Mieloma Múltiplo. Dr. José Mauro Kutner. Gerente Médico Depto Hemoterapia e Terapia Celular Hospital Israelita Albert Einstein São Paulo, SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mieloma Múltiplo. Dr. José Mauro Kutner. Gerente Médico Depto Hemoterapia e Terapia Celular Hospital Israelita Albert Einstein São Paulo, SP"

Transcrição

1 Mieloma Múltiplo Dr. José Mauro Kutner Gerente Médico Depto Hemoterapia e Terapia Celular Hospital Israelita Albert Einstein São Paulo, SP

2 DEFINIÇÃO NEOPLASIA DE PLASMÓCITOS DIFERENCIADOS ACÚMULO DE PLASMÓCITOS CLONAIS EM M.O. ( tardiamente em S.P.) PLASMÓCITOS SECRETAM PROTEÍNA MONOCLONAL ( PROTEÍNA M ) PROTEÍNA MONOCLONAL INTEIRA (Ig) E / OU CADEIA LEVE LIVRE ( κ ou λ ) CADEIAS LEVES EM SANGUE E / OU URINA

3 EPIDEMIOLOGIA 5,6 CASOS / HABITANTES / ANO (Palumbo, 2011) American Cancer Society, 2011 = 2010 nos EUA : novos casos / habitantes 1 novo caso / habitantes mortes por Mieloma lifetime risk (USA) = 1/159 (0,63%) 1% DAS DOENÇAS MALIGNAS (Palumbo, 2011) 13% DAS DOENÇAS HEMATOLÓGICAS MALIGNAS (Palumbo, 2011) SEGUNDA DOENÇA HEMATOLÓGICA MALIGNA EM FREQÜÊNCIA IDADE MÉDIA AO DIAGNÓSTICO = 70 ANOS (Palumbo, 2011) 37% > 75 anos 26% 65 a 74 anos 63% > 65 anos 37% < 65 anos 10% < 50 anos / 2% < 40 anos

4 Braveheart: Lisa Ray fighting cancer! Bureau News September 14th, 2009 Canadian actress and model Lisa Ray (Bollywood/Hollywood) has cancer. She has been diagnosed with Multiple Myeloma and has started her cycle of treatment. Lisa, 37, wants to share all her experience fighting with cancer and talks about her medication in details in her witty-chatty blog. She writes that when she got the news, I didn t react and I didn t cry. That s how I felt after the diagnosis. Ok, I ve got The Cancer. The tough part is over, she adds.

5 INCIDÊNCIA ANUAL NOS EUA 2011 Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007 Modificado com dados ACS,2011

6 EPIDEMIOLOGIA LEVE PREDOMINÂNCIA > NEGROS 2-3 X > BRANCOS (Greenberg, 2012) SOBREVIDA ( !!!) 5 ANOS 31% 10 ANOS 10 % 15 ANOS 4 % * SOBREVIDA ( 2012 ) 10 ANOS 30 % (< 60 anos ) Brenner et al Blood, 2008; 111:2521

7 EPIDEMIOLOGIA clusters familiares de MGUS / MM risco familiar de LPL / MW / LLC em parentes de Gam.Monocl. (2-4 x!!) alterações genéticas pobres vários casos em irmãos (2, 3 e até 4 irmãos) risco em pessoa com parente de 1. grau com MM = OR 3,7 x cluster familiar de MGUS com LLC / LPL / MW MM com LLA / LLC

8 população geral nos EUA

9 FATORES DE RISCO predisposição genética (rel. com pctes origem africana) exposição a irradiação ( bomba atomica / trabalho com radiação - radiologistas / RxTer prévia ) associação com agentes químicos = benzeno / solventes orgânicos (questionada) herbicidas inseticidas sugestão de associação com herpes virus 8 ( não confirmada ) correlação situações inflamatórias crônicas ( não comprovado )

10 FISIOPATOLOGIA transformação maligna de células B em estágio final de maturação relacionado com alteração genética do gene da cadeia pesada da imunoglobulina (IGH) ~50% têm alteração em genes da IgH 4,6% população > 70 anos = MGUS Whadera et al Mayo Clin Proc. October 2010;85 1,7% > 50 anos diversas alterações no GENE IGH : t(4;14) / t(14;16) / t(11;14) deve haver evento secundário microambiente teria papel na transformação (estroma / IL-6)

11 BLOOD, 15 MARCH 2008 VOLUME 111, NUMBER 6 Robert A. Kyle and S. Vincent Rajkumar

12 CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Sarah Newbury, the first reported patient with multiple myeloma. (A) Bone destruction in the sternum. (B) The patient with fractured femurs and right humerus. (C) Bone destruction involving the femur. BLOOD, 15 MARCH 2008 VOLUME 111, NUMBER 6 Robert A. Kyle and S. Vincent Rajkumar

13 CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Clinical Features of Multiple Myeloma Skeletal "Punched-out" lytic bone lesions (skull, long bones common) Generalized osteoporosis Pathologic fractures and bone pain Renal Renal dysfunction caused by light chain toxicity and/or deposition, hypercalcemia, or amyloid deposition Hematologic Cytopenias (anemia common) caused by plasma cell infiltration of bone marrow, renal failure, or anemia of chronic disease Bleeding tendency mostly caused by interference with coagulation by M protein or thrombocytopenia from marrow infiltration Hyperviscosity syndrome visual changes, headache, confusion, bleeding, coma, "sausage veins" on funduscopy Neurologic Cord compression from vertebral collapse and/or plasmacytoma Mental changes (may be due to hyperviscosity, hypercalcemia) Peripheral neuropathy caused by M protein, amyloidosis, or drug treatment side effects Metabolic Hypercalcemia confusion, polyuria, polydipsia, constipation, weakness, fatigue Immunologic Predisposition to recurrent infections as a result of suppression and dysfunction of normal immunoglobulins or neutropenia from chemotherapy A. Keith Stewart and Joseph Mikhael, Clinical Hematology 2006 Elsevier Editora Ltda

14 CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007

15

16 LABORATÓRIO Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007

17 AVALIAÇÃO LABORATORIAL - 95% têm proteína M (sangue e / ou urina ) - 5% sem proteína M ( free light tem reduzido este numero ) - 60% IgG / 20% IgA / 10% só cadeia leve ~ IgD, IgE, IgM Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007

18 AVALIAÇÃO LABORATORIAL CADEIA LEVE LIVRE ( FREE LIGHT CHAIN )

19 AVALIAÇÃO LABORATORIAL CADEIA LEVE LIVRE ( FREE LIGHT CHAIN )

20 AVALIAÇÃO LABORATORIAL CADEIA LEVE LIVRE ( FREE LIGHT CHAIN ) Myeloma FLC TEM VALOR PROGNÓSTICO

21 AVALIAÇÃO LABORATORIAL CADEIA LEVE LIVRE ( FREE LIGHT CHAIN ) Tem 4 indicações major : * em screening de MM = FLC + IF + EFP = alta sensibilidade * tem valor prognóstico * permite monitorização quantitativa em oligosecretores (incl. 2/3 dos antigos não secretores) * negativação da FLC é obrigatório para resposta completa estrita obs. - FLC não substitui proteinuria de 24 horas

22 AVALIAÇÃO LABORATORIAL IMUNOFENOTIPAGEM Plasmócitos normais CD 38; CD 45; CD 78; rec IL-6; CD 27 Mieloma Múltiplo myeloma cells are typically CD56, CD38, CD138 positive and CD19 and CD45 negative

23 IMUNOFENOTIPAGEM

24 Fig 2. Prognostic impact of the phenotypic patterns of expression of CD28 and CD117 on survival of patients with multiple myeloma (n = 685) Copyright American Society of Clinical Oncology Mateo, G. et al. J Clin Oncol; 26:

25 AVALIAÇÃO RADIOLÓGICA - RX esqueleto = lesões ósseas osteolíticas = GOLD STANDARD - CT / RNM / PET CT para plasmocitomas - RNM coluna lombar se RX negativo e suspeita de MM - RNM de corpo inteiro cada vez mais utilizado - PET CT ainda incerto uso (exceto plasmocitomas)

26 AVALIAÇÃO LABORATORIAL GENÉTICA EVENTOS PRIMÁRIOS ( initiating events ) - NÃO HIPERDIPLÓIDES(alterações estruturais) 50% (upregulation de oncogenes) gene IGH (cromossomo 14q32) 4 t (4,14) genes FGFR3 e MMSET 15% 11 t (11,14) gene CCND1 20% 16 t (14,16) genes MAF 2% 20 t (14,20) genes MAF 2% EVENTOS SECUNDARIOS ( progression events ) - MONOSSOMIA 13 (+ freq em não hiperdiplóides) 50% del(13) - ganhos cromossomo 1 33% 1p/q - del (17p) 10% - HIPERDIPLÓIDES (ganhos cromossomicos) 50% (cromossomos. 3, 5, 7, 9, 11, 15, 19, 21) Avet-Loiseau et al.jco 29(14):

27 AVALIAÇÃO LABORATORIAL GENÉTICA Seema Singhal, MD: Myeloma Program at the Robert H. Lurie Comprehensive Cancer Center of Northwestern University 05/20/2008 Medscape Education

28 array based Comparative Genomic Hybridization - acgh 2. Genome amplification (Qiagen, Amersham) 1. DNA (Storage, QC) 6. Data analysis (CNV identification) 3. DNA digestion (Alu_Rsa, DNase I) 4. Sample labeling (Invitrogen + Cy or Alexa dyes, Agilent) Quantitate / Normalize 5. Platform comparison (Agilent 244K, 1M, Affymetrix SNP6.0) Washes/Scanning Normalize Imagens cedidas por Dr Esteban Braggio, PhD, Mayo Clinic, Scottsdale, AZ

29 AVALIAÇÃO LABORATORIAL University of Arkansas Medical Sciences (UAMS) 70 Genes Profile

30 Sequenciamento Genético

31 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA History and physical examination Complete blood count and differential; peripheral blood smear Chemistry screen including calcium and creatinine Serum protein electrophoresis, immunofixation Nephelometric quantification of serum immunoglobulins Routine urinalysis, 24 hour urine collection for electrophoresis and Immunofixation Bone marrow aspirate and/or biopsy. Cytogenetics (metaphase karyotype and FISH) Radiological skeletal bone survey including spine, pelvis, skull, humeri and femurs. Magnetic Resonance Imaging in certain circumstances Serum B2 microglobulin and lactate dehydrogenase Measurement of serum free light chains

32 ESTADIAMENTO Hemoglobina Cálcio Sérico Lesões Líticas Proteína M

33 ESTADIAMENTO Β2 microglobulinas Albumina Hemoglobina Cálcio Sérico Lesões Líticas Proteína M

34 ESTADIAMENTO

35 ESPECTRO DE DOENÇAS PLASMÓCITOS CLONAIS E PROTEÍNA M = ESPECTRO DE DOENÇAS : GAMOPATIA MONOCLONAL DE SIGNIFICADO INDETERMINADO (MGUS) MIELOMA INICIAL ASSINTOMÁTICO (SMOLDERING MYELOMA)

36 ESPECTRO DE DOENÇAS PLASMÓCITOS CLONAIS E PROTEÍNA M = ESPECTRO DE DOENÇAS : GAMOPATIA MONOCLONAL DE SIGNIFICADO INDETERMINADO (MGUS) 1% A 1,5% DE TRANSFORMAÇÃO/ANO MIELOMA INICIAL ASSINTOMÁTICO (SMOLDERING MYELOMA)

37 ESPECTRO DE DOENÇAS PLASMÓCITOS CLONAIS E PROTEÍNA M = ESPECTRO DE DOENÇAS : GAMOPATIA MONOCLONAL DE SIGNIFICADO INDETERMINADO (MGUS) 1% A 1,5% DE TRANSFORMAÇÃO/ANO MIELOMA INICIAL ASSINTOMÁTICO (SMOLDERING MYELOMA) % / ano

38 ESPECTRO DE DOENÇAS Figure 1. Multistep Pathogenesis of Multiple Myeloma. Antonio Palumbo, M.D., and Kenneth Anderson, M.D. n engl j med 364;11 march 17, 2011

39 FATORES RISCO P/ SMM TRANSFORMAR EM MM SMM MM 1- plasm > 10% M-prot > 3g 2- plasm > 10% M-prot < 3g 3- plasm < 10% M-prot > 3g SMM MM Fatores de risco = plasm MO > 10% M-prot > 3 g FLC <0,125 ou > 8 1 fator 2 fatores 3 fatores

40 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007

41 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

42 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007

43 FATORES PROGNÓSTICOS msmart.org Kumar, Rajkumar, Anderson, 2007

44 FATORES PROGNÓSTICOS Dex Novas drogas modificam prognóstico Bort-Dex Leukemia (2007) 21, del 13 X Bortezomib t (4,14) X Bortezomib

45 EVOLUÇÃO DA TERAPIA

46 RECIDIVA PÓS-AUTO TMO X ÉPOCA / NOVAS DROGAS Kumar, Rajkumar, Dispenzieri, et al, Blood, 2007 J M Kutner 2011

47 SOBREVIDA X MOMENTO DO DIAGNÓSTICO Kumar, Rajkumar, Dispenzieri, et al, Blood, 2007 J M Kutner 2011

48 NOVAS DROGAS DISPONÍVEIS Rajkumar, Kyle, 2005

49 NOVAS DROGAS DISPONÍVEIS INIBIDOR DE PROTEASSOMA (BORTEZOMIBE) Proteassoma = Complexo de proteínas Presente em todas as células do organismo Responsável pela degradação de proteínas desnecessarias ou defeituosas Atua por proteólise As células normais se recuperam da inibição transitória do proteassoma nas 72 horas de repouso As células do mieloma são vezes mais sensíveis aos efeitos do bortezomibe

50 NOVAS DROGAS DISPONÍVEIS INIBIDOR DE PROTEASSOMA (BORTEZOMIBE)

51 NOVAS DROGAS DISPONÍVEIS IMiDs : TALIDOMIDA - imuno modulação - anti-angiogenese - anti-inflamatório - anti-proliferativo Quach et al Leukemia 24, (January 2010) AAPS Journal. 2005; 07(01): E14-E19. American Journal of Health-System Pharmacy. 2007;64(17): American Society of Health-System Pharmacists

52 NOVAS DROGAS DISPONÍVEIS Lenalidomide in the Treatment of Multiple Myeloma: Pharmacology stimulation of the T-helper cells, which increases production of IL-2 and interferon-γ (IFN-γ) and consequently augments natural killer (NK) cell activation and NK cell-dependent cytotoxicity (D) direct cytotoxicity via induction of apoptosis (A) inhibition of cell adhesion molecules (ICAM-1) and (VCAM-1), which reduces the growth signaling of MM cells (B) inhibition of growth signals that promote bone marrow angiogenesis, such as (VEGF), (TNF-α), and (IL)-6 (C) American Journal of Health-System Pharmacy. 2007;64(17): American Society of Health-System Pharmacists

53 CRITÉRIOS DE RESPOSTA Stringent Complete Response (scr) not detectable < 5% (0 clonal) Stable Light Chain Negative Very Good Partial Response (VGPR) * > 90% decrease N/A Stable * very good partial response (VGPR), defined as a decrease in serum and urine monoclonal immunoglobulin by 90% or greater Lonial, Rajkumar, Stewart, MMRF, 2006, modificado Rajkumar et al. Blood (18):4691 (IMWG Consensus Recommendations)

54 CRITÉRIOS DE RESPOSTA Molecular CR (mcr) CR + negative ASO-PCR, sensitivity 10e-5 Immunophetypic CR (icr) scr + Absence of phenotypically aberrant PCs (clonal) in BM with a minimum of 1 million total BM cells analyzed by multiparametric flow cytometry (with 4 colors) ght Chain Negative Stringent Complete Response (scr) not detectable < 5% (0 clonal) Stable Free Light Chain Negative Very Good Partial Response (VGPR) * > 90% decrease N/A Stable * very good partial response (VGPR), defined as a decrease in serum and urine monoclonal immunoglobulin by 90% or greater Lonial, Rajkumar, Stewart, MMRF, 2006, modificado Rajkumar et al. Blood (18):4691 (IMWG Consensus Recommendations)

55 CRITÉRIOS DE RESPOSTA

56 TRATAMENTO

57 TRATAMENTO ESTES SÃO OS MEUS PRINCIPIOS. SE VOCE NÃO GOSTA DELES, EU TENHO OUTROS Groucho Marx

58 TRATAMENTO QUANDO TRATAR? * MM E SINTOMÁTICO (Cavo et al Blood (23):6063) * LESÕES DE ÓRGÃOS : British Journal of Haematology, 2003, 121, Myeloma-related organ or tissue impairment (end organ damage) (ROTI) due to the plasma cell proliferative process. * Calcium levels increased: serum calcium >0Æ25 mmol/l above the upper limit of normal or > 2Æ75 mmol/l * Renal insufficiency: creatinine >173 mmol/l * Anaemia: haemoglobin 2 g/dl below the lower limit of normal or haemoglobin <10 g/dl * Bone lesions: lytic lesions or osteoporosis with compression fractures (MRI or CT may clarify) Other: symptomatic hyperviscosity, amyloidosis, recurrent bacterial infections (> 2 episodes in 12 months) *CRAB (calcium, renal insufficiency, anaemia or bone lesions).

59 TRATAMENTO TERAPIA DE MM ALGORITMO GENÉRICO (2011) Multiple Myeloma Antonio Palumbo, M.D., and Kenneth Anderson, M.D. n engl j med 364;11, 2011

60 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA MANUTENÇÃO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - NÃO CANDIDATO ao TMO TERAPIAS DE SUPORTE

61 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) IDADE - em geral < 65 anos de idade (principalmente estudos clinicos) - pode chegar a anos CR remissão completa - utilizar numero limitado de ciclos de quimio (4-6) = melhor CR rapidamente - CR estável tem valor prognóstico especialmente os de alto risco - CR tem menor valor em baixo risco/indolente

62 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) Thal-Dex Len-Dex Bort-Thal-Dex (VTD) Ciclof-Bort-Dex (CyBord - CVD) Ciclof-Thal-Dex Thal-Adria-Dex Bort-Len-Dex Ciclof-Bort-Len-Dex

63 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) VDCR X VDR X VDC resultados similares menos efeito colateral com 3 drogas (princip. hematológico)

64 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) No HIAE VTD CyBorD

65 NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRATAMENTO TERAPIA DE MM ALGORITMO GENÉRICO (2011) Multiple Myeloma Antonio Palumbo, M.D., and Kenneth Anderson, M.D. n engl j med 364;11, 2011

66 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA MANUTENÇÃO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - NÃO CANDIDATO ao TMO TERAPIAS DE SUPORTE

67 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA significante não-significante

68 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

69 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA TMO NÃO-TMO TMO NÃO-TMO

70 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA The Highly Controversial World of Stem Cell Transplant and Post-Transplant Maintenance in Multiple Myeloma April 2011 Research to Practice Neil Love

71 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA nem todos os estudos mostram ganhos com ATMO ATMO é seguro com novas drogas ATMO ainda é necessário? novas drogas ainda não se mostraram curativas qual o momento certo para o ATMO (precoce ou aguardar recidiva/progressão?) Bortezomibe parece ser seguro para coleta de SC Lenalidomida parece diminuir rendimento de coleta de SC ( < 4 ciclos OK ) IMWG recomenda ATMO em algum ponto do tratamento (Blood 117(23), 2011)

72 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Rajkumar - Moreau - CON PRO

73 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA - 2 estudos em andamento comparando ATMO x manutenção atualizado 21 jun 2012

74 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) No HIAE coleta stem cell para 2 ATMOs ATMO 1ª. linha precoce

75 NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRATAMENTO TERAPIA DE MM ALGORITMO GENÉRICO (2011) Multiple Myeloma Antonio Palumbo, M.D., and Kenneth Anderson, M.D. n engl j med 364;11, 2011

76 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Lisa Ray To Undergo Stem Cell Transplantation For Multiple Myeloma Last Updated: 2009-nov-18 Indo-Canadian actress Lisa Ray will undergo a stem cell transplant to treat her multiple myeloma, an incurable form of blood cancer. The 37-year-old star was diagnosed with the cancer of the bone marrow in June and has been undergoing chemotherapy since July.

77 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA DUPLO (TANDEM)

78 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA DUPLO (TANDEM)

79 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA DUPLO (TANDEM)

80 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA DUPLO (TANDEM) * IFM 94 benefício do Tandem apenas para pctes que não atingiram CR ou VGPR no 1 o TMO; = Tandem apenas para pctes que não atingiram CR ou VGPR com 1. ATMO. = Tandem na sequência, mas não além de 12 meses do primeiro. IMWG = 2. ATMO quando não conseguir > VGPR após 1. ATMO (Cavo et al. Blood 2011; 117(23) 6063)

81 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ALOGÊNICO

82 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ALOGÊNICO Tandem Autologous Hematopoietic Stem Cell Transplants (AuHCT) with or without Maintenance Therapy (auto-auto) Versus Single AuHCT Followed by HLA Matched Sibling Non- Myeloablative Allogeneic HCT (auto-allo) for Patients with Standard Risk (SR) Multiple Myeloma (MM): Results From the Blood and Marrow Transplant Clinical Trials Network (BMT CTN) 0102 Trial ASH 2010 abstract 41 At 3 years, the auto-allo approach for SR MM had no added benefit compared to tandem Auto HCT.

83 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ALOGÊNICO AUTO + ALO RIC (tbi + flu) x AUTO (mel 200) 357 pacientes PFS 5 anos 35% x 18% (p=0,001) OS 5 anos 65% vs 58% (p=0,02) indução com VAD

84 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ALOGÊNICO The myeloma community interpreted these randomized trial data as definitive evidence that even under the best circumstances, TRM is unacceptably high, without overall survival benefit. The International Myeloma Working Group therefore recommends that RIC allo transplant should only be performed in the context of clinical trials. Future studies of allo SCT in myeloma should aim at improving the graft versus-tumor effect while reducing the morbidity and mortality of allo SCT.

85 TRATAMENTO TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ALOGÊNICO procedimento de exceção recidiva alto risco alta morbidade apenas em estudos clínicos

86 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA MANUTENÇÃO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - NÃO CANDIDATO ao TMO TERAPIAS DE SUPORTE

87 TRATAMENTO MANUTENÇÃO CR 67% (C) X 56% (A,B) EFS 52% (C) X 36% (A,B) OS (4 anos) 87% (C) X 75% (A,B) não tem efeito em del 13 e em pctes já com boa resposta pós-tmo (efeito de consolidação e não de manutenção?)

88 TRATAMENTO MANUTENÇÃO

89 TRATAMENTO MANUTENÇÃO

90 MANUTENÇÃO TRATAMENTO TERAPIA DE MM ALGORITMO GENÉRICO (2011) Multiple Myeloma Antonio Palumbo, M.D., and Kenneth Anderson, M.D. n engl j med 364;11, 2011

91 TRATAMENTO MANUTENÇÃO Thalidomida parece ser util na manutenção da resposta muitos não usam (toxicidade) Lenalidomida parece ser eficaz com menos toxicidade especialmente útil se alto risco não CR pós-tmo (bxo risco) período desconhecido meses? indefinido?

92 TRATAMENTO MANUTENÇÃO

93 TRATAMENTO MANUTENÇÃO duplo cegos / fase 3 / multicentricos / randomizados 2 X LEN pos AutoTMO * 1 X sem AutoTMO Attal / MCCarthy = PFS 39 / 41 meses X 21 / 23 meses (melhor com LEN) Palumbo = PFS 31 meses X 13 meses (melhor com LEN) respostas independem de: resposta à indução / idade / estadio / B2 microgl / uso de LEN / THAL na indução McCarthy < mortalidade = LEN 15 % X PLAC 23 % (p=0,03) Palumbo / Attal sem efeito na mortalidade (necessario maior follow-up ) rx adversas 9% a 27% levando a suspensão da droga cancer 2ario = 7-8% LEN vs 3-4% PLAC vale o custo? ( US $ 160 mil / ano com 10 mg )

94 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA MANUTENÇÃO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - NÃO CANDIDATO ao TMO TERAPIAS DE SUPORTE

95 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) não candidato TMO

96 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) não candidato TMO Standards of Care MPT VMP Rd

97 NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRATAMENTO TERAPIA DE MM ALGORITMO GENÉRICO (2011) Multiple Myeloma Antonio Palumbo, M.D., and Kenneth Anderson, M.D. n engl j med 364;11, 2011

98 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) não candidato TMO MPT VMP Lenalidomida + Dex/dex

99 TRATAMENTO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - CANDIDATO ao TMO (pré-autotmo) TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA MANUTENÇÃO NOVO DIAGNÓSTICO (UPFRONT) - NÃO CANDIDATO ao TMO TERAPIAS DE SUPORTE

100 TRATAMENTO Profilaxia Trombose TERAPIAS DE SUPORTE Risco de Trombose : - Sem tromboprofilaxia risco = 14% a 26% (Thal + Dexa) - Sem tromboprofilaxia risco = 10 % a 20% (Thal + Melph)

101 TRATAMENTO Profilaxia Trombose TERAPIAS DE SUPORTE Avaliada ocorrência de: TVP TEP trombose arterial evento cardiovascular morte subita Risco observado : ASA = 6% WAR = 8% LMWH = 5% Sem diferença estatistica!!

102 TRATAMENTO Profilaxia Trombose TERAPIAS DE SUPORTE Avaliada ocorrência de: TVP TEP trombose arterial evento cardiovascular morte subita Risco observado : ASA = 6% WAR = 8% LMWH = 5% Sem diferença estatistica!! Conclusão : Eficácia similar AAS=WAR=LMWH

103 TRATAMENTO TERAPIAS DE SUPORTE Bisfosfonatos Pamidronato (Aredia) Acido Zoledronico (Zometa) 90 mg cada 3-4 semanas 4 mg cada 3-4 semanas Kyle, 2007, JCO (ASCO Guidelines - Updated) Pam = Ac.Zol. Pam > Ac.Zol. Ins.Renal Severa Ac.Zol > Pam. Osteonecrose de mandibula (Zervas et al) manter por 2 anos mensal se dx estavel / remissão =suspender manutenção a critério clínico (individual)

104 TRATAMENTO TERAPIAS DE SUPORTE Bisfosfonatos msmart (Mayo) prefere Pamidronato cuidados dentários periódicos! (antes e durante uso) = osteonecrose de mandibula suplementar cálcio + vit. D

105 TRATAMENTO PFS TimeNxtTreatm OS

106 TRATAMENTO TimeNxtTreatm PFS OS Conc Plasmatica J M Kutner 2011

107 TRATAMENTO 13th International Myeloma Workshop, 2011

108 TRATAMENTO 13th International Myeloma Workshop, 2011

109 TRATAMENTO

110 Lisa Ray -- cancer-free By Jill Serjeant LOS ANGELES Wed Apr 21, :07pm EDT LOS ANGELES (Reuters) - Ten months after being diagnosed with a rare form of cancer, Canadian actress Lisa Ray says she is cancer free, has enjoyed being bald, and is ready to embrace her second home, India, with new vigor.

111

112 as myeloma evolves from an incurable cancer to a chronic disease, physicians are faced with the task of maximizing available treatments not only to improve survival but also to maintain their patients quality of life....à medida que o mieloma evolui de um câncer incurável para uma doença cronica, os médicos estão frente à tarefa de maximizar os tratamentos disponíveis não somente para melhorar a sobrevida mas também para manter a qualidade de vida de seus pacientes. Ashraf Z. Badros, M.B., Ch.B.

113 Obrigado

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

MIELOMA MÚLTIPLO DANIEL MERCANTE

MIELOMA MÚLTIPLO DANIEL MERCANTE MIELOMA MÚLTIPLO DANIEL MERCANTE MIELOMA MÚLTIPLO INTRODUÇÃO EPIDEMIOLOGIA ETIOLOGIA ETIOPATOGENIA PATOGENIA AVALIAÇÃO CLÍNICA DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL PROGNÓSTICO TRATAMENTO INTRODUÇÃO MIELOMA

Leia mais

RASTREANDO CLONES DE PLASMÓCITOS NA MEDULA ÓSSEA

RASTREANDO CLONES DE PLASMÓCITOS NA MEDULA ÓSSEA RASTREANDO CLONES DE PLASMÓCITOS NA MEDULA ÓSSEA Maura R Valério Ikoma Laboratório de Citometria de Fluxo Serviço de Transplante de Medula Óssea Hospital Amaral Carvalho - Jau Maura R Valério Ikoma Residência

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ

Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ Resposta Curva Dose-Resposta Dose Odaimi et al. Am J Clin

Leia mais

LUIZA SOARES VIEIRA DA SILVA

LUIZA SOARES VIEIRA DA SILVA LUIZA SOARES VIEIRA DA SILVA Impacto de bandas oligoclonais na sobrevida global e sobrevida livre de progressão de pacientes com mieloma múltiplo que obtiveram pelo menos resposta parcial muito boa após

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOIÉTICAS NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA.

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOIÉTICAS NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGÉNETICA HUMANA MÔNICA DE SOUSA PITA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOIÉTICAS NO TRATAMENTO DA LEUCEMIA.

Leia mais

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145 NT 25/2012 Solicitante: João Martiniano Vieira Neto Juiz da 2ª Vara de Registros Públicos e Fazenda Pública Municipal de Juiz de Fora/MG Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração

Leia mais

A 71-Year-Old Woman with Multiple Myeloma Status after Stem Cell Transplantation

A 71-Year-Old Woman with Multiple Myeloma Status after Stem Cell Transplantation A 71-Year-Old Woman with Multiple Myeloma Status after Stem Cell Transplantation Leslie J. Donato 1, Steven R. Zeldenrust 2, David L. Murray 1 and Jerry A. Katzmann 1,2, * Uma mulher de 71 Anos com Mieloma

Leia mais

Entendendo a Eletroforese de Proteínas

Entendendo a Eletroforese de Proteínas Entendendo a Eletroforese de Proteínas International Myeloma Foundation 12650 Riverside Drive, Suite 206 North Hollywood, CA 91607 USA Telephone: 800-452-CURE (2873) (USA & Canada) 818-487-7455 Fax: 818-487-7454

Leia mais

Entendendo. a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro

Entendendo. a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro Entendendo a Técnica de Detecção de Cadeias Leves Livres no Soro International Myeloma Foundation 12650 Riverside Drive, Suite 206 North Hollywood, CA 91607 USA Telephone: 800-452-CURE (2873) (USA & Canada)

Leia mais

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV?

Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Estamos prontos para guiar o tratamento com base no status do HPV? Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Oncologista Clínico Onco-Vida,

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS

ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS ANÁLISE ECONÔMICA E ETIOLÓGICA DE PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E COMPLICAÇÕES RENAIS MARTOS, Natália Martinez; HALBE, Ricardo natymm@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: O número

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ESPECIALIZAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR E CITOGENÉTICA HUMANA JOANA MARIA SANTANA SANTOS CITOGENÉTICA NO DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA LEUCEMIA MIELÓIDE

Leia mais

Fernando Ferrito, Andrea Furtado Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca E.P.E Eduardo Carrasquinho Hospital Divino Espírito Santo, Évora E.P.

Fernando Ferrito, Andrea Furtado Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca E.P.E Eduardo Carrasquinho Hospital Divino Espírito Santo, Évora E.P. Fernando Ferrito, Andrea Furtado Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca E.P.E Eduardo Carrasquinho Hospital Divino Espírito Santo, Évora E.P.E XVII Workshop de Urologia Oncológica Braga, April,13 th CaP é

Leia mais

Lung Cancer. Risk Factors

Lung Cancer. Risk Factors Lung Cancer The lungs are the organs that help us breathe. They help to give oxygen to all the cells in the body. Cancer cells are abnormal cells. Cancer cells grow and divide more quickly than healthy

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia. José Bines Instituto Nacional de Câncer

Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia. José Bines Instituto Nacional de Câncer Os Trabalhos/Abstracts mais Relevantes em Câncer de mama Tratamento Adjuvante: Hormonioterapia José Bines Instituto Nacional de Câncer Índice Podemos selecionar pacientes para não receber tratamento adjuvante?

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

Paciente. Manual do. Improving Lives Finding the Cure. Mieloma Múltiplo Câncer de Medula Óssea. 2015 Preparado por Brian G.M.

Paciente. Manual do. Improving Lives Finding the Cure. Mieloma Múltiplo Câncer de Medula Óssea. 2015 Preparado por Brian G.M. Mieloma Múltiplo Câncer de Medula Óssea Manual do Paciente 2015 Preparado por Brian G.M. Durie, MD Versão em portugues revisada por Vânia M.T. Hungria, MD Rua Jandiatuba, 630 - Torre B - conj. 333 Vila

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO ATUALIZA CURSOS PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM ANÁLISES CLÍNICAS LUIZ ARTUR KRAUSE DE SOUSA WALTERMAR CORREIA DOS SANTOS SILVA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA: DIAGNÓSTICO PRECOCE: BOM PROGNÓSTICO Salvador/BA.

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE PROCISA THALES FREDERICO RIBEIRO FONSECA O SIGNIFICADO DAS VIVÊNCIAS E PERCEPÇÕES DE PACIENTES

Leia mais

Revisão Concisa. Mieloma Múltiplo. da Doença e Opções de Tratamento. Câncer da Medula Óssea. International Myeloma Foundation Latin America

Revisão Concisa. Mieloma Múltiplo. da Doença e Opções de Tratamento. Câncer da Medula Óssea. International Myeloma Foundation Latin America Revisão Concisa da Doença e Opções de Tratamento Mieloma Múltiplo Câncer da Medula Óssea International Myeloma Foundation Latin America Preparado Por Brian G.M Durie, MD Ed 2009 ÍNDICE Introdução O Que

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático. Antonio C. Buzaid

Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático. Antonio C. Buzaid Agentes Biológicos e Terapia Alvo em Câncer de Mama Metastático Antonio C. Buzaid Índice TDM4450g: Trastuzumab Emtansine (T-DM1) Versus Trastuzumab + Docetaxel em Pacientes com CMM Her-2 + sem Tratamento:

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama

Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Influência do peso corporal no tratamento adjuvante do câncer de mama Declaro não haver conflito de interesse Dra Maria Cecília Monteiro Dela Vega Médica Oncologista Clínica- CEBROM e Hospital Araujo Jorge

Leia mais

Indicações de quimioterapia intra-peritoneal com catéter nas pacientes com câncer de ovário avançado. Aknar Calabrich

Indicações de quimioterapia intra-peritoneal com catéter nas pacientes com câncer de ovário avançado. Aknar Calabrich Indicações de quimioterapia intra-peritoneal com catéter nas pacientes com câncer de ovário avançado Aknar Calabrich A importância do peritôneo 70% das pacientes com câncer de ovário avançado tem metástase

Leia mais

Papel da Quimioterapia Paliativa: até onde ir?

Papel da Quimioterapia Paliativa: até onde ir? Papel da Quimioterapia Paliativa: até onde ir? Rodrigo Ughini Villarroel CITO/HCPF Sem conflito de interesse para essa apresentação Tratamento sistêmico paliativo em câncer gástrico Existe vantagem na

Leia mais

Nefrectomia citorredutora

Nefrectomia citorredutora Nefrectomia citorredutora no câncer de rim metastático Gustavo Lemos Junho 2012 Carcinoma de células renais 1/3 metastáticos no diagnóstico 20 a 30% dos Ptscom tumor localizado irão desenvolver metástases.

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

O USO DA LENALIDOMIDA PARA O TRATAMENTO DO MIELOMA MÚLTIPLO

O USO DA LENALIDOMIDA PARA O TRATAMENTO DO MIELOMA MÚLTIPLO ESTUDO O USO DA LENALIDOMIDA PARA O TRATAMENTO DO MIELOMA MÚLTIPLO Rodolfo Costa Souza Consultor Legislativo da Área XVI Saúde Pública e Sanitarismo ESTUDO ABRIL/2013 Câmara dos Deputados Praça dos Três

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO

SABADOR. Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD. Professora de Clínica Médica da UNIRIO SABADOR Prevenção Primária: em quem devemos usar estatina e aspirina em 2015? Apresentadora: Renée Sarmento de Oliveira Membro da equipe de Cardiologia/Coronária HBD Professora de Clínica Médica da UNIRIO

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

Mieloma Múltiplo - Como o vemos nos dias atuais

Mieloma Múltiplo - Como o vemos nos dias atuais REVISÃO / Review Mieloma Múltiplo - Como o vemos nos dias atuais Multiple Myeloma - How Does it see actually? Luciane Casaretto* Resumo Mieloma Múltiplo (MM) é uma doença de plasmócitos sendo uma patologia

Leia mais

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte:

Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: QUESTÃO 01 Escolha o nível de contagem de plaquetas considerado seguro para a realização de uma cirurgia de grande porte: a) 10.000/mm 3 b) 5.000/mm 3 c) 20.000/mm 3 d) 100.000/mm 3 e) 30.000/mm 3 QUESTÃO

Leia mais

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Ingrid A. Mayer, M.D., M.S.C.I. Professora Assistente Diretora, Pesquisa Clínica Programa de Câncer de Mama Vanderbilt-Ingram Cancer Center Nashville,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Diretrizes Assistenciais Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação 2011 Protocolo de Avaliação e Seguimento de Doadores Renais após a Doação Definição Todo paciente doador renal

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA GEISA BADAUY LAURIA SILVA USO DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE (GaAlAs) NA PREVENÇÃO DE MUCOSITE BUCAL EM PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE DE MEDULA

Leia mais

Carcinoma do pénis. La Fuente de Carvalho, Ph.D MD

Carcinoma do pénis. La Fuente de Carvalho, Ph.D MD Carcinoma do pénis La Fuente de Carvalho, Ph.D MD Epidemiologia - idade > 50 anos - 550 novos casos / ano (Reino Unido) - 1250 novos casos / ano (EUA) - Centro Registo California - entre 1988 2004 2.870

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 49/2013 Data: 23/03/2014 Solicitante: Dr. José Hélio da Silva Juíz de Direito da 4a Vara Civel Comarca de Pouso Alegre em Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo:

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

VI Congresso Paulista de

VI Congresso Paulista de VI Congresso Paulista de Clínica MédicaM Anemia no Idoso: Um problema de Saúde Pública P Dr. João Carlos de Campos Guerra Centro de Hematologia de São Paulo CHSP Departamento de Patologia Clínica Setor

Leia mais

Metodologia diagnóstica e tratamento da recaída após transplante de medula óssea em paciente com leucemia promielocítica aguda

Metodologia diagnóstica e tratamento da recaída após transplante de medula óssea em paciente com leucemia promielocítica aguda Relato de Caso Metodologia diagnóstica e tratamento da recaída após transplante de medula óssea em paciente com leucemia promielocítica aguda Ronald Pallotta 1 Estácio Ramos 2 Mara R. Ribeiro 3 O transplante

Leia mais

II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação

II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação Page 1 of 8 Início Conheça a revista II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação Publicado por Marcos Vinhal em 9 de outubro, 2009 II Simpósio Internacional de Trombose e Anticoagulação destaca

Leia mais

2 - to raise awareness of the nature, extent, complexity and consequences of misuse of alcohol and other drugs occorring among doctors

2 - to raise awareness of the nature, extent, complexity and consequences of misuse of alcohol and other drugs occorring among doctors Working Group on the Misuse of Alcohol and Other Drugs by Doctor - British Medical Association - 1998 Ênfase : "...the protection of patients by recognising and dealing firmly and fairly with dysfunctional

Leia mais

Sobrevida de pacientes portadores de mieloma múltiplo atendidos em hospital de referência no Sul de Santa Catarina*

Sobrevida de pacientes portadores de mieloma múltiplo atendidos em hospital de referência no Sul de Santa Catarina* ARTIGO ORIGINAL Sobrevida de pacientes portadores de mieloma múltiplo atendidos em hospital de referência no Sul de Santa Catarina* Survival of patients with multiple myeloma attended in a reference hospital

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PRÉVIA DO MEDICAMENTO PARA USO HUMANO EM MEIO HOSPITALAR DCI gefitinib N.º Registo Nome Comercial Apresentação/Forma Farmacêutica/Dosagem PVH PVH com IVA Titular de AIM 30 comprimidos

Leia mais

Dr. Felipe José Fernández Coimbra Depto. De Cirurgia Abdominal - Cirurgia Oncológica

Dr. Felipe José Fernández Coimbra Depto. De Cirurgia Abdominal - Cirurgia Oncológica Dr. Felipe José Fernández Coimbra Depto. De Cirurgia Abdominal - Cirurgia Oncológica Duodenopancreatectomia Howard JM, 1968 Morbimortalidade pancreatectomia Fhurman GM, et al. Ann. Surg. 1996. Leach SD,

Leia mais

I. Este protocolo envolve: QUIMIOTERAPIA EM ALTAS DOSES COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS

I. Este protocolo envolve: QUIMIOTERAPIA EM ALTAS DOSES COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS Protocolo QUIMIOTERAPIA EM ALTAS DOSES COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS PARA O TRATAMENTO DE LINFOMAS NÃO-HODGKIN DE ALTO GRAU DE MALIGNIDADE E LINFOMAS DE HODGKIN Versão eletrônica atualizada

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

Diagnóstico Molecular em Transplantação. Paulo Santos Laboratório de Genómica Funcional Centro de Histocompatibilidade do Centro

Diagnóstico Molecular em Transplantação. Paulo Santos Laboratório de Genómica Funcional Centro de Histocompatibilidade do Centro Diagnóstico Molecular em Transplantação Paulo Santos Laboratório de Genómica Funcional Centro de Histocompatibilidade do Centro Histocompatibilidade Serologia Genética Molecular Virologia Bioquímica Genómica

Leia mais

Transplante de células-tronco hematopoéticas em gamopatias monoclonais

Transplante de células-tronco hematopoéticas em gamopatias monoclonais REVISTA BRASILEIRA DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA Transplante de células-tronco hematopoéticas em gamopatias monoclonais Hematopoietic stem cell transplantation for monoclonal gammopathies Angelo Maiolino

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

TEMA: Tratamento com Sunitinibe (Sutent ) do Carcinoma de Células Renais metastático (do tipo carcinoma de células claras).

TEMA: Tratamento com Sunitinibe (Sutent ) do Carcinoma de Células Renais metastático (do tipo carcinoma de células claras). Nota Técnica 37/2012 Data: 04/12/2012 Solicitante: Dra. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Desembargadora 1ª Câmara Cível - TJMG Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 1.0035.12.013771-2/001

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO São Paulo, 27-29 Novembro 2008. IV JORNADA PAULISTA DE MASTOLOGIA ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO EDUARDO MILLEN HSPE-SP- IAMSPE/ EPM UNIFESP HOSPITAL VITA VOLTA REDONDA- RJ ATUALIZAÇÃO

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012

VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica. Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Brasília 6 e 7 de dezembro de 2012 Modelos de Prevenção Secundária da DRC : Modelo Público-Privado Paulo Luconi Dir técnico da ABCDT pauloluconi@uol.com.br

Leia mais

S. Marques*, A. M. Baptista**, M. H. Pacheco**, J. A. Malhado***

S. Marques*, A. M. Baptista**, M. H. Pacheco**, J. A. Malhado*** Mieloma múltiplo num doente com SIDA Multiple myeloma in a patient with AIDS S. Marques*, A. M. Baptista**, M. H. Pacheco**, J. A. Malhado*** * Médica do Internato Complementar de Medicina Interna ** Assistente

Leia mais

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE:

TRH E CÂNCER DE MAMA FONTE: VALÉRIA COUTINHO FONTE: SINTOMAS (precoces) ACHADOS FÍSICOS (Intermediárias) DOENÇAS (Tardias) Fogacho Insônia Irritabilidade Distúrbio do humor Atrofia vaginal Incontinência urinária Atrofia da pele Osteoporose

Leia mais

Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante. O que ha de novo?

Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante. O que ha de novo? Os Mais Importantes Estudos de Quimioterapia Neo-adjuvante O que ha de novo? Carlos H. Barrios Professor, PUCRS School of Medicine Director, Oncology Research Center, Hospital São Lucas Director, Instituto

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia*

Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE EXTENSÃO E CULTURA Atendimento odontológico ao paciente com câncer bucal na cidade de Goiânia* VIEIRA,Denise Ferreira 1 ; SOARES,Mariana

Leia mais

SÍNDROMES LINFOPROLIFERATIVAS. Hye, 2014

SÍNDROMES LINFOPROLIFERATIVAS. Hye, 2014 SÍNDROMES LINFOPROLIFERATIVAS Hye, 2014 LLC- INCIDÊNCIA 2 novos casos a cada 100000 pessoas/ano; 30% dos novos casos de leucemia; Leucemia mais comum do mundo ocidental; Quase exclusivamente devido à

Leia mais

JJNS. Linfoma de Hodgkin

JJNS. Linfoma de Hodgkin Linfoma de Hodgkin Jairo José do nascimento Sobrinho Hematologista Hospital Israelita Albert Einstein V curso de Revisão em Hematologia e Hemoterapia São Paulo 21/06/2012 Primeiros Indícios - 1666 Descrição

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

Critérios de ressecabilidade

Critérios de ressecabilidade Rene Claudio Gansl Casos 1.37 Casos 1.77 Mortes 18.3 Mortes 18.3 Jemal,CA Cancer 1. Total de casos: 43.14 Total de mortes: 37.8 Critérios de ressecabilidade ESTADIO Diagn.. SV 5 An. Localizado 8% % Localmente

Leia mais

Caso clínico 1 Síndrome linfoproliferativa. Dr. Edgar Gil Rizzatti

Caso clínico 1 Síndrome linfoproliferativa. Dr. Edgar Gil Rizzatti Caso clínico 1 Síndrome linfoproliferativa Dr. Edgar Gil Rizzatti Caso clínico 1: síndrome linfoproliferativa Identificação: História clínica: Exame físico: Homem de 60 anos, bancário, natural e procedente

Leia mais

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO: SUNITINIBE NO TRATAMENTO DE PRIMEIRA LINHA DO TUMOR IRRESSECÁVEL OU METASTÁTICO DE RIM 30/2013 Belo Horizonte Junho/2013 Declaração de possíveis conflitos de interesse. Nenhum

Leia mais

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas

Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Hepatotoxicidade Induzida por Estatinas Aécio Flávio Meirelles de Souza Mestre em Gastroenterologia pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas em Gastroenterologia (IBEPEGE). São Paulo, SP Professor

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático

Perspectivas sobre a Quimioterapia de Primeira Linha e Manutenção em NSCLC Não Escamoso Metastático Lucio Crinò, MD: Olá, bem vindo a este programa! Sou Lucio Crinò, Médico Oncologista de Perugia, Itália. Hoje, estou aqui para discutir o paradigma de tratamento atual para câncer de pulmão de células

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS?

A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS VARIÁVEIS CARDIOVASCULARES EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS? 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE CEILÂNDIA CURSO DE FISIOTERAPIA AMANDA CASTELO BRANCO DUARTE HANNA LISSA RIBEIRO MIRANDA QUINTANILHA A MANIPULAÇÃO OSTEOPÁTICA CERVICAL GERA EFEITOS IMEDIATOS NAS

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Centro Hospitalar Tâmega e Sousa, EPE Serviço de Patologia Clínica

Centro Hospitalar Tâmega e Sousa, EPE Serviço de Patologia Clínica Centro Hospitalar Tâmega e Sousa, EPE Serviço de Patologia Clínica Universidade do Porto Faculdade de Farmácia Patrícia Isabel Martins Gonçalves dos Santos Avaliação da incidência de Gamapatias Monoclonais

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil.

Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil. Self-reported diabetes: a feasible solution for national surveys in developing countries as Brazil. Valéria M. Azeredo Passos, Janaina Caldeira Pereira, Sandhi Maria Barreto INTRODUCTION Type 2 diabetes

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais