhorias no trânsito, nas vias públicas, nos transportes, na segurança, nas edificações e nas calçadas. Do ponto de vista individual, é preciso que todos, antes de buscarem a PROMOÇÃO DA SAÚDE Dieta saudável Atividade física Dormir adequadamente Atividade mental Manter uma rede social e familiar Escovar os dentes e outros cuidados de higiene Cuidados com o meio ambiente ilusão de tratamentos sem comprovação científica, cultivem hábitos simples, mas extremamente importantes para o envelhecimento saudável, como deixar de fumar, praticar atividades físicas, ter uma dieta balanceada, dormir adequadamente, não ingerir ou ingerir pouca bebida alcoólica, usar cinto de segurança, fazer as vacinas indicadas em cada faixa etária, cuidar dos dentes e da boca, praticar sexo seguro, fazer exames periódicos de saúde e manter bom controle da pressão arterial, do açúcar e das gorduras do sangue. É preciso ter cuidado com os medicamentos e não usar aqueles que não têm comprovação de eficácia e que não sejam prescritos pelo seu médico. Os medicamentos, quando malindicados, podem ser extremamente deletérios à saúde e inimigos do Envelhecimento Ativo. Os exames preventivos devem ser indicados pelo médico e as intervenções a serem tomadas diante de cada resultado também devem ser indicadas por ele. No quadro (ao lado) estão descritos exemplos de comportamentos e atitudes que comprovadamente contribuem para o envelhecimento ativo por evitarem doenças ou permitirem a sua detecção precoce.

2 c alimentação b Idosos diabéticos precisam de cuidados redobrados A endocrinologista Isabela Ghetti Macedo Isaac explica as razões do aumento do diabetes tipo 2 em idosos e o tratamento diferenciado que eles devem receber O diagnóstico de diabetes tipo 1 é mais frequente em jovens, principalmente com menos de 20 anos. Já o diabetes tipo 2 é uma doença crônico-degenerativa, cuja prevalência aumenta com a idade, é o que explica a endocrinologista Isabela Ghetti Macedo Isaac. Com o aumento da expectativa de vida da população, da obesidade e do sedentarismo, estima-se que o número de idosos diabéticos aumente a cada ano. No Brasil, a prevalência do diabetes é de 7,6% da população. Para a faixa etária de 60 a 69 anos, esse número sobe para 17,3%. Em estatísticas norteamericanas, a prevalência do diabetes é de cerca de 20% em indivíduos com mais de 75 anos, informa. A endocrinologista diz que os sintomas clássicos do diabetes, que são a poliúria (aumento do volume urinário) e a polidipsia (aumento da sede) podem não se manifestar nos idosos devido a alterações no mecanismo que leva à sensação de sede e no funcionamento renal, que podem ocorrer nessa faixa etária. Para esses pacientes, outros sintomas também devem ser observados como emagrecimento, confusão mental, incontinência urinária, distúrbios visuais, dores nas pernas e fraqueza muscular, alerta. No entanto, ela frisa que todos são sintomas inespecíficos. Ou seja, nenhum deles define a doença, que só será confirmada pela dosagem da glicemia, mas devem servir como alerta e estímulo para avaliação médica, ressalta. Isabela destaca ainda que vários cuidados devem ser tomados antes do início do tratamento medicamentoso. É fundamental avaliar as funções renal e hepática desses pacientes, que são vias de metabolização e eliminação dos medicamentos. Nos idosos, não é raro que essas funções estejam alteradas e podem ser assintomáticas. Caso exista comprometimento, alguns fármacos devem ser evitados e outros devem ter as suas doses ajustadas para que efeitos exagerados, como a queda da glicemia além do desejado (hipoglicemia), e outros efeitos colaterais não ocorram, orienta. TRATAMENTO Sua recomendação é de que os medicamentos sejam iniciados com doses menores para posterior aumento, de acordo com a sensibilidade individual e necessidade do caso. Outro aspecto importante destacado pela endocrinologista é o acompanhamento periódico. Assim, poderemos detectar outras doenças que o paciente eventualmente apresente, que possam interferir com o tratamento, e conhecer todos os medicamentos em uso para evitar interações medicamentosas, diz a especialista. Quanto às orientações gerais para controle do diabetes, Isabela afirma que elas são semelhantes para todas as idades e envolvem a adoção de hábitos de vida saudáveis, como controle alimentar e prática de atividade física regular. O planejamento alimentar individualizado proposto por profissional capacitado é o ideal, para que se leve em conta preferências e hábitos de cada paciente, dentro do possível, além de seu peso, condição física e outras doenças que possa apresentar. Mas, algumas orientações valem para todos, como a necessidade de fracionamento da dieta, ou seja, realizar seis refeições ao dia com intervalo de cerca de três horas entre elas, suspender o uso do açúcar simples, limitar os outros tipos de carboidratos (pães, farinha, arroz,etc.), evitar gordura saturada, aumentar a ingesta de fibras e manter o peso dentro do saudável para a idade. Entretanto, ela avisa que, para os idosos, as recomendações devem ser feitas de forma individualizada, levandose em conta as particularidades de cada paciente, principalmente com relação à condição física e eventual presença de outras doenças que possam gerar limitações. Além disso, o comprometimento de outras funções orgânicas (renal, hepática, digestiva, neurológica, etc.) decorrente de doenças ou mesmo relacionado à idade, se presente, pode deixar esse grupo mais vulnerável a oscilações de glicemia e a efeitos colaterais de alguns medicamentos. Para que isso seja evitado ou minimizado e visando sempre melhorar a qualidade de vida dos pacientes, o acompanhamento médico periódico é fundamental, finaliza. EXPEDIENTE Veículo de divulgação oficial do Centro Clínico Via Médica R. T-58, esquina com T-38, nº 315, Setor Bueno CEP: Goiânia-GO Telefone: (62) Diretor clínico Weimar K. Sebba Barroso de Souza Diretor técnico Weimar Canguçu Barroso de Queiroz Gerente administrativa Iolanda Oliveira Cardoso Publicação com a qualidade: Edição: Tatiana Cardoso Redação: Ana Maria Morais, Ana Paula Machado e Márcia Fabiana Direção de Arte: Alex Fróes Arte Final: Vinicius Carneiro (62)

3 CONHEÇA O CORPO CLÍNICO DA Agnaldo Moitinho D. Júnior Cirurgião Plástico CRM-GO 7894 Amanda R. Bitencourt CRM-GO Ana Lúcia R. de P. Queiroz CRM-GO 7578 Andrea Silveira CRM-GO 6294 Cleiton Augusto Noll Oftalmologista CRM-GO Elisa Franco Assis Costa CRM-GO 5001 Flávia Europeu de Barros Psicóloga CRP-GO 09/3122 Flávia de Castro Santana Ginecologista e Nutróloga CRM-GO 6514 Helder Hara Takaoka Nefrologista CRM-GO 9900 Heloísa da Silveira Moreira Pneumologista CRM-GO Isadora C. Alves Teixeira CRM-GO 9995 Luciana S. dos Anjos França Ginecologista e Obstetra CRM-GO 8535 Mary Janey Alves F. Borges CRM-GO 4501 Michael Carvalho Santana CRM-GO Mônica L. Camargos Nutricionista CRN1-GO 1090 Túlio Rocha Freire Médico CRM-GO 8677 Paulo Sérgio Porto CRM-GO 4913 Petrônio Fleury Neto Cirurgião Plástico CRM-GO Ramão Vera Filho Angiologista e Cirurgião CRM-GO 5019 Renata Dias Arruda Otorrinolaringologista CRM-GO 9435 Weimar K. Sebba Barroso CRM-GO 6495 Zélia Sobrinha de Santana CRM-GO Valéria Estrela C. Gonçalves CRM-GO 7281 Valéria Tatyane de Rezende CRM-GO 5544 Weimar C. B. de Queiroz CRM-GO 6496 informativo via médica 3

4 Daniela Pultrini P. de Oliveira Endocrinologista CRM-GO 8976 Gustavo Dafico B. de Oliveira Endocrinologista CRM-GO 7849 Isabela Ghetti Macedo Isaac Endocrinologista CRM-GO 9403 Loiane Moraes Ribeiro Victoy CRM-GO Paula Alves de Paula Médica CRM-GO Talita Alves Teixeira CRM-GO Tatiana Sayuri Nakata CRM-GO Ana Flávia Alves Teixeira CRM-GO Exames Realizados A Via Médica disponibiliza os melhores profissionais e exames de alta tecnologia em busca dos melhores atendimento, diagnóstico e definição de tratamento Duplex - scan vascular Ecocardiograma com mapeamento de fluxo em cores Eletrocardiograma Exames Laboratoriais Holter 24 horas ITB - Índice Tornozelo Braquial M.A.P.A - M.R.P.A Medicina nuclear Teste ergométrico Ultrassonografia em geral

5 c como eu trato b Doença Renal Crônica: a nova epidemia do século XXI Por Helder H. Takaoka, nefrologista Segundo censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia, a hipertensão arterial é principal causa da doença no Brasil As atenções para a saúde do idoso têm sido bastante discutidas nas últimas décadas em virtude, principalmente, do aumento da longevidade da população mundial. Muitos desafios surgem a fim de se melhorar a qualidade e a expectativa de vida desta população, não somente em países desenvolvidos mas também em países em desenvolvimento, como o Brasil, onde o acesso a saúde talvez seja mais precário. É neste contexto que as doenças como hipertensão arterial, diabetes mellitus, alterações nas taxas de colesterol, tornamse os principais fatores de riscos para o desenvolvimento de lesões de órgãos alvos, como o coração, cérebro e rins. Sendo os últimos, os únicos órgãos passíveis de serem substituídos por terapias alternativas como a hemodiálise e a diálise peritoneal. Atualmente a Doença Renal Crônica (DRC) é considerada como a nova epidemia do século XXI, segundo dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN). Acomete cerca de 125 mil pessoas no Brasil (em terapia renal substitutiva - hemodiálise ou diálise peritoneal), e caracteriza-se por lesão estrutural e/ou funcional dos rins persistente por mais de três meses, de caráter progressivo e irreversível. Usualmente, o estudo da função renal se faz por meio da creatinina (sangue), da análise do sedimento urinário (microalbuminúria) e da ecografia dos rins e vias urinárias. Sendo que esses exames complementares devem estar correlacionados à idade, ao sexo, à altura, ao peso e à raça, para se estimar a função renal. Portanto, creatinina igual a 1,2 mg/dl pode estimar uma função renal normal para um adolescente e caracterizar doença Renal Crônica para uma senhora diabética, com idade maior ou igual a 65 anos. Segundo estudos americanos, cerca de 75% dos indivíduos com mais de 70 anos apresentam déficit da função renal, e destes, aproximadamente 25% são portadores de Doença Renal Crônica (com função renal menor que 60%), sendo o diabetes mellitus (nefropatia diabética) a principal causa. Estima-se que no Brasil, o cenário seja bastante parecido conforme o censo da SBN, porém a principal causa de doença renal crônica tem sido a hipertensão arterial (nefropatia hipertensiva). Assim, as intervenções multidisciplinares são as principais armas para se tentar mudar o caráter de progressão da doença renal crônica. Dentre elas, cita-se o controle rigoroso da pressão arterial, dos níveis glicêmicos e das taxas de colesterol, assim como mudanças no estilo de vida (tabagismo, dieta saudável e o sedentarismo). informativo via médica 3

6 c coração b Atividade física: como se preparar para iniciá-la após os 40 Antes de começar a atividade física, os quarentões devem passar por uma avaliação detalhada de um cardiologista para evitar riscos setembro de No Brasil, o sedentarismo é um problema que vem assumindo grande importância, tendo em vista o aumento do índice de obesos, aliado ao estresse do cotidiano e ainda ao aumento da expectativa média de vida. O tão famoso estilo da vida moderna, com TV, computadores, videogames e a falta de tempo contribuem para a grande inatividade que impera na atual sociedade, diz a cardiologista Ana Lúcia Ribeiro de Paiva Queiroz. A prática regular de atividade física é benéfica em qualquer idade. Por isso, não desanime se você tem mais de 40 anos e ainda não está na turma dos ativos. Nunca é tarde, convida. Ela enfatiza que, antes de iniciar alguma atividade física é necessário procurar um cardiologista e solicitar uma avaliação, mesmo que a academia não tenha pedido. O especialista avaliará sintomas e fatores de risco, como, tabagismo, diabetes, dislipidemia e antecedentes familiares de cardiopatias, informa Ana Lúcia, acrescentando que após o exame físico o cardiologista decidirá quais exames complementares serão necessários. De acordo com ela, geralmente são solicitados teste ergométrico, exames de sangue, ecocardiograma ou outros que possam ajudá-lo a avaliar possíveis riscos. A cardiologista lembra que os benefícios da atividade física regular e adequadamente supervisionada podem ser observados tanto na saúde física quanto mental. Em relação ao corpo, nota-se perda de peso, melhora dos níveis de pressão arterial, redução dos níveis de colesterol total e triglicérides, aumento do bom colesterol, melhora da massa óssea, diminuição da perda natural de massa muscular, fortalecimento das articulações, melhora da imunidade, do sono, dentre outros, enumera. No campo da saúde mental, observa-se redução do estresse, da ansiedade, auxílio no tratamento da depressão e até melhora de autoestima, permitindo uma maior capacidade de lidar com pequenos problemas, completa. Tudo isso, afirma a médica, trará ainda o benefício da prevenção de diversos males, como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, diabetes, osteoporose e até pequenos resfriados ou infecções. No entanto, Ana Lúcia ressalta que a prática da atividade física deve ser constante e não esporádica. Aquele praticante de exercícios só aos fins de semana deve tomar bastante cuidado, porque já existem estudos associando essa prática a mais prejuízos que benefícios, com aumento da incidência de eventos cardiovasculares, alerta a médica, acrescentando que há também o risco de lesões osteomusculares, por causa da inatividade de longo tempo. Assim, para que todos esses benefícios se concretizem, a atividade física deve ser praticada por no mínimo 30 minutos e na maioria dos dias da semana, ou seja, quatro vezes por semana. Portanto, mexase. Mesmo após os 40, é possível trabalhar para ter um envelhecimento menos turbulento por meio da atividade física. Escolha uma atividade da qual você goste, adequada a seus horários, solicite a seu médico uma avaliação e procure um profissional da educação física para conseguir dar um basta no sedentarismo, aconselha.

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS

PREVENÇÃO DE DOENÇAS Page 1 of 7 PREVENÇÃO DE DOENÇAS (Adaptação baseada nas condutas propostas pela Academia Norte-Americana de Médicos de Família/Clínica Mayo, USA) O que a medicina atual preconiza em termos de prevenção

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde?

Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? DICAS DE SAÚDE 2 Promova a sua saúde. Você sabe os fatores que interferem na sua saúde? Veja o gráfico : 53% ao estilo de vida 17% a fatores hereditários 20% a condições ambientais 10% à assistência médica

Leia mais

ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA

ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA ENVELHECENDO COM QUALIDADE DE VIDA Dr. Maurício Menna Barreto Médico Geriatra - CRM 30110 mauricio.barreto@divinaprovidencia.org.br Porto Alegre, 08 de Novembro de 2013 Evolução Envelhecimento Populacional

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

É possível envelhecer com saúde? Embora muitos ainda associem a velhice ao acúmulo de doenças, as pesquisas recentes demonstram que o processo natural de envelhecimento não é um fator impeditivo para a

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Informação é saúde. Assunto de. Homem

Informação é saúde. Assunto de. Homem Informação é saúde. Assunto de Homem Homem. Você sabia que os homens vivem em média 7 anos menos que as mulheres e que a cada 3 mortes de pessoas adultas, 2 são de homens? Isso se deve a alguns fatores,

Leia mais

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde!

Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! Viva Bem! Cuide da Sua Saúde! O Serviço Social da Construção Alimentação Saudável Quanto mais colorida for a sua alimentação, maior a presença de nutrientes no seu corpo e melhor será a sua saúde. 50%

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

Como viver bem com diabetes

Como viver bem com diabetes Como viver bem com diabetes Sumário 3 5 7 8 10 12 14 15 16 17 19 O que é diabetes? Como saber se tenho diabetes? Por que controlar bem o diabetes? Alimentação Por que fazer exercícios físicos? Tratamento

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente

Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente 16 Mapeamento do Perfil Saúde em Instituição Pública - Fundação Centro de Atendimento Sócio Educativo ao Adolescente Leidiane Silva Oliveira Chagas Gestora de Recursos Humanos - Anhanguera Educacional

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

14/07/2015 14/07/2015

14/07/2015 14/07/2015 São doenças responsáveis por grande número de internações, respondem pela morte de muitos brasileiros idosos e custam caro aos cofres públicos. Assistir o idoso envolve particularidades que requerem conhecimentos

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO

Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E SÔNIA MARIA HOLANDA ALMEIDA ARAÚJO Título do Projeto: CAMPANHA DE RASTREAMENTO, EDUCAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE DOENÇA RENAL CRÔNICA Nome da Liga: LIGA DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL Tutores: ELIZABETH DE FRANCESCO DAHER SÔNIA MARIA HOLANDA

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE PÉ DIABÉTICO PROBLEMAS CAUSADOS PELO DIABETES MELLITUS CORAÇÃO: Doença arterial coronariana e risco de infarto do miocárdio RINS: Nefropatia CÉREBRO: Acidente vascular cerebral

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Questionário: Risco de ter diabetes

Questionário: Risco de ter diabetes Questionário: Risco de ter diabetes ATENÇÃO! Este questionário não deve ser aplicado a gestantes e pessoas menores de 18 anos. Preencha o formulário abaixo. Idade: anos Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR PARÂMETROS TÉCNICOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E PREVENÇÃO DE RISCOS E DOENÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR I. INTRODUÇÃO A implementação de estratégias e Programas de Promoção da Saúde

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

M.D. Amir Selaimen F li l cidad a e

M.D. Amir Selaimen F li l cidad a e M.D. Amir Selaimen? DEFINIÇÃO: Felicidade CONVITE Para que neste pequeno espaço de tempo, possamos percorrer juntos a todos os caminhos, e a situações vividas por nós, e que por nós é completamente despercebida,

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DIABETES Introdução Geralmente, as pessoas descobrem estar diabéticas quando observam que, apesar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro

Prevenção. Introdução. Passo 1. Tenha uma alimentação saudável. Passo 2. Não fique parado, movimente-se! Passo 3. Livre-se do cigarro www.cardiol.br Introdução As doenças cardiovasculares (DCV) afetam anualmente, no Brasil, cerca de 17,1 milhões de vidas. Registramos no país mais de 300 mil mortes por ano decorrentes dessas doenças,

Leia mais

Informativo Mensal da Faculdade de Medicina do ABC Ano I - Nº 2 - agosto de 2015

Informativo Mensal da Faculdade de Medicina do ABC Ano I - Nº 2 - agosto de 2015 Informativo Mensal da Faculdade de Medicina do ABC Ano I - Nº 2 - agosto de 2015 Neste segundo número da Revista MedABC, os profissionais da Fundação do ABC e da Faculdade de Medicina do ABC trazem assuntos

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DIABETES ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Governo do Estado da Bahia Jacques Wagner Secretário de Saúde do Estado da Bahia Jorge José Santos Pereira Solla Superintendência de Atenção

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE DA MULHER. André Luis Ferreira Santos Mestre e doutor pela UNICAMP Professor do Departamento de Medicina da UNITAU 2009

PROMOÇÃO DA SAÚDE DA MULHER. André Luis Ferreira Santos Mestre e doutor pela UNICAMP Professor do Departamento de Medicina da UNITAU 2009 PROMOÇÃO DA SAÚDE DA MULHER André Luis Ferreira Santos Mestre e doutor pela UNICAMP Professor do Departamento de Medicina da UNITAU 2009 ENFRENTAMOS VÁRIOS PROBLEMAS O PROBLEMA DA CULTURA MODERNA DO IMEDIATISMO,

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio. Superintendência de Atenção à Saúde

Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio. Superintendência de Atenção à Saúde Gestão de Saúde Populacional Unimed-Rio Superintendência de Atenção à Saúde 52,4% dos trabalhadores terão 45 anos ou mais em 2050 (Atualmente - 33,8%) Idade média da força de trabalho será 44,3 anos (Atualmente

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA

Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Guia do Paciente DAPAGLIFLOZINA Índice Tratando seu diabetes tipo 2 com DAPAGLIFLOZINA 3 Como funciona? 4 Como devo utilizar? 5 Quais são os principais efeitos colaterais do tratamento com DAPAGLIFLOZINA?

Leia mais

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Saúde Urbana, Ambiente e Desigualdades Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Francisco Arsego de Oliveira Serviço

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais